Você está na página 1de 15

‘Instituto Federal Sul-Rio-Grandense

Curso Técnico de Eletrônica


Disciplina de Eletrônica Geral IV

Modulação

1. Introdução

O problema fundamental em comunicação é a transmissão da


informação de um ponto para outro. A informação é transmitida usando-se um
meio de propagação que pode ser a atmosfera (rádio, televisão, satélite) ou
linha física (telefonia).
Os sinais de informação não podem ser enviados diretamente através
dos canais de transmissão por serem sinais de baixa frequência que não
conseguem produzir ondas eletromagnéticas propagáveis, desta forma, utiliza-
se a modulação.
A Modulação permite casar o sinal a ser transmitido com o meio de
transmissão. Este casamento envolve, dentre outras, as seguintes
considerações:

- Facilidade de Irradiação
Para se ter irradiação eletromagnética eficiente, os elementos irradiantes
(antenas) devem possuir um comprimento aproximadamente igual ao do
comprimento de onda do sinal a ser transmitido.
Os comprimentos das antenas eficientes geralmente são:
L=λ/2 para antena dipolo de meia onda ou L=λ/4 para antena monopolo
de quarto de onda.
Onde L é o comprimento da antena e λ é o comprimento de onda.

Para se projetar uma boa antena operando com uma corrente de


frequência igual a 60 Hz (frequência da rede elétrica) o seu tamanho deveria
ser:
c
Lembrando do cálculo de comprimento de onda: 𝜆=
f
Onde λ = comprimento da onda;
c = velocidade de propagação da onda eletromagnética no vácuo (300.000 km/s);
f = frequência de sinal a ser transmitido;

3.108 m/s
𝜆=
60 Hz
λ = 5.000 km;

L = λ /2 ou L = 5.000/2 = 2500 km!


A antena deveria ter um comprimento de 2.500 quilômetros!
Uma antena deste tamanho é inviável. Por isso, os sistemas de rádio
utilizam frequências muito elevadas. Quanto maior a frequência, menor será o
comprimento de onda e menor será o tamanho da antena.
As antenas de rádio AM são bem grandes. Geralmente, utiliza-se como
antena uma torre metálica. A própria torre é a antena. Devido ao grande
tamanho e também à elevada potência das rádios AM as antenas são
instaladas em locais afastados.
Sabemos que as ondas eletromagnéticas percorrem o espaço livre na
velocidade da luz (300.000 km/s), porém, num fio, numa antena, a velocidade
não é a mesma, tem-se uma queda, devido à resistência desses metais, por
exemplo: a velocidade de propagação num fio, numa antena, cai para
aproximadamente 285.000km/s, dependendo do tipo de metal, alumínio, cobre,
ouro...
Os cálculos em um metal, devido a sua resistência, ficam na ordem de
285.000km/s (onda completa) e meia onda está na ordem de 142.500km/s
devido a sua resistência e condutividade elétrica neste metal.
Qualquer antena tem seu ponto de ressonância único.
Exemplo:
Para cálculo de uma antena para a banda de 600 kHz (frequência da
Radio Gaúcha)…
c
Lembrando que: 𝐿 = 𝜆 = f1
285.000 𝑘𝑚/𝑠
𝐿= = 475𝑚, no ponto de ressonância em onda completa.
600 𝑘𝐻𝑧

Para meia onda:


142.500 𝑘𝑚/𝑠
𝐿= = 237,5𝑚 de altura.
600 𝑘𝐻𝑧

1986 – É construída a maior torre radiofônica do Brasil, com 230 metros


de altura. Monta-se um parque avançado, com equipamentos de alta
tecnologia. (Rádio Gaúcha)

- Designação de Frequência
Permite a seleção, dentro de um sistema de comunicação, de diferentes
estações operando em uma mesma área.
Isto só é possível porque cada estação possui uma frequência a ela
associada, e se não fosse pela modulação, duas ou mais estações não
poderiam transmitir, dentro de determinada área, no mesmo meio, sem causar
uma mistura irreconhecível dos sinais transmitidos.

2. Definição

Na modulação, o sinal de informação (baixa frequência) é chamado de


sinal modulante e o sinal de alta freqüência, cujas propriedades são mais
convenientes aos meios de transmissão, é chamado de portadora (é a que vai
carregar/portar o sinal de áudio). O resultado da combinação destes dois sinais
é denominado de sinal modulado. Dessa forma, podemos expor algumas
definições para o termo modulação.

 Modulação é a variação de um parâmetro de uma onda portadora


senoidal, de maneira linearmente proporcional ao valor instantâneo do
sinal modulante ou informação.
 Modulação é a alteração sistemática de uma onda portadora de acordo
com o sinal modulante (mensagem), tornando-a conveniente para um
determinado meio de transmissão.
 Modulação em AM é o processo onde o sinal modulante interfere
exclusiva e diretamente na amplitude de uma onda portadora.
Sinal Modulante
Modulador Sinal Modulado
Portadora

Modulação é o processo pelo qual se imprime uma informação em uma


portadora, pela variação de um de seus parâmetros (amplitude, frequência ou
fase).

3. Tipos de Modulação

- Modulação Analógica
Também classificada como modulação de onda contínua, na qual a
portadora é uma onda senoidal e o sinal modulante é um sinal analógico
contínuo. As técnicas de modulação para sinais analógicos mais utilizadas são:
Modulação em Amplitude = AM
Modulação Angular: Em fase = PM
Em frequência = FM

4. Modulação em amplitude – AM

A amplitude da Portadora num sistema de transmissão AM é modificada


pelo sinal modulante (áudio). A modulação em amplitude pode ser feita de
diversas formas, entre as quais:
 AM – DSB = modulação em amplitude com banda lateral dupla.
 AM – DSB/SC = modulação em amplitude com banda lateral dupla e
Portadora suprimida.
 AM – SSB = modulação em amplitude com banda lateral simples.
𝑣𝑝 (𝑡) = 𝑉𝑝 cos(𝑊𝑝 𝑡)

𝑣𝑚 (𝑡) = 𝑉𝑚 cos(𝑊𝑚 𝑡)

𝑣(𝑡) = [𝑉𝑝 + 𝑣𝑚 (𝑡)]. 𝑐𝑜𝑠(𝑊𝑝 𝑡)

4.1 AM-DSB (Double Side Band)

É o sistema mais utilizado em radiodifusão comercial devido a sua


simplicidade, economia e facilidade de manutenção. Double Side Band pode
ser traduzido como Banda lateral dupla. Observa-se este comportamento na
figura abaixo, onde existe a presença da onda portadora acompanhada por
dois sinais laterais.

Sendo o sinal modulado um sinal senoidal, a amplitude do mesmo é


dada por:
𝑣(𝑡) = [𝑉𝑝 + 𝑣𝑚 (𝑡)]. 𝑐𝑜𝑠(𝑊𝑝 𝑡)

𝑣(𝑡) = [𝑉𝑝 + 𝑉𝑚 cos(𝑊𝑚 𝑡)] . cos(𝑊𝑝 𝑡)

𝑉𝑚
𝑣(𝑡) = 𝑉𝑝 [1 + cos(𝑊𝑚 𝑡)] . cos(𝑊𝑝 𝑡)
𝑉𝑝

A qualidade da modulação realizada é determinada pela relação


existente as amplitudes máximas da portadora e do sinal modulante, sendo
essa relação denominada índice de modulação (m).
𝑉𝑚
𝒎= 𝑉𝑝

4.2 Graus de modulação

É dado pelo índice m. A modulação pode variar até 1 sem apresentar


distorção do sinal. Porém, se for inferior a 1, teremos uma modulação
incompleta. Caso o índice de modulação ultrapasse 1 (Vm > Vp), resulta em
uma distorção e perda de sinal.

a) Submodulação: m < 1 (Modulação menor que 100%)

Significa que o sinal está confinado à envoltória, isto é, a portadora é


submodulada (poderia haver mais distância de tensão entre os picos máximos
e mínimos, melhorando a modulação), conforme mostra a figura.

Exemplo: Seja m=0,5;

Os picos máximos e mínimos da envoltória são:


𝑉𝑚á𝑥 = 𝑉𝑝 + 𝑉𝑚  𝑉𝑚 = 𝑉𝑚á𝑥 − 𝑉𝑝
𝑉𝑚í𝑛 = 𝑉𝑝 − 𝑉𝑚  𝑉𝑚 = 𝑉𝑝 − 𝑉𝑚í𝑛
𝑉𝑚
Lembrando que 𝑚 = 𝑉𝑝
, teremos
𝑉𝑚á𝑥 −𝑉𝑝 𝑉𝑝 −𝑉𝑚í𝑛
𝑚=( ) e 𝑚=( ),
𝑉𝑝 𝑉𝑝

logo, neste exemplo, teríamos e seguinte resultado

𝑉𝑚á𝑥 = 1,5 𝑉𝑝
𝑉𝑚í𝑛 = 0,5 𝑉𝑝
b) Portadora completamente modulada: m = 1 (Mod. igual a 100%)

É quando temos, então, a saída modulada na sua extensão máxima,


considerando o ponto de otimização do sinal.

𝑉𝑚á𝑥 −𝑉𝑝 𝑉𝑚á𝑥 −𝑉𝑝


𝑚=( )  1=( )  𝑽𝒎á𝒙 = 𝟐𝑽𝒑
𝑉𝑝 𝑉𝑝

𝑉𝑝 −𝑉𝑚í𝑛 𝑉𝑝 −𝑉𝑚í𝑛
𝑚=( )  1=( )  𝑽𝒎í𝒏 = 𝟎𝑽𝒑
𝑉𝑝 𝑉𝑝

c) Sobremodulação: m > 1 (Modulação maior que 100%)

Significa que a envoltória corta o eixo dos tempos, isto é, a portadora


está sobremodulada (modulada além da conta), caracterizando brancos ou
zeros na onda modulada.

Exemplo: Seja m=1,5

𝑉𝑚á𝑥 −𝑉𝑝
1,5 = ( )  𝑽𝒎á𝒙 = 𝟐, 𝟓𝑽𝒑
𝑉𝑝
𝑉𝑝 −𝑉𝑚í𝑛
1,5 = ( )  𝑽𝒎í𝒏 = −𝟎, 𝟓𝑽𝒑
𝑉𝑝
4.3 Componentes da Onda Modulada em Amplitude

Lembrando que a amplitude do sinal modulado é dada por:


𝑉𝑚
𝑣(𝑡) = 𝑉𝑝 [1 + cos(𝑊𝑚 𝑡)] . cos(𝑊𝑝 𝑡)
𝑉𝑝

E sabendo que m é dado por m=Vm/VP, logo

𝑣(𝑡) = 𝑉𝑝 [1 + 𝑚 cos(𝑊𝑚 𝑡)]. cos(𝑊𝑝 𝑡)

𝑣(𝑡) = 𝑉𝑝 cos(𝑊𝑝 𝑡) + 𝑉𝑝 𝑚 cos(𝑊𝑚 𝑡) . cos(𝑊𝑝 𝑡)

Buscando da trigonometria:

1 1
cos 𝑎. cos 𝑏 = cos(𝑏 − 𝑎) + cos(𝑏 + 𝑎)
2 2
1 1
𝑣(𝑡) = 𝑉𝑝 cos(𝑊𝑝 𝑡) + 𝑉𝑝 𝑚 [ cos(𝑊𝑝 𝑡 − 𝑊𝑚 𝑡) + cos(𝑊𝑝 𝑡 + 𝑊𝑚 𝑡)]
2 2
𝑚𝑉𝑝 𝑚𝑉𝑝
𝑒(𝑡) = 𝑉𝑝 cos(𝑊𝑝 𝑡) + 2
cos 2𝜋𝑡(𝑓𝑝 − 𝑓𝑚 ) + 2
cos 2𝜋𝑡(𝑓𝑝 + 𝑓𝑚 )

Portadora Freqüência Lateral Freqüência Lateral


a Inferior Superior

Por esta equação verifica-se que a onda modulada em amplitude possui 3


componentes:

 A 1ª na freqüência da Portadora (𝑓𝑝 )


 A 2ª na freqüência Lateral Inferior (𝑓𝑝 − 𝑓𝑚 )
 A 3ª na freqüência Lateral Superior (𝑓𝑝 + 𝑓𝑚 )

Espectro de Freqüências do sinal


4.4 Distribuição de Potência na Modulação em Amplitude

A amplitude relativa dos componentes de frequências laterais depende


do índice de modulação, conforme demonstrado na equação anterior
𝑚𝑉𝑝
( ). Sendo a Potência proporcional ao quadrado da tensão
2

(𝑃 = 𝑉 2 /𝑅), temos:
𝑚𝑉𝑝 2 𝑚2 𝑉𝑝2
( ) =
2 4

Cada banda lateral tem um conteúdo de potência igual a 𝑚2 𝑃𝑝 /4. Assim,


a Potência Total do sinal transmitido será:

