Você está na página 1de 1

O INSTRUMENTO CARÍCIAS DA ANÁLISE TRANSACIONAL - APRESENTAÇÃO

NOELIZA LIMA

Strokes, carícias, toques, são sinais de reconhecimento, dirigidos as pessoas que nos
circundam. Estão incluídas nas Necessidades Básicas do Ser (Grupo Delphos, 1082), em
seu processo de sobrevivência física e emocional. Importante de ser entendida e aplicada,
para que a gente esteja vivo e com saúde. São condicionais (elogios, toques físicos,
simbólicos com os quais premiamos as pessoas quando se comportam bem, ou quando
têm algo legal ) - referem-se a fazer e ter - importantes na educação). Neste caso, podem
ser positivas e negativas, dependendo de - estimular a pessoa a sentir-se bem, ou pode ser
negativa: estimular a pessoa a sentir-se mal. Exemplo: a cadeia é uma forma de punir
quem praticou ato ilícito e crime. Carícia condicional negativa, embora legalmente
correta. Dar 'tapinhas' na cabeça de crianças e adolescentes geralmente é tido como
brincadeira amigável. É uma carícia condicional se relacionada a algum comportamento
ou ganho. Na nossa cultura é considerada positiva, entretanto é negativa.
Um carinho para mostrar afeto e orgulho é sempre melhor, e positivo.
Incondicionais: são as carícias dadas simplesmente pelo fato da pessoa existir. Também
podem ser gestuais, verbais, simbólicas, entretanto não podem estar vinculadas a nenhum
atributo da pessoa. Exemplo: 'Adoro você!' Um abraço, o Olá, um olhar para a pessoa
quandos e conversa, são incondicionais. Existem olhares, cumprimentos e palavras que
machucam, e neste sentido são consideradas negativas. Como 'Odeio você', um olhar
maldoso dirigido a alguém, um tapa - é negativo, porque convida pessoas a se sentirem
mal. Exceção: o tapa do obstetra que leva a vida, e os toques médicos que auxiliam a
pessoa.

Exemplo: Incluem-se aqui como negativas condicionais e/ou incondicionais observações


de conteúdo discriminatório, tipo 'olhares de desdém para pessoas excluídas socialmente'.
A carícia incondicional é aquela que soa para quem a recebe como uma permissão para
viver. A carícia condicional ensina a quem a recebe ' como inserir-se na cultura.'. São
ambas importantes. Podem convidar alguém a ser um perdedor, como pode convidar uma
pessoa a vencer e ser feliz.

Dedicou-se neste texto mais a caricias gestuais, devido ao fato de que o ser humano
presta atenção muito mais ao simbólico e não verbal, do que a verbalizações. Todo o
mundo parece que se lembra do primeiro tapa, mas as vezes não se recorda de carinho
físico, ou palavras de amor. Faz parte de nosso sistema de percepção e elaboração
emocional.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

BERNE, E. O Que Você diz Depois de Dizer Olá, São Paulo, Nobel, Trad. Rosa Krausz, 1988
KERTÉSZ. R. ,INDUNI G. Manual de Análisis Transaccional,Buenos Aires, ed. Conantal, 3ª. Ed.
GRUPO DELPHOS, Grupo de Sophia R. C. Caracushansky, escritos pertencentes ao grupo. 1982.

NOTAS
1. Não se entra aqui no mérito de preferências sexuais em relação a carícias íntimas, não é o objetivo.
2. A autora é psicoterapeuta, MS degree em psicologia (PUC-Campinas), analista transacional didata, instrutora de
psicologia em educação virtual a distância, e palestrante.
http:/br.geocities.com/analisetransacional/menu