Você está na página 1de 37

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO

Francine Hesse

ASPECTOS TOXICOLÓGICOS DE ESTRICNINA,


FLUORACETATO DE SÓDIO E ALDICARB: REVISÃO DE
LITERATURA

Porto Alegre - RS
2008
Francine Hesse

ASPECTOS TOXICOLÓGICOS DE ESTRICNINA, FLUORACETATO DE SÓDIO E


ALDICARB: REVISÃO DE LITERATURA

Monografia apresentada a Universidade


Federal Rural do Semi-Árido – UFERSA,
Departamento de Ciências Animais
para obtenção do título de especialista
em Clínica Médica de Pequenos
Animais.

Orientador: Profa. Dra. Eliane


Dallegrave

Porto Alegre - RS
2008
Ficha catalográfica preparada pelo setor de classificação e
catalogação da Biblioteca “Orlando Teixeira” da UFERSA
H587a Hesse, Francine.
Aspectos toxicológicos de estricnina, fluoracetato de sódio
e aldicarb: revisão de literatura / Francine Hesse. -- Mossoró:
2009.
36f. : il.

Monografia (Especialização em Clínica Médica de


Pequenos Animais) – Universidade Federal Rural do Semi-
Árido.
Orientadora: Profª. Dra. Eliane Dallegrave.

1.Pesticida. 2.Intoxicação. 3.Estricnina.


4.Monofluoracetato. 4.Aldicarb. I.Título.
CDD: 632.95
Bibliotecária: Keina Cristina Santos Sousa e Silva
CRB/15 120
FRANCINE HESSE

ASPECTOS TOXICOLÓGICOS DE ESTRICNINA, FLUORACETATO DE SÓDIO E


ALDICARB: REVISÃO DE LITERATURA

Parecer dos
Professores.......................................................................................................................
..........................................................................................................................................
..........................................................................................................................................

Data da Defesa: 06/ março/2009.

____________________________________________
(Prof. Dr. Alexandre Rodrigues Silva)
UFERSA

_____________________________________________
(Profa. Msc. Valéria Natascha Teixeira)

_____________________________________________
(Prof. Msc Masahiko Ohi)
UFPR
AGRADECIMENTOS

Agradeço sempre em primeiro lugar aos meus pais, Antonio e Ioni por toda a força e
apoio que sempre me deram.

Agradeço a minha orientadora Eliane Dallegrave por toda sua atenção, paciência e
dedicação, uma pessoa a quem tenho muita admiração.

iii
RESUMO

Os pesticidas são responsáveis pela maioria das intoxicações acidentais ou


intencionais em cães e gatos e o diagnóstico clínico destas intoxicações é geralmente difícil,
principalmente pela diversidade de intoxicações possíveis. Agentes tóxicos como a estricnina,
o monofluoracetato e o aldicarb, são pesticidas de uso proibido como raticidas e ainda assim,
utilizados ilegamente. Por apresentarem quadro de intoxicação aguda e sinais clínicos
semelhantes, no que tange principalmente aos sinais neurológicos é necessário que o clínico
veterinário possa diferenciar os mesmos para um manejo terapêutico mais adequado e rápido.
O presente trabalho expõe uma revisão sobre a intoxicação em cães e gatos por estes
pesticidas, descrevendo os sinais clínicos de forma a comparar as semelhanças e diferenças
entre quadros de intoxicação, relatando os exames laboratoriais e dados epidemiológicos que
possam auxiliar no diagnóstico, alertando ainda quanto a importância para a saúde pública em
relação ao uso ilegal e indiscriminado destes produtos.
Palavras Chave: Pesticida. Intoxicação. Estricnina. Monofluoracetato. Aldicarb

iv
ABSTRACT

Pesticides are responsible for the most of accidental or intentional intoxication in dogs
and cats, and, clinical diagnostic of this intoxication is very hard to do, mainly by the wide
range of possible intoxication. Toxic agents like; strychnine, monofluorocetate and aldicarb
are prohibited pesticides to be used as raticides, even thought, they are used illegally. For
showing cases of acute intoxication and very alike clinical signs, mainly concerning to
neurological signs, it is necessary that the Clinic Veterinarian, should differentiate these signs
in order to get the most adequate and fastest therapeutic management. The present work,
shows up a revision about dogs and cats intoxication by these pesticides, describing clinical
signs in order to compare the similarity and differences between intoxication cases, given
account lab tests and epidemiologic data, that may help to make easy the diagnostic, warning
either, about the matter of public health, connecting the illegal and indiscriminate use of these
products.
Keywords: Pesticide. Intoxication. Strychnine. Monofluorocetate. Aldicarb.

v
LISTA DE FIGURAS

Figura 1 Ciclo de Krebs e o bloqueio deste pelo fluorocitrato, metabólito tóxico


do fluoroacetato de sódio ......................................................................... 17

Figura 2 Carbamilação da acetilcolinesterase pelo carbamato. Notar que o


pesticida liga-se aos dois locais ativos da enzima .................................... 24

Figura 3 Quadro comparativo entre sinais clínicos na intoxicação por estricnina,


flouracetato de sódio e aldicarb .............................................................. 30

vi
LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

acetil-CoA Acetil coenzima A


ACh - Acetilcolina
AChE - Acetilcolinesterase
CIT Centro de Informação Toxicológica
CO2 Dióxido de carbono
ºC– Graus Celcius
DL50 – Dose letal mediana
e.g. Por ejemplo
FAS - Fluoracetato de sódio
g Gramas
GMA Monoacetato de glicerol
IM - Intramuscular
IV – Intravenoso
mg/kg – Miligrama por kilograma
mL/kg – Mililitro por kilograma
®- Marca registrada
MC – Massa corporal
PPM Partes por milhão
SNC – Sistema nervoso central
UI – Unidades internacionais

vii
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO .............................................................................................. 09
2 OBJETIVOS ................................................................................................... 10
3 REVISÃO DE LITERATURA ...................................................................... 12
3.1 ESTRICNINA .................................................................................................. 12
3.1.1 Características do agente ............................................................................... 13
3.1.2 Mecanismo de ação ......................................................................................... 13
3.1.3 Sinais clínicos .................................................................................................. 13
3.1.4 Diagnóstico ...................................................................................................... 14
3.1.5 Manejo terapêutico ......................................................................................... 15
3.2 FLUORACETATO DE SÓDIO ....................................................................... 16
3.2.1 Características do agente ............................................................................... 16
3.2.2 Mecanismo de ação ......................................................................................... 16
3.2.3 Sinais clínicos .................................................................................................. 18
3.2.4 Diagnóstico ...................................................................................................... 19
3.2.5 Manejo terapêutico ......................................................................................... 20
3.3 ALDICARB ...................................................................................................... 22
3.3.1 Características do agente ............................................................................... 22
3.3.2 Mecanismo de ação ......................................................................................... 22
3.3.3 Sinais clínicos .................................................................................................. 24
3.3.4 Diagnóstico ...................................................................................................... 25
3.3.5 Manejo terapêutico ......................................................................................... 26
4 CONSIDERAÇÕES FINAIS ......................................................................... 28
REFERÊNCIAS ........................................................................................................ 33

viii
9

1 INTRODUÇÃO

Os animais domésticos estão sujeitos às intoxicações tanto acidentais quanto


intencionais. Raticidas, inseticidas e acaricidas são causas muito comuns destas intoxicações
e, podem, em casos graves, provocar a morte dos animais afetados. Segundo Melo e Silva
Júnior (2005), os pesticidas são responsáveis pela maioria das intoxicações acidentais ou
intencionais na medicina veterinária e o diagnóstico clínico das intoxicações nos carnívoros
domésticos é geralmente difícil. A principal razão é, sem dúvida, a diversidade de
intoxicações possíveis (OLIVEIRA et al., 2002).
Vale ressaltar que os pesticidas são substâncias químicas, cujo uso é amplamente
difundido no mundo e, em razão de serem responsáveis por inúmeros casos de intoxicação,
merecem atenção quanto à racionalidade no seu emprego. No Brasil já aparecem na terceira
posição dentre os agentes causais das intoxicações agudas, sendo os inseticidas
(organofosforados, piretróides, carbamatos e organoclorados) os responsáveis pelo maior
número de ocorrências (ALONZO; CORRÊA, 2003 apud GABRIEL et al., 2004).
Nas intoxicações intencionais, os pesticidas utilizados, geralmente são aqueles de uso
restrito ou proibido, em razão da alta toxicidade de alguns deles para mamíferos e da rapidez
de seu modo de ação, o que os tornam muito populares para finalidades criminosas ou, no
caso de seres humanos, para tentativas de suicídio. Tal circunstância é ainda mais grave pelo
fato de que, em muitos casos ocorre adulteração do produto antes de sua comercialização,
podendo ser misturado com grafite, milho moído, farinha de trigo ou areia. Há ainda
associações de vários pesticidas (por exemplo, organofosforados, carbamatos, anticoagulantes
e/ou fluoracetato de sódio), agravando o quadro clínico, dificultando a terapêutica e,
consequentemente, reduzindo as chances de sobrevivência do animal intoxicado (SPINOSA et
al., 2008).
Embora em nosso país seja permitido apenas o uso de cumarínicos (anticoagulantes)
como raticidas, na prática clínica nos deparamos com um grande número de acidentes por
carbamatos e estricnina. Esses produtos são altamente tóxicos tanto para humanos como para
animais e pode-se observar que dentre os óbitos muitos são causados por este grupo
farmacológico (HANSEN, 2006).
Dentre os raticidas mais apontados como causadores de intoxicação pode-se citar o
monofluoracetato de sódio, proibido no Brasil desde meados da década de 80, a estricnina que
também tem seu uso proibido em diversos países (MORAES, 1999), e o aldicarb, pesticida
10

