Você está na página 1de 54

Projeto

PERGUNTE

E

RESPONDEREMOS

ON-LINE

Apostolado Veritatis Spiendor

com autorizacáo de

Dom Estéváo Tavares Bettencourt, osb

(in memoríam)

APRESENTAQÁO

DA EDIQÁO ON-LINE

Diz Sao Pedro que devemos estar

preparados para dar a razáo da nossa

esperanza a todo aquele que no-la pedir

(1 Pedro 3,15).

Esta necessidade de darmos conta

da nossa esperanca e da nossa fé hoje é

mais premente do que outrora, visto que

somos

bombardeados

por

numerosas

correntes filosóficas e religiosas contrarias á

fé católica. Somos assim incitados a procurar

consolidar nossa crenca católica mediante

um aprofundamento do nosso estudo.

Eis o que neste site Pergunte e Responderemos propóe aos seus leitores:

atualidade

aborda

questóes

da

controvertidas, elucidando-as do ponto de vista cristáo a fim de que as dúvidas se

dissipem e a vivencia católica se fortaleca no Brasil e no mundo. Queira Deus abengoar

este trabalho assim como a equipe de

Veritatis Splendor que se encarrega do

respectivo site.

Rio de Janeiro, 30 de julho de 2003.

Pe. Estéváo Bettencourt, OSB

NOTA DO APOSTOLADO VERITATIS SPLENDOR

Celebramos convenio com d. Esteváo Bettencourt e

passamos a disponibilizar nesta área, o excelente e sempre atual

conteúdo

da

revista teológico

-

filosófica

"Pergunte

e

Responderemos", que conta com mais de 40 anos de publicacáo.

A d. Estéváo Bettencourt agradecemos a confiaga depositada

em nosso trabalho, bem como pela generosidade e zelo pastoral

assim demonstrados.

Ano xli Janeiro 2000 452

2000!

A Igreja pede perdáo pelas faltas de seus Filhos

Escrúpulos: Que sao? Como curá-los?

Bigamia e Cristianismo

Farsa e Paraísos Fiscais

"Será mesmo cristáo o Catolicismo Romano?",

por Hugh P. Jeter

"Excluirei meu Irmáo?"

É válido o Batismo ministrado fora

da Igreja Católica?

PERGUNTE E RESPONDEREMOS

Publica9§o Mensal

Diretor Responsável

Estéváo Betlencourt OSB

JANEIRO 2000

N°452

SUMARIO

Autor e Redator de toda a materia 2000! 1 publicada neste periódico Arrepender-se é próprio
Autor e Redator de toda a materia
2000!
1
publicada neste periódico
Arrepender-se é próprio dos Santos:
A Igreja pede perdáo pelas faltas
Diretor-Administrador:
de seus Filhos
2
D. Hildebrando P. Martins OSB
Crise de consciéncia:
Administracáo e Distribuirás:
Escrúpulos: Que sao?
Como curá-los?
9
Edicóes "Lumen Christi"
Rúa Dom Gerardo, 40 - 5o andar-sala 501
Sao compatíveis entre si?
Bigamia e Cristianismo
21
Tel.: (021) 291-7122

Fax (021) 263-5679

Endereco para Correspondencia:

Ed. "Lumen Christi"

Caixa Postal 2666 CEP 20001-970 - Rio de Janeiro - RJ

AIURD:

Farsa e Paraísos Fiscais

30

Respondendo aos irmáos:

"Será mesmo cristáo o Catolicismo

Romano?", por Hugh P. Jeter

Na perplexidade:

35

"Excluirei meu Irmáo?" 43 Visite o MOSTEIRO DE SAO BENTO e "PERGUNTE E RESPONDEREMOS" Ecumenismo:
"Excluirei meu Irmáo?"
43
Visite o MOSTEIRO DE SAO BENTO
e "PERGUNTE E RESPONDEREMOS"
Ecumenismo:
É válido o Batismo ministrado fora
na INTERNET: http://www.osb.org.br
da Igreja Católica?
46
e-mail: LUMEN.CHRISTI @ PEMAIL.NET

COM APROVACÁO ECLESIÁSTICA

NO PRÓXIMO NÚMERO:

Cristianismo: panorama. - O Santo Sudario: probabilidades de autenticidade. - "Nao sei o que há do outro lado". - "Casáis em segunda uniáo" (Luciano Scampini). - "O Diabo

hoje" (Georges Huber).- E as Missas Gregorianas?

(PARA RENOVACÁO OU NOVA ASSINATURA:

(NÚMERO AVULSO

RS 35,00).

RS 3,50).

O pagamento poderá ser á sua escolha:

1. Enviar em Carta, cheque nominal ao MOSTEIRO DE SAO BENTO/RJ.

2. Depósito em qualquer agencia do BANCO DO BRASIL, para agencia 0435-9 Rio na

C/C 31.304-1 do Mosteiro de S. Bento/RJ, enviando em seguida por carta ou fax,

comprovante do depósito, para nosso controle.

3. Em qualquer agencia dos Correios. VALE POSTAL, enderezado as EDICÓES "LUMEN

CHRISTI" Caixa Postal 2666 / 20001-970 Rio de Janeiro-RJ

Obs.: Correspondencia para: Edicoes "Lumen Christi"

Caixa Postal 2666 20001-970 Rio de Janeiro - RJ

>

2000!

Correa oano2000,anotáoaguardado,táoantecipadoporprofecíase

prognósticos Que dizerneste momento?

Antes do mais, verifica-se que as profecías fatídicas nao se cumpriram. O

tempo mesmo se encarregou de desmentir os maus agouros. As previsóes de

catástrofes correspondiam a um mecanismo psicológico. Com efeito; a incle

mencia deste fim de sáculo levou muitos a crer que "só Deus dá um jeito, um

jeito drástico e retumbante". Todavía o plano de Deus é outro. Certamente a

Providencia Divina quer "dar um jeito", nao, porém, de maneira teatral ou portentosa, mas convidando os homens á conversáo do coracáo. Os homens é que fazem

os tempos. Os tempos sao maus, porque os atores da historia sao ¡nfiéis ao sentido da historia ou ás normas do Criador. Os tempos podem tornar-se bons,

se os mesmos atores se tomarem mais conscientes de sua responsabilidade e

se voltarem mais coerentemente para Aquele que é a Fonte de todo Bem e Amor.

Por conseguinte, em vez de dar atencáo a prognósticos, o cristáo neste

momento recorda as palavras do Apostólo: "Desprezas a riqueza de sua bonda-

de, paciencia e longanimidade, desconhecendo que a benignidade de Deus te

convida á conversáo?" (Rm 2,4). Na verdade, os dias desta vida nos sao prolon

gados á guisa de moratoria para que possamos recuperar o tempo perdido e

mais decididamente nos empenhemos na grande tarefa de nossa conversáo.

Esta nunca está terminada, mas dia por dia pode ser mais radical ou profunda.

O convite á conversáo se toma mais premente no limiar do ano 2000, que,

Jubileu comemo- rativo dos dois mil anos do nascimento de Jesús Cristo. A Escritura Sagrada, em

para os cristáos, tem especial importancia: é ano de Jubileu,

Lv 25,8-17, apresenta o jubileu como período de renovacáo, de rejuvenescimen-

to, de apagamento das rugas que o tempo vai impondo ao nosso curso de vida; é

período de recomeco com entusiasmo renovado, pois é grandiosa a promessa

daquele que nos chamou para o consorcio de sua bem-aventuranca. Dizia o

Apostólo:

" conformando-me com Cristo na sua morte, para verse alcango a res-

surreigao de entre os morios. Nao que eujá o tenha alcangado ou queja seja perfeito, mas vouprosseguindopara verse o alcango, pois que tambémjá fui

alcangadoporCristoJesús" (FI3, 10-12).

O Cristo já me abracou e estreitou junto ao seu coracáo, diria o Apostólo.

Possa eu abracá-lo como fui por Ele abracado!

Para tanto nao faltaráo as grapas do Pai concedidas nao aos perfeitos, mas aos pobres pecadores que ousam 1er fome e sede de justica" (cf. Mt 5,6).

Ter fome e sede de algo mais ou melhor nao é difícil ao viandante cansado na e caminheiro por vezes fati

estrada. E quem de nos nao se senté caminheiro,

gado e prostrado? Vivenciar essa fome e sede é motivo de bem-aventuranca, diz

o Senhor (Mt 5, 6).

Ressoa, pois, com preméncia singular a exortacáo do salmista: "Hoje, se ouvirdes a sua voz, nao endurecais os vossos coracoes" (SI 95,7s). Tal HOJE é

o KAIRÓS, o tempo oportuno. Grasas Te sejam dadas, Senhor!

E.B.

"PERGUNTE E RESPONDEREMOS"

Ano XLI -N2 452 -Janeiro de 2000

Arrepender-se é próprio dos Santos:

A IGREJA PEDE PERDÁO PELAS FALTAS DE

SEUS FILHOS

Em síntese: A 1 ° de setembro de 1999 o Papa Joáo Paulo II profe-

ríu urna impressionante aiocucáo, em que enfatizou a necessidade que a

Igreja experimenta, de pedirperdáo pelas faltas de seus filhos. Enumera

algumas dessas faltas, salientando sempre que se devem a fragilidade humana de seus filhos. Preconiza urna investigacáo conscienciosa dos

fatos históricos a fim de que a verdade histórica seja posta em relevo com

suas luzes e sombras. A Igreja nao tem medo da verdade. Importante é

notar que Joáo Paulo II nao pede perdáo pelos pecados da Igreja, mas

pelos dos filhos da Igreja.

*

*

*

A 1o de setembro pp. o Santo Padre Joáo Paulo II recebeu em

audiencia cerca de oito mil peregrinos, aos quais proferiu urna catequese

sobre o pedido de perdáo que a Igreja emite pelos pecados de seus fi

lhos ocorridos no passado.

A seguir, será proposta urna síntese de tal alocucáo acompanhada

de comentarios.

1. A Palavra do Papa

"As portas do Grande Jubileu do ano 2000 a Igreja Católica pede

perdáo pelas culpas históricas de seus filhos". Com tais palavras o Papa

acolheu os fiéis provenientes dos cinco continentes na Sala Paulo VI do

Vaticano em sua tradicional audiencia geral de quarta-feira.

"Em atitude penitencial e no limiar do terceiro milenio, afirmou Joáo Paulo II, a Igreja está disposta a reconheceros erros do passado, desde que confirmados por seria investigagáo; Ela senté o dever de pedir per

dáo pelas culpas históricas de seus filhos".

A IGREJA PEDE PERDÁO PELAS FALTAS DE SEUS FILHOS

3

É de notar que o Papa enfatiza que se deve tratar de culpas real

mente ocorridas e comprovadas pela pesquisa dos historiadores. Tam-

bém se observa que o Papa apresenta a Igreja como Máe, cujos precei-

tos nem sempre foram acatados por seus filhos. Nao é a Igreja como tal

que pede perdáo, mas é a Máe Igreja que assume as culpas de seus

filhos e pede desculpas. Está ai subjacente o conceito de que a Igreja é

divina e humana: enquanto divina, é santa; enquanto humana, ela traz

em seu bojo o pecado dos filhos.

A celebracáo dos 2000 anos do nascimento de Cristo, continua o

Papa, oferece á Igreja "a grandiosa ocasiáo de comegar urna nova pági

na da historia, tentando superar os obstáculos que separam uns dos ou-

tros os seres humanos e, em particular, os crístáos.

O reconhecimento de pecados históricos implica urna tomada de

posigáo frente aos acontecimentos como de fato ocorreram, á luz de pes

quisas históricas serenas e completas. Ojuízo sobre os acontecimentos

do passado nao pode prescindir de urna consideragáo realista dos condi- cionamentos derivados dos diversos contextos culturáis em que se acha-

vam os homens de outrora; nao se Ihes atribuam faltas que eles nao

podiam reconhecer como tais".

Joáo Paulo II continuou sua alocucáo, afirmando que "a Igreja nao tem medo da verdade que emerge da historia, e está disposta a reconhe

cer os erros onde eles estejam comprovados, principalmente quando se

A Igreja é propen sa a desconfiar das sentengas que, de maneira global, envolvem ou con-

trata do respeito devido a pessoas e a comunidades

Ela prefere confiar a investigagáo do

denam alguma época passada passado á paciente e honesta reconstrugáo científica, livre de preconcei-

tos de ordem confessionai ou ideológica; isto tanto no tocante as faltas que sao atribuidas a Igreja, como no concernente aos danos que a Igreja

tenha sofrido.

Quando se comprovam as culpas de seus membros mediante seria

investigagáo histórica, a Igreja senté o deverde as reconhecer e de pedir

perdáo a Deus e aos irmáos. Tal pedido de perdáo nao há de ser enten

dido como se fosse ostentagáo de falsa humildade, nem como urna forma de renegara sua historia de dois milanos, rica em méritos nos setores da

carídade, da cultura e da santidade. Essa atitude penitencial corresponde

a urna exigencia impreterível de veracidade, que, simultáneamente com

os aspectos positivos, reconhece os limites e as debilidades humanas

das sucessivas geragóes dos discípulos de Cristo".

O Papa refere-se ao maior escándalo do Cristianismo, explicando

que "a proximidade do Jubileu chama a atengáo para algumas modalida

des de pecado presentes e pretéritas, sobre as quais é necessário invo-

"PERGUNTE E RESPONDEREMOS" 452/2000

car, de maneira especial, a misericordia do Pai. Refiro-me, antes do mais,

a dolorosa reatidade da divisáo entre os cristáos. As feridas do passado,

que certamente ocorreram por culpa de ambas as partes, continuam sen

do um escándalo para o mundo".

Outra razáo pela qual a Igreja tem de reconhecer a culpa de seus

filhos, "é o consentimento a métodos de intolerancia e de violencia no

servico da verdade". O Papa menciona a propósito quanto se acha escri

to em sua Carta Apostólica Tertio Millennio Adveniente n° 35:

«Outro capítulo doloroso, sobre o qual os filhos da Igreja nao po-

dem deixarde tornar com espirito aberto ao arrependimento, é a condes

cendencia manifestada, especialmente nalguns séculos, perante méto

dos de intolerancia ou até mesmo de violencia no servigo á verdade.

Ceño é que um correto juízo histórico nao pode prescindir da aten

ta consideragáo dos condicionamentos culturáis da época, pelos quais

multa gente podia terconsiderado, em boa fé, que um auténtico testemu-

nho da verdade comportava o sufocamento da opiniáo de outrem ou,

pelomenos, asuamarginalizagáo.Múltiplosmotivosconvergiamfreqüen-

tementepara criarpremissas de intolerancia, alimentando urna atmosfe

ra passional, á qual apenas grandes espíritos, verdaderamente livres e

cheios de Deus, conseguiam de algum modo subtrair-se. Mas a conside- ragáo das circunstancias atenuantes nao exonera a Igreja do dever de

lastimarprofundamente as fraquetas de tantos filhos seus, que Ihe detur-

param o rosto, impedindo-o de refletirplenamente a imagem

do seu Se-

nhor crucificado, testemunha insuperável de amor paciente e de humilde mansidáo. Desses momentos dolorosos do passado deriva urna ligáopara

o futuro, que deve induzir todo cristáo a manter-se bem firme naquela regra áurea ditada pelo Concilio: 'A verdade nao se impóe de outro modo

senáopela sua própría forga, que penetra nos espíritos de modo, ao mes

mo tempo, suave e forte'».

Em suma, diz o Papa em seu discurso: "Mesmo se muitas pessoas

procederam de boa fé, por certo nao fot condizente com o Evangelho

julgarque a verdade deve serimposta pela forga".

Mais adiante o Papa refere-se á indiferenca frente a situacóes de

violacáo dos direitos humanos:

"A muitos cristáos faltou o discernimento a propósito de situagóes

de violagáo dos direitos humanos fundamentáis. O pedido de perdáo es- tende-se a tudo o que foi omitido ou fot deixado em silencio por fraqueza

ou por efe'tto de urna avaliagáo errónea, como também a tudo o que foi

feito ou dito de maneira imprecisa ou pouco apropríada.'

10 Papa refere-se é mesma temática na Carta Apostólica Tertio Millennio Adveniente:

«E quanto ao testemunho da Igreja no nosso tempo, como nao sentir pesar pela

5

A IGREJA PEDE PERDAO PELAS FALTAS DE SEUS FILHOS

Sobre esses pontos, assim como sobre outros, a consideragáo das

circunstancias atenuantes nao dispensa a Igreja do dever de lamentar profundamente as fraquezas de tantos de seus filhos que desfiguraram o

seu semblante e a impediram de refletir a imagem do seu Senhor crucifi

cado, insuperável testemunho de amor paciente e de humilde mansidáo.

A atitude penitencial da Igreja do nosso tempo, no limiardo terceiro

milenio, nao querserum revisionismo historiográfico de fachada apenas, pois isto seria táo suspeito quanto inútil. Antes, a Igreja volta seu olhar para o passado e o reconhecimento das faltas, a fim de que isto sirva de ligio para se construir um futuro de testemunho mais puro".

