Você está na página 1de 15
(Aglomerantes = CAL e GESSO e Argamassas) 03 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I 2° semestre -2015
(Aglomerantes = CAL e GESSO e Argamassas)
03
MATERIAIS DE
CONSTRUÇÃO I
2° semestre -2015
Prof. Antônio Augusto G. Abreu Faculdade Pitágoras
Prof. Antônio Augusto G. Abreu
Faculdade Pitágoras

3 CAL:

É o Aglomerante derivado da rocha calcárea, que contém basicamente:

CaCO3 (Carbonatos de Cálcio).

Para o uso na construção civil, o calcário após a extração, é selecionado e moído, e submetido a elevadas temperaturas em fornos industriais :

processo conhecido “Calcinação”

3.1 Calcinação:

Consiste em submeter o calcário, já preparado, a temperaturas que podem

chegar até 1200°C, obtendo-se o Óxido de Cálcio, ou comumente

conhecido como: “Cal Viva” ou “Cal Virgem”(CaO), com desprendimento de gás carbônico.

CaCO3 + Calor CaO + CO2

desprendimento de gás carbônico. CaCO3 + Calor CaO + CO2 3.2 – Hidratação: O uso na
desprendimento de gás carbônico. CaCO3 + Calor CaO + CO2 3.2 – Hidratação: O uso na

3.2 Hidratação:

O uso na construção é maior neste caso, com adição de água.

Obtém-se o Hidróxido de cálcio, também chamada: Cal Hidratada ou Extinta = Ca(OH)2 , e havendo desprendimento de calor. (Reação exotérmica)

CaO + H2O

Cal Hidratada ou Extinta = Ca(OH)2 , e havendo desprendimento de calor. (Reação exotérmica) CaO +

Ca(OH)2 + Calor

Cal Hidratada ou Extinta = Ca(OH)2 , e havendo desprendimento de calor. (Reação exotérmica) CaO +

3.3 Aplicações:

Na construção civil, é muito utilizada em:

Argamassas p / assentamento de tijolos

Revestimentos de paredes: Emboço e reboco

3.3.1 - Características e Propriedades:

Aumento de Plasticidade: Devido as suas partículas finas e lubrificantes, tornando a argamassa mais trabalhável e mais plástica, melhorando sua aplicação e rendimento, reduzindo a MDO.

Retenção de água: Com a associação do cimento na

composição de argamassas, tem como fator benéfico o poder de retenção de água da cal. Explica-se que quando a cal ao reagir com o ar, a mesma libera água que

mantinha retida em sua estrutura molecular, e esta água é

aproveitada na cura do cimento, evitando as retrações e trincas das argamassas.

Durabilidade: O uso da Cal nas argamassas, aumenta a durabilidade deste produto e consequentemente as construções. Evita a eflorescência, que é o fenômeno da lixiviação dos sais minerais componentes nas argamassas, e

quando dissolvidos pela água, depositam-se nas superfícies e

juntas das cerâmicas, azulejos e pedras. Tem um poder

“Fungicida e bactericida”, combatendo fundos, manchas e impurezas dos agregados (Matéria orgânica), como na areia.

Armazenamento: Segue as mesmas orientações do Cimento.

3.3.2 Traços Usuais de Argamassas:

Quadro: Argamassas de: Cimento : Cal : Areia

TIPO

TRAÇO

Emboço

1 : 2

:

8

Reboco

1 : 2

:

9

Emboço p/ receber Azulejos

1 : 1,5 : 4

A quantidade de água de amassamento das argamassas, deve ser adotada a quantidade para terem uma boa

trabalhabilidade, sem do da ordem de 65 a 70% da

quantidade do somatório dos aglomerantes = Cimento + Cal.

NOTA: O endurecimento da Cal aérea, ocorre pelo contato com o ar, enquanto que o cimento reage com a água.

Assim teremos:

CaCO3 = Carbonato de cálcio Ca(OH)2 = Hidróxido de cálcio

4 Gesso:

O gesso é um aglomerante obtido pelo processo de britagem e

a desidratação da “gipsita”. No Brasil é encontrada com

abundância no Norte e Nordeste.

A gipsita é constituída predominantemente de Sulfato de cálcio

CaSO4

Após

a

desidratação,

o

gesso

é

triturado,

peneirado

e

embalado.

