Você está na página 1de 5

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB

Departamento de Tecnologia Rural e Animal - DTRA

Conceito de depreciação

Planejamento de Projetos Agropecuário

Depreciação

A diferença entre o preço da compra de um bem e o
seu valor de troca (valor residual), depois de certo
tempo
(Ribon, 1997)

Prof.. D.Sc
Prof
Sc:: Paulo Valter Nunes Nascimento

Perda do valor de um bem a medida em que
ele é utilizado ao longo do tempo
(Engel et al. 1996)

Depreciação

Inventário
(ativo imobilizado)

Bens que constitui o ativo
Constantes desvalorizações

Desgaste

Ação do tempo 

Bens necessários para produção 

Servem por períodos superiores a 1 ano

Avanço tecnológico

Bens depreciáveis
bens móveis e imóveis utilizados no
desempenho de atividades 
bens
imóveis
utilizados
como
estabelecimento da administração 
bens móveis utilizados nas atividades
operacionais 
os veículos 
Animais 

DEPRECIAÇÃO 

BENS QUE NÃO PODEM SER DEPRECIADOS: De acordo com a
Legislação em vigor (Regulamento do Imposto de Renda de 1999), não
podem ser depreciados:
a) terrenos, exceto os melhoramentos (benfeitorias, construções)
b) prédios e construções que não produzam rendimentos ou que sejam
destinados a revenda.
c) bens que normalmente aumentam o valor com o tempo, como obras de
arte e antiguidades
d) bens que sejam registradas quotas de exaustão (Em termos contábeis,
exaustão se relaciona com a perda dos bens ou direitos do ativo, ao longo
do tempo, decorrentes de exploração, extração ou aproveitamento) como
florestas destinadas ao corte e jazidas minerais

1

d) louças e guarnições de cama.61 c) Formas para calçados.Vida útil NÃO HÁ NECESSIDADE DE DEPRECIAR: a) Bens que não ultrapassem o prazo de vida útil de um ano.  Deve ser descontado  Valor – 10% do valor do bem 2 . Produtiva   Novo – Tempo total Usado – Momento atual até o fim  Apropriar corretamente o custo  Dados estimados  Terreno que não é firme  Dados de experimentos – entidades BASE LEGAL: Regulamento do Imposto de renda artigo 307. moldes para confecções de calçados nas industrias calçadistas calçadistas.. Valor contábil É a diferença entre o custo de aquisição e a depreciação acumulada Valor residual É o valor provável da realização do bem. b) Bens cujo custo de aquisição não seja superior a R$ 326. restaurantes e similares. exceto talheres e bandejas de aço inoxidável que não são considerados como guarnições de mesa  Expectativa de tempo – atv atv. após totalmente depreciado Valor residual  Valor no final da vida útil  Valor de sucata  Deve ser determinado antes da deprec. facas.. mesa e banho nos hotéis.

já que sua vida útil será menor.Aspectos gerais da depreciação • Quanto maior o investimento. maior será sua depreciação devido à novas tecnologias que surgem.  Servem ao longo dos anos Método das quotas constantes (Depreciação Linear) Valor acumulado da depreciação (Va) Va = Vn x n Taxa de depreciação anual (T) T = Vn / C0 x 100 Valor contábil (Cn) Cn = C0 – Va 3 . maior será o valor da depreciação. • Somente o proprietário do fator de produção tem custo com depreciação • Quanto maior o uso de um fator de produção. • Quanto maior for a tecnologia empregada num fator. Método das quotas constantes (Depreciação Linear) Métodos de depreciação  Método de quotas constantes (Linear)  Mais simples => muito utilizado  Método das quotas variáveis  Depreciação de forma igual  Método de Cole (soma dos dígitos)  Redução da utilidade Método de Produção  Bens igualmente úteis as atividades  Método das quotas constantes (Depreciação Linear) Vn = C0/n Com valor residual (VR) Vn = Co – VR/n  Vn = Valor de depreciação anual  C0 = custo original  n = tempo de vida útil útil.. maior será sua depreciação.

600.200.00 3 2 1.800.00 5 0 1.800.00 8.800.800.00 Vida útil: 5 anos Valor residual: R$ 1..800.200.  Exemplo Máquina Forrageira = R$ 8.00 Vida útil = 5 anos Denominador = 1 + 2 + 3 + 4 + 5 = 15 Assim: Valor do bem Ano 1 = 5/15 x 3000 = 1000 2000 Ano 2 = 4/15 x 3000 = 800 1200 Ano 3 = 3/15 x 3000 = 600 600 Ano 4 = 2/15 x 3000 = 400 200 Ano 5 = 1/15 x 3000 = 200 0 4 .00 2.00 5. Deprecia. acumulado Valor atual 3200 4800 5120 2880 6272 1728 6963.00 9.00 Ano Vida útil n = tempo de vida útil Método das cotas variáveis   Valor depreciação no ano Valor depreciação acumulada Valor atual do bem após depreciação 1 4 1.80 7377.00 Vida útil = 5 anos Ano Vida útil V.20 1036.00 7.Método das quotas variáveis Método das quotas variáveis Depreciação em cotas maiores nos 1os anos Vn = 2 * valor do bem no ano / n  Vn = cota de depreciação anual      Utilizado para os bens => não tem o mesmo grau de aproveitamento Bem: arado de aiveca Valor do bem: R$ 10. 1 2 3 4 5 5 4 3 2 1 3200 1920 1152 691.400.000.00 4.00 3.000.800.00 6.000.00 1.600.400.800.00 4 1 1.00 2 3 1.Deprecia.00 Método da soma dos dígitos  Dividir o total da depreciação em frações  Numerador expressa os períodos que faltam para o final da vida útil do bem  Denominador o somatório dos períodos períodos.000.00 1.000.72 V.08 Método da soma dos dígitos Valor do bem 3.000.20 414.92 622.

000.00 Valor acumulado 2º ano = 3.00 Ano 2 – 6/30x100 = 20% Ano 2 – 10.00 Observações especiais  Avaliação do bem como novo Valor de reposição = valor como novo Vida útil de acordo com o bem  Cotas a partir da data de inclusão    Avaliação do bem como usado Não tem como avaliar – ñ existe mais Valor de reposição = valor do bem agora  Vida útil = diferente da tabela    Valor de manutenção alto 5 .000.00 Ano 1 – 3 milhões de peças Ano 2 – 6 milhões de peças Durante a vida útil – 30 milhões Ano 1 – 3/30x100 = 10% Ano 1 – 10.000.000.000.00 x 20% = 2.Método das unidades produzidas Fórmula Método das unidades produzidas   Nº de unidades produzidas no período Nº de unidades estimadas a serem produzidas durante a vida útil do bem        Uma máquina que custa R$ 10.000.00 x 10% = 1.