Você está na página 1de 2

Relatório Análise de pH

Francisco Almeida Gomes Júnior – 201011087
Introdução: o pH, potencial hidrogeniônico, é a medida da concentração de íons de H+
presentes na solução, é uma das determinações da qualidade de água mais
frequentemente executadas, apresentando a acidez ou a basicidade das águas, que
podem ter origens em fatores naturais do terreno ou resultantes de poluentes dissolvidos
na água (Souza et al, 2012).
O pH é um parâmetro físico-químico importante no controle de qualidade de águas de
abastecimento, podendo ser utilizado para avaliar a qualidade do tratamento realizado,
além de comandar grande parte das reações químicas, e quando em valores inadequados
pode contribuir para a corrosão das instalações hidráulicas e do sistema de distribuição
(Freitas et al, 2002).
Objetivo: Está prática teve como objetivo mensurar o pH da água coletada em um
determinado ponto do Rio Catolé e da Lagoa do Parque Poliesportivo da Lagoa.
Materiais e Métodos: Foram utilizadas amostras de água do Rio Catolé Grande,
coletadas em dois pontos diferentes. O primeiro ponto de coleta foi, próximo ao
aeroporto municipal de Itapetinga – BA, antes do rio sofrer interferência da cidade. O
segundo ponto de coleta foi após o rio percorrer a cidade, sendo nas proximidades do
frigorífico situado à BA-263 km 93. Outra amostra utilizada foi coletada na lagoa do
parque poliesportivo da lagoa. Após a coleta das amostras, as mesmas foram
encaminhadas para o Laboratório de Solos da Universidade Estadual do Sudoeste da
Bahia – UESB, para que fossem realizadas as análises do pH, de modo eletrônico
utilizando o pHmetro Digimed, modelo DM22.
Resultados e Discussão: De acordo com os dados apresentados na tabela abaixo, os
valores do pH encontrado para as amostras utilizadas, estão em níveis aceitáveis
conforme a CONAMA 357/05 que estipula valores de pH entre 6 e 9 para todas as
classes de qualidade de água doce.
Rio Catolé
Lagoa
Antes da Cidade
Depois da Cidade
7,76
8,41
7,61
Conclusão: Os valores de pH obtidos das amostras utilizadas estão dentro da faixa de
valores estabelecidos pela CONAMA 357/05 para águas de Classes 1 a 4. Observa-se
também que o valor obtido no ponto de coleta antes da cidade foi o mais elevado, sendo
que este pode estar associado a condições do terreno ou lançamento de algum tipo de
efluente.
Referências Bibliográficas:
Souza, D. F. de. Classificação CONAMA das limitações de uso da água superficial
da lagoa maior, Três Lagoas/MS. Revista Geonorte, Edição Especial, v.3, n.4, p. 771780, 2012.
BRASIL 2005. Resolução CONAMA (Conselho Nacional de Meio Ambiente).
Resolução n.º 357, de 17 de Março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos

bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes. Inst. Padrão físico-químico da água de abastecimento público da região de Campinas. Brasília. Adolfo Lutz. P. 2005. e dá outras providências. 61(1):51-58. . et al. 2002.S. Freitas. Rev. V.de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento. Diário Oficial da República Federativa do Brasil.