Você está na página 1de 60

1

INSTITUTO EDUCACIONAL ALFA

1 INSTITUTO EDUCACIONAL ALFA DISCIPLINA: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS

DISCIPLINA:

PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO

MINAS GERAIS

2

A INSTITUIÇÃO ESCOLAR

2 A INSTITUIÇÃO ESCOLAR A escola, tal como conhecemos hoje, intitulada pelos historiadores da educação como

A escola, tal como conhecemos hoje, intitulada pelos historiadores da educação como Escola Moderna, começou a se configurar em fins do século XVI e ao longo do século XVII. Antes disso, nas sociedades antigas e medievais, já havia a preocupação com a educação de seus jovens, os quais estudavam ou individualmente, sob a orientação de um mestre, ou em pequenos grupos, independentes de idade ou seriação. Adultos e crianças frequentavam a mesma classe durante o tempo que desejassem ou precisassem, e isso não era considerado um problema. As teorias da psicologia da aprendizagem, que estabelecem etapas para o desenvolvimento humano, virão muitos anos depois.

MAS A ESCOLA MODERNA ORGANIZA-SE INICIALMENTE COM CARACTERÍSTICAS QUE JÁ CONHECEMOS BEM:

A preocupação em separar os alunos em classes seriadas, de acordo com a faixa etária;

A divisão sistemática dos programas de acordo com cada série;

Os níveis de estudos passam a ter um encadeamento: a escola elementar (ler, escrever e contar), com a escola média ou profissional e os estudos superiores;

O tempo para o estudo e para o cumprimento dos programas para determinada série também passam a ser preestabelecidos. Não será mais o ritmo de aprendizado do aluno que dirá de quanto tempo ele necessita para aprender, mas sim o ritmo imposto pela instituição. Outros elementos

3

muito comuns em nossa prática escolar também passaram a ser utilizado, como o registro das aulas, o controle de frequência (chamada), a elaboração de textos

simplificados para cada disciplina (livros didáticos). Junto com isso teremos maior rigor disciplinar, com a criação de normas e regimentos de conduta. Enfim, são práticas que têm a função de organizar, disciplinar e controlar, e que hoje nos parecem naturais e quase imutáveis. Desnaturalizar a instituição escolar significa saber que ela foi pensada e construída por pessoas como professores, religiosos ou governantes que tinham interesses e necessidades próprias daquele momento histórico.

E que, antes desse modelo escolar, existiram

outras formas criadas pelas sociedades para transmitirem às suas crianças e jovens os saberes necessários para a vida social. Portanto, cabe a

nós e às próximas gerações também pensarmos e construirmos escolas que estejam mais próximas

de nossas necessidades e nossos sonhos!

mais próximas de nossas necessidades e nossos sonhos! TEXTO PARA REFLETIR: Há um descompasso crescente entre

TEXTO PARA REFLETIR:

Há um descompasso crescente entre os modelos tradicionais de ensino e as novas possibilidades que a sociedade já desenvolve informalmente e que as tecnologias atuais permitem. A maior parte do que se ensina não é percebido pelos alunos como significativo. Uma boa escola depende fundamentalmente de contar com gestores e educadores bem preparados, remunerados, motivados e que possuam comprovada competência intelectual, emocional, comunicacional e ética. Sem bons gestores e professores nenhum projeto pedagógico será interessante, inovador. Não há tecnologias avançadas que salvem maus profissionais. São poucos os educadores e gestores proativos, inovadores, que gostam de aprender e que conseguem por em prática o que aprendem.

4

Temos muitos profissionais que prefere repetir modelos, obedecer, seguir padrões, que demoram para avançar. São mais os que adotam uma postura dependente do que os autônomos, criativos, proativos. Sem pessoas autônomas é mito difícil ter uma escola diferente, mais próxima dos alunos que já nasceram com a Internet e o celular. Uma boa escola precisa de professores mediadores de processos de aprendizagem vivos, criativos, experimentadores, presenciais-virtuais. De professores menos “falantes”, mais orientadores; de menos aulas informativas e mais atividades de pesquisa, experimentação, desafios projetos. Uma escola que fomente redes de aprendizagem, entre professores e entre alunos; que aprendam com os que estão perto e também longe, conectados, com os mais experientes ajudando aos que têm mais dificuldades. Uma escola com apoio de grandes bases de dados multimídia, de multi-textos de grande impacto (narrativas, jogos de grande poder de sensibilização), com acesso a muitas formas de pesquisa, de desenvolvimento de projetos. Uma escola que privilegie a relação com os alunos, a afetividade, a motivação, a aceitação, o reconhecimento das diferenças. Que dê suporte emocional para que os alunos acreditem em si, sejam autônomos, aprendam a analisar situações complexas e a fazer escolhas cada vez mais libertadoras. Uma escola que se articule efetivamente com os pais (associação de pais), com a comunidade, que incorpore os saberes dela, que preste melhores serviços. A escola pode estender-se fisicamente até os limites da cidade e virtualmente até os limites do mundo. A escola pode integrar os espaços significativos da cidade:

museus, centros culturais, cinemas, teatros, parques, praças, ateliês, centros esportivos, centros comerciais, centros produtivos, entre outros. A escola pode trazer as manifestações culturais e artísticas próximas, fazendo dos alunos espectadores críticos e produtores de novos significados e produtos. Pode inserir atividades teóricas com as práticas, a ação com a reflexão. Trazer pessoas com diversas competências para mostrar novas possibilidades vocacionais para os alunos.

5

A escola e a universidade precisam reaprender a aprender, a serem mais úteis, a prestar serviços mais relevantes à sociedade, a saírem do casulo em que se encontram. A maioria das escolas e universidades se distancia velozmente da sociedade, das demandas atuais. Sobrevivem porque são os espaços obrigatórios e legitimados pelo Estado. Os alunos frequentam muitas aulas porque são obrigados, não porque sintam que vale a pena. As escolas deficientes e medíocres atrasam o desenvolvimento da sociedade, retardam as mudanças. A educação poderá tornar-se cada vez mais participativa, democrática, mediada por profissionais competentes. Teremos muitas instituições que optarão por uma postura mais conservadora, que manterão o sistema disciplinar, o foco no conteúdo; mas, mesmo nelas, o ensino-aprendizagem não se fará somente na sala de aula. Haverá maior flexibilidade de tempos, horários e metodologias do que há atualmente. Outras e esperamos que muitas caminharão para tornar-se ou continuar sendo organizações democráticas, centradas nos alunos; que desenvolvem situações ricas de aprendizagem, sem asfixiar os alunos, incentivando- os; que desenvolvem valores de colaboração, de cidadania em todos os participantes. Escolas não conectadas são escolas incompletas (mesmo quando didaticamente avançadas). Alunos sem acesso contínuo às redes digitais estão excluídos de uma parte importante da aprendizagem atual: do acesso à informação variada e disponível on-line, da pesquisa rápida em bases de dados, bibliotecas digitais, portais educacionais; da participação em comunidades de interesse, nos debates e publicações on-line, em fim, da variada oferta de serviços digitais. Quanto mais tecnologias avançadas, mais a educação precisa de pessoas humanas, evoluídas, competentes, éticas. A sociedade torna-se cada vez mais complexa, pluralista e exige pessoas abertas, criativas, inovadoras, confiáveis. O que faz a diferença no avanço dos países é a qualificação das pessoas. Encontraremos na educação novos caminhos de integração do humano e do tecnológico; do racional, sensorial, emocional e do ético; do presencial e do virtual; da escola, do trabalho e da vida em todas as suas dimensões.

6

CONTEXTO HISTÓRICO DO NASCIMENTO DA INSTITUIÇÃO ESCOLAR

6 CONTEXTO HISTÓRICO DO NASCIMENTO DA INSTITUIÇÃO ESCOLAR As revoluções burguesas, principalmente a inglesa

As revoluções burguesas, principalmente a inglesa (séc.XVIl) e a francesa (séc. XVIIl), vão encerrar definitivamente o feudalismo e inaugurar um novo modo de produção o capitalismo. A burguesia, classe social em ascensão, irá conceber uma nova doutrina social ou uma nova ideologia para o capitalismo que se denominará liberalismo. Os princípios do liberalismo são: o individualismo, a propriedade, a liberdade, a igualdade e a democracia. Explicando os princípios:

A doutrina do individualismo coloca no esforço individual toda a responsabilidade para que as pessoas atinjam o sucesso ou o progresso, desconsiderando as condições econômicas e sociais nas quais estejam vivendo. Para o liberalismo, os indivíduos serão tão mais livres quanto menor for à ação do Estado, ou seja, o Estado não deve interferir e despender recursos para serviços públicos.

Quanto ao princípio da propriedade, significa que todos têm direito à propriedade desde que se esforcem e trabalhem para isso.

A igualdade, como é tratada no liberalismo, não se refere à igualdade social, mas sim à igualdade perante a lei. Já devem ter ouvido a frase: “Todos são iguais perante a lei”. Pois é, mas em relação às desigualdades sociais, a conversa é outra. Os liberais consideram natural que existam pobres e ricos, uma vez que nem todas as pessoas são talentosas ou esforçadas da mesma forma.

A democracia, defendida pelos liberais, resume-se à democracia representativa, isto é, o direito de todos escolherem seus representantes políticos. No entanto, democracia é mais do que isto, é o direito de usufruirmos igualmente os bens produzidos em nossa sociedade.

7

Outro importante movimento que se desenvolve a partir do século XVII, foi à chamada “revolução científica”. A filosofia, e as ciências físicas, químicas e matemáticas sofrem um grande desenvolvimento e há uma supervalorização do pensamento racional e científico. O filósofo e matemático René Descartes (França, 1596 1650) é considerado o fundador desta doutrina. Observe que não fica difícil estabelecer relações entre a doutrina liberal, o pensamento racionalista e o surgimento da escola moderna, tal como essa foi descrita anteriormente. Vocês viram até aqui uma breve história da instituição escolar, organizada de forma mais ou menos semelhante em grande parte das sociedades.

PERSPECTIVAS ATUAIS DA EDUCAÇÃO

parte das sociedades. PERSPECTIVAS ATUAIS DA EDUCAÇÃO Nas últimas duas décadas do século XX assistiu-se a

Nas últimas duas décadas do século XX assistiu-se a grandes mudanças tanto no campo socioeconômico e político quanto no da cultura, da ciência e da tecnologia. Ocorreram grandes movimentos sociais, como aqueles no leste europeu, no final dos anos 80, culminando com a queda do Muro de Berlim. Ainda não se tem ideia clara do que deverá representar, para todos nós, a globalização capitalista da economia, das comunicações e da cultura. As transformações tecnológicas tornaram possível o surgimento da era da informação.

