Você está na página 1de 2

Diário da República, 2.ª série — N.

º 139 — 21 de Julho de 2009 28467

Despacho n.º 16532/2009 de criação das ZIF, pelo que, ao abrigo do n.º 1 do artigo 11.º daquele
diploma legal:
Por requerimento dirigido ao Presidente da Autoridade Florestal Na- 1.º É criada a Zona de Intervenção Florestal da Senhora do Desterro
cional, um grupo de proprietários e produtores florestais, constituído para (ZIF n.º 73, processo n.º 133/07-AFN), com uma área de 2124,27 ha,
o efeito em Núcleo Fundador, ao abrigo do disposto nas alíneas a) e b) do cujos limites constam da planta anexa ao presente despacho e que dele
artigo 6.º e do n.º 1 do artigo 10.º, ambos do Decreto-Lei n.º 127/2005, faz parte integrante, englobando vários prédios rústicos das freguesias
de 5 de Agosto, veio apresentar um pedido de criação de uma zona de de Vila Cova à Coelheira, Valezim, Santiago, São Romão, Lapa dos
intervenção florestal abrangendo vários prédios rústicos de freguesias Dinheiros, Seia, do concelho de Seia.
do município de Castelo Branco. 2.º A gestão da Zona de Intervenção Florestal da Senhora do Desterro
Foram cumpridas as formalidades legais previstas no artigo 10.º do é assegurada pela URZE- Associação Florestal da Encosta da Serra
Decreto-Lei n.º 127/2005, de 5 de Agosto, que estabelece o regime da Estrela, — com o NIF n.º 504495160, com sede na Rua Cidade da
de criação das ZIF, pelo que, ao abrigo do n.º 1 do artigo 11.º daquele Guarda, Edifício. da Central de Camionagem, r/c-6290-361 Gouveia.
diploma legal: 3.º O presente despacho produz efeitos no dia seguinte ao da sua
publicação.
1.º É criada a Zona de Intervenção Florestal de Castelo Branco (ZIF
n.º 74, processo n.º 180/08-AFN), com uma área de 10 614,00 ha, cujos 8 de Julho de 2009. — O Presidente, António José Rego.
limites constam da planta anexa ao presente despacho e que dele faz
parte integrante, englobando vários prédios rústicos da freguesia de ANEXO
Castelo Branco do concelho de Castelo Branco.
2.º A gestão da Zona de Intervenção Florestal de Castelo Branco é (mapa a que se refere o n.º 1 do presente despacho)
assegurada pela AFLOBEI- Associação de Produtores Florestais da
Beira Interior, — com o NIF n.º 504513184, com sede na Av. General
Humberto Delgado, 57-1.º, 6000-081 Castelo Branco
3.º O presente despacho produz efeitos no dia seguinte ao da sua
publicação.
8 de Julho de 2009. — O Presidente, António José Rego.

ANEXO

(mapa a que se refere o n.º 1 do presente despacho)

202040238

Direcção-Geral de Veterinária

Direcção de Serviços de Administração


Despacho n.º 16534/2009
O Regulamento (CE) n.º 1774/2002, do Parlamento Europeu e do
202040246 Conselho, de 3 de Outubro de 2002, com a última redacção que lhe foi
dada pelo Regulamento (CE) da Comissão n.º 777/2008, de 4 de Agosto,
Despacho n.º 16533/2009 que estabelece regras sanitárias relativas aos subprodutos animais não
destinados ao consumo humano, classifica, na subalínea iii) da alínea a)
Por requerimento dirigido ao presidente da Autoridade Florestal Na-
do n.º 1 do artigo 4.º, como matérias de categoria 1 os cadáveres dos
cional, um grupo de proprietários e produtores florestais, constituído para
animais de companhia.
o efeito em Núcleo Fundador, ao abrigo do disposto nas alíneas a) e b) do
De acordo com o n.º 2 do referido artigo, os métodos possíveis para
artigo 6.º e do n.º 1 do artigo 10.º, ambos do Decreto-Lei n.º 127/2005,
a destruição daquelas matérias são:
de 5 de Agosto, veio apresentar um pedido de criação de uma zona de
intervenção florestal abrangendo vários prédios rústicos de freguesias Eliminação directamente como resíduos por incineração numa unidade
do município de Seia. de incineração aprovada;
Foram cumpridas as formalidades legais previstas no artigo 10.º do Transformação numa unidade de transformação (métodos 1 a 5 pre-
Decreto-Lei n.º 127/2005, de 5 de Agosto, que estabelece o regime vistos no capítulo III do anexo V do regulamento em causa), e por fim
28468 Diário da República, 2.ª série — N.º 139 — 21 de Julho de 2009

eliminadas como resíduos por incineração ou por co-incineração, numa intermédia de 2.º grau, Delegado Regional de Agricultura e Pescas de
unidade de incineração ou co-incineração aprovada; Beja, do mapa de pessoal da DRAP Alentejo.
Transformação numa unidade de transformação (método 1 previsto A presente nomeação produz efeitos à data da posse.
no capítulo III do anexo V do regulamento em causa) e eliminadas como 9 de Julho de 2009. — O Director Regional, João Filipe Chaveiro
resíduos por enterramento num aterro aprovado, com excepção dos
Libório.
subprodutos que sejam originários de animais suspeitos de EET, ani-
mais confirmados positivos a uma EET, ou os coabitantes daqueles
animais. Nota Curricular
Identificação
Tais métodos proporcionam vantagens consideráveis no que se refere
às garantias sanitárias que o tratamento térmico oferece. Nome — Miguel Jorge Viegas Cardoso
No entanto, não obstante a existência de empresas autorizadas para Data de Nascimento — 27-06-1971
a eliminação de subprodutos de animais, a implementação daqueles
métodos é morosa atendendo aos encargos financeiros subjacentes. Habilitações académicas
Porém, nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 24.º do regulamento Licenciatura em Engenharia dos Sistemas Agrícolas e Ambientais,
em causa, os Estados-Membros podem estabelecer uma derrogação à Ramo Agricultura Industrial, Escola Superior Agrária de Beja (2006).
eliminação de subprodutos animais, permitindo que os cadáveres dos
animais de companhia possam ser eliminados directamente como resí- Formação Profissional
duos por enterramento. Releva-se da formação profissional:
Assim sendo, e tendo em conta, por um lado, a actual conjuntura Curso Introdução ao ArcGIS (9.x) níveis I e II, 35 horas, 2005;
económica, e por outro lado, que o enterramento é um método de Curso de Produção Integrada na Cultura da Oliveira — Técnicos,
eliminação admissível, desde que autorizado e efectuado de acordo 147 horas, 2003;
com as regras estipuladas pela entidade competente, entende-se que Curso Luta Química Aconselhada — Avisos Agrícolas, 154 horas,
é necessário estabelecer a derrogação prevista no regulamento em 2002;
causa, de forma a permitir que as câmaras municipais possam ela- Curso Protecção Integrada do Olival, 91 horas, 2001;
borar o respectivo Plano de Destruição de Cadáveres de Animais de Curso Monitor de Formação, 165 horas, 1992;
Companhia (PDCAC). Participação no 2.º Congresso Nacional de Citricultura, 2008;
Assim, nos termos do alínea a) do n.º 1 do artigo 24.º do Regulamento Participação no IV Simpósio Nacional de Olivicultura, 2006;
(CE) n.º 1774/2002, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 3 de Participação Jornada Técnica “Serviço Nacional de Avisos Agríco-
Outubro, determino o seguinte: las — 40 anos ao serviço da Agricultura Portuguesa”, 2005;
É permitida a eliminação dos cadáveres de animais de companhia por
Participação no III Simpósio Nacional de Olivicultura, 2003;
enterramento, até 31 de Dezembro de 2013, não obstante a obrigatorie-
Participação no I Congresso Internacional do Azeite e do Vinho — Ino-
dade de apresentação do PDCAC pelos municípios, sujeitos à aprovação
var para competir, 2001;
da Direcção-Geral de Veterinária.
Participação no Seminário “Perspectivas de Desenvolvimento da
8 de Julho de 2009. — O Director-Geral, Carlos Manuel de Agrela Agricultura de Regadio na Área do Alqueva”, 2000;
Pinheiro. Participação no II Simpósio Nacional de Olivicultura, 2000.
202051319
Experiência Profissional
2002 — Técnico responsável pela Estação de Avisos do Baixo Alen-
Direcção Regional de Agricultura tejo;
e Pescas do Alentejo 2001 — Técnico da Estação de Avisos do Baixo Alentejo;
2000 — Técnico da Estação de Avisos de Moura;
Despacho (extracto) n.º 16535/2009 2000 — Transferido em 01-03, para a Direcção Regional de Agri-
cultura do Alentejo;
