Você está na página 1de 12

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Campus Nilópolis
Tecnologia em Gestão da Produção Industrial
Química Geral V

TESTE (ENSAIO) DE CHAMA
1. INTRODUÇÃO:
Quando átomos são aquecidos ou submetidos a uma descarga elétrica, eles
absorvem energia, que em seguida é emitida como radiação. Por exemplo, se o cloreto
de sódio for aquecido na chama de um bico de Bunsen, serão produzidos átomos de
sódio, que dão origem a uma coloração amarela característica na chama (há duas linhas
no espectro de emissão do sódio, correspondentes aos comprimentos de onda de 589,0
nm e 589,6nm).
O tratamento de Bohr para a estrutura do átomo foi simplesmente postular que,
em virtude dos átomos não sofrerem colapso e a luz ser emitida por um átomo somente
em certas frequências (significando que somente ocorrem certas trocas específicas de
energia), o elétron de um átomo pode possuir apenas certas quantidades restritas de
energia, isto é, a energia do elétron é quantizada. Isto significa que o elétron só pode ter
quantidades discretas de energia e nunca valores intermediários. Expressamos isto
dizendo que o elétron está restrito a níveis de energia específicos no átomo.
Segundo Bohr, quando a energia é absorvida por um átomo, como, por exemplo,
em uma descarga elétrica, o elétron aumenta de energia, passando de um nível para
outro, e quando o elétron retorna para um nível de energia mais baixa, emite um fóton,
cuja energia é igual à diferença entre os dois níveis.

2. OBJETIVO:

1

 Cloreto de Bário.  Cloreto de Potássio. ficando da seguinte forma:  Metanol – Chama Azul  Cloreto de Estrôncio – Chama vermelha  Cloreto de Lítio – Chama Vermelha  Cloreto de sódio – Chama Amarela 2 . 3.  Metanol.00 mL de metanol. PARTE EXPERIMENTAL: 3. c) Resultado e discussão: Após a combustão foi observada as cores das chamas.  Cloreto de Lítio.1. ENSAIO DE CHAMA a) Reagentes e Materiais:  Placa de Petri.  Cloreto de Cobre.  Cloreto de Sódio. Foi adicionado fogo em cada substância para que fosse observada sua reação. b) Procedimentos: Os sais foram colocados um em cada Petri e foi adicionado 1.Instituto Federal de Educação. Ciência e Tecnologia Campus Nilópolis Tecnologia em Gestão da Produção Industrial Química Geral V Estudar o comportamento de átomos submetidos ao aquecimento relacionando com os postulados de Bohr.  Cloreto de Estrôncio.

sendo a coloração obtida na zona oxidante.Alaranjado  Cloreto de Cobre – Chama Verde Azulado  Cloreto de Potássio – Chama Violeta  Cloreto de Bário – Chama Verde Amarelado 3 . Ciência e Tecnologia Campus Nilópolis Tecnologia em Gestão da Produção Industrial Química Geral V  Cloreto de Cobre – Chama Verde  Cloreto de Potássio – Chama Azul  Cloreto de Bário – Chama Amarela 4.Instituto Federal de Educação. A amostra deve entrar em contato com a zona redutora da chama. Essas teorias de Bohr hoje são comprovadas a partir de cálculos e experimentos. observa-se que quando um elétron recebe energia ele salta para uma orbita mais externa. E a quantidade pacote de energia absorvida e bem definida (quantum) que é equivalente a diferença energética entre as camadas. Bohr então propõe que o átomo só pode perder energia em certas quantidades discretas e definidas. e isso sugere que os átomos possuem níveis com energia definida.  Metanol – Chama Azul  Cloreto de Estrôncio – Chama vermelha  Cloreto de Lítio – Chama Rosa Magenta  Cloreto de sódio – Chama Amarela . CONCLUSÃO De forma simplificada. E quando um elétron está no estado excitado ele volta para a sua orbita estacionaria ele libera energia na forma de ondas eletromagnéticas (luz) de frequência característica do elemento desse átomo.

