Você está na página 1de 42
[acces rp her Acne rs Beery are ete ci Data: / J__Classificagao: 0 retrato do vento - 6 Vento, isto é coisa que se faca? Nao podias estar quieto para me deixares pintar? E 0 Vento respondeu, num grande uivo: - Escuta, escuta... eu deixo-te pintar, mas sé com uma condicao. E fazeres o meu retrato! - 0 Vento, como queres que te pinte, se nao tens forma nem cor? Como queres que te pinte, se nao te vejo? — No me vés... - murmurou 0 Vento. - Ent&o como sabes que eu existo?... E, de repente, 0 menino percebeu o que o Vento queria e deu um pulo de contente: - E isso, Vento, é isso! Nao te vejo, mas sei que tu existes, pelas coisas que tu fazes! Aj esta, assim 6 que eu sei que tu existes!... - Vés, vés? - disse o Vento, rindo. - Vés que é facil o que eu quero! - 6 Vento - tornou o menino-pintor, radiante -, que lindo retrato que te vou fazer! Ha-de ser um quadro grande, todo dividido em quadradinhos; num véem-se a girar moinhos, noutro véem-se bailar as folhas, noutro andar barcos a vela, e noutro o drapejar da roupa na corda... Eo qua- dro vai chamar-se “O Vento” eéoteuretrato. ~~ Esther de Lemos, 0 baldo cor de laranja e outa histérias, Verbo 1. Relaciona o vocabulario novo. | uivo* * sou real | condicao + + esvoacar | murmurou + *som prolongado existo* + exigéncia drapejar + *segredou ees 1. *OVento, isto é coisa que se faca?” Explica o sentido desta frase por palavras tuas. 2. Ovento impés uma condi¢ao ao «menino-pintor». Qual foi? Retira do texto as frases que mostram as dificuldades que 0 menino tinha para retratar 0 vento. Como conseguiu ele ultrapassar estas dificuldades? _ Descreve 0 quadro que retrata o vento, com a ajuda do nono pardgrafo. _.. omenino percebeu o que o Vento queria e deu um pulo de contente... Nesta frase, a expresso pulo de contente significa: Lsalto da cadeira. caiu. Uisalto de alegria. grito de contente. Ordena, de 1 a 5, 0s acontecimentos do texto. To amenino-pintom nao sabia como pintar 0 vento. [1Desenhou o retrato do vento em quadradinhos. Entdo, descobriu que o Vento existe pelas coisas que 0 via fazer. [Jo Vento impés uma condicao. O menino nao conseguia pintar porque 0 Vento nao estava quieto. Identifica os acentos graficos e retira do texto as palavras que os contém. pintadela © | 4, Escreve patavras da érea vocabular de: ofa eat a P 5. Escreve,em baixo, ao lado do numero de cada sinal de pontuagao a letra corres- pondente a sua funcao. © 1.- a) terminoa frase e mostro que esta completa. Faco uma pausa. b) indico a fala de uma personagem. | 6) indicamos que nao se disse tudo. d) termino uma frase em que hé emocao ou admiracéo. e) somos colocadas no inicio e no fim de citacées. f) faco perguntas 1. Completa os espacos em branco nas frasescom: _ véem vem vem 0s olhos do menino-pintor as velas do moinho que | | para cé e vao para la, conforme a direccao de onde o vento ted Conta em banda desenhada 0 texto. Lembra-te que vais dividir a prancha em tiras. Cada tira tem varias vinhetas de acordo com o numero de acontecimentos. Em cada vinheta podes colocar uma legenda e os baldes de fala. La iam a caminho de itaca, pelo mar fora, vencendo vento e vento através de onda e onda. De stibito comecaram a notar que o navio estava a ser arrastado por uma estranha corrente submarina que os ia levando para onde eles nao queriam ir. E de tal maneira que se acaso obrigassem o navio a seguir a direccao que pretendiam, este correria o risco de se virar. Entao Ulisses decidiu: ~ Nao vale a pena resistirmos agora. Deixemo-nos ir nesta corrente, e quando ela abrandar retomaremos o caminho de Itaca. Assim fizeram. Mas a corrente nao abrandava nunca. Aumentava, aumentava, aumentava... J iam longe de tudo, mesmo de encontro ao desconhecido. Comeca- ram a avistar terra: era uma ilha onde o navio calmamente aportou. Af ja a corrente misteriosa abrandara. Ulisses olhou em volta e de repente deu um grande grito: - Ai, meus amigos, onde nés viemos parar! ~ Onde foi? Onde foi? - perguntaram os marinheiros, aflitos. = Othem, viemos parar as ilhas da Ciclépia. Mas esperem, que... se nao me engano, tivemos uma sorte espantosa! - Uma sorte espantosa?! - admiraram-se os marinheiros - Sim - explicou Ulisses. - Aqui é realmente 0 arquipélago da Ciclépia. Tudo neste lugar é gigantesco, é ciclépico: os animais, as plantas, as pedras... os seus habitantes sao os ciclopes, espécie de gigantes com um 56 olho no meio da testa, e que sao devoradores de homens... ~ Devoradores de homens?! ~ gritaram os marinheiros, espavoridos. - Sim, mas acalmem-se, porque esta é a Unica ilha desabitada.l...) Maria Alberta Menéres, Ulises, Edicoas Asa (texto adaptado e com supressbes) 1. Relaciona o vocabulario novo. de suibito + + lutarmos contra resistirmos * + encostou ao porto aportou* + de repente eee 1. Localiza a acgao do texto no espaco._ Transcreve do texto a expressao que mostra que 0 navio combatia 0 vento e 0 mar._ O que aconteceria se os marinheiros tentassem resistir? __ Onde aportou, finalmente,o navio? ete ee TL Assinala a opcao correcta, de acordo com o sentido do texto. Os marinheiros gritaram espavoridos porque... ... tudo naquela ilha era gigantesco. ... 0s habitantes da ilha eram devoradores de homens. ... 05 ciclopes eram gigantes com um s6 olho no meio da testa. Ordena as frases de 1 a 9, de acordo com o texto. Continuaram a ser arrastados durante muito tempo. [ulisses disse-Ihes que por sorte tinham chegado as ilhas da Cicl6pia. Ulisses ia a caminho de Itaca. O bravo marinheiro deu ordens para nao remarem contra a corrente. Co barco era arrastado noutra direccao. Avistaram uma ilha onde o navio acostou sem perigo. (los marinheiros ficaram em panico. Esclareceu-os de que tudo era gigantesco nessas has, assim como 0s ciclo- pes - devoradores de homens. (JUlisses acalmou-os, pois aquela ilha era desabitada. 1. OUce longe vencer gigantes Se Que tipo de texto é”O regresso de Ulisses"? Quem é a sua autora? 4, Otexto tem paragrafos. O segundo paragrafo tem 5. Assinala com X o grupo de ftaca mar arquipélago palavrasdotextoqueso _—«Uilisses_—— vento | tem nomes comuns. marinheiros — corrente | olho | direcgao | plantas grito testa 6. _Retira do texto outros nomes: Proprios: Comuns: Colectivos: 4. Completa as frases com foi ou fui, ai ou ai,ha ou a, -____Ulisses, para onde nos trouxeste! ___Ulisses respondeu: —____ Ciclépia, meus bravos marinheiros! de acordo como seu sentido. mem omar que vos assustou. Hoje _ eu! No perigo,ailha é deserta! Petree kaicaikcs ‘final, Ulisses estava enganado.. ilha nao era desert Imagina 0 que teré acon- tecido depois. As estrelas do cego Noite de Natal Terminara a missa. Repicavam os sinos @ 0 povo descia alegre os degraus da larga escadaria A noite era cheia de estrelas. 0 céu muito frio parecia rir-se, a piscar os olhi- nhos alegres. Um pequeno desceu as escadas levando um cego pela mao. e 0 cego era um velho corcovado, com a face cheia de rugas cruzadas, como um papel amachucado. Os olhos sem luz voltava-os para o céu, meneando a cabeca constantemente, como se procurasse... 0 qué? E sorria. Dava a mao a0 petizinho e descia os degraus tacteando-os com o pé. ~ Ainda mais um, av6... E outro... E outro. 0 cego sorria e afagava a mao do pequeno. 0 povo espalhou-se pelas ruas. Eram como estilhacos de alegria por toda acidade, Noite de Natal! Noite de Natal! E eu fui por ali abaixo atrés do cego. Caminhavam os dois contentes. Conversavam e riam A certa altura pararam & porta de um prédio esguio. Bateram e, ao abrir ° da porta, vi-os entrar e subir cantarolando... até que a voz foi sumindo e a porta se fechou. Passei para 0 outro lado da rua e fiquei-me a olhar para aquela casa... D. Jodo da Camara, «Contos», in Grandes Autores para Pequenos Leitores, Grasso} 1. Relaciona o vocabulario novo. corcovado + +menininho meneando- + tocando petizinho- + dobrado tacteando+ + abanando afagava- + pedacos estilhacos + salto e estreito esguio* + acariciava, mimava emcee Quando e onde se passa esta historia? ______—— ‘Aexpressdo do texto repicavam os sinos significa: [Jos passaros picavam os sinos. Ci tocavam os sinos. (Cl tocavam repetidamente os sinos em sinal de festa. Entre 0 povo que descia a escadaria vinham os personagens do texto, Descreve omais velho.. Retira do texto a expressdo que descreve 0 povo air-se embora. _ Feu fui porali abaixo... A palavra eu refere-se a0 avo Cpetizinho Dlautor “Caminhavam os dois contentes. Conversavam € riam.” Na tua opiniao, como era a relacao entre o avé eo neto? Justifica a tua resposta. Observa as imagens. Legenda-as e ordena-as de 1 a 6, de acordo com o texto, Rodeia os ditongos nas palavras. noite muito desceu mao céu degrau fui abaixo fechou passei 2. Faza translineacdo destas palavras. missa pests irse velho 3. Rodeia as silabas tonicas e sublinha as sflabas dtonas das seguintes palavras: e Natal alegre degraus estrelas piscar_escadas cruzadas_ papel 3.1, Agora, agrupa-as de acordo com a acentuagio. 4. Escreve a palavra primitiva de: escadaria cruzadas petizinho | 5. Completa a familia de palavras de: e noite 6. Risca as palavras que no pertencem a drea vocabular de Natal. amor bacalhau banheira canticos Familia luzes magusto pinheiro praia prendas 7. Pontua este texto, usando os seguintes sinais de pontuacao: $+ ? + 0 olhane, fara x civ porqui eee ee en fome ra fimda a noite de Natal 8. Classifica morfologicamente as palavras do texto anterior. Natal - estrelas — cego- 9. Reescreve a frase no plural.’O cego sortia e afagava a mao do pequeno.” 10. Que tipo de texto é”As estrelas do cego"? 1. Completaas frases com: v6s, voz, continuaram, continuarao, avd, av6, seu € céu. oO _eoneto__ ___abateré porta. Ld dentro ouviram a da__ Sois ey, Abriu a porta e recebeu-os com 0 sorriso meigo. No as estrelas abrilhar... Pe Rd “Passei para o outro lado da rua e fique-me a olhar para aquela casa. Continua, agora tu, esta "Hist6ria de Natal’ i i No final do 1.° periodo, avalia o trabalho que realizaste, assina- fando com X. Jd sou capaz de... + Identificar ditongos: ~ orais; = 2 ~ nasais; + Fazer a divisao silabica. . + Fazer a translineacao de palavras. ] + Distinguir silaba tonica e silaba dtona. + Classificar palavras quanto a acentuacao. + Reconhecer e usar os sinais graficos de acentuacao. + Organizar familias de palavras. + Elaborar areas vocabulares. + Identificar e aplicar correctamente sinais de pontuagao eauxiliares de escrita. + Estabelecer relacées de significado entre as palavras: ~ Sindnimos; - Antonimos. + Distinguir diferentes tipos de texto. + Identificar nomes. L + Distinguir nomes: = proprios; = comuns; - colectivos. *Identificar: = género dos nomes; —grau dos nomes; ~ntimero dos nomes. relativamente a este periodo lectivo. 0 Jd sou capaz de... aD De acordo com a auto-avaliacdo que realizaste, tira conclusées ake se | Assinala as atitudes que, no préximo periodo, te podem ajudar a melhorar 0 teu aproveitamento. Ser pontual. Ser organizado. Estar mais atento nas aulas. Fazer perguntas quando tiver dificuldades. Participar activamente em todas as actividades na sala de aula. Realizar os trabalhos nos tempos previstos. Efectuar mais exercicios. | Colaborar nos trabalhos de grupo. Realizar sempre os trabalhos de casa. Pedir ajuda quando sentir dificuldades. Ad Frei Jodo Sem Cuidados Era uma vez um frade que se gabava de nunca se atrapalhar com nada. Das perguntas mais dificeis as situagées aflitivas, ali estava ele. Por isso era 0 Frei Jodo Sem Cuidados. Mas um dia, farto de ouvir falar do frade, o rei mandou-o chamar e disse-the: | - Frade, fradinho, vou experimentar a tua esperteza. Ora toma lé nota de trés perguntas a que me responders dentro e de trés dias, Se nao, mando os meus soldados meterem-te na cadeia o resto da vida, a pao e agua! ~ Queira dizer, majestade ~ murmu- rou o frade, j4 cheio de medo. - Pois quanto pesa a Lua, quanta gua tem o mar e o que é que eu penso? Muito atrapalhado, Frei Joao, cheio de cuidados, foi para casa. No caminho, 0 amigo moleiro, vendo-o triste, quis saber 0 que se passava. 0 frade disse-the e 0 moleiro desatou a rir, pois sabia que para aquilo também havia remédio No dia e na hora marcados para as respostas do frade, o rei sorriu ao ver 2 e sua figura encolhida, metida no habito, capucho puxado a frente. Afinal, pensou, conseguira atrapathd-lo! Perguntou-the entéo 0 peso da Lua. - Nao pode ir além de um quilo, pois sabemos que tem quatro quartos! ~ E quanta agua tem o mar? ~ E facil calcular, mas vossa majestade teré de, primeiro, mandar tapar os rios que correm para la! O rei achou que o frade até ali bem respondera, mas que nao saberia adi- vinhar o que é que ele estaria a pensar. - Também é facil! Vossa majestade julga que est a falar com Frei Jodo e eu sou 0 moleiro amigo dele! - e dizendo isto o moleiro tirou o capucho da cabeca 0 rei achou tanta graca a esperteza, que convidou 0 frade e o moleiro para um belo jantar. Conto Popular do Minho, José Viale Moutinho, 365 Histdrias, Edigdes Asa 1. Relaciona o vocabulario novo. frade* + preocupantes gabava + +membro de uma ordem religiosa | aflitivas + + orgulhava habito + + parte do habito que cobre a cabeca capucho+ + roupa de frade | ener) Como caracterizas 0 frade, antes de ele se ter apresentado ao rei? 2. Oreimandou chamar o frade. 0 que Ihe propds e porqué? 3. Assinala a opcao correcta. A.expressao do texto havia remédio significa... ... que havia um medicamento. -+. que havia solucao. 4, Orei,ao ver aquela figura encolhida, julgou que o frade estava atrapalhado. Estaria 0 rei certo? Justifica a tua resposta. 5. Aque quatro quartos se refere 0 moleiro quando fala do peso da Lua? 6. Que solucdo foi apresentada para calcular a 4gua do mar? 7. Parati, qual das trés perguntas seria a mais dificil? Justifica. 1. Léa frase. O rei convidou o frade eo moleiro. Retira da frase: oGN-_ oGv- Que funcao tem na frase O rei? 4. Qual é 0 predicado da frase? 5. Transformaa frase inicial numa: frase negativa - frase interrogativa directa - 6. Reescreve a frase do exercicio 1, colocando os nomes no género feminino. 7. Completa o quadro. Joao fradinho soldados Agua © ct 1. Completacom sem cem vés vez era hera _hbito_habito uma, __ um, fade qua quare foi mutido- numa, marmorna roberta do » Dri, que dan redportas ao rel Soin afte, mor mal dev parror ameondou o mobino. “Celu-the ante que, voidads, vedtin o dor mange Reconta a historia do Frei Jodo por palavras tuas. 0 sobreiro menino A avé Adelina deu-me um pequenino vaso de barro onde, a medo, des- pontava um sobreiro menino. E recomendou-me que o plantasse e cui- dasse bem dele! Quando, finalmente, chegamos perguntei ao meu pai quantos anos é que podia viver um sobreiro. A resposta arrepiou-me - Vés aquele pedaco de cortica na parede do lagar? Deve ter uns 200 risquinhos na espessura da casca. E um sobreiro com uns 200 anos! Fiquei sem fala. Entre tantos sobreiros que havia por ali, qual seria o melhor lugar para o meu, ainda tao pequenino? E comecei a procurar este lugar nao, que vista tao feia para ele ver durante 200 anos... Este tam- bém no, que é muito huimido... E todos os sitios me pareciam terem um defeito qualquer. Até que descobri um lugar formidavel: um olival de redondas e calmas oliveiras, ainda jovens. Fiz uma covinha e nela coloquei 0 sobreiro com muito cuidado, depois reguei-o e ame | ajeitei a terra. Perguntei-lhe: “Aqui ficas bem, nao ficas?”, Ele abanou de leve as folhas pequenissimas eeu / / achei que estava a dizer que sim > { Ja ld v3o muitos anos de boa companhia. Hoje ele é uma drvore enorme, linda e saudavel entre / as oliveiras, mesmo em frente da minha casa / | Maria Alberta Menéres, Historias da Arvore dos Sonhos, Edigoes Parque Biolégico de Gaia ra rE) Rec) 1. Relaciona o vocabulario novo. despontava * *aconselhou-me recomendou-me +nascia lagar + + grossura espessura * + local onde se faz vinho ou azeite 1. Oque ofereceu a avo Adelina a neta e que recomendacao Ihe fez? ss 2. Como se verificaa idade de uma arvore? 3. Qual foi, entao,a maior preocupacao da menina? _ iein ean 4. Retira do texto a expresso em que o sobreiro manifesta ter gostado do lugar que a menina Ihe escolheu. uote 5. Porque sera que o sobreiro se tornou uma boa companhia? _ 6. Inventa outro titulo para o texto, ad ee Ree 1. Rodeia, nestas expresses do texto, os determinantes. Aavé meu pai um sobreiro —_aquele pedaco uns risquinhos este lugar os sitios minha casa es definidos indefinidos demonstrativos possessivos . Preenche os espacos das seguintes frases com determinantes: a) artigos; __av6 tinha plantado ___ sobreiro num vaso de barro. ____ neta encontrou um lugar formiddvel onde fez ___covinha. b) possessivos; -Vou cuidar muito bem do sobreiro! — disse a menina ao pai. Com os anos, viu crescer em frente a. ___ casa uma drvore sauddvel. 4. Completa com esse e outro de acordo com o texto. lugar é himido.O _lugar é bem melhor! 4.1. Classifica os determinantes que usaste.__ 1. Completa as frases com: planta-se plantasse Aav6 pediu-Ihe que o sobreiro. - em que lugar? - perguntou a menina. cuidasse cuida-se Ela recomendou-lhe que bem da arvore. = das plantas, regando-as. chegamos chegamos Naquela altura, ao olival e fiz uma covinha. Hoje, ____ porta de casa e vemos um enorme sobreiro. cu d Refere a importancia e utilidade das plantas, como devem ser tratadas e 0 que se deve fazer para as proteger. 0 Faisca O Manuel olhou para a mae com uns olhos carregados de tristeza. Nao respondeu nada, mas pés-se a chorar e abracou- -se a mim com toda a forca Ent&o meti o rabo entre as pernas e lambi-lhe as mos. Eu ja expli- quei que nés, os ces, nao deita- mos lagrimas. Mas 0 meu cora- @ cao estava repleto delas, podem crer. Encolhi-me todo, magoava- -me 0 peso das lagrimas no cora¢o e fui-me meter num canto da cozinha. A Tia Julia afagou a cara do Manuel e o pai da Luisa disse: = Se ao rapaz custa tanto separar-se do cao, desistimos, é evidente. Mas a Tia Julia estremeceu ao pensar que 0 dinheiro, neste momento, the fazia jeito. Por isso indicou um preco. 0 senhor tirou imediatamente uma nota da carteira e deu-a a Tia Julia. Tentei fugir, mas a porta estava fechada. Voltei, desesperado, para o canto da cozinha. Nao olhei para @ Luisa, nem gostei dela naquele momento. Afinal era uma menina que queria tudo 0 que se podia comprar por dinheiro. 0 pai era rico ela sé precisava de pedir ou de chorar para que lhe dessem o que desejava e Nao pensava no Manuel, que assim perdia o seu melhor companheiro e que nao tinha culpa de o pai nao ganhar o suficiente no Brasil. Os pais da Luisa faziam-lhe todas as vontades por ela ser a Unica filha. Também o Manuel era © Unico filho da Tia Julia; contudo, ela nao podia fazer-the muitas vontades, antes pelo contrdrio, até se via obrigada a tirar-Ihe 0 melhor amigo para lhe poder comprar as roupas de Inverno. Em seguida o pai da Luisa e a Tia Julia empurraram-me para dentro do automével. Ainda fiz uma tentativa para resistir, mas nao me serviu de nada, : pois apareceu um vizinho a ajudar a empurrar-me. Dentro do carro, deitei as patas ao vidro da janela, ladrei, uivei O carro ia-se afastando e ainda vi o Manuel chorar e a Tia Julia a passar- -[he as mos pela cabeca. Ainda ouvi gritar 0 meu amigo: - Faisca! Meu Faisca! Depois 0 automével virou numa esquina e nao vi mais nada. lise Losa, Faisca conta a sua historia, Edicées Horizonte 1. Relaciona o vocabulario novo. desistimos + claro evidente> saflito desesperado+ + abandonamos a ideia tentativa+ + lutar contra resistir * + esforco, nies 1. Quem é 0 narrador e principal personagem do texto? 2. Por que motivo ele estava tao triste? Justifica com uma expressao do texto. 3. Acerta altura o pai da Luisa quis desistir do céo. Porqué? 5. Oquelevou a separacao dos dois amigos? 6. _Escolhe um dos titulos para o texto. Um bom rapaz ATia Julia Dois bons amigos 1. Na frase: Carinhosamente, a Tia Julia afagou a cara do Manuel, separa: -oGN- -oGV- -oGM- Na frase do exercicio 1, qual é: —o sujeito? :-0 predicado? Faz a redugao da frase do exercicio 2. Léa frase: O Faisca ladrou, Faz a expansao desta frase. Classifica estas frases quanto ao tipo e a forma: ATia Julia nunca afagou a cara do Manuel. ATia Julia afagou a cara do Manuel? Classifica morfologicamente as palavras destacadas na frase. Os olhos do meu amigo Manuel encheram-se de ldgrimas. Na frase: O pai da Lufsa era rico. Sublinha o adjectivo e diz em que grau se encontra. Indica o grau em que esta o adjectivo nestas frases. Opai da Luisa era menos rico do que o rei. grau- Opai da Lufsa era tao rico como o patrao. grau - 2 Reescreve a frase do exercicio 8 com o adjectivo nos graus indicados. grau ~ superlativo relativo de superioridade. grau — superlativo absoluto analitico. Completa de acordo com o texto. Som[z] Sera souz? triste__a de__ejava Escolhe as palavras adequadas & frase. ruido ou roido Ocdotinha__ ° Reconta a histéria do Faisca. Som|[s] _ Serécoug? abra_ou per. lasso ou laco _ebi que Ihe queriam pér ao pescoco. econ No final do 2.