Considerando a publicação do Decreto Regulamentar n.º 12/2007, de 1999 — Nomeado na categoria de Técnico de 2.ª classe da carreira de
27 de Fevereiro, que definiu a missão, atribuições e tipo de organização Técnico, do Instituto Superior de Agronomia — Laboratório de Patologia
interna da Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Alentejo, adiante Vegetal “Veríssimo de Almeida”;
designada por DRAP Alentejo; 1998 — Louvor prestado pelo Director do Laboratório de Patologia
Considerando a publicação da Portaria n.º 219-G/2007, de 28 de Vegetal “Veríssimo de Almeida” e publicado no Diário da República,
Fevereiro, que definiu a estrutura nuclear das Direcção Regionais de 2.ª série — n.º 239 de 16-10-1998;
Agricultura e Pescas e o Despacho n.º 9753/2007, de 30 de Março, que 1996 a 2000 — Desempenho de funções no Laboratório de Patologia
criou as unidades flexíveis da DRAP Alentejo e as respectivas compe- Vegetal “Veríssimo de Almeida”.
tências, com as alterações introduzidas pelo Despacho n.º 31109/2008, 202047789
de 16 de Setembro;
Considerando que os titulares dos cargos de direcção intermédia
de 2.º grau são recrutados por procedimento concursal, nos termos do Instituto da Vinha e do Vinho, I. P.
artigo 21.º da Lei n.º 2/2004, de 15 de Janeiro, na redacção que lhe foi
dada pela Lei n.º 51/2005, de 30 de Agosto e com a alteração introduzida
Aviso n.º 12776/2009
pelo artigo 29.º da Lei n.º 64-A/2008, de 31 de Dezembro;
Considerando que, concluído o procedimento concursal, o júri elabo- Em cumprimento do disposto no n.º 1 do artigo 7.º do Decreto-Lei
rou, nos termos do disposto no n.º 5 do artigo 21.º do mesmo diploma n.º 212/2004, de 23 de Agosto, torna-se público o modelo do selo de
legal, a proposta de nomeação, tendo a sua escolha recaído no candidato garantia emitido pela Comissão Vitivinícola da Região de Lisboa, a
Miguel Jorge Viegas Cardoso; fim de ser utilizado nos produtos certificados do sector vitivinícola
Considerando o perfil, a competência técnica e a aptidão do técnico com direito a Denominação de Origem e Indicação Geográfica, como
superior, licenciado, Miguel Jorge Viegas Cardoso e que o mesmo símbolo do cumprimento das exigências de qualidade e de genuinidade
possui os requisitos legais exigidos no n.º 1 do artigo 20.º da Lei que aqueles produtos têm de observar.
1 — O selo de garantia aprovado pela CVR Lisboa, reproduzido no
n.º 2/2004, de 15 de Janeiro, na redacção que lhe foi dada pela Lei
anexo único ao presente aviso, é constituído pela designação “CVR
n.º 51/2005, de 30 de Agosto e com a alteração introduzida pelo Lisboa”, pela capacidade a que se destina e pelo decreto-lei que aprova
artigo 29.º da Lei n.º 64-A/2008, de 31 de Dezembro, para o pro- o regime de taxas incidente sobre vinhos e produtos vínicos.
vimento do cargo, conforme decorre da nota curricular anexa ao 2 — As dimensões do selo de garantia a que se refere o presente
presente despacho; aviso são de 5,7 cm x 2,5 cm, sendo permitida uma redução máxima
Nos termos e ao abrigo do disposto nos n.os 8 e 9 do artigo 21.º da de 35 %.
Lei n.º 2/2004, de 15 de Janeiro, na redacção que lhe foi dada pela 3 — O selo é monocromático (preferencialmente impresso a preto) e
Lei n.º 51/2005, de 30 de Agosto e com a alteração introduzida pelo corresponde à imagem indicada na reprodução em anexo.
artigo 29.º da Lei n.º 64-A/2008, de 31 de Dezembro: 4 — Fica interdita a reprodução ou imitação do selo aprovado pelo
Nomeio o técnico superior, licenciado, Miguel Jorge Viegas Cardoso, presente aviso, no todo, em parte ou em acréscimo, para quaisquer fins
para exercer em regime de comissão de serviço, pelo período de três e por quaisquer outras entidades públicas ou privadas. A interdição
anos, renovável por iguais períodos de tempo, no cargo de direcção abrange todos os símbolos que de algum modo possam induzir em