Você está na página 1de 2

FIBAM COMPANHIA INDUSTRIAL

C.N.P.J. (MF) 61.410.395/0001-95

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO
Aos acionistas Receita Operacional Líquida 6. PERSPECTIVAS
A FIBAM tem a satisfação de submeter à sua apreciação o Relatório da Administração, as A receita operacional líquida em 2009 totalizou R$ 120,8 milhões, 1,6% acima do montante atingido Após a crise que abalou os mercados no final de 2008 e afetou a economia mundial em 2009, as
Demonstrações Financeiras da Companhia e o Parecer dos Auditores Independentes, referentes ao em 2008. O crescimento da receita líquida refletiu a capacidade da Companhia em maximizar perspectivas para 2010 são positivas. Os últimos boletins do Banco Central com consulta a diversas
exercício findo em 31 de dezembro de 2009. os efeitos do reaquecimento do mercado automotivo brasileiro, que representou 93,8% da instituições financeiras apontam para crescimento do PIB ao redor de 5%.
As informações operacionais e financeiras da Companhia, exceto onde estiver indicado de outra receita líquida.
forma, são apresentadas com base em números consolidados e em Reais, conforme a Legislação Para o mercado automobilístico, a ANFAVEA estima um crescimento de 9,3% em 2010 nas vendas
Societária Brasileira. Todas as comparações levam em consideração o ano de 2008, exceto quando de automóveis e comerciais leves, que deverão atingir a marca de 3,4 milhões de unidades
especificado de outra forma. vendidas.Tendo como premissa que o desempenho do mercado de autopeças é intrínseco ao do
mercado automotivo, a Administração também possui uma visão otimista para o mercado em 2010.
1. PERFIL CORPORATIVO
Com mais de meio século de atuação, a FIBAM é uma empresa com foco na produção de fixadores 7. MERCADO DE CAPITAIS
para a indústria automobilística e de autopeças, tendo como compromissos: segurança, qualidade,
eficiência e a satisfação de seus clientes. A FIBAM, Companhia aberta desde 1972, sempre acreditou no mercado de capitais como a melhor
O portfólio de produtos é voltado a aplicações críticas que exigem alto grau de segurança como: alternativa para promover o
motores, suspensões, freios, cintos de segurança, rodas e sistemas de direção. Desde 1969 em seu desenvolvimento.
São Bernardo do Campo, suas instalações compreendem um terreno de 25 mil m² com área No dia 31 de dezembro de
construída de 13 mil m². 2009, o total de ações da
Além do setor automobilístico, a FIBAM também atua no fornecimento de fixadores para
eletrodomésticos, construção civil, equipamentos agrícolas, entre outros. A carteira de clientes é FIBAM era 726.514 ações,
constituída por empresas de grande porte e elevado nível de exigência tecnológica. constituído por 265.160
O relacionamento com clientes é pautado pela qualidade dos produtos, a confiabilidade no prazo de ordinárias (FBMC3) e 461.354
entrega e foco no aprimoramento constante, o que resulta em alternativas de redução de custos preferenciais (FBMC4). Os
para o cliente. Esses diferenciais são atestados por múltiplas premiações concedidas pelos próprios Lucro Bruto e Despesas Operacionais papéis são negociados na
clientes e renderam à empresa a liderança no segmento de fixadores metálicos na América Latina. O lucro bruto atingiu R$ 25,2 milhões em 2009, 1,5% inferior a 2008. A margem bruta sofreu uma BM&F BOVESPA.
Entre outros certificados de qualidade a FIBAM é certificada segundo a ISO TS 16949, o que a redução de 0,7 ponto percentual em relação a 2008. Esta redução ocorreu devido ao fato de que Desde 2008, conta com a
credencia a fornecer para toda a cadeia automotiva mundial. presença de conselheiros
Em 2009, a FIBAM manteve sua posição de destaque no mercado de autopeças e continua a ser um diversos aumentos de insumos e salários não foram absorvidos nos preços de venda durante o ano.
As despesas operacionais - considerando despesas com vendas, despesas administrativas, e independentes nos Conselhos
dos principais fornecedores da indústria automobilística.
outras - aumentaram 5,2% em relação a 2008 e passaram a representar 13,8% da receita líquida, de Administração e Conselho
2. DESTAQUES DE 2009 Fiscal.
0,5 ponto percentual superior.
R$ MIL 2009 2008 2009/2008 No final de 2009, o valor da
O resultado financeiro líquido da Companhia
Receita Operacional Líquida 120.805 118.917 1,6% ação preferencial (FBMC4)
contabilizou uma despesa de R$ 2,9 milhões,
Lucro Bruto 25.162 25.551 -1,5% era de R$ 89,99 e apresentou
Margem Bruta 20,8% 21,5% -0,7 p.p. apresentando melhoria ante a despesa de R$ 4,4
valorização de 133,1% no ano,
Despesas com Vendas e Administrativas (14.944) (14.899) 0,3% milhões registrada em 2008. Esse desempenho superando a valorização de
Despesas Financeiras (4.891) (5.599) -12,7% reflete a variação cambial, que teve efeito positivo 82,7% do Ibovespa. O valor
EBITDA 12.693 12.425 2,2% no ano, e a melhor gestão e reestruturação de mercado atingiu R$ 65,4 milhões e o volume médio diário de transações no ano foi de R$ 40,3 mil.
Margem EBITDA 10,5% 10,4% 0,1 p.p. da dívida.
Lucro Líquido 4.639 3.555 30,5% O lucro operacional atingiu R$ 5,7 milhões em
Margem Líquida 3,8% 3,0% 0,9 p.p. 8. AVALIAÇÃO PATRIMONIAL
2009, um crescimento de 6,0% em relação a
3. CONJUNTURA ECONÔMICA E SETORIAL 2008, refletindo o desempenho da receita líquida Valor recuperável dos ativos
Os países emergentes, entre eles o Brasil, sofreram menos os efeitos da crise mundial iniciada em e a melhor performance do resultado financeiro. A Companhia, em cumprimento ao disposto no CPC 01 em conformidade com a Lei nº 11.638/07
setembro de 2008 porque iniciaram o movimento de recuperação em 2009. A expectativa é que o
PIB brasileiro apresente crescimento próximo de zero no ano, portanto, acima da média mundial. que altera a Lei nº 6.404/76, procedeu em 31 de dezembro de 2009 a avaliação patrimonial de seus
Esse desempenho foi sustentado principalmente pela demanda interna, que por sua vez, foi bens e divulga na Nota Explicativa nº 3 sub item “d” os resultados deste processo.
amparada tanto pelo fortalecimento dos fundamentos da economia brasileira nos anos anteriores,
quanto pela eficácia de algumas medidas de estímulo adotadas durante a crise como a flexibilização EBITDA 9. EVENTOS SUBSEQUENTES
da política monetária e a desoneração tributária sobre alguns produtos.
Com base nos resultados apurados no exercício de 2009, a Administração da Companhia proporá à
De acordo com dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores O EBITDA em 2009 totalizou R$ 12,7 milhões,
(ANFAVEA), as montadoras instaladas no Brasil registraram uma produção total de 3,18 milhões de Assembleia Geral Ordinária:
unidades no ano de 2009, uma queda de 1,0%, em relação à produção de 2008. As vendas totais de 2,2% superior a 2008. A margem EBITDA de a) Distribuição de dividendos em forma de Juros de Capital Próprio no montante de R$ 1,535 milhão.
autoveículos novos (nacionais e importados) em 2009 foram recorde e totalizaram 3,14 milhões de b) Aplicação de R$ 232 mil em Reserva Legal.
unidades. Esse desempenho é 11,4% superior ao recorde anterior, obtido em 2008. 10,5%, manteve-se praticamente estável quando
O incremento nas vendas do setor automobilístico ocorreu, principalmente, em virtude da redução comparada a 2008. 10. GESTÃO SOCIAL
do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), medida anticíclica implementada em dezembro de
2008 e encerrada no setor automotivo ao final de 2009. A FIBAM é uma empresa que procura, historicamente, atuar ativamente na inserção social. Isso é
A pesquisa conjuntural do Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos reforçado com a integração de trabalhadores especiais à sua força de trabalho por meio da
Automotores (Sindipeças), com base em informações de 93 empresas que representam 42% do Associação Santo Inácio (organização atuante na região de São Bernardo e integra trabalhadores
faturamento nacional, apresenta expectativa de decréscimo de 17,4% no faturamento do setor de com necessidades especiais ao mercado de trabalho), e com a oferta de estágios remunerados a
autopeças no período de janeiro até novembro de 2009, em relação ao mesmo período de 2008. adolescentes por intermédio do CAMP – Círculo de Amigos do Menor Patrulheiro (organização
Lucro Líquido
4. DESEMPENHO OPERACIONAL que atende a adolescentes de baixa renda de ambos os sexos, com a finalidade de integrá-los
O lucro líquido do exercício de 2009 totalizou
A FIBAM conseguiu manter seu desempenho operacional em 2009, apesar das dificuldades socialmente).
apresentadas especialmente no primeiro trimestre, em virtude da crise financeira mundial. O volume R$ 4,6 milhões, 30,5% superior ao resultado de A Companhia possui, tradicionalmente, uma rotatividade perto de zero em seu quadro de
de vendas da Companhia manteve-se praticamente estável em 2009. 2008. A margem líquida de 3,8% mostra funcionários, devido às ótimas condições de trabalho oferecidas aos seus colaboradores. Em 2009,
5. DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO crescimento de 0,9 ponto percentual em relação além da manutenção da política de participação nos resultados, houve aumento na remuneração e
Receita Operacional Bruta continuidade no programa interno de treinamento, que possibilita a oferta de diversos cursos de
à registrada no ano anterior. O aumento da
O volume vendido nos últimos trimestres do ano superou o declínio iniciado no final de 2008 e fez especialização e capacitação a seus colaboradores. Em 2009, a relação de “funcionário treinado”
receita e a diminuição de despesas financeiras em função de “funcionário” foi de 1,8 (em 2008 esta relação era de 1,7), o que mostra que a
com que a Companhia obtivesse uma receita operacional bruta de R$ 158,2 milhões em 2009,
superando em 0,3% o valor registrado no ano anterior. tiveram influência relevante neste resultado. empresa acredita na melhoria de sua produtividade por meio de um forte programa de treinamento
e capacitação contínua.
Distribuição do Valor Adicionado 11. AUDITORES INDEPENDENTES
A demonstração da distribuição do valor
adicionado da FIBAM tem, como objetivo Em atendimento à Instrução CVM nº 381/2003, informamos que a FIBAM tem como política não
apresentar a destinação da riqueza gerada aos contratar os Auditores Independentes em serviços de consultoria que possam gerar conflito de
seus stakeholders (empregados, governo, interesse. No decorrer do exercício de 2009, os nossos Auditores Independentes não tiveram
instituições financeiras e acionistas). No ano de nenhum outro contrato de serviços com esta Companhia.
2009, a Companhia gerou R$ 59,4 milhões ante
R$ 58,9 milhões em 2008. 12. AGRADECIMENTOS
Investimentos Agradecemos aos nossos acionistas, clientes, fornecedores, governo e instituições financeiras pela
Os investimentos contratados em 2009 totalizaram confiança e apoio contínuo às atividades da Companhia durante o ano de 2009. Em especial,
aproximadamente R$ 10,0 milhões, alocados na agradecemos aos nossos funcionários por toda a dedicação, comprometimento e esforço sem os
capacidade produtiva e infraestrutura, com quais os resultados alcançados não seriam possíveis.
objetivo de manter a Companhia adequada às
São Bernardo do Campo, 09 de março de 2010
condições da demanda e ao cenário atual do
mercado. Deste montante o desembolso, no ano, atingiu R$ 2,3 milhões. Conselho de Administração e Diretoria

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 - (Em R$ mil) DEMONSTRAÇÕES DOS RESULTADOS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS
ATIVO 2009 2008 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 2009 2008 EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 - (Em R$ mil)
CIRCULANTE CIRCULANTE
2009 2008
Disponibilidades ..................................................................................... 426 286 Fornecedores Nacionais ........................................................................ 4.997 1.192
Clientes Nacionais .................................................................................. 15.746 5.521 Fornecedores no Exterior ....................................................................... 564 1.370 RECEITA BRUTA OPERACIONAL ....................................................... 158.249 157.830
Clientes no Exterior ................................................................................ 454 419 Instituições Financeiras .......................................................................... 9.882 13.413 Deduções da Receita Bruta ................................................................ (37.444) (38.913)
Impostos a Compensar/Recuperar ........................................................ 1.901 3.168 Impostos a Recolher .............................................................................. 1.910 1.069 RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA ..................................................... 120.805 118.917
Contas a Receber .................................................................................. 1.117 560 Obrigações Trabalhistas e Encargos a Pagar ........................................ 4.484 4.499
Custo dos Produtos Vendidos ............................................................. (95.643) (93.366)
Estoques ................................................................................................. 13.388 18.905 Contas a Pagar ....................................................................................... 562 876
Despesas Antecipadas ........................................................................... 110 103 Juros sobre o Capital Próprio e Dividendos a Pagar ............................. 1.400 805 LUCRO BRUTO ..................................................................................... 25.162 25.551
TOTAL DO ATIVO CIRCULANTE .......................................................... 33.142 28.962 TOTAL DO PASSIVO CIRCULANTE ..................................................... 23.799 23.224 (DESPESAS) / RECEITAS OPERACIONAIS ........................................ (19.503) (20.212)
ATIVO NÃO CIRCULANTE PASSIVO NÃO CIRCULANTE Vendas ................................................................................................. (5.573) (5.956)
REALIZÁVEL A LONGO PRAZO EXIGÍVEL A LONGO PRAZO Administrativas ..................................................................................... (9.371) (8.943)
Depósitos Judiciais ................................................................................. 809 1.277 Fornecedores no Exterior ....................................................................... 975 1.970 Honorários dos Administradores ......................................................... (1.689) (1.456)
Outros Créditos ...................................................................................... 20.476 20.476 Instituições Financeiras .......................................................................... 6.885 3.682
TOTAL DO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO ...................................... 21.285 21.753 Parcelamento de Tributos Federais, Estaduais e Previdenciários ........ 11.611 13.479 Despesas Financeiras ......................................................................... (4.891) (5.599)
TOTAL DO PASSIVO NÃO CIRCULANTE ............................................ 19.471 19.131 Receitas Financeiras ........................................................................... 1.972 1.150
Imobilizado ............................................................................................. 17.917 17.804
TOTAL DO ATIVO NÃO CIRCULANTE ................................................. 39.202 39.557 PATRIMÔNIO LÍQUIDO Outras Receitas e Despesas Operacionais ....................................... 49 592
Capital Social .......................................................................................... 23.749 15.465 RESULTADO ANTES DOS TRIBUTOS ................................................. 5.659 5.339
Reservas de Lucros ............................................................................... 4.244 9.618 Provisão para Imposto de Renda e Contribuição Social .................... (1.020) (1.784)
Reserva de Reavaliação ........................................................................ 1.081 1.081
LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO ....................................................... 4.639 3.555
TOTAL DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO ...................................................... 29.074 26.164
TOTAL DO ATIVO .................................................................................. 72.344 68.519 TOTAL DO PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO .................................. 72.344 68.519 Lucro por Ação - R$ 1,00 ..................................................................... 6,39 4,89

DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO NOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 DEMONSTRAÇÕES DOS VALORES ADICIONADOS DOS EXERCÍCIOS FINDOS
(Em R$ mil) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 - (Em R$ mil)
Reservas de Lucros 2009 2008
Capital Reserva Reserva de Ações em Reserva de Lucros
RECEITAS
Descrição Social Legal Investimento Tesouraria Reavaliação Acumulados Total
SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 ................... 15.465 1.157 5.750 - 1.081 - 23.453 Vendas de Produtos ............................................................................... 157.498 154.752
Lucro Líquido do Exercício .............................................. - - - - - 3.555 3.555 Outras Receitas ...................................................................................... 329 935
Constituição de Reserva Legal ....................................... - 178 - - - (178) - 157.827 155.687
Juros sobre o Capital Próprio .......................................... - - - - - (844) (844) INSUMOS ADQUIRIDOS DE TERCEIROS
Reserva de Investimento ................................................. - - 2.533 - - (2.533) - Matérias Primas Consumidas ................................................................ (98.272) (96.183)
SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 ...................... 15.465 1.335 8.283 - 1.081 - 26.164
VALOR ADICIONADO BRUTO ............................................................. 59.555 59.504
Lucro Líquido do Exercício .............................................. - - - - - 4.639 4.639
DEPRECIAÇÃO E AMORTIZAÇÃO ..................................................... (2.168) (1.803)
Aumento de Capital com Utilização de Reservas ........... 8.284 - (8.284) - - - -
Constituição de Reserva Legal ....................................... - 232 - - - (232) - VALOR ADICIONADO LÍQUIDO ........................................................... 57.387 57.701
Dividendos Propostos (R$ 0,27 por Ação) ...................... - - (194) - - - (194) VALOR ADICIONADO TRANSFERIDO
Juros sobre o Capital Próprio (R$ 2,11 por Ação) .......... - - - - - (1.535) (1.535) Receitas Financeiras .............................................................................. 1.972 1.150
Reserva de Investimento ................................................. - - 2.872 - - (2.872) - VALOR ADICIONADO TOTAL A DISTRIBUIR ..................................... 59.359 58.851
SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 ...................... 23.749 1.567 2.677 - 1.081 - 29.074 DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO
PESSOAL
DEMONSTRATIVO DO CÁLCULO DE JUROS S/CAPITAL PRÓPRIO DEMONSTRAÇÕES DOS FLUXOS DE CAIXA DOS EXERCÍCIOS FINDOS
NO EXERCÍCIO DE 2009 - (Em R$ mil) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 - (Em R$ mil) Remunerações ....................................................................................... 17.915 18.606
2009 Encargos Sociais (Exceto INSS) ............................................................ 1.709 1.886
Atividades Operacionais 2009 2008
Lucro Líquido do Exercício .......................................................................................... 5.659 Lucro Líquido do Exercício ..................................................................... 4.639 3.555 Auxílio Alimentação ................................................................................ 746 813
Juros s/Capital Próprio ................................................................................................. (1.535) Depreciação e Amortização ................................................................... 2.168 1.803 Convênio Assistencial e Outros Benefícios ........................................... 1.774 1.185
Lucro Líquido ................................................................................................................... 4.124 Valor Residual do Ativo Permanente Baixado ....................................... 19 890 Participação no Resultado ..................................................................... 619 1.046
Adições ............................................................................................................................ 12
Compensação de 30% - CSLL ........................................................................................ (388) Subtotal das Operações ...................................................................... 6.826 6.248 Administradores ...................................................................................... 1.689 1.456
Compensação de 30% - IRPJ ......................................................................................... (1.241) (Aumento) Redução de Ativos Indenizações Trabalhistas ...................................................................... 128 458
Lucro Real ....................................................................................................................... 3.748 Créditos Realizáveis a Curto Prazo ....................................................... (4.033) 2.125
Encargos Financeiros a Amortizar ......................................................... 468 400 SUBTOTAL ............................................................................................. 24.580 25.450
Contribuição Social (9%) ................................................................................................. 337
Imposto de Renda (15%) ................................................................................................ 434 Resultados Antecipados a Amortizar ..................................................... (6) 845 GOVERNO
Adicional .......................................................................................................................... 265 Subtotal (Aumento) Redução de Ativos ............................................ (3.571) 3.370 INSS (sobre Folha de Pagamento) ........................................................ 4.880 4.795
PAT 4% IR ........................................................................................................................ (17) Aumento (Redução) de Passivos ICMS ....................................................................................................... 10.432 9.799
DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO Fornecedores ......................................................................................... 2.004 57
Lucro Líquido ................................................................................................................... 4.124 PIS/COFINS/ISS sobre Faturamento ..................................................... 6.900 6.262
Tributos e Contribuições Sociais e Fiscais ............................................. (1.041) (3.221)
