Você está na página 1de 8

DINÂMICAS DE GRUPO

Equipe responsável: Lelis, Iuri e Veridiana (ONG AMADO); Edna (ONG APASC); Bianca (ONG
Ramuda); Valéria e Tati (UFSCar); Mayla (Associação Pró Casa do Pinhal) e Ana Leoni (UNESP
Jaboticabal)
Jogos Cooperativos
DESCOBRINDO OS OUTROS (Facilitadores: Lelis, Veri, Iuri, Mayla e Val)
Categorias: apresentação
Objetivos: apresentação, integração e descontração.
N° de participantes: indicado para grupos com muitos participantes
Material: música, microfone, folhas de papel, canetas e fita crepe.
Desenrolar: Cada participante recebe um pedaço de papel onde escreve informações pessoais que serão
compartilhadas com as/os outras/os participantes (Ex: nome, cidade etc.). A escolha de quais serão essas
informações depende do contexto em que o grupo se insere. Para a dinâmica ficar mais divertida, pode-se incluir
alguma informação pessoal que normalmente não é usada em uma apresentação formal, por exemplo: super-
herói favorito, o animal que gostaria de ser, comida predileta etc. Essas folhas de papel devem ser coladas com
fita crepe na barriga ou peito de cada participante. O coordenador da brincadeira deverá falar ao microfone
(considerando o grande número de pessoas) pedindo que as pessoas se agrupem segundo algo em comum. Por
exemplo, primeiramente todos que tem a primeira letra do nome em comum devem se unir. Depois os que foram
da mesma cidade ou os que têm a mesma profissão, o mesmo super herói etc. Nos intervalos em que as
pessoas estão “se procurando” para se agrupar, é aconselhável deixar tocando uma música de fundo para dar
um ar de descontração. Quando os grupos estiverem formados, o coordenador brincar com cada grupo,
perguntando o que os uniu.
Regras do jogo: Nenhum participante deve mudar sua característica para se unir a algum grupo. Caso alguém
tenha algo peculiar como uma comida predileta, o coordenador deve brincar com esse fato e não fazer a pessoa
se inserir em um grupo similar.
Fases: os intervalos nos quais as pessoas “se procuram” devem durar de 3 a 5 minutos.
A duração total da dinâmica é de 40 minutos

SER REDE (Facilitadores: Lelis, Veri, Iuri)


Categorias: jogo de cooperação. Trabalha com a união, participação, interdependência
Objetivos: vivenciar o trabalho em rede.
N° de participantes: sem limite de n°
Material: fitas de tecido colorido de 60 cm de comprimento
Regras do jogo: posicionar o grupo em filas paralelas umas as outras, como numa sala de aula convencional;
Desenrolar: Primeira fita significa o que se pode aprender com o grupo. Segunda fita significa o que a
contribuição da pessoa para o grupo. Amarre a ponta direita da primeira fita na ponta da fita da pessoa ao seu
lado direito. Depois, amarre a ponta da segunda fita no nó que acabou de fazer e a outra ponta, no nó da fileira a
sua frente.
Rede pronta: brinque com as possibilidades das pessoas sentirem que qualquer movimento na rede influencia
todos os elos. Ex: fileira da frente puxando a rede adiante. Pontas soltas: novas possibilidades de adesão à rede,
etc.

DINÂMICA DO “FIM DO MUNDO” (Facilitadores: Ana Leoni, Lelis, Veri, Iuri, Mayla, Val, Tati, Bianca e
Edna)
Categorias: jogo de cooperação. Trabalha com a união, participação, interdependência
Objetivos: Permite avaliar o funcionamento do próprio grupo.
N° de participantes: sem limite de n°
Material: fichas com o nome de casais de espécies da fauna (Cerrado, Mata Atlântica, etc), fita crepe
Regras do jogo: não é permitido falar...
Desenrolar: Colar aleatoriamente as fichas nas costas dos participantes sem que estes saibam de que bicho se
trata. Comunicar que o mundo vai se acabar em 10 minutos e os casais de bichos tem que ser formados para
evitar essa tragédia e garantir as futuras proles para recolonizar a Terra. Regra de ouro: NÃO É PERMITIDO
FALAR. Ao fim da dinâmica, todos os casais deverão estar formados senão o mundo explode!!! Após a dinâmica,
retornar ao grupo com a discussão sobre o desenvolvimento da dinâmica: qtos casais foram formados? Quem
ajudou quem? Houve cooperação? Somos um grupo interessado no coletivo ou apenas no “eu faço o meu
papel”...