carbamato extremamente tóxico, para uso exclusivo agrícola, utilizado ilegalmente como
raticida e que tem sido apontado como um dos principais agentes utilizados para a intoxicação
criminosa de animais domésticos no Brasil (SPINOSA et al., 2008), sendo comercializado
clandestinamente com o nome de “chumbinho”.
Em virtude do acesso restrito como resultado das regulamentações de agentes tóxicos
em muitos países, a incidência de intoxicação por estricnina diminuiu de maneira
razoavelmente drástica, nos últimos tempos. Entretanto, ela ainda permanece como um agente
tóxico significante para gatos e constitui um dos principais agentes usados em casos
maliciosos (CHANDLER et al., 2006).
Segundo Spinosa et al. (2008) o ácido monofluoracético ou monofluoracetato de sódio
teve sua produção, importação, formulação e comercialização totalmente proibidas em 1982
no Brasil, entretanto, há evidências do uso ilegal e sem critérios causando intoxicações,
principalmente em crianças e animais domésticos (COLLICCHIO-ZUANAZE et al., 2005).
Devido a seu baixo custo, às facilidades de aquisição e a sua alta toxicidade, o aldicarb
tem sido amplamente utilizado de forma ilegal como raticida doméstico e como agente de
escolha para exterminar animais de companhia, criando um cenário que coloca em risco
também a saúde humana.
Como em qualquer caso clínico, o diagnóstico de uma intoxicação deve basear-se na
anamnese, na descrição pormenorizada dos sinais clínicos, no tempo que decorreu entre a
observação dos primeiros sinais e a provável morte do animal, ou na resposta do mesmo à
terapêutica instituída (DORMAN, 1997 apud OLIVEIRA et al, 2002). Infelizmente, além do
despreparo dos proprietários, também pode-se observar um despreparo do clínico veterinário
ao fazer o diagnóstico diferencial entre os raticidas e tratamento do paciente intoxicado
(HANSEN, 2006).
Segundo Dallegrave et al. (2007), muitas vezes o médico veterinário se encontra frente
aos acidentes tóxicos induzidos pelo homem, como nos envenenamentos intencionais
objetivando eliminar animais e cabe a este profissional a atuação dinâmica em programas
sociais que visem esclarecer a população principalmente quanto à ilegalidade e os outros
riscos da utilização de substâncias ilícitas em ambientes públicos ou mesmo privados.
11

2 OBJETIVOS

O presente trabalho objetiva expor uma revisão sobre intoxicação em cães e gatos
pelos raticidas ilícitos estricnina, fluoracetato de sódio e aldicarb, descrevendo suas
características, mecanismo de ação, sinais clínicos, comparando as semelhanças e diferenças
entre quadros de intoxicação por estes pesticidas, relatando os exames laboratoriais que
possam auxiliar no diagnóstico destes agentes tóxicos e descrever as medidas terapêuticas
mais adequadas frente a cada tipo de intoxicação e ainda, alertando a importância para a saúde
pública em relação ao uso indiscriminado destes produtos.
12

3 INTOXICAÇÕES POR RATICIDAS ILÍCITOS EM CÃES E GATOS

3.1 ESTRICNINA

3.1.1 Características do agente

A estricnina é um alcalóide, extraído da planta Strychnos nux vomica (SPINOSA et al.,


2008) e S. ignatti (PETERSON; TALCOTT, 2006). É o ingrediente ativo usado no controle
de roedores e de alguns parasitas (FORD; MAZZAFERRO, 2007), sendo utilizada como
rodenticida desde o século XVI na Alemanha. Segundo Melo; Silva Júnior (2005), esta
substância está banida no Brasil devido aos seu potencial letal, altamente tóxica para
mamíferos, porém ainda utilizada como agente de escolha para envenenamentos intencionais
de animais de estimação.
O sulfato de estricnina é um pó branco, moderadamente solúvel em água. As iscas de
estricnina são pobremente solúveis em água e se aderem fortemente às partículas do solo. Sua
persistência no meio ambiente não é longa e mais de 90% desaparece do solo dentro de 40
dias (PETERSON; TALCOTT, 2006). A dose tóxica é de 0,75 mg/kg para cães, e 2 mg/kg
para gatos segundo Spinosa et al. (2008). Nicholson (2004) cita doses de 0,25mg/kg a 2
mg/kg como sendo letais para a maioria dos animais.
Após a ingestão, este agente tóxico é rapidamente absorvido no trato gastrintestinal,
sendo amplamente distribuído nos tecidos, como cita Spinosa et al. (2008), bem como sua
absorção pode ocorrer na mucosa nasal e por exposição dérmica. As concentrações mais altas
se encontram no sangue, fígado e rins, não se concentrando em tecidos nervosos (BEASLEY,
1999). Segundo Peterson; Talcott (2006), apenas uma pequena quantidade (menos de 4 ppm)
pode ser encontrada no sangue. O agente é metabolizado no fígado e seus metabólitos são
excretados na urina, entretanto 1% a 20% da dose de exposição original é excretada intacta na
urina.
13

3.1.2 Mecanismo de ação

A transmissão dos impulsos nervosos através da sinapse é quimicamente mediada


pelos neurotransmissores. O neurotransmissor é liberado a partir do nervo terminal pré-
sináptico do neurônio estimulado, cruza a fenda sináptica, e combina-se com um receptor
específico na membrana pós-sináptica (KORE; BEASLEY, 1999). A glicina é um importante
neurotransmissor de neurônios inibitórios no cérebro e medula espinhal, seu efeito é pós-
sináptico. É o neurotransmissor para as células de Renshaw, que transmitem sinais inibitórios
aos neurônios motores circundantes (GUYTON; HALL, 2006) no corno ventral da medula
espinhal (BEASLEY, 1999).
A estricnina atua especificamente em nível da medula espinhal, bloqueando o
funcionamento dos neurônios inibitórios, as células de Renshaw, inibindo seu receptor
específico de glicina (SORACI; TAPIA, 2001). Conforme Spinosa et al. (2008) possui
estrutura semelhante à glicina, bloqueando competitivamente os receptores pós-sinápticos
deste neurotransmissor no neurônio motor da medula central. Por esta razão os efeitos dos
transmissores excitatórios se tornam exagerados e os neurônios se tornam tão excitados que
eles entram rapidamente em descargas repetitivas, resultando em severos espasmos
musculares tônicos (GUYTON; HALL, 2006).
Braund (2003) cita que alguns sinais supraespinhais possam estar associados com a
inibição do ácido gamma-aminobutírico (GABA). Este neurotransmissor é secretado pelos
nervos terminais da medula espinhal, cerebelo, gânglios basais e várias áreas do córtex,
acredita-se que sempre cause inibição (GUYTON; HALL, 2006). A inibição pré-sináptica
reduz a transmissão excitatória nas fibras primárias aferentes pela ação do GABA. Se sua
função for prejudicada, pode resultar em desordens convulsivas, tetânicas e espásticas
(KORE; BEASLEY, 1999).

