Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

Karaokê no Tumbleweed1
Disponibilização e Tradução: Rachael
Revisora Inicial: Angéllica
Revisora Final: Rachael
Formatação: Rachael
Logo/Arte: Suzana Pandora

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

Resumo:
Quando a pequena empresária da cidade, Nicole Ashford, venceu o concurso de

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

karaokê local, ela não tinha idéia de quanto sua vida iria mudar. Depois de anos aturando
enganos e nenhum bom namorado, Nicole finalmente achava que sua vida estava se
movimentando. Ela certamente não esperava ser levantada fora de seus pés, pelo barman do
novo no salão Tumbleweed.
Brian "Tag" Taggert chegou à pequena cidade de Ulrich, para verificar uma casa que ele
herdou de seu pai. O trabalho de bartender no Tumbleweed se ajuste às suas necessidades de
1

Tumbleweed - Tragus ou Salsola é uma planta anual que quebra na base do caule, formando uma tumbleweed

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

curta duração. Quando o bar promove uma noite de karaokê, o coração de Tag sucumbiu à voz
de um anjo.
Nicole é mais honesta e aberta do que qualquer mulher que já conheceu. Nicole pode
ser de uma cidade pequena, mas ela é apenas o que Tag está à procura em sua vida inteira.

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

que espalha suas sementes enquanto rola em cima da terra. Parece ter sido importada para Dakota do Sul da Rússia

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C .

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C em 1870 ou 1874 em transferências de linhaça. Tornou-se uma erva daninha que se espalhou por toda a América do .

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Capítulo Um Norte habitam solos perturbados. e em habitats naturais que . como estradas. campos de cultivo e encostas erodidas.

Nicole respirou fundo e começou a pungente balada rural. que ela lutou por semanas. olhando para a platéia. têm vegetação esparsa como as areias costeiras e ribeirinhas. Nicole Ashford enxugou as palmas das mãos suando. em sua calça jeans. Quando a música começou. Uma vez que começou a cantar. semi-desertos e desertos. a multidão desapareceu e ela mergulhou na canção. Era seu momento. para fazer algo por si mesma. Esta foi a apresentação que ensaiou dia após dia. Embora seja uma erva .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Em pé.

mas sabia que nunca encontraria uma mulher mais bonita. O jeans colante azul e a camiseta curta. estilo ocidental.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag ficou extasiado ouvindo a voz angelical na multidão. compridos até a cintura. . Seus olhos se desviaram para a fase que ele deixava a música encher seu coração. criando um efeito de aureola vermelha. Ele não estava certo do nome do anjo. parecia boa daninha nociva. em torno do corpo mais sensual do país. Tragus Salsola é útil em pastos áridos como forragem para o gado. As luzes do palco ricocheteavam seus cabelos ruivos.

estava mais interessado em imaginá-la nua e debaixo dele. com uma carranca irritada. que Wendy Jean literalmente teve que sacudi-lo para conseguir sua atenção.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C nela. “O que? Você não pode ver que eu estou compenetrado na canção?” . Ele olhou para a mulher loira. Ele estava tão perdido na canção. Ele notou o pequeno aro de ouro em seu umbigo e sua língua pulsou com o gosto da necessidade de prová-la. porém.

enquanto você faz isto. Tag encheu três canecas de cerveja gelada e as deixou na bandeja de Wendy Jean. Ele alcançou na caixa grande de batatas fritas e retirou dois grandes punhados e os pôs em uma cesta de plástico com papel forrado.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Virando seus olhos para Wendy Jean mascando seu chiclete e pôs sua mão em seu quadril. mas me consiga três canudos e um pedido de nachos. Ainda escutando o anjo no .” Empurrando-se longe do bar. “Escute todo o açúcar que você quiser.

com molho de queijo enlatado laranja claro e colocou isto na cesta. .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C palco. Por ser novo na cidade. Pondo a cesta na bandeja de Wendy Jean. mas este era a forma que Tag gostava. Tag encheu um pequeno copo de plástico. para alguém tão fechado do resto da humanidade. Ele serviu seu governo por quatorze anos. Alguns disseram que estava na linha errada de trabalho. não conhecia muitas pessoas e isso era bom para ele. e voltou sua atenção para a canção.

Ela só estaria no palco por mais ou menos três minutos e sua calça jeans já estava se parecendo muito apertada . Enquanto se perdia na canção. quando caminhou no escritório de recrutamento da Marinha. desde a idade de dezoito anos. que Tag tinha liberdade. Nunca esteve mais certo de qualquer coisa em sua vida. Este era o primeiro mês real. Tag sabia que precisava conhecer a mulher que estava presa à aquela voz.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C antes de tomar um pedaço de estilhaço de metralhadora na coxa.

Ele esperou por Bobby Jim anunciar com a respiração suspensa. com Skeeter Ashford. Uma mulher que podia fazê-lo sentir luxúria novamente.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C na virilha. A canção terminou e Tag soube que finalmente conheceria o nome do anjo. pessoa. era uma mulher realmente especial. “Isso foi Delta Dawn de Ulrich. depois de um período de quatro anos sem interesse.” .

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C A beleza no palco girou e pôs suas mãos em seus quadris.” “Desculpe. Apenas o tipo de mulher que mais gostava. “Maldição. Ela podia olhar e cantar como um anjo. mas tinha um pouco do diabo em seu sangue. Bobby Jim.” Batendo palmas. . A viu sair do palco e juntar-se a um grupo de homens e mulheres nos dardos. Gente Um… Nicole Ashford. Você sabe que eu odeio este nome. Tag sorriu a pequena cuspidora de fogo. Vamos dar a Nicole um estrondoso aplauso.

Ela se debruçou ligeiramente acima do bar e olhou Tag no olho. Ela não tem . Ela provavelmente a devolverá direto. Ela foi para o bar. “Skeeter bebe uísque puro. Tag finalmente conseguiu sua atenção. Wendy Jean abaixou sua bandeja. “O que você precisa. como sempre. doçura?” “O que Nicole Ashford está bebendo? Eu gostaria de lhe pagar uma bebida.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Apontando para Wendy Jean. Mas não fará a você nenhum bem de lhe pagar uma bebida. mascando seu chiclete.” Levantando uma sobrancelha.

”Eu ouvi que saiu com presa sob circunstâncias misteriosas. uma tentativa. Skeeter até não menciona seu nome e se qualquer outro o fizer ela é malditamente rápida para deixar o lugar.” Ela se debruçou um pouco mais íntimo.” . você vai? Diga-lhe que é de um homem que aprecia ela cantando. “Dê-lhe isto. desde que Lonnie Banks deixou à cidade.” Piscando para a garçonete.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C namorado nenhum homem. Tag encheu um copo duplo de uísque. três anos atrás.

. doçura. em um canto do bar. enquanto ela tecia pela multidão indo para a parte de trás. o dinheiro.” Tag seguiu Wendy Jean com seus olhos. Wendy Jean virou seus olhos e tomou o copo. “É seu. Nicole o olhou pelo que pareceu uma eternidade. quando ela deu o copo para Nicole e apontou em direção a ele. e devolveu o copo.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Estourando uma respiração alta. Tag sorriu e deu um leve aceno. Ele assistiu.

” Tag disse para si mesmo. Tag viu que estava na hora de seu pequeno descanso de dez minutos.” Olhando para o relógio. “Faça-me um favor e consegue que Bobby Jim me substitua. Tag tomou o copo dela.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Maldição. “Ela disse obrigado. Quando Wendy Jean voltou para o bar com o ‘eu te avisei’ no rosto. É hora do meu descanso. mas não está bebendo mais hoje à noite.” .

. Ele levantou o copo de uísque e foi em direção ao seu anjo.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag não esperou por Wendy Jean responder.

Foi a primeira coisa que notou. Ela ouviu sobre o novo garanhão do cravo Tumbleweed na semana passada. mas os ensaios e a loja a tinham mantido ocupada. em uma cidade pequena como Ulrich que se tinha um novo cidadão. . quando entrou hoje à noite. Sim.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Nicole nervosamente olhou o quente garçom do bar. vindo em sua direção. Não era todo dia.

enquanto tecia sua passagem pela multidão barulhenta. Porra. Cabelo preto como a meianoite com comprimento até o ombro e o corpo de um deus grego. desde que Lonnie acabou. por que tinha que a notar? Ela tem sido celibatária. E por que este homem? Ele parecia perigoso. Twila lhe disse que era. então por que fez seu corpo notar um homem agora.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Ele era tudo que sua melhor amiga. .

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Sabia que estava em apuros. A maioria dos homens adultos de Ulrich tinha tatuagens e não faziam nada com ela. quando ele finalmente ficou perto o suficiente para sentir o aroma de sua loção pós-barba. no segundo que viu a tatuagem do bíceps. Nicole era débil para tatuagens. entretanto. Mas este homem era diferente de alguma maneira. . Old Spice. Sua vagina começou a formigar. Coisa engraçada.

Ela preferia o aroma de Old Spice. sentiu como se tivesse sido batida em seu traseiro. . De repente toda a umidade partiu de sua boca e foi diretamente até sua vagina. Azul. os olhos mais azuis que já tinha fixado os seus olhos verdes. era débil para isto também. mas não Nicole.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Droga. A maioria dos homens preferia a água-de-colônia cara. Olhando para cima nos olhos do estranho. Não. que comprava nas grandes cidades. nas grandes lojas de departamento. Não havia homens que a usassem isto hoje em dia.

As covinhas bronzeadas. Wendy Jean disse que você não estava bebendo hoje à noite. “Meu nome é Brian Taggert. mas eu tenho . mas eu penso que lhe darei uma segunda chance. Eu farei com que chegue segura em casa. Tag. imploravam por sua língua. “Obrigado. não faça. mas todo mundo me chama de Tag.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C O estranho deu seu um meio sorriso.” Lambendo seus lábios. enquanto segurava o copo de uísque. Se você estiver preocupada sobre dirigir até em casa. em seu rosto esculpido. Nicole não pode deixar de retornar o sorriso.

depois de uma noite de beber uísque. “Por que você não me deixa ser o juiz disto?” .” Andando mais íntimo ao seu corpo.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C que levantar cedo para abrir a loja. Eu não fico muito bem. Tag roçou seu corpo duro contra o de Nicole.

Que acha de uma dança. Tag correu seus dedos pelo cabelo de Nicole. antes de eu voltar ao trabalho?” . mas se você quiser ficar meu amigo. “Há uma pausa na competição. “Eu sou Nicole a propósito. não me chamam de Skeeter. Você pode me chamar Nicole ou Nic. mas quando um rubor rastejou por seu rosto.” Colocando o copo de uísque na mesa.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Levou um momento para Nicole compreender o que ele quis dizer.

seu corpo parecia ajustar perfeitamente contra o seu. refletiu que seu coração sairia fora do seu peito. Ela olhou para seu rosto.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Sem responder. Nicole o deixou levá-la em direção a pista de dança. Quando ele a puxou em seus braços. enquanto o corpo acolhia contra o seu. Embora ela fosse pelo menos dez centímetros menores que Tag. .

enquanto se curvou para beijá-la. Ela inalou profundamente e gemeu ao sentir o roce de sua ereção proeminente contra ela. porque quase imediatamente sua coxa musculosa. . se insinuou entre a sua.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Nicole nem reconheceu a mulher que se tornou. uma vez que Tag a envolveu em seus braços. Tag deve ter tomado aquilo como um bom sinal. Ele esfregou seu jeans coberto em seu clitóris e contra sua perna.

Não. Nicole automaticamente se abriu para ele.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C O primeiro toque de seus lábios abafou e subjugou seus sentidos. Nicole se perdeu. ela precisava deste homem. . Quando deslizou sua língua pela abertura. Entre a busca de sua língua e o roce de sua coxa contra sua vagina. Ela queria este homem. Sua língua empurrou em sua boca e começou uma dança lenta própria.

Eu quero enterrar meu pau dentro de você.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Quando a canção terminou. Tag afastou. como fez isso. apenas o suficiente para sussurrar contra seus lábios. mas eu quero você. que você nunca esquecerá meu nome. “Eu quero você. saboreando Tag. também. “O Senhor me ajude.” Nicole lambeu seus lábios inchados.” .

emaranhando suas línguas. ”Por favor.” . “Eu não saio do trabalho até a uma. diga que me esperará. Movendo seu pênis endurecido contra ela e implorou. passando para baixo de suas costas e pegou seu traseiro.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Puxando-a para um mais profundo beijo. Você esperará por mim?” Ele correu suas mãos. Tag gemeu.

anjo. e recusar não era uma opção.” Ele começou a levar Nicole para fora da pista de dança. de qualquer maneira para ver se eu ganhei.” “Oh.” . Eu tenho que estar aqui até o final da competição de karaokê.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tinha a sensação que estava dois segundos longe do melhor orgasmo de sua vida. “Venha se sentar no bar comigo. seria melhor você ganhar ou eu quebraria este lugar. Com uma voz como a sua. “Eu esperarei.

do que sentir o pênis de Tag apertado contra ela. Tag deu seu último beijo.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Olhando em direção a seus amigos. “Posso conseguir para você. algo para beber?” . A última coisa que estava disposta era a responder umas vinte perguntas deles. que estavam examinando abertamente e fixamente ela e Tag. Levando-a ao banco do bar contra a parede. Nicole movimentou a cabeça. Ela nem queria pensar sobre qualquer coisa.

Eu preciso estar na loja às quatro.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Um Just Diet Rite. ele se debruçou acima do bar e a beijou novamente. para conseguir seu traseiro atrás do balcão e trabalhar.” Ele depressa contornou o bar e encheu um pedido de bebida. “Maldição. . “Fique aí mesmo.” Bobby Jim começou a gritar com Tag. mulher quente. Tag assumiu o comando de um Just Diet Rite para Nicole. Uma vez que ele estava pego. Aparecendo com o copo dela.

” ela admitiu. enquanto olhava fixamente em seus olhos de cobalto azul. Enxugando o bar abaixo. que tipo de loja uma pessoa tem. “Então. “Eu nunca tinha estado tão abalada. desde que eu estava no segundo ano de faculdade e Rita Palsey conseguiu-me por todo quente e incomodado. na frente dela.” Enrubescendo. Tag tentou parecer que estava trabalhando. que precisa abrir às quatro da manhã?” .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Eu não tenho sido abalado. Nicole mordeu seu lábio inferior.

“Eu possuo uma loja de isca e rosquinhas na periferia da cidade. Tag apoiou-se no bar.” Sacudindo seu cabelo atrás de suas costas.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Minha loja. Os Pescadores vêm na primeira hora da manhã para conseguir iscas.” Nicole orgulhosamente disse. . “Faz todo o sentido se você pensar sobre isto. Nicole sorriu. “Iscas e donuts? Eu nunca ouvi falar de disto antes.” Levantando sua sobrancelha.

desde então. eu construí um novo complexo. Meu papai possuiu a loja de isca. Eu também faço bolos de casamento e outras coisas assim para a cidade. você tem que ganhar dinheiro onde você pode.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Enquanto eles estão lá. pegam uma dúzia de donuts para levar ao lago com eles. desde que eu era um pouco mais que uma pirralha. com o dinheiro do seguro e tenho feito e vendido donuts. Quando ele morreu. Em uma comunidade do tamanho de Ulrich.” .

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag tomou a mão de Nicole.” Endireitando seus ombros.” . “Eu gosto de achar. “Um… eu penso que você é necessário.” Vendo Wendy Jean batendo sua unha acrílica longa no fim do bar. Nicole a apontou para Tag. e beijou sua palma. “Eu aposto que você faz o melhor donuts do estado de Kentucky. Nicole levantou seu queixo.

Ela sabia que a maioria das pessoas pensava que a competição inteira era estúpida. que Wendy tinha para ele. mais nervosa Nicole se tornava. Eu estarei de volta logo. Quanto mais próximo ficava de Bobby Jim anunciar o vencedor da competição. mas sempre sonhou em ver uma corrida real da NASCAR ao vivo. Se ela ganhasse hoje à noite. continuaria nas finais em . Certo. Esta era sua grande chance de realizar este sonho.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Maldição.” Tag foi atender um novo pedido de bebidas.

nas primeiras e únicas férias que seu papai já tomou e uma vez quando se formou no ensino médio. Humphries que era uma competição acirrada. Nossa. Uma vez. Nicole não estava nem prestando atenção. Podia dizer por assistir a Sra. Ela golpeou a mão como de . depois de uma versão horrível de ‘Friends in Low Places’.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Louisville. Nicole mastigou suas unhas e assistiu a mesa dos juízes. em sua vida inteira. ela apenas foi para Louisville duas vezes. quando uma mão a alcançou e encontrou casualmente seu peito. Quando o último cantor deixou o palco.

Tag estava de pé ao lado dela. eles estavam espetando fora. com uma mão. descendo para seu . “Desculpe. Ele riu do olhar ígneo. fora do bar. tão bonito. Curvando-se. em seus olhos. com fogo em seus olhos.” Tag andou mais perto e se insinuou entre as coxas de Nicole. que eu não pude resistir.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C costume e olhou acima. enquanto com a outra parou no comprimento do seu pescoço. segurou sua cabeça.

