Você está na página 1de 6

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LITERATURA E INTERCULTURALIDADE
COMPONENTE CURRICULAR: Literatura e Tradução Intersemiótica
CRÉDITOS: 04 CARGA HORÁRIA: 60 h/a
PROF. Dr. Luciano B. Justino
SEMESTRE: 2012.2

PLANO DE CURSO
Ementa:
O cronograma abaixo diz respeito ao primeiro módulo da disciplina, teórico metodológico.
Está dividido em 5 encontros que têm como objetivo articular as práticas tradutórias às
culturas não hegemônicas, com especial interesse pelo conceito de “transluciferação
mefistofáustica” de Haroldo de Campos, elaborado a partir de sua leitura do projeto
antropofágico de Oswald de Andrade. Metodologicamente, partiremos da interface língua,
midiologia, semiótica da cultura, para tanto diferenciando os estudos de tradução
tradicionais, e seu conceito implícito de língua e de cultura, e os estudos de tradução
contemporâneos que propõem uma visão política que implica na observância dos meios e
mediações, das relações entre classe, etnia, modos de vida e produção cultural.
Módulo teórico-metodológico
1º encontro: apresentação da proposta.
2º encontro: discussão do texto "A tarefa do tradutor" de Walter Benjamin e "Como o novo
entra no mundo: o espaço pós modernos, os tempos coloniais e as provações da tradução
cultural" de Homi Bhabha + texto do professor sobre os textos indicados.
3º encontro: Luciano, discussão dos textos "A escrita mefistofélica", "tradução como criação e
como crítica", ambos de Haroldo de Campos, e "Poéticas da relação" de Edouard Glissant +
texto do professor sobre os textos indicados.
4º encontro: Luciano, discussão dos textos "Polissistema de cultura" de Itamar Even-Zohar
e e "Porque semiosfera" de Irene Machado + texto do professor sobre os textos indicados.
5º Luciano, discussão do texto "Índices, ícones e símbolos" de Daniel Bougnoux e "A tradução
intersemiótica como intercurso dos sentidos" de Julio Plaza + texto do professor sobre os
textos indicados.
Bibliografia ampliada 1
ALMEIDA, Maria Cândida Ferreira de. Tornar-se outro: o topos canibal na literatura brasileira.
São Paulo: Anablume, 2002, 295 p.
ANDRADE, Oswald. A utopia antropofágica. São Paulo: Globo, 2000, 278 p.
BAKHTIN, Mikhail. O discurso de outrem. In: _____. Marxismo e filosofia da linguagem. 7. ed.
São Paulo: Hucitec, 1995.

Sobre o conceito de história. Verso. Félix. 4. política. 1994. 2002. Édouard. São Paulo: Perspectiva. GUATTARI. Umberto. In: História e narração em Walter Benjamin. 7. 160 p. Tradução e diferença. In: Os exercícios do ver. 237 p. 1994. 175 p. 2002. p. São Paulo: Ática. 21-64. In: Introdução às ciências da informação. In: Metalinguagem e outras metas. Belo Horizonte: UFMG. Vida e morte da imagem. p. Augusto de. São Paulo: Perspectiva. Origem. cibercultura. CAMPOS. Petrópolis: Vozes. Augusto de. Water. tradução e melancolia.). In: Walter Benjamin. Experiência audio-visual e des-ordem cultural.1. São Paulo: Editora 34. Nathalie. RODRIGUES. DERRIDA. 191 p. Félix. Cristina Carneiro. 2005. In: Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. In: Metalinguagem e outras metas. reverso. CAMPOS.BENJAMIN. 2005. 2001. ECO. Rizoma. OTTONI. Os escândalos da tradução. Gilles. CAMPOS. midiologia. Tratado geral de semiótica. Rio de Janeiro: PUC. São Paulo: Editora SENAC. Regis.Lucerna. Petrópolis: Vozes. 1988. 1996. GLISSANT. São Paulo: Peirópolis. Jacques. Juiz de Fora: Editora da UFJR. 2002. HELENA. DEBRAY. Márcia A. original. CAMPOS. DEELY. Tradução e multiplicidade. mídia. 177-191.). 11-38. Susana Kampff. Xavier e SONNAC. 1989. BOUGNOUX. 135 p. In: PARENTE. In: Introdução às ciências da informação. Haroldo de. 174 p. 1990. Tradução. contenus. Usurpação luciferina. In: Deus e o diabo no Fausto de Goethe. 1994. 9-36. 