Você está na página 1de 9

Caio Vinicius Detoni

Padre Landell e a radiodifusão: a invenção do rádio e a sua influência na formação das rádios comunitárias religiosas campineiras no século XX.

Campinas

2013

1.

Resumo

Esse trabalho apresenta a discussão envolvendo alguns aspectos da difusão radiofônica religiosa na cidade de Campinas durante o século XX. Para esse intento,

foram realizadas pesquisas com o objetivo de recuperar a trajetória do Padre Roberto Landell de Moura 1 , cuja atuação na condição de pároco na cidade ao final do século

XIX inspirou histórias e hipóteses sobre suas experiências com a radiodifusão, causando

algumas escaramuças com a população nesse período, e de que maneira tal invenção, mesmo supostamente idealizada por um representante da doutrina católica, possa ter influenciado no efeito de massificação das diversas culturas religiosas da mesma cidade durante o século XX.

2. Introdução

Supostamente, Padre Roberto Landell de Moura realizou no século XIX, no período de 1887 à 1896, experimentos que estão relacionados à transmissão de voz

humana através de um aparelho artesanal sem fios à quilômetros de distância. Tal feito, mesmo sendo promissor ao seu tempo, gerou diversas divergências que levaram o personagem ao ostracismo da história das telecomunicações, de forma que o italiano Gugliemo Marconi acabou sendo glorificado por seus experimentos realizados em Bolonha em 1895, no entanto, existem fontes e bibliografias que irão contrapor a tal informação (FLOSI, 2011), já que foram encontradas algumas evidências sobre experiências com a radiodifusão e testes realizados pelo padre Landell, que transmitiu

uma missa de Jundiaí para Campinas em 1893 (ALVES, 2010):

Utilizando uma válvula de três eletródios, o Padre Roberto Landell de

o padre desistiu

de seus projetos porque a população de Campinas destruiu a oficina alegando ser seu trabalho “coisa do demônio” (CORREIO

POPULAR, 1996).

Moura transmitiu e recebeu o som pelo espaço (

)

Existem diversas fontes que ressaltam a passagem de Padre Landell pela cidade de Campinas, dentre elas, biografias como de Ernani Fornari (1984) 2 , mas também, por

1 Doravante, o padre será mencionado pelo sobrenome. 2 No livro “O incrível Padre Landell: O brasileiro precursor das telecomunicações”, o autor irá apresentar uma breve biografia de Padre Landell. Fornari acompanhava os experimentos realizados por Padre Landell, e essa será sua principal justificativa para realização de sua pesquisa, apresentando fontes

meio de reportagens em jornais localizadas na hemeroteca do Centro de Memória da Unicamp e do arquivo da Cúria Metropolitana de Campinas. O indício mais antigo encontrado no Centro de Memória da Unicamp referindo- se ao Padre consta em uma reportagem do jornal Diário do Povo de 26 de junho de 1928, e tem como título “Quem teria descoberto a rádio telephonia?”, cuja pergunta retórica é respondida desse modo:

Não tentando diminuir em nada a glória de Guglielmo Marconi, um brasileiro reivindica para seu paiz a honra de ter descoberto o princípio da rádio telephonia. (DIÁRIO DO POVO, Campinas, 26 de julho de 1928).

Já na Cúria Metropolitana, é possível encontrar dos registros de comprovação da atuação de Padre Landell como sacerdote na cidade de Campinas consta no livro de Registro de Batismos 3 da Matriz do Carmo 4 que datam do ano de 1894 à 1896, reforçando a passagem de Padre Landell como pároco da cidade. Dessa forma, tendo conhecimento de sua atuação no meio religioso e científico, torna-se possível questionar se os interesses de Padre Landell em criar um aparelho de transmissão de voz a longas distâncias 5 não estariam relacionados à massificação da

ideologia cristã, pois é possível notar que o uso da rádio por instituições religiosas tem

sido

frequente desde o seu surgimento, até a consolidação do uso do aparelho no século