calibração imperfeita do aparelho. pipetas volumétricas e graduadas. ou decímetro cúbico. As medidas volumétricas de precisão são realizadas utilizando aparelhos volumétricos precisos (balão volumétrico. Nos trabalhos de laboratório. 1. tolerância (limite máximo do erro). erros de paralaxe. 20°C). Os resultados obtidos devem ser expressos em metro cúbico ou em unidades submúltiplos. Qualquer um desses instrumentos tem algumas informações importantes. traço de referência.Instituto Federal de Educação. temperatura de calibração (normalmente. normalmente as mais usadas são o mililitro. 4 . provocadas pela variação de temperatura. as medidas de volume aproximadas são efetuadas rotineiramente em provetas graduadas e de um modo mais grosseiro. A prática de análise volumétrica requer a medida de volumes líquidos com elevada precisão. buretas). em béqueres em escala. INTRODUÇÃO: A técnica de medição de volume de uma amostra depende do seu estado físico (líquido ou sólido) e da sua forma (regular ou irregular). ou centímetro cúbico. dilatação e contração. graduação da escala. Ciência e Tecnologia Campus Nilópolis Tecnologia em Gestão da Produção Industrial Química Geral V CONDUTIVIDADE. e o litro. tais como: volume máximo. ELETRÓLITOS E POLARIDADE DAS LIGAÇÕES. Também pode ter erros devido a: ação da tensão superficial.

os erros de paralaxe são os mais comuns. Para evitar cometer este tipo de erro. Ciência e Tecnologia Campus Nilópolis Tecnologia em Gestão da Produção Industrial Química Geral V Dentre todos os erros descritos. correlacionando o comportamento observado com os conceitos de ligações e interações químicas. que é na verdade a leitura errada do volume do líquido. sempre pela parte inferior do menisco.2. a leitura de um determinado volume de líquido deve ser feita na altura dos olhos. Evidenciar a existência de substâncias formadas por moléculas polares e substâncias formadas por moléculas apolares. 2. PARTE EXPERIMENTAL: 3. VIDRARIAS PARA MEDIDAS DE VOLUME a) Reagentes e Materiais:  Becker 50ml  Erlenmeyer 50ml  Proveta Graduada 50 ml  Pipeta Volumétrica 25 ml  Pipeta Graduada 25ml  Água destilada b) Procedimentos: 5 . 3.Instituto Federal de Educação. OBJETIVO: Estudar a condutividade elétrica de diferentes substâncias e em diferentes meios.

Instituto Federal de Educação. 2. 4. Transferiu-se o volume para o erlenmeyer. Comparou-se a precisão das escalas. Depois.Pipetou-se 25 ml de água usando a pipeta volumétrica. 5. obtendo-se 6 . Verificou-se que não houve erro na escala.Mediu-se 50 ml de água destilada em um Becker e o transferiu para o erlenmeyer. Transferiu-se para a proveta. Então. 3. Comparou-se a precisão das escalas. onde não houve variação c) Resultado e discussão: A experiência foi realizada em cinco etapas e em cada etapa obteve-se os seus resultados. com diferentes volumes de água.5ml.3ml e 8.Encheu-se uma bureta com 50ml de água destilada. onde não houve variação.5ml. Transferiu-se o mesmo volume para a proveta graduada. observou-se um erro de escada de aproximadamente 3 ml em tal recipiente. Ciência e Tecnologia Campus Nilópolis Tecnologia em Gestão da Produção Industrial Química Geral V 1. Verificou-se que houve uma variação de 50ml para 47ml. sendo eles: 1º etapa: Mediu-se 50 ml de água em um Becker e transferiu o conteúdo para o erlenmeyer.Pipetou-se água com uma pipeta volumétrica e transferiu-se para diferentes tubos de ensaio. transferiu-se para o erlenmeyer. 7. 1. Transferiu-se para a proveta graduada e fez-se a leitura do volume. Depois.Mediu-se 50 ml de água destilada na proveta graduada e o transferiu para um Becker. Verificou-se o erro na escala. Verificou-se a precisão.

5º etapa: Encheu-se uma bureta com água. 3º etapa: Pipetou-se 25 ml de água.5 ml. usando a pipeta volumétrica. 4.Instituto Federal de Educação. transferiu tal conteúdo para o erlenmeyer que apontou aproximadamente 50. transferindo para diferentes tubos de ensaio. demonstrando um volume igual . Transferiu-se o conteúdo para a proveta. Dessa forma. que marcou 52 ml. constatou-se um erro de escala de aproximadamente 2 ml. Logo após. obtendo-se o resultado esperado. verificou que a proveta é mais precisa que o erlenmeyer. Assim. Ciência e Tecnologia Campus Nilópolis Tecnologia em Gestão da Produção Industrial Química Geral V 47 ml. Transferiu-se tal conteúdo para o erlenmeyer. que por sua vez é mais precisa que o béquer. constatou-se que erlenmeyer é muito impreciso em relação à bureta. Esta pratica teve a finalidade de treinar para controlar volumes variáveis numa pipeta graduada. Então. Assim. verificou que a proveta é mais precisa que o erlenmeyer. que por sua vez é mais preciso que o Becker. Logo. 4º etapa: Pipetaram-se diferentes volumes de água com uma pipeta graduada. concluiu-se que a pipeta volumétrica é muito precisa em relação à proveta. CONCLUSÃO 7 . atingindo aproximadamente 50 ml. 2º etapa: Mediu-se 50 ml de água na proveta graduada e transferiu o conteúdo para o béquer.

