Você está na página 1de 22

MATEMÁTICA - 1°GRAU

CONJUNTOS
RELAÇÕES
- pertinência:
Os conjuntos são representados por letras maiúsculas e os elementos por
letras minúsculas. Para indicarmos que um elemento x pertence a um conjunto A,
escrevemos: x E A (lê-se: x pertence a A). Para indicarmos que o elemento não
pertence, apenas riscamos o sinal de pertence com uma barra.

- inclusão:
Observe os conjuntos A = {2,3,4} e B = {0,1,2,3,4,5}. Notamos que
qualquer elemento de conjunto A é também elemento do conjunto B. Dizemos então
que A está contido em B ou A é um subconjunto de B. Indica-se A C B. Se existir
pelo menos um elemento de A que não é elemento de B, dizemos que A não está
contido em B e se indica por A › B.

A relação de pertinência (E) e a relação de inclusão (C) são diferentes, pois: a


pertinência relacionam um elemento com um conjunto, enquanto a inclusão
relaciona um conjunto com outro conjunto.

OPERAÇÕES:
- união:
Considere os conjuntos A = {0,1,2,3} e B = {2,3,4,5,6}. Determinando um
conjunto C, formado pelos elementos que pertemcem a A ou pertencem a B, temos:
C = {0,1,2,3,4,5,6}. O conjunto C, assim formado, denomina-se reunião ou união
de A e B, que se indica A U B (lê-se: A união B). Assim:
A = {0,1,2,3}
B = {2,3,4,5,6}
C = {0,1,2,3,4,5,6}
Quando se trata de 3 ou mais conjuntos, o conjunto reunião é obtido do
mesmo jeito. Ex:
A = {0,2}
B = {1,2,7,10}
C = {0,5,10}
A U B U C = {0,1,2,5,7,10}

- intersecção:
Considere os conjuntos A = {0,1,2,3} e B = {2,3,4,5,6}. Determinando um
conjunto C, formado por todos os elementos comuns a estes dois conjuntos (que
pertencem a A e a B), temos: C = {2,3}. O conjunto C, assim formado, denomina-
se a intersecção de A e B. Assim:
A = {0,1,2,3}
B = {2,3,4,5,6}
A inter B = {2,3}
Para 3 ou mais conjuntos, o conjunto intersecção é formado pelos elementos
comuns a todos os conjuntos. Ex:
A = {2,3,5,7}
B = {3,6,7,9}
C = {1,3,5,7,9}
A inter B inter C = {3,7}

- complementar:
Sejam os conjuntos A = {2,3,5} e B = {0,2,3,4,5,8}. Notamos que A C B (A
é um subconjunto de B). Vamos formar um novo conjunto, considerando os
elementos de B que não pertencem ao conjunto A, o qual indicaremos juntamente
com um traço acima da letra. Ä = {0,4,8}. Esse conjunto é denominado
complementar de A em B.
Dados dois conjuntos A e B, de modo que A C B, denomina-se complementar
de A em B o conjunto Ä formado pelos elementos de B que não pertencem a A.
Então:
A = {1,6}
B = {1,2,3,6,8}
Ä = {2,3,8}

- diferença:
Considere os conjuntos A = {0,1,2,3} e B = {2,3,4,5,6}. Determinando um
conjunto C, formado por todos os elementos de A que não pertencem a B, temos C
= {0,1}. O conjunto C, assim formado, denomina-se diferença entre A e B, que se
indica A - B. Assim:
A = {0,1,2,3}
B = {2,3,4,5,6}
A - B = {0,1}

CONJUNTOS NUMÉRICOS (N,Z,Q,R)


CONJUNTO N (NÚMEROS NATURAIS)
-

adição:
Adição é a operação que faz corresponder a um par ordenado de números
dados um único número, que é a soma do primeiro com o segundo. Os números
somados são denominados parcelas e o resultado é denominado soma. Para somar-
se 3 ou mais números deve-se somar primeiro dois, depois soma-se o resultado
com o terceiro. Ex: 12+34+41 = 46+41 = 87.
As propriedades estruturais da adição são:
a)fechamento: a soma de dois números naturais é sempre um número
natural. Ex: 8+4=12 se 8 E N, 4 E N, (8+4) E N;
b)comutativa: a ordem das parcelas não altera a soma. Ex: 7+5=12,
5+7=12.
c)elemento neutro: o elemento neutro da adição é o zero. Adicionando 0 a
um número natural, o seu resultado é sempre o próprio número natural. Ex:
7+0=7;
d)associativa: a adição de 3 parcelas pode ser feita, associando-se as duas
primeiras ou as duas últimas parcelas, indiferentemente. Ex: 6+4+10 = 10+10 =
20, 6+4+10 = 6+14 = 20;
As outras propriedades da adição são:
e)cancelamento: se a+10 = b+10, então a=b. Se x+4 = 5+4, então x=5;
f)aditiva: se a=b, então a+10 = b+10. Se a=10 e b=5, então a+b = 10+5
- subtração:
É a operação que determina a diferença entre dois números. A diferença
entre dois números naturais só existe quando o primeiro número é maior ou igual
ao segundo. Assim, o 1° número é o minuendo, o 2° é o subtraendo eo resultado é
chamado de diferença;

- multiplicação:
É a operação que consiste em adicionar parcelas iguais. Ex: na soma
5+5+5+5 existem 4 parcelas iguais, nesse caso o número 5. Na multiplicação, a
sentença ficaria 5.4. Tanto a soma quanto a multiplicação dão o mesmo resultado
(20), mas a multiplicação torna-se muito mais rápida quanto maior for o número de
parcelas. Os números que se multiplicam chamam-se fatores e o resultado da
multiplicação é o produto.
Convém notar que a multiplicação de qualquer número por 0 dá 0 mesmo,
pois significa que o número não foi somado nenhuma vez.
As propriedades estruturais da multiplicação são:
a)fechamento: o produto de dois números naturais é sempre um número
natural. Ex: 5.2=10, 5 E N, 2 E N e (5.2) E N;
b)comutativa: a ordem dos fatores não altera o produto. Ex: 5.3=15,
3.5=15;
c)elemento neutro: o número 1 é o elemento neutro da multiplicação porque
qualquer número multiplicado por 1 dá como resultado o próprio número. Ex:
6.1=6, 19991.1=19991;
d)associativa: numa multiplicação de 3 fatores, pode-se associar os dois
primeiros ou os dois últimos, indiferentemente. Ex: 5.2.3=10.3=30, 5.2.3=5.6=30;
e)distributiva da multiplicação em relação à adição (ou à subtração): o
produto de um número por uma soma (ou diferença) pode ser obtido multiplicando-
se o número por cada um dos termos da soma (ou diferença) e adicionando-se (ou
subtraindo-se) os produtos parciais. Ex: (3+5).2=3.2+5.2, 4.(7-3)= 4.7-4.3;
Outras propriedades:
f)cancelamento: se a.5 = 4.5, então a=4. Se x.2=y.2, então x=y. Se o fator
que aparece nos dois membros é 0, não vale o cancelamento: 2.0=5.0, então 2=5,
o que é falso.
g)multiplicativa: se a=b, então a.5=b.5. Se a=3 e b=2, então a.b=3.2;

- divisão:
É a operação que divide exatamente ou aproximadamente dois um número
pelo outro. O número que é dividido é o dividendo. O número pelo qual o dividendo
é dividido é o divisor. O resultado é o quociente e o que sobra é o resto.
A divisão é exata quando o resto é igual a zero. Ex: 20 : 5 = 4. Nem sempre
podemos realizar a divisão exata em N e não existe a divisão por zero. Ex: na
divisão 10 : 0, vemos que não há número que multiplicado por 0 dê 10, pois
qualquer número multiplicado por zero é igual a zero mesmo.
A divisão é aproximada ou inexata quando o resto é diferente de zero. Deve-
senotar que o resto deve ser sempre menor que o divisor, do contrário a conta está
errada. Ex: 43 : 8 = 5 e sobram 3.
A única propriedade estrutural que vale na divisão é a distributiva da divisão
exata em relação à adição (ou à subtração). Ex: (20+12):4=20:4+12:4, (18-
6):6=18:6-6:6.

- potenciação:
É um produto de fatores iguais: 3.3.3.3.3 = 3 elevado a 5° = 243. O fator
que se repete denomina-se base, o número que indica quantas vezes o fator se
repete é o expoente e o resultado chama-se potência.
Veja algumas convenções e casos particulares da potenciação:
a)toda potência de expoente 1 é igual à base (a elevado a 1 = a);
b)toda potência de expoente 0 é igual a 1 (a elevado a 0 = 1);
c)uma potência de base zero e expoente diferente de zero é igual a zero
(0ü=0);
d)uma potência de base 1 e expoente diferente de zero é igual a 1 (1ü=1);
e)qualquer potência de base 10 é igual ao algarismo 1 seguido de tantos
zeros quantas forem as unidades do expoente (10 elevado a 2 = 100, 10 elevado a
4 = 10000);

- raiz quadrada:
Para se achar a raiz quadrada de um número natural, basta achar um
segundo número natural que elevado ao quadrado seja igual o número dado. Ex:
raiz de 9 = 3, pois 3²=9, raiz de 144=12, pois 12²=144. Nem todo número natural
é quadrado de outro; por exemplo, 7 não é quadrado de nenhum número natural.
Os números naturais que são quadrados de outros denominam-se números
quadrados perfeitos e somente eles possuem raiz quadrada exata. Por exemplo, os
números 1,4,9,16,25,36,49,64,81,100 são quadrados perfeitos.

- expressões numéricas:
Toda expressão numérica pode ser expressada por um único número. Basta
efetuar as operações indicadas na expressão. Essas operações devem ser
executadas em uma determinada ordem:
1°) efetuamos as potenciações e as radiciações;
2°) efetuamos as multiplicações e as divisões, obedecendo a ordem em que
aparecem (da esquerda para a direita);
3°) efetuamos as adições e as subtrações, obedecendo a ordem em que
aparecem;
Se na expressão houver parênteses, colchetes ou chaves, a simplificação
deve começar pelas expressões contidas no interior de cada sinal de associação, a
partir do mais interno para o mais externo e só depois de eliminarmos todos eles é
que começamos a simplificar a expressão.
Calcular o valor das expressões numéricas:
1) 2^5 +2.(3³:9-1) =
= 32+2.(27:9-1) = 32+2.(3-1) =
= 32+2.2 = 32+4 = 36

2) 5³ -4.[16+(2³ -3).2] =
= 125-4.[16+(8-3).2] =
= 125-4.[16+5.2] = 125-4.[16+10] =
= 125-4.26 = 125-104 = 21

CONJUNTO Z
(N°s INTEIROS POSITIVOS E NEGATIVOS)
No conjunto Z a adição é feita normalmente, somente há o acréscimo de mais
uma propriedade, a do elemento oposto o simétrico, pela qual 7+(-7)=0, -5+5=0.
Quando numa adição, acontecer casos desse tipo, podemos eliminarmos essas
parcelas. Ex: -10+3-8-3 = -10-8 = -18.
A subtração é feita invertendo-se o sinal do subtraendo. Ex: 5-(+4) = 5-4=1,
5-(-2) = 5+2=7. No conjunto N, se o minuendo fosse menor que o subtraendo, a
subtração era impossível (4-6=?), mas no conjunto Z é possível (4-(+6)=4-6=-2).
Assim, a subtração e a adição podem ser consideradas uma única operação, a
adição algébrica, cujo resultado chama-se soma algébrica.
Numa soma algébrica, os parênteses que contem uma soma de números
inteiros e que são precedidos pelo sinal +, podem ser eliminados juntamente com o
sinal que o precedem. Ex: 6+(-3+1) = 6-3+1=7-3=4. Se forem precedidos pelo
sinal - , podem ser eliminados juntamente com o sinal que o precedem e trocando-
se os sinais dos números que estão em seu interior. Ex: 6-(-3+1) = 6+3-1=9-1=8.
Na muliplicação e na divisão, a única diferença é o jogo de sinais. Se os sinais
forem iguais, o sinal do resultado vai ser positivo, se forem diferentes, o sinal do
resultado vai ser negativo. Numa multiplicação de 3 ou mais fatores, o jogo de
sinais e a multiplicação vão sendo feitos de dois em dois. Ex: +6.+3=+18, -6.-
3=+18, 5.-4.+2=-20.+2=-40.
As propriedades estruturais da multiplicação permanecem as mesmas.
Na potenciação, as regras são as mesmas que no conjunto N, exceto no jogo
se sinais. Quando o expoente for par, qualquer que seja o sinal da base, o sinal do
resultado é sempre positivo. Se o expoente for ímpar, o sinal do resultado será
sempre igual ao da base. Ex: -2²=+4, -2³=-8.
No conjunto Z, a potenciação apresenta 4 propriedades:
a)produto de potências de mesma base: conserva-se a base e soma-se os
expoentes: (-2)².(-2)^4 = (-2)^6;
b)quociente de potências de mesma base: conserva-se a base e subtrai-se os
expoentes: (6)^5 : (6)² =6³;
c)potência de uma potência: conserva-se a base e multiplicam-se os
expoentes: [(10)²]^5 = (10)^10;
d)potência de um produto (ou de um quociente): eleva-se cada fator à
potência considerada: [(6).(-5)]² = (6)².(-5)²;
As raizes quadradas no conjunto Z só são possíveis quando o radicando for
positivo, pois nenhum número elevado ao quadrado resulta num número negativo.
Ex: raiz de 9 = 3, raiz de -9 = ?. As raízes possuem duas respostas (3²=9 e -
3²=9), mas consideramos geralmente somente a resposta positiva.

CONJUNTO Q
(N°s RACIONAIS POSITIVOS E NEGATIVOS)
Todas as operações são idênticas as do conjunto Z. Para representar-se
decimalmente um número fracionário, é só dividir o numerador pelo denominador.
Quando a divisão apresenta resto e algum algarismo ou grupo de algarismos se
repetem indefinidamente no quociente, temos uma dízima periódica.
A dízima periódica é representada por algumas repetições do período e depois
reticências. Um número decimal não se altera quando se acrescentam ou se
suprimem um ou mais zeros à direita de sua parte decimal.
Para escrever-se um número decimal em forma fracionária é só seguir o
esquema:
- o numerador é o número decimal sem a vírgula;
- o denominador é o algarismo 1 seguido de tantos zeros quanto forem as
ordens decimais do número.
A única diferença na multiplicação é a inclusão da propriedade do elemento
inverso, segundo a qual multiplicando-se um número (x) pelo seu inverso (1/x) o
resulatdo é 1.
A única diferença em relação à potenciação é o caso em que o expoente é um
número inteiro negativo. Nesse caso, a potência é igual ao inverso do número dado,
elevado ao mesmo expoente, agora positivo. Ex: 10-²= 1/10²=1/100, 5^-3 = 1/5³
= 1/125.

CONJUNTO R
(N°s REAIS (RACIONAIS E IRRACIONAIS))
As operações do conjunto Q são todas válidas no conjunto R.

EQUAÇÕES E PROBLEMAS DO 1° GRAU COM UMA VARIÁVEL


Denomina-se equação toda sentença matemática aberta (desconhecimento
de um ou mais termos) expressa por uma igualdade. Toda letra que representa um
elemento desconhecido de uma equação é denominada variável ou incógnita da
equação. Conjunto universo é um conjunto formado por todos os valores pelos
quais a variável pode ser substituída e conjunto solução ou verdade é o conjunto
constituído por todos os elementos do conjunto universo dado, que tornam
verdadeira a equação.
Todos os elementos do conjunto solução são as raízes da equação. A equação
pode não ter raízes num determinado conjunto universo. Ex: x+1/3=0 U=Z S=ø,
porque a equação não tem raiz no conjunto Z, pois o número que torna verdadeira
a equação é -1/3 e -1/3 não pertence a Z.
Numa equação, pode-se mudar qualquer termo de um membro para o outro,
desde que se troque o sinal desse termo. Ex: x+5=3; x=3-5; x=-2. Dividindo-se os
dois membros da equação pelo coeficiente da variável (n° que acompanha a
variável e quando esta é diferente de zero), obtém-se uma equação mais simples
que a primeira. Ex: 3x=12; x=4.
Quando todos os termos de uma equação tem o mesmo denominador, este
poderá ser cancelado. Quando a variável apresenta um sinal negativo, é
aconselhável trocar esse sinal. Para fazer isso, é só multiplicar por -1 ambos os
membros da equação. Ex: -x=7; x=-7.
Para se resolver uma equação do 1° grau, devemos antes eliminar todos os
parênteses, colchetes e chaves. Depois, se a equação contiver números
fracionários, reduzir as frações a termos semelhantes. Depois reduzir os termos
semelhantes até chegar à equação reduzida a forma ax=b. Aí dividem-se os dois
membros por a e descobre-se o valor de x.
Resolver a equação:
1/2(x+3)-1/5(x-1)=2, sendo U=Q
el. par. x/2+3/2-x/5+1/5=2
red. fr. 5x/10+15/10-2x/10+2/10=20/10
crt. dn. 5x+15-2x+2=20
rd. trm. 3x=3
simp. x=1 , então S={1}

Alguns casos particulares:


1°) quando a equação chega a 0x=n (n=número qualquer dif. de 0), e o
conjunto universo é Q, o conjunto S é vazio, pois não existe valor racional de x que
torne a igualdade verdadeira;
2°) quando a equação chega a 0x=0, sendo U=Q, S=Q, pois qualquer valor
racional de x torna a equação verdadeira.

Alguns problemas:
1) A soma do dobro de um número com 17 é igual a 45. Calcular esse
número.
número procurado - x
equação - 2x+17=45
resolução - 2x=45-17 - 2x=28 - x=14

2) A metade de um número aumentada de 15 é igual ao dobro do mesmo


número menos 45. Determinar esse número.
número procurado - x
equação - x/2+15=2x-45
resolução - x/2+30/2=4x/2-90/2 - x+30=4x-90 - x-4x=-90-30 - (-1).-3x=-
120.(-1) - 3x=120 - x=40

3) A soma de dois números é 420. O maior deles é igual ao menor mais 60.
Determinar esses dois números.
número menor - x n° maior - x+60
equação - x+(x+60)=420
resolução - x+x+60=420 - 2x=360 - x=180 - x+60=240
n° menor = 180 n° maior = 240

4) A soma de dois números é 56. O maior deles é igual ao triplo do menor.


Determine os dois números.
n° menor - x n° maior = 3x
equação - x+3x=56
resolução - 4x=56 - x=14
n° menor = 14 n° maior = 42

5) A soma de dois números é 97, e a diferença entre eles é 31. Quais são os
dois números ?
n° maior - x n° menor - x-31
equação - x+(x-31)=97
resolução - x+x-31=97 - 2x=97+31 - 2x=128 - x=64
n° maior = 64 n° menor = 33

6) A soma de 3 números é 47. Sabe-se que o segundo supera o primeiro em


7 unidades, e o terceiro supera o segundo em 3 unidades. Determinar os 3
números.
1°n° - x 2°n° - x+7 3°n° - x+7+3
equação - x+(x+7)+(x+10)=47
resolução - x+x+7+x+10=47 - 3x=47-17 - 3x=30 - x=10
1°n° = 10 2°n° = 17 3°n° = 20

INEQUAÇÕES DO 1° GRAU COM 1 VARIÁVEL


Toda sentença matemática aberta, expressa por uma desigualdade, é uma
inequação. O processo de resolução é muito parecido com o da equação do 1° grau,
exceto quando multiplicamos ambos os termos por -1 o sinal da equação inverte-se.
Exs:
Resolver a inequação:
3(2x-1)+10>7(x+2), sendo U=Q
el. par. 6x-3+10>7x+14
rd. trm. 6x-7x>14+3-10
-x>+7
mult. -1 x<-7 , então S={xEQ, x<-7}

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA
Para representarmos graficamente uma função do primeiro grau, devemos
formar pelo menos dois pares ordenados, pois esta função é sempre representada
por uma reta.
Chutamos dois valores de x, substituimos esses valores de x na equação e
achamos os valores de y correspondentes aos de x. Depois, é só determinar esses
dois pontos (x,y) no plano cartesiano e ligá-los por uma reta.

SISTEMAS DE EQUAÇÕES DO 1° GRAU COM DUAS VARIÁVEIS:


RESOLUÇÃO GRÁFICA E ALGÉBRICA
Um sistema de equações é formado por equações em que os valores das
variáveis tem que tornar todas verdadeiras. Veja agora a resolução algébrica de
sistemas de equações:
- resolução algébrica:
a)método da adição:
Esse método é possível quando os coeficientes de uma das variáveis são
opostos. Então adicionamos membro a membro da equação, com o propósito de
eliminar uma das variáveis descobrindo o valor da outra.
Com esse valor, podemos facilmente descobrir o valor da variável eliminada,
substituindo-o em qualquer uma das equações. Ex:
Resolver o sistema x+y=20 e x-y=6:
x+y=20
x-y=6
--------
2x=26 - x=13
13+y=20 - y=20-13 - y=7
S={(13,7)}

b)método da substituição:
Em primeiro lugar, devemos pegar uma das equações e isolar uma das
variáveis (x), determinando o seu valor.
Depois, substituímos o valor dessa variável (x) na outra equação, no lugar
dessa variável (x) e determinamos a outra variável (y). Após, pegamos o valor da
outra variável (y), substituímos em qualquer equação e determinamos a primeira
variável (x).
Resolver o sistema:
- x+y=4
- 2x+y=7
isol. x - x+y=4 - x=4-y
subs. out. eq. - 2x+y=7
2(4-y)+y=7
8-2y+y=7
-y=-1 - y=1
determ. x - x+y=4 - x+1=4 - x=3
S = {(3,1)}
Notamos que o conjunto solução é formado pelo par ordenado x e y.

c)método da comparação:
Em primeiro lugar, determinamos o valor de x na primeira e na segunda
equações. Depois, formamos outra equação igualando os dois valores.
Determinamos o valor de y. Com o valor de y, determinamos o valor de x em
qualquer equação.
Resolver o mesmo sistema:
da 1°, vlr de y - x+y=4 - y=4-x
da 2°, vlr de y - 2x+y=7 - y=7-2x
igual. vlrs - 4-x=7-2x
determ x - -x+2x=7-4
+x=3
determ y - x+y=4 - 3+y=4 - y=1
S = {(3,1)}

- resolução gráfica:
A resolução gráfica é assim: pega-se a primeira equação, substitui-se nela
valores de x achando-se valores de y, formando pares ordenados. Faz-se o mesmo
com a 2° equação.
Colocam-se os pontos da 1° equação no plano cartesiano e ligam-nos
formando uma reta. O mesmo com a 2° equação. O ponto onde as duas retas se
cruzaram é a solução do sistema.

RAZÕES, PROPORÇÕES E GRANDEZAS PROPORCIONAIS


PROPRIEDADES DAS PROPORÇÕES
Estudemos primeiro alguns elementos das proporções. Tomemos por base a
proporção 6/9=12/18. Os números 9 e 12 são os meios da proporção e os números
6 e 18 são os extremos. O 6 e o 12 são os antecedentes da proporção e os números
9 e 18 os consequentes.
A propriedade fundamental das proporções tem tudo a ver com esses
elementos. Diz o seguinte: o produto dos extremos é igual ao produto dos meios, e
vice-versa. Isso vale para qualquer proporção. Na proporção estudada
anteriormente, 6/9=12/18, o produto dos extremos (6 e 18) é igual a 108 e o
produto dos meios (9 e 12) é também igual a 108. A proporção está correta.
Essa propriedade é extremamente útil em certos casos, como no teorema de
Tales, como veremos mais adiante, e na procura de um elemento desconhecido. Ex:
Seja a proporção 10/5 = 8/x. Para determinarmos x aplicamos a propriedade
fundamental: 10x=40 - x=4.
As proporções apresentam muitas outras propriedades, tais como:
a)1° propriedade: diz que em toda proporção, a soma (ou a diferença) dos
dois primeiros termos está para o primeiro (ou para o segundo), assim como a
soma (ou a diferença) dos dois últimos termos está para o terceiro (ou para o
quarto). Ex: seja a proporção 5/4=10/8 - 5+4/4=10+8/8 - 9/4=18/8 - 72=72.
b)2° propriedade: diz que em toda a proporção, a soma (ou a diferença) dos
antecedentes está para a soma (ou a diferença) dos consequentes, assim como
cada antecedente está para seu consequente. Ex: 10/8=5/4 - 10+5/8+4=5/4 -
15/12=5/4 - 60=60.

Vejamos algumas aplicações das propriedades:


1) Determinar x e y na proporção x/y=3/4, sabendo-se que x+y=28.
resolução: x+y/y=3+4/4 - 28/y=7/4 - 7y = 112 - y=16 - x+16=28 - x=12

2) A razão entre dois números é de 5 para 2, e a diferença entre eles é 60.


Determine-os.
representação: x/y=5/2
x-y=60
resolução: x-y/x=5-2/5 - 60/x=3/5 - 3x=300 - x=100 - 100-y=60 - y=40

3) Sabendo-se que a/3 e b/2 e a+b=30, determinar a e b.


resolução: a/3=b/2 - a+b/3+2=b/2 - 30/5=b/2 - 5b=60 - b=12 - a+12=30
a=18

Para resolver-se proporções múltiplas (com 3 ou mais razões) aplica-se a 2°


propriedade.
Ex: Seja a proporção x/3=y/5=z/2 sabendo que x+y+z=200. Determinar x, y
e z:
resolução de x: x+y+z/3+5+2=x/3 - 200/10=x/3 - 10x=600 - x=60.
resolução de y: x+y+z/3+5+2=y/5 - 200/10=y/5 - 10y=1000 - y=100
resolução de z: 60+100+z=200 - z=40

REGRA DE TRÊS SIMPLES


Antes de aprendermos a regra de três simples, convém aprendermos algo
sobre grandezas proporcionais:
- grandezas diretamente proporcionais: são diretamente proporcionais
quando ao dobro, ao triplo ... de uma, corresponde o dobro, o triplo ... da outra. A
razão entre os dois valores de uma é igual à razão entre os dois valores
correspondentes da outra;
Ex: quant (kg) preço (R$)
1 10
2 20
3 30
1/2=10/20, 2/3=20/30, etc.

- grandezas inversamente proporcionais: são inversamente proporcionais


quando ao dobro, ao triplo ... de uma, corresponde a metade, a terça parte ... da
outra. A razão dos dois valores de uma é igual ao inverso da razão dos dois valores
correspondentes da outra;
Ex: veloc (km/h) tempo (h)
40 6
80 3
120 2
40/80 e 6/3,40/120 e 6/2,80/120 e 3/2
Vemos que uma razão é igual ao inverso da outra:
40/80=3/6, 40/120=2/6, 80/120=2/3

Aprenderemos, agora, a resolver problemas que relacionam dois valores de


uma grandeza A com dois valores de uma grandeza B, chamados problemas de
regra de três simples. Resolver esses problemas significa determinar um desses
quatro valores, conhecendo os outros 3.
Representaremos por a1 e a2 os dois valores da grandeza A e por b1 e b2 os
dois valores da grandeza B. Quando as grandezas são diretamente proporcionais,
escrevemos a proporção: a1/a2=b1/b2. Quando as grandezas são inversamente
proporcionais, escrevemos a proporção a1/a2=b2/b1. Vejamos alguns exemplos:

1) Uma máquina, trabalhando durante 40 minutos, produz 100 peças.


Quantas peças iguais a essas serão produzidas pela máquina em 2h30min ?
tempo produção
40 100
150 x
As grandezas são diretamente proporcionais, pois, dobrando-se o tempo de
funcionamento, o número de peças produzidas também dobrará. Então:
resolução: 40/150=100/x - 40x-15000 - x=375.

2) Para realizar um serviço de terraplanagem, 4 máquinas levam 15 dias. Em


quantos dias 6 máquinas iguais às primeiras fariam o mesmo serviço ?
n° maq tempo
4 15
6 x
As grandezas são inversamente proporcionais, pois, dobrando-se o número
de máquinas, o tempo gasto para fazer o mesmo serviço fica reduzido à metade.
Então:
resolução: 4/6=x/15 - 6x=60 - x=10

PORCENTAGEM
Denomina-se razão centesimal ou porcentual toda razão cujo consequente é
igual a 100. Uma razão comum, como por exemplo 3/4, pode ser transformada em
razão porcentual, procedendo-se da seguinte maneira: 3/4 - 0,75 - 75/100 - 75%.
Vamos ver agora alguns exemplos de problemas relacionados com porcentagem.
1) Calcular 12% de R$ 500,00.
12% = 12/100 = 0,12
12% de 500 - 0,12.500 = 60
R$ 60,00

2) O preço de uma mercadoria é de R$ 65.000,00. Para pagamento a vista,


há um desconto de 15%. Calcular a quantia referente ao desconto e o preço da
mercadoria para pagamento a vista.
15% de 65000 - 0,15.65000 = 9750
65000-9750 = 55250
O desconto é de R$ 9.750,00.
O preço é de R$ 55.250,00.
3) O salário de uma pessoa é de R$ 800,00 e sofreu um reajuste de 52,5%.
Qual o novo salário da pessoa ?
52,5% de 800 + 800
800.1,525 = R$ 1220,00

4) 324 alunos representam quantos % de 1200 alunos ?


324/1200=x/100 - 1200x=32400 - 12x=324 - x=324/12 - x=27 - 27%

5) Ao comprar um aparelho, cujo preço era de R$ 1500,00, obtive um


desconto de R$ 180,00. De quantos % foi o índice de desconto ?
180/1500=x/100 - 15x=180 - x=180/15 - x=12 - 12%

6) Em outubro de 1984, o litro de gasolina custava R$ 1,12. Em novembro do


mesmo ano, houve um aumento e o litro de gasolina passou a custar R$ 1,38. Qual
foi a porcentagem do aumento ?
aumento = 1,38-1,12 = 0,26
0,26/1,12=x/100 - 1,12x=26 - x=26/1,12 = x=23,2 (aprox) - 23,2%

7) R$ 7200,00 representam 8% de uma quantia x. Quan é o valor de x?


7200/x=8/100 - 8x=720000 - x=90000 - R$ 90.000,00.

8) Na compra de um livro obtive desconto de R$ 30,00, o que representa


15% do preço total do livro. Qual é o preço total do livro ?
30/x=15/100 - 15x=3000 - x=200 - R$ 200,00

FRAÇÕES EQUIVALENTES
Duas ou mais frações que representam a mesma parte de um todo são
equivalentes. A propriedade fundamental das frações equivalentes é a que diz que
multiplicando (ou dividindo, se possível), os termos de uma fração por um mesmo
número natural, diferente de zero, obtemos uma fração equivalente a fração dada.
Seja a fração 1/3. aplicando a propriedade fundamental, podemos escrever o
conjunto das frações equivalentes a 1/3: C (1/3) = {1/3, 2/6, 3/9, 4/12, 5/15,
6/18, 7/21 ...}.
O conjunto de frações equivalentes a uma fração dada denomina-se classe de
equivalência dessa fração. Cada classe de equivalência é chamada número racional,
cujo numeral é qualquer fração da classe.

REGRA DE TRÊS COMPOSTA


Estudaremos agora problemas que relacionam 3 ou mais grandezas:
1) 4 operários produze, em 10 dias, 320 peças de certo produto. Quantas
peças desse mesmo produto serão produzidas por 10 operários em 16 dias ?
° op. n° dias n° peças
4 10 320
10 16 x
Para verificar a proporcionalidade, consideremos separadamente a grandeza
que possui a variável com cada uma das outras grandezas. Assim:
- número de operários e número de peças são grandezas diretamente
proporcionais.
- número de dias e número de peças são grandezas diretamente
proporcionais.
Escrevemos a proporção igualando a razão que contem o termo desconhecido
com o produto das outras razões:
320/x=10/16.4/10 - 320/x=1/4 x=1280 - serão produzidas 1280
peças.

2) 18 operários, trabalhando 7 horas por dia, fazem determinado serviço em


12 dias. Em quantos dias, 12 operários que trabalham 9 horas por dia farão serviço
idêntico ?
n° op n° horas n° dias
18 7 12
12 9 x
- número de operários e número de dias são grandezas inversamente
proporcionais, então invertemos a razão.
- número de horas e número de dias são grandezas inversamente
proporcionais, então invertemos a razão.
12/x=12/18.9/7 - 12/x=6/7 6x=84 - x=14 - Em 14 dias.

EXPRESSÕES ALGÉBRICAS
MONÔMIOS E POLINÔMIOS
- monômios;
Todo produto de números reais, expresso ou não por variáveis (letras), é
denominado monômio. Num monômio, destacamos:
a)a parte numérica, denominada coeficiente numérico;
b)a variável ou produto das variáveis (inclusive, seus expoentes) denominada
parte literal.
Ex: 2x (2-coef.num. x-parte lit), -2/5mn (-2/5-coef.num mn-literal).
Quando existe apenas a parte literal (x, y...), o seu coeficiente numérico é 1,
se for positiva, e -1, se for negativa. Isso porque o número 1 é o elemento neutro
da multiplicação. Quando o coeficiente de um monômio é zero, o monômio
representa sempre o número real zero e é chamado monômio nulo (0x=0, 0ab=0).
Todo número real é um monômio sem parte literal (-1/3, 5, -8).
Dois ou mais monômios são denominados semelhantes quando tem a mesma
parte literal, ou não tem parte literal. O grau de um monômio, com coeficiente não
nulo, é dada pela soma dos expoentes da parte literal.
Vejamos algumas operações com monômios:
a)soma algébrica:
Numa expressão algébrica, se todos os monômios ou termos são
semelhantes, podemos simplificar a expressão, somando algebricamente os
coeficientes e mantendo a parte literal. Ex: 6a+7a-10a-13a = -10a, -4mn²+9mn²-
5mn²=0mn²=0
Quando somamos algebricamente os monômios semelhantes que existem
numa expressão, simplificando-a, dizemos que estamos reduzindo os termos
semelhantes.
b)multiplicação, divisão e potenciação:
Calculamos o produto (ou o quociente, ou a potência) dos coeficientes
numéricos. Depois calculamos o produto (ou o quociente, ou a potência) das partes
literais, aplicando, quando possível, a propriedade do produto (ou do quociente, ou
da potência) de potências de mesma base.
- polinômios:
Polinômios são somas algébricas de monômios. Cada monômio que compõe o
polinômio chama-se termo do polinômio. Quando temos um polinômios em que haja
termos semelhantes, podemos reduzi-lo, para torná-lo menor: x²+5xy-y²-xy+4y² =
x²+4xy+3y².
O grau do polinômio reduzido não nulo é dado pelo seu termo de maior grau,
não nulo. Vejamos algumas operações com polinômios:
a)soma algébrica:
Eliminam-se os parênteses e reduz-se os termos semelhantes;
b)multiplicação:
Para multiplicarmos um polinômio por outro polinômio, devemos multiplicar
cada termo de um deles por todos os termos dos outros e reduzir os termos
semelhantes, se for possível.
c)divisão:
Para dividirmos um polinômio por um monômio, não nulo, devemos dividir
cada termo do polinômio por esse monômio.
Para dividirmos um polinômio por outro polinômio, devemos fazer o seguinte:
seja determinar (3x²+2x-4):(x-1)
1) dividimos o primeiro termo do dividendo pelo primeiro termo do divisor,
obtendo o primeiro termo do quociente.
2) multiplicamos o 1° termo do quociente pelo divisor inteiro e escrevemos
com sinal invertido abaixo do dividendo, da esquerda para a direita.
3) fazemos a redução dos termos semelhantes, no dividendo.
4) repetimos a operação, considerando como dividendo o primeiro resto
parcial.
5) prosseguimos da mesma forma até o primeiro termo do resto não ser
divisível pelo 1° termo do divisor.
Quando os polinômios não forem completos, devemos escrevê-los na forma
geral: x^4-1 fica x^4 + 0x³ + 0x² + 0x - 1

OPERAÇÕES COM EXPRESSÕES ALGÉBRICAS


As operações com expressões algébricas resumem-se em determinar o seu
valor numérico e determinar o valor numérico para o qual a expressão algébrica
fracionária não representa número real:
- determinar o valor numérico:
Para determinar o valor numérico, devemos substituir a variável pelo valor
que o exercicío declara. Ex:
Determinar o valor numérico da expressão a²-2b, quando a=-3 e b=-2:
(-3)²-2(-2) = 9+4 - V.N. = 13

- determinar o valor para o qual a expressão algébrica fracionária não retorna


número real:
Do modo prático, igualamos o seu denominador a zero, e resolvemos a
equação obtida. Ex:
Qual é o valor real de x para o qual a expressão algébrica x-3/2x-1 não
representa número real ?
2x-1=0 - 2x=1 - x=1/2
PRODUTOS NOTÁVEIS
Os principais produtos notáveis são:
a)quadrado da soma de dois termos: é igual ao quadrado do primeiro termo,
mais duas vezes o produto do primeiro pelo segundo, mais o quadrado do segundo
termo: (a+b)² = a²+2ab+b²;
b)quadrado da diferença de dois termos: é igual ao quadrado do primeiro
termo, menos duas vezes o produto do primeiro pelo segundo, mais o quadrado do
segundo: (a-b)² = a²-2ab+b²;
c)produto da soma de dois termos pela sua diferença: é igual ao quadrado do
primeiro termo menos o quadrado do segundo: (a+b).(a-b) = a²-b²;
d)cubo da soma de dois termos: é igual ao cubo do primeiro termo, mais 3
vezes o produto do quadrado do primeiro pelo segundo, mais 3 vezes o produto do
primeiro termo pelo quadrado do segundo, mais o cubo do segundo: (a+b)³ = a³ +
3a²b + 3ab² + b³;
e)cubo da diferença de dois termos: é igual ao cubo do primeiro termo,
menos 3 vezes o produto do quadrado do primeiro pelo segundo, mais 3 vezes o
produto do primeiro termo pelo quadrado do segundo, menos o cubo do segundo:
(a-b)³ = a³ - 3a²b + 3ab² - b³;

FATORAÇÃO
Fatorar um número ou uma expressão significa decompor o número ou a
expressão num produto indicado. Existem muitos casos de fatoração de polinômios,
sendo que o primeiro caso deve ter prioridade de resolução sobre os outros.
a)1° caso: colocação de um fator comum em evidência:
Coloca-se em evidência o MDC entre os termos do polinômio, abre-se os
parênteses, divide-se cada termo do polinômio pelo MDC e vai-se colocando dentro
dos parênteses. Ex:
5x+10y = 5(x+2y)
a³-a² = a²(a-1)

b)2° caso: agrupamento:


É possível quando o polinômio tem 4 termos e não existe um fator comum
aos quatro, mas existem um fator comum para dois termos e outro fator comum
diferente do primeiro para os outros dois termos. Ex:
ab-ac+2b-2c = a(b-c)+2(b-c) = (a+2)(b-c)
Note que os parênteses tem que ser iguais nos dois fatores comuns, para
podermos reunirmos os fatores comuns em um parêntese e multiplicarmos pelo
outro.

c)3° caso: diferença de dois quadrados:


Quando há uma diferença de dois quadrados, a fatoração dá-se multiplicando
a soma das raízes pela diferença das raízes: a²-b² = (a+b)(a-b)

d)4° caso: trinômio do quadrado perfeito:


É possível quando o produto entre as raízes dos quadrados da expressão
vezes 2 for igual ao termo não quadrado. Essa fatoração é feita elevando-se ao
quadrado a soma (ou a diferença) entre as raízes. Ex:
a²+10ab+25b² = (a+5b)²
x²-4xy+4y² = (x-2y)²
MMC E MDC DE POLINÔMIOS
O mmc dos números dados é o produto dos fatores comuns e não comuns,
tomados cada um com o seu maior expoente. O mdc dos números dados é o
produto dos fatores comuns, tomados cada um com o seu menor expoente.
O mmc e o mdc de polinômios determina-se fatorando ambos os polinômios e
do jeito explicado acima. Ex:
Determinar o mdc e o mmc dos polinômios 4x² e 6x²-12x
4x² = 2².x²
6x²-12x = 6x(x-2) = 2.3.x(x-2)
mdc (4x², 6x²-12x) = 2x
mmc (4x², 6x²-12x) = 2².3.x²(x-2) = 12x²(x-12)

Determinar o mmc e o mdc dos polinômios x²-4 e x²+2x


x²-4 = (x+2)(x-2)
x²+2x = x(x+2)
mdc (x²-4, x²+2x) = x+2
mmc (x²-4, x²+2x) = x(x+2)(x-2)

Determinar o mdc e o mmc das expressões x-a, x²-a² e x²-2ax+a²


x-a = (x-a)
x²-a² = (x-a)(x+a)
x²-2ax+a² = (x-a)²
mdc = x-a
mmc = (x-a)².(x+a)

RADICAIS
CÁLCULOS COM RADICAIS
- simplificação de radicais:
Simplificar um radical significa transformá-lo em uma expressão mais simples
e equivalente ao radical dado. Existem vários casos de simplificação de radicais.
Vejamos alguns:
a)1° caso:
Podemos dividir o índice do radical e os expoentes de todos os fatores do
radicando por um mesmo número diferente de zero. Ex: 6raiz de10² = 6:2raiz
de10²:2 = 3raiz de10, 12raiz de2^6.x^9 = 4raiz de2².x³.
Existem casos em que devemos fatorar o radicando para, em seguida, efetuar
a divisão. Ex: 8raiz de16 = 8raiz de2^4 = raiz de2, 10raiz de36.x^4 = 10raiz
de2².3².x^4 = 5raiz de6.x²

b)2° caso:
Se um ou mais fatores do radicando tem o expoente igual ao índice do radical
dado, podemos retirar esse ou esses fatores do radicando, escrevendo-os como
fatores externos, sem o expoente. Ex: raiz de2².3 = 2.raiz de3, 3raiz de2³.x².y³ =
2.y.3raiz dex².
Em alguns casos, precisamos transformar, convenientemente, o radicando
num produto (usando produto de potências de mesma base) para poder retirar
fatores desse mesmo radicando. Ex: raiz dex³ = raiz dex².x = x.raiz dex, raiz
de3^5 = raiz de3^4.3 = 9.raiz de3. Em outros casos, devemos fatorar o radicando
e transformá-lo de modo conveniente para simplificar o radical. Ex: raiz de18 = raiz
de2.3² = 3.raiz de2.
Convém observar que a simplificação de radicais só pode ocorrer quando se
trata de fatores no radicando. Ex: raiz dea²+b² não é igual a a+b.

- introdução de um fator dentro do radical:


Um fator externo pode ser introduzido como fator no radicando bastando,
para isso, multiplicar seu expoente pelo índice do radical. Ex: 3.raiz de5 = raiz
de3².5 = raiz de45, a².3raiz dex = 3raiz dea^6.x.

- adição e subtração de radicais:


Se numa expressão houver radicais semelhantes (com o mesmo índice e
mesmo radicando), podemos reduzi-los a um só radical das seguintes maneiras:
a)1° caso: Todos os termos são radicais semelhantes.
Neste caso, podemos reduzir todos os termos a um só radical, somando
algebricamente os fatores externos dos radicais: 2.raiz de3 + 3.raiz de3 - 8.raiz de3
+ 5.raiz de3 = 2.raiz de3.
b)2° caso: Os radicais tornam-se semelhantes, retirando-se um ou mais
fatores do radicando: raiz de3 + raiz de12 = raiz de3 + raiz de2².3 = raiz de3 +
2.raiz de3 = 3.raiz de3.
c)3° caso: Existem apenas alguns termos semelhantes entre si:
Neste caso, efetuamos a redução dos termos semelhantes e mantemos
indicada a soma algébrica entre os termos que não são semelhantes: raiz de10 +
raiz de10 + raiz de3 = 2.raiz de10 + raiz de3.

- redução de radicais ao mesmo índice:


Na prática, para reduzirmos dois ou mais radicais ao mesmo índice, devemos
calcular o mmc dos índices, que será o índice comum e depis dividir o índice comum
pelo índice de cada radical e multiplicar o resultado da divisão pelos expoentes dos
respectivos radicandos. Ex:
Calcular o mmc entre 3raiz dex² e 4raiz dey³: mmc (4,3)=12, 12raiz dex^8,
12raiz dey^9.

- comparação de radicais:
Comparar dois radicais significa dizer qual dentre eles é o maior.
Estudaremos dois casos;
a)quando os radicais tem o mesmo índice, o maior é aquele que possui o
maior radicando: raiz de25 > raiz de9.
b)quando os radicandos tem índices diferentes, reduzimos os radicais ao
mesmo índice e recaímos no 1° caso.

- multiplicação ou divisão de radicais:


O produto (ou o quociente) de dois ou mais radicais de mesmo índice é um
radical que tem o mesmo índice dos fatores e cujo radicando é igual ao produto (ou
quociente) dos radicandos dos fatores: raiz de2 . raiz de3 = raiz de6.
Quando os radicais tem índices diferentes, devemos reduzi-los ao mesmo
índice antes de realizar a multiplicação (ou a divisão).

- potenciação:
Para obtermos a potência de um radical, devemos elevar os radicandos ao
resultado do produto de seus expoentes com o expoente da potência e depois
simplificar o radical, se possível. Ex: (raiz de2²)³ = raiz de2^6 = 2³ = 8.

- potências com expoente fracionário (de números positivos):


Todo radical pode ser escrito em forma de potência com expoente fracionário,
bastando-se para isso eliminar o radical e elevar o radicando a uma potência cujo
numerador seja o expoente do radicando e o denominador seja o índice do radical:
5raiz de10² = 10²/5.
Toda potência com expoente fracionário pode ser escrita em forma de radical,
bastando-se para isso criar uma raiz cujo radicando é a base da potência, o índice
seja o denominador e o numerador seja o expoente do radicando: 2^5/6 = 6raiz
de2^5.
Valem para as potências fracionárias as mesmas propriedades estudadas para
as potências com expoente inteiro. Assim, para calcularmos o valor de uma
potenciação com expoente fracionário, podemos escrevê-la na forma de radical e o
simplificarmos. Ex:
Determinar 16³/4
4raiz de16³ = 4raiz de2^4³ = 4raiz de2^12 = 2³ = 8.

- radiciação:
Para fazermos a raiz de uma raiz, devemos multiplicar os seus índices,
conservando o radicando. Em alguns casos, é conveniente introduzir todos os
fatores no radicando mais interno, antes de aplicar a regra acima. Ex:
raiz dex3raiz dey = raiz de3raiz dex³.y = 6raiz dex³.y

RAIZ DE UM NÚMERO REAL


Para acharmos a raiz de um número real, o método mais fácil é o da
simplificação de radicais. Primeiro fatoramos o radicando em fatores primos. Depois,
retiramos esses fatores do radical. Esse método funciona para qualquer índice:
Raiz cúbica de 729;
3raiz de729 = 3raiz de3^6 = 3² = 9
raiz de729 = raiz de3^6 = 3³ = 27
Apenas a raiz quadrada apresenta um método especial de resolução, embora
não possamos resolvê-la pelo método da simplificação.
Em primeiro lugar, separam-se os algarismos em grupos de dois da direita
para a esquerda. Extrai-se a raiz quadrada (exata ou aproximada) do número
formado pelo primeiro grupo formado à esquerda. Eleva-se essa raiz ao quadrado e
subtrai-se o resultado do primeiro grupo.
Escreve-se o segundo grupo ao lado do resto. Dobra-se o número escrito na
raiz. Nesse resto, separam-se dois algarismos e divide-os pela raiz dobrada.
Escreve-se o resultado ao lado da raiz dobrada e multiplica-se o número obtido pelo
resultado. Subtrai-se o número obtido do dividendo, obtendo zero ou resto.
Se der zero, a raiz é exata. Se der resto, deve-se ver se a operação pode ser
continuada. Caso contrário, a raiz é aproximada. Podemos aproximar a raiz
decimalmente, com uma, duas casas decimais. Para isso coloca-se uma vírgula na
raiz e dois zeros à direita do resto, continuando o processo.
Quando o número que se quer descobrir a raiz é decimal, extraímos a raiz
como se fosse número inteiro e colocamos a vírgula na raiz logo depois de abaixar o
primeiro grupo de decimais. Porém, se o número tem quantidade ímpar de casas
decimais, então devemos colocar um zero no fim do número, e resolver a raiz como
no 1° caso.

RACIONALIZAÇÃO DE DENOMINADORES IRRACIONAIS


Antes de passarmos à racionalização de denominadores irracionais, devemos
falar brevemente sobre fatores racionalizantes. Examinaremos 3 casos:
a)numa raiz quadrada, o fator racionalizante é a própria raiz quadrada: raiz
dea . raiz dea = raiz dea² = a;
b)numa raiz não quadrada, o fator racionalizante é a raiz de mesmo índice,
mesmo radicando mas com o expoente do radicando sendo igual à diferença entre o
índice e o expoente do radicando: 5raiz dea² . 5raiz dea³ = 5raiz dea^5 = a;
c)numa expressão que contenha raízes, o fator racionalizante é a mesma
expressão mas com o sinal invertido:
raiz dea - raiz deb é FR de raiz dea + raiz deb
raiz dea + raiz deb é FR de raiz dea - raiz deb
a + raiz deb é FR de a - raiz deb

Quando temos uma expressão fracionária com denominador irracional, é


costume simplificar a expressão, racionalizando-se o denominador. Para isso,
devemos multiplicar o numerador e o denominador pelo fator racionalizante do
denominador. Veremos alguns exemplos de casos simples:
1) Racionalizar o denominador da expressão 10/raiz de2:
10.raiz de2 / raiz de2.raiz de2 = 10.raiz de2 /2 = 5.raiz de2

2) Racionalizar o denominador da expressão x/2.raiz dex:


x.raiz dex / 2.raiz dex.raiz dex = x.raiz dex / 2x = raiz dex /2

3) Racionalizar o denominador da expressão 1/5raiz de10³:


1.5raiz de10² / 5raiz de10³ . 5raiz de10² = = 5raiz de10² / 5raiz
de10^5 = 5raiz de10² / 10

4) Racionalizar o denominador da expressão 2/raiz de7 + raiz de3


2 . (raiz de7 - raiz de3) / (raiz de7+raiz de3).(raiz de7-raiz de3) = =
2(raiz de7-raiz de3) / raiz de7² - raiz de3² = = 2(raiz de7-raiz de3) / 4 =
raiz de7-raiz de3 / 2

EQUAÇÕES E PROBLEMAS DO 2° GRAU


Existem 3 casos de resolução de equação do 2° grau;
a)o primeiro caso é quando a equação não possui o coeficiente que
acomoanha x, ou seja, é do tipo ax²+c=0:
Nesse caso, a resolução é feita passando-se o termo c para o outro membro
da equação. Depois passamos a potenciação para o outro membro em forma de
radiciação e resolvemos:
Ex: resolver a equação x²-16=0:
x²=16 - x=+-raiz de16 - x'=4 - x''=-4
S={4,-4}

b)o segundo caso é quando a equação é incompleta não possuindo o


coeficiente independente, ou seja, é uma equação do tipo ax²+bx=0.
Nesse caso, fatoramos a equação pelo primeiro caso, o fator comum. Depois,
igualamos ambos os dois fatores a 0, resolvemos as equações obtidas e achamos x'
e x''.
Ex: resolver a equação x²-4x=0:
x(x-4)=0 - x'=0 - x-4=0 - x''=4
S={4,0}

c)o terceiro caso é quando a equação é completa, ou seja, tem os coeficientes


a, b e c e é do tipo ax²+bx+c=0. Nesse caso procedemos assim:
1) redizimos os termos semelhantes até chegar à forma ax²+bx+c=0;
2) a seguir, calculamos o delta com a fórmula b²-4ac;
3) depois calculamos x' e x'', com a fórmula -b+-raiz dedelta / 2a.
Ex: resolver x²-5x+6=0:
delta = 25-24 = 1
-b+-raiz dedelta/2a = 5+-1/2
x' = 6/2 = 3 x'' = 4/2 = 2
S={2,3}

Agora vejamos alguns exemplos de problemas resolvidos por equações do 2°


grau:
1) A soma do quadrado com o dobro de um mesmo número real é igual a 48.
Calcular esse número:
número = x
equação: x²+2x=48
resolução: x²+2x-48=0
delta = 4+192 = 196
x = -2+-14/2
x' = -16/2 = -8
x'' = 12/2 = 6
Como 6 e -8 são números reais, ambos valem para a resposta.

2) A diferença entre certo número natural e o seu inverso é igual a 15/4.


Calcular esse número:
número = x
equação: x-1/x=15/4
resolução: 4x²-4=15x
4x²-15x-4=0
delta = 225 + 64 = 289
x = 15+-17/8
x' = 32/8 = 4
x'' = -2/8 = -1/4
Como o número -1/4 não é um número natural, só vale para a resposta o
número 4.

3) Dados dois números naturais, o maior supera o menor em 5 unidades.


Sabendo-se que o produto entre eles é 14, determine os dois números:
núm. menor = x
núm. maior = x+5
equação: x(x+5)=14
resolução: x²+5x-14=0
delta = 25+56 = 81
x = -5+-9/2
x' = -14/2 = -7
x'' = 4/2 = 2
O número -7 não é natural, então não vale para a resposta. Logo, devemos
ter: x=2 (número menor) e x+5=2+5=7 (maior). Os números são 2 e 7.

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA
A função do 2° grau é representada no plano cartesiano por uma parábola e
são necessários pelo menos 5 pontos para determiná-la.
O primeiro de todo é achar os zeros da função, ou seja, os pontos onde a
função corta o eixo x. Isso se faz igualando-se a função a zero e achando as raízes
da equação obtida. Em seguida, achamos o vértice da função, ou seja, o ponto
máximo ou mínimo que a função pode atingir.
Para determinar a coordenada x desse ponto usa-se a fórmula -b/2a.
Achando-se esse valor, substituimos ele na função no valor de x e achamos a
coordenada y.
A seguir, determinamos dois valores para x à esquerda e outros dois valores
para x à direita do vértice. Para isso, pegamos esses valores, substituímos na
função e achamos os valores de y correspondentes. Aí, é só ligar os pontos e se os
cálculos estiverem certos, eles formarão uma parábola.

INEQUAÇÕES DO 2° GRAU
Resolver uma inequação do 2° grau com uma variável é determinar o seu
conjunto solução, isto é, o conjunto dos valores reais de x para os quais a função
y=ax²+bx+c é positiva ou negativa. Vejamos alguns exemplos de resolução, onde
aplicaremos o estudo da variação do sinal da função quadrática:
Resolver a inequação x²-3x+2>0 (significa determinar para que valores reais
de x a função é positiva)
x²-3x+2=0
delta = 9-8 = 1
x = 3+-1/2 x'=2 x''=1
Pelo estudo dos sinais, verificamos:

++ ++
+++ +++
++++ ++++
---------------1--------------2----------------> x
-------
-----
-

Para os valores positivos de y (pois a inequação é >0), os valores de x tem


que ser menores que 1 ou maiores que 2, então: S={xER , x<1 ou x>2}

SISTEMAS DE EQUAÇÕES DO 2° GRAU


Para resolvermos sistemas de equações do 2° grau, empregamos o método
da substituição, idêntico ao empregado quando estudamos sistemas de 1° grau. O
conjunto solução é formado por dois pares ordenados, já que as equações do 2°
grau tem duas soluções.