3.1.3 Sinais Clínicos

O primeiro alvo para a estricnina é o sistema nervoso central. As alterações clínicas


produzidas por esta intoxicação ocorrem, geralmente de 10 minutos a 2 horas após a ingestão
da isca (PETERSON; TALCOTT, 2006; SPINOSA et al., 2008). Agitação e apreensão
14

(NICHOLSON, 2004), ansiedade, aumento da freqüência respiratória e intensa sialorréia


(SPINOSA et al., 2008) são os sinais clínicos iniciais. Em seguida, conforme os mesmos
autores, os animais podem apresentar ataxia e espasmos musculares que geralmente iniciam-
se pelos músculos da face, disseminando-se para a musculatura dos membros, seguidos de
convulsões tônico-clônicas e opistótono.
Geralmente não ocorrem sinais de pedalagem ou movimentos de corrida e atividade
mastigatória (BEASLEY, 1999), raramente ocorre perda da consciência e é possível haver
mioglobinúria. Os sinais são estimulados ou exarcebados por estímulos externos como ruídos,
toque ou luz concordam os autores Nicholson (2004), Ford e Mazzaferro (2007) e Spinosa et
al.. (2008). Pode-se notar midríase, hipertermia e cianose durante as convulsões. A morte do
animal ocorre por parada respiratória, por causa do comprometimento do músculo
diafragmático (SPINOSA et al., 2008) e pode ocorrer durante a primeira convulsão ou após
ataques exaustivos de convulsões (NICHOLSON, 2004).

3.1.4 Diagnóstico

O diagnóstico é feito associando-se os sinais clínicos da intoxicação e a análise


química, pesquisando a presença de estricnina nas amostras biológicas ou iscas (SPINOSA et
al., 2008). Podem ser mandados para análise: iscas, conteúdo estomacal congelado obtido pela
lavagem ou na necropsia nos casos letais (BEASLEY, 1999). São vários os métodos analíticos
utilizados para detecção de estricnina como a cromatografia de camada delgada, a
cromatografia líquida de alta performance e a cromatografia de gás associada ao
espectrômetro de massa. Conforme Ford e Mazzaferro (2007), na suspeita desta intoxicação
deve-se coletar o conteúdo gástrico para análise. A estricnina também pode ser detectada no
soro, plasma e urina.
Após a morte ocorre rápido rigor e rápido relaxamento (BEASLEY, 1999). Na
necropsia, geralmente não se apresentam lesões a exceção de pequenas petéquias sobre o
pâncreas e um conteúdo digestivo pigmentado indicador de um envenenamento (SORACI e
TAPIA, 2001). Alguns órgãos como fígado e o rim podem ser colhidos para análise química
(SPINOSA et al.., 2008).
15

3.1.5 Manejo Terapêutico

Caso o animal se apresente assintomático no momento da consulta, Ford e Mazzaferro


(2007) indicam a indução do vômito, havendo sinais clínicos deve ser feita a lavagem
orogástrica. A lavagem gástrica deve ser feita com uma solução de permanganato de potássio
(1/2000) para oxidar a estricnina e adicionar a esta solução, ácido tânico (1 a 2%) para reduzir
a absorção e carvão ativado (MELO; SILVA JÚNIOR, 2005).
Para o controle do quadro convulsivo, Spinosa et al. (2008) sugerem o diazepan (2,5-
20 mg/kg, por via IV ou oral) ou o pentobarbital sódico. A dose recomendada por Nicholson
(2004) e Melo e Silva Júnior (2005) para o pentobarbital é de 30 mg/kg por via intravenosa
até o efeito esperado para controlar as convulsões. Para gatos deve-se usar tiobarbitúricos
como o tiopental sódico, conforme Melo e Silva Junior (2005).
Fluídos intravenosos devem ser administrados para corrigir a hipovolemia, suprir
continuamente as necessidades de manutenção, prevenir falência renal induzida por
rabdomiolise (raro), e auxiliar na correção da hipertermia e acidose moderada a leve
(PETERSON e TALCOTT, 2006). Caso o animal apresente acidose, Spinosa et al. sugere a
utilização de bicarbonato de sódio. Estimular a excreção com manitol a 5% diluído em salina
(6,6 mL/ kg/hora) como indicam Melo e Silva Júnior (2005). Nicholson (2004) indica a
admistração de cloreto de amônio via intra-venosa ou oral para acidificação da urina,
aumentando a excreção urinária. Pode ainda ser utilizado vitamina C (3000 UI) para o mesmo
fim, conforme Melo e Silva Júnior (2005). Os animais devem ficar em ambiente escuro e
silencioso, uma vez que qualquer estímulo, visual, sonoro ou mesmo tátil, pode desencadear
uma nova convulsão.
Este tratamento deve ser mantido até a completa excreção da estricnina que, segundo
Nicholson (2004) ocorre em aproximadamente 42 horas.
16

3.2 FLUORACETATO DE SÓDIO

3.2.2 Características do Agente

O fluoracetato de sódio (FAS), também conhecido como composto 1080, tem


ocorrência natural em algumas plantas tóxicas sendo, no Brasil, encontrada na Palicurea
marcgravii. O composto 1080 (sintetizado pela primeira vez em 1896, na Bélgica) é
quimicamente idêntico a sua ocorrência natural do monofluoracetato de sódio e exibe
sintomas idênticos no envenenamento em animais (EASON et al., 1999 apud WEAVER,
2003). Esta substância química foi sintetizada nos Estados Unidos em meados de 1940, para
uso como rodenticida (SPINOSA et al., 2008). Segundo o mesmo autor, seu uso foi
introduzido no Brasil em 1965, retirado do mercado em 1980 devido ao alto número de
acidentes fatais e em 1982, foi totalmente proibida sua produção, importação, formulação e
comercialização em todo o território nacional. Embora haja esta proibição, o uso do FAS no
Brasil é feito geralmente de forma ilegal (PALERMO NETO; MORAES-MOREAU, 1995
apud COLLICCHIO-ZUANAZE; SAKATE, 2005), sendo que ainda hoje vêm sendo
descritos casos de intoxicação por este rodenticida.
Este é um composto incolor, inodoro e insípido (FORD; MAZZAFERRO, 2007),
podendo ser adicionado em qualquer tipo de isca, a dose tóxica varia de 0,05 a 1 mg/kg.

3.2.2 Mecanismo de ação

O efeito tóxico não é produzido diretamente pelo fluoracetato de sódio e sim pela
formação de um metabólito, o fluoricitrato, sendo assim, esta intoxicação é denominada
síntese letal (SPINOSA et al., 2008). O fluoracetato de sódio após sua absorção age
diretamente no ciclo de Krebs. A semelhança estrutural entre os radicais FCH2 do
fluoracetato com o CH3 do acetato, permite que o FAS mimetize sua função e se incorpore ao
ciclo de Krebs (COLLICCHIO-ZUANAZE; SAKATE, 2005). Ao adentrar na célula, reage
com a acetil coenzima A (acetil- CoA), na presença de ATP (adenosina-5’-trifosfato) para
17

formar fluoracetil CoA, que, por sua vez reage com o oxalacetato e água formando o
fluoricitraro (SPINOSA et al., 2008). O fluoricitrato por sua vez, age impedindo a conversão
enzimática do citrato a isocitrato (MELO; SILVA JÚNIOR, 2005), resultando em bloqueio do
ciclo dos ácidos tricarboxílicos (ciclo de Krebs). Em conseqüência ocorre depleção de
energia, acúmulo de citrato, lactato e queda do pH sanguíneo, uma vez que ocorre parada da
respiração celular oxidativa e acúmulo de amônia na circulação. O processo de formação e o
conseqüente bloqueio do ciclo de Krebs estão representados na Figura 1.

Fonte: Collichio-Zuanase e Sakate, 2005.

Figura 1. Ciclo de Krebs e o bloqueio deste pelo fluoricitrato, metabólito tóxico do


fluoracetato de sódio.

O citrato circulante acumula-se em todos os tecidos, principalmente no miocárdio e no


sistema nervoso central (SNC) e em menor quantidade no fígado (GAL et al., 1956 apud
COLLICCHIO-ZUANAZE; SAKATE, 2005) e o citrato acumulado combina-se com o cálcio,
quelando-o, levando a uma conseqüente hipocalcemia (MELO; SILVA JÚNIOR, 2005;
SPINOSA et al., 2008).
A inibição do ciclo de Krebs pelo FAS provoca diminuição da produção de ATP em
até 50% pela redução do metabolismo da energia oxidativa, havendo também diminuição da
oxidação do acetato e da síntese hepática do acetoacetato. A utilização de acetoacetato nos
tecidos é inibida e há um acúmulo de ceto-substâncias no sangue que são excretadas na urina.
Há também diminuição da utilização de piruvato na incorporação de CO2, nos ácidos
18

orgânicos (NOVÁK et al., 1972 apud COLLICCHIO-ZUANAZE e SAKATE, 2005). Os


primeiros efeitos são manifestados pelo sistema nervoso e coração pela falta de energia e
acúmulo de amônia na circulação, o que caracteriza uma acidose metabólica.