𝑚2 𝑃𝑝 𝑚2 𝑃𝑝
𝑃𝑇 = + 𝑃𝑝 +
4 4

2𝑚2 𝑃𝑝
𝑃𝑇 = + 𝑃𝑝
4

𝑚2
𝑃𝑇 = 𝑃𝑝 (1 + )
2
Observações:
1. A potência associada à portadora, após a modulação, independe do
índice de modulação.
2. As potências associadas às bandas laterais são iguais e dependem do
índice de modulação.
Fazendo-se uma análise numérica da distribuição de potência sob
condições ótimas, isto é, o índice de modulação igual a 1 (m=1) temos:

𝑚2
Pt = Pp (1 + )
2

12 3
Pt = Pp (1 + ) → Pt = Pp
2 2

𝟐
𝐏𝐩 = 𝐏
𝟑 𝐭

Desta forma, vemos que 2/3 da potência total transmitida estão


localizados na frequência da portadora, e apenas 1/3 desta potência se
encontra nas bandas laterais. Nenhuma informação está contida na frequência
portadora e sim, nas bandas laterais inferior e superior, que contêm informação
idêntica.

4.5 AM_DSB/SC

Observa-se no espectro de frequência apresentado na modulação AM-


DSB que a maior parte da potência é gasta na transmissão da portadora,
porém nenhuma informação esta contida nesta portadora.

Assim, a modulação AM-DSB/SC surgiu como uma tentativa de


economizar a potência utilizada pela portadora, fazendo-se a supressão desta
portadora, de tal forma que a potência do sinal modulado seja destinada as
bandas laterais.

𝑣(𝑡) = 𝐾𝑣𝑚 (𝑡). 𝑣𝑝 (𝑡)  sinal modulado AM-DSB/SC, onde K é a


constante do circuito modulador. Como

𝑣𝑝 (𝑡) = 𝑉𝑝 cos(𝑊𝑝 𝑡)

𝑣𝑚 (𝑡) = 𝑉𝑚 cos(𝑊𝑚 𝑡)

Substituindo em e(t):

𝑣(𝑡) = 𝐾. 𝑉𝑚 cos(𝑊𝑚 𝑡) . 𝑉𝑝 cos(𝑊𝑝 𝑡)

𝑣(𝑡) = 𝐾. 𝑉𝑚 . 𝑉𝑝 . cos(𝑊𝑚 𝑡) . cos(𝑊𝑝 𝑡)

1 1
Novamente, da trigonometria: cos 𝑎. cos 𝑏 = 2 cos(𝑏 − 𝑎) + 2 cos(𝑏 + 𝑎)

𝐾.𝑉𝑚 .𝑉𝑝 𝐾.𝑉𝑚 .𝑉𝑝


𝑣(𝑡) = . cos 2𝜋𝑡(𝑓𝑝 − 𝑓𝑚 ) + . cos 2𝜋𝑡(𝑓𝑝 + 𝑓𝑚 )
2 2

Banda Lateral Banda Lateral


Inferior Superior
Espectro de Freqüência do sinal AM-DSB/SC

Toda a potência contida no sinal modulado pertence as bandas laterais


que contem a informação. O rendimento da transmissão é de 100% com a
potência dividida entre as duas bandas laterais.

4.6 AM-SSB

Neste tipo de modulação somente é transmitido uma banda lateral,


deixando de fora a outra banda lateral e a portadora. Este sistema aproveita ao
máximo da potência na transmissão e ocupa uma banda estreita no espectro
de frequência.

Estudos realizados pela BELL Telephone CO. revelaram que a voz


humana tem um grau de inteligibilidade superior a 99% se sua faixa de
frequência estiver compreendida entre 300 Hz e 4 kHz. Desta forma, o sinal a
ser modulado pode ocupar o seguinte espaço no espectro de frequência.

em

0,3 4 F(KHz)

Se modularmos este sinal, teremos o seguinte espectro de frequências.

600
Hz

fp - 4 fp - 0,3 fp fP + 0,3 fp + 4
A partir deste sinal, podemos suprimir a banda lateral inferior (lower side
band) para gerar o sinal AM-SSB/USB (uper side band) ou suprimir a banda
lateral superior para gerar o sinal AM-SSB/LSB (lower side band).

A supressão da banda lateral desejada deve ser feita de forma bastante


criteriosa, utilizando um dos seguintes métodos: por filtragem, por fase ou por
segmentação de espectro.

O método por filtragem é bastante utilizado para supressão das bandas


laterais e emprega filtro mecânico que possui um alto fator de qualidade,
bastante próximo da unidade, alem de atuar dentro de um intervalo de 600 Hz
que é a faixa necessária para a separação das duas bandas laterais.