“Huh? Você chamou meu nome. Nicole quebrou o beijo e olhou em direção ao palco.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C peito e esfregando sua vagina através dos jeans. Bobby Jim?” . O gemido de Nicole foi tragado por sua boca voraz Quando ela ouviu seu nome sendo chamado no microfone. O maldito bar inteiro estava olhando fixamente para eles.

que Nicole pensou que poderia ser reação da cerveja. “Bem?” Bobby Jim começou a rir tão forte.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag enfiou um dedo em seu ouvido e se afastou. Você é a campeã da Competição de Tumbleweed Karaokê. Ela estremeceu. Venha aqui em cima. que tinha se misturado imediatamente.” . “Eu disse que você ganhou Skeeter. Ele girou ao redor e olhou para Bobby Jim. sabendo que podia ser um pouco mais alta às vezes. menina e pegue este troféu de Bubba Ray.

. Ela parou tempo suficiente para dar um beijo rápido em Tag.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Nicole gritou e saltou fora do tamborete do bar. Eu espero ver todos em Louisville no próximo fim de semana. Bobby Jim lhe deu o troféu e o microfone. Eu farei o meu . “Oh uau. Agradeço à vocês por virem aqui hoje à noite. antes de caminhar em direção ao palco. eu não posso acreditar que eu ganhei. Eu..

” . Teria sido uma vergonha eu quebrar o lugar. É uma maldita de uma boa coisa. entretanto. que batia palmas. por você.” Ela soprou um beijo a multidão e caminhou em direção a Tag.” “Obrigado.” Ele a beijou longo e duro.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C melhor para se orgulharem de mim. “Eu teria feito isto. Quando ela fixou o troféu no bar. porque eu gosto deste trabalho. que você ganhou. “Lisonjeiro pequenina. eu estou orgulhoso de você. Tag a envolveu em seus braços.

“Você vai me deixar te levar até em casa?” . Você veio dirigindo?” Tag colocou Nicole em seus pés.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Eu ainda tenho outra hora de limpeza total e tudo. Tag alisou suas juntas contra sua bochecha. eu vim com Darlene. Curvando-se pra dar-lhe outro beijo. “Não.” Nicole apontou em direção a uma mulher com cabelo arrepiado e calças de lycra. Ela é a loira alta jogando dardos.

.” Ela deu-lhe um olhar que teria feito o diabo ruborizar.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Você sabe que sim.

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C .

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Capítulo Dois .

ela ficou um pouco chocada ao vê-lo parar ao lado de uma grande Harley Davidson preta. Eu sempre quis montar em uma motocicleta. se não tiver um reboque atrás não é um modo de transporte. Por aqui.” .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Quando Nicole seguiu Tag até o estacionamento. “Isto é seu? Oh meu Deus.

“Suba e eu a levarei para o passeio de sua vida. Voltando-se. “Agarre-se.” O calor nos olhos de Tag dizia a Nicole que ele faria exatamente isto. Tag passou sua perna acima da motocicleta e olhou para ela.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Rindo. Tag a puxou mais íntimo às suas costas. Ela relampejou um sorriso e subiu atrás dele.” .

“É uma sensação boa. Tag dobrou suas mãos debaixo de sua camiseta e gritou por cima de seu ombro. Enquanto Tag ligava a motocicleta. de seu abdômen. não é?” .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Nicole se debruçou contra Tag e suas mãos naturalmente deslizaram para sua tábua de lavar roupa.” Rindo. “Maldição. as vibrações percorreram pelo banco e diretamente para a vagina de Nicole.

Eu poderia precisar de uma dessas estacionada em meu quarto.” Ela deslizou suas mãos por seu abdômen musculoso até os seus . Melhor que um vibrador. sim. qualquer dia.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Inferno.

enquanto se apertava mais à ele. Tag levou uma das mãos de Nicole e colocou isto em seu pênis duro. Esta Harley era melhor que o ‘Spanish Fly 2’. Nicole circulou os mamilos de Tag com seus dedos. Nicole correu sua mão de cima a baixo do .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C mamilos. enquanto eles corriam em direção à loja. Alcançando-a. Não era uma oportunidade para se deixar passar. pensou enquanto Tag rugia fora do estacionamento. Seu cabelo soprou no início do vento matutino.

este homem foi esculpido. quando ela afastou sua mão do mamilo e apontou para a Loja de Isca e donuts na extremidade da cidade. Desligando o motor e colocando o pé de apoio. Maldição. Tag a alcançou atrás dele e puxou Nicole fora da motocicleta e a escarranchou-a em seu colo.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C comprimento enorme escondido atrás das calças jeans desbotadas. Ele . Sua vagina começou a doer. Nicole continuou apontando e Tag foi para a parte de trás da loja. Ele parou em sua minúscula casa branca escondida atrás da loja.

Tag agitou sua cabeça. ajudando a um orgasmo intenso. preguiçoso. Olhando para seus peitos nus. Gemendo. mais suas roupas pareciam ficar pequenas e quando o beijo terminou. tanto de homens como de mulheres. que pareceram durar horas. Tag ajustou seu 2 É um estimulante sexual. Quanto mais longo o beijo se tornava. Dilata os vasos .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C tomou sua boca em um beijo sedutor. “Perfeita. Nicole estava nua da cintura para cima.” Ele localizou seus mamilos com as pontas de seus dedos e Nicole sentiu-os florescerem.

ela pensou. Nicole foi arrastada para um mundo desconhecido. . não. enquanto sua outra mão começou a trabalhar em sua calça jeans. Oh espere. Arqueando-se. quanto uma freira. De onde esta paixão tinha vindo? Lonnie lhe dizia o tempo todo que ela tão apaixonado. em sua boca. eu sou promiscua. de um pálido rosa.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C pênis e se inclinou adiante. Tag se amamentou. Levando um dos mamilos. Bem promiscuo dele.

A visão sanguíneos dos órgãos genitais. Pelo menos. Tag não parecia se importar. Depressa tirou sua camiseta apertada e sua calça jeans.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Erguendo-se. Nicole permitiu que Tag tirasse suas calças e a roupa íntima especial de sábado. melhorando o fluxo de sangue. Nicole totalmente se esqueceu do que estava pensando. assim Nicole imaginou que sim. . Tag poderia ter segunda intenções se ela estivesse vestindo a roupa íntima de terça-feira. quando Tag passou sua perna acima da motocicleta e levantou. devia ter agarrado as certas fora da gaveta. esperava que tivesse colocado aquelas que dizia ser do sábado.

Nicole olhou para o pênis mais grosso. que ela já vira. me diga que você tem uma camisinha em sua carteira.” Seguindo a fina trilha principal de cabelo preto. “Maldição. Ela olhou de seu pênis para o seu rosto. Estava orgulhoso e vazando pré-sêmen. “Oh.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C de seu perfeito tórax esculpido. Mas. o pênis de Tag era uma obra de arte. de seu umbigo para o sul.” . você parece bom. por favor. polvilhado com tatuagens fez água em sua boca. não era nada se comparado ao local da cintura para baixo.

Dando-lhe um dos preservativos. . rasgou o outro pacote o abrindo com seus dentes. Extraindo dois preservativos do lado de dentro. Tag passou sua perna acima e sentou atrás no banco a olhando. Tag levantou sua descartada calça jeans e retirou sua carteira. Caminhando de volta acima da motocicleta. colocou sua carteira de volta em sua calça jeans e as soltou de volta na sujeira.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Sorridente.

segurando seu pênis pela base e batendo-o contra o estômago de Nicole. Completamente estendido o preservativo somente alcançava a meio caminho abaixo de seu pênis.” Ele bateu levemente em seu colo. . enquanto o assistir rolar isto.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C A boca de Nicole aguou. “Você está segura. “Venha até aqui e se sente no colo do ‘Papai Urso’. anjo. “Isso não vai cair?” Rindo. Tag agitou sua cabeça. Tag terminou sua frase.

Nicole não o respondeu imediatamente. ele agitou sua cabeça. que ela sorriu. “Você é uma pequena cuspidora de fogo. “Prepare-se . Nicole se lançou nele. Tag caiu para trás e quase tombou fora da cadeira da motocicleta. Rindo.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Recusando-se lhe dar a chance de voltar atrás. não é?” Subindo mais cuidadosamente em seu colo. Quando teve sua vagina equilibrada acima da cabeça de seu pênis.

“Desculpe. Maria e José. Faz muito tempo para mim. agüenta papai. por alguns minutos tentando se estirar. Ela fechou seus olhos e meneou ao redor do colo de Tag.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C para o passeio de sua vida.” .” Nicole se sentou e se empalou no comprimento grosso de Tag. “Oh Jesus.” Sentiu que estava sendo dividida em duas.

Gemendo.” Tag não podia a penetrar o suficiente e mudou de posição. Tag gemeu e agarrou seu traseiro em suas grandes mãos. “Você se sente melhor que pernas depiladas contra lençóis de seda. enquanto continuava a bombear dentro e fora de sua vagina. .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Nicole abaixou seus pés para o pé da motocicleta e começou uma subida lenta. atacando seu pênis. equilibrando o traseiro de Nicole no banco da motocicleta. Nicole arquejou na orelha de Tag. Ele a ajudou em seu deslizamento de cima a baixo de seu comprimento em um ritmo crescente.

enquanto Tag continuava a montava como um homem possuído. Nenhuma inibição quando ela ergueu suas pernas mais altas e continuou gritando seu nome. Nicole jogou sua cabeça para trás e choramingou seu nome. enquanto deslizava sua mão e ligeiramente comprimia seu clitóris.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Você me lisonjeia. Porra. no ar da noite fresca. esta mulher era qualquer coisa. Ele sentiu uma gota de suor escorrer abaixo de suas. .” Moveu fora.

Ele nunca se sentiu tão bem.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Oh. Sua boceta foi feita para este pau. enquanto empurrava seu pênis tão duro que os dois quase tombaram no chão. enquanto se movia com ele. O pensamento o agitou momentaneamente. sim. Sorrindo. Tag. bebê. ele agarrou seus quadris mais apertados e deu-lhe tudo que tinha. até que Nicole soltou mais uma rodada de gemidos. quando Nicole gozou. A noite silenciosa foi cheia com os gritos de êxtase.” Ela uivou. Nicole puxou o cabelo de Tag. Tag rugiu quando se enterrou . mergulhando dentro e fora de uma mulher.

“Desculpe. Seu corpo continuava a jorrar sêmen. eu tinha medo que isto estouraria.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C tão fundo como podia e esvaziou seu sêmen no preservativo.” . Ele se retirou com réplicas de tremor em ambos os corpos e depressa deu fim no preservativo. Eu acho que eu nunca gozei tão forte em minha vida. até que sentiu seu corpo ser literalmente chupado pela ávida vagina de Nicole.

Tag achou o preservativo usado e levantou isto também. Levantando suas roupas fora da sujeira. .” “Mmm-hmm. Ele movimentou a cabeça e saiu da motocicleta. esperando que ele apenas não a largaria lá fora e fosse pela escuridão da noite.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Puxando Nicole contra seu peito suado. Vamos para dentro?” Nicole perguntou. “Porra. ele deslizou suas mãos de cima a baixo de suas costas.

Nicole examinou seu ombro e sorriu. “Deixe isto. Ela abriu a porta. enquanto se movia em direção à casa.” ele disse. mas antes dela poder ligar a luz.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Vá à frente.” .” Ajustando a chave na fechadura. Nicole achou sua bolsa no chão e recuperou suas chaves. isto é um bonito traseiro. Ainda nua. “Deus. a mão de Tag cobriu a sua. caminhou em direção à porta da frente com Tag a seguindo.

“Isto é Tink. meu bebê. Ela girou para o enfrentar. Nicole lançou sua bolsa abaixo. Ele pode ser o cachorro mais feio do mundo.”Quer algo para beber?” “Sim. deixe-me usar o banheiro e a encontrarei lá.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Movimentando a cabeça. próxima à porta.” . mas ele é meu melhor amigo.” Nicole apontou para o banheiro e curvou-se para recolher seu cachorro.

. mas minúscula. quando se sentou na mesa da cozinha.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag assistiu. a cozinha ostentava o que parecia ser uma nova camada de tinta amarela. Nem um deles parecia se importar. para lavar-se. Ela já estava cavando na geladeira. Limpa. que estivessem ambos nus. quando ele andou na luz brilhante. enquanto ela pôs o scraggily terrier fora. “Isto é bom. antes dele se girar e ir em direção em direção ao banheiro.” ele disse.

Meu papai disse. Antes. Ela morreu. quando eu nasci.” Tag examinou os olhos de Nicole. “Obrigado.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Inclinada contra a porta da geladeira. Eu acabei de pintar isto um par de meses atrás. Nicole armou seu quadril e olhou o cômodo. Eu vivi aqui toda minha vida. tinha um papel de parede branco. com pequenos pedaços de fruta nisto.” “Eu sinto muito. que mamãe pôs isto e ele não teve coração para tirar. .

bons sons.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Ela acabou de agitar sua cabeça. eh. “Bem... eu não sei muito de você.. você gostaria de algumas panquecas e salsicha?” “Certo. Quando ela trouxe os pratos para a .” Em pouco tempo as panquecas e salsichas estavam prontas. Nicole misturou um lote caseiro de cobertura de maple. chuviscando nas panquecas.

Eu penso que eu manterei você. também. Nicole se levantou e pegou seu prato.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C mesa. “Eu cuidarei dos pratos. saboreando cada mordida deliciosa.” Nicole o fuzilou com um olhar. que Tag não pode decifrar.” . Tag agarrou seu pulso. Tag não achou que já cheiraria qualquer coisa tão boa. Comeram em silêncio. Quando estavam acabando. Não sabia se estava apavorada ou emocionada. Você pode cozinhar. “Maldição. Alcançando.

” Erguendo-a pela cintura. como um destes homens. . Tag a deixa no balcão e apertou sua boca para a sua. Sim. os homens preferem morrer ao serem pegos ajudando uma mulher no serviço domestico. Por aqui. Quando Nicole separou seus lábios.” Tag se levantou e a prensou contra o balcão. maple e Nicole. “Agora eu sou a pessoa que está pensando em mantê-lo.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Ela sorriu para ele. Ele provou o gosto de café. “Eu espero que você não me veja. Tag a penetrou com sua língua. podia definitivamente se acostumar a isto.

Você quer que eu vá procurar por isto?” . Tag a olhou e agitou sua cabeça. “Havia um.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Envolvendo suas pernas ao redor da cintura de Tag. “Suponho que você tenha algum daqueles preservativos?” Quebrando o beijo. em algum lugar na sujeira. Nicole o puxou muito mais íntimo.

ele empurrou profundo. que significaram o mundo para ele. Ele fechou seus olhos e quando Nicole colocou a cabeça de seu pênis. enquanto empurrava dentro e fora de sua vagina.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Quando começou a se afastar. contra a sua vagina. Eu confio em você. “Talvez você apenas podia se retirar. antes de você gozar. Suas bolas batiam no . “Paraíso. Nicole o segurou mais apertado e deslizou suas mãos pelo comprimento de seu pênis.” ele gemeu.” Três palavras minúsculas.

apenas para se enterrar tão fundo quanto possível. mordiscando suavemente. Ela lançou sua cabeça para trás. Curvou-se ligeiramente e levou um mamilo entre seus dentes. batendo prontamente nos armários suspensos. mas valia a pena.” Nicole lamentou.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C balcão a cada impulso. dentro desta mulher surpreendente. . “Oh Deus.

” . “Eu gosto de como você é. você se acostumará comigo sendo desastrada. Debruçou-se e deu-lhe um beijo. “Se você estiver ao redor mim por um bom tempo. antes retomar suas punhaladas. É tipo minha marca registrada na cidade. como se não a incomodasse. Tag pôs sua mão na parte de trás de sua cabeça. Tag ligeiramente a olhou.” Ela encolheu os ombros. anjo?” “Eu estou bem. “Você está bem.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Parando a meio golpe.” ela enrubesceu.

exceto um dever.” Apoiando-se. “E eu amo sua boceta.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag levantou novamente seus quadris apunhalando. O sexo sempre tinha sido o que você fazia para manter seu homem feliz. Esta maravilhosa experiência erótica. era qualquer coisa. Nicole se debruçou cuidadosamente e entregou-se a Tag. dirigindo seu pênis dentro e fora de sua vagina. Nunca se sentiu assim. Ela nunca mais se .

A pressão leve foi suficiente para enviá-la ao clímax mais intenso de sua vida.” Tag grunhiu. porra. que realmente ouviu Tink uivar. “Oh. “Eu não vou durar. esfregou seu clitóris. Ela gritou o nome de Tag tão alto. Gemendo.” Alcançando entre eles. a sensação de euforia que continuava percorrendo seu corpo.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C conformaria com menos que isto. olhou abaixo e assistiu como seu grosso pênis de Tag desaparecia dentro dela. você é quente. .

