Você está na página 1de 3

1

WISC - ESCALA DE INTELIGÊNCIA PARA CRIANÇAS DE WECHSLER

WISC – R → versão revista que varia da WISC apenas a nível da análise quantitativa

WISC III → nova revisão, com actualização de alguns itens, acréscimo de 1 prova na

sub-escala de realização e de 4 índices.

É uma Escala utilizada no estudo global da organização cognitiva da criança.

Compara a eficiência intelectual verbal e não verbal através de duas sub- escalas: Verbal e de Realização.

Permite determinar:

1. Q.I. t → Quociente de Inteligência Total

2. Q.I. v → Quociente de Inteligência Verbal (resultado da sub-escala

verbal)

3. Q.I. r → Quociente de Inteligência de Realização (resultado da sub-

escala de realização)

Provas da Sub-Escala Verbal:

1. Informação

2. Semelhanças

3. Aritmética

4. Vocabulário

5. Compreensão

6. Memória de D ígitos *

Provas da Sub-Escala de Realização:

1. Lacunas / Completamento de Imagens

2. Sequências / Ordenamento de Histórias

3. Cubos

4. Reconstituição de Objectos / Puzzles

5. Código

6. Labirintos *

* Prova complementar que serve para substituir alguma das provas verbais em caso de ter havido alguma interferência durante a aplicação.

2

Esta Escala permite o estudo dos resultados a 2 níveis:

Inter-Individual comparação dos resultados dos Q.I., e também de cada

prova, obtidos pela criança e os resultados de crianças do mesmo grupo etário.

Intra-Individual comparação dos resultados obtidos pela criança nas várias

provas.

As regras de aplicação deverão ser consultadas no Manual, no entanto, a folha de

protocolo dá indicações do item que se deve começar a aplicar em função da idade e de quando terminar. Há diferenças de prova para prova.

Pontuação:

Há provas que se pontuam 0 ou 1; outras 0, 1 ou 2; e outras têm bonificação em função do tempo de execução.

A soma dos pontos conseguidos pela criança em cada item, de cada prova, dá- nos uma nota bruta. Através de tabelas correspondentes à idade da criança, a nota bruta é transformada em nota ponderada.

A soma das notas ponderadas de cada Sub-Escala vai dar um valor cuja

correspondência será encontrada na Tabela dos Q.I.v e Q.I.r

O valor encontrado no somatório das notas ponderadas das duas Sub-Escalas vai corresponder, na tabela do Q.I.t, ao ao Q.I.t da criança.

Interpretação Com os valores dos 3 Q.I. podemos fazer a análise inter-individual, ou seja,

comparar a criança em estudo com as crianças do seu grupo etário, tendo em conta que o valor médio dos Q.I. é 100, e utilizando a tabela:

 

Q.I.

Classificação

130

ou mais

Muito Superior

120

129

Superior

110

119

Médio Alto

90

109

Médio

80

89

Médio Baixo

70

79

Baixo

69

ou menos

Muito Baixo (Deficiente)

3

Nota: O valor médio da nota ponderada de cada prova é igual a 10.

Análise Intra-individual

Para se saber como é que as competências, verbais e de realização, se afastam da

média global do sujeito, determina-se a diferença entre os Q.I. das duas sub-escalas

Se a diferença for superior ou igual a 12 pontos, o sujeito tem um raciocínio

heterogéneo. Neste caso, o Q.I. total é pouco fiável.

Se a diferença for inferior a 12 pontos, o sujeito tem um raciocínio homogéneo e o

Q.I. total é fiável.

Para aceder ao perfil do sujeito, ou seja, aos seus pontos fortes e frágeis, recorremos ao Método dos sinais, transformando os valores das provas em sinais através de

scatters.

Se o raciocínio for homogéneo faz-se uma análise conjunta, determinando-se a média

total das notas ponderadas de todas as provas e faz -se só 1 scatter. A esta média

soma-se sucessivamente 1,5; 2,5 e 3 ; e subtrai-se -1,5; -2,5 e -3. Aos valores somados vão corresponder os sinais +, ++ e +++; aos valores subtraídos correspondem os sinais - ; - - ; e - - -

A média assumirá o valor 0

Se o raciocínio for heterogéneo o procedimento é idêntico mas a análise de cada sub-

escala é independente. Determina-se a média de cada uma das sub-escalas separadamente, ou seja fazem-se 2 scatter.

Exemplo:

Média = 9

 

6

6,5

7,5

9

10,5

11,5

12

- - -

- -

-

+

+ +

+ + +

 

0