3.2.3 Sinais Clínicos

Os efeitos clínicos e patológicos presentes na intoxicação pelo FAS, são divididos


entre sinais cardiovasculares e neurológicos que variam de acordo com a espécie animal, com
intensidade dose-dependente e variações individuais. Nos cães, as alterações no SNC são
predominantes, havendo predominância dos efeitos cardíacos em gatos (HUMPHEREJS,
1988 apud COLLICCHIO-SUANAZE; SAKATE, 2005). Todavia, estudos mais recentes
verificaram a importância das manifestações neurológicas que são também predominantes
nesta espécie (COLLICCHIO-ZUANAZE, 2002).
De acordo com Melo; Silva Júnior (2005), Peterson; Talcott (2006) e Spinosa et al.
(2008), os sinais clínicos podem aparecer de trinta minutos até duas horas após a ingestão. O
período latente variável é resultado do tempo de conversão do fluoracetato e seu acúmulo a
níveis tóxicos (PETERSON; TALCOTT, 2006). Os sinais mais evidentes são excitação,
irritabilidade, náuseas, vômito, diarréia, micção freqüente, corrida frenética em linha reta
(MELO; SILVA JÚNIOR, 2005), convulsões do tipo tônico-clônica (SPINOSA et al., 2008)
e, de acordo com Ford e Mazzaferro (2007) pode haver coma secundário ao edema cerebral.
Com a progressão do quadro as convulsões são mais fracas, devido à exaustão energética
muscular. A morte ocorre entre duas a doze horas após a ingestão e ocorre durante as
convulsões ou pela paralisia respiratória subseqüente (BEASLEY, 1999), o que leva a um
prognóstico desfavorável.
Os sinais clínicos apresentados por gatos, segundo Collicchio-Suanaze e Sakate (2005)
são episódios de vômito e diarréia inicialmente, dor abdominal, hipotermia, midríase
irresponsiva bilateral, agitação, taquipnéia, hiperexcitabilidade, hiperreflexia, vocalização e
miados constantes, episódios convulsivos tetânicos com apnéia transitória, prostração e
eventualmente óbito. A morte resulta tipicamente da depressão do centro respiratório mas
ocasionalmente como resultado de uma fibrilação ventricular (SHERLEY, 2004).
A manutenção da temperatura corpórea em situações metabólicas desfavoráveis é
bastante limitada. Os gatos intoxicados pelo FAS apresentam um desequilíbrio na
19

termorregulação, secundário ao bloqueio do suprimento energético e diminuição do


metabolismo corpóreo (COLLICCHIO-SUANAZE; SAKATE, 2005). Por outro lado, cães
intoxicados com FAS apresentam inicialmente hipertermia (DE PAULA, 2000 apud
COLLICCHIO-SUANAZE; SAKATE, 2005), verificada durante os períodos de
hiperexcitabilidade e convulsões tônico-clônicas.

3.2.4 Diagnóstico

No diagnóstico devem ser considerados histórico e sintomatologia do paciente, sendo


importante incluir na chave diferencial: estricnina, hipocalcemia, organoclorados,
encefalopatias hepáticas e outras encefalites graves em cães e gatos (MELO; SILVA
JÚNIOR, 2005). O modo de ação e a evolução clínica da intoxicação destes compostos
diferem, mas os sinais clínicos, principalmente no estágio convulsivo, são bastante similares
(SAKATE, 2002).
Alterações na patologia clínica incluem hiperglicemia, aumento dos níveis séricos de
citrato, hipocalcemia e acidose (MELO; SILVA JÚNIOR, 2005). Segundo Sakate (2002) o
aumento significativo dos níveis de citrato nos rins diferenciam a intoxicação pelo
fluoracetato com outras substâncias. A elevação dos níveis de citrato nos tecidos é, de certa
forma, patognomônica da intoxicação por compostos organofluorados.
A análise clínica se faz pesquisando a presença do agente nas iscas, no vômito ou no
conteúdo estomacal, usando para tanto a técnica do eletrodo específico de íon fluoreto
(SPINOSA et al., 2008). Nicholson (2004) comenta que níveis teciduais do composto podem
ser detectados por cromatografia gasosa capilar-espectrometria de massa, mas poucos
laboratórios oferecem este serviço.
As lesões encontradas em necropsia incluem: repleção de estômago, cólon e bexiga
urinária, cianose, rápido rigor mortis, congestão de fígado e rins, diástole cardíaca com
hemorragia subapical (lesão não específica), edema cerebral e infiltração linfocítica do espaço
de Virchor-Robin (BEASLEY, 1999).
20

3.2.5 Manejo Terapêutico

A maioria das tentativas de reversão dos efeitos tóxicos do FAS tem falhado. A terapia
deve tentar impedir a ação do fluoricitrato no bloqueio do ciclo de Krebs ou bloquear a rápida
metabolização do fluoracetato em fluoricitrato (COLLICCHIO-SUANAZE; SAKATE, 2005).
O tratamento inicial é sintomático, com assistência respiratória, infusão rápida de
cristalóides, lavagem gástrica com carvão ativado, diazepínicos e barbitúricos (MELO;
SILVA JÚNIOR, 2005) para o controle das convulsões. Fluidoterapia com solução fisiológica
ou Ringer; não deve ser usada solução glicosada, uma vez que, conforme Sakate (2002), o
animal pode apresentar hiperglicemia. Não é indicado o uso de eméticos a menos que seja
muito cedo, que não existam sinais clínicos e o animal deverá ser constantemente monitorado
no caso de convulsões (BEASLEY, 1999).
Melo; Silva Júnior (2005) sugerem a administração de monoacetato de glicerol
(GMA) (Monoacetin®) na dose de 0,1 a 0,5 mg/kg, via intramuscular a cada hora, totalizando
2 a 4 mg/kg, visando regenerar a enzima aconidase (acetil-CoA), para possibilitar a entrada do
citrato novamente no ciclo. Segundo Sakate (2002), a dose do GMA é de 0,55 mg/kg, IM, a
cada trinta minutos durante doze horas. A ausência de convulsões com o uso do GMA indica
que há diminuição na síntese do fluoricitrato ou interferência na passagem deste pela barreira
hematencefálica, mas são necessárias doses acima de 100 mg/kg para se obter um aumento
significativo nos níveis de acetato circulante. Todavia, de acordo com Beasley (1999), esta
droga apresenta ação de curto período, pode ser difícil de ser obtida e não é muito efetiva a
menos que a dose do FAS seja próxima ou menor que a DL50. Peterson; Talcott (2006)
ressaltam ainda que a aplicação intramuscular da GMA é extremamente dolorosa. Collicchio-
Suanaze; Sakate (2005) citam um estudo realizado por Taitelman et al. em 1983 com gatos
experimentalmente intoxicados com FAS onde os animais tratados com o monoacetato de
glicerol apresentavam um agravamento no quadro de acidose metabólica.
Segundo Peterson; Talcott (2006) pode-se utilizar um tratamento que substitui o
monoacetato de glicerol que é a utilização de acetamida em dextrose a 5%, sendo que a
proporção feita é de 15g de acetamida em um litro de dextrose a 5%. Esta solução é
administrada em uma dose inicial de 20 a 25 ml/kg pela via endovenosa por um período de 60
minutos, seguidas por aproximadamente 5 ml/kg/hora pelas próximas dozes a dezoito horas
conforme necessário. Para cães maiores de 20 kg, um total de dois litros de solução é dada.
Spinosa et al., (2008) sugere a utilização de 10% de acetamida associado à 5% de dextrose,
21