XX

(GOMES, 2011) 6 . A extensa documentação existente a respeito da história do

rádio em Campinas nos leva a diversas vertentes para o entendimento da importância

importantes que justificam os experimentos do padre, como por exemplo, uma página do jornal La Voz de Espana, que possuía anotações realizadas pelo próprio Landrell (p. 21), como também destaca a artigos do Jornal do Commercio do Rio de Janeiro. O autor fortalece o pioneirismo do Padre Landell apresentando invenções como o telefônio, uma promissora invenção capaz de “transmitir a voz, as notas musicais e os ruídos apenas sensíveis ao ouvido, tais como o tique-taque do relógio, a grandes distâncias” (p.20), reforçando sempre a idéia de que esse cientista religioso foi o primeiro a transmitir voz humana através de um aparato sem a necessidade de fios. 3 Também existe um interessante Registro de Batismo de escravos em Campinas, que poderá ser usado como fonte de pesquisa para um segundo momento. A documentação apresenta registros que vão de 1870 à 1882 na Matriz do Carmo. Não existe nenhum registro de batismo de qualquer escravo em nome de Padre Landell, já que essa está fora da periodização da sua atuação como sacerdote na cidade. 4 A documentação está digitalizada, mas ela pode ser consultada na íntegra, porém, devido aos riscos de deterioração do documento e da necessidade de realizar um novo agendamento, foi consultado apenas o digitalizado, que poderá ser visto em anexo nesse mesmo trabalho. 5 Referente à questão da relação entre ciência e religião, o próprio Padre Landell realiza uma declaração após certos “fanáticos religiosos” terem destruído seu laboratório em Campinas, supostamente em 1894, conforme é apresentado na biografia de Ernani Fornari: “Quero mostrar ao mundo que a Igreja católica não é inimiga da Ciência e do progresso humano. Indivíduos, na Igreja, podem, neste ou naquele caso, haver-se oposto a esta verdade; mas fizeram-no por cegueira. A verdadeira fé católica não a nega. Embora me tenham acusado de participante com o Diabo e interrompido meus estudos pela destruição dos meus

desse veículo de comunicação para a cidade. A coleção “Jolumá Brito” do CMU (Centro de Memória da Unicamp) nos da ideia da extensão dessa temática. Ao termos contato com a coleção, logo nos deparamos com as fontes que nos revelam as variadas esferas que compõe a história do rádio em Campinas, o que nos leva a entender que, o rádio não foi apenas um instrumento ou um veículo de comunicação, ele também modificou o cotidiano, sendo uma fonte possível para a modernização tecnológica e social, permitindo mudanças nas esferas culturais e da sociabilidade.

3. Objetivos

Este projeto terá como objetivo específico à compreensão da relação entre rádio e religiosidade em Campinas nos séculos no fim do século XIX e início do século XX, buscando estabelecer a influência de Padre Landell na criação do rádio e na contemporaneidade. Assim como o objetivo geral desta proposta de pesquisa para mestrado, versará na criação das conhecidas rádios comunitárias, emissoras que possuem como objetivo difundir serviços relacionados à cidadania e processos educativos de acordo com interesses locais, sejam eles de cunho político ou religioso, analisando não apenas a ideologia cristã, como também as diversas manifestações culturais religiosas, buscando justificar o efeito da radiodifusão na massificação religiosa. Aliado ao objetivo geral e específico o desdobramento desta análise estará embasada em um modelo de pesquisa histórica.

4. Proposta de desenvolvimento de pesquisa

Para o êxito de uma pesquisa, todavia é necessário estabelecer métodos e metodologias adequadas ao desenvolvimento do estudo, da análise e consequentemente dos resultados. O projeto em curso propõe desenvolver uma pesquisa historiográfica. A historiografia, no entanto, ao revisitar obras e conteúdos já publicados acerca do tema conduzirá a uma leitura criteriosa e rigorosa, afastando a possibilidade de erros próprios ao anacronismo e ao teleologismo. Como suporte de investigação da análise

6 No artigo intitulado “Diversidade religiosa e mídia radiofônica: O uso das rádios comunitárias por instituições evangélicas no Brasil” (GOMES, 2011), o autor destaca o crescimento do uso das rádios por instituições evangélicas, no entanto, deve ser levado em consideração as diversas manifestações religiosas, que será melhor aprofundado em um segundo momento.

documental, cuja fonte será submetida a um rigoroso processo de leitura e interpretação,

próprios do processo de investigação e estudo de documentos históricos. As pesquisas

teóricas terão como suporte além da fonte documental, a leitura de bibliografia

relacionada ao tema.

O método aplicado à hermenêutica será indispensável para a realização desta

pesquisa. Assim como complementa o historiador E. Carr ao abordar este método:

Para um historiador que se debruça sobre suas fontes, a visão sobre a história depende da sua interpretação, de um olhar próprio, atento e tenaz de sua alma. Com isso podemos dizer que “a história preocupa- se com a relação entre o particular e o geral. Como historiador, não se pode separá-los ou dar precedência a um sobre o outro, da mesma maneira como não se pode separar o fato da interpretação” (CARR, 2002, p.100).