Se ao invés de água utilizar mercúrio. A força de adesão é a atração entre moléculas diferentes. Ciência e Tecnologia Campus Nilópolis Tecnologia em Gestão da Produção Industrial Química Geral V Observou-se que alguns instrumentos são mais precisos que outros e é preciso alguns cuidados importantes em relação ás medidas e pesagens. A força de coesão é a atração intermolecular entre moléculas semelhantes. Se um tubo que está em contato com esse líquido for fino o suficiente. Todavia. e a força de coesão. com a adesão do líquido à superfície desse material. A explicação destes fenômenos capilares é feita com base numa propriedade associada com a superfície livre de qualquer líquido. a afinidade entre as moléculas do líquido. observa-se que o nível de mercúrio dentro do tubo capilar se estabiliza a uma distância abaixo do seu nível no recipiente. Capilaridade ou ação capilar é a propriedade física que os fluidos têm de subir ou descer em tubos extremamente finos. No primeiro caso. Atua no sentido de o líquido molhar o sólido. este vai ser sujeito a dois tipos de forças que atuam em sentidos contrários: a força de adesão. Essa ação pode fazer com que líquidos fluam mesmo contra a força da gravidade ou à indução de um campo magnético. ou seja. Quando um líquido entra em contato com uma superfície sólida. Esta capacidade de subir ou descer resulta da capacidade de o líquido "molhar" ou não a superfície do tubo. todos os objetivos e resultados propostos foram alcançados. a combinação de tensão superficial. observa-se que a água sobe no tubo e entra em repouso a uma determinada altura acima da superfície da água no recipiente. denominada tensão superficial. pode fazê-lo subir por ele.Instituto Federal de Educação. diz-se ter ocorrido uma ascensão capilar e no segundo uma depressão capilar. mas por fim. causada pela coesão entre as moléculas do líquido. a afinidade das moléculas do líquido com as moléculas do tubo sólido. 8 . ou seja. houve erros. Atua no sentido de manter o líquido em sua forma original. Ao colocarmos uma das extremidades de um tubo capilar de vidro dentro de um recipiente com água.

e formando um menisco.Instituto Federal de Educação. pois este não tem afinidade com o vidro (a força de coesão é maior). a afinidade com o sólido é tão grande que líquido sobe pelo capilar. molhando-o. o líquido vai interagir favoravelmente com o sólido. A tendência do líquido de subir pelo capilar resulta da diferença de pressão gerada pela interface curva entre a fase líquida e a fase gasosa. Essa diferença de pressão pode ser calculada através da Equação de Young-Laplace. como um capilar de vidro. Se a superfície sólida for um tubo de raio pequeno. Ciência e Tecnologia Campus Nilópolis Tecnologia em Gestão da Produção Industrial Química Geral V Se a força de adesão for superior à de coesão. 9 . acontece o contrário. No caso do mercúrio.

Eugene. H. LEMAY. Acesso em: 30 de Junho de 2013 . Ciência e Tecnologia Campus Nilópolis Tecnologia em Gestão da Produção Industrial Química Geral V 5.Acesso em 11/11/15. Disponível em: <http://www. São Paulo: Prentice Hall. 9ª edição. REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS:  BROWN. Bruce E. BURSTEN.. 2005.  IPED.Acesso em 11/11/15. Theodore.Instituto Federal de Educação. Química: A ciência central.br/colegio/fisica/natureza-dacorrente-eletrica>. 10 .com.iped.

CONDUTIVIDADE. TESTE (ENSAIO) DE CHAMA. ALUNOS: Fernanda Barbosa Dias Garcia Guilherme Lins Santos Luciana Marie Rabello Tayra Rayner Elias Batista Zagri TURMA: GPI – 311 PROFESSOR: Carlos Eduardo Rio de Janeiro 11 .Instituto Federal de Educação. Ciência e Tecnologia Campus Nilópolis Tecnologia em Gestão da Produção Industrial Química Geral V Data de Realização: 04/12/2015 Data de Entrega: 18/12/2015 RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA. ELETRÓLITOS E POLARIDADE DAS LIGAÇÕES.

12 . Ciência e Tecnologia Campus Nilópolis Tecnologia em Gestão da Produção Industrial Química Geral V Dezembro de 2015.Instituto Federal de Educação.