Você está na página 1de 41

Preservação, lavagem e hibernação de caldeira

ASME VII recommended guidelines for the care of power boilers Subsection C8 Control of internal chemical conditions

Recomendações do projetista da caldeira Manual de operação

• - Limpeza química da caldeira

• - Controle as condições da água da caldeira

• Devem ser estabelecidos e supervisionados

• Por pessoal qualificado, experiente e treinado nos itens a seguir:

• 1-Limpeza interna de caldeiras

2-Preservação (Laying up - to take out of active service)

a ç ã o (Laying up - to take out of active service) • 3-Depósitos (
a ç ã o (Laying up - to take out of active service) • 3-Depósitos (

• 3-Depósitos ( a desenvolver)

• 4-Corrosão interna ( a desenvolver)

• 5-Trincamento dos aços de caldeira ( a

desenvolver)

• 6-Contaminação do vapor ( a desenvolver)

desenvolver) • 6-Contaminação do vapor ( a desenvolver) • 7-Amostragem, teste e analise da água (
desenvolver) • 6-Contaminação do vapor ( a desenvolver) • 7-Amostragem, teste e analise da água (

• 7-Amostragem, teste e analise

da

água ( a desenvolver)

• 8-Condições do lado do fogo ( a desenvolver)

1-Limpeza interna de caldeiras

• Caldeira nova antes de entrar em serviço deve ser razoavelmente livre de:

• -carepa de laminação

• -Produto de corrosão

• -Matéria orgânica

• -Graxa

• -Resíduo de tinta protetora aplicada para evitar corrosão

• -Fluxo e escória de solda

• -E qualquer outro resíduo gerado na fabricação e montagem da caldeira

• Os produtos de limpeza devem ser compatíveis com os materiais de construção da caldeira

Limpeza com detergente

• Solução de detergente alcalino para remover

• -Óleo e graxa

• -Da superfície interna da caldeira e economizador

• Evitar soluções fortemente alcalinas em super- aquecedores não drenáveis ou em aço austenítico

• A limpeza química que segue a esta limpeza pode não ser tão efetiva se a limpeza com detergente não remover as substâncias oleosas

Limpeza química

• Realizada com solução solvente ácida ou básica ou uma seqüência de soluções ácida e básica

• Com o principal objetivo de remover carepas e produtos de corrosão

• Trabalho deverá ser realizado e supervisionado por pessoal qualificado, treinado e experiente para evitar:

• -Danos aos materiais da caldeira

• -problemas no manuseio de soluções ácidas e básicas

• -problemas com produtos explosivos e tóxicos formados na lavagem

• Efetuar análise química dos produtos a serem removidos

• Para definir o programa de limpeza química

• E a composição das soluções a serem utilizadas

• Pode ser necessário utilizar amostra de tubos para teste da limpeza química

• Normalmente caldeira com pressão abaixo de 900 psig (6,2 MPa ; 63,3 Kgf/cm 2 )

• não são submetidas a limpeza química

• É feita limpeza com uma pré-operação alcalina (alkaline boilout)

• Em muitos casos, caldeiras montadas no campo não necessitam de limpeza química

• Um pré-operação alcalina (alkaline boilout) é suficiente

• Este procedimento (alkaline boilout) deve ser adotado após conclusão dos trabalhos de manutenção periódica programada

Procedimento para lavagem química CBC

• Caldeira de circulação natural

Lavagem alcalina e lavagem ácida

a)Lavagem ácida inicial

• (para entrar em operação pela primeira vez)

• Recomendado para caldeiras com pressão acima de 1792 psi (126Kgf/cm 2 – 12,4 Mpa)

b)Lavagem ácida após operação

• A decisão de lavagem química dependerá da quantidade de depósito no interior dos tubos

• Início de aparecimento de laranjas nas áreas de intensa troca térmica

• É feita como medida preventiva para caldeiras de alta pressão

c) Lavagem alcalina

• Deverá ser efetuada após teste hidrostático

• Após montagem dos queimadores e sistema de controle e segurança

• Antes de iniciar a operação

• Após montagem da caldeira e nesta oportunidade fazer a secagem do refratário

• Ou após manutenção programada

Solução alcalina

• Para cada 1000 Kg de água

• Hidróxido de sódio: NaOH

2Kg

• 0,2% em peso

• Carbonato de sódio: Na 2 CO 3

2Kg

• 0,2% em peso

• Fosfato trisódio:Na 2 PO 4

4Kg

• 0,4% em peso

• Sulfito de sódio:Na 2 SO 3

0,2Kg

• 0,02% em peso

• As quantidades podem ser aumentadas dependendo dos casos específicos

Operação de lavagem alcalina

• 1-Após inspeção e limpeza dos tubulões e fornalhas

• Fechar as válvulas e BV’s,

• Mantendo aberto:

