Você está na página 1de 2

DIT201 – Direito Civil

FATOS JURÍDICOS EM SENTIDO AMPLO

1. Fatos Jurídicos em sentido estrito

1.1. Fatos Jurídicos ordinários

1.2. Fatos Jurídicos extraordinários

2. Atos Jurídicos em sentido amplo

2.1. Atos Jurídicos ilícitos

2.2. Atos Jurídicos lícitos

2.2.1. Atos Jurídicos em sentido estrito

2.2.1.1. Atos Jurídicos materiais

2.2.1.2. Participações

2.2.2. Atos-Fatos Jurídicos

2.2.3. Negócios Jurídicos

NEGÓCIO JURÍDICO

04.02.2014

É o ato jurídico lícito em que há uma composição de interesses das partes com uma finalidade

específica. (Flávio Tartuce)

É a declaração de vontade, emitida em obediência aos seus pressupostos de existência, validade e

eficácia, com o propósito de produzir efeitos admitidos pelo ordenamento jurídico pretendidos pelo agente. (Pablo Stolze Gagliano & Rodolfo Pamplona Filho)

Constitui a principal forma de exercício da autonomia privada, da liberdade negocial. (Antônio Junqueira de Azevedo)

No negócio jurídico as partes interessadas, ao manifestarem sua vontade, vinculam-se, estabelecem, por si mesmas, normas regulamentadoras de seus próprios interesses. (Álvaro Villaça Azevedo)

Exemplos: o testamento, o contrato, o casamento, etc.

DIAGNOSE DIFERENCIAL ENTRE AS ESPÉCIES DE ATOS JURÍDICOS LÍCITOS

Elemento Volitivo

Efeitos Jurídicos

Ato Jurídico stricto sensu

Presente

Legalmente previstos

Ato-Fato Jurídico

Ausente ou Irrelevante

Legalmente previstos

Negócio Jurídico

Presente

Regulamentados pelas partes, nos limites da lei.

DIT201 – Direito Civil

EFEITOS JURÍDICOS

04.02.2014

1. Aquisição de direitos: ocorre quando se dá a conjunção do direito com a pessoa, natural ou

jurídica, isto é, quando esta assume a condição de titular de um direito subjetivo. Quando o direito estiver completamente adquirido, diz-se atual; quando sua aquisição não se acabou de operar, diz- se futuro. Relativamente aos direitos futuros, distinguem-se a expectativa de direito, o direito eventual e o direito condicional. A aquisição de direitos pode se dar:

a) por determinação legal, como no direito à vida, à honra, etc;

b) por ato de vontade, quando surge pela prática de ato jurídico, como na ocupação (por ato

exclusivo do agente), no testamento (por ato de outra pessoa), nos contratos (por ato conjunto de pessoas).

Ou ainda:

a) originária ou derivadamente, de acordo com a existência ou não de uma relação jurídica anterior

com o direito ou bem objeto da relação;

b) gratuita ou onerosamente, de acordo com a existência ou não de uma contraprestação para a

aquisição do direito;

c) a título universal ou singular, se o adquirente substitui o sucedido na totalidade de seus direitos

ou apenas de uma ou algumas coisas determinadas;

d) de forma simples ou complexa, se o fato gerador da relação jurídica se constituir em um único ato

ou numa necessária simultaneidade ou sucessividade de fatos.

2. Conservação de direitos: ocorre quando se dá o resguardo (defesa) de direitos, em caso de lesão

ou ameaça. Esta espécie de efeito opera-se através de:

a) atos de conservação: para evitar o perecimento, turbação ou esbulho do direito. Ex.: as medidas e

ações cautelares;

b) atos de defesa do direito lesado: para conservar direito já violado. Ex.: as ações cognitivas ou

executivas;

c) atos de defesa preventiva: para conservar direito diante de ameaça evidente. Ex.: o interdito

proibitório e, extrajudicialmente, a cláusula penal, as arras, a fiança;

d) atos de autotutela: admitidos excepcionalmente para conservação de direito violado. Ex.: o

desforço incontinenti (art. 1.210, § 1º, CC), ou a greve, no Direito do Trabalho.

3. Modificação de direitos: podendo ser objetiva, quando se altera, quantitativa ou qualitativamente, o conteúdo ou objeto da relação jurídica; ou subjetiva, quando se alteram os titulares, seja por substituição, multiplicação ou concentração de sujeitos, seja por desdobramento da relação jurídica.

4. Extinção de direitos: ocorre quando se dá a ruptura do vínculo entre o direito e seu titular.

Exemplificativamente, verifica-se a extinção de direitos nos casos de: perecimento do objeto; alienação; renúncia; abandono; falecimento do titular; prescrição; decadência; abolição de um instituto jurídico; confusão; implemento de condição resolutiva; escoamento de prazo; etc.

Bibliografia consultada:

GAGLIANO, Pablo Stolze & FILHO, Rodolfo Pamplona. Novo Curso de Direito Civil. Vol. 1. TARTUCE, Flávio. Manual de Direito Civil. NADER, Paulo. Introdução ao Estudo do Direito.