Você está na página 1de 10

O XADREZ NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Evandro Gomes Ferreira¹ evandrogom@yahoo.com.br

¹ Discente, Faculdade Sequencial, III Simpósio de Iniciação Científica, 2015

Resumo Este artigo acadêmico fala sobre os benefícios da prática do xadrez no ambiente escolar, integrado nas práticas corriqueiras da instituição, especialmente no desenvolvimento da lógica e na resolução de problemas, os resultados são bem visíveis na disciplina de matemática. O objetivo deste é mostrar os resultados atingidos em outros países e algumas escolas brasileiras que também adotaram, além de mostrar ser possível aplicar tal metodologia como regra em todas as escolas brasileiras.

Palavras-chave: xadrez; ensino; raciocínio; interdisciplinar; estratégia.

Abstract This academic article talks about the benefits of chess practice in the school environment, integrated into the everyday practices of the institution, especially in improving the logic and problem solving, the results are clearly visible in math. The purpose of this is show the results achieved in other countries and some Brazilian schools have also adopted, as well prove to be possible apply this methodology as a rule in all Brazilian schools.

Keywords: chess; education; logic; interdisciplinary; strategy.

Introdução

O xadrez é um jogo clássico de estratégia, inventado a mais de 1500 anos atrás, na Índia.

Em várias lendas sobre o surgimento do jogo, tem-se que o governante da Índia pediu aos seus sábios para elaborar uma maneira de ensinar as crianças da família real como tornarem melhores pensadores e melhores generais no campo de batalha. Com isso o xadrez foi o resultado de um mecanismo educacional para formar estrategistas de guerra. Ao decorrer dos séculos desde a sua invenção, o xadrez se espalhou para todos os países do mundo. Enquanto inúmeros outros jogos se extinguiam, o xadrez se espalhava pelo mundo, sendo cada vez mais reconhecido.

O esporte necessita de 2 jogadores, cujo principal objetivo é chegar ao xeque-mate 1 do rei

adversário. O jogo é composto por 32 peças, sendo 8 peões, 2 torres, 2 bispos, 2 cavalos, 1 rei e 1 rainha para cada jogador, cada peça se move de uma maneira diferente, o peão, por exemplo, ao chegar na última fileira (do lado do adversário), se torna uma outra peça,

geralmente uma rainha.

O jogo de xadrez pode ser jogado de diversas formas, existem hoje inúmeras variantes do

jogo, algumas alteram a posição das peças, objetivos finais, estratégias entre outros, contudo as regras do xadrez clássico é o mais aceito mundialmente. Dentre todos os jogos, o xadrez tem certo prestígio no mundo por ser um esporte voltado para o desenvolvimento de algumas funções do cérebro tais como o raciocínio lógico, a concentração e a atenção (Rezende, 2005).

Mais do que um jogo apenas, o xadrez é o segundo esporte mais praticado no mundo, bem mais do que um passatempo, que entreteve grandes personagens históricos como Albert Einstein, Napoleão Bonaparte, Voltaire, Johann Wolfgang von Goethe, Montesquieu,

Franklin, no Brasil foi também apreciado por Machado de Assis e Monteiro Lobato, o xadrez

é um grande impulsionador da imaginação e criatividade. Além disso, contribui para o

desenvolvimento das habilidades intelectuais, como concentração, memória, e velocidade do raciocínio. O esporte também estimula um importante papel como agente socializador, uma vez que o jogador aprende que o resultado do jogo depende apenas da sua própria decisão, assim induz à reflexão antes de agir. As possibilidades do jogo fazem com que os participantes exercitem a imaginação, a cognição, estratégia, memória, como diz Johann Wolfgang von Goethe, “O xadrez é a ginástica da inteligência” (GOETHE, 1876). Por meio do jogo de xadrez os praticantes passam de uma reflexão (imediata) à uma reflexão mais profunda (repensada), o objetivo principal do jogo é prever o movimento do oponente,

antecipando o seu movimento para impedir que o adversário atinja o objetivo, da mesma

1 Xeque-mate: Movimento de ataque decisivo ao rei (peça mais importante do jogo de xadrez), em que não há qualquer possibilidade de fuga ou defesa, o que implica o término da partida com a consequente derrota do jogador atacado.

forma é preciso encontrar maneiras de mascarar seu real objetivo, impedindo com o oponente preveja seus movimentos.

