Você está na página 1de 112

ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 1

SÉRIE DOCUMENTOS REVIZEE – SCORE SUL


Prospecção pesqueira de
espécies demersais com
espinhel-de-fundo na Zona
Econômica Exclusiva da Região
Sudeste-Sul do Brasil.

Editores
Manuel Haimovici
Antônio Olinto Ávila-da-Silva
Carmen L. D. B. Rossi-Wongtschowski
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 2

Comitê Executivo do Programa REVIZEE


Comissão Interministerial para os Recursos do Mar – CIRM
Ministério do Meio Ambiente – MMA
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq
Ministério de Minas e Energia - MME
Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA
Ministério da Ciência e Tecnologia – MCT
Marinha do Brasil – MB
Ministério da Educação – MEC
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA
Ministério das Relações Exteriores – MRE

Programa REVIZEE – Score Sul


Coordenador: Carmen Lúcia Del Bianco Rossi-Wongtschowski - IOUSP
Vice Coordenador: Lauro Saint Pastous Madureira – FURG

Série Documentos REVIZEE – Score Sul


Responsável – Carmen Lúcia Del Bianco Rossi-Wongtschowski

Comissão Editorial
Jorge Pablo Castello – FURG
Paulo de Tarso Cunha Chaves – UFPR
Sílvio Jablonski – UERJ

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)


(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

Prospecção pesqueira de espécies demersais com


espinhel-de-fundo na Zona Econômica Exclusiva da
Região Sudeste-Sul do Brasil / editores Manuel
Haimovici, Antônio Olinto Ávila-da-Silva, Carmen L.
D. B. Rossi-Wongtschowski. — São Paulo : Instituto
Oceanográfico — USP, 2004. — (Série Documentos
Revizee : Score Sul / responsável Carmen Lúcia Del
Bianco Rossi-Wongtschowski)

Vários autores.
Patrocínio: PETROBRAS
Bibliografia.
ISBN 85-98729-01-9

1. Espinhel-de-fundo 2. Prospecção pesqueira


3. Zona Econômica Exclusiva (Direito do mar) — Brasil
I. Haimovici, Manuel. II. Ávila-da-Silva, Antônio Olinto.
III. Rossi-Wongtschowski, Carmen Lúcia Del Bianco. IV. Série.

04-6403 CDD-551.460709162

Índices para catálogo sistemático:


1. Espinhel-de-fundo : Uso na prospecção pesqueira
de espécies demersais : Zona Econômica Exclusiva :
Direito do mar : Brasil 551.460709162

Impresso no Brasil – Printed in Brazil 2004

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 3

SUMÁRIO

Apresentação do Programa Revizee . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5


Prefácio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7
Resumo, abstract e palavras-chave . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .9
1. Prospecção Pesqueira de Espécies Demersais com Espinhel-de-Fundo na
Região Sudeste-Sul do Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .11
Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .11
1.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .12
1.1.1 Área de estudo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .12
1.1.2 Antecedentes da pesca de linha na região sudeste-sul . . . . . . . . . . . . . .15
1.1.3 Propriedades do espinhel-de-fundo para amostrar
peixes demersais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .16
1.2. Planejamento amostral e métodos de coleta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .16
1.2.1 Planejamento amostral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .16
1.2.2 Embarcação e equipamentos de navegação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .17
1.2.3 Equipamentos de pesca . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .18
1.2.4 Operações de pesca e amostragens a bordo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .20
1.2.5 Processamento dos dados e identificação do material coletado . . . . . .22
1.2.6 Operações de pesca realizadas e dados ambientais registrados . . . . . . .23
1.2.7 Participação nos embarques, amostragens, processamento
dos dados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .27
1.3. Distribuição e abundância relativa de peixes demersais . . . . . . . . . . . . . . . . .27
1.3.1 Métodos de análise . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .27
1.3.1.1 Rendimentos, densidades e abundâncias relativas . . . . . . . . . . . . .27
1.3.1.2 Composições de comprimentos e sexos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .28
1.3.2 Resultados e Discussão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .29
1.3.2.1 Composição das capturas e rendimento pesqueiro do
espinhel-de-fundo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .29
1.3.2.2 Distribuição e índices de abundância por espécie . . . . . . . . . . . . . .37
1.3.2.3 Impacto da pesca de espinhel-de-fundo sobre a fauna
acompanhante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .62
1.3.2.4 Composição das capturas das pargueiras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .64
1.3.2.5 Composição das capturas das armadilhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .66
1.3.2.6 Comparação das capturas de peixes pelo espinhel,
pargueiras e armadilhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .69
1.3.2.7 Perda de iscas devido a crustáceos bentônicos . . . . . . . . . . . . . . . .71
1.3.2.8 Capturas incidentais de aves no espinhel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .73
1.3.3 Conclusões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .74
1.4 Referências bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .75
Anexo 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .77
Pessoal envolvido nos embarques, amostragens e processamento dos dados . . . .77

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 4

2. Macroinvertebrados bentônicos capturados por armadilhas e


espinhel-de-fundo na plataforma externa e talude superior entre
Chuí (RS) e o Cabo de Santa Marta Grande (SC) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .79
Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .79
2.1 Invertebrados Capturados pelas Armadilhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .79
2.2 Invertebrados capturados com espinhel-de-fundo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .82
2.3 Discussão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .82
2.4 Referências bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .84
3. Captura Incidental de Aves Oceânicas na Pesca com Espinhel-de-fundo . . .85
Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .85
3.1 Material e método . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .85
3.2 Resultados e discussão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .86
3.2.1 Diomedea exulans (Albatroz-viajeiro) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .87
3.2.2 Thalassarche melanophris (Albatroz-de-sobrancelha) . . . . . . . . . . . . . . .88
3.2.3 Procellaria aequinoctialis (Pardela-preta) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .88
3.2.4 Procellaria conspicillata (Pardela-de-óculos) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .89
3.2.5 Puffinus gravis (Pardela-de-sobre-branco) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .89
3.3 Considerações finais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .89
3.4 Referências bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .90
4. Diversidade e Associação de Espécies nas Capturas de Espinhel-de-fundo . .93
Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .93
4.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .93
4.2 Materiais e Métodos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .93
4.3 Resultados e Discussão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .94
4.4 Conclusões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .109
4.5 Referências bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .109
Agradecimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .111

4 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 5

APRESENTAÇÃO DO
PROGRAMA REVIZEE

Avaliação do Potencial Sustentável de


Recursos Vivos na Zona Econômica Exclusiva

Oneida Freire
Diretora do Programa de
Gerenciamento Ambiental
Territorial – MMA
Os ambientes costeiros e oceânicos contêm a maior parte da biodiversidade dis-
ponível no planeta. Não obstante, grande parte desses sistemas vem passando por algum
tipo de pressão antrópica, levando populações de importantes recursos pesqueiros, antes
numerosas, a níveis reduzidos de abundância e, em alguns casos, à ameaça de extinção.
Observam-se, em conseqüência, ecossistemas em desequilíbrio, com a dominância de
espécies de menor valor comercial, ocupando os nichos liberados pelas espécies sobreex-
plotadas, o que representa uma séria ameaça ao desenvolvimento sustentável.
Tal situação levou a comunidade internacional a efetuar esforços e pactuar normas
para a conservação e exploração racional das regiões costeiras, mares e oceanos, platafor-
mas continentais e grandes fundos marinhos, destacando-se a Convenção das Nações
Unidas sobre o Direito do Mar e o Capítulo 17 da Agenda 21 (Proteção dos Oceanos, de
Todos os Tipos de Mares e das Zonas Costeiras, e Proteção, Uso Racional e Desenvolvi-
mento de seus Recursos Vivos), além da Convenção da ONU sobre Diversidade Biológica.
O Brasil é parte destes instrumentos, tendo participado ativamente da elaboração de todos
eles, revelando seu grande interesse e preocupação na matéria.
A Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar – CNUDM, ratificada por
mais de 100 países, é um dos maiores empreendimentos da história normativa das rela-
ções internacionais, dispondo sobre todos os usos, de todos os espaços marítimos e oceâ-
nicos, que ocupam mais de 70% da superfície da Terra. O Brasil assinou a CNUDM em 1982
e a ratificou em 1988, além de ter incorporado seus conceitos sobre os espaços marítimos
à Constituição Federal de 1988 (art. 20, incisos V e VI), os quais foram internalizados na
legislação ordinária pela Lei No 8.617, de 4 de janeiro de 1993. A Convenção encontra-se
em vigor desde 16 de novembro de 1994.
A Zona Econômica Exclusiva (ZEE) constitui um novo conceito de espaço marítimo
introduzido pela Convenção, sendo definida como uma área que se estende desde o limi-
te exterior do Mar Territorial, de 12 milhas de largura, até 200 milhas náuticas da costa, no
caso do nosso País. O Brasil tem, na sua ZEE de cerca de 3,5 milhões de km2, direitos exclu-
sivos de soberania para fins de exploração e aproveitamento, conservação e gestão dos
recursos naturais, vivos ou não vivos, das águas sobrejacentes ao leito do mar, do leito e seu
subsolo, bem como para a produção de energia a partir da água, marés, correntes e ventos.
Ao lado dos direitos concedidos, a CNUDM também demanda compromissos aos
Estados-partes. No caso dos recursos vivos (englobando os estoques pesqueiros e os
demais recursos vivos marinhos, incluindo os biotecnológicos), a Convenção (artigos 61 e
62) estabelece que deve ser avaliado o potencial sustentável desses recursos, tendo em
conta os melhores dados científicos disponíveis, de modo que fique assegurado, por meio
de medidas apropriadas de conservação e gestão, que tais recursos não sejam ameaçados
por um excesso de captura ou coleta. Estas medidas devem ter, também, a finalidade de
restabelecer os estoques das espécies ameaçadas por sobreexploração e promover a

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


5
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 6

otimização do esforço de captura, de modo que se produza o rendimento máximo susten-


tável dos recursos vivos marinhos, sob os pontos de vista econômico, social e ecológico.
Para atender a estes dispositivos da CNUDM e a uma forte motivação interna, a
Comissão Interministerial para os Recursos do Mar – CIRM aprovou, em 1994, o Programa
REVIZEE (Avaliação do Potencial Sustentável de Recursos Vivos na Zona Econômica
Exclusiva), destinado a fornecer dados técnico-científicos consistentes e atualizados, essen-
ciais para subsidiar o ordenamento do setor pesqueiro nacional.
Iniciado em 1995, o Programa adotou como estratégia básica o envolvimento da
comunidade científica nacional, especializada em pesquisa oceanográfica e pesqueira,
atuando de forma multidisciplinar e integrada, por meio de Subcomitês Regionais de
Pesquisa (SCOREs). Em razão dessas características, o REVIZEE pode ser visto como um dos
programas mais amplos e com objetivos mais complexos já desenvolvidos no País, entre
aqueles voltados para as ciências do mar, determinando um esforço sem precedentes, em
termos da provisão de recursos materiais e da contribuição de pessoal especializado.
Essa estratégia está alicerçada na subdivisão da ZEE em quatro grandes regiões, de
acordo com suas características oceanográficas, biológicas e tipo de substrato dominante:
1. Região Norte – da foz do rio Oiapoque à foz do rio Parnaíba;
2. Região Nordeste – da foz do rio Parnaíba até Salvador, incluindo o arquipélago de
Fernando de Noronha, o atol das Rocas e o arquipélago de São Pedro e São Paulo;
3. Região Central – de Salvador ao cabo de São Tomé, incluindo as ilhas da Trindade e
Martin Vaz;
4. Região Sul – do cabo de São Tomé ao Chuí.
Em cada uma dessas regiões, a responsabilidade pela coordenação e execução do
Programa ficou a cargo de um SCORE, formado por representantes das instituições de
pesquisa locais e contando, ainda, com a participação de membros do setor pesqueiro
regional.
O processo de supervisão do REVIZEE está orientado para a garantia, em âmbito
nacional, da unidade e coerência do Programa e para a alavancagem de meios e recursos,
em conformidade com os princípios cooperativos (formação de parcerias) da CIRM, por
meio da Subcomissão para o Plano Setorial para os Recursos do Mar – PSRM e do Comitê
Executivo para o Programa. Coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente, esse fórum é
composto pelos seguintes representantes: Ministério das Relações Exteriores (MRE),
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Ministério da Educação (MEC),
Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), Marinha do Brasil (MB/MD), Secretaria da
Comissão Interministerial para os Recursos do Mar (SECIRM), Conselho Nacional de
Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Bahia Pesca S.A. (empresa vinculada à
Secretaria de Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária do Estado da Bahia) e Instituto
Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA, coordenador
operacional do REVIZEE.
A presente edição integra uma série que traduz, de forma sistematizada, os resulta-
dos do Programa REVIZEE para as suas diversas áreas temáticas e regiões, obedecendo às se-
guintes grandes linhas: caracterização ambiental (climatologia, circulação e massas d’água,
produtividade, geologia e biodiversidade); estoques pesqueiros (abundância, sazonalida-
de, biologia e dinâmica); avaliação de estoques e análise das pescarias comerciais; relató-
rios regionais, com a síntese do conhecimento sobre os recursos vivos; e, finalmente, o Su-
mário Executivo Nacional, com a avaliação integrada do potencial sustentável de recursos
vivos na Zona Econômica Exclusiva.
A série,contudo,não esgota o conjunto de contribuições do Programa para o conhe-
cimento dos recursos vivos da ZEE e das suas condições de ocorrência. Com base no
esforço de pesquisa realizado, foram, e ainda vêm sendo produzidos, um número significa-
tivo de teses, trabalhos científicos, relatórios, apresentações em congresso e contribuições
em reuniões técnicas voltadas para a gestão da atividade pesqueira no país, comprovando
a relevância do Programa na produção e difusão de conhecimento essencial para a ocu-
pação ordenada e o aproveitamento sustentável dos recursos vivos da ZEE brasileira.

6 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 7

PREFÁCIO

Carmen Lúcia Del Bianco


Rossi-Wongtschowski
Coordenadora do
Score Sul – IOUSP

Os trabalhos de Prospecção Pesqueira na região sudeste-sul do Brasil do Programa


REVIZEE incluíram atividades de pesca com diversos métodos, de modo a abranger recur-
sos pelágicos (que vivem na coluna de água), demersais (próximos ao fundo) e bentônicos
(sobre ou no fundo marinho).
Os objetivos destas pesquisas foram: inventariar os recursos vivos, relacionar suas
ocorrências com as características ambientais, estimar suas biomassas e avaliar seus poten-
ciais de captura.
Dentre os estudos efetuados, o “Levantamento com Espinhel de Fundo” teve, como
alvo principal, espécies que vivem próximas a fundos que, por serem irregulares, não
podem ser adequadamente amostrados com redes de arrasto.
A área de estudo abrangeu a faixa compreendida entre as isóbatas de 100 a 500m
de profundidade, entre Chuí (34º40´ S) e Cabo de São Tomé (22º00´S), ao longo de 2000km
de costa compreendendo 150 mil km2. Dois cruzeiros foram realizados: o primeiro entre
agosto e setembro de 1996 e o segundo entre abril e junho de 1997.
O capítulo I deste volume da Série Documentos REVIZEE traz, de forma detalhada,
o desenho amostral aplicado, as características dos equipamentos empregados, as opera-
ções e amostragens efetuadas, a composição das capturas, os rendimentos, densidades e
abundâncias relativas obtidos para as espécies capturadas, a estrutura das populações em
comprimento, peso, sexo e maturidade e os resultados de pesquisa sobre avaliação de pre-
dadores das iscas do espinhel.
O capítulo II contém informações sobre a fauna de macroinvertebrados bentônicos
capturados por armadilhas e pargueiras durante o segundo cruzeiro, quando se associou
tais equipamentos ao espinhel-de-fundo para capturar os predadores de iscas.
Do capítulo III constam as análises e resultados da composição e localização das
capturas incidentais de aves oceânicas na pesca com o espinhel-de-fundo.
No capítulo IV, os autores apresentam os resultados das análises sobre diversidade
e associação de espécies nas capturas do espinhel-de-fundo.
A equipe envolvida no desenvolvimento desta pesquisa, sob coordenação do Prof.
Manuel Haimovici da FURG, contou com a participação de pesquisadores, alunos, estagiá-
rios e bolsistas, atuando no I.Pesca, FURG, IOUSP, Instituto Florestal/SP, Universidade Cató-
lica de Santos e UNICamp.
Os 107 dias de mar e os muitos meses de análises das informações obtidas são, sem
qualquer sombra de dúvida, um marco histórico na pesquisa pesqueira brasileira.
O levantamento realizado leva à conclusão de que pouco se sabia sobre a com-
posição e a distribuição da icitiofauna demersal de fundo da plataforma externa e do talu-
de superior do sudeste-sul brasileiro, bem como sobre a biologia e a dinâmica popula-
cional das espécies-alvo da pesca de espinhel na região.
Que os resultados obtidos sirvam, efetivamente, aos órgãos de governo para a im-
plementação de adequadas políticas de pesca dos estoques de profundidade.

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


7
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 8

8 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 9

RESUMO, ABSTRACT E
PALAVRAS-CHAVE

Resumo
Este documento é o produto da prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo reali-
zada na plataforma externa e talude superior das regiões sudeste e sul do Brasil, como
parte da proposta de trabalho do Sub-Comitê Regional Sul do Programa REVIZEE, visan-
do avaliar os potenciais de captura dos recursos pesqueiros da Zona Econômica Exclusiva.
Embora anteriormente tenham sido realizados levantamentos de prospecção
pesqueira com espinhel-de-fundo em parte da área, os trabalhos ora documentados foram
a primeira tentativa de analisar, para toda a região, a distribuição, as densidades e as abun-
dâncias relativas das principais espécies e a composição da fauna acompanhante. O traba-
lho seguiu um desenho amostral padronizado, foi realizado em duas épocas do ano e
abrangeu uma área de mais de 150.000 km2. Para tanto, equipes de varias instituições se
revezaram em 107 dias de mar com o barco pesqueiro Margus II, realizando 188 operações
de pesca e o lançamento de cerca de 200.000 anzóis. Nos dois levantamentos realizados,
entre agosto e outubro de 1996 e de abril a junho de 1997, entre Chuí – RS (34˚40'S) e o
Cabo de São Tomé – RJ (22˚S), foram capturados mais de 20.000 peixes de mais de qua-
renta táxons além de diversos invertebrados e aves marinhas.
Do primeiro capítulo constam os resultados sobre a composição das espécies, suas
distribuições e abundâncias relativas em relação à latitude, profundidade e épocas do ano.
Constatou-se que mais de 80% das capturas do espinhel estiveram compostas por espé-
cies de importância comercial e que a abundância de teleósteos foi maior no sul no inver-
no-primavera e no sudeste no outono, enquanto que os elasmobrânquios foram muito
mais abundantes no sul e no inverno-primavera. Adicionalmente, a perda das iscas, cons-
tatada no levantamento de inverno, foi analisada no levantamento de outono, comparan-
do-se as capturas do espinhel com as de pargueiras e pequenas armadilhas presas ao es-
pinhel, mostrando que as capturas diferiram, principalmente, em relação ao tamanhos dos
peixes capturados e que a perda das iscas foi causada por caranguejos e isópodos bentôni-
cos, além das mesmas espécies de peixes capturadas pelo espinhel.
No segundo capítulo, são apresentadas as capturas de invertebrados obtidas na
parte sul da área de estudo. As armadilhas, além de peixes, capturaram apenas crustáceos,
principalmente isópodos e caranguejos. Já os anzóis dos espinhéis e as pargueiras cole-
taram uma ampla variedade de macroinvertebrados que habitam substratos consolidados
e inconsolidados.
A captura incidental de um número considerável de exemplares de cinco espécies
de aves marinhas migratórias, que se reproduzem em regiões subantárticas e antárticas e
que se alimentam, no inverno, na plataforma e talude continental da região sul brasileira,
mostrou que a pesca comercial de espinhel, no sul do Brasil, representa um importante
problema de conservação e foi analisada no Capítulo 3.
Do quarto capítulo constam os resultados dos padrões na distribuição da riqueza e
diversidade dos peixes capturados, constatando-se que ambas diminuíram com a profun-
didade, nas duas épocas do ano, e também com a latitude, no outono, quando parte da
ictiofauna de águas temperadas migra para o sul, acompanhando a Frente Subtropical.
Embora a maioria das espécies tenha apresentado ampla distribuição latitudinal, foram
encontrados alguns padrões de associação relacionados com a profundidade e a latitude,

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


9
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 10

que mostram não ser possível direcionar a pesca de espinhel-de-fundo para umas poucas
espécies-alvo, e evidenciando que algumas espécies de pequeno porte, normalmente não
desembarcadas pela frota pesqueira, estão sendo fortemente impactadas pela pesca.

Abstract
This volume presents the results of two series of longline surveys that had as main
scope a better undestanding of the fishing potential of the demersal fishes vulnerable to
hooks over both hard and soft bottoms on the outer shelf and upper slope of the south-
ern and southeastern Brazilian shelf and upper slope (22˚- 34˚S) between 100 and 500 m
depth covering over 150.000 km2.
The investigation was part of a wider scope research program about the potencial
of the living resources of the Brazilian Exclusive Economic Zone (REVIZEE ).
A leased fishing boat geared with a 1000 hooks steel longline fished for 107 days in
the cold season (July to October/1996) and warm season (March to June/1997), when addi-
tional small hooks and small traps were attached to the longline. Around 200.000 hooks
baited with squid fished in 188 stations yielding around 20,000 fishes of over 40 fish taxa
besides bird and invertebrates bycatches.
In the first chapter the species composition, their relative abundances, distribution
patterns and size composition in relation to depth, latitude, bottom temperature and sea-
sons are reported.The loss of baits to non-vulnerable fish and scavanger invertebrates was
investigated comparing the catch of the regular and smaller hooks and small traps. In the
second chapter, the invertebrates bycatch by hooks and small traps is reported, in the third,
the incidental catch of sea birds is analyzed and in the forth, the distribution of the species
richness and diversity of fishes and their association patterns are presented.
The survey showed that over 80% of the catches consisted of commercially valu-
able species, that bony fishes were most abundant in the south in the cold season and in
the southeast in warm season while elasmobranchs were far more abundant in the south
in cold season. There were no evidences of bait losses due to other fish species besides
those caught in the longline.Invertebrate scavangers as red crabs and isopods were impor-
tant in some areas. Hooks collected a surprizingly wide range of macroinvertebrates, in
both hard and soft bottoms. The incidental catch of sea birds seems to be a serious pro-
blem associated to longlining in southern Brazil, manly in winter when several migratory
species fee in that area. Species richness and diversity decreased with depth in both sea-
sons and with increasing latitude in autumn when the temperate fish fauna moves south-
ward with the Subtropical Front toward colder waters. Despite most of the species had a
wide latitudinal range, some demersal fish association patterns with depth and latitude
were evident showing that fishing aimed at certain species causes high levels of mortality
to small sized species normally discarted or used as bait in the longline fishery.

Palavras-chave: peixes demersais; espinhel-de-fundo; prospecção pesqueira; ZEE-Brasil.

10 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 11

1. PROSPECÇÃO PESQUEIRA DE ESPÉCIES


DEMERSAIS COM ESPINHEL-DE-FUNDO
NA REGIÃO SUDESTE-SUL DO BRASIL

Manuel Haimovici
Antônio Olinto Ávila-da-Silva
Sérgio Luiz dos Santos Tutui
Gastão César Cyrino Bastos
Roberta Aguiar dos Santos
Luciano Gomes Fischer

Resumo
Entre agosto e outubro de 1996 e entre abril e junho de 1997, foram realizados dois
levantamentos com espinhel-de-fundo de cabo principal de aço, entre o Chuí – RS
(34˚40'S) e o Cabo de São Tomé – RJ (22˚S), no contexto das pesquisas de prospecção
pesqueira demersal do programa REVIZEE no sul e sudeste do Brasil. Em 107 dias de mar
com o barco pesqueiro Margus II, foram realizadas 188 operações de pesca de espinhel
com o lançamento de 187.908 anzóis. Foram capturados 22.910 peixes, sendo identificadas
duas espécies de agnatos, 36 de teleósteos e 30 de elasmobrânquios. O rendimento dos
peixes foi de 73,4 kg/1.000 anzóis-hora no inverno-primavera, diminuindo para 53,6
kg/1.000 anzóis-hora no outono e os pesos médios diminuíram de 1,504 kg para 1,228 kg.
Os rendimentos de elasmobrânquios foram muito maiores no inverno-primavera no sul da
área de estudo; os rendimentos de teleósteos no inverno-primavera também foram maio-
res no sul e no outono no sudeste.
As principais espécies ou gêneros nas capturas, em peso, foram o peixe-batata
Lopholatilus villarii (28,4%), a abrótea-de-profundidade Urophycis mystacea (18,8%), os caço-
netes Squalus megalops e S. mitsukurii (14,1%), o cherne-poveiro Polyprion americanus
(10,4%),o cherne-verdadeiro Epinephelus niveatus (5,3 %),os cações do gênero Carcharhinus
(4,5%), o namorado Pseudopercis numida (4,0%), o sarrão Helicolenus lahillei (3,0 %), o cação-
bico-doce Galeorhinus galeus (1,6 %), os caçonetes Mustelus schmittii e M. canis (1,4 %), o
pargo-rosa Pagrus pagrus (1,3%) e o congro-rosa Genypterus brasiliensis (1,0%). Nume-
ricamente, tiveram certa importância as moréias do gênero Gymnothorax e a merluza Mer-
luccius hubbsi.Vinte por cento da captura total, em peso, foi composta por pequenos peixes
sem valor de mercado que, no entanto, são utilizados como isca nas embarcações comerciais.
Os resultados obtidos nas capturas mostram uma relativa especificidade da pesca
de anzol. A maioria das espécies-alvo da pesca de espinhel-de-fundo são pouco captura-
das com redes-de-arrasto, seja porque ocorrem sobre tipos de fundos não adequados para
o arrasto ou porque, devido a seu tamanho, conseguem evitar a rede. Já as espécies de
menor porte, como a abrótea-de-profundidade, o sarrão e os caçonetes, que ocorrem
sobre fundos moles, onde é possível arrastar, sofrem uma pressão de pesca maior.
Adicionalmente, no levantamento pesqueiro realizado de abril a junho de 1997,
foram utilizadas pargueiras e armadilhas, lançadas presas ao cabo principal do espinhel-
de-fundo. Nas 94 operações deste levantamento, foram utilizadas 646 pargueiras, com
4907 anzóis, que capturaram 254 peixes de 15 espécies ou gêneros, pesando em média

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


11
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 12

0,878 kg, com um rendimento médio de 16,70 kg por 1000 anzóis-hora. Foram também
lançadas 220 armadilhas, nas quais em 34 ocorreram 38 peixes de 9 taxa, principalmente
abrótea-de-profundidade e moréias, ocorrendo também pargo-rosa, sarrão e peixes agna-
tos. Invertebrados ocorreram em 87 armadilhas recolhidas; a espécie mais abundante foi o
caranguejo-vermelho Chaceon notialis, sendo também capturados alguns exemplares do
caranguejo-dourado C.ramosae. Isópodes do gênero Bathynomus e pequenos isópodes do
gênero Cirolana ocorreram com certa freqüência.
As análises conjuntas das capturas do espinhel-de-fundo, das pargueiras e das
armadilhas mostraram que, em lances diurnos, de curta duração, não ocorreram outras
espécies de peixes, além das presentes nas capturas do espinhel, que pudessem ser
responsáveis pela perda de iscas. As baixas capturas de peixes, tanto no espinhel-de-fundo
quanto nos anzóis das pargueiras próximos ao fundo, estiveram relacionadas com altas
densidades de crustáceos predadores de iscas capturados pelas armadilhas. O caranguejo-
vermelho e o caranguejo-dourado parecem ser os principais responsáveis pela predação
das iscas nas áreas onde são abundantes. A presença dos demais caranguejos e dos
isópodes do gênero Bathynomus não foi determinante para a perda de iscas, provavel-
mente por causa de sua menor densidade ou por estarem menos aparelhados para atuar
sobre as iscas. A ação dos isópodes Cirolana sp. foi ainda menos evidente porque foi pouco
retido pelas armadilhas, porém sua importância deve ser considerada nas áreas de maior
densidade populacional.

1.1 Introdução
Dados independentes da pesca são importantes para avaliar a distribuição e a
abundância dos peixes demersais vulneráveis à pesca com anzol na plataforma externa e
talude superior do sudeste-sul do Brasil. Embora tenha havido vários levantamentos em
áreas mais restritas, este trabalho é o primeiro que abrange toda a região em diferentes
épocas do ano e com uma arte de pesca utilizada na pesca comercial.
Este trabalho de prospecção pesqueira incluiu a realização de dois levantamentos
estacionais, abrangendo a região da costa brasileira compreendida entre os estados do Rio
de Janeiro e Rio Grande do Sul, na faixa de 100 a 500 m de profundidade. Os objetivos
específicos foram:
• Identificar as espécies que compõem as capturas;
• Obter estimativas da densidade e abundância relativas em número e peso das espécies,
com ênfase nas de interesse comercial, por áreas de pesca e épocas do ano;
• Analisar as variações espaciais e estacionais na distribuição e estrutura populacional das
espécies capturadas (composições por sexos e comprimentos) e em relação a variáveis
ambientais;
• Identificar padrões de distribuição, diversidade de espécies e das associações das mais
abundantes e relacionar sua ocorrência aos fatores abióticos monitorados;
• Obter amostras das diferentes espécies de peixes capturados para coleta de dados bio-
métricos e material biológico, como gônadas, estômagos e estruturas de aposição, para
estudos posteriores sobre maturação sexual, ciclo reprodutivo, relações comprimento-
peso, determinação de idades e crescimento.

1.1.1 Área de estudo


A área de estudo abrangeu a faixa compreendida entre as isóbatas de 100 e 500 m
de profundidade entre Chuí (34˚40’S) e Cabo de São Tomé (22˚00’S), ao longo de aproxi-
madamente 2000 km de costa (Figura 1.1). A superfície total da área de estudo é de apro-
ximadamente 150 mil km2, dos quais 112 mil estão entre as isóbatas de 100 e 200 m e 38
mil entre as de 200 e 500m.
A linha da costa e a topografia de fundo da plataforma do sul e sudeste do Brasil

12 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 13

são relativamente regulares. Entre Cabo Frio (23˚00’S) e Cabo de Santa Marta Grande
(28˚40’S) observa-se um embaiamento, com a plataforma mais larga na parte central (230
km) e mais estreita nas proximidades de Cabo Frio (50 km) e o Cabo de Santa Marta Grande
(110 km). Ao sul, a plataforma se alarga para máximos de 140 km em Tramandaí, 170 km na
barra de Rio Grande e 140 km em frente ao Arroio Chuí (33˚48’S). As isóbatas correm
aproximadamente paralelas à costa e à quebra de plataforma, geralmente entre 160 e 190
m, e estabelecem uma passagem suave de uma plataforma com uma declividade sempre
inferior a 2 m/km, ou 0˚08’, para um talude superior de gradiente pouco acentuado, de
cerca de 20m/km ou 1˚ (Zembruscki et al., 1972). As exceções ocorrem nos extremos da
região estudada: o talude entre São Tomé e Cabo Frio apresenta uma inclinação de 100
m/km com a quebra de plataforma em 100 m de profundidade e, entre Rio Grande e Chuí,
a inclinação da região de talude é de 80 a 130 m/km.
O levantamento de dados pretéritos geológicos indicou que as areias predominam
na plataforma interna de toda a região e as lamas na plataforma externa e talude; ao norte
do Rio de Janeiro predominam os sedimentos de maior granulometria. Em relação à com-
posição dos sedimentos em profundidades superiores a 100 m, os litoclásticos (<30% de
carbono) predominam ao sul do Estado de São Paulo e os bioclásticos (>30% de carbono)
ao norte; os litoclásticos estão em águas mais rasas, enquanto os bioclásticos em águas
mais profundas. Fundos duros são mais comuns no litoral do Rio de Janeiro e nas áreas
restritas do talude superior mais ao sul. Os bioclastos estão representados por “concheiros”

22˚ S Rio de Janeiro

18
São Paulo
17
24˚ S
15 16
14
Paraná 13
26˚ S 12
11
Santa Catarina 10
28˚ S 9

8
Rio Grande do Sul
30˚ S
7
6
5
32˚ S
4
3

34˚ S 500 2
100 1

54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W 38˚ W

Figura 1.1 – Posições dos lances de pesca realizados (•) em 18 perfis nos dois levantamentos de prospecção
pesqueira com espinhel-de-fundo entre São Tomé (22˚00’S) e Chuí (34˚40’S) realizados em agosto-outubro de
1996 (94 lances) e abril-junho de 1997 (94 lances), a bordo do B/P Margus II.

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


13
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 14

mais esparsos e isolados na plataforma interna no sul e principalmente por algas calcárias
do tipo rodolitos ao norte, onde ocorrem em faixas maiores e mais contínuas (Figueiredo
e Madureira, 1999).
Em relação à hidrografia, na superfície oceânica sobre o talude da região sudeste-
sul, flui a Água Tropical da Corrente do Brasil (AT, temperatura >20˚C, salinidade >36,4) e,
sob esta, corre a Água Central do Atlântico Sul (ACAS, temperatura de 6˚C a 20˚C, salini-
dade de 34,6 a 36), que, ao sul de São Tomé, circula em direção para o sul até profundidades
maiores que 500 m. Além desta isóbata, circula para o norte a Água Intermediária Antártica
(AIA, temperatura de 3˚ a 6˚C, salinidade de 34,2 a 34,6) (Silveira et al., 2000). Na platafor-
ma da região sudeste, a característica oceanográfica mais marcante é a presença sazonal,
durante o verão, da ACAS sobre o domínio interior da plataforma continental (10 a 50 m de
profundidade), separada por uma forte termoclina da camada superficial de mistura da AT
com a descarga de águas de origem continental. Já durante o inverno, a ACAS se retrai e a
coluna de água na plataforma interna e central adquire características quase homogêneas
com o desaparecimento da termoclina. A penetração estival da ACAS na região costeira
determina um aumento de produção primária (Matsuura, 1995; Castro e Miranda, 1998). A
alta produção primária e a estabilidade na coluna de água favorecem a sobrevivência de
larvas planctônicas, de modo que a grande maioria da megafauna bentônica e dos peixes
tem sua reprodução concentrada nesta época do ano (Pires-Vanin e Matsuura, 1993;
Vazzoler et al., 1999). Sobre a plataforma externa existe, durante todo o ano, a presença de
uma estratificação vertical devida à intrusão da ACAS forçada pelo meandramento da
Corrente do Brasil (Campos et al., 2000).Vórtices são causados pela mudança na direção da
linha de costa, próximo à região do Cabo Frio (Silveira et al., 2000). Em períodos de ventos
de NE, notadamente no verão e na primavera, surgem as condições favoráveis para que a
ACAS atinja a zona fótica, o que contribui para um aumento considerável da biomassa de
fitoplâncton na camada de mistura. A produção pesqueira é principalmente composta por
peixes pelágicos, tais como sardinha, bonito-listrado e atuns (Matsuura, 1995) e, em menor
proporção, de recursos demersais pescados com arrasto na plataforma interna e com anzol
na plataforma externa e talude superior (Carneiro et al., 2000).
Na plataforma da região ao sul do cabo de Santa Marta Grande, a característica mais
marcante é a variação sazonal da temperatura da água e da estratificação, que é forte no
verão e fraca ou inexistente no inverno (Castro e Miranda, 1998). Na plataforma externa, ao
sul de Rio Grande, forma-se a frente subtropical de plataforma (FSTP). Esta frente, perpen-
dicular à linha de costa, separa águas subantárticas de plataforma, frias e pouco salgadas,
das águas subtropicais de plataforma, mais quentes e salgadas. As primeiras são produto
da mistura de águas subantárticas oriundas da plataforma continental argentina com
águas de origem continental, principalmente do Rio da Prata e da Lagoa dos Patos e as
segundas se originam da modificação da ACAS através da mistura com águas costeiras
provenientes de aportes continentais (Piola et al., 2000). Sobre o talude, ao norte da
posição da FSTP, tem-se a presença da ACAS transportada para o sul pela corrente do
Brasil, cujo meandramento pode provocar a intrusão desta massa de água sobre a pla-
taforma continental (Castro e Miranda, 1998). Ao sul da FSTP, um forte gradiente de tem-
peratura e salinidade paralelo à costa define uma frente que marca a separação entre a
mistura de águas costeiras e subantárticas da plataforma com a águas subtropicais da
ACAS. Nesta região sobre o talude superior, entre o final do outono e meados da primave-
ra, observa-se também a margem oeste da frente de convergência entre as correntes do
Brasil e das Malvinas, que oscila sazonalmente (Piola et al. 2000; Soares e Moller, 2001). A
produtividade da plataforma é relativamente alta no inverno e na primavera por causa do
aporte de nutrientes de origem terrígena e do deslocamento para o norte da água suban-
tártica de plataforma (temperatura <15˚, salinidade <34,0, Odebrecht e Castello, 2001).
Outros mecanismos de fertilização são as ressurgências costeiras originadas pela forte
ação dos ventos de nordeste na primavera e no verão, que provocam a divergência de

14 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 15

águas superficiais e causam advecção da ACAS sobre a plataforma entre 28˚S e 32˚S.
Somam-se a isso as ressurgências no talude, mais comuns no inverno e primavera, quan-
do a ACAS e a Corrente do Brasil e o ramo costeiro da Corrente das Malvinas formam vór-
tices de circulação ciclônica (Garcia, 1998). Em relação à ictiofauna, na plataforma predo-
minam espécies demersais, particularmente cianídeos e a plataforma e o talude superior
são áreas de criação de peixes demersais de importância comercial (Haimovici et al., 1994;
Haimovici, et al., 1996). Atuns e espécies afins ocorrem ao longo do talude da região sul no
inverno. Várias das espécies demersais mais abundantes de plataforma e talude superior
migram sazonalmente durante o inverno, acompanhando o deslocamento, para o norte,
da Convergência Subtropical (Haimovici et al., 1998). Uma pescaria de bonito-listrado
ocorre no sul nos meses de verão ao longo da isóbata de 200 m, o que reforça a hipótese
da existência de uma ressurgência de bordo de plataforma no extremo sul do Brasil
(Andrade e Garcia, 1999).

1.1.2 Antecedentes da pesca de linha nas regiões sudeste e sul


A pesca de espécies demersais com linha-de-mão no Arquipélago de Abrolhos é
uma das mais antigas do Brasil. A pescaria é realizada por embarcações dos estados da
Bahia, do Espírito Santo e, principalmente, do Rio de Janeiro, tendo desembarcado entre
1970 e 1972 de 3592 a 4266 toneladas de peixes (Zavala Camin e Puzzi, 1974). Até a déca-
da de 1980 eram utilizados dois tipos de embarcações: os pequenos linheiros, com menos
de 15 m de comprimento e 20 toneladas de registro bruto (TRB), que eram utilizados por
pescadores que usavam linhas-de-mão e os linheiros grandes, com 15 a 22 m de compri-
mento e mais que 20 TRB. Os linheiros grandes geralmente carregavam de 15 a 20 peque-
nos botes ou caiaques e cada um deles era lançado ao mar com um pescador que traba-
lhava com duas linhas (Paiva et al., 1996). Na década de 1970, esta pescaria se expandiu
para o chamado Mar Novo, que incluía a plataforma externa do litoral de Rio de Janeiro, São
Paulo,Paraná e Santa Catarina.Barcos sediados principalmente no Rio de Janeiro exploravam
esta região, tendo, como espécies-alvo, o badejo Mycteropoerca bonaci, o cherne-verda-
deiro Epinephelus niveatus, os namorados (Pseudopercis numida e P. semifasciata), o batata
(Lopholatilus villarii) e a cioba (Ocyurus chrysurus) (Paiva et al., 1996).
Ao sul do Cabo de Santa Marta Grande, linheiros grandes e seus pequenos caíques
começaram a pescar a partir de 1973 (Santos e Rahn, 1978). A principal espécie capturada
era o cherne-poveiro Polyprion americanus, seguido dos namorados, do batata, do congro-
rosa Genypterus brasiliensis, da abrótea-de-profundidade Urophycis mystacea e de diversos
cações (Haimovici, 1997). Até fins da década de 1980, a pesca dos grandes peixes de fundo
era sempre realizada com linha-de-mão em pequenos botes (Barcellos et al., 1991). Entre
1988 e 1991, alguns barcos pescaram no litoral do Rio Grande do Sul com espinhéis-de-fun-
do com cabo principal de poliamida, que era utilizado principalmente na captura de cações
em profundidades inferiores a 300 m. A partir de 1993 começou a ser utilizado um tipo de
espinhel vertical desenvolvido no CEPSUL conhecido como “boinha”, para a pesca de cher-
ne-poveiro em até 450 m de profundidade (Peres e Haimovici, 1998).
Em 1994, foi introduzida no Brasil a pesca de espinhel-de-fundo de cabo principal
de aço e guincho hidráulico, a partir das operações de pesca experimentais realizadas ao
longo da costa sudeste, pelo N/Pq Orion, do Instituto de Pesca do Estado de São Paulo,
visando principalmente à captura do peixe-batata. Este tipo de espinhel foi adotado por
boa parte da frota de São Paulo (Ávila-da-Silva et al., 2001) e pela frota que atua no sul e
que tem o cherne-poveiro como principal espécie-alvo (Peres e Haimovici, 1998). Mais
recentemente, ao final da década de 1990, parte da frota da região sul evoluiu para a uti-
lização de espinhéis de cabo principal de náilon de seda, com cabos secundários ou “arin-
ques”, de mesmo material, mas menor diâmetro, com pedras para ancorá-lo ao fundo e
bóias que mantêm o cabo principal a certa distância do fundo, evitando a predação das
iscas por invertebrados (Haimovici e Velasco, 2003).

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


15
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 16

1.1.3 Propriedades do espinhel-de-fundo para amostrar peixes


demersais
O espinhel-de-fundo é uma arte de pesca passiva que permanece estacionária no
local de pesca. O encontro dos peixes com o espinhel depende da mobilidade dos mesmos.
Semelhante à pesca com armadilhas, os peixes são inicialmente atraídos pelas iscas através
do olfato. A distância na qual os peixes podem ser atraídos varia principalmente com o tipo
de peixe, as iscas utilizadas, o tempo de permanência na água e a direção e intensidade da
corrente (FA0, 1976). Sendo assim, o tamanho da área de ação do espinhel é muito variável e
não pode ser estabelecido com precisão. O poder de pesca do espinhel varia ao longo do
tempo de imersão, já que o número de anzóis disponíveis vai diminuindo devido a diversos
fatores, como a captura prévia, a perda das iscas, a perda de atração das iscas, etc. Devido a
estas limitações, o espinhel-de-fundo não pode ser utilizado para obter estimativas de abun-
dância absolutas. No entanto, como permite a captura de espécies demersais que habitam
sobre todo o tipo de fundos,pode ser de extrema utilidade para a prospecção da distribuição
e avaliação da abundância relativa de peixes associados a fundos irregulares ou pouco vulne-
ráveis às redes de arrasto (Gunderson, 1993; Hovgard e Lassen, 2000).
Do ponto de vista comercial, o espinhel-de-fundo é um método de pesca interes-
sante, pois permite atrair e agregar peixes de uma grande área com um custo de operação
relativamente baixo. É considerado um método de pesca adequado para capturar peixes
com distribuição dispersa ou com baixa densidade, além de ser possível utilizá-lo sobre
fundos irregulares ou em grandes profundidades. Por outro lado, por tratar-se de um apa-
relho de pesca com ponto de saturação definido, pode ser considerado relativamente
pouco eficiente para a pesca em áreas onde as densidades de peixe são grandes quando
comparado com o arrasto e o cerco. Todavia, o espinhel-de-fundo tem sido considerado
um dos métodos que mais satisfazem às premissas da pesca responsável, com alta seletivi-
dade de espécies e comprimentos, alta qualidade do pescado, baixo consumo de energia
e pouco impacto sobre o fundo oceânico (Bjordal e Løkkeborg, 1996; Hall, 1999).