2. Comentando

Em junho de 1994, Joáo Paulo II reuniu os Cardeais num Consistorio

extraordinario para comunicar-lhes sua intencáo de se preparar para o

jubileu do ano 2000 mediante serio exame de consciéncia sobre as cul

pas dos filhos da Igreja. Nem todos os Cardeais compreenderam bem a iniciativa; julgaram que tal atitude do Papa poderla suscitar equívocos

entre os fiéis e também fora da Igreja. A esta hesitacao o Papa respon-

deu que a Igreja nao tem medo da verdade e que nao seria possível enfrentar os desafios apresentados pela modernidade sem que se reali-

zasse previamente esse exame de consciéncia. De modo especial, lem-

brava que a aproximacáo dos cristáos separados nao seria viável se nao

houvesse reconhecimento das culpas de parte a parte.

A fim de efetuar tal exame de consciéncia sobre bases sólidas,

Joáo Paulo II nomeou urna Comissáo Teológico-Histórica presidida pelo

Pe. Georges Cottier, teólogo da Casa Pontificia. A Comissáo resolveu

analisar tres importantes questóes relacionadas com a historia da Igreja:

o antijudaísmo ou anti-semitismo, a Inquisicáo e a aplicacáo do Concilio

do Vaticano II.

Em conseqüéncia, realizou-se um Simposio internacional no Vati

cano em 1997 sobre o anti-semitismo. De 31 de outubro a 2 de novembro de 1998 ocorreu em Roma o Congresso sobre a Inquisicáo e de 25 a 27 de fevereiro de 2000 terá lugar, ainda em Roma, o terceiro Simposio,

este voltado para a maneira como fo¡ aplicado o Concilio do Vaticano II. Tais assembléias reúnem os mais abalizados peritos de cada disciplina e

procuram retratara realidade histórica com toda a objetividade para que,

falta de discemimento, quando nao se torna mesmo condescendencia, de nao pou-

cos cristáos parante a violagáo de direitos humanos fundamentáis por regimes tota

litarios? E nao será pon/entura de lamentar, entre as sombras do presente, a co-

responsabilidade de tantos cristáos em formas graves de injustica e marginalizacáo

social? Seria de perguntar quantos deles conhecem a fundo e praticam coerente-

"PERGUNTE E RESPONDEREMOS" 452/2000

assim respaldado, o Santo Padre possa abordar de público os proble

mas relacionados. Alias, sabe-se que Joáo Paulo II está preparando im portante documento penitencial referente ao passado da Igreja a ser dado

ao público na próxima quarta-feira de Cinzas, dia 9 de marco.

Ao assumir tal atitude, o Papa confirma o que já dizia S. Ambrosio (t 397): "Pecar é comum a todos os homens, mas arrepender-se é pró- prio dos Santos" (Apologia David ad Theodosium Augustum II 5-6). Na verdade, nao há quem nao falhe, de modo que reconhecer culpas

nao deve surpreender quem quer que seja; é gesto de nobreza e lealdade.

Chamam a atencáo cinco aspectos das manifestacoes do Papa.

1) Nao diz que a Igreja pecou, mas, sim, que os filhos da Igreja

pecaram, transgredindo os preceitos de sua Mae. A Igreja, como pes-

soa, é sem mancha nem ruga (cf. Ef 5, 27); todavía o pessoal da Igreja ou os filhos da Igreja sao portadores da fragilidade humana, que deve ser

reconhecida e sanada.

2) O Papa quer evitar generalizares ao condenar ou ao exaltar

algum feito do passado. Fácilmente se condena (mais do que se exalta)

a conduta dos antepassados, as vezes sem exato conhecimento de cau sa - o que pode redundar em ¡njustica cometida em nome da justica.

3) Joáo Paulo II lembra outrossim que as categorías culturáis e o

mundo geográfico dos antigos cristáos em geral era assaz diferente dos

parámetros culturáis do homem contemporáneo. Isto Ihes dificultava com-

preender certos comportamentos que hoje se tornaram aceitos. Assim,

por exemplo, num regime de Cristandade, em que todos eram cristáos,

desde o reí até o servo da gleba, era difícil entender que alguém nao

compartilhasse a fé e as categorías éticas da sociedade existente; fácil mente se poderia crer que urna pessoa dissidente era demoníaca e peri-

gosa para o bem comum. Assim certas modalidades de tratamento puni

tivo, hoje inconcebíveis, podiam outrora passar por obrigatórias em cons-

ciencia. Dizer isto nao significa relativizar o erro, mas, sim, lembrar que

nao se pode exigir de alguém o que este nao tem possibilidade de dar.

4) A Carta Apostólica Tertio Millennio Adveniente menciona mais

um ponto importante que suscita o zelo penitencial e a conversáo dos cristáos:

«Numerosos Cerdeáis e Bispos desejaram que se fizesse um serio

exame de consciéncia, principalmente sobre a Igreja de hoje. No limiar do novo milenio, os cristáos devem pór-se humildemente diante do Se- nhor, interrogándose sobre as responsabilidades que Ihes cabem tam-

bém nos males do nosso tempo. Na verdade, a época atual, a par de

muitas luzes, apresenta também muitas sombras.

7

A IGREJA PEDE PERDÁO PELAS FALTAS DE SEUS FILHOS

Como calar, por exemplo, a indiferenga religiosa, que leva tantos

homens de hoje a viverem como se Deus nao existisse ou a contenta- rem-se com urna

religiosidade vaga, incapaz de se confrontar com o pro

blema da verdade e com o dever da coeréncia? A isto, há que ligar tam

bém a difusa perda do sentido transcendente da existencia humana e o

extravio, no campo ético, até mesmo de valores fundamentáis como os

da vida e da familia. Impoese, pois, um exame aos filhos da Igreja: em que medida estáo eles também tocados pela atmosfera de secularismo e relativismo ético? E que parte de responsabilidade devem eles reconhe- cer, quanto ao progressivo alastramento da irreligiosidade, por nao terem manifestado o genuino rosto de Deus, pelas deficiencias da sua vida re

ligiosa, moral e social?

Realmente nao se pode negar que, em muitos cristáos, a vida espi

ritual atravessa um momento de incerteza que repercute nao $ó na vida

moral, mas também na oragáo e na própria retidao teologal da fé. Esta, }á posta a prova pelo confronto com o nosso tempo, vé-se as vezes aínda

desorientada por posigóes teológicas erróneas, que se difundem tam bém por causa da crise de obediencia ao Magisterio da Igreja» (n° 36).

Com muita perspicacia o Papa se refere á crise de fé que afeta

muitos católicos. É devida, em parte, ao secularismo ou á tendencia a

privilegiar os valores terrestres em detrimento dos definitivos, como tam

bém as múltiplas teorías disseminadas por pregadores e pela imprensa,

em desacordó com o magisterio da Igreja. É, pois, para desejar que se

renové a fé como adesao incondicional a Deus, que fala aos homens pelos cañáis objetivos que Ele escolhe, e nao por intuicoes subjetivas e

arbitrarias.

5) No tocante á unidade dos cristáos, o S. Padre é muito mais ex

plícito e incisivo na Carta Tertio Millennio Adveniente:

«Entre os pecados que requerem maior empenho de penitencia e conversáo, devem certamente ser incluidos os que prejudicaram a unida-

longo dos mil anos que estáo para se concluir, mais do que no primeiro milenio, a comunháo eclesial,

de querida por Deus para o seu Povo. Ao

algumas vezes, nao sem culpa dos homens dum e doutro lado, conheceu

dolorosas laceragóes que contradizem abertamente á vontade de Cristo

e sao escándalo para o mundo. Tais pecados do passado fazem sentir

aínda, infelizmente, o seu peso e permanecem como tentagóes igual

mente no presente. É necessário emendarse, invocando intensamente o

perdáo de Cristo.

Neste crepúsculo do milenio, a Igreja deve dirigirse com prece mais

instante ao Espirito Santo, implorando-Lhe a graga da unidade dos cris

táos. Este é um problema crucial para o testemunho evangélico no mun

do. Sobretudo depois do Concilio Vaticano II, muitas foram as iniciativas

"PERGUNTE E RESPONDEREMOS" 452/2000

8

ecuménicas empreendidas com generosidade e solicitude:pode-se dizer

que toda a atividade das Igrejas locáis e da Sé Apostólica assumiu nes-

tesanos urna dimensáo ecuménica. O Pontificio Conselhopara a Promo- gao da Unidade dos Crístáos tornou-se um dos principáis centros propul sores do processo para a plena unidade.

Mas todos estamos conscientes de que a obtengáo desta meta nao pode ser fruto apenas de esforgos humanos, embora indispensáveis. A unidade é, em última análise, dom do Espirito Santo. A nos, é pedido que secundemos este dom, sem cair em abdicagóes nem reticencias no tes- temunho da verdade, mas pondo generosamente em agáo as diretrízes

tragadas pelo Concilio e sucessivos documentos da Santa Sé, que mere- ceram o aprego inclusive de muitos dos crístáos que nao estáo em plena comunháo com a Igreja Católica.

Es, portanto, urna das tarefas dos crístáos a caminho do ano 2000. A aproximagáo do fim do segundo milenio incita todos a um exame de consciéncia e a oportunas iniciativas ecuménicas, de tal modo que pos-

samos apresentar-nos ao Grande Jubileu, se nao totalmente unidos, pelo menos muito mais perto de superar as divisóes do segundo milenio. Para tal, é necessário - está á vista de todos - um esforgo enorme. Impóe-se prosseguir com o diálogo ecuménico, mas sobretudo empenhar-se mais na oragáo ecuménica.

Esta muita se intensificou depois do Concilio, mas deve crescer aínda, pondo os crístáos cada vez mais em sintonía com a grande invoca-

gao de Cristo, antes da Paixáo: 'Pai um só' (Jo 17, 21)» (n° 34).

que também eles sejam em Nos

O ecumenismo tem sido difícil tarefa. Após o Concilio do Vaticano

II despertou certo entusiasmo, que foi arrefecendo em vista de mal-en

tendidos. Atualmente encontra éxito ñas conversacóes entre teólogos

católicos e cristáos nao católicos; principalmente com os luteranos e os anglicanos a Igreja Católica tem realizado frutuosos estudos, que vio

aplanando o caminho para a unidade.

Tais sao algumas reflexóes que pode sugerir o corajoso e inédito pedido de perdáo preconizado pelo Papa.

TEOLOGÍA FUNDAMENTAL

Eis o novo Curso por Correspondencia publicado pela Escola

"Mater Ecclesiae". Aborda as razoes pelas quais alguém pode crer na autenticidade da Religiio, na existencia de Deus, na figura de Jesús Deus e Homem e na Igreja Católica - Pedidos á Escola "Mater

Crise de consciéncia:

ESCRÚPULOS: QUE SAO? COMO CURÁ-LOS?

Em síntese: Os escrúpulos de consciéncia sao um estado de alma

que vé pecado em tudo, situagáo esta que gera profunda angustia e mes-

mo desánimo e desespero. Podem terum fundo doentio ou neurasténico.

O escrupuloso tende a se fechar em seus julgamentos de ordem moral e

nao darcréditoaos conselhosque sabiamente Ihesaoministradospara

que se liberte de seu estado aflitivo. A escrupulosidade pode ter causas

diversas: urnas de ordem física, outras de ordem psíquica ou aínda de ordem moral. A superagáo de tal condigno mórbida só pode ser obtida pela oragáo e pela obediencia incondicional as normas provenientes de

um diretor espiritual firme e bondoso. Pode ser útil também a colabora-

gáo de um psicólogo ou de um médico de formagáo crista, respeitoso dos

valores da fé.

*

*

*

A Redacáo de PR recebeu a seguinte solicitado vía internet:

«Tenho confusóes dentro de mim a respeito do pecado grave ou

mortal. Parece que estou sempre no risco iminente de cometer um deles.

Sei o que o catecismo diz, só que na minha vivencia aínda nao o entendí. O emocional e o coragáo nao o entendem. Poderia trocar em miúdos a

prática do día a día?»

Como se percebe, a questáo toca em dois pontos: o conceito de

pecado e o problema dos escrúpulos. Abaixo trataremos de um e outro

tema sucessivamente.

1. Pecado

O pecado é um Nao dito a Deus. Distinguem-se duas modalidades

de pecado: o mortal ou grave e o leve ou venial.

1) O pecado mortal ou grave ocorre quando se preenchem tres

condicoes:

a) haja materia grave ou importante: calúnia dañosa, injuria peno

sa, roubo, adulterio, homicidio ;

b) haja conhecimento de causa: o pecador deve estar consciente de que a materia e o ato correspondente sao pecaminosos;

c) haja vontade deliberada, ou seja, a vontade livre de cometer tal ato.

"PERGUNTE E RESPONDEREMOS" 452/2000

10

Talpecado éditomortal porque,conforme a Escritura, levaá morte

ou a perda da vida definitiva; cf. Uo 3,15; 1Cor 6, 9; Gl 5,19s.

2) O pecado venial ou leve se dá quando falta um dos tres requi

sitos atrás. Nao tira a vida da graca ou a filiacáo divina, mas contribuí

para torná-la anémica. Somente o pecado grave ou mortal é pecado pro- priamente dito; é desobediencia formal ou é um Nao categórico dito a

Deus. O pecado venialé desobediencia ¡mperfeita; pode coexistircom a

orientagáo fundamental do cristáo para Deus.

Nem sempre é fácil ao cristáo tracar a linha divisoria entre pecado grave e pecado leve, pois a pessoa porvezes nao pode definiratéque

ponto consentiu no pecado nem sabe exatamente avaliar a importancia

da materia em torno da qual pecou. Daí podem originar-se escrúpulos,

dos quais passamos a tratar.

2. Escrúpulos

Seráo considerados: 1) o conceito de escrúpulo; 2) as causas res

pectivas; 3) os principáis meios para os debelar.

2.1. Que é a escrupulosidade?

1. Etimológicamente, o termo "escrúpulo" se deriva do latim

scrupulus, pedrinha pontiaguda que, entrando no calcado de alguém,

muito perturba o andar. A forma neutra do vocábulo, scrupulum, desig-

nava entre os romanos urna unidade de peso equivalente a cerca de um

grama.

Aplicado ao setor da Moral crista, o termo "escrúpulo" significa na

turalmente um entrave ao progresso espiritual. Mais exatamente: signifi

ca urna disposicao da alma que Ihe faz crer sem motivo adequado, haja pecado onde de fato nao o há. A pessoa acometida de escrúpulos se vé

obcecada pelo temor de pecar; em conseqüéncia, nao ousa decidir-se á acáo no momento devido, e vive em continua angustia, considerando os

males que pretensamente cometeu no passado e as crises que o futuro

Ihe parece reservar.

Em outros termos: o escrúpulo de consciéncia é urna modalidade

do que a Psicología moderna chama "obsessáo", modalidade, porém, que so pode ser devidamente entendida e tratada por quem admita a fé e

o pecado no sentido cristáo.

Em vista de maior precisáo, duas distingóes se impóem:

-Consciénciaescrupulosanaoéconsciénciadelicada.Estasabe

delimitar devidamente os pecados e a sua gravidade; observa a díferen-

ca exata entre falta e imperfeicáo; por isto pode empregar os meios oportu-

10

11

ESCRÚPULOS: QUE SAO? COMO CURÁ-LOS?

nos para evitar até mesmo os mínimos desvíos, sem perder a paz. Ao

contrario, a consciéncia escrupulosa está incapacitada de avaliar ade-

quadamente o que é pecado.

- Distínga-seoutrossima idéiaobsessiva que causao escrúpulo, da ¡déia fixa. Idéla fixa vem a ser uma nocáo que paira sempre ante a

mente do individuo, de tal modo, porém, que este a acaricia e cultiva, porquecondizcom suastendenciasespontáneas (naoraromegalomaní-

acas); assim a idéia fixa de ter importante missáo a realizar em tal regiáo

a idéia fíxa de ser Pitágoras ou Alexandre Magno redivivo, etc.

da térra

,

- Ao contrario, a idéia obsessiva é aquela que sempre volta á mente do

sujeito, mas que este reconhece como estranha á sua personalidade e intrusa ao seu pensamento, de modo a lutar contra ela, sem contudo

poder livrar-se da sua perspectiva; daí resultam naturalmente temor e angustia na alma. Uma das ¡déias obsessivas mais comuns e funestas é

a de haver ofendido a Deus por acóes ou omissoes, principalmente por

pensamentos e, conseqüentemente, haver merecido o justo castigo do

Senhor. Na alma escrupulosa o juízo da razáo assegura que ela nao

pecou; contudo a pessoa nao tem a coragem de confiar nesse juízo; a

emotivldade ou o temor sensível nela prepondera.

2. O estado de alma escrupulosa se pode reconhecer mediante

alguns sintomas característicos:

a) ¡nseguranca de alvitre. A pessoa escrupulosa julga nunca po

der chegar á certeza em questoes de moral; por isto difícilmente toma

algum alvitre, e mais difícilmente mantém alvitretomado;

b) impermeabilidade ao juízo alheio. A atmosfera de incerteza

em que a alma escrupulosa versa, torna-a mals ou menos impermeável

aos pareceres de outras pessoas, mesmo que ela Ihes reconheca gran

de autoridade.

Assim o escrupuloso, depois de ouvir a sentenca tranquilizadora

de algum sacerdote ou conselheiro, procura esquivar-se á mesma, ale

gando nao haver relatado suficientemente o seu caso, ou nao haver sido

devldamente entendido pelo conselheiro, ou nao haver compreendido

com lucidez o teor do conselho

Em conseqüéncia, a pessoa escrupulo

sa ou tenta relatar de novo a "historia" ao seu interlocutor ou vai consultar

a outros, com esperanca de encontrar finalmente "a sentenca acerta

da"

Passando, porém, de sacerdote a sacerdote ou de conselheiro a

conselheiro, o escrupuloso arrisca-se a cair em estado de perplexidade

ainda maior, pois é de crer que ouca pareceres diversos pelo fato mesmo de

que nem todos o conhecem de modo a julgar adequadamente o seu caso;

c) inquietude quanto á integridade da confissáo sacramental.