4.1 Processo de Desidratação da Gipsita:

Este procedimento varia em função do tipo do gesso que se

quer obter, citamos:

O gesso para Estucador, ou Gesso Rápido, obtido a uma temperatura = 180°C O gesso para Revestimento, ou Gesso Lento, obtido à temperaturas mais elevadas (> 250°C)

CaSO4.2H2O = Sulfato cálcio desidratado = Gipsita.

4.2 Características e Propriedades:

O Gesso é um dos Aglomerantes mas utilizados nas

construções em geral, principalmente pela versatilidade, e possui uma grande resistência ao fogo, por ser um material com grande capacidade de absorção de calor.

Quadro: Gesso p/ construção civil NBR 13207

Características

Limites

Massa Unitária (Específica)

Yg > 0,70 Kg/dm³

Tempo de Pega (Tp) Gesso Rápido

Tpi > 5 Minutos; Tpf > 15 minutos

Tempo de Pega (Tp) Gesso Lento

Tpi > 10 minutos; Tpf > 45 minutos

Resistência compressão (T)

T > 8,40 Mpa

4.3 - Aplicações:

O gesso e´ aplicado em diversos locais de construções, devido as suas características e propriedades

Gesso não pode ser utilizado

produto é solúvel na presença de água. Provoca corrosão do aço, portanto inviável para o uso em concreto armado, exceto se utilizar armaduras galvanizadas.

Quadro Principais Aplicações do Gesso na construção civil

externa, pois o

na parte

USOS

ELEMENTOS

CONSTRUTIVOS

OBS

Revest. Interno

Placas, Argamassas de gesso e areia.

Bom acabamento final

Paredes Internas

Blocos, Shaft`s e painéis

Ideal para reformas,

Edificações comerciais

Forros

Placas simples e acartonados

Fáceis de trocar, retirar para dar manutenção, etc.

Ornamentos

Sancas, Mãos francesas,

molduras e colunas

Decoração em geral

4.4 - Gesso acartonado:

É uma material obtido basicamente do processo da prensagem do gesso e papel reciclado, e utilizadas em forma de placas de forros, paredes. (Dry-wall)

O uso do gesso em Edifícios, principalmente nas paredes, em forma de painéis: Dry=Wall, proporciona alívio de tensões, e redução de pesos, consequentemente com alívio de Fundações e Estruturas, devido a seu baixo peso.

O uso do gesso lento, na finalização de revestimentos de paredes,

comumente chamado de “Gesso corrido”, proporciona ganhos econômicos, maior rapidez de montagem, economia de mão de obra.

4.5 Armazenamento:

Guardados em local seco e protegidos de umidades, podendo fazer pilhas de 20 Unidades, tudo em Palet`s de madeiras de preferência.

5 ARGAMASSAS:

É denominação genérica atribuída a uma mistura entre:

Aglomerante

Agregado miúdo

Água

5.1 - Principais Características: (Variam conforme a proporção da mistura.

Trabalhabilidade

obtenção desta característica, dependendo de quantidade de água, tipo de granulometria da areia, quantidade de cimento ou cal. Resistência: Geralmente resistem pequenos esforços de compressão, porém podem resistir a valores maiores, por exemplo:

Argamassa de traço 1:3, com água suficiente, adquire a uma compressão = 25 Mpa e a tração = 2,0Mpa. Aderência e Durabilidade: Varia em função do teor e da proporção da pasta. (Cimento: água)

para

e

plasticidade:

Pode-se

efetuar

ajustes,

5.2 - Tipos de Argamassas: (Conforme o tipo de Aglomerante)

Simples (Compostas de 01 Aglomerante: Cimento ou Cal)

Mistas (Compostas por mais de um Aglomerante: Cimento e Cal)

5.3

Aplicações:

São influenciadas em relação ao Traço dos componentes, características e quantidade de água de amassamento.

