Você está na página 1de 15
Curso: Carreiras Fiscais Prof. Marcos Oliveira Disciplina: Direito Tributário

Curso: Carreiras Fiscais

Prof. Marcos Oliveira

Disciplina: Direito Tributário

(ESAF - 2008 - Prefeitura de Natal - RN - Auditor do Tesouro Municipal - Prova 1)

Sobre o conceito de tributo e sua natureza jurídica, assinale a única opção correta.

a) A Lei Complementar n. 104/2001, ao permitir a dação em pagamento de bens imóveis,

como forma de extinção do crédito tributário, promoveu a derrogação do art. 30 do CTN, que confere ao tributo uma prestação pecuniária em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir.

b) Tributo é toda prestação pecuniária compulsória instituída em lei. Todavia, não há restrição para que o Município majore alíquotas de tributos, sob sua competência, por meio de decreto. c) Tendo em vista que o tributo não pode constituir uma sanção por ato ilícito, não se faz possível a incidência de tributos sobre atividades criminosas, pois assim agindo o Estado estaria obtendo recursos de uma atividade por ele proibida.

d) A cobrança de impostos decorre de uma atividade administrativa não-vinculada, haja

vista os recursos poderem ser utilizados com quaisquer despesas previstas no orçamento. e) O que determina a natureza jurídica de um tributo é o fato gerador da respectiva

obrigação, independentemente de sua denominação e da destinação legal do produto de sua arrecadação.

(ESAF - 2010 - SMF-RJ - Agente de Fazenda)

As taxas, no direito tributário, são espécies tributárias que decorrem, entre outros fatos geradores, do exercício regular do poder de polícia. Sobre estes, julgue os itens a seguir:

I. entende-se por regular o poder de polícia quando desempenhado por órgão competente, nos limites da lei, observando devido processo legal, e exercida sem desvio ou excesso de poder;

II. a exigência da taxa em decorrência do exercício do poder de polícia não mais exige a concreta fiscalização por parte dos órgãos competentes, ou seja, a simples regulação de certas atividades por meio de atos normativos também caracteriza o exercício desse poder;

III. a atuação fiscalizadora do Estado, em rigor, visa ao interesse da coletividade e não ao do contribuinte da taxa, isoladamente. É este, porém, que provoca a atuação do Estado, sendo isso que justifica a imposição da taxa;

IV. exercendo o poder de polícia, o Estado impõe restrições aos interesses individuais em favor do interesse público, conciliando esses interesses.

Estão corretos:

a) apenas os itens I e III.

b) apenas os itens I, III e IV.

c) todos os itens estão corretos.

d) apenas os itens III e IV.

Curso: Carreiras Fiscais Prof. Marcos Oliveira Disciplina: Direito Tributário

Curso: Carreiras Fiscais

Prof. Marcos Oliveira

Disciplina: Direito Tributário

e) apenas os itens II, III e IV.

(ESAF - 2009 - Receita Federal - Auditor Fiscal da Receita Federal - Prova 2)

Sobre as taxas, podemos afirmar, exceto, que:

a) o fato gerador da taxa não é um fato do contribuinte, mas um fato do Estado; este exerce

determinada atividade, e por isso cobra a taxa das pessoas que dela se aproveitam.

b) a atuação estatal referível, que pode ensejar a cobrança de taxa, pode consistir no

exercício regular do poder de polícia.

c) a atuação estatal referível, que pode ensejar a cobrança de taxa, pode consistir na

prestação ao contribuinte, ou na colocação à disposição deste, de serviço público específico, divisível ou não.

d) as atividades gerais do Estado devem ser financiadas com os impostos, e não com as

taxas.

e) o poder de polícia, que enseja a cobrança de taxa, considera-se regular quando

desempenhado pelo órgão competente e nos limites da lei aplicável, com observância do processo legal e, tratando-se de atividade que a lei tenha como discricionária, sem abuso ou desvio de poder.

(ESAF - 2005 - Receita Federal - Auditor Fiscal da Receita Federal - Área Tecnologia da Informação - Prova 2)

Taxas, na dicção do artigo 145, inciso II, da Constituição Federal, constituem a modalidade de tributo que se podem cobrar em razão do exercício do poder de polícia ou pela utilização, efetiva ou potencial, de serviços públicos específicos e divisíveis, prestados ao contribuinte ou postos à sua disposição. Sobre a taxa, é errado afirmar que

a) é um tributo cuja base de cálculo ou fato gerador há de ser diversa dos de imposto, e não

pode ser calculada em função do capital das empresas.

b) competente para instituir e cobrar a taxa é a pessoa política - União, Estado, Distrito

Federal ou Município - legitimada para a realização da atividade que caracterize o fato gerador do tributo. c) os serviços públicos que ensejam sua cobrança consideram-se utilizados pelo contribuinte, efetivamente, quando, sendo de utilização compulsória, sejam postos à sua disposição mediante atividade administrativa em efetivo funcionamento.

d) serviços públicos específicos são aqueles destacáveis em unidades autônomas de

intervenção, de utilidade ou de necessidade públicas.

e) serviços públicos divisíveis são aqueles suscetíveis de utilização, separadamente, por

parte de cada um dos seus usuários.

