Você está na página 1de 10

REINO UNIDO

“NÃO SOU UM SANTO


NEM UM VIGARISTA
OU UM MALANDRO!"
Afirma Gabriel Fernandes ao
nosso jornal, em entrevista
polémica, onde explica ter
ganho o recurso em tribunal
contra a condenação de
fraude fiscal. Pag. 24

Nº 80 < Ano 4 < 26 Março 2010 Director: Daniel Santos Quinzenal< Gratuito

PEDRO PASSOS COELHO


NESTE NUMERO

40 PÁGINAS
É O PRESIDENTE DO PSD
O Conselho de Jurisdição do PSD anunciou formalmente a vitória de
Pedro Passos Coelho nas eleições directas para a presidência do
partido.
Apesar de estarem por apurar, ainda 30 secções, já foram apuradas
Bournemouth a maioria das 360 secções de todo o país. Passos Coelho vence com
promoveu uma maioria absoluta de 61,06 por cento, o equivalente a 27.010
votos.
grande festa Paulo Rangel conquistou 34,47 por cento das opções dos militantes
para a social-democratas, 15.248 votos.
Aguiar-Branco apenas conseguiu 3,68 por cento das intenções de
Madeira voto, ligeiramente abaixo do já esperado (1.598 votos). Castanheira
Barros conquistou 103 votos, 0,23 por cento.
Pag. 36 Pedro Passos Coelho sucede, assim, a Manuela Ferreira Leite na lid-
erança laranja.

FUTEBOL
GRANDE
O ano da águia…
e da cerveja! Pag. 37 FESTA
Por Daniel Santos PELA
YA N N I C K D J A L ó MADEIRA
NA SELECÇÃO
O “Diabo de Gaia” DA GUINÉ? Pag. 38 NO

José Figueiras, Carlos do Carmo,


CULTURAL
Luís Represas, João Pedro Pais,
Silvia Rizzo e muitas surpresas,
Pag. 33
no dia 11 de Abril no Battersea
Arts Centre, em Londres Pag. 2

PUB.
2 26 Março 2010

ENTRE NÓS
GALA “AS NOTÍCIAS” JÁ EM MOVIMENTO

João Pedro Pais junta-se á comitiva


e Nicolau Breyner não pode vir
Assim o elenco está confirmado. Carlos do Carmos, Luís Represas, João Pedro
Pais e Silvia Rizzo, vão estar em Londres para a grande noite dos galardões “As

Bullying Notícias” / BES. José Figueiras será o mestre de cerimónias e apresentará o


espectáculo, daquela maneira que todos o conhecemos. Atrás vêm duas tele-
visões, a SIC e a TVI e duas revistas de

O
País anda num completo alvoroço por causa da violência nas
escolas, por causa de um tal bullying - a nova expressão, de âmbito social. No todo a comitiva é compos- PUB.
origem inglesa, de que toda a comunicação social, com o ta por 16 vedetas e jornalistas. Por fim,
mesmo pedantismo que fala em carjacking, vem usando e abusando. teremos uma grande surpresa, a qual só
Afinal, um bully não passa de um valentão ou de um qualquer fanfar- iremos tornar pública durante o espectácu-
rão de meia tigela, de um rufia cobardolas que vê nos mais fracos o lo. O júri, liderado por Pedro Xavier, terá satellitesystems@hotmail.co.uk
ponto forte da sua realização. Os bullies, que deram origem a este para a dentro de dias acesso a todas as www.satellitesystems.com.pt
comportamento que agora preocupa pais, professores, alunos, psicól- nomeações e, na semana anterior ao Tel: 07958957974 / 07817800119
ogos, psiquiatras, assistentes sociais, polícias, ministros e, de um espectáculo, saberemos o nome dos galar-
Fernando Mendes
modo geral, toda a sociedade, sempre existiram. E sempre existirão…
doados. Como convidados VIP, estamos à
espera de confirmar a sua presença. A APE

N
o meu tempo, em que todos seríamos mais comedidos quanto
aos anglicismos que hoje povoam o nosso vocabulário, estes fará a cobertura para outras comunidades,
putos reguilas, que atormentam os mais novos tanto no que diz respeito a transmissão tele-
visiva, como radiofínica.

E
que se viram contra os professores, não passariam de isso Está, pois, tudo a postos para receber cerca
mesmo, de miúdos atrevidos, já com alguns laivos marialvas, que de vinte convidados e artistas e abrir as por-
transportavam para a escola a falta de educação que se fazia tas a cerca de 600 convidados.
sentir lá por casa. Esses miúdos, que nesse tempo eram de imediato Gostaríamos de agradecer ao Hotel
identificados, jamais conseguiriam exercer esse despotismo que hoje Pestana e à Silvia Rizzo pela força que nos
praticam. Porquê? Porque entre os próprios putos de então havia a deram. Quanto aos patrocinadores, sem Pode ter até 3 boxes com apenas uma assinatura
noção de alguns valores que não permitiam que um qualquer gabaro- Entregas e instalações em todo o Reino Unido
eles não teríamos este evento. Obrigado a
la dominasse, a seu belo prazer, os mais fracos da classe, os mais
todos. Procuramos instaladores e colaboradores
medricas da escola. Nesse tempo, como hoje, havia os atrevidos, os em todo o Reino Unido
brincalhões, os engraçadinhos, os mauzinhos, os sonsos, os pãezin-
hos sem sal, os mariquinhas, os filhinhos da mamã, os miúdos da rua.
Nesse tempo, como hoje, havia isso tudo - mas também havia, e é aí
que reside a grande diferença, a educação que hoje falta em grande
parte das nossas casas. Nesse tempo não seríamos melhores, nem
piores, do que os miúdos de hoje. Mas seríamos, certamente, difer-
entes…

O
bullying não é um problema das escolas, é um problema dos pais
que não conseguem incutir nos seus rebentos os valores por que
nunca se guiaram. A escola, mais do que para educar, está ali
para ensinar, para transmitir conhecimentos e sabedoria. A educação,
essa, adquire-se em casa, o carácter não se forma em compêndios, os
valores não se estudam em sebentas. Os pais de hoje, como os de
ontem, não podem pretender que os seus filhos não sejam educados
à sua imagem. Os putos de hoje, por quem se clamam direitos atrás de
direitos, não sabem, sequer, porque nunca ninguém lhes disse, que
também têm deveres. Nesta sociedade mole, do sociologicamente cor-
recto, onde não há tempo para dedicar aos filhos, onde não há um car-
olo ou um sopapo para corrigir atitudes e comportamentos, os miúdos
sabem que podem abusar… de quase tudo e de quase todos. Depois,
quando os acontecimentos extravasam para além do normal, é um ai
Jesus em coro, é um Deus nos acuda geral, são padres-nossos e avés-

