Você está na página 1de 28
DISCIPLINA Análise Real Números reais Autores André Gustavo Campos Pereira Viviane Simioli Medeiros Campos Material
DISCIPLINA
DISCIPLINA

Análise Real

Números reais

Autores

André Gustavo Campos Pereira

Viviane Simioli Medeiros Campos

Gustavo Campos Pereira Viviane Simioli Medeiros Campos Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data: Nome: / /
Gustavo Campos Pereira Viviane Simioli Medeiros Campos Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data: Nome: / /
Gustavo Campos Pereira Viviane Simioli Medeiros Campos Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data: Nome: / /

Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data:

Nome:

/ /

aula

03

Governo Federal

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva

Ministro da Educação Fernando Haddad

Secretário de Educação a Distância – SEED Carlos Eduardo Bielschowsky

a Distância – SEED Carlos Eduardo Bielschowsky Reitor José Ivonildo do Rêgo Vice-Reitora Ângela Maria

Reitor José Ivonildo do Rêgo

Vice-Reitora Ângela Maria Paiva Cruz

Secretária de Educação a Distância Vera Lucia do Amaral

Secretaria de Educação a Distância – SEDIS

Coordenadora da Produção dos Materiais Vera Lucia do Amaral

Coordenador de Edição Ary Sergio Braga Olinisky

Projeto Gráfico

Ivana Lima

Revisora de Estrutura e Linguagem

Thalyta Mabel Nobre Barbosa

Arte e Ilustração

Adauto Harley

Carolina Costa

Heinkel Hugenin

Leonardo Feitoza

Diagramadores

Joacy Guilherme de A. F. Filho

José Antonio Bezerra Junior

Adaptação para Módulo Matemático

Revisoras Tipográficas

Joacy Guilherme de A. F. Filho

Adriana Rodrigues Gomes

Margareth Pereira Dias

Nouraide Queiroz

Divisão de Serviços Técnicos

Catalogação da publicação na Fonte. UFRN/Biblioteca Central “Zila Mamede”

Pereira, André Gustavo Campos.

Análise real / André Gustavo Campos Pereira, Viviane Simiolli de Medeiros Campos. – Natal, RN: EDUFRN, 2009.

196 p.

ISBN:

Conteúdo: Aula 01 – Revisando a linguagem matemática e o conceito de funções; Aula 02 – Conjuntos finitos e enumeráveis; Aula 03 – Números reais; Aula 04 – Sequências de números reais; Aula 05 – Desigualdades, operações com sequências e limites infinitos; Aula 06 – Séries numéricas; Aula 07 – Limite de funções; Aula 08 – Funções contínuas; Aula 09 – Funções deriváveis; Aula 10 – Máximos e mínimos.

1. Análise matemática. 2. Enumerabilidade. 3. Limite. 4. Continuidade. 5. Derivadas. I. Campos, Viviane Simiolli de Medeiros. II. Título.

 

CDD 515

RN/UF/BCZM

2009/66

CDU 517

Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste material pode ser utilizada ou reproduzida sem a autorização expressa da UFRN - Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

VERSÃO DO PROFESSOR

Apresentação

N a aula 02 - Conjuntos Finitos e Enumeráveis estudamos várias propriedades dos

, e , por exemplo, que eles são infinitos e enumeráveis. Nesta aula

conjuntos

eles são infinitos e enumeráveis. Nesta aula conjuntos iremos estudar o conjunto dos números reais .
eles são infinitos e enumeráveis. Nesta aula conjuntos iremos estudar o conjunto dos números reais .

iremos estudar o conjunto dos números reais . Vamos entender o que significa

ser um corpo ordenado completo. Será que , e também são corpos ordenados completos? E é infinito e enumerável? Resumindo, qual a diferença e qual a relação entre

esses conjuntos?

qual a diferença e qual a relação entre esses conjuntos? Objetivos Esperamos que ao final desta
qual a diferença e qual a relação entre esses conjuntos? Objetivos Esperamos que ao final desta
qual a diferença e qual a relação entre esses conjuntos? Objetivos Esperamos que ao final desta

Objetivos

Esperamos que ao final desta aula você seja capaz de argumentar o que significa ser um corpo ser ordenado completo. Saiba demonstrar e aplicar al- gumas propriedades dos números reais bem como

e aplicar al- gumas propriedades dos números reais bem como Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data:
e aplicar al- gumas propriedades dos números reais bem como Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data:

Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data:

/

/

Nome:

Aula 03

Análise Real

1
1
Definições e operações No conjunto dos números reais, que indicaremos por ações: estão definidas duas

Definições e operações

No conjunto dos números reais, que indicaremos por ações:

No conjunto dos números reais, que indicaremos por ações: estão definidas duas oper- 1. Adição: Que

estão definidas duas oper-

1.