A Russia, por introduzir no seu currículo educacional o xadrez, produziu ao longo do século

vários campeões mundiais como:

Mikhail Botvinnik;

Vassily Smyslov;

Tigran Petrosian;

Mikhail Tal;

Boris Spassky;

Anatoly Karpov;

Garry Kasparov.

Embora a União Soviética seja agora parte do passado a Escola Russa continua produzindo fortes enxadristas tais como Vladimir Kramnik, que também se tornou campeão do mundo.

Regras básicas

O xadrez é jogado sobre um tabuleiro quadrado de oito linhas (indicados com números de 1

a 8) e oito colunas (denotado com letras de A à H). As cores das sessenta e quatro casas

são sempre alternadas entre claro e escuro, e são referidos como "casa branca" e "casa escura". O tabuleiro é colocado de modo que cada jogador tenha uma casa branco no canto direito, e as peças são definidos como mostrado no diagrama abaixo, com cada rainha em um quadrado que corresponde a sua cor.

com cada rainha em um quadrado que corresponde a sua cor. Imagem 1: Site Chess Variants

Imagem 1: Site Chess Variants <http://www.chessvariants.org/d.chess/startup.gif>

Cada jogador começa o jogo com dezesseis peças: sendo respectivamente um rei, uma rainha, duas torres, dois bispos, dois cavalos e oito peões. Um jogador, conhecido como

Branco, controla as peças brancas e o outro jogador, preto, com as peças pretas; O branco

é sempre o primeiro jogador a mover. As cores são escolhidas por uma convenção

amigável, por um sorteio ou pelo árbitro do torneio. Os jogadores alternam movendo uma peça de cada vez (com a exceção do roque, quando duas peças são movidas ao mesmo tempo). Peças são movidas para qualquer um quadrado desocupado, ou uma ocupada por uma peça do adversário, onde ocorre a captura, a peça capturada é removida do jogo. Com uma única exceção, o en passant, movimento que o peão captura outro peão que se deslocou 2 casas, passando por ela, todas as peças podem capturar peças do adversário movendo-se para a casa que a peça do oponente ocupa.

Quando um rei está sob ataque direto por uma (ou possivelmente duas) das peças do adversário, o jogador está em cheque. Quando em cheque, apenas movimentos que removem o rei do ataque são permitidos. O jogador não deve fazer qualquer movimento que coloque o seu rei em cheque. O objetivo do jogo é dar xeque-mate o adversário; isso ocorre quando o rei adversário está em xeque, e não há movimentos que removem o rei do ataque.

O rei pode se mover apenas uma casa na horizontal, vertical ou diagonal. Uma vez no jogo,

cada rei é permitido fazer um movimento duplo especial, em conjunto com a torre. O Roque consiste em movimentar o rei duas casas em direção a torre, em seguida, movendo a torre para a casa ao lado contrário ao rei (cruzando). Roque só é possível se o jogador não tenha movido a torre ou o rei, não tenha peças adversárias atacando o caminho do rei, ou tenha peças no caminho (adversárias ou do próprio jogador).

Com exceção do cavalo, as peças não podem saltar sobre outras. Uma peça amiga nunca pode substituir outra peça amiga. Peças inimigas não podem ser “puladas”, apenas capturadas. O rei não pode ser capturado, só colocado em cheque. Se um jogador em cheque é incapaz de defender ou desviar o rei do ataque, ocorre o xeque-mate, em consequência, o fim do jogo.

Eventualmente jogos de xadrez podem não terminar em xeque-mate, um dos jogadores pode desistir se a situação parecer desesperadora. Jogos também podem terminar em um empate. Um empate pode ocorrer em várias situações, incluindo empate por acordo, impasse, repetição tripla de uma posição, pela regra dos cinquenta movimentos quanto um jogador tem apenas o rei como peça, ou um empate pela impossibilidade de xeque-mate (normalmente devido a peças insuficiente para que ocorra o xeque-mate).

Benefícios da prática constante

O Xadrez é uma prática conceituada pela combinação de aspectos esportivos, culturais,

artísticos e cognitivos e sua inserção na área educacional é reconhecida internacionalmente,

é um exercício de infinitas possibilidades para a mente, sua prática constante estimula

principalmente a concentração, o pensamento crítico, o raciocínio abstrato, a resolução de problemas, o reconhecimento de padrões, o planejamento estratégico, a criatividade, a análise, a síntese e a avaliação, isso para citar alguns apenas. O xadrez pode ser usado de forma muito eficaz como uma ferramenta para ensinar a resolução de problemas e raciocínio abstrato. Aprender a resolver um problema é mais importante do que aprender a solução para qualquer problema particular. Através do xadrez, aprendemos a analisar uma situação, concentrando-se em fatores importantes e por distrações eliminando. Nós aprendemos a conceber soluções criativas e colocar um plano em ação. Xadrez funciona porque tem automotivação.

O xadrez nas escolas contribui diretamente para o desempenho acadêmico, tornando as

crianças mais ativas intelectualmente. Em resumo, as principais habilidades do jogo

direcionadas para o desempenho acadêmico são:

1. Foco:

observar

com

atenção

e

concentração;

acontecendo, para responder corretamente;

prestar

atenção

ao

que

está

2. Antecipação: imaginar uma sequência de ações antes que aconteça; fortalece a capacidade de visualizar, capacitando-os para deslocar as peças antes do oponente;

3. Planejamento: pensar em primeiro lugar, em seguida, agir. Ao longo do tempo, xadrez ajuda a desenvolver a paciência e concentração; não fazer a primeira coisa que estala em sua mente; aprender a identificar alternativas e considerar os prós e contras de várias ações;

4. Análise: avaliar os resultados das ações específicas e sequências; as decisões são melhores quando guiadas pela lógica, ao invés do impulso;

5. Pensamento abstrato: recuar periodicamente a partir de detalhes e considerar o objetivo principal; procurar alternativas diferentes, mas situações relacionadas.

No cotidiano, o xadrez:

a) faz uma criança percebe que ele ou ela é responsável por suas próprias ações e deve aceitar as suas consequências;

b) ensina as crianças a tentar o seu melhor para ganhar, ao aceitar a derrota.

c) fornece um apoio intelectual, competitivo, através do qual as crianças podem afirmar hostilidade, ou seja, "desabafar", de uma maneira aceitável;

d) melhora drasticamente a capacidade da criança de pensar racionalmente;

e) aumenta habilidades cognitivas;

f) melhora a capacidade de comunicação da criança e de aptidão, de reconhecimento

de padrões;

g) constrói um senso de espírito de equipe, enfatizando a capacidade do indivíduo;

h) ensina o valor do trabalho duro, concentração e empenho;

i)

instila em jogadores jovens um senso de auto-confiança e auto-estima;

j) remove as barreiras entre os alunos;

k) constrói relacionamento entre alunos e adultos;

l) integra diferentes tipos de pensamento;

m) expande nossa compreensão da inteligência.

O jogo de xadrez exige uma concentração intensa. Para os jogadores inexperientes, o

xadrez ensina as recompensas da concentração, bem como prevê penalidades imediatas para lapsos. Poucas ferramentas de ensino fornecer esse feedback 2 rápido. Um deslize na

concentração pode levar a um erro simples, e talvez até mesmo no fim do jogo. Apenas um jogador focado e paciente irá manter os resultados estáveis durante o jogo, essas características são igualmente importantes para um bom desempenho na escola.

Xadrez, Matemática e Música

Muitos paralelos foram traçados entre a matemática, música e xadrez. Lasker (1949) afirma:

O pensamento matemático é geralmente realizado mais ou menos como é feito no xadrez.