Curso: Carreiras Fiscais Prof. Marcos Oliveira Disciplina: Direito Tributário

Curso: Carreiras Fiscais

Prof. Marcos Oliveira

Disciplina: Direito Tributário

(ESAF - 2012 - Receita Federal - Analista Tributário da Receita Federal - Prova 2 - Área Informática)

Responda às perguntas abaixo e em seguida assinale a opção correta.

I. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios cobrar imposto sobre

o patrimônio, a renda ou os serviços uns dos outros. Isso, em tese, impede à lei de um

Município atribuir à União a condição de responsável pela retenção na fonte do imposto sobre serviços?

II. Para combater o tráfego de gado infectado de uma região para outra, pode o Estado impor tributos interestaduais ou intermunicipais?

III. Atende ao princípio da anterioridade a majoração de um imposto no dia 2 de dezembro de um ano, para ser cobrado no exercício seguinte?

a) Sim, não e não.

b) Sim, sim e sim.

c) Não, não e sim.

d) Não, sim e não.

e) Não, não e não.

(ESAF - 2012 - Receita Federal - Auditor Fiscal da Receita Federal - Prova 2 - Gabarito

1)

A

Constituição Federal de 1988 veda aos entes tributantes instituir tratamento desigual entre

contribuintes que se encontrem em situação equivalente, proibida qualquer distinção em razão de ocupação profissional ou função por eles exercida, independentemente da denominação jurídica dos rendimentos, títulos ou direitos. Considerando decisões emanadas do STF sobre o tema, assinale a opção incorreta

a) A exclusão do arrendamento mercantil do campo de aplicação do regime de admissão

temporária não constitui violação ao princípio da isonomia tributária.

b) A progressividade da alíquota, que resulta do rateio do custo da iluminação pública entre

os consumidores de energia elétrica, não afronta o princípio da isonomia.

c) A sobrecarga imposta aos bancos comerciais e às entidades financeiras, no tocante à

contribuição previdenciária sobre a folha de salários, fere o princípio da isonomia tributária.

d) Lei complementar estadual que isenta os membros do Ministério Público do pagamento

de custas judiciais, notariais, cartorárias e quaisquer taxas ou emolumentos fere o princípio da isonomia. e) Não há ofensa ao princípio da isonomia tributária se a lei, por motivos extrafiscais, imprime tratamento desigual a microempresas e empresas de pequeno porte de capacidade contributiva distinta, afastando do regime do simples aquelas cujos sócios têm condição de disputar o mercado de trabalho sem assistência do Estado.

Curso: Carreiras Fiscais Prof. Marcos Oliveira Disciplina: Direito Tributário

Curso: Carreiras Fiscais

Prof. Marcos Oliveira

Disciplina: Direito Tributário

(ESAF - 2010 - SUSEP - Analista Técnico - Prova 2 - Administração e Finanças)

A lei é a fonte da obrigação tributária, que surge com a sua incidência, e não por força de acordo de vontades. Por isso, diz-se que se trata de uma obrigação ex lege. Há que se distinguir, porém, a legalidade geral (segundo a qual ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei) da legalidade tributária, que implica no fato de que a instituição dos tributos se dê não apenas com base legal, mas diretamente por meio da lei. São consectários lógicos do princípio da legalidade tributária, exceto:

a) o aspecto espacial da incidência tributária nem sempre corresponderá ao território da

pessoa política tributante, já que a extraterritorialidade da tributação estadual e municipal não necessariamente implica invasão de idêntica competência dos demais Estados e

Municípios.

b) a lei deve esgotar, como preceito geral e abstrato, os dados necessários à identificação

do fato gerador da obrigação tributária e à quantificação do tributo, sem que restem à autoridade poderes para, discricionariamente, se 'A' irá ou não pagar tributo, em face de

determinada situação.

c) não há a possibilidade de delegação de competência tributária ao Executivo, para que

institua tributo, qualquer que seja, tampouco para que integre a norma tributária impositiva,

ressalvadas apenas as atenuações por meio das quais a própria Constituição, de modo excepcional, autoriza a graduação de alíquotas pelo Executivo.

d) o sujeito ativo, na ausência de disposição em contrário, será a própria pessoa política de

que a lei impositiva constitui manifestação, pois a delegação da condição de sujeito ativo a outra pessoa jurídica de direito público não se presume.

e) em se tratando de tributos com fato gerador instantâneo, estará determinado pelo

momento mesmo da ocorrência do ato, fato ou situação que configura o aspecto material da incidência tributária.