Adição: Que a cada par de elementos x, y

faz corresponder x + y ∈

faz corresponder x + y

.
.

2.

Multiplicação: Que a cada par de elementos x, y

faz corresponder x.y ∈

faz corresponder x.y

E

estas operações definidas em

satisfaçam aos seguintes axiomas:

satisfaçam aos seguintes axiomas:

 
.
.

Associatividade: Para quaisquer x, y, z

tem-se:  . Associatividade: Para quaisquer x, y, z ∈ ( x + y ) + z

(x + y) + z = x + (y + z)

e

(xy)z = x(yz);

Elementos neutros: Existem em

z ) e ( xy ) z = x ( yz ); Elementos neutros: Existem em

dois elementos distintos 0 e 1 tais que:

x +0=

x

e

x.1 = x;

Comutatividade: Para quaisquer x, y

Comutatividade: Para quaisquer x, y ∈ , tem-se:

, tem-se:

x + y = y + x

e

x.y = y.x;

Inversos: Todo x

x + y = y + x e x.y = y.x ; Inversos: Todo x ∈

possui inverso aditivo x

; Inversos: Todo x ∈ possui inverso aditivo − x ∈ tais que x + (

tais que x + (x)=0 e se x

= 0,

existe também um inverso multiplicativo x 1

, existe também um inverso multiplicativo x − 1 ∈ tal que x.x − 1 =

tal que x.x 1 = 1.

Distributividade: Para quaisquer x, y, z

, tem-se x ( y + z ) = xy + xz . x(y + z) = xy + xz.

A todo conjunto que tem bem definida estas duas operações satisfazendo todas as pro-

priedades acima chamamos de corpo, sendo assim,

é um corpo.as pro- priedades acima chamamos de corpo , sendo assim, Atividade 1 Verifique se no conjunto

Atividade 1

Verifique se no conjunto dos números naturais as operações de adição e multiplicação estão bem definidas e conclua se N é um corpo ou não.

Atividade 2

Verifique se o conjunto dos números inteiros Z é um corpo.

Atividade 3

Verifique se o conjunto dos números racionais Q é um corpo.

2
2

Aula 03

Análise Real

Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data:

/

/

Nome:

VERSÃO DO PROFESSOR

Vamos demonstrar, nos exemplos a seguir, usando o fato de que propriedades dos números reais, todas conhecidas e muito utilizadas.

Exemplo 1

reais, todas conhecidas e muito utilizadas. Exemplo 1 é um corpo, várias Mostre que x. 0=0

é um corpo, várias

Mostre que x.0=0, x .

Seja x

várias Mostre que x. 0=0 , ∀ x ∈ . Seja x ∈ . Temos x

. Temos x = x.1, pela existência do elemento neutro na multiplicação, e

x.1 = x(1 + 0), pela existência do elemento neutro na adição. Pela distributividade, temos x(1 + 0) = x.1 + x.0 = x + x.0 x = x + x.0. Somando (x) em ambos os membros,

temos x + (x) =

Exemplo 2

x ) em ambos os membros, temos x + ( − x ) = Exemplo 2

x + (x) + x.0 0 = x.0. Logo, x.0=0, x

.
.

Mostre que se xy = 0, então ou x = 0 ou y = 0.

Suponhamos y

= 0. Assim, y 1

ou y = 0 . Suponhamos y = 0 . Assim, ∃ y − 1 ∈

tal que yy 1 = 1. Logo,

xy = 0 (xy)y 1 = 0y 1 x(yy 1 )=0 x = 0.

O caso é análogo para x

= 0.

A soma x + (y) será indicada por x y e chamada diferença entre x e y. Se y = 0,

o

produto xy 1 será representado por x e chamado quociente de x por y.

y

A operação que a cada par x, y

associa x − y será chamada subtração , e a operação xy será chamada subtração, e a operação

que a cada par x

chamada subtração , e a operação que a cada par x ∈ , y ∈ −

, y

subtração , e a operação que a cada par x ∈ , y ∈ − {

− {0} associa x será chamada divisão.

y

Observação 1

Note que x só fará sentido se y

= 0, pois x = xy 1 , e só existe y 1 para y

= 0.

y

y

Exemplo 3

Mostre que o inverso aditivo de um número real é único.

Suponha que x x + z = 0. Assim,

real é único. Suponha que x ∈ x + z = 0 . Assim, possua dois

possua dois inversos aditivos y, z

.
.

Logo, x + y = 0 e

x + y =0= x + z

(x + y) + y = (x + z) + y

0 + y = (x + y) + z =0+ z

y = z.

o elemento inverso aditivo é único.

Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data:

/

/

Nome:

Aula 03

Análise Real

3
3
Exemplo 4 Mostre que o inverso multiplicativo de um número real é único. Seja x

Exemplo 4

Mostre que o inverso multiplicativo de um número real é único.

Seja x

multiplicativo de um número real é único. Seja x ∈ , x = 0 e y,

, x

= 0 e y, z

número real é único. Seja x ∈ , x = 0 e y, z ∈ tais

tais que xy = 1 e xz = 1. Assim,

xy = xz (xy)y = (xz)y y = xyz = z.

o elemento inverso multiplicativo é único.

Exemplo 5

Mostre que x(y) = (xy).

xy + x(y) = x(y + (y)) = x0=0, ou seja, xy + x(y)=0. Logo, pela unicidade do elemento inverso, temos x(y) = (xy).

Exemplo 6

Mostre que (x) = x.

Note que (x) é o inverso aditivo de x. Como x + x = 0, temos x = (x), pela unicidade do inverso aditivo.

Exemplo 7

Mostre que x = y ⇔ −x = y.

Inicialmente, mostremos que x = y ⇒ −x = y.

x + (x)=0 y + (x)=0 y + (y)+(x)=0+(y) ⇒ −x = y.

Para mostrar que x = y x = y, basta observar que

x = y ⇒ −(x) = (y) x = y.

Exemplo 8

Mostre que (x y)(x + y) = x 2 y 2 .

x 2 y 2 = xx yy = xx + xy xy yy = x(x y) + y(x y)=(x y)(x + y).

4
4

Aula 03

Exemplo 9

Mostre que se x 2 = y 2 , então x = y ou x = y.

x 2 + (y 2 ) = y 2 + (y 2 )=0

Disso, temos (x y)=0 x = y ou (x + y)=0 x = y.

x 2 y 2 = 0 (x y)(x + y)=0.

Análise Real

Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data:

/

/

Nome:

Ordenação

VERSÃO DO PROFESSOR

No conjunto dos números reais existe um subconjunto, que denotaremos por conjunto dos números reais positivos que cumpre as seguintes condições:

reais positivos que cumpre as seguintes condições: + chama i. A soma e o produto de

+ chama

i. A soma e o produto de números reais positivos são positivos, ou seja, se x, y

então x + y

são positivos, ou seja, se x, y ∈ então x + y ∈ + e xy

+ e xy

ou seja, se x, y ∈ então x + y ∈ + e xy ∈ +

+ .

ii. Dado x

, exatamente uma das três situações abaixo ocorre:x + y ∈ + e xy ∈ + . ii. Dado x ∈ 1. x

1. x = 0;

x

3.

2.

três situações abaixo ocorre: 1. x = 0 ; x ∈ 3. 2. + ; −

+ ;

situações abaixo ocorre: 1. x = 0 ; x ∈ 3. 2. + ; − x

x

+ .

+ , + ,

1. x = 0 ; x ∈ 3. 2. + ; − x ∈ + .

=

Indicando

0 ; x ∈ 3. 2. + ; − x ∈ + . + , =

|x ∈ x

= {−x

+ , = Indicando − ∪ | x ∈ − = {− x ∈ + }
+ , = Indicando − ∪ | x ∈ − = {− x ∈ + }

+ } = {x

∪ | x ∈ − = {− x ∈ + } = { x ∈ |−

|−x + }, pela propriedade 2 temos

é chamado conjunto dos números reais

2 temos − é chamado conjunto dos números reais + ∪ { 0 } , e
2 temos − é chamado conjunto dos números reais + ∪ { 0 } , e
2 temos − é chamado conjunto dos números reais + ∪ { 0 } , e

+ ∪ {0}, e essa união é disjunta.

negativos, ou seja, os números y

Exemplo 10

negativos , ou seja, os números y ∈ Exemplo 10 − são chamados números reais negativos

são chamados números reais negativos.

Mostre que todo número real x

x

= 0 tem quadrado positivo.

que todo número real x x ∈ = 0 tem quadrado positivo. − . − {

.

número real x x ∈ = 0 tem quadrado positivo. − . − { 0 }

− {0} ⇒ x

= 0 tem quadrado positivo. − . − { 0 } ⇒ x ∈ + ou

+ ou x

Se x

+ , então x.x ∈ + , então x.x

+ , ou seja, x 2 ∈ + , ou seja, x 2

Se x ∈ + , então x.x ∈ + , ou seja, x 2 ∈ +

+ .

Se x

− , então − x ∈ , então x

+ e, conseqüentemente, ( − x )( − x ) = x.x = x 2 + e, conseqüentemente, (x)(x) = x.x = x 2

Se x ∈ − , então − x ∈ + e, conseqüentemente, ( − x )(

+ .

Garantida a existência de

= x.x = x 2 ∈ + . Garantida a existência de + , temos bem

+ , temos bem definida em

. Garantida a existência de + , temos bem definida em a seguinte relação de ordem:

a seguinte relação de ordem:

Dizemos que x é menor que y e escrevemos x<y quando x y

menor que y e escrevemos x<y quando x − y ∈ + , isto é, quando

+ , isto é, quando

+ tal que y = x + z; neste caso, escreveremos também y>x e dizemos que y

neste caso, escreveremos também y>x e dizemos que y existe z ∈ é maior que x

existe z

é maior que x.

Em particular,x > 0 significa que existe z

> 0, então x é positivo, enquanto x

+ tal que x = 0+ z < 0 significa que z

x + tal que x = 0+ z < 0 significa que ∃ z ∈ =

=

tal que x = 0+ z < 0 significa que ∃ z ∈ = + ,

+ , + ,

+ tal que

z

isto é, se x

0 = x + z 0+(z) = x + z + (z) ⇒ −z = x + (z

x < 0, então x é negativo.

+ (z)) = x +0= x, isto é, se

Valem as seguintes propriedades da relação de ordem x<y em

:
:

Transitividade: Se x<y e y<z, então x<z.

Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data:

/

/

Nome:

Aula 03

Análise Real

5
5
Tricotomia: Dados x, y ∈ x<y ou x>y . , ocorre exatamente uma das seguintes

Tricotomia: Dados x, y x<y ou x>y.

Tricotomia: Dados x, y ∈ x<y ou x>y . , ocorre exatamente uma das seguintes alternativas:

, ocorre exatamente uma das seguintes alternativas: x = y,

Monotonicidade da adição: Se x<y, então, para todo z

da adição: Se x<y , então, para todo z ∈ , tem-se x + z<y +

, tem-se x + z<y + z.

Monotonicidade da multiplicação: Se x<y, então, para todo número real z > 0, tem-se xz < yz; porém, se z < 0, tem-se xz > yz.

Vamos demonstrar duas dessas propriedades:

Monotonicidade da adição

Demonstração

Se x<y, então, para todo z

Demonstração Se x<y , então, para todo z ∈ , tem-se x + z<y + z

, tem-se x + z<y + z.

Hipótese: x<y ⇒ ∃w

Tese: z

+ z . Hipótese: x<y ⇒ ∃ w ∈ Tese: z ∈ + tal que y

+ tal que y = x + w.

⇒ ∃ w ∈ Tese: z ∈ + tal que y = x + w .

x + z<y + z ⇔ ∃z

y = x + w . ⇒ x + z<y + z ⇔ ∃ z ∈

tal que y + z<x + z + z .

Por hipótese, temos x<y, ou seja, w

x + w + z y + z = x + z + w x + z<y + z.

⇒ y + z = x + z + w ⇒ x + z<y + z

+ tal que y = x + w. Assim, y + z

=

Monotonicidade da multiplicação

Demonstração

Se x<y, então, para todo número real z > 0, tem-se xz < yz; porém, se z < 0, tem-se xz > yz.

Caso 1: z > 0.

Hipóteses: x<y e z > 0.

Tese: xz < yz.