° perfodo, avalia 0 trabalho que realizaste, assina- lando com X. Jd sou capaz de... Sim Nao + Identificar nomes: —comuns; = proprios. + Identificar, em frases, os seus elementos fundamentais: -GN; -GV; -GM. + Verificar a mobilidade do GM na frase. + Distinguir a funcao de: — sujeito; = predicado. * Classificar frases quanto: —ao tipo; —& forma. + Transformar frases, fazendo a sua: — expansao; = reducao. + Identificar adjectivos. + Identificar e aplicar os diferentes graus dos adjectivos: =normal; = comparativo; ~ superlativo. + Identificar determinantes: artigos; — possessivos; ~ demonstrativos. + Aplicar em frases: —determinantes possessivos; ~ determinantes demonstrativos. | | | | | | De acordo com a auto-avaliagao que realizaste, tira conclusdes relativamente a este periodo lectivo. Jd sou capaz de. > | Assinala as atitudes que, no préximo perfodo, te podem ajudar a | melhorar o teu aproveitamento. | Ser pontual. | Ser organizado. Estar mais atento nas aulas. Fazer perguntas quando tiver dificuldades. Participar activamente em todas as actividades na sala de aula. | Realizar os trabalhos nos tempos previstos. Efectuar mais exercicios. Colaborar nos trabalhos de grupo. Realizar sempre os trabalhos de casa. | Pedir ajuda quando sentir dificuldades. | Grilarim Trolaré Casaca lustrosa, colete preto a condizer, perninhas fininhas, de mola, pés para o lado e ar muito sério e aprumado ou nao fosse ele maestro afa- mado da grande orquestra dos grilos. Ai temos 0 grilo Grilarim Trolaré enjaulado... Fora tudo tao rapido! Mal conseguia lembrar-se como tudo se passara. Ainda ha bocadinho estava ele na sua toca, a trautear o préximo concerto, quando uma palhinha, movida por mao atrevida, descera até ao seu sos- sego de grilo, para se por a implicar com ele, a mexer-the e remexer-the, a desarrumar-the a casa... Palhinha enervante! Subira até a soleira para pedir explicacées ao dono da palhinha e zas! Sentira-se agarrado, como por um redemoinho de vento. Ao dar por si passara para uma gaiola pen- durada numa janela, e ali estava, ainda meio tonto Do outro lado, fitavam-no uns olhos de menino. ~Parece um gafanhoto! - Um gafanhoto? Quando muito 0 grilo seré parecido com uma barata... 0 menino achou graca e quis mais espectaculo, Era um menino imper- tinente e arreliador. Foi buscar uma palhinha. - Canta, anda! Canta! - exigia-lhe o Jaiminho. Grilarim teve de sofrer com paciéncia e mudo as tropelias do Jaiminho. E sabem o que fez 0 Jaiminho, que tinha caprichos de menino mimado e tao depressa queria como deixava de querer aquilo que the davam? Pois 0 Jaiminho foi buscar uma daquelas latas, que tém um botao em cima, carrega-se no botao... Puf! Puf! E deitam Uquido que mata baratas, melgas e mosquitos e toda a espécie de insectos, incluindo grilos... Lancou um jacto sobre a gaiola, e logo 0 grilo Grilarim ficou de pernas para o ar. - Ent&o, tu, mataste o grilo, Jaiminho? 0 menino choramingou mas jd nao valia de nada! O pobre bichinho foi atirado da janela do primeiro andar e foi cair no meio do matagal. Ai ficaria nessa noite nao tivesse chuviscado. Cairam pingos € pinguinhos sobre o corpo do grilo Grilarim de pernas para o ar. Os salpicos, que deram alegria s plantas daquele jardim sem flores, também deram vida nova ao maes- tro... ~ que 6 isto? Onde estou eu? - dizia 0 grilo ainda a acordar do sono Cheirava a terra molhada, a erva tenra... Parara de chover € 0 grilo, de | contente, pés-se a cantar. Cantou, cantou e nao se fartou. Ainda canta. Todas as noites temos serenatas nas traseiras... | Deixem-no viver feliz! | Anténio Torrado, Histérlas de Animais e outras que ras, Civiliza¢a0 1. Relaciona 0 vocabulario novo. | lustrosa * *combinar condizer * muito bem vestido aprumado+ + brilhante laricas *cantarolar trautear+ + traquinices tropelias * +fome 1. Descreve a personagem principal. ieee erate | 2. Como foi Grilarim Trolaré parar a gaiola? licoeaiidaLe eats sr An OR 3. Fazoretrato psicolégico do Jaiminho._ a 4. “Jaiminho foi buscar uma daquelas latas...” Que tropelias fez ele com esta lata e que consequéncias tiveram? 6. Como vive,agora,o maestro a sua felicidade? _ I Cetera hc) 1. Leas frases, Nav nosna, hinténia Ads apenar uum gril Guomder odie eomio, a ua, Angunda, folhinRa, de alfoss, “Jaimimbe- earragow bids veyan no hot a & quanta, voy o grille eal de palnd jaro, » rl Sublinha os numerais. Escreve-os no quadro na coluna adequada. ~_ Adjectivos numerais 2. Sublinha na frase os pronomes e classifica-os. Jaiminho implicou com eles. A = __na pessoa do -Entdo tu mataste o grilo, Jaiminho? ae meer ____na_pessoado_ a — Onde estou eu? -_ _na___pessoado | 3. Classifica morfologicamente as palavras destacadas na frase. | Com uma fina palhinha, o Jaiminho retirou o grilo da sua toca. ‘consoantes. Escolhe as correctas. Som “c” Serd couq? or__uestra especta__ulo Ii__uido lari_a __uanto airam Som [s] Sera s, $s,c ou ¢? fo_e gta_a pa_iénca __erenata pare_e so_ego reread Cheirava a terra molhada,aerva tenra... A agua deu vida nova ao grilo. Desenvolve 0 tema: A dgua, fonte de vida e de energia. ® Picco: ng eaters 0 sultao Ali Kate 0 sultdo Ali Kate era 0 mais poderoso e rico de todos os sultées que viviam no deserto. Habitava um enorme palacio de vidro, no meio de oasis € pocos de petraleo. (...) Quando havia guerra, sentia-se ocupado, valente, senhor de quase todo 0 deserto. Mas, em tempo de paz, queixava-se de um grande aborrecimento, de uma grande falta de coisas para fazer e, principalmente, de vontade para as fazer. (...] «Nao hd nada que a minha riqueza nao possa comprar» - dizia com voz arrastada, aos seus conselheiros. E as vezes acrescentava «Mas sinto que ha qualquer coisa que me falta e nao sei bem o que 6.» «Talvez uma boa biblioteca...». ~ arriscou 0 mais culto dos seus conselhei- ros, que se chamava Al Faiate, «Mas eu ja tive uma que era do meu avo» - respondeu Ali Kate - «e mandei-a destruir para ficar com mais espaco para construir uma piscina de marmore e uma sala de vidro para as minhas bailarinas.» O consetheiro, contude, insistiu: «Mas uma biblioteca sempre é uma biblio- teca e a leitura dos seus livros podia ajudar- -vos a ocupar o vosso tempo.» Ali Kate recebeu com um longo siléncio as palavras do conselheiro e no dia seguinte mandou comprar uma biblioteca. (...) Até que um dia descobriu um livro que the despertou mais interesse que todos os outros. Leu-o do principio ao fim varias vezes, tal era a curiosidade que aquelas his- torias provocavam. Eram histérias sobre lanternas magicas, gigantes e tape- tes voadores. Chamou os conselheiros e disse-thes: «Quero um tapete voador! Quero um tapete voador!» Espantados com 0 que acabavam de ouvir, nd souberam o que haviam de responder-the. $6 Al Faiate se adiantou, em tom manso, para lhe dizer: «Senhor, jA nao existem tapetes voadores e nao sabemos mesmo se alguma vez chegaram a existir» |...) «Facam alguma coisa mas, mas arranjem-me um tapete voador...» igo oo) José Jorge Letria, Contos do Tapete Voador, EdigSes Asa (texto com supressoes) 1 Relaciona 0 vocabulario novo. sultao> + local com vegeta¢ao no deserto oasis * + senhor muito poderoso da Arabia conselheiros * *calmo culto+ + pessoas que dao conselhos manso* + sabedor emcee > 4. 5. 6. Nos tempos de paz, de que se queixava Ali Kate? _ O que Ihe sugeriu o mais culto dos conselheiros? Retira do texto a frase em que Al Faiate insiste na ideia da biblioteca. Houve um livro que despertou em Ali Kate uma vontade nova. Que histérias continha o livro e que vontade foi essa? Porque serdo ricos os sult6es que so donos de desertos? Resume 0 texto em trés frases. Completa o quadro. Léa frase. “Eu quero o mais belo tapete!” a) Classifica morfologicamente as palavras sublinhadas. » b) Em que grau se encontra o adjectivo da frase. ¢) Retira da frase: oGN-_ eth StOGVis = a oa : d) Transforma a frase afirmativa numa frase negativa. | 1 Completa as frases, escrevendo as palavras nos sitios correctos. A Pogo — posso. visitarum_______depetréleo? | deserto — decerto que sim, mas 0 éum sitio perigoso. sinto - cinto sede, mas trago um cantil pendurado no meu 3 Smee mp g Facam alguma coisa, mas arranjem-me um tapete voador... Imagina que Ali Kate, em sonhos, conse- guiu um tapete voador e conta as aven- turas por que passou. i ae Pensao “Mar Azul” A praia era um sonho! Formava uma espécie de pequena bala, muito abri- gada numa falésia suave em forma de concha. A areia muito fina e branguis- sima, 0 mar de um azul limpido e transparente, manso, manso! Um colar de conchinhas brilhantes marcava o limite entre a terra e a agua. Pelo areal espa- thavam-se duas fieiras de toldos as riscas, chapéus-de-sol e, [4 no fundo, quie- tos e sossegados, varios barcos garridos aguardavam a hora de serem lancados ao mar, para a faina da pesca, ~ Pensao Mar Azul! - disse a Teresa, com ar sonhador. - 0 nome esté mesmo bem escothido! ~ Realmente, o mar aqui do Algarve é diferente! Tao azul! Tao brithante! Cheio de reflexos dourados! Apetece mesmo ir j4 nadar! ~ Primeiro temos de ir comer o almoco que a tia Francisca nos preparou, sendo ela fica ofendida ~ Que aborrecido! Depois temos de esperar trés horas para fazer a digestao! = Paciéncia! Apanhamos banho de Sol! Eu nao quero é que a senhora fique aborrecida. Ela é tao amorosa! = Venham almocar! - chamou a tia. = Temos la em baixo cada petisco! Desceram a escada ja cheios de fome. E, l4 em baixo, que agradavel! Instalaram-se em bancos de troncos e, enquanto a tia Francisca foi a cozinha buscar o almoco, lancaram-se sobre o que estava na mesa: azeitonas, figos secos, améndoas, fatias de p30 e quadradinhos de queijo. ~ Hum! Que bom! ~ Este queijo é uma delicia! O pior é que faz sede! = Ora aqui tém - disse a tia Francisca, colocando um tacho de barro com arroz de marisco, ainda borbulhante. - Eu adoro! ~ Ent, forca! Toca a comer! Encheu-lhes o prato. Durante alguns segundos no se ouviu uma palavra, apenas o «Nham... Nham... Nham...» do mastigar guloso. Atia sentou-se ao pé deles: = Ora, até parece mentira que os tenho a todos comigo! Vao ver que o Algarve nao fica atras dessas terras onde tém tido tantas aventuras, ‘ana Maria Magalhaes e label Alcada, Uma Aventura no Algarve, Editorial Caminho (texto com supress6es) - ee a= 6. Relaciona 0 vocabulario novo. + de cores fortes falésia fieiras- + trabalho gartidos + +filas faina+ * escarpa na costa reflexos + *brilhos 1. Descreve aquela praia em frente a Pensdo“Mar Azul’ 2. A.Luisa apetecia-Ihe ir nadar, mas ndo podia. Porque? 3. Explica por palavras tuas a frase: Temos Id em baixo cada petisco! 4. Por que motivo era a ementa constitu(da por aqueles ingredientes? 5. “Ora, até parece mentira que vos tenho a todos comigo!” Que sentimentos mostra sentir a tia Francisca pelos meninos? 6. Sugere outro titulo para o texto. 1. O texto é da autoria de Foi retirado do livro Estd escritoem 0 primeiro paragrafo tem periodos, | Completa o quadro. limpido mar | faina 3. Completa a familia de palavras de: » 4. Escreve palavras da rea vocabular de: oo ___férias | | 5. Classifica morfologicamente as palavras destacadas. Na areia branquissima, o mar do Algarve, com as suas ondas,formou um colar de milconchinhas. eo | 6. Léa frase. Os meninos brincam. | a) Retira: | oGN- ~ tem a fungao de oe \ oGv- -temafuncaode ai si ee ee 3 ~interrogativa directa — ©) Faza expansao da frase. d) Reescreve a frase inicial colocando o verbo: no futuro do indicativo-__ no pretérito perfeito do indicativo ~ wy 1. Completa com: pensao - pensam Os meninos_ que aquela temum nome bem escolhido. Esta a chegar 0 Verao! Fala dos aspectos da Natureza, do clima, das férias, das e festas, da forma de vestir e de agir das pessoas... ‘Nome: No final do 3.° periodo, avalia o trabalho que realizaste,assinalando com X. 6 Jd sou capaz de... Sim Nao | sim Nao + Fazer a divisdo silabica. + Distinguir a funcao de: + Distinguir silaba ténica - sujeito; esflaba dtona. = predicado. + Classificar palavras quanto: + Transformar frases. | =ao numero de silabas; + Identificar adjectivos. ~Aacentuacao. + |dentificar e aplicar os diferentes | * Organizar familias de graus dos adjectivos: | palavras. = normal; +Elaborar areas vocabulares. = comparativo; + Estabelecer relacoes de —superlativo. | significado entre as + Identificar e aplicar palavras: determinantes: | = sindnimos; — artigos; -anténimos. = possessivos; | + Distinguir tipos de texto. - demonstrativos. +\dentificar: + Identificar e aplicar: | = género dos nomes; = quantificadores | ~grau dos nomes; numerais; | =ntimeros dos nomes. = adjectivos numerais. | + |dentificar, em frases, os + Identificar e aplicar os | seus elementos pronomes pessoais. | fundamentais: + Identificar verbos. + Aplicar as formas verbal: | — presente do indicativo; | é = pretérito perfeito do +Verificar a mobilidade indicativo; do GM na frase. —futuro do indicativo. De acordo com a auto-avaliacdo que realizaste, tira conclusdes relativamente a este periodo lectivo. Jd sou capaz de... Assinala as atitudes que te podem ajudar a melhorar o teu apro- veitamento. Ser pontual. Ser organizado. Estar mais atento nas aulas. Fazer perguntas quando tiver dificuldades. Participar activamente em todas as actividades na sala de aula. Realizar os trabalhos nos tempos previstos. Efectuar mais exercicios. Colaborar nos trabalhos de grupo. Realizar sempre os trabalhos de casa. Pedir ajuda quando sentir dificuldades.