8

É um tempo de expectativas, de perplexidade e da crise de concepções e paradigmas não apenas porque inicia-se um novo milênio época de balanço e de reflexão, época em que o imaginário parece ter um peso maior. O ano 2000 exerceu um fascínio muito grande em muitas pessoas. Paulo Freire dizia que queria chegar ao ano 2000 (acabou falecendo três anos antes). É um momento novo e rico de possibilidades. Por isso, não se pode falar do futuro da educação sem certa dose de cautela. É com essa cautela que serão examinadas, neste artigo, algumas das perspectivas atuais da teoria e da prática da educação, apoiando-se naqueles educadores e filósofos que tentaram, em meio a essa perplexidade, apesar de tudo, apontar algum caminho para o futuro. A perplexidade e a crise de paradigmas não podem se constituir num álibi para o imobilismo. No início deste século, H. G. Wells dizia que “a História da Humanidade é cada vez mais a disputa de uma corrida entre a educação e a catástrofe”. A julgar pelas duas grandes guerras que marcaram a “História da Humanidade”, na primeira metade do século XX, a catástrofe venceu. No início dos anos 50, dizia-se que só havia uma alternativa: “socialismo ou barbárie” (Cornelius Castoriadis), mas chegou- se ao final do século com a derrocada do socialismo burocrático de tipo soviético e enfraquecimento da ética socialista. E mais: pela primeira vez na história da humanidade, não por efeito de armas nucleares, mas pelo descontrole da produção industrial, pode-se destruir toda a vida do planeta. Mais do que a solidariedade, estamos vendo crescer a competitividade. Venceu a barbárie, de novo? Qual o papel da educação neste novo contexto político? Qual é o papel da educação na era da informação? Que perspectivas podemos apontar para a educação nesse início do Terceiro Milênio? Para onde vamos? Para iniciar, verifica-se o significado da palavra “perspectiva”. A palavra “perspectiva” vem do latim tardio “perspectivus”, que deriva de dois verbos: perspecto, que significa “olhar até o fim, examinar atentamente”; e perspicio,

”, que deriva de dois verbos: perspecto , que significa “olhar até o fim, examinar atentamente”;

9

que significa “olhar através, ver bem, olhar atentamente, examinar com cuidado, reconhecer claramente” (Dicionário Escolar Latino-Português, de Ernesto Faria). A palavra “perspectiva” é rica de significações. Segundo o Dicionário de filosofia, do filósofo italiano Nicola Abbagnano, perspectiva seria “uma antecipação

qualquer do futuro: projeto, esperança, ideal, ilusão, utopia. O termo exprime o mesmo conceito de possibilidade, mas de um ponto de vista mais genérico e que menos compromete, dado que podem aparecer como perspectivas coisas que não têm suficiente consistência para serem possibilidades autênticas”. Para o Dicionário Aurélio, muito conhecido entre nós, brasileiros, perspectiva é a “arte de representar os objetos sobre um plano tais como se apresentam à vista; pintura que representa paisagens e edifícios à distância; aspecto dos objetos vistos de uma certa distância; panorama; aparência, aspecto; aspecto sob o qual uma coisa se apresenta, ponto de vista; expectativa, esperança”. Perspectiva significa ao mesmo tempo enfoque, quando se fala, por exemplo, em perspectiva

e

possibilidade, crença

em acontecimentos considerados prováveis e bons.

Falar em perspectivas é falar de esperança no futuro. Hoje muitos educadores, perplexos diante das rápidas mudanças na sociedade, na tecnologia e na economia, perguntam-se sobre o futuro de sua profissão, alguns com medo de perdê-la sem saber o que devem fazer. Então, aparecem, no pensamento educacional, todas as palavras citadas por Abbagnano e Aurélio: “projeto” político-pedagógico, pedagogia da “esperança”, “ideal” pedagógico, “ilusão” e “utopia” pedagógica, o futuro como “possibilidade”. Fala-se muito hoje em “cenários” possíveis para a educação, portanto, em “panoramas”, representação de “paisagens”. Para se desenhar uma perspectiva é preciso “distanciamento”. É sempre um “ponto de vista”.

Para se desenhar uma perspectiva é preciso “distanciamento”. É sempre um “ponto de vista”. política,

política,

10

Todas essas palavras entre aspas indicam uma certa direção ou, pelo menos, um horizonte em direção ao qual se caminha ou se pode caminhar. Elas designam “expectativas” e anseios que podem ser captados, capturados, sistematizados e colocados em evidência.

UM PASSADO SEMPRE PRESENTE

e colocados em evidência. UM PASSADO SEMPRE PRESENTE A virada do milênio é razão oportuna para

A virada do milênio é razão oportuna para um balanço sobre práticas e teorias que atravessaram os tempos. Falar de “perspectivas atuais da educação” é também falar, discutir, identificar o “espírito” presente no campo das ideias, dos valores e das práticas educacionais que as perpassa, marcando o passado, caracterizando o presente e abrindo possibilidades para o futuro. Algumas perspectivas teóricas que orientaram muitas práticas poderão desaparecer, e outras permanecerão em sua essência. Quais teorias e práticas fixaram-se no ethos educacional, criaram raízes, atravessaram o milênio e estão presentes hoje? Para entender o futuro é preciso revisitar o passado. No cenário da educação atual, podem ser destacados alguns marcos, algumas pegadas, que persistem e poderão persistir na educação do futuro.

11

EDUCAÇÃO TRADICIONAL

11 EDUCAÇÃO TRADICIONAL Enraizada na sociedade de classes escravista da Idade Antiga, destinada a uma pequena

Enraizada na sociedade de classes escravista da Idade Antiga, destinada a uma pequena minoria, a educação tradicional iniciou seu declínio já no movimento renascentista, mas ela sobrevive até hoje, apesar da extensão média da escolaridade trazida pela educação burguesa. A educação nova, que surge de forma mais clara a partir da obra de Rousseau, desenvolveu-se nesses últimos dois séculos e trouxe consigo numerosas conquistas, sobretudo no campo das ciências da educação e das metodologias de ensino. O conceito de “aprender fazendo” de John Dewey e as técnicas Freinet, por exemplo, são aquisições definitivas na história da pedagogia. Tanto a concepção tradicional de educação quanto a nova, amplamente consolidadas, terão um lugar garantido na educação do futuro. A educação tradicional e a nova têm em comum a concepção da educação como processo de desenvolvimento individual. Todavia, o traço mais original da educação desse século é o deslocamento de enfoque do individual para o social, para o político e para o ideológico. A pedagogia institucional é um exemplo disso. A experiência de mais de meio século de educação nos países socialistas também o testemunha. A educação, no século XX, tornou-se permanente e social. É verdade, existem ainda muitos desníveis entre regiões e países, entre o Norte e o Sul, entre países periféricos e hegemônicos, entre países globalizadores e globalizados.

12

Entretanto, há ideias universalmente difundidas, entre elas a de que não há idade para se educar, de que a educação se estende pela vida e que ela não é neutra.

EDUCAÇÃO INTERNACIONALIZADA

vida e que ela não é neutra. EDUCAÇÃO INTERNACIONALIZADA No início da segunda metade deste século,

No início da segunda metade deste século, educadores e políticos imaginaram uma educação internacionalizada, confiada a uma grande organização, a UNESCO. Os países altamente desenvolvidos já haviam universalizado o ensino fundamental e eliminado o analfabetismo. Os sistemas nacionais de educação trouxeram um grande impulso, desde o século passado, possibilitando numerosos planos de educação, que diminuíram custos e elevaram os benefícios. A tese de uma educação internacional já existia deste 1899, quando foi fundado, em Bruxelas, o Bureau Internacional de Novas Escolas, por iniciativa do educador Adolphe Ferrière. Como resultado, tem-se hoje uma grande uniformidade nos sistemas de ensino. Pode-se dizer que hoje todos os sistemas educacionais contam com uma estrutura básica muito parecida. No final do século XX, o fenômeno da globalização deu novo impulso à ideia de uma educação igual para todos, agora não como princípio de justiça social, mas apenas como parâmetro curricular comum.

13

NOVAS TECNOLOGIAS

13 NOVAS TECNOLOGIAS As consequências da evolução das novas tecnologias , centradas na comunicação de massa,

As consequências da evolução das novas tecnologias, centradas na comunicação de massa, na difusão do conhecimento, ainda não se fizeram sentir plenamente no ensino como previra McLuhan já em 1969 , pelo menos na maioria das nações, mas a aprendizagem à distância, sobretudo a baseada na Internet, parece ser a grande novidade educacional neste início de novo milênio. A educação opera com a linguagem escrita e a nossa cultura atual dominante vive impregnada por uma nova linguagem, a da televisão e a da informática, particularmente a linguagem da Internet. A cultura do papel representa talvez o maior obstáculo ao uso intensivo da Internet, em particular da educação à distância com base na Internet. Por isso, os jovens que ainda não internalizaram inteiramente essa cultura adaptam-se com mais facilidade do que os adultos ao uso do computador. Eles já estão nascendo com essa nova cultura, a cultura digital. Os sistemas educacionais ainda não conseguiram avaliar suficientemente o impacto da comunicação audiovisual e da informática, seja para informar, seja para bitolar ou controlar as mentes. Ainda trabalha-se muito com recursos tradicionais que não têm apelo para as crianças e jovens. Os que defendem a informatização da educação sustentam que é preciso mudar profundamente os métodos de ensino para reservar ao cérebro humano o que lhe é peculiar, a capacidade de pensar, em vez de desenvolver a memória. Para ele, a função da escola será, cada vez mais, a de ensinar a pensar

14

criticamente. Para isso é preciso dominar mais metodologias e linguagens, inclusive a linguagem eletrônica.

EDUCAÇÃO POPULAR

, inclusive a linguagem eletrônica. EDUCAÇÃO POPULAR O paradigma da educação popular , inspirado originalmente

O paradigma da educação popular, inspirado originalmente no trabalho de Paulo Freire nos anos 60, encontrava na conscientização sua categoria fundamental. A prática e a reflexão sobre a prática levaram a incorporar outra categoria não menos importante: a da organização. Afinal, não basta estar consciente, é preciso organizar-se para poder transformar. Nos últimos anos, os educadores que permaneceram fiéis aos princípios da educação popular atuaram principalmente em duas direções: na educação pública popular no espaço conquistado no interior do Estado ; e na educação popular comunitária e na educação ambiental ou sustentável, predominantemente não governamentais. Durante os regimes autoritários da América Latina, a educação popular manteve sua unidade, combatendo as ditaduras e apresentando projetos “alternativos”. Com as conquistas democráticas, ocorreu com a educação popular uma grande fragmentação em dois sentidos: de um lado ela ganhou uma nova vitalidade no interior do Estado, diluindo-se em suas políticas públicas; e, de outro, continuou como educação não-formal, dispersando-se em milhares de pequenas experiências. Perdeu em unidade, ganhou em diversidade e conseguiu atravessar numerosas fronteiras. Hoje ela incorporou-se ao pensamento pedagógico universal e orienta a atuação de muitos educadores espalhados pelo mundo, como o

15

testemunha o Fórum Paulo Freire, que se realiza de dois em dois anos, reunindo educadores de muitos países. As práticas de educação popular também constituem-se em mecanismos de democratização, em que se refletem os valores de solidariedade e de reciprocidade e novas formas alternativas de produção e de consumo, sobretudo as práticas de educação popular comunitária, muitas delas voluntárias. O Terceiro Setor está crescendo não apenas como alternativa entre o Estado burocrático e o mercado insolidário, mas também como espaço de novas vivências sociais e políticas hoje consolidadas com as organizações não-governamentais (ONGs) e as organizações de base comunitária (OBCs). Este está sendo hoje o campo mais fértil da educação popular.

está sendo hoje o campo mais fértil da educação popular. Diante desse quadro, a educação popular,

Diante desse quadro, a educação popular, como modelo teórico reconceituado, tem oferecido grandes alternativas. Dentre elas, está a reforma dos sistemas de escolarização pública. A vinculação da educação popular com o poder local e a economia popular abre, também, novas e inéditas possibilidades para a prática da educação. O modelo teórico da educação popular, elaborado na reflexão sobre a prática da educação durante várias décadas, tornou-se, sem dúvida, uma das grandes contribuições da América Latina à teoria e à prática educativa em âmbito internacional. A noção de aprender a partir do conhecimento do sujeito, a noção de ensinar a partir de palavras e temas geradores, a educação como ato de conhecimento e de transformação social e a politicidade da educação são apenas alguns dos legados da educação popular à pedagogia crítica universal.