2002. In: Magia. . Jésus. Semiótica básica. Fortaleza: UFC. arte e política. MARTIN-BARBERO. São Paulo: Perspectiva. símbolos. São Paulo: Perspectiva. Ed. São Paulo: Companhia das Letras. Bibliografia ampliada 2 BEIGUELMAN. CAMPOS. À margem da margem. 186-192. São Paulo: Editora 34. controverso. Lawrence. Ícones. Germán. 231-256. GAGNEBIN. 1998. A tradução como criação e como crítica. 394 p. P. Meios ambientes. p.). Da produção de subjetividade. GREFF. 2002. v. p. 1988. São Paulo: Perspectiva. ed. Bauru: EDUSC. técnica. Introdução a uma poética da diversidade. Haroldo de. LAGES. (Org. São Paulo: Perspectiva. São Paulo: EDUSP. VENUTTI. São Paulo: UNESP. tradução. Por uma literatura antropofágica. Imagem-máquina. Culture web: création. Daniel. REY. São Paulo: Brasiliense. Link-se: arte. A escritura mefistofélica. p. GUATTARI. 71-118. 1994. Daniel. a prática da diferença. 167 p. Jeanne Marie. John. Torre de babel. p. 1995. mídia. 2000. Gisele. Campinas: Editora da UNICAMP. 2005. índices. économie numérique. André (Org. 31-47. Petrópolis: Vozes. BOUGNOUX. DELEUZE. Haroldo de. p. 2002. p. Paulo (Org. 1996. Lucia. MARTINS. Da razão antropofágica: diálogo e diferença na cultura brasileira. 1999.

1994. LOTMAN. Comunicação tecnoestética nas mídias audiovisuais. São Paulo: Brasiliense. 7. Zygmunt. 2. Rio de Janeiro: Forense Universitária. São Paulo: Ateliê Cultural. São Paulo: Cortez. In: Magia. São Paulo: Annablume. Matrizes da linguagem pensamento: sonora. Tradução intersemiótica. Semiótica da cultura e semiosfera. In: Panorama da semiótica: de Platão a Peirce. Lorenzo. PEIRCE. São Paulo: Annablume. MACHADO. 1999. técnica.). Semiótica. Krieger & SCHOLLHAMMER. ed. 2003. Jorge Luiz. 2002. BAIRON. Winfried.). São Paulo: EDUSP. São Paulo: Perspectiva. 1990. Julio & TAVARES. Lúcia. Texturas sonoras: áudio na hipermídia. Máquina e imaginário. Karl E. A semiótica universal de Peirce. Irene (Org. Semiótica da alegria. SANTAELLA. Ed. 2005. 1986. Jacques. AUMONT. 2003. SANTAELLA. Yuri M. In: Magia. LOTMAN. São Paulo: Edições Loyola. BAKHTIN. Roland et al. Bibliografia ampliada 3 AMIN. L’écran global: culture-médias et cinema à l’âge hypermoderne..Paris: Dalloz. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. O narrador. Petrópolis: Vozes. técnica. Sulina. GUIMARÃES. VILCHES. São Paulo: Iluminuras. In: Semiótica aplicada. 2007. 2002. Irene. Charles Sanders. Denise Azevedo Duarte. Youri. Mônica. A semiótica universal de Peirce. Winfried. PUC-Rio. OLINTO. 1994. 1996. Narração hipertextual em literatura. 2003. ed. São Paulo: Hucitec. 1995. 2008. BENJAMIN. Sérgio.. São Paulo: Brasiliense. 1995 e semiosfera. In: _____. Mikhail. São Paulo: Annablume. verbal. Julio. PLAZA. Lúcia. 2007.PLAZA. 2007. arte e política. 2002. Literatura e mídia. 3. Paris: Seuil. . Gilles e SERROY. 2003. François (Orgs. Universe of mind: a semiotic theory of culture. 2003. BAUMAN. Walter. 2010. LIPOVETSKY. cinema e televisão. 2003. Processos criativos com os meios eletrônicos: poética digitais. La sémiosphère. 2001. H. ANTONIO. BENJAMIN. Walter. Poesia digital: teoria. In: Comunidade: a busca por segurança no mundo atual.. 2. ed. 2007. São Paulo: Pioneira. antologias. Samir. 2004. MACHADO. São Paulo: Navegar. Porto Alegre. São Paulo: Perspectiva. Bloomington/Indianapolis: Indiana University Press. São Paulo: Annablume. NOTH. Problemas da poética de Dostoiévski. arte e política. Duas fontes do comunitarismo. Jean. HOUTART. Arlindo. Mundialização das resistências. São Paulo: Hacker. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. In: Panorama da semiótica: de Platão a Peirce. Rio de Janeiro: Ed. Campinas: Papirus. Limoges: Pulim. NOTH. 1998. A migração digital. história. visual. As teorias dos cineastas. MACHADO. Análise estrutural da narrativa. BARTHES. São Paulo: Loyola. Escola de semiótica: a experiência de Tartu-Moscou para o estudo da cultura.

DEBRAY. 2002. Ference. A história dos acontecimentos e o renascimento da narrativa. BRASIL. Fundação Perseu Abramo. Régis. Lisboa: Cosmos. A arte no século XXI: a humanização das tecnologias. 1994. 1993. Jeanne Marie. 2010. São Paulo: Editora 34. DELEUZE. Imagem-tempo. Belo Horizonte: PUC Minas. 2004. Arte. 1996. DUBOIS. São Paulo: Perspectiva. John D. DOMINGUES. ed. DEBRAY. Rumo ao ciberespaço?. O romance está morrendo. 2010. Vera Lúcia F. John. 2003. BURKE. In: BURKE. DEBRAY. In: Curso de midiologia geral. 4. São Paulo: Peirópolis.). São Paulo: Experimento. Petrópolis: Vozes. Mário Alves.. Vida e morte da imagem. Tratado geral de semiótica. In: Introdução às ciências da informação. mídia.. CHARTIER. BOUGNOUX. Petrópolis: Vozes. Godard. Narrativas migrantes: literatura. H.). Umberto. Belo Horizonte: Crisálida. Pedro. BARBOSA. ed. Peter (Org. A escrita da história: novas perspectivas. COUTINHO. 1995. 2002. BELLEI. 1997. In: Manifestos midiológicos. Philippe. Jacques. DOMINGUES. Sérgio L. Arte e vida no século XXI. A aventura do livro: do leitor ao navegador. 2005. São Paulo: UNESP. 1997. 2004. Vera et al. Petrópolis: Vozes. FURTADO. São Paulo: Ática. Meios ambientes. Cultura em fluxo: novas mediações em rede. 1999. André et al. Rio de Janeiro: Relume-Dumará. Beatriz. Da polis ao pós. BURKE. Diana (Org. . DONGUY. A razão narrativa. política. Link-se: arte. O livro depois do livro. Petrópolis: Vozes.). Régis. Roger. A noção de midiasfera. In: As formas do conteúdo. ciência e tecnologia: passado. 2003. 2007. 2010. CASTELLS. A ciberliteratura. Mídia radical: rebeldia nas comunicações e movimentos sociais. 5. A caminho de uma ecologia da cultura. BEIGUELMAN. 1993. FEHÉR. São Paulo: Peirópolis. Rio de Janeiro: Paz e Terra. Rio de Janeiro: 7 Letras.BOFF. Escrever com a câmera: a literatura cinematográfica de Jean-Luc Godard. 2002. 1994. roteiro e cinema. São Paulo: UNESP. Zoossemiótica e antropossemiótica. 2006. São Paulo: Brasiliense. São Paulo: SENAC. Florianópolis: UFSC. São Paulo: Cosac Naify. mídia. São Paulo: Paz e Terra. EAGLETON.. Poesia e tecnologia no amanhecer do século XXI. 1996. Imagens eletrônicas e paisagem urbana: a experiência do tempo e do espaço na cidade contemporânea. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. Leonardo. Semiótica da ideologia. 1992. Umberto. Peter. midiologia. Diana (Org. 2004. São Paulo: EDUSP. In: DOMINGUES.). GAGNEBIN. São Paulo: Perspectiva. Regis. Manuel. Gisele. 2002. 2002. Asa. ECO. In: A ideologia da estética. Peter & BRIGGS. Terry. de. Prado. CASA NOVA. São Paulo: UNESP. Gisele. 2001. Daniel. BEIGUELMAN. 2004. FIGUEIREDO. 2003. O livro. ECO. FAYE. In: Semiótica básica. Historia e narração em Walter Benjamin. Gilles. Criação e interatividade na ciberarte. vídeo. Diana. A sociedade em rede. DEELY. São Paulo: Jorge Zahar Ed. cibercultura. São Paulo: Perspectiva. presente e desafios. Rio de Janeiro: Sextante. 1990. 2009. Interartes. Diana (Org. Belo Horizonte: UFMG. a literatura e o computador. Cinema. São Paulo: UNESP. 1996. In: Uma história social da mídia. Ethos mundial: um consenso mínimo entre os humanos. Jean-Pierre. DOMINGUES. DOWNING.

. São Paulo: EDUSP. 5. 1996. Dominique. 1993. GUATARRI. ed. São Paulo: EDUSP. MAINGUENEAU. 2006. As três ecologias. 2001. GUATARRI. p. Porto Alegre: Sulina. HAYLES. MARTÍN-BARBERO. Ed. Rio de Janeiro: Graal. São Paulo: Ática. Porto Alegre. économie numérique. Maria Ester (Org. 2007. A invenção das tradições. Regina. 2001. 2008. . São Paulo: Paulus. JAMESON. Narrativas midiáticas contemporâneas.). São Paulo: Martins Fontes. Gêneros no contexto digital. São Paulo: Editora 34. 182 p. Fredric. LE GOFF. Xavier e SONNAC. Denise Azevedo Duarte. A epopéia eletrônica de Glauber: um estudo sobre cinema e tv. André. 2002. Belo Horizonte: UFMG. 2. 2004.). MOTA. In: As marcas do visível. Culture web: création. Jesús & REY. 1997. São Paulo: Jorge Zahar. Ecocrítica. O cinema enciclopédico de Peter Greenaway. HARVEY. In: HOBSBAWM & RANGER. Irene A. HOBSBAWM. São Paulo: Unimarco. 2000. JAMESON. Jean François. Dolores Romero. Félix. LUKÁCS. Amelia Sanz (Eds. LOTMAN. 1992. A condição pós-moderna. In: LEÃO.. Paris: Dalloz. MACHADO. Porto Alegre: Sulina. 2000. GREFF. 2008. 27-43. 2007. L’écran global: culture-médias et cinema à l’âge hypermoderne. ed. Ed. Campinas: Papirus. Indianapolis: Indiana University Press. 1990. contenus. Nathalie. Vídeo: surrealismo sem inconsciente. ed. História e memória. O sujeito na tela: modos de enunciação no cinema e no ciberespaço. Máquina e imaginário. Rio de Janeiro: Record. Sulina. 2007. Caosmose: um novo paradigma estético. José Olympio. Paris: Seuil. In: Sobre o nomadismo: vagabundagens pós-modernas. Germán. Greg. MACHADO. MACIEL. N. SENAC. Félix. Arlindo. Jacques. David. Brasília: UNB. 2000.). Introdução: a invenção das tradições. 1995. MACHADO. LEMOS. Georg. Campinas: UNICAMP. Yuri M. de. Universe of mind: a semiotic theory of culture. Katherine. Osvando J.. Labirintos do pensamento contemporâneo. São Paulo: Global. 2001. Arlindo. Literatura eletrônica: novos desafios para o literário. 2003. Semiótica da cultura e semiosfera. o romance transformado: semiótica da construção do roteiro televisivo. MACHADO. 1996. São Paulo: SENAC. Cibercultura. São Paulo: Iluminuras. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. LYOTARD. 2. Ann (Org. Grande sertão: veredas. O mal estar no pós-modernismo. Rio de Janeiro: Paz e Terra. In: Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. O contexto da obra literária. A teoria do romance.GARRAD. LIPOVETSKY. Terence (Orgs. Barcelona: Anthropos. Comunicação tecnoestética nas mídias audiovisuais. Os exercícios do ver: hegemonia audiovisual e ficção televisiva. A arte da deriva. Fredric. Utopia e reificação na cultura de massa. 20. Gilles e SERROY. São Paulo: Annablume. 1996.) Literaturas del texto al hipermedia. André et al. 2009. 2002. A condição pós-moderna. Pré-cinema pós-cinema. 2004.). 2006. Eric. São Paulo: Ed. 2001. Irene (Org. GUIMARÃES. LÓPEZ. 6. Lúcia (Org. CABRERIZO. São Paulo: Editora 34.). MAFFESOLI. Arlindo. MORAIS. LEMOS. 2009. MACHADO. KAPLAN. Michel. 2007. Jean.

. Krieger & SCHOLLHAMMER. Travessia do pós-moderno: nos tempos do vale-tudo. Janet H. ZAJDSZNAJDER. Labirintos do pensamento contemporâneo. Eduardo. São Paulo: UNESP. Laymert Garcia dos. PINTO. Elementos para a crítica da cibercultura. O mapa do jogo: a diversidade cultural dos games. Paul. São Paulo: Hucitec. Belo Horizonte: UFMG. PARENTE. Diana (Org. 2001. RICOUER. A reinvenção do escritor: literatura e mass media. Uma memória do mundo: ficção. São Paulo: Cortez. 2001. 2003. 2003. Márcio (Org. Alckmar Luiz dos. São Paulo: Iluminuras. In: FAUSTO NETO.) Imagem-máquina. duração. SANTAELLA. 2007. 2003. 1994. novos e antigos sentidos. Lúcia (Org. São Paulo: Iluminuras. Sérgio de. In: Panorama da semiótica: de Platão a Peirce. 2007. Hamlet no holodeck: o future da narrative no ciberespaço. Narração hipertextual em literatura. 1996. Novas textualidades. 2003.. Politizar as novas tecnologias: o impacto sócio-técnico da informação digital e genética. A semiótica universal de Peirce. In: LEÃO. Campinas: Papirus. Matrizes da linguagem pensamento: sonora. 1997. In: A migração digital. Mirna. 1998. Mônica Rebecca Ferrari. Lúcia. São Paulo: UNESP. 2010. 1993. Karl E. PUC-Rio. Antonio. Francisco. Vanguarda. São Paulo: Itaú Cultural. Alckmar Luiz dos. São Paulo: Cengage Learning. p. visual. SANTAELLA. SELIGMAN-SILVA. ROJAS. NUNES. A memória na mídia. São Paulo: Paulus. O império das técnicas. Lúcia. 2. verbal. Tempo e narrativa. SANTAELLA. 283-322. Paul. 1998. Lúcia. Campina: UNICAMP. Carlos Antonio Aguirre. São Paulo: Annablume. Luciano. SANTOS. RICOUER. São Paulo: Loyola. NOTH. Salvador: Fundação Casa de Jorge Amado. 2004.MURRAY. Tempo. São Paulo: Edições Loyola. memória. SANTOS. literatura: o testemunho na era das catástrofes. Lorenzo. civilização. São Paulo: Studio Nobel. Rio de Janeiro: Editora 34. Campinas: UNICAMP.). A arte no século XXI: a humanização das tecnologias. Lúcia. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo.). RISÉRIO. a história e o esquecimento. mídia e metrópoles. Júlio Pimentel. São Paulo: Editora 34. O homem e as máquinas. 2002. História. Rio de Janeiro: Gryphus. memória e história em Jorge Luis Borges.). São Paulo: Estação Liberdade. Winfried. SANTAELLA. Ruth (Org. 2002. STAM. Ensaio sobre o texto poético em contexto digital. SANTOS. RUDIGER. 1995 e semiosfera. 2001. Porto Alegre: EDIPUCRS. Antonio et al. Campinas: Papirus. PLAZA. Lúcia. 1998. In: DOMINGUES. 2002. ed. Literatura e mídia. A memória. Robert. VILCHES.). São Paulo: Annablume. Mônica. 2001. SÁ. São Paulo: Hacker. 2008. São Paulo: Annablume. Rio de Janeiro: Ed. SUBIRATS. Leituras de nós: ciberespaço e literatura. SCHEPS. cinema e televisão. 2003. Belo Horizonte: UFMG. Processos criativos com os meios eletrônicos: poética digitais. Cultura tecnológica e o corpo biocibernético. FEITOZA. A literatura através do cinema. 2009. André (Org. H. 1993. SANTAELLA. OLINTO. Julio & TAVARES. 1996.