por via endovenosa na dose de 7 a 10 ml/kg em um período de trinta minutos e depois a cada
quatro horas, por vinte e quatro a quarenta e oito horas. No tratamento de gatos com
intoxicação por FAS, a dose deve ser reduzida em no mínimo 75% (PETERSON; TALCOTT,
2006).
Outro protocolo sugerido por Spinosa et al. (2008) é a administração de pentobarbital
sódico em dose suficiente para induzir uma leve anestesia seguido pela administração de uma
solução de 8,4% de bicarbonato de sódio em solução salina, na dose de 300 mg/kg, por um
período de quinze a trinta minutos. Alternativamente, metade da dose de bicarbonato de sódio
pode ser administrada em bolus e o restante em infusão lenta (PETERSON; TALCOTT,
2006).
Pacientes com hipocalcemia ou tetania devem ser suplementados com gluconato de
cálcio por via endovenosa (MELO; SILVA JÚNIOR, 2005). Segundo Sakate (2002), deve-se
utilizar o gluconato de cálcio a 10%, 130 mg/kg, IV, muito lentamente a cada 30 minutos,
durante 12 horas. Succinato de sódio, em combinação com gluconato de cálcio, está
recomendado na dose de 240 mg/kg, a cada trinta minutos a uma hora durante doze horas
(SAKATE, 2002). A utilização do succinato de sódio e gluconato de cálcio a 10% como
protocolo terapêutico na intoxicação por fluoracetato em gatos permite uma normalização
mais precoce do pH, bicarbonato de sódio e cálcio ionizado, revertendo assim, de maneira
mais eficiente os quadros de acidose metabólica e hipocalcemia (COLLICCHIO- ZUANAZE,
2002).
Segundo Sakate (2002), cães apresentam hipertermia e gatos hipotermia (muitas vezes
abaixo de 34º C) e esta condição deve ser controlada. O mesmo autor sugere o uso de
diuréticos como a furosemida 2 a 4 mg/kg, IV, para aumentar a excreção pela via urinária.
22

3.3 ALDICARB

3.3.1 Características do agente

Os organofosforados e carbamatos são conhecidos como agentes anticolinesterásicos,


mundialmente utilizados desde o século XX, principalmente a partir de 1970, quando se
iniciou o declínio dos organoclorados. O uso destes pesticidas envolve o controle e combate
de diversas pragas e, na Segunda Guerra Mundial, há indícios de que alguns organofosforados
tenham sido empregados como armas químicas (SPINOSA et al. 2008). Segundo estes
autores, os carbamatos foram primeiramente obtidos a partir do alcalóide extraído da semente
da planta Physiostigma venenosum, conhecida como fava de Calabar ou feijão-de-prova, que
era utilizada em rituais de feitiçaria por tribos Africanas no leste da África. O grupo dos
carbamatos é formado por derivados do ácido N-metil-carbâmico e dos ácidos tiocarbamatos
e ditiocarbamatos e dentre os derivados do ácido N-metil-carbâmico o Aldicarb encontra-se
entre os metil-carbamatos juntamente com o carbaril que apresentam marcante atividade
anticolinesterásica.
O Aldicarb, um potente inseticida do grupo dos carbamatos, utilizado ilegalmente
como raticida, tendo sido responsável por um grande número de óbitos no país (SPINOSA et
al., 2008). Sendo assim, aldicarb é o carbamato de maior toxicidade disponível no mercado
(MACHAMER e PICKEL, 1994 apud MORAES, 1999), não tendo liberação para a sua
produção no país. No Brasil, o aldicarb pode apenas ser comercializado para fins agrícolas, e
de acordo com Xavier et al. (2007a), é manufaturado na forma de pequenos grânulos pretos,
com 15% de principio ativo (Temik 150®), e é popularmente conhecido como “chumbinho”.
Trata-se de um pesticida carbamato altamente tóxico por via oral, podendo ser também
absorvido pela pele íntegra, se na forma líquida (XAVIER et al., 2007a). De acordo com o
mesmo autor, sua elevada lipofilicidade resulta em toxicidade dérmica aproximadamente mil
vezes maior que a de outros carbamatos. A DL50 em ratos varia entre 0,6 e 1,0 mg/kg,
conforme Spinosa et al. (2008), e o atendimento precoce do animal é fundamental para
aumentar suas chances de sobrevida, isso ocorre principalmente quando há intoxicação
criminosa de cães e gatos, quando grandes quantidades do pesticida são adicionadas em iscas
palatáveis.
23

3.3.2 Mecanismo de ação

A acetilcolina (ACh) é secretada por neurônios em várias áreas do sistema nervoso,


mais específicamente pelos terminais das células piramidais do córtex motor, diferentes tipos
de neurônios no gânglio basal, nos neurônios motores que inervam a musculatura esquelética,
nos neurônios pré-ganglionares do sistema nervoso autônomo, nos neurônios pós-
ganglionares do sistema nervoso parassimpático e em alguns neurônios pós-ganglionares do
sistema nervoso simpático. Na maioria das vezes, a acetilcolina tem efeitos excitatórios,
entretanto, é sabido que esta possui efeitos inibitórios em alguns nervos terminais do
parassimpático periférico, resultando por exemplo na inibição da contração do músculo
cardíaco pelo nervo vago (GUYTON, 2006).
A ACh é inativada pela acetilcolinesterase (AChE) que é uma serina-esterase que
forma uma ligação covalente com o grupo acetila. Algumas drogas não têm um efeito direto
nos órgãos efetores parassimpáticos mas, elas potencializam os efeitos da Ach, secretada,
naturalmente, nos terminais parassimpáticos (GUYTON, 2006). Tanto os carbamatos como os
organofosforados exercem sua toxicidade por meio da inibição da atividade da
acetilcolinesterase presente nas sinapses colinérgicas, resultando em acúmulo do
neurotransmissor acetilcolina e, consequentemente, na estimulação excessiva dos receptores
nicotínicos e muscarínicos (SPINOSA et al., 2008).
Os ésteres carbamatos inativam a AchE pela sua ligação com a mesma, entretanto esta
reação é reversível (WILLIAMS et al., 2000). Conforme Spinosa et al. (2008), a AChE possui
dois locais ativos sendo um aniônico, e o outro esterásico. Como mostra a Figura 2, os
carbamatos ligam-se em ambos os sítios ativos da enzima, ligação por carbamilação. Após sua
carbamilação, a enzima pode ser rápida e espontaneamente hidrolisada na sua forma original,
com pronta recuperação da atividade da AChE após doses subagudas, sem a ocorrência de
intoxicação cumulativa (por isto são chamados de inibidores reversíveis da AChE).
Entretanto, apesar dessa ação ser geralmente transitória (uma a duas horas), encontram-se na
literatura relatos de inibição prolongada (mais de sessenta horas) em seres humanos
intoxicados por esses pesticidas. Além disso, a reativação espontânea da acetilcolinesterase,
que ocorre mais facilmente na toxicose por cabamatos, é muito lenta em gatos jovens e idosos
(SPINOSA et al., 2008).
24

Fonte: Spinosa et al. (2008).

Figura 2 Carbamilação da acetilcolinesterase pelo carbamato.

Existem dois tipos de colinesterases: a acetilcolinesterase (AChE verdadeira,


acetilidrolase ou colinesterase eritrocitária), encontrada no tecido nervoso, na junção
neuromuscular e na superfície de membrana de glóbulos vermelhos de mamíferos, e a
butilcolinesterase (pseudocolinesterase, colinesterase inespecífica, colinesterase plasmática ou
sérica, acilcolina ou acilidrolase) que hidrolisa vários outros ésteres, além da acetilcolina, e é
encontrada no plasma, no fígado, no pâncreas, na mucosa intestinal e na substância branca do
sistema nervoso central. Os gatos apresentam a butilcolinesterase também nos eritrócitos.
Além da AChE, os organofosforados e carbamatos também podem inibir outras
colinesterases, como as pseudocolinesterases (SPINOSA et al., 2008).

3.3.3 Sinais clínicos

Os sinais clínicos resultam da acumulação no organismo da acetilcolina, conseqüência


das propriedades anticolinesterásicas do princípio tóxico. Esses sinais respondem a uma
hiperestimulação do sistema nervoso autônomo com: alterações muscarínicas, alterações
nicotínicas e alterações do SNC (SORACI; TAPIA, 2001).
Os primeiros sinais do envenenamento estão relacionados com a estimulação
muscarínica e incluem profusa salivação, lacrimejamento, secreção brônquica, diarréia,
25

micção, bradicardia e constrição pupilar. Estes sinais são seguidos pelos efeitos nicotínicos e
estimulação do SNC (e.g., tremores musculares, espasmos e hiperexcitabilidade) que pode
evoluir em convulsões clônicas ou tônico-clônicas (AHRENS, 1997). Spinosa et al. (2008)
relatam além destas alterações, depressão do centro respiratório, cianose e coma. Além destes,
podem ocorrer manifestações cardíacas como arritmias, anormalidades eletrocardiográficas,
defeitos de condução e alterações da pressão arterial; e hipotermia ligeira a moderada.
A ocorrência de bradicardia é mais comum, mas pode haver taquicardia pela liberação
de catecolaminas pelas adrenais (XAVIER et al., 2007a). Dispnéia (devido ao aumento de
secreções pulmonares e bronquiais) normalmente se manifesta com respiração pela boca.
Tremores e convulsões são vistos em casos severos. A morte pode ocorrer pela paralisia
respiratória (espasmo bronquial, convulsões tônicas) ou edema pulmonar (BERNY, 2007).
Segundo Xavier et al. (2007a), os pesticidas anticolinesterásicos estão também
associados à ocorrência de neuropatia periférica tardia (dores musculares, fraqueza muscular
progressiva e diminuição dos reflexos tendinosos que ocorrem após duas a três semanas ou
até meses após a exposição) e à síndrome intermediária que pode ser observada dois a três
dias após a exposição, sendo os sinais representados principalmente por ptose palpebral,
hiporreflexia e flacidez da musculatura do pescoço.

3.3.4 Diagnóstico

O diagnóstico da intoxicação por aldicarb é embasado, via de regra, na avaliação


clínica e na medida da atividade das colinesterases plasmática e eritrocitária (XAVIER et al.,
2007b). Segundo Melo; Silva Júnior (2005), esta determinação deve ser feita nas primeiras
horas de intoxicação. Conforme os mesmos autores, o diagnóstico pode ser baseado na
resposta ao tratamento com atropina.
A possibilidade do emprego de análise química para a identificação do agente tóxico
no material biológico de animais intoxicados pode auxiliar o clínico na presteza do
atendimento ao paciente e no estabelecimento de medidas de prevenção, além de ser
indispensável em situações que envolvam litígios. A cromatografia de camada delgada
mostrou ser uma técnica adequada para identificar o aldicarb tanto no conteúdo gástrico,
como nos alimentos usados como iscas sem sofrer influência dos diferentes componentes da
matriz (XAVIER et al., 2007b).
26

A constatação da atividade da colinesterase abaixo de 50% pode indicar intoxicação.


Infelizmente nem sempre a depressão dos níveis da atividade enzimática sangüínea pode ser
correlacionada com a gravidade da intoxicação, pois os sinais clínicos aparecem quando as
colinesterases dos tecidos nervosos estiverem inibidas, e o nível sangüíneo dessa enzima
reflete, de modo geral, os níveis enzimáticos dos tecidos nervosos. Para avaliação da AChE
ou da pseudocolinesterase, podem ser usados sangue, plasma, cérebro total ou núcleo caudato
(SAKATE, 2002).
Parâmetros bioquímicos adicionais que podem estar alterados incluem
hiperamilasemia, hiperlipasemia, hiperglicemia, hipocalemia, acidose, leucocitose com ou
sem desvio à esquerda e aumento dos níveis de creatina quinase (CK) e asparato transaminase
(AST) (PETERSON; TALCOTT, 2006). Nos casos de sensibilidade abdominal aguda, é
importante a determinação das enzimas pancreáticas amilase e lipase, em razão do risco de
pancreatite aguda. A pancreatite aguda pode ser resultante do aumento da pressão intraductal
e da secreção exócrina pancreática causados pela estimulação colinérgica (SPINOSA et al.,
2008).

3.3.5 Manejo Terapêutico

No caso de agentes extremamente tóxicos, como o aldicarb, o atendimento precoce do


animal é fundamental para aumentar suas chances de sobrevida. Neste caso, o ponto crítico do
atendimento emergencial é a descontaminação gástrica, realizada preferencialmente por
lavagem gástrica (SPINOSA et al., 2008). Segundo Melo; Silva Júnior (2005), o prognóstico
do quadro de intoxicação pelo aldicarb é reservado a desfavorável.
Como medida específica, emprega-se o sulfato de atropina (SPINOSA et al., 2008). O
sulfato de atropina age por um mecanismo de competição, inibindo a ação da acetilcolina
sobre o órgão efetor (HANSEN, 2006). Segundo Spinosa et al. (2008), a dose recomendada é
de 0,2 a 0,5 mg/kg sendo um quarto da dose via IV e o restante SC ou IM. A dose é repetida
em intervalos de três a seis horas enquanto os sintomas permanecerem (AHRENS, 1997;
SPINOSA et al., 2008). A superdosagem de sulfato de atropina pode causar estase abdominal,
taquicardia, delírio e hipertermia; assim, deve-se evitar a atropinização excessiva (SAKATE,
2002). Desta forma, Spinosa et al. (2008) recomenda a utilização da menor dose possível,
dada a possibilidade de que sejam administradas várias repetições e neste caso, preconiza-se a
27

administração de metade da dose. Como marcador clínico mais seguro da atropinização


efetiva, pode-se ter a redução da sialorréia e do alívio das alterações respiratórias (ausência de
dispnéia e de secreções respiratórias), já que o diâmetro pupilar não é um indicador confiável
em gatos e em alguns cães. A dose de atropina deve ser reduzida ou sua administração
descontinuada se houver o desenvolvimento de taquicardia, estase gastrintestinal, alterações
de comportamento ou hipertermia.
Os efeitos muscarínicos central e periférico (bradicardia, broncoconstrição, secreção
brônquica excessiva, vômito, etc.) são bloqueados com o sulfato de atropina, mas este não
reverte os efeitos nicotínicos como tremores musculares (SAKATE, 2002). Estes sinais, de
acordo com Spinosa et al. (2008) poderão persistir por mais de 24 horas. Conforme os
mesmos autores, oximas (reativadores da acetilcolinesterase) não devem ser utilizadas nas
intoxicações por carbamatos, já que formam um complexo enzima-pesticida reversível
espontaneamente e diversos estudos e experiências clínicas mostraram que há um aumento da
toxicidade ao carbamato quando alguma oxima é utilizada no tratamento.
Nos casos em que houver dispnéia severa, a oxigenoterapia deverá ser instituída a fim
de suprir a demanda de oxigênio exigida pelo miocárdio na ocorrência de taquicardia. O uso
de anticonvulsivantes deve ser cuidadoso por causa da depressão respiratória. Podem ser
usados benzodiazepínicos, ou barbitúricos de acordo com a gravidade (SAKATE, 2002). No
caso de ocorrerem convulsões, a dose recomendada por Spinosa et al.(2008) do diazepan é de
0,5 a 1,0 mg/kg, via intravenosa.
A alcalinização da urina com o uso de bicarbonato de sódio (3 a 4 mEq/kg, IV ou VO
na dose de uma colher das de chá em copo d’água, por cinco a sete dias) em pequenos animais
auxilia na recuperação mais rápida deles (SAKATE, 2002).
Cuidado de suporte é muito importante, especialmente em gatos, e inclui
monitorização de hipo ou hipertermia, suplementação de potássio oral ou parenteral se for
detectada hipocalemia, e fuidoterapia parenteral, suporte eletrolítico e nutricional (BRAUND,
2003). Estes cuidados podem se estender por várias semanas.
O uso concomitante de succinilcolina, tranqüilizantes fenotiazínicos e outros
medicamentos causadores de depressão respiratória, além de procaína, compostos como
magnésio, anestésicos inalatórios, agentes bloqueadores neuromusculares, antibióticos
aminoglicosídeos, clindamicina, lincomicina, polimixinas A e B, colistina e teofilina é contra-
indicado nas intoxicações por agentes anticolinesterásicos (SPINOSA et al., 2008).
28

3 CONSIDERAÇÕES FINAIS

O êxito do diagnóstico toxicológico dependerá de uma análise exaustiva de


informações emergentes de estudos interdisciplinares de caráter epidemiológico, clínico,
necrópsico, histopatológico e analítico (laboratório toxicológico) (OLIVEIRA et al. 2002).
Segundo dados fornecidos pelo Centro de Informação Toxicológica do Rio Grande do
Sul, as intoxicações animais por raticidas reportadas no período de 2005 a 2007, somam 307
casos, sendo 97,1% referente a cães (95,3%) e gatos (4,7%). Dos raticidas envolvidos em
acidentes tóxicos com cães e gatos, 81% foram produtos da classe dos cumarínicos, raticidas
lícitos no país. Entretanto, 9,8% dos casos nestas espécies foram por raticidas ilícitos, mais
especificamente a estricnina e o fluoracetato de sódio. Não há registros de intoxicações
animais por Aldicarb no Estado do Rio Grande do Sul. Os dados obtidos no levantamento dos
registros de intoxicação por raticidas indicam um número relevante de casos de intoxicações
por estes agentes em cães e gatos neste Estado, entretanto, considerando que os registros neste
órgão não são compulsórios estes dados encontram-se subestimados. Hansen (2006), realizou
estudo feito através de inquérito epidemiológico em clínicas veterinárias selecionadas
aleatoriamente na cidade de Curitiba, onde foram observados que de 40 de cães e gatos
intoxicados por pesticidas, oito casos foram por cumarínicos, nove por carbamato e três por
estricnina e, nos casos de óbito, os cães principalmente foram vítimas de pesticidas
rodenticidas, mostrando que não somente a população está despreparada, como o comércio
em si, que continua distribuindo tais produtos sem licença.
Segundo Spinosa et al. (2008), no Brasil, os rodenticidas lícitos são somente os do tipo
anticoagulante de efeito crônico, sendo esta decisão fundamentada em três pontos: (1) nas
intoxicações acidentais (homem e animais não alvo) deve haver tempo hábil para o
tratamento, portanto, descartam-se rodenticidas de efeito agudo; (2) necessidade de que o
raticida tenha um antídoto específico para realizar o tratamento de maneira adequada; e (3)
por razões humanitárias, o rodenticida não deve causar morte violenta nos animais-alvo. Ao
considerar-se a gravidade potencial dos raticidas ilícitos, percebe-se que o índice de óbitos por
estes agentes registrados no CIT/RS de 2005 a 2007 em cães e gatos, dos casos com evolução
conhecida, revela-se muito mais alto do que por raticidas lícitos (cumarínicos): do total de
casos por fluoracetato este índice foi de 62,5%, de estricnina 55% enquanto que dos
cumarínicos representaram 4,6%.
29

Apesar de o aldicarb ser uma substância classificada como agrotóxico de uso restrito
no país, seu uso como raticida ilícito tem sido registrado em vários estados brasileiros. Sendo
assim, a divulgação de informações a respeito deste tema, incluindo o estudo da toxicologia
do aldicarb, é altamente relevante, não somente por fornecer auxílio à rotina do médico
veterinário, mas também por servir como um novo documento que torna público a gravidade
do problema no Brasil (XAVIER et al., 2007a).
Os números de intoxicações em cães foram maior do que em gatos em ambos os
levantamentos epidemiológicos citados. Segundo Fraser (1991) apud Hansen (2006), embora
as citações refiram-se a prevalência, não se pode deixar de levar em consideração que muitas
vezes os gatos intoxicados não retornam às suas casas, pois gatos normalmente, quando
adoentados, apresentam uma resposta denominada comportamento agonístico, buscando sua
“segurança” em locais de difícil acesso para possíveis predadores, e conseqüentemente não
podendo chegar ao socorro médico e desta forma serem identificados como caso toxicológico.
Estes dados fundamentam um maior conhecimento sobre os agentes tóxicos mais
envolvidos nos acidentes em nosso meio, facilitando o diagnóstico, tornando o atendimento
mais rápido e também, possibilitando ações preventivas no que se refere à educação dos
proprietários para o desenvolvimento de uma consciência do risco tóxico (DALLEGRAVE e
SEBBEN, 2008).
A anamnese auxilia o clínico na sua conduta, entretanto ela deve ser considerada mas
não deve ser priorizada uma vez que muitas vezes pode ocorrer omissão, distorção ou pré-
concepção por parte do proprietário. A descrição pormenorizada dos sinais clínicos deve
sempre prevalecer, principalmente quando se busca auxílio aos centros de informação
toxicológicas, os quais representam uma importante ferramenta para a conduta clínica do
médico veterinário disponibilizando dados atualizados, específicos e em tempo real, uma vez
que na maioria das vezes não há tempo para uma busca bibliográfica rápida por parte do
clínico veterinário frente a uma intoxicação aguda.
Os casos de intoxicação são atendidos com certa freqüência em todas as clínicas
veterinárias do país e representam emergência clínica na maioria das vezes (HANSEN, 2006).
Portanto, o manejo de um caso agudo de intoxicação, independente do agente deve sempre
priorizar o paciente emergencial para sua estabilização e a partir disto buscar qual foi a
origem da intoxicação. Segundo Peterson; Talcott (2006) este manejo pode ser organizado em
cinco partes: (1) ABC do paciente crítico: via aérea, respiração, circulação; (2) realizando o
controle de convulsões ou tremores; (3) avaliação de distúrbios metabólicos e clínicos e
instituição de um plano para sua estabilização; (4) descontaminação gastrintestinal; e (5)
30

cuidados de suporte. Animais intoxicados podem ter seus mecanismos homeostáticos


severamente alterados e mais ainda podem estar hipotérmicos ou hipertérmicos. É necessário
tratar o paciente e não a toxicose. Isto significa que apesar da descontaminação gastrintestinal,
podem haver ainda mais preocupações em relação ao tratamento imediato em cada caso
individual.
A importância da sintomatologia está na decisão da conduta clínica frente às
intoxicações, haja vista que nem sempre os produtos referidos no rótulo refletem a real
composição, podendo haver misturas entre compostos (o que dificulta a conduta) e falta de
informação sobre o tóxico (HANSEN, 2006).
Os sinais clínicos associados às intoxicações por estricnina, fluoracetato de sódio e
aldicarb, são muito semelhantes no que diz respeito principalmente às manifestações
neurológicas, estes, iniciam-se e transcorrem de forma extremamente aguda. Entretanto, os
mecanismos de ação dos mesmos são diferentes, provocando alterações no metabolismo de
forma diferente. Para tanto será demonstrado no quadro abaixo um comparativo dos sinais
clínicos, baseado nas referências deste presente trabalho.

SINAIS ESTRICNINA FLUORACETATO ALDICARB


DE SÓDIO
Hiperexcitabilidade Sim Sim Sim
Sialorréia Intensa - Intensa
Náuseas, Vômitos - Sim Pode haver
Diarréia - Sim Sim
Micção freqüente - Sim Sim
Taquipnéia Sim Sim, principalmente -
gatos
Ataxia Sim - -
Espasmos musculares Sim - Sim
Convulsões Tônico-clônicas, Tônico-clônicas, em Clônicas ou tônico
responsivas a gatos, hiperreflexia clônicas
estímulos externos
Movimentos de Sem sinais de Corridas frenéticas -
corrida pedalagem ou em linha reta
movimentos de
corrida
Reflexos Pupilares Midríase Midríase Miose
Temperatura Hipertermia Hipertermia em cães, Hipotermia ligeira a
corpórea hipotermia em gatos moderada
Cianose Pode haver - Pode haver
- : não referido na literatura consultada.
Figura 3. Quadro comparativo entre sinais clínicos na intoxicação por estricnina,
fluoracetato de sódio e aldicarb.
31

Análises laboratoriais podem confirmar e/ou quantificar os resultados de uma


exposição a um agente tóxico. Hematologia, bioquímica, urinálise podem ser de grande valia,
assim como o conteúdo gástrico (vômito, coleta por sondagem ou mesmo post mortem), fezes
ou mesmo pêlos. Outras análises incluem avaliação post mortem, incluindo a utilização de
tecidos como fígado, rins, gordura e cérebro para pesquisa do agente, metabólitos ou mesmo
possíveis lesões causadas por estes. Amostras ambientais como alimento, ração, água, solo,
plantas tóxicas, iscas, medicamentos, objetos contaminados com produtos químicos, ou
outros, não confirmam, mas sugerem um provável diagnóstico (DALLEGRAVE; SEBBEN,
2008). Em determinados casos, a análise toxicológica é indispensável para proceder a
terapêutica posterior, para confirmar a eficácia e determinar a aplicação de tratamentos
específicos. De acordo com Oliveira et al. (2002), a análise química de amostras colhidas no
animal ou no ambiente é fundamental para estabelecer e confirmar o diagnóstico de um
quadro clínico de intoxicação. O resultado positivo ou negativo de uma análise química nem
sempre é uma evidência conclusiva da ocorrência ou não de intoxicação. Isto significa dizer
que um resultado negativo não exclui a ocorrência de uma intoxicação, existem compostos
químicos com elevada toxicidade, cujas concentrações nos tecidos são impossíveis de detectar
e quantificar pelos métodos analíticos existentes atualmente. Dessa forma, o tratamento
imediato de uma intoxicação não depende da análise toxicológica, mas sim dos sinais clínicos
e da anamnese. Na maioria dos casos o tratamento sintomático realiza-se em função da
perturbação das funções vitais e das alterações biológicas, portanto a determinação analítica
de substâncias tóxicas pode ser solicitada nos seguintes casos (GALEY e HALL, 1990 apud
OLIVEIRA et al., 2002): a) animais com sinais ou sintomas característicos das intoxicações
mais freqüentes (estricnina, organoclorados, organofosforados, rodenticidas); b) morte súbita
de um animal (cão ou gato) clinicamente são durante as horas que precederam a sua morte; c)
morte de um ou de vários animais num contexto de atitude mal intencionada
(envenenamento).
Independentemente da circunstância em que a intoxicação ocorreu, a orientação do
proprietário é fundamental para a prevenção de novos casos. Além disso, se há exposição
animal a um determinado pesticida, é maior o risco de o ser humano tornar-se também uma
vítima de intoxicação (SPINOSA et al., 2008). Muitas vezes estes produtos são utilizados
erroneamente como pesticidas domésticos, ou ainda pior, utilizados intencionalmente na
morte criminosa de animais. Sendo assim, a divulgação de informações a respeito deste tema
é extremamente relevante, pois além de servir como auxílio à rotina do clínico veterinário,
32

serve como um documento que torna pública a gravidade do uso indiscriminado de pesticidas
ilícitos no Brasil.
REFERÊNCIAS

AHRENS, F. A. Farmacologia Veterinária. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997. 360 p.

ALMEIDA, J.M. Toxicologia Clínica – Sintomas e Tratamentos de Emergência em animais


envenenados - I Jornadas Técnicas Universitárias. Portugal, 2004. Disponível em
<http://www.nucleovet.com/upload/toxicologia_clinica.pdf> Acesso em 11/ago/2007.

BEASLEY, V. Toxicants that affect the autonomic nervous system. Veterinary Toxicology.
International Veterinary Information Service. Ithaca, NY: 1999. Disponível em
<www.ivis.or> Acesso em março/2008.

BERNY, P. Pesticides and the intoxication of wild animals. J. vet. Pharmacol. Therap. 30, 93–
100. Marcy L’Etoile, France: 2007.

BRAUND, K. G. Neurotoxic Disorders In: Braund's Clinical Neurology in Small Animals:


Localization, Diagnosis and Treatment, Vite C.H. (Ed.) International Veterinary Information
Service, Ithaca, NY: 2003. Disponível em <www.ivis.org> Acesso em outubro/2008.

CHANDLER, C. J.; GASKELL, C. J,; GASKELL, R. M. Clínica e Terapêutica de Felinos,


3rd. ed . São Paulo: Roca, 2006.

COLLICCHIO-ZUANAZE, R.C. Intoxicação por fluoroacetato de sódio: avaliações clínica,


hemogasométrica, eletrocardiográfica e da eficácia do gluconato de cálcio e succinato de
sódio como protocolo terapêutico. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Medicina
Veterinária e Zootecnia, Universidade Estadual Paulista. Botucatu, 2002. 133p.

COLLICCHIO-ZUANAZE, R.C; SAKATE, M. Aspectos Clínicos e Terapêuticos da


Intoxicação por Fluoracetato de Sódio em Animais Dométicos: Revisão. Veterinária Notícias.
Uberlândia, v. 11, n. 2, p. 81-89, 2005.

DALLEGRAVE, E. ; SCHMITZ, S. O.G.; LESSA, C.A.S. Toxicologia Veterinária: Do


Desenvolvimento Sustentável à Melhoria da Qualidade de Vida. In: RS. SES. FEPPS. Centro de
Informação Toxicológica. Toxicovigilância - Toxicologia clínica: dados e indicadores
selecionados Rio Grande do Sul, 2006. Porto Alegre: CIT/RS, 2007.

DALLEGRAVE, E; SEBBEN V. C. Toxicologia Clínica: Aspectos Teóricos e Práticos. In:


GONZÁLES, F. H; SILVA, S. C. (org). Patologia Clínica: Texto Introdutório. Porto Alegre:
Editora da UFRGS, 2008.

NICHOLSON, S. S. Toxicologia. In: ETTINGER, S. J.; FELDMAN, E. C. Tratado de


Medicina Interna Veterinária – Doenças do Cão e do Gato. V 1. E. 5. p 375- 381. Rio de Janeiro:
Editora Guanabara, 2004.

GABRIEL, M.; LOPES, M.; SILVA, E.T.; BARETA, G.M.S. INCIDÊNCIA DE


INTOXICAÇÕES POR PRAGUICIDAS NO PARANÁ. Visão Acadêmica. Curitiba, v. 5, n. 1,
p. 15-18, Jan.- Jun., 2004
GUYTON, A. C.; HALL, J. E. Textbook of medical physiology. 11 ed. Philadelphia:
Elsevier/Saunders, 2006.

HANSEN, D. T. K. Prevalência de Intoxicações de cães e gatos em curitiba.


Dissertação de mestrado. Curitiba. 2006.

KORE, A. M.; BEALSEY, V. Overview of Toxicants that Affect


Neurotransmitters, Veterinary Toxicology. International Veterinary Information Service.
Ithaca, NY: 1999. Disponível em <www.ivis.or> Acesso em 15/mar/2008.

MELO, M.M; SILVA JUNIOR, P.G.P. Intoxicações e Envenenamentos. In: RABELO, R.C.;
CROWE JR, D.T, Fundamentos de Terapia Intensiva Veterinária em Pequenos Animais-
Condutas no Paciente Crítico. Rio de Janeiro: L. F. Livros de Veterinária Ltda, 2005.

MORAES, A. C. L. Contribuição para o estudo das intoxicações por carbamatos: o caso do


chumbinho no Rio de Janeiro. [Mestrado] Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde
Pública; p. 111. Rio de Janeiro: 1999. Disponível em
<http://portalteses.cict.fiocruz.br/transf.php?script=thes_chap&id=00004401&lng=pt&nrm=iso>
Acesso em 20/ago/2007.

OLIVEIRA, P.; OLIVEIRA, J.; COLAÇO, A. Recolha e envio de amostras biológicas para o
diagnóstico de intoxicações em carnívoros domésticos. Revista Portuguesa de Ciências
Veterinárias. 97 (544) 161-169. Portugal: 2002. Disponível em <
www.fmv.utl.pt/spcv/PDF/pdf12_2002/544_161_169.pdf> Acesso em 11/ago/2008.

PETERSON, M. E.; TALCOTT, P. A. Small animal Toxicology. 2nd ed. Philadelphia:


Elsevier/Saunders, 2006.

PLUNKET, S. J. Procedimentos de emergência em Pequenos Animais. Traduzido por


SUMMA, M. E. L. Livraria e Editora Revinter Ltda. Segunda Edição. Rio de Janeiro: 2002.

SAKATE, M. Terapêutica das Intoxicações. In: Andrade, S. F. Manual de Terapêutica


Veterinária. 2, ed. Rev. e ampl. São Paulo: Rocca, 2002. P. 523- 555.

SHERLEY, M. The traditional categories of fluoroacetate poisoning signs and


symptoms belie substantial underlying similarities. Toxicology Letters. 151. 399–406.
Australia: 2004. Disponível em <www.sciencedirect.com>. Acesso em dez. 2008.
SORACI, A. L.; TAPIA, M. O. Intoxicaciones en carnivoros domésticos. Santa Fé, Argentina:
Fondo Editor Dr. Edgardo Segismundo Allignani. 2001.

SPINOSA, H.S.; GORNIAK S. L.; PALERMO-NETO, J. Toxicologia Aplicada à Medicina


Veterinária. Barueri, SP: Manole, 2008.

WEAVER, S. Policy Implications of 1080 Toxicology in New Zealand. Journal of Rural and
Remote Enviromental Health 2(2): 46-59. Enviromental Studies, School of Earth Sciences,
Victoria University of Wellington, New Zealand: 2003
XAVIER, F. G; RIGHI, D. A.; SPINOSA, H. S. Toxicologia do praguicida aldicarb
("chumbinho"): aspectos gerais, clínicos e terapêuticos em cães e gatos. Ciencia Rural, Santa
Maria, v. 37, n. 4, Aug. 2007b . Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-
84782007000400051&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 18 Dec. 2008.

XAVIER, F. G. et al. Cromatografia em camada delgada para o diagnóstico da intoxicação por


aldicarb ("chumbinho") em cães e gatos. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., Belo Horizonte, v.
59, n. 5, Oct. 2007b . Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-
09352007000500020&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 18 Dec. 2008.

WILLIAMS, P.L.; JAMES, R.C.; ROBERTS, S.M. Principles of toxicology: environmental


and industrial applications. 2nd ed. New York: John Wiley & Sons, Inc, 603 p, 2000.