Você está na página 1de 2

Relatório Sólidos

Francisco Almeida Gomes Júnior – 201011087
Introdução: Segundo Silva et al (2008), para assegurar a vida dos habitantes dos rios e garantir a ingestão de
uma substância que não seja nociva a saúde da população, a qualidade da água é avaliada pela análise de alguns
parâmetros de características físicas, químicas e biológicas. Dentre os fatores de importância para a avaliação
da qualidade pode-se destacar os sólidos totais, fixos e voláteis. Em saneamento, sólidos nas águas
correspondem a toda matéria que permanece como resíduo, após evaporação, secagem ou calcinação da
amostra a uma temperatura pré-estabelecida durante um tempo fixado (CETESB, 2009).
Segundo VON SPERLING (2005), do ponto de vista químico, os sólidos são classificados em voláteis e
fixos. Sólidos voláteis são os que se volatilizam a temperaturas inferiores a 550ºC sejam estes substâncias
orgânicas ou sais minerais que evaporam a esta temperatura. Os sólidos fixos são aqueles que permanecem após
a completa evaporação da água, geralmente os sais.
Objetivo: Está prática teve como objetivo a quantificação da concentração de sólidos totais, fixos e voláteis em
amostras água coletada em determinados pontos do Rio Catolé, da Lagoa do Parque Poliesportivo da Lago e da
amostra do efluente de laticínio.
Materiais e Métodos: Para realização desta prática foram utilizados amostras coletadas no Rio Catolé a jusante
ao município de Itapetinga - BA. Também foi utilizada amostra coletada na lagoa do Parque Poliesportivo da
Lagoa e uma amostra de efluente de um laticínio da cidade de Itapetinga após passar por um tratamento
preliminar. Após a coleta das amostras, as mesmas foram encaminhadas para o Laboratório de Solos da
Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB, para que fossem realizadas as análises de sólidos totais,
fixos e voláteis. Para esta análise, foram utilizados 3 (três) cadinhos de porcelana, sendo que cada cadinho
recebeu uma quantidade determinada de amostra (rio, lagoa ou efluente), em seguida os mesmos foram
encaminhados para uma estufa onde permaneceram por 12 (doze) horas sob uma temperatura de 105º C, logo
após esse período retirou-se, esperou esfriar até a temperatura ambiente e pesou-se. Após esse procedimento as
amostras foram colocadas em um mufla onde foram aquecidas à uma temperatura de 550º C por 30 (trinta)
minutos. Em seguida foram retiradas, esperou-se esfriar a temperatura ambiente e pesou-se.
Resultados e Discussão: De acordo com os resultados apresentados na Tabela 1, os valores dos sólidos totais,
fixos e voláteis encontrados para as amostras utilizadas, variaram significativamente entre si, onde o valor da
obtido para o efluente de laticínio foi o maior entre os três. Os valores obtidos para a amostra coletada na lagoa,
foram significativamente superiores aos do Rio Catolé, tal fato pode ser explicado devido a possíveis
lançamentos ilegais de efluentes dos estabelecimentos existentes ao redor da mesma. O mesmo ocorre para o
efluente de laticínio, demostrando a necessidade de um tratamento prévio antes de ser disposto num corpo
receptor. A quantidade de sólidos totais, fixos e voláteis, está diretamente ligada aos parâmetros de turbidez e
cor da amostra. A legislação brasileira não estabelece parâmetros para as características sólidos totais, fixos e
voláteis.
Tabela 1: Valores dos sólidos totais, fixos e voláteis.

Local da Coleta Sólidos Totais (mg/l) Sólidos Fixos (mg/l) Sólidos Voláteis(mg/l)
Rio Catolé
48
14
34
Lagoa
778
705
73
Laticínio
2.208
-7.976
10.184
Conclusão: Com base nos dados obtidos, verificou-se que os valores obtidos para o efluente de laticínio e para
a lagoa foram significativamente superior aos encontrados para o Rio Catolé, devidos aos mesmos estarem
sobre influencias de fontes poluidoras.
Referências Bibliográficas:
COMPANHIA DE TECNOLOGIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL. Relatório de Qualidade das Águas
Interiores do Estado de São Paulo - Apêndice A - Significado ambiental e sanitário das variáveis de

A. V. T. 107. 2005. Introdução a qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. 43 p. Departamento de engenharia sanitária e ambiental. 38 p. F. 3 ed. universidade federal de Minas Gerais – BH. WAICHAMAN.733 – 742. 2008. A. VON SPERLING. V. C.. p. (Série Relatórios). CETESB. Acta Amazônica.. L. Influência da precipitação na qualidade da água do Rio Purus. ANGELIS. 2009. M. v. SILVA. . A.qualidade das águas e dos sedimentos e metodologias analíticas e de amostragem.. MACHADO. P. E.