Alexandre Moreira Dias

Jéssica Aparecida Batista

Avaliação Oficial II de Eletrônica de Potência
Energia Fotovoltaica

Faculdade Pitágoras
Poços de Caldas Novembro 2015
Alexandre Moreira Dias
Jéssica Aparecida Batista

1

................................................................................................7 1.................................... p................... p......18 2 .................................................................. p.......3 Índice de Figuras ...........................................................................................................5 Resumo................................13 3....8 2................................................. p...13 3......................................................................1 estimativa da Radiação Solar .................................12 3..........................1 Energia Fotovoltaica .................... p...............................................................................2 Concentrador Solar ... p................................11 2..............Avaliação Oficial II de Eletrônica de Potência Energia Fotovoltaica Trabalho da disciplina de Eletrônica de Potência – Prof..................0 Tecnologias de Aproveitamento .........................................1 Aproveitamento Térmico – Coletor Solar ............................. p..0 Conversão em Energia Elétrica ............ p............................0 Conceitos Introdutórios .........4 Tabela...........................................11 2............................................ p.......................................... p.......... Faculdade Pitágoras Poços de Caldas Novembro 2015 INDICE Contra capa...........................16 Referências – Bibliografia..........................................................2 Índice....... p...6 Introdução .................................................................................................... Antônio – 2º Semestre de 2015 – do Curso de Engenharia de Controle e Automação 8º período noturno..................... p...............................1................................. p............. p..

......................13 Figura 5.........................0.......................................0.......... p...INDICE DE FIGURAS Figura 1.................................................................................. p..............................................15 Figura 6......... p.17 3 ..................................7 Figura 2...........0.......................................0........................................................................................ p....................................10 Figura 3......................0............................................. p........................................ p.................12 Figura 4..............................................................................0..................................................

....TABELA Tabela 1.0........ p....................................................................................16 4 ....................

Solar. 5 . o presente relatório tem como objetivo demonstrar a geração de energia fotovoltaica demonstrando embasamento teórico e prático do mesmo. PALAVRAS-CHAVE: Energia. Experimento. Fotovoltaica. Este conteúdo deverá ser avaliado como avaliação oficial II da matéria de Eletrônica de Potência do 2º Semestre de 2015.RESUMO Como proposto pelo Professor Antônio da matéria de Eletrônica de Potência.

Baseado nesse conceito pode destacar o estudo e desenvolvimento de novas topologias de conversores estáticos (retificadores. vem ganhando espaço entre as fontes tradicionais de geração de energia. devido à grande redução de custos ocorrida nos últimos anos. 6 . denominados conversores estáticos. que permitem converter a energia elétrica de corrente alternada para corrente contínua e vice-versa. inversores e conversores CC-CC) para aplicações que vão de fontes CA de potência à conexão de fontes renováveis de energia (em especial hídrica. solar fotovoltaica e eólica) à rede elétrica. Também lida com o condicionamento da energia elétrica por meio de circuitos eletrônicos.INTRODUÇÃO Eletrônica de potência é a área da eletrônica que se ocupa do processamento da energia elétrica visando obter maior eficiência (menores perdas nos processos de conversão de energia) e qualidade (energia limpa em termos de impacto ambiental). A energia fotovoltaica é a conversão direta de energia solar em eletricidade.