O escrupuloso receia nao ter manifestado todos os pormenores caracte-

11

"PERGUNTE E RESPONDEREMOS" 452/2000

12

rísticos do seu pecado; por isto deseja renovar acusacoes sacramentáis

já validamente efetuadas. Também costuma indicar cifras exageradas e ¡nverossímeis, ao enunciar quantas vezes pecou. Interroga, sem acabar,

o seu confessor a respeito do que este Ihe tenha mandado ou sugerido

Tendo-se confessado no sábado á tarde, deseja voltar á confis-

fazer

sáo no domingo de manhá para comungar;

d) recurso a sinais nervosos. Intencionando resistir de maneira

bem concreta ao que eles julgam ser tentacáo, muitos escrupulosos rea-

lizam gestos descontrolados, fazem caretas e tomam atitudes de corpo

assaz estranhas. Tendem a repetir as mesmas oracoes, julgando-as in válidas por falta de atencáo; entregam-se assim a uma tensáo física mais

ou menos doentia.

Um dos sinais mais característicos a que nao raro recorrem as pes-

soas escrupulosas, é a "locáo das suas máos" ou, mais largamente, o

culto constante do asseio do corpo, atitude mediante a qual professam o

seu desejo de pureza de alma.

Conta-se o caso de uma mulher que tinha a preocupacáo exagera

da da limpeza. Seu marido queixava-se de que ela Ihe tornava a vida

quase insuportável por exigiro mais rigorosoasseio para ela, suas ves

tes seus filhos e o domicilio inteiro; trajava-se da maneira mais imaculada

possível, desprezando todas as mulheres que nao compartilhassem seus

austerosprincipios,que elachamavasimplesmente seus"bons modos".

Ora, em vista dessa obcecacáo foi submetida a exame psíquico,

dando entáo a saber que, durante cinco anos de vida conjugal, tivera

relacoes extra-matrimoniais. Havia cedido a esse vicio, depois de rece-

ber em sua adolescencia uma educacáo muito severa; tinham-lhe dito

freqüentemente que os abusos sexuais nao convinham a jovens de sua

categoria, pois eram o apanágio das pessoas "sujas". Destarte acostu-

mara-se a associar em sua mente as idéias de desordem carnal e imundice

física. Em conseqüéncia, tal pessoa, vindo em época posterior a se en tregar ao pecado da carne, passara a sentir os protestos de sua consci-

éncia protestos que se traduziam pelo desejo espontáneo e cada vez

mais imperioso de limpeza física. Tal desejo exigente nela permanecía

mesmo depois de haver abandonado o vicio, em sinal de arrependimen-

to e remorso de alma.

Esbocada a natureza da escrupulosidade de consciéncia, faz-se

agora mister indagar sumariamente quais seriam as raízes de tal estado

de alma.

2.2. As causas de escrúpulos de consciéncia

Podem ser agrupadas sob cinco títulos:

12

13

ESCRÚPULOS: QUE SAO? COMO CURÁ-LOS?

1) Causas de origem fisiológica ou somática

Entendem-se nesta categoría, primeiramente, os estados de saú-

de física debilitada, em conseqüéncia de excesso de trabalho, nutricáo insuficiente,perturbacóesdigestivas, molestiaprolongada,jejum, vigilias

e outras austeridades físicas nao regradas pela virtude da prudencia. Em

tais circunstancias, a pessoa se senté como que de antemáo derrotada

diante dos embates da vida; carece da energía necessária para conside

rar serenamente as situacóes e tomar resolucoes adequadas. A mesma

debilidade pode ser acarretada por falta de recreios honestos, que per-

mitam ao individuo mudar de idéias, desfazendo-se de preocupacóes

que podem tomar proporcóes obsessivas.

2) Causas de ordem psíquica

Tenham-se em vista principalmente

- os temperamentos melancólicos, dados á suspeita e á tristeza;

- os temperamentos meticulosos, sempre prontos a descobrir ra-

zóes de duvidar, sempre desejosos de possuir certeza absoluta, mesmo

ao se tratar de causas contingentes;

- o infantilismo e a imaturidade de juízo. Em nao poucos casos,

a consciéncia do adulto escrupuloso ficou no nivel que tinha quando era crianca; conseqüentemente, incapacitado de formar seus juízos, o es

crupuloso vé-se impelido a procurar a tutela ou a autoridade de outros

para regrar a sua vida.

3) Causas de ordem moral. Enumeram-se aqui

- a fuga de urna situacáo desagradável

É o que se dá quando

alguém, nao tendo coragem para emendar algum costume de vida irre

gular, procura esquecer tal problema concentrando toda a sua atencáo

sobre outros pontos de sua conduta que absolutamente nao merecem

tanto cuidado; tém-se entáo os "escrúpulos de compensacáo". Pode ha- ver pessoas muito escrupulosas quanto ao dinheiro, mas muito laxas

quanto ao sexo;

- o egocentrismo, a vaidade, o desejo quicá inconsciente de cha mar a atencáo para si. Há, com efeito, pessoas que nao manifestam a

mais pálida aspiracáo a se ver livres dos seus escrúpulos; ao contrario,

parecem apegadas á sua situacáo, como que contentes por merecerem a atencáo de diretores espirituais e médicos. Tais pessoas sao, de um

lado, as que mais procuram conselheiros e guias e, de outro lado, as que

menos prontas estáo a submeter-se ao arbitrio alheio. Alguns autores

chegam a crer que a maior parte dos casos de escrúpulos se deve a um

lastro de orgulho e espirito de reivindicacáo latentes na pessoa afetada. Esta opiniáo, porém, parece exagerar, visto que elevado número de es-

13

"PERGUNTE E RESPONDEREMOS" 452/2000

■14

crupulosos se ressente realmente da insuficiencia de discemimento, sem

que se possa asseverar haja nisto alguma ponta de vaidade ou orgulho;

- faltas graves cometidas na vida passada. Pode acontecer que

alguém, após longo período de vida desregrada, se emende definitiva mente, mas nao consiga desvencilhar-se de obsessiva recordacáo das

suas culpas anteriores; revolve-as constantemente em seu espirito, dei-

xando de dar a devida atencáo as ocupacóes da hora presente.

4) Causas extrínsecas

Entre estas, devem ser citadas

- as falhas de educacáo. Afagos e mimos demasiados fácilmente

provocam na adolescencia uma atitude de inseguranca, que pode vir a

ser a raiz de escrupulosidade. O mesmo se diga de uma disciplina exces-

sivamente rigorosa, inspiradapornormas moráis estreitase pessimistas; tal regime só faz onerar e amedrantar, além do necessário, a consciéncia

dos jovens;

- a convivencia com pessoas escrupulosas e a leitura de obras que desfigurem a idéia de Deus Pai Misericordioso, sobrepondo-Lhe a

de um terrível Juiz, sao outros tantos fomentos de escrúpulos. 5) Por fim, há autores que aludem á agáo do demonio em certos

casos de escrúpulos (nao se creia, porém, que sao muito numerosos).

O Maligno tem interesse em parausar o progresso espiritual dos

fiéis, provocando neles a confusao característica da escrupulosidade. O

Senhor permite a agáo do demonio, visando com isto ao bem dos fiéis;

com efeito, uma crise de escrúpulos pode ser ocasiáo providencial para

que o cristáo pratique as virtudes da humildade e da obediencia,

para

que aguce em si o horror ao pecado e forme a sua consciéncia dentro

dos moldes da delicadeza, que é penhor de santificado crescente. Ali as, provocada ou nao pelo demonio, toda crise de escrúpulos é sempre acompanhada pela graca de Deus, que fornece á alma o auxilio neces sário para que tire da sua provagáo todo o proveito espiritual (purificacáo,

acrisolamento das virtudes); deve-se mesmo dizer que é sempre em vis

ta desse enriquecimento espiritual que Deus permite sejam as pessoas

acometidas de escrúpulos.

Os estudiosos costumam indicar algumas notas que desde cedo

caracterizam as pessoas predispostas á escrupulosidade.

Ei-las em resumo: já em idade infantil, manifestam tendencia a

manías e "tiques" nervosos; tém pavor de estar sos e mostram-se muito sensíveis a repreensóes. Com o decorrer do tempo, revelam dificuldade

para tomar alvitre na vida; visando entáo a obter luz e certeza para suas

opcoes, dáo-se mais e mais á introspeccáo ou á reflexáo sobre si mes-

14

15

ESCRÚPULOS: QUE SAO? COMO CURÁ-LOS?

mas - o que nao pode deixar de deformar progressivamente a sua men-

talidade, sujeitando-a paulatinamente a verdadeira obsessáo.

Adotando-se oportunas medidas na educacáo, pode-se impedir que

a tendencia aos escrúpulos prevaleca ñas pessoas inclinadas a eles; evitam-se assim crises penosas. Essa preservacáo requercuidado zelo-

so por parte dos educadores.

Como meios eficazes de profilaxia, recomendam-se:

Regime de vida higiénica, em que oportunamente se ministra um

tónico do sistema nervoso, assim como os demais tratamentos médicos

de que possa necessitar o paciente;

Formacáo moral muito sólida, baseada em visáo larga e profunda

da vida espiritual mais do que em ameacas aterradoras;

Combate ao isolacionismo e á demasiada introspeccáo do ado

lescente.

A psicoterapia poderá ser útil se for orientada por um médico res-

peitoso dos valores sobrenaturais.

Dado, porém, que alguém se torne vítima de escrupulosidade, quais

as medidas a tomar?

É oqueoparágrafoabaixoconsiderará.

2.3. Remediar!

E como?

1. Tenha-se consciéncia de que a escrupulosidade, apesar da sua

semelhanca com delicadeza de alma, é um mal a ser enérgicamente

combatido. A energia será tanto mais necessária no caso quanto mais

puros ou santos forem os aspectos sob os quais se poderá encobrir o veneno da escrupulosidade.

A fim de avivar a consciéncia dos perigos em que incorre urna pes- soa escrupulosa, váo aqui apontados alguns dos nocivos efeitos de que

pode vira ser vítima.

No plano físico, os escrúpulos debilitam mais e mais o sistema nervoso e a saúde física, chegando a ocasionar neurastenia crónica e

outras molestias.

No plano psíquico e religioso, os escrúpulos podem tornar a pes-

soa vítima de manías em graus mais ou menos próximos do ridículo.

Fecham o coracáo no egocentrismo, com prejuízo para a caridade frater na. Julgando estar em pecado grave e, por conseguinte, condenado por Deus, o escrupuloso fácilmente perde a coragem na vida assim como a

confianca no Senhor, que ele mais e mais tende a considerar como juiz

15

"PERGUNTE E RESPONDEREMOS" 452/2000

16

excessivamente severo. A oracáo se Ihe torna cada vez mais difícil, ab- sorvido que está por suas preocupacóes subjetivas; nao reconhecendo

mais em Deus a face do Pai misericordioso, insensivelmente perde o

gosto da oracáo assim como o da recepcáo dos sacramentos da Peni

tencia e da Eucaristía.

Também acontece que o escrupuloso, dando atencáo exagerada a coisas que nao a merecem, perca tempo em "resolver" pseudo-proble-

mas, deixe de cumprir importantes deveres de estado e negligencie o verdadeiro servico de Deus. Compreende-se outrossim que, vítima de

desatinos, a pessoa escrupulosa se ponha a viver urna vida de contras

tes: hoje submete-se a rigorosas práticas de mortificacáo, prestes a ir procurar amanhá um desafogo na licenciosidade e no gozo dos ilícitos

prazeres. A nocáo do bem assim se obscurece na sua mente, a vida

crista se Ihe torna impossível.

2. Será preciso, pois, reagir sem demora contra as primeiras mani-

festacóes de escrupulosidade, em vista disto, os mestres enumeram urna serie de diretivas oportunas.

Distinguiremos abaixo entre diretivas cuja aplicacáo depende do

paciente e do seu diretor conjuntamente, e diretivas que dizem respeito

ao diretor espiritual apenas.

A. Normas cuja aplicacáo depende tanto do paciente como do

diretor de consciéncia

1) O paciente deve chegar a reconhecer que é escrupuloso e que o escrúpulo é um grande mal; enquanto nao esteja convicto dessas

verdades, qualquer tratamento torna-se váo.

2) A oracáo é arma capital no combate a qualquer mal. Acontece, porém, freqüentemente que o escrupuloso deva reaprender a rezar, res

taurando em si urna atitude de piedade filial para com o Pai das Miseri

cordias e de confianca no Redentor; terá que vencer, portante o afasta-

mento em relacáo a Deus que a obsessáo angustiosa do Juízo Final Ihe

possa terocasionado. Nessa tarefa, poderáo e deveráo ser úteis ao paci

ente o seu diretor espiritual e os seus amigos, dando-lhe esclarecimen-

tos e conselhos.

Na oracáo, o escrupuloso pedirá amor a Deus e paciencia na pro-

vacáo, torga na luta e libertacáo da obsessáo.

3) Após a prece, o remedio por excelencia vem a ser a obediencia total a um diretor espiritual prudente e esclarecido. Sem obediencia, e

obediencia absoluta, pode-se crer que o paciente jamáis conseguirá li-

bertar-se do seu mal.

16

17

ESCRÚPULOS: QUE SAO? COMO CURÁ-LOS?

Por ¡sto, urna vez escolhido o respectivo diretor de consciéncia, o

escrupuloso, por pretexto nenhum, deve trocá-lo; caso tenha que se afastar

dele por motivo de viagem, confesse-se com outro sacerdote, mas per-

maneca fiel ás ¡nstrucóes do antigo diretor espiritual. Dado que o escru

puloso recuse obediencia integral, o diretor está habilitado a Ihe dizer

que nao o pode dirigir.

4) O escrupuloso deve aos poucos habituar-se a desprezar os

escrúpulos. Saiba que urna das melhores táticas para vencer as suas

angustias é a de nao Ihes dar importancia; por conseguinte, em vez de se agitar diante de alguma tentacáo, como se tivesse de enfrentar um ad versario reale perigoso, conserve sua superioridade serena e indiferen te. Principalmente nao se entregue a gestos, contorsóes e atitudes estra- nhas, visando a simbolizarasua resistenciaátentacáo. Taisgestos nao

estáo á altura de gerar a almejada certeza e paz na alma, pois com o tempo esta já nao se contenta com um, dois, tres gestos, mas tende a multi-

plicá-los indefinidamente, podendo assim chegar ás raias da demencia.

Concretizando as idéias ácima, diremos: urna pessoa escrupulosa

tentada por pensamentos contra a fé nao reaja diretamente pronuncian

do mentalmente um ato de fé, pois com isto so contribuiría para aumen

tar as tentacóes e os escrúpulos

O que ela deve fazer, é simplesmente

desprezar o pensamento, lembrando-se de que este so se torna pecado,

caso haja consentimento, e consentimento certamente dado. Em gerali

tais tentacóes nao sao em si coisa grave, mas reduzem-se a atos de

¡maginacao sem grande importancia.

O desprezo dos escrúpulos assim recomendado implica um con junto de pequeñas normas práticas, que váo abaixo enunciadas:

a) Ao agir, para formar sua consciéncia, a pessoa escrupulosa va-

ler-se-á do seguinte principio: «Enquanto eu nao vir, como dois e dois

que tal

sao quatro, que tal acáo é pecaminosa, poderei praticá-la ou omissáo é pecaminosa, poderei abster-me».

Em outros termos: o escrupuloso seguirá o axioma: «Lex dubia, lex

nulla», isto é, «A lei duvidosa nao obriga». Esta norma, que nao se pode-

ria, sem mais, recomendar ás pessoas de consciéncia laxa, há de ser

inculcada aos escrupulosos.

Se, depois de agir conforme tal regra, o escrupuloso comecar a

suspeitar de haver cometido pecado grave, nao julgue ter realmente pe cado, a nao ser que isto se Ihe incuta táo evidentemente como a proposi-

cáo «dois e dois sao quatro».

b) Eis outra norma valiosa para formar a consciéncia da pessoa

escrupulosa que esteja obrigada a tomar alguma atitude. Pergunte a si

17

"PERGUNTE E RESPONDEREMOS" 452/2000

18

mesma: «Que diría eu a quem se visse na situacáo embaragosa em que

me acho?». A resposta á pergunta proposta de maneira táo objetiva tai-

vez aflore sem grande dificuldade á mente do escrupuloso. Dado que resol-

va o caso assim formulado, nao hesite em seguir praticamente tal solucáo.

c) O paciente nao deverá esperar entrar finalmente em paz medi

pela última

ante capitulacáo, isto é, cedendo, «ao menos desta vez,

vez», aos escrúpulos. Será ilusoria a paz assim conseguida, pois sem demora a pessoa verá outro motivo de angustia, que Ihe parecerá tanto

mais grave quanto mais fraca ela se tiver mostrado anteriormente.

d) Abstenha-se o escrupuloso de repetir atos que Ihe parecam in

válidos (por exemplo, oracóes afetadas por distracóes involuntarias; o

escrupulosoépropensoajulgá-lasinválidas,emboranaoosejam),mes-

mo quando se tratar de atos gravemente preceituados. Repetindo-os, o

paciente, longe de solucionar sua angustia, entrará num verdadeiro labi-

rinto, pois constantemente verá falhas nos atos repetidos, famas tanto

mais graves quanto mais ele se for cansando pela multiplicacáo.