(ESAF - 2009 - Receita Federal - Auditor Fiscal da Receita Federal - Prova 2)

Entre as limitações constitucionais ao poder de tributar, que constituem garantias dos contribuintes em relação ao fisco, é incorreto afirmar que:

a) os impostos sobre o patrimônio podem ser confiscatórios, quando considerados em sua

perspectiva estática.

b) uma alíquota do imposto sobre produtos industrializados de 150%, por exemplo, não

significa necessariamente confisco. c) o imposto de transmissão causa mortis, na sua perspectiva dinâmica, pode ser confiscatório. d) o princípio do não-confisco ajuda a dimensionar o alcance do princípio da

progressividade, já que exige equilíbrio, moderação e medida na quantificação dos tributos.

e) a identificação do efeito confiscatório não deve ser feita em função da totalidade da carga

tributária, mas sim em cada tributo isoladamente.

Curso: Carreiras Fiscais Prof. Marcos Oliveira Disciplina: Direito Tributário

Curso: Carreiras Fiscais

Prof. Marcos Oliveira

Disciplina: Direito Tributário

(ESAF - 2009 - Receita Federal - Analista Tributário da Receita Federal - Prova 2)

Entre outras limitações ao poder de tributar, que possuem os entes políticos, temos a de cobrar tributos em relação a fatos geradores ocorridos antes do início da vigência da lei que os houver instituído ou aumentado. Sobre essa limitação, analise os itens a seguir, classificando-os como verdadeiros ou falsos. Depois, escolha a opção que seja adequada às suas respostas:

I. a irretroatividade da lei tributária vem preservar o passado da atribuição de novos efeitos tributários, reforçando a própria garantia da legalidade, porquanto resulta na exigência de lei prévia, evidenciando-se como instrumento de otimização da segurança jurídica ao prover uma maior certeza do direito;

II. o Supremo Tribunal Federal tem como referência, para análise da irretroatividade, o aspecto temporal da hipótese de incidência, ou seja, o momento apontado pela lei como sendo aquele em que se deve considerar ocorrido o fato gerador;

III. a mesma lei que rege o fato é também a única apta a reger os efeitos que ele desencadeia, como a sujeição passiva, extensão da responsabilidade, base de cálculo, alíquotas, deduções, compensações e correção monetária, por exemplo;

IV. a lei instituidora ou majoradora de tributos tem de ser, como regra, prospectiva; admite- se, porém, a sua retroatividade imprópria.

a) Todos os itens estão corretos.

b) Estão corretos apenas os itens I, II e III.

c) Estão corretos apenas os itens I, III e IV.

d) Estão corretos apenas os itens I, II e IV.

e) Estão corretos apenas os itens I e III.

(ESAF - 2009 - Receita Federal - Analista Tributário da Receita Federal - Prova 2)

A Constituição Federal, entre outras limitações ao poder de tributar, estabelece a isonomia, vale dizer, veda o tratamento desigual entre contribuintes que se encontrem em situação equivalente. Sobre a isonomia, é correto afirmar que:

a) diante da regra mencionada, o tratamento tributário diferenciado dado às microempresas

e empresas de pequeno porte, por exemplo, deve ser considerado inconstitucional.

b) não se permite a distinção, para fins tributários, entre empresas comerciais e prestadoras

de serviços, bem como entre diferentes ramos da economia.

c) para que um tratamento tributário diferenciado (isenção, por exemplo) seja justificado,

não é necessário haver correlação lógica entre este e o elemento de discriminação tributária.

d) em razão do princípio constitucional da isonomia, não deve ser diferenciado, por meio de

isenções ou incidência tributária menos gravosa, o tratamento de situações que não revelem

Curso: Carreiras Fiscais Prof. Marcos Oliveira Disciplina: Direito Tributário

Curso: Carreiras Fiscais

Prof. Marcos Oliveira

Disciplina: Direito Tributário

capacidade contributiva ou que mereçam um tratamento fiscal ajustado à sua menor expressão econômica.

e) a isenção, como causa de exclusão do crédito tributário, é, por sua própria natureza, fator

de desigualação e discriminação entre pessoas, coisas e situações. Nem por isso, no entanto, as isenções são inconstitucionais, desde que reste demonstrado que se teve em mira o interesse ou a conveniência pública na aplicação da regra da capacidade contributiva ou no incentivo de determinadas atividades de interesse do Estado.

(CESPE - 2009 - TCE-ES - Procurador Especial de Contas)

Com relação aos tributos e às suas espécies, assinale a opção incorreta.

a) A contribuição de intervenção no domínio econômico é utilizada pela União quando ela

atua como agente normativo e regulador da ordem econômica, exercendo as funções de

fiscalização, ncentivo e planejamento, nos termos da CF.

b) Sobre as receitas decorrentes de exportação incide a contribuição social, mas não incide

a contribuição de intervenção no domínio econômico.

c) As contribuições no interesse de categorias profissionais ou econômicas, conhecidas

também por contribuições corporativas, incluem as contribuições sindicais e as contribuições para os conselhos de fiscalização profissional.

d) A contribuição para o custeio do serviço de iluminação pública deve obedecer tanto aos

princípios da anterioridade quanto aos da noventena. e) Apenas os municípios e o DF podem instituir contribuição para custear o serviço de iluminação pública.