1.2 Planejamento amostral e métodos de coleta


1.2.1 Planejamento amostral
Os dois levantamentos foram realizados a bordo do B/P Margus II, no inverno-pri-
mavera de 1996 e outono de 1997. Estes levantamentos foram executados com um inter-
valo de seis meses, visando à caracterização da ocorrência das espécies e à determinação
de suas abundâncias em distintas épocas do ano. No primeiro levantamento, utilizou-se
como aparelho de pesca apenas um espinhel-de-fundo com cabo principal de aço. No
segundo, além dos anzóis, pequenas pargueiras e armadilhas foram presas ao cabo princi-
pal do espinhel para investigar a possível presença de pequenos peixes e invertebrados,
que poderiam ser os responsáveis pela perda de iscas do espinhel.
A duração máxima de cada levantamento foi prevista em dois meses, e o número
de lances por dia e o número de anzóis por lance foram estabelecidos em função de esti-
mativas do tempo de lançamento e recolhimento e do número de horas necessárias para
navegar entre faixas de profundidade. A localização dos lances foi planejada de forma que
toda a área de estudo fosse amostrada com, aproximadamente, o mesmo esforço.
Os lances foram distribuídos ao longo de 18 perfis perpendiculares à costa, distan-
tes entre si em 52 milhas náuticas medidas sobre o perímetro envolvente da isóbata de
200 m. Ao longo de cada perfil foram realizados de 4 a 6 lances com 1.000 anzóis em seis
estratos de profundidade: 100 – 149 m, 150 – 199 m, 200 – 249 m, 250 – 299 m, 300 – 399 m
e 400 – 500 m. Dentro de cada estrato, os lances foram posicionados ao acaso em relação
à profundidade, evitando, porém, os fundos excessivamente acidentados, que poderiam
levar à perda do equipamento de pesca. Nas regiões de fundo íngreme era realizado ape-
nas um lance por intervalo de 100 m de profundidade.

16 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 17

Cada levantamento compreendeu seis cruzeiros que cobriram a área de estudo a


partir do sul. Por cruzeiro, eram realizadas operações de pesca em três perfis. Os portos de
Rio Grande, Itajaí, Santos e Rio de Janeiro foram utilizados para o revezamento das equipes
científicas, reabastecimento de rancho, combustível, gelo e para o desembarque e amos-
tragem das capturas. As áreas por faixa de profundidade abrangidas por cruzeiro foram
calculadas a partir de dados batimétricos (Tabela 1.1).

Tabela 1.1 – Áreas abrangidas e superfícies em km2 por faixas de profundidade nos cruzeiros em que foram
subdivididos os dois levantamentos de prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo, realizados em agosto-
outubro de 1996 e abril-junho de 1997, com o B/P Margus II.

Cruz. Cruz. 100 – 150 – 200 – 250 – 300 – 400 –


Perfis Área abrangida
1996 1997 149 m 199 m 249 m 299 m 399 m 510 m

9601 9701 1a3 Chuí a Rio Grande - RS 5066 5307 956 886 1059 1169
9602 9702 4a6 Rio Grande a Tramandaí 10182 7771 817 724 671 700
9603 9703 7a9 Torres a Ilha de Santa Catarina 12013 13808 3193 3211 3552 3760
9604 9704 10 a 12 São Francisco a Laje de Santos 11828 14746 1737 2260 1518 1932
9605 9705 13 a 15 São Sebastião a Baía de Guanabara 13966 7640 1778 1348 1850 1616
9606 9706 16 a 18 Cabo Frio a Cabo de São Tomé - RJ 6171 4305 1006 942 1006 967

Ao longo do texto, os 18 perfis foram denominados com referência a acidentes


geográficos ou faróis, como segue: Chuí (P1), Albardão (P2), Rio Grande (P3), Mostardas (P4),
Solidão (P5), Tramandaí (P6), Torres (P7), Santa Marta (P8), Ilha de Santa Catarina (P9), São
Francisco (P10), Cananéia (P11), Laje de Santos (P12), São Sebastião (P13), Ilha Grande (P14),
Baía de Guanabara (P15), Cabo Frio (P16), Búzios (P17), São Tomé (P18) (Figura 1.1). Na
análise da distribuição latitudinal das principais espécies nos levantamentos, os lances dos
perfis ao sul da Ilha de Santa Catarina (34˚40’S – 28˚S) foram considerados como perten-
centes à “região sul” e os lances ao norte da Ilha (28˚S – 22˚S) à “região sudeste”.

1.2.2 Embarcação e equipamentos de navegação


A embarcação utilizada foi o Margus II, construído em Itajaí em 1991, com 19,55 m
de comprimento de casco e 5,20 m de boca (Figura 1.2A). O barco tem uma arqueação
bruta ou toneladas de registro bruto (TRB) de 48 toneladas e uma capacidade de porão de
14 toneladas de pescado resfriado com gelo em escamas. O motor principal era um Scania
de 267 HP de potência e encontrava-se equipado com um radar JRC JMA 2043, uma ecos-

Figura 1.2A – B/P Margus II, aparelhado para pesca de espinhel-de-fundo, entrando no porto de Santos.

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


17
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 18

Figura 1.2B – B/P Margus II: vista do convés durante o recolhimento do espinhel-de-fundo com o guincho
hidráulico de pesca.

sonda de pesca SYTEX He 705 e navegadores de satélite (GPS) Furuno GP1250 e SYTEX
GPS7P. A tripulação esteve composta por um mestre (com licença de patrão de pesca de
alto-mar), um contramestre, dois maquinistas, um cozinheiro e três ou quatro pescadores.
O barco estava provido de um guincho de pesca hidráulico de tambor largo utilizado no
manejo do espinhel (Figura 1.2B).

1.2.3 Equipamentos de pesca


Em ambos os levantamentos, o espinhel-de-fundo utilizado foi de cabo principal de
aço multifilamento (67, com alma de aço) de 3/16” de diâmetro e aproximadamente
10.000 m de extensão (Figura 1.3A). As linhas secundárias (alças) eram de 1 m de fio de
poliamida monofilamento de 2 mm de diâmetro, com o anzol num extremo e um grampo
(“snapper”) com destorcedor no outro (Figuras 1.3B e 1.3C). Foram utilizados anzóis Mustad
Tuna Circle Hook N˚ 13/0 Qual 39960 D, de tipo circular e com uma abertura de 32 mm
(Figura 1.3B). As alças com os anzóis iscados com calamar-argentino (Illex argentinus) foram
presas ao cabo principal durante o lançamento e retiradas durante o recolhimento. O
espinhel fica em contato com o fundo sem necessidade de lastros ou pesos.

bóia
A

cabo de aço

anzóis

B C

Figura 1.3 – Petrechos utilizados no levantamento realizado a bordo do B/P Margus II no inverno e primavera
de 1996, do Programa REVIZEE. (A) Esquema do espinhel-de-fundo de cabo principal de aço; (B) detalhe do
anzol Mustad redondo n˚ 13 e (C) detalhe do “snapper” com destorcedor.

18 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 19

No levantamento de outono de 1997, além dos anzóis presos por alças, foram tam-
bém intercaladas várias armadilhas e pargueiras para identificar possíveis predadores não
vulneráveis aos anzóis do espinhel (Figura 1.4A). As pargueiras eram de cabo de náilon de
2,5 mm de diâmetro, preso a um grampo ou “snapper” num extremo e a uma bóia de flu-
tuabilidade de 250 g no outro. O cabo era coberto por um tubo de PVC de 12 mm de diâ-
metro e dois metros de comprimento, com sete ou oito furos por onde as alças apareciam
expostas. Cada alça de náilon tinha 0,8 mm de diâmetro e 20 cm de comprimento, com um
anzol reto em jota número 8 com 17 mm de abertura (Figura 1.4B). As armadilhas utilizadas
eram retangulares, de armação de ferro de 3/8”, medindo 606030 cm, com duas bocas
em funil, cobertas de malha de fio de náilon trançado, medindo 12 mm entre nós adja-
centes (Figura 1.4C).

bóia

cabo de aço

pargueiras

covo para peixes anzóis


e crustáceos para peixes

bóia 250g C
B 0,60 m
cabo PA 2,5 mm
0,30 m
0,60 m

náilon 0,8 mm Malha 12 mm entre nós


Fio 210/8

tubo PVC Ø12 mm

anzol nº 18

snapper Forro 3/8”

Figura 1.4 – Esquema do espinhel-de-fundo de cabo principal de aço utilizado no levantamento realizado a
bordo do B/P Margus II, no outono de 1997, do Programa REVIZEE (A); detalhe de uma pargueira (B); detalhe
de uma armadilha (C).

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


19
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 20

1.2.4 Operações de pesca e amostragens a bordo


O espinhel-de-fundo era lançado pela popa ao longo de uma isóbata, geralmente
com a corrente, no quadrante de popa a boreste para facilitar o recolhimento. As alças com
os anzóis iscados eram presas ao cabo principal durante a largada, a distâncias que varia-
ram entre 6 e 8 m (Figura 1.5A). Uma placa com um número era intercalada a cada 100
anzóis para identificação dos grupos de anzóis (Figura 1.5B). Duas bóias com varas e ban-
deiras eram presas aos extremos do espinhel (Figura 1.5C). O espinhel era recolhido a
boreste, próximo à proa, as alças eram retiradas pelos pescadores, os peixes capturados
entregues à equipe científica (Figura 1.5G) e os anzóis eram iscados e estocados para o
próximo lance (Figura 1.5D). No segundo levantamento, em cada lance, foram lançadas
nove pargueiras, intercaladas a cada cem anzóis (Figura 1.5F) e três armadilhas, junto às
placas correspondentes aos anzóis 100, 500 e 900 (Figura 1.5E).
Como isca, foi utilizado o calamar-argentino, Illex argentinus, congelado. Os cala-
mares mediram de 25 a 35 cm de comprimento do manto e pesavam de 200 a 400 g. Os
calamares eram descabeçados, eviscerados e o manto cortado em várias rodelas para iscar,
em geral, de 6 a 8 anzóis, incluindo a cabeça. Nos últimos lances do cruzeiro de primavera,
ao longo do Rio de Janeiro, devido à falta de calamar, foram também utilizadas sardinhas
e postas de bonito em parte dos anzóis. Nas armadilhas foram utilizadas, como iscas, os
restos de calamar da iscagem e restos de peixes.
No levantamento do outono de 1997, após o recolhimento dos petrechos de pesca
de cada lance, foram registrados dados ambientais com um registrador de condutividade,
temperatura e pressão (CTD) lançado entre a superfície e o fundo com o guincho de pesca
provido de uma polia odométrica (Figura 1.5H).
Em um dia de pesca com bom tempo, realizavam-se de dois a três lances. O primeiro
era iniciado logo após o amanhecer e o último geralmente antes das quatro horas da tarde.
O lançamento dos 1.000 anzóis tomava de 30 a 40 minutos. O recolhimento era iniciado
após uma hora de espera, geralmente pelo último anzol, mas, dependendo da maré, a
ordem podia ser invertida. O recolhimento demorava de duas a três horas, dependendo da
quantidade de peixes capturados.
No início de cada lance, foram registrados dados referentes à posição, hora, profun-
didade, estado do mar, vento, cobertura do céu e outras observações pertinentes ao anda-
mento dos trabalhos. Durante o lançamento e recolhimento das bóias e de cada grupo de
100 anzóis, foram registradas a hora, a posição e a profundidade.
Ao longo do recolhimento do espinhel, um pesquisador registrava em uma plani-
lha os números que identificavam cada anzol e o estado em que este retornou. Os anzóis
recolhidos eram classificados como: sem isca, com isca, perdido ou com captura. Neste últi-
mo caso, era anotado um código identificando a espécie. Os peixes capturados eram então
entregues pela tripulação a outro pesquisador que confirmava a identificação, media o
espécime e, para algumas espécies, identificava o sexo. Dependendo da espécie e do nú-
mero amostrado, alguns peixes eram marcados com lacre numerado para possibilitar sua
identificação nas amostragens de desembarque. Um terceiro pesquisador anotava, em
outra planilha, o nome da espécie, o número do anzol, o comprimento e, quando perti-
nente, o sexo e/ou o número do lacre. Nas amostras das espécies de pequeno porte, que
foram freqüentes nas capturas, os peixes eram reunidos em um saco e identificados em
grupo com um único lacre ou etiqueta de pano antes de serem estocados. As capturas das
pargueiras foram registradas em outras planilhas indicando a posição da pargueira no
espinhel e o número do anzol. Os anzóis das pargueiras foram numerados de 1 a 7 ou 8, em
função da distância do cabo principal do espinhel, de forma que o número 1 era o mais
próximo ao fundo e os números maiores foram os mais próximos à bóia da pargueira e,
conseqüentemente, mais afastado do fundo.
Ao término de cada cruzeiro, foram realizadas amostragens biométricas e biológi-
cas dos peixes identificados individualmente com lacres ou em sacos etiquetados con-

20 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 21

A B
Colocação das alças com os anzóis iscados durante o lança- Colocação das placas separadoras dos grupos de 100 anzóis e
mento do espinhel. lançando pargueira.

C D
Lançamento das bóias. Iscamento dos anzóis.

E F
Armadilha recolhida em um lance de espinhel contendo Pargueira recolhida com dois pargos-rosa.
alguns caranguejos-vermelhos Chaceon sp notialis.

G H
Recolhimento do espinhel-de-fundo. Recolhimento do registrador de condutividade,
temperatura e pressão (CTD).
Figura 1.5 – Operações de pesca e amostragem a bordo do B/P Margus II nos levantamentos de prospecção pesqueira demersal com espi-
nhel-de-fundo.

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


21
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 22

tendo exemplares da mesma espécie e lance. Os dados registrados foram espécie, lance,
comprimentos padrão, furcal e total, peso total e eviscerado, sexo, estágio de maturação
das gônadas e, dependendo da espécie, coletados otólitos, escamas, gônadas e conteúdos
estomacais. Os dados de peso e comprimento das amostras biológicas e outros dados
disponíveis, derivados de pesquisas anteriores, foram utilizados para calcular as relações
comprimento-peso das espécies ou gêneros que representaram a maior parte das cap-
turas. Estas relações foram utilizadas para estimar os pesos individuais dos exemplares que
não puderam ser pesados nos desembarques (Tabela 1.2).

1.2.5 Processamento dos dados e identificação do material coletado


Os dados registrados a bordo foram digitados em planilhas eletrônicas, depurados e
transferidos para um sistema gerenciador de banco de dados relacional desenvolvido em
Access, do pacote Microsoft Office 97, estruturado em função dos objetivos do trabalho.
A identificação preliminar dos espécimes capturados foi realizada pelas equipes
científicas a bordo. Todos os peixes de difícil identificação foram fotografados e congela-
dos ou fixados em formol. As aves foram congeladas e os invertebrados fixados em formol.

Tabela 1.2 – Relações comprimento-peso (P=a · Cb) utilizadas nas estimativas de pesos das principais espécies de peixes capturadas nos
levantamentos de prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo realizados em 1996 e 1997, a bordo do B/P Margus II.

coeficientes Comprimentos (cm)


Gênero e espécie
n a b min. máx. Fonte
Peixes cartilaginosos
Carcharhinus spp. 36 9,46  10–06 2,9196 86 170 1
Mustelus spp. 39 3,18  10–07 3,3611 51 95 1
Raja castelnaui 47 7,39  10–05 2,7849 34 103 1,4
Squalus spp. 437 4,57  10–06 2,9984 36 80 1
Peixes ósseos
Caulolatilus chrysops 21 3,03  10–05 2,8598 39 61 1
Conger orbignyanus 366 9,01  10–08 3,3988 40 140 2
Coryphaena hippurus 686 1,67  10–05 2,8963 40 120 3, 5
Cynoscion guatucupa 6598 1,94  10–05 2,8758 6 57 2
Epinephelus flavolimbatus 15 2,23  10–06 3,2831 82 122 1
Epinephelus niveatus 168 3,78  10–06 2,2003 42 113 1
Genypterus brasiliensis 76 4,42  10–07 3,3803 53 110 1
Gymnothorax spp. 96 9,30  10–08 3,3611 53 108 1
Helicolenus lahillei 938 9,66  10–06 3,0801 16 47 1
Lopholatilus villarii 1681 3,67  10–06 3,2003 27 105 1
Malacocephalus occidentalis 37 3,10  10–08 3,7492 15 45 2
Merluccius hubbsi 114 2,53  10–05 2,8104 31 63 1
Micropogonias furnieri 4082 9,74  10–06 3,0216 13 74 2
Pagrus pagrus 134 8,92  10–06 3,0943 24 63 1
Percophis brasiliensis 247 1,70  10–06 3,1418 24 68 2
Polymixia lowei 77 3,73  10–06 3,2355 19 29 1
Polyprion americanus 132 4,04  10–06 3,2109 53 133 1
Prionotus punctatus 271 7,94  10–05 2,6939 27 43 1
Pseudopercis numida 290 8,61  10–06 3,086 40 112 1
Cheilodactylus bergi 42 1,16  10–05 2,987 21 38 2
Scomber japonicus 111 5,52  10–07 3,4969 17 42 2
Sphoeroides pachygaster 49 7,88  10–05 2,7819 26 43 1
Thyrsitops lepidopoides 53 2,40  10–06 3,1542 15 38 2
Trichiurus lepturus 915 2,20  10–08 3,4689 89 150 2
Umbrina canosai 14741 1,15  10–05 3,0397 9 53 2
Urophycis mystacea 1523 2,42  10–06 3,2003 23 50 1

1 exemplares capturados nos cruzeiros


2 Haimovici e Velasco, 2000
3 Instituto de Pesca
4 largura de disco
5 comprimento furcal

22 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 23

Os nomes científicos utilizados nos relatórios foram definidos pelas equipes de amos-
tragem de desembarque e, quando necessário, com auxílio de especialistas.

1.2.6 Operações de pesca realizadas e dados ambientais registrados


Foram realizados 188 lances válidos em dois levantamentos de 94 lances cada um.
A área de estudo foi a abrangida entre as latitudes 22˚26,33’S e 34˚29,84’S e as profundi-
dades de 120 a 510 m (Figura 1.1). De modo geral, tanto no levantamento de inverno-pri-
mavera como no de outono, os primeiros lances do dia começaram entre 5 e 7 horas e o
recolhimento do último lance era completado entre 17 e 19 horas. As posições dos lances
e os dados ambientais correspondentes são apresentados na Tabela 1.3. Na Figura 1.6 obser-
va-se que a distribuição dos lances por hora do dia, faixas de profundidade e latitude foi
aproximadamente uniforme ao longo do dia, das faixas de profundidade e latitudes abran-
gidas pelos cruzeiros.
No levantamento de outono, as temperaturas registradas próximo ao fundo foram
de 6,2 a 17,8˚C e a salinidade de 34,3 a 36,1. De forma geral as temperaturas de fundo
diminuíram com a profundidade (Figura 1.7A). Em relação às latitudes, observa-se que as
temperaturas de fundo inferiores a 8˚C foram registradas apenas ao sul do cabo de Santa
Marta Grande além da isóbata de 300 m (Figura 1.7B). A salinidade e a temperatura apre-
sentaram forte correlação positiva (Figura 1.7C) uma vez que as maiores temperaturas
foram nos lances sobre a plataforma da região sudeste, sob a influência de águas tropicais
costeiras de alta salinidade e as menores no talude superior a maiores profundidades, que
por sua salinidade correspondem à ACAS.
Embora os dados de temperatura e salinidades de fundo tenham servido para uma
indicação geral dos padrões de variação com a latitude e a profundidade, não foram ade-
quados para análises mais aprofundadas, uma vez que houve pouco controle sobre as pro-
fundidades atingidas pelo CTD.

A B C
0 20 20
21 22 22
Hora de lançamento

18 24 24
Latitude (ºS)
Latitude (ºS)

15 26 26
12 28 28
9 30 30
6
32 32
3
34 34
0
50 150 250 350 450 550 50 150 250 350 450 550 0 3 6 9 12 15 18 21 0
Profundidade (m) Profundidade (m) Hora de Lançamento

Figura 1.6 – Relação entre A: hora inicial e profundidade; B: latitude e profundidade e C: latitude e hora inicial dos 188 lances de espinhel-
de-fundo entre São Tomé e Chuí, realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997 com o B/P Margus II.

0 A 20 B 20 C
22 18
100
16
Temperatura (˚C)

24
Profundidade (m)

Latitude (˚S)

200 14
26
300 12
28
10
400 30
8
32
500 6
34
600 4
4 6 8 10 12 14 16 18 20 4 6 8 10 12 14 16 18 20 34,0 34,58 35,0 35,5 36,0 36,5
Temperatura (˚C) Temperatura (˚C) Salinidade
Figura 1.7 – Relação entre A: Profundidade vs. Temperatura; B Latitude vs. Temperatura; C Temperatura vs. Salinidade registradas nos 94
lances levantamentos de prospecção com espinhel-de-fundo entre São Tomé e Chuí, realizados em abril-junho de 1997 com o B/P Margus II.

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


23
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 24

Tabela 1.3 – Posições iniciais, temperaturas e salinidades próximas ao fundo, números totais de anzóis lança-
dos e recolhidos com peixes, com isca e sem isca e capturas totais de peixes em peso por lances nos levan-
tamentos de prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo entre São Tomé e Chuí do Programa REVIZEE,
realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997, com o B/P Margus II. Obs: as temperaturas e
salinidades de fundo foram inferidas por interpolação dos valores registrados na mesma área de estudo pelo
N/Oc Atlântico Sul no período de 31 de julho a 03 de setembro de 1996 e de 18 de abril a 25 de maio de 1997.
lance

data

Perfil

latitude (Sul)

longitude (Oeste)

Profundidade (m)

hora início

Tempo médio
de imersão

salinidade do fundo

anzóis com peixes

anzóis sem isca

anzóis perdidos, etc.


temperatura do fundo

anzóis lançados

anzóis com isca

captura de peixes (kg)


001 28/8/1996 1 34°25,27’ 51°45,74’ 495 6:15 2:45 12°C 34,8 1000 84 3 858 55 112
002 28/8/1996 1 34°29,66’ 51°49,66’ 390 10:50 2:58 12°C 34,6 960 346 3 558 53 490
003 28/8/1996 3 34°28,83’ 51°49,78’ 320 15:20 2:37 12°C 34,6 999 147 18 810 24 339
004 29/8/1996 2 34°28,71’ 51°50,53’ 220 6:13 2:45 12°C 34,6 976 209 64 687 16 417
005 29/8/1996 2 34°28,10’ 51°51,20’ 165 10:45 2:28 12°C 34,6 1011 318 687 6 371
006 29/8/1996 2 34°21,45’ 51°59,86’ 123 15:45 2:25 13°C 34,4 980 255 25 699 1 411
007 30/8/1996 2 33°41,33’ 51°03,53’ 440 6:00 2:50 8°C 34,6 1019 145 46 823 5 114
008 30/8/1996 1 33°41,22’ 51°04,18’ 360 10:40 2:26 8°C 34,6 1000 214 117 668 1 430
009 30/8/1996 2 33°40,88’ 51°04,66’ 280 14:45 2:33 8°C 34,6 1000 200 140 653 7 530
010 31/8/1996 3 33°41,94’ 51°06,03’ 220 6:25 2:44 8°C 34,6 1000 176 166 654 4 254
011 31/8/1996 3 33°38,80’ 51°04,35’ 164 10:31 2:19 8°C 34,6 960 290 99 563 8 485
012 1/9/1996 4 33°02,41’ 50°23,08’ 485 6:15 2:48 8°C 34,6 1000 302 40 647 11 317
013 1/9/1996 4 33°00,84’ 50°26,52’ 343 11:30 3:37 9°C 34,8 1000 366 222 404 8 1210
014 2/9/1996 3 32°56,17’ 50°27,58’ 262 6:20 3:10 10°C 35,0 1000 149 302 549 0 376
015 2/9/1996 3 32°56,10’ 50°30,34’ 142 11:33 2:34 11°C 35,0 1000 142 355 501 2 306
016 7/9/1996 3 32°10,84’ 50°06,18’ 500 5:51 2:55 12°C 35,0 983 122 119 733 9 90
017 7/9/1996 4 32°10,68’ 50°06,77’ 402 10:32 3:39 12°C 35,2 1000 194 66 721 19 241
018 9/9/1996 4 32°09,50’ 50°06,78’ 295 12:17 2:49 13°C 35,2 1000 84 37 866 13 304
019 10/9/1996 3 32°08,19’ 50°07,60’ 202 6:20 2:42 14°C 35,4 983 259 153 558 13 760
020 10/9/1996 2 31°58,08’ 50°18,86’ 122 12:55 2:09 16°C 35,8 998 75 545 377 1 134
021 11/9/1996 2 31°23,25’ 49°41,46’ 510 5:51 2:27 9°C 34,8 1000 170 174 652 4 136
022 11/9/1996 3 31°22,13’ 49°41,27’ 411 10:04 2:18 9°C 34,8 1000 158 303 536 3 139
023 11/9/1996 3 31°20,94’ 49°41,26’ 296 13:47 2:07 10°C 34,8 1006 188 114 698 6 231
024 12/9/1996 3 31°17,93’ 49°40,21’ 200 6:11 2:09 10°C 34,8 1000 40 382 567 11 74
025 12/9/1996 3 31°17,45’ 49°42,33’ 145 9:49 2:01 11°C 35,0 1000 110 887 3 168
026 12/9/1996 3 31°16,92’ 49°45,91’ 133 13:27 2:09 13°C 35,2 1000 51 940 9 45
027 13/9/1996 2 30°44,16’ 48°51,85’ 499 5:04 2:49 9°C 34,6 1000 353 96 543 8 280
028 13/9/1996 3 30°43,51’ 48°52,52’ 398 9:43 2:40 9°C 34,8 1000 292 286 417 5 165
029 13/9/1996 3 30°42,43’ 48°54,77’ 299 14:06 2:33 10°C 34,8 1000 109 326 562 3 180
030 14/9/1996 3 30°42,54’ 48°59,05’ 221 6:04 2:38 11°C 35,0 1000 256 94 631 19 461
031 14/9/1996 4 30°41,24’ 49°01,01’ 180 10:20 2:20 12°C 35,2 1000 280 7 703 10 256
032 14/9/1996 4 30°33,44’ 49°06,20’ 132 14:09 1:54 17°C 35,2 998 37 7 951 3 40
033 20/9/1996 4 30°09,47’ 48°02,43’ 360 11:09 2:30 13°C 35,2 1000 140 731 126 3 112
034 20/9/1996 3 30°05,32’ 48°14,37’ 250 16:38 2:07 13°C 35,2 1000 113 123 739 25 126
035 21/9/1996 4 29°59,43’ 48°25,27’ 180 6:30 2:12 14°C 35,4 1000 13 656 328 3 10
036 21/9/1996 4 29°49,03’ 48°34,36’ 141 12:01 2:19 16°C 35,8 1000 14 672 303 11 14
037 22/9/1996 4 29°09,27’ 48°08,64’ 136 9:20 2:27 14°C 35,4 1000 41 60 897 2 168
038 22/9/1996 3 29°11,82’ 48°00,50’ 236 14:00 2:16 12°C 35,2 1000 49 745 204 2 119
039 23/9/1996 1 29°12,90’ 47°57,05’ 363 5:57 2:43 11°C 35,0 1000 64 747 184 5 33
040 23/9/1996 1 29°14,33’ 47°51,55’ 474 10:48 2:18 10°C 34,8 1000 173 638 175 14 126
041 23/9/1996 1 29°11,35’ 47°55,65’ 400 15:06 2:29 11°C 35,0 1000 65 663 270 2 32
042 24/9/1996 1 28°07,50’ 46°55,21’ 498 5:40 2:25 10°C 34,8 1000 158 629 211 2 101
043 24/9/1996 1 27°59,75’ 47°07,28’ 380 11:03 2:50 11°C 35,0 1000 370 482 131 17 486
044 24/9/1996 2 28°00,33’ 47°13,43’ 280 16:19 2:13 13°C 35,2 1000 28 630 317 25 52
045 25/9/1996 5 27°56,15’ 47°23,80’ 180 7:07 2:24 14°C 35,4 1000 19 616 347 18 22
046 3/10/1996 3 27°41,36’ 47°49,14’ 120 7:31 2:18 16°C 35,6 1000 62 216 722 0 44
047 4/10/1996 3 26°54,05’ 46°47,64’ 200 6:55 3:05 13°C 35,4 1000 102 266 631 1 119
048 4/10/1996 2 26°37,61’ 47°15,00’ 122 14:47 2:15 16°C 35,8 1000 68 509 423 0 204

24 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 25

lance

data

Perfil

latitude (Sul)

longitude (Oeste)

salinidade do fundo

anzóis com peixes

anzóis sem isca

anzóis perdidos, etc.


Profundidade (m)

hora início

Tempo médio
de imersão

temperatura do fundo

anzóis lançados

anzóis com isca

captura de peixes (kg)


049 5/10/1996 1 26°58,69’ 46°37,57’ 308 5:10 2:27 11°C 35,0 1000 67 741 191 1 39
050 5/10/1996 1 27°00,78’ 46°29,92’ 401 9:39 2:45 9°C 34,8 1000 93 681 223 3 324
051 5/10/1996 3 27°02,35’ 46°25,50’ 498 14:30 2:31 8°C 34,6 1000 91 731 174 4 42
052 6/10/1996 1 26°14,26’ 45°54,08’ 497 5:05 2:43 9°C 34,6 1000 245 526 229 0 154
053 6/10/1996 4 26°10,84’ 46°07,23’ 413 10:47 2:40 12°C 35,0 1000 114 309 577 0 150
054 6/10/1996 4 26°04,71’ 46°09,16’ 301 15:30 2:01 14°C 35,4 1000 50 734 216 0 83
055 7/10/1996 3 25°58,17’ 46°10,48’ 182 5:45 2:09 14°C 35,4 1000 12 903 85 0 39
056 7/10/1996 3 25°54,44’ 46°14,03’ 153 9:43 2:10 14°C 35,4 1000 16 876 108 0 52
057 7/10/1996 2 25°44,81’ 46°23,55’ 133 14:55 2:15 14°C 35,4 1000 18 623 359 0 8
058 8/10/1996 3 25°42,62’ 45°09,07’ 470 5:18 04:01 12°C 35,2 1000 186 257 528 29 238
059 8/10/1996 3 25°39,06’ 45°08,04’ 376 12:10 2:57 12°C 35,2 1000 401 291 306 2 658
060 9/10/1996 3 25°38,59’ 45°09,44’ 270 5:33 2:28 12°C 35,2 1000 54 409 534 3 79
061 9/10/1996 3 25°40,02’ 45°14,20’ 170 10:05 2:13 14°C 35,4 1000 81 143 775 1 97
062 9/10/1996 4 25°28,79’ 45°22,33’ 138 15:33 2:11 15°C 36,0 1000 116 45 839 0 69
063 12/10/1996 1 24°40,50’ 44°52,88’ 133 5:26 3:03 16°C 35,6 1005 16 119 870 0 17
064 12/10/1996 1 24°47,70’ 44°40,45’ 185 14:39 2:55 14°C 35,4 1008 85 922 1 197
065 13/10/1996 1 24°51,39’ 44°32,05’ 483 5:29 2:36 10°C 34,8 1001 176 389 431 5 139
066 13/10/1996 1 24°52,72’ 44°37,65’ 378 9:53 2:35 11°C 35,0 1001 99 441 459 2 149
067 13/10/1996 1 24°50,56’ 44°37,11’ 282 14:07 01:59 12°C 35,0 1020 78 281 660 1 130
068 13/10/1996 1 24°49,44’ 44°40,06’ 223 17:35 01:57 13°C 35,2 1000 59 233 689 19 86
069 14/10/1996 1 24°19,22’ 43°42,97’ 480 5:59 2:41 11°C 35,0 1000 90 350 544 16 88
070 14/10/1996 1 24°17,82’ 43°43,16’ 375 10:38 3:51 12°C 35,0 1000 160 186 626 28 468
071 14/10/1996 1 24°16,41’ 43°44,03’ 278 16:09 2:24 12°C 35,2 1000 33 217 740 10 37
072 15/10/1996 3 24°14,36’ 43°42,80’ 219 6:35 2:46 12°C 35,2 1000 64 121 811 4 127
073 15/10/1996 3 24°12,04’ 43°43,91’ 179 11:25 2:23 13°C 35,4 1000 53 394 552 1 116
074 15/10/1996 1 24°05,30’ 43°48,19’ 145 16:16 2:01 16°C 35,8 1000 10 77 898 15 13
075 16/10/1996 1 23°52,00’ 42°43,66’ 482 4:57 2:43 10°C 34,8 1000 133 444 422 1 91
076 16/10/1996 1 23°50,29’ 42°44,17’ 376 9:13 3:14 11°C 35,0 1000 96 262 625 17 94
077 16/10/1996 0 23°49,28’ 42°44,60’ 280 13:42 2:32 12°C 35,0 1000 137 210 642 11 135
078 17/10/1996 2 23°48,61’ 42°46,25’ 219 5:28 2:25 12°C 35,2 1000 68 221 697 14 236
079 17/10/1996 2 23°46,55’ 42°48,19’ 180 9:48 3:45 13°C 35,4 1000 47 276 668 9 143
080 17/10/1996 2 23°44,05’ 42°51,07’ 140 15:06 01:53 15°C 35,6 1000 37 15 946 2 86
081 20/10/1996 1 23°22,48’ 41°57,79’ 136 5:42 2:46 18°C 36,2 1000 57 395 543 5 96
082 20/10/1996 1 23°40,67’ 41°48,06’ 181 12:27 2:35 14°C 35,4 1000 30 711 232 27 82
083 20/10/1996 1 23°42,95’ 41°48,86’ 236 16:56 2:22 13°C 35,2 1000 68 208 706 18 100
084 21/10/1996 1 23°46,13’ 41°51,05’ 480 5:07 3:04 11°C 35,0 1000 163 236 600 1 93
085 21/10/1996 1 23°44,66’ 41°50,30’ 376 9:39 2:50 12°C 35,0 1000 82 206 688 24 91
086 21/10/1996 2 23°43,55’ 41°49,80’ 280 13:50 2:46 12°C 35,2 1000 225 12 761 2 237
087 22/10/1996 2 23°17,35’ 41°09,33’ 134 7:37 2:23 17°C 35,8 1000 34 70 896 0 46
088 22/10/1996 2 23°19,99’ 41°04,24’ 180 11:57 2:57 15°C 35,6 1000 12 80 871 37 54
089 24/10/1996 1 23°12,99’ 40°58,94’ 478 5:14 2:41 17°C 35,8 1000 75 377 548 0 115
090 24/10/1996 1 23°16,24’ 41°01,35’ 375 9:42 3:17 16°C 35,8 1000 88 124 786 2 411
091 24/10/1996 1 23°15,96’ 41°01,67’ 266 14:35 3:52 16°C 35,8 1000 49 32 903 16 208
092 25/10/1996 1 22°27,47’ 40°17,29’ 486 4:52 2:33 9°C 34,6 1000 86 352 559 3 93
093 25/10/1996 1 22°28,76’ 40°21,33’ 367 9:17 3:17 10°C 34,8 1000 68 147 770 15 67
094 25/10/1996 1 22°26,33’ 40°20,51’ 239 14:13 2:49 11°C 34,8 1000 45 282 625 48 186
095 12/4/1997 3 34°17,90 51°56,70 123 11:50 2:46 15°C 35,2 1000 159 7 812 22 140
096 12/4/1997 2 34°25,82 51°45,45 491 5:21 2:58 11°C 35,0 1000 16 27 920 37 5
097 12/4/1997 2 34°29,66 51°49,75 390 10:20 3:18 13°C 35,2 1000 0 11 980 9 0
098 12/4/1997 2 34°29,62 51°50,38 317 15:50 2:46 13°C 35,2 1000 25 1 965 9 17
099 13/4/1997 4 34°27,13 51°49,19 226 6:39 2:42 12°C 35,2 1000 80 86 809 25 98
100 13/4/1997 4 34°29,84 51°52,75 161 11:20 2:44 14°C 35,2 1000 122 4 836 38 113
101 14/4/1997 3 33°41,62 51°04,20 420 5:42 2:48 9°C 34,6 1000 33 42 908 17 47
102 14/4/1997 3 33°37,97 50°59,20 330 10:45 3:01 10°C 34,8 1000 32 6 958 4 118

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


25
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 26

lance

data

Perfil

latitude (Sul)

longitude (Oeste)

salinidade do fundo

anzóis com peixes

anzóis sem isca

anzóis perdidos, etc.


Profundidade (m)

hora início

Tempo médio
de imersão

temperatura do fundo

anzóis lançados

anzóis com isca

captura de peixes (kg)


103 14/4/1997 2 33°37,42 51°01,87 158 15:40 2:59 10°C 34,8 1000 38 56 878 28 105
104 15/4/1997 2 33°40,84 51°04,68 280 6:16 2:52 9°C 34,8 1000 58 14 911 17 174
105 15/4/1997 2 33°37,70 50°59,90 220 11:01 2:40 10°C 34,8 1000 50 26 923 1 87
106 16/4/1997 4 32°54,48 50°25,80 350 6:07 2:52 12°C 35,2 1000 252 231 498 19 351
107 16/4/1997 3 32°55,10 50°23,83 457 12:10 3:02 11°C 35,0 1000 89 46 854 11 102
108 17/4/1997 3 32°55,20 50°27,03 286 5:27 2:54 13°C 35,2 1000 384 239 369 8 376
109 17/4/1997 2 32°59,5 50°29,26 186 10:34 2:27 15°C 35,6 1000 140 472 383 5 252
110 17/4/1997 3 32°32,59 50°30,79 142 14:46 2:22 15°C 35,8 1000 24 538 434 4 75
111 20/4/1997 4 32°04,71 50°14,87 141 10:20 2:39 17°C 35,8 1000 13 572 410 5 26
112 21/4/1997 4 32°08,49 50°07,71 216 8:10 2:37 14°C 35,4 1000 31 642 319 8 83
113 21/4/1997 4 32°09,71 50°06,94 296 12:53 2:51 13°C 35,2 1000 28 718 252 2 64
114 22/4/1997 3 32°10,86 50°06,88 401 5:20 3:49 12°C 35,2 1000 395 27 567 11 873
115 22/4/1997 2 32°11,16 50°06,37 496 11:16 3:31 12°C 35,2 1000 49 48 901 2 46
116 23/4/1997 3 31°23,15 49°41,59 496 5:02 3:15 7°C 34,6 1000 223 14 754 9 228
117 23/4/1997 2 31°22,58 49°41,55 402 12:55 2:39 7°C 34,6 1000 275 368 354 3 218
118 24/4/1997 5 31°21,11 49°41,34 299 5:14 3:16 8°C 34,6 1000 211 7 781 1 75
119 24/4/1997 4 31°18,07 49°40,38 198 10:35 2:40 8°C 34,8 1000 17 156 827 0 30
120 24/4/1997 4 31°17,45 49°42,37 145 15:10 2:34 10°C 34,8 1000 78 922 0 87
121 27/4/1997 4 31°32,93 49°01,64 151 6:25 2:43 13°C 35,2 1000 22 20 957 1 8
122 27/4/1997 3 30°39,25 48°55,11 210 11:28 2:26 10°C 34,8 1000 133 115 752 0 312
123 27/4/1997 3 30°42,75 48°55,17 299 15:39 2:34 8°C 34,6 1000 78 355 565 2 132
124 28/4/1997 4 30°44,46 48°52,35 491 5:00 3:22 7°C 34,4 1000 324 54 614 8 213
125 28/4/1997 3 30°43,69 48°53,99 396 10:40 2:34 7°C 34,6 1000 215 399 385 1 78
126 4/5/1997 2 30°13,42 47°55,04 451 5:11 3:30 11°C 35,0 1000 287 345 319 49 390
127 4/5/1997 2 30°09,16 48°02,29 366 11:40 2:31 12°C 35,0 1000 139 621 231 9 272
128 4/5/1997 2 30°06,43 48°13,51 260 16:50 2:21 13°C 35,2 1000 53 54 878 15 22
129 5/5/1997 2 29°59,84 48°25,24 181 7:14 2:35 15°C 35,4 1000 34 89 875 2 27
130 5/5/1997 2 29°52,67 48°37,37 140 12:42 2:43 16°C 35,6 1000 13 32 955 0 14
131 6/5/1997 2 29°10,08 48°08,90 137 5:15 2:31 14°C 35,2 1000 12 48 940 0 27
132 6/5/1997 1 29°12,29 48°01,01 232 9:48 2:27 11°C 35,0 1000 32 742 212 14 113
133 6/5/1997 1 29°13,15 48°57,29 352 13:50 2:40 10°C 34,8 1000 77 671 237 15 94
134 7/5/1997 1 29°10,58 47°49,78 471 4:49 2:55 7°C 34,6 1000 470 106 406 18 372
135 7/5/1997 1 29°12,29 47°54,36 420 13:17 2:36 9°C 34,6 1000 154 578 256 12 68
136 8/5/1997 1 28°08,80 46°56,16 495 4:49 2:49 11°C 35,0 1000 101 478 413 8 46
137 8/5/1997 1 28°04,66 47°07,07 384 10:31 2:52 11°C 35,0 1000 304 328 323 45 247
138 8/5/1997 1 28°00,62 47°13,42 278 15:48 2:18 12°C 35,0 1000 49 375 569 7 93
139 9/5/1997 1 27°59,01 47°16,88 220 6:01 2:27 12°C 35,0 1000 31 731 228 10 72
140 9/5/1997 1 27°56,26 47°23,90 180 10:26 2:10 13°C 35,2 1000 23 667 298 12 24
141 9/5/1997 1 27°51,95 47°31,14 144 14:39 2:17 14°C 35,4 1000 17 656 325 2 52
142 15/5/1997 3 26°44,25’ 47°09,93’ 133 9:51 2:53 15°C 36,4 1000 76 499 413 12 168
143 15/5/1997 2 26°53,74’ 46°51,07’ 185 6:11 2:48 12°C 35,0 1000 36 437 522 5 32
144 16/5/1997 2 26°56,87’ 46°43,62’ 233 11:20 2:33 11°C 35,0 1000 61 479 460 0 64
145 16/5/1997 2 26°58,63’ 46°39,21’ 284 15:46 3:04 10°C 34,8 1000 238 194 566 2 204
146 17/5/1997 3 27°01,14’ 46°31,78’ 380 8:15 3:03 8°C 34,6 1000 153 395 451 1 142
147 17/5/1997 3 27°02,40’ 46°26,39’ 482 13:35 3:06 6°C 34,4 1000 156 464 376 4 329
148 18/5/1997 2 26°16,73’ 46°02,19’ 474 5:50 2:53 10°C 34,8 1000 332 379 285 4 211
149 18/5/1997 2 26°08,88’ 46°09,17’ 380 11:33 2:44 12°C 35,0 1000 123 697 177 3 199
150 18/5/1997 2 26°05,31’ 46°11,99’ 280 16:03 2:19 13°C 35,2 1000 289 207 503 1 162
151 19/5/1997 26°01,24’ 46°15,67’ 179 7:07 2:26 13°C 35,2 1000 7 881 112 0 36
152 19/5/1997 3 25°47,29’ 46°22,19’ 140 13:13 2:37 14°C 35,2 1000 25 708 266 1 54
153 20/5/1997 3 25°28,51’ 45°21,97’ 138 6:30 2:36 16°C 35,6 1000 168 106 726 0 104
154 20/5/1997 2 25°40,24’ 45°13,87’ 180 12:00 2:35 14°C 35,4 1000 73 331 595 1 210
155 20/5/1997 1 25°42,84’ 45°12,41’ 284 16:20 2:18 12°C 35,2 1000 119 194 687 0 178
156 21/5/1997 2 25°42,55’ 45°08,95’ 480 6:22 2:36 11°C 35,0 1000 315 310 366 9 227

26 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 27

lance

data

Perfil

latitude (Sul)

longitude (Oeste)

salinidade do fundo

anzóis com peixes

anzóis sem isca

anzóis perdidos, etc.