Em particular, no tocante á confissáo de seus pecados, o escrupu

loso tende a multiplicar as mesmas acusacóes, julgando nao se ter feito

compreender devidamente ñas confissóes anteriores. Resista, porém,

enérgicamente a tal propensáo, pelos motivos indicados. O confessor,

do seu lado, ajudará o paciente a relutar, replicando-lhe o seguinte:

«Concordo em ouvir a acusacáo de pecados de tua vida passada

desde que, em presenca de Deus, me possas afirmar estes tres pontos:

- tens certeza de haver cometido tais pecados;

- cometendo-os, tinhas certeza de estar praticando pecados mor-

tais;

- nunca acusaste tais pecados em confissáo sacramental».

Caso o penitente titubeie a respeito de algum desses itens, o con

fessor deverá tranquilamente proibir-lhe a acusacáo.

Note-se bem: o penitente nao deve julgar ter sido pecado grave urna acáo que nao Ihe tenha parecido tal desde que ele a cometeu ou

urna acáo que só tardíamente ele imagina haver sido grave. Na verdade,

o pecado grave só é tal quando cometido com pleno conhecimento de

causa, conhecimento que nao pode deixar de suscitar ¡mediatamente

perturbagáo na alma do pecador.

5) O escrupuloso procurará debelar tudo que possa ser fonte ou

fomento de melancolía em sua vida (leituras demasiado severas, convi

vencia com pessoas escrupulosas

18

19

ESCRÚPULOS: QUE SAO? COMO CURÁ-LOS?

Esforce-se por ter um horario em que trabalho e recreio estejam

devidamente equilibrados.

Com outras palavras: trabalhe de maneira metódica, de modo a

evitar atrópelos e imprevistos, que agitam os ñervos e podem levar á

exaustáo; na medida do cabível, proporcione ao organismo a restaura-

cáo de suas torcas. - Doutro lado, todo tipo de ociosidade há de ser evitado, pois vem a ser fonte de tedio, tedio que proporciona o surto de

angustias; o trabalho regrado entretém a alegría de viver.

6) Em muitos casos, será oportuno que o paciente consulte um

médico ou um psiquiatra, de consciéncia bem formada, e siga fielmente

a orientacáo que tal especialista Ihe der.

B. Normas que dizem respeito ao diretor apenas

O diretor de consciéncia a quem urna pessoa escrupulosa se che-

gue, pedindo orientacáo, procurará levar em conta algumas regras de sabedoria, que os mestres costumam assim delinear:

1) Esforce-se, antes do mais, por ganhar a conf¡anca do consulente;

e isto, mediante duas atitudes:

- mostré dedicacáo, sendo paciente para ouvirhistorias e explica-

cóes, e respondendocom brandura, sem, porém, permitirdesobediencia;

- dé provas de seguranca e competencia.

Depois de deixar o paciente falar, o diretor nao deve repetir o rela to, pois a pessoa escrupulosa poderia encontrar meios de dizer que nao

foiexatamente assim, e recomecariatoda a sua exposicáo

As questoes formuladas pelo diretor seráo simples e claras, nao se

detendo em pormenores que nao merecam grande atencáo.

A fisionomía do pai espiritual se conservará firme e calma. Isto nao

poderá deixar de redundar em alivio e paz para o paciente.

2) Tendo ganhado a confianca da pessoa escrupulosa, o diretor

tratará de obter a sua obediencia.

Em vista disto, incutirá ao paciente o principio de que só a obedien

cia o poderá curar; acentuará bem que o escrupuloso sempre poderá obedecer com a consciéncia tranquila, mesmo que o diretoresteja erra

do, pois Deus pede do escrupuloso urna só atitude: a obediencia.

As ordens deveráo ser breves, claras e categóricas, evitando qual-

»)

ou qualquer tipo de

quer frase condicionada («se isso te perturba

,

,

»). O diretorespi

hesitacáo («parece melhorseria provavelmente

ritual nao precisará de apresentar os motivos de suas normas, pois o

paciente poderia querer discuti-los, o que seria vio ou mesmo nocivo. O

19

"PER6UNTE E RESPONDEREMOS" 452/2000

20

diretor ponderará previamente as normas a dar, de modo a nao ter que

se desdizer a desdita redundaría em detrimento da autoridade. Por fim,

o pai espiritual procurará certificar-se de que suas diretivas foram devi-

damente observadas; em mais de um caso, terá que repetir vanas vezes

a mesma prescricáo; deverá mesmo entregá-la por escrito para que fi

nalmente venha a ser cumprida (diz-se que, no momento de obedecer, o

escrupuloso tende a recuar como o condenado diante do suplicio).

3) Em particular, no tocante á confissio sacramental, lembre-se

o sacerdote de que existem os chamados «privilegios dos escrupulo

sos». Do seu lado, o penitente deverá ter consciéncia de que o uso des- sesprivilegiosnaoIheéapenasfacultativo,mas chegaaserobrigatório,

desde que o confessoro imponha.Taisprivilegiosdizem respeitoá inte-

gridade material da confissáo. Assim, a juízo do confessor, o penitente

deverá reduzir seu exame de consciéncia a poucos minutos ou mesmo

omiti-lo- o sacerdote encarregar-se-á entáo de interrogar o penitente. Em

outros casos, o escrupuloso limitar-se-á a acusar dois ou tres pecados

certamente cometidos e de maior importancia, abstendo-se em geral de

relatar pormenores; de resto, tratará de excitar contricáo e propósito, prin cipalmente a respeito das faltas mais notáveis da vida passada.

A satisfacáo imposta pelo confessordeverá serleve efácil.

Quanto á periodicidade da penitencia sacramental, o sacerdote to

mará como norma nao permitir mais de urna confissáo por semana; caso

o penitente volte após intervalo mais breve sem tercometido evidente

pecado mortal, o confessor apenas Ihedará a béncáo, recomendando-

Ihe que faga um ato de contricáo e continué tranquilamente a comungar.

4) Por fim o sacerdote estimará a colaboracáo do médico, sempre

que for oportuna. Em geral, a acáo conjunta do padre e do clínico dá

ótimos resultados; a fim de que estes frutos sejam realmente obtidos, requer-se consonancia ñas respostas e ñas diretivas de um e de outro.

Assim ficam delineados os principáis remedios (ditados pela fé e

pela ciencia) a ser utilizados para a cura dos escrúpulos de consciéncia.

Devidamente aplicados, tais recursos podem restituir paz e alegría as

pessoas afetadas.

FREÍ BOAVENTURA KLOPPENBURG O.F.M.

O Dr. José Alfredo Schierholt, sobrinho do Bispo emérito de Novo

Hamburgo (RS), escreveu a biografía de seu tio com o título "Frei

Boaventura Kloppenburg OFM: 80 anos por Cristo em sua Igreja". E justa

homenagem a um grande teólogo e zeloso pastor, benemérito por seus es

critos e suas obras. Pedidos ao autor: Rúa Olavo Bilac, 491, 95900-000

Lajeado (RS).

20

Sao compatíveis entre si?

BIGAMIA E CRISTIANISMO

Em síntese: Um amigo observa que há quem tenha duas mulhe

res, apoiando-se em exemplos do Antigo Testamento, que justificaríam o

seu comportamento. - A respeito deve-se lembrar que o Senhor Jesús

reafirmou a monogamia, valendo-se de Gn 1-3, texto que apresenta o

casal humano originario monogámico; cf. Mt 19,3-8. Ademáis o matrimo

nio ideal no Antigo Testamento é sempre monogámico, como aparece no Cántico dos Cánticos, no livro de Tobías e na literatura proi'ética (onde o

casal monogámico é figura da alianga entre o Senhor Deus e a filha de

Sion ou o povo eleito). Verdade é que Lutero tolerou a bigamia de Filipe

de Hessen, seu protetor, apelando para os casos de Abraáo e outros vultos da antiga Alianga; todavía a atitude de Lutero foi mal vista porseus

contemporáneos mesmos.

A Redacáo de PR recebeu a seguinte carta, que interessa ao gran

de público:

«Conhegoalguém que tem vidadupla. Mantém duasmulheres. Com

urna é só casado no civil. Com a outra nao é casado em lugar nenhum. Um amigo, leigo em Teología, disse-me que o Reí Salomeo tinha muitas

mulheres e Deus nao o castigouporfeto.

É verdade isto????»

COMENTANDO

1. O Testemunho Bíblico

O procedimento em pauta assemelha-se ao que se chama

"fornicacáo", "adulterio", "bigamia"

O exemplo do rei Salomáo nao pode ser evocado como justificati

va. Com efeito; a poligamia foi tolerada no Antigo Testamento por causa

da dureza de coráceo dos israelitas. Jesús, porém, a extinguiu segundo Mt 19, 3-8; lembrou que, de acordó com a ordem do Criador, o homem deve abandonar pai e máe para unir-se á sua esposa, de modo a serem

dois numa só carne (cf. Gn 1, 27; 2, 24). Ademáis no Antigo Testamento

o matrimonio ideal é sempre monogámico: assim o primeiro casal bíblico

em Gn 1-3, o casal do Cántico dos Cánticos, o do livro de Tobías (Tobías e Sara). Além do mais, é de notar que o matrimonio monogámico ó figura

21

"PERGUNTE E RESPONDEREMOS" 452/2000

22

da alianca do Senhor com o povo escolhido ou com a filha de Sion. Nao

resta dúvida, portanto, de que o casamento conforme á lei de Deus (que

se exprime pela lei natural) é a uniáo monogámica.

Quanto a Salomáo, foi punido pelo Senhor por causa de sua vida

devassa. Eis o que se lé em 1Rs 11,1-13:

«Além da filha de Faraó, o reí Salomáo amou muitas mulheres es-

trangeiras:moabitas, amonitas, edomitas, sidónias e hetéias, pertencen-

tes ás nagoes das quais lahweh dissera aos filhos de Israel: 'Vos nao

entrareis em contato com eles e eles nao entraráo em contato convosco;

pois,certamente, elesdesviaráovossoscoragóesparaseusdeuses'.Mas

Salomáo se ligou a elas por amor; teve setecentas mulheres princesas e

trezentasconcubinas. Quando ficouvelho, suasmulheresdesviaramseu

coragáo para outros deuses e seu coragáo nao foi mais todo de lahweh,

seu Deus, como o fora o de Davi, seu pal Salomáo prestou culto a Astarte,

deusa dossidónios, ea Melcom, a abominagáo dosamonitas. Fezomal

aos olhos de lahweh e nao Ihe foi fielplenamente, como seu pai Davi. Foi

entáo que Salomáo construiu um santuario para Camos, a abominagáo de Moab, na montanha a leste de Jerusalém, e para Melcom, a abomina gáo dos amonitas. Fez o mesmo para todas as suas mulheres estrangei-

ras, que ofereciam incensó e sacrificiosaos seus deuses.

lahweh irritou-se contra Salomáo, porque seu coragáo se desviara de lahweh, Deus de Israel, que Ihe aparecerá duas vezes e que Ihe havia proibido expressamente que seguisse outros deuses, mas ele nao obe- deceu ao que lahweh Ihe ordenara. Entáo lahweh disse a Salomáo: 'Já que procedeste assim e nao guardaste minha alianga e as prescrigdes

que te dei, vou tirar-te o reino e dá-lo a um de teus servos. Todavía, nao o farei durante tua vida, por consideragáo para com teu pai Davi; é da máo de teu filho que o arrebatare!. Nem Ihe tirare! o reino todo, mas del-

xarei ao teu filho urna tribo, por consideragáo para com o meu servo Davi

e para com Jerusalém, que escolhi'».

2. No século XVI

No século XVI veio á tona a questáo da liceidade da poligamia ou,

ao menos, da bigamia por ocasiáo da reforma luterana. Eis os fatos.

Em seu empreendimento reformador, Martinho Lutero era fortemen-

te apoiado pelo landgrávio Filipe de Hessen (1504-1567), que, apesar de

Ihe querer favorecer, causou serio embaraco á causa da reforma. Com efeito. Em 1523, com dezenove anos de idade, casou-se Fili

pe com Cristina da Saxónia, filha do duque Jorge o Barbudo, morto em

1539. Todavía, poucas semanas após o matrimonio, Filipe (como ele

mesmo confessou) comecou a ser infiel á esposa, cometendo adulterio

22

BIGAMIA E CRISTIANISMO

23

com varias mulheres. Por isto desde 1525 até 1540 absteve-se da Ceia do Senhor.

Consultou Lutero sobre a possibilidade de contrair segundas nup

cias, sem abandonar a primeira esposa. O reformador respondeu-lhe em

novembro de 1526 desaconselhando-lhe a bigamia por ser escandalosa;

seria prática de pagaos e de turcos; os antigos patriarcas tiveram, sim,

mais de urna mulher, mas sonriente por especial concessao do Senhor

em circunstancias muito particulares; cf. Briefwechsel IV 140.

Vítima de sua vida luxuriosa, Filipe contraiu grave enfermidade

venérea, que ele interpretou como sendo um castigo de Deus. Foi trata do pelo Dr. Gerson Sayler, médico de Augsburgo, homem douto, mas de concepcoes moráis suspeitas; confirmou o principe Filipe em seu propó

sito de se casar pela segunda vez, sem abandonar a primeira esposa.

Filipe entáo voltou sua atencáo para urna jovem de dezessete anos,

Margarida de Saale, filha de urna dama da corte de sua irmá Isabel da

Saxónia-Rochlitz. Esta moca consultou a respeito sua máe, que Ihe res- pondeu em termos categóricos: só Ihe permitiría entrar no palacio do prín cipe como segunda esposa, nunca na qualidade de concubina.

Filipe entáo viu-se na obrigacáo de obter a autorízacáo dos teólo gos seguidores de Lutero a fim de ter duas mulheres legítimas, já que

nao pensava em separar-se de Cristina, que, embora pouco estimada,

Ihe havia dado sete filhos e era, por parentesco, ligada aos grandes prín cipes da Alemanha. Ademáis sabia Filipe que Lutero prefería a bigamia

ao divorcio.

Antes de se dirigir a Lutero, Filipe tratou de ganhar para sua causa

o amigo e conselheiro do reformador: Martín Bucer, de Estrasburgo. Con-

seguiu-o mediante o Dr. Sayler, que, após tres días de conversas com

Bucer, obteve a aquiescencia deste para o propósito do príncipe Filipe;

Bucer assim se rendeu, pois temía graves danos para a causa da refor

ma luterana, caso perdesse os favores de Filipe de Hessen.

Aos 9 de dezembro de 1539 Bucer apresentou-se a Lutero em Wittenberg, com urna Instrucáo redigida pelo príncipe Filipe para Lutero

e Melancton (teólogo de Lutero), expondo as razóes para que Ihe fosse concedido novo matrimonio.

Enunciava, entre outras coisas, as causas por que nao se pudera

abster de adulterios até aquela época:

Desde o inicio de sua vida conjugal nunca sentirá amor ou atracáo

por Cristina; casara-se com ela, sim, porque ele era entáo "um jovem pouco razoável". Daí a pergunta de Filipe: como poderia ele, como sobe

rano, punir os súditos viciosos, como preceituam os pregadores, se ele

23

"PERGUNTE E RESPONDEREMOS" 452/2000

24

mesmo cometía os mesmos pecados de infidelidade conjugal? Dir-lhe-

iam: "Mestre, castiga-te a ti mesmo".

Além disto, Filipe tinha que viajar freqüentemente, sem levar a es

posa consigo, para atender a reunióes políticas, em que havia grandes perigos de procura do prazer ilícito.

Mais: Filipe tinha que sair em guerra por causa do Evangelho; ora,

se morresse em campanha bélica tendo a consciéncia pesada por causa

de adulterios, o demonio arrebataría a sua alma.

Observava ainda que muito pedirá ao Senhor a graca da conver- sao, mas continuava sendo sempre o mesmo homem, sacudido por pai-

xoes. De resto, havia lido o Antigo e o Novo Testamentos, implorando a graca de Deus, e lá havia encontrado a solucao: o meio de evitar o adul

terio seria contrair nova uniáo nupcial, á semelhanca do que fizeram A-

braáo, Davi, Jaco, Lameque, Salomáo e outros vultos importantes, que o

Novo Testamento elogia; concluía entáo que o Antigo Testamento permi te a bigamia, e o Novo Testamento nao a proibe; nem Jesús nem os Apostólos se opuseram a ela, mesmo ao pregar para os gentíos.

Por último acrescentava: "Sei que Lutero e Melancton aconselha-

ram ao rei da Inglaterra que, sem abandonar a primeira esposa, tomasse outra".

Movido por tais razoes e desejoso de nao ficar mais tempo ñas

garras do demonio, Filipe havia determinado usar o remedio que o Se

nhor Ihe propiciava: "E peco a Lutero, a Filipe (Melancton) e a ti, Bucer, queiraís testemunhar que o gesto nao será ilegal, quando estiver consu

mado. Rogo-vostambém que, pelaimprensa e pelapregacáo, manifestéis

publicamente que nova uniáo é conforme ao direito".