(CESPE - 2011 - TRF - 5ª REGIÃO – Juiz)

A respeito do Sistema Tributário Nacional, assinale a opção correta.

a) Consoante a jurisprudência do STF, as custas, a taxa judiciária e os emolumentos constituem espécies de preço público. Assim, é admissível que parte da arrecadação obtida

com essas espécies seja destinada a instituições privadas, entidades de classe e caixas de assistência dos advogados.

b) Compete aos entes federativos instituir contribuições sociais, de intervenção no domínio

econômico e de interesse das categorias profissionais ou econômicas, como instrumento de atuação nas respectivas áreas, observado o princípio da anterioridade.

c) A cobrança de taxa exclusivamente em razão dos serviços públicos de coleta, remoção e

tratamento ou destinação de lixo ou resíduos provenientes de imóveis não viola o texto constitucional.

d) A receita proveniente da arrecadação de empréstimo compulsório instituído para atender

a despesa extraordinária decorrente de calamidade pública ocorrida no sul do país pode ser destinada para a construção de escolas públicas na região Nordeste, uma vez que é vedada

a vinculação de receita de tributos a órgão, fundo ou despesa.

e) Segundo o STF, a existência de órgão administrativo constitui condição suficiente para o

reconhecimento da constitucionalidade da cobrança da taxa de localização e fiscalização,

Curso: Carreiras Fiscais Prof. Marcos Oliveira Disciplina: Direito Tributário

Curso: Carreiras Fiscais

Prof. Marcos Oliveira

Disciplina: Direito Tributário

sendo um dos elementos para se inferir o efetivo exercício do poder de polícia, exigido constitucionalmente.

(ESAF - 2012 - PGFN – Procurador)

Alguns tributos possuem, além da função meramente arrecadatória ou fiscal, finalidade outra que se destina a regular a economia, criando mecanismos que induzem, ou incentivam, a conduta do potencial contribuinte numa ou noutra direção. É o que se viu recentemente com

a majoração das alíquotas do IPI – Imposto sobre Produtos Industrializados, incidente sobre

a importação de automóveis, já que, no período de janeiro a agosto de 2011, a balança comercial do setor automotivo atingiu um déficit de R$ 3 bilhões. Contudo, o STF entendeu que o decreto que majorar as alíquotas aplicáveis às operações de importação de veículos

automotores

a) sujeita-se ao princípio da anterioridade, segundo o qual não se poderá exigir, no mesmo

exercício financeiro em que o decreto é públicado, alíquotas maiores do que aquelas até então vigentes.

b) tem aplicabilidade imediata, por ser o IPI um tributo regulatório e pelo fato de que o

Decreto- Lei que o criou (DL n. 1.191/1971) ter autorizado o Poder Executivo a reduzir suas alíquotas a zero; majorá-las, acrescentando até 30 unidades ao percentual de incidência fixado na lei, e, ainda, alterar a base de cálculo em relação a determinados produtos, podendo, para esse fim, fixar-lhes valor tributável mínimo.

c) submete-se, dentre outros, ao princípio constitucional da anterioridade nonagesimal, ou

seja, fica suspenso até que tenha transcorrido o prazo de noventa dias da sua publicação.

d) fica suspenso, por força da anterioridade nonagesimal, até que tenha transcorrido o

prazo de noventa dias da sua publicação. Contudo, a suspensão somente opera efeitos extunc caso haja pedido liminar formulado no sentido de reparar dano, e não para prevenir risco ao contribuinte. e) não se submete ao princípio constitucional da anterioridade nonagesimal, eis que a Constituição Federal foi clara ao prever tal comando para a lei (antes de decorridos 90 dias da data em que haja sido publicada a lei que os instituiu ou aumentou). Assim, como o texto constitucional fala em “lei”, o aumento das alíquotas por decreto não está sujeito à espera nonagesimal.

(ESAF - 2009 - SEFAZ-SP - Analista de Finanças e Controle - Prova 2)

O princípio da capacidade contributiva:

a) aplica-se somente às contribuições.

b) não se aplica às penalidades tributárias.

c) aplica-se somente aos impostos.

d) aplica-se indistintamente a todas as espécies tributárias.

e) é atendido pela progressividade dos impostos reais.

Curso: Carreiras Fiscais Prof. Marcos Oliveira Disciplina: Direito Tributário

Curso: Carreiras Fiscais

Prof. Marcos Oliveira

Disciplina: Direito Tributário

(ESAF - 2012 - PGFN – Procurador)

Sobre o alcance da chamada imunidade constitucional recíproca, de acordo com a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, é correto afirmar que:

a) tanto os objetivos como os efeitos do reconhecimento da aplicação da imunidade

constitucional recíproca são passíveis de submissão ao crivo jurisdicional, em um exame de

ponderação, não bastando a constatação objetiva da propriedade do bem.

b) sociedade de economia mista prestadora de serviço público de água e esgoto não é

abrangida pela imunidade tributária recíproca.

c) tal imunidade, em alguns casos, pode ter como efeito colateral relevante a relativização

dos princípios da livre concorrência e do exercício de atividade profissional ou econômica

lícita.

d) o reconhecimento da imunidade tributária às operações financeiras não impede a

autoridade fiscal de examinar a correção do procedimento adotado pela entidade imune. Constatado desvio de finalidade, a autoridade fiscal poderá, sendo o caso, constituir o

crédito tributário e tomar as demais medidas legais cabíveis.

e) é relevante para definição da aplicabilidade da imunidade tributária recíproca a

circunstância de a atividade desempenhada estar ou não sujeita a monopólio estatal.

(ESAF - 2010 - SMF-RJ - Agente de Fazenda)

Analisando os institutos da imunidade e da isenção, julgue os itens a seguir:

I. a isenção é uma limitação legal do âmbito de validade da norma jurídica tributária, que impede que o tributo nasça ou faz com que surja de modo mitigado (isenção parcial);

II. a imunidade é o obstáculo criado por uma norma da Constituição que impede a incidência

de lei ordinária de tributação sobre determinado fato, ou em detrimento de determinada pessoa, ou categoria de pessoas;

III. ambos os institutos, imunidade e isenção, levam ao mesmo resultado: o não pagamento de tributo. Porém, os meios pelos quais isso ocorre são totalmente diferentes. A imunidade dá-se por meio da Constituição, a isenção por meio de lei (ordinária ou complementar);

IV. a violação de dispositivo que contém isenção importa em ilegalidade e não em inconstitucionalidade;

V. é incorreto afirmar-se que a imunidade é uma forma quali? cada de não incidência.

Estão corretos apenas os itens:

a) I e II.

b) I, II, III e IV.

c) II, IV e V.

d) I, II e IV.

e) III, IV e V.

Curso: Carreiras Fiscais Prof. Marcos Oliveira Disciplina: Direito Tributário

Curso: Carreiras Fiscais

Prof. Marcos Oliveira

Disciplina: Direito Tributário

(ESAF - 2005 - SET-RN - Auditor Fiscal do Tesouro Estadual - Prova 2)

Avalie o acerto das afirmações adiante e marque com V as verdadeiras e com F as falsas; em seguida, marque a resposta correta.

( ) A imunidade tributária conferida pela Constituição Federal a instituições de assistência social sem fins lucrativos somente alcança as entidades fechadas de previdência social privada se não houver contribuição dos beneficiários.

( ) É permitido à União exigir imposto sobre a renda auferida por Municípios que provenha de aluguel de imóveis a eles pertencentes.

( ) O imóvel pertencente a entidade sindical de trabalhadores, ainda quando alugado a

terceiros, permanece imune ao imposto sobre propriedade predial e territorial urbana (IPTU), desde que o valor dos aluguéis seja aplicado nas atividades essenciais de tal entidade.

a) V, V, V.

b) V, V, F.

c) V, F, V.

d) F, F, V.

e) F, V, F.

(ESAF - 2012 - Receita Federal - Auditor Fiscal da Receita Federal - Prova 2 - Gabarito

1)

Com relação ao entendimento do STF sobre as contribuições sociais gerais, as contribuições de intervenção no domínio econômico e de interesse das categorias profissionais ou econômicas, assinale a opção correta.

a) Não se pode prescindir de lei complementar para a criação das contribuições de intervenção no domínio econômico e de interesse das categorias profissionais.

b) Sua constitucionalidade seria aferida pela necessidade pública atual do dispêndio vinculado e pela eficácia dos meios escolhidos para alcançar essa finalidade.

c) No caso da contribuição devida ao SEBRAE, tendo em vista tratar-se de contribuição de

intervenção no domínio econômico, o STF entende ser exigível a vinculação direta do

contribuinte ou a possibilidade de que ele se beneficie com a aplicação dos recursos por ela arrecadados.

d) A sujeição de vencimentos e de proventos de aposentadoria e pensões à incidência de

contribuição previdenciária constitui ofensa ao direito adquirido no ato de aposentadoria. e) Tais contribuições sujeitam-se à força atrativa do pacto federativo, pois a União está obrigada a partilhar o dinheiro recebido com os demais entes federados.