Propriedade e Administração
Portuguese Link Ltd.
Sede: 25A Guildhall Street
Thetford – Norfolk IP24 2DT - Tel: 01842 764622
Delegação: 47 South Lambeth Road
London, SW8 1RH - Tel: 02075 821155
geral@portuguesemedia.co.uk - sales@portuguesemedia.co.uk
Direcção Geral: João de Noronha joaonoronha@asnoticias.co.uk ; Direcção
Administrativa e Comercial: Pedro Fernandes pedrofernandes@asnoticias.co.uk ; Direcção
Financeira: Susana Forte Vaz susana@asnoticias.co.uk ; Director/Editor: Daniel Santos;
Redactora: Soraya Ventura; Colaboradores: Denise Cabral (Comunidades e Movimento
Associativo); Alfredo Miranda (Portugal); Marques dos Santos (Desporto); JCD Gomes;
Isilda de Freitas; J. Bandeira; Miguel Linhares (Informática); Opinião: José Bandeira, F.
Gonçalves da Silva, Valdeiza Costa, Carlos Flores (Fotografia), Isa Alexandre (Moda), Mike
Silva (Automóvel); Revisão: S. Vaz; Distribuição: Portuguese Link, City Link e EuroMarket
; Tiragem: 20 mil exemplares distribuídos em 259 localidades na Inglaterra, País de Gales,
Escócia, Irlanda, ilhas de Jersey e Guernsey; Colaboração: Lusa, Agência de Notícias de
Portugal, SA
www.portuguesemedia.co.uk/asnoticias
Nota da Direcção: A publicidade publicada neste jornal, cadernos e inserções é da inteira responsabilidade
dos anunciantes. Os artigos de opinião são também da inteira responsabilidade de quem os subscreve e
podem ou não transmitir a opinião do jornal. A sua publicação insere-se na responsabilidade democrática
que temos em aceitar a liberdade de expressão, de opinião e o direito à diferença.
16 26 Março 2010

MADEIRA
Amanhã, Sábado, no Hotel Ibis de Earls Court
GRANDE FESTA DE SOLIDARIEDADE A FAVOR DA MADEIRA
Organizado pelo conhecido câmara de Lisboa. António Costa, lação da Madeira, violentamente
empresário português, José Silva, o presidente da câmara de fustigada por uma tempestade que
proprietário do restaurante Londres, Boris Johnson, e alguns destruiu um dos mais belos cen-
Silva's, em Tinseltown e da Casa deputados portugueses, entre eles, tros de turismo de Portugal.
do Peixe, no centro de Lambeth, Carlos Gonçalves, do partido A organização "solicita a aderên-
com apoio do conselheiro das social-democrata português. cia das comunidades portuguesas
comunidades, António Cunha, vai O espectáculo estará a cargo de e lusófonas no Reino Unido, a esta
realizar-se este Sábado um Adelaide Ferreira, que se deslo- louvável iniciativa, a qual visa
grandioso jantar, para a recolha de cará a Londres para tomar lugar manifestar a solidariedade para
fundos de ajuda à Madeira, numa nesta festa. com os madeirenses, na sua hora
onda de solidariedade, que tem Pensamos que a maioria dos por- de necessidade."
invadido todos os cantos do Reino tugueses aqui imigrados estará ao Para reservas foram-nos dados os
Unido, onde a comunidade por- corrente das variadíssimas neces- seguintes telefones:
tuguesa vai organizando as suas sidades do povo madeirenses, e Luís, 07947590921;
festas de apoio às vítimas da estamos certos, irá responder de Silva, 07957160175;
Madeira. acordo a esta iniciativa a cargo de Paulo, 07951606514.
Esta festa que atrai altas indivi- um grupo de portugueses propos- O local da recepção é no Hotel
dualidades portuguesas e locais, tos a desenvolver uma festa que Íbis de Earls Court, na 47 Lillie
contará, segundo a organização, reúna os mais importantes e desta- Road, em Londres, SW6 1UD. O
com a presença do Presidente da cados elementos da nossa comu- preço é de £35 por pessoa e o Adelaide Ferreira
Câmara do Funchal, Miguel nidade, para que se possam reco- evento começa às 19:30 ou, di-
Albuquerque, o presidente da lher fundos em ajuda da popu- gamos, às 7,30pm.

JOÃO JARDIM PEDE MENOS ALARMISMOS


PARTIDOS COM VISITA DE DURÃO BARROSO
Alberto João Jardim, pediu menos "alarmismo" nas notícias relativas ao mau tempo que envolvam a região, Durão Barroso esteve na Madeira e realizou um périplo pelas
para que a sociedade possa viver sem "tensão". Jardim falava durante o ato inaugural da nova unidade de localidades mais penalizadas pelo temporal, que fez 43 mor-
Hemodiálise Dr. José Miguel Mendonça, perante uma plateia de médicos e políticos e aproveitou os recentes tos, 8 desaparecidos, 600 desalojados e causou 1,4 mil mil-
"boatos" que se espalham pela cidade quando há avisos de mau tempo para pedir moderação aos intervenientes hões de euros de prejuízos.Todos os partidos consideram
na vida pública. A seu ver é necessário, por parte das pessoas que comunicam com a população, desde os políti- oportuna esta deslocação de Durão Barroso e dele esperam
cos à comunicação social, que não seexiba e façam “um tipo de espetáculo com coisas que são muito sérias". medidas rápidas para a reconstrução da Madeira.
26 Março 2010 17

MADEIRA
VICE-PRESIDENTE DO GOVERNO REGIONAL AFIRMA
Detido suspeito do homicídio
"Fundo de Solidariedade Europeu de empresário de Porto Santo
Um dos suspeitos dos crimes de rapto e homicídio de um

é diminuto para reconstruir a ilha" empresário do Porto Santo, ocorridos em Julho de 2009, foi detido
no Brasil no cumprimento de um mandado de captura.
Em comunicado distribuído pelo Departamento de investigação
O vice-presidente do Governo Regional afirmou que pressupõe outros financiamentos e outras questões", Criminal do Funchal, a PJ adianta que os outros três co-autores dos crimes
o Fundo de Solidariedade Europeu é "diminuto" e "fica adiantou. já foram detidos e aguardam o desenrolar o processo em prisão preventiva
aquém das expectativas" da região para os trabalhos de Instado a falar sobre o montante dos prejuízos do na Madeira.
reconstrução depois do temporal de 20 de Fevereiro. temporal inicialmente avançado pelo Governo "Com esta detenção, completa-se o quadro de suspeitos neste caso e
João Cunha e Silva falava no âmbito da visita que a Regional, na ordem dos 1,4 mil milhões de euros, o estão todos detidos", disse à agência Lusa o coordenador da PJ no Funchal,
comissão paritária criada pelo primeiro-ministro, José governante referiu tratar-se de um valor estimado, "um Ricardo Silva.
Sócrates, aos locais mais afectados pela intempérie que apanhado geral, feito à pressa dada a natureza da Acrescentou que, de acordo com as informações do ministério das
assolou a ilha a 20 de Fevereiro. situação, feito por diversas entidades e somado, que foi Relações Exteriores do Brasil, o equivalente ao ministério dos Negócios
"É bom esclarecer que o Fundo de Solidariedade da um ponto de partida e não o resultado final". Estrangeiros de Portugal, o Supremo Tribunal de Justiça brasileiro refere
União Europeia não é tão avultado quanto as pessoa "Já não estamos a pensar nos prejuízos mas na que a detenção do suspeito aconteceu a 22 de Janeiro. O suspeito "ainda
pensam, aliás fica aquém das expectativas, por isso reconstrução, no que vai ser preciso para reconstruir se encontra no Brasil, seguindo-se agora o processo de extradição que leva
temos que encontrar com imaginação algumas outras atendendo às dificuldades que todos temos, ao pouco algum tempo", disse.
fontes de financiamento para fazer face aos problemas espaço de manobra que tem a União Europeia para nos Este suspeito é um subempreiteiro da construção civil, natural da
que se depararam à Madeira naquele fatídico dia", garantir verbas para além do Fundo de Solidariedade, Madeira, com 35 anos, que fugiu para o Brasil no dia a seguir ao do rapto
declarou o governante madeirense. que é reduzido e diminuto face ao avultado prejuízo do empresário para quem havia trabalhado alguns anos antes. Os quatro
O responsável realçou que esta foi a primeira reunião que aconteceu", argumentou. homens são considerados suspeitos do rapto e homicídio do empresário
da comissão no terreno "para conhecer dimensão da Acrescentou a estas dificuldades as que o país e a Guilherme Bernardino Alves, de 78 anos, estabelecido há cerca de 40 anos
tragédia e prejuízos que se verificaram", um trabalho região atravessam, apontando a necessidade de serem no Porto Santo, sendo proprietário da bomba de gasolina da ilha.
que terá continuidade em outros encontros em Lisboa e "muito imaginativos, mas muito rigorosos para Tudo indica que o empresário foi atraído à Madeira com uma falsa
na região. encontrar soluções que ajudem a construir a Madeira e promessa de um contrato para um projecto de escavações de um
"Vamos tentar fazer o nosso trabalho, de forma a que, que sejam possíveis atendendo a estes problemas". empreendimento turístico naquela ilha.
no prazo de mais ou menos um mês, possamos entregar João Cunha e Silva sublinhou também existir "uma Terá sido sequestrado na chegada ao Aeroporto da Madeira, chegou a
aos dois governos o resultado", acrescentou. vontade de colaboração por parte do Governo da contactar a família a pedir um avultada quantia em dinheiro, valor na
"Não estamos a trabalhar para o presidente da República desde que o primeiro-ministro veio à ordem dos 500 mil euros que foi solicitado posteriormente por um dos
Comissão Europeia", salientou Cunha e Silva, Madeira". raptores.
acrescentando que o relatório referido por Durão "Outra coisa não tem acontecido senão colaboração O cadáver de Guilherme Bernardino Alves foi resgatado alguns dias
Barroso aquando da sua visita à Madeira visava apenas intensa entre os dois governos porque recuperar a depois no interior do poço de um estaleiro na freguesia da Camacha,
a candidatura ao Fundo de Solidariedade. Madeira é recuperar Portugal e é isso que estamos a concelho de Santa Cruz.
"Estamos a fazer um trabalho mais vasto que fazer", conclui.
PUB.
22 26 Março 2010