• -Vent e BV do tubulão superior

• -Drenos e vents do coletor de saída do superaquecedor

• 2-Alimentar a água pela BV do tubulão superior até o nível aparecer sobre os tubos

• 3-adicionar os produtos químicos previamente dissolvidos em água

4-Fechar a BV do tubulão e completar o nível de água até que apareça na parte inferior do indicador de nível

5-Após purga da fornalha acender queimador e:

manter taxa de aquecimento lenta 25 C/h

Pressão de operação

Aumento gradativo da pressão até

Kg/cm

2

Pressão na lavagem

Kg/cm

2

atingir a pressão normal de lavagem

Abaixo de 7

A mesma pressão

química como segue:

7 a 25

7

25 a 105

20% da pressão

Acima de 105

21

• 6-Durante o aquecimento acender queimadores alternadamente para obter aquecimento uniforme

• 7-Iniciada a vaporização e tendo a pressão atingido 2 Kg/cm 2 :

• -Fechar vent do tubulão e do coletor de saída

• -Manter aberto dreno do coletor de saída de modo a garantir fluxo pelos superaquecedores

• 8-Atingida a pressão de lavagem, mantêla por um período de 6 horas

• 9-Iniciar descarga com vazão de 3 ton/h:

• -pela válvula de descarga de fundo e

• -pela válvula de descarga contínua

• -durante a descarga alimentar a caldeira com água de forma a

• -manter o nível do tubulão e a pressão de lavagem por no mínimo 10 horas

• 10- Retirar amostra de água a cada 2 horas para análise de alcalinidade e concentração de óleo

• -se houver queda da alcalinidade e do fosfato, adicionar produtos químicos para restabelecer a concentração original

• 11-Terminada a operação:

• -apagar queimadores e quando a pressão a atingir 2 Kg/cm 2

• -abrir vents do coletor do superaquecdor

• -quando a temperatura da água estiver abaixo de 90 C, drenar caldeira e abrir BV do tubulão para inspeção da limpeza

• 12-Iniciar procedimento de partida normal da caldeira

caldeira e abrir BV do tubulão para inspeção da limpeza • 12-Iniciar procedimento de partida normal

2-Preservação (Laying up - to take out of active service)

-Introdução

• Quando a caldeira sai de operação ela deve ser resfriada até que a pressão chegue a 10 psig (0,7 Kgf/cm 2 )

• A inspeção deverá indicar quais os trabalhos de reparo serão necessários e

• Que tipo de limpeza mecânica e química deverá ser feita

• Deve-se decidir se a caldeira será mantida fora de operação na condição seca ou molhada (cheia de água)

• A condição molhada é preferível se não houver risco de congelamento

• Uma vez que superfície de metal limpa é mais susceptível ao ataque do que superfície que apresente óxido sobre ela,

• durante o período em que esta fora de operação,

• É preferível deixar a limpeza química para quando estiver prestes a voltar a operar

-Preservação seca

• Manter a caldeira fora de operação na condição seca pode ser preferível onde pode ser esperado congelamento durante este período

• A caldeira deverá ser mantida seca em toda a sua extensão, uma vez que qualquer umidade na superfície do metal pode provocar corrosão significativa se o período for longo

• Após secar deve-se tomar providências para evitar a entrada de umidade oriunda das linhas de vapor, linhas de alimentação ou ar

• Para isto deve ser utilizado material absorvedor de umidade:

• -Cal: 7 lb (3,2 Kg) para cada 100 ft 3 (2,83 m 3 )

• -Sílica gel: 8 lb (3,6 Kg) para cada 100 ft 3 (2,83 m 3 )

• -Ou Barrilha (Carbonato de sódio-Na 2 CO 3 )

• Deve ser colocado em bandejas dentro dos tubulões para absorver umidade do ar

• As BV’s devem ser fechadas e todas a conexões da caldeira deverão ser fechadas de forma estanque

• A efetividade do material de secagem e sua renovação deverão ser verificadas através de inspeções periódicas da caldeira

• Uma alternativa é circular ar seco dentro da caldeira

• A distribuição uniforme de ar deverá ser cuidadosamente verificada para garantir fluxo de ar em todas as áreas da caldeira

• No caso de caldeiras industriais de grande porte é aceitável a introdução de nitrogênio pelo vent, enquanto a água da caldeira esta sendo drenada

• Manter uma pressão de nitrogênio de 5 psig (0,35Kgf/cm 2 )

Cuidado com atmosfera de N 2 uma caldeira purgada com nitrogênio deve ter avisos nas BV’s pois a entrada de pessoa pode ser fatal