0 CONCEITOS INTRODUTÓRIOS A energia solar pode ser convertida diretamente em eletricidade utilizando-se das tecnologias de células fotovoltaicas. serviços profissionais (retransmissores de sinais. onde tais dados serão avaliados como prova oficial para o segundo semestre da matéria de Eletrônica de Potência. bombeamento de água etc).Representação de um sistema fotovoltaico conectado à rede elétrica. no atual estado da arte desta tecnologia. 7 .Figura 1. de equipamentos de montagem e dispositivos de segurança e proteção. ela só encontra viabilidade econômica em aplicações de pequeno porte. Um sistema fotovoltaico é normalmente composto de módulos fotovoltaicos (painéis). já que se utiliza uma fonte limpa e inesgotável que é o Sol. entretanto. são utilizados semicondutores de potência operando em alta frequência. calculadoras). O sistema completo necessita se adequar a diversas normas técnicas. 1. O inversor é responsável por converter essa tensão contínua em corrente alternada. É vista como uma tecnologia do futuro. capaz de ser fornecida à carga ou à rede elétrica. para garantir a segurança dos usuários. sabe-se que o mercado fotovoltaico é ainda uma fração do que poderia ser. proteção dos equipamentos e qualidade de energia. Embasado nesses conceitos e afirmações o presente relatório tem como objetivo demonstrar conceitos teóricos e práticos a respeito de energia fotovoltaica. de um inversor. geram tensão contínua nos terminais de saída. fabricados com semicondutores. normalmente controlados através de microprocessadores. como sistemas rurais isolados (iluminação.0 . aplicações marítimas) e produtos de consumo (relógio. Porém. Para realizar essa conversão. visto que existe uma parcela significativa da população mundial que não têm acesso à eletricidade. Os módulos fotovoltaicos.

sinalizam boas perspectivas futuras. biomassas.Pesquisas feitas nos últimos 10 anos. Entre esses. Dada à crise energética a qual o país tem passado é imprescindível que se busque formas alternativas de geração de energia. Os coletores solares são mais usados em aplicações residenciais e comerciais (hotéis. por meio de efeitos sobre determinados materiais. inclusive para aplicações de maior porte. por meio do uso de células solares. pode ser utilizada diretamente como fonte de energia térmica. entre os quais se destacam o termoelétrico e o fotovoltaico. Pode ainda ser convertida diretamente em energia elétrica. resultando em aumento da eficiência dos módulos e diminuição considerável nos custos de produção. sendo todas elas formas indiretas de energia solar. com isso. O aproveitamento da iluminação natural e do calor para aquecimento de ambientes. por meio de um gerador. destacam-se os efeitos termoelétrico e fotovoltaico. decorre da penetração ou absorção da radiação solar nas edificações. O primeiro caracteriza-se pelo surgimento de uma diferença de potencial. em condições específicas. particularmente os semicondutores. os fótons contidos na luz solar são convertidos em energia elétrica. ocorre pelos efeitos da radiação solar sobre determinados materiais. denominado aquecimento solar passivo. No segundo. sendo que. posteriormente. para causar o mínimo dano ao meio ambiente. Os concentradores solares destinam-se a aplicações que requerem temperaturas mais elevadas com o auxílio de uma turbina a vapor. 8 . restaurantes. clubes. combustíveis fósseis e energia dos oceanos. hospitais etc. O aproveitamento térmico para aquecimento de fluidos é feito com o uso de coletores ou concentradores solares. Este futuro depende também do aumento das pressões mundiais para a utilização de fontes energéticas renováveis e limpas e a continuidade da linha de pensamento governamental dos países industrializados que buscam uma diversificação das fontes de suprimento energético. para aquecimento de fluidos e ambientes e para geração de potência mecânica ou elétrica. eólica. um melhor aproveitamento da radiação solar pode ser feito com o auxílio de técnicas mais sofisticadas de arquitetura e construção. foco do nosso estudo. A energia gerada através da radiação solar. e. reduzindo-se. o assunto que é tratado neste trabalho. Dentro dos tipos de gerações de energia alternativos temos: hidráulica. eletricidade. essas formas devem ser eficientes e ecologicamente corretas. A conversão direta da energia solar em energia elétrica. provocada pela junção de dois metais. as necessidades de iluminação e aquecimento. Assim.) para o aquecimento de água (higiene pessoal e lavagem de utensílios e ambientes).