(ESAF - 2012 - Receita Federal - Auditor Fiscal da Receita Federal - Prova 2 - Gabarito

1)

Curso: Carreiras Fiscais Prof. Marcos Oliveira Disciplina: Direito Tributário

Curso: Carreiras Fiscais

Prof. Marcos Oliveira

Disciplina: Direito Tributário

A Constituição Federal, em seu art. 195, dispõe sobre as contribuições para a seguridade social, estabelecendo as suas fontes. Sobre as contribuições incidentes sobre a receita ou faturamento, e de acordo com o entendimento recente do Supremo Tribunal Federal sobre o assunto, analise os itens a seguir, classificando-os como corretos ou incorretos, para, a seguir, assinalar a assertiva que corresponda à sua opção.

I. O Sistema Tributário Nacional fixou o regime de competência como regra geral para a apuração dos resultados da empresa, e não o regime de caixa.

II. Quanto ao aspecto temporal da hipótese de incidência da Cofins e da contribuição para o

PIS, temos que o fato gerador da obrigação ocorre com o aperfeiçoamento do contrato de compra e venda (entrega do produto), e não com o recebimento do preço acordado.

III. O resultado da venda, na esteira da jurisprudência da Corte, apurado segundo o regime legal de competência, constitui o faturamento da pessoa jurídica, compondo o aspecto material da hipótese de incidência da contribuição ao PIS e da Cofins, consistindo situação hábil ao nascimento da obrigação tributária.

IV. No âmbito legislativo, não há disposição permitindo a exclusão das chamadas vendas inadimplidas da base de cálculo das contribuições em questão.

V. As situações posteriores ao nascimento da obrigação tributária, que se constituem como excludentes do crédito tributário, contempladas na legislação do PIS e da Cofins, ocorrem apenas quando fato superveniente venha a anular o fato gerador do tributo.

Estão corretos apenas os itens:

a) I, II e IV.

b) I e IV.

c) II, III e V.

d) II e III.

e) todos os itens estão corretos.

(FCC - 2012 - TRF - 2ª REGIÃO - Analista Judiciário - Execução de Mandados)

Em relação à norma jurídica tributária, analise:

I. O fato ocorrido está fora do alcance da regra jurídica, não nascendo assim a obrigação de pagar o tributo. O fato ocorrido é atípico.

Curso: Carreiras Fiscais Prof. Marcos Oliveira Disciplina: Direito Tributário

Curso: Carreiras Fiscais

Prof. Marcos Oliveira

Disciplina: Direito Tributário

II. O fato gerador não ocorre, visto que, mesmo que haja uma lei, ordinária ou complementar, a Constituição Federal prevalece. Logo a lei infra-constitucional não pode obrigar o pagamento do tributo.

III. O fato gerador descrito na lei no mundo fático ou fenomênico ocorre concretamente.

Tais situações dizem respeito, respectivamente, à

a) não incidência, isenção e incidência

b) imunidade, não incidência e incidência.

c) imunidade, isenção e fato imponível.

d) isenção, não incidência e incidência.

e) não incidência, imunidade e fato imponível.

(ESAF - 2008 - Prefeitura de Natal - RN - Auditor do Tesouro Municipal - Prova 1)

O Governador do Estado de Minas Gerais fez publicar, em 6 de novembro de 2007, em atenção às Constituições Estadual e Federal, medida provisória visando à majoração de imposto estadual. A norma entrou em vigor na data de sua publicação. O Poder Legislativo Estadual, porém, somente converteu a medida provisória em lei no dia 20 de fevereiro de

2008. Em face da situação hipotética e considerando os parâmetros de vigência e aplicação da legislação tributária, aponte em que data o aumento poderá ser efetivamente cobrado.

a) 1º de janeiro de 2008.

b) 4 de fevereiro de 2008.

c) 20 de maio de 2008.

d) 1º de janeiro de 2009.

e) 31 de março de 2009.

(ESAF - 2009 - Receita Federal - Auditor Fiscal da Receita Federal - Prova 2)

Considerando a publicação de norma, em 15 de dezembro de 2009, visando à majoração de tributo, sem disposição expressa sobre a data de vigência, aponte a opção correta.

a) Tratando-se de imposto sobre a renda e proventos de qualquer natureza, poderá ser

editada lei ordinária, produzindo efeitos financeiros a partir de 1 o de janeiro de 2010.

b) Tratando-se de imposto sobre produtos industrializados, poderá ser expedido decreto

presidencial, produzindo efeitos financeiros a partir de sua publicação.

c) Tratando-se de imposto sobre a propriedade territorial rural, poderá ser editada medida

provisória, produzindo efeitos financeiros noventa dias após a sua publicação.

d) Tratando-se de imposto sobre importação, poderá ser expedido decreto presidencial,

produzindo efeitos financeiros noventa dias após a sua publicação.

e) Tratando-se de contribuição social, poderá ser editada medida provisória, produzindo

efeitos financeiros a partir de 1 o de janeiro de 2011, caso não tenha sido convertida em lei no mesmo exercício financeiro em que tenha sido publicada.

