Plano de Ação 2016 - CSO

PLANO DE AÇÃO E ORÇAMENTO

2016

Oiã, 27 de Novembro de 2015

Plano de Ação e Orçamento 2016

«Servimos com amor… Partilhamos com emoção!»

Plano de Ação e Orçamento 2016

Índice

Introdução

……………………………………………………………………………………….

4

Órgãos Sociais

……………………………………………………………………………………….

5

1 – O Centro Social de Oiã

……………………………………………………………………………………….

6

1.1.- Breve Historial

……………………………………………………………………………………….

6

1.2.- Política da Qualidade

……………………………………………………………………………………….

7

1.3.- Visão

……………………………………………………………………………………….

7

1.4.- Missão

……………………………………………………………………………………….

7

1.5.- Valores

……………………………………………………………………………………….

7

2 - Caracterização da População Alvo

……………………………………………………………………………………….

8

3 – Respostas Sociais

……………………………………………………………………………………….

8

4 – Recursos

……………………………………………………………………………………….

9

4.1.- Recursos Humanos

……………………………………………………………………………………….

9

4.2.- Recursos Físicos

……………………………………………………………………………………….

9

5 – Parecerias Formais e Informais

……………………………………………………………………………………….

10

6 – Objetivos Operacionais/Atividades

……………………………………………………………………………………….

11

7 – Orçamento para 2016

……………………………………………………………………………………….

18

3

Plano de Ação e Orçamento 2016

Introdução

O Plano de Ação do Centro Social de Oiã para 2016 sistematiza as diversas propostas de ação
definidas para concretizar os objetivos estratégicos e para responder às necessidades da Instituição
e, sobretudo, dos nossos utentes.
As atividades apresentadas foram definidas tendo em conta a Missão, Visão e Valores do
CSO, sem esquecer os objetivos estipulados em 2014 e 2015 e que foram atingidos, bem como os
que não estiveram ao nosso alcance.
Face à conjuntura atual, pretende-se para 2016 a otimização dos serviços prestados pelo
CSO, numa lógica de racionalização dos recursos existentes e da criação de formas de diversificação
das fontes de financiamento, ações estas geradoras dos recursos indispensáveis ao funcionamento e
à sustentabilidade da instituição.
Os objetivos operacionais e as ações que se irão realizar para os atingirmos têm em conta
critérios de eficácia, eficiência e qualidade, reforçando a imagem do CSO, otimizando serviços e
aumentado a sustentabilidade, criando meios que diminuam a dependência dos apoios públicos e do
impacto das condições económicas e sociais do nosso país.

A Direção

4

Plano de Ação e Orçamento 2016

Órgãos Sociais

ASSEMBLEIA GERAL
Presidente – Armor Pires Mota

Sócio nº 39

1º Secretário – António Ramísio da Maia

Sócio nº583

2º Secretário – Márcio Filipe Ferreira

Sócio nº 568

DIREÇÃO
Presidente – Carlos Manuel dos Santos Réu

Sócio nº 156

Vice-Presidente – Joaquim Ferreira Fresco

Sócio nº 73

Secretário – Américo Cardoso Martins Lima

Sócio nº 475

Tesoureiro – Américo de Jesus

Sócio nº 479

Vogal – Emília dos Santos Branco

Sócio nº 681

CONSELHO FISCAL
Presidente – Arménio Almeida Neves

Sócio nº 860

1º Vogal – Manuel Malta Duarte

Sócio nº 133

2º Vogal – Filipe José Alves Oliveira

Sócio nº 360

Suplente – Susana Maria Pinto Fernandes

Sócio nº 746

5

Plano de Ação e Orçamento 2016

1. O Centro Social de Oiã
1.1 – Breve Historial
O Centro Social de Oiã (CSO) foi fundado em 1958 por um grupo de Oianenses liderados pelo
Engº Agnelo Prazeres, que o denominaram inicialmente de Centro Social e Assistencial de Oiã. De
acordo com o que vigorava nos estatutos, os objetivos primordiais da sua intervenção eram
sustentados na assistência médica aos adultos, na proteção às crianças, na proteção às grávidas e na
assistência às famílias necessitadas.
Durante largos anos, o CSO funcionou na exclusiva dependência económica das quotizações dos seus
sócios e de donativos de particulares. A partir de 1972, entrou em fase de declínio no que respeita à
ausência de financiamento para suportar os custos inerentes às despesas com os serviços que
prestava à comunidade.
No entanto, em 1975, um grupo de sócios, entre os quais se destaca o Dr. Fernando Peixinho, após
um levantamento das necessidades da população, recuperou as instalações que se encontravam
degradadas, devido ao abandono a que tinham sido sujeitas e iniciou um intenso trabalho altamente
profícuo ao serviço da comunidade.
Neste seguimento, foi decidida a criação de um serviço de Creche e Jardim de Infância, com
o apoio financeiro do Centro Regional de Segurança Social de Aveiro, que se iniciou a 2 de Janeiro
de 1978.
Após um longo e árduo trabalho junto de particulares e de entidades parceiras, em
Setembro de 1985, os serviços de apoio à criança foram transferidos para o atual edifício que
integra crianças de várias respostas sociais, nomeadamente, Creche, Pré-Escolar e Centro de
Atividades de Tempos Livres.
Em 1984, iniciou-se a construção do Lar para apoio à Terceira Idade, que iniciou a sua
atividade em Setembro de 1992 com a resposta social de Lar de Idosos e, em Maio do mesmo ano,
com a resposta social de Centro de Dia. Presentemente, a Estrutura Residencial para Pessoas Idosas
(ERPI - anteriormente designado como Lar de Idosos) tem capacidade para 30 utentes e acordo de
cooperação com o Instituto da Segurança Social (ISS, IP) para 23 utentes e o Centro de Dia tem
capacidade para 15 utente e acordo de cooperação para 7 utentes. Com a criação e abertura da
nova infraestrutura “Lar Dr. Fernando Peixinho”, para além do alargamento da resposta social de
ERPI, foram implementadas duas novas respostas sociais - Serviço de Apoio Domiciliário e Lar
Residencial para pessoas portadoras de deficiência.
Em suma, o CSO tem como prioridades de atuação apoiar e dar assistência à criança, ao
jovem e ao adulto/idoso, com o objetivo de satisfazer as suas necessidades e ativar mecanismos
inovadores na área da prestação de cuidados sociais e de saúde, apostando, de igual modo, na
formação contínua dos colaboradores e prestadores de cuidados, sempre com a presença da máxima
– eficácia e qualidade dos serviços prestados.

6

Plano de Ação e Orçamento 2016

1.2 – Política da Qualidade
A política implementada pela Instituição, pretende fundamentalmente criar e otimizar processos
que provoquem constantes melhorias nos serviços e nas ações de todos os colaboradores da
Instituição, de forma a:
 Satisfazer e fidelizar os utentes, oferecendo serviços que ultrapassem as suas expetativas;
 Aumentar a competitividade dos serviços, adotando uma perspetiva de melhoria contínua;
 Assumir a responsabilidade social e parceria com colaboradores, utentes e fornecedores, como
um meio de valorização mútua.
 Assegurar o cumprimento dos requisitos legais e outras que a Instituição subscreva.

1.3 – Missão
O CSO é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) sem fins lucrativos, tendo como
missão/objetivos o apoio às crianças e aos jovens, à terceira idade, e à pessoa com deficiência
estendendo o seu âmbito de ação, não só na freguesia de Oiã mas também a outras freguesias do
concelho de Oliveira do Bairro.

1.4 – Visão
O CSO pretende ser uma Instituição de referência na prestação de cuidados aos utentes, baseando a
sua atividade em serviços de elevada qualidade, contribuindo para o seu desenvolvimento e bemestar integral.
Tendo em vista uma permanente adaptação às necessidades da freguesia e do concelho onde se
insere, decidiu-se alargar a sua intervenção a outras respostas sociais: implementação do Serviço de
Apoio Domiciliário (SAD) e do Lar Residencial para portadores de deficiência.
Este alargamento e diversificação das respostas sociais provêm do objetivo primordial do CSO em
atender, sempre que possível, às necessidades e anseios da população.

