Você está na página 1de 12

Publicação trimestral da Associação Internacional d@s Trabalhador@s – Secção Portuguesa

Começa a farsa judicial


Contra quem nos explora e tenta dividir!
contra os 11 processados do
Contra toda a opressão! 25 de Abril de 2007
No passado dia 7 de Dezembro, num tribunal
completamente ocupado pela polícia, começou o
julgamento das onze pessoas detidas na “manifestação
anti-autoritária contra o capitalismo e o fascismo” de 25
de Abril de 2007. Estas onze pessoas são acusadas de
“agressões, injúrias agravadas e desobediência civil” e
podem ser condenadas a penas entre os 6 meses e os 5
anos de prisão.
(página 12)

Contra a ilegalização da FAU-Berlim:


Solidariedade sem fronteiras!

(página 9)

De olhos postos na Grécia


A 24 de Fevereiro, os sindicatos gregos declararam a
greve geral. Não se trata propriamente de combater o
programa de austeridade do Governo, mas antes de
mostrar serviço perante uma classe trabalhadora
exasperada e que, se não vir uma resposta às medidas do
Constituição do Sindicato de Governo da parte dos sindicatos oficiais, passará a
considerá-los inúteis.
Ofícios Vários da AIT-SP no Porto (página 5)

A partir do núcleo portuense da AIT-Secção Portuguesa, foi


constituído o Sindicato de Ofícios Vários da AIT-SP no Porto, uma Julgamento dos anarquistas de Belgrado
iniciativa sindical feita por trabalhadores, sem funcionários
sindicais, onde as decisões são tomadas nas assembleias de Os seis companheiros foram
afiliados, um sindicato anticapitalista, de acção directa e de luta
social: um sindicato anarco-sindicalista!
libertados!
(página 10)
(comunicado do SOV na página 3)

XXIV Congresso da AIT


Contra o despejo do CCL! em Porto Alegre – Brasil
O Centro de Cultura Libertária, espaço anarquista existente há O XXIV Congresso da AIT realizou-se nos dias 4, 5 e 6
35 anos em Cacilhas, encontra-se ameaçado de despejo pelo de Dezembro de 2009 na cidade de Porto Alegre, estado
proprietário. do Rio Grande do Sul, Brasil, com a presença de
O CCL é um dos raros locais anarquistas que se mantém em praticamente todas as secções da AIT, incluindo a
Portugal, único pela sua longevidade e pelo papel de preservação portuguesa. A organização do Congresso ficou a cargo da
da memória histórica libertária que desempenha, mas também COB (Confederação Operária Brasileira) e podemos
pela ligação afectiva que gerou em várias gerações de anarquistas, afirmar que decorreu num bom clima de amizade e
que nele encontraram um espaço de aprendizagem, de companheirismo, numa boa experiência de auto-gestão e
experimentação e divulgação das suas ideias. solidariedade mútua.
(página 3) (página 10)

Nº 34 € 0.50 Janeiro - Março 2010


Página 2 Associação Internacional d@s Trabalhador@s – Secção Portuguesa

metade dos trabalhadores e o pagamento derrota, imediata ou a prazo, dos


de parte das indemnizações a que teriam trabalhadores, face ao patronato.
direito, segundo o valor de venda de
património da empresa. Agora que o novo Ovar – 20 trabalhadores da
“plano” prevê despedir muito mais SoukShoes no desemprego:
trabalhadores, se não a totalidade, para
Cristina Moreira, delegada sindical, este encontraram a fábrica
“plano” é inaceitável, mas “ainda se fosse encerrada ao regressar de
meio por meio...”. É bem claro que a férias
posição defensiva do “do mal o menos” 20 trabalhadores da SoukShoes,
apenas conduz, passo a passo, à derrota fábrica de calçado de São Vicente de
total dos trabalhadores – de facto, a única Pereira, Ovar, ao voltarem das férias de
posição que pode resultar na salvaguarda Natal depararam com a fábrica encerrada.
da já débil situação de quem trabalha é a Segundo apuraram, os outros 20
Vila do Conde – Os recusa liminar de todo e qualquer trabalhadores da empresa foram levados
trabalhadores da ex-Maconde despedimento e a mentalização, desde o pelo patrão para outras instalações, bem
início, para a necessidade de recorrer a
lutam pelo pagamento dos formas de luta mais eficazes (como é o caso
como maquinaria diversa, tendo a fábrica
salários em atraso encetado um processo de insolvência.
da sabotagem ou da greve com ocupação) e Trata-se de mais um caso de encerramento
Os 394 trabalhadores da Macvila e à solidariedade entre os trabalhadores. fraudulento duma empresa, que recorre ao
Mactrading (ex-Maconde) exigiram o expediente de fecho puro e simples, de
pagamento dos ordenados em falta (metade Viana do Castelo – A Leoni falência ou de insolvência para reabrir com
do subsídio de Natal e o ordenado de anuncia fecho e despedimento outro nome e os mesmos ou outros
Dezembro), entrando em greve e trabalhadores, por vezes até no mesmo
manifestando-se à porta da fábrica e frente de 599 trabalhadores, a
local onde laborava antes.
à Câmara de Vila do Conde no dia 29 de Regency entra em insolvência
Janeiro. Em Fevereiro, já com o ordenado e despede 174 trabalhadores Sto. Tirso – A Flor do Campo,
de Janeiro também por receber, voltaram a A Leoni, fábrica de cablagens do sector
entrar em greve entre 11 e 15 desse mês. a Tomás Coelho e a Bracara
automóvel sedeada em Neiva, Viana do
Castelo, anunciou o fecho definitivo da fecham ou despedem, com
S. João da Madeira – 185 empresa durante este ano. Depois de já ter salários em atraso
trabalhadores da Oliva com despedido 120 trabalhadores em meados de A Flor do Campo, fábrica têxtil de
salários em atraso e à beira do 2009, prepara-se para lançar no fiação, tecelagem e acabamentos, de S.
desemprego, a partir de Março, os restantes Martinho do Campo, Santo Tirso, continua
desemprego 599 trabalhadores, sem que se preveja parada desde 2006 e, desde então, os seus
A metalúrgica Oliva, do Grupo qualquer esboço de reacção por parte 400 trabalhadores nunca viram pagos os
Suberus, entrou em processo de insolvência destes, que se debruçam agora sobre a ordenados que em Março desse ano já
em Setembro passado e, desde então, acaba proposta de indemnizações da empresa. tinham 3 meses de atraso. Ao longo destes
por pagar os salários mensais A Regency, fábrica têxtil de Vilarelho, anos recusaram as três “soluções”
sistematicamente em atraso, após os Caminha, Viana do Castelo, e principal apresentadas, apadrinhadas pela Segurança
trabalhadores entrarem em greve ou empregadora de todo o concelho de Social, que é a maior credora da fábrica: a
ameaçarem fazê-lo. Em 8 de Fevereiro, dia Caminha, entrou em insolvência em desistência de 85%, 80% e agora 70% dos
em que foi anunciada a paragem total da Dezembro passado, despedindo os seus 174 valores que deveriam receber, e mesmo
produção, os seus 185 trabalhadores ainda trabalhadores, que recorreram ao assim o reembolso seria feito em 10 anos –
não tinham recebido metade do salário de desemprego e se arriscam a não receber as para a grande maioria, seria um reembolso
Janeiro e os subsídios de Natal de 2008 e indemnizações a que têm direito, pois entre 2 ou 3 euros e 10 euros mensais. A
2009. Como forma de luta, os apenas serão pagos com o eventual última proposta de plano de insolvência foi
trabalhadores decidiram concentrar-se dois resultado da venda de património da mesmo aprovada em assembleia de
dias por semana (3as. e 5as.), durante a empresa. Os variadíssimos expedientes credores e a dívida, truncada para 30% dos
manhã, à porta da empresa. Porém, os legais ao dispor das empresas (lay-off, valores efectivamente em falta, começará a
clientes da Oliva estão já a retirar os insolvência, etc) acabam sempre por ser paga em 2011. Toda esta evolução não
moldes das suas peças (caso da Grundig) resultar em prejuízo dos trabalhadores. No surpreende, dado o facto de a Segurança
para desviar as encomendas para outras caso da insolvência da Regency, que faz Social ser detentora duma hipoteca sobre
empresas, tornando-se claro que a única parte da multinacional Raynolds, a vários imóveis da Flor do Campo e agir
maneira de tentar evitar o encerramento empresa fica desobrigada de pagar as como uma vulgar empresa, defendendo os
definitivo da fábrica seria impedir a saída indemnizações aos seus trabalhadores até seus interesses próprios em todo este
de todo e qualquer equipamento... que os tribunais, com a participação dos caso...
trabalhadores enquanto “credores”, A têxtil Tomás Coelho Unipessoal,
Sta. Maria da Feira – A Rodhe decidam o que fazer com a empresa: ou de Vilarinho, Santo Tirso, encerrou em
planeia despedir a maioria (ou “viabilizá-la”, isto é, reorganizá-la à custa finais do ano passado, também com os
a totalidade) dos seus dos seus trabalhadores, actuais ou futuros, salários de Novembro por pagar, atirando
ou declará-la falida, com a nomeação dum com os seus 40 trabalhadores para o
trabalhadores administrador da falência, sendo do desemprego.
A Rodhe, a maior empregadora da conhecimento público que à custa das A Bracara, empresa exportadora de
indústria do calçado em Portugal, de Santa falências se fazem não raras vezes chorudos confecções, de Burgães, Santo Tirso, em
Maria da Feira, apresenta agora novo negócios na hora da avaliação e situação de insolvência desde fins de
“plano de viabilização” que prevê manter distribuição da chamada massa falida. Outubro, despediu no mês seguinte 39
apenas 150 dos seus 984 trabalhadores, e Na prática, a aceitação dos preceitos trabalhadores, aos quais já devia dois
mesmo esses 150 a “recibo verde”. Desde legais definidos no “Código do Trabalho”, meses de salários. Quanto aos
2008 que a Rodhe aplicou sucessivas em lugar da utilização das armas trabalhadores, limitam-se a aguardar pelo
suspensões de trabalho (lay-off) e, em 12 específicas da luta no terreno social, como a desfecho da assembleia de credores,
de Novembro, apresentou o primeiro greve e a ocupação do local de trabalho, prevista para o mês de Fevereiro.
“plano”, que previa o despedimento de redunda sempre, garantidamente, na
Página 3 Associação Internacional d@s Trabalhador@s – Secção Portuguesa