DANÇA DAS CADEIRAS COOPERATIVAS

Categorias: jogo de cooperação. Trabalha com a união, participação, interdependência


Objetivos: valorizar cada pessoa e a reconhecer a importância de todos.
N° de participantes: sem limite de n°
Material: cadeiras em número maior que o de participantes.
Regras do jogo: Terminar o jogo com todos os participantes sentados nas cadeiras que sobrarem.
Desenrolar: Para que o novo venha, o velho precisa ser...TRANSFORMADO! Este é um jogo extraordinário,
porque nele sentimos o poder de re-criação, que existe quando buscamos, JUNTOS, realizar um objetivo
comum. Esta é uma transformação da brincadeira tradicional da Dança das Cadeiras. No jogo convencional o
objetivo é mutuamente exclusivo, ou seja, apenas um dos participantes pode sair vitorioso, enquanto há garantia
de que todos os outros terminarão como perdedores. Esta é uma estrutura que estimula a eliminação e a
competição.
Provavelmente, você já viu alguém ficar de fora neste tipo de jogo. Ela estava alegre, se divertindo? Você acha
que ela se sentia importante e responsável pelo sucesso do jogo? E quando o jogo terminou: o que ela fazia?
Onde estava (seu pensamento, sentimento...)? É difícil as pessoas se sentirem realmente envolvidas neste tipo
de atividade e é mais difícil ainda que elas gostem de alguém que acabou de expulsá-las da cadeira e do jogo,
segundo Orlick, 1978. Há também, o lado do (único) vencedor. Eu não vi, ainda, alguém que ao ganhar, tenha se
sentido, verdadeiramente, feliz. Se o jogo é feito em uma festa de aniversario, além da criança que ganhou,
somente os pais dela (e alguns outros por “educação”) é que vibram junto com ela. Conforme cresce a faixa
etária dos participantes, mais isolado fica o vencedor.
Então, eu pergunto: será verdadeira aquela vitória que não é compartilhada e desfrutada por todos? Promovendo
pequenas, mas fundamentais mudanças na estrutura do jogo, podemos criar um tipo de desafio que motive cada
pessoa e o grupo para realizar um objetivo comum.
- Você consegue imaginar 80 pessoas sentadas em uma cadeira??!
Um dos principais eixos dos jogos Cooperativos é o vinculo entre:
PARTICIPAÇÃO DE TODOS ↔ OBJETIVOS COMUNS
Para a “Dança das Cadeiras Cooperativas” colocamos em círculo, um número de cadeiras menor que o número
de participantes. Em seguida propomos um “Objetivo Comum”:
Terminar o jogo com todos os participantes sentados nas cadeiras que sobrarem!
Colocamos música e todos dançam. Quando a música para, TODOS devem sentar usando os recursos que
estão no jogo – cadeiras e pessoas. Podem sentar nas cadeiras, nos colos uns dos outros, ou de alguma outra
maneira criada pelos participantes. Em seguida, todos levantam e tiramos algumas cadeiras, ninguém sai do
jogo e continuamos a dança.
- Dá pra continuar?
- Dááá!!
- Está confortável para todos?
Aquele que está por baixo, já com umas 10 (dez) pessoas no colo, responde com um ar de satisfação:
- Tááá! Mas, vamos logo!!!
Neste processo, os participantes vão percebendo que podem se liberar dos velhos desnecessários e
bloqueadores “padrões competitivos”:
- Ficar “colados” às cadeiras. (Visão de escassez)
- Ir todos na mesma direção. (Não assumir riscos)
- Ficar ligado na parada da música. (Preocupação/tensão)
- Dançar “travado”. (Bloqueio da espontaneidade)
- Ter pressa para sentar. (Medo de perder)
E, na medida que se despreendem dos antigos hábitos, passam a resgatar e fortalecer a expressão de “potencial
cooperativo” para jogar e viver:
- Ver as cadeiras como ponto de encontro. (visão de abundância)
- Movimentam-se em todas direções. (Flexibilidade, auto-mútua-confiança)
- Curtir a música. (Viver plenamente cada momento)
- Dançar livremente. (Ser a gente mesmo é Lindo!)
O jogo prossegue até onde o grupo desejar. Em geral, a motivação é tão intensa que, mesmo depois de
sentarem TODOS em uma única cadeira, o jogo continua com uma cadeira imaginária. Daí em diante, é só dar
asas a imaginação e... DANÇAR EM COMUM-UNIDADE

NAVEGAR É (IM) POSSÍVEL....


PARA TODOS!

Categorias: jogo de cooperação. Trabalha com a união, participação, interdependência


Objetivos: perceber e vivenciar o poder de realização coletiva; Navegar do “porto seguro” para o “ponto
futuro”...todos juntos!
N° de participantes: sem limite de n°
Material: cadeiras, uma para cada participante; Um salão amplo ou ar livre; suficiente para acolher todo o Grupo,
aparelho de som.
Regras do jogo: Nenhuma parte do corpo pode tocar o piso, incluindo calçados, roupa e qualquer outro tipo de
material.
Desenrolar: .O Grupo é organizado em pequenos Times (“barcos”) com aproximadamente o mesmo número de
participantes. Idealmente, 4 Times. Cada Time é formado por “tripulantes” (pessoas), sentados cada um numa
cadeira (“parte do barco”), lado a lado. Os Times formados são posicionados como lados de um grande quadrado
(“porto seguro”), porem, deixando os cantos mais espaçados. Isto é, um “barco” não encosta no outro. Todos os
barcos voltados para o centro do quadrado.
É importante criar uma atmosfera lúdica desde o início. Para isso, pode-se criar um enredo, um cenário
adequado ao momento. Por exemplo, imaginando um grupo de velejadores sendo desafiados a realizar
diferentes manobras para aperfeiçoar suas co-opetências de navegação.
1º Desafio:
• Cada barco deverá sair de seu “porto seguro” (posição de partida) e chegar no ponto futuro”. Isto é,
navegar para o outro lado do quadrado, imediatamente à frente de cada respectivo barco. Todos os
tripulantes devem chegar levando o próprio barco (as próprias cadeiras).
• Quando todos os barcos alcançarem seu “ponto futuro”, o desafio é vencido por todos!
Condições de Navegação:
• Imaginando que todo o piso do ambiente corresponde às águas de um oceano muito frio e povoado por
tubarões, todos os barcos deverão navegar respeitando 2 condições:
a) Nenhuma parte do corpo pode tocar a água (o piso). Incluindo calçados, roupa e qualquer outro tipo de
material. Afinal, a água é muuuito fria e cheia de TUBARÕES!!!
b) O barco (as cadeiras) não pode ser arrastado.
2º Desafio: Depois de todos os barcos terem alcançado o “ponto futuro”e celebrando essa conquista, desfiamos
o Grupo, como um único Time, a se posicionar em ordem alfabética...respeitando as mesmas Condições de
Navegação!!!
Comemoração: Um aspecto fundamental do Jogo Cooperativo é a comemoração de cada pequena-grande
realização do grupo. Ao final do 2º. Desafio, convidamos todos os “tripulantes” (que a essa altura, provavelmente,
estarão em pé sobre as cadeiras) a darem as mãos e “mergulharem” no oceano...agora com as águas aquecidas
pelo calor compartilhado durante toda a Navegação (im) possível!
Re-Creação: Existem muitas variações para este jogo, para torná-lo mais desafiador e divertido. Vão desde a
colocação de alguns obstáculos (“rodamoinhos”, “piratas”, furacões”, etc.), até a implementação de diferentes
características de “tripulação”(vendar, amordaçar ou amarrar braços e pernas).
Para facilitar o desafio para grupos mais jovens ou, na falta de cadeiras, podemos substituí-las, por folhas de
jornal, abertas e estendidas no chão.
Durante o Jogo é muito interessante também utilizar músicas relacionadas ao tema (ex.: “como uma onda no
mar”- Lulu Santos). Até porque, depois de uma boa Navegação Cooperativa, provavelmente, “nada do que foi
será do jeito que já foi um dia...”!
Toques: Esta “Navegação (im) possível” desafia as pessoas a sair de seu “porto seguro”e partir na direção do
“ponto futuro”.É um Jogo Cooperativo muito potente porque estimula romper a inércia provocada pelo comodismo
ou pela resignação. Este é um desafio que pode nos impulsionar na direção de realizar nossas mais essenciais
aspirações e alcançar metas aparentemente (im) possíveis...desde que navegaremos orientados pela bússola da
Cooperação.
Jogos Cooperativos é uma forma de diálogo consciente e re-creativo, envolvendo a pessoa, o grupo, a
humanidade e a Natureza, numa grande e ousada aventura pelo caminho do Encontro, em vez do confronto ou
da separação.

DINÂMICA “MASSAGEM COOPERATIVA” (Facilitadores: Lelis, Veri, Iuri)

Categorias: jogo de cooperação. Trabalha com a união, participação, interdependência.


Objetivos: sensibilização, aproximação.
N° de participantes: sem limite de n°
Material: aparelho de som
Regras do jogo: posicionar o grupo em circulo formando uma fila sem começo nem fim;
Desenrolar: Todos em círculo, viramos para a direita (ou esquerda) para que todos massageiem e sejam
massageados. Após terminar a massagem formam-se duplas e essas se manterão de mãos dadas e vão
dialogar sobre o que trouxeram consigo que não deveriam ter trazido, (podendo ser aspectos materiais e/ou
sentimentais) e coisas que deveriam, ter trazido e não trouxeram.

DINÂMICA “ENTRE NÓS” (Facilitadores: Lelis, Veri, Iuri)

Categorias: jogo de cooperação. Trabalha com a união, participação, interdependência.


Objetivos: vivenciar as individualidades e as diferenças dentro do grupo.
N° de participantes: sem limite de n°
Material: aparelho de som
Regras do jogo: posicionar o grupo em circulo formando uma fila sem começo nem fim;
Desenrolar: Formam-se duplas de mãos dadas, sem soltar as mãos, as duplas se movimentarão pelo espaço
enquanto toca uma música. Quando a música parar, trocam-se os pares. Depois, unem-se as duplas formado
quartetos, em seguida grupos de oito e assim por diante até a formação de um único grupo. Todos os
movimentos devem ser realizados sem soltar as mãos, menos na primeira troca de duplas.
.
DINÂMICA “DESCOBRIR O CÓDIGO” (Facilitadores: Lelis, Veri, Iuri)

Categorias: jogo de cooperação.


Objetivos: Trabalha com a percepção e a comunicação não verbal, estimular o con-tato.
N° de participantes: sem limite de n°
Material: aparelho de som
Regras do jogo: a única forma de comunicação é através do aperto de mãos.
Desenrolar: Cada pessoas deve escolher um número de 1 a 10, sem falar. Levantarão e irão procurar quem
escolheu o mesmo número através de apertos de mãos. Ex: se eu escolhi o número 5 encontrarei uma pessoa e
apertarei a mão dela com 5 toques leves.

Danças Circulares
TE OFEREÇO PAZ (Focalizadora: Edna)
Categoria: dança circular.
Objetivo: Vivenciar os valores como alteridade, paz, o sagrado dentro do trabalho a ser realizado
N° de participantes: sem limite de pessoas
Material: aparelho de som. Música “Te Ofereço Paz – Oração pela Paz Universal” (antiga saudação oriental
apreciada por Gandhi, musicada por Valter Pini). Referências: CD “Coletânea da música de Válter Pini” – Projeto
Multiconsciência”. Faixa 1 - Venda de cd: valterpini@cy.com.br
Regras: pessoas posicionadas em roda
Desenrolar: Coreografia baseada na linguagem dos portadores de necessidades auditivas.
Letra: Movimento:
Te ofereço Paz mão postadas para frente, com as palmas viradas para o
centro da roda e se movimentando dirigindo-se aos
participantes
Te ofereço Amor Mãos na altura do coração, os braços se abrem ao lado
reverenciando o grupo
Te ofereço Amizade Mãos dadas
Ouço suas necessidades Mãos atrás das orelhas
Vejo sua beleza Mãos embaixo dos olhos
Sinto seus sentimentos Mãos na altura do coração
Minha sabedoria flui Braço direito sobe
De uma fonte superior Braço esquerdo sobe
E reconheço essa fonte em ti Os braços descem
Trabalhemos juntos Mão dadas
Trabalhemos juntos Mãos dadas para cima, balançam no ritmo da música

DANÇA DA ÁGUA (ROCK WATER) (Focalizadoras: Edna, Mayla, Val e Ariane)


Categoria: dança circular.
Objetivo: Trabalhar o ciclo da água, simbolizando a flexibilidade e a abertura para as mudanças da vida: “A vida
é só movimento”. Trabalhar os dilemas do/a educador/a e a formação do coletivo.
N° de participantes: Entre 20 a 30 pessoas, ideal para aprofundamento das reflexões.
Material: aparelho de som. Música “Rock Water”. Coreografia: Anastácia.
Desenrolar:
Movimento da dança: Interpretação:
Movimento da água Movimento da formação do
coletivo
1. Início da dança: roda aberta Gotas de chuva infiltram o solo. As gotas são os/as
2. coadjuvante à esquerda do/a educadores/as que percebem a
focalizador/a, com a mão livre impotência de suas ações diante
fechada e nas costas, caminha em de tantos problemas. Mas se
espiral até o centro da roda onde mobilizam sem saber ao certo
grita “ho” aonde podem chegar.
3. O/a focalizador/a desfaz a espiral, Encontro das gotas que formam Encontro dos/as educadores/as
caminhando até chegar a uma nascente que se identificam pelas mesmas
formação inicial da roda aberta ansiedades e mesmos sonhos de
mudança. Possibilidade de
“nascer” ou aflorar novas
perspectivas, decorrentes desse
encontro
4. (passos de quadrilha de festa Preparo para a passagem da Momento de trabalhar a
junina – formação do túnel): O/a água subterrânea ansiedade, algumas idéias e
focalizador/a forma um portal com propostas demandam tempo para
a próxima pessoa. As demais amadurecerem e aflorarem.
pessoas continuam com as mãos
dadas passando pelo primeiro
portal,
5. assim que as duas próximas
pessoas passarem pelo primeiro
portal, se soltam do grupo e se
posicionam como um segundo
portal logo após o primeiro e assim
por diante até a formação do túnel.
6. início do desmanche do túnel: a Movimento da água subterrânea
primeira dupla passa pelos portais,
que aos poucos vai de desfazendo
– a cada última pessoa que passa,
desfaz o portal, formando uma fila
contínua de mãos dadas.
7. formação inicial – roda aberta. O/a Áquele primeiro córrego tênue, As pedras representam
focalizador/a sinaliza: Pedra. que se formou na nascente, foi obstáculos que se apresentam na
8. Todos ficam estáticos e se alimentado por vários outros até caminhada do grupo. Assim como
transformam em pedra. formar um rio caudaloso. Em seu nossa rigidez diante da
9. o/a focalizador/a inicia o caminho, corredeiras possibilidade da mudança. Ao
movimento de contorno das pedras contornando várias pedras sermos tocados pela “água”,
como água, falando “chuá” . A aprendemos com a flexibilidade,
pedra seguinte ao/a focalizador/a, quebramos nossa rigidez
ao ser “tocado” por ele/a, reconhecendo-a e possibilitamos
transforma-se em água e segue o a mudança.
movimento.
10. toda pedra ao ser tocado pelo
último “chuá” se transforma em
água e segue o movimento de
contorno das pedras,
sucessivamente.
11. O/a focalizador/a pára ao tocar a
última pedra.
12. A última pedra a ser tocada pelo
último chuá, vira água e segue o
movimento até parar ao lado da/o
focalizador/a
13. formação inicial: todos dão se as Os rios correm para o mar. O grupo fortalecido chega até o
mãos fechando a roda. Encontro simbolizados pelas “mar” das realizações. Momento
14. 3 passos para o centro da roda. ondas do oceano de celebração que não e estático,
Elevam-se as mãos e gritam: o movimento continua e o final é
Chuá! sempre o início de novas
15. afastam-se do centro com 3 possibilidades e novos
passos movimentos.
16. Repetir o movimento 3 vezes

RODA DO VALENTINO (Focalizadoras: Edna, Mayla, Val e Ariane)


Categoria: dança do Vale do Jequitinhonha – Minas Gerais. Referência: adaptação da apostila do curso “Jogos
Cooperativos e Danças Cooperativas como ferramentas para desenvolver a Cooperação” – Patrícia Maria
Pedote/Instituto Cooperando, 2003 . Contato: (11)5077 1780. cooperando@cooperando.com.br
Objetivo: por meio dessa vivência, “acertar” o passo com cada um do grupo e destes para o todo. Trabalha a
habilidade de lidar com as diferenças, criando um espaço saudável que possibilita a cooperação baseada no
respeito mútuo e na alegria pela presença de todos.
N° de participantes: Entre 20 a 30 pessoas, ideal para aprofundamento das reflexões.
Material: aparelho de som. Música “Roda do Valentino” – música e coreografia de domínio popular. Faixa 11 do
CD Coral Trovadores do Vale – Beira Mar Novo. Vendas: Lapa ação cultural ltda. (031)241 1293/973 1246 e 956
3227. lapa@metalink.com.br
Desenrolar:
Momento da música Movimento da dança
REFRÃO
Segue Valentino, Valentino traz traz Formação inicial em roda, aos pares.
Segue Valentino, que ele é um bom rapaz Estabelecimento de posições nos pares: à direita,
Segue Valentino sempre o Sol (Valentino) e a esquerda, sempre a Lua
(Moreninha).
Os pares dançam um forró sem sair do lugar

Valentino sou eu! Todos voltados ao centro, com os pares de mãos


dadas. O Sol – Valentino – se posiciona à direita, de
mão dada à Lua – Moreninha, coloca a mão direita
no coração
Roda Moreninha, que esse par é meu O Sol – Valentino conduz a Lua – Moreninha, da
esquerda para sua direita.

Momento da música Movimento da dança


No estado de São Paulo Em roda fechada, se movimentando para a direita
Não precisa mais chover
Só os olhos do meu bem
Fazem o mato enverdecer
Refreão Ver movimento da dança no refrão
Você de lá e eu de cá Em roda fechada, se movimentando para a direita
Ribeirão passou no meio
Cê de lá dá um suspiro
Eu de cá suspiro e meio
Refrão Ver movimento da dança no refrão
Minha mãe me xingou feia Em roda fechada, se movimentando para a direita
Ela que quer ser bonita
Minha mãe é a roseira
E eu sou um lacinho de fita
Refrão Ver movimento da dança no refrão
Subi no alto do morro Em roda fechada, se movimentando para a direita
Para ver o sol nascer
Avistei o povo todo
Só você não pude ver
5 vezes o refrão Ver movimento da dança no refrão

A FLOR (Focalizadoras: Edna, Mayla, Val e Ariane)


Categoria: dança circular.
Objetivo: aprender a espera no escuro. Tudo a seu tempo. Tempo de semear, de germinar, de brotar, de
florescer, de frutificar e tempo da espera em forma de semente. A cada mudança, uma morte do estágio anterior
e um renascimento para a fase que se apresenta.
N° de participantes: Entre 20 a 30 pessoas, ideal para aprofundamento das reflexões.
Material: aparelho de som. Música: Meditação da Flor. Coreografia: Joyce
Regras: Somente os braços se movimentam. O corpo permanece voltado para a roda, joelhos ligeiramente
dobrados não ultrapassando a ponta dos pés, quadril encaixado para não sobrecarregar a coluna.
Desenrolar:
Movimento da dança Interpretação

Braços se movimentam para frente e para trás Tempo de preparar a terra para semeadura
Imagine uma grande semente entre as mãos, palma Tempo de cuidar da semente. Ao acalentar a
virada para a palma, que não chegam a se tocar, vão se semente imaginária, perceber o calor por entre as
movimentando em movimentos circulares como que mãos que não se tocam
acalentando a semente.
Na altura do coração – vida pulsando, calor
Na altura do ventre – criatividade
Braços se elevam com as palmas quase unidas Tempo de brotar. Caule se eleva
Braços elevados, abrem-se ligeiramente Tempo de florescer
Braços ampliam a abertura e abaixando lentamente pela Tempo de frutificar. O fruto amadurece e cai no chão
lateral até embaixo

KOS (Focalizadora: Edna)


Categoria: dança circular. Música popular grega. A comunidade celebra a volta dos pescadores com essa
dança.
Objetivo: conquistar o seu espaço no mundo depende do quanto você permite que outros também o conquiste
respeitando a vida em todas as suas manifestações.
N° de participantes: Entre 20 a 30 pessoas, ideal para aprofundamento das reflexões.
Material: aparelho de som. Música: KOS.
Regras: O corpo permanece voltado para a roda, quando necessário, dobrar os joelhos ligeiramente não
ultrapassando a ponta dos pés, quadril encaixado para não sobrecarregar a coluna. Os braços estão unidos, em
forma de W ou o mais próximo do corpo.
Desenrolar:
Movimento da dança Interpretação
repetir os movimentos na ordem que segue até o término
da música
um passo para a frente... Eu conquisto o meu lugar no mundo
dobrar os joelhos ligeiramente, duas vezes eu celebro a vida!
um passo para trás... Eu cedo espaço para que você conquiste o seu lugar
no mundo
dobrar os joelhos ligeiramente, duas vezes Nós celebramos a vida!
um passo para o lado direito Nós seguimos trabalhando unidos...
dobrar os joelhos ligeiramente, duas vezes ...e celebramos a vida!

Jogos Teatrais

Interesses relacionados