Tag correu sua língua ao lado de seu pescoço indo para seus lábios. Desmoronando contra ela. Beijar Tag era razão suficiente para tentar mantê-lo ao redor. O homem beijava como . que nunca iria encontrar um homem como ele.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Retirando-se. Tag envolveu sua mão ao redor de sua seta e bombeou-se para a conclusão. “Merda!” Ele olhava Nicole o tempo inteiro e ela soube naquele momento.

para uma menina que exigia de seus encontros. antes de beijá-la. Ele gostava de beliscar seus lábios entre punhaladas de língua. pelo menos. “OW!” . Se endireitando. Tag envolveu seus braços ao redor dela e tentou erguê-la fora do balcão.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C ninguém que tivesse conhecido. Era mais quente que o inferno. cuspir o chiclete que mastigavam.

Nicole virou seus olhos e tentou conter o calor de seu rosto. Eu esqueci de agradecer?” O pobre Tag a olhou tão confuso. O problema é que eu preparei a cobertura diretamente onde meu traseiro está agora sentando.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag congelou e a olhou interrogando. você me agradeceu bastante bem. “Não.” . “Lembra-se da cobertura de maple que fiz para nossas panquecas?” “Sim? Estava delicioso a propósito.

” Ela mordeu seu lábio inferior.” Tag disse ainda parecendo confuso. inchado pelo beijo.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Certo. Não é engraçado. “Hey. “Deve ter sido um pouco de cobertura no balcão. porque agora eu penso que meu traseiro está preso nisto.” . olhando para um sorridente Tag. Nicole olhou em direção ao chão. Suspirando.

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Bem realmente. estreitou seus olhos em seu traseiro. no balcão pegajoso. “Que tal alguma água morna? Será que isto soltará o suficiente?” “Sim.” Nicole disse em uma voz baixa. Curvando-se.” Tag se afastou e ficou ao seu lado. meio que é. .

Tag sorriu. viu como ele lentamente começou a despejar isto ao redor onde seu traseiro se sentava no balcão. ”Tenta agora.” Trabalhando seus dedos debaixo de suas nádegas. Tag ligou a torneira e esperou pela água morna. isto com certeza. Enchendo o copo.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Conseguindo um copo fora da lavadora de pratos.” . “A vida nunca será chata com você ao redor.” Ele trabalhou seus dedos novamente. “Eu juro que isto só podia acontecer comigo.

por favor? Penso que preciso correr para o chuveiro. Poderia me descer. “Você se importa de ter companhia?” . antes de ter que abrir a loja. “Obrigado.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Oscilante lateralmente.” Tag podia dizer que Nicole ainda se sentia envergonhada e quis a pô-la à vontade. Nicole se pode ver livre.

” . “Eu gostaria muito de vê-la molhada.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Nicole deu-lhe um olhar surpreso. Nicole sorriu para ele. Quando ele a levantou no ar. “Eu imaginei que você iria correr com este último fiasco.” Tag agitou sua cabeça e a puxou para um beijo.

ligou o chuveiro e esperou pela temperatura da água aquecer. Nicole pegou toalhas de linho do pequeno armário e as deixou na extremidade da pia. Nenhuma mulher já teve este efeito sobre ele. Tag sentiu seu pênis mexer.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Apenas assim.” . “Bonitas toalhas. Pegando Nicole em seus braços. Não sabia se conseguiria o suficiente dela. Tag se dirigiu ao banheiro Deixando-a em pé novamente. Tag olhou para as toalhas em motivos florais e então atrás para Nicole.

mas suas inseguranças também. ainda que não se deixasse admitir. embora apenas sorriu e encolheu os ombros. Tag normalmente lia bem as pessoas e seu intestino estava lhe dizendo que Nicole colocou uma concha protetora ao seu redor. Esta era uma mulher que apreciava coisas bonitas. .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Ele podia dizer que seu elogio a deixou contente. Não somente estava tentando manter seu coração seguro.

. Tag se ajoelhou atrás dela e deslizou sua língua acima da nádega firme e pegajosa. Beijando seus lábios. ele riu. Tag esperou por Nicole entrar na banheira.” Dando-lhe um olhar interrogatório.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Puxando de volta a cortina de chuveiro. Nicole lentamente se girou ao redor. ele imediatamente a levou em seus braços. Seguindo-a. bloqueando com suas costas o jato de água quente. “Vire-se para mim.

” Lambendo outra seção pegajosa de sua nádega. Tag se afastou o suficiente para responder. eu posso lhe garantir que ainda estaria .” Isso conseguiu uma risadinha sua. ”Se eu encontrasse tal mulher no passado.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Por que acredito que este é o traseiro mais doce que eu já saboreei. “Sim eu aposto que você nunca teve uma mulher com seu traseiro preso em um balcão antes.

Eu gostaria de vê-la novamente hoje à noite.” Com medo de ter dito demais. “Eu realmente gosto de você. Colocando as mãos nos longos cabelos marrom de Nicole. Alcançou-a e posicionando o chuveiro. sobre o rápido envolvimento. ele suavemente começou a esfregar. suave e cheiroso. Tag se levantou e posicionou Nicole debaixo do jato.” . Tag apertou uma grande quantidade. direcionou a água para contra a parede.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C com ela. Agarrando a garrafa de xampu de lavanda.

“Eu suponho que eu possa dormir.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Fechando seus olhos. Eu não tenho quaisquer outros pedidos na padaria para fazer. mas eu preciso dormir por algum tempo. Ela parou para circular cada mamilo e então a tatuagem abaixo de seu estômago. “Eu gostaria muito.” Ela mordeu seu . logo depois que eu fechar a loja pelo dia.” Ela ensaboou suas mãos e abriu seus olhos. à medida que ela começou a deslizar suas mãos por seu tórax. Nicole alcançou cegamente o sabão.

Eu gosto do sentir sua boceta. contra minhas costas na minha motocicleta.” .” Tag reposicionou o jato e enxaguou seu cabelo. enquanto circulava seu endurecido pênis. “Tenha certeza que você consiga uma carona. antes de colocar o condicionador. “Eu estarei no bar por volta das onze.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C lábio inferior e alargou um suspiro.

“Não.” Envolvendo seus braços ao redor de seu pescoço. Nicole começou a ficar de joelhos na frente dele. eu vou perder o controle. Além disso. eu não tenho outro preservativo à mão e se você envolver estes lábios carnudos ao redor do meu pau. “Você está certo?” . Descendo Tag a puxou de volta. Nicole inclinou sua cabeça para um beijo.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Com seu cabelo enxaguado. Isto é tudo sobre você.

. mais que qualquer outra pessoa.” Tag ensaboou suas mãos e começou a limpar o doce traseiro de Nicole. até que nós possamos comprar preservativos. Eu não estou certo por que isto acontece. desde que meu papai morreu. Eu sou regularmente testado e não tenho estado com ninguém a bastante tempo. “Por incrível que pareça.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Sim. eu penso que eu estou começando a confiar em você. mas você não me conhecia bem o bastante para confiar em mim. Há outras coisas que podemos fazer. ainda.

se fizer com que você se sinta melhor. Nós podemos manter os preservativos no momento. enquanto Tag deslizava um dedo escorregando através da roseta apertada de seu traseiro. com um gemido.” Nicole terminou a oração. anjo?” Tag aplicou um pouco mais de pressão no buraco enrugado. “Isso parece bom. “Você nunca foi fodida no traseiro?” . mas também estarei segura com a pílula.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C mas não vou analisar isto.

Tag lhe beijou sua testa e ergueu seu queixo com seus dedos. Eu nunca me se senti confortável com alguém para falar de minhas fantasias. “Fale comigo. mas eu mesmo já. se recusando a manter contato com seu olhar. Você está me dizendo que usa brinquedos para satisfazer seus desejos?” “Sim.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Não.” .” Ela olhou abaixo em direção a seu tórax. Eu nunca deixei ninguém.

Tag gemeu. enquanto empurrava seu traseiro. E algumas outras coisas. contra sua mão.” Tomada uma chance. Tag empurrou seu dedo em seu buraco apertado para a primeira junta. “Digame suas fantasias. mas mantendo a pressão contra seu buraco. Nicole se inclinou atrás.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Examinando seus olhos. Tag podia dizer que ela ainda estava nervosa sobre verbalizar suas necessidades. Eu farei tudo ao meu alcance para tornar-las uma realidade. O movimento .” Mordendo seu lábio. “Somente o que você está fazendo.

“Os preservativos estão definitivamente no topo da minha lista. Eu quero este seu traseiro. Tag começou a mover seu dedo dentro e fora de seu buraco. de coisas para fazer hoje.” Lentamente.” . Gemendo. Nicole contorceu em sua mão.” “Sim.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C enterrou seu dedo completamente dentro dela. “Oh Deus. Isto é incrível.

” Tag tomou sua boca em um beijo voraz. Nicole bombeava seu pênis. indo em direção a sua vagina. Quando sentiu seu corpo se apertar ao redor de seus dedos sorriu. “Envolva sua mão ao redor de meu pênis. isto é bom.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag estava com a outra mão em seus mamilos. seu pau e suas bolas. “Maldição. quebrando o beijo. Ela parecia saber a exata pressão para aplicar em ambos. com ambas as mãos. .” Enquanto ele trabalhou dentro e fora de seu corpo.

” Nicole se inclinou e mordeu seu peito. aqui na pequena cidade de Ulrich. enquanto seu corpo se convulsionava ao redor de seus dedos. esta mulher o estava espantando. “Oh. A doce pressão de seus dedos em seu pênis o mandou para a extremidade. Goze para o ‘Papai Urso’. Ele estava na merda. . Cristo!” Porra.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Vamos. espirrando seu sêmen entre eles.

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C .

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C .

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Capítulo Três .

repetiram em sua cabeça “Você é incrivelmente bonita natural. se referindo ao fato que estava sem maquilagem.” Nicole disse.” Ele estava.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C As dez e trinta naquela noite. Olhou-se no espelho novamente. claro. enquanto terminava de se preparar. antes de ele partir. Darlene bateu na porta da frente de Nicole. . “Entre. As palavras de Tag.

Era demais pedir que deixasse sua casa. sem ao menos colocar algo no rosto. rimel e um pouco de blush. . Optou por um delineador. Nicole esperava que ele gostasse do modo que se parecia hoje à noite. como todas as meninas na cidade.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Agora se olhando. Ela usava maquilagem. embora uma sutil sombra marrom. ao invés da habitual negra. desde que ela tinha quinze anos.

como um top reduzido. mas no pensamento de sua vagina nua roçando contra Tag na volta para casa. “Eh. eu estou pronta. . a tinha molhada. antes de colocar suas botas cowboy vermelha. Sabia que sua curta saia jeans não era realmente apropriada para a garupa da motocicleta. fora do refrigerador.” Nicole disse.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Nicole ajustou seus seios grandes na bandana vermelha. enquanto pegava sua bolsa. Nicole viu Darlene na cozinha pegando uma cerveja. amiga. Saindo para sala de estar.

” . “Você esqueceu o resto de seu rosto. “Eu estou. Eu tenho todo o necessário.” Subindo. Nicole tocou em seus olhos.” Sorridente. Mordendo seu lábio. nela mesma.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Darlene abriu o Milwaukee Velho e olhou para Nicole. Nicole olhou abaixo. nariz e boca. Darlene olhou próximo ao seu rosto. “Eu pensei que você disse que você estava pronta?” Darlene ergueu um olho sombreado turquesa. “Não.

Eu apenas pensei em darlhe uma tentativa. “Tag me disse que eu era bonita esta manhã.” .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Espertalhona. Quer parecer saudável hoje à noite?” Darlene tomou um trago da cerveja. Encolhendo seus ombros. Nicole caminhou em direção à porta. Você sabe o que eu quis dizer. E eu não estava usando nada de maquilagem.

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

“Então você está mudando por este garçom de bar? Oh, Nicole. Então, nem uma boa
idéia. Você não conhece nada sobre o homem. Ele podia só estar usando você e então deixará a
cidade e levará seu coração com ele.”
Espantando Tink porta a fora na frente delas, Nicole fechou sua casa. “Eu confio nele.
Não me pergunte o por que, mas eu faço. E você tem muito espaço para conversar. Parece-me
que alguém se encontrando com um homem chamado Mule, não julgaria.”

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

“Mule é um bom homem. Você apenas se lembra dele, quando estava no segundo grau
e não quer dar-lhe uma chance.”
“O apelido do homem é Mule. Isso não devia dizer algo a você?” Nicole entrou no
Chevy Chevette de Darlene, desde o segundo grau.
“Você sabe que ele conseguiu este apelido, porque ele tem um grande pênis.” Darlene
começou a entrar no carro, depois de pôr sua cerveja entre suas pernas.

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

“Você e eu ambos sabemos que ele não conseguiu este apelido, porque ele tem um
grande pênis.” Nicole virou seus olhos para sua amiga.
“Certo. Talvez originalmente fosse por causa de sua estúpida ousadia, em uma noite de
bebedeira no segundo grau, mas ele tem um pênis enorme.” Darlene sorriu e piscou para
Nicole. “Eu somente não quero ver você se machucar como da última vez.”

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

“Por favor, não traga Lonnie nisto. Apenas dê uma chance a Tag, ok? Eu realmente gosto
do cara. Ele é diferente dos outros homens com que eu tenho estado. Ele olha para mim como
eu fosse a melhor coisa.” Nicole encolheu os ombros e olhou na janela. “É bom.”
Darlene entrou no estacionamento do Tumbleweed e desligou o motor, embora isto
ainda tossia e estalava por alguns segundos. “Certo. Eu darei a seu novo homem uma chance.
Mas se ele machucar você, eu mando Mule em cima dele.”

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

Saindo do carro, Nicole puxou sua pequena saia pequena abaixo. “De acordo.” ela disse
enquanto caminhava de braço dado com sua melhor amiga, em direção à porta. “Eu
provavelmente passarei minha noite no bar, em companhia de Tag, mas eu adoraria jogar um ou
duas partidas de bilhar.”
Batendo seus quadris juntos, Darlene abriu a porta. “Eu posso lidar com isto.”

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

Tag viu Nicole assim que ela entrou pela porta. O lugar estava barulhento hoje à noite e
se lembrou de vigiar sua nova mulher. Quando ela o abordou no bar, Tag assistiu o modo que
ela o olhou e decidiu que poderia apenas ter suas mãos cheias com este presente.
Olhando como seus grandes peitos firmes saltaram um pouco, enquanto ela caminhava
em sua direção. Lambendo seus lábios, Tag sentiu seu pênis duro, em um momento.
Se aproximando dele no bar, Nicole deu-lhe um sorriso assassino. “Hey, você.”

” Ele se debruçou acima do bar e deu-lhe um beijo. “Você é absolutamente linda. enquanto empurrava sua língua em sua boca. Você parece boa o suficiente para comer. mulher. Ele examinou-a e movimentou a cabeça.” Wendy Jean escolheu aquele momento para chamar seu nome.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Maldição. roçando seus dedos através do mamilo ereto. “O que posso eu trazer para você beber?” . Ele quebrou o beijo e examinou os olhos de Nicole.

“Esta bom para mim.” Wendy Jean gritou-lhe novamente e ele depressa encheu um . Vai te aborrecer. Apenas me faça um favor e me reserve uma dança. se eu lhe deixar por alguns minutos e um jogar bilhar com Darlene?” Nicole se debruçou contra o bar. entre aqueles gloriosos e cremosos montículos. Gemendo. Eu tenho um descanso daqui á uma hora. Tag não pode deixar de deslizar um dedo. mostrando a Tag uma visão generosa de seus peitos.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Só uma garrafa de cerveja.

para se misturar bebidas. pelo menos faz isto enquanto você trabalha.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C taça de cerveja gelada para Nicole. Tag. antes de ir para o outro lado do bar.” . Ele assistiu como Nicole tomava sua cerveja e ia em direção a mesa de bilhar. se você vai babar. Ela marcou o espaço para salvar seu lugar na fila e foi achar sua amiga. “Honestamente.

Agora se apresse o meu pedido. Eu gosto de Skeeter. Que inferno está errado com os homens desta cidade? Ainda que me rejeitasse.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag levantou o olhar até achar Wendy Jean que sorria para ele. depois que eu a abordei. Eu somente obtenho boas gorjetas. Ela é malditamente bonita.” Ela terminou sua frase com uma piscada e Tag movimentou a cabeça. para as coisas ficarem melhores. “Eu não posso ajudar nisto.” . eu teria continuado tentando até que cedesse. “Não se preocupe.

Ela conhece suas esposas e namoradas.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Colocando as bebidas com firmeza em sua bandeja.” . Wendy Jean balançou sua cabeça lateralmente. Skeeter conhece estes caras sua vida inteira. “Eu penso que isto é porque você parece interessado em mais que um pedaço rápido do traseiro dela. deitar com ela e então voltarem para suas esposas ou namoradas. assim ela não desperdiça seu tempo com eles. Os caras daqui normalmente só querem uma coisa quando a vêem no bar.

Eu não pretendo compartilhá-la com ninguém. Ela é minha. .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Bom. Isto é bom de ouvir.” Tag movimentou a cabeça uma vez mais e voltou-se para atender no bar.

o que fez Nicole sorrir. ao invés. Girando-se esperou ver Tag. foi o pior pesadelo de sua vida. Nicole sinalizou para Darlene e foram escolher um taco. “Lonnie? O que você está fazendo de volta à cidade?” O bonito homem bonito andou muito mais íntimo para Nicole. Uma mão encontrou casualmente seu traseiro.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Quando finalmente foi sua vez de jogar bilhar. mas o que viu. Skeeter?” . “Eu voltei para ver se você poderia me perdoar.

“Desista Lonnie. Nicole pôs suas mãos acima para repeli-lo. “Meu nome não é Skeeter e você sabe o quanto eu odeio isto.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Afastando vários passos. Você tem uma maldita sorte que eu não chame o Xerife Buford pelo seu traseiro. Você nunca conseguirá mais nada de mim. enquanto Lonnie permanecia com sua boca aberta. Ela olhou por cima de seu ombro. Você está certo que veio por mim ou para obter alguma coisa mais das minhas economias?” Nicole girou suas costas para ele e abordou a mesa.” .

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tentando seu melhor para ignorá-lo. “Sua tacada. Olhando acima. . Nicole viu Tag a assistindo. Perguntou-se se notou o intercâmbio com Lonnie. que eram suas favoritas. enquanto parecia manter um olho em Nicole e um em Lonnie.” Darlene disse. Nicole deixou Darlene começar. Ela acabou encaçapando uma boa bola.

Ela não queria começar uma briga. com Darlene tentando sua melhor interferência no jogo.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Desculpe. Depois de assistir a bola cair no buraco. Neste tempo. mas não gostou do modo como Lonnie continuava . O jogo continuou daquele modo. Ela finalmente se decidiu por sua tacada. Deus abençoe sua melhor amiga. de onde Lonnie permanecia.” Nicole disse. assistiu como Darlene se insinuava entre Nicole e Lonnie. Nicole caminhou em torno da mesa novamente. em parte porque estava do outro lado da mesa. enquanto estudava a mesa.

braços fortes a envolveram. Beijando o pescoço de Nicole. Evidentemente. “Dança comigo?” .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C olhando para ela. Tag manteve seus olhos no homem ao canto. Ela poderia dizer pela pós-barba Old Spice que era Tag e se debruçou de volta contra ele. não era a única porque logo depois de perder o jogo para Darlene.

eu nasci dando dois passos. Ele dançou em um milhão de bares. Ele começou a dançar a uma distância respeitável. Nicole olhou nele e sorriu. em seus braços. “Eu adoraria dançar com você. em todos os cantos . separadamente. Você sabe dar dois passos?” “Querida.” Tag sorriu e deu-lhe um beijo rápido. ele a puxou mais íntimo. Você apenas tente e acompanhe este homem velho. mas enquanto se moviam e girava em torno da pista.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Voltando-se ao redor. na frente da pista principal de dança.

em torno da pista ele logo sentiu olhos nele. Colocando sua mão mais apertada no traseiro de Nicole. Ele amava as danças latinas quentes e freqüentemente gostava de incorporar os movimentos circulares do quadril. de conotação sexual e sugestivos. “Quem é ele?” . a puxou muito mais íntimo e curvou-se para falar em sua orelha. em todos os seus passos.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C do mundo e seu estilo particular mostrou-lhe isto. Enquanto dançava com Nicole.

” Ele ainda podia sentir os olhos do sujeito Lonnie nele. Deslizando sua língua ao longo da concha de sua orelha. “Este é Lonnie. Tag a sentiu relaxar novamente. meu ex-namorado e meu maior engano. . mas não se aborreceu olhando de qualquer forma.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Ele sentiu Nicole endurecer em seus braços.

” . Ele deve ter acabar de chegar ou eu estou certa que todo mundo teria estado se curvando em minha orelha.” “Eu também achei. amando o modo que suas curvas se sentiam contra ele.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Ao invés. Papai Urso.” Ela beijou o pescoço de Tag. “Eu pensei que ele não estava na cidade. puxou Nicole muito mais íntimo para seu corpo. me dizendo que ele voltará. “Você não tem nada para se preocupar.

Também era bom para um rápido apalpar e beijar. “Bom. Você é minha. Tag a deixou no fim do bar.” Depois da dança.” “Sim. onde ele podia chegar rápido se precisasse. Eu sou. quando estivesse entre clientes. Tag penetrou sua língua possessivamente dentro das profundidades molhadas. onde ele podia protegê-la. Achando um tamborete alto vazio. . Tag levou Nicole de volta.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Dando-lhe um beijo real.

ele levou um Just Diet Rite e um pedido de nachos para Nicole. Ela sorriu quando ele fixou a cesta de comida e o refrigerante abaixo.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Depois de uma extensão bastante longa de atender os pedidos de bebidas. “Você está tentando me conseguir bêbada ou gorda?” .

Ela tentou fechar suas pernas. “Um… minha saia está um pouco curta para esta posição particular. mas se você fosse se embriagar.” Ele foi em torno do fim do bar para se insinuar entre as coxas nuas de Nicole. E se você ganhar peso.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Nenhum. eu imagino que será mais do você espera. eu felizmente cuidaria de você.” .

. Ligeiramente curvando para lhe sussurrar em sua orelha. Tag passou e apunhalou dois dedos no fundo de suas profundidades molhadas. Gemendo. Tag continuou seu ritmo dentro e fora dela. A cabeça de Nicole foi para trás. enquanto gemia e examinava seus olhos.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag olhou abaixo e lambeu seus lábios do rosto que ela fez. a vagina de Nicole estava claramente em exibição. Embora seu traseiro estivesse coberto pela saia.

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Você é uma menina má. “Eu considero que você podia fazer isto. Claro.” . Nicole correu sua língua ao lado de seu rosto. anjo. Eu tenho metade de minha mente querendo colocar você em cima deste bar e espancar este seu bonito traseiro.” Girando sua cabeça. que então todo mundo neste bar estaria olhando para meu traseiro.

Eu poderia precisar de outro lanche. “Você apenas tenha certeza de que fique onde você está.” ele rosnou.” Ele deu a Nicole um sorriso e uma piscada e voltou trabalhar. “Minha. ele provou o gosto de Nicole. antes de terminar meu turno.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag grunhiu e removeu seus dedos. Deslizando seus dedos gotejantes em sua boca. .

Ele era amável. a combinação perfeita para ela. em atenção particular para seus antebraços. Ela assistiu enquanto misturava as bebidas. . mas forte. ele a virou do avesso. Porra. Ele era a coisa mais sensual que já viu e a queria.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Nicole se sentou pela próxima hora assistindo Tag trabalhar. Tag a tratava como sentia que merecia ser tratada. Mas mais que isto.

Ela ainda teve outra metade de hora. os antebraços fortes de um homem.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Maldição. ela tinha um fraco por músculos. . Nicole deixou seus olhos vagarem por seu corpo e não pode deixar de se contorcer um pouco em seu tamborete. antes dele sair e tinha a intenção de sair fora em seguida.

Nicole se debruçou adiante e roçou seus mamilos doloridos contra a extremidade do bar. beliscou seu mamilo. ela encolheu os ombros. Inclinandose abaixo. Dando-lhe um sorriso endiabrado. Fechando seus olhos. “Você está . Quando os abriu novamente. apenas conteve seu gemido. enquanto tomava sua boca em um beijo possessivo. direito para seus peitos.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Contorcendo-se novamente. encontrou Tag a olhando fixamente. Tag terminou seu pedido e então veio por fora do bar para ficar ao seu lado.

” . ”Quinze minutos e você definitivamente será recompensada.” Tag olhou no relógio do bar. Eu preciso de seus lábios envolvendo ao redor de meu mamilo. Eu preciso de seu grande pênis em mim agora. Nicole examinou seus olhos. “Mas eu estou tão molhada. Seja boazinha.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C para me fazer gozar nas minhas calças jeans.” Decidindo torturá-lo um pouco mais. enquanto eu monto você.

Se você me fizer gozar agora. “Está bem. em um falso beicinho. Nicole sabia que em segundos estaria caída por Tag. Movimentando a cabeça.” Ele arruinou seu rosto severo. “Se comporte.” . Tag deu um apertão no traseiro de Nicole. O resultado foi o sorriso mais sensual do pecado.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Alcançando atrás dela. não vai ter nada para você no caminho de casa. cruzou seus braços. com um leve curvar no canto de sua boca.

Tag depressa se desculpou e foi em direção ao banheiro masculino. Nicole saltou fora do tamborete e conseguiu sua bolsa que Tag tinha colocado atrás do balcão para ela. Nicole podia sentir seu coração batendo como ‘sexo em uma vara'. Ajustando sua pequena bandana. Ele continuou a . suficiente para expôla ao máximo. sorriu a si mesma e esperou na porta. caminhando em direção a ela. Tag reapareceu e chamou Bobby Jim e lhe deu ‘boa-noite’.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Depois que ele cuidou de seus deveres de trabalho.

” Ela respondeu. antes que eu seja despedido e foda você contra a porta. “Vamos sair daqui. Tag olhou abaixo nela. logo antes de seus lábios se fecharem nos seus.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C empurrando até que estava apertada contra a porta. Quebrando o beijo.” . “Você está pronta para aquele passeio agora?” “Eu considero que sim.

Ele a ajudou a subir em sua motocicleta e penetrou seu canal molhado com seus dedos. para apertar seu traseiro nu. . antes de embarcar na frente dela. Antes de ele ligar a moto. Tag empurrou sua mão debaixo de sua saia. Enquanto eles caminhavam em direção a Harley de Tag.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Nicole felizmente abriu a porta. que estava atrás do estacionamento. girou e a olhou por cima do ombro.

É realmente muito bonita ao luar. . quando ele a alcançou atrás de suas costas e deslizou seu dedo em cima de sua racha.” Ela deu um ganido leve.” “Leve-me a qualquer lugar que você quiser.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “O que acha de um passeio fora da cidade? Eu tenho uma pequena cabana em um terreno. mais uma vez.

Quando ele decolou.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Puxe minha camisa fora das calças e em cima. porém e sentiu o jeans contra o seu clitóris e sorriu.” Tag ligou a motocicleta alta. Quando ela ficou mais íntima. enquanto eu dirijo. . Eu quero sentir esta bonita boceta vibrando contra minhas costas. Sim. ela ficou triste por notar que sua vagina não alcançava sua pele. isto funcionaria. enquanto puxava sua camiseta apertada e a subia de suas calças jeans.

levou uma mão fora dos guidões e desabotoou sua calça jeans. lançando seu duro pênis. Nicole enterrou seu rosto em suas costas e deu uma risadinha. Nicole depressa assumiu o comando. enquanto deslizava o zíper cuidadosamente abaixo.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Assim que Tag deixou a cidade. Deslizando suas mãos por sua ereção espessa. .

Depois de mais ou menos dez minutos. Erguendo sua cabeça.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag deve ter ido para o banheiro atrás no bar.”Quanto mais?” Sua resposta foi empurrar-se atrás e a encostar mais apertado contra ele. entretanto novamente. Tag foi com a motocicleta por um caminho raramente usado de terra. para colocar um preservativo. . e perguntou. nunca conheceria alguém como Tag. gritou acima do rugido do motor. Ela nunca ouviu falar de tal coisa.

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Nicole procurou tentando compreender onde estava. Tag apontou. . Ela cresceu aqui. então por que esta estrada não lhe parecia familiar? Por uma aglomeração de árvores. pequena. viu uma casa de tronco. À medida que passeavam.

e puxou Nicole para escarranchar em seu colo.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Aqui é onde eu vivo.” Ele não parou. Olhando à sua esquerda. é bonito. mas ao invés continuou ao longo do caminho de terra. até que eles viram uma grande lagoa. “O que você está fazendo comigo?” . “Você esta certo. Nicole assistiu a água enluarada. Desligando o motor.” Tag pegou sua bochecha e roçou seus lábios nos seus. Tag apoiou em um fluido movimento.

abaixo. quando Nicole o montou.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Ele cobriu seus lábios com os seus. Roçando suas mãos nas costas nuas. Lançando sua cabeça atrás. “Você irá para casa comigo? Deixe-me segurar você em meus braços?” . para conclusão mútua. enquanto empurrava dentro dela. Achado uma posição segura. Sua paixão era sem igual. Nicole subiu fora de sua ereção. antes de se afundar de volta. Tag soltou os laços de sua bandana. Tag gritou seu nome à medida que gozou.

quando Tag conseguiu pegá-la e deslizar fora da . mas ele puxou suas costas. Ainda presa em seu tórax. ela começou a se erguer fora dele. Quando ele parou ao lado da varanda dianteira da cabana velha. Toda pedra e buraco vibrava em seu pênis semi-ereto dentro de sua vagina.” Ele ligou a motocicleta e foi caminho abaixo da estrada de terra. “Sente-se apertado. eu pode levar você para casa do jeito que você está. Nicole odiou se separar dele. ela largou um ganido.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Movimentando a cabeça.

” Abrindo a porta. Nicole olhou ao redor.. . Ela assumiu que a porta. ainda. sem se retirar. ele piscou.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C motocicleta. ela sorriu. era um banheiro.” Andando dentro da cabana.. Papai Urso. sala de estar e uma cama em uma alcova pequena. “Você não viu nada. Enquanto caminhava para a varanda. “Você é um multitalentoso. que a guiava. Era basicamente um quarto com cozinha.

Ele a colocou abaixo na cama. sem quebrar o contato. ”Vamos manter deste modo. “Você não é como nenhum outro homem que conheci.” ele disse. mas é meu. quebrou o beijo. .” “Bom. “Não é muito. Quando seu ritmo aumentou.” Tomando sua boca em um beijo apaixonado. porque ele limpou sua garganta.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag deve ter a pego olhando. ele começou a se mover dentro dela.” Ele a levou pelo quarto para a alcova. Nicole examinou seus olhos.

Insinuando-se entre suas coxas espalhadas. na mesa de lado da cama e deu fim ao usado preservativo.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Merda.” . agarrou uma caixa. empurrou fundo. espere. de volta aonde você pertence. “Ah sim. antes de colocar um novo. Vamos esperar eu não tenha que parar novamente. Sentando na cama.” Tag beijou seu nariz e retirou-se. Eu preciso trocar o preservativo por outro.

“Desate-me. o top foi lançado ao lado da cama. para o primeiro laço. movendo para trás do pescoço. .” ela gemeu.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Deus. ele as deslizou por suas costas. eu não acho que eu quero. Depressa.” Ela arqueou suas costas. Tirando suas mãos dos quadris. que você pare. ela quis seu lábios em sua pele. Tão bom quanto sentiu. Tag prendeu seu mamilo com antes que suas mãos recuassem para os quadris. enquanto Tag cobria seu mamilo com sua boca. desatou. Num instante.

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Movendo suas pernas. Nicole passou esfregar seu clitóris.” Ela sentiu-lhe dando um chupão em seu peito. este traseiro será meu. Tag gemeu.” . Deus. E o pensamento dele a marcando a deixou mais excitada. “Sim. “Logo. enquanto esticava seu dedo para provocar seu buraco. seu cabelo caindo por seus ombros. Oh. Mudança uma de suas mãos para suas nádegas.

Ela abriu seus olhos e assistiu como seus músculos do estômago ondulavam.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Quando sentiu seu orgasmo iminente começar a levá-la. Nicole caiu à extremidade em felicidade. Ela ouviu Tag grunhir. “Este traseiro já é seu.” ela disse correndo seus dedos acima do torso.” Um segundo depois que disse as palavras. o dedo de Tag penetrou dentro. “Uau. . ela sussurrou. Com um grito. enquanto empurrava fundo. Removendo sua mão. em cima dela. Nicole tirou os joelhos de seus ombros e o puxou abaixo.

Eu farei com que chegue em casa à tempo. Tag começou a lamber o suor de seu pescoço. Ela o sentiu mover-se e agitou sua cabeça. Eu tenho que estar na loja em umas horas. Tag colocou sua cabeça em seu peito.” . “Você descansa.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Com seu rosto enterrado em seu cabelo.” Depois de dar fim ao preservativo. “Não me deixe dormir.

Dentro de cinco minutos. para cair em seus montículos suaves de seu traseiro. enquanto sua respiração igualava. Tag suspirou. ela estava adormecida em seus braços. estou em apuros. “Maldição.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag sentiu corpo de Nicole suavizar.” . Deslizando suas mãos por suas costas.

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Chegando a esta cidade. sobre suas esposas ou . que estava bem no caminho. Tag lembrava de ouvir outros homens. mas com o anjo em seus braços. Ele não tinha nenhuma intenção de ficar aqui muito tempo. Nunca tinha estado apaixonado e estava começando a pensar. talvez uns meses. não sabia se poderia partir com seu coração intato. em sua conversa da unidade. Era um novo sentimento para ele. foi apenas uma forma de reagrupamento.

Agora mesmo. mais fundo. sentiu paz. pela primeira vez que em sua vida. era algo mais. Ela era pelo que lutou. mas ele teve bastante sexo em sua vida. O que havia nela? O sexo era fodidamente fantástico. Ele iria sempre pensava neles como sucos e bocetas. Ele desejava tê-la. entretanto. com ela aconchegada em seu tórax.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C namoradas atrás casa. mas agora. De nenhum modo ansiava por algo duradouro. Não. . Nicole era como beisebol e torta de maçã para ele. Tag sabia que estava preso em Nicole. embora não a soubesse no momento.