Circular ar fresco antes da entrada de pessoas

-Preservação molhada úmida

• A preservação da caldeira cheia de água deverá ser utilizada para uma caldeira que deva ser mantida em condições de partida imediata “standby”

• Não se aplica a caldeira que possa estar sujeita a temperatura de congelamento

• A caldeira vazia deve ser enchida até o topo com água com adição de produtos químicos para minimizar corrosão durante “standby”

• A pressão da água deve ser mantida acima da pressão atmosférica

• Pode-se utilizar o N 2 para manter uma pressão de 5 psig

Para período curto de preservação em caldeiras com pressão abaixo de 1000 psig (70,31 Kgf/cm 2 )

• -A caldeira pode ser enchida com condensado ou água de alimentação contendo

• -aproximadamente 200 ppm de sulfito de sódio (Na 2 SO 3 )

• -fazer ajuste do pH = 10 com uma substância alcalina adequada

• -Se o superaquecedor for drenável ele pode ser enchido com a mesma água

• -O superaquecedor deverá ser drenado e lavado com condensado antes da partida da caldeira

Se o superaquecedor não for drenável ele deverá ser enchido com condensado ou água desmineralizada contendo o mínimo de sólido dissolvido

• -não mais que 1 ppm

• -Antes de introduzir a água no superaquecedor , dosar:

• -cerca de 200 ppm de hidrazina e

• -um alcali volátil, amonia ou morfolina para obter pH=10

• -A caldeira pode então ser enchida através da linha de alimentação com condensado tratado com hidrazina e um alcali volátil

• -Se o tempo de preservação for superior a 3 meses, a concentração de hidrazina deve ser dobrada

Para caldeiras abaixo de 100 psig (690 KPa)

• - o superaquecedor ser enchido com condensado tratado com hidrazina e um alcali volátil e em seguida

• -a caldeira pode ser enchida com água de alimentação ou condensado tratado com sulfito de sódio ou hidrazina como descrito anteriormente

Para caldeiras acima de 1000 psig (6900KPa)

• -hidrazina e alcali volátil deve ser utilizado para prevenir deposição de qualquer sólido na caldeira depois da preservação

Como alternativa, a caldeira pode ser preservada com água de caldeira tratada no nível normal de operação no tubulão

• -mantendo uma pressão de N 2 de 5 psig (35 KPa) em todos os espaços vapor

• -para prevenir entrada de ar deve-se suprir N 2 pelos vents antes da pressão da caldeira cair a zero quando a caldeira sair de linha

• -se a pressão da caldeira cair a zero, ela deve ser acesa para restabelecer a pressão

• -ventar os superaquecedor para remover o ar antes de admitir o N 2

• Todas as partes parcialmente cheias do tubulão e superaquecedor devem ser conectadas em paralelo com o suprimento de N 2

• Em vez de manter a caldeira com água até o nível normal e pressurizada com N 2

• É preferível drenar completamente a caldeira

• -suprindo continuamente N 2 durante a drenagem e

• -manter a pressão de N 2 maior que a pressão atmosférica durante a drenagem e o período subseguente de preservação

Preservação recomendada pelo Projetista (CBC)

1-Preservação inicial

1.1-Preservação da parte de pressão

• Após limpeza interna

• Encher (tubulões, coletores e tubos) com água desmineralizada ou desaerada, com adição de:

• -Hidrazina (N 2 H 4 ) 500 ppm e

• -Amônia (NH 3 ) 10 ppm

• Encher até estravazar pelos vents

• Manter pressurizado com N 2 0,4 Kgf/cm 2

Preservação de caldeira que estava operando

• Úmido ou seco

Método de preservação úmido

P/ curto período de preservação

• -Tempo de 3 ou 4 dias

• -Um dia antes de retirar de operação manter pH e hidrazina em seus valores superiores

• -Manter uma pressão de N 2 de 0,2 a 0,4 Kgf/cm 2

P/ Médio período de preservação

• -Tempo superior a uma semana

• -Água deverá ser completada até o topo do tubulão

• -concentração de produto na água da caldeira

• --10 ppm de amônia (NH 3 ) e 200 ppm de hidrazina (N 2 H 4 )

• -se houver risco de congelamento fazer aquecimento próprio ou utilizar método de preservação a seco

• P/ período longo de preservação

• -após limpeza dos tubulões coletores e tubos encher com água com amônia e hidrazina como anteriormente

• -Se possível pressurizar com N 2

• -Após um dia verificar o teor de hidrazina e amônia na água

• -Posteriormente fazer analise da água a cada 10 dias

• -Se a concentração cair pela metade adicionar mais produto

• -cuidar para que o pH não fique abaixo de

Preservação a seco

• -após drenagem da água e

• -inspeção e limpeza de tubulões, coletores e tubos

• -secagem através de ligeiro aquecimento da fornalha

• -cuidado para não ocorrer superaquecimento dos tubos da fornalha

• -resfriar a cadeira e introduzir absorvente de umidade

• -cal virgem na proporção de 14 Kg /50m 2 de superfície de aquecimento

• -Cuidado com o uso de cloreto de calcio cujo condensado pode danificar o tubulão

• -Inspeção dos produto absorvente a cada 1 ou 2 semanas

• -Manter pressão de N

em 0,2 a 0,4 Kgf/cm 2 , admite-

2

2

se queda da pressão até 0,14 Kgf/cm

1.2-Preservação dos dutos e fornalha

• O principal objetivo é manter seca e limpa as superfícies e evitar

• -a condensação da umidade na superfície metálica e

• -o surgimento de áreas ácidas de pH baixo

• Combustíveis contendo compostos de enxofre podem produzir cinzas ácidas que podem corroer as superfícies metálicas

• Os depósitos podem ser higroscópicos e

• Com temperaturas abaixo do ponto de orvalho pode levar a formação de condensados ácidos

• De acordo com alguns autores a umidade do ar na fornalha deve ser mantida abaixo de 50% durante a preservação

• A umidade relativa pode ser mantida baixa com a utilização de:

• -aquecimento com lâmpadas

• -desumidificar com a circulação de ar com ventiladores

• -circulação de ar quente

• Se a unidade tem um pré-aquecedor de ar a vapor, esta é a maneira mais efetiva e segura de fornecer ar com baixa umidade

• Depósitos ácidos devem ser removidos antes de uma preservação por longo período

• Normalmente é necessário a lavagem com jato de alta pressão (hidrojatos)

• Após limpeza fazer a neutralização com solução de barrilha (Na 2 CO 3 )a 1%

• A seguir efetuar lavagem com água e

• Secagem da superfície dos tubos

-Preservação dos dutos e fornalha (CBC)

• Utilizar cal virgem como material para absorção de umidade

• Colocar em bandejas

• Proporção 14 Kg para cada 50 m 2 de superfície a proteger

• Vedar todos os pontos onde possa haver infiltração de água ou entrada de ar

• Fazer inspeção a cada 1 ou 2 semanas

• -Aquecimento da fornalha

• Manter a temperatura da fornalha em aproximadamente 40 C para evitar a formação de umidade

• Ti – é a temperatura interna da parede da fornalha ou duto

• Te – é a temperatura externa da parede da fornalha ou duto

• Ta – a temperatura ambiente

• L - espessura do isolamento

• k – condutividade do isolamento

• Procedimento para estimar a energia necessária para aquecer a fornalha e dutos

T i = 40 C

Q 1 T e = ? Isolamento h L ; k Q 2
Q
1
T e = ?
Isolamento
h
L ; k
Q
2

Ta = 10 C

• Por tentativa estabelecer o valor de T e

• Fazendo

Q

Q

1

Q

2

2

=

=

= Q

1

T

e

k

L

(

T

i

)

4,15

273 + T

e

100

4

273 +

T

a

100

 

4

+

1,5

(

T

e

T

a

)

1,25

Te

 

15,6

       

Ta

 

10

       

Ti

 

40

       
 

Q2

=

34,62513

kcal/(m2.h)

   
     

kcal/(m2hC)/c

   

k

=

19,842

m

 

L

=

13,97

cm

Q2-Q1 =

0,0

 

k/L

=

1,420329

kcal/m2hC

   
 

Q1

=

34,65603

kcal/(m2.h)

   

O calor total necessário e obtido multiplicando Q 1 ou Q 2 pela área total das paredes de duto e fornalha

  O calor total necessário e obtido multiplicando Q 1 ou Q 2 pela área total

Nossa experiências

• A)Mais eficiente para caldeira que queimam óleo com alto teor de compostos de enxofre e possuem muitas áreas com refratário é a secagem com circulação de vapor pelos tubos da caldeira

• -Para evitar a corrosão dos tubos sob o refratário

• -Secagem a partir da superfície metálica

Nossa experiência

• B)Formação significativa de óxidos no superaquecedor ocorreu numa parada de 3 meses

• -A lavagem química alcalina não promove a limpeza do superaquecedor

• -No teste da PSV do superaquecedor ocorreu erosão das sedes

• -foi colocada psv danificada e feita várias abertura até que não foi observado danos nos corpo de prova de alumínio (sopragem)

• -só então foi colocada a psv nova e realizado o teste de calibração real