445 a 1024 joules ou 1. Segundo Fadigas. Figura 2. Entretanto muitos fatores podem determinar o aproveitamento da energia solar. em comunidades isoladas da rede de energia elétrica. para a atmosfera terrestre. uma atenção crescente está sendo dada ao estudo das possibilidades de aproveitamento desta forma de energia. Trata-se de um valor considerável comparado. nas regiões Norte e Nordeste. de quanta energia está realmente disponível e em que frequência e comprimento de onda. por exemplo. como por exemplo. No Brasil.004% da energia recebida do Sol. sendo que 97% da radiação solar está contida entre comprimentos de onda de 0. condições atmosféricas. A transmissão da energia do Sol para a Terra se dá através da radiação eletromagnética. devido a características climáticas. O Sol fornece anualmente. os mais usados atualmente são o aquecimento de água e a geração fotovoltaica de energia elétrica. com o total de energia produzido em 1970 por todos os sistemas desenvolvidos pelo homem. o que depende da latitude local e da posição no tempo. utilizamos 9 . Isto requer um conhecimento detalhado da mesma. também denominada energia total incidente sobre a superfície. o que caracteriza como uma radiação de ondas curtas. que foi igual a 2 a 1020 joules ou 0.0 –Representação das estações do ano e do movimento da Terra em torno do Sol Para se medir a incidência de sol sobre uma determinada região.5125 a 1018 kWh de energia. e o segundo. Ao longo do século. disponibilidade de radiação solar. 5.0 m. o primeiro é mais encontrado nas regiões Sul e Sudeste.3 a 3.Entre os vários processos de aproveitamento da energia solar.

A radiação solar cobre toda a região do espectro visível. aproximadamente. O comprimento desta região mede o chamado número de horas de brilho de Sol. Existem vários instrumentos de medição da radiação solar podendo-se destacar:  Heliógrafo – Este instrumento tem por objetivo medir a duração da insolação. Consiste essencialmente em um receptor com três tiras metálicas.3 a 0. de forma que não se observam grandes variações na duração solar do dia. eles medem a potência incidente por unidade de superfície. possuindo o sensor e registrador na mesma unidade. As medições padrões são a radiação total e componente difusa no plano horizontal e a radiação direta normal. entre 21 de junho e 22 de dezembro. a central de cor preta e as laterais brancas. A maior parte do território brasileiro está localizada relativamente próxima da linha do Equador. para maximizar o aproveitamento da radiação solar. e o infravermelho no intervalo de 0.  Actinógrafos – São utilizados para medição da radiação total ou sua componente difusa . o período de tempo em que a radiação solar supera um dado valor de referência.instrumentos chamados de instrumentos solarimétricos. quando iluminadas. como resultado da exposição. a maioria da população brasileira e das atividades socioeconômicas do País se concentra em regiões mais distantes do Equador.4 a 0. Ele se caracteriza por possuir uma pequena abertura de forma a “ver” apenas o disco solar e a região vizinha. Contudo. respectivamente. uma parte do ultravioleta próximo de 0.7m. Segundo a ANEEL. deve-se ajustar a posição do coletor ou painel solar de acordo com a latitude. Assim. a radiação que vem de todas as direções no hemisfério. é enegrecida. O heliógrafo opera a partir da focalização da radiação solar sobre uma carta que. a duração solar do dia varia de 10 horas e 13 minutos a 13 horas e 47 minutos.7 a 5m. em Porto Alegre. ou seja. Destacam-se os piranômetros fotovoltaicos e termoelétricos. e irão se curvar. denominada circunsolar.4m. As tiras brancas estão fixadas e a preta está livre em um uma extremidade. 0. ou seja. em consequência dos diferentes coeficientes de dilatação dos metais que as compõem. capital brasileira mais meridional. integrada sobre os diversos comprimentos de onda. 10 .  Piroheliômetros – É um instrumento utilizado para medir a radiação direta.  Piranômetros – São instrumentos que medem a radiação total.

No Hemisfério Sul. como edifícios públicos e comerciais. O uso dessa tecnologia ocorre predominantemente no setor residencial. Portanto. hotéis e similares. devido à reflexão e absorção dos raios solares pela atmosfera. Para o suprimento de água quente de uma residência típica (três ou quatro moradores).1 APROVEITAMENTO TÉRMICO – COLETOR SOLAR A radiação solar pode ser absorvida por coletores solares. É importante ressaltar que mesmo as regiões com menores índices de radiação apresentam grande potencial de aproveitamento energético. mas há demanda significativa e aplicações em outros setores. a temperaturas relativamente baixas (inferiores a 100ºC). Segundo a CRESESB.0 TECNOLOGIAS DE APROVEITAMENTO 2. Devido à baixa densidade da energia solar que incide sobre a superfície terrestre. por exemplo. também denominado aquecimento solar ativo. são necessários cerca de 4 m de coletor. com ângulo de inclinação similar ao da latitude local. 11 . Esse sistema de aproveitamento térmico da energia solar. hospitais. atmosféricas e de posicionamento em relação à linha do Equador. principalmente para aquecimento de água. um sistema de captação solar fixo deve ser orientado para o Norte. o atendimento de uma única residência pode requerer a instalação de vários metros quadrados de coletores. restaurantes. a radiação solar depende das condições climáticas. 2. O coletor é instalado normalmente no teto das residências e edificações.local e o período do ano em que se requer mais energia. envolve o uso de um coletor solar discreto. Somente parte da radiação solar atinge a superfície terrestre. estima-se que a energia solar incidente sobre a superfície terrestre seja da ordem de 10 mil vezes o consumo energético mundial.

consequentemente. denominada foco. acarretando custos adicionais ao sistema. cuja finalidade é captar a energia solar incidente numa área relativamente grande e concentrá-la numa área muito menor. de modo a atender a demanda em horários de baixa incidência solar. os quais tendem a ser minimizados em sistemas de grande porte. Os custos da 12 . A superfície refletora (espelho) dos concentradores tem forma parabólica ou esférica. EUA.2 CONCENTRADOR SOLAR O aproveitamento da energia solar aplicado a sistemas que requerem temperaturas mais elevadas ocorre por meio de concentradores solares. Os sistemas parabólicos de alta concentração atingem temperaturas bastante elevadas e índices de eficiência que variam de 14% a 22% de aproveitamento da energia solar incidente. com tamanhos que variam entre 14 MW e 80 MW. que operam com auxílio de gás natural.Figura 3. Contudo. podendo ser utilizada para a geração de vapor e.0 – Sistema de aquecimento térmico 2. de energia elétrica. a necessidade de focalizar a luz solar sobre uma pequena área exige algum dispositivo de orientação. Entre meados e final dos anos 1980. onde se localiza o material a ser aquecido. foram instalados nove sistemas parabólicos no sul da Califórnia. totalizando 354 MW de potência instalada. de modo que os raios solares que nela incidem sejam refletidos para uma superfície bem menor. Trata-se de sistemas híbridos. de modo que a temperatura desta última aumente substancialmente.

0 – Sistema térmico de geração solar energia elétrica (Califórnia – EUA) 3. 2000). que se caracterizam por possuírem uma banda de valência totalmente preenchida por elétrons e uma banda de condução totalmente vazia a temperaturas muito baixas. Existem na natureza materiais classificados como semicondutores. Recentes melhoramentos têm sido feitos. devido à excitação térmica de portadores da banda de valência para a banda de condução. visando a reduzir custos e aumentar a eficiência de conversão. A separação entre as duas bandas de energia permitida nos semicondutores (gap de energia) é da ordem de 1 eV. têm-se empregado folhas circulares de filme plástico aluminizado (NREL. Uma propriedade fundamental para as células fotovoltaicas é a possibilidade de fótons. na faixa do 13 . Figura 4.0 CONVERSÃO EM ENERGIA ELÉTRICA 3. o que os diferencia dos isolantes onde o gap é de vários eVs (eletroVolts). Isto faz com que os semicondutores apresentem várias características interessantes.1 ENERGIA FOTOVOLTAICA A energia solar fotovoltaica é a energia obtida através da conversão direta da luz em eletricidade através do efeito fotovoltaico.eletricidade gerada têm variado entre US$ 90 e US$ 280 por megawatt hora. Uma delas é o aumento de sua condutividade com a temperatura. Em lugar de pesados espelhos de vidro.

visível. quando tal junção está a uma temperatura mais elevada do que as outras extremidades dos fios. o selênio. O primeiro se caracteriza pelo surgimento de uma diferença de potencial. Ohl obtém a primeira fotocélula de silício monocristalino. apresentaram importantes contribuições para se obter uma clara compreensão do efeito fotovoltaico em junção do estado sólido. destaca-se o silício. Além dos processos térmicos descritos acima. também chamados de intrínsecos . por meio de efeitos da radiação (calor e luz) sobre determinados materiais. gerando uma corrente útil. com eficiência de conversão de aproximadamente 1%. destacam-se os efeitos termoelétrico e fotovoltaico. A eficiência de conversão das células solares é medida pela proporção da radiação solar incidente sobre a superfície da célula que é convertida em energia elétrica. Entre esses. 14 . os trabalhos de diversos pioneiros da física do estado sólido. 2000). Para obtê-las é necessário uma estrutura apropriada para que os elétrons excitados possam ser coletados. ao mesmo tempo em que a teoria da junção P-N de Shockely é divulgada. Este efeito. Atualmente. com energia superior ao gap do material. provocada pela junção de dois metais. Entre os materiais mais adequados para a conversão da radiação solar em energia elétrica. Já neste século. Billing e Plessnar medem a eficiência de fotocélulas de silício cristalino. Grondahl e Schottkl. como Lange. Embora muito empregado na construção de medidores de temperatura. apenas em 1954 que surge a fotocélula de silício com as características semelhantes às encontradas hoje com eficiência de 6%. Em 1941. os quais são usualmente chamados de células solares ou fotovoltaicas. É. No ano de 1949. as melhores células apresentam um índice de eficiência de 25% (GREEN et al.. não garante por si só o funcionamento de células fotovoltaicas. em 1877 por Adams e Day na Inglaterra. excitarem elétrons à banda de condução. Em 1883 aparece a primeira célula solar produzida com selênio. O efeito fotovoltaico decorre da excitação dos elétrons de alguns materiais na presença da luz solar (ou outras formas apropriadas de energia). particularmente os semicondutores. porém. na década de 30. Esse mesmo efeito é observado num sólido. que pode ser observado em semicondutores puros. O conhecimento do efeito fotovoltaico remonta ao século XIX. seu uso comercial para a geração de eletricidade tem sido impossibilitado pelos baixos rendimentos obtidos e pelos custos elevados dos materiais. a radiação solar pode ser diretamente convertida em energia elétrica. quando em 1839 Becquerel demonstrou a possibilidade de conversão da radiação luminosa em energia elétrica mediante a incidência de luz em um eletrodo mergulhado em uma solução de eletrólito.

Figura 5. o principal obstáculo tem sido o custo das células solares.1 ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR 15 . Segundo B(2000). Contudo. atualmente os custos de capital variam entre 5 e 15 vezes os custos unitários de uma usina a gás natural que opera com ciclo combinado.0 – Eficiência de conversão e custo de células solares 3.0 – Sistema de geração fotovoltaica de energia elétrica Para a geração de eletricidade em escala comercial.1. nos últimos anos tem-se observado redução nos custos de capital. Tabela 1. Os valores estão situados na faixa de US$ 200 a US$ 300 por megawatt hora e entre US$ 3 e US$ 7 mil por quilowatt instalado.

Uma forma bastante conveniente de se expressar o valor acumulado de energia solar ao longo de um dia é através do número de horas de Sol Pleno. sempre no plano horizontal. pois leva em conta as variações no comportamento dos componentes estudados com a variação da radiação incidente em períodos de tempo compatíveis com outros modelos: de carga. Habitualmente. média mensal. os painéis fotovoltaicos (figura 3). um exemplo de cálculo de número de horas de Sol Pleno (SP) para um caso em que a energia diária acumulada é de 6kWh/m². principalmente para o suprimento de eletricidade em comunidades rurais e/ou isoladas do Norte e Nordeste do Brasil. horária ou ainda menor. tais como eletrificação de escolas.A realização de projetos de sistemas solares exige o conhecimento da energia coletada pelo plano de abertura dos equipamentos. Esta grandeza reflete o número de horas em que a radiação solar deve permanecer constante e igual a 1kW/m² de forma que a energia resultante seja equivalente à energia acumulada para o dia e local em questão. existem métodos que permitem gerar dados numa escala de tempo qualquer. A utilização de uma escala temporal reduzida permite avaliar o desempenho do equipamento solar em condições mais próximas da realidade.  Iluminação pública. por exemplo. A forma mais comum de apresentação dos dados de radiação é através de valores médios mensais para a energia cumulada ao longo do dia. SP = 6 [kWh/m²] / 1 [kWh/m²] SP = 6 [horas / dia] Existem muitos pequenos projetos nacionais de geração fotovoltaica de energia elétrica. postos de saúde e centros comunitários 16 . em nosso caso. irrigação e piscicultura. Mostra-se abaixo. Esses projetos atuam basicamente com quatro tipos de sistemas:  Bombeamento de água.  Sistemas de uso coletivo. para abastecimento doméstico. seja diária. as estações solarimétricas fornecem dados de radiação solar global. Os dados da radiação solar podem ser especificados em termos de fluxo de potência (valores instantâneos – kW) ou energia – kWh (com diversos períodos de integração) por unidade de área. A partir dos dados fornecidos pelas estações solarimétricas.

 Atendimento domiciliar. a eletrificação de cercas. Existem também sistemas híbridos. voltados para o Norte geográfico.956 projetos e 5. Desde a sua criação. foram destinados US$ 37. ocupando uma área de aproximadamente 300 m2.48 kW. está em operação. Figura 6.25 milhões para 8.112 kWp (quilowatt-pico) de potência.0 – Sistema híbrido solar- diesel de Araras O sistema a diesel possui três motores de 54 kW. a produção de gelo e a dessalinização de água. Estado de Rondônia. com inclinação de 10 graus em relação ao plano horizontal. O fotovoltaico constituído é sistema por 320 painéis de 64 perfazendo capacidade uma W. totalizando 162 kW de potência instalada. A maioria dos sistemas do 17 . Os painéis estão dispostos em 20 colunas de 16 painéis. No município de Nova Mamoré. integrando painéis fotovoltaicos e grupos geradores a diesel. nominal de 20. o maior sistema híbrido solar-diesel do Brasil. Existem também as estações de telefonia e monitoramento remoto. desde abril de 2001.

Disponível em: http://www.stoa. Conversão e viabilidade técnico-econômica.Agência nacional de Energia Elétrica. com a seguinte composição: seis painéis de 120 Wp (total de 720 Wp). e um inversor de 900 Watts (110 ou 220 V) (MME. Na Fase V todos os 3. Escola Politécnica.br/gepocufsm/index.br/pluginfile. ANEEL.br/aplicacoes/atlas/pdf/03-Energia_Solar(3). PORTAL ENERGIA.portal-energia. Eliane Aparecida Faria Amaral. 2003). oito baterias de 150 Ah (total de 1.PRODEEM são sistemas energéticos e instalados em escolas rurais. REFERENCIA BIBLIOGRAFICA FADIGAS.php/56337/mod_resource/content/2/Apostila_solar. GEPEA – Grupo de Energia.820 Wh. Energia Solar.pdf. Acesso em: 10 nov 2015.ufsm. Disponível em: http://www.php/areas-deatuacao/menu-eletronica-de-potencia.usp. capazes de fornecer diariamente cerca de 1. São Paulo – SP. Disponível em: http://coral.com/manual-e-guia-tecnico-de-energiasolar-fotovoltaica-tecnologias-projecto-e-instalacao/. Energia Fotovoltaica – manual sobre tecnologia.pdf. projeto e instalação. ANEEL . Energia Solar Fotovoltaica: Fundamentos. Acesso em: 10 nov 2015. Disponível em: http://disciplinas. Acesso em : 15 nov 2015. 18 . Acesso em: 11 nov 2015 Eletrônica de Potência.000 sistemas são iguais.aneel. Universidade de São Paulo.200 Ah).gov.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful