Você está na página 1de 3

LEVANTA-TE E VAI, TUA FÉ TE SALVOU1

Reflexão sobre ação moral e salvação pela fé no Novo Testamento

José Aristides da Silva Gamito

1. Os imperativos do Evangelho
Ao longo dos Evangelhos, percebemos a ocorrência de vários encontros entre
Jesus e pessoas de fé. Uma característica notável desses encontros são os imperativos
que Jesus vai proferindo. A reincidência desses comandos demonstra que a mensagem
evangélica é dinâmica e ativa. Verifiquemos alguns desses. Na abertura do Evangelho
de Marcos aparece um apelo forte “Arrependei-vos e crede no Evangelho” (Mc 1, 15).
Em seguida, começam a surgir os convites para seguimento como “Vinde em meu
seguimento” (Mc 1, 17), “segue-me” (Mc 2, 14). A reflexão presente pretende enfocar
os imperativos que ordena as personagens ao movimento.
Jesus profere uma mensagem marcada pela prontidão, pela ação imediata. Após
cada encontro, cada cura, a pessoa beneficiada é convidada a agir segundo a nova
realidade experimentada no contato com o mestre. Em Marcos, vê-se a presença dos
verbos “levantar” e “ir”. “Levanta-te, toma o teu leito e anda?” (2, 9), “Levanta-te e
vem aqui para o meio” (3,3), “Menina, eu te digo, levanta-te” (5 41). E ainda, “Vai, tua
fé te salvou” (10, 50) e “Vai para casa, para os teus” (5, 19).
As narrativas de cura atualmente impressionam muito as pessoas por causa da
esfera sobrenatural e a possibilidade de superação fácil do sofrimento. Porem, as curas
de Jesus sofrem desdobramentos, resultam em um compromisso. Elas ocorrem com
pessoas socialmente marginalizadas como portadores de hanseníase, deficientes físicos,
visuais e auditivos. Através dos comandos, Jesus inclui as mesmas na vida social. São
fatos perceptíveis nas expressões “levanta-te”, quer dizer tomar uma posição a altura
dos demais, “vem para o meio”, traz a ideia de inclusão no espaço que pertence a todos.
A sogra de Pedro é curada e põem-se a servir os visitantes (Mc 1, 31). A cura física e a
inclusão se completam na expressão “tua fé te salvou”.

2. A dinâmica da fé

1
Palestra proferida no III Carnaval com Cristo, Conceição de Ipanema, 15/02/2010.
A mensagem de Jesus se sintetiza na seguinte trilogia
‘arrependimento/fé/seguimento’. Originalmente, o imperativo “arrependei” significa
mudar de mentalidade, redirecionar pensamentos e vontade para uma nova situação.
Somente realizada essa operação é que a fé se torna possível. A mudança de vida e de
olhar sobre a vida precede o ato de crer. E o crer se concretiza no seguimento. O
processo de conversão não é instantâneo, depende de alguns passos, de maturidade
assim como a fé tem seus desdobramentos. O seguimento, por sua vez, possui
condições. Em Mc 10, 21, a condição de seguimento apresentada por Jesus é desfazer-se
dos bens e do apego à riqueza. Não era suficiente conhecer os mandamentos. O mesmo
se percebe em 8, 34, nesse caso, a condição é autonegação, ou seja, a superação da
dimensão individualista.
Portanto, a fé leva ao seguimento. Por consequência, o próprio ato de seguir já
significa movimento, engajamento, ação. A fé não é meramente uma aceitação verbal e
ritual de uma afirmação. Diversos testemunhos bíblicos reforçam a ideia de que a fé por
si não basta. Tiago insiste que a fé sem obras é nula (2, 17). Os rituais em si não
possuem valor, “mas apenas a fé agindo pela caridade” (Gl 5,6), se não houver caridade
crer perde seu sentido, por dentre todas as virtudes o amor é a maior delas (1 Cor 13,
13). Elas operam juntas na vida do cristão.

3. A Salvação pela fé
Quando se fala em salvação, afinal, quer dizer salvação de que? Salvação é
sempre de um perigo, de uma ameaça. Qual esse grande perigo ao qual todos estão
sujeitos? A Carta aos Romanos diz que Cristo redimiu o homem que estava preso pelo
pecado e pela obediência a Lei (Rm 3, 21). Porém, salvação tem um sentido mais amplo
e na linguagem bíblica a mesma palavra possui vários significados – Shalom2 quer dizer
“tranquilidade, prosperidade, bem-estar, amabilidade e inteireza total”.
Salvar é garantir a vida integralmente, nos seus direitos e na sua própria
natureza. Então, o grande perigo para o homem é não viver integralmente a sua
natureza, não se tornar aquilo que é. Quando ele se perde na escuridão do egoísmo lesa
a sua vida e a vida alheia.
A salvação entra na vida do homem pela fé, uma fé operante, mas é dada
“gratuitamente” (Rm 3, 24). Os méritos cabem exclusivamente a Deus. Nesse ponto,

2
SCHOKEL, Luis Alonso. Dicionário Biblico-Hebraico. São Paulo. Paulo, 1997, p. 672.
podemos harmonizar as posturas de Paulo e Tiago. A salvação é concedida
gratuitamente por Deus, é acolhida pela fé em Jesus, e se solidifica na fé que age com
caridade. Em síntese, salvação na bíblia é a garantia da vida em plenitude. Não basta
somente professar e ritualizar o que crê, o que autentifica o processo é a ação que
garante para todos saúde, alimentação, emprego, moradia, educação e lazer.
Na descrição do juízo, Jesus considera benditos aqueles que praticaram justiça
atendendo misericordiosamente os outros e garantindo-lhes alimentação, vestuário e
liberdade (Mt 25, 31). No inicio de sua pregação o mestre apresenta o seu programa de
ação – evangelização dos pobres, libertação dos presos, cura dos cegos, libertação dos
oprimidos. São os grandes objetivos da salvação.

4. Considerações finais - Levanta-te e vai, tua fé te salvou


Diante dessas reflexões em torno do imperativo “vai” e da fé que salva, resta
uma proposta a pessoa de fé da atualidade. O Evangelho é uma proposta dinâmica e
engajada na vida, a fé da salvação é pratica. Portanto, é difícil conceber hoje a fome, a
falta de educação, de moradia, de emprego numa sociedade que se diz crista. Hoje
impera um cristianismo dividido, em parte muito ritualista e pouco comprometido com
a historia.
O grande desafio da geração atual é revisitar o cristianismo primitivo e decidir
vive-lo com mais dedicação e entusiasmo. A passagem de um catolicismo de tradição
para uma religião como opção pessoal. Aproveite o convite a salvação esta pra todos,
então, levante-se e vá, ajude a reavivar sua comunidade, comprometendo-se com os
valores cristãos e com um cristianismo mais atuante e menos hipócrita.