COMUNIDADES

Bullying
A AGRESSIVIDADE ENTRE AS CRIANÇAS
Actualmente, a agressividade figura entre as principais preocupações públi-
cas da nossa sociedade. Apesar da problemática ser antiga, a escola é o prin-
cipal palco destas manifestações de comportamento.
Alguns pais não conseguem casos de bullying do que com as vítimas.
ficar tranquilos quando os aqueles que são relatados.
seus filhos vão, por exemplo, Agressões injustas São raros os casos em que a
para a escola. Inclusivamente, O bullying refere-se à agres- criança vítima de bullying rev-
muitos de nós tivemos exper- sividade que ocorre em con- ela que está a sofrer
iências pessoais deste tipo no texto escolar e implica mau agressões. Se por um lado se
nosso tempo de escola e, trato pessoal, intimidação psi- sente envergonhada, por outro
sabemos o quão preocupante cológica e isolamento social. teme recriminações. Existem
é esta situação. Tratam-se de situações em muitas crianças que acreditam
As condutas ou comporta- que um ou vários alunos deci- que elas próprias são as
mentos agressivos que se dem agredir injustamente responsáveis e a razão da
manifestam em contexto outro colega, isto é, sem moti- agressão e, como tal, julgam- que são inerentes, que nasce- No entanto, muitos adoles-
escolar entre os alunos são vo aparente, e o submetem, se merecedoras das ram com a criança) ou adquiri- centes apresentam elevados
conhecidos internacional- por longos períodos de tempo, agressões de que têm vindo a das, podendo essas causas níveis de agressividade que se
mente pela designação de a uma ou mais formas de ser alvo. serem de natureza cultural, mantêm estáveis ao longo do
bullying. O bullying é uma agressão física, verbal ou psi- Medo de ir à escola social, económica, psicológica, tempo e para os quais parece
forma de conduta agressiva, cológica. Para as vítimas de bullying, ir à cognitiva e ambiental. justificar-se algum tipo de
intencional e prejudicial, cujos Na agressão física, suben- escola, especialmente aos Sintomas de alerta intervenção. Se estes adoles-
protagonistas, agressores e tende-se atacar fisicamente, recreios, é um drama. Alguns Uma criança vítima de bullying centes não forem tratados a
agredidos, são os alunos. roubar ou estragar objectos. alunos inventam desculpas e pode apresentar sintomas tempo, correm um risco maior
O problema da agressividade Na verbal, está implícito o tentam arranjar estratégias como enurese nocturna, alter- de delinquência juvenil e de
entre crianças e jovens está a colocar alcunhas, insultar, para evitar ir à escola e ao ações do sono, cefaleia, dor comportamentos anti-sociais e
tomar assustadoras pro- interrogar com tom desafiante recreio. Quando estão no gástrica, ansiedade e violentos no futuro.
porções no seio da sociedade ou ameaçador e, na agressão recreio, tentam refugiar-se em depressão. Pode manifestar As escolas devem reconhecer
e, evidentemente, dentro das psicológica, divulgam-se locais menos frequentados, também medo ou resistência a extensão e o impacto gerado
escolas. A escola é um dos rumores pejorativos, excluin- uma vez que têm dificuldade em ir à escola, demonstrações por esse tipo de comportamen-
locais onde os comportamen- do-se socialmente a vítima. em se integrarem com outras de tristeza ou insegurança por to e desenvolver medidas para
tos agressivos estão a tomar Estes actos de bullying são crianças e temem ser agredi- estar na escola e actos de reduzi-lo rápida e eficazmente.
proporções cada vez maiores. praticados sobre crianças ou dos novamente. Este afasta- auto-agressão deliberados. Os Aos profissionais das áreas de
Estes comportamentos dis- jovens mais inseguros e mento acaba por ser prejudi- pais devem estar alerta a saúde e de educação é
ruptivos por parte dos alunos frágeis, mais fáceis de ame- cial pois, ao estarem longe do todos estes indicadores para recomendável que estejam
levam ao desânimo de muitos drontar e que têm dificuldade olhar de professores e fun- poderem intervir e ajudar a cri- alerta e que sejam compe-
pais e professores que não em se defenderem ou pedir cionários, ficam sem alguém ança. tentes para diagnosticar e
conseguem lidar com a situ- ajuda. Os agressores têm por perto que os possa ajudar. Na maioria das crianças e ado- adoptar a conduta adequada
ação. como objectivo amedrontar a Nos diversos estudos que lescentes é normal verificar-se diante de um caso de bullying,
Há muitos pais e professores vítima para garantir que esta existem sobre o bullying, um determinado grau de de modo a assegurar às cri-
que, pura e simplesmente não não conte nada a ninguém. demonstra-se que não existe agressividade nos seus com- anças a protecção e assistên-
sabem que esta agressividade A maioria dos agressores ou uma característica única que portamentos, embora dentro cia necessárias.
existe, uma vez que a maioria bullies age movida por um determine o comportamento de certos limites de forma a
das vítimas prefere ocultar o abuso de poder e por um agressivo, podendo estar rela- não perturbar as actividades Artigo da
sucedido. Como tal, acredita- desejo de intimidar e de domi- cionado com diversas causas. de grupo e a não conduzir à Dra. Catarina Leal,
se que existam muitos mais nar, têm pouca empatia para Podem ser inatas (aquelas rejeição por parte dos colegas. psicóloga educacional

PUB.
26 Março 2010 23

COMUNIDADES
Elisabeth Hughes, candidata trabalhista por Norfolk, para as Eleições Gerais em Maio

"UMA COISA É CERTA, OS POLÍTICOS MENTEM"


ornal "As Notícias" esteve com crise." Elisabeth lembra as vastas comu- o partido trabalhista não "tem ver- ficação de muitos deles. Fez saber
uma das candidatas trabalhistas A seu ver a responsabilidade da nidades de expatriados ingleses, gonha" de ter dado a mão e ajuda- que as autoridades inglesas reco-
por Norfolk, onde se encontra a crise é dos operadores financeiros por essa Europa fora, nomeada- do as diversas comunidades imi- nhecem terem no seio das comu-
segunda maior concentração de e as comunidades imigrantes são, mente em Portugal e Espanha. grantes em se integrarem. Recorda nidades imigrantes, técnicos
imigrantes portugueses no Reino entre muitas outras, "vítimas do Explica que ninguém "com senso que foi o seu partido que defendeu necessários para o desenvolvimen-
Unido. Encontrámos uma mulher resultado da crise". Em política é comum" pode pensar em sair da e implementou o salário mínimo, a to do país, mas a falta do inglês
franca, aberta e bem ciente que frequente tentar lei protecção no tra- impede que trabalhem nas suas
ganhar em terra de "conser- "arranjar-se um balho, o máximo de áreas de especialização.
vadores" é uma missão "quase bode expiatório", 48 horas de trabalho Quando lhe perguntámos sobre o
impossível". para esconder os por semana, o aces- que poderíamos fazer nestas
Na conversa que tivemos com verdadeiros pro- so à educação e aos eleições, Elisabeth admitiu que
Elisabeth Hughes, começou por blemas. Com umas serviço nacional de pouco, "porque a maioria não pode
nos explicar que, para ganharem eleições tão renhi- saúde, para todos os votar". Mas é "preciso motivar os
votos, os "políticos mentem" das como estas e residentes no Reino imigrantes a votarem nas eleições
deturpando a verdade. Por exemp- "conhecendo um Unido, incluindo as europeias e locais. O seu voto
lo, os conservadores acusam os certo descontenta- comunidades imi- pode mudar muita coisa". A candi-
imigrantes de "desviar benefícios" mento pela políti- grantes. "Muitos data trabalhista alerta que a
da boca dos ingleses, quantificam ca de imigração do desses direitos e importância política de uma comu-
os valores que recebem, mas actual governo", a garantias vão desa- nidade, está na relação directa do
omitem os valores que, os mesmos candidata traba- parecer num gover- seu número de votos. Por isso é
imigrantes, contribuem para a lhista acusa os no conservador", que é preciso recensearmo-nos e
economia britânica, superiores conservadores de Elisabeth Hughes, admite a candidata votar, quando nos é permitido
áquilo que recebem. tentarem "roubar uma das candidatas trabalhista ao nosso fazer. É, assim, mais uma política
Explica-nos que "é moda, votos" ao BNP, Trabalhista por Norfolk jornal. e desta feita local, que volta a tra-
atribuírem aos imigrantes a extrema-direita e à Ciente que há ainda zer para a mesa a importância do
responsabilidade da crise" e con- UKIP, partido contra a permanên- Europa e pôr em risco essas comu- muito por fazer, Elisabeth Hughes, nosso voto. Se queremos direitos,
tinua por dizer que a acusação é cia da Inglaterra na União nidades. Por isso diz que toda esta aponta para a necessidade de um temos de lutar por eles. Está total-
"falsa, sem fundamento e dirigida Europeia. Ambos partidos têm campanha "é uma mentira" basea- investimento "sério" nos cursos de mente nas nossas mãos a condição
a pessoas sem capacidade de crescido na base do voto anti-imi- da apenas na caça ao voto. inglês para imigrantes, para que, de sermos mais respeitados e ouvi-
perceber as verdadeiras causas da gração. Elisabeth Hughes diz mesmo que depois, se possa entrar na requali- dos. (JN)
PUB.
24 26 Março 2010