Curso: Carreiras Fiscais Prof. Marcos Oliveira Disciplina: Direito Tributário

Curso: Carreiras Fiscais

Prof. Marcos Oliveira

Disciplina: Direito Tributário

(FCC - 2009 - SEFAZ-SP - Agente Fiscal de Rendas - Prova 2)

Dispõe o § 2º, do art. 62, da Constituição Federal, que medida provisória que implique instituição ou majoração de impostos, exceto os impostos de importação, exportação, sobre operações de câmbio, crédito, seguro e valores mobiliários, produtos industrializados e extraordinário, só produzirá efeitos no exercício financeiro seguinte, se houver sido convertida em lei até o último dia daquele em que foi editada. Por sua vez, dispõe o §1º do art. 150, in fine, da Constituição Federal, que a anterioridade mínima de 90 dias para a incidência de leis instituidoras ou majoradoras de tributos não se aplica aos seguintes tributos: empréstimos compulsórios para atender a despesas extraordinárias; imposto de importação; imposto de exportação; imposto de renda; imposto sobre operações de câmbio, crédito, seguro e valores mobiliários; e imposto extraordinário.

Uma medida provisória editada em março de 2009 que venha a majorar o imposto de importação e o imposto de renda

a) terá eficácia imediata em relação a ambos os impostos.

b) terá eficácia imediata apenas em relação ao imposto de importação, devendo ser

convertida em lei até o último dia do exercício de 2009 para que tenha eficácia a partir de 01

de janeiro de 2010, em relação ao imposto de renda.

c) só produzirá efeitos noventa dias a contar do exercício seguinte, se for convertida em lei

até o último dia do exercício de 2009, em relação a ambos os impostos.

d) só produzirá efeitos noventa dias a contar da sua edição, em relação ao imposto de

importação, e no exercício seguinte se for convertida em lei até o último dia do exercício de 2009, em relação ao imposto de renda.

e) só produzirá efeitos noventa dias a contar do exercício seguinte, se for convertida em lei

até o último dia do exercício de 2009, em relação ao imposto de renda, e noventa dias a contar da sua edição em relação ao imposto de importação.

(FCC - 2010 - SEFIN-RO - Auditor Fiscal de Tributos Estaduais)

O Estado de Rondônia majorou a base de cálculo do IPVA para o exercício de 2010, em 20 de novembro de 2009, conforme lei publicada no diário oficial do Estado naquela data. Considerando que a lei entrou em vigor na data de sua publicação, é correto afirmar que esta lei terá eficácia

a) a partir do início do exercício financeiro de 2010, por ser exceção à anterioridade

nonagesimal, mas se submeter à anterioridade anual.

b) 90 dias da publicação, desde que já no outro exercício financeiro, por dever obediência

às regras de anterioridades nonagesimal e anual.

c) 90 dias a contar do início do exercício de 2010, tendo em vista a anterioridade

nonagesimal.

d) na data de sua publicação, podendo ser aplicada imediatamente, ainda no exercício de

2009, por ser exceção à anterioridade.

Curso: Carreiras Fiscais Prof. Marcos Oliveira Disciplina: Direito Tributário

Curso: Carreiras Fiscais

Prof. Marcos Oliveira

Disciplina: Direito Tributário

e) 90

dias

a

nonagesimal.

contar

da

publicação,

por

dever

obediência

apenas

à

anterioridade

(CESPE - 2008 - PGE-CE - Procurador de Estado)

Com a finalidade de aprimorar a legislação estadual específica do ICMS, principalmente no que se refere à forma pela qual são concedidos e revogados os benefícios fiscais, as isenções e outras outorgas para esse tributo, o Poder Legislativo de uma localidade aprovou a alteração de vários dispositivos constantes da lei complementar federal que regulamenta a matéria.

Considerando a situação hipotética apresentada acima, assinale a opção correta.

a) A legislação estadual aprovada é constitucional, porque o assunto é de competência

exclusiva do estado.

b) A legislação aprovada é inconstitucional, uma vez que a Casa legislativa não poderia

aprovar lei específica para tratar de assunto referente a benefício fiscal concedido a nenhum tributo.

c) A lei aprovada é inconstitucional, uma vez que somente lei complementar federal, por

imposição constitucional, pode regulamentar os benefícios fiscais a serem concedidos ao ICMS.

d) O benefício fiscal concedido ao ICMS é constitucional, pois a matéria é de competência

concorrente entre o estado e os municípios.

e) É constitucional a alteração legislativa aprovada, desde que haja previsão dessa

competência na lei complementar estadual.

(CESPE-PROCURADOR BACEN 2013)

Assinale a opção correta em relação a taxas e preços públicos.

A) As taxas, diferentemente dos preços públicos, são compulsóriase condicionam-se ao

princípio da anterioridade.

B) O valor que remunera a contraprestação de um serviço públicoessencial de forma

compulsória é tratado como preço público.

