Você está na página 1de 84

SLA Aplicado ao Negócio

Rildo F Santos
rildo.santos@etecnologia.com.br
rildo.santos@companyweb.com.br

Twitter: @rildosan
Blog: http://rildosan.blogspot.com/

SLA aplicado ao negócio


As melhores práticas para Gestão de Serviços Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
SLA Aplicado ao Negócio Conteúdo:

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 2


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
SLA Aplicado ao Negócio

Introdução a Gestão de Nível de Serviço

Definição de Serviço
Satisfação do Cliente
O que é Qualidade do Serviço ?
O que é SLA (Acordo de Nível de Serviço) ?
O que é Gestão Nível de Serviço ?
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 3
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
O que é Serviço ?

Geração Transmissão Distribuição


SLA Aplicado ao Negócio

sua casa

Questão:
Precisamos saber como feito a geração da energia elétrica e/ou sua transmissão
para usufruirmos deste serviço ?
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 4
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
O que é Serviço ?
Modelo de Gestão e Governança do Serviço:

Contrato de Uso Contrato de Uso


SLA Aplicado ao Negócio

Transmissão
Comercialização Geração
Distribuição

Contrato de Conexão Contrato de Conexão

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 5


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
O que é Serviço ?
Qualidade do Serviço:

Energia Elétrica – Indicadores


SLA Aplicado ao Negócio

de Continuidade de Fornecimento
ANEEL (www.aneel.gov.br)

Todos os consumidores (indústrias,


comércio, hospitais e pessoas físicas)
recebem nas contas de luz
informações sobre os Indicadores
Individuais de Qualidade no
fornecimento de energia elétrica,
DIC (Duração de Interrupção por
Unidade Consumidora Individual), FIC
(Freqüência de Interrupção por
Unidade Consumidora Individual) e
DMIC (Duração Máxima Permitida de
Interrupção por Unidade Consumidora).

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 6


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
O que é Serviço ?
Penalidade (Descumprimento de Metas de Qualidade)
SLA Aplicado ao Negócio

Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Rio/0,,MUL1399451-5606,00-ANEEL+MULTA+LIGHT+EM+R+MILHOES+POR+DESCUMPRIMENTO+DE+METAS.html

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 7


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Satisfação do Cliente:
A satisfação do cliente é geralmente definida como uma função das percepções do cliente
e de suas expectativas, de modo que:
SLA Aplicado ao Negócio

O cliente satisfeito é aquele que percebe que a entrega do serviço atendeu suas
necessidades e é pelo menos igual àquele que esperava.” Para isso necessitamos saber
exatamente quais as expectativas do cliente e em seguida quais as suas percepções em
relação ao cumprimento dessas expectativas . Este é principal desafio, porque as
expectativas e as percepções podem ser dinâmicas e na maioria das vezes são
essencialmente subjetivas e portanto difíceis de validar.
Exemplos:

1 - O cliente ficará satisfeito se receber uma encomenda dentro do prazo previsto, pois, a
expectativa que foi atendida.

2- O cliente ficará insatisfeito se receber uma encomenda fora do prazo previsto, pois, a
expectativa não foi atendida.

A Gestão de Serviços tem como principais desafios:


- Manter a Satisfação do Cliente
- Manter a Qualidade dos Serviços
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 8
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
O que é do Qualidade do Serviço ?
Qualidade é o valor percebido pelo cliente em um serviço.
É preciso que o provedor de serviço entenda o cliente (em suas percepções e
expectativas) em relação qualidade do serviço (que é valor percebido);
Exemplo:
SLA Aplicado ao Negócio

Na internet o cliente Preciso que Preciso entender


pode comprar a site da loja virtual que ele quer...
qualquer hora... esteja disponível
todos 24 horas Ok, você precisa
todos os dias de Alta
Disponibilidade..

Cliente Provedor
de Serviço
Neste exemplo o valor pretendido (a Qualidade do Serviço) pelo cliente é
caracterizado pela Alta Disponibilidade (24x7) do serviço (Loja Virtual).
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 9
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
O que é do Qualidade do Serviço ?
Exemplo: Disponibilidade:
SLA Aplicado ao Negócio

“Disponibilidade” do Serviço da Loja Virtual:


Durante um ano, o serviço poderá ficar indisponível no máximo 52,56 minutos (99,99% de
disponibilidade). Contudo, as paradas planejadas (para manutenções periódicas, por exemplo) e
exceções (deste que descrita no acordo) não são contabilizadas..

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 10


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
O que é do Qualidade do Serviço ?
Exemplos: Parâmetros (mensuráveis) de Qualidade do Serviço:

- Disponibilidade (Exemplo: Alta Disponibilidade - 24x7);


SLA Aplicado ao Negócio

- Performance (Exemplo: Tempo de resposta da transação);

- Confiabilidade (Exemplo: Tempo que serviço funciona sem falhar);

- Confidencialidade;

- Continuidade (Exemplo: Capacidade de serviço continuar funcionar mesmo


diante de uma falha ou desastre);

- Capacidade de Processamento e/ou de Armazenamento;

- Integridade;

- Segurança;

- Tempo de Atendimento;

- Pontualidade.
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 11
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
SLA Aplicado ao Negócio O que é SLA ?

O ANS - Acordo de Nível de Serviço (SLA - Service Level Agreement), é um


acordo (documento) formal, celebrado entre o Cliente e o Provedor de
Serviço. Sua principal função é definir o nível de qualidade do serviço que
será entregue pelo provedor de serviço.
SLA é principal instrumento da Gestão Nível de Serviço.
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 12
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
SLA Aplicado ao Negócio O que é Gestão de Nível de Serviço ?

Gestão de Nível de Serviço:

É processo responsável por manter o Ciclo de Vida dos Acordos de Nível de Serviços
(SLA).

As principais atividades são:


- Estabelecer o modelo de gestão, implementar SLA, Gerenciamento do Serviço e
Melhorar Continua do Serviço.
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 13
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
SLA Aplicado ao Negócio Por que utilizar o SLA ?

Atender as Leis e
Regulamentos
Melhorar o nível de
qualidade dos serviços

Aumentar a satisfação do cliente Fazer o alinhamento entre


as unidades de negócio
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 14
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Alinhamento entre
O SLA (Acordo de Nível de Serviço) é um entendimento formal entre o Cliente (que usa
um serviço para atender as necessidades do negócio) e o Provedor de Serviço ( que
fornece o serviço de acordo com os requisitos estabelecidos pelo cliente) sobre o nível de
qualidade do serviço.
SLA Aplicado ao Negócio

Provedor de Serviço

SLA

Cliente

Qualidade do Serviço é o valor percebido pelo cliente que deverá ser realizado
pelo provedor de serviço na entrega do serviço.
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 15
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
SLA Aplicado ao Negócio

Escrevendo um Acordo de Nível de Serviço


Componentes do SLA
Níveis do SLA
O papel de Gerente de Nível de Serviço
Ciclo de Vida do Processo de Gestão de Nível de Serviço
Entendendo o cliente
Avaliando a capacidade de técnica do provedor de serviço
Negociação e Acordo
Formalização do Acordo
Implantação do SLA
Risco na Implementação do SLA
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 16
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Componentes do SLA:
ANS - É um Acordo1 entre o
Provedor de Serviço e o Cliente. O
Cliente ANS descreve o Serviço, documenta
Metas de Nível de Serviço e
especifica as responsabilidades do
Provedor de Serviço e do Cliente.
Um ANS pode cobrir múltiplos
SLA Aplicado ao Negócio

serviços ou múltiplos clientes.

ANO é um acordo entre um


ANS Provedor de Serviço e outra parte da
mesma organização.
(SLA) O ANO suporta a entrega de
Serviços do Provedor aos seus
Clientes. O ANO define produtos ou
serviços a serem fornecidos e as
responsabilidades de ambas as
Provedor de partes. Exemplo:
Serviços • A Central de Serviços e um Grupo
de Suporte para fornecer Resolução
de Incidente dentro de um prazo
Acordo de Nível Contrato de Apoio – CA acordado. (também chamado de
Operacional – ANO SLA interno)
CA é um Contrato entre um Provedor
de Serviços e um Fornecedor
(externo).
O fornecedor produtos produtos ou
serviços que são necessários para a
execução de um serviço.
O Contrato de Apoio define metas,

Provedor de Serviços Provedor de Serviços indicadores, métricas e


responsabilidades que são necessárias
Interno Externo para atingir as metas de Nível de
Serviço acordadas em um ANS.
1 - Acordo é um documento que descreve o entendimento formal entre duas ou mais entidades. Um acordo não tem valor legal, a não ser quanto faz parte de um contrato
(Contrato de Prestação de Serviço).

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 17


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Níveis do SLA:

Um único SLA vale para todas as unidades de negócio


(departamentos) da empresa.
Corporativo Exemplo de serviços: Continuidade Energia Elétrica, Serviços
de Backoffice (ERP), Serviço de E-mail Serviços de Internet,
Segurança Patrimonial, Manutenção e Conservação, Higiene
e Limpeza, Serviços de RH, Serviços de Marketing e etc
SLA Aplicado ao Negócio

O nível de qualidade do serviço vale para a corporação

Um SLA vale para uma unidade de negócio ou para um


grupo de unidades de negócio.

Níveis Cliente Exemplo de serviços: Sistema Contábil e Financeiro, Serviço


de E-mail Ilimitado (para os clientes vip – presidência e a
diretoria não existe limite de tamanho da caixa postal)

O nível de qualidade do serviço vale para o cliente ou


para grupo de clientes

Um SLA de para um serviço em especifico.

Exemplo de serviços: Serviços de Transporte de


Funcionários (especifico para os funcionários que os
Serviço usuários deste serviços); Serviços de Telefônica por IP –
VoIP (especifico para usuários do serviço e VoIP)

O nível de qualidade do serviço vale para o serviço em


especifico

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 18


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Quem será o responsável pela Gestão de Nível de Serviço ?
Para ter efetividade o processo de Gestão de Nível de Serviço, exige um papel bem
definido: Gerente de Nível de Serviço que tem as seguintes responsabilidades:

1. Garantir que os requisitos de negócio sejam identificados, entendidos e documentados;


SLA Aplicado ao Negócio

2. Mediar conflitos, facilitar negociação do nível de qualidade do serviço;

3. Assegurar que ANO e CA sejam aderentes ao SLA;

4. Manter funcionando o Gerenciamento de Nível de Serviço;

5. Manter os relatórios de gerenciamento;

6. Promover a melhoria contínua e revisão dos serviços;

7. Desenvolver comunicação com todos os interessados (stakeholders) e ajudar manter a


satisfação do clientes.

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 19


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
SLA Aplicado ao Negócio Ciclo de Vida do Processo de Gestão Nível de Serviço:

1 Implementação do SLA

2 Gerenciamento de Nível Serviço

3 Melhoria Continua

Documentos:
- Requisitos para o Nível do Serviço
- Especificação Técnica do Serviço
- SLA (Acordo de Nível de Serviço)
- ANO (Acordo de Nível Operacional) interno
- CA (Contrato de apoio) externo
- Relatórios de Gestão de Nível de Serviço
- Registro de Ocorrências

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 20


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Entendimento/Identificação das Necessidades (do cliente):
Quando o cliente sabe o quer:
O cliente deve definir a qualidade do serviço (QoS) por meio de documento de
requisitos de nível de serviço. Este documento deve ser de fácil entendimento
entre as partes.
SLA Aplicado ao Negócio

Preciso que todas Será necessário


Preciso de acordo
as encomendas estabelecer um
formal...
sejam entregues SLA
Ok, acho que
em 24 horas... podemos entregar
em 24 horas

Cliente Provedor
de Serviço
Dica: Utilizar o documento de Requisitos para o Nível de Serviço
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 21
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Entendimento/Identificação das Necessidades (do cliente):
Quando o cliente não sabe o quê quer:
O cliente precisará de ajuda para definir os requisitos de nível de serviço (a
qualidade do serviço). Neste caso será necessário a entender o serviço e seu
contexto de negócio, para depois estabelecer seus requisitos.
SLA Aplicado ao Negócio

Será que o meu


cliente ficará Gostaria entregar
satisfeito ? todas as minhas ????
encomendas o mais Acho que sim, mas
rápido o possível .... me fale sobre este
serviço de
encomenda

Cliente Provedor
de Serviço
Dica: Realizar reuniões, entrevistas e observação de campo. Solicitar documento
para entender os requisitos do negócio
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 22
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Tradução dos Requisitos de Negócio para Requisitos Técnicos
SLA Aplicado ao Negócio

1 – Documento de Requisitos para Nível de Serviço (Cliente):


Este documento descreve quais são os requisitos de qualidade do serviço (aqueles que
o cliente percebe valor) e que são necessários para o negócio. Também conhecido com
Requisitos de Negócio.

2 – Documento de Especificação Técnica do Serviço (Provedor de Serviço):


Este documento é uma tradução do documento de Requisitos, que detalha de forma
técnica o que é preciso fazer para atender os requisitos de qualidade de serviço.
Também conhecido com Requisitos Técnicos.

Comentário: Este documento é base para entendimento do nível de qualidade do


serviço
. e para elaboração do SLA (Acordo de Nível de Serviço).
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 23
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Entendimento/Identificação das Necessidades (do cliente):
Após a fase de entendimento/identificação das necessidades, será preciso fazer a
tradução dos requisitos de negócio para requisitos técnicos.
Estes requisitos são transformados em Qualidade do Serviço;

Cenário:
Uma empresa de análise de crédito precisa entregar aos clientes essas análises mais
SLA Aplicado ao Negócio

rapidamente do que a concorrência, pois, isto seria um grande diferencial competitivo.

Requisito de Negócio (Requisitos para o Nível do Serviço):


O presidente da empresa chamou o diretor de TI e perguntou seria possível que uma
Análise de Crédito fosse feita em 30 segundos. O Diretor de TI, respondeu que sim.

Qualidade do Serviço (Especificação Técnica do Serviço):


- Disponibilidade de 99,9% (no horário comercial);
- Performance (Tempo de resposta da transação: 30 segundos);

Documentos:
- Requisitos para o Nível do Serviço
- Especificação Técnica do Serviço
.

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 24


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Avaliação da Capacidade Técnica
O provedor de serviços deve avaliar sua capacidade para atender os requisitos de nível de
qualidade do serviço.
Nesta avaliação será necessário verificar se a infra-estrutura atual (tecnologica e/ou
material), se há pessoas suficientes e se exitem condições para entregar o serviço, nos
níveis de qualidade desejados (antes da formalização do SLA) pelo cliente.
SLA Aplicado ao Negócio

Também deve ser visto se será preciso fazer a contratação de fornecedores


para prover o serviço ou parte do serviço.
Para fazer as
entregas em 24
O provedor de serviços também deve analisar horas...
Vou precisar de
os diversos cenários para entrega de serviço. um Sistema de
Gestão de Rotas
Avaliar pelo menos um cenário otimista e GPSs para os
entregadores
(onde as coisas dão certo) e um cenário
pesimista (onde as coisas não dão certo)
O que ser considerado:
- As paradas planejadas (para manutenção,
instalações de novos equipamentos e et)
- Avaliação dos cenários ajudam a identificas
as exceções, gargalos e outras situações que
são anormais e que podem influenciar
negativamente na qualidade do nível de
serviço. Provedor
de Serviço
Dica: Utilizar o documento de Especificação Técnica
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 25
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Avaliação da Capacidade – Componentes do Serviços:
Para avaliar a capacidade de entrega do nível de qualidade do serviço requerido pelo
cliente é precisamos conhecer todos os componentes (partes ou itens) que fazem
compõe o serviço.
Exemplo:
Para um SLA de Serviço de E-mail Corporativo foi identificado todos os itens do Serviços de
SLA Aplicado ao Negócio

E-mail (aqui chamados de itens de configuração - ICs, segundo as práticas da ITIL®) para
facilitar a o gerenciamento do serviço eles devem ser armazenados em banco de dados.

Itens de configuração (ou componentes) do Serviços de E-mail


Serviço Nível Componentes ID
Catálogo de Serviço E-mail Corporativo E-mail Server (hardware) 23
E-mail Server (Software) 25
Serviço de E-mail File Server O/S 26
Router 1 33
Router 2 34 CMDB
Router 3 35
LAN 2
Qualidade do Serviço: ISDN 5
ISP 8
SLA - Alta Disponibilidade: 24x7
SLA - Segurança
- Confidencialidade
- Capacidade
- Confiabilidade Banco de dados de
itens de configuração

Este serviço poderá ter partes que são executadas por outra unidade de negócio, neste caso será
necessário estabelecer um Acordo de Nível de Operacional (ANO), caso parte do serviço seja
executada por um fornecedor externo deverá ser definido um Contrato de Apoio, CA, (na verdade um
Contrato de Prestação de Serviço). Contudo, ANOs e CAs devem ficar debaixo do guarda-chuva do
SLA (mestre).
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 26
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Avaliação da Capacidade – Necessidade de Novos Equipamentos:
Exemplo: Para entregar “Confiabilidade”: Será implantado novos equipamentos.
Especificação Técnica do Serviço
Infra-estrutura para garantir a “Confiabilidade do Serviço”:
O Balanceamento de Carga é uma solução composta por um conjunto de equipamentos (Load
Balancers) que funcionam em fail over/hot stand by: eles recebem as requisições e distribuem
SLA Aplicado ao Negócio

a carga entre os servidores, para não sobrecarregar o ambiente de produção. Na eventualidade


de ocorrer qualquer tipo de falha, o outro equipamento assume a função de balanceamento.

Vantagens:
Atuação em redundância além de aumentar a Confiabilidade do Serviço, também mitiga os
riscos de falha Disponibilidade de 99,9% e melhora escalabilidade do serviço (podemos
acrescentar novos servidores extras para atender o aumento de demanda).
Principal Desvantagem:
.
Custo dos novos equipamentos.
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 27
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Negociação e Acordo:
Nesta fase o Cliente e Provedor de Serviço devem chegar um entendimento comum sobre o
nível de qualidade do serviço, custos, metas, indicadores, revisões e etc..
É uma fase marcada pelo diálogo, discussões e debates intensos e calorosos.
A grande armadilha para o Provedor de Serviço é aceitar um nível de qualidade do serviço
SLA Aplicado ao Negócio

que ele não tenha capacidade de entregar.


Já para o Cliente é aceitar um nível de qualidade que possa afetar a performance
do negócio.
Às vezes, será necessário apresentar soluções alternativas para chegar ao entendimento.
O Gerente de Nível de Serviço deverá desempenhar o papel de facilitador e quando
preciso de mediador nesta negociação.

SLA
!!! !!!
100%
??

Posso
ajudar?

Gerente
de Nível Provedor
Cliente de Serviço de Serviço
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 28
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Penalidade e Compensação:
Na fase de Negociação deve estabelecer as penalidades, multas e compensação
pelo não cumprimento do nível de qualidade do serviço.
SLA Aplicado ao Negócio

OK
OK

Provedor
Cliente de Serviço
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 29
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Formalização do Acordo:
Após a Negociação começa a fase de Formalização do Acordo.
Nesta fase o Acordo de Nível de Serviço é:
- Elaborado,
- Revisado,
SLA Aplicado ao Negócio

- Assinado.
Esta fase também conhecida como contratação.

OK
OK

Provedor
Cliente de Serviço
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 30
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Implantação do SLA:
Com Acordo de Nível de Serviço (SLA) formalizado, começará a fase de
implantação A implantação do SLA geralmente é feito através de um Projeto com
escopo e prazo bem definidos.
SLA Aplicado ao Negócio

OK
OK

Provedor
Cliente de Serviço
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 31
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
SLA Aplicado ao Negócio Riscos na Implementação do SLA:

Meta extremamente
Sem se preocupar com a ambiciosa (100%)
Responsabilidade mal Sem plano de
mudança cultural definida Comunicação

Recurso e SLA sem levar em conta


Prazo não as exceções
Sem penalidade ou
realistas
compensação

Aceitar meta do serviço além


da capacidade de entrega ou
Aceitar um nível de qualidade
Assinar o SLA sem de serviço que pode afetar SLA não alinhado com
Sem formalização
conhecê-lo. negativamente o negócio o negócio
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 32
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
SLA Aplicado ao Negócio

Práticas de Gerenciamento
Introdução
Por que medir ?
Meta, Indicadores para o Serviço
Monitoramento de Nível de Serviço
Registro de Ocorrência
Geração de Relatórios
Plano de Ação e Reunião de Revisão
Risco no Gerenciamento
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 33
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Práticas de Gerenciamento. Introdução:
Após a implantação do SLA, devemos começar as
atividades de gerenciamento elas são:
- Monitoramento
- Registro de Ocorrência
SLA Aplicado ao Negócio

- Geração de Relatórios

Antes de apresentarmos as atividades do Gerenciamento


de Nível de Serviço.
Precisamos discutir metas, indicadores e métricas, para que
possamos fazer o monitoramento de um serviço.

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 34


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Práticas de Gerenciamento. Por que medir ?
“Quem não mede, não gerencia, quem não gerencia, não melhora.” -Joseph M. Juran
“O que não pode ser medido não pode ser controlado” - Prof. Ishikawa:
SLA - Gestão de Nível de Serviço

Características de um bom Processo:


Por ser mensurável, é possível avaliar
- É Mensurável
sua performance (através de KPI1) e
- É bem definido
aplicar o ciclo de melhoria contínua
- Tem dono
(PDCA1)
- Passível de repetição
- É previsível
- Consistente
Nível de
- Integro Maturidade Excelência
- É estável operacional
- Tem nível de maturidade
adequado
- É adaptável
- É Documentado
Consolidação
do nível

Tempo

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 2009 35


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Práticas de Gerenciamento. Meta e Indicadores para o Serviço:
SLA e Indicadores
O cumprimento (sucesso) de um SLA está atrelado a sua meta e seus indicadores de
desempenho que devem ser automatizados para coleta e monitoramento dos itens do acordo.
Estes indicadores devem incluir meios de segurança e auditoria que agreguem confiabilidade ao
indicador. Estes indicadores devem ser disponibilizados tanto para o cliente quanto para o
SLA Aplicado ao Negócio

provedor do serviço, ainda, os mecanismos de monitoramento dos indicadores podem estar


implantados tanto no cliente quanto no provedor.
Para atender os objetivos e os requisitos do negócio devemos medir o desempenho do
fornecedor (interno e/ou externo) na entrega do serviço.
Para isto precisamos definir quais as metas, os indicadores, métricas, como será a coleta os
dados e análise dos dados.
Desta forma podemos fazer o gerenciamento mais efetivo.

Meta: Uma meta é um objetivo traduzido em termos quantitativos.


Exemplo:
- Meta: Disponibilidade para Serviço de Internet Banking: 99,99% ao ano.
Indicador: É uma medida significativa usada para medir desempenho em relação a uma meta
preestabelecida. (rfs-2006)
Exemplo:
- Indicador: % de Disponibilidade para Serviço de Internet Banking: 99,99% por mês
Métrica: É uma variável quantitativa que são utilizadas pelo indicador
Exemplos:
- Quantidade de tempo (minutos) de “uptime” do serviço por mês;
- Quantidade de tempo (minutos) de “downtime” do serviço por mês.

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 36


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Práticas de Gerenciamento. Indicadores e Métricas:
Serviço Atendimento ao Cliente (SAC):
Exemplo:
Indicadores de Desempenho:
- Taxa de Reclamações Atendidas
- Taxa de abandono de ligações
SLA Aplicado ao Negócio

- TMA (Tempo médio de atendimento das Reclamações)


- % de satisfação do cliente com o primeiro nível de atendimento
- Backlog do Atendimento;
Métricas:
- Quantidade de Reclamações Atendidas
- Quantidade de Reclamações Não Atendidas
- Quantidade de ligações por mês
- Quantidade de clientes atendimento por mês

Benefícios dos Indicadores:


- Possibilita avaliação de desempenho do fornecedor do serviço;
- Permite mensurar a o nível de qualidade do serviço real;
- Auxilia na implementação do programa de melhoria continua;
- Ajuda no planejamento de ações proativas.

Principal Desvantagem:
- Custo da medição
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 37
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Práticas de Gerenciamento. Métricas e Indicadores
Indicadores de Desempenho:
- % de eficiência das reuniões de revisão do serviço
- % de serviços entregados com o nível de qualidade serviço abaixo do acordado
- % de exceções por serviço
- % de ocorrências por serviço
SLA Aplicado ao Negócio

- % de indisponibilidade do serviço
- % de confiabilidade do serviço
- Taxa de satisfação do cliente com o serviço;

Métricas:
- Quantidade de Ocorrências Registradas
- Quantidade de Exceções (paradas planejadas do serviço)
- Quantidade de Serviços entregados com ocorrência
- Quantidade de Serviços entregados sem ocorrência

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 38


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
SLA Aplicado ao Negócio Práticas de Gerenciamento. Monitoramento:

Monitoramento: Gerenciando o Risco do dia-a-dia


O monitoramento é uma atividade muito importante para não ser pego de surpresa,
monitorar os eventos ajuda na identificação de problemas (de forma antecipada) e na
aplicação de ações preventivas, mitigando o risco de quebra de nível de serviço.
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 39
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Práticas de Gerenciamento. Monitoramento:
O que é monitoramento?
Monitoramento é o acompanhamento - contínuo e sistemático – de eventos
e situações específicas, cujas as condições desejamos identificar, avaliar e
comparar.
SLA Aplicado ao Negócio

Por que monitorar ?


O monitoramento faz o acompanhamento para identificar possíveis desvios nos
níveis de serviços acordados.

Os desvios devem ajustes para que não haja quebra no nível de serviço (perda
de confiabilidade, por exemplo)

Quais são vantagens do Monitoramento ?


- Permite avaliar melhor o nível de qualidade do serviço;
- Permite compreender e analisar as tendências;
- Permite avaliar os eventos, exceções e restrições que podem afetar o serviço;
- Ter informações quantitativas e qualitativas;
- Ajuda na tomada de decisão;
- Permite a realização de ações preventivas;
- Auxilia a melhoria contínua;
- Permite a geração de relatórios.

Quais é a principal desvantagem do Monitoramento ?


- O custo do monitoramento (para justificar o custo é necessário fazer uma
análise de custo x benefício)
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 40
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Práticas de Gerenciamento. Monitoramento:
Exemplo: Monitoramento do Serviço:
SLA Aplicado ao Negócio

Disponibilidade
Total 99,99% Alertas
Patamar Aceitável
Tolerância: Até
96,99
Alerta

Critico

SLA Violado

Tempo

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 41


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Práticas de Gerenciamento. Monitoramento:
Exemplo: Monitoramento do Serviço (que é objeto do Acordo de Nível de Serviço)
SLA Aplicado ao Negócio

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 42


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Práticas de Gerenciamento. Registro de Ocorrência:
Além do Monitoramento do Serviço, é importante que exista uma forma do
cliente possa Registrar as Ocorrências (falhas no serviço ou na entrega
do serviço).

O gerente de nível de serviço deve analisar os registros, definir o nível de


SLA Aplicado ao Negócio

prioridades e providenciar a resolução de todos as ocorrência que podem


causar impacto ao nível de qualidade do serviço.

O gerente deve elaborar e executar (ou delegar a execução) de um Plano de


Ação para mitigar o risco de quebra de qualidade do nível de serviço.

Exemplo de Formulário de Registro de Ocorrência:

Prioridade

Serviço

Ocorrência

Comentários

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 43


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Práticas de Gerenciamento. Geração de Relatórios:
Os Relatórios ajudam a demonstrar para o cliente quais níveis de
qualidade que estão sendo entregues, desempenho do provedor de
serviço, exceções e etc.

O relatório também ajuda na análise de tendência, na tomada de decisão e


SLA Aplicado ao Negócio

no Programa de melhoria contínua dos serviços.


Os relatórios devem ser entregue para o cliente e para o provedor de serviço
com base regular (por exemplo: mensal, quinzenal..).

Exemplo de Relatório de Nível de Serviço:


Serviço:
Rede IP

Indicadores MAIO JUNHO JULHO AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO


UPTIME
(Disponibilidade) 100% 98% 50% 98% 99% 98%
00:00 - 23:59 (Meta > 97,5%)
MTTR
(DOWNTIME) 70 60 180 100 85 65
00:00 - 23:59 (Meta <= 120 minutos)
MTBSI
(CONFIABILIDADE) 250 260 300 290 120 265
00:00 - 23:59 (Meta => 240 minutos)

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 44


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Práticas de Gerenciamento. Relatório:
Exemplo: Relatório de Nível de Serviço
SLA Aplicado ao Negócio

Tendência

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 45


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Práticas de Gerenciamento: Plano de Ação e Reunião de Revisão:
Um vez identificado algum evento ou o registro de ocorrência que possa causar
impacto no nível de qualidade do serviço, devemos elaborar e executar um Plano de
Ação.

Para que os Planos de Ação tenha um sucesso é preciso que ele seja parte de
SLA Aplicado ao Negócio

Programa de Melhoria Continua de Serviço:

Este programa tem o foco melhorar os serviços continuamente e não somente em corrigir
os desvios ou problemas identificados.
Quando um problema pode causar impacto no nível da qualidade do serviço, o Gerente de
Nível de Serviço, deve fazer um Plano de Ação com objetivo para identificar e
implementar ações necessárias para resolver os problemas e restabelecer o nível de
qualidade do serviço.
Ferramentas: Diagrama de Causa Efeito e PDCA.

Reunião de Revisão do Acordo de Nível de Serviço:

As reuniões de revisão do SLA deve ser definidas e acordadas (formalizadas) entre as


partes. Objetivo primário destas reuniões é aperfeiçoar o nível de qualidade do serviço.
Elas devem ter base regular, ou seja, bimestrais, semestrais e assim por dia.

Contudo, quando o nível de qualidade de serviço está muito abaixo do que foi acordo no
SLA, o gerente de Nível de Serviço deve propor a realização de uma reunião de revisão do
SLA com objetivo de sanar o problema de baixa qualidade.
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 46
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Práticas de Gerenciamento: Riscos
Riscos no Gerenciamento de Nível de Serviço:
SLA Aplicado ao Negócio

Sem Registro de
Ocorrência Sem Plano de Ação

SLA sem meta, indicadores Ausência de Programa de


e métricas Melhoria Contínua

Sem monitoramento Sem revisões periódicas Sem relatórios de desempenho

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 47


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Práticas de Gerenciamento: Caso Real
Visa Vale
Na Visa Vale, os Acordos de Nível de Serviço (SLA) são a cola que unifica a empresa. Fruto de
um investimento de 45 milhões de reais (dois terços dos quais foram para a área de tecnologia) e
com de mais de 1000 clientes, a Visa Vale tem apenas 45 funcionários. "Para que eu consiga
SLA Aplicado ao Negócio

vender meu serviço, dependo de pelo menos dez fornecedores de tecnologia", diz o diretor
executivo de operações e tecnologia.
Eis como funciona a rede da empresa: os vales de alimentação e refeição são vendidos às
empresas, que os repassam aos funcionários. Da emissão dos cartões à compensação, todo o
processo é feito por fornecedores terceirizados. A venda aos clientes é feita pelos bancos. O
credenciamento e a transação com os 70000 estabelecimentos que recebem os benefícios
(supermercados, lanchonetes e restaurantes..) ficam a cargo da Visanet (Visa) e a um grupo de
bancos.
Enquanto a Visanet processa as contas dos estabelecimentos, a EDS cuida das transações dos
usuários. Outro parceiro, a Diveo, roda em suas centrais de dados o site e o sistema de gestão
da Visa Vale (SAP). A parte de telecomunicações foi entregue à Embratel e à Impsat. A empresa
já colocou mais de 100000 cartões em circulação.

Para que todo o circuito funcione, a Visa Vale mantém contratos de nível de serviço
SLA exigentes.

> De cada 100 tentativas de acesso ao site da empresa, 99 devem ter sucesso. No
caso da EDS, o índice é ainda mais rigoroso. De cada 10 000 transações, apenas
uma pode falhar. "Se o fornecedor não atingir os níveis combinados, ele deve nos
dar descontos na fatura mensal", diz diretor executivo de operações e tecnologia.
Fonte: Exame, Ed. 810 - 4 de fevereiro 2004 - Sérgio Teixeira Jr. - TI: Dá para se livrar desse abacaxi?
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 48
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Práticas de Gerenciamento: Caso Real
Serasa
O negócio da empresa de análise de crédito Serasa está baseado em duas estratégias. a
primeira é avaliar informações financeiras de crédito. A outra é entregar essas análises mais
rápido do que suas concorrentes. A forma para vencer os concorrentes é cumprir um SLA
SLA Aplicado ao Negócio

(acordo por nível de serviço) mais rigoroso.


Para a TI, isso significa investir em alta disponibilidade do sistema e monitorar
constantemente a utilização dos serviços por cerca de 400 mil clientes em mais de 30
segmentos.

Desde o início deste ano, a Serasa passou a utilizar uma nova aplicação para fazer a
gestão do SLA. "A grande vantagem é que podemos simular cargas e prever impactos no
SLA, tomando providências para que o cliente não seja afetado", afirma o diretor de novas
tecnologias e serviços da Serasa.
A ferramenta se revela mais importante em datas comemorativas, como Natal ou Dia das
Mães, quando muitos clientes varejistas da Serasa aumentam fortemente o número de
consultas diárias, causando picos de utilização. Num dia normal, a Serasa realiza uma
média de 4 milhões de transações. Em datas especiais, o número pode aumentar até 70%.

A aplicação analisa em tempo real todo o caminho das transações, em aplicações e infra-
estrutura, inclusive em componentes externos. "Com isso, a empresa pode fazer ofertas
mais agressivas nos contratos de serviços", diz diretor. Atualmente, 300 clientes são
monitorados pela solução.

Fonte: http://info.abril.com.br/corporate/noticias/noticia_252170.shtml (Revista InfoCorporate)

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 49


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
SLA Aplicado ao Negócio

SLA como ferramenta de alinhamento com negócio


Aplicando o BSC (Balanced Scorecard) na Gestão de Nível
de Serviços
Visão Estratégica
Estratégia e BSC
O que é BSC ?
Declaração Visão, Missão e Valores
Perspectivas do BSC
Os objetivos Estratégicos e Temas Estratégicos
Estrutura Causa-Efeito
Mapa Estratégico
Desenvolvendo o BSC para Gestão de Nível de Serviço
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 50
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Visão da Estratégia:

BSC
SLA Aplicado ao Negócio

Mudanças Posicionamento
Financeiro
externas da empresa

Análise da Visão de Processos


Concorrência futuro Internos
Análise do Direcionamento
ambiente da empresa
competitivo Análise das Missão da
Clientes
oportunidades empresa

Análise das Valores da Aprendizagem


ameaças empresa e Crescimento

Estratégia da Perspectivas
empresa
BSC é uma ferramenta de planejamento estratégico, que
ajuda definir a visão de longo prazo, missão e valores...
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 51
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
A estratégia e o BSC:

Negócio Estratégia é executada através de Ciclo PDCA de


processos de negócio e projetos Melhoria Contínua
SLA - Gestão de Nível de Serviço

Processos & Cadeia de Valor

Infra-estrutura empresarial Ciclo


PDCA
Gerenciamento de Recursos Humanos
negócio Desenvolvimento de Tecnologia

Para alcançar resultado (valor) o Compras / Aquisição de insumos

negócio requer uma estratégia

Monitoramento
dos resultados
Portfólio de Projetos
Metas e Indicadores

Estratégia

Projetos

A estratégia define a
visão, a missão, valores,
metas e os objetivos

BSC é uma ferramenta de Processos de Negócio PDCA ajuda a implementar


Planejamento Estratégico e Portfólio de Projetos o ciclo de melhoria contínua

A estratégia é considerada a arte de gerar valor e os processos são responsáveis pela execução
da estratégia.
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 2009
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br) 52
O que é BSC ?

BSC
BSC
www.bscol.com Surgimento:
SLA - Gestão de Nível de Serviço

Desenvolvido por Robert Kaplan e David


Norton de Havard, o balanced scorecard
é um método pratico e inovador de gestão do
desempenho das empresas e organizações.
O objetivo da sua implementação é permitir uma
gestão eficaz do desempenho organizacional,
baseando-se na visão estratégica da empresa e
traduzindo-a em indicadores de desempenho.
É uma abordagem estratégica de longo prazo,
sustentada por sistema de gestão, comunicação
Harvard Business Review, 1992 e medição do desempenho, cuja implementação
“The Balanced Scorecard Measures permite criar um visão compartilhada dos
that Drive Performance”. objetivos em todos os níveis da organização

O Balanced Scorecard, segundo Kaplan e Norton:

O Balanced Scorecard é uma ferramenta (ou metodologia)


que “traduz a missão e a visão das empresas em um conjunto
abrangente de medidas de desempenho que serve de base
para um sistema de medição e gestão estratégica”.

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 2009 53


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Declaração de Visão, Missão e Valores

Exemplo: Visão, Missão e Valores


SLA Aplicado ao Negócio

Visão:
SER LÍDER NAS ÁREAS DE
CONHECIMENTO ESTRATÉGICO
PARA O DESENVOLVIMENTO DO
NEGÓCIO DAS EMPRESAS PT

Missão:
PROMOVER O PROCESSO DE
INOVAÇÃO AO NÍVEL DOS
SERVIÇOS, TECNOLOGIAS E
OPERAÇÕES

Valores:
- Criatividade e Inovação
- Saber e Fazer
- Espírito de Equipe
- Dedicação
- Orientação para o Cliente

Fonte: http://www.ptinovacao.pt/empresa/v_missao.htm
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 54
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
SLA - Gestão de Nível de Serviço As Perspectivas de Valor

Para alcançarmos nossa visão, Para alcançarmos nossa


que resultados devemos visão, que valor percebido
gerar para nossos acionistas e
demais stakeholders ?
Financeira devemos gerar para os
clientes ?

Processos Estratégia
Internos (Visão e Missão) Clientes

Para satisfazermos
nossos acionistas e clientes,
em que processo de negócio Aprendizagem Para alcançarmos nossa visão,
que novos conhecimentos,
deveremos alcançar
e excelência operacional ?
e crescimento competências e talentos
deveremos desenvolver ?

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 2009 55


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Os objetivos Estratégicos e Temas Estratégicos

Os objetivos Estratégicos derivam dos Temas Estratégicos


SLA Aplicado ao Negócio

Perspectivas: Objetivos Estratégicos:

- Retorno sobre o patrimônio liquido


- Aumento do valor de mercado
Financeira - Valor econômico agregado
- Retorno sobre os investimentos
Temas Estratégicos:
- Valor percebido pelo cliente
- Contribuir para os lucros do cliente - Fidelidade dos clientes
Clientes - Lucro gerado pelo ciclo de vida do cliente
- Produção flexível - Tempo de resposta aos requisitos do clientes

- Ser a melhor alternativa de - Introdução de novos produtos


investimento para os acionistas - Inovação de produtos e processos
Processos - Identificação de novos clientes
- Inovar o modelo de negócio - Qualidade dos serviços de pós-venda

- Ser a melhor alternativa para auto- - Velocidade de introdução de competências


realização de talentos
Aprendizagem
- Motivação e alinhamento dos empregados
e - Produtividade dos talentos
Crescimento - Gestão do conhecimento

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 56


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Estrutura Causa-Efeito:

Exemplo de Mapa Estratégico do BSC com Estrutura Causa-Efeito:

Perspectiva Valor de Mercado


SLA Aplicado ao Negócio

Retorno Total da Empresa Valor para o


Financeira do Negócio Acionista

Valor da Retenção
Perspectiva Valor percebido
Valor do cliente
do Cliente pelo cliente
Valor da Marca

Perspectiva Inovação
dos Processos Valor dos Processos Produção e
Operações
Internos Gestão de cliente

Perspectiva de Valor do Colaborador Aprendizagem


Aprendizagem Comportamento e Gestão do
Empreendedor Conhecimento
e Crescimento Reter Talentos

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 57


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Mapa Estratégico:

Exemplo: Mapa Estratégico


SLA - Gestão de Nível de Serviço

BSC Corporativo:
Perspectiva Objetivo Indicador Meta Iniciativa

Financeira Aumentar as
Receita originarias Aumentar o volume Criar política de
receita de
das vendas de vendas em 3% comissão agressiva
vendas
ao ano

Cliente Manter elevado 90% de Criar plano de


o nível de Número de satisfação do Comunicação e
satisfação do satisfeitos cliente Pesquisa de
cliente satisfação

Processos Reduzir o tempo Tempo Ciclo da Reduzir o Tempo Melhorar os processos


Internos de Ciclo da Cadeia de Valor Ciclo da Cadeia críticos do Ciclo da
Cadeia de Valor de Valor em 20% Cadeia de Valor
dos produtos
chaves

Aprendizagem Desenvolver 100 % dos Criar programa de


e competências Quantidade de profissionais Treinamento e
Crescimento estratégicas profissionais treinados Desenvolvimento

Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)


Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 2009 58
Desenvolvendo o BSC para Gestão de Nível de Serviço:
BSC para Gestão de Nível de Serviço
Passos para definição do BSC

1
SLA Aplicado ao Negócio

Definição de Visão e Missão

2 A Visão e Missão são geram os


temas estratégicos

3 Os temas estratégicos desdobram


em objetivos estratégicos

4
Definição do Mapa Estratégico

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 59


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Desenvolvendo o BSC para Gestão de Nível de Serviço:
1
Declaração de Visão e Missão:
SLA - Gestão de Nível de Serviço

VISÃO (da empresa):


Ser uma empresa de classe mundial1.

Definição da Visão:
Ser excelente nos serviços

MISSÃO (da empresa):


Fornecer soluções acessíveis e confiáveis para conectar pessoas, instituições e
negócios, no Brasil e no mundo.

Definição da Missão:
Manter excelência na qualidade dos serviços que sustentam as soluções.

1 - O que é uma empresa Classe Mundial?


A expressão é utilizada para caracterizar que uma empresa está entre as melhores do mundo em gestão organizacional, independentemente de
adotar um modelo já conhecido ou criar o seu próprio. São organizações que se destacam pelas suas práticas e respectivos resultados,
promovem interna e externamente a reputação da excelência dos produtos e serviços que oferecem, contribuem para a competitividade do País
e, de alguma forma, para a melhoria da qualidade de vida da sociedade.

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 2009 60


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Desenvolvendo o BSC para Gestão de Nível de Serviço:
1

As Perspectivas de Valor:
SLA - Gestão de Nível de Serviço

Para alcançarmos nossa visão, Para alcançarmos nossa


que resultados devemos visão, que valor percebido
gerar para os stakeholders ? Financeiro devemos gerar para os
clientes ?

Gestão de Nível Estratégia


de Serviço Cliente interno
( Visão e Missão)

Para satisfazermos
os clientes internos,
em que serviços Para alcançarmos nossa visão,
Fornecedor quais fornecedores devemos
deveremos alcançar
e excelência na qualidade ? ter ?

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 2009 61


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Desenvolvendo o BSC para Gestão de Nível de Serviço:
2 3
Os objetivos Estratégicos e Temas Estratégicos:
SLA Aplicado ao Negócio

Os objetivos Estratégicos derivam dos Temas Estratégicos


Perspectivas: Objetivos Estratégicos:

- Valor agregado para negócio


- Margem de contribuição no resultado
Financeira financeiro
- Retorno sobre os investimentos

Temas Estratégicos: - Valor agregado para cliente


Cliente - Valor percebido pelo cliente interno
- Agregar valor para o negócio interno - Nível de Satisfação do Cliente
- Tempo atendimento aos requisitos do cliente
- Agregar valor para o cliente interno
Gestão de - Qualidade dos Serviços
- Nível de Satisfação do cliente
Nível de - Nível de relacionamento com cliente
Serviço - Identificação das necessidade dos clientes
- Excelência na Gestão de Nível de
Serviço
- Manter parcerias de negócio
- Ter os melhores fornecedores e
parceiros de negócios
Fornecedor - Alto Desempenho de Fornecedores
- Gestão de Fornecedores

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 62


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Desenvolvendo o BSC para Gestão de Nível de Serviço:
4
Exemplo de Mapa Estratégico:
SLA - Gestão de Nível de Serviço

BSC Gestão de Nível de Serviço:


Perspectiva Objetivo Indicador Meta Iniciativa

Aumentar o valor Receita originarias Aumentar o volume


Melhorar a qualidade
Financeira agregado para das vendas de de vendas em 3%
dos serviços
o negócio serviços ao ano

Número de
Manter elevado 96% de Criar plano de
Cliente satisfeitos /
o nível de satisfação do Comunicação e
Número total
interno satisfação do
clientes
cliente Pesquisa de
cliente satisfação

Manter elevado
100% de qualidade Melhorar o processo
Gestão de o nível de Nível de qualidade
dos serviços de Gestão de Nível
qualidade dos dos serviços
Nível de serviços que que suportam as
que suportam as de Serviço
Serviço soluções
suportam as soluções
soluções
Desenvolver 100 % de
Criar programa de
Fornecedor parcerias de Quantidade de parcerias para os
Relacionamento e
negócio para todos parceiros de serviços que
Parcerias para
serviços que negócio suportam as
fornecedores
suportam soluções soluções

Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)


Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 2009 63
SLA Aplicado ao Negócio

Terceirização e Aspectos legais e o Acordo de Nível de


SLA
Introdução a Terceirização
Definição de Terceirização
Terceirização e seus Principais Riscos
Mitigação de Riscos da Terceirização
Elaboração e Interpretação de Cláusulas do Contrato
Elaboração dos anexos de SLA e SLM
Como Gerenciar Contratos de Prestação de Serviço
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 64
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Introdução a Terceirização:

A terceirização ou outsourcing é usada em larga escala por grandes e médias empresas.


Esta prática visa principalmente a redução de custo.

Apesar das várias vantagens, a Terceirização deve ser praticada com cautela. Uma má
SLA Aplicado ao Negócio

gestão de terceirização pode implicar para as empresas um descontrole e


desconhecimento de sua mão-de-obra, a contratação involuntária de pessoas
inadequadas, perdas financeiras em ações trabalhistas movidas pelos empregados
terceirizados, dentre outros problemas.

O processo de terceirização em uma empresa deve levar em conta diversos fatores de


interesse, tais como a redução de custos e principalmente o foco na sua atividade-fim.
Existe risco ao atrelar a terceirização somente à redução de custo, pois, a grande
probabilidade de queda de qualidade dos serviços.
A terceirização precisa estar em conformidade com os objetivos estratégicos da empresa,
os quais irão revelar em que pontos ela poderá alcançar resultados satisfatórios.

O que não se deve terceirizar? O princípio básico é que não se terceirize a sua atividade-
fim. Mesmo na atividade-meio, só é permitido terceirizar quando não houver subordinação
hierárquica, ou seja, locação de mão de obra é ilegal.

A atividade-fim de uma empresa é a razão de existir dessa empresa. Dentro do serviço


público, têm-se exemplos de terceirizações satisfatórias, como é o caso dos serviços de
copa. Nestes casos, a terceirização é indicada pois a atividade-fim do serviço público não
é a copa.
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 65
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Definição de Terceirização:
Definição de Terceirização:
Terceirizar é entregar a terceiros atividades não essenciais da empresa. A
empresa tomadora (a que irá terceirizar alguma atividade meio) contrata um
prestador de serviços para executar uma tarefa que não esteja relacionada o seu
objetivo principal (atividade fim).
SLA Aplicado ao Negócio

Exemplos de terceirização:
Um Banco pode terceirizar os serviços de limpeza, recepção, segurança
patrimonial, transporte de valores e desenvolvimento de software (programas de
computador). Pois, nenhum deles representa a atividade fim do Banco.

A principal vantagem para quem pratica a terceirização é focar no seu “core


business” (atividade fim) da empresa e uma outra vantagem é a redução de
custos.

SLA, como instrumento na Gestão de Fornecedores:


O Acordo de Nível de Serviço é um excelente instrumento para avaliação de desempenho
do fornecedores (terceiros). Este acordo deve ser utilizado na Gestão de Fornecedores

No SLA deve ser definido a qualidade de serviço esperada, contudo, o SLA deve fazer
parte do Contrato de Prestação de Serviço, como um anexo, por exemplo.

Pois, o relacionamento entre da empresa contratada (terceirizada) com a contratante dar-


se-a através de um Contrato de Prestação de Serviço formal
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 66
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Principais Riscos da Terceirização:
Embora o uso da terceirização tenha como objetivo focar a empresa na sua
atividade-fim, na verdade o mercado em geral busca a redução de custos.
Seguem algumas riscos inerentes a terceirização:
SLA Aplicado ao Negócio

1. Terceirizar atividade fim;

2. Terceirizar com gestão interna;

3. Responsabilidade solidária;

4. Passivo trabalhista;

5. Pessoalidade na prestação de serviço;

6. Queda no nível de qualidade do serviço;

7. Perda de conhecimento do negócio;

8. Custos invisíveis da gestão .

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 67


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Mitigação de Riscos da Terceirização:
Seguem algumas dicas que podem mitigar os riscos da terceirização:

1. Definir objeto da contratação, os objetivos, critérios, qualidade dos


serviços, forma de aferição e penalidades no Contrato de Prestação
de serviço;
SLA Aplicado ao Negócio

2. Existir um contrato formal o escrito com a prestadora de serviços;

3. Verificar a idoneidade da empresa contratada;

4. Evitar contratação de empresa para prestar serviços de caráter habitual (rotineiro);

5. Estabelecer rotatividade entre os funcionários da contratada;

6. Exigir comprovação da contratada de que está regular com o recolhimento dos tributos
e encargos trabalhistas dos funcionários;

7. Procurar diferenciar os empregados da contratada dos da empresa contratante através


de uniformes ou identificação (crachás) próprios;

8. Nunca utilizar os funcionários da contratada para tarefas diversas daquelas previstas


no contrato;

9. É aconselhável que a contratada possua outros clientes, evitando-se a exclusividade.

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 68


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Elaboração e Interpretação de Cláusulas do Contrato:
Seguem algumas dicas na elaboração do Contrato de Prestação de Serviço:

1 - Definir de forma clara e o objetiva o objeto do contrato;

2 - Definir as penalidades pelo não cumprimento do contrato e pela “quebra” do nível de


SLA Aplicado ao Negócio

serviço;

3 – É importante adicionar clausulas que permitam o contratado realizar auditoria no


contrato, com objetivo de aferir e avaliar a capacidade técnica;

4 – Atenção para a multa e penalidades, pois, podem ocorrer problemas que afetem tão
gravemente as atividades da contratante, que a penalização não seja suficiente para
ressarci-la dos prejuízos sofridos;

5 – O período de revisão dos níveis de serviço deve estar definido no contrato;

6 – Lembre-se que todas as clausulas do contratos devem estar em conformidade com


leis e regulamentos;

7 – O Acordo de Nível de Serviço deve ser parte do Contrato de Prestação de Serviço


(pode ser um anexo);

8 – Tenho suporte jurídico (Aqui vale o clichê: “Consulte sempre um Advogado”)

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 69


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Como Gerenciar Contratos de Prestação de Serviço:
A melhor forma de gerenciamento é através do
Processo de Gestão de Nível de Serviço ou da
Gestão de Contratos que apóia diretamente a
Gestão de Fornecedores.
SLA Aplicado ao Negócio

O SLA deve ser principal instrumento de avaliação do


desempenho do provedor de serviço e do provedor de
serviço.

O monitoramento é a ferramenta principal para


acompanhar a performance dos serviços, ajudar a
mitigar os riscos e fazer melhoria contínua.

Uma forma interessante de gerenciar é definir o papel


de dono do serviço. O dono é responsável por prestar
conta do resultado do serviço.

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 70


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
SLA Aplicado ao Negócio

Extra: Técnicas de Gestão Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 71


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Técnica: Benchmarking
Introdução:
Quando a empresa tem o objetivo a líder do seu segmento
ela também tem que se preocupar com o desempenho dos
concorrentes.
Como saber se desempenho dos processos da minha empresa
são os melhores ?
SLA Aplicado ao Negócio

Qual será o desempenho dos meus concorrentes ?


O benchmarking é a ferramenta que me ajuda a responder
estas questões.
Definição:
Benchmarking:
O benchmarking é definido com um “processo contínuo e sistemático de avaliação de produtos, serviços e
métodos em comparação aos concorrentes mais sérios e aos das empresas reconhecidas como líderes”(1)
Benchmark:
É uma medida. uma referência ou medida-padrão para a comparação; nível de performance reconhecido
como padrão de excelência para um processo de negócio específico

Benchmarking interno: Benchmarking Funcional:


É a comparação entre as operações ou serviços É a comparação entre empresas com processos
Tipos

similares dentro da própria empresa, não semelhantes em uma função ou atividade do


necessariamente no mesmo local. mesmo segmento. Exemplo: Serviços de
Exemplo: Comparação entre plataformas, distribuição e logística.
Unidades Regionais e etc
Benchamarking Genérico:
Benchmarking competitivo: É a comparação de processos com empresas de
É a comparação com os melhores concorrente classe mundial. As empresas podem estar em
(exemplo: líder do segmento) externos. segmento diferentes mas devem possuírem
processos similares
1 – D. T. Kearns, Xerox Corporatiob

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 72


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Técnica: PDCA
O PDCA (conhecido também como ciclo de Deming) tem por objetivo a aplicação do ciclo
de melhoria continua de um processo.
SLA - Gestão de Nível de Serviço

O PDCA é dividindo-a em quatro principais fases:

PLAN: (planejar) Planejar e estabelecer qual são os


objetivos, procedimentos e atividades necessárias
para o alcançar os resultados (as metas).

DO: (Executar) Realizar, execução das atividades. Planejar Executar


Plan DO
CHECK: (Verificar) Monitorar e avaliar os resultados,
periodicamente comparando-os com os resultados Agir Verificar
planejado. Act Check

ACT: (Agir ou Ação) Agir para que o resultados sejam


alcançados, para que os processos sejam
melhorados. Elaborar novos planos de ação, de forma
a melhorar a qualidade, eficiência e eficácia.
Aprimorando a execução e corrigindo eventuais falhas.

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 2009 73


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Diagrama de Causa-Efeito
O Diagrama de Ishikawa (Diagrama de Causa-Efeito ) é utilizado quando necessitamos
identificar, explorar e ressaltar todas as causas possíveis de um problema ou de uma
situação específica. Podemos usá-lo na classificação de um processo, na identificação de
causas de um problema, na identificação de recursos de um processo, etc.
SLA Aplicado ao Negócio

Embora possa ser utilizada individualmente, a principal qualidade do Diagrama de Causa-


Efeito é sua capacidade de orientar a discussão em grupo, estimulando a participação de
todos e conduzindo os participantes a identificar as causas ou os fatores responsáveis por
um problema ou situação (efeito). Permite a organização das idéias e sua visualização
agrupada, destacando as áreas mais significativas.

Matéria Recursos
Prima Humanos

Matéria-Prima Falta de
de baixo custo Capacitação
Problemas com
Fornecedor Desmotivação
Produto com
Baixa
Falhas no PCP Qualidade
Falha na
Equipamento inspeção
com problema e ensaios

Inspeção e
Produção
Ensaios

Causas Efeito
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 74
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Técnica: 5W2H
O 5W2H é uma técnica/ferramenta simples, porém eficiente para o planejamento, formado
por um conjunto de sete colunas (uma planilha ou relatório por colunas), cada uma delas
encabeçada por um título (em inglês, na sua origem):
SLA - Gestão de Nível de Serviço

Inglês Português Comentário


What? O quê? O que é a atividade ? O que é assunto? assunto?
O que deve ser medido?
Who Quem? Quem executa a atividade ou operação? Quem a equipe responsável?
Quem depende da execução da atividade?
A atividade depende de quem para ser iniciada?
Where Onde (local) Onde a atividade será realizada? Em que lugar? Onde serão feitas as
reuniões presenciais da equipe?
Why Por quê? Por que a atividade é necessária? Ela pode ser omitida? Por que A, B
e C foram escolhidos para executar essa atividade?
When Quando Quando será feito (data)? Quando será o início da atividade? Quando
será o término? Quando serão as reuniões presenciais?
How Como Como atividade será executada? De que maneira? Como acompanhar
o desenvolvimento dessa atividade? Como A, B e C vão interagir para
executar essa atividade?
How much Quanto (Quanto custa) Quanto custa a execução da atividade ? Quanto custa a operação
atual? Qual é a relação custo x benefício?

A 5W2H é uma ferramenta prática que permite, a qualquer momento, saber os dados
mais importantes de um projeto. Os pontos importantes sobre o projeto e cada atividade
teremos que definir.

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 2009 75


Técnica: 5W2H
Exemplo:
O Quê? Quem? Onde? Por Quê? Quando? Como? Quanto?
SLA - Gestão de Nível de Serviço

Construir o Facilitadores e Entendimento Realização de


Sala de
mapa de Analista de do negócio 12/02/2008 Workshops R$ 1800,00
reuniões
relacionamento Negócio
Comprar uma Melhorar o Solicitação de
ferramenta de Projetos controle e Compras
gestão de Compras Solutions produtividade 10/02/2008 R$ 14.000,00
projetos (fornecedor) da equipe de
gestão
Gerenciamento Mensurar a Acompanhamento
Sala de Reuniões
do processo Coordenador efetividade do semanal 0
reuniões semanais
processo

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 2009 76


Quer Mais
Gostou quer mais, gostaria de receber outros materiais sobre o mesmo tema e novas versões deste
material...
Envie um e-mail para com subject: “Quero entrar na comunidade” para rildo.santos@etecnologia.com.br
que te enviaremos um convite para participar da nossa comunidade
SLA Aplicado ao Negócio

http://etecnologia.ning.com/
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 77
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
SLA Aplicado ao Negócio Treinamento de SLA Aplicado ao Negócio

Este material é parte do Worshop SLA Aplicado ao Negócio, se você


ficou interessado entre contato conosco: Rildo Santos
rildo.santos@etecnologia.com.br.
Este treinamento também pode ser personalizado para seu negócio.
Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 78
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
SLA Aplicado ao Negócio Nossos Serviços de Consultoria:

Negócio: Tecnologia: Desenvolvimento de Software


- Implementação de Planejamento Estratégico - Implementação de Fábrica de Software
- Implementação de Gestão da Inovação - Implementação de SCRUM
- Mapeamento, Modelagem e Melhoria de - Agile Coach
Processo - Avaliação de Maturidade do processo de
- Implementação do SLM/SLA aplicado a desenvolvimento de software (Mps.br e CMMI)
negócio - Desenvolvimento de software para dispositivos
- Implementação de escritório de processos móveis (Celulares)

Sustentabilidade Gestão de Processos Agile


Ambiental Inovação

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 79


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
SLA Aplicado ao Negócio Nossos Treinamentos:

Cursos e Formação Profissional:

- Gestão da Inovação

- Inovação e Sustentabilidade

- Preparatório para a Certificação de Analista de Negócio (CBAP)

- Formação Analista de Processo de Negócio (Mapeamento, Modelagem e Melhoria de Processo) com


BPMN;

- Formação Engenharia de Software Ágil

- SLA Aplicado ao Negócio

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 80


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Sobre o autor: Rildo F. Santos
Coach e Consultor de Gestão de Negócios, Inovação e Tecnologia para a Gestão 2.0, a Gestão Ágil.

A Gestão Ágil ajuda as empresas a responder mais rápido as demandas de negócio e mudanças. A Gestão 2.0, abrange
Planejamento Estratégico, Gestão por Processos Ágeis, Gestão de Projetos Ágeis, Tecnologia da Informação (Métodos
Ágeis), Inovação e Liderança.

Minha Experiência:
SLA Aplicado ao Negócio

Tenho mais de 10.000 horas de experiência em Gestão de Negócios, Gestão de Inovação, Governança e Engenharia de
Software. Formado em Administração de Empresas, Pós-Graduado em Didática do Ensino Superior e Mestre em Engenharia
de Software pela Universidade Mackenzie.

Fui instrutor de Tecnologia de Orientação a Objetos, UML e Linguagem Java na Sun Microsystems e na IBM.

Conheço Métodos Ágeis (SCRUM, Lead, FDD e XP), Arquitetura de Software, SOA (Arquitetura Orientado a Serviço),
RUP/UP - Processo Unificado, Business Intelligence, Gestão de Risco de TI entre outras tecnologias.

Sou professor de curso de MBA da Fiap e fui professor de pós-graduação da Fasp e IBTA.

Possuo fortes conhecimentos de Gestão de Negócio (Inteligência de Negócio, Gestão por Processo, Inovação, Gestão de
Projetos e GRC - Governance, Risk and Compliance), SOX, Basel II e PCI;
E experiência na implementação de Governança de TI e Gerenciamento de Serviços de TI. Conhecimento dos principais
frameworks e padrões: ITIL, Cobit, ISO 27001 e ISO 15999;

Desempenhei diversos papéis como: Estrategista de Negócio, Gerente de Negócio, Gerente de Projeto, Arquiteto de Software,
Projetista de Software e Analista de Sistema em diversos segmentos: Financeiro, Telecomunicações, Seguro, Saúde,
Comunicação, Segurança Pública, Fazenda, Tecnologia, Varejo, Distribuição, Energia e Petróleo e Gás.

Possuo as certificações: CSM - Certified SCRUM Master, CSPO - Certified SCRUM Product Owner , SUN Java Certified
Instrutor, ITIL Foundation e sou Instrutor Oficial de Cobit Foundation e Cobit Games;

Sou membro do IIBA-International Institute of Business Analysis (Canada)

Onde estou:
Twitter: http://twitter.com/rildosan
Blog: http://rildosan.blogspot.com/

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 81


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
Notas:
Marcas Registradas:
SLA - Gestão de Nível de Serviço

Todos os termos mencionados e reconhecidos como Marca Registrada e/ou comercial são de
responsabilidade de seus proprietários. O autor informa não estar associada a nenhum produto e/ou
fornecedor apresentado neste material. No decorrer deste, imagens, nomes de produtos e fabricantes
podem ter sido utilizados, e desde já o autor informa que o uso é apenas ilustrativo e/ou educativo, não
visando ao lucro, favorecimento ou desmerecimento do produto/fabricante.

Melhoria e Revisão:

Este material esta em processo constante de revisão e melhoria, se você encontrou algum problema
ou erro envie um e-mail nós.

Criticas e Sugestões:

Nós estamos abertos para receber criticas e sugestões que possam melhorar o material, por favor
envie um e-mail para nós.

Imagens:
Google, Flickr e Banco de Imagem.

Rildo F dos Santos (rildo.santos@etecnologia.com.br)

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 2009 82


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
SLA Aplicado ao Negócio Licença:

Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0 83


Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)
SLA Aplicado ao Negócio

Rildo F Santos
rildo.santos@etecnologia.com.br
rildo.santos@companyweb.com.br

Twitter: @rildosan
Blog: http://rildosan.blogspot.com/

SLA aplicado ao negócio


As melhores práticas para Gestão de Serviços Todos os direitos reservados e protegidos © 2006 e 20’0
Versão 48 Rildo F Santos (rildo.santos@ etecnologia.com.br)