16

CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SISTEMA EDUCACIONAL

Níveis e modalidades de ensino

DO SISTEMA EDUCACIONAL Níveis e modalidades de ensino De acordo com o art. 21 da Lei

De acordo com o art. 21 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional

(Lei n.º 9.394/96), a educação escolar compõe-se de:

I. Educação básica, formada pela educação infantil, ensino fundamental e ensino médio;

II. Educação superior.

A educação básica «tem por finalidade desenvolver o educando, assegurar-

lhe a formação comum indispensável para o exercício da cidadania e fornecer-lhe meios para progredir no trabalho e em estudos posteriores» (art. 22). Ela pode ser oferecida no ensino regular e nas modalidades de educação de jovens e adultos, educação especial e educação profissional, sendo que esta última pode ser também uma modalidade da educação superior. «A educação infantil, primeira etapa da educação básica, tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança até seis anos de idade, em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social, complementando a ação da família e da comunidade» (art. 29). A educação infantil é oferecida em creches, para crianças de zero a três anos de idade, e pré-escolas, para crianças de quatro a seis anos.

O ensino fundamental, cujo objetivo maior é a formação básica do cidadão,

tem duração de oito anos e é obrigatório e gratuito na escola pública a partir dos

sete anos de idade, com matrícula facultativa aos seis anos de idade. A oferta do ensino fundamental deve ser gratuita também aos que a ele não tiveram acesso na idade própria.

17

O ensino médio, etapa final da educação básica, objetiva a consolidação e aprofundamento dos objetivos adquiridos no ensino fundamental. Tem a duração mínima de três anos, com ingresso a partir dos quinze anos de idade. Embora atualmente a matrícula neste nível de ensino não seja obrigatória, a Constituição Federal de 1988 determina a progressiva extensão da obrigatoriedade e gratuidade da sua oferta. A educação superior tem como algumas de suas finalidades: o estímulo à criação cultural e o desenvolvimento do espírito científico e do pensamento reflexivo; incentivar o trabalho de pesquisa e investigação científica, visando o desenvolvimento da ciência e da tecnologia e da criação e difusão da cultura, e, desse modo, desenvolver o entendimento do homem e do meio em que vive. Ela abrange cursos sequenciais nos diversos campos do saber, cursos de graduação, de pós-graduação e de extensão. O acesso à educação superior ocorre a partir dos 18 anos, e o número de anos de estudo varia de acordo com os cursos e sua complexidade. No que se refere às modalidades de ensino que permeiam os níveis anteriormente citados, tem-se:

Educação especial: oferecida, preferencialmente, na rede regular de ensino, para educandos portadores de necessidades especiais.

Educação de jovens e adultos: destinada àqueles que não tiveram acesso ou continuidade de estudos no ensino fundamental e médio na idade própria.

Educação profissional: que, integrada às diferentes formas de educação, ao trabalho, à ciência e à tecnologia, conduz ao permanente desenvolvimento de aptidões para a vida produtiva. É destinada ao aluno matriculado ou egresso do ensino fundamental, médio e superior, bem como ao trabalhador em geral, jovem ou adulto (art. 39). Além dos níveis e modalidades de ensino apresentados, no Brasil, devido à existência de comunidades indígenas em algumas regiões, há a oferta de educação escolar bilíngue e intercultural aos povos indígenas. Esta tem por objetivos: «i proporcionar aos índios, suas comunidades e povos, a recuperação de suas memórias históricas; a reafirmação de suas identidades étnicas; a valorização de suas línguas e ciências; ii garantir aos índios, suas comunidades e povos, o acesso às informações, conhecimentos técnicos e científicos da sociedade nacional e demais sociedades indígenas e não-índias» (art. 78).

POLÍTICAS GERAIS

18

POLÍTICAS GERAIS 18 De acordo com o Plano Nacional de Educação (Lei n.º 10.172/2001), uma das

De acordo com o Plano Nacional de Educação (Lei n.º 10.172/2001), uma das principais prioridades refere-se à garantia de acesso ao ensino fundamental obrigatório de oito séries a todas as crianças de 7 a 14 anos. Conforme a legislação educacional brasileira, cabe aos Estados e Municípios a responsabilidade pela oferta do ensino fundamental. No entanto, há que ressaltar o papel da União na assistência técnica e financeira às demais esferas governamentais, a fim de garantir a oferta da escolaridade obrigatória. A consecução desse objetivo tem sido associada a políticas e ações governamentais relacionadas, entre outras, à regularização do fluxo escolar, à formação de professores e à elaboração de diretrizes curriculares. No que se refere à regularização do fluxo escolar, as altas taxas de defasagem idade-série presentes nas estatísticas nacionais têm conduzido a formulação e implementação de políticas para correção e adequação das idades dos alunos à série escolar correspondente. Duas políticas são de grande relevância para a consecução desse objetivo: a) a implementação de programas de aceleração de aprendizagem que, com o suporte de materiais didático-pedagógicos específicos, a ênfase na elevação da autoestima do aluno e a oferta de infraestrutura adequada aos professores, possibilita o avanço progressivo do aluno às séries e períodos subsequentes; b) a reorganização do tempo escolar através da implantação dos ciclos escolares, agrupando os alunos de acordo com as etapas de desenvolvimento do indivíduo. As políticas de regularização do fluxo escolar têm sido implementadas tanto pelo governo federal em parceria com outras instituições como através da iniciativa dos próprios Estados e Municípios. A reorganização do tempo escolar vem sendo

19

amplamente discutida nessas esferas governamentais, de modo que a sua adesão tem sido crescente.

No que diz respeito à formação de professores, ações têm sido direcionadas para garantir formação inicial e continuada dos professores, bem como infraestrutura adequada para o desenvolvimento do seu trabalho, tais como remuneração adequada, tempo para estudo, atualização e tempo de carreira. Entre essas ações,

destacam-se:

e tempo de carreira. Entre essas ações, destacam-se: • Garantia de formação mínima, ou seja, que

• Garantia de formação mínima, ou seja, que todos os professores tenham o curso superior completo como formação mínima. • Programas de formação de professores a distância, com a utilização de

recursos tecnológicos, como a TV Escola, com o objetivo de formar professores leigos, principalmente em localidades onde o número de professores nessa situação é maior. As políticas relativas à formação de professores são de responsabilidade de todas as esferas governamentais. Esforços têm sido empreendidos a fim de que sejam obtidas parcerias com instituições de ensino superior, organizações não- governamentais e agências de financiamento, de modo a tornar possível a formação mínima exigida pela legislação educacional, que, a partir de dezembro de 2007, será

a licenciatura plena, obtida em cursos de nível superior. A definição de referenciais e diretrizes curriculares para os diversos níveis e modalidades de ensino também se encontra entre as prioridades das esferas governamentais. Cabe à União, em colaboração com os Estados, o Distrito Federal

e os Municípios, estabelecer as «competências e diretrizes para a educação infantil, o ensino fundamental e o ensino médio, que nortearão os currículos e seus

20

conteúdos mínimos, de modo a assegurar formação básica comum» (LDBEN, art. 9º, inciso IV). A concretização de ações com esse direcionamento resultou na definição de:

a) referenciais curriculares nacionais para a educação infantil; b) referenciais curriculares para a educação indígena; c) proposta curricular para a educação de jovens e adultos; d) parâmetros nacionais curriculares para o ensino fundamental (de 1ª a 4ª e de 5ª a 8ª série); e) adaptações curriculares para a educação de alunos com necessidades educacionais especiais; f) parâmetros curriculares para o ensino médio; e g) diretrizes curriculares para todos os níveis e modalidades de ensino.

CULTURA E SOCIEDADE

os níveis e modalidades de ensino. CULTURA E SOCIEDADE Todos nós adquirimos nossas características humanas em

Todos nós adquirimos nossas características humanas em um contexto sociocultural. Essa condição básica da vida humana levou o filósofo espanhol Ortega e Gasset a dizer: “Eu sou eu e a minha circunstância”. Isso significa que cada um de nós constrói sua identidade a partir do seu ambiente. “Quem sou eu?” é a pergunta que mais cedo ou mais tarde todos nós fazemos. De maneira mais ou menos consciente nos interrogamos sobre nossa identidade pessoal e percebemos quanto os valores e os comportamentos das pessoas que nos rodeiam e que

21

conhecemos mais de perto influenciam nossas ações e ideias. Aprendemos muito do que nos torna seres humanos em um ambiente cultural, aquele em que nascemos e nos desenvolvemos. Poucas pessoas percebem como a vida, e mesmo a personalidade de cada um de nós, é influenciada pela sociedade da qual somos parte. Nascer no Brasil e crescer como membro da sociedade brasileira constitui uma experiência de vida muito diferente da de crescer e ser educado na França, no Japão ou na Índia, por exemplo. E isso tem consequências fundamentais e diversas para o resto de nossas vidas.

fundamentais e diversas para o resto de nossas vidas. O estudo das sociedades humanas é importante

O

estudo das

sociedades humanas é importante não só para melhor conhecermos a nós mesmos, mas, também,

para

compreendermos as pessoas que vivem em outros contextos socioculturais. Nunca como hoje, tantos aspectos da vida humana mudam tão rapidamente e para tantas pessoas ao redor do planeta. E isso tem ocorrido em todas as áreas: nas artes, nas

ciências, na religião, na moralidade, na educação, na política, na família e na economia. Todas são afetadas. Nessas circunstâncias, não é surpresa que tenha aumentado de maneira significativa o interesse pelo estudo das sociedades humanas, embora constituam um fenômeno dos mais complexos e as ciências sociais integrem um campo de pesquisa jovem em que predomina o debate e a controvérsia. A sociedade é uma forma de organização que se desenvolveu aos poucos, em correntes animais distintas e, em inúmeras vezes, independentemente uma das outras. A forma societal é encontrada não apenas entre os humanos, mas, também, entre muitas espécies de mamíferos, pássaros, peixes e mesmo entre insetos, facilitando, através da adaptação, a sobrevivência e a multiplicação.

melhor

22

Estudos comparativos de sociedades animais desenvolvidos pela Biologia Evolutiva mostram que a individualidade tende a ser suprimida em sociedades de insetos, por exemplo, em que os mecanismos genéticos são responsáveis

por regular a vida social do grupo (pense nas sociedades de abelhas e de formigas).

O sociólogo Gerhard Lenski, em seu livro

As Sociedades Humanas (em inglês, Human Societies) desenvolve uma análise que muito nos ajuda a compreender a importância da dimensão cultural para a nossa vida individual e a sobrevivência da espécie humana. Na perspectiva do processo de evolução das espécies animais, Lenski assinala que de forma contrastante com outras espécies, “a individualidade é

marcante nas sociedades dos mamíferos o que, por sua vez, significa que a unidade social, tão importante para a sobrevivência das espécies, depende em grande parte de comportamentos a serem aprendidos”. Dessa forma, quanto mais a individualidade ganha realce em uma espécie, maior é a importância dos processos

em uma espécie, maior é a importância dos processos de aprendizagem para a realização e desenvolvimento

de

aprendizagem para a realização e desenvolvimento de cada membro assim como

da

espécie como um todo. O fato de que todas as espécies de macacos e primatas

vivem em grupos sociais sugeriu uma questão aos pesquisadores da área: por que isso ocorre? Os estudos sobre comportamento de primatas permitiram concluir que a razão principal reside no aumento de oportunidades de aprendizagem que a

organização em sociedade oferece. Foi observado que “o grupo é o lugar de conhecimento e experiência que ultrapassa em muito o do membro como indivíduo”. É no grupo que as experiências tornam-se mais vantajosas e com benefício mútuo, recíproco. Entretanto, todos nós percebemos o quanto os humanos são diferentes

na sua capacidade de aprendizagem.

23

23 Sobre isto Lenski escreveu: “se comparamos os humanos, do ponto de vista físico, com outros

Sobre isto Lenski escreveu:

“se comparamos os humanos, do ponto de vista físico, com outros antropoides, as diferenças são menores do que as que separam esses antropoides dos outros

animais. Do ponto de vista comportamental, entretanto, ocorre

O ser humano

ultrapassou um ponto crítico no processo de evolução com apenas pequena mudança genética, abrindo o caminho para um extraordinário avanço comportamental. Esse curioso desenvolvimento está ligado à imensa capacidade para aprender que os humanos possuem. Isto tornou possível um modo original e próprio de adaptação ao ambiente que os cientistas sociais chamam de cultural. Essa é uma característica crucial da vida humana.”

o oposto. (

)

O QUE É CULTURA?

crucial da vida humana.” o oposto. ( ) O QUE É CULTURA? Uma pergunta retorna sempre

Uma pergunta retorna sempre e tem se mostrado de difícil resposta: o que constitui, então, a natureza humana? Gradualmente, observa Lenski, começamos a perceber de forma um pouco mais clara isso que chamamos de “natureza humana”.

24

Com as descobertas relativamente recentes do DNA, RNA, do código genético e de todas as pesquisas biológicas atuais, é possível entender um pouco melhor o que influencia nossa maneira de ser e de agir. Dessa forma,“muitos cientistas sociais consideram que o termo natureza humana não se refere ao que é mais específico do comportamento humano como as pessoas se vestem, como casam, o que comem, como enterram seus mortos, como praticam suas crenças. Esses são costumes socialmente determinados e que variam intensamente.” Consequentemente, o termo natureza humana tende a ser utilizado mais em relação a tendências básicas enraizadas em nossa herança genética comum e que, portanto, independem do que é específico de cada sociedade e dos comportamentos que as pessoas aprendem no ambiente social em que vivem. Nessa perspectiva, o termo “natureza humana” estaria referenciado às “necessidades biológicas básicas do ser humano, à sua motivação geneticamente programada para satisfazê-las, à sua dependência, geneticamente baseada, de sistemas socioculturais e, também, ao seu potencial, geneticamente estabelecido para a construção cultural”. Para acentuar a diferença que distingue os humanos do resto do mundo animal, os antropólogos buscaram vincular o termo cultura ao conceito de “símbolos”. Podemos garantir tudo que é fundamental em uma definição de cultura se a consideramos como “os sistemas de símbolos da humanidade e todos os aspectos da vida humana que deles dependem”. De um modo geral esse é o aspecto que mais nos distingue de todos os outros seres vivos. Mas o que são “símbolos” e “sistemas de símbolos”? Lenski esclarece que todos os mamíferos são capazes de comunicar com outros de sua espécie e o fazem através de “sinais”. Só os humanos, no entanto, usam “símbolos” tanto quanto “sinais”. Símbolos e sinais são veículos de transmissão de informação. Mas há uma fundamental diferença: o significado de um sinal é amplamente determinado de forma genética, é uma resposta geneticamente determinada por um estímulo específico. Um exemplo clássico de um sinal é o grito de dor emitido por um animal ferido. Outro membro do grupo responde

Um exemplo clássico de um sinal é o grito de dor emitido por um animal ferido.

25

instintivamente a esse som ou pode aprender através da observação e experiência a associá-lo com os humores e ações dos demais membros de seu grupo. E, com isso, ele pode ajustar o seu comportamento. Os sinais são extremamente úteis para ordenar as relações sociais entre os membros de um grupo. Os animais aprendem a associar experiências e por meio de sinais comunicam aos outros de sua espécie, informações essenciais como uma ameaça de perigo através de movimentos do corpo, secreções glandulares ou outros métodos e suas combinações. Em geral, no entanto, os sinais são muito limitados em seu poder de comunicação. Os símbolos, em contraste, como não são condicionados geneticamente, são flexíveis e podem ser modificados facilmente. Pense na história de qualquer linguagem. Símbolos linguísticos foram modificados ao longo dos tempos enquanto seus significados permaneceram os mesmos e vice- versa. Isso ocorre porque os significados dos símbolos são atribuídos pelos grupos sociais de maneira arbitrária, adotados pelos seus membros e, portanto, não estão submetidos a regras previamente definidas e podem modificar-se com o tempo e as circunstâncias. A invenção da escrita, por exemplo, significou uma revolução na história da humanidade porque possibilitou aos seres humanos acumular informação muito além das suas capacidades biológicas. E isso só foi possível através de um sistema de símbolos as letras do alfabeto. Pela combinação e recombinação das letras somos capazes, indefinidamente, de formar palavras e frases, transmitindo informações de todos os tipos às gerações que se sucedem. E fazemos isso ultrapassando em muito nossa capacidade de memória individual e independentemente do contato pessoal. Considere, também, a grande transformação cultural que ocorre nos nossos dias com o uso ampliado da Internet. São criações humanas que ampliam e atribuem novas formas e características ao mundo em que vivemos. Podemos dizer, portanto, que os símbolos são veículos culturalmente determinados para a transmissão de informações de qualquer natureza. O antropólogo Clifford Geertz, em seu livro A Interpretação das Culturas, ao analisar a relação entre o desenvolvimento da cultura e a evolução da mente humana considera que foi no período pré-histórico da Era Glacial que foram forjadas quase todas as características da existência do ser humano que são mais impressivamente humanas. Em uma mesma época da história evolutiva desenvolveram-se de forma combinada e interativa a totalidade do

26

sistema nervoso do cérebro humano, a estrutura social baseada no tabu do incesto e a capacidade de criar e usar símbolos. “O fato de que essas características distintivas de humanidade”, escreveu Geertz, “emergiram juntas e em interação

é de excepcional importância na interpretação da

mentalidade humana, porque sugere que o sistema nervoso humano não apenas torna o homem capaz de adquirir cultura mas demanda positivamente que ele assim o faça para que possa funcionar.” Hoje, as pesquisas da neurociência tem comprovado a importância das atividades de natureza cultural que, associadas às atividades físicas, são a melhor maneira de avançar em idade de forma saudável e com lucidez. Nas sociedades tecnologicamente avançadas dos nossos dias, o volume de informação transmitido de geração para geração tornou-se tão grande que nenhum membro individual consegue dominá-lo. Assim, diz Lenski, “se os indivíduos são os portadores da cultura, a cultura em sua totalidade é a propriedade de uma sociedade. Nesse sentido podemos dizer que os sistemas de símbolos tem uma função do ponto de vista cultural, semelhante ao do sistema genético. Ambos são mecanismos que facilitam a adaptação de populações ao seu ambiente, através da aquisição, de acúmulo, da transmissão e uso de informações relevantes”. Através da criação de sistemas de símbolos os seres humanos foram capazes de modificar seus comportamentos de maneira significativa, tornando sua adaptação ao ambiente cada vez mais eficiente e isso sem qualquer transformação orgânica importante. O antropólogo Clifford Geertz, sob a influência do grande cientista social Max Weber, acredita que “o ser humano é um animal envolvido em teias de significados que ele próprio teceu”. Cultura, para Geertz, são essas redes e sua análise deve ser um estudo interpretativo de seus significados. Para analisar e conhecer uma cultura é preciso interpretar os sinais e símbolos que são utilizados nos processos de comunicação de um grupo social, de um povo ou de uma nação. O conceito de cultura está entre os mais usados na Sociologia e refere-se às formas de vida dos membros de uma sociedade ou de grupos dentro da sociedade,

complexa uma com a outra (

)

e refere-se às formas de vida dos membros de uma sociedade ou de grupos dentro da

27

incluindo todas as formas de arte, com suas linguagens próprias (a literatura, a música, as artes plásticas, etc.), as várias formas de expressão que se manifestam no modo de vestir das pessoas, em seus costumes, em seus padrões de comportamento, os seus rituais religiosos, as suas ideias, crenças e princípios orientadores da vida (como as teorias científicas, as doutrinas religiosas e as ideologias). O mundo da cultura é constituído de uma trama complexa dos elementos que contribuem para a organização da vida cotidiana, como os estilos de vida familiar e as atividades de lazer que caracterizam nosso ambiente de convivência, e dos mecanismos sociais desenvolvidos para a resolução dos problemas da vida coletiva, como as formas de organização da vida escolar, da política ou da produção da vida material. A cultura é um vasto campo que abrange tanto as ideias abstratas que traduzem a vida da imaginação e do pensamento, com suas linguagens próprias, quanto os arranjos sociais e os instrumentos que permitem e favorecem a cooperação entre as pessoas nas formas das organizações sociais, possibilitando melhorar nossa habilidade em alcançar o que precisamos e desejamos para nós mesmos. Dessa forma a noção de cultura envolve tanto aspectos “intangíveis” - como valores, crenças, ideias, teorias e normas sociais- quanto aspectos “tangíveis” – como objetos, produtos do trabalho, das artes, da ciência e da tecnologia. Os valores e as normas sociais definem o que é considerado fundamental e desejável para a orientação da vida das pessoas em suas interações sociais. Os valores informam nossas crenças morais dando sentido e direção às nossas vidas, enquanto as normas são regras comportamentais que definem o que é esperado das ações individuais no contexto da convivência social. As normas dizem o que devemos fazer ou é proibido fazer em situações específicas. Em alguma medida as normas sociais, escritas ou não na forma de leis, refletem os valores predominantes de uma cultura em uma determinada sociedade. Todos esses elementos, tangíveis e intangíveis, são constitutivos da cultura e são

em uma determinada sociedade. Todos esses elementos, tangíveis e intangíveis, são constitutivos da cultura e são

28

compartilhados pelos membros da sociedade, formando um contexto comum para os seus integrantes e dando sentido às suas vidas, ações e atividades.

AS DIVERSIDADES CULTURAIS

suas vidas, ações e atividades. AS DIVERSIDADES CULTURAIS É fácil percebermos, quando entramos em contato com

É fácil percebermos, quando entramos em contato com aspectos da vida de outras sociedades, como seus ambientes culturais e os comportamentos de seus membros são diferentes dos nossos e, às vezes, de forma acentuada. Quando temos a oportunidade de conhecer e comparar diversas culturas, por leituras e estudos ou em viagens, adquirimos consciência da importância da dimensão cultural para as nossas vidas e para a vida coletiva em geral. Isso também ajuda a esclarecermos o conceito sociológico de cultura. Sociedades de tempos históricos diversos ou em espaços geográficos diferentes, desenvolveram modos de vida, valores e crenças que em muitos aspectos e, às vezes, de maneira bastante radical, diferem e divergem dos nossos. Ao comparar e comentar diferentes culturas deve-se prestar atenção para eventuais manifestações de “etnocentrismo”, a tendência que desenvolvemos em julgar elementos de outras culturas com base nos padrões da nossa cultura, o que torna difícil simpatizar com as ideias ou aceitar os comportamentos das pessoas de uma cultura diferente. Os problemas envolvidos nas comparações e avaliações culturais levantam uma questão que tem se tornado fonte de grande debate, transformando-se em foco de tensão no mundo da política global, especialmente

29

para os que lidam na esfera internacional dos direitos humanos. Trata-se do significado e abrangência do relativismo cultural no mundo contemporâneo.

do relativismo cultural no mundo contemporâneo. A questão é a seguinte: é possível avaliarmos os valores

A questão é a seguinte: é possível avaliarmos os valores e normas de outra cultura? Baseados em que critérios podemos julgar outra forma de vida cultural como melhor ou inferior à nossa? Essa é uma questão polêmica que provoca grandes debates nas ciências sociais. O sociólogo Anthony Giddens pergunta: no

Afeganistão, “as políticas do Talibã para as mulheres são aceitáveis no início do século XXI?” O relativismo cultural –“ou seja, suspender suas próprias crenças culturais profundamente sustentadas e examinar uma situação de acordo com os

padrões de outra cultura – pode ser repleto de incerteza e desafio”.(

preocupantes são levantadas. O relativismo cultural significa que todos os costumes

e comportamentos são igualmente legítimos? Haveria padrões universais aos quais

todos os humanos deveriam aderir?” Giddens acrescenta, “não há soluções simples para esse dilema e para dúzias de outros casos nos quais normas e valores culturais

E ensina uma lição básica para todo o estudante de Sociologia: “O

papel do sociólogo é evitar “respostas automáticas” e examinar questões complexas

cuidadosamente a partir de tantos ângulos diferentes quanto possível.” Essas inúmeras questões são um alerta e devem intensificar nossa disposição para conhecer os diversos sistemas socioculturais para melhor compreender os mecanismos que facilitam assim como os que dificultam a convivência humana, necessariamente, de cunho social. De um lado a cooperação, a convivência mais equilibrada e harmoniosa, de outro, os antagonismos, os conflitos e as guerras.

não coincidem.”