Constituição do Sindicato de Ofícios Vários da AIT-SP no Porto


Trabalhadores/as com e sem trabalho, Organizemo-nos num SINDICATO porque NÃO são os nossos irmãos e
precári@s ou não, da indústria, serviços ou DE OFÍCIOS VÁRIOS* – de ACÇÃO DI- irmãs imigrantes que nos tiram o
comércio: RECTA, de LUTA SOCIAL, ANTICAPITA- trabalho mas SIM as MULTINACIO-
LISTA, autónomo a partidos! NAIS QUE ENCERRAM EMPRESAS
As organizações sindicais, “parceiras
E DESPEDEM GENTE…
da concertação social”
A ACÇÃO DIRECTA é não confiarmos
-Filia-te no S.O.V.* do Porto e ADERE
-Que se sentam à mesa com patrões e mais nos intermediários e ditos “represen-
à AIT.sp (Associação Internacional d@s
governantes para negociar com eles à porta tantes” que sempre nos cobram em votos,
Trabalhadores – Secção Portuguesa)
fechada os nossos interesses nas nossas quotas ou “tachos” a sua “representação”,
costas… mas decidirmos nós próprios, nas nossas - LÊ o “ANARCO-SINDICALISTA” –
-Que têm burocracias e dirigentes pro- assembleias e organizações que criarmos, um jornal conjunto da CNT da Galiza e da
fissionais pagos… AFRONTARMOS DIRECTAMENTE o pa- AIT portuguesa! (Em quiosques da baixa
-Que hesitam em lutar contra a explora- tronato e os seus criados políticos. O BOI- do Porto e nalgumas livrarias)
ção do patronato e a corrupção dos políti- COTE, a CONTRA INFORMAÇÃO, a
cos… GREVE ESPONTÂNEA, a MANIFESTA- UNID@S e ORGANIZAD@S... NÓS
-Que não lutam contra as enormes desi- ÇÃO DE PROTESTO, a OCUPAÇÃO do LO- DAMOS-LHE$ A “CRISE”!!!
gualdades salariais entre gestores e geri- CAL DE TRABALHO – e pô-lo a funcionar
dos… em AUTOGESTÃO (COMO VÊM FAZEN- Porto, 4/01/2010
-Que são dependentes das organizações DO AS OPERÁRIAS DA “AFONSINHO” em
partidárias… Arcos de Valdevez) –, a OCUPAÇÃO dos Contacto:
-Que favorecem sobretudo as categorias ESPAÇOS e ORGANISMOS PÚBLICOS, são TERRA VIVA!
mais bem pagas em vez da maioria mais exemplos de ACÇÃO DIRECTA que vão Rua dos Caldeireiros, 213 – à Cordoaria
mal paga… surtindo mais efeito do que as longas (Quintas, das 19 às 22h)
-Que não unem a luta d@s trabalhado- “negociações”… USÊMO-LA!
res às d@s desempregad@s e do povo mais e-mail: <sovaitporto@gmail.com>
E porque a nossa luta é site: http://ait-sp.blogspot.com
carenciado…
INTERNACIONAL, é a d@s trabalhado-
NÃO NOS SERVEM! res/as explorad@s de todo o mundo… E

Contra o despejo do Centro de Cultura Libertária


O CCL é um dos raros locais anarquistas que se mantém em Portugal, único pela sua longevidade e pelo papel de
preservação da memória histórica libertária que desempenha, mas também pela ligação afectiva que gerou em várias
gerações de anarquistas, que nele encontraram um espaço de aprendizagem, de experimentação e divulgação das suas
ideias.
tudo o que estiver ao nosso alcance para dar gerações de anarquistas, que nele
continuidade ao CCL e para manter o encontraram um espaço de aprendizagem,
espaço que este ocupa há 35 anos. Para tal de experimentação e divulgação das suas
precisamos da solidariedade de todxs xs que ideias.
se revêem no CCL. O Centro de Cultura Libertária
Para já o apoio monetário continua a ser encarregar-se-á de agir a nível local,
muito importante, já que suportamos custos procurando a todo o momento, divulgar e
muito elevados para uma associação que estimular a revolta contra uma situação da
vive apenas das contribuições dos seus qual não somos os únicos alvos.
associados e simpatizantes. O recurso Encorajamos todas as formas de
custou-nos 2.000 euros em honorários do solidariedade dxs companheirxs que
O Centro de Cultura Libertária, espaço advogado e mais 75 euros da “taxa de desejem potenciar a nossa luta noutros
anarquista existente há 35 anos em justiça”. Em caso de perda do recurso, lugares.
Cacilhas, encontra-se ameaçado de despejo poderemos ter de pagar as custas judiciais.
Saúde e Anarquia!
pelo proprietário. Após sentença do A salvaguarda do espólio do CCL, em caso
Tribunal de Almada, emitida no dia 2 de de despejo, dará certamente lugar a novas Centro de Cultura Libertária
Novembro de 2009, foram dados 20 dias ao despesas. 23 de Novembro de 2009
CCL para abandonar as suas instalações. O A motivação do proprietário do prédio é
Centro de Cultura Libertária recorreu desta clara: despejar uma associação que paga Dados da conta bancária do CCL,
decisão do Tribunal, no passado dia 19 de uma renda mensal baixa (52,50 euros) e para donativos:
Novembro, suspendendo a ordem de cujo contrato só pode ser rescindido através
de uma acção de despejo, abrindo assim o Titular:
despejo. CENTRO DE CULTURA LIBERTÁRIA
Agora, aguarda-se a decisão do Tribunal caminho à rentabilização do espaço.
sobre o recurso, que pode anular a decisão O papel do tribunal também é claro: Para transferências em Portugal:
de despejo, levar a um novo julgamento ou defender o interesse dos proprietários e a NIB: 003501790000215493029
reiterar a sentença já emitida. Não se pode propriedade privada, alicerces essenciais Para transferências do estrangeiro:
prever qual será a decisão ou quanto tempo deste sistema baseado na desigualdade e na IBAN: PT50003501790000215493029
esta levará a ser tomada. Sabemos apenas exploração. BIC: CGDIPTPL
que, caso o recurso seja recusado, teremos Actualmente, o CCL é um dos raros
dez dias apenas para abandonar o espaço do locais anarquistas que se mantém em Contacto:
CCL. Portugal, único pela sua longevidade e pelo E-mail: ateneu2000@yahoo.com
O Centro de Cultura Libertária vive papel de preservação da memória histórica Correio: Apartado 40 / 2800-801 Almada /
momentos de absoluta incerteza quanto ao libertária que desempenha, mas também Portugal
seu futuro. Mas uma coisa é certa: faremos pela ligação afectiva que gerou em várias Blog: http://culturalibertaria.blogspot.com
Página 4 Associação Internacional d@s Trabalhador@s – Secção Portuguesa