Filipe garantía que a sua primeira esposa nao sofreria daño algum

nem perdería seus direitos; seus filhos seriam os herdeiros do principa do. "Por conseguinte, rogo-vos, outra vez, por Deus que me ajudeis e

apoieis nessa questao, pois nao é contraria á leí de Deus, a fim de que

possa viver e morrer com a consciéncia alegre e conduzir as iniciativas

evangélicas com mais liberdade e espirito cristáo".

Na conclusáo de seu arrazoado, Filipe dizia que, se os reformadores

nao o ajudassem, ele recorrería ao Imperador Carlos V (católico), e gas

taría todo o dinheiro necessário para que Sua Majestade obtivesse do

Papa a dispensa a fim de se casar de novo (ele o faria nao porque apre-

ciasse as concessóes do Papa, mas sim as do Imperador).

Lutero e Melancton ouviram a leitura da Instrucáo assim como as

razoes que Bucer Ihe acrescentou. O reformador, surpreso com tal docu

mento, consultou seus teólogos e no día seguinte, 10 de dezembro, en-

24

BIGAMIA E CRISTIANISMO

25

carregou Melancton de responder, afirmando, entre outras coisas, o se-

guinte:

"Vossa Alteza sabe que há grande diferenga entre estabelecer uma

leigeral e permitir em caso particular, porgraves motivos, uma dispensa Se se imprimisse algo sobre tal materia, Vossa Alteza compreenderá que

seria entendido e aceito como leigeral, e disto se seguiriam gravfssimos escándalos e debates; por conseguinte, nada se fará em público". Deus instituiu o matrimonio como uniáo de duas pessoas apenas, mas pode haver casos de dispensa, como ocorre, por exemplo, quando o esposo é levado prisioneiro para longe ou quando a muiher se torna leprosa. "Em tais casos, tomar uma segunda muiher com o conselho do pastor e por necessidade, sem fazer disto uma leígeral, nos nao o condenaríamos"

(Briefwechsel VIII641).

conforme á leí divina, pois contra Deus nao há dispensa que valha

Todavía cuide o príncipe de que seu caso nao chegue ao conheci- mento do público como se se tratasse de uma leí geral, porque nao há lei,

mas apenas uma dispensa particular; e pense no escándalo que os ini-

migos do Evangelho proclamaráo, assemelhando os evangélicos aos

anabatistas (que em Münster no ano de 1534 proclamaram a poligamia); diráo que os evangélicos pretendem tomar quantas mulheres queiram, á

semelhanca dos turcos. Lutero recorda ainda ao príncipe que a sua atual esposa Ihe deu tantos filhos formosos; contente-se, pois, com ela, como

fazem outros muitos homens casados, evitando o escándalo.

"Mas, se Vossa Alteza está definitivamente resolvida a tomar uma

segunda esposa, o nosso parecer é que isto deve ficar secreto, como

dissemos, de modo que somente Vossa Alteza e sua esposa, com mais

algumas pessoas de confianga, conhegam o ánimo e a consciéncia de

Disto nao

Vossa Alteza como em segredo de confissáo (Beichtweiss)

se seguiráo confabulagóes e escándalos, porque nao é raro que os prín cipes tenham concubinas lei de Moisés estabeleceu sobre o matrimonio nao é proibido pelo Evan

gelho, que nao veio mudar o regime das coisas externas, mas sim trazer

justiga e vida eterna.

Eis ai o que nos temos porjusto, pois o que a

Aqui tem Vossa Alteza nao somente nosso testemunho (unser

Zeugnis) para este caso de necessidade, mas também nossa admoesta- gáo, que Vossa Alteza, como louvável e sabio príncipe cristáo, saberá

ponderar

Dado em Wittenberg, na quaría-feira seguinte a Sao Nicolau 1539.

De Vossa Alteza dóceis súditos e servidores Martinho Lutero, Filipe

Melancton e Martinho Bucerius".

Esta dispensa secreta foi dada para que Filipe de Hessen nao dei-

25

"PERGUNTE E RESPONDEREMOS" 452/2000

26

xasse de apoiar a reforma luterana e nao recorresse ao Imperador Carlos

V "de fé papística, cardinalístlca, Italiana, espanhola e sarracena". A au-

torizacáo nao teria sido concedida a qualquer pessoa de categoría social

Inferior, pois nao interessaria contradlzer táo flagrantemente ás normas do Novo Testamento, que é evidentemente contrario á bigamia (como Ihe

é contraria também a leí natural). Lutero justificarla, em última Instancia,

seu gesto de liberalidade, alegando que o matrimonio nao é sacramento,

mas "algo de terreno", que nada tinha a ver com a fé.

Munido do consentimento religioso, Fllipe de Hessen dirigiu-se á

sua esposa Cristina e obteve a aprovacáo da mesma para o passo que

tenclonava dar. Na verdade, Cristina, pouco expedente, deixara-se en

gañar e, sem saber exatamente de que se tratava, assinou um documen to aprovando os anseios de seu marido, aconselhado alias por teólogos do próprio país e do estrangeiro. Celebrando novas nupcias, estaría ele

agindo de boa consciéncia, além do qué prometía continuar a amar Cristina

e sempre respeitar os direltos de heranca de seus filhos.

Filipe apressou-se em celebrar as nupcias

Tiveram lugar aos 4

de margo de 1540 no castelo de Rothenburg, estando presentes Bucer,

Melancton, Ana, a mae da noiva, e outros quatro conselheiros do Prínci

pe; o eleitor da Saxónía fez-se representar pelo casteláo de Wartburg Eberardo de Tann. Oficiou a cerímónla "segundo o dever de seu oficio", o pregador da corte Dionisio Melander, antigo frade dominicano, duas ve-

zes divorciado e entáo casado em terceiras nupcias.

A flm de guardar o segredo, Fllipe escondeu sua segunda esposa,

muito jovem, no castelo de Wilhelmhóhe, e passava longas horas ao seu

ladocom a conscléncia tranquila e prazerosa. Foi o que elecomunlcou a

Lutero no dia 5 de abril de 1540: dlzia já poder trabalhar em favor do

Evangelho com mals consolo, pois antes nao podia viver cristámente.

"Desde a guerra dos camponeses nao me aproximel dos sacramentos a

nao ser urna vez, quando estive enfermo; mas nesta última Páscoa ful

com alegre consciéncia e recebi publicamente na paróquia o corpo e o

sangue do Senhor".

Pouco depois, em sinal de gratldáo, envlou a Lutero um barril de

vlnho do Reno. Isto chegou ao conhecimento do administrador de Lohra, que referiu a todos os camponeses de sua regiáo que Filipe de Hessen

havia contraído um segundo casamento com a aprovacáo de Lutero e

que tal era a razáo do presente.

O príncipe, enfurecido, lamentou-se junto a Lutero, dizendo: "Mi- nha irmá, raivosa, nao soube calar-se". Na verdade, Isabel de Rochlítz

nao hesltou em censurar a conduta de seu irmáo, quando este Ihe comu- nicou ofato realizado; chorando e gritando, elavituperou Bucer e Lutero.

26

BIGAMIA E CRISTIANISMO

27

A própria máe da segunda esposa, Ana de Saale, confessou ao duque

Henrique da Saxónia todo o ocorrido e como ela mesma assistira as bo

das. O duque, embora se tivesse passado para a causa da reforma, nao

pode deixar de lamentar amargamente o fato. Assim a escandalosa noti

cia percorreu rápidamente toda a Alemanha, encontrando a resistencia

de muitos que nao Ihe queriam dar crédito.

Aos 9 de junho de 1540, Justo Joñas escrevia a Jorge de Anhalt:

"¡menso é o rumor (ingens fama), provocado por nao sei quem,

segundo o qual o ilustríssimo príncipe - Deus nao o permita! - se tornou

Ó incrível escándalo! Cremos que essa mulher de que se

polígamo

fala, nao é esposa, mas concubina oculta". E á margem acrescentava:

"Filipe Melancton está muito perturbado, e o dr. Martinho Lutero muito pensativo".

Filipe de Hessen, vendo que seu segundo casamento causava tan

to escándalo e tantos protestos, desculpou-se junto a Lutero, dizendo-

Ihe que fora sua irmá a primeira a descobrir o que era secreto, e suplica- va ao reformador que escrevesse urna carta ao duque Henrique da

Saxónia e aos pregadores de Hessen, explicando-lhes que a dispensa fora concedida dentro do máximo sigilo.

Lutero, porém, no dia seguinte, 10 de junho, escreveu ao eleitor da

Saxónia, primo do duque, queixando-se da publicidade que fora dada a

tal assunto e acrescentava:

"Sei que no caso do príncipe fostes molestado injustamente pela corte de Dresden. Se Filipe (Melancton) e eu nao quisemos informarpes- soalmente Vossa Alteza a propósito, isto se deve ao fato de que o consi- derávamos como assunto de confissáo (ais eine Beichtsache), que exi

ge segredo. Se o príncipe nao o tivesse revelado, nao teña havido esses dissabores e escarnios. Agora repito que, se no dia de hoje me ocorresse

outro caso igual, eu nao saberia aconselharde outra maneira

Mas, se

eu tivesse sabido que o príncipe durante muito tempo tinha satisfeito as

suas necessidades sexuais com outra mulher - com a de Eschweg, se

gundo estou agora informado - ninguém, nem mesmo um anjo, me teña

levado a daraquele conselho. Eu atendí á inevitável necessidade do prín

cipe, á sua fraqueza e ao perigo de sua consciéncia, conforme me expós

Bucer" (Briefwechsel IX 133-134).

Com outras palavras: Lutero jamáis teria aconselhado ou permitido

a Filipe de Hessen as nupcias secretas com urna jovem da nobreza como

era Margarida de Saale ("coisa insuportável a todo o Imperio"), mas té-lo-

ia induzido a ter em sua casa ocultamente, como esposa secreta ou como concubina, urna honrada jovem de condicáo mais humilde.

27

"PERGUNTE E RESPONDEREMOS" 452/2000

28

A sítuacáo de Filipe de Hessen se foi agravando, de modo que Lutero e seus teólogos, de um lado, e Filipe de Hessen, de outro lado, se

viram num impasse. O reformador sugería a Filipe que declarasse em

público que Margarida de Saale nao era a sua esposa. A ata do matrimo

nio realizado deveria ser substituida por outro documento, em que Mar

garida aparecesse como simples concubina de Filipe.

O príncipe, porém, nao aceitava essa proposta mentirosa; protes-

tou, indignado, contra aqueles que Iha apresentavam. Em última instan

cia, Filipe teria sempre em seu favor um expediente: mostrar a carta da

dispensa concedida pelos maiores teólogos evangélicos: Lutero,

Melancton e Bucer, intérpretes da S. Escritura.

Do lado de Lutero e seus seguidores, havia o receio de que, se nao

se fizesse o que Filipe quería, reconhecendo a verdade, o príncipe retira

ría seu patrocinio á reforma - o que seria um duro golpe para a mesma,

pois era um dos seus mais destacados esteios no plano político.

Para resolver o impasse, foi convocada urna assembléia de teólo gos em Eisenach. Lutero tomou parte dessa reuníao, e com violentas

palavras condenou a poligamia, embora reconhecesse que, em casos

particulares, se podiam admitir excecóes em favor da bigamia. É de no

tar ainda que a Lei Carolina de 1532 no Imperio Alemáo condenava os

bigamos e adúlteros á decapitacáo.

Lutero insistía em manter a sua posicáo: a poligamia, dizia, é ina-

ceitável conforme o Novo Testamento, mas tolera-se urna excecáo legal

em favor de Filipe de Hessen. Escrevera a J. Feige, apregoando que

Filipe negasse estar casado em segundas nupcias, pois o que em segre-

do é Sim, em público pode ser Nao (Briefwechsel IX 178).

Por conseguinte, Filipe aceitaría a mentira oficiosa. Sao palavras

pública referente ao casamento com Margarida de Saale, "deve o príncipe responder: Nao". "O mundo nao se afundará por

que alguém, visando a um bem maior e por causa da Igreja Crista, diz

urna boa e grossa mentira"1. Diante da insistencia dos delegados de Fili pe, que queriam que Lutero declarasse em público haver dado a dispen

sa, Lutero retomou sua fórmula: "Urna mentira necessária, urna mentira

útil, urna mentira que nos livra de apertos, urna tal mentira, nao sendo

contra Deus, Lutero a assume em consciéncia"2.

Por conseguinte, Fílípe deveria guardar em casa a sua segunda

esposa, e dizer em público que era sua concubina, pois confessar se-

1 "Was were es ob einer schon umb bessers und der christlichen Kirchen eine gudte

de Lutero: á pergunta

stargke Lugen thet" (Briefwechsel 1375, edigáo de M. Lenz). 2 "Ein Notlugen, ein Nutzlugen, Hilflugen, solige Lugen zu thu, wer nicht widder Got,

die volt er auffsich nemen" (M. Lenz, Briefwechsel 1375).

28

BIGAMIA E CRISTIANISMO

29

gundas nupcias era condenado pela lei civil. Tal foi a última resposta de

Lutero.

Ao termo da assembléia escrevia Lutero ao chanceler G. Brück:

"Aconselho e pego humildemente ao meu senhor o landgrávio (prín

cipe) o que desde o inicio Ihe aconselhei e sempre ¡he pedi, e o fago :

retire e esconda em seu rincáo esse negocio

agora pela última vez

referente ao seu matrimonio, porque defendé-lo em público como legal é

impossível, como ontem expliquei

Nosso conselho nao foi publicum

consilium e se tornará nullum per publicationem

Meu ilustre senhor

epríncipe queira considerarqueja Ihe é bastantepossuirsecretamente a jovem, guardando boa consciéncia devida á nossa dispensa, dispensa

concedida em confissáo" (Briefwechsel IX 184).

Em conclusáo: os fatos falam por si mesmos e evidenciam o desa

tino do reformador premido por interesses religiosos e políticos, que nao

se podiam conciliar entre si.

Teologia Moral, porFreiNiloAgostiniOFM. - Ed. Vozes, Petrópolis

1999, 135 x 205mm, 275pp.

O autor é doutor em Teologia pela Universidade de Ciencias Hu

manas de Estrasburgo (Franca) e professor em algumas instituicóes teo

lógicas do Brasil. O volume de Teologia Moral que entrega ao público, destinase a estudantes de Teologia como também a sacerdotes e leigos.

Oferece sempre urna visáo da historia e do contexto atual de cada tema

tornándose assim um

), rico manancial de informagóes. Notase, porém, que essa variedade de informagóes contribuí para encobrir, por vezes, a auténtica posigao da

Moral católica; o autor parece um tanto tímido ao propor o pensamento

católico; tenhase em vista especialmente o tratado do pecado, onde se ria necessário abordar com mais clareza as nogóes de pecado leve ou venial, pecado grave ou mortal e pecado contra o Espirito Santo; verp.

148. Verdade é que o autor cita freqüentemente os documentos da Santa

Sé, inclusive o Catecismo da Igreja Católica. - Um pormenor que chama a atengáo: Frei Nilo dá fácil crédito as estatísticas que enunciam elevado número de abortos cometidos no Brasil (p. 142), quando se sabe que urna das estrategias abortistas consiste em apresentar exagerados e ir- reais números para impressionara opiniáo pública; ver a propósito a re- lagáo de estrategias abortistas confeccionada pelo Dr. Dernival da Silva

Brandáo na coletánea intitulada Vida dos Direitos Humanos, pp. 32-17

(Sergio Antonio Fabris Editor, Caixa postal 4001, 90001-970 Porto Ale gre, RS). - Em sintese, o livro é útil, desde que o leitor saiba perceber

plenamente o que o autorexprime tímidamente.

da Teologia Moral (pecado, sexualidade, morte

29

A IURD:

FARSA E PARAÍSOS FISCAIS

A imprensa tem divulgado noticias a respeito da Igreja Universal

do Reino de Deus que merecem ser reproduzidas, pois podem ser tidas

como fidedignas.

1. A FARSA

O jornal diario "O LIBERAL" da cidade de Americana (SP), em sua

edicáo de 11 de setembro de 1999, página 04, publicou quanto segué:

Farsa em exorcismo é denunciada

Rapaz de 21 anos disse ter sido pago para fingir que estava possuído

Cristian Eduardo Barbosa

Sem emprego, chele de familia, 21 anos e com um filho. As carac

terísticas sao de Paulo (nome ficticio, pois ele teme represalias) que, em

busca de urna solugáo sobrenatural para problemas do cotidiano, conhe- ceu um lado obscuro da religiáo. Ontem a tarde, ele revelou ter sido utili zado durante urna sessáo de exorcismo na Igreja Universal do Reino de

Deus, em Americana. Para simular estar sendo possuído por demonios,

teña recebido R$ 50,00. O tato ocorreu há quatro meses e Paulo disse ter deixado de comunicado antes por medo de represalias.

"O pastor me disse que, se eu contasse a alguém, meu corpo, o da

minha mulher e a minha casa pegariam fogo", disse. O jeito simples é

visto ñas roupas e observado em suas palavras. Determinado a revelaro

fato - mesmo vigiado por sua esposa, que teme por atitudes contra o

marido e sua familia - Paulo mostrou-se indignado. "O povo acredita nis- so. Tem muita gente que dá ali o dinheirínho que tem". Ao recordar a

sessáo de exorcismo, disse que tudo durou aproximadamente 30 minutos.

Paulo explicou que, ao chegará igreja, em urna sexta-feira, foipro

curado por um dos pastores. "Ele perguntou o que eu quería, me levou a

urna sala e disse que poderla resolver meus problemas", comentou. Em seguida, teña recebido R$ 50,00 e a orientagáo para que fingisse estar

endemoniado durante as oragóes. "Ele me disse que, caso me pergun-

tassem, teña de dizer que meu nome era Zé Pilintra e que quería me

destruir", salientou.

Forga - Paulo disse aínda que o pastor o teña orientado a usar

toda sua forga para empuñar e chutar quem tentasse segurá-lo e, até mesmo, alterara voz. "Fizissoporque estou desempregado e precisava do dinheiro", afirmou, acrescentando que continuou freqüentando cultos

30

FARSA E PARAÍSOS FISCAIS

por mais alguns meses antes de deixar a igreja. "Quería ver até onde

iriam com isso".

Católico de nascimento, Paulo afirmou que nao é mais ligado á

religiáo e que o fato ocorrido na Universal o teña deixado ainda mais desacreditado em relagáo as igrejas. "Sigo somente a Deus". Ressaltou

que nao eré que todas as denominagóes religiosas utilizem o mesmo ar

tificio de produzir falsos endemoniados. "Estou apenas talando sobre algo que vi lá dentro", salientou, referindo-se a igreja na qual teña ocorrido o

falso exorcismo.

O pastor auxiliar Élvio, responsável na tarde de ontem pelo templo

da Universal ñas proximidades da Feira Industrial de Americana (Fidam),

foiprocurado por O Liberal, mas nao quis falarsobre o assunto.

Policía - O delegado assistente da Delegada Seccional de Ameri

cana, ClaudineyAlbino Xavier, disse que nao poderla comentar o caso

com poucas informagóes. "¿preciso analisar qual era o objetivo do ato",

observou, sobre a possibilidade de se tratar de crime de charlatanismo (exploragáo da boa-fé pública), previsto no artigo 283 do Código Penal. Ele destacou que Paulo -porsuaspróprías declaragóes - também teña participado do possível falso exorcismo. Segundo Xavier, nao há muitos casos registrados pela política da regiáo referindo-se a charlatanismo e curanderismo. "Geralmente as pessoas que fazem parte das igrejas nao

falam nada", lembrou.

2. Paraísos Fiscais

A "FOLHA DE SAO PAULO", edicáo de 18 de julho de 1999, cad. 1,

página 12, noticia o seguinte:

Record tem firmas em paraísos fiscais1

Elvira Lobato

da Sucursal do Rio

A Igreja Universal do Reino de Deus tem empresas em paraísos

fiscais que bancam parte de seus investimentos no Brasil. Depois de um

mes de investigagáo, a Folha comprovou a existencia de duas empresas

no exterior: Investholding e Cableinvest. Ambas estáo ativas há mais de

sete anos.

1 "Paraíso fiscal" é o nome dado a Bancos que no estrangeiro recebem dinheiro de

empresas adquirido por vias espurias e mandado clandestinamente para fora do

país de origem para ser "lavado". Tais Bancos isentam o depositante de taxas que

ele pagaría se deixasse o dinheiro em seu país de origem. As quantias voltam a tal

paíscomo dinheiro "emprestado"porurnasociedade que "desejaauxiliar"oproprie-

tário de tal importancia. (Nota da fíedagáo)

31

"PERGUNTE E RESPONDEREMOS" 452/2000

32

As duas empresas remeterán) pelo menos US$ 18 milhóes para o

Brasil, entre 1992 e 1994. O dinheiro entrou no país via Uruguai, onde os dólares eram trocados por moeda brasileira. A TV Record do Rio foipaga

com "empréstimos" dessas empresas.

A Investholding está registrada em Grand Cayman (Ilhas Cayman,

no Caribe), enquanto a Cableinvest tem registro na pequeña ilha de Jersey (Channei Islands), no Canal da Mancha. As ilhas sao paraísos fiscais do

Reino Unido.

Os paraísos fiscais garantem sigilo as empresas que se instalam em seus territorios e, por isso, sao procurados pelos que querem legali zar dinheiro obtido ou remetido irregularmente para o exterior.

Também acolhem subsidiarias de grandes corporagóes, interessa-

das em pagar menos impostos em seus negocios internacionais

Segundo a Junta Comercial de Sao Paulo, a Investholding e a

Cableinvest sao representadas no Brasil por Alba María Silva da Costa e Osvaldo Sciorilli, executivos da Universal em Sao Paulo.

Investholding e Cableinvest sao sócias da Unimetro Empreendi- mentos, que a Universal usa para administrar imóveis. Ou seja, imóveis comprados pela igreja sao, pelo menos em parte, pagos com dinheiro

vindo de paraísos fiscais, difícil de ser rastreado.

Entre os demais socios da Unimetro estáo os bispos Honorilton

Gongalves (presidente da Rede Record), Joáo Batista Ramos (presiden

te da Rede Familia e da Rede Mulher), Marcelo Crivella e Sergio Von

Helde - que ficou famoso por ter chutado a imagem de Nossa Senhora Aparecida naTVe hoje vive na Colombia.

De acordó com o Banco Central, a Investholding é também acionis-

ta da financeira Credinvest - Crédito, Financiamento e Investimento, de

Sao Paulo, que igualmente pertence á Universal.

A empresa de Cayman tem 46% do capital total da financeira. O se gundo maior socio da Credinvest é o pastor e deputado Odenir Laprovita

(PPB-RJ), com 25% do total. Os demais sao pastores e bispos da igreja.

Vieira

Em entrevista á Folha, em seu gabinete, no Rio, o deputado mos- trou-se confuso ao ser perguntado sobre a origem da Investholding. De

inicio, disse, convicto, que a empresa é da Universal, mas, em seguida,

ficou reticente: "É. Acho que é. Nao tenho certeza se é ou nao é", declarou.

A Investholding e a Cableinvest sao acionistas indiretas de urna

outra empresa da Universal, a Cremo Empreendimentos, cuja atividade,

definida na Junta Comercial de Sao Paulo, éade prestar "servigos auxi

liares a empresas, pessoas e entidades".

32

FARSA E PARAÍSOS PISCÁIS

33

A Cremo funciona no mesmo local (um edificio de 12 andares na

Alameda Ministro Rocha Azevedo 395, Jardins, em Sao Paulo) da Credinvest e da Rede Familia. Seus socios diretos sao o bispo Joáo Batista Ramos e a Unimetro, da qual Investholding e Cableinvest fazem parte.

A empresa Cremo importou o jato (Citation 525, da Cessna) usado

pelos executivos da TV Record. A transferencia da aeronave para a TV Record foi feita em 97, segundo confirma o DAC (Departamento de Avia- gao Civil). A transagáo foi registrada em cartório por R$ 2,5 milhóes.

Record do Rio

Supostos empréstimos da Cableinvest e da Investholding justificaram a origem do dinheiro empregado na compra da TV Record do Rio, canal 13.

A emissora foi adquirida em nome de seis membros da Universal,

que nao tinham patrimonio para comprar sequer urna radio.

A TV (que, na época, se chamava Radio Difusora Ebenezer) per-

tencia ao pastor Nilson do Amaral Fanini, da Primeira Igreja Batista de

Niterói (RJ), e ao empresario e ex-deputado federal Mudo Athayde

A compra foi feita em nome de Alba Mata Silva da Costa, Claudemir

Mendonca de Andrade, José Fernando Passos Costa, José Antonio Alves Xavier, Márcio de Araújo Lima e Joáo Monteiro de Castro dos Santos, que freqüentavam o templo do bairro da Aboligáo, na zona norte do Rio.

De acordó com as certidóes, eles se comprometeram em pagar

Cr$ 18,8 milhóes (cerca de US$ 11,7 milhóes) em 15 parcelas mensais

pela emissora e aínda assumiram dividas da empresa.

No total, a TVcustou US$20 milhóes, segundo confirma o superin tendente da Rede Record, Dermeval Gongalves.

Xavier, um dos seis socios, disse á Folha que só emprestou seu

nome para a operagáo. "Eu nao sei como foi feita a transagáo. Só fui lá convidado pelo deputado Laprovita Vieira", disse.

Desde que seu nome apareceu em reportagens do jornal "O Glo bo", em 1996, como testa-de-ferro da Universal, Xavier passou a viver

urna semi-clandestinidade.

Foi multado em R$ 2,5 milhóes pela Receita Federal por sonega-

gáo de Imposto de Renda e o processo já está em fase de execugáo

judicial. Vive como vendedor autónomo de carros usados em Cabo Frío

(regiáo dos Lagos, litoral do Estado) e nao tem telefone.

Empréstimo

Para justificar a origem do dinheiro, foi simulado o empréstimo ex

terno da Cableinvest e da Investholding, em parcelas correspondentes

33

"PERGUNTE E RESPONDEREMOS'452/2000

34

as notas promissórías para o pagamento da TV.

O jornal teve acesso a 54 contratos de mutuo, ou empréstimo, da

Investholding e da Cableinvest para os membros da Universal que com-

praram a Record do Rio. Há mais 21 contratos de empréstímos a outros membros da igreja em poder do jornal.

A solugáo arquitetada pela igreja foia mesma usada pelo ex-presi-

dente Fernando Collor, para explicar o pagamento de despesas perante

a Comissáo Parlamentar de Inquérito que acabou por afastá-lo do gover-

no, em 1992. Collor disse terobtido empréstimo de urna empresa do Uru-

guai,país que também éparaíso fiscal.A montagem ficouconhecida como "Operagáo Uruguai".

Os contratos da Investholding diziam que os representantes da igreja na operagáo receberiam o dinheiro em cheques administrativos do Ban

co Holandés Unido, atual ABN Amro Bank.

Eles se comprometiam a quitar o empréstimo em cinco anos, corrí-

gido pelo IGPM (índice Geral de Pregos de Mercado, da Fundagáo Getú-

lio Vargas), mais juro de 0,5% ao mes.

Os contratos da Cableinvest nao identificavam o Banco pelo qual

seria remetido o dinheiro. Diziam apenas que opagamento seriaporche

ques administrativos.

Todos os contratos foram supostamente assinados no Rio e as datas

foram colocadas por carimbos. As assinaturas dos seis representantes da igreja conferem com as existentes nos documentos arquivados na

Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro. Já as assinaturas dos repre

sentantes da Cableinvest e da Investholding sao iguais e incompreensíveis.

Os contratos foram autenticados fora do Brasil. A autenticidade foi

atestada pelo notario público J.J.R. Jonhson, de Jersey (Channel Islands,

Reino Unido), conforme selo colocado no final de cada documento.

A certif¡cacao no exteriorpermitiría á Universal entrar com agáo de

cobranga no Brasil, caso os seis "compradores" resolvessem assumir a posse efetiva da emissora, o que nao se confirmou. A partir de 1996, as

cotas foram transferidas para os bispos da cúpula da igreja.

Em suma, diz a noticia, o dinheiro da Igreja Universal foi clandesti

namente enviado para as ilhas Cayman, no Caribe e para a ilha de Jersey,

no canal da Mancha, e depositado em Bancos que dispensavam a IURD de pagar taxas que seriam cobradas no Brasil; as grandes quantias poderi-

am sugerir suspeitas do Fisco. O dinheiro volta ao Brasil através do Uruguai

(onde há empresas coniventes com tal lavagem de dinheiro)

se fosse dinheiro emprestado para financiar a compra da TV Record do Rio

ou de alguma das 21 emissoras de TV possuídas pela Igreja Universal.

34

e voltou como

Respondendo aos irmáos

"SERÁ MESMO CRISTAO

O CATOLICISMO ROMANO?"

por Hugh P. Jeter

Em síntese: Eis mais um livro de orígem protestante que visa a atacar a Igreja Católica de maneira sectaria ou preconceituosa, com distorgao da verdade. O artigo abaixo se detém sobre alguns tópicos das objegóes levantadas e mostra a sua inconsistencia.

*

*

*

Hugh P. Jeter escreveu um livro, que, entre muitos outros, procura

impugnar a Igreja Católica, seu Credo e sua historia. Intitula-se: "Será

mesmo cristáo o Catolicismo Romano?". A Redacáo de PR recebe vari

os escritos de tal natureza por parte de pessoas que pedem urna respos-

ta as objecóes levantadas. A nossa Redacáo já tem escrito repetidamen te sobre tais assuntos: como quer que seja, ñas páginas seguintes seráo focalizados alguns aspectos dos mais representativos do livro de H. Jeter

e de escritos congéneres. De modo geral pode-se dizer que tais obras se

caracterizam por

- alusóes falsas ou preconceituosas á Igreja. Os autores armam

um fantoche nao católico e atiram nele, tencionando atacar a Igreja Católica;

- citacáo parcial da Biblia, pondo em relevo apenas os textos que

correspondem ao pensamento do autor e omitindo os demais;

- tom proselitista dissimulado sob o aspecto de querer bem ao ir-

máo católico.

1. A Igreja

Da p. 11 á p. 24 H. Jeter trata da Igreja. Eis algumas de suas afir-

macoes:

1) Ao referir-se a Mt 16, 13-18, Jeter escreve:

"Existe urna diferenga entrepetros (pedro) e petra. Petros signifi

ca 'umpedago macigo depedra'. Parece que o Senhor estava usando um

jogo de palavras e dizia o seguinte: 'Pedro, tu és urna pequeña pedra,

mas sobre esta pedra maciga eu construiré! minha igreja'" (p. 13).

A propósito o autor parece esquecer que Jesús nao falou em gre-

35

"PERGUNTE E RESPONDEREMOS" 452/2000

36

go, mas em aramaico. Se em grego o trocadilho é falho, em aramaico ele é exato, pois versa sobre Kepha máo para Kepha em Jo 1, 42, preparando assim, desde a vocacáo de

Kepha. Jesús mudou o nome de Si-

Pedro, a promessa de primado que Ihe faria em Mt 16, 18. - De resto,

está averiguado que é mais fácil entender o texto do Evangelho traduzido

do grego para o aramaico (língua de Jesús e dos primeiros pregadores) do que o texto grego canónico. Outro exemplo seria o uso de adelphoi

em grego, palavra que traduz o aramaico 'ah, cujo significado é mais

ampio do que o do grego adelphoi (irmáos).

O autor H. Jeter nos diz que o Novo Testamento só conhece um

fundamento da Igreja: o Cristo Jesús, mencionado em 1Cor 3,11. - Ob

o Senhor que disse ser a luz do mundo (cf. Jo 8,

servemos contudo que

12; 9,15; 12,46), atribuí o mesmo título aos seus discípulos (cf. Mt 5,14):

por meio de Pedro, e mais fundo que Pedro, Cristo fica sendo a Rocha, o

fundamento invisível da Igreja. É esse mesmo Jesús que "possui a chave

de Davi, que abre de modo que ninguém fecha, que fecha de sorte que

ninguém abre" (Ap 3, 7). Em Cristo e em Pedro, portanto, residem análo gos poderes (designados pelas mesmas metáforas); é de Cristo que eles

dimanam para o Apostólo, de sorte que este vem a ser o Vigário ou Re

presentante de Jesús na térra.

O texto de Mt 16,13-19 é muito claro em favor do primado de Pe

dro. Jeter o impugna e nao cita dois outros textos que corroboram o mes

mo primado:

Le 22,31 s: "Simáo, Simáo, eis que Satanás pediu insistentemente

para vos peneirar como trigo; eu, porém, rogueiporti, a fim de que tua fé

nao desfalega. Quando te converteres, confirma teus irmáos".

Jo 21,15-17: "Jesús disse a Simáo Pedro: 'Simáo, filho de Joáo, tu

me amas mais do que esses?' Ele Ihe respondeu: 'Sim, Senhor, tu sabes

que te amo'. Jesús Ihe disse: 'Apascenta as minhas ovelhas'. Pela se

gunda vez Ihe disse: 'Simáo, filho de Joáo, tu me amas?'. 'Sim, Senhor',

disse ele, 'tu sabes que te amo'. Disse-lhe Jesús: 'Apascenta as minhas

ovelhas'. Pela terceira vez disse-lhe: 'Simáo, filho de Joáo, tu me amas?'. Entrísteceu-se Pedro porque pela terceira vez Ihe perguntara: 'Tu me

amas?' e Ihe disse: 'Senhor, tu sabes tudo, tu sabes que te amo'. Jesús

Ihe disse: 'Apascenta as minhas ovelhas'".

O fato de que Pedro e sucessores seus foram fracos do ponto de

vista moral indica bem que nao é o homem quem rege a Igreja, mas é Cristo mediante os homens que Ele quer escolher e que sao meros ins

trumentos do Senhor. Este governa a Igreja prolongando, de certo modo,

o misterio da Encarnacáo, isto é, utilizando a precariedade humana como

canal de graca e salvacáo.

36

37

"SERÁ MESMO CRISTÁO O CATOLICISMO ROMANO?"

2) Á p. 15 escreve H. P. Jeter:

"Se a Igreja Católica é infalível em doutrina, por que entáo através dos séculos tantas doutriñas tém sidomudadas e outras acrescentadas?

Por queja nao sao ensinados os poderes temporais da igreja como enumerados por Pió IX? Por que já nao se pratica a inquisigáo? Por que deixaram o ensino acerca do limbo desde o Concilio Vaticano II? Porque

foram acrescentadas mais algumas coisas ás doutrinas e práticasjá apro- vadas:a transubstanciagáo (1215d.C), a confissáoauricular(1215d.C),

a do purgatorio (proclamada em 1438 d.C), a infalibilidade papal (1870 d.C), a imaculada conceigáo de María (1854 d.C.) e a ascensao de María

(1950 d.C.)?".

Em resposta dir-se-á:

- O poder temporal da Igreja nao é artigo de fé. Trata-se de um

fator contingente, que contribuí para o livre exercício da missáo pastoral do Papa; nao subordinado a um poder civil, pode ele mais

desimpedidamente cumprir sua tarefa de Pastor Universal.

- A Inquisigáo também nunca foi materia de fé. Era tida como um

dever de consciéncia dos cristáos medievais, que nao podiam conceber urna sociedade pluralista como ela é hoje; nem os maiores Santos da

Idade Media protestaram contra ela. Quanto á Inquisicao de Espanha e

Portugal, a partir do século XV, tornou-se mais e mais o joguete dos mo narcas que assim desejavam unificar a populacáo de seu país, á revelia mesmo das ¡ntervencoes da Santa Sé.

A doutrina do limbro nunca foi declarada artigo de fé. Tornou-se

doutrina comum a partir de S. Anselmo de Cantuária (t 1109). Hoje em dia a Teología propóe outro modo de encarar a sorte das criancas que

morrem sem Batismo.

- A transubstanciagáo é a conversáo do pao e do vinho no Corpo e

no Sangue de Cristo, de acordó com as afirmacóes do próprio Jesús em

Jo 6, 51-58; Mt 26, 26-28; Me 14, 23-24; Le 22, 19; 1Cor 11, 23-25. A

fidelidade á Biblia, que os protestantes tanto professam, exige que se

entendam as palavras do Senhor em todo o seu realismo, como foram

entendidas durante dezesseis séculos e até hoje sao entendidas tanto

por católicos como por orientáis ortodoxos.

- A confissáo auricular é praxe fundamentada no próprio Evange-

Iho, onde Jesús transmite aos Apostólos o poder de perdoar os pecados

(cf. Jo 20, 22s). Para poder exercer a facüldade de perdoar ou nao per

doar em nome de Cristo, deve o ministro poder avaliar o estado de alma do penitente - o que só é viável se este manifesta o que Ihe vai no íntimo.

37

"PERGUNTE E RESPONDEREMOS" 452/2000

38

- A crenca na existencia do purgatorio, longe de ter sido aceita em

1438 (por que tal data?), remonta ao século II a.C, como a professa 2Mc

12, 39-45. É de notar que Lutero nao quis reconhecer como canónico

este livro da Biblia dos cristáos; eliminou-o do catálogo sagrado.

séculos,

- A infalibilidade papal é professada desde os primeiros

nao com a clareza de que goza em nossos dias, mas de maneira tal que os historiadores a identificam no decorrer dos séculos. Vejam-se os tes- temunhos em PR 264/1982, pp. 396-400.

- A Imaculada Conceicáo de María é deduzida do fato de que Ma

ría, chamada a ser a Máe de Deus feito homern, nao pode ter estado alguma vez sujeita ao pecado. Tal verdade de fé nao é explícitamente

enunciada nos Evangelhos, porque estes nao foram escritos para relatar

traeos de Mariologia; María ai aparece táo somente como a Máe de Je

sús, que é a figura central do texto sagrado. Todavía a Tradicáo oral pro-

fessou tal artigo de fé.

- A Assuncáo (nao ascensáo) de Maria é conseqüéncia da Vitoria

de Maria sobre o pecado: aquela que nunca esteve sob o dominio do

pecado, nao podía ficar ñas garras da morte, que, como refere Sao Paulo (Rm 5, 12-17), resulta do pecado dos primeiros pais.

3) Ás pp. 15s escreve H. P. Jeter:

"Se a Igreja Católica é infalível, por que Mussolini, sendo católico,

invadiu a Etiopia? Por que existiu a inquisicáo em países como Espanha e Portugal, que se dizem católicos? Por que espanhóis e portugueses

nao queriam permitir que suas colonias se emancipassem? Por que proibi- ram aos leigos a leitura da Biblia e em outras épocas a recomendaram?"

A resposta a tais questóes nao é difícil, como se depreenderá:

- Mussolini nao invadiu a Etiopia a mando da Igreja Católica. Em-

bora seja filho da Igreja, um católico pode errar: o próprio Senhor Jesús

predisse que no seu campo haveria trigo e joio; Ele nao quer que se

arranque o joio antes do fim dos tempos. O Papa últimamente tem pedi

do perdáo pelos pecados dos filhos da Igreja infiéis á sua Santa Máe.

Distingamos entre pessoa e pessoal da Igreja; a pessoa é a Igreja en-

quanto vivificada pelo Cristo ou como Esposa sem mancha nem ruga (Ef 5, 27); o pessoal da Igreja sao os filhos da Igreja, nem sempre dóceis

aos ensinamentos de sua Máe. - A propósito ver PR 434/1998, pp. 303-

307 (apresentacáo do livro de Luígi Accattoli: Quando o Papa pede per dáo).
307
(apresentacáo do livro de Luígi Accattoli: Quando o Papa pede per
dáo).

- Sobre a Inquisicáo já foi dito algo neste artigo. É de notar que na

península ibéricaa Inquisicáofoimuito manipulada pelos monarcas, dese-

38

39

"SERÁ MESMO CR1STÁO O CATOLICISMO ROMANO?"

josos de eliminar de seus territorios judeus e muculmanos. A Inquisicáo Espanhola, extinta no comeco do século XIX, era dita "Inquisicáo Regia".

- Nenhum dos países colonizadores yiu com prazer a

descolonizacáo de suas posses na África ou na Asia. As razóes para

tanto eram complexas. Tal atitude nao afeta a infalibilidade da Igreja.

- Quanto á leitura da Biblia, observe-se quanto vai dito no artigo de

PR 451/1999, pp. 547SS.

4) Á p. 16 pondera Hugh P. Jeter:

"Durante varios sáculos, a missa foi celebrada somente em latim. Desde o Concilio do Vaticano II pode ser celebrada na linguagem do

povo, embora saibamos que houve urna forte objegáo a esta mudanga.

Se anteriormente era algo sacrilego, por que agora deve ser aceito?"

- A pergunta parece ignorar que há certas leis que devem ser peri

ódicamente revistas e reformuladas, pois toda leivisa a promover o bem

comum da sociedade ñas sucessivas situacóes por que os homens pas-

sam. No tocante á língua da celebracáo eucarística, foi o vernáculo (la

tim) na antigüidade; o latim ficou sendo o idioma culto até o fim da Idade

Media. No século XVI os reformadores protestantes pleitearam o uso do vernáculo, que naquelas circunstancias foi rejeitado pela Igreja Católica,

pois havia o risco de que o vernáculo se tornasse veículo de teses pro

testantes infiltradas sorrateiramente na Liturgia. Em nossos días tal peri-

go já nao existe; daí a permissáo de se celebrar a Missa em vernáculo.

Tais fatos nao afetam artigos de fé ou de Moral.

5)Áp. 18lé-se:

"É bom salientar que o conceito evangélico de santo éode alguém

que vive de modo santo, enquanto que, no catolicismo, os santos sao

únicamente aqueles que foram oficialmente beatificados e declarados

santos pelo papa".

- Realmente o autor se compraz em caricaturar para escarnecer. É

claro que, também para os católicos, a santidade é um valor íntimo, sem

o qual nao há santos; a declaracáo pontificia consiste apenas em procla

mar esse valor íntimo, depois de cuidadosamente comprovado.

6) Ainda á p. 18 encontra-se o seguinte:

"O título de 'Igreja Católica Romana' é em si mesmo urna contradi- gao,pois 'romana'estabelece urna áreageográfica, enquanto que 'Cató

lica'significa universal".

- Deve-se responder que a Igreja é católica, ou seja, universal,

mas ela tem um governo central situado em Roma - o que explica o

39

"PERGUNTE E RESPONDEREMOS" 452/2000

40

predicado 'Romana'; este nao limita a universalidade da Igreja, mas ape

nas indica qual é a "caixa postal" da Igreja. - Da mesma forma Jesús era

e é o Salvador universal ou de todos os homens, mas é chamado

"Nazareno" porque, vivendo na térra, precisava de ter um endereco ou

um pouso.

2. A Biblia Sagrada

Passamos a considerar outro capítulo do livro de Hugh P. Jeter.

2.1. O catálogo bíblico

Ás pp. 32s diz o autor:

"Há, de ¡mediato, urna diferenga entre a Biblia católica e a versáo

protestante. A Biblia católica incluí no Antigo Testamento os livros de

Tobías, Judite, Sabedoria, Siraque, Baruque, e o primeiro e o segundo livro de Macabeus. Também há acréscimos aos livros de Ester e Daniel.

Essa é a principal diferenga entre as duas Biblias.

Por que os cristáos evangélicos rejeitam esses livros chamados 'apócrifos'?A seguir, expomos algumas das razóes:

1. Os próprios livros nao se dizem inspirados. No segundo livro de Macabeus 15:37-38, lemos: 'Assim se passaram os acontecimentos re

lacionados com Nicanor. Como desde aqueta época a cidade ficou em poder dos hebreus, eu também terminarei aqui mesmo meu relato. Se foi

bem escrito em sua composigáo, isto é o que eu pretendía; se imperíeito

e mediocre, fiz o máximo que me foipossivel'.

2. Os livros apócrifos nunca foram citados por Cristo ou pelos apos tólos, mas eles, sem dúvida, cltaram muitas partes da Biblia.

3. O material nao mostra nenhuma inspiragáo. Em 2 Macabeus 12:

43-45 lemos acerca de urna coleta que devia ser enviada a Jerusalém para que se oferecesse sacrificios e oferendas pelo pecado e oragóes

pelos morios

algo que nao figura em nenhuma parte das Escrituras.

4. Todos os livros apócrifos foram acrescentados ao Antigo Testa

mento. Conforme expóe Romanos 3:2, foi 'confiada a palavra de Deus ao povojudeu'. Portanto, todos deveríamos considerar de suma impor tancia a rejeigáo desses livros quanto á sua inspiragáo".

Eis o que a propósito se pode observar:

1) O fato de que o autor sagrado confesse ter-se esforcado ou mesmo ter penado para escrever seu livro nao significa que nao usufruiu

da inspiragáo bíblica. Esta nao é um ditado mecánico, que dispense o homem de refletir, pesquisar e, em suma, fazer tudo o que deve realizar

40

4J

"SERÁ MESMO CRISTÁO O CATOLICISMO ROMANO?"

um bom escritor. A inspiracáo (que nao é revelacáo) consiste em que

Deus ilumine a mente do homem antigo para que, utilizando os dados de sua cultura arcaica, ponha por escrito urna mensagem que corresponde fielmente ao pensamento de Deus, mas nao deixa de estar revestida da roupagem humana. Assim o Hvro sagrado é, ao mesmo tempo, divino e

humano. É através das vicissitudes de urna redacao característicamente

semita ou grega, portadora de todas as marcas do trabalho humano, que

Deus quer falar aos homens. Sao Lucas o atesta no prólogo do seu Evan-

gelho, quando afirma que, "após acurada ¡nvestigacáo de tudo desde o

principio, resolveu escrever" (Le 1, 3).

2) Assim como Jesús e os apostólos nunca citaram explícitamente

os livros que os protestantes tém por apócrifos e os católicos consideram

deuterocanónicos, assim também Jesús e os Apostólos nunca citaram alguns livros que sao unánimemente reconhecidos como canónicos; tal é

o caso de Eclesiastes, Ester, Cántico, Esdras, Neemias, Abdias, Naum.

Verificamos também que nos escritos do Novo Testamento há cita- coes implícitas dos livros deuterocanónicos. Assim, por exemplo, Rm 1, Sb —=> Sb2,13.18; Tg1,19 —s» Eclo 4, 34; Mt 11, 29s—=> Eclo 51, 23-30; Hb 11, 34s —> 2Mc 6, 18-7, 42.

19-32 —>

Sb

3,

1-9; Rm

13,

1;

2,

11

—>

6, 4.8; Mt

27, 43

Nos mais antigos escritos patrísticos sao citados os deuterocanónicos como Escritura Sagrada: Clemente Romano (em cer ca de 95), na epístola aos Corintios, recorre a Jt, Sb, fragmentos de Dn, Tb e Eclo; o Pastor de Hermas, em 140, faz ampio uso do Eclo e do 2 Me );

(cf. Semelhancas 5, 3.8; Mandamentos 1,1

Hipólito (t 235) comen

ta o livro de Daniel com os fragmentos deuterocanónicos; cita como Es critura Sagrada Sb, Br e utiliza Tb e 1/2 Me.

3) O fato de que em 2Mc 12, 43-45 se lé algo que "nao figura em

nenhuma parte das Escrituras" nada significa. O raciocinio de Jeter equi vale a urna peticáo de principio: o autor quer dizer que 2Mc 12,43-45 nao

pode ser bíblico porque Jeter de antemáo o excluí, eliminando das Escri turas Sagradas o 2° dos Macabeus. - De resto, nao se pode excluir que

tal livro, datado do século II a.C, aprésente algo que nao esteja em livros

mais antigos, pois é notorio que a Revelacáo progrediu no Antigo Testa

mento.

4) O autor parece ignorar que a Biblia Sagrada continha os sete livros deuterocanónícos ou "apócrifos" até Lutero. Foi Lutero que os elí- minou, e nao foi o Concilio de Trento (1545-1563) que os acrescentou.

A propósito da historia do canon do Antigo Testamento veja PR

432/1998, pp. 194-202.-

41

42

"PERGUNTE E RESPONDEREMOS" 452/2000

2.2. O uso da Biblia entre os católicos

As pp. 25-32 Hugh P. Jeter se detém em alegar que durante sécu- los a Igreja restringiu ou proibiu o uso da Biblia entre os fiéis católicos.

Já que a resposta a tal objecáo é longa, remetemos a PR 451/

1999, pp. 547ss.

Muitos outros pontos do livro de Hugh P. Jeter poderiam ser consi

derados, evidenciándose a sua inconsistencia. Em ge ral, a literatura

polémica protestante se ressente de preconceitos que obcecam os res

pectivos autores e os levam a atribuir á Igreja Católica o que ela jamáis

disse ou fez. - O amor á VERDADE há de ser característica do auténtico

cristáo.

De resto, o baixo nivel das acusacóes se depreende de outras ob-

jecoes propagadas em folhas volantes. Assim, por exemplo:

"A 500 anos atrás o Papa mandou 'matar' Galileu só porque ele disse que a térra é redonda. A 2.700 anos atrás a Biblia já dizia que a

térra é redonda (Isaías 40:22)".

Estas frases contém varias imprecisóes, próprias de quem fala sem

saber ao certo o que diz:

Galileu faleceu em 1642, portanto há pouco mais de 350 anos;

faleceu de morte natural. Foi controvertido porque defendía o

heliocentrismo, em lugar do geocentrismo. O déutero-lsaías (Is 40-55)

profetizou durante o exilio (587-538 a.C), ou seja, há 2.500 anos aproxi madamente; ao falar do "CICLO DA TÉRRA", nao se pode dizer que ti-

nha em vista a esfericidade da térra.

Mais:

"Disse Deus: 'Nao é bom que o homem esteja só, dar-lhe-ei urna

mulher' (Génesis 2, 18). O Papa Gregorio 7o proibiu o casamento dos

padres em 1074 d.C".

O autor deste texto esquece que Sao Paulo, após a entrada do

Reino do Messias neste mundo, recomenda a vida una ou indivisa; cf. 1 Cor 7, 25-35. Alias, estes versículos sao geralmente silenciados pelos

protestantes quando querem impugnar o celibato. Este foi, a principio, espontáneamente abracado pelo clero; só aos poucos foi-se tornando

lei.

42

Na perplexidade:

"EXCLUIREI MEU IRMÁO?"

Via e-mail a Redacáo de Pñ recebeu urna indagacáo que pode interessar a todos os leitores da revista. Daí a abordagem da mesma ñas páginas seguintes.

Eis o texto em pauta:

"Sou catequista da Pastoral da Catequese de Adultos e tive um

problema recentemente. Gostaria de que me ajudassem.

Um rapaz se inscreveu na Catequese para receber os sacramen

tos do Batismo, da Prímeira Eucaristía e da Crisma. Acontece que, de- pois de tres meses, descubrimos que ele vive com urna mulher separada e ele se inscreveu como solteiro pelo fato de nao ter casado com ela, e

nao por má fé.

O rapaz estava animado com a Catequese; nunca havia faltado e

vinha sempre as Missas. Tem um casal de gómeos e vive há algum tem-

po com a moga.

Ele fez questáo de batizar os filhos na nossa igreja, mesmo tendo

urna perto de sua casa.

Que devo fazer?

Será que essa criatura nao tem o direito de receber o Batismo?

Devemos excluir da comunidade esse irmáo?

Como vou animar esse meu irmáozinho?"

Caro amigo, a sua pergunta é importante; toca temática muito com

plexa. Eis o que Ihe podemos dizer:

Suponho que a companheira do rapaz em foco seja católica,

ca

tólica afastada dos sacramentos. Tais sao as medidas a tomar:

1) Será preciso averiguar que tipo de casamento a moca contraiu.

