Você está na página 1de 3

HANSEN, Joo Adolfo. Alegoria construo e interpretao da metfora.

So Paulo: Hedra; Campinas: Editora da Unicamp, 2006.


A alegoria, historicamente, ora foi entendida como uma construo ornamental
do discurso, essencialmente lingustica, ora como uma via do conhecimento da
verdade contida no real extralingustico, sendo essencialmente espiritual. O
primeiro caso o da alegoria dos poetas e o segundo a alegoria dos
hermeneutas. A primeira clssica e Retrica, a segunda medieval e
Teologal. Os gregos e romanos pensaram a alegoria como ornamentao de
discursos fortes, da prtica forense, e fracos, da prtica potica, tendo a
alegoria um valor imanente (vlida em si mesma), no-transcendente, mesmo
quando referente aos deuses, pois o mundo deles no desconhecido nem
apartado do mundo dos homens (p. 23).
a alegoria dos poetas uma semntica de palavras (...) a dos telogos uma
semntica de realidades supostamente reveladas p. 9
A alegoria crist medieval fundamenta-se no essencialismo, ou a crena nos
dois livros escritos por Deus,| o mundo e a Bblia (p. 11 12)
A partir do sculo XVI, as duas compreenses da alegoria vo se aproximando,
at se fundirem e confundirem numa s no Romantismo (p. 15), que despreza
a alegoria, considerada artificial e mecnica, e exalta o smbolo, considerado
natural e orgnico.
As noes romnticas de arte (...) levavam a descartar a alegoria justamente
por causa do seu carter evidente de conveno retrica. (p. 18)
J Baudelaire exalta a alegoria como a mquina-ferramenta da modernidade
p. 19

Sobre a alegoria retrica

Quintiliano analisa a alegoria a partir da etimologia da palavra, concluindo que


a alegoria pode apresentar: a) uma coisa (res) em palavras e outra em
sentido; b) algo totalmente diverso do sentido das palavras. P. 29
Assim, por um lado a alegoria associa-se metfora, analogia e ao enigma,
mas por outro alinha-se ironia, ao astesmo (sarcasmo sutil) e pardia. (p.
29)
Na retrica, a alegoria listada como tropo (figura de linguagem) de
transposio, junto com a metfora, o sindoque, a metonmia e a ironia (por
oposio). P. 30
A distino retrica entre alegoria e metfora quantitativa: a alegoria uma
cadeia de metforas. Por isso, as regras retricas da metfora valem para a
alegoria. Tais regras regulam o afastamento do sentido figurado, afastamento
que pode ser verossmil e decoroso ou inverossmil, incoerente ou hermtico,
sendo os ltimos trs condenados pela Retrica. (p. 31)
A comparao atinge a imaginao pelo intelecto, pois, distinguido um
elemento do outro, a comparao lgica. J a metfora atinge pela
imaginao, pois acaba mais ou menos radicalmente fundindo os elementos
associados. P. 33 - 34
A comparao tem certo teor metalingustico, j que evidencia o procedimento
retrico enquanto o constri p. 34
Pensando a linguagem como entidade dotada de um ponto zero de
afastamento das coisas, os retores subdividiram as alegorias em quatro, de
acordo com o grau de transparncia entre palavra e coisa: alegoria
Sobre a alegoria hermenutica medieval
o sentido prprio das coisas comparadas a vida eterna; a histria, sua figura,
o que implica circularidade e repetio p. 12

Você também pode gostar