5. Moduladores AM-DSB

São dispositivos que permitem a geração de um sinal AM-DSB a partir


de um sinal de informação (sinal modulante) e de uma portadora. A figura
abaixo apresenta o diagrama em blocos de um transmissor AM-DSB.

5.1 Transmissor AM-DSB

Pré-Amplificador Amplificador de
de Áudio Potência áudio

Oscilador de RF Amplificador de Modulador Amplificador de


RF AM-DSB Potência

Pré-Amplificador de áudio  Eleva o nível do sinal de áudio vindo do


microfone, de forma que ele atinja um nível suficiente para excitar o
amplificador de potência de áudio.
Amplificador de potência de áudio  Eleva o nível do sinal de áudio
modulante a fim de torná-lo compatível com o nível de entrada do circuito
modulador.
Oscilador de RF  tem por finalidade gerar um sinal senoidal de alta
frequência e pequena amplitude; (PORTADORA)
Amplificador de RF  eleva o sinal da portadora a fim de torná-lo
adequado a modulação;
Modulador AM-DSB  recebe a portadora de RF e o sinal modulante do
amplificador de áudio, gerando o sinal modulado;
Amplificador de potência de RF  determina a potência de transmissão
do sinal modulado. Como o sinal de áudio está contido nas bandas laterais,
devemos procurar um índice de modulação o mais próximo possível de 1.
NOTA: todos os circuitos deverão estar sintonizados na frequência da
portadora.

6. Demoduladores AM-DSB

Demoduladores é o processo que nos permite reverter a modulação. É


também chamado de detecção por envolver dispositivos eletrônicos
encarregados de detectar a portadora modulada, e dela extrair o sinal
modulante. Este processo pode ser realizado recuperando-se, através de
filtragem, a envoltória do sinal. Exemplo: Detector de envoltória.
Neste circuito o diodo detector faz o papel da chave síncrona e o circuito
RC colocado a seguir faz o papel do filtro, realizando a conformação dos picos,
resultando numa aproximação bastante satisfatória do sinal modulante original.
8. Receptor AM-DSB ( RECEPTOR SUPER-HETERODINO)

Amplif. de
Áudio

Seletor e
Misturador Seletor de Detector
Amplif. de RF
Amplif. de F.I.

Oscilador C.A.G.
Local

 Seletor e amplificador de RF – Amplificador sintonizado com largura de


faixa de aproximadamente 10 kHz, cuja função é selecionar uma estação,
rejeitar as outras e elevar o nível do sinal que chega da antena. Contém na
entrada circuitos de sintonia acoplados ao oscilador local.

 Oscilador Local – gera uma onda senoidal de alta frequência para o


processo de conversão de freqüência. Sua frequência é ajustada para cada
estação, através de um acoplamento mecânico entre a bobina do oscilador e
o capacitor de sintonia do amplificador RF.

 Misturador – composto por um elemento não linear com a função de


misturar o sinal gerado pelo oscilador com o de entrada e convertê-lo para
uma frequência intermediária (FI) entre estes dois sinais.

 Seletor e amplificador de FI – constituído por dois amplificadores


transistorizados sintonizados em 455 kHz, com uma banda passante de
aproximadamente 10 kHz, cuja função é aumentar a seletividade do receptor
e proporcionar um ganho elevado ao sinal que sai do misturador.

 Detector – é um detector de envoltória com melhor filtragem da


portadora e fornecimento da tensão de saída compatível para atuação do
C.A.G., cuja função é recuperar o sinal modulante.

 Controle automático de ganho (CAG) – serve para manter o nível do


sinal na saída do receptor, aproximadamente igual para as várias estações.
O que se quer solucionar com o uso do CAG é o inconveniente causado pela
não uniformidade das potências colocadas no ar, pelas emissoras e pela
localização das mesmas, em relação aos receptores não ser equidistantes.
Isso significa que, por se estar mais próximo de uma emissora, ou por ela
transmitir seus sinais com potências mais elevadas, se está sujeito a captar
sinais que venham a saturar os amplificadores de FI. O c.a.g. age fazendo
com que quanto maior for o sinal demodulado, maior seja a atenuação
imposta pela etapa de FI, até que o sinal demodulado não sofra atenuações
sensíveis de amplitude ou distorção de uma emissora para outra.

 Amplificador de áudio – aumenta o nível do sinal demodulado e a sua


adequação ao gosto do ouvinte que utiliza o receptor.

Você também pode gostar