COMUNIDADES
"NÃO SOU UM SANTO NEM UM
VIGARISTA OU UM MALANDRO!"
- Afirmou Gabriel Fernandes ao nosso jornal, depois
de ter ganho o recurso em tribunal contra a
condenação de fraude fiscal
É hoje secretário-geral da Associação dos Portugueses no Estrangeiro. Instituição ainda pouco divulgada
no Reino Unido, mas com um pendor forte nas comunidades dos EUA, Canadá, França e África do Sul.
Foi vereador da câmara de Lambeth e, por muito tempo, conselheiro das comunidades portuguesas no
Reino Unido. Homem trabalhador, conhecedor da comunidade, prestigiado e dedicado, Gabriel
Fernandes era e é um homem polémico, sem papas na língua. Situação que lhe criou muitos e poderosos
inimigos, que aproveitaram um erro grave do ex-conselheiro, para lhe destruírem a vida e a obra que se
propunha a fazer para a comunidade portuguesa em Londres. De uma situação totalmente legal no rece-
bimento de benefícios, uma mudança de morada e de circunstâncias não reportada convenientemente,
veio a constituir a arma tão esperada pela oposição, para destruírem a carreira política do único por-
tuguês eleito para uma função pública em Inglaterra. Julgaram-no e acusaram-no de fraude fiscal e fize-
ram disso "gato sapato" para o afastar, no entanto encobriram e não divulgaram que o tribunal de recur-
so não deu provimento à acusação e Gabriel Fernandes foi ilibado do crime. Devolveu apenas o valor de
impostos que recebeu a mais. que ficou mais clara a sua posição das instituições do país de origem, abandonar a posição como líder tas do partido liberal democrata,
Apesar de julgarmos que um e a história que o envolveu. No que fogem de aceitar a realidade. da comunidade portuguesa em como independente - porque não
político tem e deve manter uma final, ficou a sensação que, talvez, Aqui ficam as suas respostas a Londres? sou liberal, toda a vida fui e sou
postura clara e transparente, todos independentemente das diferenças muitas perguntas que sempre lhe "Deixe-me dizer que não foi um socialista - só que não acredito
somos humanos e não estamos políticas e ideológicas que temos, quisemos fazer. problema pessoal… Pela primeira neste partido socialista (trabal-
isentos de erros. O que seria de deixámos fugir um homem com- Vamos começar pela pergunta vez, vou contar a verdade toda. hista) daqui.
todos os políticos que tivessem de petente e capaz de apresentar obra, que toda a comunidade por- Isto porque só há uma verdade… e Mas os liberais têm uma ala
pagar pelos seus erros… Faltou, numa comunidade que cada vez tuguesa espera. O que aconteceu eu nunca quis falar sobre esta socialista!
quanto a nós, os esclarecimentos mais vive mergulhada em promes- ao certo consigo e quais foram, questão, mas vamos começar "Verdade. O partido liberal é mais
públicos do ex-conselheiro, mas sas e poucas obras, sem voz activa exactamente, as causas do pro- desde o início. Fui eleito vereador socialista que os trabalhistas de
nesta entrevista, poderemos dizer que a defenda da política local e blema pessoal que o forçou a para a câmara de Lambeth, nas lis- Lambeth. Porque está bem
PUB.
26 Março 2010 25 PUB.

COMUNIDADES
enraizado dentro das comunidades só paguei 3 mil. E podem confir- nidade portuguesa de Lambeth,
e, por isso, sabe defendê-las muito mar tudo o que digo no Acton quando sabem que fui investigado
melhor. Mas vamos à história. O Magistrates Court, se quiserem…" sobre o assunto e não foi encontra-
que aconteceu foi o seguinte - o Diz ter sido perseguido. Por da qualquer prova. Aliás o
partido trabalhista nunca me per- quem e porquê? Anthony Bottrall confirma na
doou o facto de eu ter sido o meio "Ora bem. Estávamos em Maio, entrevista ao seu jornal com um
de os tirar da câmara, onde 2003. Aparecem em Greenford - redondo "Não", o facto nunca ter
estavam há mais de 23 anos. E, por na altura em que o meu filho, de havido provas de furto de fundos.
isso, eu passei a alvo a abater. um ano de idade, entra no hospital Aliás as investigações acabaram
Tentaram por todos os meios. Por com o tumor craniano (detectado a em ZERO!"
intermédio dos cobardes da nossa 13 de Maio, dia de N. S. de É verdade que em 2004, o senhor
comunidade e dos hipócritas. Fátima) - duas pessoas do Ealing e a ex-conselheira das comu-
Andaram a vasculhar e a inventar Council para falar comigo e mar- nidades, Cristina Costa Pinto,
coisas sobre a minha vida, factos carem uma entrevista na câmara. estavam a projectar um centro
que se lhe contasse, teria de se Assim foi. No encontro deram-me português para a nossa comu-
segurar bem à cadeira." conhecimento das graves nidade em Lambeth?
Vamos em frente… acusações contra mim, tudo insti- "Deixe-me rectificá-lo, pois foi
"Então o que aconteceu? Eu vivia gado por certos funcionários do antes de 2004. Nós vínhamos a
em Avory Court, Streatham, e Lambeth Council, que, a saber, falar com várias instituições e…
tinha um subsídio da câmara para andavam a fazer a investigação. Então em que ano foi?
o pagamento da renda. Na altura Tudo pela mão de um funcionário "Em 2002, por aí… não sei bem…
não tinha salário, trabalhava como de cor, que mais tarde acabou por mas foi antes de 2004, com toda a
voluntário numa associação, que ser demitido. Dada a gravidade das certeza. A ideia era a seguinte -
era o Gabinete de Apoio aos por- acusações, eu resolvi que, como arranjar um edifício, que chegou a
tugueses. E tinha a minha reforma. vereador, para salvaguardar todos ser negociado, situado em
Isto dava-me o direito ao subsídio à minha volta, teria de pedir a Clapham Road, por ser considera-
de habitação e fui buscar esse di- minha demissão. Facto que comu- do o ideal. Mas não tínhamos qual-
reito. Tal como toda a gente que a niquei ao Anthony Bottrall, dos quer intenção de pedir dinheiro à
ele recorre." liberais. Mesmo quando ainda não câmara, porque isso era e é uma
De certa maneira uma das se sabia o resultado das investi- utopia. E porquê? Porque a câmara
forma de aligeirar a carga fis- gações." tem muitas comunidades e para
cal? E os comentários na comu- dar à portuguesa teria de dar a
"De certa forma. Mas o que quero nidade portuguesa? todas as outras. Por isso considero
dizer é que, o que pedi, eu tinha "Espere! A investigação continua e esta nova tentativa de que se fala,
direito! E, até hoje, ninguém pôs vou a Portugal à tomada de posse uma utopia, digo mesmo uma
em causa isso. Só que entretanto como conselheiro das comu- mentira! Clara e com todas as
eu conheço a minha actual mulher, nidades, onde comuniquei à letras! Uma mentira baseada em
proprietária de casa própria em Cristina a demissão e fiz o mesmo mera propaganda política."
Greenford, num sistema de "share ao Steve Reed, mas, a este último, Então concorda com as declar-
equity" (que dá acesso à compra sem lhe contar as razões. Aliás ele ações de Anthony Bottrall ao
parcial de uma propriedade). sabia da situação do meu filho, que nosso jornal…
Entretanto chegam as eleições. E acabou por falecer em Julho do "Absolutamente, cem por cento!
eu decidi sair da casa onde estava mesmo ano e, por isso foi fácil ale- Aliás, tive a oportunidade de dizer
e ir viver para casa da minha mu- gar 'assuntos familiares'. Logo em à Cristina Costa Pinto e a muitas
lher. seguida realizaram-se eleições e, pessoas, que essa é uma mentira
Ora, na casa em questão, a minha como é compreensível, eu estava muito própria do senhor Steve
mulher detinha 40% da pro- de rastos com morte do meu filho. Reed."
priedade em conjunto com o irmão Mesmo assim um tal Peter Tudo bem, mas considera tam-
que, entretanto, tinha ido para Bowyer, trabalhista, sabendo que bém o projecto essencial para a
Espanha. No entanto legalmente, eu estava de luto, aproveitou a sustentação da comunidade por-
apesar de viver no estrangeiro, ele oportunidade para dizer de mim tuguesa em Londres?
era meu senhorio. aquilo que quis. Porque sabia que "Sim, o projecto é necessário, mas
Nessa base, uma rapariguita que eu não iria defender e tirando par- não da forma como foi anunciado.
trabalhava no centro de apoio tido do estado psicológico em que É preciso muita atenção, porque
preencheu os formulários dos me encontrava com a morte do temos de averiguar muito bem
meus benefícios para a nova mora- meu filho…" quem são as pessoas capazes de
da e eu assinei. Não nego que os Não entendo. Não havia culpa gerir um projecto daqueles!!! Não
assinei de livre vontade e, por isso, formada, porquê demitir-se? pode ser o senhor tal e tal, só
se ao assiná-los cometi uma ilegal- "A minha cabeça não estava para porque é amigo deste e daquele.
idade, só teria de pagar por ela. ali virada. A morte do meu filho O projecto que nós então pensá-
Mas atenção, assinei-os por ne- destruiu todas as forças e a von- mos estava planeado de modo a
gligência e não por fraude, como tade que poderia ter tido para me englobar um género de centro
se tentou induzir." defender. Quem me conhece sabe comercial português, com serviços
Mesmo assim pagou caro, pela bem que, noutras condições, eu de apoio como dentista, médico,
mesma negligência… não me calaria, nem me teria cabeleireiro, café e outros comér-
"Sim, paguei caro! Fui condenado, demitido. Teria lutado e ganho a cios vários, com um gabinete de
mas recorri da sentença e ganhei. acção no tribunal, tal como veio a apoio social, com advogados, para
E muita atenção, estou a dizê-lo acontecer." com a receita de todos estes negó-
pela primeira vez, pois isto é coisa Agora mudando de assunto… cios, suportarmos as despesas de
que ninguém sabe." "Espere aí. Eu quero deixar claro manutenção. Por outro lado estive-
E nunca houve a vontade de que não sou um vigarista, nem um mos em negociações com 10
torná-lo público? malandro, como para aí dizem. empresários, que seriam
"Não, porque eu recorri quando já Não sou um santo, sou uma pessoa accionistas da empresa promotora
estava em Portugal e ganhei o igual às outras. Com defeitos e e que seriam os responsáveis pela
recurso. Para mim estava bem com qualidades. Agora é chato exis- administração do centro."
a minha consciência. Das 15 mil tirem pessoas a acusarem-me de E chegaram mesmo a contactar
libras que me condenaram a pagar, ter fugido com dinheiro da comu- pessoas? (Cont. Pag. 26)
26 26 Março 2010

COMUNIDADES
ENTREVISTA COM GABRIEL FERNANDES (Cont. da Pag. 25)
"Claro que sim. O Fausto da D&F, Por outro lado, lamento que a Braga, como Secretário de Estado? repartições públicas são projec- logo a seguir outro que diz o con-
por exemplo, pode bem teste- câmara de Lambeth, que tem, de "Olhe, o António Braga é meu tadas em áreas abertas de um só trário. Depois temos um
munhar isto que lhe estou a contar. fonte oficial, em Stockwell a amigo e, por isso, falo à vontade. piso. Os culpados disto foram os Observatório da Emigração que
Outro, o senhor Ângelo Eurico, região com maior concentração de Contudo aquilo que tenho a dizer deputados do PSD, que na altura diz residirem apenas 78 mil por-
penso, não me recordo bem do portugueses 'per capita' no Mundo, sobre ele digo. Ele é uma pessoa foram Secretários de Estado das tugueses no Reino Unido. Um
muito culta, tem curso de direito, Comunidades. Entre muitas escândalo! Mas o problema é que
ensinava português e uma vez coisas, não há rampa para uma ninguém reage. Os actuais consel-
disse-me que só 'gosta de coisas pessoa deficiente. Isto é ilegal! heiros não se insurgem contra
com substância', isso diz tudo. Ora Aliás a suas instalações estão pil- estas notícias. Porque é que não
bem, o António Braga tem de hadas de ilegalidades face à lei. responderam de imediato com um
acreditar nos diplomatas que estão Depois o consulado deveria trabal- comunicado para os jornais, e não
a dirigir as embaixadas e consula- har no horário de todas as repar- denunciaram o escândalo?
dos, porque é daí que vêm as infor- tições públicas. Fazem o atendi- Porquê? Aceitar que duas pessoas
mações. Ora nem todos os diplo- mento por marcações, não pode estejam a gastar mais de 300 mil
matas são bons. Nós já tivemos ser! Depois havia uma panelinha euros por ano, para não fazerem
bons diplomatas, tal como do Dr. com um certo número de emprega- nada. O problema dos portugueses
Samfeld. Mas os outros que vier- dos consulares, no intuito de passa por uma questão de repre-
am depois (não conheço o actual enfrentarem ao Secretário de sentação, seja ela na base da
cônsul geral em Londres) deixam Estado - mas felizmente acabaram própria comunidade ou na diplo-
muito a desejar, tal como o 'Sr. todos postos no olho da rua. Como macia colocada nos postos con-
Weinstein', um 'bicho' que passou vê não é só o problema de falta de sulares. Temos de esperar até
por aqui. E pode claramente escr- recursos…" aparecerem pessoas aptas e
ever BICHO! Era uma pessoa que Mas o certo é que não foram capazes de representar todos os
tinha vergonha de ir às festas dos substituídos? portugueses no Reino Unido."
portugueses. Preferia ir para uns "Ora porque circulam informações Entrevista conduzida por:
clubes que existiam em Earls contraditórias. Vem um cônsul que João de Noronha
Court… Pode escrever tudo isto, diz que precisa de mais pessoal, Fotografia: Pedro Fernandes
não tenho problema nenhum."
Mas então acusa a diplomacia de
nome…. No entanto, as coisas
evoluíram de tal maneira, e eu
não empregue nem uma pessoa a
falar português. Nos serviços de
estar aqui apenas para fins de
carreira e ignorar a comunidade
CONSERVADORES
meti-me em mais coisas e comecei
a não ter tempo para tratar desse
habitação é o caos, está cada vez
pior, não há ninguém para ajudar
portuguesa?
"Olhe, eu acho que temos de sepa-
CONTRIBUEM PARA
projecto. Mas continuo a achar que os portugueses. Porque um dos rar as embaixadas dos consulados. A INSEGURANÇA
é necessário o aparecimento deste maiores problemas que a comu- Enquanto as primeiras têm um
centro, mas desde que dentro do nidade sempre se debateu é a pendor mais político, os outros são EM STOCWELL
princípio que enunciei." habitação e, depois, o consulado, um departamentos de estado ao
Após quatro anos afastado, claro. As pessoas não sabem a leg- serviço dos portugueses no Boris Johnson prepara-se para reduzir as horas de
como encontra hoje a comu- islação e são apanhadas em peque- estrangeiro. Os problemas em ter- serviço das bilheteiras do metropolitano da estação de
nidade portuguesa? nas fraudes, por desconhecimento mos de comunidade têm aconteci- Stockwell, num acto envolto em grande secretismo, por
Olhe João, eu estive aqui 8 dias, da lei e aconselhamento incompe- do com os consulados." saber dos milhares de utentes que irá prejudicar, entre
dei uma volta por aqui e por ali, tente." Acabamos sempre criticando os eles milhares de portugueses e brasileiros que residem
por aquilo que vi as pessoas falam, Considera, então, que houve um consulados. No entanto não acha na área.
que continua a exploração de uns passo atrás? que funcionam bem demais com O corte previsto de 32 horas semanais, representará o
pelos outros, no que diz respeito "Olhe pelo menos para a frente os meios que têm? fecho das bilheteiras a partir das 19:45, durante a sem-
aos apoios essenciais, tão não houve. Não vejo melhorias "De certo modo sim. Mas vamos ana, em vez das 22:30 actuais, situação que não só pre-
necessários para sobreviverem. nenhumas. A comunidade aumen- atrás. O António Braga disse-me ocupa a população, pela ausência de serviços, mas
Puro negócio. Aliás a Doutora tou e isso é um facto evidente. A um dia que se ele fosse Secretário especialmente pela insegurança que a medida irá trazer
Nabas disse, numa entrevista à SECP tem muitas culpas no de Estado não teria permitido o para as os locais, na maior parte trabalhadores que
nossa rádio, que existem um rol de cartório, pela forma como tem aluguer destas instalações em deixam os seus locais de trabalho depois das novas
indivíduos que pedem mundos e ignorado esta comunidade. E só Londres. E esteve quase para horas de fecho. Depois de negar a medida, Boris
fundos e depois não resolvem os por isso passo para a frente não encerrar o Consulado quando Johnson acabou por ser surpreendido por um docu-
problemas às pessoas. Uma ver- houve". tomou posse e abrir noutro lado. mento, assinado por si próprio, que apoiava a mesma.
gonha. Como vê a acção de António Porquê? Porque hoje em dias as
PUB.

