Você está na página 1de 2

Violino

http://www.edukbr.com.br/artemanhas/tipo_musica.asp

Há milhares de anos, os músicos vêm usando muitas variedades de instrumentos de cordas, como a harpa e a lira;
mas não se sabe ao certo quando os executantes começaram a usar arcos, em vez de somente tocar as cordas com
os dedos. No século IX, entre os persas e chineses, aparecem os primeiros instrumentos de corda com arco. Cem
anos depois, os músicos usaram tipos de instrumentos de arco em muitos países da Ásia, Europa e norte da África.

Os primeiros violinos datam do século XVI. A pequena cidade italiana de Cremona tornou-se importante centro de
fabricação de violinos; membros da família Amati fizeram ótimos instrumentos no final do século XVI e princípios do
XVII. Foi neste século que Antonio Stradivari, aluno de Amati, aperfeiçoou o desenho do violino e produziu alguns dos
melhores instrumentos jamais feitos. Seus violinos ainda existentes têm um valor insuperável, não só pela beleza do
seu formato, mas também pela qualidade e potência do som.

Formas Musicais

Os elementos da música devem tomar uma forma definida para se transformar numa composição.
Os autores usam várias formas para organizar e ordenar esses elementos numa obra de arte.

Forma Canção (Lied): geralmente dividida em duas ou três partes, é o tipo mais simples de forma
musical.
Forma Sonata: teve sua origem no século XVII e devolveu-se no século seguinte. Sinfonia é uma
sonata para orquestra, concerto, uma sonata para solista e orquestra e duo, trio, quarteto ou quinteto
é uma sonata para pequenos conjuntos.
Forma de Variação: consiste numa série de diferentes tratamentos de um mesmo tema.
Geralmente, o tema é apresentado por completo na abertura ou no final da obra. O compositor pode
basear suas variações no tema todo, ou apenas em parte dele, ou até num trecho do
acompanhamento. O autor, às vezes, muda de tom em algumas variações.
Cânone e Fuga: são formas polifônicas nas quais um instrumento ou um cantor apresenta um tema
que, em seguida, é tocado ou cantado, numa seqüência regular, pelos outros intérpretes. No cânone,
todas as vozes tem o mesmo tema em toda a obra. Na fuga, pode variar as diferentes partes
imitando o tema com ligeiras variações.
Forma Livre: é a que dá maior liberdade de expressão ao compositor; ele pode introduzir dois
temas, o desenvolvimento de um terceiro e depois o próprio terceiro, também pode empregar
qualquer sucessão de temas; seu problema é obter unidade e harmonização.

Tipos de Música

Música de Câmara | Música Eletrônica | Música Erudita Brasileira | Música


Folclórica | Música Sacra
Tipos de Música
Música de Câmara | Música Eletrônica | Música Erudita Brasileira | Música Folclórica
| Música Sacra

Esta expressão começou a ser empregada em meados do século XVII, quando pequenos grupos
de músicos, chamados conjuntos, tocavam em câmaras, isto é, em salas particulares e não em
igrejas ou lugares abertos em público; tocavam para seu próprio prazer e para os apreciadores da
música. Atualmente, os conjuntos de música de câmara se apresentam em concertos para o
público. O número de participantes pode variar de dois a 30 ou 40 participantes, mas a maioria
tem de dois a seis músicos. Quartetos, quintetos e trios, compostos de instrumentos de cordas ou
de sopro, são os conjuntos mais comuns de música de câmara. Existem composições feitas para
conjunto instrumentais de cordas, madeiras e metais, que variam em número de 10 a 30
instrumentos. Este conjunto é chamado de orquestra de câmara.

Música Erudita Brasileira

O progresso econômico decorrente da descoberta do ouro em Minas Gerais favoreceu o


surgimento da música erudita, na região de Diamantina e Ouro Preto, nos fins do século XVIII e
início do século XIX. Era uma música sacra, surgiu nessa época uma geração de compositores,
contemporâneos do Aleijadinho na escultura e dos poetas inconfidentes. Destacou-se entre
outros, o Padre José Maurício Nunes Garcia, da época de Dom João VI, autor de um Réquiem e
da Missa em Si Bemol Maior.

Da geração que veio em seguida, a figura principal é o compositor do Hino Nacional Brasileiro,
Francisco Manuel da Silva. Nesta época encerrou-se o período sacro e começou o período
operístico. Surgiu Antônio Carlos Gomes, que conseguiu introduzir na ópera elementos nativos e
que se destacou principalmente com O Guarani.

Outro compositor importante foi Leopoldo Miguez que compôs poemas sinfônicos. Ainda no final
do século XIX, o maestro Francisco Braga foi um grande incentivador do ensino musical como
professor do Instituto Nacional de Música.

Heitor Vila-Lobos, consagrou-se como o maior compositor brasileiro de música erudita, tanto pela
amplitude de suas atividades como pela extensão e originalidade de sua obra. Criou o
Conservatório Nacional de Canto Orfeônico e incentivou o ensino de música nas escolas.

Na música erudita contemporânea destacam-se entre outros e, filiando-se a modernas tendências


européias, Guerra Peixe, Marlos Nobre e Edino Krieger.