SESI 339

“Revisão de Geografia – 3ª etapa”

João Ribeiro nº 14
Professor Renan
Geografia

ocasionando a retração desses fluxos migratórios. O modelo econômico que favorece os grandes latifundiários e a intensa mecanização das atividades agrícolas têm como consequência a expulsão da população rural. pelo fato de fornecer maiores oportunidades de emprego em razão do processo de industrialização desenvolvido. principalmente o estado de São Paulo. até o final do século XX. Assim. os investimentos em infraestrutura. um dos fatores que exercem maior influência nos fluxos migratórios é o de ordem econômica. a estagnação econômica que atingiu e ainda atinge a indústria brasileira afetou negativamente o nível de emprego nas grandes cidades do Sudeste. A construção de Brasília. forçando indivíduos a se deslocarem de um lugar para outro em busca de melhores condições de vida e à procura de emprego para suprir suas necessidades básicas de sobrevivência. as regiões Centro-Oeste e Norte têm sido bastante atrativas para os migrantes. A região Sudeste do Brasil. recebeu a maior quantidade de fluxos migratórios do país. as regiões Norte e Centro-Oeste. pois após a década de 1970. a migração do campo para a cidade. As políticas públicas para a ocupação do oeste brasileiro foram determinantes para esse redirecionamento dos fluxos migratórios no Brasil. Um modelo de migração muito comum no Brasil. que já captavam alguma parcela desse movimento. contribuíram para essa nova distribuição. tornaram-se destinos da migração interna do Brasil. é o êxodo rural. nas últimas décadas. .ARARAQUARA OUTUBRO 2015 MOVIMENTOS MIGRATORIOS NO BRASIL No Brasil. novas fronteiras agrícolas. ou seja. gerando pouca procura de mão de obra. entre outros fatores. que se intensificou nas últimas cinco décadas. uma vez que o modelo de produção capitalista cria espaços privilegiados para instalação de indústrias. No entanto.

por exemplo) no meio ambiente.Desmatamento com o corte ilegal de árvores para comercialização de madeira. sendo a maioria proveniente do Sudeste (retorno).O Sudeste continua captando boa parte dos migrantes brasileiros. provocada pela emissão de determinados gases (CFC. causado pela grande quantidade de emissão de gases do efeito estufa. Podemos citar como exemplos os acidentes nucleares de Chernobyl (1986) e na Usina Nuclear de Fukushima no Japão (2011). A Região Nordeste tem recebido cada vez mais migrantes. etc. continua sendo a região que mais perde população para as demais.Aquecimento Global. porém. lagos. PROBLEMAS AMBIENTAIS .Queimadas em matas e florestas como forma de ampliar áreas para pasto ou agricultura. fertilizantes e produtos químicos) e descarte incorreto de lixo. acidentes ambientais (vazamento de petróleo).Poluição do ar por gases poluentes gerados.Esgotamento do solo (perda da fertilidade para a agricultura).Diminuição e extinção de espécies animais. .Poluição de rios. . . .Diminuição da Camada de Ozônio. o principal destino dos fluxos migratórios no Brasil. mares e oceanos provocada por despejos de esgotos e lixo. .Falta de água para o consumo humano.Acidentes nucleares que causam contaminação do solo por centenas de anos. . sendo. O Centro-Oeste também recebe mais migrantes do que perde. atualmente. pela queima de combustíveis fósseis (carvão mineral. principalmente. gasolina e diesel) e indústrias. .Poluição do solo provocada por contaminação (agrotóxicos. causado pelo uso irracional (desperdício). provocado pelo uso incorreto. O Sul e o Norte são regiões onde o volume de entrada e saída de migrantes é mais equilibrado. contaminação e poluição dos recursos hídricos. A região recebe muito mais gente do que perde. . . provocados pela caça predatória e destruição de ecossistemas. . .

pois contém grande concentração de material orgânico em decomposição. etc. Solo calcário: com pouco nutriente e grande quantidade de partículas rochosas em sua composição. esse tipo de solo é bastante fértil. cuja maior parte aproveitável não é utilizada) e distribui lotes de terras para famílias camponesas. Normalmente ele é pobre em nutrientes. Esse tipo de solo é muito permeável. Esse processo é realizado pelo Estado. Entre os fatores que contribuem para a caracterização do solo estão o clima. Solo argiloso: é formado por grãos pequenos e compactos. Solo arenoso: possui grande quantidade de areia. sendo impermeável e apresentando grande quantidade de nutrientes. Solo humoso: chamado em alguns lugares de terra preta. pois a água infiltra facilmente pelos espaços formados entre os grãos de areia. o solo calcário é inadequado para o cultivo de plantas. . O solo humoso é muito adequado para a realização da atividade agrícola. é importante destacar que técnicas agrícolas têm adaptado alguns solos para o cultivo. as características do solo influenciam diretamente na prática da agricultura e no desenvolvimento socioeconômico de um determinado lugar. sendo formado basicamente por aglomerados minerais e matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas. O solo serve de fonte de nutrientes para as plantas. humoso e calcário. Esse elemento natural é de fundamental importância para a vida de várias espécies. Ele é típico de regiões desérticas. que compra ou desapropria terras de grandes latifundiários (proprietários de grandes extensões de terra. matéria orgânica. a incidência solar. efetuar a distribuição da terra para a realização de sua função social. ou seja. e a sua composição interfere diretamente na produção agrícola. através da introdução de nutrientes. cobertura vegetal. REFORMA AGRÁRIA A reforma agrária tem por objetivo proporcionar a redistribuição das propriedades rurais. Porém. O solo pode ser classificado em arenoso.SOLO O solo é a camada superficial da crosta terrestre. característica essencial para a prática da atividade agrícola. argiloso. a rocha que originou o solo. Portanto.

Já a divergência entre a aceleração da alta de preços de bens finais e a desaceleração do índice de preços de insumos pode ser o resultado de esforço das empresas para recompor margens”. o economista-chefe do HSBC no Brasil. na sigla em inglês). redução das desigualdades sociais.Conforme o Estatuto da Terra. pois essas famílias que recebem lotes de terras da reforma agrária necessitam de financiamentos com juros baixos para a compra de adubos. Leituras acima de 50 pontos indicam expansão de atividade e. entre elas podemos destacar a resistência dos grandes proprietários rurais (latifundiários). de acordo com o Índice Gerentes de Compras (PMI. O indicador cedeu pelo quarto mês consecutivo. entre outros aspectos. de um modo geral. segundo o HSBC. As empresas voltaram a reportar cortes de postos de trabalho. criado em 1964. divulgado nesta segunda-feira pelo HSBC. afirma. dificuldades jurídicas. etc. retração. Andre Loes. apenas modesta e a mais lenta desde outubro do ano passado. mas a um ritmo menor. no relatório. proporcionando terra para a população trabalhar. esse estatuto não é posto em prática. abaixo. democratização da estrutura fundiária. No entanto. tendo suas propriedades adquiridas por grandes latifundiários. o Estado tem a obrigação de garantir o direito ao acesso à terra para quem nela vive e trabalha. aumentando a produção agrícola. é de extrema importância a realização da reforma agrária no país. Os estoques de pré-produção e de produtos finais caíram em maio enquanto os custos cresceram pelo 45º mês consecutivo. EXPANSÃO DA INDUSTRIA BRASILEIRA A atividade da indústria brasileira continua a diminuir seu ritmo de expansão. visto que várias famílias camponesas são expulsas do campo. É o nível mais baixo dos últimos sete meses. A entrada de novas encomendas aumentou pelo oitavo mês. os assentamentos necessitam de infraestrutura. Porém. segundo a instituição. além do elevado custo de manutenção das famílias assentadas. .4 pontos em maio. A realização da reforma agrária no Brasil é lenta e enfrenta várias barreiras. “A atividade econômica no setor industrial quase parou de se expandir.8 pontos em abril. de 50. ao marcar 50. mas a taxa de expansão foi. sementes e máquinas.