Profundidade (m)

hora início

Tempo médio
de imersão

temperatura do fundo

anzóis lançados

anzóis com isca

captura de peixes (kg)


157 21/5/1997 2 25°42,60’ 45°10,73’ 480 11:00 3:52 12°C 35,2 1000 420 210 364 6 788
158 26/5/1997 3 24°45,25’ 44°46,07’ 150 5:30 2:32 15°C 35,6 1000 12 51 937 0 6
159 26/5/1997 3 24°47,75’ 44°40,58’ 180 9:56 2:45 13°C 35,2 1000 36 228 736 0 100
160 26/5/1997 3 24°48,89’ 44°39,57’ 227 14:11 2:58 13°C 35,2 1000 43 166 786 5 54
161 27/5/1997 3 24°49,90’ 44°37,79’ 295 5:23 2:24 12°C 35,0 1000 38 305 657 0 65
162 27/5/1997 3 24°47,70’ 44°32,86’ 379 9:36 2:34 10°C 34,8 1000 148 607 245 0 293
163 27/5/1997 3 24°53,25’ 44°34,29’ 488 14:05 2:54 9°C 34,8 1000 205 476 317 2 93
164 28/5/1997 3 24°07,71’ 43°48,81’ 150 6:16 2:43 13°C 35,2 1000 5 717 277 1 14
165 28/5/1997 3 24°13,82’ 43°44,92’ 202 11:11 2:57 10°C 34,8 1000 20 387 593 0 23
166 30/5/1997 4 24°16,70’ 43°43,51’ 293 6:12 3:07 9°C 34,6 1000 89 68 843 0 82
167 30/5/1997 4 24°17,73’ 43°42,47’ 382 11:12 2:49 8°C 34,6 1000 273 227 500 0 675
168 30/5/1997 3 24°18,98’ 43°41,84’ 501 15:47 3:08 8°C 34,6 1000 202 338 460 0 94
169 31/5/1997 3 23°52,15’ 42°44,05’ 480 5:21 2:55 11°C 35,0 1000 250 213 536 1 126
170 31/5/1997 3 23°49,08’ 42°40,76’ 400 10:20 2:56 11°C 35,0 1000 96 576 328 0 36
171 31/5/1997 3 23°48,51’ 42°42,24’ 292 14:40 2:30 11°C 35,0 1000 8 544 447 1 8
172 1/6/1997 3 23°47,88’ 42°44,04’ 220 6:05 2:47 12°C 35,0 1000 43 405 552 0 194
173 6/6/1997 3 23°44,07’ 42°48,30’ 150 15:07 2:40 13°C 35,2 1000 13 26 961 0 22
174 7/6/1997 3 23°45,61’ 42°48,09’ 170 6:36 2:19 13°C 35,2 1000 14 6 980 0 46
175 8/6/1997 2 23°29,58’ 41°54,80’ 151 5:23 2:17 13°C 35,2 1000 22 334 642 2 51
176 8/6/1997 4 23°40,51’ 41°48,27’ 181 10:25 2:31 11°C 35,0 1000 36 467 495 2 155
177 10/6/1997 2 23°43,07’ 41°48,06’ 232 5:55 2:29 10°C 34,8 1000 62 560 376 2 117
178 10/6/1997 2 23°43,50’ 41°49,96’ 282 9:48 3:00 10°C 34,8 1000 121 421 455 3 177
179 10/6/1997 2 23°44,75’ 41°50,39’ 380 14:09 2:19 9°C 34,8 1000 76 211 713 0 72
180 11/6/1997 2 23°47,92’ 41°45,76’ 480 5:29 2:32 8°C 34,6 1000 265 320 413 2 131
181 12/6/1997 2 23°19,80’ 41°05,81’ 148 5:33 2:42 9°C 34,8 1000 19 5 975 1 50
182 12/6/1997 3 23°20,10’ 41°05,19’ 184 9:28 2:55 9°C 34,8 1000 38 21 940 1 101
183 12/6/1997 2 23°18,03’ 41°01,98’ 281 14:02 2:42 9°C 34,8 1000 205 159 636 0 407
184 13/6/1997 1 23°17,47’ 41°01,79’ 492 5:16 3:07 9°C 34,8 1000 408 238 353 1 524
185 13/6/1997 1 23°17,13’ 41°01,98’ 380 10:11 3:06 9°C 34,8 1000 245 317 437 1 327
186 14/6/1997 3 22°30,08’ 40°20,64’ 481 5:09 2:55 10°C 34,8 1000 212 415 373 0 102
187 14/6/1997 3 22°28,84’ 40°21,28’ 379 9:44 2:39 10°C 34,8 1000 12 510 477 1 5
188 15/6/1997 3 22°27,57’ 40°22,34’ 246 13:56 2:43 11°C 35,0 1000 46 72 879 3 137

1.2.7 Participação nos embarques, amostragens, processamento


dos dados
Nos doze cruzeiros correspondentes aos levantamentos de inverno-primavera (28
de agosto a 25 de outubro de 1996) e outono (11 de abril a 16 de junho de 1997) embar-
caram um total de 24 pesquisadores e estudantes de graduação e pós-graduação de 6 uni-
versidades e 3 instituições de pesquisa (Anexo 1).

1.3 Distribuição e abundância relativa de peixes demersais


1.3.1 Métodos de análise
1.3.1.1 Rendimentos, densidades e abundâncias relativas
Para o espinhel-de-fundo, a densidade relativa, ou captura por unidade de esforço
(CPUE), por espécie foi calculada a partir das capturas por lance (C), em número de indiví-
duos (n) ou quilogramas (kg), dividido pelo produto da duração média dos lances em horas
( –t ) com o número de anzóis recolhidos (a) e multiplicado por 1.000. Desta forma a densi-

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


27
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 28

dade relativa foi expressa em termos de número ou quilogramas por hora de imersão por
1.000 anzóis (núm/1.000ah; kg/1.000ah) de acordo com as equações:

C Ckg
CPUEn  – n  1000 e CPUEkg  –  1000
t a t a

A duração média dos lances de espinhel-de-fundo foi calculada como a média dos
tempos de imersão dos dez grupos de 100 anzóis. Os índices de abundância relativa (IAR)
por região e ano foram calculados pelo somatório das densidades relativas médias em
kg) por estrato de latitude (i) e faixas de profundidade (j) multiplicadas pela área
peso (CPUE
(A) correspondente a cada um dos estratos indicados na Tabela 1.1:
IRAregião, ano   Aij CPUEkgij

A densidade relativa, ou captura por unidade de esforço (CPUE), por espécie na


pesca com pargueiras (p) foi calculada a partir das capturas (c), em número de indivíduos
ou quilogramas, dividido pela soma dos produtos do número de anzóis (a) pelo tempo de
imersão (t) de cada pargueira em cada lance. A densidade relativa por operação de pesca,
perfil ou região (l), foi expressa em termos de número ou quilogramas por hora de imersão
de 1.000 anzóis (núm/1.000ah; kg/1.000ah) de acordo com a equação:
Cp,l
CPUEl   1000
tp,l  ap,l
A CPUE das armadilhas em cada lance ou conjunto de lances foi calculada como o
número ou peso de exemplares capturados dividido pela soma dos tempos de imersão do
conjunto de armadilhas recolhidas em cada lance ou conjunto de lances
O espinhel-de-fundo é uma arte de pesca que perde o poder de pesca ao longo do
tempo de imersão,à medida que os anzóis são ocupados por peixes ou as iscas são predadas.
O efeito desta perda na estimativa da densidade relativa pode ser verificado para cada espé-
cie através da comparação dos valores de CPUEn (núm/1.000ah) com os da taxa instantânea
de remoção parcial de iscas (l) (Somerton e Kikkawa, 1995). Haimovici e Ávila da Silva (sub-
metido) compararam as densidades relativas calculada pelos dois métodos para algumas das
principais espécies capturadas e constataram que,embora a taxa de remoção parcial de iscas
possa ser uma medida mais precisa, a CPUE-n também pode ser tomada como um índice
válido para a análise geral dos padrões de distribuição sazonal, latitudinal e batimétrica no
contexto dos levantamentos deste estudo. A padronização das características das operações
de pesca realizadas, com números de anzóis e tempos de imersão semelhantes, fez com que
as estimativas obtidas com taxa de remoção parcial de iscas e a CPUEn seguissem as mesmas
tendências. A opção da utilização das CPUE em número e peso, neste estudo, deveu-se à sua
maior facilidade de interpretação pesqueira, pois indica o número ou peso de captura que
efetivamente foi obtido com 1.000 anzóis imersos por uma hora. A correção das estimativas
de densidade através da taxa de remoção parcial de iscas foi utilizada apenas no estudo das
associações de espécies capturadas (Capítulo 4), onde se considerou que esta medida pode-
ria servir para uma melhor identificação de grupos de espécies capturados em conjunto e
dos gradientes ambientais que determinam sua distribuição.

1.3.1.2 Composições de comprimentos e sexos


Os comprimentos dos peixes capturados foram registrados a bordo com aproxi-
mação ao centímetro inferior e posteriormente agrupados em classes para representar as
distribuições de freqüência de tamanho por espécie. O critério adotado para definir a
amplitude dos intervalos de classe foi o de criar entre 15 a 25 classes de comprimentos
(Gulland, 1971).
A composição sexual das capturas das espécies em que o sexo foi registrado a bordo

28 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 29

foi obtida diretamente pela contagem do número de indivíduos. Para aquelas espécies em
que o sexo de parte dos indivíduos foi registrado apenas nas amostragens de desembar-
que, a composição sexual foi estimada para o total das capturas pela extrapolação da pro-
porção sexual por classe de comprimento destas amostragens para o total da captura.

1.3.2 Resultados e Discussão


1.3.2.1 Composição das capturas e rendimento pesqueiro do
espinhel-de-fundo
Nos espinhéis foram lançados um total de 187.908 alças com anzóis. Destas, 22.999
foram recolhidas com captura, 108.396 voltaram com os anzóis sem isca, 55.132 com os
anzóis iscados, 408 com as alças sem os anzóis e 973 das alças não retornaram ou corres-
ponderam a erros de contagem no lançamento ou no recolhimento (Tabela 1.3).
No cruzeiro de inverno-primavera de 1996, foram capturados 11.667 peixes, pesan-
do um total de 17.901 kg. O peso médio dos peixes capturados neste levantamento foi de
1,504 kg e os rendimentos médios foram de 47,8 peixes e 73,4 kg/1.000ah. No cruzeiro do
outono de 1997,foram capturados 11.243 peixes,pesando 13.861 kg.O peso médio dos pei-
xes capturados diminuiu para 1,228 kg. O rendimento em número manteve-se no mesmo
patamar, 43,4 peixes/1.000ah, mas o rendimento em peso diminuiu para 53,6 kg/1.000ah
(Tabela 1.4).
A Tabela 1.5 apresenta os números, pesos totais e médios e comprimentos mínimos,
médios e máximos por espécies ou grupos de espécies capturadas pelo espinhel. No total
foram capturados 22.910 peixes pesando 31.762 kg, com um peso médio de 1,366 kg, 70
crustáceos e 19 aves. Nas capturas do espinhel-de-fundo foram identificados, em nível de
espécie, 35 teleósteos, 26 elasmobrânquios, 2 agnatos, 5 aves e 2 crustáceos Brachyura. Em
nível de gênero, foram identificados um teleósteo, dois elasmobrânquios e um crustáceo.
Em 90% dos lances, o número de espécies ou gêneros de peixes variou entre 3 e 9,
com média em 5,94 (desvio padrão 2,47). No total dos lances, o número máximo atingido
foi de 16 espécies (Figura 1.8). O número médio de peixes capturados por lances foi de
120,4 (desvio padrão: 105,3) e o máximo de 470. Em 56% dos lances, foram capturados
menos de 100 peixes e em apenas 9% mais que 250 (Figura 1.8).
As espécies ou gêneros mais abundantes nas capturas em peso foram o peixe-bata-
ta Lopholatilus villarii (28,4%), abrótea-de-profundidade Urophycis mystacea (18,8%),
caçonetes Squalus megalops e S. mitsukurii (14,1%), cherne-poveiro Polyprion americanus
(10,4%), cherne-verdadeiro Epinephelus niveatus (5,3 %), os cações do gênero Carcharhinus
(4,5%), namorado Pseudopercis numida (4,0%), sarrão Helicolenus lahillei (3,0 %), cação-bico-
doce Galeorhinus galeus (1,6 %),os caçonetes Mustelus schmittii e M.canis.(1,4 %),pargo rosa
Pagrus pagrus (1,3%), congro-rosa Genypterus brasiliensis (1,0%). Numericamente, foram
dominantes Urophycis mystacea (45,8%), Squalus spp (19,3%), Lopholatilus villari (10,8%),

20% 20%

15% 15%

10% 10%

5% 5%

0% 0%
2 4 6 8 10 12 14 16 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450
Número de espécie ou gêneros de peixes por lance Número de exemplares de peixes por lance

Figura 1.8 – Distribuição de freqüências de números de espécies ou gêneros de peixes por lances (esq.) e do
número de peixes por lances (dir.) nos 188 lances com espinhel-de-fundo efetuados com o B/P Margus II em
agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997 entre São Tomé e Chuí.

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


29
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 30

Tabela 1.4 – Resumo dos resultados de captura e esforço nos levantamentos de prospecção pesqueira com
espinhel-de-fundo entre São Tomé e Chuí, realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997, com o
B/P Margus II.

Aparelho de pesca Inverno-Primavera Outono


1996 1997 Total
Espinhel
Anzóis lançados 93908 94000 187908
Anzóis recolhidos com isca 27429 27703 55132
Anzóis recolhidos vazios 53945 54451 108396
Anzóis perdidos 292 116 408
Anzóis não registrados no recolhimento 522 451 973
Anzóis recolhidos com peixes 11667 11243 22910
Anzóis recolhidos com aves 17 2 19
Anzóis recolhidos com caranguejos 36 34 70
Peso total das capturas de peixes (kg) 17901 13861 31762
Peso médio dos peixes ( kg) 1,504 1,228 1,366
Número de peixes por 1000 anzóis 124,9 120,2 122,6
Quilogramas de peixes por 1000 anzóis 191,7 148,2 169,9
Número de peixes por 1000 anzóis-hora 47,8 43,4 45,6
Quilogramas de peixes por 1000 anzóis-hora 73,4 53,6 63,2

Pargueiras
Pargueiras lançadas 646
Anzóis recolhidos 4907
Anzóis recolhidos com iscas 2954
Anzóis recolhidos vazios 1620
Anzóis perdidos 77
Anzóis recolhidos com caranguejos 2
Anzóis recolhidos com peixes 254
Peso total das capturas de peixes (kg) 224,9
Peso médio dos peixes (kg) 0,878
Número de peixes por 1000 anzóis 53,0
Quilogramas de peixes por 1000 anzóis 45,8
Número de peixes por 1000 anzóis-hora 19,0
Quilogramas de peixes por 1000 anzóis-hora 16,7

Armadilhas
Armadilhas lançadas 220
Armadilhas recolhidas 216
Armadilhas com capturas de peixes 34
Armadilhas com capturas de invertebrados 89
Armadilhas vazias 108
Armadilhas perdidas 4

Helicolenus lahillei (10,1%) (Figura 1.9). Além das espécies citadas, ocorreram com certa fre-
qüência as moréias do gênero Gymnothorax e a merluza Merluccius hubbsi (Tabela 1.4).
A Figura 1.10 apresenta os rendimentos em número e peso do total de peixes por
1.000 anzóis-hora nos diferentes perfis. No levantamento de inverno-primavera de 1996, as
maiores abundâncias numéricas foram ao sul de Rio Grande (P3), em Solidão (P5) e ao
largo da Laje de Santos (P12). Já no outono, as capturas diminuíram no sul e aumentaram
na maioria dos perfis ao norte de Torres (P7). A abundância em peso foi nitidamente maior
no inverno-primavera na região sul, entre Chuí (P1) e Solidão. No outono, observou-se uma
diminuição marcante ao sul de Solidão, devido ao decréscimo na captura de cações, e
aumentos moderados na captura de diversas espécies em vários perfis ao norte de Torres,
particularmente ao largo dos perfis da Laje de Santos e de Búzios (P17), onde, já no inver-
no-primavera, os rendimentos tinham sido maiores do que nas áreas vizinhas.
A Figura 1.11 apresenta os rendimentos em número e em peso em relação à bati-
metria. No inverno-primavera de 1996 na região sul, ambos os rendimentos tenderam a au-
mentar com a profundidade e na região sudeste não se observou uma tendência clara. Em
1997, ambos os rendimentos tenderam a aumentar com a profundidade em ambas as re-

30 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 31

Tabela 1.5 – Captura em número e peso e comprimentos mínimo, médio e máximo de peixes, crustáceos e aves capturadas nos levanta-
mentos de prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo entre São Tomé e Chuí, realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de
1997, com o B/P Margus II.

Gênero e Espécie Inverno-Primavera 1996 Outono de 1997 Comprimentos (cm)


n° kg n° kg min. médio máx.
Peixes Agnatos
Myxine sotoi 1 27
Eptatretus menezesi 1 1,6 72

Peixes cartilaginosos
Benthobatis kreffti 1 0,1 21 21,0 21
Carcharhinus falciformis 9 91,7 90 121,9 145
Carcharhinus obscurus 1 7,6 112 112,0 112
Carcharhinus signatus 15 163,6 40 562,7 61 128,4 240
Carcharhinus spp. 29 307,0 34 327,4 32 119,2 180
Dasyatis sp. 3 37,0 72 130,3 169
Galeorhinus galeus 72 509,3 4 2,5 63 121,7 147
Galeus mincaronei 1 0,1 7 1,0 32 38,5 44
Heptranchias perlo 33 90,9 13 34,7 61 90,3 107
Isurus oxyrinchus 1 121 121,0 121
Mustelus canis 91 143,1 49 70,9 34 75,1 110
Mustelus schmitti 101 112,6 52 53,8 52 68,9 92
Mustelus spp. 39 58,8 1 2,3 47 75,3 108
Myliobatis freminvillii 6 25,6 2 7,5 59 81,4 118
Myliobatis sp. 4 36,4 1 9,1 64 74,4 84
Notorynchus cepedianus 3 17,0 100 124,0 148
Atlantoraja castelnaui 18 60,9 3 44,1 37 60,0 120
Atlantoraja cyclophora 3 19,9 1 1,3 37 42,5 45
Atlantoraja platana 3 10,1 2 6,8 50 54,8 63
Raja spp. 12 74,4 105 105,0 105
Dipturus mennii 3 43,5
Rhinobatos horkelli 6 69,4 3 60,5 80 95,8 140
Rhizoprionodon porosus 1 1,1 62 62,0 62
Schroederichthys saurisqualus 5 1,3 13 3,3 37 48,4 62
Scyliorhinus haeckelli 27 13,0 39 18,8 28 44,3 60
Sphyrna lewini 1 1 130 130,0 130
Squalus acanthias 208 316,5 50 69,9 87
Cirrhigaleus asper 1 6,8 108 108,0 108
Squalus megalops 563 425,6 53 50,2 24 54,5 86
Squalus mitsukurii 564 790,2 184 228,1 39 66,7 85
Squalus spp. 2442 2495,1 614 491,5 28 59,0 112
Sympterygia acuta 1 18,5 152 152,0 152

Peixes ósseos
Beryx splendens 1 27 27,0 27
Brama brama 1 47 47,0 47
Caulolatilus chrysops 8 10,7 13 18,3 40 47,0 60
Conger orbignyanus 1 2,2 5 3,3 58 80,8 115
Coryphaena hippurus 4 28,7 8 18,3 53 72,1 118
Cynoscion guatucupa 1 1,0 48 48,0 48
Epinephelus flavolimbatus 7 135,2 8 115,7 46 98,8 125
Epinephelus niveatus 113 823,7 105 866,4 38 77,4 123
Genypterus brasiliensis 92 217,9 35 100,0 43 73,5 118
Gymnothorax spp. (1) 109 40,2 110 35,3 31 66,1 112
Helicolenus lahillei 1121 515,1 1184 443,3 15 28,8 56
Lopholatilus villarii 1320 5022,5 1149 3983,0 23 61,7 107
Malacocephalus occidentalis 1 0,1 32 32,0 32
Merluccius hubbsi 123 107,0 35 24,1 31 45,6 82
Micropogonias furnieri 9 20,7 51 58,3 65
Pagrus pagrus 263 273,5 135 124,5 24 39,1 59

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


31
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 32

Gênero e Espécie Inverno-Primavera 1996 Outono de 1997 Comprimentos (cm)


n° kg n° kg min. médio máx.

Paralichthys triocellatus 1 0,4 33 33,0 33


Percophis brasiliensis 2 1,4 1 0,5 50 53,7 57
Polymixia lowei 62 9,7 87 15,7 18 22,9 32
Polyprion americanus 243 1726,9 121 1584,9 40 77,5 138
Priacanthus arenatus 2 38 42,0 46
Prionotus punctatus 22 13,5 5 3,5 27 36,0 43
Pseudopercis numida 195 702,2 166 578,6 25 65,7 117
Pseudopercis semifasciata 5 43,1 61 84,4 106
Ruvettus pretiosus 4 50,8 47 94,0 170
Cheilodactylus bergi 2 1,9 8 5,4 28 37,6 50
Scomber japonicus 2 0,4 27 27,5 28
Scorpaena sp. 1 32 31,5 32
Seriola boscii 1 16,9 125 125,0 125
Seriola lalandi 3 19,0 1 3,0 54 74,9 90
Sphoeroides pachygaster 50 47,3 54 47,7 19 34,1 45
Thyrsitops lepidopoides 1 0,2 30 30,1 30
Thunnus albacares 3 13,2 58 62,7 65
Thunnus sp 2 38,2 83 94,0 105
Trichiurus lepturus 4 3,2 4 1,3 59 97,1 124
Umbrina canosai 15 11,2 30 37,3 42
Urophycis mystacea 3633 2232,2 6864 3734,1 16 40,2 70

Crustáceos
Chaceon notialis e ramosae 25 25 9 10,5 14
Rochinia sp 2 8 9 12,2 15
Brachyura não identificados 9 1 11 13,2 16

Aves
Diomedea exulans 1
Procellaria aequinoctialis 5
Procellaria conspicillata 1
Puffinus gravis 5 1
Thalassarche melanophris 5
Ave não identificada 1
(1) Gymnothorax ocellatus, G. consperus e outras não identificadas

giões. Estes padrões foram fortemente influenciados pela distribuição das espécies mais
abundantes.
Na Figura 1.12 são apresentadas as percentagens de anzóis recolhidos por perfil
com captura de peixes, com isca, sem isca (vazios) e perdidos. Os padrões foram bastante
semelhantes em ambos os levantamentos. No inverno-primavera de 1996, a proporção de
anzóis que voltou com isca nos perfis entre Torres (P7) e Cananéia (P11) foi superior a 50%.
No outono de 1997, as maiores percentagens situaram-se também na região central da
área de estudo, entre os perfis de Santa Marta (P8) e Cananéia. Em relação aos anzóis que
foram recolhidos sem isca, observou-se um padrão oposto, com as maiores percentagens
nos extremos da área de estudo. Cabe ressaltar a similaridade nos padrões observados em
ambas as épocas do ano.
A relação entre o número de peixes capturados e a perda do poder de pesca do
espinhel-de-fundo, indicado pelo número de anzóis sem isca e sem captura, está represen-
tada na Figura 1.13. Observa-se que, quando a captura é pequena, a proporção de anzóis
vazios é variável mas, quando as capturas aumentam, a proporção de anzóis vazios tam-
bém aumenta, o que indica que, nas áreas de maior densidade de peixes (quando os tem-
pos de imersão são longos), a relação entre as capturas e a abundância deve-se afastar pro-
gressivamente da linearidade, ou seja, capturas um pouco maiores podem corresponder a
uma abundância muito maior.

32 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 33

Frequências relativas em números

Urophycis mystacea

Squalus spp

Lopholatilus villarii

Helicolenus lahillei

Pagrus pagrus

Polyprion americanus

Pseudopercis numida

Mustelus spp

Gymnothorax spp
1996: N = 11667
Epinephelus niveatus 1997: N = 11243
outros

0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70%

Percentagem em peso

Lopholatilus villarii

Urophycis mystacea

Squalus spp

Polyprion americanus

Epinephelus niveatus

Carcharhinus spp

Pseudopercis numida

Helicolenus lahillei

Galeorhinus galeus
1996: 17901 kg
Mustelus spp 1997: 13861 kg
outros

0% 5% 10% 15% 20% 25% 30% 35%


Figura 1.9 – Freqüência relativa em número e percentagem em peso dos principais gêneros ou espécies de
peixes capturados nos dois levantamentos de prospecção com espinhel-de-fundo entre São Tomé e Chuí
realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997, com o B/P Margus II.
número por 1000 anzóis-hora

100 1996
1997
80

60

40

20

0
0 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18

100 1996 Figura 1.10 – CPUE em


kg por 1000 anzóis-hora

1750 1997 número e peso (kg) de pei-


150 xes por 1000 anzóis-hora
125 de imersão por perfil, nos
100 dois levantamentos de
75 prospecção com espinhel-
50 de-fundo entre São Tomé e
25 Chuí, realizados em agos-
0
to-outubro de 1996 e abril-
0 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 junho de 1997, com o B/P
Perfil Margus II.

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


33
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 34

160 1996 160 1997

120 120

kg/1000ah
kg/1000ah
80 80

40 40

0 0
100-149 150-199 200-249 250-299 300-399 400-510 100-149 150-199 200-249 250-299 300-399 400-510

100 1996 1997


100

num/1000ah 80 80

num/1000ah
60 60
40 40
20 20
0 0
100-149 150-199 200-249 250-299 300-399 400-510 100-149 150-199 200-249 250-299 300-399 400-510
faixa de profundidade (m) faixa de profundidade (m)

Figura 1.11 – CPUE em número e peso (kg) de peixes por 1000 anzóis-hora de imersão por faixa de profundi-
dade, nas regiões sul (cinza claro) e sudeste (cinza escuro) nos dois levantamentos de prospecção com espi-
nhel-de-fundo entre São Tomé e Chuí, realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997, com o B/P
Margus II.

Inverno - Primavera 1996 Outono - Inverno 1997


100 % 100 %

80 % 80 %

60 % 60 %

40 % 40 %

20 % 20 %

0% 0%
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 1314 15 16 17 18 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 1314 15 16 17 18
peixes iscados vazios outros

Figura 1.12 – Percentagens de anzóis que retornaram com captura de peixes, com iscas, vazios e outros que
incluem os que foram perdidos, não registrados ou com capturas acidentais de aves ou crustáceos nos dois
levantamentos de prospecção com espinhel-de-fundo a bordo B/P Margus II na primavera de 1996 e no outo-
no de 1997.

100%
anzóis sem isca/anzóis sem captura

80%

60%

40%

20%

0%
0 100 200 300 400 500

número de peixes por lance


Figura 1.13 – Relação entre o número de peixes capturados em cada lance e a fração de anzóis que perde-
ram a isca, sobre o total de anzóis recolhidos sem captura nos 188 lances de espinhel realizados ao longo
dos levantamentos.

34 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 35

Tabela 1.6 – Número de lances em que ocorreram os diferentes peixes nos levantamentos de prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo
realizados entre 22˚00’S e 34˚40’S em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997 a bordo do B/P Margus II, por faixas de profundidade
e nas regiões ao norte (SE) e ao sul (S) da Ilha de Santa Catarina.

Gênero e espécie Faixas de profundidade (m) Regiões e anos Total


125 175 225 275 350 450 SE 1996 SE 1997 S 1996 S 1997
Benthobatis kreffti 1 1 1
Beryx splendens 1 1 1
Brama brama 1 1 1
Carcharhinus spp. 5 2 1 2 9 22 19 8 4 10 41
Caulolatilus chrysops 3 7 4 3 5 2 4 14
Cheilodactylus bergi 2 1 1 2 3
Conger orbignyanus 1 1 1 1 2
Coryphaena hippurus 2 4 1 1 1 2 3 4 1 3 11
Cynoscion guatucupa 1 1 1
Dasyatis sp. 1 1 1 1 2
Epinephelus flavolimbatus 3 2 1 2 1 1 5
Epinephelus niveatus 11 18 8 1 4 2 14 18 5 7 44
Galeorhinus galeus 2 1 3 1 4 3 13 1 14
Galeus mincaronei 3 1 2 3
Genypterus brasiliensis 1 6 8 11 16 16 13 10 3 42
Gymnothorax spp. 9 13 19 10 11 2 23 23 10 8 64
Helicolenus lahillei 2 4 4 22 44 13 12 24 27 76
Heptranchias perlo 3 5 8 6 5 1 10 7 8 3 28
Isurus oxyrinchus 1 1 1
Lopholatilus villarii 4 12 25 14 31 8 30 28 19 17 94
Malacocephalus occidentalis 1 1 1
Merluccius hubbsi 1 2 1 3 9 20 18 13 3 2 36
Micropogonias furnieri 1 1 1
Mustelus schmitti e M. canis 19 10 6 4 2 12 6 16 7 41
Myliobatis freminvillii 3 1 1 1 3
Myliobatis sp. 4 2 1 1 4
Myxinidae 1 1 2 2
Notoryncus cepedianus 1 1 2 2
Pagrus pagrus 10 10 1 3 5 6 7 21
Paralichthys triocellatus 1 1 1
Percophis brasiliensis 2 1 1 2
Polymixia lowei 1 10 22 12 15 3 3 33
Polyprion americanus 2 2 6 3 15 16 1 2 22 19 44
Priacanthus arenatus 1 1 1
Prionotus punctatus 4 1 3 2 5
Pseudopercis numida 5 21 17 8 4 21 23 5 6 55
Pseudopercis semifasciata 2 1 1 2
Atlantoraja castelnaui 3 2 1 3 3 6
Atlantoraja cyclophora 2 1 1 1 1 3
Atalntoraja platana 2 1 1 2
Raja spp. 3 5 3 5 8
Dipturus mennii 2 2 2
Rhinobatos horkelli 1 1 1 1 2
Rhizoprionodon porosus 1 1 1
Ruvettus pretiosus 1 1 1
Schroederichthys saurisqualus 3 7 1 2 2 5 10
Scomber japonicus 1 1 1
Scorpaena sp. 1 1 1
Scyliorhinus haeckelli 4 3 5 5 10 6 7 8 6 12 33
Seriola dumerili 1 1 1
Seriola lalandei 1 2 1 3 1 4
Sphoeroides pachygaster 7 11 10 4 4 7 5 10 14 36
Sphyrna lewini 1 1 1 1 2
Squalus acanthias 1 1 1
Cirrhigaleus asper 1 1 1
Squalus megalops e S. mitsukurii 19 20 25 9 17 13 25 21 37 20 103
Sympterygia acuta 1 1 1
Thyrsitops lepidopoides 1 1 1
Thunnus albacares 1 1 1 3 3
Thunnus sp. 1 1 1 1 2
Trichiurus lepturus 3 3 1 1 1 3 2 7
Umbrina canosai 2 2 2
Urophycis mystacea 11 6 7 12 37 48 27 31 30 33 121

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


35
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 36

Tabela 1.7 – Quilogramas por 1000 anzóis-hora dos diferentes peixes nas capturas com espinhel-de-fundo nos levantamentos de
prospecção pesqueira realizados a bordo do B/P Margus II entre 22˚00’S e 34˚40’S em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997, por
faixas de profundidades e nas regiões ao norte (SE) e ao sul (S) da Ilha de Santa Catarina.

Faixas de profundidade (m) Regiões e anos


Gênero e espécie Total
100-149 150-199 200-249 250-299 300-399 400-510 SE 1996 SE 1997 S 1996 S 1997
Benthobatis kreffti <0,01 <0,01 <0,01
Beryx splendens <0,01 <0,01 <0,01
Brama brama 0,02 0,02 <0,01
Carcharhinus spp. 0,67 1,11 0,03 0,21 1,08 8,49 3,69 2,63 0,84 4,25 2,90
Caulolatilus chrysops 0,14 0,17 0,11 0,05 0,07 0,04 0,07 0,06
Cheilodactylus bergi 0,06 0,04 0,02 0,04 0,01
Conger orbignyanus 0,03 0,03 0,02 0,03 <0,01
Coryphaena hippurus 0,29 0,13 0,02 0,04 0,01 0,10 0,08 0,04 0,06 0,09
Cynoscion guatucupa 0,02 <0,01 <0,01
Dasyatis sp. 0,30 0,20 0,19 0,11 0,07
Epinephelus flavolimbatus 3,05 0,85 0,80 0,70 0,28 0,20 0,50
Epinephelus niveatus 3,12 7,00 5,64 1,56 4,07 0,35 5,11 5,81 1,45 0,88 3,36
Eptatretus menezesi 0,01 0,01 0,01
Galeorhinus galeus 0,14 0,10 0,76 1,17 3,10 0,32 4,40 0,02 1,02
Galeus mincaronei <0,01 <0,01 <0,01 <0,01
Genypterus brasiliensis 0,40 0,62 1,45 0,75 0,75 0,62 0,51 1,20 0,27 0,63
Gymnothorax spp. 0,07 0,14 0,51 0,36 0,08 <0,01 0,25 0,22 0,07 0,05 0,15
Helicolenus lahillei 0,03 0,51 0,14 4,05 3,26 0,97 0,87 3,37 2,55 1,91
Heptranchias perlo 0,21 0,21 0,59 0,56 0,24 0,04 0,37 0,18 0,37 0,09 0,25
Isurus oxyrinchus 0,12 0,07 0,02
Lopholatilus villarii 0,72 4,90 32,01 22,80 39,88 6,83 18,11 18,79 23,34 11,98 17,91
Malacocephalus occidentalis <0,01 <0,01 <0,01
Merluccius hubbsi 0,02 0,05 0,01 0,10 0,52 0,45 0,75 0,15 0,10 0,03 0,26
Micropogonias furnieri 0,34 0,18 0,04
Mustelus schmitti e M. canis 4,13 0,89 1,43 0,48 0,04 0,53 0,32 2,13 0,66 0,88
Myliobatis freminvillii 0,55 0,14 0,07 0,06 0,07
Myliobatis sp. 0,75 0,14 0,16 0,07 0,09
Myxine sotoi <0,01 <0,01 <0,01
Notoryncus cepedianus 0,05 0,31 0,15 0,03
Pagrus pagrus 2,02 3,52 0,01 0,13 0,07 2,22 0,89 0,79
Paralichthys triocellatus <0,01 <0,01 <0,01
Percophis brasiliensis 0,03 0,01 <0,01 <0,01
Polymixia lowei <0,01 0,04 0,15 0,07 0,09 <0,01 0,04 0,05
Polyprion americanus 1,28 1,62 4,74 1,72 10,62 10,78 0,96 2,39 13,86 9,86 6,59
Priacanthus arenatus 0,03 0,02 <0,01
Prionotus punctatus 0,27 <0,01 0,12 0,03 0,03
Pseudopercis numida 2,83 8,60 3,10 4,28 0,39 4,47 3,87 1,12 0,60 2,55
Pseudopercis semifasciata 0,71 0,30 0,04 0,09
Atlantoraja castelnaui 1,01 0,20 0,20 0,53 0,34 0,21
Atlantoraja cyclophora 0,24 0,06 0,10 0,06 <0,01 0,04
Atalntoraja platana 0,28 0,09 0,05 0,03
Raja spp. 0,72 0,22 0,34 0,24 0,15
Dipturus mennii 0,31 0,34 0,09
Rhinobatos horkelli 1,15 0,43 0,60 0,47 0,26
Rhizoprionodon porosus 0,02 <0,01 <0,01
Ruvettus pretiosus 0,36 0,39 0,10
Schroederichthys
saurisqualus <0,01 <0,01 <0,01 <0,01 <0,01
Scomber japonicus <0,01 <0,01 <0,01
Scorpaena sp. <0,01 <0,01 <0,01
Scyliorhinus haeckelli 0,07 0,02 0,08 0,10 0,09 0,04 0,08 0,05 0,03 0,09 0,06
Seriola dumerili 0,22 0,13 0,03
Seriola lalandei 0,13 0,10 0,10 0,15 0,02 0,04
Sphoeroides pachygaster 0,19 0,22 0,54 0,45 0,10 0,10 0,05 0,30 0,32 0,19
Sphyrna lewini 0,15 0,08 0,09 0,10 0,05
Squalus acanthias 5,22 2,74 0,63
Cirrhigaleus asper 0,05 0,05 0,01

36 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 37

Faixas de profundidade (m) Regiões e anos


Gênero e espécie Total
100-149 150-199 200-249 250-299 300-399 400-510 SE 1996 SE 1997 S 1996 S 1997
Squalus megalops
e S. mitsukurii 5,42 13,08 10,99 12,55 10,85 4,47 5,46 2,93 26,02 3,02 8,91
Sympterygia acuta 0,13 0,14 0,04
Thrysitops lepidopoides <0,01 <0,01 <0,01
Thunnus albacares 0,07 0,08 0,04 0,11 0,03
Thunnus sp. 0,24 0,28 0,15 0,17 0,08
Trichiurus lepturus 0,03 0,03 <0,01 <0,01 <0,01 0,02 <0,01 <0,01
Umbrina canosai 0,18 0,10 0,02
Urophycis mystacea 0,62 0,53 1,67 11,66 9,68 29,63 7,23 16,48 11,28 12,37 11,87

1.3.2.2 Distribuição e índices de abundância por espécie


Para cada uma das espécies de peixes capturadas, foram calculadas as freqüências
de ocorrência, as capturas médias por unidade de esforço em quilograma por 1.000 anzóis-
hora (kg/1.000ah) e em número de indivíduos por 1.000 anzóis-hora (núm./1.000ah) por
faixa de profundidade, região e levantamento (Tabelas 1.6, 1.7 e 1.8).
As distribuições das espécies mais importantes, que em conjunto representaram
cerca de 95% das capturas em número e peso, foram analisadas a partir de suas ocorrên-
cias e rendimentos em número e peso, composições de comprimento e, em alguns casos,
proporções de sexos nas capturas. As Figuras 1.14 a 1.17 apresentam a variação das cap-
turas em peso por 1000 anzóis-hora das espécies mais importantes por perfis e faixas de
profundidades em ambos os levantamentos.
A Tabela 1.9 apresenta os índices de abundância relativa (IAR) estimados para o
total de teleósteos, elasmobrânquios e para cada uma das principais espécies. O maior IAR
do conjunto dos elasmobrânquios foi de 34,01 na região sul no inverno-primavera de
1996, caindo para 13,98 no outono de 1996 e, na região sudeste, foi menor em ambos os
períodos: 7,20 e 5,31, respectivamente. Os teleósteos também foram mais abundantes no
inverno-primavera na região sul, 34,76, caindo para 26,86 no outono; já no sudeste, obser-
vou-se uma tendência contrária, com o aumento de 22,38 para 29,97 do inverno-primavera
de 1996 para o outono seguinte.

Tabela 1.8 – Número de peixes por 1000 anzóis-hora por lances agrupados por faixas de profundidade e nas regiões ao norte (SE) e ao sul
(S) da Ilha de Santa Catarina, nos levantamentos de prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo realizados a bordo do B/P Margus II, entre
22˚00’S e 34˚40’S em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997.

Gênero e espécie Faixas de profundidade (m) Regiões e anos Total


120-149 150-199 200-249 250-299 300-399 400-510 SE 1996 SE 1997 S 1996 S 1997
Benthobatis kreffti 0,01 0,01 0,002
Beryx splendens 0,01 0,01 0,002
Brama brama 0,01 0,01 0,002
Carcharhinus spp. 0,13 0,12 0,01 0,05 0,12 0,67 0,34 0,28 0,10 0,29 0,255
Caulolatilus chrysops 0,08 0,13 0,09 0,04 0,05 0,03 0,05 0,042
Cheilodactylus bergi 0,06 0,07 0,02 0,06 0,020
Conger orbignyanus 0,01 0,04 0,01 0,04 0,012
Coryphaena hippurus 0,03 0,06 0,01 0,02 0,01 0,01 0,02 0,04 0,01 0,02 0,024
Cynoscion guatucupa 0,02 0,01 0,002
Dasyatis sp. 0,03 0,01 0,02 0,01 0,006
Epinephelus flavolimbatus 0,18 0,05 0,05 0,05 0,01 0,01 0,030
Epinephelus niveatus 0,46 1,10 0,77 0,14 0,38 0,02 0,72 0,73 0,18 0,08 0,434
Eptatretus menezesi 0,01 0,01 0,002
Galeorhinus galeus 0,10 0,01 0,18 0,23 0,37 0,04 0,62 0,03 0,151
Galeus mincaronei 0,06 0,01 0,05 0,016
Genypterus brasiliensis 0,23 0,27 0,44 0,30 0,30 0,26 0,19 0,51 0,09 0,253
Gymnothorax sp. 0,30 0,46 1,31 1,05 0,24 0,04 0,71 0,70 0,16 0,15 0,436
Helicolenus lahillei 0,13 1,16 0,26 10,02 7,65 1,55 1,56 7,97 7,59 4,585

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


37
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 38

Gênero e espécie Faixas de profundidade (m) Regiões e anos Total


120-149 150-199 200-249 250-299 300-399 400-510 SE 1996 SE 1997 S 1996 S 1997
Heptranchias perlo 0,08 0,08 0,22 0,19 0,09 0,01 0,12 0,07 0,15 0,03 0,092
Isurus oxyrinchus 0,01 0,01 0,002
Lopholatilus villarii 0,30 1,61 9,06 8,61 10,07 1,51 5,29 5,91 5,55 2,97 4,912
Malacocephalus occidentalis 0,01 0,01 0,002
Merluccius hubbsi 0,02 0,04 0,01 0,12 0,69 0,50 0,92 0,22 0,04 0,05 0,314
Micropogonias furnieri 0,15 0,08 0,018
Mustelus schmitti e M. canis 3,55 0,56 0,95 0,19 0,02 0,40 0,19 1,56 0,60 0,662
Myliobatis freminvillii 0,13 0,03 0,02 0,02 0,016
Myliobatis sp. 0,08 0,02 0,02 0,01 0,010
Myxine sotoi 0,01 0,01 0,002
Notoryncus cepedianus 0,01 0,05 0,03 0,006
Pagrus pagrus 2,06 3,48 0,01 0,13 0,08 2,13 0,96 0,792
Paralichthys triocellatus 0,02 0,01 0,002
Percophis brasiliensis 0,05 0,02 0,01 0,006
Polymixia lowei 0,02 0,19 0,90 0,46 0,53 0,03 0,15 0,296
Polyprion americanus 0,51 0,41 0,89 0,19 1,13 0,75 0,04 0,08 2,06 0,86 0,724
Priacanthus arenatus 0,03 0,02 0,004
Prionotus punctatus 0,43 0,01 0,19 0,04 0,054
Pseudopercis numida 1,02 2,40 0,82 1,14 0,06 1,30 1,11 0,24 0,17 0,718
Pseudopercis semifasciata 0,08 0,03 0,01 0,010
Atlantoraja castelnaui 0,30 0,03 0,01 0,16 0,02 0,042
Atlantoraja cyclophora 0,05 0,01 0,02 0,01 0,01 0,008
Atalntoraja platana 0,08 0,03 0,02 0,010
Raja spp. 0,12 0,04 0,05 0,04 0,024
Dipturus mennii 0,02 0,02 0,006
Rhinobatos horkelli 0,10 0,02 0,05 0,02 0,018
Rhizoprionodon porosus 0,02 0,01 0,002
Ruvettus pretiosus 0,03 0,03 0,008
Schroederichthys saurisqualus 0,04 0,10 0,02 0,05 0,03 0,05 0,036
Scomber japonicus 0,03 0,02 0,004
Scorpaena sp. 0,01 0,01 0,002
Scyliorhinus haeckelli 0,13 0,04 0,18 0,21 0,20 0,08 0,16 0,11 0,06 0,19 0,131
Seriola dumerili 0,01 0,01 0,002
Seriola lalandei 0,02 0,03 0,01 0,02 0,01 0,008
Spheroides pachygaster 0,25 0,24 0,58 0,47 0,10 0,09 0,07 0,33 0,35 0,207
Sphyrna lewini 0,01 0,01 0,01 0,01 0,004
Squalus acanthias 3,43 1,80 0,414
Cirrhigaleus asper 0,01 0,01 0,002
Squalus megalops e S. mitsukurii 8,79 14,16 11,23 12,88 8,16 3,93 7,13 3,21 22,95 3,37 8,793
Sympterygia acuta 0,01 0,01 0,002
Thrysitops lepidopoides 0,01 0,01 0,002
Thunnus albacares 0,01 0,02 0,01 0,03 0,006
Thunnus sp. 0,01 0,01 0,01 0,01 0,004
Trichiurus lepturus 0,05 0,04 0,02 0,01 0,01 0,03 0,02 0,016
Umbrina canosai 0,25 0,13 0,030
Urophycis mystacea 1,45 1,34 2,75 23,17 18,29 50,04 13,12 29,81 16,87 23,22 20,882

Figura 1.14: Densidades relativas por perfis das princi-


1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 12 14 16 18

pais espécies capturadas no levantamento de inverno-


primavera de 1996. A largura dos polígonos em cada
perfil é proporcional às capturas em número/1.000
anzóis-hora padronizadas pela média de cada espécie.
CASP: Carcharhinus spp.; EPNI: E. niveatus; GEBR: G.
perfil

brasiliensis; GYSP: Gymnothorax sp.; HELA: H. lahillei;


LOVI: L. villarii; MEHU: M. hubbsi; MUSP: M. canis e M.
schmitti; PAPA: P. pagrus; POLO: P. lowei; POAM: P.
americanus; PSNU: P. numida; SQSP: S. megalops e S.
mitsukuri; URMY: U. mystacea.