C) As taxas podem ser instituídas por normas administrativas, aopasso que os preços

devem ser fixados por lei. D) Os preços públicos são considerados receitas derivadas,havendo, portanto, discricionariedade em seu pagamento. E) As taxas remuneram serviços públicos e, portanto, sãoconsideradas receitas originárias.

(CESPE – Procurador Bacen 2013) Suponha que determinado estado da Federação pretenda instituirtributo de sua competência, conforme dispositivo constitucional, enão concorde com a base de cálculo definida na lei complementarfederal que a instituiu. Nessa situação hipotética, o referido estado A) é independente e autônomo em relação a qualquer comandonormativo externo.

Curso: Carreiras Fiscais Prof. Marcos Oliveira Disciplina: Direito Tributário

Curso: Carreiras Fiscais

Prof. Marcos Oliveira

Disciplina: Direito Tributário

B) tem competência para definir, por meio de decreto, a base decálculo do imposto.

C) pode instituir o tributo como entender melhor visto que asituação envolve competência

tributária comum.

D) não pode, de maneira nenhuma, alterar base de cálculo definidana lei complementar

federal.

E) somente poderá alterar a base de cálculo do imposto por meiode lei complementar

estadual.

( E S A F / A N A L I S T A D E P L A N E J A M E N T O E ORÇAMENTO/2009-2010) É sabido que, de acordo com o art. 3o do Código Tributário Nacional, tributo é toda prestação pecuniária, compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa p l e n a m e n t e v i n c u l a d a . C o n s o a n t e t a l entendimento, é errado afirmar-se que:

a) as multas pelo descumprimento da obrigação tributária não são tributos, mas consideradas pelo CTN como obrigação tributária, ao lado do tributo, para que se submetam ao mesmo regime de constituição, discussão administrativa, inscrição em dívida ativa e execução dos tributos.

b) o poder de tributar é prerrogativa do Poder Público, que o faz para custear suas ações no

interesse da sociedade. A fiscalização tributária implica exercício do poder de polícia, e somente mediante atividade administrativa pode ser exigido o pagamento de tributo.

c) ocorrido o fato gerador da obrigação tributária, a autoridade administrativa tem o dever de

exigir o cumprimento da obrigação por parte do contribuinte, havendo, no entanto, alguma margem de discricionariedade nesta atividade.

d) a aquisição de renda e a promoção da circulação de mercadorias com o produto de renda

advinda do jogo do bicho, por exemplo, apesar de fatos ilícitos, são passíveis de tributação.

e) nem toda prestação pecuniária prevista em lei constitui tributo, mas sim toda prestação

pecuniária que reúna o conjunto dos requisitos constantes do art. 3o do CTN, como por exemplo o caráter obrigatório.

(ESAF/PROCURADOR RR) I. Um Estado recém-criado pode instituir taxa destinada a custear a implantação ou melhoria do serviço estatal de segurança pública. II. É correto afirmar que os impostos são tributos não-vinculados, visto que possuem como fato gerador uma situação que independe de atuação estatal específica em benefício do contribuinte, razão pela qual não pode ser considerada causa para o seu inadimplemento qualquer falha no serviço público estatal. III. Desde que prevista em lei, pode ser cobrada taxa pela prestação do serviço de coleta de lixo posto à disposição do contribuinte, ainda que ele resolva levar o lixo diretamente ao aterro sanitário, por julgar que o valor cobrado é muito elevado. IV. É constitucional a hipotética taxa de emissão de guia de importação, que seja quantificada em 0,1% do valor de venda do bem.

a) Somente as proposições I e III estão corretas.

b) Somente as proposições I e II estão corretas.

Curso: Carreiras Fiscais Prof. Marcos Oliveira Disciplina: Direito Tributário

Curso: Carreiras Fiscais

Prof. Marcos Oliveira

Disciplina: Direito Tributário

c) Somente as proposições II e IV estão corretas.

d) Somente as proposições II e III estão corretas.

e) Somente as proposições I e IV estão corretas.

( E S A F / A F R F B / 2 0 0 9 ) E m r e l a ç ã o a o s empréstimos compulsórios, é correto afirmar que:

a) é um tributo, pois atende às cláusulas que integram o art. 3o do Código Tributário

Nacional.

b) é espécie de confisco, como ocorreu com a retenção dos saldos de depósitos a vista,

cadernetas de poupança e outros ativos financeiros, por ocasião do chamado “Plano Collor”

(Lei n. 8.024/90).

c) o conceito de ‘despesa extraordinária’ a que alude o art. 148, inciso I, da Constituição

Federal, pode abranger inclusive aquelas incorridas sem que tenham sido esgotados todos os fundos públicos de contingência.

d) se conceitua como um contrato de direito público, com a característica da obrigatoriedade

de sua devolução ao final do prazo estipulado na lei de sua criação.

e) se subordina, em todos os casos, ao princípio da anterioridade da lei que o houver

instituído.