António Ferreira: uma referência de


dignidade na luta contra as prisões
António Ferreira de Jesus, hoje com 69 anos, 45 deles passados nas prisões portuguesas, tem protagonizado uma
luta inabalável pela sua dignidade, constituindo hoje uma referência ética e um exemplo de dignidade dentro das
prisões para aqueles que não se deixam degradar pelo sistema. Por isso, tem sido vítima de constantes ameaças no seio
das prisões por onde tem passado e de medidas arbitrárias de repressão.
António nasceu em 1940, num meio recebe recorrentes ameaças de morte e sofre Como protesto, António entrou em
familiar pobre. Desde cedo, não se terríveis castigos. greve de silêncio, de sede e de fome.
conformou com a sua situação de pobreza, Imediatamente, iniciou-se uma campanha
Actualmente, António cumpre uma pena
sendo encarcerado pela primeira vez de solidariedade que mais uma vez
desde 1994 por alegado sequestro de um
quando tinha 17 anos. Na prisão, António ultrapassou as fronteiras portuguesas. No
empresário mafioso e está sujeito à
tornou-se num autodidacta, aproveitando o dia 3 de Outubro teve lugar uma
arbitrária e infundada classificação de
tempo de reclusão para ler, estudar e tomar concentração em frente da isolada prisão de
“preso perigoso” atribuída pela Direcção de
maior consciência do mundo à sua volta. Pinheiro da Cruz. No dia 8 de Outubro,
Serviços Prisionais. Além disso, sofre uma
Tornou-se opositor do regime fascista que realizou-se uma concentração de
“pena perpétua” encapotada, uma vez que
vigorou até 1974, o que lhe mereceu a solidariedade na Embaixada Portuguesa em
lhe é negado o cúmulo jurídico das suas
perseguição da PIDE. Em 1973, promoveu Roma. No dia 4 de Novembro, em
penas (acumulação das penas para que o
um assalto à prisão-escola de Leiria, onde Barcelona, um acto cultural promovido pela
total nunca ultrapasse o limite máximo legal
esteve internado na sua juventude, com o Embaixada Portuguesa foi boicotado em
de 25 anos) e lhe é recusado
intuito de libertar todos os presos. solidariedade com António. Muitas cartas,
continuadamente, sem motivo, o direito a
e-mails, faxes e telefonemas de
António Ferreira foi comunista até ao saídas precárias e à liberdade condicional.
solidariedade chegaram às instituições do
início dos anos 80, mas, segundo o mesmo,
Nos últimos meses, António voltou a ser Estado exigindo o cumprimento das
«esses ideais não davam resposta às minhas
objecto de repressão praticada pelas reivindicações de António Ferreira.
inquietações, à minha necessidade de
autoridades prisionais, dando origem a
insubmissão, de permanente busca do valor No dia 9 de Novembro, António Ferreira
demonstrações de solidariedade dentro e
supremo da liberdade. Pouco a pouco fui saiu do isolamento no pavilhão de
fora das fronteiras portuguesas.
chegando às ideias libertárias, ao segurança. António regressou ao regime
anarquismo». Nos poucos momentos de No dia 28 de Setembro, a direcção da normal e à “nova” cela que lhe tinham
liberdade de que desfrutou pôde frequentar prisão de Pinheiro da Cruz ordenou a destinado, porque a direcção da prisão
os meios libertários portugueses e transferência de António para uma nova cedeu às suas principais exigências e
internacionais. cela, onde não há direito a uma luz de prometeu que será transferido em breve
leitura e onde os chuveiros não têm para outro estabelecimento prisional, tal
O seu nome está associado a várias
separação, obrigando os presos a tomar como é seu desejo. Durante este mês e
denúncias e processos judiciais envolvendo
banho sem privacidade. António recusou meio, António esteve 5 dias em greve de
mortes suspeitas de reclusos e actividades
esta transferência e como castigo foi sede, 14 em greve de fome e 8 dias em greve
ilícitas de funcionários e directores transferido para o pavilhão de segurança, de silêncio.
carcerários. Colaborou com associações de
sob o regime 111, submetido à prisão dentro
defesa dos direitos dos reclusos e denunciou da prisão, isolado de toda a gente, sem As pessoas solidárias com António
diversas violações dos direitos humanos e Ferreira demonstraram uma vez mais às
qualquer objecto pessoal, encerrado numa
corrupções. Por isso, a sua permanência autoridades prisionais que António
cela diminuta, com direito a uma só hora de
dentro da prisão implica um risco constante Ferreira, por mais que o tentem calar, não
pátio num espaço mais pequeno que a
para a sua vida, porque desde há muito está nem nunca estará só.
própria cela coberto com uma grade.

Há 212 milhões de pessoas sem Alastra a pobreza em Portugal,


emprego em todo o mundo aumentam os lucros dos bancos

Em seis anos o número de pessoas que necessitaram de


recorrer ao RSI (Rendimento Social de Inserção) quase duplicou
(88 mil famílias em 2004, 152.000 em 2009), o que mostra bem o
alastramento da pobreza em Portugal, país em que pelo menos um
Segundo o relatório Tendências Mundiais do Emprego, quinto da população vive praticamente na miséria.
divulgado pela Organização Internacional do Trabalho em 26 de Contrastando violentamente com esta realidade, soube-se
Janeiro, o número de desempregados atingiu no ano passado 212 agora que quatro dos maiores bancos a operar em Portugal
milhões, o que constitui um máximo considerando os valores da tiveram em 2009 um lucro conjunto igual a nada menos de 4
última década. Como de costume a “crise” é sempre para os milhões de euros por dia: Santander Totta, 523 milhões; BES,
mesmos. 522 milhões; BCP, 225 milhões; e BPI, 175 milhões.
Página 5 Associação Internacional d@s Trabalhador@s – Secção Portuguesa

De olhos postos na Grécia


A 24 de Fevereiro, os sindicatos gregos declararam a greve geral. Não se trata propriamente de combater o
programa de austeridade do Governo, mas antes de mostrar serviço perante uma classe trabalhadora exasperada e
que, se não vir uma resposta às medidas do Governo da parte dos sindicatos oficiais, passará a considerá-los inúteis.
De facto, a ADEDY, confederação em voga, o capital financeiro e a própria restantes PIIGS, sigla que o economês
sindical dos trabalhadores do sector União Europeia, todos exigem um corte na emprega, de forma pouco elogiosa, para
público, já tinha declarado que aceitaria as dívida pública, dos actuais 12,7% para os 3% designar os países mais pobres da Europa
medidas do Governo, contando que o do PIB previstos no Pacto de Estabilidade e ocidental e que, além da Grécia, incluem a
impacto das mesmas não recaísse Crescimento, e isto até 2012. Um corte Itália, a Irlanda, a Espanha e Portugal. Em
unicamente sobre os trabalhadores desse brutal que, nas palavras do Primeiro- breve, todos estes países se poderão ver a
sector. Quanto ao sector privado, a Ministro grego, Georgios Papandreou, “vai braços com uma situação semelhante à
confederação sindical GSEE, com o seu fazer sangue”. É a própria capacidade do grega e, após a crise do subprime, o mundo
milhão de membros, declarou, por sua vez, Estado Grego se financiar que está em causa pode muito bem mergulhar de cabeça numa
que aceitaria as medidas impostas crise dos fundos soberanos, à
apesar de duras “na condição de medida que os governos, crivados
que fossem justas”. Contudo, a de dívidas pelos seus pacotes anti-
greve geral saiu à rua – por um dia. crise, deixarem de as conseguir
À falta de uma vontade real de pagar. Além disso, se a União
lutar, na Grécia como em Portugal, Europeia não mostrar que
é preciso, pelo menos, fingir que se consegue controlar este problema,
luta. é a própria moeda única que fica
posta em causa. Portanto, mais
Um sindicato reformista não foi
uma vez, não se admitem falhas e a
feito para lidar com o género de
Grécia servirá de balão de ensaio
situação que a Grécia enfrenta. O
para o que aí vem. O único entrave
seu papel resume-se apenas a
a estes planos reside no povo grego
contestar aquilo que pode ser
e na sua grande combatividade
contestado, aceitando a existência
social. As medidas do Governo, o
do sistema enquanto um todo e
aumento da idade de reforma para
operando na obediência das suas
os 67 anos, a subida dos impostos,
regras. A lógica interna do
os cortes profundos nos serviços
capitalismo e as suas necessidades
sociais e congelamento ou mesmo
prementes, como este reajuste de e, quem sabe, talvez também a própria redução nos salários no sector público, mas
chofre das contas públicas, não podem ser continuidade da permanência deste país na também no sector privado, com a
postas em causa, pelo que esta luta Zona Euro, assim como a presente conivência sindical, não serão aceites
extravasa em muito as competências da integração do capitalismo grego no mercado pacificamente, como já se pôde ver e resta
burocracia sindical grega. Contudo, os único europeu. É todo um modelo de saber até onde chegará a capacidade de luta
sindicatos sabem muito bem que, se não se desenvolvimento capitalista que se vê da classe trabalhadora grega e quais serão
mexerem, arriscam-se a perder toda a ameaçado e a classe dominante sabe que as consequências finais de tudo isto, que
influência de que ainda dispõem. não pode falhar. É preciso impor estas podem ser bastante profundas.
Do lado do Governo, as pressões são medidas, a todo o custo! Para a UE, é
enormes: as agências de rating, agora tão preciso dar garantias aos mercados José Trindade
financeiros porque, atrás da Grécia, vêm os Março de 2010

Trabalho escravo II
Na continuação de um artigo A representante da instituição e pela decisão de ficar ou ir embora até à data
anteriormente publicado no Boletim monitora do estágio foi ao longo do tempo limite do estágio.
Anarco-Sindicalista, venho com o presente dizendo para eu não procurar trabalho Claro que já se sabe que nestas
artigo denunciar com mais pormenores a porque, sendo o estágio de apoio à situações, depois dos estágios é rua na
situação de exploração laboral de que fui colocação, eu “teria ali o meu futuro” e certa, pois nada há de garantido e trabalha-
alvo. também as “portas abertas”, isto a partir da se só o tempo que se estagiar, e no meu caso
Tendo eu trabalhado no Intermarché de colocação de outra colega em Outubro que trabalha-se e de borla com a promessa de
Vale Figueira (Almada) por meio de um se encontrava nas mesmas condições que eu integração social e laboral, e tudo para
estágio profissional de seis meses, fui por ter uma deficiência física. ajudar pessoas portadoras de várias
mandado embora por, alegadamente, não O Intermarché, por seu lado, tendo-me deficiências e muitas delas graves.
me poderem contratar pois “as vendas a trabalhar de borla (pois era a RUMO que Tudo isto para ajudar e ser “solidário”
caíram”, segundo explicação patronal. me pagava por mês 122 euros), chegando como só a RUMO soube fazer, ela que mais
Acontece que fui colocado no dito aos três últimos dias do estágio informou a do que o Intermarché é a responsável por
estabelecimento por uma Instituição monitora do estágio que não me podiam esta situação vergonhosa que se resume à
Privada de Solidariedade Social que tem contratar (não tinham nada a dizer do meu exploração laboral e mais grave que tudo:
como função ajudar pessoas com trabalho, mas…). de pessoas portadoras de deficiências.
deficiências. Palpita-me que a informação da minha Há que denunciar esta instituição e
Sendo eu portador de duas pequenas “demissão” (digo assim porque eu não era também a loja Intermarché por fazerem
deficiências, uma de motricidade fina e de facto funcionário da loja, mas sim da trabalhar de borla pessoas com as mais
outra de discalculia (falta de raciocínio RUMO por assim dizer) estaria já há muito diversas incapacidades.
matemático, vertente matemática da decidida porque desde há muito que me foi
dislexia) tive o “apoio” da tal instituição de dito pela dita monitora que teria de esperar Miguel Libertad
nome RUMO ligada ao centro de emprego.
Página 6 Associação Internacional d@s Trabalhador@s – Secção Portuguesa

Que credibilidade pode ter uma casta


que ao longo do tempo destrói e atenta
Globalização, crise contra a humanidade e contra o planeta,
gente que gosta do poder e que enjeita a
sociedade?
A democracia como um palco para
A crise do emprego e dos números do políticos de longa duração, que quando se
desemprego ou a falta de trabalho fartarem da democracia serão os primeiros a
assalariado são uma camuflagem para promover outra necessidade de gestão social
situações que perpetuam o desequilíbrio para manter a ilusão social e o poder.
social e económico, mantêm a falsa A história nas suas múltiplas facetas
necessidade de que é preciso um patrão, um assim o demonstra, o poder corrompe e
Estado, uma tutela que governe tudo e permite a exploração de pessoas.
todos. Quando os operadores de call center
Dadas as circunstâncias geopolíticas forem substituídos por programas
actuais é relevante o poder bélico como informáticos e dispositivos electrónicos,
forma de pressão social e de extermínio em apenas restará ir passar cabos e fazer as
massa em benefício de uma sociedade que se ligações enquanto ainda existem cabos,
A transformação e adaptação ao meio afunda no lixo tecnológico e na poluição. porque mesmo esses estão por um fio...
sócio-político caracteriza uma classe que ao A massa social em estado de torrefacção Quando as caixas de supermercado não
longo do tempo (história) construiu uma capitalista garante o lucro futuro dos bancos precisarem de operador, quando a cidade for
malha ou um esquema de duas faces de e dos privilégios da casta política mutante. tão hermética que os edifícios passem a ter
actuação e afirmação que lhe garante o sistemas de auto-limpeza...
poder e o privilégio. Quando existe uma possibilidade social Como irão os capitalistas e governos dos
A evolução tecnológica e científica de autonomia intelectual e produtiva que Estados manter o lucro fácil como até
constrói condições de perfeita alienação escapa ao lucro do capital e dos senhores do agora?
social e comercial, o consumo de que muito Estado, o medo, o conflito, o ódio, são Será que já estão a pôr em prática
se fala nunca foi tão próspero como agora habilmente fomentados e instalados, a dinâmicas subtis de controle e de extermínio
dizem, as migrações humanas estão no seu população é sugestionada por diversos da população mundial, só para garantirem o
auge, em busca de mercado de trabalho, o meios físicos e psíquicos, no pânico surgem futuro?
bendito trabalho apregoado como um como faróis que vão conduzir as pessoas à Resta a reflexão sobre o resultado
direito, mas que trabalho? escravatura democrata que substitui a prático da contestação global a nível laboral,
O trabalho que satisfaz e concretiza o grilheta grega pelo crédito e pela ecológico, social: quem lucra sempre, quem
indivíduo na aplicação do saber e do fazer, necessidade de produtos descartáveis, é explorado.
ou o trabalho que escraviza o indivíduo baratos na produção cada vez mais centrada
retirando-lhe a satisfação do saber fazer em a Oriente. Como se mantêm estes padrões (ladrões)
prol do lucro de um patrão cada vez mais A massificação da indústria no Oriente sociais ao longo da história, até ao homo
global e que se esconde na burocracia ou se acentua a agressão da poluição ao planeta sapiens sapiens?
faz representar por marionetas do poder − Terra contribuindo para um futuro em que
as figuras que querem manter ou adquirir o AA, 18-1-2010
só alguns vão ter oxigénio para respirar.
estatuto de chefe?

necessidades e desejos de quem nelas vive,

Os monárquicos e nós formando uma federação no país e através


da verdadeira liberdade decisória que são as
assembleias locais das comunas e das
indústrias e meios de produção.
Recentemente os monárquicos progressista que operaram em Portugal no Este exemplo de federalismo é sim um
assinalaram os 102 anos do assassinato do século xx, e onde aliás os anarquistas exemplo a ser estudado e aprofundado por
rei D. Carlos e do príncipe herdeiro. Dando tiveram algum papel a desempenhar. quem deseja uma mudança real e um
novamente ar da sua graça, estes senhores No entanto e apesar da classificação de projecto que corte pela raiz e de forma
propuseram novamente a alteração da utopia atribuída ao anarquismo, nós temos profunda e mais realista o que está
constituição para que esta permita a um projecto social, que este sim alteraria actualmente.
restauração da monarquia em Portugal. profundamente as fundações do que é Este sim! Um projecto a considerar e já
Patético e irrealista, este movimento é actualmente um problema para o pais: o com muitas provas teóricas e práticas dadas,
tão reaccionário como o fascista e nem nos sistema político. não com formas milagrosas ou definitivas,
tempos de crise política e, a meu ver, de Longe de propor a substituição da mas sem dúvida uma proposta para andar
regime, a monarquia pode ser um projecto democracia republicana pela monárquica, e para a frente e não como os monárquicos
para o país. ainda pior, pela figura do rei criar um desejam: andar para trás e voltar a subjugar
Desde há muito que os monárquicos se sistema retrógrado e autoritário, dando através da coroa em vez da senhora
querem constituir em força governante, e as assim uma volta atrás e não para a frente, os república, esta que já está gasta, prestes a
suas tentativas mesmo nos tempos de anarquistas desejam destruir os alicerces de comemorar cem anos, e que desde o século
oposição ao Estado Novo não seduziram todo e qualquer sistema político, e têm como vinte até agora e após muitos regimes
ninguém, mesmo no âmbito do derrube da projecto a alteração pela base do sistema autoritários para se travestir, só deu provas
ditadura. social e económico baseado na gestão da subjugação mais ou menos liberal do ser
Agora, ainda pior: uma proposta directa do que é produzido e pela gestão dos humano e precisa de ser destruída, o que só
monárquica não atrai, mesmo em tempo de meios de trabalho. se consegue através de uma profunda
descrédito no sistema político-partidário, Isto sim! Vivendo numa sociedade revolução social anti-política que seja
quem quer que seja, antes se torna patética. industrial e economicamente progressista, também economicamente libertadora e
A monarquia não é solução nem parte de autogerindo-se através de uma sociedade destruidora de todas as formas estatais,
um projecto alternativo ao actual sistema, federalista e descentralizada, tanto através incluindo a monarquia.
antes seria um retrocesso anti-progressista da federação das fábricas e empresas ligadas
que destruiria o que foi conseguido em por ramo igual de actividade, como nas Rui Castro
termos sociais pelas revoluções de tipo comunas autónomas geridas conforme as
Página 7 Associação Internacional d@s Trabalhador@s – Secção Portuguesa

Desemprego
A
lém das mezinhas habituais que os longa duração, que se prolonga para além do de desempregados a subir para os 600 mil,
gabinetes de estatística costumam esgotamento do nosso somítico subsídio de no contexto de um crescimento económico
usar para camuflar o desemprego, desemprego e o impacto do desemprego classificado entre o anémico e o
seja aqui, na Alemanha, ou nos entre os jovens, que, ou não fizeram praticamente nulo que há-de manter-se
EUA – que, por um milagre descontos suficientes, por terem trabalhado durante anos (pelo menos até 2017, segundo
qualquer, tem sempre uma taxa de pouco tempo (a desculpa oficial) ou, o FMI) mas onde, apesar disso, os lucros das
desemprego que é metade da dos seus sobretudo, por se terem visto apanhados nas empresas aumentarão devido “a uma
vizinhos canadianos – temos a registar o malhas do recibo verde ou de um contrato evolução mais favorável da produtividade”,
escândalo recente, aliás rapidamente de trabalho precário. Aliás, os poucos causada sobretudo pelo embaratecimento da
soterrado, de se ter descoberto com empregos que vão aparecendo são quase força de trabalho, fruto de um desemprego
estranheza que, em vésperas de eleições, o sempre precários (e, pelos números tornado estrutural. Se não servir para mais
IEFP(*) fazia cortes no número de oficiais, cerca de 20% da população activa nada, a crise serve, pelo menos, para dobrar
desempregados inscritos praticamente ao trabalha actualmente com um vínculo os trabalhadores, mesmo que o seu espírito
mesmo ritmo com que as novas inscrições precário, número que não fará senão subir, de luta já não seja propriamente grande
entravam e recusava-se a explicar porquê nos próximos tempos) e são também os coisa, como bem sabemos, e até o miserável
(em Junho último a tesourada nas inscrições precários os primeiros trabalhadores a aumento de um salário mínimo – que, para
abrangeu 45.500 inscritos, permitindo isso verem-se despedidos. manter o poder de compra que tinha em
que a variação na taxa de desemprego face 1975, quando foi estabelecido, teria que
ao mês anterior fosse de apenas... 0,1%, ou Por seu turno, a vaga de despedimentos subir para os 560€, em vez dos 450€ que o
seja, praticamente nada). É estranho, não é? colectivos continua, com 4.213 nosso bondoso e caridoso governo
É estranho e é tão português... Isso e o facto trabalhadores despedidos até Novembro “socialista” promete para este ano – acabou
de o INE(*) ter deixado de divulgar o último e mais 10.509 com o processo de posto em causa pelas associações patronais,
chamado Desemprego Corrigido, que conta despedimento em curso, metade dos quais que, para variar, prometeram uma
com os inactivos disponíveis e o no Norte do país, com 5.086 postos de hecatombe económica caso os seus
subemprego visível, categorias de pessoas trabalho ameaçados, seguindo-se-lhe interesses não fossem atendidos.
desempregadas ou subempregadas criadas à Lisboa, com 4.251. Em relação aos números
parte para pouco mais do que poderem ser registados ao longo do ano de 2008, temos Se arranjar trabalho é difícil agora, não
subtraídas ao desemprego “oficial”. O aqui um aumento de 41%, número em linha se tornará mais fácil no futuro próximo. Se o
pretexto? Simplesmente que os seus com o aumento do número de falências, que salário não dá para viver agora, também não
congéneres europeus também já não o subiu 50% no último ano, à medida que o dará para viver daqui a uns anos. O que
faziam... esfarrapado tecido produtivo nacional vai fazer? Uma alma piedosa dá a deixa:
deixando de ter forças para se aguentar e se emigrem. Se formos menos, a taxa do
Outro termo entre aspas: “Recuperação”. desmorona numa espiral de insolvências desemprego sempre baixa. Quod erat
Ora, “Recuperação” à parte, e apesar da que é fruto, tanto das suas próprias demonstrandum. Aí está a resposta do
mesma estar a ocorrer mais rapidamente em debilidades internas, como da crise Capital para os nossos problemas: vão
Portugal do que na União Europeia financeira gerada lá fora e da consequente embora, aqui não têm futuro. Não temos
enquanto um todo, o desemprego cresce na contracção das exportações, fenómeno que NADA para vocês e, mesmo que tivéssemos,
ocidental praia lusitana a um ritmo bem atinge particularmente os têxteis, o a nossa vontade de o partilhar convosco é
superior ao desta última – por vezes o vestuário e a indústria do calçado. As velhas menos que nenhuma. Não há nada para a
dobro, como no terceiro trimestre deste ano indústrias da miséria desaparecem para não nossa geração, nem para as que nos hão-de
face ao anterior (0,5% de variação homóloga serem substituídas por coisa nenhuma; o seguir. Sob o capitalismo, o que nos espera é
na UE para 1,1% em Portugal, o que se desemprego dos operários e operárias, esse, trabalharmos cada vez mais, a troco de cada
traduz em cerca de 59.000 postos de veio para ficar. vez menos e com cada vez menos direitos e
trabalho perdidos), segundo o Eurostat. A podemos ficar seguros de que não há
nova Ministra do Trabalho, recrutada entre As perspectivas não são boas, com a taxa ninguém para nos defender senão nós
as fileiras da burocracia reinante na de desemprego a galgar em Outubro último próprios, mas pôr as coisas nestes termos já
confederação sindical mais afim ao partido a barreira dos 10% e a atingir o seu valor é dar um início de resposta ao problema: a
no poder (para não lhe chamar correia de mais alto desde 1983 – quando o Estado acção directa dos trabalhadores e
transmissão sindical, termo bem mais começou a dar-se ao trabalho de compilar trabalhadoras enquanto único meio de
próximo da realidade), declara, contudo, estas estatísticas – e a posicionar-se num defesa de classe e a revolução social
que segue a situação “com muita atenção”, honroso quarto lugar no ranking europeu, enquanto objectivo derradeiro, ou seja, os
pelo que já podemos, todos e todas, dormir só com a Espanha (19,3%), a Irlanda (12,8%) métodos e os objectivos dos anarco-
muito mais descansados, e isto apesar de e a Eslováquia (12,2%) à frente. No decurso sindicalistas.
(em Maio último) 38% dos inscritos nesse do ano que começa agora, espera-se mais
Instituto do Emprego onde, como já vimos, um sangramento de 65 mil (segundo o José Trindade
as fichas de inscrição têm uma estranha Banco de Portugal) no número daqueles Janeiro de 2010
tendência para desaparecem que, pelo menos, ainda podem dizer que têm - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
misteriosamente, não estarem a receber trabalho – porque poder dizer que o que se (*) IEFP – Instituto do Emprego e Formação
rigorosamente nenhuma prestação social. As ganha dá para viver já é outra história Profissional; INE – Instituto Nacional de
Estatística.
culpas? Atribuem-nas ao desemprego de completamente diferente – com o número
Página 8 Associação Internacional d@s Trabalhador@s – Secção Portuguesa

A maldade humana chama-se governo e capitalismo


O terramoto de Janeiro de 2010 no Haiti*
A 12 de Janeiro de 2010 um terramoto O espectáculo da ajuda humanitária exploração, no roubo e na opressão.
devastou a ilha do Haiti. Mais de 100.000 internacional, escassa e mal coordenada, Objectivo: manter o princípio de autoridade
mortos, milhares de feridos e milhões de esconde a ocupação militar do Haiti pelos e de propriedade das elites dirigentes e
pessoas sem casa, sem barracas. Miséria EUA, que o converterá em mais uma aristocráticas.
sobre miséria. À pobreza da ilha do Haiti colónia, e encobre a responsabilidade
O fim da história não chegou. O
junta-se a acção da natureza. histórica da miséria do povo do Haiti,
ideólogo japonês Fukuyama, que na década
causada pelas potências colonialistas
O determinismo geográfico explica os de 1990 apregoava o fim da história porque
americanas e europeias. Primeiro: ocupar
terramotos e os fenómenos naturais, mas o o capitalismo era a culminação social final,
militarmente o país com mão de ferro;
drama e a tragédia humana, agravados pela viu como em 2009 esse capitalismo se
segundo: fornecer água e alimentos;
acção da Terra, têm a sua causa na acção destruía por si próprio nos seus próprios
terceiro, o mesmo de sempre, o que já é
dos governos colonialistas e locais ao longo dejectos, como essa receita filosófica
histórico: continuar com a exploração e o
da história, que condenaram à miséria e à apoiada pelo capitalismo internacional se
roubo do povo do Haiti.
ditadura o povo do Haiti por ter feito a evidenciava como mais uma montagem
primeira revolta de escravos em 1804, daí a O que é que está a ocorrer no Haiti, para publicitária. O sismo do Haiti faz-nos ver,
condenação colonialista das sucessivas que os governos da América e da Europa só como noutros desastres naturais, que a
potências imperialistas. O povo do Haiti, já possam entregar alimentos com a ocupação acção devastadora da natureza só adquire
castigado desde a conquista por parte da militar? Como viviam milhões de pessoas cariz de tragédia humana se se combina
Espanha em 1492, continuou a sê-lo, mais antes do sismo de Janeiro de 2010, para que com a injustiça e a miséria do capitalismo e
recentemente, pelas ocupações efectuadas agora só seja possível dar ajuda dos governos. Se a civilização e a cultura se
pela França e pelos Estados Unidos da humanitária sob uma grande exibição do combinassem com a acção da sociedade e
América, que deram lugar a ditaduras locais poderio militar imperialista? A razão é bem da Terra, duma forma socialmente justa e
criminosas apoiadas fundamentalmente simples: o povo do Haiti, antes do perseguindo o bem comum, as povoações
pelos EUA. O saque, o roubo, a espoliação, a terramoto e depois do mesmo, foi quem humanas e as suas construções evitariam a
exploração, a injustiça e o assassinato do enterrou os seus próprios mortos, foi quem acção devastadora da natureza. Mas então,
povo haitiano, pelos governos locais e procurou sobreviver, foi quem, na miséria e isto sim, seria o fim, não da história, mas do
colonialistas, fez com que seja um dos no abandono, conseguiu sobreviver a todas capitalismo e dos governos. E então
países mais pobres do mundo e que a sua as adversidades, às da natureza e às mais leríamos a obra de Eliseu Réclus “O homem
população viva na miséria. graves e criminosas dos governos e dos e a terra”.
colonialistas. É esta cultura de auto-
A natureza, nestas condições, também ------------------------
organização e iniciativa da sociedade
actuou duma forma injusta, afectou (*) Artigo escrito por José Luís Velasco e
haitiana que se quer destruir com a
somente os milhões de pobres, aos ricos publicado no nº364, de Fevereiro de 2010, do
ocupação militar, com a mentira de que só
quase não tocou. A distribuição geográfica jornal “cnt”, órgão da Confederação Nacional
se pode dar ajuda humanitária garantindo a
das habitações e a qualidade das mesmas, do Trabalho, secção espanhola da A.I.T.
segurança, mas a segurança de quem e para (traduzido do castelhano por A. Mota).
dos pobres e dos ricos, deixava antever que
quê? Mais uma vez, vamos assistir ao
em caso de terramoto quem mais sofreria
espectáculo dantesco de socorrer um povo
seria o pobre, o já de si desamparado.
para afundá-lo mais na miséria, na

Liberdade imediata para Amadeu Casellas!


Comunicado distribuído, no passado dia 12 de Novembro, em solidariedade com o preso anarquista Amadeu
Casellas, à porta do cinema S. Jorge, em Lisboa, na sessão inaugural do Ciclo de Cinema Espanhol organizado pela
Embaixada de Espanha.
Amadeu Casellas Ramon é um militante foram transcorridos mais de três quartos da Em resposta à repressão sofrida após ter
anarquista espanhol encarcerado há mais pena e que o tempo efectivo de prisão já escrito um comunicado em que identificava
de 23 anos por ter tomado parte numa série superou, inclusive, o máximo permitido por algumas pessoas envolvidas em casos de
de assaltos a bancos com o objectivo de lei (20 anos), Amadeu continua detido. corrupção nas prisões catalãs e exigindo a
financiar lutas anarquistas e operárias na liberdade, Amadeu deu início a uma nova
Em face desta situação, Amadeu
Espanha dos anos 70. greve de fome, a 15 de Julho deste ano. Esta
Casellas tem-se visto forçado a fazer uso,
greve de fome prolongou-se até 21 de
Por denunciar os abusos que ocorrem por diversas vezes, da mais drástica forma
Outubro último, terminando por razões de
quotidianamente no interior do sistema de protesto a que um preso pode recorrer: a
saúde que inviabilizavam, sob risco de vida,
prisional espanhol, e que incluem greve de fome. Em 2008, após uma greve de
o seu prosseguimento.
corrupção, violência sobre prisioneiros, fome que se arrastou durante 77 dias, as
mortes em situações pouco claras, assim autoridades acederam a dar início ao Apesar de se encontrar bastante magro e
como casos de tortura, Amadeu, que processo de libertação, que passaria por enfraquecido, Amadeu está a recuperar bem
pertenceu, nos anos 80, à COPEL diversas fases até culminar numa saída e demonstra-se disposto a prosseguir, uma
(Coordenadora de Presos em Luta), tem precária de três dias, durante a qual vez mais e enquanto for necessário, a luta
sido alvo de uma repressão adicional por Amadeu procuraria encontrar trabalho, até conseguir a sua liberdade. Estamos aqui
parte do sistema carcerário, assim como de podendo de seguida solicitar a aplicação do para demonstrar, tal como tantos outros
ameaças frequentes, tendo sido, por Artigo 100.2, que lhe permitiria uma saída companheiros e companheiras o fizeram em
diversas vezes, submetido ao chamado diária para trabalhar, regressando todas as diversas ocasiões, um pouco por todo o
“Primeiro Grau”, ou seja, o regime de noites à prisão. Seguir-se-ia a esta fase a mundo, a nossa solidariedade e apoio à luta
isolamento, e sujeito a transferências liberdade condicional. Este processo, do anarquista Amadeu Casellas.
constantes. contudo, foi bloqueado sem que houvesse
para isso uma justificação satisfatória e Mais informação em:
Apesar de, segundo a lei espanhola, ele www.llibertatamadeu.blogspot.com
consistente por parte das autoridades.
ter direito à libertação imediata, visto que já
Página 9 Associação Internacional d@s Trabalhador@s – Secção Portuguesa

Contra a ilegalização da FAU-Berlim:


Solidariedade sem fronteiras!
Nos dias 29 e 30 de Janeiro, respondendo a um apelo da FAU (Freie Arbeiterinnen und
Arbeiter Union – secção da AIT na Alemanha), realizaram-se acções de protesto e solidariedade
em pelo menos 52 cidades de 20 países, um pouco por todo o mundo, contra a sentença que
ilegaliza o sindicato de Berlim desta organização anarco-sindicalista. As secções da AIT
envolveram-se activamente nesta luta, continuando a realizar protestos enquanto a sentença
não for revogada, demonstrando que uma agressão a um anarco-sindicalista é uma agressão a
todos os anarco-sindicalistas.

Em Portugal, a secção portuguesa da de comunicação, reivindicações inovadoras actual na Alemanha é semelhante à da


Associação Internacional d@s e de grande alcance, assim como a Turquia, por exemplo, onde os sindicatos
Trabalhador@s desenvolveu vários actos de participação dos próprios trabalhadores na são ilegalizados com frequência. Na
protesto junto de interesses e iniciativas do decisão sobre as suas reivindicações e Alemanha, hoje como ontem, e de novo, os
Estado alemão: na manhã de 29 de Janeiro formas de luta a adoptar (algo muito pouco anarco-sindicalistas vêem-se ameaçados
foi entregue uma carta de protesto na habitual na Alemanha), tiveram uma com uma nova proibição, depois das de
embaixada da Alemanha em Lisboa, mais grande repercussão na opinião pública, não 1914 e 1933.
tarde foi distribuído um comunicado só na capital, mas por todo o país.
Solidarizemo-nos com a FAU e os
informativo à porta do Ciclo de Cinema de Quando a pressão exercida aumentou ao
Expressão Alemã, realizado pelo Instituto trabalhadores em luta na Alemanha!
ponto de os gerentes do cinema não
Goethe (embaixada cultural da Alemanha) Pelo sindicalismo livre e
poderem continuar a negar-se a negociar, revolucionário!
no Cinema São Jorge, em Lisboa; no dia 19 deu-se a intervenção não só de políticos,
de Fevereiro – véspera de uma como também do sindicato Ver.di (sindicato Pela revogação da sentença que
manifestação de protesto realizada pela alemão filiado na central sindical DGB – ilegaliza a FAU-Berlim!
FAU em Berlim – realizou-se uma Confederação de Sindicatos Alemães, de AIT – Secção Portuguesa
concentração e distribuição de comunicados tendência centralista e estatal) que, sem 29/Janeiro/2010
junto da Embaixada da Alemanha em possuir qualquer tipo de representação na
Lisboa; no dia 24 de Fevereiro, o Sindicato empresa, iniciou negociações com o
de Ofícios Vários da AIT-SP realizou uma conselho directivo do cinema Babylon. Os
acção de solidariedade e informação pública trabalhadores, apesar dos seus protestos,
em frente ao Consulado da Alemanha no foram excluídos das negociações.
Porto.
Hoje sabe-se que, por detrás das
Numa secção especial da página web da negociações, houve um pacto estabelecido
FAU podem encontrar-se relatos dos entre os partidos políticos do governo de
protestos e informação actualizada sobre Berlim, o sindicato Ver.di e o conselho
esta luta: www.fau.org/verbot/en/ (em directivo do cinema Babylon para tirar a
inglês). FAU-Berlim do assunto e acalmar a
------------------------ situação. Mas, apesar de tudo, os
Texto do comunicado distribuído: trabalhadores e a FAU recusaram-se a ser
silenciados. A empresa reagiu com vários
Não à ilegalização da ataques jurídicos e o Ver.di com uma
FAU-Berlim! campanha de desprestígio contra a FAU.
Primeiro, os boicotes – uma das principais
No dia 11 de Dezembro de 2009, com o formas de pressão utilizadas pela FAU-
objectivo de atacar a liberdade sindical e o Berlim – foram proibidos por ordem
direito dos trabalhadores e trabalhadoras se judicial e colocou-se em dúvida a Concentração na Embaixada da Alemanha em
auto-organizarem de forma independente, Lisboa – 19/02/2010
“capacidade para negociar acordos” da FAU
foi emitida uma sentença judicial proibindo (na Alemanha este é um pré-requisito para
a actividade sindical da FAU-Berlim, poder legalmente protagonizar lutas
sindicato berlinense da FAU, filiada na sindicais). Ao mesmo tempo, foram
Associação Internacional dos movidos outros processos em tribunal
Trabalhadores, a organização internacional contra a FAU relacionados com a liberdade
de sindicatos anarco-sindicalistas. de expressão. Mas a FAU não se deixou
Esta sentença teve origem no conflito amedrontar, o que levou a esta sentença do
que a FAU-Berlim e a sua secção sindical tribunal, que basicamente ilegaliza a FAU
mantêm desde Junho de 2009 com o enquanto sindicato.
cinema Babylon, o único cinema semi- A decisão judicial é especialmente
privado de Berlim. Desde essa altura, os escandalosa pelo facto de ser proferida num
trabalhadores do Babylon vêm lutando por processo sumário, sem qualquer
um contrato colectivo de trabalho. Apesar possibilidade de defesa. Isto deve-se
deste cinema ser financiado com subsídios sobretudo à capacidade que, na Alemanha,
públicos, os seus trabalhadores recebem o poder estatal e os grandes sindicatos, que
salários de miséria e não vêem os seus geralmente colaboram com o patronato,
direitos laborais serem respeitados. Uma têm para decidir quem pode e quem não
parte importante dos trabalhadores pode constituir-se como sindicato.
organizou-se na FAU-Berlim. A utilização Os sindicalistas e os trabalhadores em
pelos trabalhadores dos métodos e meios de geral tinham, na realidade, mais direitos
acção próprios do anarco-sindicalismo, um com o Kaiser no século XIX e nos anos 1920 Acção no Consulado da Alemanha no Porto –
boicote muito eficiente e presente nos meios do que nos tempos actuais! A situação 24/02/2010
Página 10 Associação Internacional d@s Trabalhador@s – Secção Portuguesa

Começou o julgamento dos anarquistas de Belgrado:


Os seis companheiros foram libertados!
No dia 17 de Fevereiro, teve início o julgamento dos seis anarquistas de Belgrado detidos desde Setembro passado.
As acusações de “terrorismo internacional” – punível com penas até 15 anos de prisão – foram retiradas e serão
substituídas por outras de menor gravidade, na próxima sessão a realizar no dia 23 de Março. Foi determinada a
libertação sob fiança dos companheiros, após mais de 5 meses de prisão. Dentro e fora do tribunal, várias centenas de
pessoas manifestaram a sua solidariedade, tendo sido detidos dois companheiros por mostrarem cartazes de
solidariedade. Ivan Savic, um dos companheiros processados, revelou ter sido torturado na prisão e forçado a assinar
uma confissão.
Tadej Kurepa, Ivan Vulović, Sanja Belgrado. Também se verificou uma grande de “terrorismo” seriam retiradas e
Dojkić, Ratibor Trivunac, Ivan Savic e cobertura mediática do julgamento. substituídas por outras menos graves.
Nikola Mitrovic – membros e colaboradores
Apesar de a sala destinada ao Na sessão pública realizada após a
da ASI (Iniciativa Anarco-Sindicalista –
julgamento ser bastante ampla, as audiência, os companheiros recém-
secção da AIT na Sérvia) – foram detidos no
autoridades tentaram restringir ao máximo libertados informaram os presentes acerca
início de Setembro de 2009 e acusados de
a entrada de companheiros solidários. À dos maus-tratos recebidos na prisão. Ivan
atirar um cocktail molotov contra a
entrada da sala da audiência, dois Savic foi mesmo torturado e forçado a
Embaixada da Grécia em Belgrado, em
companheiros – um de nacionalidade assinar uma confissão.
solidariedade com a luta pela libertação do croata e outro de nacionalidade
anarquista grego Theodoros Iliopoulos. Apesar da libertação dos companheiros
Sérvia/Austríaca – foram detidos por
a luta ainda não terminou. É necessário
Desde então desenvolveu-se um afixarem um cartaz com a frase
continuar a pressionar o Estado Sérvio até
movimento de solidariedade que realizou “Anarquismo não é terrorismo”. Os detidos que todas as acusações que pendem sobre
protestos em mais de 25 países. Vários permaneceram vários dias na prisão, os
os seis anarquistas de Belgrado sejam
sectores críticos da sociedade sérvia seus passaportes foram apreendidos e retiradas.
solidarizaram-se com os anarquistas aguardam agora julgamento por
detidos e condenaram a repressão “perturbação da justiça”, sem se poderem A próxima sessão do julgamento realiza-
protagonizada pelo Estado Sérvio, ausentar da Sérvia. se a 23 de Março. Para o próximo 25 de
conduzido por forças nacionalistas e pró- Fevereiro está já agendado um dia de acção
Os seis processados prestaram
fascistas. internacional em solidariedade com os
declarações durante mais de sete horas. Por companheiros sérvios.
No tribunal onde os companheiros volta das 15.30 ouviu-se um grande alarido
começaram a ser julgados na manhã de dia vindo de dentro do tribunal. Acabava de ser - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
17 viveu-se um ambiente de grande anunciado que os seis companheiros seriam Artigo redigido com base em informações
solidariedade, manifestada por delegações libertados sob fiança. Mais tarde foram recebidas do Secretariado da AIT e da
de secções da AIT e por anarquistas de toda igualmente informados de que as acusações delegação da CNT-AIT (Espanha) ao julgamento
de Belgrado (http://www.cnt.es/node/1784).
a região dos Balcãs que se deslocaram a

XXIV Congresso da AIT em Porto Alegre


O XXIV Congresso da AIT realizou-se nos dias 4, 5 e 6 de Dezembro de 2009 na cidade de Porto Alegre, estado do
Rio Grande do Sul, Brasil, com a presença de praticamente todas as secções da AIT, incluindo a portuguesa.
Porto Alegre, localizado no centro da cidade, quotidiana do centro da cidade e dos seus
que alberga diversos grupos e associações de habitantes, confrontando-se muitos
cariz cultural. No dia 3 de Dezembro a estereótipos europeístas sobre o Brasil e
recepção aos delegados foi feita com uma sobre a América do Sul. No que concerne a
sessão de capoeira pelo grupo “Angola”, a esse aspecto, tenho a referir que a amizade e
que se seguiu uma apresentação individual o companheirismo demonstrados pel@s
de todos os presentes, finalizando com um companheir@s brasileir@s e o interesse em
jantar de confraternização em que se conhecer as diferenças entre o movimento
aproveitou para nos conhecermos um pouco brasileiro e português são demonstrativos
melhor. Os dias seguintes foram dedicados de que o espírito crítico do anarco-
ao debate e decisões agendadas para o sindicalismo, e do anarquismo, tem
Congresso. No final do primeiro dia há a capacidade de criar raízes na sociedade.
A organização do Congresso ficou a registar o debate sobre o movimento Temos em comum a necessidade de criar
cargo da COB (Confederação Operária anarco-sindicalista internacional, que uma cultura anarquista que, aliada aos que
Brasileira) e podemos afirmar que decorreu permitiu a partilha de experiências entre @s se sentem injustiçados e explorados, possa
num bom clima de amizade e companheir@s e aprender com as diferentes esbater as diferenças e a desigualdade entre
companheirismo, numa boa experiência de formas de abordar a luta sindical de cariz os sectores da sociedade que não se revêem
auto-gestão e solidariedade mútua. Os anarquista, tendo o debate se centrado (por neste sistema capitalista e que procuram
companheiros e companheiras brasileiros uma maior facilidade linguística entre as construir, com base nas suas diferenças
demonstraram uma grande amizade e pessoas presentes) nos movimentos em individuais, um verdadeiro movimento
consideração pela secção portuguesa e pelo Portugal, Brasil e Espanha. Durante os dias crítico da sociedade do dinheiro. No geral,
movimento anarco-sindicalista em Portugal, do Congresso esteve ainda em destaque uma foi um Congresso aberto ao debate e
devido a uma história mais próxima em exposição retratando o movimento bastante crítico face à realidade social, em
termos linguísticos e pela partilha teórica e internacional da AIT, em particular no que se saúda a capacidade de partilha
de acção directa que protagonistas de ambos Brasil, cujas raízes já têm mais de 100 anos cultural entre tod@s @s congressistas
os países mantêm desde o princípio do de existência. No último dia houve a presentes que permitiu um excelente
século XIX. O congresso decorreu num oportunidade de conhecer a sede da COB de ambiente entre todas as pessoas.
espaço amplo pertencente a uma associação Porto Alegre e descobrir nas AM
cultural de nome Companhia de Arte de confraternizações após os debates a vida
Página 11 Associação Internacional d@s Trabalhador@s – Secção Portuguesa

Anarco-Sindicalistas e Republicanos - Setúbal na I República


relativamente aos seus princípios e objectivos O autor refere o abstencionismo do
ou mesmo algumas referências históricas, operariado e como esse desinteresse pelas
aspectos estes que não vão ganhar outro tipo eleições levou ao fim da democracia
de esclarecimento ao longo do livro. republicana, no sentido em que, nas eleições
Álvaro Arranja apoia-se, em termos que se realizavam durante a República, a
documentais, na imprensa local da época para transferência de poder não encontrava uma
poder fazer um enquadramento da situação oposição política… Setúbal é um exemplo
político-social de Setúbal (durante o referido perfeito desta dicotomia que irá minar o
tempo histórico), muito embora, acabe por não regime republicano. De um lado, na esquerda
confrontar aspectos que seriam diferentes republicana, um Partido Democrático incapaz
entre cada discurso apresentado. O leitor acaba de estender as mãos aos anseios do
por não ficar esclarecido relativamente ao que operariado … do outro lado, um movimento
seria distinto entre O Germinal, jornal de operário marginalizado pelas instituições
matriz anarco-sindicalista e os que se políticas republicanas, que não tem outra
enquadravam à esquerda, como são exemplo O alternativa senão permanecer intransigente
Trabalho ou O Setubalense. aos seus princípios … hoje sabemos qual o
Percebemos que há uma radicalização do trágico fim deste drama… a ditadura dos
discurso e da prática relativamente à interesses económicos… (pág. 101)
Monarquia e posteriormente durante a Álvaro Arranja não relaciona o apoliticismo
República de grande parte dos trabalhadores anarquista com uma ideia mais vasta, a ideia
por se reverem no sindicalismo anarquista, e é de que a emancipação dos trabalhadores deve
nesta medida que não se percebe a pouca ser obra dos próprios trabalhadores –
(foto na capa: edifício da Câmara Municipal de Setúbal, importância que o autor parece atribuir às soldadores, mulheres das fábricas de conserva,
destruído pelo povo em 4 de Outubro de 1910, durante a referidas fontes. Não percebemos, por outro marítimos, corticeiros, carregadores de sal – e
revolução republicana) lado, de que forma o operariado anarco- a da prática de um comunismo anarquista
O livro Anarco-Sindicalistas e sindicalista dos anos póstumos à República se porque antiestatal e antiautoritário. Pelo
Republicanos – Setúbal na I República de posiciona relativamente a outras tendências no contrário, o historiador, para cúmulo, conclui
Álvaro Arranja, professor de História na seio do sindicalismo à época, como a socialista, que o abstencionismo político das classes
mesma região, parece ser um dos inúmeros se essa relação é de proximidade ou trabalhadoras pode ter estado na origem da
trabalhos editados na sequência das afastamento. Na verdade, o autor coloca no implementação da ditadura que se seguiu, na
comemorações do centenário da República. mesmo plano, no plano colectivo ou medida em que, contribui significativamente
Não será pertinente discutir aqui o sentido ideologicamente indefinido, todas as para minar a ideia de democracia republicana
dessas comemorações, a importância de tendências político-sociais anteriores e ao boicotar o acto eleitoral mesmo quando
determinadas efemérides que ao invés de póstumas à Monarquia. existem partidos políticos pretensamente mais
constituírem momentos de problematização da Se é verdade que a luta levada a cabo no ligados ao operariado (o Governo da Esquerda
própria História, parecem antes deter-se à sentido de destronar a Monarquia pode ter Democrática de José Domingues dos Santos de
superfície da mesma. Acrescem, pois, à unido forças sociais diferentes num mesmo 1924/25, o único, segundo Arranja, que teria,
glorificação acrítica de certos ventos que momento, após a implantação da República, de facto, uma base popular por ser apoiado
poderiam, neste caso, ter sido de mudança. não é menos verdade que nenhum partido pela CGT, pelo Partido Socialista e pelo jovem
Não obstante, o livro editado pelo Centro político a par com o tipo de sindicalismo a este Partido Comunista). Parece reportar-se aos
de Estudos Bocageanos, pensa a relação entre o associado, é já credível aos olhos do actuais partidos de esquerda que representam
operariado setubalense marcadamente anarco- operariado, uma vez que, os problemas os trabalhadores e controlam os sindicatos
sindicalista e o contexto sociopolítico relativamente à sua condição permanecem com integrando-os perfeitamente no sistema
português, desde os finais do século XIX, até ou sem República, em prol de um sistema vigente e, com isso, estrangulando qualquer
ao período em que se dá a fascização dos capitalista que toda a burguesia defende. tentativa de revolta que ponha esse mesmo
sindicatos e se anunciam os longos anos de O afastamento do operariado no que diz sistema em causa (outras conclusões
ditadura, já na década de 1930. respeito ao poder político é já anterior até igualmente terríveis se impõem quando
Durante este período, diversos factores vão mesmo à implantação da República através das pensamos os partidos da esquerda actuais,
alterar profundamente a situação económica e associações de classe que posteriormente vão reflexão necessária mas fora já do âmbito deste
social da cidade. Essa mudança de paradigma dar origem aos sindicatos. Nesta medida a texto).
tem que ver, necessariamente, com a cisão que Arranja sublinha no livro entre o O 18 de Janeiro de 1934 constitui o
Revolução Industrial, com a transformação da operariado e a República é anterior à mesma, exemplo cabal da tentativa de derrube do
oficina em fábrica em que os meios de muito embora a sua implantação tenha tido o Estado Novo através de uma greve geral
produção e a força de trabalho pertencem a apoio de larga facção operária. Os exemplos revolucionária por parte dos sindicatos livres,
grupos sociais distintos. Este enquadramento é que vêm também descritos neste livro são disso aspecto que marca bem a forma como estes se
feito pelo autor que nos informa sobre o confirmação: a forte tradição associativa na opunham à fascização da sociedade e que sem
aumento significativo da densidade forma mutualista e corporativa como os partidos se organizaram uma vez mais, ao nível
populacional em Setúbal devido à forte trabalhadores tentavam proteger a sua nacional, sabendo que tipo de repressão os
implementação da indústria, sobre as condição ou mesmo a primeira greve geral da esperava em caso de não serem bem sucedidos.
principais actividades económicas da república em 1911 que tem lugar em Setúbal. O que é facto é que … uma cidade com um
localidade e da forma associada como o Explica pouco a importância destas associações importante movimento operário organizado…
operariado setubalense vai tentar lutar contra a para a construção de laços de solidariedade, (pág. 98), vai manter-se fiel às suas próprias
situação de carestia imposta pela produção apoio e luta entre os operários. O facto de se organizações que se querem apolíticas e
capitalista. Esta vertente informativa que, ao organizarem de forma assembleária onde se anticapitalistas como forma de desprezo
longo do livro vai ganhando contornos mais aboliam as hierarquias sociais e profissionais, relativamente ao próprio Estado que explora,
específicos pelo relato de situações particulares nas associações de classe, quer em experiências reprime a revolta como forma de defesa de
de luta levadas a cabo pelos operários de na construção de cooperativas de produção ou interesses económicos.
Setúbal, parece-me a mais-valia deste trabalho mesmo no que se refere à edificação de escolas Essa tradição encontra-se, actualmente,
de Álvaro Arranja. Contudo, fá-lo de forma livres. Menciona de forma abreviada, o livro, a completamente destroçada pelas manigâncias
bastante simplificada ocultando aspectos Escola Livre da Associação dos Marítimos, do capitalismo avançado mas principalmente
importantes sobre o anarco-sindicalismo. organizada pela Associação de Classe dos pelo processo de institucionalização dos
Entre outros aspectos a referir adiante, Marítimos. Por sinal, onde leccionou Martins sindicatos pelas forças da esquerda.
parece-me que a definição de anarco- dos Santos, fundador de O Germinal, que na
sindicalismo começa por ser muito sumária, altura seria o principal órgão sindicalista local. Ana B
sem a preocupação em esclarecer o leitor
Página 12 Associação Internacional d@s Trabalhador@s – Secção Portuguesa

Outros episódios recentes de repressão:


Começa a farsa judicial contra os 11 Processo do SEF-Porto
processados do 25 de Abril de 2007 contra activistas sociais
No passado dia 7 de Dezembro, num tribunal completamente ocupado No Porto, quatro activistas sociais membros de
duas associações de imigrantes, a ESSALAM e a
pela polícia, começou o julgamento das onze pessoas detidas na
AACILUS, e de duas associações que apoiam
“manifestação anti-autoritária contra o capitalismo e o fascismo” de 25 de imigrantes, a Terra Viva e a Musas, enfrentam um
Abril de 2007. Estas onze pessoas são acusadas de “agressões, injúrias processo por difamação movido pelo Serviço de
agravadas e desobediência civil” e podem ser condenadas a penas entre os 6 Estrangeiros e Fronteiras (SEF).
meses e os 5 anos de prisão. O caso reporta-se a Junho de 2006, quando
estas associações e outras convocaram uma
A primeira sessão do julgamento reportagem do julgamento. O tribunal conferência de imprensa e uma manifestação de
realizou-se no dia 7 de Dezembro pela mediático já ditou a sua sentença, agora luto, endossando aos serviços do Porto do SEF a
manhã, no entanto serviu quase só para que há que consumar a farsa judicial em “responsabilidade moral” pelo suicídio do
o juiz adiasse o julgamento para 22 de segredo... trabalhador imigrante Ahmid Hussein, a viver
Janeiro devido a uma falha do tribunal nas havia cinco anos em Portugal, em estado de
Porque estamos totalmente depressão depois de ver o seu pedido de
notificações aos acusados. Também foram
solidários com as motivações e autorização de residência recusado naqueles
marcadas as sessões para a audição dos
conteúdo da manifestação anti- serviços por não perfazer o rendimento mínimo
arguidos e das testemunhas, que se
autoritária de 25 de Abril de 2007 e anual exigido (então, cerca de 5 400 euros).
prolongarão pelos próximos quatro meses.
porque qualquer um de nós podia O julgamento, inicialmente marcado para
Incrivelmente, o Campus de Justiça de ser processado neste julgamento, Dezembro de 2008, foi adiado uma vez que o
Lisboa foi completamente ocupado por fazemos um apelo à solidariedade processo foi transferido de instância cível para
criminal, sendo a acusação alterada de “difamação
polícias de uniforme e à paisana, numa contra esta farsa judicial que terá
agravada” para “difamação grave com divulgação
gigantesca operação destinada a intimidar lugar no Campus de Justiça do nos meios de comunicação social”, agravando-se a
os arguidos e a dissuadir qualquer forma de Parque das Nações em Lisboa ao possível sentença: de dois a oito anos de prisão.
protesto. Funcionários do Tribunal longo dos próximos meses.
tentaram impedir ilegalmente o acesso a
------------------ PJ apreende computador
quem queria assistir ao julgamento e, nas
proximidades do Tribunal, os transeuntes A origem deste processo remonta à em busca de autores do
eram identificados e revistados. Apesar repressão policial da manifestação anti-
autoritária de 25 de Abril de 2007. Pode-se
blog Rede Libertária
deste aparato policial, 30 bravos Em Setembro de 2009, em Lisboa, um
companheiros concentraram-se com uma obter mais informação no jornal Anarco-
Sindicalista nº1 (editado em Novembro computador foi apreendido pela Polícia Judiciária
faixa em frente do campus judicial, situado pela AIT-SP e pela CNT-Galiza) ou nos e uma pessoa foi constituída arguida num processo
no meio de um complexo comercial, numa links seguintes: por “difamação e incitação à violência” por,
das zonas mais ricas de Lisboa. alegadamente, ter colocado um cartaz alusivo aos
+ Solidariedade com as 11 pessoas detidas na
assassinatos policiais no blog Rede Libertária.
Devemos sublinhar que, apesar da manifestação anti-autoritária contra o fascismo e o
A pessoa em causa, totalmente exterior ao
capitalismo de 25 de Abril de 2007:
campanha contra os “anarco-radicais” que a http://ait-sp.blogspot.com/2009/10/solidariedade- projecto da Rede Libertária e possuidora de uma
polícia empreendeu na imprensa nos com-as-11-pessoas-detidas.html rede de Internet aberta e acessível a alguma
últimos dois anos, com episódios + 25 de Abril de 2007: Solidariedade contra a farsa
distância da sua casa, viu-se involuntariamente
repugnantes de exposição e difamação dos judicial montada em torno das onze pessoas que envolvida numa tentativa pidesca para silenciar
processados, nem um só representante da vão a julgamento dia 7 de Dezembro: um meio de informação incómodo para o poder.
imprensa burguesa compareceu para fazer a http://redelibertaria.blogspot.com/2009/10/25-de- Link do cartaz em causa:
abril-de-2007_6183.html redelibertaria.blogspot.com/2009/01/blog-post.html

Assina o Boletim Anarco-Sindicalista! Locais de venda do Boletim:


Assinatura: Almada
Seis números por 5 euros Centro de Cultura Libertária
Rua Cândido dos Reis, 121, 1º Dto – Cacilhas
(custos de envio incluídos) (horário: sábados das 16h às 20h)
Modo de pagamento: Lisboa
Enviar cheque ou vale postal à ordem Livraria Letra Livre
de “AIT - Secção Portuguesa” para: Calçada do Combro, 139
(horário: 2ª a sábado, das 10h às 20h)
Apartado 50029 / 1701-001 Lisboa
Porto
Sindicato de Ofícios Vários – AIT-SP Porto
Distribui o Boletim Anarco- Terra Viva
Sindicalista na tua zona! Rua dos Caldeireiros, 213 (à Cordoaria)
(horário: 5ª das 19h às 22h)
Procuramos quem possa fazer chegar o Livraria Gato Vadio
Boletim a mais gente interessada... Rua do Rosário, 281
(horário: tarde - 5ª a domingo das 15h às 19h30;
Contacta-nos! noite - 3ª a domingo das 19h à 1h)

Toda a correspondência para o Boletim Anarco-Sindicalista deve ser enviada para:


Apartado 50029 / 1701 - 001 Lisboa / Portugal
E-mail: aitport@yahoo.com
O Boletim Anarco-Sindicalista em PDF, a partir do
número 22, pode ser descarregado da Internet em:
http://ait-sp.blogspot.com