Os matemáticos são bastante atraídos pelo xadrez mais do que a maioria dos outros jogos. Um fenômeno intrigante, que liga a matemática e o xadrez é o fato de que crianças prodígio se destacam muito facilmente nesses campos, enquanto uma criança que se destaca em criação textual, desenho ou pintura, tende-se a parecerem mais “normais”, como se essas áreas do conhecimento não fossem tão “geniais”, um outro campo, que crianças excepcionais se destacam mais é a música, principalmente na parte de composição e execução.

No xadrez, música, ou matemática, a experiência não é tão fundamental, nessas áreas as crianças podem brilhar, pois a sensibilidade e a capacidade de pensar logicamente são qualidades inatas. Como, de outra forma, poderia Mozart compor uma das mais conhecidas

músicas clássicas com quatro anos de idade? Ou ainda, como Gauss, antes dos três anos de idade, sem nem saber ler ou escrever, ter corrigido o total de uma adição que seu pai

fez?

O xadrez e a escola

O xadrez tem sido um desafio para crianças e adultos em todo o mundo durante vários

séculos, apesar do jogo ter uma imagem de ser um passatempo para “pessoas inteligentes”,

é fácil de aprender. A maioria das crianças entre seis e sete anos de idade as crianças

2 Feedback: Retorno; devolutiva; resultado.

podem aprender as regras básicas rapidamente, e algumas crianças aprendem a jogar tão bem quanto adultos.

O projeto de xadrez nas escolas tem como objetivo centrar o aluno e convidá-lo de uma

forma sutil a trabalhar sua mente, forçando-a pensar e consequentemente amadurecê-la. Por meio do jogo, o campo imaginário da criança é ativado, fazendo-o refletir e repensar. A educação é um mecanismo de avanço gradual e formas de ensino devem ser repensadas para enfrentamento dos desafios oriundos da globalização e a adoção do jogo de xadrez nas escolas propicia o desenvolvimento da aprendizagem e é medida que personaliza o direito social à educação. O objetivo do projeto é a utilização do jogo de xadrez como instrumento pedagógico e social, visando auxiliar o desenvolvimento escolar dos alunos envolvidos no projeto. Contudo a simples prática do xadrez não é suficiente para desenvolver no aluno todos os benefícios, devido a isso é preciso trabalhar com este jogo de uma forma pedagógica que seja capaz de desenvolver educacionalmente as crianças (Rezende, 2005).

O xadrez é parte do currículo educacional em quase 30 países do mundo, Em países como

a Rússia, Venezuela, Islândia e outros, o xadrez é um assunto em todas as escolas

públicas. Em estudos da Universidade de Hong Kong, as pesquisas do Dr. Yee Wang Fung

provaram que os estudantes que jogam xadrez ganham uma melhoria de 15% nas provas de matemática após o início da prática do Xadrez.

Em Vancouver 3 , o centro de estudo de Xadrez e Matemática, reconhecendo a correlação entre a jogar xadrez e desenvolvimento de habilidades de matemática, tem desenvolvido uma série de livros para ajudar estudantes em matemática. O currículo de matemática em New Brunswick, Canadá é uma série de texto chamado Challenging Matemathics” (Desafiando a matemática), e utiliza o xadrez para ensinar lógica e resolução de problemas do ensino médio. Usando este currículo, a pontuação média de resolução de problemas dos alunos na aumentou de 62% a 81%. A Província de Quebec, onde o programa foi introduzido pela primeira vez, tem as mais altas notas de matemática do Canadá.

O Estado de Nova Jersey aprovou uma lei legitimando o xadrez como uma unidade de

ensino dentro do currículo do ensino fundamental. Em 17 de dezembro de 1992, o governador de Nova Jersey, Jim Florio assinou um projeto de lei para estabelecer a instrução de xadrez em escolas públicas. Umas citações dos estados de contas Nos países em que o xadrez é oferecido amplamente nas escolas, os alunos apresentam excelência na capacidade de reconhecer padrões complexos e, consequentemente, se destacar em matemática e ciência

3 Vancouver: Cidade litorânea localizada na Lower Mainland da Colúmbia Britânica, no Canadá.

No Brasil, o Colégio Franciscano Pio XII, adotou o xadrez como disciplina a partir do 6º ano, de modo a auxiliar nas outras disciplinas, em São Paulo, escolas como o Dante Alighieri, Santa Cruz, Santo Agostinho, Santo Américo, entre outras, oferecem aulas do jogo dentro da própria instituição. O Colégio São Luiz, inclusive, é sede do Torneio Intercolegial de Xadrez anual, que proporciona uma competição entre as mais variadas idades e escolas. No Rio de Janeiro, o programa "Aprendendo Xadrez nas Escolas", parceria do Governo com a Federação de Xadrez do Estado, inclui aulas do jogo em cerca de 140 escolas do estado.

A implantação do jogo de xadrez como disciplina na rede de ensino brasileira, tem como

principal objetivo oferecer uma atividade de lazer educativa para os praticantes, melhorar o poder de concentração, além de melhorar o desempenho escolar dos alunos nas outras disciplinas, melhorar o desenvolvimento intelectual, propiciando uma melhor estruturação do raciocínio, e um maior desenvolvimento da memória e da atenção.

O projeto de lei Nº 62/2011, de autoria do vereador Braiz de Moura, promove que o xadrez

deva ser incorporado às escolas estaduais do Paraná como disciplina obrigatória. Em junho de 2008, o poder legislativo do Rio de Janeiro aprovou a Lei nº 5.264, com base no projeto de Lei nº 73, do Deputado Estadual Marcelo Simão, e instituiu nas escolas públicas estaduais o Programa Estadual do Jogo de Xadrez, esse programa consiste em um conjunto

de atividades e ações que promovem o ensino do jogo de xadrez nas escolas públicas do Estado do Rio de Janeiro.

Sancionada em janeiro, a Lei 1.833/2014 estimula o ensino de xadrez na rede municipal como ferramenta pedagógica em Manaus, no Amazonas. O colégio particular Albert Sabin, em São Paulo, introduz o jogo no currículo do 2º ao 5º ano há 20 anos.

Conclusão

O xadrez, ao longo de vários anos, tem-se mostrado um forte aliado ao desenvolvimento intelectual humano, se bem explorado, pode ser uma ótima ferramenta para formar cidadãos críticos e participantes ativos da sociedade. Já foi comprovado, em inúmeros países, tais benefícios, na Rússia por exemplo, o xadrez faz parte do currículo obrigatório nacional, e os alunos inclusive podem ser reprovados, diversos estudos anuais russos, comprovam-se a excelência do desempenho dos alunos, principalmente nas disciplinas matemáticas, como física e química. No Brasil, algumas escolas já adotam o xadrez como auxiliar didático, e também exibem os resultados positivos dessas ações.

É fato que o xadrez traz muitas vantagens aos praticantes, contudo, nenhuma dessas habilidades são específicas da prática, mas todos elas são parte do jogo. A beleza do xadrez é justamente essa gama de habilidades integrantes, pode e deve ser usado como uma ferramenta de ensino, pois estimula a mente das crianças e ajuda a construir essas habilidades enquanto se divertem. Como resultado, as crianças se tornam pensadores mais críticos, resolvem com mais facilidade problemas e tomam decisões independentes.

Bibliografia

LASKER, Edward. História do xadrez. 2ª ed. São Paulo: IBRASA, 1999.

LASKER, Edward. A Adventura do Xadrez (The Adventure of Chess). Garden City, NY: The Country Life Press, 1949.

MURRAY, H.J.R

A History of Chess (livro em inglês). 1ª ed. Oxford: Clarendon Press, 1913.

REZENDE, Sylvio. Xadrez pré-escolar: uma abordagem pedagógica. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna Ltda, 2005.

LEMOS, Adriano P. R. Academia Araxaense de Xadrez. Disponível em <www.araxa.com.br/academiadexadrez>. Acesso em 20/10/2015.

Site oficial Colégio Franciscano Pio XII, Disponível em <http://pioxiicolegio.com.br>. Acesso em 20/10/2015.

MOURA,

Braiz,

Projeto

de

Lei

62/2011.

Disponível

em

566293.doc Acesso em 20/10/2015.