De x<y, existe w

+ tal que y

+ tal que y

=

x + w, e de z

> 0, existe p

+ tais

+ tais

que z = 0+ p.

Assim, y x

que z = 0+ p . Assim, y − x ∈ + e z ∈ +

+ e z

+ , que implicam z ( y − x ) ∈

+ , que implicam z(y x)

que z = 0+ p . Assim, y − x ∈ + e z ∈ +

+ , isto é,

6
6

Aula 03

zy zx

− x ) ∈ + , isto é, 6 Aula 03 zy − zx ∈ +

+ zy zx > 0 zy > zx.

Caso 2: z < 0.

Hipóteses: x<y e z < 0.

Tese: xz > yz.

De x<y e z

> 0, temos y x R + e z

yz + xz + xz yz + xz > yz.

xz ∈ + ⇒ xz − yz ∈ + ⇒ xz > yz . Análise Real
xz ∈ + ⇒ xz − yz ∈ + ⇒ xz > yz . Análise Real

Análise Real

Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data:

. Análise Real Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data: ∈ / + ⇒ ( y −

/

+ (y x)(z)

/

Nome:

. Análise Real Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data: ∈ / + ⇒ ( y −

+

Atividade 4

Mostre que a relação de ordem x<y é transitiva.

Atividade 5

Mostre que vale a tricotomia da relação de ordem x<y.

Exemplo 11

Mostre que se x<x e y<y , então x + y<x + y .

VERSÃO DO PROFESSOR

De x<x e y<y , temos x x

De x<x e y<y , temos x − x ∈ + e y − y ∈

+ e

y y

+ . Assim, + . Assim,

x x + y y

+ ⇒ x + y − ( x + y )

+ x + y (x + y)

+ ⇒ x + y > x + y. + x + y > x + y.

Exemplo 12

Mostre que se 0 <x<x e 0 <y<y , então xy < x y .

Por hipótese, temos as seguintes informações:

De x

Por hipótese, temos as seguintes informações: De x ∈ + e y − y ∈ temos

+

e y y

as seguintes informações: De x ∈ + e y − y ∈ temos y ( x

temos y (x x)

∈ + e y − y ∈ temos y ( x − x ) ∈ +

+ . Logo,

+ , temos x(y y)

x ) ∈ + . Logo, + , temos x ( y − y ) ∈

+ , e de y

+ , temos x ( y − y ) ∈ + , e de y ∈

+ e x x

x(y y) + y (x x)

− x ∈ x ( y − y ) + y ( x − x )

+

xy xy + y x y x

) ∈ + ⇒ xy − xy + y x − y x ∈ + ⇒

+

y x xy

+ y x − y x ∈ + ⇒ y x − xy ∈ + ⇒

+ y x > xy.

Exemplo 13

1

Mostre que se x > 0, então x > 0.

Sabemos que x > 0 x

= 0 x 2

0 . Sabemos que x > 0 ⇒ x = 0 ⇒ x 2 ∈ +

+ . Assim,

x 1 = 1.x 1 = xx 1 x 1 = x(x 1 ) 2 + x 2 +

x − 1 ) 2 ∈ + ⇒ x 2 ∈ + ⇒ x Atividade 6

x

− 1 ) 2 ∈ + ⇒ x 2 ∈ + ⇒ x Atividade 6 1

Atividade 6

1

Mostre que se x < 0, então x < 0.

1

x

+ ⇒

1

x > 0.

Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data:

/

/

Nome:

x ∈ + ⇒ 1 x > 0 . Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data: /

+ ,

Aula 03

Análise Real

7
7
Exemplo 14 Mostre que se 0 <x<y , então 0 < 1 y < 1

Exemplo 14

Mostre que se 0 <x<y, então 0 <

1

y <

1

x .

De x > 0, temos x 1 > 0, ou seja, x 1 y 1 + . Assim, x 1 y 1 + .

∈ + . Assim, x − 1 y − 1 ∈ + . Como x<y ,
∈ + . Assim, x − 1 y − 1 ∈ + . Como x<y ,

Como x<y, por hipótese, temos:

− 1 ∈ + . Como x<y , por hipótese, temos: + . Analogamente, de y

+ . Analogamente, de y > 0, temos

x(x 1 y 1 ) < y(x 1 y 1 ) (xx 1 )y 1 < (yy 1 )x 1 y 1 < x 1 .

Vamos mostrar que o conjunto dos números reais cos conhecidos.

mostrar que o conjunto dos números reais cos conhecidos. contém outros conjuntos numéri- O exemplo 10

contém outros conjuntos numéri-

O exemplo 10 afirma que o quadrado de qualquer número real diferente de zero é posi-

+ , ou seja, 1 é positivo. Note que 1 < 1+1 < 1+1+1 < + , ou seja, 1 é positivo. Note que 1 < 1+1 < 1+1+1 < ··· ,

tivo portanto 1=1 2

ou seja, 1+1

portanto

, tivo portanto 1=1 2 ∈ ou seja, 1+1 ∈ portanto + , 1+1+1 ∈ +

+ , 1+1+1

1=1 2 ∈ ou seja, 1+1 ∈ portanto + , 1+1+1 ∈ + , , e

+ ,

, e podemos concluir que

portanto + , 1+1+1 ∈ + , , e podemos concluir que ⊂ + . Mas

+ , 1+1+1 ∈ + , , e podemos concluir que ⊂ + . Mas +

+ . Mas

, 1+1+1 ∈ + , , e podemos concluir que ⊂ + . Mas + ⊂

+

,
,
+ , , e podemos concluir que ⊂ + . Mas + ⊂ , ⊂ .

.
.

Sabemos que 0

e acabamos de ver que todo número natural é um número real, ouque ⊂ + . Mas + ⊂ , ⊂ . Sabemos que 0 ∈ seja, n

seja, n

seja, n ∈
seja, n ∈ implica em n ∈ . Como é um corpo, temos que n possui

implica em n

. Como

. Como

seja, n ∈ implica em n ∈ . Como é um corpo, temos que n possui

é um corpo, temos que n possui um inverso aditivo

n

e podemos concluir que

− n ∈ e podemos concluir que ⊂ .

− n ∈ e podemos concluir que ⊂ .

.

Também podemos afirmar que

concluir que ⊂ . Também podemos afirmar que − { 0 } ; assim, ∃ n
concluir que ⊂ . Também podemos afirmar que − { 0 } ; assim, ∃ n

− {0}; assim, n 1

afirmar que − { 0 } ; assim, ∃ n − 1 ∈ , temos q
afirmar que − { 0 } ; assim, ∃ n − 1 ∈ , temos q

, temos q

, isto é,que − { 0 } ; assim, ∃ n − 1 ∈ , temos q ∈

= m | m

n

e mn 1

q ∈ , isto é, = m | m ∈ n e mn − 1 ∈

.
.
, isto é, = m | m ∈ n e mn − 1 ∈ ⊂ .
, isto é, = m | m ∈ n e mn − 1 ∈ ⊂ .

, n

= m | m ∈ n e mn − 1 ∈ ⊂ . , n ∈

− {0}

∈ n e mn − 1 ∈ ⊂ . , n ∈ − { 0 }

. Acabamos de

−{0 } , 0},

. Logo, para∈ ⊂ . , n ∈ − { 0 } ⊂ . Acabamos de −{ 0

ver que todo número inteiro também é um número real, portanto, m

então n

todo q = m

real, portanto, m ∈ então n ∈ todo q = m ∈ . Como n ∈

. Como n

o que implica em m

n

n

Com isso, concluímos que

∈ o que implica em m ∈ n n Com isso, concluímos que ⊂ Mais adiante

∈ o que implica em m ∈ n n Com isso, concluímos que ⊂ Mais adiante

Mais adiante veremos queo que implica em m ∈ n n Com isso, concluímos que ⊂ Exemplo 15 Desigualdade

n n Com isso, concluímos que ⊂ Mais adiante veremos que Exemplo 15 Desigualdade de Bernoulli

Exemplo 15

Desigualdade de Bernoulli

Para todo número real x ≥ −1 e todo n

Seja x um número real qualquer tal que x ≥ −1, ou seja, x = 1 ou x > 1.

, tem-se (1 + x ) n ≥ 1 + nx . (1 + x) n 1 + nx.

.
.

Inicialmente, mostremos por indução que, para x = 1, a desigualdade é verdadeira,

8
8

Aula 03

Análise Real

Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data:

/

/

Nome:

isto é, para todo n

isto é, para todo n ∈ , tem-se: (1 + ( − 1)) n ≥ 1

, tem-se:

(1 + (1)) n 1 + n(1) 0 1 n.

VERSÃO DO PROFESSOR

Para n = 1, temos 1 1=0 0, isto é, a desigualdade é verdadeira. Suponhamos que para n = k a desigualdade é verdadeira, ou seja, 0 1 k. Para n = k + 1, temos:

1 (k + 1) = 1 k 1 < 1 k

0 1 (k + 1) 0.

Logo, a desigualdade também vale para n = k + 1 e, portanto, 0 1 n, n

.
.

Agora, mostremos a desigualdade para x > 1, também por indução.

Para n = 1, temos (1 + x) 1 = 1+ x = 1+1.x, ou seja, a desigualdade é válida.

Para

Suponhamos que a desigualdade é válida para n = k, isto é, (1 + x) k 1 + kx.

n

= k + 1, temos:

(1 + x) k+1 =

(1 + x) k (1 + x) (1 + kx)(1 + x)

=

1+ x + kx + kx 2 =1+(k + 1)x + kx 2

>

1+(k + 1)x.

Logo, (1 + x) k+1 1+(k + 1)x, ou seja, a desigualdade também é válida para

n

= k + 1. Assim, para x > 1, tem-se (1 + x) n 1 + nx, n

.
.

Portanto, concluímos que

(1 + x) n 1 + nx, n

concluímos que (1 + x ) n ≥ 1 + nx, ∀ n ∈ , x

, x ≥ −1.

Agora que sabemos o que significam x > 0 e x < 0, podemos definir o valor absoluto (ou módulo) de um número real:

|x| =

⎧ ⎪ x,

se x > 0; se x = 0;

se x < 0.

x,

0,

Note que |x| = max{x, x}, pois:

a. se x > 0, então x < 0 e max{x, x} = x = |x|;

b. se x < 0, então x > 0 e max{x, x} = x = |x|;

c. se x = 0, então x = 0 e max{x, x} =0= |0|.

Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data:

/

/

Nome:

Aula 03

Análise Real

9
9
Proposição 1 Para x ∈ , tem-se −| x | ≤ x ≤ | x

Proposição 1

Para x

Para x ∈ , tem-se −| x | ≤ x ≤ | x | .

, tem-se −|x| ≤ x ≤ |x|.

Demonstração

De |x| = max{x, x}, temos:

|x| ≥ x e |x|≥−x ⇒ |x| ≥ x e − |x| ≤ x ⇒ −|x| ≤ x ≤ |x|.

Exemplo 16

|x| é o único número maior que ou igual a zero tal que |x| 2 = x 2 .

Que |x| ≥ 0 segue da definição. Para mostrar que |x| 2 = x 2 , basta observar que

|x| 2 = |x||x| = xx, x(x),

De qualquer maneira, temos |x| 2 = x 2 , x

.
.

se x 0; se x < 0.

Agora, suponha que exista y 0, tal que y 2 = x 2 . Logo,

y 2 = x 2 y 2 = x 2 = |x| 2 y 2 = |x| 2 y = |x| ou y = −|x|.

Não pode ocorrer y = −|x| ≤ 0 (para y

= 0) pois y 0. Portanto, y = |x|, ou seja,

|x| é o único número maior que ou igual a zero tal que |x| 2 = x 2 ´.

Atividade 7

Mostre que se x, y

0 e x 2 = y 2 , então x = y.

Teorema 1

Se x, y

2 = y 2 , então x = y . Teorema 1 Se x, y ∈

, então |x + y|≤|x| + |y| e |xy| = |x||y|.

Demonstração

. Sabemos que |x| = max{x, x}⇒|x| ≥ x e que |y| = max{y, y}

|y| ≥ y. Assim, |x| + |y| ≥ x + y. De modo análogo, temos |x|≥−x e |y|≥−y, e também

|x| + |y|≥−x y = (x + y). Logo,

Sejam x, y

x − y = − ( x + y ) . Logo, Sejam x, y ∈

|x| + |y| ≥ x + y e |x| + |y|≥−(x + y) ⇒ |x| + |y| ≥ max{x + y, (x + y)} = |x + y|.

10
10

Aula 03

Análise Real

Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data:

/

/

Nome:

VERSÃO DO PROFESSOR

Agora, vamos mostrar que |xy| = |x||y|. Note que |x| ≥ 0 e |y| ≥ 0 ⇒ |x||y| ≥ 0 e que |xy| ≥ 0. Sabemos também que:

|xy| 2 = (xy) 2 = (xy)(xy) = x 2 y 2 = |x| 2 |y| 2 = (|x||y|) 2 ⇒ |xy| = |x||y|.

Teorema 2

Sejam a, x

2 ⇒ | xy | = | x || y | . Teorema 2 Sejam a,

e δ

xy | = | x || y | . Teorema 2 Sejam a, x ∈ e

+ . Tem-se:

|x a| < δ

a δ<x<a + δ.

Demonstração

Parte 1. |x a| < δ

a δ<x<a + δ.

Hipóteses: a, x ,

Tese: a δ<x<a + δ.

a, x ∈ , Tese: a − δ<x<a + δ . δ ∈ + e |

δ

+ e | x − a | < δ . + e |x a| < δ.

Da hipótese, temos:

|x a| < δ

max{x a, (x a)} < δ

x a<δ

e (x a) < δ

x a<δ

e x a > δ

x<δ + a e x>a δ

a δ<x<a + δ.

Parte 2. a δ<x<a + δ ⇒ |x a| <

δ.

Hipóteses: a, x

Tese: |x a| < δ.

δ . Hipóteses: a, x ∈ Tese: | x − a | < δ . ,

, δ

+ e a − δ<x<a + δ . + e a δ<x<a + δ.

Da hipótese, temos:

a δ<x<a + δ

a δ<x e x<a + δ

x a > δ

e x a<δ

(x a)

< δ

e x a<δ

max{x a, (x a)} < δ

|x a|

< δ.

Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data:

/

/ Nome:

Aula 03

Análise Real

11
11

VERSÃO DO PROFESSOR

Atividade 8

Mostre que se a, x

|x a| >

Atividade 8 Mostre que se a, x ∈ | x − a | > e δ

e δ

8 Mostre que se a, x ∈ | x − a | > e δ ∈

+ , então

δ x<a δ ou x>a + δ.

Usaremos as seguintes notações para representar tipos especiais de conjuntos de númer reais chamados intervalos:

1. [a, b] = {x

1. [ a, b ] = { x ∈

|a x b}.

2. (a, b] = {x

2. ( a, b ] = { x ∈

|a<x b}.

3. [a, b) = {x

3. [ a, b ) = { x ∈

|a x<b}.

4. |a<x<b}.

(a, b) = {x

4. | a<x<b } . ( a, b ) = { x ∈

5. (−∞, b] = {x

6. (−∞, b) = {x

7. [a, +) = {x

8. (a, +) = {x

9. (−∞, +) =

.
.

|x ≤ b } . x b}.

|x<b } . x<b}.

|x ≥ a } . x a}.

|x>a } . x>a}.

Os intervalos 1, 2, 3 e 4 são limitados com extremos a e b: [a, b] é um intervalo fechado, [a, b) é fechado à esquerda e aberto à direita, (a, b] é fechado à direita e aberto à esquerda, e (a, b) é aberto. Os intervalos 5, 6, 7, 8 e 9 são ilimitados. Quando a = b, o intervalo fechado [a, b] = {a} é chamado intervalo degenerado.

Com relação aos intervalos, o teorema 2 diz que x fatisfaz |x a| < δ se, e somente se, x satisfaz a δ<x<a + δ, ou seja, x (a δ, a + δ).

12
12

Aula 03

Interpretação geométrica de

δ, a + δ ) . 12 Aula 03 Interpretação geométrica de Análise Real Imagine como

Análise Real

Imagine

como uma reta e cada elemento x ∈ como um ponto desta reta. x Material
como uma reta e cada elemento x ∈
como um ponto desta reta.
x
Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data:
/
/ Nome:

VERSÃO DO PROFESSOR

.

Utilizaremos a relação de ordem para representar os pontos na reta, dizendo que x<y significa que a posição ocupada por y é à direita de x. Assim, os intervalos são segmentos dessa reta e |y x| representa a distância do ponto x ao ponto y.

Vimos que

representa a distância do ponto x ao ponto y . Vimos que = + ∪ −

=

a distância do ponto x ao ponto y . Vimos que = + ∪ − ∪

+

a distância do ponto x ao ponto y . Vimos que = + ∪ − ∪

∪ {0}, que x

> 0