Você está na página 1de 9

ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL E DESIGUALDADES

Status, papéis sociais e estrutura
Quando os seres humanos atuam orientados uns para os outros ao longo do tempo,
desenvolvem padrões e esses padrões adquirem importância cada vez maior para o
que as pessoas fazem quando se relacionam umas com as outras que marcam a
existência de uma estrutura social. Mas, o que é uma estrutura social? Diríamos que
uma estrutura social é o que define determinada sociedade. Ela se constitui da relação
entre os vários fatores — econômicos, políticos, históricos, sociais, religiosos, culturais
— que dão uma feição para cada sociedade.
Os indivíduos em suas relações sociais tendem a agir conforme um conjunto de
expectativas sociais relacionadas à sua posição na interação. Todo mundo tem um
“lugar” nas interações sociais e as pessoas tendem por atuar umas em relação às
outras conforme esse lugar, essa posição. Quando interagimos enfocamos nossas
percepções, ações e expectativas na posição que os outros ocupam em relação a nós:
professor, patrão, homem, mulher, casado, solteiro, cristão, ateu, heterossexual,
homossexual, adulto, adolescente, etc. O nome mais técnico para essa posição é
status social.
Para cada posição que o indivíduo se encontra em uma relação existe uma série de
expectativas sociais que delimitam os direitos, as obrigações e os comportamentos
socialmente desejáveis, ou seja, há papéis sociais a serem cumpridos. Por exemplo,
se João e Maria se casaram e conforme o conjunto de crenças e valores que
fundamentam os papéis sociais espera-se que eles tenham filhos, que Maria cuide
dele, pois as mulheres fazem isso melhor do que os homens, enquanto João deve
cuidar dos processos burocráticos que envolvem ter um filho ou até mesmo terá que
ganhar mais dinheiro para prover a família. Esse exemplo pareceu preconceituoso? E
é mesmo! Conforme citado acima, a partir de diversos fatores – econômicos, políticos,
históricos, sociais, religiosos, culturais – são definidas o que homens e mulheres
podem ou não fazer, quais são suas obrigações e privilégios. Mas qual o problema
disso?
Cada sociedade, a partir de suas feições, de sua estrutura, dita o “lugar” de cada um e
seus respectivos papéis, no entanto, nessa dinâmica se percebe que alguns indivíduos
ou grupos ocupam posições consideradas mais relevantes resultando em um processo
de estratificação, ou seja, de desigualdades.
Na maior parte das vezes, quando agimos tendemos simplesmente reproduzir os
papéis socialmente esperados de nós e dos outros como se isso fosse “natural” e
quando essa lógica é quebrada, isso gera certo estranhamento, conflito e uma força
conservadora, ou seja, certa reação à mudança da estrutura social. Por exemplo, na
nossa sociedade, quando as mulheres lutaram pelo direito igual aos dos homens de
votar e trabalhar houve uma série de resistências quanto a essas demandas e como
elas continuam reivindicando espaços que ainda são muito masculinizados acabam
sofrendo preconceito e discriminação, mas a manutenção de suas lutas é para o

sempre que algo for valorizado. fora das regras existentes. haverá conflito. Ninguém sabe exatamente como ou por que os sistemas de estratificação desenvolveram-se em quase todas as sociedades conhecidas. o sistema de castas permanece mesclado a ela. Estratificação social e estrutura Como se pode notar.alcance de um novo status e papéis sociais para uma estrutura mais democrática. portanto. cor. mobilidade social nesse sistema. que se situam abaixo dos xátrias) e a dos sudras (a casta dos inferiores. a dos vaixás (casta dos comerciantes. Mas é na índia que está a expressão mais acabada desse sistema. há ainda um sistema de castas regionais que se subdividem em outras tantas subcastas. Os elementos mais visíveis da imobilidade social são a . de estamentos ou de classes. menos estratificada. Não há. a dos xátrias (casta intermediária. No mundo antigo. O sistema de castas caracteriza-se por relações muito estanques. A sociedade indiana começou a se organizar em castas e subcastas há mais de 3 mil anos. isto é. e vivem. A estratificação social e as desigualdades decorrentes são produzidas historicamente. Podemos perceber então que. pois legalmente foi abolido em 1950. Esses elementos definem a organização do poder político e a distribuição da riqueza gerada pela sociedade. uma das principais características da estrutura social é a estratificação. Definimos conflito como a luta por qualquer coisa que seja valorizada entre as pessoas. ou seja. são geradas por situações diversas e se expressam na organização das sociedades em sistemas de castas. Os párias (dálits) são os que não pertencem a nenhuma casta. há vários exemplos da organização em castas (na Grécia e na China. etnia. artesãos e camponeses. o que representa uma dificuldade a mais para entender a questão. a maneira como os diferentes indivíduos e grupos são classificados em estratos (camadas) sociais e o modo como ocorre a mobilidade de um nível para outro. que existem quatro grandes castas na índia: a dos brâmanes (casta sacerdotal. formada normalmente pelos guerreiros. mas não puder pertencer igualmente a todos. quem nasce numa casta não tem como sair dela e passar para outra. Apesar de na índia haver hoje uma estrutura de classes. ou seja. Cada caso precisa ser analisado como uma configuração histórica particular. O sistema de Castas O sistema de castas é uma configuração social de que se tem registro em diferentes tempos e lugares. portanto. que se encarregam do governo e da administração pública). Entretanto. na qual se situam aqueles que fazem trabalhos manuais considerados servis). em termos genéricos. entre outros lugares). hereditariedade e ocupação. O sistema sobrevive por força da tradição. superior a todas as outras). Pode-se afirmar. adotando uma hierarquização baseada em religião. mas os sociólogos têm procurado compreender melhor sua dinâmica e geralmente a explicação gira em torno da ação recíproca de conflito e poder.

Os descendentes dos burakumins. as castas inferiores adotam costumes. pela dos artesãos e pela dos comerciantes. Na soma das duas crenças. limpadores de esgotos ou de ruas. Isso é confirmado pela existência de programas de cotas de inclusão para as castas consideradas inferiores nas universidades públicas. no sistema capitalista. coveiros. A urbanização e a industrialização crescentes e a introdução dos padrões comportamentais do Ocidente têm levado elementos de diferentes castas a se relacionarem. mas acontece.O governo japonês criou programas voltados para combater essa discriminação. no qual a índia está fortemente inserida. pela dos agricultores. A casta de maior importância era a dos samurais.hereditariedade. seja nas tentativas de se casar. e isso cria uma certa homogeneidade de costumes entre castas. o que não é comum. a vida deles é sempre investigada. nem o de castas. que as normas e os costumes relacionados com a diferenciação em castas tenham desaparecido do cotidiano das pessoas. discípulo de Durkheim. a endogamia (casamentos só entre membros da mesma casta). . Um desses motivos provém do xintoísmo. limpar e preparar os animais para o consumo. associações de burakumins que procuram . Embora seja proibido. seja no ato de pedir emprego. o sistema de castas está sendo gradativamente desintegrado. No caso específico da índia. quem tivesse o ofício de trabalhar com couro ou carne de animais mortos deveria ser isolado e condenado a uma situação subalterna. pois. Mas nenhum sistema é totalmente rígido. a estruturação societária anterior só se mantém se é fundamental para a sobrevivência do próprio sistema. Isso vai contra a persistência dos padrões mais tradicionais. Oficializadas durante o período Edo (1600-1868). ainda vivem segregados e dificilmente conseguem empregos que não sejam de lixeiros. as regras relacionadas à alimentação (as pessoas só podem ter refeições com os membros da própria casta e com alimentos preparados por elas mesmas) e a proibição do contato físico entre membros das castas inferiores e superiores. pois as questões culturais são mais fortes que os decretos governamentais. As castas no Japão A desigualdade com base nas castas não é uma coisa do passado no Japão. as castas foram abolidas em 1871. Há também. como mendigos. mulheres adúlteras e suicidas fracassados. que relaciona morte a sujeira.A classificação social dos burakumins tinha motivos religiosos. Quando revelam sua ascendência. entretanto. em ordem decrescente. isso não se resolve por decreto. ritos e crenças dos brâmanes. A rigidez das regras também é relativizada por casamentos entre membros de castas diferentes (menos com os brâmanes). Repulsão. seguida. de acordo com o sociólogo francês Céléstin Bouglé (18701939). os hinins. cerca de 3 milhões de pessoas. Havia ainda os párias (os desclassificados) — entre eles. o que não significa. aqueles que eram considerados “não gente”. apesar de toda a modernização e da presença de alta tecnologia. entretanto. e os burakumins pessoas encarregadas de matar. desde 1922. hierarquia e especialização hereditária: estas são as palavras-chave para definir o sistema de castas. que considera indigna a matança de animais. e o outro provém do budismo.

mas era muito controlada — alguns chegavam a conseguir títulos de nobreza. no livro “a sociedade estamental [. não significava obter o bem maior. ou seja. no final do século XVIII. Formava-se. . ainda que camponeses e servos estivessem sempre em situação de inferioridade. o que. além de socialmente inferiores. a condição dos indivíduos e dos grupos em relação ao poder e à participação na riqueza produzida pela sociedade não é somente uma questão de fato. ou seja. A propriedade da terra definia o prestígio.. Existia assim um direito desigual para desiguais. o clero e o chamado terceiro estado. às vésperas da revolução havia três estados: a nobreza. linhagem. As sociedades organizadas por estamentos O sistema de estamentos ou estados constitui outra forma de estratificação social. os indivíduos eram diferenciados desde que nasciam. Para compreender os estamentos (em si e em suas relações recíprocas e hierárquicas). por exemplo. privilégios e obrigações que são aceitos como naturais e são publicamente reconhecidos. que. Assim. trabalhadores urbanos. Na França. existia uma série de obrigações dos servos para com os senhores (trabalho) e destes para com aqueles (proteção). Mas o que prevalecia era a desigualdade como um fato natural. honra e cavalheirismo parecem predominar no pensamento e na ação das pessoas”. havia uma relação de outro tipo: um senhor feudal (suserano) exigia serviços militares e outros serviços dos senhores a ele subordinados (vassalos). A possibilidade de mobilidade de um estamento para outro existia. mantidos e sustentados pelas autoridades oficiais e também pelos tribunais. é indispensável compreender o modo pelo qual categorias tais como tradição. Entre os proprietários de terras. econômica e politicamente. Numa sociedade que se estrutura por estamentos. camponeses. entretanto. mas também de direito. no entanto. está tanto no interior das pequenas vilas quanto nas grandes empresas. a liberdade e o poder dos indivíduos. por exemplo. a relação entre os estamentos é a reciprocidade.. Na sociedade feudal. industriais. vassalagem. transformava-se em direito. O que explica. No caso das sociedades do período feudal. que incluía todos os outros membros da sociedade — comerciantes. uma rede de obrigações recíprocas. os nobres tinham privilégios e obrigações que em nada se assemelhavam aos direitos e deveres dos camponeses e dos servos. etc. um conjunto de direitos e deveres.] não se revela e explica apenas no nível das estruturas de poder e apropriação. que era a terra. como também de fidelidade. observando-se uma hierarquia em cujo topo estavam os que dispunham de mais terras e mais homens armados. porque a desigualdade. A sociedade feudal organizou-se dessa maneira. o que identifica um estamento é o que também o diferencia. Os que não a possuíam eram dependentes. além de existir de fato.lutar contra a segregação. Nas palavras de Octávio Ianni. de maneira generalizada. então.

com um rígido código de honra e de obediência — por exemplo. Sociologicamente. C. pelas desigualdades: • na apropriação da riqueza gerada pela sociedade. a ocupação e a hereditariedade. apesar de existirem. por exemplo. variações como classes A. pode-se ter uma hierarquização dos grupos como a seguinte: classes dos proprietários de terras. D e E. Nela está muito evidente que as relações e estruturas de apropriação (econômica) e dominação (política) definem a estratificação social. pequenoburguesa ou média. “alguém tem classe”. advogados. que a análise da estratificação de uma sociedade depende dos interesses do investigador e do critério utilizado na classificação dos grupos sociais. A produção e o mercado tornaram-se os elementos mais precisos de classificação e mobilidade sociais. Essas são formas que o senso comum utiliza para caracterizar determinado tipo de comportamento ou para definir certos grupos sociais ou profissionais. burguesa (industrial. assim. com suas variações. Assim. a forma como as desigualdades se estruturam na sociedade capitalista. No segundo. muitas vezes utilizamos o termo estamento para designar determinada categoria ou atividade profissional que tem regras muito precisas para que se ingresse nela ou para que o indivíduo se desenvolva nela. etc. de pensar a questão das classes: considerando a posição dos indivíduos e grupos no processo de produção ou considerando a capacidade de consumo como fator de classificação. média e baixa ou. Observa-se. quando se consideram as profissões. expressa normal mente pela propriedade e pela renda. as classes sociais expressam. “classe dos professores”. trabalhadora ou operária. não possuem a força que têm nos sistemas de castas e de estamentos. utiliza-se o termo classe na explicação da estrutura da sociedade capitalista com base na classificação ou hierarquização dos grupos sociais. mas que aparece também no consumo de bens. Diz-se.Hoje. a categoria dos militares ou a dos médicos. Entretanto. “classe política”. então. Os outros fatores de distinção e diferenciação. Hierarquia e mobilidade Pode-se afirmar que existem duas grandes maneiras. . A sociedade capitalista e as classes sociais O termo classe costuma ser empregado de muitas maneiras. como tal. Assim. fica evidente que as sociedades modernas caracterizam-se. tem uma configuração histórico-estrutural particular. deve-se falar em categoria profissional dos professores. usar as expressões “estamento militar” ou “estamento médico” significa afirmar as características que definiam as relações na sociedade estamental. A sociedade capitalista é dividida em classes e. No primeiro caso. no sentido mais preciso. como a religião. etc. B. financeira). Assim. a honra. tem-se: classes alta. em grau variável.

mas há um discurso segundo o qual todos têm as mesmas oportunidades e. Na sociedade capitalista. poder e conhecimento. Entretanto. Vamos analisar a seguir as ideias de dois autores que representam concepções diversas para explicar esse fenômeno social fundamental em nossa sociedade. mas não é tão ampla quanto pode parecer. Como já vimos. a posse dos meios de produção ( terra. Nesse contexto. então. A estratificação para Karl Marx Karl Marx colocou a questão das classes no centro de sua análise da sociedade dos indivíduos. educação formal. a desigualdade não existe só no nascimento. As questões que envolvem propriedade. mas também complementares. que se expressa no acesso à educação e aos bens culturais. por exemplo. somente a forma como ela se efetiva. Muito se escreveu sobre a estratificação e as desigualdades sociais na sociedade capitalista. mas é reproduzida incessantemente. etc. A mobilidade social nas sociedades capitalistas é maior do que nas divididas em castas ou estamentos. Convivem sob um conflito de interesses e de visão do mundo. também permite controlar todos os outros sistemas . mas estão dissimuladas nas formas de convivência social. •na apropriação dos bens simbólicos. Elas são contraditórias. manifestando-se pelo maior ou menor poder que indivíduos e grupos têm de decidir. como museus. a desigualdade é constitutiva. que personifica o capital. Nenhum recurso é mais importante do que o controle sobre a propriedade que produz os bens valorizados pela sociedade. vinculadas ou não. definem a forma como as diferentes classes participam da sociedade. e o proletariado. e de deter o poder econômico na sociedade. teatro. expressando-se até mesmo na morte. pode-se afirmar que existem duas classes fundamentais: a burguesia. renda.• na participação nas decisões políticas. Para Marx. As barreiras para a ascensão social não estão escritas nem são declaradas abertamente. pelo trabalho podem prosperar e enriquecer. livros. O que diferencia. que vive do trabalho assalariado. consumo. Afirmou que as sociedades capitalistas são regidas por relações em que o capital e o trabalho assalariado são dominantes e a propriedade privada é o fundamento e o bem maior a ser preservado. argumentou Marx. Mas as explicações dadas para as desigualdades mudam radicalmente. nas sociedades divididas em castas ou estamentos. mais ainda. Essa posição. pois isso significa ter controle sobre os empregos de outras pessoas e também sobre as coisas de que elas precisam para sobreviver. a sociedade capitalista das outras? No que se refere à desigualdade. dependendo do período histórico da sociedade) proporciona muitos benefícios. particularmente em como se morre. todos os dias. ou forçar decisões a seu favor. pois uma não pode existir sem que a outra exista. os indivíduos nascem desiguais e assim vivem. fábricas ou os escravos.

e a concepção de partido está ancorada no poder. Estão na melhor posição para difundir o que consideram verdade e essas ideias favorecem seus interesses – por exemplo. A concepção de status ou estamento está ancorada centralmente no prestígio social. de acordo com determinada ordem econômica. Ele não acreditava ser possível reformar a estrutura de classes por meio de leis ou educação. os tribunais. Classe refere-se a grupo econômico que se encontra em uma mesma situação de classe criada pelo relacionamento das pessoas com os mercados. governo. isto é. religião e ideias. A principal diferença entre eles era que Weber via a estratificação com multidimensional. Como a estrutura de classes tem importância crucial na determinação do modo de agir das pessoas. assim. o governo. A estratificação para Max Weber Weber foi um eterno crítico de Marx. de poder ou até de renda no interior de uma classe ou entre classes. Desigualdade gira em torno de três dimensões: classes. o Exército. a pobreza é inevitável. polícia. a religião e o sistema educacional. a posição social e a um destino comum. mas ele também propunha uma teoria da estratificação. A estratificação de ordem social é aquele amparada na existência de grupos de status que são categorias sociais e relações entre aqueles que partilham símbolos culturais . a classe dominante consegue perpetuar um sistema do qual obtêm muitos privilégios. A concepção de classe social está fundamentalmente relacionada ao mercado. Ele não vê a luta de classes como o motor da história – como Marx. Se houver perda de prestígio. Marx acreditava que a verdadeira mudança social só poderia ocorrer quando fosse destruída a velha estrutura. ainda que outros fatores sejam também relevantes. leis. poderão ocorrer movimentos de grupos que lutarão para mantê-los e. a competição é uma lei natural. grupos de status e partidos. das possibilidades de dispor de bens e serviços. renda ou prestígio em uma situação histórica específica. resistirão às mudanças. indivíduos que têm as mesmas oportunidades de acesso a bens. Essas oportunidades são derivadas. Max Weber também escreve sobre o conflito entre as classes. Marx previu o fim da estrutura de classes e sua substituição por uma estrutura igualitária.institucionais da sociedade. mas como uma das manifestações para a manutenção de poder. Com os instrumentos do Exército. a proteção da propriedade privada é mais importante do que a proteção dos direitos dos trabalhadores. como a polícia. Essa perspectiva permite entender muitos movimentos que aconteceram desde a Antiguidade até hoje. pertencer ou não a determinada classe social depende de critérios econômicos. ou seja. A classe dominante também determina as ideias que prevalecem na sociedade. uma vez que no longo prazo tais reformas serviriam apenas para proteger a burguesia no capitalismo.

assim como ocorre com a estratificação de ordem social. em geral. O domínio e reprodução desses códigos sociais são a “chave” de entrada e distingue quem está “dentro” e quem está “fora”. por prestígio e reconhecimento social. Embora o prestígio de um grupo de status pode estar relacionado à condição econômica e/ou política de seus membros não necessariamente se relaciona com elas. Assim. Assim para Weber. Por exemplo.semelhantes. ou um grupo de homens. os partidos estão relacionados ao signo do poder. Um conjunto de direitos e deveres. a estratificação envolve mais do que hierarquias de classes que refletem a ordem econômica. os membros de um grupo de status de grande prestígio podem ou não coincidir com uma classe econômica ou política elevada. podem desfrutar de certo nível de consideração. partidos são grupos que. Por isso. da mesma forma que alguém advindo de uma classe alta que perde toda a sua riqueza e vai morar em uma comunidade da periferia. ou seja. os grupos econômicos têm. associações de moradores. ao apontar que esse tipo de sociedade se . Assim. o fator econômico associado à condição de classe é o principal critério de distinção na sociedade capitalista. maiores poderes políticos também para fazer valer seus interesses. dessa forma. disputam poder com outros grupos. Estado. Não se pode ignorar o que Weber entende por poder para compreender esse fenômeno: “por poder a possibilidade de que um homem. Buscam a aquisição de poder social para influenciarem a ação comunitária dos grupos envolvidos. não será reconhecido também como membro. Para tanto. alguém que vem de família pobre e fica milionário não será automaticamente reconhecido como membro da “alta sociedade” já que essa comunidade é também um grupo de status com códigos simbólicos que a protege. possuem metas burocraticamente organizadas. na estrutura capitalista. os grupos de status são estamentos e têm estrutura mais ou menos fechada. Mas. perspectivas e estilos de vida e que. A distribuição do poder entre os partidos pode revelar uma disputa tanto de ordem econômica quanto simbólica. realize sua vontade própria numa ação comunitária até mesmo contra a resistência se outros que participam da ação”. As distinções são mantidas por convenções ou leis (códigos sociais) que garantem aos grupos de status privilégios e monopólios. movimentos sociais. mas reproduz comportamentos sociais do seu antigo grupo. São exemplos de partidos os sindicatos. partidos políticos que disputam a governança do Estado. organizações multilaterais como a ONU. honra e prestígio. etc. Isso pode ser verificado no embate das lutas entre os sindicatos dos trabalhadores e patronal ou na luta dos indígenas pelo reconhecimento de seus territórios confrontados com os interesses dos latifundiários. Assim. é possível verificar fronteiras simbólicas que diferenciam cada um. Se os grupos de status estão sob a égide da ordem social e as classes sob a perspectiva da ordem econômica. como consequência. gostos. blocos econômicos. pode-se concluir que apesar da existência de estratificação multidimensional. inerente aos grupos de status fundamenta hierarquias. empresas. no interior das relações sociais.

caracteriza por um divisão em classes indica a forma mais evidente e relevante de conceituação. é um tipo ideal – conforme Weber argumentou. ou seja. .