1.5 – Valores
Confiança
Criar um ambiente de confiança mútua, entre nós e os que nos apoiam, inspirando-nos na
generosidade, partilha e respeito pelas especificidades de cada um.
Humanismo
A ajuda ao próximo representa um valor essencial na instituição e todas as atividades são realizadas
tendo em conta esse fator, enfatizando a dignidade, as aspirações e as capacidades humanas.
Inovação
Pretende-se inovar em metodologias e equipamentos que permitam uma maior desenvoltura física e
psicológica dos utentes, facilitando o funcionamento e alcançando eficiência em procedimentos.
7

Plano de Ação e Orçamento 2016

Intercooperação
Preocupação com a cooperação entre os vários colaboradores da instituição, ao nível interno, e com
as entidades parceiras, ao nível externo.
Qualidade
A preocupação com a qualidade deriva não só das exigências legais, mas também de uma forma de
garantir o reconhecimento da instituição, bem como dos serviços que presta.
Respeito/Ética
Respeitar a condição e características de todos os que apoiamos e daqueles que connosco
colaboram.
Responsabilidade Social Corporativa
Prática de ações que beneficiam a sociedade e a instituição, otimizando ou criando programas
sociais, que acarretam benefício mútuo entre a instituição e a comunidade, melhorando a qualidade
de vida dos colaboradores e da própria população.
Solidariedade
Acolher com carácter solidário todos os que recorrem aos nossos serviços, respondendo às suas
necessidades e especificidades.
Sustentabilidade
Todas as atividades desenvolvidas têm como finalidade a satisfação total dos utentes, fator
essencial para os reter e garantir a sustentabilidade e equilíbrio financeiro da instituição e das
várias respostas sociais.

2. Caracterização da População Alvo
A população-alvo do CSO, atualmente, são as crianças dos 3 meses aos 10 anos de idade, jovens e
adultos portadores de deficiência e os idosos com 65 ou mais anos de idade, residentes no concelho
de Oliveira do Bairro e cuja situação familiar, social, económica e/ou saúde não permite a
continuação da sua permanência no meio habitual de vida. A Instituição integra, também, utentes
de outros concelhos.

3. Respostas Sociais
Na área da Infância, o CSO tem ao dispor da comunidade as respostas sociais de Creche, desde a
idade de berçário aos três anos de idade, com acordo de cooperação com o Instituto da Segurança
Social (ISS, IP) para 45 crianças; o Pré-Escolar, dos 3 aos 5 anos de idade, com acordo para 66
crianças e o Centro de Atividades de Tempos Livres (CATL), dos 6 aos 10 anos de idade, com
acordo para 35 crianças.

8

Plano de Ação e Orçamento 2016

No âmbito da Terceira Idade, encontram-se em funcionamento as respostas sociais de Estrutura
Residencial para Pessoas Idosas (ERPI), com acordo para 30 utentes, de Centro de Dia, com acordo
para 7 utentes e de Serviço de Apoio Domiciliário, com acordo para 16 utentes.
Na área da Deficiência, a resposta social de Lar Residencial tem acordo para 12 utentes.

4.

Recursos

4.1 – Recursos Humanos
Na área da Infância, a instituição integra 5 Educadores de Infância, 11 Ajudantes de Ação Educativa
e 1 Auxiliares de Serviços Gerais.
Na área da Terceira Idade estão afetas 8 Ajudantes de Ação Direta e 8 Trabalhadores Auxiliares.
Na área da Deficiência, o CSO integra 5 Ajudantes de Ação Direta, 1 animadora sociocultural e 2
Trabalhadores Auxiliares.
Comuns às várias respostas sociais da Instituição existem 1 Diretor Técnico, 2 Assistentes Sociais, 1
Psicólogo, 1 Animador Sociocultural, 1 Diretor Financeiro, 1 Administrativo, 1 Auxiliar de Serviços
Gerais, que executa funções na lavandaria, 2 cozinheiras e 2 ajudantes de cozinheiras.

4.2 – Recursos Físicos
O CSO dispõe de dois edifícios distintos para dar resposta às áreas da Infância, da Deficiência e da
Terceira Idade.
O equipamento que alberga o Infantário é composto por 1 sala de educadoras; 1 dormitório; 1
despensa de arrumações; 1 sala de auxiliares; 5 instalações sanitárias mistas, sendo uma delas
restrita aos colaboradores; 1 cozinha com despensa; 1 refeitório/sala de convívio com palco para
animações; 7 salas afetas às diferentes faixas etárias das várias respostas sociais; 1 parque de
diversões, 1 campo de futebol e 1 jardim. Os vários acessos ao edifício podem ser efetuados por
degraus ou rampas, conforme previsto na legislação em vigor. Na periferia, existe um armazém para
arrumação.
A atual infraestrutura destinada às respostas sociais da Terceira Idade e Deficiência é composta por
1 gabinete administrativo-financeiro; 1 sala de reuniões; 1 gabinete de Direção Técnica; 1 sala de
convívio; 1 sala de atividades; 1 sala de estar; 1 refeitório; 1 cozinha, com copa de sujos; 1
armazém com 4 arrumos para géneros alimentares e produtos de higiene e limpeza; 1 lavandaria; 1
gabinete de SAD; 28 quartos com instalação sanitária; 2 copas; 2 vestiários; 2 gabinetes de
vigilantes; 1 sala de pessoal; 7 instalações sanitárias, três delas para utentes com mobilidade
reduzida; 1 gabinete médico e de enfermagem; 1 casa das máquinas; 1 terraço. Na periferia, existe
ainda uma garagem para arrumação de material diversificado.

9

Plano de Ação e Orçamento 2016

No edifício que antes da abertura do Lar Dr. Fernando Peixinho era destinado às respostas sociais da
Terceira Idade tem, neste momento, 1 gabinete de animação; 1 gabinete de psicologia, com sala de
apoio para arrumação; uma sala destinada à promoção da espiritualidade/religião; um quarto com
roupeiros para arrumação de roupas oferecidas aos utentes da instituição; uma sala de convívio para
os jovens do Lar Residencial e, brevemente, o mesmo edifício será ocupado com a família de
refugiados que iremos acolher na nossa Instituição.

4.

Parcerias Formais e Informais
Entidades
•Instituito da Segurança Social, I.P.
•Câmara Municipal de Oliveira do Bairro
•Junta de Freguesia de Oiã
•Banco Alimentar Contra a Fome
•Ordem dos Psicólogos
•Instituto de Emprego e Formação Profissional

Escolas
•Escola Profissional de Aveiro (AEVA)
•CERCIAG
•Instituto de Promoção Social de Bustos
•Agrupamento de Escolas de Águeda (AEAS)
•Conservatório de Artes e Comunicação Filarmónica União de Oliveira do Bairro
•Baú do Conhecimento - Centro de Explicações

Outras Instituições Particulares de Solidariedade Social
•ABC Bustos
•Centro Ambiente para Todos
•AFA - Associação Fermentelense de Assistência
•AMPER - Associação dos Amigos de Perrães
•O Recanto da Natureza
•Centro de Formação e Cultura da Costa do Valado
•Centro Social e Paroquial de S. Pedro da Palhaça
•Centro Social e Paroquial de S. Pedro de Nariz
•Santa Casa da Misericórdia de Oliveira do Bairro
•SoBustos
•Solsil

Outros
•Mutação
•Maquinasport, Aparelhos de Desporto, S.A.
•OiãClinic
•Clínica Girassol

10

Plano de Ação e Orçamento 2016

Objetivos
Operacionais

Ações

Recursos

Janeiro
Fevereiro
Março
Abril
Maio
Junho
Julho
Agosto
Setembro
Outubro
Novembro
Dezembro

Cronograma

Materiais e/ou Físicos

Financeiros

Humanos

Responsáveis

Centro de Dia e Estrutura Residencial para Pessoas Idosas

Aumentar a
qualificação dos
recursos humanos

Formação:
- Higiene da Pessoa
Idosa em Lares e
Centros de Dia

Recursos materiais
fornecidos pela
entidade formadora;
Recursos Físicos: salão
do CSO.

x x x

- Saúde da Pessoa
Idosa: Prevenção de
Problemas

Elaboração e
aplicação do
Plano de
Atividades de
Desenvolvimento
Pessoal (PADP)

1 formador
Diretora Técnica
Gratuito

Colaboradores
da Terceira
Idade

Entidade Formadora

Diretora Técnica
x x x x x x x x x x x x

Indicados em cada
atividade no PADP

Indicados em
cada atividade no
PADP

Animadora
Sociocultural

Animadora
Sociocultural

Psicóloga
Psicóloga

Aumentar rede
de voluntários

Divulgar à
comunidade a
importância do
voluntariado

Dia Aberto

Um dia, de dois em
dois meses, em que
todas as pessoas
poderão vir conhecer
as instalações e
visitar os nossos
utentes

x

x

x

x

Diversos

Sem custos

Pessoas da
comunidade
Pessoas da
comunidade

x

x

x

x

x

x

Não aplicável

Sem custos

Direção

Equipa Técnica

Direção
Diretora Técnica

Equipa Técnica

11

Plano de Ação e Orçamento 2016

Objetivos
Operacionais

Ações

Recursos

Janeiro
Fevereiro
Março
Abril
Maio
Junho
Julho
Agosto
Setembro
Outubro
Novembro
Dezembro

Cronograma

Materiais e/ou Físicos

Financeiros

Humanos

Responsáveis

Serviço de Apoio Domiciliário
Formação:
Aumentar a
qualificação dos
recursos humanos

Angariação de
fundos para
adquirir uma
nova viatura
adaptada

Diferenciação de
Serviços

- Saúde da pessoa
idosa: cuidados
básicos

x x

x

1 formador
Gratuito

Colaboradores
do SAD

Diretora Técnica/
Assistente Social
Entidade Formadora

Sítio na Internet da
Instituição

Participação em
eventos camarários
(Viva As Associações
e ExpoBairrada)
x x x

x x x

Facebook da
Instituição
Panfletos

Candidatura a novas
campanhas do
Esolidar

Incluir serviço de
Animação, Psicologia
e Pequenos Arranjos
Domésticos.

Recursos materiais
fornecidos pela
entidade formadora;
Recursos Físicos: salão
do CSO.

18.000€ (valor
estimativo da
carrinha)

Colaboradores
do CSO

Diretora Técnica/
Assistente Social
Outros elementos da
equipa técnica

Sítio na Internet da
Esolidar

Recursos materiais
diversos
x x x x x x x x x x x x
Folheto Informativo
do SAD

Investimento
mínimo
necessário para
cumprir o
objetivo

1 animadora
1 psicóloga

Diretora Técnica/
Assistente Social

1 trabalhador
auxiliar

12

Plano de Ação e Orçamento 2016

Objetivos
Operacionais

Ações

Recursos

Janeiro
Fevereiro
Março
Abril
Maio
Junho
Julho
Agosto
Setembro
Outubro
Novembro
Dezembro

Cronograma

Materiais e/ou Físicos

Financeiros

Humanos

Responsáveis

Infância: Creche, Pré-Escolar e CATL
Formação:
Aumentar a
qualificação dos
recursos humanos

- Comportamentos
disfuncionais na
criança

Elaboração e
aplicação do
Plano de
Atividades de
Desenvolvimento
Pessoal (PADP)

Recursos materiais
fornecidos pela
entidade formadora;
Recursos Físicos: salão
do CSO.

x x x

x x x x x x x x x x x x

Indicados em cada
atividade no PADP

Diretora Técnica
1 formador
Gratuito

Colaboradores
da Infância

Entidade Formadora
Diretora Técnica
Investimento
mínimo
necessário para
cumprir o
objetivo

Coordenadora
Pedagógica
Educadoras de
Infância
Animadora
Sociocultural
Utentes

Envolvência da
Família

Comemoração de
diversas datas
festivas

x

x

x

x x

Diversos

Coordenadora
Pedagógica

Investimento
mínimo
necessário para
cumprir o
objetivo

Colaboradores
da Infância
Familiares dos
utentes

Coordenadora
Pedagógica
Educadoras de
Infância
Animadora
Sociocultural
Coordenadora
Pedagógica
Educadoras de
Infância
Animadora
Sociocultural

13

Plano de Ação e Orçamento 2016

Utentes
Fatos de disfarce
Envolvência da
Comunidade

Realização do Desfile
de Carnaval

x

Material de desgaste
Outros

Angariação de
fundos para
adquirir uma
viatura de 9
lugares destinada
aos serviços
desta resposta
social

Participação em
eventos camarários
(Viva As Associações
e ExpoBairrada)

Colaboradores
da Infância
Pessoas da
comunidade

Sítio na Internet da
Instituição
x x x

Candidatura a novas
campanhas do
Esolidar

Investimento
mínimo
necessário para
cumprir o
objetivo

x x x

Facebook da
Instituição
Panfletos

Coordenadora
Pedagógica
Educadoras de
Infância
Animadora
Sociocultural

Direção
18.700€ (valor
estimativo da
carrinha)

Colaboradores
do CSO

Diretora Técnica
Outros elementos da
equipa técnica

Sítio na Internet da
Esolidar

14

Plano de Ação e Orçamento 2016

Objetivos
Operacionais

Ações

Recursos

Janeiro
Fevereiro
Março
Abril
Maio
Junho
Julho
Agosto
Setembro
Outubro
Novembro
Dezembro

Cronograma

Materiais e/ou Físicos

Financeiros

Humanos

Responsáveis

Lar Residencial
Formação:
Aumentar a
qualificação dos
recursos humanos

- Saúde Mental nos
adolescentes e
jovens

Elaboração e
aplicação do
Plano de
Atividades de
Desenvolvimento
Pessoal (PADP)
Angariação de
fundos para
adquirir uma
carrinha de 9
lugares destinada
aos serviços
desta resposta
social
Integração no
mercado de
trabalho de
alguns jovens

x x x

x x x x x x x x x x x x

Participação em
eventos camarários
(Viva As Associações
e ExpoBairrada)

Recursos materiais
fornecidos pela
entidade formadora;
Recursos Físicos: salão
do CSO.

Gratuito

Indicados em cada
atividade no PADP

Investimento
mínimo
necessário para
cumprir o
objetivo

Sítio na Internet e
Facebook da
Instituição
x x x

x x x
Panfletos

Candidatura a novas
campanhas do
Esolidar
Realização de
protocolos com
entidades patronais

1 formador
Colaboradores
do Lar
Residencial

Animadora
Sociocultural

Não aplicável

Entidade Formadora

Diretora Técnica/
Assistente Social
Animadora
Sociocultural

Direção
18.700€ (valor
estimativo da
carrinha)

Colaboradores
do CSO

Diretora Técnica/
Assistente Social
Outros elementos da
equipa técnica

Sítio na Internet da
Esolidar
x x x x x x x x

Diretora Técnica/
Assistente Social

Não aplicável

Diretora
Técnica/
Assistente
Social

Diretora Técnica/
Assistente Social

15

Plano de Ação e Orçamento 2016

Objetivos
Operacionais

Ações

Recursos

Janeiro
Fevereiro
Março
Abril
Maio
Junho
Julho
Agosto
Setembro
Outubro
Novembro
Dezembro

Cronograma

Materiais e/ou Físicos

Financeiros

Humanos

Responsáveis

Outras atividades para a sustentabilidade da Instituição

Angariação de
Fundos

Venda do Calendário
Personalizado para
2016

x x x

Fotografias

Investimento
mínimo
necessário para
cumprir o
objetivo

1 fotógrafo
(Sandra
Ventura)
Utentes
Colaboradores
1 artista

Angariação de
Fundos

Angariação de
géneros
alimentares

Angariação de
Fundos

Concerto Musical

Participação nas
campanhas de
recolha em
supermercados do
Banco Alimentar

XIV Encontro de
Sopas

Espaço físico para um
concerto

x

x

x

x

Não aplicável

Mesas, cadeiras,
louças, géneros
alimentares, materiais
de desgaste,
animação, elementos
decorativos e
publicidade

Investimento
mínimo
necessário para
cumprir o
objetivo

Colaboradores
da Instituição

Animadoras
Psicóloga

Direção
Diretora Técnica

Pessoas da
comunidade
Elementos da
Direção

Não aplicável
Colaboradores
do CSO
Direção
Investimento
mínimo
necessário para
cumprir a
atividade

Educadoras de
Infância

Todos os
colaboradores
Pessoas da
comunidade

Banco Alimentar
Contra a Fome

Direção
Diretora Técnica
Outros colaboradores
selecionados para tal

16

Plano de Ação e Orçamento 2016

Implementação
de uma
metodologia de
gestão orientada
para a qualidade

Continuar com as
metodologias
necessárias para
obter a certificação
das respostas sociais
da Instituição pela
ISO 9001:2015

Empresa DQM
Consultores
x x x x x x x x x x x x

Não aplicável

Orçamentar
Grupo da
Qualidade

Empresa DQM
Consultores

Utentes
Divulgação de
trabalhos e
angariação de
fundos

Aumentar a
qualificação dos
recursos humanos

Criar um espaço no
“Dia Aberto” na
Instituição para a
“Lojinha do Centro
Social de Oiã”

Trabalhos realizados
pelos nossos utentes
x

x

x

Formação:
- Relacionamento
Interpessoal

x

x

x

x

Outros materiais:
molduras, álbuns
fotográficos, velas,
entre outros.
Recursos materiais
fornecidos pela
entidade formadora;
Recursos Físicos: salão
do CSO.