Tag soube que tinha visto mortes suficientes. ao seu lado. Voltou para seu país e gastou um mês descansando. Não foi até que o mandaram para um OP Preto sem boas intenções. .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Talvez se a tivesse em casa. finalmente o achou. Quando sua missão terminou. Foi quando o advogado de seu pai. tende a fazer isto com um homem. não teria se posto em perigo. em tantas ocasiões. Ver seu melhor amigo ser explodido em pedaços. foi que teve o suficiente. colocando sua cabeça no lugar.

Tag finalmente a favoreceu com alguns toques. desde que Nicole dormiu. . Porra.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Olhando no relógio. Sabendo que ela tinha que chegar à loja por volta das quatro horas. “Anjo?” Ele desenhou círculos nas suas costa e omoplatas. “Sono. sua pele era suave.” Nicole moveu sua cabeça e esfregou seu rosto contra seu tórax. para começar a preparar os donuts da manhã. Não tinha percebido o longo tempo que passou. ele viu que eram quase três e trinta. “Hora de acordar.” ela murmurou. Ele rapidamente suas mãos no alto de suas costas.

“Eu preciso levar você para casa. . apenas o suficiente para a aterrissar na cama ao lado dele. Tag sorriu. enquanto ela gemeu.” ela murmurou. com sono. Ele rolou acima dela.” “Eu odeio donuts esta manhã. se você for fazer os donuts.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag não queria mais nada do que segurá-la pelo resto da noite. mas sabia que a aborreceria se a deixasse faltar no trabalho. Beijando seu pescoço e rosto.

. bem com exceção no todo. enquanto ligeiramente acariciava seu peito.” Tag lambeu seu mamilo com sua língua.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Você já teve um dia de folga?” Tag perguntou. eu trabalho nas noites e você trabalha nas manhãs. Veja? Nós somos perfeitos um para o outro. “Eu fecho ao meio-dia hoje e eu não estou aberto nas segundas-feiras. Você?” “Nenhum trabalho no domingo ou segunda-feira.

” . se eu não tirar uma soneca. esta tarde?” “Você me deixará cochilar? Duas noites sem sono e eu parecerei uma bruxa.” “Negócio fechado.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Gostaria de um piquenique ao lado da lagoa. depois de nosso piquenique e eu até deixarei você dormir amanhã.” “Diga-me que você ficará a noite comigo.

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C .

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C .

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C .

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Capítulo Quatro .

ao invés. Bem. Agora tudo era seu. . desde que tinha quatro anos. sua casa. Tag olhou em direção à grande casa a distância. com quatro colunas. preferindo a pequena cabana de caça. mas se recusou a viver na grande casa branca. Quem diria que seu papai era um dos homens mais ricos do município. é isso que os advogados disseram de qualquer maneira. Ele até não tinha ouvido falar de seu papai.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Com Nicole dormindo em seus braços na tarde seguinte. atrás da propriedade.

Ele podia imaginá-la na grande varanda dianteira tomando um chá doce. dispersando o sonho. Era muito cedo para tudo aquilo. Sua competição era em menos de uma semana e ele já tinha implorado a Bobby Jim que o deixasse folgar. Ele beijou o topo da cabeça de Nicole. Ela pareceria bonita naquela casa. assim ele poderia levá-la para . Ele agitou sua cabeça.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag olhou abaixo em Nicole. enquanto ele cortava a grama.

Em uma cidade . Esta competição significava tanto para ela. Seu chefe se recusou.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Louisville. o sujeito evitou Tag o dia todo. Ele se sentiu como um burro. dizendo-lhe que tinha ele tinha que ir para Louisville ajudar a representar o ‘Tumbleweed’ na competição. Não sabendo como lhe dizer que não poderia deixá-lo ir. que apenas não poderia deixar de estar lá com ela. mas se fosse ele sabia que ela deixaria seu trabalho.

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C do tamanho de Ulrich trabalho não era fácil de encontrar. Oh inferno. ele sorriu. ele acharia um trabalho em algum lugar. Nicole ergueu sua cabeça e sorriu para ele. mas não era seu estilo. Sentindo lábios em seu tórax nu. pelo resto da vida.” . Certo que podia viver com o dinheiro do seu pai. eu acho. “Quanto tempo eu adormeci?” “Alguma horas.

“Não. assistindo você. . eu estava tendo um bom tempo. Tag moveu sua cabeça ao lado. “Bobby Jim está dando a você a noite de folga?” Ela sorriu tão bonita. enquanto ela dormia.” Nicole parou de beijá-lo e olhou em seus olhos. subindo e pontilhando beijos até seu queixo. decidiu dizer-lhe da decisão que tinha tomado.” Respirando fundo.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Você dormiu?” Ela perguntou. “Eu vou com você na sexta-feira à noite. dando-lhe mais espaço para trabalhar. que soube ter feito a escolha certa.

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Bem.” . não exatamente. em uma competição de karaokê? Eu não posso deixar você fazer isto. em seus olhos verdes escuros. Ele me disse que eu tinha que fazer uma escolha. Eu escolhi você. “O que? Você está disposto a perder seu trabalho para ir comigo. especialmente se eu perder. Eu nunca poderia me perdoar.” Ele estava um pouco surpreso por ver uma piscina de lágrimas.

como você significa. Eu espero que você compreenda. “Ser bartender no Tumbleweed não significa tanto para mim. agora eu estou nisto por um longo prazo. Eu quero apoiar você. entretanto?” “Oh. eu vou descobrir alguma.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag enxugou as lágrimas que caiam abaixo de suas bochechas. . em tudo que você faz.” “O que você vai fazer com o trabalho.” Ele pôs de lado o cobertor e pegou um preservativo.

empurrando seus quadris. . Posicionando-se acima de seu pênis.” “Realmente? E quais seriam minhas funções?” ele perguntou. Nicole o rasgou abrir e alisou o fino látex acima de sua ereção dura como pedra. Nicole se empalou até que seu traseiro aninhou com suas bolas. “Eu ouvi dizer que existe uma loja de isca na cidade.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tomando o pacote de alumínio de sua mão. procurando por um grande homem forte para ajudar a funcionar isto.

” “Humm.” .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Manipulação de esteiras rolantes à noite e fabricação de donuts. eu penso que eu podia realmente aprender a amar um trabalho assim.

chilli feijões e uma camada de queijo. Nicole sorriu.” Tag olhou abaixo no prato de queijo borbulhante. Então.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Colocando um de seus jantares favoritos na mesa. “Não posso dizer que eu já tive isto. “Eu espero que você goste de ‘Caçarola de Dorito’. apenas continue . então adicione taco de carne. “É realmente simples de fazer.” Nicole levantou uma grande colher de servir e pegou uma porção generosa. Você começa com uma camada de Taco sabor Doritos.

Coloque de volta ao forno. você tira e adicione uma camada final de queijo cortado em tiras. anjo. Cubra isto com um alumínio e coloque no forno. “Oh. Um pouco antes deste tempo. isto é fantástico. por mais ou menos quarenta e cinco minutos.” .” Degustando sua primeira mordida. Tag gemeu. ‘Caçarola de Doritos’. até que esteja derretido e voilá.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C adicionando camadas até que sua travessa esteja cheia. em cima.

mas eu esqueci de pegar algum na loja.” “Da próxima vez. É muito melhor com creme em cima. “Então o que outras especialidades você guarda em sua manga? Eu poderia ter que implorar pelo jantar toda noite. enquanto cavava outro garfo cheio em sua boca.” Tag disse.” .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Obrigado.

Asse isto em forno ou na brasa. “Bem. antes de servir.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Nicole engoliu um bocado da caçarola e enxugou sua boca. Adicione uma pitada de sal. Então. você fatia cebolas. Quando você abrir isto. batatas e cenouras.” . adicione um pouco de queijo. meu papai costuma fazer uma coisa que ele chamava de jantar vagabundo. pimenta e embrulha o pacote. Você pega uma folha de alumínio e coloca um hambúrguer no centro.

” Tag se debruçou e colocou um beijo na bochecha de Nicole.” . poderia ser mais fácil cozinhar em minha casa. “Como você pode.” “Você é bem-vindo. provavelmente achar. meu papai realmente gostava de queijo.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Nicole sorriu para Tag. Da próxima vez entretanto.” “Bem se seu papai apresentou esta receita. “Obrigado. por me fazer o jantar. eu diria que ele gostava de queijo.

não são conducentes para minhas habilidades culinárias. .” Os dois riram e terminaram seu jantar. para minha cozinha?” Nicole agitou sua cabeça. “Eu estou dizendo duas bocas de fogão e um forno minúsculo. “Você está dizendo que é muito boa. Era bom ver o homem apreciar sua comida. enquanto ele comia mais duas porções. Nicole não podia deixar de assistir Tag.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag tentando parecer ofendido. em silêncio sociável.

Ele achava que deveria fazer bifes todas as noites. Afastando os pensamentos de Lonnie. Ela teria muito prazer em grelhar bifes. se ele conseguisse um maldito trabalho que os pagassem. .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Lonnie sempre comentou de seus pratos. terminou sua comida.

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

“Não coma demais.” ela disse. “Eu também fiz uma torta de Kool-Aid3.”
“Torta de Kool-Aid?” Tag questionou.
“Sim, eu amo isto. Você mistura sorvete de creme, um pouco de leite condensado e um
pacote de Kool-Aid. Então despeja isto em uma crosta de bolacha Graham. Eu fiz de cereja, mas
você pode fazer de qualquer sabor que quiser.”

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

Quando eles terminaram, Nicole se levantou sem tocar na mesa e Tag a puxou para ele.
“Deixe digerir a comida primeiro.” Ele afastou sua cadeira atrás e bateu levemente em sua
perna.
Nicole olhou abaixo em seu colo e sorriu para Tag. “Você e eu sabemos que se eu me
sentar ai, os pratos serão esquecidos num instante.”
“Sim, isso seria uma vergonha, não seria.”

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

Colocando um beijo em sua testa, Nicole levantou seu prato. “Tarefas primeiro, então
diversão.”
“Escravo.” Tag murmurou. Pôs a tampa de volta na travessa e foi para a minúscula
geladeira.

3

Ki-suco ou bebida preparada com pó de diferentes sabores empacotado.

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

Nicole estava correndo água em uma pia saponácea quente, quando Tag envolveu seus
braços ao redor dela, por detrás. Ela se debruçou contra ele e continuou com sua tarefa. “Você
seca?”
“Você sabe que sim.” Tag colocou um beijo ao lado de seu pescoço, antes de agarrar um
pano de prato. “Você se importa se eu perguntar o que aconteceu entre você e seu ex?”

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

Ele deve ter sentido ela endurecer, porque depressa se desculpou. “Desculpe, esqueça o
que eu perguntei.”
“Não, tudo bem.” Ela o deu um prato limpo e começou o próximo. “Nós éramos
namorados na escola. Ele deixou Ulrich, logo depois de seu último ano e foi para a faculdade.
Papai precisava minha ajuda na loja, assim eu fiquei. Eu não estou certo do que aconteceu, mas
Lonnie voltou para cidade, dois anos mais tarde. Ele disse que esteve chateado com a faculdade,

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

mas eu ouvi mais tarde, que tinha sido expulso, porque foi pego trapaceando.” Nicole encolheu
os ombros e passou a Tag outro prato.
Recuperando os copos da mesa, ela continuou sua história. “Nós voltamos juntos e
então, logo depois de papai morrer, Lonnie foi morar comigo. Eu pensei que nós éramos felizes.
Lonnie não trabalhava, mas ele sempre dizia que estava procurando. Um dia, eu fechei a loja

“Que fodido idiota. Não lhe deu uma pista do que fazia?” Tag agitou sua cabeça. porque era seu aniversário e eu quis surpreendê-lo. mas por estar com você. em primeiro lugar. Encontrei o bastardo na cama com Peggy Johnson. que você foi machucada no processo. Eu com certeza fiz isto.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C cedo. Eu só sinto muito. Não apenas por se enroscar com outra mulher com você do outro lado da calçada. “Bem sua falta de cérebros foi meu ganho. a maior prostituta de Ulrich.” Tag tomou o copo dela e agitou sua cabeça.” .

Evidentemente no caminho. ele decidiu parar e esvaziar nossa conta bancária conjunta. entre o dedo polegar e o dedo indicador. O vidro debaixo da tensão e cortou sua mão. com mais de três mil dólares do meu dinheiro. Ele foi expulso da cidade. com um pouco mais de força.” Nicole disse. .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Oh. “Eu chutei seu traseiro e ele deixou a cidade.” Ela estava tão irritada que empurrou sua mão dentro do vidro. foi pior que isto.

O hospital mais próximo. Nicole sorriu do som frenético de sua voz. Eu apenas vou parar o sangramento e prender com um esparadrapo. “Nós precisamos levar você para um hospital.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Soltando o vidro quebrado de volta na água. Ela agitou sua cabeça.” . que está aberto a esta hora da noite é quase oitenta quilômetros. envolvendo o pano de prato. Tag estava lá imediatamente. ao redor sua mão sangrando. Nicole clamou em dor. “Eu acho que você está certo.” ele disse.

” “Sim.” . Tag a levou para fora e sua motocicleta. “Eu sei onde conseguir um carro.” Tag se sentou com ela atrás da motocicleta e arranhou sua cabeça. Apoiando ela em seus braços.” Eles viram o pano de prato começar a ficar vermelho. na minha casa. “Nenhum modo de eu dirigir oitenta quilometro na Harley. com que você sangrando assim.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “O inferno que você irá.

” Ele subiu na motocicleta.” Tag voou pelo caminho de terra. Ele saiu com um grande molho de chaves em sua mão. O que nós estamos fazendo aqui?” .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag agitou sua cabeça e correu de volta a cabana. Eles passaram pela lagoa e foram em direção a grande à Casa Branca que Nicole podia ver ao longe. olhou para Tag. “Esta é a antiga casa do senhor Barrett. “Sua casa é muito longe de qualquer modo. Assim que eles pararam ao lado da garagem. “Segure-se.

fora de sua baía. a porta da garagem se abriu e ele dirigia um Cadillac de uns vinte anos de idade. o filho tinha sido seqüestrado por sua ex-esposa. quando entrou no carro e afivelou seu cinto de segurança. O filho que perdeu anos atrás. tinha um único herdeiro. Alguns segundos mais tarde. Todo mundo na cidade sabia que Charles Barrett.” Tag desligou a Harley e desapareceu pela porta lateral da garagem. . Nicole teve um pressentimento.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Só me dê alguns minutos e eu explicarei no caminho.

Jr.” Nicole afastou a mão que segurava a toalha sangrada.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Enquanto Tag se retirava da calçada em uma alta velocidade. . Por que ela não viu isto antes? “Você é Charles Barrett.” “Não.” Tag disse com uma sacudida rápida de sua cabeça. Nicole estudou seu perfil. apenas o suficiente para colocar na coxa de Tag. Ela disse que ele não merecia me ter levando seu nome. “Minha mãe mudou meu nome. quando ele nos deixou.

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

“Eu sinto muito, mas eu penso que não deste modo que as coisas aconteceram. Eu
lembro de meu papai conversando sobre Sr. Barrett. Ele disse, que depois que sua esposa o
deixou e levou seu filho, o Sr. Barrett nunca mais foi o mesmo. O papai disse que o Sr. Barrett
gastou uma fortuna procurando por seu filho, mas nunca o achou.”
Ela sentiu a coxa de Tag tensa e removeu sua mão. Depois de ajeitar a toalha, ela
continuou. “Eu lembro de ver Sr. Barrett dirigir este carro, de cima a baixo nas ruas da cidade. O

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

papai disse que ele ficou um pouco louco por procurar por seu filho. Por anos, ele dirigiu pelas
mesmas ruas, esperando que você o acharia e voltasse para ele.”
“Pare com isto.” Tag gritou. Ele não a olhou. “Isto é uma mentira que ele fabricou, para
cobrir o fato que de nunca, realmente, ter me amado ou a minha mãe.”
Nicole não disse mais nada. Ela sabia que não chegaria em nenhum lugar, com ele neste
humor defensivo. Ela pensou sobre isto e pelo tempo que tinha estado com Barrett na loja.

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

Ela apostava cem dólares que Tag ainda não tinha estado dentro daquela casa. Se ele
tivesse, Tag iria acreditar no que ela estava lhe dizendo. Ela quase lhe disse isto, mas segurou
sua língua. Haveria hora e um lugar melhor.
Olhando pela janela de passageiro, ela tentou imaginar o que seria pensar que seu
próprio pai não a querer. Nicole imaginou que aquele tipo de ferida ficava em uma pessoa. Ela
se perguntou o que aconteceu com sua mãe. Ela ainda estava viva?

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

“Eu sinto muito.” Tag finalmente disse. Ele colocou uma mão atrás do pescoço de Nicole
e deu-lhe um leve aperto. “Eu não gosto de conversar sobre minha família.”
“Eu não quis dizer isto para deixá-lo louco.” Nicole olhou para a toalha envolvendo sua
mão. Parecia o mesmo de antes. Evidentemente o corte parou de sangrar.
Deslizando seu dedo polegar, acima da concha de sua orelha, ele suspirou. “Podemos
apenas esquecer sobre ele agora?”

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

“Certo.” No momento.

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

Nicole dormiu com sua cabeça no colo de Tag, ao retornar a sua casa. Ela conseguiu
doze pontos e ordenaram que ficasse alguns dias fora do trabalho. Tag sorriu para ela, enquanto
se lembrava do acordo que o fizeram.
No fim, ele concordou em ajudá-lo no trabalho de iscas e donuts da loja. O que no
mundo, tinha esta mulher feito com ele. Se fosse em outro tempo, ele teria ido embora, sem
pensar duas vezes. Mas agora, não apenas estava mergulhando com peixinhos, como vestindo

ajude-me a resistir da tentação de ir para o acostamento e foder com esta mulher em cada centímetro. em um período pequeno de tempo. . A cabeça de Nicole começou a se mover. aconchegando-se mais fundo em seu colo. Por favor.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C um avental de panificação. como se dependesse sua vida. pensava que assaria donuts. Pelo menos. Senhor. Amém. ele tinha muito para aprender. Inferno. quando ela entrou em contato com seu pênis já duro. Ele friccionou seus dentes.

Tag se perguntou por que as pessoas as pessoas da cidade pensavam que seu pai era um bom homem.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Para ocupar sua mente em outra coisa. mas ela sucumbiu de câncer. quando estavam a caminho do hospital. isto não era realmente um argumento. quando ele estava no serviço. Ele desejou que sua mãe estivesse viva para perguntar. Bem. Tag pensou sobre seu argumento antigo. mas foi como se aproximasse mais os dois. .

Engraçado que nunca pensou em questioná-la. e foi onde Tag aprendeu o oficio. Tag lembrou-se quando perguntou por que eles tinham que se mudar freqüentemente. Jessie Taggert era uma garçonete de bar. Acabou de lhe ocorrer .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Pensando de volta em sua vida. Tinha sido uma vida dura. eles estavam arrancando as estacas e indo para algum lugar diferente. mas sua mãe disse-lhe que precisava se mover para onde o trabalho estava. Parecia que quando fazia amigos.

Ela tinha uma grande constituição e um traseiro bem formado. . Gostava que Nicole não fosse uma modelo magra.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C que não tinha sido difícil para uma mulher de sua aparência e habilidade conseguir trabalho. como ele gostava. Tag deslizou suas mãos pelos quadris bem formados de Nicole. Então por que eles sempre tinham que se mudar? Não gostando para onde seus pensamentos o estavam levando.

quando Tag deslizou para a fenda de suas nádegas. A cabeça de Nicole se moveu novamente.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Deslizando sua mão entre o cós de seu jeans e sua pele suave. Ele foi recompensado por uma inundação de nata. deslizou seus dedos acima de seu traseiro. Ele sorriu com seu gemido sonolento. “Você despertou?” . enquanto mergulhava um dedo em sua vagina. Ele parou na beira de seu buraco enrugado e mudou-se para seu clitóris.

Pensa que eu posso fazer você gozar. Ela continuou mordiscando seu pênis pelo espesso jeans. “Nós estamos quase em sua casa. enquanto Tag continuava seu assalto na gotejante vagina. antes que nós cheguemos lá?” .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “O que você acha?” ela gemeu e apertou seus lábios na ereção de seu jeans.

Tag espalhou suas coxas. enquanto deslizava seu zíper. uma de cada vez.” Tag rosnou profundo em sua garganta. então isto é uma corrida para a linha de chegada? Certo. chupando suas bolas em sua boca. mas eu penso que eu posso fazer você gozar primeiro. Decidido dar-lhe toda a cooperação que ela precisava.” ela disse. Sem preâmbulo. enquanto Nicole não perdeu tempo em livrar seu pênis. . “Oh.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Eu tenho fé em suas habilidades. você está ligada. ela começou lambendo seu saco.

enquanto trabalhava seu pênis. até seu dedo estalar e passar pelo anel exterior apertado de músculos. . Ela fez um grunhido de protesto. dentro de sua boca aquecida. antes de se retirar. Nicole gemeu ao redor seu pênis à medida que chupava tanto dele.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Ele estava quase vesgo. quando se lembrou que estava em uma corrida. Tag moveu seu dedo polegar cremoso para seu buraco enrugado e aplicou uma pressão. Ele mergulhou seu dedo polegar em sua vagina e achou-a agradável e molhada.

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Sabendo que seria melhor se apressar. até a beira do clímax. antes dele gozar. “O que eu sou. Tag deu a Nicole até mais de seu pênis. enquanto ela se balançava em sua mão. Nicole gritou e estalou fora de seu pênis. uma bola de jogo de boliche?” ela perguntou. Maldição. esta mulher podia fazê-lo rir. Tag começou a rir. antes de voltar para deglutição de seu comprimento. . Empurrando acima. apunhalou dois dedos em sua vagina.

enquanto lutava para tirar sua mão da calça jeans de Nicole. Deslizando para uma parada. ele enterrou seu rosto em suas mãos. indo para o fosso. com o canto de seu olho e apenas registrou o cervo a tempo. “O que aconteceu?” . o carro mudou de direção. enquanto lutava para conseguir o carro sob controle. Ele podia ter jurado por sua vida sexual inteira. Pisando nos freios.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Ele pegou um movimento fora. que passou por seus olhos. Nicole se desenredou e sentou olhando para o pára-brisa.

“Você já viu aquele filme O Mundo de acordo com o Garp?” Evidentemente ela tinha. Tag respirou fundo. “Eu lembro de ter assistindo aquele filme e pensado que seria a pior coisa que podia acontecer a um homem. porque seus olhos se arregalaram. Ele colocou sua mão entre suas pernas e envolveu ao redor de seu pênis.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Cervo.” ele murmurou. A esposa de Garp tinha um caso e estava dando a .” Tag se lembrou da cena muito bem.

Tinha estado envolvida com tanto ardor. Esta mulher louca.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C seu amante um boquete na garagem. . Ele olhou para Nicole e teve que morder sua bochecha para evitar de rir. quando Garp e suas crianças na parte de trás do carro chegaram e acabou em acidente. sensual tinha a pior cabeleira que já vira. que levaria horas para desfazer o emaranhado de seus bonitos cabelos. Tag visivelmente estremeceu no pensamento. O pobre amante conseguiu uma mordida em seu pênis.

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “O que foi?” ela questionou. anjo. que estava profundamente apaixonado. Tag pensou que estava linda. Ele soube naquele segundo.” Nicole sorriu e firmou seu cinto de segurança. “Vamos chegar em casa.” ele disse. Até com o cabelo que assustaria crianças pequenas.” Ela deu uma risadinha. “Pensar que este carro foi mantido em condição de . “Eu penso que isto é uma boa idéia. e tentou cobrir sua boca. “Nada.

” “Eu tomarei minhas chances. “Você tem certeza sobre me namorar? Eu posso ser arriscado para sua saúde.” Ela deu a Tag uma piscada. Eu consigo um passeio e quase causo um acidente.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C cunho por vinte anos.” .

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C .

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C .

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Capítulo Cinco .

Ela continuou lhe dizendo que não era uma inválida. Nicole não podia acreditar da . não pode deixar de sorrir. ele lhe deu um banho e lavou seu cabelo e então gastou quase uma hora desembaraçando o emaranhado que conseguiu na noite anterior. Afortunadamente era segunda-feira e a loja estava fechada.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag passou o dia seguinte cuidando de Nicole. ninguém se importou o suficiente para cuidar dela. como Tag o fazia. mas se recusou a escutá-la. Até agora. Enquanto ela o assistia fazer uma tigela de sopa. Desde seu papai.

“Quer que eu atenda isto?” Tag perguntou. “Por favor. Ficou mais envergonhada quando Tag tinha admitido que estava daquela forma ontem à noite.” Nicole respondeu. Isso era a parte mais surpreendente. tomando uma colherada da sopa quente. quando seu telefone tocou. . E ele ainda estava aqui. Ele colocou a tigela quente de sopa de tomate na frente dela. quando acordou naquela manhã.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C forma que a olhou.

“Isso era seu ex. “Eu não sou seu bebê. eu terei certeza que você não seja mais capaz de tê-los.” Tag bateu o telefone abaixo e voltou-se em direção à pia. quando ele não disse nada imediatamente. para lavar a panela de sopa. Ficou surpresa. Quando ele finalmente falou. mas observando sua mandíbula tensionada.” . disse-lhe que alguém já estava conversando. e se você já chamar Nicole novamente. foi uma voz que nunca ouviu antes.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag levantou o telefone.

“Escute. filho da puta. você é surdo ou apenas tem o desejo de morrer?” Nicole teve que cobrir seu sorriso. Ela apreciou bastante isto. “Eu cuidarei disto. Nicole começou a se levantar. .” Ele levantou o receptor.” Minutos mais tarde. Ela nunca ouviu ninguém falar com Lonnie daquele modo. o telefone tocou novamente.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Nicole tragou. “Certo. mas Tag gesticulou para que ficasse sentada.

eu estarei ai. desculpe.” Nicole estava curiosa.” . você me deixa de folga na sexta-feira. Eu pensei que você era outra pessoa. Bobby Jim. com uma condição. é isto ou nada. em seu dia de folga.” Ele olhou para Nicole e piscou. por que Bobby Jim estaria chamando Tag. em uma hora. “Certo. Não. Como você sabia onde me achar?” Tag escutou por alguns segundos e movimentou a cabeça.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Oh. “Certo. “Aquele bastardo com sua boca ainda vai colocá-lo em dificuldades. assim eu posso assistir Nicole cantar.

” “Ele disse que te dispensará na sexta-feira?” “Ele disse que pensaria sobre isto. não vai querer me perder.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Ele desligou e foi para a mesa. mas Harley faltou novamente. Bobby Jim precisa de mim para trabalhar. “Desculpe. mas eu tenho uma sensação que quando perceber que eu sou o melhor garçom do bar que tem.” .

É isso que conseguiu por se permitir sonhar novamente.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Então você está me dizendo. ela mentalmente se chutou. . Ela realmente estava olhando adiante. Maldição. não está em seu futuro.” ela murmurou e voltou para sua sopa. que uma carreira nos negócios de isca. compartilhando seu espaço de trabalho com Tag.

eh.” Tag disse descendo em seus joelhos. ao lado de sua cadeira.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Eh. “O que? Você ainda quer trabalhar na loja?” .” Sua cabeça levantou. não significa que eu não gostaria da chance de brincar com os seus peixinhos. “Só porque eu poderia estar mantendo meu trabalho. eh.

” “Mas por que você quereria trabalhar em dois trabalhos. prefiro gastar com você. do que qualquer outra coisa. mas todo o tempo livre que tiver. “Eu não posso ser capaz de fazer isto em tempo integral. quando você não precisa do dinheiro?” .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag lhe deu um beijo profundo e lento.

Eu não sei como aconteceu tão rápido ou como eu consegui ser tão sortudo e achar a mulher perfeita para mim.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Envolvendo seus braços ao redor de sua cintura. “Assustaria você. mas eu não planejo questionar isto muito duro.” . se eu dissesse que eu estou de quatro por você?” “Realmente?” “Sim. Tag a puxou abaixo no chão e em seu colo.

Tag abriu e fechou sua boca por vários momentos. “Eu posso ter que fazer um seguro. que estremeceu seus dentes.” Nicole ergueu sua cabeça para dar-lhe um beijo e bateu em seu queixo. “Merda. mas valerá a pena. Parecia que não podia ter um momento romântico.” Ela esfregou seu queixo. “Eu sou um desastre. também.” ela disse com um beicinho. ao invés. sem arruiná-lo.” .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Eu amo você. eu sinto muito. Ela ouviu o alto ‘clack’.

“Como você soube disto?” .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Assim que Tag a deixou para o ‘Tumbleweed’.” Darlene respondeu. Nicole olhou abaixo em sua mão. com uma bandagem. Nicole chamou Darlene. “Você nunca acreditará no que aconteceu?” “Você cortou sua mão.

você vive em Ulrich. Duh. . assim ela finalmente acabou de perguntar. Não é por isso que eu estou chamando.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Oi.” Nicole virou seus olhos. Betty disse que não viu um machucado nele. Tag entrou na farmácia esta manhã para comprar gaze e esparadrapo. Tag me disse que esta apaixonado por mim.” ela guinchou como uma menina da escola. assim você sabe que eu cortei minha mão. “Certo.

eu precisarei de uma boa hora e meia. Eu estava me perguntando. se eu pudesse conseguir uma carona para o Tumbleweed? Eu poderia surpreendê-lo.” . boneca.” “Bem certo. participar de pelo menos uma cerveja e uma rodada de charco. Não pode cair mal. Eu não pensei que o ‘Garanhão da Harley’ tinha isto nele. eu serei maldita.” “Obrigado. para ficar pronta.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Bem. Parabéns.

Tag olhou para o relógio pela quinta vez. Maldição. queria estar com Nicole. . Darlene.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Obrigado. na última hora.” Enxugando o bar.

para ver uma típica mulher de meia-idade ‘borboleteando’ pelo bar. Completou a caneca com cerveja. antes de deslizar isto para a mulher. ele tomou uma pequena lata de suco de tomate. Movimentando sua cabeça. . “Você é uma raposa real. fora do refrigerador e despejou metade em uma grande caneca.” a mulher disse e agarrou a mão de Tag. garanhão?” Tag olhou no bar.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Eu posso conseguir uma cerveja vermelha.

quando Nicole se aproximou por trás da mulher.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Obrigado. não você não vai.” Nicole disse.” Tag disse. Ele geralmente não julgava ninguém pela aparência. mas podia dizer que esta mulher tinha problemas. Ele estava tentando puxar sua mão longe. agarrando um punhado do cabelo da mulher. até que ela soltou de seu aperto Tag. tentando cair fora. “Oh. .

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C A mulher voltou-se atrás e bateu no rosto de Nicole. “Você solte meu cabelo.” . se você não sabe agradar um homem. com suas obviamente unhas postiças. Eu não posso fazer nada. Skeeter Ashford.

com as raízes cinzentas e pretas e não pôde acreditar nisto. pegou sua atenção. que fodido mundo Lonnie estava. esta senhora me faz feliz na cama. “Para sua informação. Ela tem mais classe no .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag agitou sua cabeça. Ele saltou acima do bar e acertou o rosto de Peggy. na motocicleta e em quase todos os malditos cômodos da casa. Seria esta a mulher pela que Lonnie a enganou? Tag olhou para a loira oxigenada. A observação sobre Nicole que não poder agradar um homem. Eca.

mas Tag pôde ouvir. especialmente não com um lixo. do que você tem neste seu corpo falsificado. como isto.” . Ela se debruçou acima do ombro de Peggy e falou em sua orelha. “Deixe ela ir. Você não tem nada com que se preocupar.” Nicole soltou seu aperto do cabelo de Peggy. Eu nunca iria jogar fora uma boa coisa.” Tag alcançou a mão de Nicole e a cobriu com a sua. anjo.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C seu dedo mindinho. “Você coloque uma mão no que é meu novamente e eu a quebrarei.

“Não duvide de minha lealdade. Ele levou Nicole para o pequeno corredor dos sanitários públicos. Envolvendo Nicole em seus braços. antes de a mulher poder dizer qualquer coisa.” .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag puxou Nicole longe de Peggy. tanto como o poder da boceta de Peggy parece ter. ele a beijou.” “Eu não estava duvidando de sua lealdade.

Eu não sou Lonnie e gambá não é meu estilo. “Você já entrou naquela grande casa que você herdou? Ou você tem medo?” Tag deu um passo atrás. Você precisa esquecer do passado e se mover adiante. De onde isto tinha vindo? “Por que você trouxe a casa?” .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Não.” “Olha quem fala.” ela disse. Nicole cruzou seus braços e olhou nele. anjo.

“Prove isto. “Eu amo você. Lide com seu passado. Se você achar que quer criar raízes aqui em Ulrich. mas eu preciso saber que você não levantará e decolará de mim. você saberá onde me achar. anjo. para acalmar os medos de Nicole. “Porque eu sei.” Tag tentou seu melhor.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C A expressão de Nicole suavizou.” “Eu não deixarei você. sempre existirá uma chance de que você me deixe.” . até que você lide com isto. Brian Taggert.” Ela ficou nos dedões do pé e deu-lhe um beijo profundo.

Ele não estava certo. e Tag não estava certo cujas mentiras o machucariam mais. até isto. para não puxá-la para seus braços e propor.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag sentiu seu coração afundar. Ela parecia tão triste. . A única coisa que o parou foi o passado. Alguém estava mentindo. enquanto assistia Nicole ir embora. com que não tinha tratado. que buscou tudo dele.

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Depois que Nicole convenceu Darlene que estava bem. Ainda não podia acreditar que basicamente deu um ultimato em Tag. Como . finalmente foi deixada a sós com seus pensamentos.

significava seu mundo.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C iria viver se ele deixasse a cidade? A coisa estúpida foi que o seguiria para qualquer lugar. mas não tanto como Tag. não é?” Tink deu uma lambida em Nicole em acordo. Nicole finalmente concordou no sofá com Tink em seu colo. Ela acariciou o feio cachorro e examinou seu rosto. Vagando de quarto em quarto. os pequenos negócios que possuía. “Você não me deixará. . Certo.

esmurrando o braço do sofá. que Tag reconheça quem ele é. “Eu quero Tag. Esta não é a razão que eu quero.” Ela pensou sobre Lonnie e percebeu que ele nunca foi ou seria estável. quando papai morreu.” ela lamentou. Uma batida na porta.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Sabe.” Nicole enterrou seu rosto no travesseiro. além da loja. Ele era a única coisa estável em minha vida. eu nunca me importei com fazer mais dinheiro do que eu preciso para viver. tirou Nicole de seu acesso de raiva. Ela enxugou seus olhos . Quase me matou. eu não o quero de qualquer maneira. “Bom.

sabia que não iria embora até que conversasse com ele. “O que você quer?” . Desenganchando a corrente. Conhecendo Lonnie como conhecia. Enquanto espiava pelo olho mágico. Nicole suspirou e virou seus olhos.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C e experimentou escovar seu cabelo. ela abriu a porta. enquanto se levantava do sofá. fora de seu rosto.

Skeeter. bebê. “Geez. não atire sua raiva em mim. Eu apenas parei para ver como você estava. eu lhe disse que era tudo culpa daquela mulher. você tem que falar deste modo?” . Veja. ser fisicamente impossível que seu pau conseguisse chegar a sua boceta. a menos que estivesse preso lá.” “Sim você disse. e eu acredito que eu lhe disse. “Hey.” Lonnie fez um rosto azedado. Eu ouvi que você pegou seu garçom do bar dando atenção para Peggy.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Lonnie sorriu e levantou suas mãos.

” “Você. Eu não tinha nenhuma idéia que você já estava amigada com outra pessoa. Agora. Não havia modo dela convidar o ‘bola-dentro’. mais provavelmente. o que você quer?” Nicole escorou suas mãos nos quadris e esperou. você consegue o melhor de mim. bebê. “Eu sinto sua falta. sentiu falta de minha conta bancária.” .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “O que posso eu dizer. e eu não estou amigada com ninguém. Está é a razão que eu voltei para a cidade.

“Sabe o que? Eu nunca pensei sobre ter outro ser humano em minha vida. Eu sabia que andar ao seu redor. eu sou também muito boa para você. Quando você foi embora pela primeira vez. Lonnie. eu tentei . Eu tentarei fazer melhor agora. não era o melhor caminho para lidar com minha super ativa libido. me dê outra chance. algo aconteceu com Nicole.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Lonnie ficou de joelhos na frente dela e se inclinou. para a faculdade. mas maldição.” Estudando o bonito homem na frente dela. “Por favor.

Você é a pessoa que nunca foi boa o suficiente.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C me dizer que não era porque eu não era mulher suficiente para mantê-lo aqui. diga que me dará outra chance. eu sou muito boa. Eu sou boa o suficiente. “Severo. Certo.” Lonnie agarrou seu tórax. quando você voltou e me traiu. Mas Tag me abriu os olhos. agora que você conseguiu ‘aquele’ fora de seu sistema. bebê. Então. eu estava segura que eu não devia ser suficiente mulher para você.” .

quando seu novo namorado ver por este bonito rosto seu. Então você estará rastejando de volta para mim em seus joelhos.” .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Nicole agitou sua cabeça.” “Você lamentará esta decisão. Agora tire seu traseiro arrependido fora de minha varanda e não volte. depois que você fugiu da cidade? Eu acredito que acabei de lhe dizer. que você merece uma mulher mais como Peggy. cadela estúpida. do que uma como eu. “Você foi e perdeu sua audição.

Lonnie não teve nenhuma idéia de como chegou perto de seu maior medo. decidindo que não gosta do que vê?” . “E se ele estiver certo e Tag me ver.” Nicole não esperou por uma resposta.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Bem teria que estar de joelhos. Bateu e bloqueou a porta e se afundou no chão. para descer ao seu nível.

não notando nenhuma luz.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag montou sua Harley para casa de Nicole. . Seu peito apertou ao pensar na conversa anterior. Diminuiu a velocidade quando passava. quando finalmente saiu do trabalho.

Tag desligou o motor e se sentou lá. Ele sabia pelo advogado de Charles que a casa tinha estado do mesmo jeito. Nicole estava certa. Embora não podia ver o monstro branco da cabana. desde sua morte. Tag ligou sua motocicleta e . Ele precisava lidar com seu passado. para continuar pela estrada. Parando a motocicleta em sua pequena cabana. Ele olhou em direção à casa do seu pai. estava sempre ciente de sua presença.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Buscou toda sua força.

Ele rugiu pelo caminho de terra.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C esperou que a eletricidade estivesse ligada. . em direção às respostas para sua vida inteira de perguntas.

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C .

Ela recebeu numerosos telefonemas de Bobby Jim. Até onde . lhe perguntando se tinha conversado com ele.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Capítulo Seis Depois de três dias sem noticias de Tag. Nicole ficou preocupada.

Uma vez que terminou de lavar a última panela. ninguém na cidade viu ou ouviu Tag. a besta velha finalmente funcionou. desde que ele partiu do trabalho na segunda-feira à noite. enquanto girava a chave na ignição. funcione.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C sabia.” ela rezou alto. “Por favor. Depois de várias tentativas e um barulho alto. . Nicole fechou as lojas e entrou em seu carro.

como o inferno. Estacionando na frente da garagem. Depois de várias tentativas. Pelo menos esperava. isto é onde ele estaria. Nicole caminhou para a porta da frente e tocou o sino. O pensamento dele deixando a cidade sem dizer adeus era demais para seus nervos lidar. “Tag?” Nicole chamou. Se Tag estava ainda na cidade e ninguém podia chegar até a cabana. Nicole se dirigiu em direção a velha casa de Barrett.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Aproveitando a chance. deu a volta na casa. que é onde ele estava. enquanto .

se ele estava ainda na casa e por que ele não estava respondendo seus telefonemas. enquanto entrava na casa silenciosa. Era evidente que Tag tinha estado ali. “Tag?” ela chamou novamente.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C caminhava ao redor. “Tag?” . Ela estava quase partindo. A grande pergunta era. não podia ver nada. Examinando o vidro. quando notou que a porta do pátio não foi fechada totalmente. Caminhando pelos quartos vazios parecia estranho.

embora. “Tag?” . em direção ao piso superior. Uma casa grande devia estar cheia com crianças.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Nicole subiu a escadaria principal. A casa estava quieta como se lembrava em sua infância. quase parecia solitária. Procurando pelos quartos. Nicole abriu a porta do fim do corredor.

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag estava enrolado na cama. Nicole molhou uma toalha e retornou com isto ao quarto. Tag estava enrolado na cama desmaiado. Tag. Sentando-se ao lado da pequena cama dupla. com uma garrafa de Wild Turkey. enquanto levantava a garrafa vazia. “Oh. adormecido. Nicole olhou o quarto.” Nicole suspirou. Indo para o corredor abaixo do banheiro. Apagando o pensamento. Nicole enxugou a sujeira do rosto .

Nicole podia ver a angústia em seu rosto. . “O que você tem feito esta semana?” ela sussurrou.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C másculo de Tag. Decidindo que ele precisava de mais que um rosto lavado. com uma toalha e uma panela de água quente. Até em sono. Tag até nem se mexeu. enquanto ela dava um banho em seu corpo inteiro. Nicole começou a tirar as roupas de seu corpo.

Como esperado. o que significava que Tag. para ver se existia qualquer coisa na casa para comer. Nicole cobriu Tag e foi ao andar de baixo. não comeu nada nos últimos três dias. Ela escreveu uma nota rápida e deixou a casa. . provavelmente.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Depois de barbear seu rosto. os armários estavam vazios.

“Que diabos. quase quebrou os tambores de sua orelha. O som de sua própria voz.” ele murmurou. .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Abrindo seus olhos. Tag saboreou pasta de dentes. Sua cabeça estava batendo e ele pensou por um segundo que devia estar morrendo.

O som de alguém subindo os degraus. Ele precisava fazer xixi tão ruim. enquanto se forçava a se sentar e colocar suas pernas fora da pequena cama.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C O estômago nauseado. o fizeram soltar sua . o lembrou suas atividades nos últimos dias. debaixo das coberturas. Ele segurou ambas as mãos em sua cabeça. mas o pensamento de se erguer do travesseiro foi suficiente para mantê-lo lá. Ele tentou procurar no quarto. algo para urinar sem ter que realmente sair da cama. que estava em dor. Foi então que notou estar nu.

quando ele era um menino. A porta se abriu e ele olhou para cima.” Rindo. Nicole o ajudou a levantar.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C cabeça e cobrir sua virilha com a colcha da criança. “Até de ressaca. você ainda tem a fala doce. não a da criança. não.” . dando a Tag a força que precisava. sua. “Eu preciso fazer xixi. Este tinha sido seu quarto. “Anjo?” O sorriso de Nicole brilhou.

. Nicole o ajudou corredor abaixo. ele a segurou. “Você quer que eu segure isto para você.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Ele deu uma tentativa de um sorriso. enquanto podia dominar-se e pôr seu braço ao redor seus ombros. Sem nada perguntar. também?” ela perguntou. Quando devia a soltar. ajudando-o no banheiro. para o banheiro.

“Quinta-feira.” . Tag segurou-se com sua mão livre e aliviou com um suspiro de prazer. “Que horas são?” “Quase quatro.” Quatro? “Que dia?” ele perguntou. enquanto se sacudia. Muito poucas coisas fora do quarto era tão bom.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Só se você quiser.” ele respondeu. quanto o primeiro xixi da manhã.

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Ela o ajudou na pia.” ela deu uma risadinha.” . também?” “Não. notando seu rosto barbeado. “Eu esguichei um pouco pasta de dentes em sua boca. entretanto. Eu estava trabalhando muito próximo. que sua respiração estava começando a me deixar bêbada. “Você escovou meus dentes. onde ele lavou suas mãos.

” . “Por que você não descansa? Eu descerei e pegarei uma tigela de sopa.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Nicole caminhou de volta para a cama. “Eu não penso que eu posso manter qualquer coisa.” O pensamento de comida teve seu estômago fazendo ‘flips-flops’.

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

“Muito ruim. Você está vai pelo menos tentar. Eu trarei uma balde de vômito comigo,
mas se você não colocar algo em seu estômago, ficará doente por uma razão diferente. Wild
Turkey.” ela ridicularizou. “Você podia ter pelo menos se embriagado com algo decente.”
“Oh, Deus.” Tag cobriu sua boca. “Por favor, não mencione isto.”

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

Movimentando a cabeça, Nicole o ajudou debaixo das coberturas. Mesmo de ressaca,
sua proximidade fez seu pênis se encher. Ela deu uma risadinha novamente e agitou sua cabeça.
“Descanse. Eu já volto.”
Tag olhou seu traseiro, enquanto saia do quarto. Quinta-feira, então pelo menos não
perdeu sua competição. Ele pensou sobre isto nos últimos dias e das miríades de emoções que
tinha atravessado. A única coisa que se manteve fiel foi seu amor pelo seu anjo.

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

Nicole voltava num instante, levando uma bandeja de comida. “Eu fiz para você
algumas torradas, também.”
Ela colocou a comida na mesa de lado da cama e ergueu a tigela de sopa. Sentando-se
próximo a ele na cama, Nicole lentamente o alimentou da primeira colherada. Ele ficou surpreso
de como facilmente o liquido quente desceu.
“É bom.” ele disse.

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

“Obrigado. Era receita da minha mãe. Meu papai me mostrou como fazer isto, quando
eu era ainda uma criança. Eu ensinarei você, quando você estiver se sentindo melhor.”
Depois de terminar a tigela, Tag pôs sua mão na coxa de Nicole. “Você se deitará
comigo?”
“Depende. Você esta ficando ou indo?”

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

“Fique nua e entre debaixo das coberturas comigo e eu lhe direi.” Tag respondeu.
Afastando as coberturas, expondo seu estado de excitação.
Com um rubor em suas bochechas, Nicole depressa ficou nua. “Eu pensei que você me
disse que hoje era quinta-feira?”
“Sim, eu disse.”
“Então, por que você está vestindo a calcinha do sábado?”

Karaokê no Tumbleweed

Carol Lynne

C

Nicole olhou abaixo e cobriu sua boca. “Eu juro que eu vou me livrar desta roupa
íntima. Eu normalmente só agarro um par fora da gaveta e não dou um segundo pensamento. É
assim, como agora, é quando eu questiono minha calcinha escolhida com sabedoria.”
“Expulse-as, jogue todas fora. Eu gosto de você, muito melhor nua, de qualquer
maneira.” Tag alcançou e puxou Nicole em cima dele. “Você se sente bem.”

Tag rolou para seu lado e ajustou o corpo de Nicole no seu. “Converse comigo.” ela disse acomodando-se.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Eu?” A mulher má começou esfregar sua suave boceta. “O que você quer saber primeiro?” “O que fez você se fechar nesta casa por três dias?” . contra o seu pau.

Era quase como seu pai tivesse criado um santuário.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Memórias. “Pilhas e pilhas de relatórios. até depois de sua morte.” Tag lembrou das centenas de retratos dele espalhados ao longo da casa. Ele . “Eu vi os arquivos. Barrett procurar por você?” Nicole circulou seu mamilo com a ponta de seu dedo.” Tag admitiu. Retratos. “Você acredita no que eu lhe disse? Sobre o Sr. para seu filho perdido. Meu pai gastou milhares de dólares e os advogados não puderam me localizar.

“Você nunca saberá a resposta para esta pergunta. Eu penso que o principal é você perdoar seus pais e a você mesmo. mas estava tão sujo e gorduroso que deslizou por seu rosto e sua bochecha.” Tag olhou o quarto. Você era uma criança e tinha . tentando compreender por que. nesta casa. “Eu gastei os últimos dias.” Nicole tentou correr seus dedos por seu cabelo.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C morreu sozinho.

sua mãe fez o que sentiu que precisava fazer.” “A menos que meu pai fosse algum tipo de monstro. Em seu caso. por que ela iria tentar me afastar dele?” .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C que acreditar nos adultos de sua vida.

” Tag admitiu. Seu pai era um homem muito rico.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Talvez tivesse medo que ele levaria você para longe dela. Talvez sua mãe o amasse tanto. Como eu consegui ter tanta sorte?” . Tag.” “Eu nunca pensei nisto desta forma. Ele examinou os olhos verdes de Nicole. que até o pensamento de se separar de você a levou a se esconder. “Você é uma mulher muito sábia. Olhe para esta casa.

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “A sorte não teve nada a ver com isto. “Mais para que você sempre saiba. “Aqui estou eu. Ela deu um leve empurrão em seus ombros e quebrou o beijo.” Tag começou a rir. Rodando acima. “Eu amo você.” . tentando fazer amor com minha menina e ela me diz que hálito fede. Tag se insinuou entre as coxas de Nicole e a beijou. mas você precisa levantar e escovar seus dentes.” ela brincou.” ela disse. foi a Harley.

” ela disse com um sorriso. .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Boa higiene é uma parte importante de uma relação bem sucedida.

isto e o fato que não tinha nenhum preservativo na casa de Barrett. Eles optaram por voltar para sua casa na noite anterior. . assim ela podia se levantar cedo e abrir a loja. Sua primeira parada foi rastejar de volta na cama com Tag.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Nicole fechou as lojas cedo no dia seguinte. Deslizando debaixo das coberturas. Bem. as mãos de Nicole começaram a vagar graciosamente pelo corpo esculpido de Tag. Era seu grande dia e queria iniciar isto.

anjo. “Manhã? Nossa. Você sempre fica na cama o dia todo?” Tag abriu um olho e olhou para ela. “Depende de quem esta na cama comigo.” ele murmurou.” . “Manhã. em todos os sentidos. Ela apalpou suas bolas pesadas e sorriu quando Tag gemeu.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Ele era definitivamente o homem de seus sonhos. é quase nove horas.

” Nicole disse.” Ela liberou seu aperto e Tag suspirou. dando atenção aos seus testículos. apertando um pouco mais.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Melhor ser só comigo. “Só você. “Que horas nós precisamos ir para Louisville?” .

cerrando seus dentes.” Ela extraiu um pacote de alumínio e abriu isto. “Por volta das duas.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Nicole escarranchou em seu colo e agarrou a caixa de preservativos.” Tag disse. enquanto Nicole rolava o preservativo abaixo de sua seta. mas eu preciso praticar por uma hora ou então antes de partirmos. “E o que nós devemos fazer até então?” “Eu tenho umas idéias. .

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Antes dela poder se empalar. quem sou eu para negá-lo. ele agitou sua cabeça. mas se você realmente precisa de um lanche.” Nicole se esticou e deixou sua boca vagar . Subindo em cima dela. Tag se moveu. “Eu quero saborear você primeiro.” “Eu tenho certeza que eu tenho o mesmo gosto de ontem à noite.