FAÇA PUBLICIDADE
NO MAIOR JORNAL
PORTUGUÊS NO
REINO UNIDO

01842 864 622


02075 821 155
28

Por que razão não gostam os


COMUNIDADES LUSÓFONAS ingleses da União Europeia?
EM DEMANDA DA JUSTIÇA! Se pedirmos a um português qualquer para explicar a história de
Portugal em poucas palavras, o mais provável é ouvirmos algo do
género: Fomos invadidos pelos espanhóis muitas vezes, conseguimos
vencê-los quase todas as vezes, nem que fosse à pazada, fizemos os
Como já tiveram a quando na prática deveriam IMIGRANTES" já estão a Descobrimentos e depois entrámos em decadência.
oportunidade de se ter estar envolvidos e a participar começar acordar para uma O século XIX é ignorado por ignorância, o século XX é ignorada
aperceber a nossa luta activamente a fim de ajudar a nova realidade, desprendendo- porque está demasiado presente e tudo é simplificado num apanhado
começou aonde a dos outros encontrar soluções dos mais se de toda a letargia que os geral. É normalíssimo e todos os países fazem isto: tirando os histori-
fracassou, porque prometeram vulneráveis. assedeia, correndo livremente adores (profissionais e amadores), a grande maioria da população olha
e não cumpriram deixando as Mas será que as para aquilo que lhes é mais
para a história do seu país como um enredo simplíssimo, fácil de enten-
" C O M U N I D A D E S " "COMUNIDADES" estarão de propício, nomeadamente, para
embaraçadas, como se tem facto interessadas em a "UNIDADE LUSÓFONA", der, e que, aliás, é bastante homogéneo entre as várias versões que
verificado, mas quando são organizarem-se para resolver porquanto é encontramos na boca de diferentes contadores. Este enredo é feito de
convidadas a participar nas os graves problemas que os única forma de resolver ideias vagas sobre o próprio país, sobre a história, sobre a sua relação
reuniões de informação e afectam ou em esquecê-los e tantos problemas que afectam com os vizinhos. São ideias muito pouco estruturadas, que se resumem
esclarecimentos, a maioria faz passarem a vida em Festivais tantos trabalhadores que a poucas frases, porque se fossem mais complexas não estariam pre-
ouvidos de mercador, fingindo ou Carnavais? Porém, logo que tiveram que deixar as suas sentes de forma tão uniforme em todo o povo. Cada um de nós tem
que não há problemas de Pátrias, e, até, familiares, ideias mais desenvolvidas sobre o próprio país, mas há sempre um
espécie alguma, quando optando por uma vida núcleo que todos partilhados - e não é preciso que todos concordemos
afinal é o contrário! No “algumas entidades melhor em Países com a tal história em três ou quatro linhas para que a mesma seja par-
passado dia 11 de Março diferentes, fazendo tilhada por todos: um português que diga que os Descobrimentos não
houve um seminário sacrifícios nos Países de
patrocinado pela insigne
consulares se fizeram acolhimento, tantas
foram assim tão importantes sabe perfeitamente que está a ir contra o
firma de advogados vezes invejados com que a maioria dos outros portugueses pensa.
"NABAS LEGAL representar e, como injustiças, discriminações O AMOR INGLÊS PELA UNIÃO EUROPEIA
INTERNATIONAL", e explorações, mas Há umas semanas, depois de conversar com o meu irmão Diogo, que
altamente reconhecida sempre, não estavam chegou a hora de dizer está a viver em Inglaterra desde o ano passado e veio a Portugal ao
pelas "Comunidades basta, onde se caminha aniversário da minha mãe e me perguntou a opinião sobre a razão por
Latino Americanas e para um bom
C o m u n i d a d e s preparados para responder entendimento de
que os ingleses gostam tão pouco da União Europeia, pus-me a pensar
se por trás dessa falta de amor pela UE não estaria a tal "história sim-
Lusófonas", solidariedade e
radicadas como às perguntas” cooperação no seio das
plificada" que todos os povos têm. Afinal, os outros europeus também
não morrem de amores pela UE, mas os tablóides do Continente não
trabalhadores no Reino "COMUNIDADES
Unido, onde se têm sacrificado haja oportunidade, a firma já LUSÓFONAS", preparando fazem manchetes com ataques a Bruxelas, pelo menos com a regulari-
ao máximo em ajudar supracitada vai contactar a como se disse o "Mega dade com que os ingleses o fazem (com tanta regularidade que a
Os mais carenciados! "A.C.A.S."[Advisory Conciliation Seminário" a realizar no Comissão Europeia tem um site só para desmentir a imprensa britâni-
Na verdade, houve várias and Arbitration Service] no próximo dia 29 de Maio em ca no que toca à UE).
intervenções, onde na maioria sentido de estreitar relações de Kilburn! Não falte! Obviamente, como em tudo, há muitas explicações e até opiniões
dos casos as pessoas cooperação e solidariedade, Participe e diga algo da sua diferentes sobre o fenómeno. Por exemplo, é possível argumentar que
continuam sem informação fazendo seminários "JUSTIÇA", porque se os ingleses gostam tanto (ou tão pouco) da UE como qualquer outro
adequada, em que algumas congéneres nas localidades de continuarmos com esta farsa de europeu, mas os seus jornais são mais "sinceros", digamos assim, ou
entidades consulares se maior afluência do público, agradar ao mesmo tempo a seja, transmitem de forma mais fidedigna o que os ingleses "comuns"
fizeram representar e, como onde no seu devido tempo as gregos e a troianos, certamente
pensam. Não posso analisar todas as nuances do tema e por isso vou
sempre, não estavam " C O M U N I D A D E S não chegamos a parte
preparados para responder às LUSÓFONAS" serão nenhuma! dar de barato que os ingleses, de facto, gostam menos da União
perguntas que estavam sendo informadas e convidadas Saudações Lusíadas, Europeia do que os outros povos. Dito isto, penso que é possível perce-
apresentadas pelos assistir gratuitamente se para ber o que está por trás de tal cepticismo: a tal "história simplificada"
intervenientes, o que isso tiverem engenho e arte! F.Gonçalves da Silva que cada inglês tem dentro da cabeça.
demonstra ignorância e total Todavia, as
abandono das "Comunidades", "COMUNIDADES DE PORTUGUESE ACTION FRANCISCO DESCALÇO, Thetford

PUB

ANUNCIE PARA
MAIS DE
160 MIL
LEITORES
POR QUINZENA

CONTACTE:

01842 764 622


OU
02075 821 155