Popular Empresas (http://www.popularempresas.

pt)

MENU

(http://www.bancopopular.pt/empres as /neces s idades -de-financiamento/medio---longo-prazo/linhaboas -vindas -popular-empres as )
INÍCIO (HTTP://WWW.POPULAREMPRESAS.PT) / TEMAS (HTTP://WWW.POPULAREMPRESAS.PT/CATEGORY/TEMAS/)
/ CASOS PRÁTICOS (HTTP://WWW.POPULAREMPRESAS.PT/CATEGORY/TEMAS/CASOS-PRATICOS/)

O banco que leva o seu negócio ao próximo nível

Ferneto projeta nova unidade industrial
Publicado em 8 Dezembro 2015

A Ferneto vai avançar com o projeto de uma nova unidade industrial que se prevê
concluída em 2016-2017. O fabricante de soluções para a indústria de panificação e
pastelaria investe anualmente meio milhão de euros em I&D, contando com parcerias
de longo prazo com os clientes.
A Ferneto dedica-se ao desenvolvimento de soluções para a indústria alimentar, nomeadamente para
a panificação e a pastelaria. Numa lógica de parceria permanente com os clientes, a empresa não
fornece apenas equipamentos, criando uma relação sólida com o cliente durante todo o ciclo de vida

do produto. São também os clientes que participam no processo de desenvolvimento das soluções da
Ferneto que, em última instância, irão contribuir para o crescimento do negócio das padarias e outras
empresas.
Subjacente à atividade da Ferneto está a «perceção da necessidade de criação de riqueza quer para a
Ferneto quer para o cliente, a relevância atribuída à continuidade de produção dos clientes, o
permanente interesse em tornar os clientes parte fundamental no processo de investigação e
desenvolvimento (I&D), bem como, a aposta numa equipa empenhada e motivada», explica António
Neto, Presidente do Conselho de Administração da Ferneto.
De facto, após alguns investimentos avultados no passado, a empresa ultimamente tem centrado a
aplicação de capital em I&D – cerca de meio milhão de euros anuais – e na promoção internacional da
marca.
No próximo ano, a empresa vai voltar a investir e tem prevista a construção de uma unidade fabril
com cerca de 10 000 m2, num lote de 23 000 m2, «com o objetivo de agregar capacidade e eficiência
produtiva adicional à produção de equipamentos na gama standard e industrial. O investimento, à
semelhança dos anteriores», será suportado por «capitais próprios, bancários e comunitários», explica
o CEO. Para o efeito, em 2015, o fabricante concorreu ao Programa Operacional Competitividade e
Internacionalização e perspetiva a apresentação de uma nova candidatura no início do ano de 2017.

Determinação e coerência
O sucesso da Ferneto resulta da «determinação e da coerência da estratégia delineada, assente em
conhecimento, equipa, inovação, respeito e parceria com o cliente», afirma António Neto, assinalando
que «é na satisfação e no crescimento dos nossos clientes que pretendemos que se perceba a
diferença e o sucesso da nossa empresa».
Na prática, os fatores diferenciadores da empresa perante a concorrência são a «preponderância
atribuída à inovação e a criação de novos equipamentos e soluções». Além disso, a Ferneto
investe numa «equipa motivada, próxima do cliente, capaz de agregar novas competências dia a dia»,
numa «assistência técnica profissional e permanente» e na «flexibilidade e competência técnica para
produzir segundo os mais elevados padrões de qualidade». Acresce ainda «uma representação
internacional que nos alavanca a credibilidade e as vendas».