URMY SQSP LOVI HELA PAPA POAM PSNU MUSP GYSP EPNI MEHU POLO CASP GEBR
código da espécie

38 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 39

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 12 14 16 18
Figura 1.15: Densidades relativas por perfis das princi-
pais espécies capturadas no levantamento de outono de
1997. A largura dos polígonos em cada perfil é propor-
cional às capturas em número/1.000 anzóis-hora
padronizadas pela média de cada espécie. CASP:
Carcharhinus spp.; EPNI: E. niveatus; GEBR: G. brasilien-
perfil

sis; GYSP: Gymnothorax sp.; HELA: H. lahillei; LOVI: L.


villarii; MEHU: M. hubbsi; MUSP: M. canis e M. schmitti;
PAPA: P. pagrus; POLO: P. lowei; POAM: P. americanus;
PSNU: P. numida; SQSP: S. megalops e S. mitsukuri;
URMY: U. mystacea.

URMY SQSP LOVI HELA PAPA POAM PSNU MUSP GYSP EPNI MEHU POLO CASP GEBR
código da espécie
Figura 1.16: Densidades relativas por faixas de profundi-
100 150 200 250 300 350 400 450 500

dades das principais espécies capturadas no levanta-


mento de inverno-primavera de 1996. A largura dos polí-
gonos em cada perfil é proporcional às capturas em
profundidade (m)

número/1.000 anzóis-hora padronizadas pela média de


cada espécie. CASP: Carcharhinus spp.; EPNI: E. nivea-
tus; GEBR: G. brasiliensis; GYSP: Gymnothorax sp.;
HELA: H. lahillei; LOVI: L. villarii; MEHU: M. hubbsi;
MUSP: M. canis e M. schmitti; PAPA: P. pagrus; POLO: P.
lowei; POAM: P. americanus; PSNU: P. numida; SQSP: S.
megalops e S. mitsukuri; URMY: U. mystacea.

URMY SQSP LOVI HELA PAPA POAM PSNU MUSP GYSP EPNI MEHU POLO CASP GEBR
código da espécie
100 150 200 250 300 350 400 450 500

Figura 1.17: Densidades relativas por faixas de profundi-


dades das principais espécies capturadas no levanta-
mento de outono de 1997. A largura dos polígonos em
cada perfil é proporcional às capturas em número/1.000
profundidade (m)

anzóis-hora padronizadas pela média de cada espécie.


CASP: Carcharhinus spp.; EPNI: E. niveatus; GEBR: G.
brasiliensis; GYSP: Gymnothorax sp.; HELA: H. lahillei;
LOVI: L. villarii; MEHU: M. hubbsi; MUSP: M. canis e M.
schmitti; PAPA: P. pagrus; POLO: P. lowei; POAM: P.
americanus; PSNU: P. numida; SQSP: S. megalops e S.
mitsukuri; URMY: U. mystacea.

URMY SQSP LOVI HELA PAPA POAM PSNU MUSP GYSP EPNI MEHU POLO CASP GEBR
código da espécie

Tabela 1.9 – Índices de abundância relativa de peixes capturados nos levantamentos de prospecção pesquei-
ra com espinhel-de-fundo, realizados a bordo do B/P Margus II, entre 22˚00’S e 34˚40’S em agosto-outubro
de 1996 e abril-junho de 1997 nas regiões ao norte (SE) e ao sul (Sul) da Ilha de Santa Catarina.

Inverno – primavera 1996 Outono 1997 Total


Sul SE Total Sul SE
Elasmobrânquios 34,01 13,98 23,88 7,20 5,31 6,24
Teleósteos 34,76 26,86 30,76 22,38 29,97 26,22
Total 68,77 40,83 54,64 29,58 35,27 32,46
Carcharhinus spp. 2,25 1,01 1,62 1,35 0,74 1,04
Epinephelus niveatus 3,90 4,25 4,07 2,02 4,38 3,21
Galeorhinus galeus 0,94 0,00 0,46 0,05 0,00 0,02
Genypterus brasiliensis 0,58 0,20 0,39 0,08 0,19 0,13
Gymnothorax sp. 0,05 0,22 0,14 0,05 0,20 0,12
Helicolenus lahillei 1,88 0,29 1,07 1,33 0,21 0,77
Lopholatilus villarii 7,83 7,34 7,58 7,56 9,28 8,43
Merluccius hubbsi 0,02 0,21 0,02 0,13 0,11 0,08
Mustelus canis e schmitti 2,88 1,14 2,00 1,08 0,75 0,91
Pagrus pagrus 7,74 0,43 4,04 2,13 0,09 1,10
Polyprion americanus 5,57 0,27 2,89 3,30 0,53 1,90
Pseudopercis numida 1,83 7,76 4,83 0,92 7,12 4,06
Squalus megalops e mitsukuri 25,69 9,88 17,70 3,59 3,08 3,34
Urophycis mystacea 2,80 2,19 2,50 3,88 5,69 4,80
Outras espécies 4,81 5,63 5,32 2,11 2,90 2,55

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


39
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 40

a. Lopholatilus villarii
O peixe-batata Lopholatilus villarii (Miranda-Ribeiro, 1915) é uma espécie demersal
da família Malacanthidae que habita o oceano Atlântico Sul Ocidental e cuja distribuição,
segundo Figueiredo e Menezes (1980), abrange desde o Espírito Santo até o Uruguai, atin-
gindo provavelmente o norte da Argentina. Registros mais recentes de ocorrência expan-
dem sua distribuição até os estados do Rio Grande do Norte e Sergipe (Alencar et al., 1998).
No Golfo do México e no Atlântico Norte Ocidental, ocorre a espécie congênere Lopholatilus
chamaleonticeps.
O peixe-batata foi a principal espécie em peso (28,4%) e a terceira em número
(10,8%). Foram capturados no total 2.469 exemplares, em 94 lances, que mediram de 23 a
107 cm de comprimento total, com média em 61,7 cm e pesaram em média 3,647 kg.
Ocorreu ao longo de toda a área de estudo, em ambas as épocas do ano (Figura 1.18). As
maiores capturas foram nos perfis de Rio Grande (P3) e Ilha Grande (P14), predominante-
mente entre as profundidades de 200 e 400 m (Figuras 1.14 a 1.17).
No inverno-primavera de 1996, os índices de abundância relativa foram de 7,83 no
sul e 7,34 no sudeste; no outono de 1997, foram de 7,56 no sul e de 9,28 (+22%) no sudeste
(Tabela 1.9).
As distribuições de comprimentos mostram que exemplares maiores que 50 cm
ocorreram em toda a área de estudo, mas os de comprimento inferior a este valor ocor-
reram principalmente entre a Ilha de Santa Catarina (P9) e a Ilha Grande (P14). Em relação

Lopholatilus villarii C. São Tomé Lopholatilus villarii C. São Tomé


22˚ S 22˚ S
1996 Rio de Janeiro Cabo Frio
1997 Rio de Janeiro Cabo Frio

Santos Santos
24˚ S 24˚ S

26˚ S 26˚ S
Itajaí Itajaí

28˚ S 28˚ S C. Santa Marta


C. Santa Marta

30˚ S 30˚ S
<1
1-5
32˚ S Rio Grande 5-25 32˚ S Rio Grande
25-100
>100
34˚ S Chuí 34˚ S Chuí
100 500 100 500
54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W 54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W

Figura 1.18 – CPUE em número por 1000 anzóis-hora de Lopholatilus villarii em dois levantamentos de pros-
pecção pesqueira com espinhel-de-fundo entre São Tomé (22˚00’S) e Chuí (34˚40’S) do Programa REVIZEE,
realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997, com o B/P Margus II.

à profundidade, os exemplares grandes ocorreram preferencialmente em profundidades


maiores e os exemplares pequenos em todas as faixas de profundidades. Os tamanhos dos
batatas capturados na região sul foram, em média, maiores que na sudeste, em ambos os
anos (Figura 1.19).
As proporções entre sexos foram estimadas a partir de 1599 exemplares. No sul, as
fêmeas representaram 33% do total e os machos foram mais freqüentes em quase todas
as classes de comprimentos. No sudeste, ocorreu o inverso, as fêmeas representaram 57%
das capturas e predominaram em todas as classes de comprimento (Figura 1.20). A pro-
porção de fêmeas diminui com o aumento do tamanho dos batatas em ambas as regiões
e épocas, embora a queda tenha sido mais evidente na região sudeste no inverno-prima-
vera e no sul no outono (Figura 1.21).

40 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 41

São Tomé – São Francisco


% 14 1996 % 14 1997

12 12
Fêmeas 55% Fêmeas 55%
10 Machos 45% 10 Machos 45%

8 8

6 6

4 4

2 2

0 0
20 30 40 50 60 70 80 90 100 20 30 40 50 60 70 80 90 100

Ilha de Santa Catarina – Chuí

% 14 1996 % 14 1997

12 12
Fêmeas 35% Fêmeas 55%
10 Machos 65% 10 Machos 45%

8 8

6 6

4 4

2 2

0 0
20 30 40 50 60 70 80 90 100 20 30 40 50 60 70 80 90 100
Classe de comprimento total (cm) Classe de comprimento total (cm)

Figura 1.19 – Distribuições de freqüências de comprimentos por sexos de Lopholatilus villarii em dois levantamentos de prospecção
pesqueira com espinhel-de-fundo realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997, a bordo do B/P Margus II entre 22˚00’S
e 34˚40’S.

São Tomé – São Francisco Ilha de Santa Catarina – Chuí


% 20 1996; n: 671; CTm: 60,4 cm % 20 1996; n: 635; CTm: 65,5 cm
1997; n: 757; CTm: 58,6 cm 1997; n: 348; CTm: 63,7 cm
15 15

10 10

5 5

0 0
20 30 40 50 60 70 80 90 100 20 30 40 50 60 70 80 90 100
Classe de comprimento total (cm) Classe de comprimento total (cm)

Figura 1.20 – Distribuições de freqüências de comprimentos de Lopholatilus villarii por sexos em dois levantamentos de prospecção
pesqueira com espinhel-de-fundo realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997, a bordo do B/P Margus II entre o cabo
de São Tomé e Chuí (n: número de indivíduos medidos; CT m: comprimento médio).

Tabela 1.10 – Índices gonadossomáticos médios de fêmeas de Lopholatilus villarii de mais que 40 cm de com-
primento total nos levantamentos de prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo a bordo do B/P Margus II
entre 22˚00’S e 34˚40’S em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997 nas regiões ao norte (SE) e ao sul
(Sul) da Ilha de Santa Catarina.

Inverno-primavera 1996 Outono 1997


Sudeste Sul Sudeste Sul
Média 3,422 3,110 0,739 0,890
Desvio padrão 1,999 2,470 0,393 0,600
Número 90 70 154 80

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


41
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 42

100% sul 1997 100% sul 1997


sul 1996 sul 1996
Percentagem de fêmeas

Percentagem de fêmeas
SE 1997 SE 1997
75% 75%
SE 1996 SE 1996

50% 50%

25% 25%

0% 0%
<30 40 50 60 70 80 >90 100-149 150-199 200-249 250-299 300-399 400-510

Classe de comprimentos (cm) Faixa de profundidades (m)

Figura 1.21 – Percentagem de fêmeas de Lopholatilus villarii por classes de comprimentos e por faixas de pro-
fundidades, em dois levantamentos de prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo realizados em agosto-
outubro de 1996 e abril-junho de 1997 a bordo do B/P Margus II entre 22˚00’S e 34˚40’S entre 22˚00’S e 34˚40’S
nas regiões ao norte (SE) e ao sul (Sul) da Ilha de Santa Catarina.

A estrutura populacional mostrou padrões espaciais consistentes em ambos os le-


vantamentos: no sul, os tamanhos médios foram maiores e predominaram os machos; no
sudeste, os batatas foram, em média, menores e predominaram as fêmeas, particularmen-
te nos comprimentos intermediários. As diferenças entre as regiões podem ser devidas à
maior pressão de pesca dirigida ao batata no sudeste nos anos anteriores aos levan-
tamentos (Ávila-da-Silva et al. 2001) enquanto que no sul estava apenas começando
(Haimovici e Velasco, 2001). Os índices gonadossomáticos calculados para as fêmeas com
mais que 40 cm em ambos os levantamentos mostram os mesmos padrões sazonais tanto
no sul como no sudeste, com valores altos no inverno-primavera e baixos no outono, su-
gerindo que o período reprodutivo da espécie, em toda a área de estudo, é na primavera
(Tabela 1.10).
As diferenças na estrutura populacional e a pouca variação nas abundâncias do
peixe-batata entre épocas do ano e áreas sugerem que há pouca mistura entre os peixes
das regiões sul e sudeste. Estudos sobre Lopholatilus chamaleonticeps, que provavelmente
tem uma estratégia de vida parecida a L. villarii, mostraram que os adultos são territoriais e
pouco migratórios, reforçando a hipótese.

b. Urophycis mystacea
A abrótea-de-profundidade, Urophycis mystacea Ribeiro, 1905 é um peixe gadifor-
me de ampla distribuição, ocorrendo entre o Rio de Janeiro e a Argentina (Figueiredo e
Menezes, 1978). A denominação U. cirrata, Goode & Bean, 1896 tem sido também utilizada
devido ao estudo de Cousseau (1993), que comparou a morfometria de exemplares da
Argentina com os valores apresentados na descrição de Ribeiro e não achou diferenças
morfológicas que indicassem a existência de duas espécies, concluindo que o U. cirrata
teria precedência sobre U. mystacea. No Brasil o nome U. mystacea é recomendado por
Figueiredo e Menezes (1978).
A abrótea-de-profundidade ocupou o primeiro lugar em número (45,8%) e o
segundo em peso (18,8%) do total das capturas. Foram pescados 10497 exemplares em
121 lances, medindo de 16 a 70 cm de comprimento total, em média 40,2 cm e 0,568 kg.
Ocorreu em todos os perfis e em ambos os levantamentos, sendo escassa apenas no per-
fil de Torres (P7) no inverno-primavera e no de Chuí (P1) no outono (Figura 1.22). Embora
tenha sido encontrada em todas as faixas de profundidade, foi abundante a partir dos 300
m no inverno-primavera de 1996 e a partir dos 250 m no outono de 1997 (Figuras 1.16 e
1.17). Exemplares com menos que 30 cm de comprimento ocorreram em todos os perfis e
levantamentos, indicando que o recrutamento da espécie ocorre em toda a região.
Os índices de abundância relativa de inverno-primavera no sul e sudeste foram
semelhantes: 2,8 e 2,2 e aumentaram no outono para 3,8 e 5,7 respectivamente (Tabela

42 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 43

Urophycis mystacea C. São Tomé Urophycis mystacea C. São Tomé


22˚ S 22˚ S
1996 Rio de Janeiro Cabo Frio
1997 Rio de Janeiro Cabo Frio

Santos Santos
24˚ S 24˚ S

26˚ S 26˚ S
Itajaí Itajaí

28˚ S C. Santa Marta


28˚ S C. Santa Marta

30˚ S 30˚ S
<1
1-5
5-25
32˚ S Rio Grande 32˚ S Rio Grande
25-100

>100
Chuí Chuí
34˚ S 34˚ S
100 500 100 500
54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W 54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W

Figura 1.22 – CPUE em número por 1000 anzóis-hora de Urophycis mystacea em dois levantamentos de
prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo entre São Tomé (22˚00’S) e Chuí (34˚40’S) do Programa
REVIZEE, realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997, com o B/P Margus II.

1.9). No outono, as capturas aumentaram em todos os perfis (Figuras 1.14 e 1.15). As dis-
tribuições de comprimentos mostram que todos os tamanhos de abróteas-de-profundi-
dade ocorreram em ambas as regiões, em ambos os anos. Os exemplares maiores ocor-
reram em sua maior parte em profundidades superiores a 300 m. No sul, foi capturada uma
proporção maior de exemplares grandes no inverno-primavera de 1996 (Figura 1.23).
As proporções entre os sexos foram estimadas para 6.659 exemplares. Os machos
raramente ultrapassaram os 45 cm enquanto que as fêmeas atingiram até 70 cm. As fê-
meas foram mais abundantes tanto no sul, onde a percentagem caiu de 74% no inverno-

São Tomé – São Francisco Ilha de Santa Catarina – Chuí


% 30 % 30
1996; n: 1608; CTm: 39,8 cm 1996; n: 1833; CTm: 42,5 cm
25 1997; n: 3719; CTm: 39,9 cm 25 1997; n: 2940; CTm: 39,4 cm
20 20
15 15
10 10
5 5
0 0
<27 30 36 42 48 54 60 >66 <27 30 36 42 48 54 60 >66
Classe de comprimento total (cm) Classe de comprimento total (cm)

Figura 1.23 – Distribuições de freqüências de comprimentos de Urophycis mystacea em dois levantamentos


de prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo, entre o Cabo de São Tomé e Chuí, realizados em agosto-
outubro de 1996 e abril-junho de 1997, com o B/P Margus II. (n: número de indivíduos medidos; CT m: com-
primento médio).

Tabela 1.11 – Índices gonadossomáticos médios de fêmeas de Urophycis mystacea com mais de 33 cm de
comprimento total em dois levantamentos de prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo realizados em
agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997 a bordo do B/P Margus II entre 22˚00’S e 34˚40’S entre 22˚00’S
e 34˚40’S nas regiões ao norte (SE) e ao sul (Sul) da Ilha de Santa Catarina.

Inverno-primavera 1996 Outono 1997


Sudeste Sul Sudeste Sul
Média 0,669 0,783 3,304 3,001
Desvio padrão 0,616 0,737 2,324 3,130
Número 197 122 225 217

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


43
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 44

São Tomé – São Francisco


% 25 % 25
1996 1997
20 Fêmeas 74% 20 Fêmeas 74%
Machos 26% Machos 26%
15 15

10 10

5 5

0 0
<27 30 36 42 48 54 60 >66 <27 30 36 42 48 54 60 >66
Classe de comprimento total (cm) Classe de comprimento total (cm)

Ilha de Santa Catarina – Chuí


% 25 % 25
1996 1997
20 Fêmeas 75% 20 Fêmeas 58%
Machos 25% Machos 42%
15 15

10 10

5 5

0 0
<27 30 36 42 48 54 60 >66 <27 30 36 42 48 54 60 >66
Classe de comprimento total (cm) Classe de comprimento total (cm)

Figura 1.24 – Distribuições de freqüências de comprimentos por sexos de Urophycis mystacea em dois levantamentos de
prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo na plataforma externa e talude continental superior entre o Cabo de São Tomé e Chuí,
realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997, com o B/P Margus II.

100% 100%
Percentagem de fêmeas

Percentagem de fêmeas

80% 80%

60% 60%

40% sul 1997 40% sul 1997


sul 1996 sul 1996
20% SE 1997 20% SE 1997
SE 1996 SE 1996
0% 0%
<27 30 36 42 48 54 >60 100-149 150-199 200-249 250-299 300-399 400-510
Classe de comprimentos (cm) Faixa de profundidades (m)

Figura 1.25 – Percentagem de fêmeas de Urophycis mystacea por classes de comprimentos e faixas de profundidade, em dois levan-
tamentos de prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997 a bordo do
B/P Margus II entre 22˚00’S e 34˚40’S nas regiões ao norte (SE) e ao sul (Sul) da Ilha de Santa Catarina.

primavera para 58% no outono, como no sudeste, onde se manteve em 74% e 75% em
ambos os levantamentos (Figura 1.24).
No sul, as fêmeas predominaram nas classes de comprimento maiores que 33 cm e
no sudeste nas acima de 39 cm; este padrão se repetiu em ambos os anos (Figura 1.25).
Embora sempre mais abundantes que os machos, a proporção de fêmeas diminuiu com a
profundidade em ambos os levantamentos e regiões. Em águas mais rasas, representaram
quase a totalidade das capturas e, na faixa das maiores profundidades amostradas, repre-
sentaram entre 51% e 71% (Figura 1.25). Os índices gonadossomáticos calculados para as
fêmeas em ambos os levantamentos mostram os mesmos padrões sazonais tanto no sul
como no sudeste, com valores altos no outono e baixos no inverno-primavera, sugerindo
ser, o primeiro, o período reprodutivo da espécie, em toda a área de estudo (Tabela 1.11).
O aumento da abundância relativa da abrótea-de-profundidade no outono de 1997,

44 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 45

em ambas as regiões, em profundidades de 200 a 500 m, indica que ocorrem movimentos


sazonais perpendiculares à costa. Estes movimentos podem corresponder a deslocamen-
tos reprodutivos de indivíduos vindos de águas mais profundas, visto que coincidem com
os índices gonadossomáticos mais elevados.

c. Squalus spp.
Cinco espécies nominais deste gênero são registradas para o Brasil, entre as quais
pelo menos três grupos podem ser diferenciados: S. blanivillei/mitsukurii, S. cubensis/mega-
lops e S. acanthias (Gadig, 2001). A nomenclatura destas espécies está pouco clara (Souto,
2001 e Gadig, 2001) e neste relatório utilizaremos os nomes Squalus megalops e S.mitsukurii.
Ambas são morfologicamente parecidas e nem sempre foram discriminadas a bordo, sendo
registradas como Squalus spp. As amostras examinadas em terra apresentaram, com fre-
qüência, exemplares de ambas as espécies, por isso, na maior parte das análises foram agru-
padas numa única categoria. A primeira atinge cerca de 70 cm de CT, enquanto a segunda
pode atingir até 110 cm de CT. Ambas as espécies ocorrem em águas uruguaias e argenti-
nas durante o verão e, no inverno, migram para a plataforma continental do sul do Brasil,
acompanhando o deslocamento da convergência subtropical, onde contribuem para a
pesca comercial da região (Vooren, 1998).
S. acanthias foi muito abundante em um único lance no extremo sul, no levanta-
mento de inverno-primavera. Esta espécie raramente penetra em águas brasileiras (Cous-
seau e Perrota, 1998), o que foi confirmado neste levantamento.
Squalus megalops e S. mitsukurii, em conjunto, ocuparam o segundo lugar em nú-
mero (19,3%) e o terceiro em peso (14,1%). Foram capturados 4.420 exemplares, medindo
de 24 a 112 cm e com peso médio de 1,014 kg. Uma e/ou outra espécie ocorreram em toda
a área de estudo e em ambas as épocas do ano (Figura 1.26). No inverno-primavera, apre-
sentaram os maiores rendimentos na região sul: 26,02 contra 5,46 kg/1.000ah no sudeste
e, no outono de 1997, foram muito reduzidas em ambas regiões (Tabela 1.9).
Ocorreram em todas as faixas de profundidades, sendo um pouco mais abundantes
em profundidades intermediárias no inverno-primavera e mais rasas no outono (Figuras
1.16 e 1.17). Os comprimentos modais e os pesos médios foram maiores nas faixas mais
profundas, sugerindo que a espécie de maior porte, Squalus mitsukurii, ocorre em profun-
didades maiores que S. megalops.

Squalus spp C. São Tomé Squalus spp C. São Tomé


22˚ S 22˚ S
1996 Rio de Janeiro Cabo Frio
1997 Rio de Janeiro Cabo Frio

Santos Santos
24˚ S 24˚ S

26˚ S 26˚ S
Itajaí Itajaí

28˚ S 28˚ S
C. Santa Marta C. Santa Marta

30˚ S 30˚ S
<1
1-5
5-25
32˚ S Rio Grande 32˚ S Rio Grande
25-100

>100

34˚ S Chuí 34˚ S Chuí


100 500 100 500
54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W 54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W

Figura 1.26 – CPUE em número por 1000 anzóis-hora de Squalus spp. em dois levantamentos de prospecção pesqueira com espi-
nhel-de-fundo entre São Tomé (22˚00’S) e Chuí (34˚40’S) do Programa REVIZEE, realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho
de 1997, com o B/P Margus II.

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


45
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 46

Fêmeas Machos
300 300
S. megalops S. megalops
350 S. mitsukurii 350 S. mitsukurii
Squalus spp Squalus spp
200 200

Números
Números

150 150

100 100

50 50

0 0
<30 36 42 48 54 60 66 72 78 >84 <30 36 42 48 54 60 66 72 78 >84
Classes de comprimentos (cm) Classes de comprimentos (cm)
Figura 1.27 – Números de exemplares classificados como Squalus spp. (n= 2645), Squalus megalops (n= 560) e Squalus mitsukurii (n=
724), por sexos e classes de comprimentos nos dois levantamentos de prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo realizados em
agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997 a bordo do B/P Margus II entre 22˚00’S e 34˚40’S.

As composições em comprimentos dos exemplares identificados a bordo como S.


mitsukurii foram unimodais nas classes 60-62 cm e 69-71 cm, para machos e fêmeas, res-
pectivamente. As distribuições de S. megalops apresentaram uma moda em 51-53 cm para
as fêmeas e duas em 45-47 cm e 57-59 cm para os machos As distribuições de comprimen-
tos de Squalus spp. mostraram duas modas para cada sexo (Figura 1.27).
Dada a importância destas duas espécies nas capturas totais, foi feita uma tentati-
va de separar as espécies por lances, procurando discriminar as componentes normais das
composições de comprimentos bimodais de Squalus spp. pelo método de Bhattacharya
implementado no programa FISAT (Ganyanilo et al. 1996). Os exemplares foram classifica-
dos em uma ou outra espécie em função da probabilidade de pertencer a cada uma das
componentes normais (Tabela 1.12). Este procedimento foi eficiente para os machos, cujas
distribuições de comprimentos apresentam pouca superposição entre as espécies, mas
não para as 603 fêmeas de Squalus spp. de 60 a 65 cm de comprimento, para as quais existe
mais que 7% de probabilidade de classificação errada. Esta análise sugere que S. mitsukuri
ocorre principalmente no sul e S megalops em ambas as regiões. No entanto, a probabili-
dade de identificação errada foi demasiado elevada para permitir a análise consistente das
CPUE e as abundâncias separadamente.

Tabela 1.12 – Números (n) de exemplares classificados como Squalus megalops ou Squalus mitsukurii, a partir
das componentes normais discriminadas nas composições de comprimentos bimodais de Squalus spp., pelo
método Bhattacharya, e proporções (p) que representaram do total, por sexo e classes de comprimentos.
Sombreadas as classes em que existe superposição de ambas as espécies.

Classe Machos Fêmeas


(cm) S. megalops S.mitsukurii S. megalops S.mitsukurii
n p n p n p n p
36 0,2 1,00 0,00
39 7,6 1,00 0,00 1,7 1,00 0,00
42 69,4 1,00 0,00 12,4 1,00 0,00
45 125,1 1,00 0,00 56,7 1,00 0,00
48 44,5 1,00 0,00 163,6 1,00 0,1 0,00
51 3,1 0,95 0,2 0,05 297,6 1,00 0,8 0,00
54 0,0 0,01 4,4 0,99 341,7 0,99 4,5 0,01
57 0,00 153,0 1,00 247,6 0,93 18,7 0,07
60 0,00 211,3 1,00 113,2 0,67 56,3 0,33
63 0,00 111,0 1,00 32,7 0,21 124,6 0,79
66 0,00 22,2 1,00 6,0 0,03 202,1 0,97
69 0,00 1,7 1,00 0,7 0,00 240,3 1,00
72 0,1 0,00 209,6 1,00
75 0,00 134,0 1,00
78 0,00 62,8 1,00
81 0,00 21,6 1,00
84 0,00 5,4 1,00

46 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 47

d. Polyprion americanus
O cherne-poveiro Polyprion americanus (Schneider, 1801) é um teleósteo demersal
de grande porte e ampla distribuição geográfica, ocorrendo em profundidades de até
1000 m ao longo da costa continental e das ilhas oceânicas da maior parte das regiões
temperadas e subtropicais de todo o mundo (Sedberry et al., 1999). No Atlântico Sul oci-
dental,está registrado desde 45˚S (Cousseau e Perrota,1998) até 23˚S (Ávila-da-Silva,2002),
sendo pescado com maior intensidade na região ao sul do Cabo de Santa Marta Grande
(Peres e Haimovici, 1998).
O cherne-poveiro ocupou o quarto lugar em peso (10,4%) e o sétimo em número
(1,6%) do total das capturas. Foi pescado um total de 364 exemplares, medindo de 40 a 138
cm, em média 77,5 cm.
Nos dois cruzeiros, ocorreu entre Chuí e Solidão (P1 e P4),Torres e Ilha de Santa Cata-
rina (P7 e P8) e ao sul da Laje de Santos (P12) (Figura 1.28). No inverno-primavera, as maiores
capturas em número e peso foram no extremo sul da área de estudo e, no início do outono,
ao norte de Torres (Figuras 1.14 e 1.15). No inverno-primavera, o IAR foi de 5,6 no sul e 0,3 no
sudeste e, no outono, de 3,3 e 0,5 respectivamente (Tabela 1.9). A diferença entre regiões po-
de ser ainda maior porque as capturas nos perfis do extremo sul subestimam a densidade de
cherne-poveiro, devido à superposição de seu habitat com o do caranguejo-vermelho Cha-
ceon notialis (Capítulo 1.3.2.6), que compete pela isca e diminui o poder de captura do apa-
relho de pesca. O peso médio foi de 9,86 kg no inverno-primavera, aumentando para 13,100
kg no outono, quando os exemplares menores foram pouco abundantes (Figura 1.29).
De modo geral, os comprimentos e os pesos médios aumentaram de sul a norte
com a profundidade. Os exemplares menores que 60 cm ocorreram quase todos ao sul de
Rio Grande, onde os tamanhos médios aumentaram com a profundidade. Ao norte de
Torres, quase a totalidade das capturas ocorreu a mais de 300 m de profundidade e exem-
plares pequenos estiveram ausentes.
As proporções entre sexos variaram com a latitude e os machos foram mais fre-
qüentes nas classes de comprimentos menores e as fêmeas nas maiores (Tabela 1.13), uma
vez que as fêmeas atingem comprimentos maiores (Peres e Haimovici, submetido). Entre
Chuí e Rio Grande, os machos dominaram amplamente, representando, respectivamente,
78% e 87% nos levantamentos de inverno-primavera e outono. Ao norte de Solidão e até
o sul da Laje de Santos, predominaram as fêmeas (74% e 76%).

Polyprion americanus C. São Tomé Polyprion americanus C. São Tomé


22˚ S 22˚ S
1996 Rio de Janeiro Cabo Frio
1997 Rio de Janeiro Cabo Frio

Santos Santos
24˚ S 24˚ S

26˚ S 26˚ S
Itajaí Itajaí

28˚ S C. Santa Marta


28˚ S C. Santa Marta

30˚ S 30˚ S
<1
1-5
5-25
32˚ S Rio Grande 32˚ S Rio Grande
25-100

>100

34˚ S Chuí 34˚ S Chuí


100 500 100 500
54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W 54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W

Figura 1.28 – CPUE em número por 1000 anzóis-hora de Polyprion americanus, em dois levantamentos de
prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo entre São Tomé (22˚00’S) e Chuí (34˚40’S) do Programa
REVIZEE, realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997, com o B/P Margus II.

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


47
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 48

% 45 São Tomé – São Francisco


40
1996; n:5; CTm: 110,6
35
1997; n:10; CTm: 118,1
30
25
20
15
10
5
0
40 50 60 70 80 90 100 110 120 130

% 45 Ilha de Santa Catarina – Chuí


40
35 1996; n:237; CTm: 71,4
30 1997; n:110; CTm: 85,5
25
20
15
10
5
0
40 50 60 70 80 90 100 110 120 130
Classe de comprimento (cm)

Figura 1.29 – Distribuições de freqüências de comprimentos de Polyprion americanus, em dois levantamentos


de prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo realizados com o B/P Margus II entre São Tomé e Chuí em
agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997, (n: número de indivíduos medidos; CT m: comprimento médio).

Tabela 1.13 – Proporção de machos e fêmeas do cherne-poveiro Polyprion americanus por áreas de captura
e classes de comprimento total, em dois levantamentos de prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo
realizados com o B/P Margus II entre São Tomé e Chuí em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997.

Área Chuí - Rio Grande Conceição - Sta Marta São Paulo Total
CT (cm) F M %F F M %F F M %F F M %F
40 – 59 2 0% 1 1 50% 1 3 25%
60 – 79 3 15 17% 18 19 49% 21 34 38%
80 – 99 9 10 47% 19 26 42% 1 1 50% 29 37 44%
100 – 119 1 2 33% 10 3 77% 3 3 50% 14 8 64%
> 120 1 100% 4 100% 5 100%
Total 13 29 31% 49 49 50% 8 4 67% 70 82 46%

e. Helicolenus lahillei
O sarrão, Helicolenus lahillei (Delaroche, 1809), é uma espécie de pequeno porte e
tem uma ampla distribuição mundial que inclui ambas as margens do oceano Atlântico e
Mediterrâneo sul ocidental (Eschmeyer e Dempster, 1990). A subespécie H. lahillei tem seu
limite sul no norte do litoral marítimo de Argentina (Cousseau e Perrota, 1998) e sua pre-
sença foi registrada recentemente até a Bahia, no levantamento realizado no REVIZEE
Score Central, com o N/Pq Thalassa em junho-julho de 2000 (Costa et al., 2000).
O sarrão ocupou o quarto lugar em número (10,1%) e o oitavo lugar em peso (3,0%)
do total das capturas. Foram pescados 2.305 exemplares, medindo de 15 a 56 cm, com
médias de comprimento e peso de 28,8 cm e 0,416 kg, respectivamente.
Ocorreu em todos os perfis em ambas as épocas do ano (Figura 1.30). Foi mais abun-
dante na região sul em ambos os levantamentos; no inverno-primavera, o IAR foi de 1,88 no
sul e 0,29 no sudeste e, no outono, de 1,33 e 0,21, respectivamente (Tabela 1.9). As maiores
capturas foram obtidas entre Tramandaí (P6) e a Ilha de Santa Catarina (P9) e a espécie con-
centrou-se em profundidades superiores a 300 m em toda a região, tanto no inverno-pri-
mavera como no outono (Figuras 1.14 a 1.17). Não se observaram diferenças na distribuição
por latitude e profundidade e nos pesos médios entre os levantamentos, o que sugere que
a espécie não realiza grandes deslocamentos.

48 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 49

Helicolenus lahillei C. São Tomé Helicolenus lahillei C. São Tomé


22˚ S 22˚ S
1996 Rio de Janeiro Cabo Frio
1997 Rio de Janeiro Cabo Frio

Santos Santos
24˚ S 24˚ S

26˚ S 26˚ S
Itajaí Itajaí

28˚ S 28˚ S
C. Santa Marta C. Santa Marta

30˚ S 30˚ S
<1
1-5
5-25
32˚ S Rio Grande 32˚ S Rio Grande
25-100

>100

34˚ S Chuí 34˚ S Chuí


100 500 100 500
54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W 54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W

Figura 1.30 – CPUE em número por 1000 anzóis-hora de Helicolenus lahillei, em dois levantamentos de prospecção pesqueira com
espinhel-de-fundo entre São Tomé (22˚00’S) e Chuí (34˚40’S) do Programa REVIZEE, realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-
junho de 1997, com o B/P Margus II.

% 20 São Tomé – São Francisco % 20 Ilha de Santa Catarina – Chuí


18 1996; n:194; CTm: 33,2 18 1996; n:889; CTm: 29,2
1997; n:196; CTm: 32,2 1997; n:961; CTm: 29,9
15 15
13 13
10 10
8 8
5 5
3 3
0 0
<18 20 24 28 32 36 40 44 48 52 56 <18 20 24 28 32 36 40 44 48 52 56
Classe de comprimento total (cm) Classe de comprimento total (cm)

Figura 1.31 – Distribuições de freqüências de comprimentos de Helicolenus lahillei em dois levantamentos de


prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo, entre São Tomé e Chuí, realizados em agosto-outubro de 1996
e abril-junho de 1997, com o B/P Margus II. (n: número de indivíduos medidos; CT m: comprimento médio).

100% sul 1997 Figura 1.32 – Percentagem de


sul 1996 fêmeas de Helicolenus lahillei
Percentagem de fêmeas

80% SE 1997 por classes de comprimentos,


SE 1996 em dois levantamentos de pros-
60% pecção pesqueira com espinhel-
de-fundo realizados em agosto-
40% outubro de 1996 e abril-junho de
1997 a bordo do B/P Margus II
20% entre 22˚00’S e 34˚40’S nas re-
giões ao norte (Sudeste) e ao sul
0% (Sul) da Ilha de Santa Catarina.
<30 cm 30-35 cm >36 cm
Classe de comprimentos (cm)

As composições de comprimentos mostram a predominância de indivíduos me-


nores no sul e maiores no sudeste em ambos os levantamentos. Exemplares pequenos
(CT< 20 cm) foram escassos na região sudeste (Figura 1.31). O número total de indivíduos
cujo sexo foi determinado foi de 1160, 562 machos e 598 fêmeas. Na região sul, as fêmeas
representaram 48 e 52% e na sudeste 57 e 62%; a proporção de fêmeas por classes de com-
primentos foi variável entre anos e regiões, mostrando uma pequena tendência de dimi-
nuir com o aumento do tamanho dos sarrões (Figura 1.32).

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


49
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 50

f. Epinephelus niveatus
O cherne-verdadeiro Epinephelus niveatus (Valenciennes, 1828) é um serranídeo de
grande porte que se distribui entre o Cabo Hatteras e o sul do Brasil, no Atlântico Ocidental,
e do México à Califórnia, no Pacífico Oriental (Wyanski et al., 2000). No Brasil, é pescado
comercialmente, principalmente na região de Abrolhos e no sudeste, embora seja também
capturado no sul (Paiva e Rocha, 1996; Ávila-da-Silva et al., 2001).
Ocupou o quinto lugar em peso (5,3%) e o décimo em número (1,0%). Ocorreu em
44 lances distribuídos em toda a área de estudo (Figura 1.33). Foi pescado um total de 218
peixes, medindo de 38 a 123 cm, em média com 77,4 cm e 7,725 kg.
Os perfis ao norte de São Sebastião (P13) foram os que apresentaram as maiores
capturas. Foi mais abundante em profundidade intermediárias, ocorrendo em profundi-
dades superiores a 250 m apenas nos perfis do Rio de Janeiro, embora os maiores exem-
plares tenham sido encontrados entre 300 e 400 m (Figuras 1.14 a 1.17). Os juvenis ocor-
reram em pequeno número em todas as latitudes, sempre em profundidades inferiores a
250 m. Embora o número capturado tenha sido muito maior no sudeste, as abundâncias
em ambas as regiões diferiram pouco: no inverno-primavera, o IAR foi de 3,9 no sul e 4,25
no sudeste e, no outono, de 2,02 e 4,38, respectivamente, e a variação sazonal foi pequena
por influência das áreas dos estratos representados pelos lances (Tabela 1.9). No caso do
cherne-verdadeiro, o baixo número de exemplares capturados pode ter levado a uma dis-
torção importante porque o cherne-verdadeiro é muito mais importante na pesca comer-
cial na região sudeste (Haimovici et al., 2003). As amplitudes de tamanhos diferiram pouco

Epinephelus niveatus C. São Tomé Epinephelus niveatus C. São Tomé


22˚ S 22˚ S
1996 Rio de Janeiro Cabo Frio
1997 Rio de Janeiro Cabo Frio

Santos Santos
24˚ S 24˚ S

26˚ S 26˚ S
Itajaí Itajaí

28˚ S 28˚ S
C. Santa Marta C. Santa Marta

30˚ S 30˚ S
<1
1-5
32˚ S Rio Grande 32˚ S Rio Grande 5-25
25-100
>100
34˚ S Chuí 34˚ S Chuí
100 500 100 500
54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W 54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W

Figura 1.33 – CPUE em número por 1000 anzóis-hora de Epinephelus niveatus, em dois levantamentos de prospecção pesqueira com
espinhel-de-fundo entre São Tomé (22˚00’S) e Chuí (34˚40’S) do Programa REVIZEE, realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-
junho de 1997, com o B/P Margus II.

Tabela 1.14 – Proporção de machos e fêmeas do cherne-verdadeiro Epinephelus niveatus por regiões e classes de comprimento total, em
dois levantamentos de prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997 a bordo
do B/P Margus II entre 22˚00’S e 34˚40’S nas regiões ao norte (SE) e ao sul (Sul) da Ilha de Santa Catarina.

Região Sudeste Sudeste Sul Sul


Total
Ano 1996 1997 1996 1997
CT (cm) F M %F F M %F F M %F F M %F F M %F
40 - 59 1 4 20% 12 1 92% 1 0% 13 6 68%
60 - 79 32 100% 32 4 89% 4 100% 68 4 94%
80 - 99 16 1 94% 21 3 88% 5 2 71% 2 1 67% 44 7 86%
>100 4 100% 7 2 78% 3 1 75% 14 3 82%
Total 53 5 91% 72 10 88% 9 2 82% 5 3 63% 139 20 87%

50 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 51

São Tomé – São Francisco Ilha de Santa Catarina – Chuí


% 45 % 45
1996; n:99; CTm: 75,9 cm 1996; n:237; CTm: 71,4
40 40
1997; n:96; CTm: 77,48 1997; n:110; CTm: 85,5
35 35
30 30
25 25
20 20
15 15
10 10
5 5
0 0
35 45 55 65 75 85 95 105 115 35 45 55 65 75 85 95 105 115
Classe de comprimento (cm) Classe de comprimento (cm)

Figura 1.34 – Distribuições de freqüências de comprimentos de Epinephelus niveatus em dois levantamentos


de prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo, entre São Tomé e Chuí do Programa REVIZEE, realizados
em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997, com o B/P Margus II. (n: número de indivíduos medidos;
CT m: comprimento médio).

entre regiões, destacando a ausência de exemplares menores que 40 cm nas capturas no


sul (Figura 1.34).
Dos 159 exemplares com o sexo determinado macroscopicamente nas amostra-
gens de desembarques, 130 eram fêmeas. A percentagem de fêmeas entre os exemplares
maiores de 60 cm foi de 90% (Tabela 1.14). No entanto, por se tratar de uma espécie da
família Serranidae, onde ocorre hermafroditismo, as determinações de sexo devem ser in-
terpretadas com cautela.
Na área de estudo, a distribuição de Epinephelus niveatus parece ser complementar
à de Polyprion americanus.

g. Pseudopercis numida
Duas espécies de namorado, Pseudopercis numida (Miranda-Ribeiro, 1903) e P. semi-
fasciata (Cuvier, 1829), foram identificadas nos levantamentos, sendo a primeira mais abun-
dante e com ocorrência ao longo de toda a área de estudo. O namorado ocupou o sexto
lugar em número (1,6%) e o sétimo em peso (4,0%) do total das capturas, ocorrendo em 55
lances (Figura 1.35). Foram pescados, no total, 361 exemplares, medindo de 25 a 117 cm,
com média de 65,7 cm e 3,548 kg.

Pseudopercis numida C. São Tomé Pseudopercis numida C. São Tomé


22˚ S 22˚ S
1996 Rio de Janeiro Cabo Frio
1997 Rio de Janeiro Cabo Frio

Santos Santos
24˚ S 24˚ S

26˚ S 26˚ S
Itajaí Itajaí

28˚ S 28˚ S
C. Santa Marta C. Santa Marta

30˚ S 30˚ S
<1
1-5
32˚ S Rio Grande 32˚ S Rio Grande 5-25
25-100
>100
34˚ S Chuí 34˚ S Chuí
100 500 100 500
54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W 54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W

Figura 1.35 – CPUE em número por 1000 anzóis-hora de Pseudopercis numida em dois levantamentos de prospecção pesqueira com
espinhel-de-fundo entre São Tomé (22˚00’S) e Chuí (34˚40’S) do Programa REVIZEE, realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-
junho de 1997, com o B/P Margus II.

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


51
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 52

São Tomé – São Francisco Ilha de Santa Catarina – Chuí


% 35 % 35
1996; n:164; CTm: 65,5 cm 1996; n:237; CTm: 71,4
30 30
1997; n:142; CTm: 64,5 cm 1997; n:110; CTm: 85,5
25 25
20 20
15 15
10 10
5 5
0 0
<40 50 60 70 80 90 100 110 <40 50 60 70 80 90 100 110
Classe de comprimento total (cm) Classe de comprimento total (cm)

Figura 1.36 – Distribuições de freqüências de comprimentos de Pseudopercis numida em dois levantamentos


de prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo, entre São Tomé e Chuí, realizados em agosto-outubro de
1996 e abril-junho de 1997, com o B/P Margus II. (n: número de indivíduos medidos; CTm: comprimento médio).

Tabela 1.15 – Proporção de machos e fêmeas do namorado Pseudopercis numida por regiões e classes de comprimento total, em dois levan-
tamentos de prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo, realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997 a bordo do B/P
Margus II entre 22˚00’S e 34˚40’S, nas regiões ao norte (SE) e ao sul (Sul) da Ilha de Santa Catarina.

Região Sudeste Sudeste Sul Sul


Total
Ano 1996 1997 1996 1997
Ct (cm) F M %F F M %F F M %F F M %F F M %F
20 – 39 1 100%
40 – 59 32 28 53% 25 31 45% 8 1 89% 65 60 52%
60 – 79 16 39 29% 7 50 12% 14 3 82% 9 2 82% 46 94 33%
80 – 99 1 24 4% 2 5 29% 1 4 20% 4 33 11%
> 100 2 0% 1 0% 0 3 0%
Total 49 92 35% 34 88 28% 15 7 68% 17 4 81% 115 191 38%

Ocorreu nos perfis de Albardão (P2), Mostardas (P4),Tramandaí (P6),Torres (P7) e ao


norte da Ilha de Santa Catarina (P9), em todos os perfis até São Tomé (P18). Ao sul, ocorreu
em profundidades de 150 a 250 m e, ao norte de Santa Catarina, ocorreu em todas as faixas
de profundidades, porém as maiores capturas em número foram entre 150 e 250 m
(Figuras 1.14 a 1.17). A espécie foi mais abundante no sudeste; no inverno-primavera, o IAR
foi de 1,83 no sul e 7,76 no sudeste e, no outono, de 0,92 e 7,12, respectivamente (Tabela
1.9). Os maiores exemplares ocorreram a mais de 300 m de profundidade. Na região su-
deste, apareceram todas as classes de comprimentos, enquanto que no sul não foram cap-
turados exemplares menores que 54 cm (Figura 1.36). A distribuição, abundância e tama-
nhos desses namorados não diferiram muito entre levantamentos, o que pode indicar que
a espécie não realiza grandes deslocamentos estacionais.
Foi determinado o sexo de 306 exemplares e observou-se um decréscimo de fêmeas
com o aumento dos comprimentos, sendo machos 90% dos exemplares maiores de 80 cm
(Tabela 1.15). Em ambos os levantamentos, no sudeste, predominaram os machos (65% e
72%) e, no sul, as fêmeas (68 e 81%). Como o número de indivíduos amostrados na região
sul foi pequeno, torna-se difícil afirmar que as diferenças observadas sejam consistentes.

h. Genypterus brasiliensis
O congro-rosa, Genypterus brasiliensis (Regan, 1903) distribui-se entre o Rio de Ja-
neiro e o sul da Argentina (Nakamura, 1986). De alto valor econômico e interesse pesqueiro
no sul do país, esteve pouco representado nas capturas (0,6% em número e 1,0% em peso)
sendo capturado em 42 lances (Figura 1.37). Foi pescado um total de 127 exemplares,
medindo de 43 a 118 cm, em média 73,5 cm e 2,503 kg de peso.
Foi mais freqüente nos perfis de Albardão (P2) e Rio Grande (P3) no inverno-pri-
mavera e, praticamente, não ocorreu ao norte de Solidão (P5) até o litoral do Paraná, voltan-
do a aparecer nos perfis ao norte de São Francisco (P10). Em relação à profundidade, no
inverno-primavera, ocorreu além dos 200 m, com exceção do extremo sul onde também

52 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 53

Genypterus brasiliensis C. São Tomé Genypterus brasiliensis C. São Tomé


22˚ S 22˚ S
1996 Rio de Janeiro Cabo Frio
1997 Rio de Janeiro Cabo Frio

Santos Santos
24˚ S 24˚ S

26˚ S 26˚ S
Itajaí Itajaí

28˚ S C. Santa Marta 28˚ S C. Santa Marta

30˚ S 30˚ S
<1
1-5
32˚ S Rio Grande 32˚ S Rio Grande 5-25
25-100
>100
34˚ S Chuí 34˚ S Chuí
100 500 100 500
54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W 54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W

Figura 1.37 – CPUE em número por 1000 anzóis-hora de Genypterus brasiliensis, em dois levantamentos de prospecção pesqueira
com espinhel-de-fundo entre São Tomé (22˚00’S) e Chuí (34˚40’S) do Programa REVIZEE, realizados em agosto-outubro de 1996 e
abril-junho de 1997, com o B/P Margus II.

% 45 São Tomé – São Francisco % 45 Ilha de Santa Catarina – Chuí


40 40
1996; n:33; CTm: 73,4 cm 1996; n:59; CTm: 72,6 cm
35 35
1997; n:23; CTm: 73,8 cm 1997; n:11; CTm: 78,4 cm
30 30
25 25
20 20
15 15
10 10
5 5
0 0
<40 50 60 70 80 90 100 110 <40 50 60 70 80 90 100 110
Classe de comprimento total (cm) Classe de comprimento total (cm)

Figura 1.38 – Distribuições de freqüências de comprimentos de Genypterus brasiliensis em dois levantamen-


tos de prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo, entre São Tomé e Chuí, realizados em agosto-outubro de
1996 e abril-junho de 1997, com o B/P Margus II. (n: número de indivíduos medidos; CT m: comprimento médio)

ocorreu em águas mais rasas. No outono, sempre ocorreu a mais de 250 m de profundi-
dade (Figuras 1.14 a 1.17). No inverno-primavera, o IAR foi de 0,59 no sul e 0,2 no sudeste
e, no outono, de 0,8 e 0,19, respectivamente (Tabela 1.9). Não se observaram diferenças nas
composições de comprimentos entre regiões e épocas do ano (Figura 1.38). O número de
exemplares com o sexo determinado foi baixo (n=105); entre os 69 menores que 80 cm,
56% foram machos e entre os maiores de 80 cm, 72% foram fêmeas, sugerindo que as
fêmeas atingem maiores tamanhos que os machos.
Devido ao número reduzido de exemplares capturados, torna-se difícil qualquer
conclusão em relação à distribuição ou estrutura populacional desta espécie.

i. Pagrus pagrus
O pargo-rosa Pagrus pagrus (Linnaeus, 1758) tem uma ampla distribuição em am-
bas as margens do oceano Atlântico e Mediterrâneo. No Brasil, é pescado comercialmente
entre o Rio Grande do Sul e o Espírito Santo. Representou 1,7% em número e 1,5% em peso
das capturas totais de peixes. Foram pescados 398 exemplares, medindo de 24 a 59 cm e
com médias de comprimento e peso de 39,1 cm e 1,000 kg, respectivamente.
Ocorreu em 21 lances, quase todos em profundidades de 100 a 200 m, particular-
mente no perfil de Solidão (P5); não foi capturado em Santa Catarina e apareceu em
pequeno número em alguns perfis ao longo de São Paulo e Rio de Janeiro (Figura 1.39). Os

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


53
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 54

Pagrus pagrus C. São Tomé Pagrus pagrus C. São Tomé


22˚ S 22˚ S
1996 Rio de Janeiro Cabo Frio
1997 Rio de Janeiro Cabo Frio

Santos Santos
24˚ S 24˚ S

26˚ S 26˚ S
Itajaí Itajaí

28˚ S 28˚ S
C. Santa Marta C. Santa Marta

30˚ S 30˚ S
<1
1-5
5-25
32˚ S Rio Grande 32˚ S Rio Grande
25-100

>100

34˚ S Chuí 34˚ S Chuí


100 500 100 500
54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W 54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W

Figura 1.39 – CPUE em número por 1000 anzóis-hora de Pagrus pagrus em dois levantamentos de prospecção pesqueira com espin-
hel-de-fundo entre São Tomé (22˚00’S) e Chuí (34˚40’S), realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997, com o B/P
Margus II.

São Tomé – São Francisco Ilha de Santa Catarina – Chuí


% 30 % 30
1996; n:15; CTm: 37,7 cm 1996; n:242; CTm: 39,7 cm
25 25 1997; n:123; CTm: 38,2 cm
1997; n:11; CTm: 37,2 cm
20 20
15 15
10 10
5 5
0 0
<24 28 32 36 40 44 48 52 56 24 28 32 36 40 44 48 52 56
Classe de comprimento (cm) Classe de comprimento (cm)

Figura 1.40 – Distribuições de freqüências de comprimentos de Pagrus pagrus em dois levantamentos de


prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo, entre São Tomé (22˚00’S) e Chuí (34˚40’S), do Programa
REVIZEE, realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997, com o B/P Margus II. (n: número de
indivíduos medidos; CT m: comprimento médio).

tamanhos encontrados no sul foram, em geral, maiores que no sudeste (Figura 1.40). No
inverno-primavera, o IAR foi de 7,74 no sul e 0,43 no sudeste e, no outono, de 2,13 e 0,09,
respectivamente, mostrando-se muito mais abundante no sul e no inverno-primavera
(Tabela 1.9). É possível que os estoques dos extremos da área de estudo pertençam a
unidades populacionais diferentes. A abundância invernal na região sul sugere um ingres-
so de indivíduos provenientes de águas uruguaias e argentinas, como já tinha sido obser-
vado em águas mais rasas nos anos 70 por Yesaki e Barcellos (1974).

j. Gymnothorax spp.
As moréias coletadas na região sul foram G. ocelatus (Agassiz, 1831) e G. conspersus
(Poey, 1867. O material da região sudeste foi identificado apenas em nível de gênero e pro-
vavelmente inclua mais que duas espécies. Como apenas parte dos exemplares foi identi-
ficado a nível de espécie, a distribuição e abundância é apresentada como um todo para o
gênero.
Foi pescado um total de 219 exemplares, medindo de 31 a 112 cm, tendo em média
66,1 cm de comprimento e 0,345 kg de peso. As moréias em conjunto ocuparam o décimo
lugar em número (1,0%), sendo pouco importantes em peso (0,2%) no total das capturas.
Com ampla distribuição, ocorreram em 64 lances ao longo de toda a área de estudo (Figura
1.41). Foram mais abundantes no sudeste, onde apresentaram, em ambos os levantamen-

54 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 55

Gymnothorax sp C. São Tomé Gymnothorax sp C. São Tomé


22˚ S 22˚ S
1996 Rio de Janeiro Cabo Frio
1997 Rio de Janeiro Cabo Frio

Santos Santos
24˚ S 24˚ S

26˚ S 26˚ S
Itajaí Itajaí

28˚ S 28˚ S
C. Santa Marta C. Santa Marta

30˚ S 30˚ S
<1
1-5
5-25
32˚ S Rio Grande 32˚ S Rio Grande
25-100

>100

34˚ S Chuí 34˚ S Chuí


100 500 100 500
54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W 54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W

Figura 1.41 – CPUE em número por 1000 anzóis-hora de Gymnothorax spp., em dois levantamentos de prospecção pesqueira com espi-
nhel-de-fundo entre São Tomé (22˚00’S) e Chuí (34˚40’S), realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997, com o B/P Margus II.

% 35 São Tomé – São Francisco % 35 Ilha de Santa Catarina – Chuí


30 1996; n:72; CTm: 66,6 cm 30 1996; n: 8; CTm: 71,7 cm
25 1997; n:76; CTm: 64,5 cm 25 1997; n: 18; CTm: 68,1 cm

20 20
15 15
10 10
5 5
0 0
<45 51 60 69 78 87 96 105 <45 51 60 69 78 87 96 105
Classe de comprimento (cm) Classe de comprimento (cm)

Figura 1.42 – Distribuições de freqüências de comprimentos de Gymnothorax spp. em dois levantamentos de


prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo, entre São Tomé e Chuí, realizados em agosto-outubro de 1996
e abril-junho de 1997, com o B/P Margus II. (n: número de indivíduos medidos; CT m: comprimento médio)

tos, valores de IAR cinco vezes maiores do que os obtidos no sul (Tabela 1.9). As moréias
foram capturadas em todas as faixas de profundidades abrangidas pelos lances, sendo
mais abundantes entre 200 e 300 m (Figuras 1.16 e 1.17). Em ambas as regiões, ocorreram
exemplares pequenos e grandes (Figura 1.42).

l. Mustelus spp.
Esta categoria incluiu duas espécies: M. schmitti (Springer, 1939) e M. canis (Mitchill,
1815). Foi pescado um total de 333 exemplares, medindo de 34 a 110 cm. Destes, 153 foram
identificados com M. canis, 140 como M. schmitti e 40 não foram identificados a nível de
espécie. Em conjunto, ocuparam o nono lugar em número (1,5%) e o décimo em peso
(1,4%). Ocorreram em 41 lances (Figura 1.43). No inverno-primavera, o IAR foi de 2,88 no sul
e 1,14 no sudeste e, no outono, de 1,08 e 0,75, respectivamente, indicando que o gênero foi
mais abundante no sul e no inverno-primavera (Tabela 1.9).
Ocorreram até 300 m de profundidade, sendo mais abundantes na faixa de 100 a
150 m, em ambos os levantamentos. Os pesos médios aumentaram com a profundidade e
foram superiores no inverno-primavera em relação ao outono (Figuras 1.16 e 1.17).
Os exemplares identificados como M.schmitti ocorreram todos ao sul dos 30˚S e no
inverno-primavera, com exceção de uma fêmea registrada no outono em 27˚S. Os machos
mediram de 52 a 81 cm e as fêmeas mediram de 52 a 94 cm. As fêmeas foram mais fre-
qüentes (69 %) que os machos (Figura 1.44). Esta espécie é altamente migratória, repro-

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


55
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 56

Mustelus ssp C. São Tomé Mustelus ssp C. São Tomé


22˚ S 22˚ S
1996 Rio de Janeiro Cabo Frio
1997 Rio de Janeiro Cabo Frio

Santos Santos
24˚ S 24˚ S

26˚ S 26˚ S
Itajaí Itajaí

28˚ S C. Santa Marta 28˚ S C. Santa Marta

30˚ S 30˚ S
<1
1-5
5-25
32˚ S Rio Grande 32˚ S Rio Grande
25-100

>100

34˚ S Chuí 34˚ S Chuí


100 500 100 500
54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W 54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W

Figura 1.43 – CPUE em número por 1000 anzóis-hora de Mustelus spp., em dois levantamentos de prospecção pesqueira com espi-
nhel-de-fundo entre São Tomé (22˚00’S) e Chuí (34˚40’S) do Programa REVIZEE, realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho
de 1997, com o B/P Margus II.

% 35 Mustelus canis Mustelus schmiti


Fêmeas 41%
% 40 Fêmeas 30%
30 Machos 59%
Machos 70%
25 30
20
15 20

10
10
5
0 0
<30 40 50 60 70 80 90 100 30 40 50 60 70 80 90 100
Classe de comprimento (cm) Classe de comprimento (cm)

Figura 1.44 – Distribuições de freqüências de comprimentos por sexos de Mustelus canis e Mustelus schmit-
ti em dois levantamentos de prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo na plataforma externa e talude
continental superior entre São Tomé e Chuí, realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997, com
o B/P Margus II.

duzindo-se em águas uruguaias e argentinas de dezembro a março e imigrando ao sul do


Brasil a partir de abril (Vooren, 1998).
Os exemplares identificados como Mustelus canis ocorreram em toda a área de es-
tudo em ambas as épocas do ano. As fêmeas mediram de 36 a 110 cm e os machos de 34
a 96 cm. As fêmeas foram algo mais freqüentes que os machos (57%) (Figura 1.44).

m. Carcharhinus spp.
Esta categoria incluiu os exemplares identificados como Carcharhinus falciformis
(Muller e Henle, 1839), C.signatus (Poey, 1868) e C.obscurus (Lesueur, 1818) e possivelmente
outras espécies do gênero. Em conjunto, ocuparam o sexto lugar em peso (4,6%) e ocor-
reram em 41 lances (Figura 1.45). Foram pescados 128 exemplares, medindo de 32 a 240
cm com um peso médio de 11,406 kg.
Na região sudeste, ocorreram em ambas as épocas em todos os perfis, enquanto
que no sul, ocorreram apenas no outono em alguns perfis e em todas as faixas de profun-
didades, sendo mais abundantes e maiores entre 400 a 500 m (Figura 1.14 a 1.17). Embora
no inverno-primavera o IAR tenha sido de 2,25 no sul e 1,0 no sudeste e, no outono, de 1,35
e 0,74, respectivamente (Tabela 1.9), a ocorrência deste gênero foi mais freqüente no inver-
no-primavera no sudeste. No sul, no inverno-primavera, ficou restrito ao perfil 9, na divisa

56 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 57

Carcharhinus ssp C. São Tomé Carcharhinus ssp C. São Tomé


22˚ S 22˚ S
1996 Rio de Janeiro Cabo Frio
1997 Rio de Janeiro Cabo Frio

Santos Santos
24˚ S 24˚ S

26˚ S 26˚ S
Itajaí Itajaí

28˚ S 28˚ S
C. Santa Marta C. Santa Marta

30˚ S 30˚ S
<1
1-5
5-25
32˚ S Rio Grande 32˚ S Rio Grande
25-100

>100

34˚ S Chuí 34˚ S Chuí


100 500 100 500
54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W 54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W

Figura 1.45 – CPUE em número por 1000 anzóis-hora de Carcharhinus spp., em dois levantamentos de prospecção pesqueira com
espinhel-de-fundo entre São Tomé (22˚00’S) e Chuí (34˚40’S) do Programa REVIZEE, realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-
junho de 1997, com o B/P Margus II.

entre as duas regiões. Os Carcharhinus apresentam uma clara preferência por águas mais
quentes.

n. Galeorhinus galeus
O cação-bico-doce Galeorhinus galeus (Linnaeus, 1758) é uma espécie de ampla dis-
tribuição em todos os oceanos do planeta (Compagno,1984).Nos levantamentos realizados
neste estudo, ocorreu apenas em 14 lances na região sul, 13 dos quais no levantamento de
inverno-primavera (Figura 1.46), quando atingiu um rendimento médio de 4,4 kg/ 1.000ah
e um IAR de 0,94. No outono, foram capturados apenas 3 exemplares menores que 70 cm
cuja identificação a bordo não foi posteriormente confirmada.
Foram capturados 76 exemplares de 63 a 147 cm, tendo em média 121,7 cm de
comprimento e 6,734 kg de peso. Ocorreu em todas faixas de profundidades, porém em

Galeorhinus galeus C. São Tomé Galeorhinus galeus C. São Tomé


22˚ S 22˚ S
1996 Rio de Janeiro Cabo Frio
1997 Rio de Janeiro Cabo Frio

Santos Santos
24˚ S 24˚ S

26˚ S 26˚ S
Itajaí Itajaí

28˚ S 28˚ S
C. Santa Marta C. Santa Marta

30˚ S 30˚ S
<1
1-5
5-25
32˚ S Rio Grande 32˚ S Rio Grande
25-100

>100

34˚ S Chuí 34˚ S Chuí


100 500 100 500
54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W 54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W

Figura 1.46 – CPUE em número e peso por 1000 anzóis-hora de Galeorhinus galeus, em dois levantamentos de prospecção pesqueira
com espinhel-de-fundo entre São Tomé (22˚00’S) e Chuí (34˚40’S) do Programa REVIZEE, realizados em agosto-outubro de 1996 e
abril-junho de 1997, com o B/P Margus II.

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


57
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 58

Ilha de Santa Catarina – Chuí Figura 1.47 – Distribuições de freqüên-


% 35
cias de comprimentos de Galeorhinus
30 1996; n: 66
galeus no levantamento de prospecção
25 pesqueira com espinhel-de-fundo, entre
20 São Tomé e Chuí, realizado em agosto-
outubro de 1996 com o B/P Margus II. (n:
15
número de indivíduos medidos; CT m:
10 comprimento médio)
5
0
60 70 80 90 100 110 120 130 140
Classe de comprimento (cm)

maior número a mais de 300 m. Em sua maior parte, foram exemplares de mais de 120 cm
(Figura 1.47). Esta espécie é migratória, ocorrendo de dezembro a março exclusivamente
em águas uruguaias e argentinas, migrando para o sul do Brasil de abril a novembro. A
pesca desta espécie foi intensa nas décadas de 1970 e 1980 e encontra-se atualmente
sobrexplorada (Haimovici et al., 1998).

o. Merluccius hubbsi
A merluza Merluccius hubbsi (Marini, 1933) é uma espécie de águas temperadas que
se distribui entre o extremo sul da Argentina e Rio de Janeiro (Cousseau e Perrota, 1998, Fi-
gueiredo e Menezes, 1978). No Brasil, sua importância econômica é relativamente peque-
na, sendo pescada com rede-de-arrasto no sul, em anos de forte penetração invernal de
águas frias originárias do ramo interno da corrente de Malvinas e, no Rio de Janeiro, asso-
ciada à ressurgência de Cabo Frio. Neste levantamento com espinhel-de-fundo ocorreu em
36 lances (Figura 1.48). Ocorreu principalmente na região sudeste e no inverno, a mais de
300 m de profundidade (Figura 1.49). Foram pescados 158 exemplares, medindo de 31 a 82
cm, tendo em média 45,6 cm de comprimento e 0,929 kg de peso.
Os rendimentos na região sudeste foram de 0,75 kg/1.000ah no inverno-primavera
e de 0,15 kg/1.000ah no outono. No sul, foram de 0,10 e 0,3 kg/1.000ah, respectivamente.
Alguns dos poucos exemplares que ocorreram no sul atingiram 75 cm, enquanto no sudes-
te, uma grande amplitude de tamanhos foi registrada (Figura 1.49).Há indicações de que os
estoques dos extremos da área de estudo pertençam a unidades populacionais diferentes.

Merluccius hubbsi C. São Tomé Merluccius hubbsi C. São Tomé


22˚ S 22˚ S
1996 Rio de Janeiro Cabo Frio
1997 Rio de Janeiro Cabo Frio

Santos Santos
24˚ S 24˚ S

26˚ S 26˚ S
Itajaí Itajaí

28˚ S C. Santa Marta 28˚ S C. Santa Marta

30˚ S 30˚ S
<1
1-5
5-25
32˚ S Rio Grande 32˚ S Rio Grande
25-100

>100

34˚ S Chuí 34˚ S Chuí


100 500 100 500
54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W 54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W

Figura 1.48 – CPUE em número por 1000 anzóis-hora de Merluccius hubbsi, em dois levantamentos de prospecção pesqueira com
espinhel-de-fundo entre São Tomé (22˚00’S) e Chuí (34˚40’S) do Programa REVIZEE, realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-
junho de 1997, com o B/P Margus II.

58 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 59

% 80 São Tomé – São Francisco


1996; n: 107; CTm: 45,7 cm
1997; n: 29; CTm: 42,9 cm
60

40

20

0
30 34 38 42 46 50 54 58 62 66 70

% 80 Ilha de Santa Catarina – Chuí


1996; n: 4; CTm: 68,0 cm
1997; n: 4; CTm: 41,7 cm
60

40

20

0
30 34 38 42 46 50 54 58 62 66 70

Figura 1.49 – Distribuições de freqüências de comprimentos de Merluccius hubbsi em dois levantamentos de


prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo, entre São Tomé (22˚00’S) e Chuí (34˚40’S) do Programa
REVIZEE, realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997, com o B/P Margus II. (n: número de
indivíduos medidos; CT m: comprimento médio).

p. Outras espécies
Algumas espécies foram relativamente freqüentes, porém em pequeno número,
tornando difícil compreender seus padrões de distribuição.
Heptranchias perlo (Bonaterre, 1788) é um cação de hábitos bentônicos ampla-
mente distribuído em regiões costeiras tropicais e temperadas de todos os oceanos.
Ocorreu em 28 ocasiões em ambas as épocas e regiões (Figura 1.50) e em todas as faixas
de profundidades. Os tamanhos dos 46 exemplares capturados variaram de 61 a 107 cm,
tendo em média 90,3 cm de comprimento e 2,729 kg de peso (Figura 1.51).

Heptranchias perlo C. São Tomé Heptranchias perlo C. São Tomé


22˚ S 22˚ S
1996 Rio de Janeiro Cabo Frio
1997 Rio de Janeiro Cabo Frio

Santos Santos
24˚ S 24˚ S

26˚ S 26˚ S
Itajaí Itajaí

28˚ S 28˚ S
C. Santa Marta C. Santa Marta

30˚ S 30˚ S
<1
1-5
5-25
32˚ S Rio Grande 32˚ S Rio Grande
25-100

>100

34˚ S Chuí 34˚ S Chuí


100 500 100 500
54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W 54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W

Figura 1.50 – CPUE em número por 1000 anzóis-hora de Heptranchias perlo, em dois levantamentos de prospecção pesqueira com
espinhel-de-fundo entre São Tomé (22˚00’S) e Chuí (34˚40’S) do Programa REVIZEE, realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-
junho de 1997, com o B/P Margus II.

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


59
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 60

São Tomé – São Francisco Ilha de Santa Catarina – Chuí


% 35
1996; n: 14; CTm: 90,5 cm % 35
1996; n: 17; CTm: 90,0 cm
30
1997; n: 9; CTm: 88,7 cm 30
1997; n: 9; CTm: 94,5 cm
25
25
20 20
15 15
10 10
5 5
0 0
60 66 72 78 84 90 96 102 60 66 72 78 84 90 96 102
Classe de comprimento total (cm) Classe de comprimento total (cm)

Figura 1.51 – Distribuições de freqüências de comprimentos de Heptranchias perlo em dois levantamentos de


prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo, entre São Tomé (22˚00’S) e Chuí (34˚40’S) do Programa
REVIZEE, realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997, com o B/P Margus II. (n: número de
indivíduos medidos; CT m: comprimento médio).

Sphoeroides pachygaster (Müller e Troschel, 1848) é um baiacu de ampla distribui-


ção em águas quentes e temperadas. Foram capturados 104 exemplares em 36 lances em
toda a área de estudo, em ambas as épocas do ano (Figura 1.52). Foi mais abundante na

Sphoeroides pachygaster C. São Tomé Sphoeroides pachygaster C. São Tomé


22˚ S 22˚ S
1996 Rio de Janeiro Cabo Frio
1997 Rio de Janeiro Cabo Frio

Santos Santos
24˚ S 24˚ S

26˚ S 26˚ S
Itajaí Itajaí

28˚ S C. Santa Marta 28˚ S C. Santa Marta

30˚ S 30˚ S
<1
1-5
5-25
32˚ S Rio Grande 32˚ S Rio Grande
25-100

>100

34˚ S Chuí 34˚ S Chuí


100 500 100 500
54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W 54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W

Figura 1.52 – CPUE em número por 1000 anzóis-hora de Sphoeroides pachygaster, em dois levantamentos de prospecção pesqueira
com espinhel-de-fundo entre São Tomé (22˚00’S) e Chuí (34˚40’S) do Programa REVIZEE, realizados em agosto-outubro de 1996 e
abril-junho de 1997, com o B/P Margus II.

São Tomé – São Francisco Ilha de Santa Catarina – Chuí


1996; n: 12; CTm: 36,3 cm 1996; n: 38; CTm: 34,0 cm
% 40 % 40
1997; n: 8; CTm: 31,1 cm 1997; n: 46; CTm: 34,2 cm
35 35
30 30
25 25
20 20
15 15
10 10
5 5
0 0
<20 21 23 25 27 29 31 33 35 37 39 <20 21 23 25 27 29 31 33 35 37 39
Classe de comprimento total (cm) Classe de comprimento total (cm)

Figura 1.53 – Distribuições de freqüências de comprimentos de Sphoeroides pachygaster em dois levanta-


mentos de prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo, entre São Tomé (22˚00’S) e Chuí (34˚40’S) do
Programa REVIZEE, realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997, com o B/P Margus II. (n:
número de indivíduos medidos; CT m: comprimento médio).

60 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 61

região sul, particularmente nos perfis de Tramandaí (P6) a Santa Marta Grande (P8).
Ocorreu em todas as faixas de profundidades, porém foi mais abundante a mais de 250 m
(Tabelas 1.7 e 1.8). Os tamanhos variaram de 19 a 45 cm, tendo em média 34,1 cm de com-
primento e 0,914 kg de peso. Os exemplares menores que 28 cm ocorreram exclusiva-
mente na região sul (Figura 1.53).
Scyliorhinus haeckelii (Miranda-Ribeiro, 1907) ocorreu em 33 operações de pesca
(Figura 1.54). As capturas desse cação se concentraram, em ambas as épocas do ano, em
três regiões: no extremo sul, entre Rio Grande (P3) e a Ilha de Santa Catarina (P9) e ao norte
de Cabo Frio (P16), ocorrendo em todas as faixas de profundidades. Foram capturados 66
exemplares com comprimentos entre 28 e 60 cm, com médias de 44,3 cm de comprimen-
to e 0,481 kg de peso (Figura 1.55).

Scyliorhinus haeckelii C. São Tomé Scyliorhinus haeckelii C. São Tomé


22˚ S 22˚ S
1996 Rio de Janeiro Cabo Frio
1997 Rio de Janeiro Cabo Frio

Santos Santos
24˚ S 24˚ S

26˚ S 26˚ S
Itajaí Itajaí

28˚ S C. Santa Marta 28˚ S C. Santa Marta

30˚ S 30˚ S
<1
1-5
5-25
32˚ S Rio Grande 32˚ S Rio Grande
25-100

>100

34˚ S Chuí 34˚ S Chuí


100 500 100 500
54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W 54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W

Figura 1.54 – CPUE em número por 1000 anzóis-hora de Scyliorhinus haeckelii, em dois levantamentos de prospecção pesqueira com
espinhel-de-fundo entre São Tomé (22˚00’S) e Chuí (34˚40’S) do Programa REVIZEE, realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-
junho de 1997, com o B/P Margus II.

São Tomé – São Francisco Ilha de Santa Catarina – Chuí


% 35 % 35
30 1996; n: 21; CTm: 40,6 cm 30 1996; n: 7; CTm: 43,0 cm
25 1997; n: 13; CTm: 45,2 cm 25 1997; n: 25; CTm: 47,2 cm
20 20
15 15
10 10
5 5
0 0
26 30 34 38 42 46 50 54 58 26 30 34 38 42 46 50 54 58
Classe de comprimento total (cm) Classe de comprimento total (cm)

Figura 1.55 – Distribuições de freqüências de comprimentos de Scyliorhinus haeckelli em dois levantamentos


de prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo, entre São Tomé (22˚00’S) e Chuí (34˚40’S) do Programa
REVIZEE, realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997, com o B/P Margus II. (n: número de
indivíduos medidos; CT m: comprimento médio)

Polymixia lowei (Günther, 1859) (barbudo), ocorreu em 33 lances, dos quais 27 foram
na região sudeste (Figura 1.56). Não ocorreu ao sul de Mostardas (P4) nem em profundi-
dades inferiores a 250 m. Foram capturados 149 exemplares de comprimentos entre 18 e
32 cm, tendo em média 22,9 cm de comprimento e 0,170 kg de peso. Os maiores exem-
plares ocorreram entre Torres (P7) e a Ilha de Santa Catarina (P9) (Figura 1.57).
As espécies de peixes restantes ocorreram em pequeno número. As ocorrências e
CPUE por regiões e cruzeiros estão registradas nas Tabelas 1.4 a 1.7.

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


61
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 62

Polymixia lowei C. São Tomé Polymixia lowei C. São Tomé


22˚ S 22˚ S
1996 Rio de Janeiro Cabo Frio
1997 Rio de Janeiro Cabo Frio

Santos Santos
24˚ S 24˚ S

26˚ S 26˚ S
Itajaí Itajaí

28˚ S C. Santa Marta 28˚ S C. Santa Marta

30˚ S 30˚ S
<1
1-5
5-25
32˚ S Rio Grande 32˚ S Rio Grande
25-100

>100

34˚ S Chuí 34˚ S Chuí


100 500 100 500
54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W 54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W

Figura 1.56 – CPUE em número por 1000 anzóis-hora de Polymixia lowei, em dois levantamentos de prospecção pesqueira com espi-
nhel-de-fundo entre São Tomé (22˚00’S) e Chuí (34˚40’S), realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997, com o B/P
Margus II.

São Tomé – São Francisco Ilha de Santa Catarina – Chuí


%100 %100
1996; n: 56; CTm: 22,0 cm 1996; n: 2; CTm: 22,0 cm
80 1997; n: 62; CTm: 22,5 cm 80 1997; n: 18; CTm: 25,9 cm
60 60

40 40

20 20

0 0
<18 19 21 23 25 27 29 31 <18 19 21 23 25 27 29 31
Classe de comprimento total (cm) Classe de comprimento total (cm)

Figura 1.57 – Distribuições de freqüências de comprimentos de Polymixia lowei em dois levantamentos de


prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo, entre São Tomé (22˚00’S) e Chuí (34˚40’S) do Programa
REVIZEE, realizados em agosto-outubro de 1996 e abril-junho de 1997, com o B/P Margus II. (n: número de
indivíduos medidos; CT m: comprimento médio)

1.3.2.3 Impacto da pesca de espinhel-de-fundo sobre a fauna


acompanhante
O espinhel utilizado nos levantamentos foi semelhante ao empregado na época
pela frota comercial (Peres e Haimovici, 1998; Ávila-da-Silva, 2001). Embora a distribuição
dos lances tenha sido uniforme, não se concentrando sobre as áreas de ocorrência das es-
pécies de maior valor, as capturas podem ser consideradas como representativas da pesca
comercial, uma vez que a maior parte proveio de áreas efetivamente exploradas pela frota.
Portanto, embora com alguma distorção, as proporções de captura das diferentes espécies
nos levantamentos podem ilustrar adequadamente o padrão de aproveitamento e des-
carte desta pescaria.
No conjunto dos 188 lances realizados, as espécies de maior valor comercial, tradi-
cionalmente alvo da pesca de linha e de espinhel-de-fundo, foram os teleósteos de maior
porte, incluindo os chernes, o peixe-batata, os namorados, o congro-rosa e o pargo-rosa, que,
em conjunto, representaram 51,9% da captura total de peixes, em peso.Teleósteos de menor
valor comercial, fundamentalmente abróteas-de-profundidade, representaram 16,4% do
total. Os grandes cações dos gêneros Carcharhinus, Galeorhinus e Sphyrna, que também têm
alto valor de mercado, representaram 6,6%, e os caçonetes dos gêneros Squalus e Mustelus,

62 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 63

Tabela 1.16 – Percentagens de grupos de espécies de alto, baixo e nenhum valor comercial nas regiões ao
sul e norte da Ilha de Santa Catarina e por faixas de profundidade nos levantamentos com espinhel-de-fundo
realizados no inverno-primavera de 1996 e outono de 1997 a bordo do B/P Margus II entre 22˚S e 34˚40’S.

Região e Ano Faixa Batimétrica


Espécies capturadas Sul SE Sul SE 100- 150- 200- 250- 300- 400- Total
1996 1996 1997 1997 149m 199m 249m 275m 349m 510m
Teleósteos de alto valor 45% 61% 49% 57% 46% 45% 63% 59% 50% 57% 52%
Cações de alto valor 6% 8% 9% 5% 6% 7% 7% 4% 9% 5% 7%
Teleósteos de baixo valor 31% 11% 8% 6% 34% 19% 10% 22% 5% 6% 16%
Cações de baixo valor 4% 3% 6% 2% 2% 9% 4% 2% 6% 2% 4%
Arraias de baixo valor 2% 1% 3% 1% 2% 0% 2% 0% 3% 1% 2%
Pequenos peixes sem valor 12% 16% 25% 30% 10% 19% 15% 12% 26% 29% 20%

Total 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100%

de menor valor, 3,9%. As raias, que às vezes são desembarcadas pela frota comercial, 1,6%.
Finalmente, os peixes sem valor comercial, como as moréias, os baiacus, o sarrão e outras
espécies de pequeno porte, totalizaram os 19,6% restantes (Tabela 1.16).
As proporções de peixes de alto valor, baixo valor e sem valor comercial por regiões
e faixas de profundidades são apresentados na Figura 1.58 . Os teleósteos e cações de
maior valor, que são os alvos da pescaria, representaram mais da metade das capturas na
região sul e 60% na região sudeste; em relação à profundidade, compuseram mais do que
60% acima dos 200 m. Os peixes de menor valor foram mais comuns até a profundidade
de 300 m e devido à grande ocorrência de caçonetes na região sul durante o levantamen-
to inverno-primavera, esta categoria somou cerca de 30% das capturas e menos de 12% no
sudeste e em ambas as regiões no outono. Os peixes sem valor comercial, que normal-
mente são usados como isca ou rejeitados a bordo, responderam por 12 a 16% das cap-
turas no inverno-primavera e por 25 a 30% no outono. Foram mais abundantes no sudeste
em ambas as épocas e, de um modo geral, tenderam a aumentar com a profundidade. As
espécies sem valor comercial mais abundantes no sul foram Helicolenus lahillei e
Sphoeroides pachigaster e, no sudeste, Gymnothorax spp. e Polymixia lowei.
O aproveitamento da captura na pesca comercial de espinhel-de-fundo, quando
realizada por embarcações de médio porte sem processamento e congelamento a bordo,
é próximo aos 80% e a quase totalidade do restante é aproveitada como isca. Ainda, de
acordo com o preço e a disponibilidade do calamar-argentino, mesmo as espécies de baixo
valor comercial também podem ser utilizadas como isca. Portanto, tem-se que o descarte
é mínimo.

80% 80%

60% 60%

40% 40%

20% 20%
alto valor
0% alto valor 0% baixo valor
100- baixo valor SUL SE
150- 1996 sem valor
149m 199m 200- 1996 SUL SE
250- sem valor 1997
249m 300- 1997
300m 399m 400-
510m

Figura 1.58 – Percentagens de espécies de alto, baixo e sem valor comercial por faixas de profundidade e
nas regiões sudeste e sul nos levantamentos com espinhel-de-fundo realizados no inverno-primavera de 1996
e outono de 1997 a bordo do B/P Margus II entre 22˚S e 34˚40’S.

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


63
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 64

Cabe ressaltar que a pressão da pesca de espinhel exercida sobre as espécies com
pouco ou sem valor comercial, utilizadas como isca a bordo, é a mesma que sobre as de alto
valor. Algumas delas como a abrótea-de-profundidade e os caçonetes dos gêneros Squalus
e Mustelus, que estiveram entre as principais na pesca de espinhel, são também alvo da
pesca de arrasto de profundidade por barcos nacionais e arrendados. Portanto, na avaliação
de estoques destes recursos, o impacto da pesca de espinhel deve ser considerado.

1.3.2.4 Composição das capturas das pargueiras


No cruzeiro do outono de 1997, foram lançadas 646 pargueiras totalizando 4.907
anzóis. Destes, 256 voltaram com captura, 1.620 foram recolhidos sem isca (vazios), 2.954
com iscas e 77 anzóis foram perdidos. Foi capturado um total de 254 peixes, pesando em
conjunto 224,9 kg, e dois crustáceos. O peso médio dos peixes capturados nas pargueiras
foi de 0,878 kg e o rendimento médio das pargueiras foi de 19,01 exemplares por 1.000
anzóis-hora e 16,70 kg por 1.000 anzóis-hora (Tabela 1.3).
A Tabela 1.17 apresenta os números, pesos e os comprimentos mínimos, médios e
máximos e CPUE por espécie ou grupos de espécies nas capturas das pargueiras. Foram
identificadas 15 espécies ou gêneros de peixes.Duas espécies Lopholatilus villarii e Urophycis
mystacea responderam por 56,8% das capturas em peso, adicionando outras cinco espécies
ou gêneros: Pseudopercis numida, Squalus spp., Pagrus pagrus, Helicolenus lahillei e Polyprion
americanus, chega-se a 94,1% das capturas totais em peso.

Tabela 1.17 – Espécies ou gêneros de peixes capturados com pargueiras no levantamento de prospecção
pesqueira realizado em abril-junho de 1997 com o B/P Margus II entre o Cabo de São Tomé (22˚00’S) e Chuí
(34˚40’S) (CPUE em kg e número por 1.000 anzóis-hora).

Captura Peso Comprimentos (cm) CPUE


Gênero e espécie
num. kg médio min. médio máx. num. peso
Urophycis mystacea 108 61,342 0,568 25 39,3 59 8,0208 4,5556
Helicolenus lahillei 41 14,490 0,353 16 26,3 43 3,0449 1,0762
Squalus megalops e S. mitsukurii 32 17,687 0,553 35 48,6 59 2,3765 1,3136
Lopholatilus villarii 27 66,375 2,458 27 53,2 83 2,0052 4,9294
Pagrus pagrus (1) 15 16,348 1,090 27 35,0 42 1,1140 1,2141
Pseudopercis numida 7 23,976 3,425 49 61,3 86 0,5199 1,7806
Caulolatilus chrysops 6 5,634 1,127 40 43,7 48 0,3713 0,4184
Gymnothorax spp 5 1,279 0,213 44 58.0 67 0,4456 0,0950
Polyprion americanus 3 11,859 3,953 53 59,6 66 0,2228 0,8807
Genypterus brasiliensis 3 2,166 0,722 49 53,3 60 0,2228 0,1609
Merlucius hubbsi 2 0,919 0,459 40 41,1 41 0,1485 0,0682
Polimixia lowei 2 0,460 0,230 22 24,5 27 0,1485 0,0342
Sphoeroides pachygaster 1 0,773 0,773 32 32,0 32 0,0743 0,0574
Cheilodactylus bergi 1 0,407 0,407 33 33,0 33 0,0743 0,0303
Mustelus shmitti 1 1,247 1,247 71 71,0 71 0,0743 0,0926
(1) comprimento furcal

A Figura 1.59 apresenta os rendimentos em número e peso da totalidade das cap-


turas das pargueiras por 1.000 anzóis-hora por perfil. O maior rendimento foi obtido ao largo
de São Tomé (P18) e os menores entre a Baía de Guanabara (P15) e Búzios (P17), no litoral do
Rio de Janeiro. Os rendimentos foram superiores ou próximos a 15 exemplares/1.000ah na
maioria dos perfis entre o Chuí (P1) e a Laje de Santos (P12). Entre Ilha Grande (P13) e Búzios
(P17), a CPUE em número foi próxima ou inferior a 10 exemplares/1.000ah. O rendimento em
peso obtido no perfil de São Tomé (P18) foi o mais elevado, seguido do calculado para
Solidão (P5) e Albardão (P2). Os pesos médios foram próximos a 1 kg no extremo sul e supe-
riores a 1,5 kg na maior parte dos perfis ao norte da Ilha Grande (P13).
Os rendimentos em peso e em número e os pesos médios por cruzeiro e faixa de
profundidade são apresentados na Figura 1.60. Nos cruzeiros 9701 a 9704, que cobriram a
área do Chuí (P1) a Laje de Santos (P12), foram observados rendimentos numéricos altos

64 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 65

quando comparados aos dois cruzeiros que cobriram o extremo setentrional da área de
estudo. No entanto, o rendimento em peso não seguiu o mesmo padrão, visto que os
espécimes capturados nos cruzeiros 9705 e 9706 (São Sebastião ao Cabo de São Tomé)
eram de maior porte. Em relação à batimetria, os maiores rendimentos em número tende-
ram a ser obtidos em maiores profundidades, à exceção do estrato 100-150 que apresen-
tou comparativamente um rendimento elevado. Os rendimentos em peso não apresen-
taram uma tendência definida, sendo os maiores valores calculados para os lances entre
200 e 250 m, faixa batimétrica na qual foram obtidos os maiores pesos médios.

70 CPUE número
CPUE peso

Kg ou número por 1000 anzóis-hora


60

50

40

80

20

10

0
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18
Perfis

Figura 1.59 – CPUE em número e peso (kg) de peixes por 1000 anzóis-hora de imersão das pargueiras por
perfis, no levantamento de prospecção pesqueira realizado em abril-junho de 1997 com o B/P Margus II entre
22˚00’S e 34˚40’S.

30 2,0
Kg ou número por 1000 anzóis-hora

CPUE número CPUE número


CPUE peso CPUE peso
25 1,6

20
Peso médio (Kg)

1,2
15
0,8
10

0,4
5

0 0,0
9701 9702 9703 9704 9705 9706 9701 9702 9703 9704 9705 9706
Cruzeiros Cruzeiros

35 CPUE número 2,0


Kg ou número por 1000 anzóis-hora

Kg ou número por 1000 anzóis-hora

30 CPUE peso
1,6
25

20 1,2

15 0,8
10
0,4
5

0 0,0
100-149 150-199 200-249 250-299 300-399 400-499 100-149 150-199 200-249 250-299 300-399 400-499
Faixas de profundidade Faixas de profundidade

Figura 1.60 – CPUE e pesos médios dos peixes capturados com pargueiras por cruzeiros e por classe de profundidade. no le-
vantamento de prospecção pesqueira realizado em abril-junho de 1997 com o B/P Margus II entre o 22˚00’S e 34˚40’S. A e B:
número e peso (kg) de peixes por 1000 anzóis-hora de imersão por cruzeiros e por profundidade; C e D: pesos médios (kg) dos
peixes capturados por cruzeiros e faixas de profundidades.

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


65
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 66

Na Figura 1.61 são apresentadas as percentagens de anzóis recolhidos com captura,


com isca, sem isca e perdidos, por perfil. Mais da metade, 54,3%, retornaram com isca e
37,5% vazios. As maiores perdas de iscas ocorreram no extremo sul, em frente ao Chuí (P1)
e em Solidão (P5). A posição dos anzóis nas pargueiras em relação ao fundo teve influência
nas capturas e na perda das iscas (Figura 1.62). Observou-se que as percentagens de anzóis
com captura diminuíram de 7,4%, nos encostados no fundo, para 3,6% nos mais próximos
das bóias. A percentagem de anzóis que perderam a isca diminuiu no mesmo sentido, de
50% a 33%, enquanto que a proporção de anzóis que retornou com iscas aumentou em
sentido contrário, de 39% a 60%.
Os rendimentos médios em número e peso foram duas vezes maiores nos anzóis
mais próximos ao fundo do que nos anzóis mais afastados, variando de 27,0 a 13,1 exem-
plares/1.000ah e de 26,8 a 10,9 kg/1.000ah (Figura 1.63). Para a abrótea-de-profundidade,
espécie mais capturada nas pargueiras, as taxas de captura não diferiram entre os anzóis
mais próximos e os mais afastados do fundo,no entanto,o peixe-batata,o sarrão e os cações
do gênero Squalus ocorreram com maior freqüência nos anzóis mais próximos do fundo.

100 %

80 %

60 %

40 %

20 %

0%
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 1314 15 16 17 18
Perfis
com captura iscados vazios perdidos

Figura 1.61 – Percentagem de anzóis que retornaram com captura, com iscas, vazios e os que foram perdi-
dos das pargueiras por perfil no levantamento de prospecção pesqueira realizado em abril-junho de 1997 com
o B/P Margus II entre o 22˚00’S e 34˚40’S.

100 %

80 %

60 %

40 %

20 %

0%
1 2 3 4 5 6 >7

numeração dos anzóis das pargueiras


com captura iscados vazios perdidos

Figura 1.62 – Percentagens de alças recolhidas com capturas, anzóis iscados, anzóis vazios e anzóis perdi-
dos nos diferentes anzóis das pargueiras no levantamento de prospecção pesqueira realizado em abril-junho
de 1997 com o B/P Margus II entre o 22˚00’S e 34˚40’S. Numeração dos anzóis: (1) mais próximo ao cabo
principal (>7) mais próximo à bóia e mais afastado do fundo.

1.3.2.5 Composição das capturas das armadilhas


No levantamento de outono de 1997, foram lançadas 220 armadilhas das quais 4
foram perdidas, 108 retornaram com capturas e 108 vazias (Tabela 1.3). As armadilhas
recolhidas amostraram praticamente todas as faixas de profundidade e de latitude da área
de estudo (Tabela 1.18). Os peixes ocorreram em 34 armadilhas, totalizando 38 exemplares
de 9 taxa. A maior parte das capturas foi composta pela abrótea-de-profundidade e moréias,

66 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 67

ocorrendo também pargo-rosa, sarrão e peixes agnatos. Invertebrados ocorreram em 87


armadilhas recolhidas (Tabela 1.19).
A espécie mais abundante foi Chaecon notialis, sendo também capturados alguns
exemplares de Chaceon ramosae. Os caranguejos deste gênero foram capturados em 41
lances, totalizando 1.110 exemplares. Isópodes do gênero Bathynomus ocorreram em 12 lan-
ces e pequenos isópodes do gênero Cirolana foram também encontrados em 12 lances.
Diversas espécies de caranguejos Anomura e Brachyura ocorreram em 30 lances, totalizan-
do 60 exemplares (Tabela 1.20).As maiores capturas de Chaceon notialis se deram no extre-
mo sul da área pesquisada e na faixa de 200 a 400 m de profundidade; para os outros gru-
pos de crustáceos, não foram identificados padrões definidos de distribuição (Figura 1.63).
A composição taxonômica da captura de invertebrados nas armadilhas utilizadas na
porção sul (perfis 1 a 9) do levantamento de outono foi analisada por Ricardo Capítoli e
consta no Capítulo 2.
30
CPUE número
Kg ou número por 1000 anzóis-hora

CPUE peso
25

20

15

10

0
1 2 3 4 5 6 >7
numeração dos anzóis das pargueiras

Figura 1.63 – Número de presas e peso total da captura por 1000 anzóis-hora nos diferentes anzóis das par-
gueiras no levantamento de prospecção pesqueira realizado em abril-junho de 1997 com o B/P Margus II entre
o 22˚00’S e 34˚40’S. Numeração dos anzóis: (1) mais próximo ao cabo principal (>7) mais próximo à bóia e
mais afastado do fundo.

Tabela 1.18 – Total de armadilhas recolhidas em diferentes cruzeiros e faixas de profundidade, no levantamen-
to de prospecção pesqueira realizado em abril-junho de 1997 com o B/P Margus II entre o 22˚00’S e 34˚40’S.

Faixas de Cruzeiros
Total
profundidade (m) 9701 9702 9703 9704 9705 9706
100-149 4 3 6 3 16
150-199 9 6 8 5 8 10 46
200-249 5 9 6 2 8 2 32
250-275 6 1 6 4 3 6 26
300-349 10 8 9 7 4 38
400-510 8 15 12 8 9 6 58
Total 42 42 47 22 35 28 216

Tabela 1.19 – Ocorrência dos diversos taxa capturados nas armadilhas em diferentes cruzeiros e faixas de profundidade do levantamento
de prospecção pesqueira realizado em abril-junho de 1997 com o B/P Margus II entre 22˚00’S e Chuí 34˚40’S.

Cruzeiros Faixas de profundidade (m)


Grupo taxonômico 9701 9702 9703 9704 9705 9706 100- 150- 200- 250- 300- 400- Total
149 199 249 275 349 510
Chaceon notialis e C. ramosae 27 9 1 4 4 7 3 10 17 41
Peixes 6 10 3 3 4 8 6 3 7 4 14 34
Bathynomus giganteus e B. miyarei 9 1 2 1 12 1
Caranguejos (1) 8 9 6 6 5 8 5 5 4 9 3 34
Camarões 2 4 3 2 1 1 1 3 1 9
Cirolana sp e isópodes não ident. peq. 5 4 3 1 3 4 4 12
Outros invertebrados 1 1 1 1 1 1 3
(1) Gêneros: Rochinia, Pagurus, Portunus, etc

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


67
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 68

Bathynomus giganteus C. São Tomé Outros caranguejos C. São Tomé


22˚ S 22˚ S
e B. miyarei Rio de Janeiro Cabo Frio
Brachyura Rio de Janeiro Cabo Frio

Santos Santos
24˚ S 24˚ S

26˚ S 26˚ S
Itajaí Itajaí

28˚ S C. Santa Marta


28˚ S C. Santa Marta

30˚ S 30˚ S

32˚ S Rio Grande 32˚ S Rio Grande

34˚ S Chuí 34˚ S Chuí


100 500 100 500
54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W 54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W

Chaceon notialis C. São Tomé Cirolana sp C. São Tomé


22˚ S 22˚ S
e C. ramosae Rio de Janeiro Cabo Frio Rio de Janeiro Cabo Frio

Santos Santos
24˚ S 24˚ S

26˚ S 26˚ S
Itajaí Itajaí

28˚ S C. Santa Marta 28˚ S C. Santa Marta

30˚ S 30˚ S
<1
1-5
5-25
32˚ S Rio Grande 32˚ S Rio Grande
25-100

>100

34˚ S Chuí 34˚ S Chuí


100 500 100 500
54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W 54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W

Figura 1.64 – Número de exemplares de crustáceos da megafauna bentônica capturados com armadilhas no levantamento de
prospecção pesqueira realizado entre 22˚00’S e 34˚40’S em abril-junho de 1997 com o B/P Margus II.

Ocorrências e Capturas Peso Comprimentos (cm)


Grupo taxonômico
F.O. num. kg médio min. médio máx.
Peixes (1) 34 38
Urophycis mystacea 14 16 5541 346 26 34,5 45
Gymnotorax spp 9 9 4238 471 50 68,8 98
Helicolenus lahillei 3 3 1495 498
Pagrus pagrus (2) 2 3 5671 1890 43
Mixinídeos 3 3 70 Tabela 1.20 – Com-
Pseudopercis numida 1 1 2494 2494 58 posição em número e
Schroederichthys saurisqualus 1 1 54 peso, comprimentos
Scyliorhinus haeckelli 1 1 38 totais mínimo, médio
Teleósteo não identificado 1 1 607,5 e máximo de peixes e
Crustáceos 19438 crustáceos da mega-
Chaceon notialis e C. ramosae (3) 41 1110 6 8,5 12 fauna bentônica cap-
Bathynomus giganteus e B. miyarei (1) 12 101 2 10,2 32 turados com armadi-
Diversos Brachyura e Anomura 30 60 lhas no levantamento
Cirolana sp e pequenos isópodes 12 (4) de prospecção pes-
Diversos camarões bentônicos 12 (4) queira realizado entre
Outros invertebrados 3 3 22˚00’S e 34˚40’S em
(1) (2) (3) (4)
abril-junho de 1997
comprimento total comprimento furcal largura da carapaça número não determinado
com o B/P Margus II.

68 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 69

1.3.2.6 Comparação das capturas de peixes pelo espinhel, pargueiras


e armadilhas
A comparação das composições das capturas na pesca com espinhel-de-fundo,
pargueiras e armadilhas, no levantamento de outono de 1997, teve como objetivo investi-
gar a presença de possíveis depredadores de iscas não vulneráveis ao espinhel.
As capturas e rendimentos são comparados na Tabela 1.21. No espinhel, foram cap-
turados 11.243 peixes de pelo menos 65 taxa (gêneros ou espécies); nas pargueiras, 254
peixes de 15 taxa e, nas armadilhas, 38 de nove taxa. A diferença no número de taxa pode
ser atribuída principalmente à diferença no esforço de pesca, já que o número de anzóis
lançados foi 20 vezes maior no espinhel do que nas pargueiras e o número de armadilhas
foi de uma para cada 428 anzóis do espinhel.Também tiveram influência o pequeno tama-
nho dos anzóis das pargueiras, que contribuíram para o escape de peixes de maior porte e,
no caso das armadilhas, o diâmetro da boca, que restringiu a entrada de peixes de perí-
metro grande. Todas as espécies capturadas por pargueiras ou armadilhas, também ocor-
reram no espinhel. Foram encontradas diferenças nos tamanhos médios dos peixes captu-
rados, 1,228 kg no espinhel-de-fundo, 0,878 kg nas pargueiras e 0,607 nas armadilhas
(Tabela 1.21). Embora houvesse uma diferença grande nos pesos médios dos peixes em ge-
ral, constatou-se que os exemplares de Urophycis mystacea e de Helicolenus lahillei pescados
com espinhel e pargueiras diferiram pouco nos comprimentos (Figura 1.65).
A Figura 1.66 apresenta as percentagens em número e peso das espécies de peixes
capturados no levantamento de outono (abril-junho) com armadilhas, pargueiras e espi-
nhel-de-fundo. Embora tenha havido uma grande diferença no número de espécies cap-
turadas por arte de pesca, observa-se que as mesmas seis espécies, ou categorias, foram nu-
mericamente as mais importantes nas capturas do espinhel e das pargueiras. Já em peso,
aparecem algumas alterações na ordem de importância porque as espécies de grande
porte, como Polyprion americanus e Epinephelus niveatus, tiveram maior importância relativa
no espinhel. As armadilhas apresentaram capturas bastante diferenciadas em relação às
obtidas pelas artes de anzol. Embora a espécie mais freqüente em todas as artes tenha sido
Urophycis mystacea,as armadilhas capturaram com freqüência as moréias e alguns Myxinidae,
pouco freqüentes no espinhel.
Tabela 1.21 – Comparação das capturas e rendimentos do espinhel, pargueiras e armadilhas no levantamen-
to de prospecção pesqueira demersal entre São Tomé (22˚00’S) e Chuí (34˚40’S), do Programa REVIZEE, reali-
zado em abril-junho de 1997, com o B/P Margus II.

Espinhel Pargueiras Armadilhas


Anzóis/armadilhas lançados 94000 4907 220
Anzóis recolhidos com isca 29,5% 60,2%
Anzóis/ armadilhas recolhidos vazios 57,9% 33,0% 50%
Anzóis/armadilhas perdidos 0,1% 1,6% 2%
Anzóis não registrados no recolhimento 0,5%
Anzóis/armadilhas recolhidos com peixes 12,0% 5,2% 16%
Anzóis recolhidos com aves 0,002% 0%
Anzóis/armadilhas recolhidos com crustáceos 0,036% 0,041% 41%
Número total de peixes 11243 254 38
Peso total das capturas de peixes (kg) 13861 224,9 20,0 (*)
Número de espécies ou táxons de peixes 54 15 9
Peso médio dos peixes ( kg) 1,228 0,878 0,607
Número de peixes por 1000 anzóis 120,2 53,0
Quilogramas de peixes por 1000 anzóis 148,2 45,8
Número de peixes por 1000 anzóis- hora 43,4 19,0
Quilogramas de peixes por 1000 anzóis- hora 53,6 16,7
CT médio abróteas (mm) 39,5 39,3 34,5
WT médio abróteas (kg) 0,544 0,615 0,346
CT médio sarrão (mm) 27,8 26,3
WT médio sarrão (kg) 0,374 0,354
(*) valor estimado

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


69
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 70

40% Urophycis mystacea 40%


Helicolenus Iahillei
Espinhel Espinhel
Pargueira 20% Pargueira
30%
Armadilha
15%
20%
10%

10%
5%

0% 0%
21 27 33 39 45 51 57 63 14 18 22 26 30 34 38 42 46 >50

Classe de comprimento total (cm) Classe de comprimento total (cm)

Figura 1.65 – Distribuição de comprimentos de Urophycis mystacea e Helicolenus lahillei que ocorreram no
espinhel-de-fundo, pargueira e armadilha no levantamento de prospecção pesqueira realizado entre 22˚00’S
e 34˚40’S em abril-junho de 1997 com o B/P Margus II.

Os rendimentos em número e em peso de peixes por 1.000ah do espinhel-de-


fundo foram respectivamente 120% e 220% maiores do que os obtidos com as parguei-
ras. Estas proporções evidenciam o menor tamanho dos peixes capturados nas pargueiras,
provavelmente por causa do menor tamanho dos anzóis. O menor espaçamento entre os
anzóis das pargueiras também pode ter determinado seu menor rendimento. Nas par-
gueiras, a percentagem de anzóis sem iscas próximos ao fundo foi de 51%, próxima dos
57,9 % no espinhel.
Embora haja uma grande variação, a relação entre as proporções de anzóis recolhi-
dos com presas no espinhel-de-fundo e nas pargueiras utilizadas em cada lance obteve
um correlação positiva (r2= 0,261, P < 0,05) (Figura 1.67a). Também houve correlação posi-
tiva entre as proporções de anzóis recolhidos sem isca (vazios) de ambas as artes (r2=0,402;
P < 0,05) (Figura 1.67b). Estas correlações positivas indicam que, embora existam dife-
renças no tamanho dos anzóis e na distância do fundo, os padrões de desempenho de
ambas as artes são semelhantes, principalmente quanto à perda de iscas e, portanto, a dis-
tribuição de abundância das espécies derivadas de cada uma delas, de um modo geral,
pode ser considerada equivalente.

% em peso % em número

Outros
Gymnothorax ssp
Mixinídeos
Pagrus pagrus
Helicolenus Iahillei
Squalus spp.
Carcharhinus spp
Pseudopercis numida
Epinephelus niveatus
Polyprion americanus
Urophycis mystacea
Lopholatilus villarii
0% 10% 20% 30% 0% 20% 40% 60%

Figura 1.66 – Percentagens em número e peso dos peixes capturados com ■ armadilhas, ■ pargueiras e
■ espinhel no levantamento de prospecção pesqueira realizado em abril-junho de 1997 com o B/P Margus II
entre 22˚00’S e 34˚40’S.

70 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 71

30% Com presas R2 = 0,2608 60% Sem isca R2 = 0,4019

45%
20%
Pargueiras

Pargueiras
30%

10%
15%

0% 0%
0% 15% 30% 45% 60% 0% 15% 30% 45% 60%
A Espinhel B Espinhel

Figura 1.67 – Relação entre as percentagens de anzóis recolhidos, por lance, com presas (A) e sem isca (B),
no espinhel-de-fundo e nas pargueiras, no levantamento de prospecção pesqueira realizado entre 22˚00’S e
34˚40’S em abril-junho de 1997 com o B/P Margus II.

A comparação do desempenho e das capturas das três artes leva à conclusão de


que não houve, na região de estudo, espécies de peixes abundantes que não fossem vul-
neráveis aos anzóis, relativamente grandes, utilizados no espinhel-de-fundo.
Pode-se concluir que a perda do poder de pesca do espinhel-de-fundo deve ser atri-
buída principalmente aos peixes das mesmas espécies capturadas no espinhel e a crustá-
ceos bentônicos carniceiros (comedores de carniça). Entre os peixes, as moréias podem ter
contribuído mais para a perda de iscas e anzóis, uma vez que foram proporcionalmente
mais abundantes nas armadilhas e devido à sua forte dentadura e ao hábito de se entocar
em fundos rochosos.

1.3.2.7 Perda de iscas devido a crustáceos bentônicos


A comparação dos rendimentos e das perdas de iscas entre os anzóis das pargueiras
situados mais próximos e mais afastados do fundo, apresentadas nas Figuras 1.62 e 1.63, foi
a primeira evidência da perda do poder de pesca que os anzóis do espinhel-de-fundo pode-
riam ter sofrido por causa da presença de invertebrados carniceiros (“scavengers”) com ca-
pacidade de predar as iscas.
O lançamento de armadilhas junto com os espinhéis e as pargueiras permitiu a
análise mais detalhada desta relação. Considerou-se que apenas caranguejos e isópodes,
devido às suas quelas e mandíbulas, respectivamente, teriam a capacidade de predar as
iscas no tempo de imersão relativamente curto utilizado nas operações de pesca reali-
zadas. Foram definidos quatro grupos de espécies: (1) Chaceon notialis e C. ramosae, (2) os
restantes caranguejos Anomura e Brachyura, (3) Bathynomus giganteus e B. miyarei, (4)
Cirolana sp. e outros pequenos isópodes.
Para avaliar o impacto da ação destes organismos sobre as iscas, foi calculado o nú-
mero de exemplares de cada um destes grupos capturados por hora de imersão nas arma-
dilhas recolhidas em cada lance e as percentagens de anzóis recolhidos com peixes, sem isca
e com iscas no espinhel-de-fundo e nas pargueiras, discriminando, nestas últimas, o primeiro
anzol, disposto próximo ou encostado no fundo, dos anzóis 2 a 8, afastados do fundo.
Relacionando graficamente as capturas das armadilhas e o estado dos anzóis do
espinhel, observa-se que elevadas densidades de crustáceos carniceiros nas armadilhas
estiveram associadas a baixas percentagens de anzóis com captura no espinhel (Figura
1.68a) e as baixas percentagens de anzóis com iscas (Figura 1.68b). Inversamente, a alta
abundância de crustáceos coincide com um elevado número de anzóis recolhidos sem
isca. (Figura 1.68c).
As mesmas relações entre armadilhas e pargueiras levaram a resultados seme-
lhantes. Observou-se que altas capturas de crustáceos por hora nas armadilhas estiveram
associadas a baixas percentagens de anzóis com captura, estivessem eles próximos ou

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


71
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 72

30% A 30% B 30% C


núm/h de crustáceos

núm/h de crustáceos

núm/h de crustáceos
20% 20% 20%

10% 10% 10%

0% 0% 0%
0% 25% 50% 75% 100% 0% 25% 50% 75% 100% 0% 25% 50% 75% 100%
Anzóis recolhidos com peixes Anzóis recolhidos com isca Anzóis recolhidos sem isca

Figura 1.68 – Relação entre o número de crustáceos potenciais predadores de iscas, por hora de imersão das
armadilhas, e as percentagens de anzóis recolhidos por lance: (A) com peixes, (B) com isca e (C) sem isca, no
levantamento de prospecção pesqueira realizado entre 22˚00’S e 34˚40’S em abril-junho de 1997 com o B/P
Margus II.

30 A 30 B

25 25
núm/h de crustáceos

núm/h de crustáceos
20 20

15 15

10 10

5 5

0 0
0% 20% 40% 60% 0% 20% 40% 60%
Anzol 1 com captura Anzóis 2 a 8 com captura

30 C 30 D
núm/h de crustáceos

25 25
núm/h de crustáceos

20 20

15 15

10 10

5 5

0 0
0% 20% 40% 60% 80% 100% 0% 20% 40% 60% 80% 100%
Anzol 1 com isca Anzóis 2 a 8 com isca

30 E 30 F
25 25
núm/h de crustáceos

núm/h de crustáceos

20 20

15 15

10 10

5 5

0 0
0% 20% 40% 60% 80% 100% 0% 20% 40% 60% 80% 100%
Anzol 1 sem isca Anzóis 2 a 8 sem isca

Figura 1.69 – Relações entre o número de crustáceos predadores potenciais de iscas por hora de imersão
das armadilhas, com as percentagens de anzóis das pargueiras próximos ao fundo (anzol 1) e afastados do
fundo (anzóis 2 a 8) no levantamento de prospecção pesqueira realizado entre 22˚00’S e 34˚40’S em abril-
junho de 1997 com o B/P Margus II. A e B: recolhidos com captura; C e D: com iscas e E e F: sem iscas.

72 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 73

afastados do fundo (Figura 4.11a e 4.11b). Lances com maiores abundâncias de crustáceos
estiveram freqüentemente associados a baixas percentagens de anzóis próximos ao fun-
do, recolhidos com iscas (Figura 4.11c) e a altas percentagens de anzóis recolhidos sem
iscas (Figura 1.69e). Para os anzóis afastados do fundo, estas associações não foram encon-
tradas (Figuras 1.69d e 1.69f).
O passo seguinte foi avaliar a importância relativa dos diferentes grupos de crustá-
ceos detritívoros. Para tal, foram relacionados o número de captura por hora das diferentes
espécies de crustáceos com as percentagens de anzóis sem isca nos espinhéis.Pode-se obser-
var uma relação positiva muito clara entre a presença de Chaceon spp., de Bathynomus spp.
e Cirolana sp. com o aumento do número de anzóis recolhidos sem isca no espinhel-de-
fundo (Figura 1.70) No entanto, não foi evidenciada uma relação consistente entre a perda
de iscas com a presença das espécies de caranguejos restantes.

Chaceon notialis e Cirolana sp.


30 30
C. ramosae
25 25

número por hora


número por hora

20 20

15 15

10 10

5 5

0 0
0% 20% 40% 60% 80% 100% 0% 20% 40% 60% 80% 100%

Bathynomus giganteus e Outros caranguejos


8
B. miyarei 8
número por hora

6
número por hora

4 4

2 2

0 0
0% 20% 40% 60% 80% 100% 0% 20% 40% 60% 80% 100%
Anzóis recolhidos sem isca no espinhel Anzóis recolhidos sem isca no espinhel

Figura 1.70 – Relações entre o número de crustáceos predadores potenciais de iscas da megafauna bentônica
por hora de imersão das armadilhas e as percentagens de anzóis recolhidos sem iscas no espinhel no levanta-
mento de prospecção pesqueira realizado entre 22˚00’S e 34˚40’S em abril-junho de 1997 com o B/P Margus II.

1.3.2.8 Capturas incidentais de aves no espinhel


Nos 188 lances, foram capturadas 19 aves, sendo seis pardelas-de-sobre-branco
Puffinus gravis, cinco pardelas-pretas Procellaria aequinoctialis, cinco albatrozes-de-sobran-
celha Thalassarche melanophris, uma pardela-de-óculos Procellaria conspicillata, um alba-
troz-viageiro Diomedea exulans e uma ave que não foi identificada (Tabela 1.4). Estas aves
são migrantes do sul que se reproduzem em regiões subantárticas e antárticas e, no inver-
no, ocorrem no mar em frente à costa do Rio Grande do Sul.
As capturas de aves se concentraram entre as latitudes de 30˚ e 35˚S e longitudes de
48˚ a 52˚W, sobre profundidades de 123 e 360 m. Dezessete das aves foram capturadas no
levantamento de inverno-primavera. Neste, as taxas de captura incidental de aves nos per-
fis de Chuí a Tramandaí foram muito elevadas, variando de 0,34 e 0,75 aves por 1.000 anzóis
lançados. Nos demais perfis, não houve captura de aves. As duas aves restantes foram cap-
turadas no levantamento de outono, uma no perfil de Mostardas e outra no de Cananéia,

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


73
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 74

representando uma taxa de captura de 0,0002 aves/1.000 anzóis. Maiores detalhes sobre a
presença, distribuição e biologia destas espécies são apresentados no Capítulo 3.
A pesca acidental de aves marinhas no extremo sul, nos meses de inverno, parece
ser um problema sério. No extremo sul, atuavam na década de 1990 não menos de 30 bar-
cos operando com espinhel-de-fundo (Peres e Haimovici, 1998; Haimovici e Velasco, 2001).
Considerando uma taxa média de captura de 0,3 aves por 1000 anzóis lançados, 90 dias de
pesca por temporada de inverno-primavera e 3000 anzóis lançados por barco, em torno de
2600 aves teriam sido mortas anualmente pela pesca de espinhel-de-fundo.

1.3.3 Conclusões
Dados independentes da pesca são importantes para avaliar a distribuição e a abun-
dância dos peixes demersais vulneráveis à pesca com anzol na plataforma externa e talude
superior do sudeste-sul do Brasil.Embora tenha havido vários levantamentos em áreas mais
restritas, este trabalho é o primeiro que abrange toda a região em diferentes épocas do ano
e com uma arte de pesca utilizada na pesca comercial. O desenho amostral padronizado
permitiu avaliar a distribuição, as densidades e as abundâncias relativas das principais espé-
cies, a composição da fauna acompanhante e o descarte potencial deste tipo de pescaria. A
partir dos levantamentos realizados, chegou-se às seguintes conclusões:
Foram vulneráveis ao espinhel-de-fundo mais de 30 espécies de elasmobrânquios,
36 de teleósteos e 2 de agnatos. De modo geral, a maioria das espécies ocorreu em ambas
as épocas do ano e ao longo de toda a área de estudo. Os elasmobrânquios foram muito
mais abundantes na região sul, particularmente no inverno e primavera, quando várias
espécies migratórias de cações migram para o norte, coincidindo com o deslocamento das
frentes de plataforma e da convergência subtropical. Espécies como Polyprion americanus
(cherne-poveiro), Pagrus pagrus (pargo-rosa), Helicolenus lahillei (sarrão), Rhinobatos horkel-
li (cação-viola), Raja castelnaui (raia-pintada), e Spheroides pachygaster (baiacu) também
foram abundantes na porção meridional da área de estudo, mas não apresentaram varia-
ções sazonais tão marcantes quanto as primeiras. As moréias do gênero Gymnothorax,
Epinephelus niveatus (cherne-verdadeiro), Pseudopercis numida (namorado), Epinephelus
flavolimbatus (cherne-galha-amarela) e Merluccius hubbsi (merluza) ocorreram com mais
freqüência na região sudeste. Os cações do gênero Carcharhinus ocorreram principal-
mente no sudeste, no inverno-primavera, mas atingiram o sul no outono, quando as tem-
peraturas da água estavam mais elevadas.
As espécies ou gêneros mais abundantes nas capturas em peso foram o peixe-bata-
ta Lopholatilus villarii (28,4%), a abrótea-de-profundidade Urophycis mystacea (18,8%), os
caçonetes Squalus megalops e S. mitsukurii (14,1%), o cherne-poveiro Polyprion americanus
(10,4%), o cherne-verdadeiro Epinephelus niveatus (5,3 %), os cações do gênero Carcharhi-
nus (4,5%), o namorado Pseudopercis numida (4,0%), o sarrão Helicolenus lahillei (3,0 %), o
cação-bico-doce Galeorhinus galeus (1,6 %), os caçonetes Mustelus schmittii e M. canis (1,4
%), o pargo-rosa Pagrus pagrus (1,3%) e o congro-rosa Genypterus brasiliensis (1,0%).
Numericamente, foram dominantes Urophycis mystacea (45,8%), Squalus spp. (19,3%),
Lopholatilus villari (10,8%) e Helicolenus lahillei (10,1%). Além das espécies citadas, ocor-
reram, com freqüências ou números consideráveis, as moréias do gênero Gymonthorax e a
merluza Merluccius hubbsi.
As análises conjuntas das capturas do espinhel-de-fundo, das pargueiras e das arma-
dilhas mostraram que, em lances diurnos de curta duração, não ocorreram outras espécies
de peixes, além das presentes nas capturas do espinhel, que pudessem ser responsáveis
pela perda de iscas.
As baixas capturas de peixes, tanto no espinhel-de-fundo quanto nos anzóis das par-
gueiras próximos ao fundo, estiveram relacionadas com altas densidades de crustáceos pre-
dadores de iscas, capturados pelas armadilhas. Os caranguejos-vermelhos Chaceon notialis e
dourados C. ramosae, parecem ser os principais responsáveis pela predação das iscas nas

74 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 75

áreas onde estes são abundantes. A presença dos demais caranguejos e dos isópodes do
gênero Bathynomus não foi determinante para a perda de iscas, provavelmente por causa de
sua menor densidade ou por estarem menos aparelhados para atuar sobre as iscas. A ação
dos isópodes Cirolana sp. foi ainda menos evidente porque foi pouco retido pelas armadi-
lhas, porém sua importância deve ser considerada nas áreas onde é abundante.
Os resultados obtidos nas capturas mostram uma relativa especificidade da pesca
de anzol. A maioria das espécies-alvo da pesca de espinhel-de-fundo é pouco capturada
com redes-de-arrasto, seja porque ocorrem sobre tipos de fundos não adequados para o
arrasto ou porque, devido a seu tamanho, conseguem evitar a rede. Já as espécies de menor
porte como abrótea-de-profundidade, sarrão e caçonetes, que ocorrem sobre fundos moles
onde é possível arrastar, sofrem uma pressão de pesca maior.
O aproveitamento da captura na pesca comercial de espinhel-de-fundo, quando
realizada por embarcações de médio porte sem processamento e congelamento a bordo,
é próximo aos 80% e a quase totalidade do restante é aproveitada como isca. Embora o
descarte a bordo, em peso, seja reduzido, pode ser importante para algumas espécies
pouco abundantes de pequeno porte. Outro fator de impacto desta pescaria é a captura
acidental de aves marinhas no extremo sul do Brasil nos meses de inverno, e pode apre-
sentar um sério problema para a conservação de suas populações.
Futuros trabalhos de avaliação e propostas de manejo dos recursos demersais de
plataforma externa e talude superior deverão levar em conta que várias das principais espé-
cies capturadas são recursos compartilhados com o Uruguai e, talvez, com a Argentina, prin-
cipalmente o cação-bico-doce, os caçonetes dos gêneros Squalus e Mustelus, o pargo-rosa,
o cherne-poveiro e, possivelmente, a abrótea-de-profundidade.

1.4 Referências bibliográficas


Alencar, C.A.G.; Salles, R., Rocha, C.A.S. & Ximenes, M.O.C. 1998. Caracterização biométrica do batata,
Lopholatilus villarii, (Ribeiro, 1915), (Teleostei:Malacanthidae), no nordeste do Brasil. LABOMAR,
31(1/2):101-106.
Andrade, H.A. & Garcia, C.A.E. 1999. Skipjack tuna fishery in relation to sea surface temperature off the
southern Brazilian coast. Fisheries Oceanography, 8(4):245-254.
Ávila-da-Silva, A.O. 2002. A Evolução da Pesca de Linha-de-Fundo e a Dinâmica de População do Peixe-bata-
ta, Lopholathilus villari (Teleostei: Malacanthidae), na Margem Continental da Costa Brasileira Entre
os Paralelos 22 e 28°S. Tese de Doutorado IOUSP.
Ávila-da-Silva, A.O.; Bastos, G.C.C. & Tutui, S.L.S. 2001. A atividade pesqueira do Estado de São Paulo: análise
das capturas do biênio 1998-1999 com espinhel-de-fundo Bol. Inst. Pesca, São Paulo, 27(1):33-38.
Barcellos, L.J.P.; Peres, M.B.; Wahrlich, R. & Barison, M.B. 1991. Otimização bioeconômica dos recursos
pesqueiros marinhos do Rio Grande do Sul. Rio Grande, RS. Fundação Universidade do Rio Grande,
FURG. 58p.
Bjordal, A. & Løkkeborg, S. 1996. Longlining. Fishing News Books, Blackwell Science Ltd, Oxford, England. 156p.
Campos, E. J. D.; Velhote, D. & Silveira, I. C. A. 2000. Shelf break upwelling driven by Brazil Current cyclonic
meanders. Geophysical Research Letters, Washington-D.C., USA, 27(6): 751-754
Carneiro, M.H.; Fagundes, L.; Ávila-da-Silva, A.O. & Souza, M.R. 2000. Ambientes marinhos explorados pelas
frotas pesqueiras de Santos e Guarujá (SP). In: Anais do V Simpósio Brasileiro de Ecossistemas,
Vitória, 10-15 out., 2000. Publ. ACIESP, 109(1):83-91
Castro, B.M. & Miranda L.B. (1998). Physical oceanography of the western Atlantic Continental shelf located
between 4° N and 34° S, coastal segment (4 W). The Sea, 11: 209-251.
Cohen, D.M.; Inada, T.; Iwamoto, T. & Scialabba, N. 1990. FAO species catalogue. Vol. 10. Gadiform fishes of
the world (Order Gadiformes). An annotated and illustrated catalogue of cods, hakes, grenadiers
and other gadiform fishes known to date. FAO Fish. Synop., 10(125). 442 p.
Compagno, L.J.V. 1984. Sharks of the world. FAO Fish Synop., 125(4): 1-655.
Costa, P. A. S.; Martins, A.S.; Olavo, G.; Braga, M.S. & Haimovici, M. 2000. Relatório sobre a prospecção
pesqueira demersal no talude da costa central brasileira a bordo do N.O. Thalassa – Campanha
Bahia II. junho – julho de 2000. 42 p.
Cousseau, M.B. 1993. Las especies del orden gadiformes del Atlantico sudamericano comprendido entre
34° y 55° y su relación con las de otras areas. Frente Marítimo, 13:7-102.

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


75
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 76

Cousseau, M.B. & Perrota, R.G. 1998. Peces Marinos de Argentina: biología, distribución y pesca. Instituto
Nacional de Investigación y Desarrollo Pesquero (INIDEP) Mar del Plata, Argentina. 163 p.
Eschmeyer, W.N. & Dempster, L.J. 1990. Scorpaenidae. In: J.C. Quero, J.C. Hureau, C. Karrer, A. Post and L.
Saldanha (eds.) Check-list of the fishes of the eastern tropical Atlantic (CLOFETA). JNICT, Lisbon;
SEI, Paris; and UNESCO, Paris. Vol. 2:665-666.
FAO 1976. Monitoring on fish stock abundance: The use of catch and effort data. FAO Fisheries Technical
Paper, 155: 101p.
Figueiredo, A.G. & Madureira, L.S.P. (Coord.) 1999. Relatório Final dos Dados Geológicos. Programa de
Avaliação do Potencial Sustentável dos Recursos Vivos na Zona Econômica Exclusiva, Subcomitê
Sul, REVIZEE - Score Sul. 58p.
Figueiredo, J.L & Menezes, N.A. 1980. Manual de peixes marinhos do sudeste do Brasil; IV. Teleostei (2). São
Paulo, Museu de Zoologia. 90 p.
Figueiredo, J.L. & Menezes N.A., 1978. Manual de peixes marinhos do sudeste do Brasil. II. Teleostei (1)..
Museu de Zoologia, Universidade de São Paulo. Brasil. 110 p.
Gadig, O.B.F. 2001. Taxonomia dos elasmobrânquios capturados com espinhel-de-fundo na ZEE da costa
sul do Brasil, entre o Cabo de Santa Marta, SC, e Cabo Frio, RJ – Relatório Técnico da Bolsa
DTI/CNPq. Programa REVIZEE. 12 pp.
Ganyanilo, F.C.Jr. Sparre, P.O. & Pauly, D. 1996.The FAO-ICLARM Stock Assessment Toolls (FiSAT User´s Guide
FAO Computerized Information Series (Fisheries)). N°8. Rome FAO. 1995. 126 p.
Garcia, C.A.E. 1998. Oceanografia Fisica: Massas de água e transporte. Os Ecossistemas Costeiro e Marinho
do Extremo Sul do Brasil. Seeliger, U.; Oderbretch, C. & Castello, J.P. (Eds.), Editora Ecoscientia.
104-106.
Gulland, J.A. 1971. Manual de Métodos de Evaluación de las Poblaciones de Peces, Editorial Acribia. 164p.
Gunderson, D. R. 1993. Survey of Fisheries Resources. John Wiley & Sons, New York. 248 p.
Haimovici, M. 1997. Recursos pesqueiros demersais da Região Sul. FEMAR, Rio de Janeiro. 80p.
Haimovici, M. & Ávila da Silva, A.O. Comparação das taxas de remoção de iscas e dos números capturados
por 1000 anzóis-hora na estimação das densidades relativas na pesca de espinhel-de-fundo.
Boletim do Instituto de Pesca de São Paulo. (Submetido ...)
Haimovici, M. & Velasco, G.R. 2001. A pesca de espinhel-de-fundo na região sul do Brasil em 1997 e 1998.
Documentos Técnicos em Oceanografia, 11: 1-24
Haimovici, M. & Velasco, G.R. 2003. A pesca de espinhel-de-fundo na região sul do Brasil em 1997 e 1998.
In: Cergole, M.C. & Rossi-Wongtschowski, C.L.D.B. (eds). Análise das principais pescarias comerciais
do sudeste-sul do Brasil: Dinâmica das frotas pesqueiras. Programa REVIZEE/MMA/SECIRM, Editora
Evoluir, São Paulo. 333-345.
Haimovici, M.; Ávila-da-Silva, A.O; Lucato, S.H.B.; Velasco, G.C. & Arantes, L.H. 2003. A pesca de linha-de-
fundo na plataforma externa e talude superior da região sudeste-sul do Brasil em 1997 e 1998. In:
Cergole, M.C. & Rossi-Wongtschowski, C.L.D.B. (eds). Análise das principais pescarias comerciais do
sudeste-sul do Brasil: Dinâmica das frotas pesqueiras. Programa REVIZEE/MMA/SECIRM, Editora
Evoluir, São Paulo. 347-363
Haimovici, M.; Castello, J.P. & Vooren, C.M. 1998. Pescarias. Em: Os Ecossistemas Costeiro e Marinho do
Extremo Sul do Brasil. Eds Seeliger, U.; Odebretch, C. & Castello, J.P. Editora Ecoscientia. 205-219.
Haimovici, M.; Martins, A.S.; Figueiredo, J.L. & Vieira, P.C. 1994. Demersal bony fish of the outer shelf and
upper slope off southern Brazil subtropical convergence ecosystem. Marine Ecology Progressive
Series, 108(1,2):59-77
Haimovici, M.; Martins, A.S & Vieira, P.C. 1996. Distribuição e abundância de teleósteos demersais sobre a
plataforma continental do sul do Brasil. Revista Brasileira de Biologia, 56(1):27-50.
Hall, S.J. 1999. The Effects of Fishing on Marine Ecosystems and Communities. Blackwell Science, New York,
274p.
Hovgard, H. & Lassen, H. 2000. Manual on estimation of selectivity of gillnet and longline gears in abun-
dance surveys. FAO Fish.Tech. Paper, 397:84p.
Matsuura, Y. 1995. Exploração Pesqueira. In: Os Ecossistemas Brasileiros e os Principais Macrovetores de
Desenvolvimento: Subsídios ao Planejamento da Gestão Ambiental, Capítulo 4.6. Projeto Cenários
para o Planejamento da Gestão Ambientais, Secretaria de Coordenação dos Assuntos Ambientais,
Ministério do Meio Ambiente, Brasília, D.F., 15 p.
Nakamura, I. 1986. Family Ophidiidae. In: Nakamura I. (Ed.). Important fishes trawled off Patagonia. Japan
Marine Fisheries Resource Research Center. 369p.
Odebrecht, C. & Castello, J.P. 2001. The Convergence Ecosystem in the Southwest Atlantic. In: Seeliger, U. &
B. Kerjve (eds.). Coastal Marine Ecosystems of Latin America, Springer: 147-165.
Paiva, M.P. & Rocha, C.A.S..1996. Fishing grounds of botton-liners on the continental shelf of South-East,

76 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 77

Brazil. Fisheries Management and Ecology, 325-33.


Paiva, M.P.; Rocha, C.A.S.; Gomes, A.M.G.; de Andrade, M.F. 1996. Fishing grounds of botton-liners on the
continental shelf of south-east Brazil. Fisheries Management and Ecology, 3:25-33.
Peres, M.B. & Haimovici, M. 1998. A pesca dirigida ao cherne-poveiro Polyprion americanus (Polyprionidae,
Teleostei) no sul do Brasil. Atlântica, Rio Grande, 20:141-161.
Peres, M.B. & Haimovici, M. Age and growth for southern Brazil wreckfish, Polyprion americanus Fisheries
Research (submetido)
Piola, A.R.; Campos, E.J.D.; Möller Jr., O.O.; Charo, M. & Martinez, C. 2000. Subtropical shelf front off eastern
South America. Journal of Geophysical Research, 105(c3):6565-6578.
Pires-Vanin, A.M. & Matsuura, Y. 1993. Estrutura e função do ecossistema de plataforma continental da
região de Ubatuba, Estado de São Paulo: uma introdução. Publicação Especial Instituto Ocea-
nográfico São Paulo, 10: 1-8.
Santos, A. & Rahn, E. 1978. Sumário das explorações com espinhel-de-fundo ao longo da costa do Rio
Grande do Sul. SUDEPE/PDP, Brasília, Relatório Síntese n∞.4 “Mestre Jerônimo”, 41 p.
Sedberry, G.R.; Andrade, C.A.P.; Carlin, J.L.; Chapman, R.G.; Luckhurst, E.B.; Manooch, C.S.; Menezes , G.;
Thomsen, B. & Ulrich, G.F.1999. Wreckfish Polyprion americanus in the North Atlantic: fisheries,
biology and management of a widely distributed and long-lived fish.: em: Musick, J.A. (ed.) Life
in the Slow Lane: Ecology and Conservation of Long Lived marine Animals. American Fisheries
Society Symposium 23
Silveira, I.C.A.; Schmidt, A.C.K.; Campos, E.J.D.; Godoi, S.S. & Ikeda, Y. 2000. A corrente do Brasil ao largo da
costa leste brasileira. Rev.Bras.Oceanogr., 48(2):171-183.
Soares, I.D.& Möller Jr., O.O.2001.Low frequency currents and water mass spatial distribution on the south-
ern Brazilian shelf. Continental Shelf Research, 21:1785-1814
Somerton, D.A. & Kikkawa, B.S. 1995. A stock survey techique uisng the time to capture individual fish on
long lines. Can. J. Fish. Aquat. Sci. 52:260-267.
Souto, J.M.R. 2001 Annoted systematic checklist and bibliography of the coastal and oceanographyc fauna
of Brazil. Sharks. Mare Magnum. 1(1):51-120.
Vazzoler, A.E.A.; Soares, L.S.H. e Cunningham, P.T.M. 1999. Ictiofauna da costa Brasileira em Estudos Ecoló-
gicos de Comunidades de Peixes Tropicais Ed: R.H Lowe-McConnel Parte V:424-467. Editora da
Universidade de São Paulo (Edusp).
Vooren, C.M. 1998. Elasmobrânquios demersais. em: Os Ecossistemas Costeiro e Marinho do Extremo Sul
do Brasil. Eds Seeliger, U.; Odebretch, C. & Castello, J.P. Editora Ecoscientia 157-161
Wyanski, D.M.; Bryon White D. & Barans, C.A. 2000. Growth, population age structure and aspects of the
reproductive biology of the nowey groupe, Epinephelus niveatus, off North Carolina and South
Carolina. Fisheries Bulletin, 98199-218.
Yesaki, M. & Barcellos, B.N. 1974. Desenvolvimento da pesca do pargo-róseo ao largo da costa sul do Brasil.
SUDEPE-PDP Documentos Ocasionais Nº6. 1-8 + 7 figs.
Zavala Camin, L. A. & Puzzi, A. 1974. Relatório da pescaria de linha no Arquipélago de Abrolhos e Mar Novo,
Apêndice G-8:114-117. em: .Relatório da Primeira Reunião do Grupo de Trabalho e Treinamento
(G.T.T.) sobre Avaliação de Estoques. Sér. Doc. Téc. Nº 7 PDP SUDEPE. Rio de Janeiro.
Zembruscki, S.; Barreto, T.H.; Palma, J.C. & Milliman, J.D. 1972. Estudo preliminar das províncias geomor-
fológicas da margem continental Brasileira. Anais do XXVI Congresso de Geologia: 2187-2209.

ANEXO 1

Pessoal envolvido nos embarques, amostragens e processamentos


de dados
O processamento dos dados obtidos na metade sul foi coordenado por Manuel
Haimovici e participaram Luiz Antônio Mendes, Nilamon Oliveira Leite Jr., Rodrigo Silvestre
Martins e Sandro Klippel. O processamento de dados obtidos na metade norte foi coorde-
nado por Antônio O. Ávila-da-Silva e participaram Sergio Luiz S. Tutui, Gastão C. C. Bastos,

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


77
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 78

Fabiana Carvalhal e André M. Vaz-dos-Santos. Os dados foram introduzidos em um banco


de dados elaborado por Antônio O. Ávila-da-Silva, que também acompanhou o ingresso
dos dados. A análise preliminar dos dados de captura foi realizada em dezembro de 1997
por Manuel Haimovici, Antônio O. Ávila-da-Silva, Gastão C. C. Bastos e Sérgio S. Tutui
(Haimovici et al., 1998).
A composição de capturas de invertebrados nas armadilhas na metade sul no le-
vantamento de outono foi determinada por Ricardo Capítoli (Capítulo 2). A identificação
das capturas acidentais de aves esteve a cargo de Carolus M.Vooren e Liliana Coelho Naves
(Capítulo 3). A análise da diversidade e das associações foi realizada por A. O. Ávila-da-Silva
e M. Haimovici (Apêndice III). A influência da perda de poder de pesca sobre as estimativas
de densidade relativa através da captura por unidade de esforço foi analisada por
Haimovici e A. O. Ávila-da-Silva no (Apêndice IV) e por Sérgio S. Tutui (1999).
A análise final e redação do relatório estiveram a cargo de Manuel Haimovici e
Antônio O. Ávila-da-Silva, com a colaboração, para elaboração das Tabelas e Figuras, de
Roberta Aguiar dos Santos e, na editoração, de Luciano Gomes Fischer.

Equipe científica, portos e datas de embarque e desembarque dos cruzeiros de prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo do SCORE
SUL - Programa REVIZEE.

Nome Instituição e cargo Cruzeiros 1996


9601 9602 9603 9604 9605 9606
Manuel Haimovici FURG, professor X
Gastão César Cyrino Bastos Inst. Pesca SP, pesquisador X X
Rodrigo Silvestre Martins FURG, bolsista ITI. X X
Antônio Luiz Garcia FURG, bolsista ITI. X X X
Sérgio L. dos Santos Tutui Inst. Pesca SP, pesquisador X X
Luiz Alberto Mendes FURG, laboratorista X
Antônio Olinto Ávila-da-Silva Inst. Pesca SP, pesquisador X X
Júlio Neves de Araújo FURG, pós-graduação X
Fábio Olmos de Correia Neves Inst. Florestal, SP, pesquisador X
Roberto Ávila Bernardes IOUSP, pesq. contratado X
Silvio dos Santos Inst. Pesca SP, estagiário X
André M. Vaz dos Santos Inst. Pesca SP bolsista ITI X
Eduardo Paes Tavares IOUSP, contratado X
Leonardo Lima Santos UNIVALI, acadêmico X

Nome Instituição e cargo Cruzeiros 1997


9701 9702 9703 9704 9705 9706
Manuel Haimovici FURG, professor X
Antônio Olinto Ávila-da-Silva Inst. Pesca SP X X
Luiz Roberto Louzada FURG, bolsista ITI X
Antônio Luiz Garcia FURG, bolsista ITI X
Gastão César Cyrino Bastos Inst. Pesca SP, pesquisador X X
Antônio Luiz Garcia FURG, bolsista ITI X
Rodrigo Silvestre Martins FURG, bolsista ITI X
Sérgio L. dos Santos Tutui Inst. Pesca SP, pesquisador X X
Teodoro Waske Júnior FURG, pós-graduação X
Nilamon de Oliveira Leite Júnior FURG, bolsista ITI X
Sandro Klippel FURG, bolsista ITI X
Acácio Ribeiro Gomes Tomas Inst. Pesca SP, pesquisador X
André M. Vaz dos Santos Inst. Pesca SP bolsista ITI X
Rodrigo C. Mazzolini Univali, acad. X
Fábio Olmos de Correia Neves Inst. Florestal, SP, pesquisador X
Rafael Cabrera Namora Univ. Católica de Santos, acad. X
Fábio dos Santos Motta Univ. Católica de Santos, acad. X
Venâncio Guebes de Azevedo IOUSP, bolsista DTI, X
André Jensen UNICAMP, acad. X

78 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 79

2. MACROINVERTEBRADOS BENTÔNICOS
CAPTURADOS POR ARMADILHAS E ESPINHEL-
DE-FUNDO NA PLATAFORMA EXTERNA E
TALUDE SUPERIOR ENTRE O CHUÍ (RS) E O
CABO DE SANTA MARTA GRANDE (SC).

Ricardo Capítoli
Manuel Haimovici

Resumo
Foram examinados macroinvertebrados bentônicos capturados com pargueiras,
armadilhas e anzóis do espinhel-de-fundo entre o Chuí e o Cabo de Santa Marta Grande,
nos levantamentos de prospecção pesqueira realizados com o B/P Margus II, na plataforma
externa e talude continental superior. As armadilhas capturaram apenas crustáceos, princi-
palmente isópodes e carangejos brachiurídeos. Os macroinvertebrados retidos nos anzóis
do espinhel permitiram diferenciar os principais organismos integrantes de dois grupos
ecológicos de macroinvertebrados:o primeiro,constituído por crustáceos carnívoros vágeis,
que podem se apresentar em substratos inconsolidados e o segundo,que inclui organismos
sésseis e sedentários característicos de substratos consolidados, como poríferos, hidrozoá-
rios, gorgônias, corais hermatípicos, cirripédios e ofiuróides.

2.1 Invertebrados capturados pelas armadilhas


Foram examinados os invertebrados capturados nas armadilhas lançadas entre o
Chuí e o Cabo de Santa Marta Grande, no levantamento de outono de 1997 do projeto de
“Prospecção Pesqueira Demersal com Espinhel-de-fundo na Região Sudeste-Sul” do pro-
grama REVIZEE. Um total de 47 estações foram realizadas entre as isóbatas de 100 e 500 m,
e duas em 700 m de profundidade, nas latitudes 33˚40,17’S (extra 1) e 32˚09,79’S (extra 2)
(Figura 2.1). Em 31 ocasiões houve capturas de crustáceos bentônicos (Tabela 2.1). Os mais
freqüentes e de maior abundância numérica foram os brachiuros Chaceon spp. (C. notialis
e C. ramosae) e os isópodes cirolânidos Cirolana sp., Bathynomus giganteus e Bathynomus
miyarei.
As maiores capturas ocorreram ao sul da área de estudo, à exceção de Cirolana sp.
que foi mais freqüente nas estações ao norte de 32°S (Figura 2.2). Em relação à batimetria,
Portunus spinicarpus e Squilla brasiliensis ocorreram na plataforma externa até 150 m. As
espécies restantes ocorreram a partir da área de quebra de plataforma, apresentando-se
como fauna característica da região do talude superior. Chaceon notialis ocorreu entre a
área de quebra de plataforma e 700 m, Bathynomus giganteus e B. miyarei entre 400 e 700
m e Cirolana sp. entre 150 e 500 m (Figura 2.3).

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


79
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 80

27º 20
50 100 200
500
Florianópolis
140
138
28º
139 136
137
Cabo S. Marta
Grande

132 134
29º
131
Torres 135
133

Porto Alegre 130


128
30º 129 127
126
121
122
123
124
31º 120 125
119
Lagos dos 118
Patos 116
117

112
32º Rio Grande 111 113
114
# extra 2
110 115
Lagos
Mirim
108
106
33º 109 107

103105
Chuí 104 102
101
34º com captura
# extra 1
95 99 sem captura
96
98
97
100

54º 53º 52º 51º 50º 49º 48º 47º

Figura 2.1 – Localização das estações com capturas de macroinvertebrados nas armadilhas lançadas junto
ao espinhel-de-fundo no levantamento de outono de 1997, entre o Chuí e o Cabo de Santa Marta Grande, a
bordo do B/P Margus II.

Tabela 2.1 – Lista dos macroinvertebrados capturados nas armadilhas lançadas junto ao espinhel-de-fundo no
levantamento de outono de 1997, entre o Chuí e o Cabo de Santa Marta Grande, a bordo do B/P Margus II.

Estações F.O. Num.


Ordem Stomatopoda, família Squillidae
Squilla brasiliensis Claman, 1917 110 ; 111 2 2
Ordem Isopoda, família Cirolanidae
Cirolana sp. 115; 116; 117; 123; 128 ; 138; 140
Bathynomus giganteus A. Milne-Edwards, 1879 extra1; extra2; 115; 116; 125
Bathynomus miyarei Lemos de Castro, 1978. extra1; extra2; 114; 115; 116; 125
Infraordem Caridea, família Pandalidae
Plesionika sp. 121; 123 2 14
Infraordem Brachyura Família Calappidae
Acantocarpus alexandrii Stimpson, 1871 118 1 1
Família Majidae
Rochinia sp. 106; 118; 120 3 9
Stenocionops sp. 118 1 1
Família Geryonidae
Chaceon spp. extra1; 96; 97; 98 ; 99; 101; 102, 103; 104;
105; 106; 107; 112; 114; 115; 124; 125; 136 18 1275
Família Portunidae
Portunus spinicarpus (Stimpson, 1815) 110; 111 2 24

80 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 81

Florianópolis Florianópolis
28º Chaceon notialis Cirolana sp.
+ C. ramosae Cabo S. Marta Cabo S. Marta
Grande Grande
29º
Torres Torres

Porto Alegre 500m Porto Alegre 500m


30º

200 200
31º Lagos dos Lagos dos
Patos Patos
100 100

32º Rio Grande Rio Grande


50 50
Lagos Lagos
Mirim 20m Mirim 20m

33º

Chuí Chuí
34º

Florianópolis Florianópolis
28º Bathynomus giganteus Bathynomus miyarei
Cabo S. Marta Cabo S. Marta
Grande Grande
29º
Torres Torres

Porto Alegre 500m Porto Alegre 500m


30º

200 200
31º Lagos dos Lagos dos
Patos Patos
100 100

32º Rio Grande Rio Grande


50 50
Lagos Lagos
Mirim 20m Mirim 20m

33º

Chuí Chuí
34º

Florianópolis Florianópolis
Stenocionops sp. Plesionika sp.
28º
Acantocarpus alexandrii Rochinia sp. Cabo S. Marta
Squilla brasiliensis Cabo S. Marta
Grande Portunus spinicarpus Grande
29º
Torres Torres

Porto Alegre 500m Porto Alegre 500m


30º

200 200
31º Lagos dos Lagos dos
Patos Patos
100 100

32º Rio Grande Rio Grande


50 50
Lagos Lagos
Mirim 20m Mirim 20m

33º

Chuí Chuí
34º

54º 53º 52º 51º 50º 49º 48º 47º 54º 53º 52º 51º 50º 49º 48º 47º

Figura 2.2 – Locais de ocorrência das espécies de macroinvertebrados capturadas pelas armadilhas lançadas
junto ao espinhel-de-fundo no levantamento de outono de 1997, entre o Chuí e o Cabo de Santa Marta Grande,
a bordo do B/P Margus II.

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


81
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 82

PROFUNDIDADE (metros)
125 150 200 250 300 350 400 450 500 550 600 650 700

Portunus spinicarpus
Squilla brasiliensis
Plesionika sp.
Rochinia sp.
Acantocarpus alexandrii
Stenocionops sp.
Cirolana sp.
Chaceon notialis + C. ramosae
Bathynomus miyarei
Bathynomus giganteus

Figura 2.3 – Distribuição batimétrica das espécies de macroinvertebrados capturados nas armadilhas lançadas
junto ao espinhel-de-fundo no levantamento de outono de 1997, entre o Chuí e o Cabo de Santa Marta Grande,
a bordo do B/P Margus II.

2.2 Invertebrados capturados com espinhel-de-fundo


A relação das espécies capturadas, número das estações em que ocorreram e de
exemplares coletados é apresentada na Tabela 2.2. A coleta esteve constituída por Porí-
feros e Cnidários (Hydrozoa, Octocorallia e Hexacorallia), representados principalmente
por espécies sésseis fixadas em substratos duros. Os Poliquetos e a maior parte dos Crustá-
ceos e Equinodermos também estiveram representados por espécies sésseis, epibiontes
ou associadas com organismos sésseis. Os organismos vágeis capturados foram carangue-
jos Brachyura e Isópodes, que são espécies sarcófagas atraídas pelas iscas.A maior freqüên-
cia de ocorrência foi de Chaceon notialis, em geral nas mesmas estações nas quais as ar-
madilhas apresentaram as maiores capturas desta espécie.
Os estudos sobre o talude superior no Brasil são relativamente recentes e isto se
reflete na dificuldade para a identificação das espécies.Os Porifera foram identificados pela
Dra. Beatriz Mothes, da Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul, e os Cnidários Hexa-
corallia, pelo Oceanógrafo Marcelo Kitahara, do Museu Oceanográfico da UNIVALI de Itajaí.

2.3 Resultados e discussão


As capturas das armadilhas mostraram a presença de P. spinicarpus na plataforma
externa, confirmando a observação prévia de Tommasi et al. (1973), que mencionam a
tendência da espécie ocorrer em maiores profundidades no extremo sul da sua área de
distribuição. Capítoli (2000) atribui esta distribuição às baixas temperaturas das águas de
fundo (12 – 15˚C) causada pelo ingresso invernal da Água Subantártica de Plataforma,
através da porção média da plataforma, provocando seu deslocamento para maiores pro-
fundidades por ser uma espécie termófila. A zonação na distribuição batimétrica de
Cirolana sp. em relação aos Cirolânidos do gênero Bathynomus poderia ser atribuída à pos-
sibilidade da existência de exclusão competitiva entre as espécies de isópodes carnívoros
comedoras de carniça.
As capturas obtidas com o espinhel-de-fundo permitiram diferenciar os principais
organismos integrantes de dois grupos ecológicos de macroinvertebrados. O primeiro é
composto por organismos carnívoros vágeis que podem se apresentar em substratos incon-
solidados (Chaceon notialis, Rochinia sp. e os isópodes cirolânidos Cirolana sp., Bathynomus
giganteus e Bathynomus miyarei). A maior parte das espécies ou gêneros vágeis deste
grupo são mencionadas como componentes da fauna do talude superior em outras áreas
geográficas. Como exemplo, esta similaridade pode ser verificada no estudo sobre o ecos-
sistema na área do talude superior no Golfo de México (NOAA, 2002).

82 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 83

Tabela 2.2 – Lista das espécies de macroinvertebrados coletadas pelos anzóis do espinhel-de-fundo e das
pargueiras no levantamento do inverno de 1996 e o outono de 1997, entre o Chuí e o Cabo de Santa Marta
Grande, a bordo do B/P Margus II.

TAXA Lances e número de exemplares


PORIFERA 23; 24; 25; 26; 29; 31; 33; 40; 43; 99; 100; 104;
106; 109; 120; 127; 131; 133; 135; 141.
CNIDARIA
Hydrozoa
Kirchenpaueridae 4 (1); 5 (1)
Thecata A 99 (1)
Thecata B 120 (1); 125 (1)
Thecata C 131 (1); 137 (1)
Stylaster sp. extra 2 (2)
Octocorallia
Primnoella cf biserialis Wright & Studer, 1889 5 (6); 7 (2); 33 (2); 100 (3); 127 (1); 131 (1)
Primnoella sp. 23 (1); 114 (1)
Bebryce cf cinerea (Deichmann, 1936) 120 (1); 135 (1); 137 (1)
Acanella sp. 21 (2); 107 (1)
Elisella cf. elongata (Pallas, 1766) 30 (1)
Muricea sp. 127 (1)
Gorgonacea B 120 (1)
Gorgonacea C 10 (1)
Gorgonacea D 25 (2); 30 (1)
Hexacorallia
Anthipates sp. 10 (1); 40 (1)
Cladocora debilis Milne Edwards & Haime, 1849 4 (10); 5 (1) 99 (3); 100 (2);131 (1); 141 (2)
Rhizopsammia manuelensis Chevallier, 1966 24 (1); 31 (1); 119 (2) 120 (1); 141 (1)
Caryophyllia berteriana Duchasasaing, 1850 23 (4)
Caryophyllia antillarum Wells, 1971 25 (1)
Caryophyllia sp. A 135 (1)
Caryophyllia sp. B 31 (1)
Caryophyllia sp. C 103 (1)
Caryophyllia sp. D 26 (1)
Paracyathus pulchellus (Philippi, 1842) 105 (1)
Polymyces fragilis (Pourtalès, 1868) 29 (1)
Lophelia pertusa (Linnaeus, 1758) 98 (1); 114 (1)
POLYCHAETA
Eunice frauenfeldi Grube, 1868 4 (7); 43 (1); 99 (1); 104 (2); 125 (1) 135 (1)
28 (1); 133 (2)
Spiochaetopterus A 104 (3); 108 (3)
Serpulidae A 4 (5)
Serpulidae B 99 (13); 100 (5)
MOLLUSCA
Adelomelon riosi Clench & Turner, 1964 43 (1)
CRUSTACEA
Lithoscalpellum regina (Pilsbry, 1907) 2 (7); 97 (3)
Rostratoverruca nexa (Darwin) 26 - 106 - 108 - 120
Poecilasma cf. inaequilateralis (Pilsbry, 1907) 117 (28)
Chaceon spp. 96 (11); 97 (1); 98 (2); 101 (6); 104 (2); 115 (1)
Rochinia sp. 117 (2)
ECHINODERMATA
Ophiocreas lumbricus Lyman, 1869 33 (1); 43 (1); 137 (1)
Astrochele cf. lymani Verril, 1899 33 (1)
Astrocyclus cf. caecilia Döderlein, 1915 135 (4); 137 (9)
Anthenoides brasiliensis Bernasconi, 1956 6 (1); 19: (1); 112 (1); 132 (1)
HEMICORDATA
Cephalodiscus sp. 7 (13); 114 (3)

O segundo grupo inclui organismos sésseis e sedentários característicos de subs-


tratos consolidados (Poríferos, Hidrozoários, gorgônias, corais hermatípicos, Cirripédios e
Ofiuróides). Neste grupo, o coral Lophelia pertusa, apesar de ter apresentado baixa ocorrên-
cia deve ser considerado uma espécie de importância, por ser fundador de comunidades
que se desenvolvem a partir dos fundos consolidados do talude superior. A importância

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


83
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 84

dos corais de profundidade começou a ser notada no Brasil a partir do registro de sua ocor-
rência em amostras com testemunhos e, posteriormente, com registros ecóicos, indicando
a presença de substratos duros na Bacia de Campos (SP), de centenas de metros até 1 km.
Em 1992 e 1993, filmagens submarinas a 530 m de profundidade, comprovaram o desen-
volvimento de recifes de profundidade monopolizados por Lophelia (PETROBRÁS, 1994).
Brooke (2002) e Kitahara (2002) ressaltam a importância ecológica dos fundos com predo-
minância de corais de profundidade ao identificá-los como verdadeiros “oásis”que, manten-
do o equilíbrio do ecossistema, abrigam uma rica fauna de invertebrados e de agrupa-
mentos de peixes. Bett e Roberts (2000) indicam que fundos de corais de profundidade
podem chegar a abrigar mais de 300 espécies. Estes autores também alertam sobre o peri-
go que a prática da pesca pode significar,caso sejam utilizados métodos de danifiquem este
tipo de fundo.
O levantamento realizado indica a importância da heterogeneidade de substratos
na região do talude superior. Capítoli (2000) identifica a grande variedade de tipos de fundo
desta região como um dos fatores determinantes da alta diversidade de espécies coletadas
com arrastos entre Mostardas e Chuí, em comparação à diversidade observada na platafor-
ma média. Com base na distribuição dos corais de profundidade entre Santa Catarina e
Chuí, Kitahara (2002) realizou uma primeira tentativa de localizar e mapear as áreas do
talude superior onde se localizam fundos com substratos consolidados.
A presença de fundos em mosaico onde se alternam fundos inconsolidados e con-
solidados pode ser considerada uma característica importante para o funcionamento do
ecossistema. Este aspecto deverá ser melhor analisado em futuras pesquisas que permitam
obter dados populacionais e tipo de alimentação das espécies. Isto permitiria avaliar a
importância da utilização das áreas de comunidades de substratos consolidados como abri-
go ou fonte de recursos alimentares para invertebrados vágeis e peixes demersais. Deve ser
ressaltada,ainda,a necessidade de realizar com maior detalhe o mapeamento dos mosaicos
de tipos de fundo na região do talude superior e se possível, amostragens e documentação
fotográfica dos tipos de fundo.

2.4 Referências bibliográficas


Bett, B. & Roberts, M 2000. Controversial Coral. NERC News. In: http://www.abdn.ac.uk/~nhi708/treasure/
coral/lophelia.htm
Brooke, S. 2002. Discovery of a New Coral Reef. http://oceanexplorer.noaa.gob/ explorations/02mexico
Capítoli, R. R. 2000. Distribuição e abundância dos macroinvertebrados bentônicos da plataforma conti-
nental e talude superior no extremo sul do Brasil. Tese de Doutorado, Departamento de Ocea-
nografia FURG, 173p.
Kitahara, M. V. 2002. Sistemática dos Corais de Profundidade do Sul do Brasil. Trabalho de conclusão de
Curso para a obtenção do grau de Oceanógrafo. Universidade do Vale do Itajaí – Curso de Ocea-
nografia, 133p.
NOAA 2002. Ocean Explorer: Gulf of México Expedition. http://oceanexplorer.noaa.gob/explorations/
02mexico
PETROBRÁS, (Lana, P. C.) 1994. Diagnóstico ambiental oceânico e costeiro das regiões sul e sudeste do
Brasil. VI. Bentos (N. VI) 411p.
Tommasi, L. R.; Bordin, G. & Oliveira I. 1973. Distribuição dos Macrocrustacea (exceto peneidea) in: Bentos
da plataforma continental do Rio Grande do Sul, Tommasi, L. R.; Adaime, R. R. ; Rodrigues, S. &
Bordin, G. 1973. Contribuições Inst. oceanogr. Univ. S. Paulo, Ser.Ocean.Biol. Nº 25: 163 - 174.

84 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 85

3. CAPTURA INCIDENTAL DE
AVES OCEÂNICAS NA PESCA
COM ESPINHEL-DE-FUNDO

Carolus Maria Vooren


Liliana Coelho

Resumo
A captura incidental de aves marinhas, pelo aparelho de pesca espinhel-de-fundo,
foi analisada com base nos dados obtidos em 188 operações realizadas pelo barco pes-
queiro Margus II entre o Chuí, RS (35˚S) e o Cabo de São Tomé, RJ (22˚S), de 100 a 500 m
de profundidade, nos períodos de agosto a outubro de 1996 e de abril a junho de 1997, no
contexto das pesquisas de prospecção pesqueira demersal do programa REVIZEE no sul e
sudeste do Brasil. Foram capturadas 19 aves: seis Puffinus gravis, cinco Procellaria aequinoc-
tialis, cinco Thalassarche melanophris, uma Procellaria conspicillata, uma Diomedea exulans
e uma ave que não pôde ser identificada. A grande maioria foi de aves migratórias que se
reproduzem em regiões subantárticas e antárticas. A plataforma continental do sul do
Brasil sob a influência da Convergência Subtropical é uma das principais áreas de alimen-
tação para as aves oceânicas do Atlântico Sul, sendo também a área de pesca de muitos
barcos que pescam com espinhéis demersais e pelágicos. A implantação, nesta frota, de
métodos que evitem a captura de aves representa uma importante ação em prol da con-
servação destas populações.

3.1 Material e método


Foram analisadas as capturas incidentais de aves marinhas nos levantamentos de
prospecção pesqueira com espinhel-de-fundo realizados no período de inverno-primavera
21˚ S de 1996 e no outono de 1997 a bordo do B/P Margus II,
C. São Tomé entre o Cabo de São Tomé (RJ, 22˚00’S) e o Chuí (RS,
Rio de Janeiro Cabo Frio
18 34 ˚40’S), na faixa de profundidade de 100 a 500 m. Em
23˚ S
Santos 17 cada levantamento, foram realizados 94 lances distribuí-
15 16 dos em 18 perfis perpendiculares à costa, distantes entre
14
25˚ S 13
12
si 52 mn. Ao longo de cada perfil foram realizados de
11 quatro a seis lances (Figura 3.1).
27˚ S Itajaí
10 O espinhel-de-fundo utilizado foi de cabo princi-
C. Santa Marta 9 pal de aço multifilamento de 3/16”de diâmetro e aproxi-
29˚ S
8 madamente 10.000 m de extensão. Os anzóis eram de
tipo circular com abertura de 32 mm. As linhas secun-
7
31˚ S 6 dárias eram de fio de poliamida monofilamento de 2
5
mm de diâmetro, possuíam 1 m de comprimento, com
Rio Grande 4
33˚ S um anzol em uma extremidade e um destorcedor e um
3
Chuí 2
1 Figura 3.1 – Localização dos lances com capturas de aves (+) nos
35˚ S 100
dois levantamentos de prospecção pesqueira com espinhel-de-
500 fundo a bordo do Margus II realizados no inverno-primavera de 1996
37˚ S e outono de 1997 entre o cabo de São Tomé e Chuí. Os números em
54˚ W 52˚ W 50˚ W 48˚ W 46˚ W 44˚ W 42˚ W 40˚ W itálico indicam os perfis.

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


85
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 86

grampo (snapper) na outra. Foram utilizados 1.000 anzóis por lance. Não foi adotada qual-
quer medida para prevenir a captura incidental de aves.O primeiro lance era realizado logo
após o amanhecer, e o último lançamento ocorria geralmente antes das quatro horas da
tarde. A isca utilizada foi a lula argentina Illex argentinus congelada, com comprimento do
manto entre 25-35 cm e peso entre 200-400 g. As lulas eram descongeladas, evisceradas e
o manto cortado em várias rodelas, para iscar de seis a oito anzóis.

Tabela 3.1 – Aves capturadas em dois levantamentos de propecção pesqueira com espinhel-de-fundo a bordo
do B/P Margus II, realizados no inverno-primavera de 1996 e outono de 1997 entre o cabo de São Tomé e Chuí.

início do lance e
perfil lance prof. (m) data posição espécie
fim do recolhimento
1 5 165 29/08/96 34º28,10’S 51º51,20’W 10:45 h 14:26 h Procellaria aequinoctialis
1 6 123 29/08/96 34º21,45’S 51º59,86’W 15:45 h 19:20 h Thalassarche melanophris
2 8 360 30/08/96 33º41,22’S 51º04,18’W 10:40 h 14:30 h Puffinus gravis
2 9 280 30/08/96 33º40,88’S 51º04,66’W 14:45 h 18:46 h Puffinus gravis
2 9 280 31/08/96 33º40,88’S 51º04,66’W 14:14 h 18:46 h Puffinus gravis
3 13 343 01/09/96 33º00,84’S 50º26,52’W 11:30 h 17:00 h Thalassarche melanophris
3 13 343 01/09/96 33º00,84’S 50º26,52’W 11:30 h 17:00 h Thalassarche melanophris
3 13 343 01/09/96 33º00,84’S 50º26,52’W 11:30 h 17:00 h Procellaria aequinoctialis
4 18 295 09/09/96 32º09,50’S 50º06,78’W 12:17 h 17:10 h Procellaria aequinoctialis
4 18 295 09/09/96 32º09,50’S 50º06,78’W 12:17 h 17:10 h Puffinus gravis
4 18 295 09/09/96 32º09,50’S 50º06,78’W 12:17 h 17:10 h não identificada
5 24 200 12/09/96 31º17,93’S 49º40,21’W 06:11 h 09:23 h Procellaria aequinoctialis
5 26 133 12/09/96 31º16,92’S 49º45,91’W 13:27 h 16:55 h Thalassarche melanophris
5 26 133 12/09/96 31º16,92’S 49º45,91’W 13:27 h 16:55 h Puffinus gravis
6 29 299 13/09/96 30º42,43’S 48º54,77’W 14:06 h 18:00 h Procellaria aequinoctialis
6 31 180 14/09/96 30º41,24’S 49º01,01’W 10:20 h 14:05 h Procellaria conspicillata
6 32 132 14/09/96 30º33,44’S 49º06,20’W 15:29 h 18:39 h Procellaria aequinoctialis
4 113 296 21/04/97 32º09,71’S 50º06,94’W 12:53 h 17:09 h Diomedea exulans
11 152 140 19/05/97 25º47,29’S 46º22,19’W 13:13 h 16:58 h Puffinus gravis

A pescaria de espinhel-de-fundo com cabo principal de aço e operação por guincho


hidráulico foi introduzida no Brasil em 1994 e tem sido utilizada por mais de 40 embarcações.
Na região sul do Brasil, esta pescaria tem como espécies-alvo o cherne-poveiro Polyprion
americanus, o batata Lopholatilus villarii, os namorados Pseudopercis numida e P.semifaciatus,
o congro-rosa Genypterus brasiliensis e diversos cações. As estatísticas desta pescaria são
incompletas e subestimadas, já que os desembarques acontecem em diversos pontos, em
curtos espaços de tempo e, freqüentemente, nos finais de semana (Peres e Haimovici, 1998).

3.2 Resultados e discussão


Nos 188 lances, foram capturadas 19 aves: seis Puffinus gravis, cinco Procellaria
aequinoctialis, cinco Thalassarche melanophris, uma Procellaria conspicillata, um Diomedea
exulans e uma ave que não foi identificada (Tabela 3.1, Figura 3.1). As informações mor-
fométricas e biológicas disponíveis são apresentadas na Tabela 3.2.
Estas aves são migrantes do sul que se reproduzem em regiões subantárticas e an-
tárticas (Harrison, 1985, Enticott e Tipling, 1997) e representam 19 das 25 espécies de Pro-
cellariiformes (albatrozes e petréis) que ocorrem no mar em frente à costa do Rio Grande do
Sul.A ocorrência das mesmas diminui do sul para o norte,de forma que se observa na região
da Convergência Subtropical (entre 28˚30’ S e 34˚ S) uma avifauna de composição carac-
terística (Olmos, 1997; Vooren, 1997; Vooren e Brusque, 1999; Neves 2000).
De forma geral, a concentração espacial das capturas de aves coincide com os
domínios da Convergência Subtropical, aproximadamente entre 20˚S e 40˚S. Esta é a fron-
teira entre as águas quentes de origem tropical (Corrente do Brasil) e as águas frias de
origem subantártica (Corrente das Malvinas), onde ocorrem ressurgências que trazem
águas férteis das profundezas para a superfície. Isto favorece a produção biológica, o que
resulta em grandes agregados de macrozooplâncton e seus consumidores, que, por sua

86 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 87

vez, constituem em vasta fonte de alimento para as aves oceânicas e recursos pesqueiros.
No inverno, a influência das águas subantárticas da Corrente das Malvinas e das águas cos-
teiras do Rio da Prata estende-se sobre a plataforma continental do sul do Brasil, enquan-
to as águas tropicais da Corrente do Brasil ocorrem na superfície, fora da plataforma.A zona
de transição entre estas duas massas de água na margem externa da plataforma constitui
o limite oeste da Convergência Subtropical. Durante o verão, esta convergência migra para
o sul, e a Corrente do Brasil determina as condições hidrográficas nas águas costeiras e
oceânicas da região (Vooren e Fernandes, 1989; Garcia, 1997).
Além das cinco espécies capturadas nos cruzeiros realizados com o B/P Margus II,
Diomedea epomophora, Thalassarche chlororhynchos e Fulmarus glacialoides também são
capturadas pelos espinhéis pelágicos e demersais da frota pesqueira (Vaske 1991; Vooren
e Brusque, 1999). No entanto, informações provenientes da pesca comercial, que concen-
tra suas atividades em áreas conhecidas pela abundância de peixes, tendem a produzir
resultados superestimados com relação à abundância de aves. Nos cruzeiros ora analisa-
dos, os lances foram realizados em faixas batimétricas paralelas, de forma que os dados
apresentados são bons indicadores da distribuição e abundância das aves oceânicas. As
capturas de aves se concentraram entre as latitudes de 30˚ e 35˚ S entre as longitudes de
48˚ a 52˚ W (Figura 3.1,Tabela 3.1). Com relação à profundidade, as capturas de aves ocor-
reram dispersas entre 123 e 360 m.

Tabela 3.2 – Dados morfométricos e biológicos de aves capturadas nos cruzeiros Margus II.

peso CT corda cauda Cúlmen tarso dedo dedo


Lance Espécie sexo idade
(g) (mm) (mm) (mm) (mm) (mm) c/unha s/unha
(mm) (mm)
5 Procellaria aequinoctialis M – 1360 550 390 127 52,0 70,0 88,0 76,0
6 Thalassarche melanophris F – 4300 870 525 205 119,0 92,0 136,0 11,8
8 Puffinus gravis M – 950 523 330 122 45,5 62,5 73,0 63,0
9 Puffinus gravis M – 1120 538 317 118 48,0 62,0 76,0 65,0
9 Puffinus gravis M – 1090 534 326 125 48,0 64,0 78,0 66,0
13 Thalassarche melanophris M – 3690 825 520 180 118,0 90,0 136,0 115,0
13 Thalassarche melanophris M – 3800 850 530 200 114,0 82,0 126,0 109,0
13 Procellaria aequinoctialis F – 1200 522 375 123 52,0 66,0 82,0 70,0
18 Procellaria aequinoctialis – – – 522 380 160 55,0 62,0 87,0 72,0
24 Procellaria aequinoctialis M – 1200 542 377 129 54,0 68,0 86,0 73,0
26 Thalassarche melanophris F J 4200 880 543 203 127,0 93,0 141,0 118,0
26 Puffinus gravis F I 1040 530 330 116 45,0 68,0 76,0 68,0
29 Procellaria aequinoctialis – – 1520 540 390 131 55,0 68,0 88,0 72,0
31 Procellaria aequinoctialis F – – 530 390 142 55,0 69,0 90,0 79,0
32 Procellaria conspicillata M – 1320 531 375 126 56,0 71,0 89,0 73,0
113 Diomedea exulans F A 3550 1070 610 220 149,0 120,0 165,0 147,0
152 Puffinus gravis F A 940 497 315 117 45,0 59,0 75,0 65,0

3.2.1 Diomedea exulans (Albatroz-viajeiro)


Apenas uma ave, identificada como uma fêmea adulta (Tabela 3.2), foi capturada
nos cruzeiros do B/Pq Margus II, em 21/04/97. Embora esta espécie seja mais abundante no
inverno, existem registros no verão (Stagi et al., 1997).
O albatroz-viageiro é uma espécie com distribuição circumpolar no oceano austral.
Apresenta hábitos exclusivamente pelágicos durante o período de descanso reprodutivo.
Distribui-se ao norte até o Trópico de Capricórnio (23˚S), mas regularmente ocorre até
10˚S entre a América do Sul e a África do Sul. Reproduz-se na Geórgia do Sul, Grupo Tristão
da Cunha, Ilhas Gough, I. Príncipe Edwards, I. Crozet, I. Kerguelen e, ocasionalmente, nas
Ilhas Heard, Macquaire, Antípodas, Auckland e Campbell. A população reprodutora conta
com cerca de 14.000 pares, provavelmente representando 100.000 aves. Esta espécie se
reproduz pela primeira vez com cerca de oito ou nove anos. Atualmente, na Geórgia do Sul
e I. Crozet tem se reproduzido mais cedo, provavelmente devido à mortalidade resultante

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


87
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 88

da sua interação com a pesca. Estima-se que cerca de 10% da população mundial é cap-
turada a cada ano por espinhéis (Enticott e Tipling; 1997).
As aves desta espécie que ocorrem no mar em frente às costas do sul do Brasil,
Uruguai e norte da Argentina, são provenientes principalmente dos ninhais da Geórgia do
Sul (Bird Island), onde cerca de 2.000 casais se reproduzem. O período reprodutivo dura
cerca de 13 meses. A ovoposição ocorre em dezembro e janeiro, a incubação dura cerca de
70 dias e o tempo do filhote no ninho em torno de 270 dias. Durante o período reproduti-
vo, estas aves se distribuem no Atlântico sudoeste entre as latitudes de 28˚S e 67˚S, mas
principalmente entre 33-38˚S e 43-45˚S, geralmente fora da isóbata de 1.000 m. As fêmeas
realizam viagens mais longas, alcançando latitudes menores entre o fim de julho e outubro,
quando o filhote está sendo alimentado e, desta forma, são mais vulneráveis à captura por
espinhéis que os machos (Prince et al., 1997). Nesta época, é uma espécie comum na borda
da plataforma continental do Rio Grande do Sul, onde se alimenta da lula Illex argentinus e
acompanha navios (Vooren e Fernandes, 1989; Vooren, 1997; Neves, 2000).

3.2.2 Thalassarche melanophris (Albatroz-de-sobrancelha)


Quatro exemplares foram capturados apenas durante o inverno, correspondendo a
25% das 19 aves capturadas. A proporção de sexos observada foi de 1:1 (Tabela 3.2). É uma
espécie de ocorrência circumpolar, distribuindo-se entre 65˚S e 23˚S (Trópico de
Capricórnio). Na costa do Peru e da Namíbia, devido à forte ressurgência, ocorre até 10˚S e
20˚S, respectivamente. Reproduz-se entre as latitudes de 46˚S e 56˚S no Chile, Argentina,
Ilhas Falkland (cerca de 70% da população mundial), Geórgia do Sul, I. Crozet, I. Kerguelen,
I. Heard, I. McDonald, I. Macquaire e I. Antípodas. A população mundial desta espécie conta
com cerca de 3.000.000 de indivíduos, dentre os quais, 682.000 casais que nidificam anual-
mente. Da população mundial, cerca de 80% nidifica nas Ilhas Malvinas e 14% no Arquipé-
lago da Geórgia do Sul. O período reprodutivo dura de 7 a 8 meses, de outubro a abril. Ao
término do período reprodutivo, estas aves migram para menores latitudes do Hemisfério
Sul. As aves da Geórgia do Sul se deslocam para o mar ao largo da África do Sul. As aves nidi-
ficantes nas I. Malvinas invernam principalmente na plataforma continental da América do
Sul, entre o sul do Brasil e o sul da Argentina, onde é o albatroz mais abundante durante o
inverno, entre julho e setembro. De outubro a maio, sua ocorrência é escassa (Vooren e
Fernandes, 1989; Enticott e Tipling, 1997; Prince et al., 1997; Neves 2000).

3.2.3 Procellaria aequinoctialis (Pardela-preta)


Esta espécie representou 38% das aves capturadas no inverno. P. aequinoctialis tem
uma distribuição circumpolar no Oceano Austral, geralmente entre 30˚S e 60˚S. Reproduz-
se na Geórgia do Sul (dois milhões de pares), I. Malvinas-Falkland, Grupo Tristão da Cunha
(100 pares), Príncipe Edwards (dezenas de centenas), Crozet (dezenas de centenas),
Kerguelen (dezenas de centenas), Antípodas, Auckland e I. Campbell (10.000-50.000 pares),
Ilhas Gough e Macquaire.O tamanho da população mundial é da ordem de milhões de aves.
Ocorre principalmente na região subantártica durante o período reprodutivo entre novem-
bro e maio. Durante o descanso reprodutivo, dispersa-se em direção norte, em regiões de
ressurgência subtropical, especialmente na América do Sul (até 6˚N na Corrente de
Humboldt), na África do Sul (até 12˚N na Corrente de Benguela), sul da Austrália e ao redor
da Nova Zelândia. Sua interação com a pesca de espinhel durante o dia e a noite tem resul-
tado em grande mortalidade (Enticott e Tipling, 1997).
As aves que ocorrem na plataforma continental do Rio Grande do Sul durante todo
o ano são provenientes do Grupo Tristão da Cunha, Ilhas Gough, Ilhas Patagônicas, Ilhas
Malvinas e da região antártica e subantártica. A maior densidade de aves é observada junto
à costa,entre as isóbatas de 0 e 100 m.É uma das espécies mais abundantes de junho a setem-
bro e, nos outros meses, é de ocorrência escassa. Acompanha os barcos de pesca em grandes
grupos, durante o dia e à noite (Vooren e Fernandes, 1989;Vooren, 1997; Neves, 2000).

88 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 89

3.2.4 Procellaria conspicillata (Pardela-de-óculos)


Um indivíduo foi capturado em 14/09/96, o que representa 6% das aves capturadas
no inverno. Espécie de distribuição circumpolar no Oceano Austral, geralmente entre 30˚S e
60˚S, reproduz-se apenas na Ilha Inacessível (Grupo Tristão da Cunha) durante o verão, e a
população reprodutora é estimada em 1.000 pares.Na costa do Rio Grande do Sul, esta espé-
cie é comum ao longo de todo o ano. Ocorre apenas sobre o talude continental e não é
observada sobre a plataforma.Durante o verão,os indivíduos reprodutores vêm em busca de
alimento, assim como aves jovens e/ou adultos em repouso sexual. Não existem registros
desta espécie em águas uruguaias e argentinas, o que sugere que elas se concentram na
costa sul do Brasil. Esta espécie possui o hábito de acompanhar barcos de pesca, e sua inte-
ração com a pesca de espinhel,durante o dia e à noite,tem resultado em grande mortalidade
(Vooren e Fernandes, 1989; Enticott e Tipling, 1997; Vooren e Brusque, 1999; Neves 2000).

3.2.5 Puffinus gravis (Pardela-de-sobre-branco)


Esta espécie representou 31% das aves identificadas capturadas no inverno (n = 16),
e 50% das aves capturadas no outono (n = 2). Sua ocorrência é restrita aos oceanos Atlân-
tico e Índico. Reproduz-se apenas nas Ilhas Malvinas-Falkland (entre setembro e maio, em
número de centenas), no Grupo Tristão da Cunha (mais de cinco milhões de pares) e nas
Ilhas Gough (entre 600.000 e três milhões de pares). Durante o período reprodutivo, entre
novembro e maio, vaga pelo sul do Oceano Atlântico e sudoeste do Oceano Índico em bus-
ca de alimento (entre 38˚S e 52˚S). Após a reprodução, faz migração transequatorial atin-
gindo até 66˚N (Enticott e Tipling, 1997).
As aves desta espécie que ocorrem na plataforma continental do Rio Grande do Sul
são originárias do Grupo Tristão da Cunha e das Ilhas Gough. A maior abundância ocorre
entre outubro e maio, quando os indivíduos reprodutores utilizam o mar em frente ao sul
do Brasil para se alimentar. De junho a setembro, ocorre em menor densidade e, provavel-
mente, são indivíduos jovens que permanecem na região enquanto os adultos realizam sua
migração transequatorial. Possuem forte hábito de acompanhar barcos de pesca, o que
resulta em grande vulnerabilidade à captura acidental em espinhéis (Vooren e Fernandes,
1989; Neves, 2000).

3.3 Considerações finais


Em 13 dos 188 lances, foi capturado um total de 19 aves, sendo que 90% das cap-
turas ocorreram durante o inverno (Tabela 3.1). É nesta época que ocorre o pico de pro-
dução de zooplâncton, pequenos peixes pelágicos e lulas no mar em frente à costa do Rio
Grande do Sul, que constituem uma importante fonte de alimento para albatrozes e
petréis. Também devido a esta alta produtividade, durante o inverno, observa-se a intensi-
ficação do esforço de pesca da frota espinheleira nesta região. A atividade pesqueira
aumenta a oferta de alimento para as aves através de um grande volume de descarte, mas,
por outro lado, também é responsável pelo aumento da ocorrência de capturas incidentais
(Neves e Olmos, 1997;Vooren, 1997; Neves, 2000). Estima-se que a cada ano são capturados
incidentalmente pela frota de espinhel-de-fundo, cerca de 330 Thalassarche melanophrys,
720 Procellaria aequinoctialis, 200 Procellaria conspicillata e 2600 Puffinus gravis. Estas esti-
mativas, para a frota que atua com espinhel pelágico, são: 230 Diomedea exulans, 1500
Thalassarche melanophrys, 670 Procellaria aequinoctialis, 520 Procellaria conspicillata e 110
Puffinus gravis (Olmos et al., no prelo).
O ciclo sazonal de atividades das aves oceânicas é ajustado ao ciclo biológico do mar,
de forma a garantir alimento de tamanho, qualidade e quantidade adequados para o supri-
mento de filhotes e adultos dentro do raio de ação destes.Para cada espécie de ave e cada área
geográfica em particular, os detalhes dependem do ciclo anual das correntes oceânicas, que
determinam a variação sazonal da produção biológica (Vooren e Fernandes, 1989).

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


89
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 90

Os Procellariiformes se alimentam de peixes, cefalópodos e crustáceos em diferen-


tes proporções, de acordo com o hábito de cada espécie.Muitas destas presas migram para
a superfície durante a noite e descem ao amanhecer, o que significa que estas aves se ali-
mentam durante o dia e a noite. Procellaria aequinoctialis é silenciosa durante o dia, mas no
escuro mantém comunicação acústica através de um cacarejar agudo, o que leva a crer que
esta espécie seja essencialmente noturna na busca do alimento. Os Puffinus pescam duran-
te o dia sobre cardumes de pequenos peixes que são concentrados na superfície pela ação
predatória de peixes maiores, como atuns (Vooren e Fernandes, 1989).
Têm sido empregadas algumas medidas para evitar a captura incidental de aves
por espinhéis. Fazer o lançamento do espinhel durante a noite e com as luzes de bordo
reduzidas tem apresentado bons resultados. Porém, esta medida pode resultar em grande
perda de iscas e pescado, devido à atuação de isópodos carnívoros de hábitos noturnos.
Aves do gênero Procellaria alimentam-se à noite e ainda podem ser capturadas, principal-
mente em noites iluminadas pela lua.
O espantador de aves, também conhecido por bird line ou tori line consiste em um
cabo principal preso acima da área onde o espinhel é lançado, do qual pendem linhas
secundárias que balançam de forma imprevisível, evitando que as aves tenham acesso aos
anzóis. O bom funcionamento deste equipamento depende de que estes cubram a área
onde os anzóis são mais vulneráveis às aves, antes da sua submersão.
Quanto mais rápido o espinhel afunda, menor a vulnerabilidade dos anzóis às aves.
Assim, descongelar as iscas antes do seu lançamento e prender lastros às linhas ou ao cabo
principal reduz a captura incidental de aves. O lançamento de descartes atrai aves, e deve-
se evitar este procedimento na área de lançamento do espinhel.
A captura incidental de aves também resulta em prejuízo pela perda de iscas e pela
redução do poder de pesca do aparelho. Estima-se que, a cada ave capturada, pelo menos
20 anzóis perderam suas iscas. No Brasil, poucos pescadores evitam a captura de aves ou a
perda de iscas para estas. Alguns barcos tentam espantar as aves com sirenes, mas as aves
rapidamente se habituam ao barulho. Têm sido feitos experimentos com espantadores,
mas ainda não existem perspectivas de que este seja adotado como equipamento básico
na pesca com espinhel (Olmos et al., no prelo).
A plataforma continental do sul do Brasil sob a influência da Convergência Subtro-
pical é uma das principais áreas de alimentação para as aves oceânicas do Atlântico Sul e
também é a área de pesca de cerca de 64 barcos que pescam com espinhéis demersais e
pelágicos, sediados principalmente nos portos de Santos (SP), Itajaí (SC) e Rio Grande (RS)
(Santos, 1999; Olmos et al., no prelo). A implantação, nesta frota, de métodos que evitem a
captura incidental de aves representa uma importante ação em prol da conservação
destas populações.

3.4 Referências bibliográficas


Enticott, J. & Tipling, D., 1997, Seabirds of the World - the Complete Reference. Stackpole Books.
Garcia, C.A.E., 1997, Hydrographic Characteristics, pp. 18-19. In: Subtropical Convergence Environments -
The Coast and the Sea in the Southwestern Atlantic. U. Seeliger, C. Odebrecht & J.P. Castello (Eds.).
Springer.
Harrison, P., 1985, Seabirds - An Identification Guide. Houghton Mifflin.
Neves,T.S. & Olmos, F., 1997, Albatross mortality in fisheries off the coast of Brazil, pp. 214-219. In: Albatross
Biology and Conservation. G. Robertson & R. Gales (Eds.) Surrey Beauty & Sons, Chipping Norton.
Neves,T.S., 2000, Distribuição e Abundância de Aves Marinhas na Costa Sul do Brasil. Rio Grande: Fundação
Universidade Federal do Rio Grande. Dissertação de Mestrado.
Olmos, F., 1997, Seabirds attending bottom long-line fishing off southeastern Brazil. Ibis, 139: 685-691.
Olmos, F., Bastos, G., Neves,T.S. & Cooper, J., no prelo. Pescando o céu: a pesca com espinhel e a mortalidade
de aves pelágicas no Brasil. Ciência Hoje.
Peres, M.B. & Haimovici, M., 1998, A pesca dirigida ao cherne-poveiro Polyprion americanus (Polyprionidae,
Teleostei) no sul do Brasil. Atlântica, 20: 141-161.

90 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 91

Prince, P.A., Croxall, J.P.,Tratham, P.N & Wood, A.G., 1997,The pelagic distribution of South Georgia albatross-
es and their relationships with fisheries, pp. 137-167. In: Albatross Biology and Conservation. G.
Robertson & R. Gales (Eds.) Surrey Beauty & Sons, Chipping Norton.
Santos, S., 1999, A pesca de espinhel de superfície (“longline”) na região sudeste-sul do Brasil no ano 1998,
183 p. Relatório anual técnico científico Programa REVIZEE - Score Sul, Sub-projeto “Avaliação das
Capturas de Elasmobrânquios”. CEPSUL/IBAMA Itajaí, SC.
Stagi, A., Vaz-Ferreira, R., Marín, Y. & Joseph, L., 1997, The conservation of albatrosses in uruguaian waters,
pp. 220-224. In: Albatross Biology and Conservation. G. Robertson & R. Gales (Eds.) Surrey Beauty
& Sons, Chipping Norton.
Vaske, T. Jr. 1991. Seabird mortality on longline fishing for tuna in Southern Brazil. Ciência e Cultura 43(5):
388-390.
Vooren, C.M. & Fernandes, A.C., 1989, Guia de Albatrozes e Petréis do Sul do Brasil. Ed. Sagra.
Vooren, C.M., 1997, Sea and Shore Birds. pp. 155-159. In: Subtropical Convergence Environments – The
coast and the sea in the Southwestern Atlantic. U. Seeliger, C. Odebrecht & J.P. Castello (Eds.).
Springer.
Vooren, C.M. & Brusque, L.F., 1999, As Aves do Ambiente Costeiro do Brasil: Biodiversidade e Conservação.
Programa Nacional da Diversidade Biológica (PRONABIO), Subprojeto: Avaliação e Ações Priori-
tárias para a Zona Costeira e Marinha, Área temática: Aves Marinhas.

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


91
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 92

92 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 93

4. DIVERSIDADE E ASSOCIAÇÃO
DE ESPÉCIES NAS CAPTURAS DE
ESPINHEL-DE-FUNDO

Antônio Olinto Ávila-da-Silva


Manuel Haimovici

Resumo
A análise da diversidade e da associação de espécies observadas nas capturas reali-
zadas com espinhel-de-fundo entre o Chuí, RS (35˚S) e São Tomé, RJ (22˚S), de 100 a 500 m
de profundidade, nos períodos de agosto a outubro de 1996 e de abril a junho de 1997, foi
conduzida com base nos dados obtidos em 188 operações de pesca, onde foram captura-
dos 22.891 peixes.A aplicação de modelos lineares generalizados sobre estes dados indicou
que a taxa de captura aumenta primeiramente com a latitude e, secundariamente, com a
profundidade. De forma geral, as maiores taxas foram registradas nas maiores profundi-
dades da porção sul da área de estudo. No entanto, interações importantes entre a latitude,
a profundidade e a época do ano mostraram que os padrões de variação na abundância das
espécies são distintos entre as porções sul e norte. No sul (28˚S a 35˚S) foi observada uma
forte variação da taxa de captura registrada entre os dois períodos analisados, principal-
mente nas isóbatas de 100 a 250 m. Nesta área, o gradiente de profundidade afeta com
maior magnitude a diversidade das capturas e a associação de espécies. No norte (22˚S a
28˚S), além do efeito da profundidade, há um marcante efeito da variação latitudinal na
diversidade e na composição das capturas, principalmente nas menores profundidades. As
análises de classificação e ordenação determinaram os grupos de espécies característicos
das regiões de quebra de plataforma e de talude superior e, principalmente na porção nor-
te, indicaram a mudança na composição das capturas de acordo com a variação latitudinal.

4.1 Introdução
O presente estudo foi desenvolvido no contexto do projeto “Prospecção Pesqueira
com Espinhel-de-fundo” do Subcomitê Sul do Programa de Avalição do Potencial Susten-
tável de Recursos Vivos na Zona Econômica Exclusiva – REVIZEE Score Sul e teve como
objetivo a identificação dos padrões de distribuição e de associação das espécies obser-
vadas nas capturas. A identificação destes padrões é considerada uma pré-condição para
a compreensão dos estoques multiespecíficos e para o delineamento de estratégias de
manejo orientadas ao ecossistema (Caddy e Sharp, 1986).

4.2 Materiais e Métodos


O estudo da diversidade e da associação de espécies nas capturas de espinhel-de-
fundo realizadas com o B/P Margus II foi desenvolvido com base nas informações de cap-
tura e esforço pesqueiro das 188 operações de pesca realizadas no período de 28 de agos-
to a 25 de outubro de 1996, chamado de cruzeiro de primavera, e entre 11 de abril e 16 de
junho de 1997, denominado cruzeiro de outono. A descrição da área de estudo, assim

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


93
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 94

como a disposição dos perfis de coleta em relação à costa e o posicionamento das opera-
ções de pesca encontram-se indicados no Capítulo 1 deste livro.
A abundância relativa por espécie em cada operação de pesca foi dada pela taxa
instantânea de remoção parcial de isca (i), que ajusta a informação de captura de acordo
com o efeito da saturação do aparelho de pesca,da competição entre as espécies e da perda
de iscas causada por organismos detritívoros (Hovgård e Lassen, 2000; ver seção 1.3.2.6.
As variações da taxa de remoção parcial de isca por espécie (li) e do índice estatís-
tico de informação de diversidade de Shannon (H’) (Magurran, 1988) foram analisadas
através do ajuste de modelos lineares generalizados e de sua deviância (McCullagh e
Nelder, 1989; Hastie e Pregibon, 1997). Foram testados os efeitos das variáveis contínuas
latitude, profundidade e da variável categórica cruzeiro com os níveis primavera e outono.
A adequação da escolha da função de distribuição na descrição da variável resposta foi
verificada através da prova de aderência de Komolgorov-Smirnov (KS) (Siegel, 1975; Zar,
1996) e pela plotagem da deviância residual do modelo e de seus intervalos de confiança
com nível de significância de 5%.
A análise das associações de espécies capturadas foi conduzida através da apli-
cação de métodos multivariados de classificação e ordenação. A seleção das espécies para
estas análises foi baseada no número absoluto de indivíduos por espécie (Ns) e na freqüên-
cia relativa de ocorrência nas operações de pesca (Frs). Foram selecionadas as espécies que
apresentaram uma freqüência relativa de ocorrência de 5% ou mais e um número de, pelo
menos, dez indivíduos capturados. As matrizes biológicas utilizadas para as análises con-
tiveram dados transformados da taxa de remoção parcial de isca por espécie e operação
de pesca (log(li+1)).
Primeiramente, utilizou-se o método de classificação hierárquica divisiva Análise
Indicadora em Duas Vias (TWINSPAN) (Hill, 1979), implementado pelo programa PC-ORD
para Windows versão 3.20 (McCune e Mefford, 1997), para identificar os conjuntos de ope-
rações de pesca com composição de captura semelhante e os grupos de espécies com
mesmo padrão de ocorrência. A Análise Canônica de Correspondência (ACC), implementa-
da através do programa CANOCO para Windows versão 4 (ter Braak, 1986, 1988 e 1995), foi
aplicada para detectar os padrões de variação da abundância das espécies selecionadas e
sua relação com o meio. As variáveis ambientais utilizadas para caracterizar as operações
de pesca foram a profundidade e o posicionamento geográfico (latitude e longitude).

4.3 Resultados e Discussão


Nas 188 operações de pesca realizadas, foram capturados 22.891 peixes teleósteos
e elasmobrânquios. Os valores da taxa instantânea de remoção de isca (i), utilizados como
índice de abundância relativa, calculados para o conjunto de peixes ósseos e cartilaginosos
por operação de pesca, seguiram a distribuição gama (KS: P = 0,3469) e, de acordo com os
resultados de sua análise de deviância, tiveram a latitude como principal fonte de variação.
A profundidade foi identificada como o segundo fator mais importante, seguido da época
do ano, i.e., do período de realização do cruzeiro. De forma geral, as maiores capturas foram
obtidas na porção sul da área de estudo, até as proximidades de Tramandaí - RS, e tenderam
a aumentar com a profundidade. O rendimento das capturas do cruzeiro de outono foram
ligeiramente superiores às do cruzeiro de primavera (Tabelas 4.1 e 4.2 e Figuras 4.1 a 4.3).
No entanto, também foram identificadas interações importantes entre estes fato-
res. No cruzeiro de outono, nas latitudes mais altas e nas menores profundidades, foi obser-
vada uma queda acentuada na captura (interações latitude  profundidade e latitude 
período). Ainda, em toda a área de estudo, o aumento das capturas com o aumento da pro-
fundidade foi mais evidente no cruzeiro de outono (interação profundidade  período).
Este padrão de variação foi influenciado principalmente pela flutuação na ocorrência de
elasmobrânquios, em maior número nas capturas do cruzeiro de outono ao sul de Tra-
mandaí e profundidades inferiores a 250 m (Tabela 4.4). Os resultados sugerem que a dis-

94 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 95

Tabela 4.1 – Número de elasmobrânquios e teleósteos capturados por cruzeiro.

Grupo Cruzeiro Total Total %


Primavera Outono
Elasmobrânquios 4240 1133 5373 23,5%
Teleósteos 7410 10108 17518 76,5%
Total 11650 11241 22891 100,0%
Total% 50,9% 49,1% 100,0% –

Tabela 4.2 – Análise de deviância para o modelo linear generalizado com os efeitos principais e as interações
de primeira ordem significativas, baseado na distribuição gama com função de ligação logarítmica, ajustado
aos valores da taxa parcial de remoção de iscas de peixes ósseos e cartilaginosos nos cruzeiros de primavera
e outono do B/P Margus II.

Gl. Deviância Gl. Resid. Dev. Resid. F Pr(>F)


Nulo 187 216,513
Latitude 1 31,429 186 185,084 43,839 3,57  10–11
Profundidade 1 12,826 185 172,258 17,891 2,34  10–05
Período 1 2,988 184 169,270 4,168 0,041184
Longitude 1 2,184 183 167,085 3,047 0,080902
Lat.  Prof. 1 6,558 182 160,527 9,147 0,002491
Lat.  Período 1 4,040 181 156,487 5,635 0,017603
Prof.  Período 1 6,288 180 150,200 8,770 0,003062

Tabela 4.3 – Coeficientes do modelo linear generalizado com os efeitos principais e as interações de primeira
ordem, baseado na distribuição gama com função de ligação logarítmica, ajustado aos valores da taxa parcial
de remoção de iscas de peixes ósseos e cartilaginosos nos cruzeiros de primavera e outono do B/P Margus II.

Coeficiente Erro Padrão Pr(>|z|)


Intercepto –6,9674 2,3496 0,00302
Latitude 0,3454 0,0828 0,00003
Profundidade 0,0108 0,0038 0,00510
Período:Outono 1,0421 0,9639 0,27965
Longitude –0,1113 0,0828 0,17900
Lat.  Prof. –0,0004 0,0001 0,00790
Lat.  Período –0,0786 0,0326 0,01594
Prof.  Período 0,0030 0,0010 0,00259

100 a 250 m 250 a 500 m


1,0

1,0
taxa parcial de remoção de isca ()
0,8

0,8
0,6

0,6
0,4

0,4
0,2

0,2
0,0

0,0

1 3 5 7 9 11 13 16 17 1 3 5 7 9 11 13 16 17
perfil perfil

Figura 4.1 – Boxplot da taxa de remoção parcial de isca por peixes () nas operações do cruzeiro de prima-
vera do B/P Margus II por estrato de profundidade e perfil.

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


95
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 96

100 a 250 m 250 a 500 m

1,0

1,0
0,8

0,8
taxa parcial de remoção de isca ()
0,6

0,6
0,4

0,4
0,2

0,2
0,0

0,0
1 3 5 7 9 11 13 15 17 1 3 5 7 9 11 13 15 17
perfil perfil

Figura 4.2 – Boxplot da taxa de remoção parcial de isca por peixes () nas operações do cruzeiro de outono
do B/P Margus II por estrato de profundidade e perfil.
1,0
taxa parcial de remoção de isca ()
0,8
0,6
0,4

Figura 4.3 – Boxplot da taxa de remoção par-


0,2

cial de isca por peixes () nas operações do


B/P Margus II por cruzeiro (primavera e outo-
0,0

no) e estrato de profundidade.


Primavera 100 Outono 100 Primavera 250 Outono 250
cruzeiro. profundidade

Tabela 4.4 – Números absolutos e relativos de captura de peixes teleósteos e elasmobrânquios por classe de
profundidade e cruzeiro.

Profundidade (m)
Grupo Cruzeiro Total
100-250 250-500
Elasmobrânquios Primavera 2376 (56%) 1864 (44%) 4240 (100%)
Outono 790 (70%) 343 (30%) 1133 (100%)
Teleósteos Primavera 1522 (20%) 5888 (80%) 7410 (100%)
Outono 1134 (11%) 8974 (89%) 10108 (100%)

tribuição destes peixes é fortemente influenciada pela dinâmica oceanográfica da região


onde, no período de inverno e primavera, há um aumento da produtividade sobre a plata-
forma causado pelo aporte de nutrientes de origem terrígena e pelo deslocamento para o
norte da água subantártica de plataforma (Odebrecht e Castello, 2001).
Os valores do índice de diversidade de Shannon (H’) calculados para as operações
de pesca seguiram uma distribuição normal (KS: P = 0,965), sendo os maiores valores cal-
culados para as profundidades entre 100 e 250 m. A variação de H’ foi distinta nas áreas
norte, situada em sua maior parte no sudeste brasileiro e sul da região de estudo. Nesta
última, os valores de H’variaram dentro de uma maior faixa de amplitude e de forma menos
sistemática do que quando comparados à porção norte (Figuras 4.4 a 4.6).
A análise do modelo linear generalizado ajustado aos dados de diversidade das

96 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 97

100 a 250 m 250 a 500 m

2,0
2,0

1,5
1,5
H’

1,0
1,0

0,5
0,5
0,0

0,0
1 3 5 7 9 11 13 15 17 1 3 5 7 9 11 13 15 17
perfil perfil
Figura 4.4 – Boxplot do índice de diversidade de Shannon (H’) nas operações do cruzeiro de primavera do
B/P Margus II por estrato de profundidade e perfil.

100 a 250 m 250 a 500 m


2,0

2,0
1,5
1,5
H’

1,0
1,0

0,5
0,5
0,0

0,0

1 3 5 7 9 11 13 15 17 1 3 5 7 9 11 13 15 17
perfil perfil
Figura 4.5 – Boxplot do índice de diversidade de Shannon (H’) nas operações do cruzeiro de outono do B/P
Margus II por estrato de profundidade e perfil.
2,0
1,5
H’
1,0
0,5

Figura 4.6 – Boxplot do índice de


diversidade de Shannon (H’) nas
operações B/P Margus II por
cruzeiro (primavera e outono) e
0,0

estrato de profundidade.
Primavera 100 Outono 100 Primavera 250 Outono 250
cruzeiro. profundidade

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


97
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 98

Tabela 4.5 – Análise de deviância para o modelo linear generalizado com os efeitos principais significativos,
baseado na distribuição normal com função de ligação logarítmica, ajustado aos valores do índice de diversi-
dade de Shannon (H’) das operações de pesca do B/P Margus II realizadas entre 28 e 35˚S (perfis 1 a 8).

Gl. Deviância Gl. Resid. Dev. Resid. F Pr(>F)


Nulo 86 20,925
Profundidade 1 3,4226 85 17,502 16,622 1,023  10–04

Tabela 4.6 – Coeficientes do modelo linear generalizado com os efeitos principais, baseado na distribuição
gama com função de ligação logarítmica, ajustado aos valores do índice de diversidade de Shannon (H’) das
operações de pesca do B/P Margus II realizadas entre 28 e 35˚S (perfis 1 a 8).

Coeficiente Erro Padrão Pr(>|z|)


Intercepto 0,40900 0,1275 0,001892
Profundidade –0,00175 0,0005 3,09  10–04

Tabela 4.7 – Análise de deviância para o modelo linear generalizado com os efeitos principais e as interações
de primeira ordem significativas, baseado na distribuição normal com função de ligação logarítmica, ajustado
aos valores do índice de diversidade de Shannon (H’) das operações de pesca do B/P Margus II realizadas
entre 22 e 28˚S (perfis 9 a 18).

Gl. Deviância Gl. Resid. Dev. Resid. F Pr(>F)


Nulo 99 14,548
Profundidade 1 2,9624 98 11,586 27,0530 1,14  10–06
Latitude 1 0,5707 97 11,015 5,2116 0,02467
Período 1 0,0610 96 10,954 0,5572 0,45721
Prof._Período 1 0,5511 95 10,403 5,0329 0,02719

Tabela 4.8 – Coeficientes do modelo linear generalizado com os efeitos principais e as interações de primeira
ordem, baseado na distribuição gama com função de ligação logarítmica, ajustado aos valores do índice de
diversidade de Shannon (H’) das operações de pesca do B/P Margus II realizadas entre 22 e 28˚S (perfis 9 a 18).
Coeficiente Erro Padrão Pr(>|z|)
Intercepto 1,64436 0,6246 0,00989
Profundidade –0,00099 0,0004 0,01606
Latitude –0,05576 0,0246 0,02600
Período:Outono 0,29060 0,1710 0,09245
Prof._Período –0,00140 0,0006 0,03356

operações realizadas entre os perfis 1 e 8 (28 a 35˚S) indicou que a profundidade foi o
único fator de efeito significativo (Tabelas 4.5 e 4.6). Já na área compreendida entre os per-
fis 9 a 18 (22 a 28˚S), além da profundidade, tiveram efeitos significativos a latitude e o
período de execução do cruzeiro (Tabelas 4.7 e 4.8). Nesta área, a diversidade das capturas,
além de diminuir com a profundidade, tendeu a decrescer para o sul e, no cruzeiro de ou-
tono, a diminuição da diversidade com a profundidade foi ainda mais acentuada.
Considerando as diferenças de captura e diversidade de espécies observadas nas
etapas anteriores deste estudo, as análises sobre associação de espécies foram conduzidas
separadamente para a área compreendida entre os perfis 1 e 9 (27 a 35˚S), chamada de
área sul, e entre os perfis 8 e 18 (22 a 30˚S), denominada área sudeste. De acordo com os
critérios de seleção, foram incluídas nas análises de associação de espécies nas áreas
sudeste e sul, respectivamente, 20 e 18 espécies ou categorias (Tabela 4.9). A captura em
número das espécies selecionadas representou 99% do total.
A Análise de Espécies Indicadoras em Duas Vias (TWINSPAN), realizada para os perfis
da área sul dos cruzeiros de primavera e outono (Figuras 4.7 e 4.8), mostrou conjuntos de
operações de pesca de captura semelhante, caracterizados por estratos de profundidades
sem, no entanto, evidenciar diferenças marcantes nos valores da taxa parcial de remoção de
iscas entre os grupos (Figuras 4.9 e 4.10). Espécies como Polyprion americanus, Urophycis
mystacea e Helicolenus lahillei foram capturadas em conjunto e de forma abundante em pro-

98 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 99

Sul Norte Tabela 4.9 – Espécies


Espécie Código selecionadas para a aná-
N FO N FO
lise de associação com
Carcharhinus spp. CASP 49 15% 97 26% indicação dos códigos
Caulolatilus chrysops CACH – – 12 7% atribuídos, número de in-
Epinephelus niveatus EPNI 31 13% 198 30% divíduos (N) capturados e
Galeorhinus galeus GAGA 76 15% – – freqüência de ocorrência
Genypterus brasiliensis GEBR 70 14% 57 25% (FO) nas áreas sul (perfis 1
Gymnothorax spp. GYSP 37 19% 187 41% e 9, de 27 a 35˚S) e sudes-
Helicolenus lahillei HEDA 1903 55% 1231 30% te (8 a 18, de 22 a 30˚S) da
Heptranchias perlo HEPE 21 12% 29 17% região de estudo.
Lopholatilus villarii LOVI 1026 39% 1668 59%
Merluccius hubbsi MEHU 11 5% 155 28%
Mustelus spp. MUSP 258 22% 76 16%
Pagrus pagrus PAPA 370 14% 40 9%
Polymixia lowei POLO 22 6% 144 27%
Polyprion americanus POAM 349 44% 25 7%
Prionotus punctatus PRPU 27 5% – –
Pseudopercis numida PSNU 50 12% 325 41%
Raja spp. RASP 36 14% – –
Schroederichthys saurisqualus SCSP 10 6% 15 6%
Scyliorhinus haeckelli SYSP 32 19% 38 16%
Squalus spp. SQSP 3291 59% 1489 47%
Urophycis mystacea URMY 4955 68% 6474 62%
Genypterus brasiliensis
Schroederichthys spp.

Pseudopercis numida
Polyprion americanus

Epinephelus niveatus
Urophycis mystacea

Prionotus punctatus
Galeorhinus galeus

Heptranchias perlo

Gymnothorax spp.
Helicolenus lahillei

Carcharhinus spp.
Merluccius hubbsi

Lopholatilus villarii
Scyliorhinus spp.
Polymixia lowei

Pagrus pagrus
Mustelus spp.
Squalus spp.

Raja spp.
AA ABA ABB BA BBA BBB taxa de remoção
parcial de isca (i)
ST001 6 3 1 (0,0000–0,0011)
ST002 6 5 2 2 (0,0011–0,0028)
ST012 3 6 6 5 2 3 (0,0028–0,0056)
ST007 5 6 4 4 (0,0056–0,0183)
ST016 5 6 4 5 (0,0183–0,0552)
ST021 5 6 2 6 (0,0552–0,9454)
ST027 6 5
ST028 5 6 6
ST042 2 6 4
ST039 5 4 1 1 1
ST040 2 4 6 2 2
ST041 2 5 4 2
ST033 2 3 6 3
ST043 aa 2 4 6 5
ST029 6 4 2 2 2 3 2
ST023 2 6 3 5 2 3 2
ST003 5 5 6 6 5 4 3
ST004 3 5 6 6 4 3 2 3
ST008 3 4 6 6 5 2 3 4
ST017 2 4 6 6 2 3 2
ST022 2 3 5 6 3
ST009 2 5 4 6 5 4 5
ST010 2 4 4 6 5 4 4 2 2
ST013 3 4 5 5 3 2 6 2
ST014 3 3 3 5 2 2 5 2 2
ST018 5 5 6
ST034 2 6 3 2 2
ST011 2 5 6 2 2 3 2 5 4 2 5
ST019 4 2 5 2 6 5 2 3
ST020 2 2 2 2 5 4 2 Figura 4.7 – Tabela orde-
ST044 2 4 2 nada dos grupos de ope-
ST035 4 2
ST036 3 2 2 rações de pesca (aa, ab,
ST046 ab 5 3 2 2 2 ba e bb) e de espécies
ST005 7 4 3 (AA, ABA, ABB, BA, BBA
ST031 6 2
ST024 2 4 2 2 3 3 2 e BBB), resultantes da
ST030 6 3 5 3 Análise de Espécies Indi-
ST038 4 2 4 2
cadoras em Duas Vias
ST045 4 2
ST006 5 6 5 3 3 (TWINSPAN) das opera-
ST015 ba 2 4 2 4 2 5 3 4 3 4 ções de pesca realizadas
ST025 4 4 6
ST026 3 6
nos perfis 1 a 9 (27˚S a
bb
ST032 4 4 6 35˚S) do cruzeiro de pri-
ST037 4 3 4 4 4 mavera do B/P Margus II.

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


99
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 100

Genypterus brasiliensis

Schroederichthys spp.

Pseudopercis numida
Polyprion americanus

Epinephelus niveatus
Urophycis mystacea

Prionotus punctatus
Galeorhinus galeus

Heptranchias perlo
Gymnothorax spp.
Helicolenus lahillei

Carcharhinus spp.
Merluccius hubbsi

Lopholatilus villarii
Scyliorhinus spp.
Polymixia lowei

Pagrus pagrus
Mustelus spp.

Squalus spp.
Raja spp.
AA AAB AB BAA BAB BB taxa de remoção
parcial de isca (i)
ST105 5 5 3 6 1 (0,0000–0,0010)
ST108 aa 4 2 6 6 2 (0,0010–0,0019)
ST109 6 2 3 6 3 (0,0019–0,0040)
ST138 3 2 5 4 4 (0,0040–0,0090)
ST102 5 5 5 3 5 (0,0090–0,0325)
ST114 3 3 5 6 5 3 6 (0,0325–0,3496)
ST101 4 6 2
ST107 6 3 6 2
ST117 5 3 6 2 2
ST134 6 3 7 2 3
ST128 2 4 6 2
ST104 5 5 6 3 4
ST106 3 3 6 2 5
ST113 3 3 4 1 2
ST116 4 3 6
ST096 5
ST098 ab 6 3 3
ST115 5 3 5
ST118 5 3 6 4 3
ST124 5 6
ST125 6 6
ST126 3 2 6 4 6 2
ST134 4 5 6
ST136 2 5 2 6 2
ST137 4 2 6 2 6 5
ST099 6 4 4 2 5 3 2
ST103 4 5 3 2 4 2 4
ST127 6 3 2 2 4 5
ST133 2 5 3 4 3 4 1
ST123 4 2 2 5 4
ST112 1 5 3
ST129 5 2 3
ST132 ba 1 4 1 5
ST119 2 2 4 3 3
ST122 6 3 2 6
ST139 2 2 5
ST111 1 3 3 1
ST095 3 4 6 4 4 6
ST100 3 5 6 6
ST110 2 3 2 2 4 3
ST121 2 5 5
ST130 bb 2 2 4 4
ST140 2 2 5
ST141 2 3 4 3
ST120 3 4 6
ST131 2 2 2 4 4

Figura 4.8 – Tabela ordenada dos grupos de operações de pesca (aa, ab, ba e bb) e de espécies (AA, AAB,
AB, BAA, BAB e BB), resultantes da Análise de Espécies Indicadoras em Duas Vias (TWINSPAN) das opera-
ções de pesca realizadas nos perfis 1 a 9 (27˚S a 35˚S) do cruzeiro de outono do B/P Margus II.

fundidades maiores que 300 m e Epinephelus niveatus e Pagrus pagrus em profundidades


menores que 200 m. Os cações do gênero Squalus e Mustelus e a espécie Heptranchias perlo,
que apresentaram uma distribuição batimétrica relativamente ampla no cruzeiro de prima-
vera, tenderam a ocorrer com menor abundância e em menores profundidades no cruzeiro
de outono. As capturas de Lopholatilus villarii, espécie que também foi abundante e fre-
qüente, ocorreram associadas às Heptranchias perlo e às moréias do gênero Gymnothorax.
A análise de agrupamento realizada para os perfis da área sudeste (Figuras 4.11 e
4.12) indicou associações de espécies bem mais marcantes do que na porção sul. As asso-
ciações de espécies observadas nas operações de pesca realizadas em profundidades de
300 a 500 m foram as mesmas nos dois cruzeiros. Nesta faixa batimétrica, tanto no cruzeiro
de primavera quanto no de outono, foram identificados dois grupos: o dos cações do gêne-
ro Schroederichthys e dos peixes ósseos Polymixia lowei, Polyprion americanus e Helicolenus
lahillei (grupo AA), e o dos cações do gênero Carcharhinus e dos teleósteos Urophycis mys-
tacea, Merluccius hubbsi e Genypterus brasiliensis (grupo AB). As características das ope-

100 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 101

0,8
taxa parcial de remoção de isca ()
0,6
0,4
0,2
0,0 aa ab ba bb
grupos de operações de pesca

B
100
200
profundidade (m)
300
400
500

aa ab ba bb
grupos de operações de pesca

C
28
29
30
latitude (˚S)
31
32
33
34

aa ab ba bb
grupos de operações de pesca

Figura 4.9 – Características dos grupos de operações de pesca realizadas nos perfis 1 a 9 (27˚S a 35˚S) do
cruzeiro de primavera do B/P Margus II determinados através do TWINSPAN: A) taxa de remoção de iscas por
peixes (), B) profundidade, C) latitude.

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


101
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 102

0,4
taxa parcial de remoção de isca ()
0,3
0,2
0,1
0,0
aa ab ba bb
grupos de operações de pesca

B
100
200
profundidade (m)
300
400
500

aa ab ba bb
grupos de operações de pesca

C
28
29
30
latitude (˚S)
31
32
33
34

aa ab ba bb
grupos de operações de pesca

Figura 4.10 – Características dos grupos de operações de pesca realizados nos perfis 1 a 9 (27˚S a 35˚S) do
cruzeiro de outono do B/P Margus II determinados através do TWINSPAN: A) taxa de remoção de iscas por
peixes (), B) profundidade, C) latitude.

102 SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 103

Genypterus brasiliensis
Schroederichthys spp.

Pseudopercis numida
Polyprion americanus

Caulolatilus chrysops
Epinephelus niveatus
Urophycis mystacea

Heptranchias perlo

Gymnothorax spp.
Helicolenus lahillei

Carcharhinus spp.
Merluccius hubbsi

Lopholatilus villarii

Scyliorhinus spp.
Polymixia lowei

Pagrus pagrus

Mustelus spp.
Squalus spp.
AA AB BA BBA BBB taxa de remoção
parcial de isca (i)
ST040 3 3 5 6 5 1 (0,0000–0,0008)
ST043 3 6 4 6 2 (0,0008–0,0014)
ST041 3 3 5 6 3 (0,0014–0,0029)
ST051 4 5 6 4 (0,0029–0,0067)
aa 5 (0,0067–0,0169)
ST058 3 4 6 4 1
6 (0,0169–0,3333)
ST039 1 4 6 1 1
ST042 5 6 3
ST052 5 6
ST050 3 5 1 4 6
ST090 3 3 4 3 6 3 3
ST049 6 3 4 1
ST071 5 3 3 5 3
ST089 3 6 3 3 3 4
ST066 3 6 3 6
ST070 3 6 3 6
ST053 5 6 3 3 3 5
ST059 ab 4 6 6 3 3 6
ST065 3 5 6 6 3 3 3
ST069 3 6 3 3 3
ST092 3 3 6 4 4 3
ST075 5 3 6 5 3 3 3
ST084 3 3 6 3 3 4 3
ST076 6 3 3 3 3 6 3
ST085 3 6 6 3 3 3 5
ST093 5 6 3 4 3
ST057 3 3 3 4
ST046 4 3 6 3 3
ST062 6 4 3
ST038 3 5 5 3
ST048 5 3 5 3 5
ST060 3 5 3 4 3 3 3 3 5
ST086 3 3 4 5 7 3 4 4 4
ST044 3 5 3
ST054 5 4 5 3 3 3
ST083 4 3 3 5 3 6 3 3 4
ST091 5 3 3 4 6 4
ST064 6 3 6 6 4
ST067 3 6 5 3 4 4
ST068 ba 3 4 3 6 3 4 3
ST055 3 1 4 1
ST079 4 5 1 5 4
ST056 4 3 3
ST073 5 4 3 4 3 4
ST078 6 3 5 4 3 4
ST094 3 4 3 3 5 4 4
ST061 3 6 3 5 3
ST047 6 6 4 3
ST072 6 5 4 5
ST082 4 4 3 1
ST045 3 5
ST074 5 4
ST077 4 6 3
ST037 5 5 5 4 5
ST063 3 5 3 3
ST081 4 6 3 3 5 3
bb
ST080 6 3 6 4
ST088 3 5 3
ST087 5 6 4

Figura 4.11 – Tabela ordenada dos grupos de operações de pesca (aa, ab, ba e bb) e de espécies (AA, AB,
BA, BBA e BBB), resultantes da Análise de Espécies Indicadoras em Duas Vias (TWINSPAN) das operações
de pesca realizadas nos perfis 8 a 18 (22˚S a 30˚S) do cruzeiro de primavera do B/P Margus II.

SÉRIE REVIZEE – SCORE SUL


103
ESPINHEL_DE_FUNDO 6/23/05 10:52 AM Page 104

Genypterus brasiliensis
Schroederichthys spp.

Pseudopercis numida
Polyprion americanus

Caulolatilus chrysops
Epinephelus niveatus
Urophycis mystacea

Heptranchias perlo

Gymnothorax spp.
Helicolenus lahillei

Carcharhinus spp.
Merluccius hubbsi

Lopholatilus villarii

Scyliorhinus spp.
Polymixia lowei

Pagrus pagrus

Mustelus spp.
Squalus spp.
AA AB BA BBA BBB taxa de remoção
parcial de isca (i)
ST168 4 4 6 3 1 (0,0000–0,0007)
ST170 4 6 4 2 (0,0007–0,0012)
ST186 4 3 6 4 3 3 3 (0,0012–0,0021)
ST135 4 5 6 4 (0,0021–0,0057)
5 (0,0057–0,0190)
ST147 4 5 6 1 5
6 (0,0190–0,3496)
ST169 4 5 6 3 3
ST148 4 5 6 3 3
ST156 5 3 5 6 3 3
aa
ST163 4 5 6 3 1
ST133 3 5 5 4 4 1 5
ST136 3 5 6 3 3
ST180 4 4 6 3 3 5
ST134 4 6 7 3
ST137 3 4 3 6 6 5
ST157 4 4 6 6 3 6
ST179 5 6 4 5 4
ST149 1 6 1 6
ST162 3 6 6 3
ST166 3 6 6
ST167 4 6 6
ST145 ab 6 4 3 3 6
ST146 3 6 3 3 5 3
ST150 6 4 5 3
ST184 4 6 3 4 5 3 3 3
ST185 4 6 3 4 6 4 3
ST140 3 3 5
ST153 3 6 4 3
ST171 4 3 3
ST187 4 3 4
ST151 3 1 1 3
ST138 4 6 4 3
ST143 5 3 4 4 3
ST165 4 4 3
ST139 5 3 3
ST144 5 6 3 3 4 3
ST155 4 6 6 3 5 4
ST161 3 3 6 3 3 3 3
ba
ST132 5 4 1 1
ST160 4 5 3 4 3 3
ST178 5 6 4 4 3
ST142 6 5 4 3 4 3
ST152 4 3 1 5 3
ST154 3 5 4 6 3 3
ST164 1 3 1
ST172 5 4 3 4 5
ST176 5 3 4 5 3
ST177 3 3 6 5 3 3
ST183 6 4 5 5 3 5 3 4
ST188 4 6 3 5 4 3
ST159 4 5 5 4 3 3 3
ST175 4 5