Abrem-se entáo duas hipóteses:

a) a moca casou-se apenas no foro civil. Ora para um(a) católico(a),

o casamento civil nao é suficiente para fundamentar o estado matrimoni al, de modo que, em tal hipótese, a jovem é solteira perante a Igreja e o

43

"PERGUNTE E RESPONDEREMOS" 452/2000

44

rapaz em causa poderá casar-se com ela no foro religioso católico, des

de que esteja batizado;

b) na outra hipótese, a moca casou-se na Igreja Católica e, depois,

separou-se. Em tal caso, ela pode procurar o Tribunal Eclesiástico da sua diocese e abrir um processo para investigar se tal casamento religi

oso foiválido; pode tersidocontraído com algum impedimento que oterá

tornado nulo; o Direito Canónico reconhece varias causas de ordem psi

cológica que tornam nulo o casamento. Se, após seria ¡nvestigacáo, se puder apurar algum impedimento dirimente, o Tribunal Eclesiástico de clararánulo (naoanulará) o casamento que parecía existir, mas que nun

ca houve (porque nulo em sua raiz). Conseqüentemente a moga poderá

casar-se com o rapaz do qual tem dois filhos gémeos.

Todavía, se nao se puder averiguar algum impedimento dirimente (ou anulante), nao haverá possibilidade de contrair nova uniáo sacra

mental.

2) Em tais condicóes, ou desde que seja válido o casamento religi

oso de sua companheira, o jovem tem duas opcóes:

a) ou se separa da moga, garantindo-lhe urna digna pensao para que possa sobreviver e educar seus filhos gémeos;

b) ou, se nao quer separar-se, aínda que seja só por causa dos filhos (o que é compreensível), viva com a sua companheira sob o mes-

mo teto como vivem irmáo e ¡rmá.

Nao há dúvida, tal proposta é ousada e de difícil execucáo, mas

vem a ser a única maneira de salvar a fidelidade á lei de Deus. É oportu

no recordar que o Senhor dá a graca para que nao pequemos, quaisquer

que sejam as circunstancias em que nos encontremos. Ele jamáis permi

te que sejamos tentados ácima de nossas forcas, mas possibilita-nos

tirar proveito da própria tentacáo; cf. 1Cor 10,13.

3) Quanto ao Batismo do jovem e sua ¡niciacáo crista, será viável,

desde que haja possibilidade de se casar com sua companheira na Igre

ja ou caso consinta em viver como irmáo vive com irmá. Em qualquer

hipótese, porém, terá que se abster de relacóes sexuais enquanto nao se

realizar o casamento na Igreja.

4) Caso o jovem nao aceite a proposta e decida viver maritalmente

com a sua companheira sem o matrimonio sacramental, nao poderá ser

batizado. Mas nem por isto seja excluido da comunidade paroquial. Fre- qüente a S. Missa, embora nao comungue; trabalhe em favor dos neces-

sitados; sinta-se acolhido pelos irmios na fé. Em nossos días existe urna Pastoral especial em favor dos que vivem uniáo marital nao sacramental;

44

"EXCLUIREI MEU IRMÁO?"

45

nao podem receber os sacramentos, mas sao convidados a rezar e aguar

dar confiantes o dia em que o Senhor Ihes abrirá novas perspectivas. Ele

até o que aos homens parece improvável.

tudo pode,

Eis o que ocorre dizer diante da situacáo proposta pelo missivista

internauta. A fidelidade a Cristo leva a apresentar tais diretrizes. Mesmo

no turbilháo e no emaranhado das condicóes em que vivem os jovens de hoje, Cristo está presente e nao abandona os que Ihe querem ser fiéis. Ele tem recursos para assistiraos seus seguidores e fazé-los grandes e

santos precisamente no cadinho das provacóes. A grandeza e a nobreza

de alma exigem a mobilizacáo de todas as energías humanas sustenta

das pela graca de Deus.

A LÍNGUA HUMANA

Fagundes Várela (1841-1875)

Qual a mais forte das armas,

A mais firme, a mais certeira?

A langa, a espada, a davina,

Ou a funda aventureira?

A pistola? O bacamarte? A espingarda ou a flecha? O canháo, que em praca forte
A
pistola? O bacamarte?
A
espingarda ou a flecha?
O
canháo, que em praca forte

Faz em dez minutos brecha?

- Qual a mais forte das armas?

O tercado, a fisga, o chuco,

O dardo, a maca, o virote?

A faca, o florete, o lago,

O punhal ou o chifafarote?

A mais tremenda das armas,

Peor que a durindana,

Atendei, meus bons amigos,

Se apelida - A LÍNGUA HUMANA.

45

Ecumenismo:

É VÁLIDO O BATISMO MINISTRADO FORA DA

IGREJA CATÓLICA?

Via Internet foi enviada á Redacáo de PR urna pergunta relativa ao Batismo ministrado fora da Igreja Católica, pergunta á qual responde

remos depois de abaixo transcrita:

«Agradecería muitosepudessem responderá urna dúvida:euper-

tengo a um grupo da Internet chamado Mundo Católico, onde surgiu

urna dúvida relacionada com a validade do batismo em outras religióes cristas. Duas pessoas que possuem grandes conhecimentos estáo em

discordancia sobre este assunto.

Urna pessoa, da linha mais tradicional, afirma que o batismo de

outras religióes cristas é válido apenas em determinados casos - nos

casos em que a intengáo do batismo é a mesma que a da Igreja Católica,

ou seja, quando o batismo tem por intengáo o perdáo do pecado original,

e é feito através da mesma fórmula utilizada na Santa Igreja.

O outro, de linha mais moderna, defende que o batismo é válido em

todas as religióes cristas, citando a questáo da validade do batismo mi nistrado porhereges, decidida no Concilio de Nicéia, defendida por San

to Agostinho e confirmada no Concilio de Trento. Gostaria de saber qual é a verdade acerca deste fato».

A propósito observamos:

Fora da Igreja Católica o Batismo é válido desde que se preen-

cham tres condicóes:

1) aplique-se agua natural; nao tem valor saliva nem agua de Colonia

2) pronuncie-se, ao mesmo tempo que se aplica a agua, a fórmula

exata: "Eu te batizo em nome do Pai, do Filho e do Espirito Santo". Nao é

lícito ao celebrante pedir á assembléia que diga com ele: "Nos te batiza-

O Batismo assim ministrado corre o risco de ser inválido, de modo que,

mos

".

por cautela, há de ser repetido sob condicao mediante a seguirte fórmula: "Se

nao és batizado(a), eu te batizo em nome do Pai, do Filho e do Espirito Santo".

3) Tenha o ministro a intencáo de fazer o que Cristo faz através da

sua Igreja. Em última análise é Cristo quem batiza: só Ele pode conferir a

graca santificante ou a regeneracáo sobrenatural; o ministro é mero ins

trumento ñas maos de Cristo Sacerdote.

A intengáo de fazer o que Cristo faz quando batiza, implica que o ministro tenha auténtico conceito de sacramento do Batismo. Na verda-

46

47

de este nao é mero testemunho de fé de um adulto "convertido" sem a

graca sacramental; nao é simples afirmacáo, perante a comunidade, de

alguém que aceitou Cristo por seu único e suficiente Salvador, mas e

genuína regenerado ontológica ou é a infusáo de nova vida ou, aínda, a

insercáo em Cristo, tronco de videira, da qual o cristáo é um ramo.

No Brasil, foi feita urna pesquisa pela Conferencia Nacional dos

Bispos sobre o modo de conferir o Batismo ñas comunidades nao católi

cas presentes em nosso país. Eis a conclusáo a que chegou:

A) Diversas Igrejas batizam, sem dúvida, validamente; por esta ra-

záo, um cristáobatizado numa délas nao pode sernormalmente rebatizado,

nem sequersob condigáo. Essas Igrejas sao:

a) Igrejas Orientáis ("Ortodoxas", que nao estáo em comunháo ple

na com a Igreja católico-romana, das quais, pelo menos, seis se encon-

tram presentes no Brasil);

b) Igreja vétero-católica;

c) Igreja Episcopal do Brasil ("Anglicanos");

d) Igreja Evangélica de Confissáo Luterana no Brasil (IECLB):

e) Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB):

f) Igreja Metodista;

B) Há diversas Igrejas ñas quais, embora nao se justifique nenhu-

ma reserva quanto ao rito batismal prescrito, contudo, devido a concep-

cáo teológica que tém do batismo-p. ex., que o batismo nao justifica e,

por isso nao é táo necessário -, alguns de seus pastores, segundo pare

ce nao manifestam sempre urgencia em batizar seus fiéis ou em seguir

ex'atamente o rito batismal prescrito; também nesses casos, quando ha

garantías de que a pessoa foi batizada segundo o rito prescrito por essas Igrejas, nao se pode batizar, nem sob condigáo. Essas Igrejas sao:

a) Igrejas presbiterianas;

b) Igrejas batistas;

c) Igrejas congregacionalistas;

d) Igrejas adventistas;

e) a maioria das Igrejas pentecostais (Assembléia de Deus, Con-

aregagáo Crista do Brasil, Igreja do Evangelho Quadrangular, Igreja Deus

éAmor, Igreja Evangélica Pentecostal "O Brasil para Cristo1);

f) Exército da Salvagáo (este grupo nao costuma batizar, mas quando

o faz, realiza-o de modo válido quanto ao rito).

C) Há Igrejas de cujo batismo se pode prudentemente duvidar e,

por essa razáo, requer-se, como norma geral, a administragáo de um

novo batismo, sob condigáo. Essas Igrejassao:

47

"PERGUNTE ERESPONDEREMOS"452/2000

a) Igreja Pentecostal Unida do Brasil (esta Igreja batiza apenas

em nome do Senhor Jesús", e nao em nome da SS. Trindade);

b) "Igrejas Brasileiras" (embora nao se possa levantar nenhuma

objegao quanto á materia ou á forma empregadas pelas "Igrejas Brasilei

ras , contudo, pode-se e deve-se duvidarda intengáo de seus ministros-

cf. Comunicado Mensal da CNBB, setembro de 1973, p. 1227 c n° 4- cf também no Guia Ecuménico, o verbete Brasileiras, Igrejas);

c) Mórmons (negam a divindade de Cristo, no sentido auténtico e

conseqüentemente, o seupapelredentor).

D) Com certeza, batizam inválidamente:

a) Testemunhas de Jeová (negam a fé na Trindade);

b) Ciencia Crista: o rito que pratica, sob o nome de batismo, tem

materia e forma certamente inválidas. Algo semeihante se pode dizerde

certos ritos que, sob o nome de batismo, sao praticados por alguns gru

pos religiososnáo-cristáos, como a Umbanda.

Ver verbete "Batismo" do Guia Ecuménico (Colegáo "Estudos da

CNBB, n° 26).

Em suma, deve-se dizer que

1) Batizam validamente os cristáos orientáis ortodoxos, os Velhos

Católicos (cismáticos desde 1872 por nao aceitarem o primado do Papa)

os anghcanos ou episcopais, os luteranos e os metodistas (que sao uní

reavivamento anglicano).

2) Batizam inválidamente as Testemunhas de Jeová, os seguido

res da Ciencia Crista, os grupos religiosos nao cristáos, entre os quais se

poderiam enumerar também os mórmons, cujo Credo é incompatível com

a classica fé crista.

3) As demais denominacoes cristas ministram um rito batismal que ha de ser examinado caso por caso, dado o risco de nao ser válido por falta de intencáo da parte do ministro ou por defeito da fórmula. Caso após a devida pesquisa, restem dúvidas sobre a validade do Batismo'

confere-se o Batismo sob condicáo.

A alegacáo de que o Concilio de Nicéia I (325), S. Agostinho (430)

e o Concilio de Trento (1545-1563) reconheciam o Batismo ministrado

porhereges é válida dentro das trescondicóes atrás enunciadas- haia

¡ntencao, da parte do ministro, de fazer o que Cristo faz mediante a sua greja, apliquem-se agua natural e as palavras "Eu te batizo em nome do

Paii do Rlho e do Espirito Santo". Em tais condicoes até um ateu pode

validamente batizar (tenha, porém, a devida intencáo, sem a qual nao há

Batismo, pois, em última instancia, é Cristo quem batiza).

Ver Código de Direito Canónico, canon 869.

48

Ediles "Lumen Christi"

Báf AB EXCELSIS é um CD de música sacra interpretada por D. Félix

Ferrá, osb, contendo arranjos instrumentáis de quatorze composigoes de

Palestrina e Lassus, os dois maiores músicos católicos de todos os tem-

pos

R$ 1¿!3U

BarboTa OSB ao som dos sinos, do órgáo e das vozes de seus monges em canto

Quitamos anos de traba.ho e louvor em 20 minutos, frutos da paz e paciencia beneditina.

Roteiro e locugáo: Dom Marcos Barbosa, OSB. Producto: Mosteiro de S. Bento do Rio de Janeiro

ALGUNS L1VROS DE DOM ESTÉVÁO, DISPONÍVEIS EM NOSSA LIVRARIA:

CRENCAS REL1GIÓES & SEITAS: QUEM SAO? Um livro indispensável para a familia

S ENCAS a (Coletónea de artigos publicados na revista "O Mensage.ro de Santo Adorno)

d

ti

blicados na revista "O Mensage.ro de Santo Adorno)

2a edicáo. 165 págs. 1997

- CATÓLICOS PERGUNTAWl. Coletánea de artigos publicados na secáo de cartas da

revista "O Mensageiro de Santo Antonio".

- PÁGINAS DIFÍCEIS

1997. 165 pags

RS 7,00.

DO EVANGELHO. {O livro oferece-nos um subsidio seguro para

escfarecer as dúvidas mais freqüentes que se levantam ao leitor f ^ ^tade Uazen-

a compreender que todas as palavras de Cnstc.sao

do-nos criterios claros e levando-nos

de apücagao perene e universal), 2« edicáo. 1993, 47 pags

RS 7,00.

COLETÁNEA - Tomo I - Obra organizada por Dom Emanuel de Almeida OSB e Dom

" Sas dVMedei os OSB Publicado da Escola Teológica da Congregado Benedijna

Brasif Esta ob a ,0¡ feita em homenagem a Dom Estéváo. Além do esboco bio-

Sria BIWÍ». Histórico-Dogmática, Dogmática,Canónica, üturg.ca, Pedagog.ca Litera

ria e Noticias Biográficas. 1990. 315 págs «» . , . proposicóes. 3a edicáo. 1989,
ria e Noticias Biográficas. 1990. 315 págs
«»
.
,
.
proposicóes. 3a edicáo. 1989, 380 págs
'
'

Pedidos pelo Reembolso Postal ou pagamento conforme 2a capa. RENOVÉ QUANTO ANTES SU A ASSINATURA DE PR.

RENOVAQÁO OU NOVA ASSINATURA (ANO DE 2000):

NÚMEROAVULSO

Perguntee Responderemos ano 1998 e 1999:

Encadernado em percalina, 590 págs. com índice

(Número limitado de exemplares)

R$ 50,00 cada.

PARA O ANO LETIVO:

2000

Que livros adotar para os Cursos de Teología e Liturgia?

A "Lumen Christi"oferece as seguintes obras:

1. R'QUEZAS DA IWENSAGEM CRISTA (2> ed.), por Dom Cirilo Folch Gomes

O.S.B. (falecido a 2/12/83). Teólogo conceituado, autor de um tratado completo

de Teología Dogmática, comentando o Credo do Povo de Deus, promulgado

pelo Papa Paulo VI. Um alentado volume de 700 págs., best seller de nossas

Edlpoes

:

2. O MISTERIO DO DEUS VIVO, P. Patfoort O. P. O Autor foi examinador de D

Cirilo para a conquista da láurea de Doutor em Teología no Instituto Pontificio Santo Tomás de Aquino em Roma. Para Professores e Alunos de Teología é

um Tratado de "Deus Uno e Trino", de orientacáo tomista e de índole didática

230págS

RS18.40:

3. LITURGIA PARA O POVO DE DEUS (4* ed 1984), pelo Salesiano Don Cario

Fiore, traducio de D. Hildebrando P. Martins OSB. Edicáo ampliada e atualiza-

da, aprésente em linguagem simples toda a doutrina da Constituicáo Litúrgica

Colegios

do Vat. II. E um breve manual para uso de Seminario, Noviciados

Grupos de reflexáo, Retiros, etc., 216 págs

r$ 7)90'

4. DIÁLOGO ECUMÉNICO, Temas controvertidos. 3* Edicáo.

Seu Autor. D. Estéváo Bettencourl. considera os principáis pontos da clássica

controversia,entreCatólicoseProtestantes,procurandomostrarqueadiscus-

sao no plano teológico perdeu muíto de sua razáo de ser, pois, nao raro versa

mais sobre palavras do que sobre conceitos ou proposites - 380 páginas.

SUMARIO:1.0catálogobíblico:livroscanónicoselivrosapócrifos-2 Somen-

te a Escritura? - 3. Somente a fé? Nao as obras? - 4. A SS. Trindade Fórmula

paga? - 5. O primado de Pedro - 6. Eucaristía: Sacrificio e Sacramento - 7 A

Conf.ssáo dos pecados - 8. O Purgatorio - 9. As indulgencias - 10 María

Virgem e Máe - 11. Jesús teve irmáos? - 12. O Culto aos Santos - 13 E as

STÍEí fa9üíf S,? ~14- Alterad° ° Decál°9°? -15- Sábado ou Domingo? -

16.666(Ap.13,18)-17.Vocésabequando?-18.SeitaeEspiritoSectário-

19. Apéndice geral: A era Constantina

RS18 40

Edicóes "Lumen Christi"

PedidospeloReembolso Postal

Veja enderecos na 23 capa.