Assentamento de Alvenarias

Revestimentos de Alvenarias (Chapisco, Emboço e Reboco)

Revestimentos de pisos (Pisos cimentados e contrapisos)

Assentamento de revestimentos diversos (Pedras, Azulejos, Cerâmicas, refratários, Ladrilhos, peças pré-moldadas, etc)

5.4 Cuidados na Preparação das Argamassas:

Traço: (Aglomerante/areia) Deve ser preciso, conforme o uso

Quantidade de Água: Mínima necessária para permitir as

reações de hidratação dos Aglomerantes, e de acordo com a

trabalhabilidade desejada. Nota: Água em grandes proporções, diminui a resistência.

Local adequado: Limpo e isento de impurezas

Umedecer os tijolos e blocos: Para não “roubarem”, a água

necessária para a trabalhabilidade e reações químicas.

5.5 Principais funções das Argamassas de Assentamento:

Unir solidamente os componentes da Alvenaria

Absorver deformações naturais

Distribuir uniformemente as cargas

Selar as juntas contra a penetração de água.

5.6 - Tipos de Argamassas no Mercado:

De Assentamento (Dosada em Obra - DO)

De Chapisco (DO)

De Reboco (DO)

De emboço (DO)

De contrapiso (DO)

Colantes (I, II, III, Especiais com tempo em aberto estendido)

De Rejuntes (Finos e largos, Internos e Externos)

Industrializada em sacos

Comum de Central

Com aditivos (Grout, Encunhamento, Impermeabilizar, etc)

Projetada de Central (Chapisco e reboco)

Quadro: Argamassa Colantes x Usos:

TIPOS

USOS

OBS

 

Revestimentos internos e

Verificar o Tempo em aberto firmado pelo Fabricante na embalagem

Não aguenta as variações de tensões e dilatações externo.

AC - I

colagem de peças pequenas.

Exemplo: Azulejo 20x20cm.

   

Idem ao Tempo em aberto.

Revestimentos externos, e colagem de peças acima de

30x40cm

Aguenta e absorve esforços de

AC - II

tensões, devido ao aumento de calor, dilatações e ação do vento do

 

ambiente externo.

 

Revestimentos Externos e colagens de peças maiores que 30x40cm; e colagem de Porcelanatos, pastilhas e pedras (Interno ou Externo)

Idem ao Tempo em aberto

AC - III

Aguenta e absorve esforços de tensões, devido ao aumento de calor, dilatações e ação do vento do ambiente externo.

 

Revestimentos Externos e colagem de peças em situações especiais, por Exemplo: Cerâmica sobre

O Tempo em aberto pode ter condições especiais.

Aguenta e absorve esforços de

AC - E

tensões, devido ao aumento de calor, dilatações e ação do vento do

cerâmica.

ambiente externo.

Colagem alta e cura rápida.

Quadro: Normas para as Argamassas Colantes:

       

ARGAMASSAS COLANTES

PROPRIEDADES

NORMA

UNID.

   

AC -

 

AC - I

AC - II

III

 

AC -E

Tempo em aberto

NBR - 14083

Min.

>= 15

>= 20

>= 20

Argamassa colante do

tipo I, II, III, com Tempo em aberto estendido em no mínimo 10 min.,

Resist. Aderência aos 28D.

   
         

do especificado nesta

Cura normal

>= 0,5

>= 0,5

>= 1,0

Norma.

Cura submersa em estufa

NBR - 14084

Mpa

>= 0,5

>= 0,5

>= 1,0

 

Cura em estufa

-

>= 0,5

>= 1,0

Deslizamento (*)

NBR - 14085

mm.

<= 0,7

<= 0,7

<= 0,7

(*) O ensaio de Deslizamento não é necessário para Argamassa utilizada em aplicações com revestimento horizontal

Bibliografias:

BAUER, Luiz Alfredo Falcão. Materiais de Construção. 1ª ed. Rio de Janeiro: LTC - Livros Técnicos e Científicos, 1994,

v.1.

MEHTA, P.K.; MONTEIRO, P.J.M. (orgs.). Concreto :

Estruturas, Propriedades e Materiais. 1ª ed. São Paulo: PINI,

1994.

AZEREDO, Hélio A. de. O edifício até sua cobertura. 2ª ed. São Paulo: Edgard Blücher, 2009.

PFEIL, Walter. Estruturas de madeira : 6ª ed. Rio de

Janeiro: LTC, 2012.

RIBEIRO, Carmen Couto, Materiais de Construção Civil, Ed. UFMG, 3ª edição.

FIM