Os resultados pretendidos com a execução deste projeto de pesquisa para

mestrado são primeiramente os de fins acadêmicos. Atrelado aos rigores teóricos e

metodológicos estabelecidos a produção do conhecimento das ciências sociais e

humanas, esta pesquisa visará contribuir para a consolidação de futuros debates e

discussões pertinentes ao tema em estudo, possibilitando ainda o desenvolvimento de

novas pesquisas direcionadas ao desdobramento do tema. Por fim, as pesquisas teóricas

terão como suporte além da fonte documental, a leitura da bibliografia básica e

específica, relacionada ao recorte desta temática, incluindo constantes consultas a

bibliotecas e arquivos.

5. Cronograma de execução

 

PERÍODOS

1º semestre

2º semestre

1º semestre

semestre

semestre

ATIVIDADES

/

de 2014

de 2014

de 2015

de 2015

de 2016

1

Levantamento de literatura/bibliografia

X

X

X

X

 
 

Coleta de dados, fichamento,

         

2

problematização e elaboração do texto da dissertação.

X

X

X

X

3

Estruturação e desenvolvimento da problemática da pesquisa.

 

X

X

X

 

4

Tratamento dos dados.

 

X

X

X

 

5

Revisão do texto

   

X

X

X

6

Elaboração do Relatório Final

   

X

X

X

7

Entrega do trabalho

     

X

X

6. Plano de trabalho

Primeiro semestre de 2014: Acompanhamento das disciplinas obrigatórias do curso de

mestrado, continuação do levantamento e seleção de dados para análise historiográfica

acerca do tema proposto. Levantar novas fontes de informação e acesso a documentos

para o desenvolvimento da pesquisa.

Segundo semestre de 2014: Conclusão das disciplinas obrigatórias do curso, seqüência

na leitura da bibliografia, continuação no desenvolvimento da análise de artigos,

revistas e documentos pertinentes ao tema pesquisado. Início da redação da dissertação

de mestrado.

Primeiro semestre de 2015: Revisão e análise final da bibliografia para a pesquisa,

seqüência ao início da redação da dissertação de mestrado e Exame de Qualificação.

Segundo semestre de 2015: Continuidade com a análise e produção da dissertação de

mestrado assocciado a interpretação dos resultados obtidos e dados coletados ao longo

da pesquisa.

Primeiro semestre de 2016: Redação e revisão final da dissertação tendo em base as

sugestões e problemáticas apresentadas no Exame de Qualificação. Conclusão e

apresentação à banca e defesa da dissertação de mestrado.

Referências bibliográficas

ALVES, Cristiano Nunes. Radiodifusão, produção fonográfica e espaço urbano:

1990). RUA [online].

2010, nº 16. Volume 2 – ISSN 1413-2109. Consultada no Portal Labeurb – Revista do Laboratório de Estudos urbanos do Núcleo de desenvolvimento da Criatividade. http://www.labeurb.com.br/rua/

formação e adensamento do fenômeno em Campinas-SP (

formação e adensamento do fenômeno em Campinas-SP ( CARR , Edward Hallet . Que é História

CARR,

Edward Hallet. Que

é História? São Paulo: Paz

e

Terra, 2002

CENTRO CULTURAL DE SÃO PAULO. O rádio paulista no centenário de Roquette Pinto: 1884-1984. Campinas: Centro Cultural de São Paulo, 1984. FORNARI, Ernani. O incrível Padre Landell: O brasileiro precursor das telecomunicações. Biblioteca do Exército, 1984. GOMES, José Ozean. Diversidade religiosa e mídia radiofônica: O uso das rádios

comunitárias por instituições evangélicas no Brasil. Universidade Metodista de São Paulo. São Paulo, 2011

era dos extremos: o breve século XX. 1914-1991. São Paulo:

Companhia das Letras, 1995. MENEGUEL, Yvonete Pedra. O rádio no Brasil: Do surgimento à década de 40 e a primeira emissora de rádio em Guarapuava. Guarapuava. 2011 NOVAIS, Fernando (org); SEVCENKO, Nicolau (org.). História da Vida Privada no Brasil - Vol. III. Cia das Letras, 1998. ORMANEZE, Fabiano. Em sintonia com a história do rádio. Revista Bibliocom, Ano 1, Nº 03, edição bimestral,Campinas, maio e junho de 2009. ROLDÃO, Ivete Cardoso do Carmo. Nas ondas do rádio - da PCR-9 à Educativa: a trajetória das emissoras de Campinas. Holambra, SP, 2008. ROLDÃO, Ivete Cardoso do Carmo. Rádio e Política em Campinas: a trajetória do rádio AM. São Paulo, 2007 VOLPATO, Maria de Oliveira. A religião nas rádios comunitárias “Gospel FM” e “Jornal FM”. Revista ALTERJOR. Grupo de Estudos Alterjor: Jornalismo Popular e

HOBSBAWN, Eric. A

Alternativo (ECA-USP). Ano 01, V.01, Edição 01. São Paulo, Janeiro-Dezembro de

2010.

Fontes

BROWN, Jorge Alves. Padre Landell, inventor do telefone por micro-ondas! Correio Popular, Campinas, 03 de abril de 1977. Centro de Memória Unicamp, Campinas, São Paulo. CANALI, Geraldo.O incrível padre gaúcho que tinha fama de bruxo. Revista Fatos e

Fotos, 10 de abril de 1969. Centro de Memória Unicamp, Campinas, São Paulo. CORREA, Jorge Poock. Landell: a telefonia sem fio (II). Folha da tarde, Campinas,

12 de dezembro de 1978. Centro de Memória Unicamp, Campinas, São Paulo.

FARJALLAT, Célia Siqueira. A história de um inventor brasileiro. Correio Popular, Campinas, 05 de maio de 1983. Centro de Memória Unicamp, Campinas, São Paulo. FARJALLAT, Célia Siqueira. A história desconhecida de um inventor brasileiro. Correio Popular, 26 de junho de 1974. Centro de Memória Unicamp, Campinas, São Paulo. FARJALLAT, Célia Siqueira. A saga do Padre Landell. Correio Popular, Campinas,

16 de maio de 1985. Centro de Memória Unicamp, Campinas, São Paulo.

FARJALLAT, Célia Siqueira. Este cientista morou em Campinas. Correio Popular, Campinas, 21 de julho de 1974. Centro de Memória Unicamp, Campinas, São Paulo. FARJALLAT, Célia Siqueira. Este sábio viveu em Campinas. Correio Popular, Campinas, 05 de julho de 1985. Centro de Memória Unicamp, Campinas, São Paulo. FARJALLAT, Célia Siqueira. Quem é o primeiro radioamador do mundo? Correio Popular, Campinas, 07 de julho de 1974. Centro de Memória Unicamp, Campinas, São Paulo. FLOSI, Fábio Serra. 150 anos de Nascimento do Padre Landell: Telecomunicações e Landell de Moura. Revista Cofi: Correio Filatélico, Distrito Federal, Ano XXXIV, nº 220 Janeiro a Março de 2011. JACOMINO, Dalen. Histórias e personagens povoam o dial: no dia do radialista, profissionais da cidade contam a trajetória das transmissões locais. Caderno C, Correio Popular, Campinas, 21 de setembro de 1996. Centro de Memória Unicamp, Campinas, São Paulo. MARTINELLI, Paulo. Fanáticos destroem laboratório de padre inventor em Campinas: Padre Landell, mentor do rádio da fibra ótica e do telefone sem fio, permanece como gênio desconhecido. Correio Popular, Campinas, 05 de dezembro de 2004. Centro de Memória Unicamp, Campinas, São Paulo.

NOGUEIRA, Bráulio Mendes. Revelações sobre traalho do Padre Landell: centro de pesquisas tem seu nome. Correio Popular, Campinas, 24 de outubro de 1980. Centro de Memória Unicamp, Campinas, São Paulo. Paróquia de N. S. do Carmo Campinas. Batismos. Nº do projeto: BRZC 1-007, Nº do rolo: 46, Vol. 5. 1892 – 1894. Arquidiocese de Campinas, Cúria Metropolitana. Campinas, São Paulo.

Paróquia de N. S. do Carmo Campinas. Batismos. Nº do projeto: BRZC 1-007, Nº do rolo: 46. Vol. 7. 1896 – 1899. Arquidiocese de Campinas, Cúria Metropolitana. Campinas, São Paulo.

S. n. A empresa de radiodifusão no Brasil. S.l., Maio de 1986. Centro de Memória

Unicamp, Campinas, São Paulo.

S. n. A história desconhecida de um inventor brasileiro. Correio Popular, Campinas,

05 de maio de 1978. Centro de Memória Unicamp, Campinas, São Paulo.

S. n. Campinas Relembra o rádio de Ontem ouvindo o rádio de Hoje.Diário do

Povo, Campinas, 21 de setembro de 1973. Centro de Memória Unicamp, Campinas,

São Paulo.

S. n. Quem teria descoberto a rádio telephonia? Diário do Povo, Campinas, 26 de

julho de 1928. Centro de Memória Unicamp, Campinas, São Paulo. S.n. Estação experimental de Rádio-Telefonia. S. l., 04 de janeiro de 1928. Centro de Memória Unicamp, Campinas, São Paulo.