) “ Questões

30

30 Os processos da globalização econômica, da revolução na informática, da mídia, da superação das barreiras

Os processos da globalização econômica, da revolução na informática, da mídia, da superação das barreiras geográficas vem transformando o mundo em uma grande “aldeia global”. Em que medida esses fenômenos estão produzindo uma cultura universal, válida para todos os povos? Em que sentido podemos afirmar isso? Quais os possíveis danos para a vida das pessoas e para os diferentes grupos sociais com raízes histórico-culturais distintas? Como fenômeno humano as culturas dos povos são dinâmicas e sofrem mudanças. Os indivíduos agem e reagem às influências do ambiente em que vivem e às transformações de seu tempo. Os grupos sociais se mobilizam e movimentam-se no sentido de alterar as suas condições de vida. Continuidade e mudança são dimensões inerentes à vida das sociedades e das culturas. As mudanças podem ocorrer de forma mais lenta, como nos tempos mais antigos, como podem tornar-se rápidas e permanentes como tem ocorrido desde os tempos modernos. É importante observar que “as culturas ultrapassam seus criadores”, como diz Lenski. Cada um de nós nasce em uma sociedade com uma cultura estabelecida e é somente através do domínio dessa cultura que somos capazes de satisfazer nossas necessidades e aspirações. Mas, no processo de dominar a cultura, a cultura tende a nos controlar e fazer de nós suas criaturas. Em um sentido, ela define mesmo nossos objetivos na vida e dá forma aos padrões de nossos pensamentos. Por isso encontramos dificuldade em desaprender o que aprendemos no passado. E isso é especialmente marcante nas pessoas mais velhas. Por outro lado é sempre possível uma adaptação consciente e deliberada a um novo ambiente ou a uma mudança cultural. Isso implica que processos de mudança cultural ocorrem e podem até ser

31

controlados e mesmo planejados. Esse tema, o da mudança cultural, é especialmente importante na medida em que envolve o debate em torno das questões que dizem respeito às transformações da sociedade. Em geral, novos elementos culturais são acrescentados em uma base de continuidade. Em certos momentos ocorre o abandono de componentes culturais que são substituídos por outros novos. Se nós pensarmos nos vários instrumentos de comunicação utilizados através dos séculos nós teremos uma boa amostra das significativas mudanças culturais e das consequências dessas mudanças para a vida das pessoas. Mas muitas mudanças envolvem, ao mesmo tempo, continuidade, como é o caso do alfabeto que usamos há mais de três mil séculos, assim como o conceito de justiça que perdura desde tempos ainda mais antigos.

SOCIALIZAÇÃO: UMA APRENDIZAGEM PERMANENTE

mais antigos. SOCIALIZAÇÃO: UMA APRENDIZAGEM PERMANENTE O processo através do qual aprendemos a cultura da

O processo através do qual aprendemos a cultura da sociedade em que vivemos é o que chamamos de socialização. De um modo geral, os seres humanos são dotados de uma grande capacidade para aprender a agir de maneira socialmente responsável. A socialização é um processo sócio psicológico bastante complexo que se inicia no momento do nascimento. O objetivo principal de tal processo é adaptar o indivíduo aos costumes, comportamentos e modos da cultura

32

do seu ambiente social para que possa aprender a sobreviver por si mesmo e ser

capaz de, gradativamente, controlar seu comportamento de acordo com as exigências da vida em sociedade. Ao aprender o significado que a Sociologia atribui ao processo de socialização e as maneiras como este processo se desenvolve, podemos ampliar nossa visão e conhecimento sobre os mecanismos que operam nas sociedades e que dizem respeito à vida cultural. Isso possibilita uma melhor compreensão do modo e estilos de vida da sociedade em que nascemos e no qual nossas identidades, pessoal e de grupo, se desenvolvem. Através do processo de socialização nos tornamos, gradualmente, pessoas autoconscientes e capazes de lidar de forma competente com o mundo a nossa volta. O estudo dos processos de socialização pode contribuir para uma melhor compreensão de fatores que influenciam na construção das identidades pessoais (auto identidade) e das identidades dos grupos sociais a que pertencemos como a família, o gênero, o grupo religioso, o grupo de convivência social, o profissional e outros.

o grupo de convivência social, o profissional e outros. O processo de socialização é o principal

O processo de socialização é

o principal mecanismo que uma

sociedade possui para a transmissão da cultura através do tempo e das gerações. A socialização, além de estar diretamente relacionada com as identidades sociais, deve ser vista como um processo que dura à vida toda na medida em que as nossas ideias e o nosso comportamento são continuamente influenciados pelos relacionamentos sociais e pelo ambiente em que vivemos. É através da socialização que aprendemos e incorporamos os hábitos, os costumes, valores e normas da vida cultural de nossa sociedade. Desde o nascimento, através da infância e da adolescência e mesmo na vida adulta, estamos continuamente a aprender comportamentos e formas de interagir em diversos e novos ambientes a que somos expostos em nossa trajetória de vida. Nossa

33

identidade se modifica ao atingirmos diferentes estágios de desenvolvimento e ao assumirmos papéis sociais diversos que se alternam e multiplicam ao longo da vida.

PSICOLOGIA: CONCEITO

e multiplicam ao longo da vida. PSICOLOGIA: CONCEITO Psicologia é a ciência que estuda o comportamento

Psicologia é a ciência que estuda o comportamento humano, as interações dos organismos com o seu ambiente. Dependendo do enfoque e conhecimento de homem que está sendo utilizado à psicologia pode ter vários conceitos, dentre eles: ciência que estuda os seres humanos e seus processos psíquicos. Todorov (1999) definiu a psicologia como sendo a ciência que estuda a mente e o comportamento. Para que a definição seja inteligível, é necessário saber o que é mente e o que é comportamento. O conceito “ciência que estuda o comportamento humano” pode ser completo se entendermos e buscarmos nos aprofundar nos conceitos de ciência, comportamento e homem. Se soubermos descrever o que é ciência, o que é comportamento humano e quem é esse homem estudado pela psicologia (caso mais

34 complexo, mais filosófico) estaremos entendo o conceito de psicologia aqui apresentado. Atribuições e
34
complexo,
mais
filosófico)
estaremos
entendo
o
conceito
de
psicologia
aqui
apresentado.
Atribuições e áreas de atuação:
Promover a saúde do ser humano por meio do respeito à dignidade e
integridade, proporcionando condições satisfatórias de vida na sociedade. Segundo
a OMS (ONU): "Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e
não apenas a ausência de doença ou enfermidade."
O Psicólogo, dentro de suas especificidades profissionais, atua no âmbito da
educação, saúde, lazer, trabalho, segurança, justiça, comunidades e comunicação
com o objetivo de promover, em seu trabalho, o respeito à dignidade e integridade
do ser humano.
Atribuições Profissionais:
- Estuda e analisa os processos intrapessoais e relações interpessoais,
possibilitando a compreensão do comportamento humano individual e de grupo, no
âmbito das instituições de várias naturezas, onde quer que se deem estas relações.
- Aplica conhecimento teórico e técnico da psicologia, com o objetivo de identificar e
intervir nos fatores determinantes das ações e dos sujeitos, em suas histórias
pessoais, familiares e sociais, vinculando-as também a condições políticas,
históricas e culturais.

35

- Analisa a influência de fatores hereditários, ambientais e psicossociais sobre os

sujeitos na sua dinâmica intrapsíquica e nas suas relações sociais, para orientar-se

no psicodiagnóstico e atendimento psicológico.

- Promove a saúde mental na prevenção e no tratamento dos distúrbios psíquicos,

atuando para favorecer um amplo desenvolvimento psicossocial.

- Elabora e aplica técnicas de exame psicológico, utilizando seu conhecimento e

práticas metodológicas específicas, para conhecimento das condições do desenvolvimento da personalidade, dos processos intrapsíquicos e das relações

interpessoais, efetuando ou encaminhando para atendimento apropriado, conforme a necessidade.

- Formula hipóteses e à sua comprovação experimental, observando a realidade e

efetivando experiências de laboratórios e de outra natureza, para obter elementos

relevantes ao estudo dos processos de desenvolvimento, inteligência, aprendizagem, personalidade e outros aspectos do comportamento humano e animal.

Locais e áreas de atuação

comportamento humano e animal. Locais e áreas de atuação Além da área clínica, a cada dia

Além da área clínica, a cada dia é observável a emergente atuação do profissional psicólogo em áreas como organizações, hospitais, escolas, tribunais de Justiça, marketing, esportes, aviação, engenharia, etc. Devido a essa ampliação e as formas diferentes de atuação exigidas, torna-se necessário cada vez mais uma

36

atenção focalizada para os valores e princípios fundamentais ao exercício ético da profissão. Esse exercício ético tem como base filosófica conduzir o indivíduo ao bem-estar evitando ao máximo o sofrimento psíquico.

ao bem-estar evitando ao máximo o sofrimento psíquico. O psicólogo desempenha suas funções e tarefas

O psicólogo desempenha suas funções e tarefas profissionais individualmente e/ou em equipes multiprofissionais. Abaixo alguns locais e áreas de atuação profissional:

Trabalho Empresas públicas ou privadas Educação - Creches, Escolas. Saúde - Hospitais, Ambulatórios, Centros e postos de saúde, Consultórios, Clínicas especializadas Justiça - Varas da criança e do adolescente, de família, cível, criminal, penitenciárias Psicotécnicos - clínicas de trânsito Esporte - Associações e/ou esportivas, clubes esportivos Sociedade em geral, Associações comunitárias, Ongs Escolas de 2º grau Escolas de nível superior (com especialização, mestrado ou doutorado) Área da comunicação social

37

HISTÓRICO DA PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO

·

37 HISTÓRICO DA PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO · O interesse pela educação, suas condições e seus problemas,

O interesse pela educação, suas condições e seus problemas, foi sempre uma constante entre filósofos, políticos, educadores e psicólogos. Com o desenvolvimento da Psicologia como Ciência e como área de atuação profissional, no final do século XIX, várias perspectivas se abriram, fato que também ocorreu à chamada Psicologia Educacional. Durante as 3 primeiras décadas do século XX a psicologia aplicada à educação teve enorme desenvolvimento. Nos EUA destacava-se a necessidade de um novo profissional, capaz de atuar como intermediário entre a psicologia e a educação. Três áreas destacaram-se: as pesquisas experimentais da aprendizagem; o estudo e a medida das diferenças individuais; psicologia da criança. Até a década de 50, a Psicologia da educação aparece como a 'rainha' das ciências da educação. Seu conceito: uma área de aplicação da psicologia na educação. Psicologia Educacional era um ramo especial da Psicologia, preocupado com a natureza, as condições, os resultados e a avaliação e retenção da

38

aprendizagem escolar. Ela deveria ser uma disciplina autônoma, com sua própria teoria e metodologia.

Durante a década de 50, o panorama muda. Começa-se a duvidar da aplicabilidade educativa das grandes teorias da aprendizagem, elaboradas durante a

Surgem outras disciplinas

educativas tão importantes á educação quanto à psicologia, e esta precisa ceder

espaço. Na década de 70, assume o seu caráter multidisciplinar, que conserva até hoje. Não mais é considerada como a psicologia aplicada á Educação. Atualmente, a Psicologia da Educação é considerada um ramo tanto da Psicologia como da Educação, e caracteriza-se como uma área de investigação dos problemas e fenômenos educacionais, a partir de um entendimento psicológico.

1ª metade do século XX. Prenuncia-se uma crise

CONCEITO DE PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO

Quando se fala, hoje, em 'Psicologia da Educação', vários termos são utilizados indiscriminadamente como sinônimos, tais como: psicopedagogia, psicologia escolar, psicologia da educação, psicologia da criança, etc. A lista poderia ser alongada. Esta imprecisão na linguagem, e esta confusão entre disciplinas ou atividades não são exatamente passíveis de sobreposição, pois cada qual têm suas definições e limitações. A Psicologia da Educação tem por objeto de estudo todos os aspectos das situações da educação, sob a ótica psicológica, assim como as relações existentes entre as situações educacionais e os diferentes fatores que as determinam. Seu domínio é constituído pela análise psicológica de todas as facetas da realidade educativa e não apenas a aplicação da psicologia à educação. Seu maior objetivo é constatar ou compreender e explicar o que se passa no seio da situação de educação. Por isso, tanto psicólogos quanto pedagogos podem possuir tal especialização profissional.

39

A Psicologia da Educação faz parte dos componentes específicos das ciências da Educação, tal como a sociologia da educação ou a didática. Compõem um núcleo, cuja finalidade é estudar os processos educativos. Atualmente, rejeita- se a ideia de que a Psicologia da Educação seja resumida a um simples campo de emprego da Psicologia; ela deve, ao contrário, atender simultaneamente aos processos psicológicos e às características das situações educativas. Ela estuda os processos educativos com tripla finalidade:

Contribuir à elaboração de uma teoria explicativa dos processos educativos nível teórico;

Elaborar modelos e programas de intervenção - nível tecnológico;

Dar lugar a uma práxis educativa coerente com as propostas teóricas formuladas - nível prático.

APRENDIZAGEM

teóricas formuladas - nível prático. APRENDIZAGEM Conceito Aprendizagem é um processo inseparável do ser

Conceito

Aprendizagem é um processo inseparável do ser humano e ocorre quando há uma modificação no comportamento, mediante a experiência ou a prática, que não podem ser atribuídas à maturação, lesões ou alterações fisiológicas do organismo. Do ponto de vista funcional é a modificação sistemática do comportamento em caso

40

de repetição da mesma situação estimulante ou na dependência da experiência anterior com dada situação De acordo com as proposições das teorias gestaltistas é um processo perceptivo, em que se dá uma mudança na estrutura cognitiva. Para que haja a aprendizagem são necessárias determinadas condições:

Fatores Fisiológicos - maturação dos órgãos dos sentidos, do sistema nervoso

central, dos músculos, glândulas etc.;

Fatores Psicológicos - motivação adequada, autoconceito positivo, confiança em

sua capacidade de aprender, ausência de conflitos emocionais perturbadores etc.; Experiências Anteriores - qualquer aprendizagem depende de informações, habilidades e conceitos aprendidos anteriormente.

Características do processo de aprendizagem

anteriormente. Características do processo de aprendizagem • Processo dinâmico - A aprendizagem é um processo que

Processo dinâmico - A aprendizagem é um processo que depende de intensa

atividade do indivíduo em seus aspectos físico, emocional, intelectual e social. A

aprendizagem só acontece através da atividade, tanto externa física, como também, de atividade interna do indivíduo envolve a sua participação global.

Processo contínuo - Todas as ações do indivíduo, desde o início da infância, já

fazem parte do processo de aprendizagem. O sugar o seio materno é o primeiro problema de aprendizagem: terá que coordenar movimentos de sucção, deglutição e respiração. Os diferentes aspectos do processo primário de socialização na família, impõem, desde cedo, a criança numerosas e complexas adaptações a diferentes

41

situações de aprendizagem. Na idade escolar, na adolescência, na idade adulta e até em idade mais avançada, a aprendizagem está sempre presente. Processo global - Todo comportamento humano é global; inclui sempre aspectos motores, emocionais e mentais, como produtos da aprendizagem. O envolvimento

para mudança de comportamento, terá que exigir a participação global do indivíduo para uma busca constante de equilibração nas situações problemáticas que lhe são apresentadas.

Processo pessoal - A aprendizagem é um processo que acontece de forma

singular e individualizada, portanto é pessoal e intransferível, quer dizer ela não pode passar de um indivíduo para outro e ninguém pode aprender que não seja por si mesmo.

Processo gradativo - A aprendizagem sempre acontece através de situações

cada vez mais complexas. Em cada nova situação um maior número de elementos serão envolvidos. Cada nova aprendizagem acresce novos elementos à experiência

anterior, sem idas e vindas, mas em uma série gradativa e ascendente.

Processo cumulativo - A aprendizagem resulta sempre das experiências vividas pelo indivíduo que servem como patamar para novas aprendizagens. Ninguém aprende senão, por si e em si mesmo, pela auto modificação. Desta maneira, a aprendizagem constitui um processo cumulativo, em que a experiência atual aproveita-se das experiências anteriores.

APRENDIZAGEM E MATURAÇÃO

A maturação é constituída no processo de desenvolvimento pelas mudanças do organismo que ocorrem de dentro para fora do indivíduo. Mas apesar destas mudanças acontecerem apenas quando existe uma predisposição

de dentro para fora do indivíduo. Mas apesar destas mudanças acontecerem apenas quando existe uma predisposição

42

natural no organismo do indivíduo, elas dependem de estimulações no meio ambiente para se desenvolverem plenamente. As características essenciais da maturação são:

1 - Aparecimento súbito de novos padrões de crescimento ou comportamento;

2 - Aparecimento de habilidades específicas sem o benefício de práticas anteriores;

3 - A consistência desses padrões em diferentes indivíduos da mesma espécie;

4 - O curso gradual de crescimento físico e biológico em direção a ser completamente desenvolvido. A aprendizagem, diferente da maturação, envolve uma mudança duradoura no indivíduo, que não esta marcada por sua herança genética. A aprendizagem se constitui no processo de socialização do indivíduo e desenvolve gostos, habilidades, preferências, contribui para formação de preconceitos, vícios, medos e

desajustamentos patológicos.

A APRENDIZAGEM É CONDICIONADA PELA MATURAÇÃO

A APRENDIZAGEM É CONDICIONADA PELA MATURAÇÃO De maneira geral, concluindo-se pelas próprias definições

De maneira geral, concluindo-se pelas próprias definições acima, a influência dos professores é restrita aos padrões de maturação dos alunos. Na aprendizagem esta influência pode ser determinante, com consequências que podem ser tanto positivas quanto negativas. As características específicas do ser humano: a fala, a noção de tempo, a cultura e a capacidade de abstração, confere uma qualidade única ao estudo do seu comportamento.

43

Ainda mais significativo que tudo o que foi dito, o homem, em seu processo de percepção, pode observar-se simultaneamente como sujeito e objeto, como o conhecedor e como o que deve ser conhecido. Enquanto nos animais inferiores muitos dos comportamentos são supostamente instintivos, a criança, molda os seus múltiplos padrões de comportamento. O período relativamente de dependência da criança, em relação ao adulto, que se segue à necessidade total de ajuda logo após o nascimento, contribui para que ele adquira a cultura de seu grupo. Utilizando seu potencial intelectual relativamente alto e sua capacidade de se comunicar através da linguagem falada e der outros símbolos, os membros de cada geração constroem sobre as realizações das gerações anteriores. A cultura de uma sociedade é o resultado de muitas gerações de aprendizagem cumulativa. O homem compartilha com outros mamíferos alguns impulsos orgânicos primários como a fome, a sede, o sexo, a necessidade de oxigênio, de calor moderado e de repouso e, possivelmente, umas poucas aversões primárias tais como medo, raiva. A primeira manifestação de tais impulsos e aversões é um processo de maturação. No entanto, o ser humano parece transcender de alguma forma tais impulsos e aversões hereditários. Parece não haver grupo de seres humanos que não tenha desenvolvido, através da aprendizagem, alguns instrumentos para enriquecer seus contato com o mundo que o cerca. Os animais parecem encontrar satisfação no uso de qualquer das capacidades que possuem. Da mesma maneira, o homem encontra satisfação no uso de suas capacidades e habilidades.

APRENDIZAGEM E DESEMPENHO

É fundamental para se concluir como esta transcorrendo a aprendizagem a observação do comportamento do indivíduo. O desempenho pode ser considerado como o comportamento observável do indivíduo. Destarte, a aprendizagem não pode ser observada diretamente; só pode ser inferida do comportamento ou do desempenho de uma pessoa.

a aprendizagem não pode ser observada diretamente; só pode ser inferida do comportamento ou do desempenho

44

Para tanto devem ser observadas determinadas características do desempenho que servirão como indicadores do desenvolvimento da aprendizagem ou da aquisição de uma habilidade. A característica principal é quando o desempenho da habilidade melhorou, durante um período de tempo no qual houve a prática. A pessoa sendo assim mais capaz de desempenhar a habilidade do que era anteriormente. A melhoria do desempenho deve ser marcada por certas características:

1 - O desempenho deve ser, como resultado da prática, persistente, ou seja, relativamente constante. Deve ser duradoura no tempo. 2 - As flutuações do desempenho devem ser cada vez menores, ocorrendo menos variabilidade.

Aprendizagem é uma mudança no estado interno do indivíduo, que é inferida de uma melhora relativamente permanente no desempenho como resultado da prática.

Modelo de aprendizagem motora

Segundo Fitts e Posner, existem três estágios que caracterizam a aprendizagem motora:

1 - Estágio Cognitivo - Se caracteriza por uma grande quantidade de atividade mental e intelectual. O principiante costuma responder às técnicas ou estratégias, apresentando grande número de erros grosseiros no desempenho;

2 - Estágio Associativo - A atividade cognitiva envolvida na produção de respostas

decai. Mecanismos básicos da habilidade foram aprendidos até certo ponto. O aprendiz está concentrado em refinar a habilidade. Detecta alguns dos seus erros. A

variação de desempenho começa a decrescer;

3 - Estágio Autônomo - As habilidades são aprendidas a um tal grau que respostas

são geradas de maneira quase automática. Desenvolve capacidade para detectar seus erros e que espécies de ajustes são necessários para corrigir os erros. A variação do desempenho de dia a dia já se torna muito pequena.

45

É importante entender esses estágios de aprendizagem para determinação de estratégias instrucionais apropriadas a serem utilizadas ao ensinar habilidades motoras.

O desempenho inicial na aprendizagem nem sempre permite predizer com precisão o desempenho posterior. O desempenho posterior deve ser considerado a partir de:

a) determinação das capacidades relacionadas com a tarefa;

b) motivação para ter sucesso e para continuar a aprender a habilidade;

c) instrução inicial deve enfatizar os fundamentos importantes da habilidade a ser

aprendida; d) quantidade de tempo de prática disponível do indivíduo é importante na

determinação do sucesso posterior.

Esses fatores além de serem valiosos na previsão do desempenho futuro, são geradores de informações para determinar o que deve ser incluído no plano de instrução, para ajudar o estudante a desenvolver seu potencial.

A APRENDIZAGEM E A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO: APRENDIZAGEM INFORMAL E FORMAL

Aprendizagem Formal: processo que é direcionado, orientado e previamente planejado e organizado (sala de aula); advém da instrução. Aprendizagem Informal: processo que é de natureza incidental, não-dirigido, e carente de controle. Resultam da experiência no ambiente de vida (fora da escola); advém do ensino. A Psicologia da Educação exerce seu papel mais relacionada à aprendizagem formal.

·

46

Modelos de Ensino Formal:

Um modelo de ensino formal inclui um conjunto de procedimentos para que se realize o ensino. Pode resumir-se em seus componentes fundamentais:

professor, aluno e conteúdo.

Existem 4 modelos básicos:

Modelo Clássico: ênfase dada no professor, enquanto um transmissor de conteúdo.

A educação consiste em transmissão de ideias selecionadas, organizadas e não de

acordo com o interesse do aluno. O aluno é apenas um recipiente passivo. Modelo Tecnológico: ênfase na educação como transmissora de conteúdos; o conteúdo é o centro do processo. O aluno é um recipiente de informações. A educação se preocupa com aspectos observáveis e mensuráveis e o professor é o responsável por essa concretização. Modelo Personalizado: ênfase no aluno. O ensino se processa em função do desenvolvimento e interesse dos alunos. A educação é um processo progressivo e o

professor oferece assistência ao aluno, enquanto um facilitador da aprendizagem. Modelo Interacional: apresenta um equilíbrio entre os componentes do modelo. O

professor cria um clima de diálogo e troca experiências e valores com seus alunos.

O conteúdo consiste na análise crítica de problemas reais e sociais. O aluno é ativo

em sua aprendizagem.

DOMÍNIOS DA APRENDIZAGEM

A aprendizagem abrange 3 domínios fundamentais: 1. D. intelectual ou cognitivo; 2. D. afetivo-social; 3. D. sensório- psiconeurológico.

Domínio intelectual ou cognitivo (inteligência humana) A inteligência e a idade mental (e não a cronológica) são domínios decisivos à aprendizagem humana. Inteligência: capacidade de interagir com o meio ambiente e adaptar-se a

ele; se

47

desenvolve através de fases, ao longo da vida, que se sucedem em uma mesma ordem, mas devido às diferenças individuais, podem ser alcançadas em idades diferentes para cada pessoa, dependendo do ritmo de desenvolvimento. Domínio afetivo-social (emoções, sentimentos e aspectos psicossociais) As pessoas são todas diferentes e únicas. As diferenças são determinadas pelas influências genéticas, bioquímicas de seu próprio organismo e por estímulos do ambiente em que vivem, bem como pela interação de todas as experiências sociais que tiveram desde o nascimento. A personalidade de cada indivíduo vai se formando/se desenvolvendo; Portanto, cada aluno que chega á escola/universidade já possui sua personalidade bem definida. As características psicológicas momentâneas, tais como o humor, as emoções e os sentimentos, também são domínios fundamentais à aprendizagem humana. Da mesma forma, um certo amadurecimento social (relacionamento interpessoal e intrapessoal) é elemento igualmente importante neste processo de ensino-aprendizagem.

O sensório-psiconeurológico (sensações, desenvolvimento neuropsicológico e maturação neurológica).

A integração das funções neuropsicológicas é fundamental à aprendizagem. Para tanto, a estimulação é comprovadamente importante, já que crianças que viveram seus primeiros anos de vida em ambientes pobres de estímulos sofreram danos graves de desenvolvimento, principalmente em seus elementos sensoriais (audição, visão, tato, gustação, olfato), neurológicos (maturação neurológica), psicomotores (esquema corporal, lateralidade, equilíbrio) e linguísticos (fala).

PRINCÍPIOS DA APRENDIZAGEM

1º princípio: “universalidade- a aprendizagem é co-extensiva à própria vida, ocorre durante todo o desenvolvimento do indivíduo. Na vida humana a aprendizagem se inicia antes do nascimento e se prolonga até a morte. 2º princípio: A aprendizagem é um processo constante/contínuo.

48

3º princípio: “gradatividade- A aprendizagem é gradual, isto é, aprende-se pouco a pouco. 4º princípio: “processo pessoal/individual- cada indivíduo tem seu ritmo próprio de aprendizagem (ritmo biológico) que, aliado ao seu esquema próprio de ação, irá constituir sua individualidade. Por isso, tem fundo genético e também ambiental, dependendo de vários fatores: dos esquemas de ação inatos do indivíduo; do estágio de maturação de seu sistema nervoso; de seu tipo psicológico constitucional (introvertido ou extrovertido); de seu grau de envolvimento; além das questões ambientais. 5º princípio: “processo cumulativo- as novas aprendizagens do indivíduo dependem de suas experiências anteriores. As primeiras aprendizagens servem de pré-requisitos para as subsequentes. Cada nova aprendizagem vai se juntar ao repertório de conhecimentos e de experiências que o indivíduo já possui, indo construir sua bagagem cultural. 6º princípio: “processo integrativo e dinâmico- esse processo de acumulação de conhecimentos não é estático. A cada nova aprendizagem o indivíduo reorganiza suas ideias, estabelece relações entre as aprendizagens, faz juízos de valor.

·

FATORES DA APRENDIZAGEM

1. Saúde física e mental: para que seja capaz de aprender, a pessoa deve apresentar um bom estado físico geral; deve estar gozando de boa saúde, com seu sistema nervoso e todos os órgãos dos sentidos. As perturbações na área física, como na sensorial e na área nervosa poderão constituir-se em distúrbios da aprendizagem. Febre, dores de cabeça, disritmias (ausências mentais) são exemplos disto.

2. Motivação: é o fator de querer aprender; o interesse é a mola propulsora da aprendizagem. O indivíduo pode querer aprender por vários motivos: para satisfazer a sua necessidade biológica de exercício físico e liberar energia; por ser estimulada pelos órgãos dos sentidos, através de cores alegres; por sentir-se inteligente e bem consigo mesmo ao resolver uma atividade mental; por sentir necessidade de conquistar uma boa classificação na escola (status social e pessoal, admiração).

49

3. Prévio domínio: domínio de certos conhecimentos, habilidades e experiências anteriores, possuindo relativa vantagem em relação aos que não o possuem.

4. Maturação: é o processo de diferenciações estruturais e funcionais do organismo, levando a padrões específicos de comportamento. A maturação neurológica se dá por etapas sucessivas e na mesma sequência (Leis céfalo-caudal e Próximo-distal). A maturação cria condições à aprendizagem, havendo uma interação entre ambas.

5. Inteligência: capacidade para assimilar e compreender informações e conhecimentos; para estabelecer relações entre vários desses conhecimentos; para criar e inventar coisas novas, com base nas já conhecidas; para raciocinar com lógica na resolução de problemas.

6. Concentração e atenção: capacidade de fixar-se em um assunto/tarefa. Desta capacidade dependerá a facilidade maior ou menor para aprender.

7. Memória: a retenção da aprendizagem é aspecto essencial à aprendizagem, pois quando a pessoa precisar de um conhecimento ela deverá ser capaz de resgatá-los da memória, usando os conhecimentos anteriormente adquiridos. No entanto, quem aprende está sujeito a esquecer o que aprendeu. O esquecimento se dá por vários motivos: pela fragilidade ou deficiência na aprendizagem, causada por estudo ineficiente, falta de atenção; pela tentativa de evocação do fato memorizado através de um critério diferente do usado na fixação da aprendizagem; pelo desuso das informações; por um componente emocional que não permite a memorização da informação ou a 'esconde' no subconsciente.

FATORES QUE INFLUENCIAM NA APRENDIZAGEM

A aprendizagem é produto de uma interação complexa e contínua entre hereditariedade e o meio ambiente. Este processo pode ser influenciado tanto na vida pré-natal como na vida pós-natal. As causas podem ser inúmeras: químicas, físicas, imunológicas, infecciosas, familiar, afetivas e socioeconômicas.

FATORES GENÉTICOS OU HERANÇA

50

Os elementos hereditários que influenciam na aprendizagem são chamados

de fatores genéticos e encontram-se na inscrição do programa biológico da pessoa - herança. Está presente em toda parte: determina o grau de sensibilidade dos órgãos efetores aos estímulos indutores; condiciona o aparecimento de doenças familiares capazes de prejudicar a aprendizagem (insônia, depressão, síndrome de down, asma) e ainda pode indiretamente intervir nos fatores ambientais, garantindo maior ou menor resistência do organismo aos agravos do meio.

FATORES NEUROENDÓCRINOS

O hipotálamo é destacado como o local controlador do sistema endócrino. Podemos considerar o hipotálamo como um centro integrador de mensagens, controlando a função da glândula hipófise na produção e liberação dos hormônios de todas as glândulas do organismo e possibilitando a criança explorar seu potencial genético, de desenvolvimento e de aprendizagem. Neuro-Hormônio Adenocorticotrófico - ACTH: é liberado pelo hipotálamo; sua secreção acompanha um ritmo circadiano gerado por um ritmo cerebral intrínseco, ligado a alteração de luz (dia e noite), sono, estresse físico e emocional.

FATORES AMBIENTAIS

O meio ambiente na qual a pessoa está inserida exerce influências

particularmente poderosas, contribuindo positivamente à realização do plano genético ou negativamente, apresentando obstáculos. O ambiente compreende tanto condições da vida material, estando em primeiro lugar a alimentação e sua

utilização (nutrição), quanto pelo ambiente físico (sócio-econômico, estilo de vida) e

o ambiente familiar e cultural, cujo elemento fundamental é constituído pela relação afetiva primária e o estímulo materno.

Na interação da hereditariedade e do meio ambiente, quando o meio é normal

e favorável pode-se calcular que 80 a 90 % da variabilidade natural da espécie

humana, nos limites da normalidade, se realizam segundo o programa genético pré-

51

determinado, entretanto, quando o meio é desfavorável e heterogêneo, a hereditariedade pode cair a 60 %.

NUTRIÇÃO

Em relação a alimentação, o leite é a nutrição natural inicial para todos, e a qualidade desse leite tem condições para satisfazer o potencial genético ao crescimento e à aprendizagem. A alimentação saudável é a balanceada, com proteína suficiente, além da presença de hidratos de carbono, gorduras, sais minerais e vitaminas. É preciso ter presente que só o crescimento consome 40% das calorias fornecidas à criança. Deve-se fornecer energia à criança para atender às necessidades de metabolismo basal; ação dinâmico-específica dos alimentos; perda calórica pelos excreta; atividade muscular; crescimento. Para que a aprendizagem também seja beneficiada, a nutrição do indivíduo deve ser balanceada e saudável. Essa energia é, então, transmitida através dos macro nutrientes: Vitaminas;

proteínas; hidratos do carbono; sais minerais; gorduras. Dois aspectos relacionados a alimentação que exercem influências:

A superalimentação: aceleração e envelhecimento precoces do crescimento;

variáveis psicológicas.

A subalimentação: quando é global (fornecimento calórico abaixo de 1/3), o

crescimento é bloqueado de forma completa. Quando a sobrevida é possível, se traduz pelo aspecto clínico de marasmo. Quando se refere especificamente sobre a proteína, continuando o fornecimento calórico global tolerável, o crescimento estatural é bloqueado - desnutrição proteica.

VARIÁVEIS SÓCIO-ECONÔMICO-CULTURAIS

As variáveis socioeconômicas exercem importante influência: renda per capita, a idade dos pais, o tamanho da família, condições de habitação e saneamento, escolaridade, higiene; cultura dos pais(influi na alimentação da criança). Dada a melhoria nas condições de vida, tais como a urbanização, melhoria nos cuidados médicos, maior ingestão alimentar de nutrientes, vestuário menos

52

restritivo, entre outros fatores, existe uma forte tendência para que as crianças das gerações que nos sucedem alcancem uma maturação mais cedo. Esta tendência de aceleração secular pode ser vista nos estudos de Monteiro (1996), que demonstra que as crianças brasileiras estão maturando cada vez mais cedo, em todas as classes sociais, onde as regiões sul e sudeste do país são as que mais crescem.

FAMÍLIA E OS FATORES PSICOSSOCIAIS

Outro aspecto importante, diz respeito ao ambiente familiar, que comporta elementos diversos, de ordem psicológica particular, mas também de ordem cultural segundo o nível intelectual, os conhecimentos adquiridos através dos pais, a herança dos costumes, etc. Acima de tudo, intervém a relação afetiva precoce da mãe com a criança desde os primeiros instantes da vida. A qualidade dessa ligação afetiva condiciona em grande parte o relacionamento da mãe e, consequentemente, a qualidade de sua conduta com a alimentação, proteção física, estímulo psíquico e cultural da criança. A carência afetiva consiste na falta de carinho e de solicitação afetiva materna, perturbando ou mesmo impedindo o vínculo mãe e filho, determinando o aparecimento de uma síndrome complexa com reflexos no seu desenvolvimento neuropsicomotor, no crescimento e no estado emocional, e por consequência, na aprendizagem.

O PROFESSOR E O PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

Quando inserido no processo de ensino-aprendizagem (sala de aula), o professor poderá vir a assumir vários papéis sociais. A Psicologia da Educação, após longos anos de pesquisa a respeito deste assunto, identificou alguns papéis claros, assumidos por professores em seu trabalho diário junto a uma classe de alunos.

53

# Grupo de papéis Negativos:

Bode expiatório: sente-se alvo de hostilidades, recusado por seus alunos; perde sua estabilidade emocional. Requer uma grande dose de segurança interior para aceitar esta situação e ainda permanecer no posto. Este professor poderá ter 2 tipos de comportamento: a contra hostilidade e a necessidade de constante submissão para com a vontade de seus alunos para ser aceito. Inspetor e disciplinador: sente-se o distribuidor e o executor da justiça; Valoriza desempenhos, classifica alunos, promove-os e rebaixa-os. É o grande responsável pela conduta em sala de aula, faz o papel de inspetor. Julga o certo e o errado, administrando recompensas e punições.

# Grupo de papéis Autoritários:

Substituto da autoridade paterna: assume o papel de orientador dos alunos, orientando a todos de igual maneira. Não é nem paternalista demais, nem

rígido demais. Mantém um bom e equilibrado nível de relações afetuosas com todos.

Fonte de informações: sua função é transferir conhecimentos para os alunos; é aquele que sabe. Se orienta em termos acadêmicos em sua abordagem. Forja uma concepção passiva do aluno quando se vê como o único que sabe tudo. Líder de grupo: professor que se coloca como líder. Pode assumir a liderança do grupo de 2 formas: autocrática ou democrática, ambas envolvem o sistema de status no grupo. Cidadão modelo: sua função vai além de transmitir conhecimentos; se coloca como mentor moral, ético, social e político de seus alunos. Dá sempre bom exemplo de comportamento social, utilizando-o para ensinar. Não separa sua vida provada da profissional.

# Grupo de papéis de Proteção:

Terapeuta: é um orientador e higienista mental do grupo; responsável pela prevenção e ajustamento de problemas, além de promotor de um meio favorável à aprendizagem; aceita as diferenças e promove aulas com atmosfera de aceitação emocional. Acredita que a experiência pessoal e todos os aspectos da vida afetam a aprendizagem.

54

Amigo e confidente: é amigo e caloroso, convidando a todos a confidências e a participar das dificuldades do grupo. Leva tudo ao plano da amizade pessoal. É acessível e compreensivo, deixando o aluno contar suas dificuldades e problemas em um meio neutro. O excesso ocorre quando o professor usufrui satisfação primária à resposta afetiva do aluno para com ele. Gera-se um conflito entre o papel de professor e de amigo.

55

AVALIAÇÃO

1- Para dizer que vivemos numa sociedade totalmente institucionalizada, ou seja, vivemos “imersos” em instituições sociais, portanto, somos continuamente levados a realizar coisas que não escolhemos, e na maioria das vezes as realizamos “naturalmente”, sem questionar de onde e de quem partiu aquela ideia ou aquela ordem. Quais são as instituições sociais as quais fazemos parte, exceto:

a) Família

b) Escola

c) Comunidade

d) Religião

2- É dentro da família que aprendemos os primeiros valores do grupo e da

sociedade a que pertencemos. Os pais (ou aqueles que cumprem este papel), criam e provêm os filhos de condições para a subsistência e esperam desses respeito e obediência. A sociedade espera que os pais trabalhem e tenham uma vida honesta, às mães cabe o amor incondicional, capaz de fazê-las abrir mão da própria vida para ver a felicidade de seus filhos. Isso pode parecer um pouco exagerado, mas, às vezes, a caricatura de uma situação nos permite enxergá-la melhor. Sobre esta, marque a alternativa incorreta:

a) A família é um lugar “sagrado”, que devemos respeitar nossos pais, que tanto sacrifícios fizeram por nós.

b) É o bem mais importante de um homem, e quando finalmente crescemos, “desejamos” formar outra família, porque é isto que esperam de nós.

c) É onde aprendermos os nossos primeiros valores.

d) Os filhos devem ensinar os pais o que é certo ou errado.

56

3- Essa instituição ensina-nos novos padrões de comportamento, ou reforça aqueles que já trazemos de nossa classe social e tenta nos fazer acreditar que somos todos iguais. Estamos nos referindo a qual instituição social?

a) Família

b) Escola

c) Religião

d) Comunidade

4- Uma boa escola precisa de professores mediadores de processos de aprendizagem. De professores menos “falantes”, mais orientadores; de menos aulas informativas e mais atividades de pesquisa, experimentação, desafios projetos. Estas aulas devem ter como características:

a)

Ser aulas vivas

 

b)

Ser aulas criativas

c)

Ser aulas presenciais-virtuais

 

d)

Todas as respostas estão corretas.

5-

O

paradigma

da

,

inspirado originalmente no

trabalho de Paulo Freire nos anos 60, encontrava na conscientização sua

categoria fundamental. Complete a frase:

 

a)

educação Popular

 

b)

educação Internacionalizada

 

c)

novas tecnologias

 

d)

educação Tradicional

 

6-

Sobre as novas tecnologias, podemos afirmar que:

 

a)

São apenas os recursos tecnológicos, como televisão, telefone e computador.

b)

São as ferramentas tecnológicas que completa a ação do gestor, sendo principalmente o computador.

c)

É uma ferramenta tecnológica na busca da qualidade do processo de ensino- aprendizagem ou melhoria do trabalho.

d)

São todas as ferramentas que envolvem o uso da informática.

57

7- Para nos auxiliar na reflexão a respeito da função disciplinadora da escola, podemos recorrer às ideias de um filósofo francês . Este pensador realizou estudos comparativos entre algumas instituições como prisões, conventos, quartéis e escolas, buscando desvelar suas semelhanças no que se refere aos aspectos de organização e controle. Estamos nos referindo à:

a) Michel Foucault

b) Boudeiu

c) São Tomé

d) Todas as respostas estão erradas.

8- A escola existe somente para reproduzir a sociedade desigual que aí está,

então nada podemos fazer senão nos adequarmos a esta situação. Esta atitude passiva em nada contribui para desenvolvermos as atitudes críticas e criativas necessárias à criação de outro modelo de escola. Este é o pensamento do tipo:

a) Generalista

b) Mobilista

c) Altruísta

d) Todas as alternativas estão erradas.

NOME DO ALUNO:

MATRÍCULA:

CURSO:

DATA DE ENVIO:

GABARITO

/

/

58

1)

6)

Psicologia da Educação

2)

NOME DO ALUNO: MATRÍCULA: CURSO: DATA DE ENVIO: GABARITO / / 58 1) 6) Psicologia da

7)

NOME DO ALUNO: MATRÍCULA: CURSO: DATA DE ENVIO: GABARITO / / 58 1) 6) Psicologia da

3)

8)

NOME DO ALUNO: MATRÍCULA: CURSO: DATA DE ENVIO: GABARITO / / 58 1) 6) Psicologia da

4)

NOME DO ALUNO: MATRÍCULA: CURSO: DATA DE ENVIO: GABARITO / / 58 1) 6) Psicologia da

5)

NOME DO ALUNO: MATRÍCULA: CURSO: DATA DE ENVIO: GABARITO / / 58 1) 6) Psicologia da

59

BIBLIOGRAFIA

BENEVIDES, M. V. Educação em direitos humanos: de que se trata? Convenit

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

BOFF, Leonardo et alli (Coord.), Tomo III - Direitos humanos, direito dos pobres. Série V - Desafios da vida na sociedade. 2 ed. São Paulo: Vozes, 1992.

BOUCAULT, Carlos Eduardo de Abreu e outra (Org.). Os direitos humanos e o direito internacional. Rio de Janeiro: Renovar, 1999.

BRITO FILHO, José Cláudio Monteiro de. Discriminação do trabalho. São Paulo:

LTr, 2002.

CHAUÍ, Marilena. Direitos humanos e medo. In: Fester, A.C.R. (org.). Direitos

COLL, César; PALACIOS, Jesús & MARCHESI, Álvaro (Org.). Desenvolvimento psicológico e Educação - Psicologia da Educação, Volume 2. Artes Médicas, Porto Alegre: 1996.

COMPARATO, Fábio Konder. A afirmação histórica dos direitos humanos. São Paulo: Saraiva, 1999.

FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Direitos humanos fundamentais. 3 ed. São Paulo: Saraiva, 1999.

GUERRA FILHO, Willis Santiago (Coord.). Dos direitos humanos aos direitos fundamentais. Porto Alegre: Livraria do Advogados, 1997.

LEAL Rogério Gesta. Direitos humanos no Brasil: desafios à democracia. Porto Alegre: Livraria do Advogados; Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 1997.

MELLO, Celso Antonio Bandeira de. Conteúdo jurídico do princípio da igualdade. São Paulo: Malheiros Editores, 2002.

MIALARET, Gaston. Psicologia da Educação. Coleção: Epigênese, Desenvolvimento e Psicologia. Ed. Instituto Piaget, Lisboa, 1999. Capítulo 1:

“Tentativa de Definição - As confusões a evitar”, p. 9-19.

MORAES, Alexandre de. Direitos humanos fundamentais: teoria geral, comentários aos arts. 1º a 5º da Constituição da República Federativa do Brasil, doutrina júris prudência. 3 ed. São Paulo: Atlas, 2000.

OLIVEIRA, Almir de. Curso de direitos humanos. Rio de Janeiro: Forense, 2000. Partido dos Trabalhadores. São Paulo: Ed. Fund. Perseu Abramo, 1998.

60

ROBERT, Cinthia e MARCIAL, Danielle. Direitos humanos: teoria e prática. Rio de Janeiro: editora Lúmen Júris, 1999.

ROCHA, Erothildes. O Processo de Ensino-Aprendizagem: modelos e componentes. IN: PENTEADO, Vilma Millan Alves (Org.). Psicologia e ensino. Papelivros, São Paulo, 1980 (p. 27-41).

SARLET, Ingo Wolfgang. Dignidade da pessoa humana e direitos fundamentais. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2002.

TRINDADE, Antonio Augusto Cançado. A proteção internacional dos direitos humanos e o Brasil. 2 ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2000.