Investimento
mínimo
necessário para
cumprir o
objetivo

2 animadoras
1 coordenadora
pedagógica

Animadoras
Socioculturais
Coordenadora
Pedagógica

Outros
colaboradores
Diretora Técnica
Gratuito

1 formador

Assistente Social
Entidade Formadora

17

Plano de Ação e Orçamento 2016

Orçamento
Conta de Exploração Previsional
Na elaboração da Conta de Exploração previsional tiveram-se em conta os seguintes
pressupostos:
→Os cálculos forma elaborados tendo ema conta os valores realizados entre Janeiro e
Setembro 2015;
→ Uma taxa inflação de 1%;
→O caracter excecional de alguns gastos ocorridos em 2015;
→A atualização da TSU de 21.6% para 22 %, a vigorar a partir de Janeiro de 2016 e a
contratação de três colaboradores;
→ Uma taxa de ocupação de 100 % em todas respostas sociais, de acordo com os protocolos
celebrados com a segurança social;
→ Investimentos:-aquisição 2 carrinhas;- obras de requalificação na infância;-outros
equipamentos de manutenção;
→Aumento das prestações de serviços em 5%;
→Não são expectáveis fontes de financiamento alternativas;
→Certificação sistema da qualidade;

INVESTIMENTOS
RES. SOCIAL

EQUIPAMENTO

VALOR

SAD

CARRINHA

18.700 €

SAD

CARRINHA

18.700 €

INFANCIA

OBRAS REQUL.

10.000 €

ERPI

SUB. CALDEIRAS

10.000 €

CSO

OUTROS EQUI. MAN

10.000 €

CSO

TERRENO

27.500 €

TOTAL

94.900 €

18

Plano de Ação e Orçamento 2016

Proposta de Mapa de Exploração Previsional para 2016
GASTOS

Valor (em Euro)

Gastos Funcionamento
Custo das mercadorias vendidas e das matérias
consumidas
Fornecimentos e serviços externos
Trabalhos Especializados
Publicidade e propaganda
Conservação e reparação
Serviços Bancários
Ferramentas e utensílios de desgaste
Material de escritório

74.134 € Prestações de Serviços
218.123 €
19.631 €
2.181 €
32.718 €
13.087 €
8.725 €
4.362 €
2.181 €

Artigos para Oferta
Outros materiais

436 €

Eletricidade
Combustíveis
Água
Gás
Deslocações e estadas
Comunicação
Seguros
Contencioso e notariado
Limpeza, Higiene e conforto
Outros serviços
Gastos com o pessoal
Remunerações
Encargos com remunerações
Seguros Acidentes de Trabalho
Outros gastos e perdas
Gastos/reversões de depreciação e de amortização
Imparidade de investimentos

30.537 €
4.362 €
6.544 €
19.631 €
218 €
4.362 €
6.544 €
2.181 €
32.718 €
27.702 €
576.450 €
468.177 €
103.705 €
4.568 €
2.228 €
127.562 €

Juros e gastos similares suportados

Total

Valor (em Euro)

Rendimento Funcionamento

Material didático

Resultado líquido do período

RENDIMENTOS

Creche
Pré-escolar
CATL
Estrutura Residencial p/Idosos
Centro de dia
Lar Residencial
Serviço Apoio ao Domicilio
Subsidio à exploração ISS - Centro
Distrital
Creche
Pré-escolar
CATL
Estrutura Residencial p/idosos
Centro de dia
Lar Residencial
Serviço Apoio ao Domicilio
IEFP E Autarquia
Outros Rendimentos e Ganhos
Donativos
Quotas
Cantina social
Festas
Outros rendimentos específicos

383.695 €
51.603 €
61.516 €
19.602 €
188.641 €
29.377 €
18.441€
14.515 €
522.952 €
81.198 €
93.685 €
9.161 €
126.144 €
8.991 €
139.755 €
47.320 €
16.676 €
101.119 €
8.647 €
3.471 €
32.125 €
12.927 €
43.950 €

14.019 €
-

2.522 €

1.010.288 €

Total

1.007.766 €

19

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful