Você está na página 1de 5

Abril de 2010 RELATÓRIO ECONÓMICO

LUSITANIUM EXCELSIUS♣

A Competitividade da Economia Portuguesa no Global


Competitiveness Index (GCI) 2009 – 2010

O que é o Global Competitiveness Index (GCI)?

O Global Competitiveness Index é um relatório que tem como objectivo principal medir o potencial
produtivo e competitivo das nações, representando as economias cobertas pelo GCI 2009-2010 mais
de 98 por cento do Produto Interno Bruto1 mundial.

Qual é o Posicionamento de Portugal no Ranking do GCI 2009 – 2010?


No ranking do GCI 2009-2010, Portugal mantém a 43ª posição alcançada no ano anterior e continua à
frente de países como a Itália (48º lugar), Grécia (71º lugar) e de oito dos doze países que
recentemente se tornaram membros da União Europeia.


Licenciado em Relações Internacionais e Ciência Política pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias e
Mestrando em Economia Portuguesa e Integração Internacional do ISCTE.

1
O Produto Interno Bruto (PIB) representa a soma (em valores monetários) de todos os bens e serviços finais produzidos em
uma determinada região (países, estados e cidades), durante um período determinado (mês, trimestre, ano, etc.). O PIB é um
dos indicadores mais utilizados na macroeconomia com o objectivo de mensurar a actividade económica de uma região.

1
Quais os pilares2 onde a posição competitiva da Economia Portuguesa é mais alta e mais baixa?

Do conjunto dos doze pilares, a posição competitiva mais alta e mais baixa continua a pertencer,
respectivamente, à Infra-estrutura (23ª) e à Eficiência do Mercado de Trabalho (103ª). Na Infra-estrutura
(23ª), Portugal está colocado à frente dos doze países dos alargamentos recentes da União Europeia e de
países como a Noruega (28ª), Irlanda (52ª) e Itália (59ª). As segundas melhores posições competitivas de
Portugal (31ª) são partilhadas entre os pilares Prontidão Tecnológica e Saúde e Ensino Básico. Eficiência
do Mercado de Trabalho e Sofisticação do Mercado Financeiro (63ª) foram os pilares que registaram as
duas maiores descidas face ao ranking GCI 2008 - 2009. Como sucede em Portugal, é no pilar Eficiência do
Mercado de Trabalho que países como a França, a Alemanha e a Espanha têm os seus desempenhos
competitivos com classificação mais baixos e em que a oscilação de posições extremas entre países é maior.
Igualmente no pilar Estabilidade Macroeconómica (79ª posição), Portugal tem um desempenho relativo
inferior ao ranking global (apesar de subir 3 posições) a par de uma série de países da União Europeia a 27
Estados-Membros (casos da Espanha, Reino Unido e Irlanda) e também dos Estados Unidos da América e
Japão. Em termos dos dois pilares de inovação, os desempenhos competitivos de Portugal variam entre a
33ª posição do pilar Inovação e a 53ª do pilar Sofisticação Empresarial, que desceu 5 posições.
Na Inovação Portugal está em melhor posição do que Espanha, Itália, Grécia e dez países dos alargamentos
da União Europeia pós 2004. Os Estados Unidos da América são líderes absolutos neste pilar e a Finlândia
é o primeiro país da União Europeia a 27 Estados-membros (3º no ranking dos 133 países). Já no pilar
Sofisticação Empresarial, o resultado para Portugal apresenta uma classificação abaixo do seu ranking
global.

_________________________________________________________________________________________________________________________

2
Instituições; Infra-estrutura; Estabilidade Macroeconómica; Saúde e Ensino Básico; Ensino Superior e Formação; Eficiência de
Mercados de Bens; Eficiência do Mercado de Trabalho; Sofisticação do Mercado Financeiro; Prontidão Tecnológica; Dimensão do
Mercado; Sofisticação Empresarial e Inovação.

2
________________________________________________________________________________

Quais os principais entraves da Economia Portuguesa no que diz respeito à facilidade de fazer
negócio (Doing Business3) que encontram os empresários e executivos?
Como principais entraves da Economia Portuguesa em relação à facilidade de fazer negócios (Doing
Business), os empresários e executivos encontram factores problemáticos em áreas como a burocracia;
regulamentação fiscal e laboral; financiamento bancário e estatal e mão-de-obra qualificada (ou
altamente qualificada).

_______________________________________________________________________________

3
Executive Opinion Survey 2009 do WEF.

3
Qual a real competitividade da Economia Portuguesa no que diz respeito à Inovação e à
Sofisticação Empresarial?
No que diz respeito à Inovação a avaliação dos desempenhos competitivos presente no GCI 2009-2010
situa-se em matérias ligadas a decisões ao nível dos mercados públicos quanto à adopção de produtos
de tecnologia avançada; à qualidade das instituições de investigação científica; à colaboração
universidade-indústria em Investigação e Desenvolvimento (I&D) e à capacidade das empresas para a
inovação. Face ao ano anterior, Portugal melhorou as suas posições relativas nos três primeiros
indicadores, apresentando, pelos critérios do relatório, uma vantagem competitiva nestes campos.
Pelo contrário, os indicadores do pilar Inovação considerados como desvantagens competitivas
reportam-se às despesas em Investigação e Desenvolvimento (I&D) das empresas, à disponibilidade de
cientistas e engenheiros e ao número de patentes USPTO4 por mil habitantes.

_______________________________________________________________________________

4
United States Patent and Trademark Office.

4
Principais Conclusões
 Portugal manteve a mesma posição competitiva (43ª) no GCI em 2009 - 2010 face ao relatório de
2008 – 2009.

 Os melhores desempenhos relativos estão centrados nos pilares relacionados com a infra-estrutura;
saúde e ensino básico; prontidão tecnológica; inovação e ensino superior e formação.

 Os piores desempenhados relativos estão presentes nos pilares relacionados com eficiência do
mercado de trabalho; a sofisticação do mercado financeiro e a estabilidade macroeconómica.

 No que concerne à Inovação e Sofisticação Empresarial a Economia Portuguesa apresenta


melhores resultados competitivos ao nível dos indicadores de Inovação: mercados públicos;
qualidade das instituições de investigação científica e colaboração universidade-indústria em
Investigação e Desenvolvimento (I&D) e piores resultados quando aos indicadores de Sofisticação
Empresarial: Investigação e Desenvolvimento (I&D) das empresas, à disponibilidade de cientistas
e engenheiros e ao número de patentes USPTO por mil habitantes.

Para mais informação sobre este relatório económico, por favor contactar:

Paulo Daniel da Costa Ferreira, Correio electrónico: paulo_daniel535@hotmail.com

Contacto Telefónico: 969385401

Blog: www.lusitaniumexcelsius.blogspot.com