Contribuição Social .......................................................................................................... (337) Imposto de Renda e Contribuição Social ............................................... 1.020 1.784
Outros Compromissos ............................................................................ (315) 424
Imposto de Renda ........................................................................................................... (683) Outros Impostos e Taxas ....................................................................... 248 254
Subtotal Aumento (Redução) de Passivos ........................................ 648 (2.740)
Lucro Líquido do Exercício .............................................................................................. 3.104
Caixa Gerado das Atividades Operacionais ..................................... 3.903 6.878 Tributárias ............................................................................................... 1.769 1.355
Reversão dos Juros ......................................................................................................... 1.535
Lucro Líquido Final ....................................................................................................... 4.639 Atividades de Financiamentos SUBTOTAL ............................................................................................. 25.249 24.249
BASE DE CÁLCULO DO DIVIDENDO Financiamentos Obtidos ......................................................................... 32.133 20.224 FINANCIAMENTOS
Lucro Liquido ................................................................................................................... 4.639 Pagamentos de Empréstimos e Financiamentos .................................. (34.195) (17.962)
Juros e Variações Cambiais ................................................................... 4.449 4.998
Reserva Legal ................................................................................................................. (232) Pagamento de Juros sobre o Capital Próprio e Dividendos .................. (1.134) (1.924)
Base de Cálculo ............................................................................................................. 4.407 Juros por Empréstimos e Financiamentos ............................................ 1.733 1.697 Despesas Financeiras ............................................................................ 442 599
Dividendos - 25% ........................................................................................................... 1.102 Caixa Proveniente das (Aplicado nas) Atividades de SUBTOTAL ............................................................................................. 4.891 5.597
LUCROS ACUMULADOS Financiamentos ................................................................................. (1.463) 2.035 ACIONISTAS .......................................................................................... 1.535 844
Lucro Líquido ................................................................................................................... 4.639 Atividades de Investimentos
Reserva Legal ................................................................................................................. (232) SUBTOTAL ............................................................................................. 1.535 844
Juros sobre o Capital Próprio .......................................................................................... (1.535) No Imobilizado ........................................................................................ (2.300) (8.766) LUCROS RETIDOS
Saldo à Disposição da AGO ......................................................................................... 2.872 Caixa Utilizado nas Atividades de Investimentos ............................ (2.300) (8.766)
Reserva para Investimentos ................................................................... 2.872 2.533
IRRF ................................................................................................................................ (165) Aumento (Redução) das Disponibilidades ........................................ 140 147
No Início do Exercício ............................................................................. 286 139 Reserva Legal ........................................................................................ 232 178
Resumo:
Juros sobre o Capital Próprio .......................................................................................... 1.535 No Fim do Exercício ............................................................................... 426 286 SUBTOTAL ............................................................................................. 3.104 2.711
Total a Distribuir ............................................................................................................ 1.535 140 147 VALOR ADICIONADO DISTRIBUÍDO .................................................. 59.359 58.851

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DE 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 - (Em R$ mil)


1. CONTEXTO OPERACIONAL d) Imobilizado - Demonstrado ao custo de aquisição, construção e reavaliação, corrigido h) Neutralidade para Fins Tributários da Aplicação da Lei nº 11.638/07 e da Lei
A Companhia produz e comercializa fixadores, com acentuada diversificação para, monetariamente até 31 de dezembro de 1995. As depreciações são calculadas de acordo nº 11.941/09 - A Companhia optou pelo Regime Tributário de Transição (RTT) instituído
praticamente, todos os setores da economia. Os produtos são de aço comum ou nobre nos com o método linear, levando-se em conta a vida útil econômica dos bens. A Administração pela Medida Provisória nº 449/08, convertida na Lei nº 11.941/09 por meio do qual as
mais variados tipos e acabamentos. revisa anualmente o valor contábil líquido dos ativos, objetivando avaliar eventos e apurações do Imposto de Renda (IRPJ), da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido
O mercado em que atua, bastante heterogêneo, abrange, além do mercado externo, tanto a mudanças nas circunstâncias econômicas, operacionais e tecnológicas, que possam indicar (CSLL), da Contribuição para o Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o
indústria automobilística e de autopeças, como indústrias de compressores de frio, nas mais deterioração ou perda do valor recuperável. Quando tais evidências são identificadas, e o Financiamento da Seguridade Social (COFINS), para o biênio 2008-2009, continuam a ser
diversas fases de montagem e manutenção. determinadas sobre os métodos e critérios contábeis definidos pela Lei nº 6.404/76, vigente
valor contábil líquido excede o valor recuperável, é constituída provisão para deterioração
2. APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2007. Os ajustes decorrentes das novas práticas contábeis
ajustando o valor contábil líquido ao valor recuperável.
As demonstrações contábeis foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas advindas da Lei nº 11.638/07 e Lei nº 11.941/09, foram registrados nas demonstrações
Em 20 de dezembro de 2009 foi elaborado o laudo de avaliação dos bens do Imobilizado por financeiras da Companhia, quando aplicáveis, em conformidade com a Instrução CVM
no Brasil, requeridas para os exercícios findos em 2009 e 2008 e levam em consideração as uma empresa especializada, resultando no valor de mercado de R$ 71.252 (R$ 17.917
disposições contidas na Lei das Sociedades por Ações – Lei nº 6.404/76, com as alterações nº 371. A Companhia, na Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa
registrados no balanço). A vida útil remanescente dos bens também foi levantada e Jurídica (DIPJ) no ano de 2009, fez a opção pelo RTT (Regime Tributário de Transição).
constantes nas Leis nºs 11.638, de 28 de dezembro de 2007 e 11.941 de 27 de maio de 2009, e encontra-se em análise e, caso sejam detectadas alterações relevantes serão reconhecidas
as determinações das Normas Brasileiras de Contabilidade emitidas pelo CFC - Conselho 4. ESTOQUES - (Em R$ mil)
ao longo do exercício de 2010.
Federal de Contabilidade, relativas aos pronunciamentos, interpretações e orientações do CPC Contas 2009 2008
As operações relativas a arrendamento mercantil, cujos contratos foram firmados em 2009,
(Comitê de Pronunciamentos Contábeis). Dessa forma, as Demonstrações Contábeis não Produtos Acabados ....................................................................... 4.200 10.232
contemplam antecipação da adoção dos pronunciamentos técnicos emitidos por esse Comitê, foram reconhecidas nas demonstrações contábeis de acordo com as regras estabelecidas Produtos em Processo .................................................................. 4.135 2.620
aprovados pelo CFC e exigidos para os exercícios iniciados a partir de 1º de janeiro de 2010. pela legislação em vigor. Matéria Prima ................................................................................ 2.035 2.774
São apresentadas em milhares de reais (exceto quando mencionado de outra forma). e) Instituições Financeiras de Curto Prazo - Financiamentos em moeda nacional Materiais de Consumo ................................................................... 513 787
atualizados com base nas variações monetárias incorridas até à data do balanço, e os Ferramentas ................................................................................... 1.745 1.802
3. PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS
respectivos juros transcorridos são provisionados de acordo com cláusulas contratuais. Os Peças de Manutenção e Materiais Auxiliares ................................ 760 690
a) Clientes e Fornecedores de Curto Prazo - Os resultados das análises de prazos e valores
demonstraram não haver relevância que justifique ajustes a valor presente. resultados das análises de prazos e valores relativos ao Ajuste a Valor Presente, resultaram Total ............................................................................................... 13.388 18.905
b) Impostos a Compensar / Recuperar - Os valores referem-se a créditos de Pis, Cofins e em valores irrelevantes eliminando a necessidade da realização de ajustes. 5. OUTROS CRÉDITOS (NÃO CIRCULANTE)
ICMS sobre os investimentos em imobilizado e recolhimentos de antecipações de IRPJ e f) Provisão para Férias - Constituída com base nos direitos adquiridos pelos empregados até Valores correspondentes a direitos creditórios adquiridos pela Companhia para pagamento/
CSLL que superaram o lucro real anual. à data do balanço, incluindo os correspondentes encargos sociais. garantia de tributos contestados judicialmente, na sua quase totalidade, Impostos e
c) Estoques - Registrados ao custo médio de aquisição ou de produção, inferiores aos preços g) Provisão para Imposto de Renda e Contribuição Social – Constituídos sobre o lucro real, Contribuições (Imposto de Renda, Adicional de I.R. Estadual sobre antecipações, Finsocial,
de mercado ou aos valores líquidos de realização. acrescido do adicional previsto na legislação fiscal. Contribuição Social, IOF sobre importações, ICMS sobre importações e antecipações de
(Continua...)
(...continuação)

FIBAM COMPANHIA INDUSTRIAL


C.N.P.J. (MF) 61.410.395/0001-95

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DE 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 - (Em R$ mil)


pagamento do IPI, entre outros) e encargos financeiros incidentes sobre os mesmos. Tais Os financiamentos e empréstimos têm como garantia, conforme o caso, alienação fiduciária, c) Destinação do Lucro Líquido:
créditos não foram aceitos nos juízos como pagamento/garantia das ações fiscais. Por esta caução de títulos (duplicatas), notas promissórias e aval de acionistas. Os resultados das R$ mil
razão, em 2008, foi transferido da conta “Depósitos Judiciais” para a rubrica “Outros Créditos”,
no realizável a longo prazo, o montante de R$ 20.476 mil. Em decorrência do fato, a análises de prazos e valores relativos ao Ajuste a Valor Presente resultaram em valores Reserva Legal – 5% ...................................................................................... 232
Companhia aderiu aos processos de parcelamentos de impostos e contribuições no período irrelevantes eliminando a necessidade da realização de ajustes. Juros sobre o Capital Próprio ....................................................................... 1.535
de 2006 a 2008. O valor de aquisição dos direitos creditórios é registrado pelo valor pago de
Reservas para Investimentos ....................................................................... 2.872
R$ 9.136 mil, atualizados monetariamente até 31 de dezembro de 2002. O montante 8. TRIBUTOS PARCELADOS E OUTROS - (Em R$ mil)
correspondente ao valor total dos direitos creditórios, atualizado até dezembro de 2009, Total ............................................................................................................... 4.639
31/12/2009 31/12/2008 Venc. Final
calculado pelos assessores jurídicos é de R$ 63.338 mil, cuja realização desse montante d) Reserva de Reavaliação:
PAEX – Parcelamento Excepcional –
depende do desfecho final do Processo em andamento na 2ª Vara Cível, do Fórum Central da
Comarca de São Paulo, que tem por objeto a nulidade de Instrumentos Particulares de Cessão PIS/COFINS/IPI/INSS ........................................... 7.048 8.167 06/2017 A Companhia optou por manter o saldo da reserva até à sua efetiva realização.
de Direitos e pedido de ressarcimento dos valores pagos pela compra de títulos caucionados IPTU .......................................................................... - 11 -
nas execuções fiscais no período de 1996 a 1999. Até fevereiro de 2009, a Companhia obteve 10. INSTRUMENTOS FINANCEIROS
ICMS – PPI – Programa de Parcelamento
êxito em todas as instâncias judiciais e atualmente o processo encontra-se em fase de A Companhia não efetua operações com derivativos. Os instrumentos financeiros constantes
Incentivado ............................................................ 4.563 5.301 08/2017
liquidação de Sentença. De acordo com o parecer dos assessores jurídicos, a probabilidade de no Balanço Patrimonial encontram-se demonstrados ao valor de realização.
realização do crédito de R$ 63.338 mil é superior a 60%, equivalente, portanto, a R$ 38.000 Total .......................................................................... 11.611 13.479
mil, aproximadamente. Dessa forma, o valor contábil é inferior ao valor de realização e assim a Os parcelamentos são provenientes de processos de consolidação de tributos em atraso e 11. COBERTURA DE SEGUROS
Administração da Companhia decidiu manter o saldo contábil no montante de R$ 20.476 mil
indexados à taxa Selic, com parcelas mensais e consecutivas. Bens do ativo imobilizado e estoques estão cobertos com seguros, em 31 de dezembro de
em 31 de dezembro de 2009.
2009, em montante suficiente para assegurar a reposição dos bens e a continuidade das
6. IMOBILIZADO - (Em R$ mil) 9. PATRIMÔNIO LÍQUIDO
operações da Companhia em caso de sinistros.
a) Capital Social
Tx. Anual 2009 2008
Contas Deprec. Custo Deprec. Líquido Líquido O capital integralizado em 31 de dezembro de 2009 e em 31 de dezembro de 2008 é de 12. EVENTOS SUBSEQUENTES – NOVOS PRONUNCIAMENTOS DO CPC - COMITÊ DE
Terrenos (*) ............................... - 1.242 - 1.242 1.242 R$ 23.748.768 e R$ 15.465.107 respectivamente, representado por 726.514 ações, PRONUCIAMENTOS CONTÁBEIS
Edificações ................................ 4% 4.830 (3.429) 1.401 1.472 sendo 265.160 ordinárias e 461.354 preferenciais, nominativas, sem valor nominal.
Máquinas e Equipamentos ....... 10% 47.483 (33.122) 14.361 14.031 No Processo de convergência das práticas contábeis adotadas no Brasil para as Normas
Móveis e Utensílios ................... 10% 575 (487) 88 93 b) Dividendos e Juros sobre o Capital Próprio Internacionais de Contabilidade – IFRS, diversos pronunciamentos, interpretações e
Veículos ..................................... 20% 406 (353) 53 87 Em 31 de dezembro de 2009, a Companhia creditou Juros sobre o Capital Próprio orientações foram emitidos durante o exercício de 2009, com adoção obrigatória a partir de
Equip. Informática/Software ...... 20% 2.632 (2.122) 510 565 aos seus acionistas, no montante de R$ 1.535 mil, de acordo com o artigo 9º da
Outros Bens/Direitos ................. - 262 - 262 314 1º de janeiro de 2010, e para as demonstrações contábeis de 2009, a serem divulgadas em
Lei nº 9.249/95 e com a proposta da Administração da Companhia, sujeita à aprovação
Total .......................................... 57.430 (39.513) 17.917 17.804 conjunto com as demonstrações contábeis relativas ao exercício a findar-se em 31/12/2010.
da Assembleia Geral dos Acionistas.
(*) A conta de Terrenos inclui reavaliação no montante de R$ 1.081 mil. A FIBAM está em processo de avaliação dos efeitos relativos aos seguintes pronunciamentos,
Embora para fins fiscais os Juros sobre o Capital Próprio tenham sido reconhecidos no interpretações e orientações que poderão ter efeitos relevantes nas demonstrações
7. INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS resultado do exercício, estão para fins de apresentação das demonstrações contábeis,
Indexador contábeis relativas ao exercício findo em 31/12/2009, a serem apresentadas compara-
e Taxa reclassificadas para o patrimônio líquido.
tivamente às demonstrações contábeis relativas a 31/12/2010: CPC 20 – Custos de
Média Anual Venc. Forma de A remuneração aos acionistas sob a forma de Juros sobre o Capital Próprio é demonstrada
Moeda de Juros 31/12/2009 31/12/2008 Final Pagto. Empréstimos; CPC 23 – Políticas contábeis, mudança de estimativa e retificação de erro;
a seguir:
Financiamentos CPC 24 – Evento Subsequente; CPC 25 – Provisões, passivos contingentes e ativos
de Capital de Giro R$ Cdi + 0,28 a.m. 13.639 10.082 12/2011 Mensal R$ mil
contingentes; CPC 26 – Apresentação das Demonstrações Contábeis; CPC 27 – Ativo
Repasses BNDES Lucro Líquido do Exercício .................................................................................... 4.639
– Procomp .......... R$ TJLP + 2,8% a.a. - 4.260 - Mensal Apropriação à Reserva Legal ................................................................................. (232) Imobilizado; CPC 28 – Propriedade para Investimentos; CPC 30 – Receita; CPC 32 –
Financiamento de Tributos sobre o lucro; CPC 33 – Benefícios a empregados; ICPC 07 – Distribuição de
Base de Cálculo ....................................................................................................... 4.407
Máquinas
Importadas .......... 3.128 2.753 Dividendos Mínimos Obrigatórios (25%) ............................................................. 1.102 Lucros in natura; ICPC 08 – Pagamento de Dividendos; ICPC 10 – Interpretação sobre a
– Finimp .............. US$ Libor + 1,8% a.a. 1.596 2.753 04/2013 Semestral Juros sobre o Capital Próprio (base TJLP) ......................................................... 1.535 aplicação inicial ao Ativo Imobilizado e à Propriedade para investimentos dos
– Finimp .............. Euro Euribor + 3,8% a.a. 1.532 - 09/2014 Trimestre Pronunciamentos técnicos CPCs 27, 28, 37 e 43; ICPC 11 – Recebimento em transferência
Desse Total serão Pagos:
16.767 17.095
Passivo Circulante ............................................... 9.882 13.413 Para Ações Preferenciais (R$ 2,61 por ação) ...................................................... 1.206 de ativos de clientes; ICPC 12 – Mudanças em passivos por desativação, restauração e
Passivo não Circulante ........................................ 6.885 3.682 Para as Ordinárias (R$ 1,24 por ação) ...................................................... 329 outros passivos similares.

ANDRÉ DE LORENCI
CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DIRETORIA Contador - CRCSP 1SP217350/O-3
PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES
Ilmos. Srs. Administradores e Acionistas da volume de transações e o sistema contábil e de controles internos da Companhia; b) a 4. Conforme nota explicativa 12, a FIBAM está em processo de avaliação dos efeitos relativos aos
FIBAM COMPANHIA INDUSTRIAL constatação, com base em testes, das evidências e dos registros que suportam os valores e as diversos pronunciamentos, interpretações e orientações que poderão ter efeitos relevantes
SÃO BERNARDO DO CAMPO - SP informações contábeis divulgados; e c) a avaliação das práticas e das estimativas contábeis nas demonstrações contábeis relativas ao exercício findo em 31/12/2009 a serem
1. Examinamos os balanços patrimoniais da FIBAM COMPANHIA INDUSTRIAL levantados em mais representativas adotadas pela Administração da Companhia, bem como da apresentação apresentadas comparativamente às demonstrações contábeis relativas a 31/12/2010.
das demonstrações contábeis tomadas em conjunto.
31 de dezembro de 2009 e 2008, e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações
3. Em nossa opinião as demonstrações contábeis referidas no parágrafo 1º, representam
do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa e do valor adicionado, correspondentes aos adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da São Paulo, 01 de março de 2010.
exercícios findos naquelas datas, elaborados sob a responsabilidade de sua Administração. FIBAM COMPANHIA INDUSTRIAL em 31 de dezembro de 2009 e 2008, o resultado de suas
Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações contábeis. operações, as mutações do seu patrimônio líquido, os seus fluxos de caixa e os valores PADRÃO AUDITORIA S/S - CRC-2SP 016.650/O-7
2. Nossos exames foram conduzidos de acordo com as normas de auditoria aplicáveis no Brasil, adicionados nas operações referentes aos exercícios findos naquelas datas, de acordo com
e compreenderam: a) o planejamento dos trabalhos, considerando a relevância dos saldos, o práticas contábeis adotadas no Brasil. SÉRGIO NOBORU OUTAKA - Contador CRC-1SP 129.531/O-9