Da comercialização à indústria
A Ferneto nasceu há 29 anos pela mão de Carlos Neto dos Santos. Numa primeira fase, a empresa
dedicava-se à comercialização de produtos para a indústria de panificação e pastelaria. Com o passar
do tempo, a estratégia da empresa evoluiu e passou a fabricar equipamentos «mais rentáveis e
eficientes para os utilizadores». Desde a sua génese, ainda com sede em Carvalhais, Ponte Vagos, a

Ferneto «empenhou-se em estabelecer relações de parceria duradouras com os seus clientes, em
Portugal e no exterior, que mantêm ao longo dos anos. Os clientes são, de facto, uma parte
fundamental no processo de I&D».
Em 1995, a empresa mudou-se para a Zona Industrial de Vagos, onde construiu uma unidade fabril,
com cerca de 5000 m2 «capaz de garantir maiores e mais elevados padrões de qualidade», recorda
António Neto. Para este e outros investimentos realizados pela empresa ao longo dos anos, a Ferneto
recorreu a capitais próprios e bancários, além de fundos comunitários.
Em termos financeiros, o exercício de 2014, caracterizou-se por um «forte crescimento» com um
«desempenho previsível das nossas filiais e excedendo as expetativas no que concerne às vendas para
o mercado nacional e exportações», assinala António Neto.
O sócio administrador detalha que «melhorámos a qualidade do crédito concedido, minorámos os
incobráveis, reduzimos o endividamento e os respetivos encargos». Em síntese «agregámos robustez
ao balanço da empresa, dotando-a de capacidade adicional para competir num mercado global, cada
vez mais duro e exigente».
No corrente ano, 2015, a empresa tem enfrentado grandes e múltiplos desafios, «com destaque para
os constrangimentos associados ao mercado angolano, moçambicano e brasileiro», onde a empresa
tem presença. «Não obstante, projetamos crescer a faturação, ainda que de forma reduzida.» Em 2016
volta a investir.
Entretanto, as exportações, que representam uma fatia representativa do negócio da Ferneto, são
«um fator de crescimento e rentabilidade» e têm «um papel fundamental na responsabilidade que
sentimos em credibilizar e cooperar na promoção daquilo que Portugal faz e faz bem, como seja, o
nosso destacado conhecimento em padaria e pastelaria».

O foco na internacionalização
A internacionalização tem sido um dos pilares de crescimento desta empresa de Vagos. O fabricante
iniciou a sua atividade no exterior com a abertura da Ferneto Moçambique e a Ferneto Venezuela. Em
2000, a empresa avançou de forma organizada para a exportação e tem atualmente filiais em
Moçambique, Espanha, Brasil, Angola, exportando para mais de 50 países.
«Entendemos que determinados países, seja pelo potencial existente, pela localização estratégica ou
pelas especificidades próprias desses mercados, implicam uma exposição que assuma compromissos
superiores aos inerentes à exportação», explica o CEO.
Questionado sobre a influência que tem tido o aumento generalizado das exportações portuguesas
no negócio da Ferneto, António Neto explica que esse crescimento conjuntural «tem, naturalmente,
criado novas oportunidades de negócio, seja pela valorização da marca “Portugal”, seja pelo

fornecimento de soluções às empresas exportadoras no âmbito da área alimentar em que nos
posicionamos».

Recursos:
Ferneto (http://www.ferneto.com/)

Palavras chave:
equipamentos (http://www.popularempresas.pt/tag/equipamentos/)

Ferneto (http://www.popularempresas.pt/tag/ferneto/)

Investigação & Desenvolvimento (http://www.popularempresas.pt/tag/investigacao-desenvolvimento/)
panificação (http://www.popularempresas.pt/tag/panificacao/)

pastelaria (http://www.popularempresas.pt/tag/pastelaria/)

S cience4you quer metade das vendas no exterior
(http://www.popularempres as .pt/s cience4you-quer-metade-das -vendas -no-exterior/)
Internet das C ois as . C inco chaves de s egurança
(http://www.popularempres as .pt/internetdas -cois as -cinco-chaves -de-s eguranca/)

Desejo ser contactado por um gestor do Banco Popular
Preencha o seguinte formulário para que possamos contactá-lo com soluções para a sua
empresa
Nome Empresa
Nome da Empresa
Nome Contacto
Nome Completo (Contacto)
E-mail
E-mail (Válido)
Telefone
Telefone
Localidade
Localidade da Empresa
Setor
Seleccione o setor...

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful