Você está na página 1de 13

Faculdades Anhanguera – FAC 3

Tensão Pré-Menstrual
Campinas
AMANDA TEREA FERREIRA......................................RA 6220125
ANDERSON LUIS SILVA.............................................RA 0808169227
CECI ROSSI.................................................................RA 6220559
ELKE SANDRA ALVES................................................RA 6220314
GABRIELA BERTAGLIA...............................................RA 6220852
JULIANA DIAS OLIVEIRA ROMAN..............................RA 6221080
PRISCILA MARIOTTO.................................................RA 0517036
VALERIA BERNARDO.................................................RA 6219498
WESLEY BATISTA DE CAMPOS................................RA 6220996

Tensão Pré-menstrual
Saúde da Mulher – Profa. Cristiane

2
SUMÁRIO

Definição.................................................................................................................................... 4
Fisiopatologia.............................................................................................................................5
Diagnóstico.................................................................................................................................6
Principais Sintomas.......................................................................................................................... 6
Tratamento................................................................................................................................. 8
Alimentação...................................................................................................................................... 8
Exercícios, redução de estresse e remédios..................................................................................... 9
Exercícios: ...................................................................................................................................................... 9
Redução de estresse:...................................................................................................................................... 10
Medicamentos:............................................................................................................................................... 10
Siga algumas dicas para enfrentar aqueles dias:............................................................................................ 10
Tratamento e cuidados de enfermagem.................................................................................. 10
Curiosidades............................................................................................................................. 11
Tipos de TPM................................................................................................................................. 11
A TPM e o Desejo Sexual............................................................................................................... 12
CONCLUSÃO.......................................................................................................................... 12
REFERÊNCIA.........................................................................................................................12

3
Definição
A Síndrome Pré-Menstrual (SPM), mas conhecida popularmente como TPM
(tensão pré-menstrual), é caracterizada por um conjunto de sintomas físicos ou/e
emocionais que antecedem o período menstrual. Esses sintomas que martirizam as
mulheres, periodicamente, interferem tanto na sua vida social como econômica.
É uma afecção da mais alta importância para o ginecologista, no entanto o
seu conceito é até hoje, bastante controverso, visto que o quadro clínico é muito
variado e polimorfo.
As mulheres no ????, cerca de 15%, têm fluxos menstruais sem qualquer
manifestação prévia. As demais apresentam um quadro clinico complexo de
sintomatologia e intensidade variável, que só é evidenciado por meio de anamnese
cuidadosa. A característica principal dessa síndrome é a exarcebação desses
sintomas e o seu caráter incapacitante. A SPM tem mais e 150 sintomas
relacionados, porém nenhum deles é considerado patognômico, tornando a
incidência dessa síndrome difícil de ser calculada em razão da pouca nitidez entre o
habitual e o distúrbio, como o transtorno disfórico pré-menstrual que acomete de 3 a
8% das mulheres em idade fértil, porém esses são caos raros.
Pesquisa realizada nos USA com 254 mulheres de idade entre 20 e 44 anos
revelaram os sintomas mais comuns durante a TPM. [4]
• Irritabilidade 86,4%
• Cansaço 70,9%
• Depressão 61,8%
• Cefaléia 61,8%
• Mastalgia 59,1%
• Dor Abdominal 54,5%
Nessa pesquisa foram revelados também mais dados importantes e
interessantes em relação à TPM
• 94,5% sofrem de mais de um sintoma
• 89,1% sofrem sintomas psíquicos
• 76,4% tem queixas de sintomas físicos e psíquicos.

Os principais sinais e sintomas são, segundo a área de expressão [7]:

• Afetiva (tristeza, ansiedade, raiva, irritabilidade, labilidade do humor).

• Cognitiva (dificuldade de concentração, indecisão, ideação suicida,


dolorosa, cefaléia, mastalgia, dor articular, dor muscular).

• Neurovegetativa (insônia, sonolência, anorexia, desejo por determinados


alimentos, fadiga, alteração da libido).

• Autônoma (náuseas, diarréia, palpitação, sudorese).

• Sistema Nervoso Central (tonturas, vertigens, parestesia).

4
• Hidroeletrolítica (distensão abdominal, aumento de peso, oligúria, edema).

• Dermatológica (acne, oleosidade).

• Comportamental (falta de motivação, apatia, isolamento social).

Fisiopatologia
Quase sempre o quadro clínico da TPM é composto por irritabilidade e/ou
depressão, podendo ser acompanhados de cansaço e dores de cabeça ou mamas,
na maioria das vezes buscando associação de sintomas físicos e psíquicos, com
duração de três a sete dias. [1]
Hoje em dia, existem alguns tratamentos com bons resultados como
antidepressivos, as vezes ansidéticos, já que os sintomas da TPM são da mesma
natureza da depressão e ansiedade.[3]
Ressalta-se a importância de não ser detectada outras doenças orgânicas e
emocionais que possam levar as mulheres a confundirem os sintomas com a TPM. [3]
Os hormônios envolvidos na TPM são além do estrogênio, progesterona,
endorfinas e prostraglandinas, os ??? (melatomina), os neurotransmissores
dopaminas, ácido gama-aminobutirico (BABA) e a cerotonina. [1]
Um dos sintomas muito relatado é a mastalgia, que é atribuído a
hiperprolatinimia nesse período, o que indica também redução da atividade da
dopamina podendo ser a causa do desenvolvimento de depressão. [2]
A constipação intestinal e a distensão abdominal podem ser explicadas pelo
fato de que os receptores de dopamina atuam como inibidores periféricos das
prostaglandinas, reduzindo a contractilidade da musculatura lisa. [1]
A depressão, ansiedade e agressibilidade podem estar relacionadas a
redução da atividade da serotonina e elevação da melatonina. Há o aumento de
atividade da supra-renal, portanto a elevação da aldosterona e liberação de
vasopressina, podendo ser estas as causa de retenção hídrica.
A regulação do neurotransmissor GABA é interferida pela progesterona e
seus metabólitos na TPM, estando tal fato relacionado a crises de depressão,
ansiedade e agitação. [1]
A cefaléia, também muito relatada, é causada pela alteração da atividade
contrátil da musculatura lisa dos vasos e agravada pela falta do sistema endógeno
de analgesia, por depressão das monoaminas e dos opióides. Estudos tentam
mostrar se pode haver participação etiopatogênica dos baixos teores de vitamina A,
E, B6 e também o envolvimento de zinco, cobre, magnésio e cálcio, já que estes
regulam a produção dos neurotransmissores e o fluxo da corrente sanguínea para o
tecido nervoso. [1]
Alguns autores acreditam que oscilações importantes, causadas por
variações hormonais durante o período pré-menstrual, podem contribuir para a TPM
[1]
. A Ingestão inadequada de cálcio e magnésio pode estar relacionada ao
aparecimento dos sintomas de TPM, já que regulam a contractilidade da
musculatura lisa dos vasos próximos ao tecido nervoso. Mulheres com essa afecção

5
nervosa têm menores concentrações de magnésio. Alguns trabalhos demonstram
que após suplementação de cálcio e magnésio, as mulheres apresentam melhora
dos sintomas emocionais e de retenção hídrica, porém não esta estabelecida uma
explicação fisiopatológica. [1]
Fatores psicológicos e culturais influenciam muito na sintomatologia e
melhora das pacientes com TPM. [1]

Quatro padrões de severidade de sintomas são descritos [7]:

• Os sintomas aumentam gradativamente de intensidade na fase lútea, com


melhora abrupta no início da menstruação.

• Os sintomas pioram gradativamente na fase lútea, havendo melhora


somente no início da fase folicular.

• Sintomas severos somente em alguns dias da fase lútea.

• Sintomas severos em dois períodos distintos: o primeiro perto do período


ovulatório e o segundo nos dias que antecedem a menstruação.

Diagnóstico
Quadro clínico com variados sintomas que podem se manifestar até 10 dias
antes do catamênio que podem se exacerbar nesse período desaparecendo
repentinamente. Entretanto o estado emocional, porem o prognostico é bom. [8]

Principais Sintomas

Neuropsíquicos Emocionais

 Ansiedade
 Cefaléia
 Fadiga
 Agressividade
 Isolamento social
 Indecisão
 Tentativa de suicídio

Decorrentes da Retenção Hídrica

 Oligúria
 Ganho de peso
 Mastalgia
 Dor pélvica
 Dor em membros inferiores
 Distenção do abdome por edema das alças intestinais

6
Miscelânea

 Náusea
 Vômitos
 Taquicardia
 Dispnéia
 Manifestações alérgicas
 Prurido vulvar
 Acne

Para detectar o transtorno disfórico pré-menstrual é preciso ter pelo menos


cinco dos sintomas citados abaixo sendo maior na ultima semana da fase lútea,
melhora após alguns dias da fase folicular e desaparece após a menstruação.

Alguns Sintomas

 Humor ou pensamentos depreciativos


 Ansiedade
 Tristeza acentuada ou maior sensibilidade á rejeição
 Problemas de relacionamento pessoal
 Perda de interesse em atividades habituais
 Dificuldade de concentração
 Fadiga, perda de energia
 Hipersônia ou insônia

Diagnostico Clinico

Devem-se excluir outras patologias que tenham sintomas comuns, com a


extensa sintomatologia dessa doença, não esquecendo os fatores externos e
psicogênicos no desencadeamento de sintomas.
O mais importante é manter um diário do ciclo menstrual. Se os sintomas
ocorrerem de modo repetitivo iniciando a partir do 10-14 dias do ciclo durando até a
chegada do fluxo, então a SPM é o diagnostico mais provável.
A avaliação médica é imprescindível para descartar a possibilidade de
outras doenças que podem simular a SPM.
Exemplos: depressão; retenção cíclica de água; fadiga crônica; síndrome do
intestino irritável; entre outros.
Existem dois grandes grupos de transtorno da SPM recorrente:

o Transtorno da SPM primaria recorrente: usado para mulheres


no período fértil livre de todo diagnostico psicopatológico.
o Transtorno da SPM secundaria recorrente: reservado para
mulheres que respondem aos critérios do transtorno primário e
ao mesmo tempo aos critérios de outro transtorno
psicopatológico.

7
Tratamento
Sintomas mais leves de TPM podem ser aliviados com mudança de hábitos
simples, através e dietas, exercícios e redução do estresse.

Alimentação
Não temos uma medida exata do quanto a alimentação afeta a TPM, mas
algumas pesquisas mostraram que aumentar a quantidade de carboidratos
complexos antes da menstruação ajuda a elevar os níveis de serotonina, e vale
lembrar que a deficiência desse neurotransmissor esta ligada a depressão causada
pela TPM. Embora os carboidratos complexos (como os encontrados em grãos
integrais e vegetais) sejam bons durante a TPM, os carboidratos simples (como os
presentes em doces e no pão francês) podem acabar aumentando a retenção de
líquidos, a irritabilidade e outros sintomas da TPM.
Os especialistas também recomendam que as mulheres em idade menstrual
tomem vitaminas, especialmente um polivitamínico diário que contenha acido fólico,
essencial para o crescimento do feto, caso a mulher engravide, cálcio e vitamina D
(que ajudam os ossos a ficarem fortes). Esses fatores aliviam os sintomas da TPM.
Alguns pesquisadores acham que a vitamina B6 pode aliviar esses sintomas
também, especialmente a depressão, mas sua eficácia ainda não foi comprovada e
é importante ter em mente que em doses muito altas (500mg a 2 mil mg/dia) podem
causar danos ao sistema nervoso.
Como sabemos nesse período é muito importante fazer a ingesta de frutas
de qualquer tipo, pois as frutas alem de serem diuréticas elas também são
desintoxicantes e auxiliam no metabolismo do progesterona.
Outros alimentos bastante indicados nesse período são o brócolis, a couve
flor, o repolho e o manjericão pois eles tem a capacidade de prevenir os sintomas.
Diminuir a ingesta de sal também é uma boa escolha, pois o sal ajuda na
retenção de líquidos ajudando a aumentar a sensação de inchaço, por isso cortar o
sal em excesso.
Leite, iogurte, queijo e derivados ricos em cálcio diminuem a cólica e o mau
– humor. Folhas e vegetais verdes escuros contem bioflavonóides que vão
beneficiar a circulação e tem efeito antioxidante.
Gérmen de trigo, farelo, levedo de cerveja, arroz integral, amendoim e ovos
contem vitaminas do complexo B que regulam os neurotransmissores, que resulta
na diminuição da tensão da depressão da insônia e da ansiedade. [5]
Os nutricionistas, ás vezes, recomendam que mulheres com TPM comam
varias refeições pequenas no decorrer do dia em vez de três refeições maiores.
Comer muitos alimentos de uma só vez pode causar um “efeito gangorra” no nível
de açúcar no sangue e alguns cientistas dizem que isso pode aumentar os sintomas
da TPM.
Alguns alimentos devem ser evitados:
• Cafeína: Já que podem aumentar a irritabilidade, o nervosismo e a
insônia.
• Álcool: pela possibilidade de agir como um depressivo.
• Sal: devido a capacidade de aumentar a retenção de líquidos e
inchaço.

8
As mulheres também devem evitar a nicotina, pois, alem dos outros riscos já
conhecidos, pode afetar os sintomas da TPM da mesma maneira que a cafeína.

Exercícios, redução de estresse e remédios.

Exercícios:
Durante a malhação, os níveis dois compostos químicos chamados beta-
endorfinas, aumentam. Isso produz um impacto positivo sobre o humor e o
comportamento. Especialistas afirmam que se exercitar ao menos três vezes por
semana pode reduzir a raiva, a depressão e combater o estresse durante a TPM.
Os exercícios ajudam na diminuição da TPM, pois agem no eixo produtor de
hormônios Hipotálamo – Hipófise – Ovário. A produção do hormônio responsável
pela TPM que é a progesterona é feita no ovário. Com a pratica de exercícios físicos
a produção de endorfinas no hipotálamo é estimulada. Uma vez que essa ponta do
eixo está sendo estimulada e por essa razão trabalhando bastante a outra ponta do
eixo que é o ovário passa a ser desestimulada. Conclusão: Cai a produção e a
quantidade de progesterona no organismo os sintomas da TPM serão reduzidos ou
não aparecerão. [5]

9
Redução de estresse:
Embora o estresse não cause a TPM, ele pode piorar seus sintomas. Por
isso, pode ser uma boa idéia procurar técnicas de relaxamento como meditação e
ioga, que costumas surtir efeito no alivio do estresse.

Medicamentos:
Quando o controle da alimentação, os exercícios e a redução do estresse
não são o bastante para alivias os sintomas, talvez esteja na hora dos
medicamentos entrarem em ação. Remédios que não precisam de receita medica,
como os que contêm acitaminofeno e ibuprofeno podem aliviar as cólicas e outras
dores menores.
Há medicamentos direcionados a mulheres que estão sofrendo com os
sintomas da TPM. Esse medicamentos normalmente são uma combinação de
diuréticos e aspirina ou acetaminofeno para a dor. Os diuréticos são uma maneira de
impedir a retenção de líquidos para aliviar o inchaço.
Já para as mulheres com TDPM (transtorno disfórico pré-menstrual), os
antidepressivos, como o hidrocloreto de setralina e fluoxetina, podem ser uma
alternativa para aliviar a depressão.
Nos casos mais graves, há a possibilidade de usar anticoncepcionais para
fazer a ovulação parar de vez.
Todos esses procedimentos devem ter acompanhamento e prescrição
medica.

Siga algumas dicas para enfrentar aqueles dias:

♥ Pratique exercícios, que ajudam a ameniza a tensão e a


depressão.
♥ Dê preferência a alimentos que funcionem como diuréticos.
♥ Procure não marcar compromissos que exijam demais de
você.
♥ Levante a auto-estima, caprichando no visiual
♥ Faça sexo. As relações aliviam a tensão e relaxam a
musculatura.
♥ Faça acupuntura porque tem apresentado muitos benefícios,
principalmente a redução do "stress" e das cólicas menstruais.

Tratamento e cuidados de enfermagem


A enfermeira deve estabelecer uma relação com a paciente, verificando qual
é a sua história de saúde, o momento do início dos sintomas (se ocorre antes ou
logo depois do início do fluxo menstrual), suas naturezas e intensidades. Pode

10
também, mostrar à paciente como desenvolver uma tabela de registro dos sintomas
e sua intensidade. Deve ainda, pesquisar sobre sua nutrição para determinar se a
dieta é rica em sal, álcool e cafeína ou pobre em nutrientes essenciais e orientá-la
seguir uma dieta saudável (com vitaminas, cálcio, magnésio, por exemplo).
Os objetivos da paciente incluem a redução da ansiedade (mudanças de
humor, choro, alterações no apetite, medo da perda de controle), a capacidade de
lidar com o estresse do dia-a-dia e com as relações com a família e os mais
próximos, e o maior conhecimento sobre a SPM com melhor uso das medidas de
controle.
As medidas de enfrentamento positivas são facilitadas. O aconselhamento
aos parceiros quanto a ajudarem no oferecimento de suporte e envolvimento no
cuidado dos filhos é muito importante. A paciente pode tentar um planejamento de
seu tempo de trabalho para acomodar os dias em que estiver menos produtiva por
causa da SPM. A enfermeira pode encorajá-la na realização de exercícios físicos,
relaxamento, meditação e desenvolvimento de atividades criativas para a redução
do estresse. É importante também, orientá-la a tomar corretamente as medicações
prescritas fornecendo instruções sobre os efeitos desejados das mesmas.
Existem grupos de SPM em que mulheres se encontram para discutirem os
problemas enfrentados por cada uma e trocarem suas experiências. A entrada da
paciente em um desses grupos pode ajudá-la a aprender que há pessoas que
compreendem e reconhecem o que ela está experimentando. A orientação da sua
inclusão em um desses grupos deve ser dada pela enfermeira.
Em casos mais extremos, algumas pacientes podem apresentar
comportamentos suicidas, incontroláveis e violentos (muitas vezes direcionados à
própria família) e a enfermeira deve auxiliá-la, encaminhando-a para avaliação
psiquiátrica ou para aconselhamento psicológico imediato, dependendo da
gravidade.

Curiosidades
Tipos de TPM

Ao se analisar os sintoams mais frequentesa da TPM pode dividi-las em quatro


grupos.[5]

o Tipo A – Principal sintoma desse grupo é Ansiedade. Mas além da ansiedade a


mulher desse grupo pode apresentar também agressividade, irritabilidade, tensão
nervosa e sensação de estar “no limite”.
o Tipo H – Nesse grupo predomina a retenção hidrica. Neste grupo alterações
físicas, como inchaço , volum no abdomem, dores mamarias e ganho de peso são
comuns.
o Tipo C – O sintoma que mais se destaca nesse grupo é a cefaléia. Entre outros
sintomas podem aparecer também, fadiga e aumento do apetite, principalmente
vontade de comer doces.
o Tipo D – Nas mulheres do grupo D o principal sinal da TPM é a depressão que
está associado à insônia, ao choro fácil,ao esquecimento e ao desanimo.

11
A TPM e o Desejo Sexual

A TPM é um sério problema para a mulher moderna, mas desconhecido por


suas ancestrais. Isso por que suas ancestrais estavam quase que toda sua vida fértil
grávidas e seus problemas ligados a menstruação ocorriam em media 10 a 20 vezes
na vida. Nos dias atuais são em media 12 vezes por ano, durante a idade fértil que
vai geralmente dos 12 anos de idade até mais ou menos 50 anos. Isso nos da em
media de 350 a 400 TPMs na vida levando em conta a media de 2,4 filhos e para as
mulheres que não tem filhos o numero de TPMs pode chegar a 500 episódios.
Um fato interessante que até pouco tempo não era conhecido, ou pelo
menos não era notado e estudado é que o desejo sexual feminino aumenta
geralmente entre o 18 e 21 dias do ciclo menstrual. Isso ocorre por que nessa fase o
ciclo a testosterona no organismo feminino atinge seu pico máximo, havendo então
uma maior chance de concepção. Esse desejo sexual é aumentado através de
hormônios que são liberados para que haja a perpetuação da espécie, é algo
instintivo, é a natureza quem comanda.
Entre o 21 e 28 dias do ciclo os hormônios caem drasticamente fazendo
com que os sintomas da TPM apareçam de formas características como por
exemplo tristeza, ansiedade e inchaço. [6]

CONCLUSÃO
Concluímos que é necessário o conhecimento das mulheres sobre a SPM,
ou TPM, para que as mesmas reflitam sobre as conseqüências em suas vidas, não
somente como mulheres, mas também como mães, esposas, filhas, namoradas,
estudantes e trabalhadoras. Compreendendo a maneira de como o seu cotidiano
está sendo afetado, será mais fácil visualizarem caminhos para enfrentarem as
conseqüências geradas pela SPM.
Vimos também que é muito importante a compreensão dos profissionais na
área da saúde da mulher neste processo para a implementação de ações que
busquem e possibilitem mudanças nos hábitos, atitudes e comportamentos, visando
uma melhor qualidade de vida a essas mulheres com SPM.

REFERÊNCIA
1. livro???
2. Nogueira, Clarissa Waldige Mendes and Pinto e Silva, João Luiz Prevalência dos
Sintomas da Síndrome Pré-Menstrual. Rev. Bras. Ginecol. Obstet., 2000, vol.22, no.6,
p.347-351. ISSN 0100-7203

12
3. Silva, Celene Maria Longo da; Gigante, Denise Petrucci; Carret, Maria Laura Vidal;
Fassa, Anaclaudia Gastal Population study of premenstrual syndrome. Revista de
Saúde Pública, 2006, vol.40, n. 1, ISSN 0034-8910.
4. Wikipedia
5. Clube da tpm www.clubedatpm.com.br
6. Pease, Allan e Pease, Barbara - Por que os homens fazem sexo e as mulheres fazem
amor?
7. Chieppe, Alexandre Otavio - Síndrome da Tensão Pré-Menstrual (Síndrome Pré-
Menstrual) Abordagem Diagnóstica – www.medcenter.com.br
8. www.gineco.com.br

13