Você está na página 1de 2

* ATENÇÃO: Copiar é CRIME. Art.

184 do código Penal e Lei n° 5998/73

MATEMÁTICA
V
WIiClsToO
nRMCaH
raAnChO
ãN
o

GRANDEZAS ESCALARES
São aquelas que ficam perfeitamente definidas
quando conhecemos seu valor numérico e sua unidade de
medida.
Exemplos:
1.
A minha massa é 80 kg.
2.
A temperatura da sala hoje está em torno de 23ºC.
3.
O tempo de queda foi de 3s.
Portanto, massa, temperatura e tempo são grandezas
escalares.

B (extremidade)
A (origem)
Medida de um Segmento
Fixada uma unidade de comprimento, a cada
segmento orientado pode-se associar um número real, não
negativo, que é a medida do segmento em relação àquela
unidade. A medida do segmento orientado é o seu
comprimento ou seu módulo.

GRANDEZAS VETORIAIS
São grandezas que, além do valor numérico e da
unidade de medida, necessitam de direção e sentido para
que fiquem perfeitamente definidas.
É o caso da velocidade, da aceleração, da força, do
deslocamento, etc.
Exemplo: Sobre uma mesa de bilhar se desloca uma bola
com velocidade de 5 m/s.

Somente esta informação não é capaz de
caracterizar o movimento da bola, pois sabemos o valor da
velocidade, mas não sabemos para onde a bola está indo,
precisamos indicar também a direção e o sentido.
Para caracterizar completamente devemos dizer: A
velocidade da bola é de 5 m/s, numa direção que faz 30º
com a horizontal, para a direita e abaixo.

Segmentos Eqüipolentes
Dois ou mais segmentos são eqüipolentes quando
têm a mesma direção, o mesmo sentido e o mesmo módulo.

Vetor
Um vetor é representado geometricamente por um
segmento de reta orientado AB, ou por qualquer segmento
eqüipolente a AB.
v
B

Notações:


v , AB

A
ou B – A.

Vetor Nulo
Quando os pontos A e B são coincidentes eles
determinam um único vetor, chamado vetor nulo ou vetor

Vetores Opostos
Dado um vetor

AB

É um segmento de reta onde adotamos um sentido
de orientação.
Um segmento orientado é determinado por um par
de pontos, o primeiro chamado origem do segmento, o
segundo chamado extremidade.

e indica-se por

v
A

v  AB , o vetor BA

 AB

ou por

v

.

-v

B

é o oposto

B

A
2

VETORES NO IR E NO IR

3

Vamos representar alguns segmentos equipolentes
utilizando os eixos cartesianos do plano.

1

de

REPRESENTAÇÃO GEOMÉTRICA DE UM VETOR
Segmento Orientado


0.

Página



Um vetor é a representação matemática de uma
grandeza vetorial, portanto ele tem módulo, direção e
sentido.
No exemplo anterior, temos:
Módulo: 5 m/s.
Direção: é a reta que faz 30º com a horizontal.
Sentido: para a direita e abaixo.

zero, que é indicado por

Componentes de um Vetor Para obter as componentes de um vetor devemos fazer a diferença entre as coordenadas de sua extremidade com sua origem. 02) Dados os pontos A(2. b.  2 No R temos. b. Art.     2 ► No R . sendo temos:  v  (a. 1)  Módulo ou Norma de um vetor O módulo de um vetor é o seu comprimento.5) . No R . 0. Exemplo: Calcule o módulo do vetor e B(5.: No R .  1  (2))  GH  (3. o mesmo é chamado vetor unitário. 1  0)  OP  (3. Este vetor é chamado vetor livre.  v  (3. sendo A(3. 1) CD  D  C  (1  (2). 5. v  (a. b) :  v  v  a 2  b2 y (a. – 3.  Versor de um Vetor  O versor u de um vetor  v é um vetor unitário (vetor cujo módulo é igual a 1) de mesma direção e sentido de Para encontrá-lo fazemos. b. b) e u  ( x. no R . 3). b) temos: Como todos os segmentos representam o mesmo vetor basta que o representemos por um deles e. 1) EF  F  E  (2  (5). – 1. v  (a. 1) OP  P  O  (3  0. determinar o ponto P tal que AP  PB .  1  (2))  EF  (3.   v u  v Exemplo: Qual o versor do vetor  v. 3). B(1. c) b y a x 3    Obs. determinar G D tal que DC  BA . se v = u a  x. y) . sendo então Exemplos: 01) Dados os pontos A(– 1.: Quando o módulo de um vetor é igual a 1.     v  (a. sendo v  (a.4) ? 2 (0. o vetor escolhido é o vetor que tem origem na origem do plano cartesiano e extremidade no ponto (a. 5) c (a. sabendo que sua origem é o ponto A(– 1. 0) Página v . b) b ► v (0. z AB . 184 do código Penal e Lei n° 5998/73  Igualdade de Vetores Dois ou mais vetores são iguais se possuem as componentes correspondentes iguais. – 1). c) e u  ( x. y. 3). No exemplo acima temos: AB  B  A  (4  1. c) : Obs. 1) e B(4. b).* ATENÇÃO: Copiar é CRIME.  2 ► No R . temos: Eixo x  Eixo das Abscissas Eixo y  Eixo das Ordenadas Eixo z  Eixo das Cotas Exemplo: Determinar a extremidade do segmento que  representa o vetor v  (2. 3  2)  AB  (3. 0) C(2. c)  v  a 2  b2  c 2 x Todo raciocínio usado no plano serve para o espaço  3 tridimensional. – 2). z ) . b. – 2. se v = u y B então A D C P O x F E H ► 3 ax e b  y. 1  0)  CD  (3. b  y e c  z . sendo v  (a. 0) a 3 De maneira análoga. então no R temos. 1) GH  H  G  (2  (1). Para determiná-lo basta usar o Teorema de Pitágoras.