Quando Tag a amava assim. a pressão que Tag aplicou em suas coxas interna. Indo abaixo. Nicole gemeu na felicidade pura.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C acima da pele de Tag. em um apelo mudo. antes de mover abaixo por seu torso. Ele lavou seus peitos com movimentos lentos e deliberados. todas suas confessas falhas desapareciam de seu corpo. em cada mamilo. que sua língua criava à medida que . tomando o tempo para prestar homenagem. Felizmente espalhando por ele.

segurou sua cabeça. Zumbindo. “Ooh. a língua de Tag achou em sua profundidade o colo de seus sucos cremosos. Um dedo foi logo introduzido em sua vagina. “Por favor. Enterrando suas mãos em seu longo cabelo. de sua cinco horas. contra sua vagina.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C viajava. enquanto empurrava dentro.” ela implorou.” ela suspirou. enquanto ele chupava seu clitóris. que o ato amoroso produzia. enquanto a saboreava. . com Tag liberando seu clitóris. Nicole se mexeu contra seu rosto. Ela podia sentir a lima.

“Você pronta para mim. Com uma punhalada lisa. Nicole embrulhou suas pernas ao redor dele.” ela sussurrou. Tag se enterrou até o cabo. ela amou seu cabelo. Lentamente.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Nicole correu seus dedos por seu cabelo. saboreando-se em sua língua. anjo?” “Sempre. Deus. . ele trabalhou atrás e em cima de seu corpo e a beijou. quando começou a se mover contra sua pélvis.

Nicole não estava certa onde esta relação incrível os levaria. desde que fossem juntos. quando ele começou a bombear dentro e fora dela. Retornando seu pensamento para Tag.” ele arquejou e .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Eu nunca conseguirei o suficiente de você. mas ficaria muito feliz.” Ela chorou seu nome. Nicole o sentiu dobrar os músculos debaixo de suas mãos. “Não é suficiente. à medida que ele parecia trabalhar em um frenesi.

acima de seus ombros. quanto Tag sentia.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C reposicionou suas pernas. queria que ele a estirasse até mais. “Em meu traseiro. Ela esperou. enquanto arava suas profundidades com velocidade de raio. que não soasse como uma vagabunda. A nova posição a abriu até mais. com toda punhalada. mas o pensamento de Tag a tomando por trás a deixou fora de si. . A cabeça de Nicole se moveu mais próxima da parede. Tão bom.” ela gemeu. como o inferno.

” Antes de Tag se retirar. Seus movimentos eram lentos e certos. sim. que a olhava fixamente. passou seus dedos por sua racha e espalhou um pouco de sua nata. “Lubrificante?” ele perguntou. firmemente no buraco enrugado. “Você tem certeza?” “Deus.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Nicole abriu seus olhos para ver Tag. quando começou a prepará-la para recebê-lo. .

. “Vaselina?” Com sua mão livre.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Nicole mordeu seu lábio para impedir de clamar. Ela agitou sua cabeça e apontou em direção à bandeja de TV. ao lado de sua cama. debaixo do colchão. Tomando o pote de Tag. também estava lá acomodar seu favorito brinquedo. Nicole abriu isto e segurou. Nicole sorriu para si mesma. enquanto seu dedo longo trabalhava do lado de dentro do seu corpo. bem. Tag se esticou e agarrou o pote que ela costumava esfregar em seus pés nas noites.

que não precisava de tanto lubrificante ou de ser estirada.” . Tag sentou em seus calcanhares. foi o melhor caminho para o orgasmo. Ela não teve coragem de lhe dizer. e bateu-lhe levemente em seu traseiro. e Nicole os tinha três ou quatro vezes na semana. Tag continuou a estirar o buraco de Nicole. Desde que. descobriu o dildo no traseiro. “Role acima.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Depois de conseguir uma grande quantidade em seus dedos. anjo.

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Com um sorriso mau. . E Nicole imaginou como esta nova posição a faria se sentir. Suas auto-sessões de sexo agradáveis sempre acontecia. Ela nunca fez isto nesta posição. Nicole desenredou suas pernas de seus ombros e depressa rolou para suas mãos e joelhos. enquanto estava de costas.

do que .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Removendo seus dedos. Tag era um inferno de muito mais espesso. tomando a respiração de Nicole. Oh merda. Nicole podia dizer que ele estava tentando manter o controle do ser ardor. Tag posicionou seu pênis em sua abertura. “Diga-me se eu machucar você. A cabeça espessa de seu pênis empurrou.” ele rosnou. passado pelo anel exterior de músculos. enquanto lentamente a preparava.

enquanto ele se empurrava até a raiz. Tag se enterrou centímetro por centímetro.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C seu dildo. parando ocasionalmente para ter certeza que ela estava bem. mas a dor foi logo substituída por um prazer incrível. Nicole sentiu ‘zings’ de prazer trabalhando em cima de sua espinha. . Ela podia ter jurado que parou de respirar à um ponto. Oscilando de um lado para outro. quando Tag começou a se mover.

com ela empurrando de volta enquanto ele bombeava nela. dando atenções a seus quadris. Eles estabeleceram um ritmo. Nicole estava certa que teria contusões em suas junções.” Tag disse. mas não podia se importar menos. Tag moveu mais rápido dentro e fora dela. . Os dois estavam perdidos em sensação. mas selvagem. e mais forte a segurou. Suas ações não eram românticas.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Tão apertada.

Sua vista começou a obscurecer. “Anjo!” Tag uivou. O enrijecimento e então o tremor do corpo de Tag. A dual sensação a lançou no orgasmo mais intenso de sua vida. .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag liberou uma mão de seu quadril e alcançou para beliscar seu clitóris. na pressão opressiva do prazer. enquanto se empurrava mais uma vez. disse a Nicole que se sentia da mesma maneira que ela.

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Relaxando ambos sobre o colchão. mas apreciou os segundos adicionais de estar cheia. “Isso foi melhor que o dildo. ela examinou seu ombro.” . Tag permaneceu dentro dela. Quando sua respiração estava finalmente sob controle. Nicole sabia que isto não duraria e logo deslizaria livre. Tag parecida desmaiado.

enquanto lábios suaves beijavam seu pescoço. Finalmente deslizando livre. Isso foi… incrível. Ele se girou e enfrentou Nicole e a beijou furiosamente. ela moveu seu traseiro contra o pênis de Tag. Uma mão grande começou a apertar seus mamilos.” . “Eu amo você. Tag removeu o preservativo e embrulhou isto em um papel. Dando uma risadinha.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Um grunhido de Tag foi tudo que conseguiu em retorno.

” Nicole respondeu. .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Eu nunca duvidei isto por um segundo.

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Capítulo Sete .

Nicole sorriu na lembrança de Tag assobiando quando saiu do banheiro.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Enrolada contra lateral de Tag. ao invés da Harley. do que estava acostumada a usar. vestindo suas roupas novas. O vestido branco colante era mais apertado. um pouco. Com a adição de seu chapéu de cowboy vermelho e botas. Nicole assistiu a paisagem do percurso. para irem a Louisville. Eles optaram pelo Cadillac. mas a adição do pequeno colete de estilo ocidental vermelho. ajudou a esconder os peitos dela. sentiu-se como uma cantora .

quando ergueu sua saia. montando por várias horas uma Harley” ele disse. “Ninguém procura clássicos como este. . Ela tinha tudo que queria. Ter Tag foi melhor do que ir ver a corrida NASCAR. para lhe mostrar que estava nua. Nicole suspirou feliz. A competição até não significava tanto para ela mais. Os olhos de Tag tinham praticamente saltado fora de sua cabeça. Agora.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C rural. que estavam indo com o Cadillac. enquanto fazia o caminho para Louisville. Ele proclamou direto.

eu sou uma menina. .” ela sussurrou.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Tudo certo?” Tag perguntou. possa dizer o quão apaixonada eu estou. “Você está ficando nervosa?” “Não. abraçando-a mais forte ao seu lado.” Ela se esticou e colocou um beijo no queixo de Tag. Eu espero que todo mundo que me ouça hoje à noite. “Obrigado.

” Bufando.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C A mão de Tag serpenteou debaixo de seu braço e ao lado de seu peito. E eu tentarei me tornar mais graciosa.” “Eu amo você. que você já encontrou?” “Eu amo você.” . Eu sou o sortudo. “Desastrada e tudo. Você não quer dizer.” ele sussurrou em sua orelha. Nicole bateu na coxa de Tag. também. “Sim. Você é a mulher mais perfeita que eu já encontrei. perfeita. “Não me agradeça. que eu sou a maior desastrada.

” . como posso te levantar. se você não tropeçar de vez em quando?” “Que coisa linda para se dizer. Eu amo você. apenas do modo que você é. Eu agradeço em nome de todos os desastrados no mundo. Além disso.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Não mude.

e claro que se recusou a parar e pedir direções. Tag havia se perdido. mas Nicole não estava. Ele estava em pânico. . o estacionamento já estava lotado.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Quando eles chegaram no J Smokin.

se tivessem sorte e ela não fosse desclassificada. Deus.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Eu sinto tanto que estejamos atrasados. ele se sentiu mal. anjo. . uns momentos antes da competição começar. Sabia que Nicole queria relaxar e praticar sua canção. Eu pensei que soubesse como chegar aqui. Como ele ficaria.” Ele achou um lugar na extremidade do lote e desligou a ignição.

” .” ela deu Tag uma piscada. Poderia ter algo a ver com você. tanto como antes. Por uma única razão.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Eu disse a você. “Seria melhor você contar com uma parada ao lado da estrada. Nicole deslizou sua mão pela protuberância proeminente. mas eu realmente não quero dizer isto alto. ”Isto não significa para mim.” “Muito tarde. que estou bem.” ele piscou de volta e olhou abaixo em seu colo. em nosso caminho para casa. para não subir a sua cabeça.

” Tag olhou para seu relógio. Você merece fazê-la bem. Nós estamos passando a noite. Eu fiz uma reserva no hotel.” . quando nós chegarmos em casa. “Nós precisamos ir.” “Que tal a loja?” “Ainda estará lá. Mas esta é sua noite.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Eu posso fazer melhor que isto. anjo.

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Em vez de sair do carro.” “Não.” . com é o som dos anjos. mas eu conto com mimá-la por bastante tempo. Nicole saltou em seus braços e emplastou de batom vermelho todo o seu rosto. “Vamos mostrar a estas pessoas. “Você é muito bom para mim.” Ele relutantemente abriu a porta e a puxou fora e em seus braços.

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Com um salão lotado. Tag estava debruçado contra a parede. e a multidão de pé. A pequena raposa sabia e continuava meneando aquele doce traseiro contra ele. Nicole estava ajustada e aquecia sua frente e seu pênis estava literalmente pulsando com necessidade dela. enquanto .

Isto parecia a Tag. sendo a última a melhor posição. de qualquer maneira. Ele estava roçando os lados dos peitos de Nicole e escutando ainda outra participante. cantando uma canção de Reba McIntire. Eles apenas fariam o tempo de expansão.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C escutavam um cantor após o outro. Sem pensar. Nicole cantaria último. e por causa disto. quando Lonnie entrou frente de Nicole. . Eles vieram de uma área de quatro estado. todos competindo pelo pacote de fim de semana de NASCAR e uma chance de mostrar que eram os melhores.

Ela confessou para Tag no carro.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag moveu Nicole para trás dele e olhou para o homem que a havia ofendido.” Lonnie disse em saudação. mas tinha a sensação que Lonnie tinha conseguido machucá-la. O apresentador escolheu aquele momento para chamar Nicole para o palco. uma vez mais. que Lonnie tinha ido a sua casa. . Nicole não lhe disse exatamente o que tinha dito. Tag rosnou uma advertência. “Vagabunda.

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag sentiu sua mão em suas costas.” O fodido estúpido na frente dele. caladamente questionando o que fazer. Tag acabou sorrindo de volta. teve coragem de rir. Eu tirarei o lixo e volto antes de você começar. Ele não tinha passado a maior parte de sua vida no exército e não aprendeu como cuidar com o inimigo. anjo. . “Você vai em frente e canta com seu coração.

mas Tag chegou a ele primeiro. Um beliscão bem colocado na área entre pescoço e . Ela vacilou. quando Lonnie a alcançou e a agarrou.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Nicole relutantemente saiu detrás de Tag.

Tag alcançou abaixo e agarrou a mão de Lonnie. Se você quiser uma puta como ela. Eu cuidarei disto.” . “Levante. Ainda agitado.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C ombro de Lonnie teve o homem em seus joelhos. “Quebre uma perna 4. homem. Nicole depressa fez seu caminho para o palco. você pode tê-la. num instante. Lonnie conseguiu se levantar. curvando-a atrás. “Tudo bem.” ele comandou.” Depois de beijar-lhe a bochecha.

” Tag disse. enquanto levava Lonnie em direção à porta. .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Não é uma resposta aceitável.

4 É o mesmo que desejar “Boa sorte” para os artistas. com uma máquina fotográfica na mão. . enquanto assistia Tag praticamente arrastando Lonnie para fora. Como as primeiras palavras de ‘Juice Newton The Sweetest Thing’ caiu o murmúrio da multidão. Nicole abriu seus olhos e viu que Tag estava ali. ajoelhando abaixo do palco. Ela tentou canalizar todo o amor.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Nicole ouviu a introdução de sua canção. ela momentaneamente fechou seus olhos e pensou em Tag. e todos ficaram mudos. risos e sexo quente que compartilharam. Respirando fundo.

foi muito mais fácil que cantando isto em um bar lotado. não era a única na multidão. que ela até se surpreendeu. através da canção para todo mundo testemunhar. Até enquanto cantando isto. com lágrimas em seus olhos. Toda frase. sabia que nunca estaria tão tocada por uma letra. toda nota foi perfeita. Nicole olhou fixamente nos profundos olhos azuis de Tag e despejou todo seu amor fora. Quando a canção terminou. em toda sua vida. Tão perfeita. .Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Cantar a canção para ele.

. apenas para aterrissar nos grandes braços fortes do homem que amava. enquanto caia adiante. com a intenção de saltar para Tag que a estava esperando em seus braços. Nicole viu o salão em câmara lenta. quando ela tropeçou no cabo do microfone.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Sem pensar. se apressou para a extremidade do palco.

A multidão barulhenta estava indo selvagem. com os aplausos. “Você me manterá em meus dedões do pé. Quando Nicole percebeu que os aplausos eram para ela. com cabeça de Nicole descansando em seu tórax. quando começou a rir. .” Ele a apoiou e caminhou em direção à parte de trás do salão. Nicole virou seus olhos e tentou puxar seu vestido. “Nunca um momento enfadonho. para um comprimento respeitável. isto tenho certeza.” Tag riu. enrubesceu.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tag enxugou as lágrimas de seus olhos. anjo.

em seus braços. “As pessoas amam. com esta sua voz.” Tag disse. Nicole. olhando o salão com Nicole quieta.” . que estão aplaudindo. Eu penso que foi mais as emoções que derramaram que realmente eu cantando. Você poderia realmente ir para algum lugar.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Eles amaram você. amor.” “Não se venda por tão pouco.

“Eu não quero ir a qualquer lugar.” . Eu amo cantar. Eu gosto da minha vida do modo que é. Eu estou a padeira cantora de Ulrich. Eu não quero ser famosa. enquanto eu faço donuts. enquanto os juízes deliberavam.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C O salão se aquietou. isto é suficiente. Nicole voltou sua atenção para Tag.

“Eu estava pensando sobre talvez deslizar o titulo de esposa e mãe em algum lugar. “Você quer casar comigo e fazer bebês?” “Melhor que um donuts todo dia. eu faço um maldito donuts bom.” Os olhos de Nicole foram arregalando.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Você consideraria mudar sua vida um pouco?” Tag perguntou. .” ela provocou.” “Oh eu não sei. enquanto as palavras a tomaram.

Ela realmente ganhou. moça bonita e receba o grande prêmio. “Parabéns. Tag não perdeu tempo em levá-la de volta ao palco e erguê-la para aceitar seu prêmio. “Apareça aqui em cima. Nicole olhou do homem que amava par ao apresentador. chamando seu nome. me diga que se casará comigo?” Uma voz veio dos locutores. Oh meu Deus.” Ela ganhou. anjo.” ele piscou. “Por favor.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C “Mas nós faremos bebês muito melhores.” .

. Ela curvou-se para a multidão.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Nicole levantou-se e aceitou o troféu e um pequeno envelope contendo detalhes para o grande prêmio de um fim de semana de NASCAR. mas nunca tirou seus olhos de Tag.” o apresentador disse em sua orelha. “Diga algo.

” Dando o microfone de volta para o apresentador.Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C Tomando o microfone. Desta vez.” Tag riu. mas eu quero dedicar esta apresentação e a vitória para o meu noivo. “Obrigado a todos que vieram. Nicole tentou pegar sua respiração. Nicole se lançou fora do palco e para os braços de Tag. . a queda foi planejada e ela aterrissou suavemente em seu abraço. Eu não sou muito de falar em público. Brian Taggert. “A graça de um anjo.

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C .

Karaokê no Tumbleweed Carol Lynne C .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful