Você está na página 1de 16

c 

A lupa é o instrumento óptico de ampliação mais simples que existe. Sua


principal finalidade é a obtenção de imagens ampliadas, de tal maneira que
seus menores detalhes possam ser observados com perfeição.

A lupa, também é chamada de microscópio simples e consiste em uma lente


convergente, logo, cria imagens virtuais.

Em linhas gerais, qualquer lente de aumento pode ser considerada como uma
lupa. Há tipos que constam de um suporte contendo a lente, uma armação
articulada, onde é colocada a lâmina que contém o objeto a ser observado e
um espelho convergente (o condensador) para concentrar os raios luminosos
sobre o objeto. Este deve ser colocado a uma distância da lente, menor que a
distância focal da mesma.

Há uma condição para que a i magem formada seja nítida. De acordo com o
foco objeto da lente usada como lupa, temos uma distância mínima de visão
nítida. Se a lente for colocado próximo a um objeto numa distância menor que
a sua distância mínima de visão nítida, a imagem não será visí vel.


 



As lunetas astronômicas são instrumentos ópticos de aproximação, são usadas


na observação de objetos muitos distante.

As lunetas astronômicas são instrumentos formados por dois sistemas ópticos


distintos: uma lente objetiva de grande distância focal que proporciona uma
imagem real e invertida do objeto observado, e uma lente ocular com distância
focal menor que proporciona uma imagem virtual e invertid a do objeto.

Os dois sistemas são colocados nas extremidades opostos de um conjunto de


tubos concêntricos, que se encaixam um nos outros fazendo variar à vontade o
comprimento do conjunto a fim de focar melhor objeto a ser observado.

As lunetas de grande porte e alta capacidade de ampliação são dotadas de


uma luneta menor pesquisadora, já que as primeiras possuem um campo de
visão.

A principal diferença entre as lunetas astronômicas e terrestres é, além do


porte, a posição da imagem. Aquelas apresentam a imagem final invertida, e
essas apresentam a imagem na posição real do objeto já que possuem um
sistemas de lentes adicionais entre a objetiva e a ocular


    


O microscópio composto, ou simplesmente, microscópio, é um instrumento


óptico utilizado para observar regiões minúsculas cujos detalhes não podem
ser distinguidos a olho nu.

É baseado no conjunto de duas lentes. A primeira é a objetiva que é


fortemente convergente (fornece uma imagem real e invertida) e possui
pequena distância focal, fica voltada para o objeto e forma no interior do
aparelho a imagem do mesmo. A segunda é ocular também com pequena
distância focal, menos convergente que a objetiva, permit e ao observador ver
essa mesma imagem, ao formar uma imagem final virtual e direita.

Essas lentes são colocadas diametralmente em extremidades opostas de um


tubo, formando o conjunto chamado de canhão.

O sistema que permite o afastamento ou aproximação do conjunto ocular ±


objetiva permite uma melhor visualização do campo observado ao focalizá -lo.


  
 

A câmera fotográfica como um instrumento óptico de projeçã o, se baseia no


princípio de que um objeto visto através de uma lente convergente, a uma
distância maior que a distância da mesma, produz uma imagem real e
invertida, e mais ainda: seu tamanho é inversamente proporcional à distância
foco objeto. A lente ou sistema de lente empregada recebe o nome de objetiva.

É importante que a imagem seja projetada sobre o filme, se a mesma se formar


antes ou depois do filme teremos uma foto fora de foco. Por isso, ajusta -se as
lentes objetivas a fim de que obtenha -se uma imagem nítida.

Quando em foco, a imagem que formada no filme fotográfico é real e invertida.

    

Os diversos instrumentos ópticos estão intimamente ligados às nossas vidas.


Através de recursos relativamente simples foram capazes de revoluc ionar a
humanidade, seja propiciando prazer e conforto ou mesmo, ajudando aos
homens na busca de suas origem ou de um aprimoramento científico.


   i tt 
ti ,  l t, 
iilit    l  
 
 i  . É 
t
 
  t , i tli 
  i t ti l ,  
 t
i i lt  l t j ti    fi  ti    i l ,  i 
 

 i   jt  it   l t  l    fi  i


 i  l   t
         
l ,  i t 
i  .  
i   i t  f , it  t   t   i  l .
 
i  ti
 
i  ,  fi   li    i   
  i  l. 
 

i  _   ti i l !" ! i #. $ %i &' (l )(! (! !t! i t!,
t!
  t(% #!t,  t!l ! 'i . $ #i    i  i l!,  t!
!l *# !# !+, - #f(&-i --!, i t #)(!  %j!ti . &, !t, li &*-  
 (l #!. El fi  i  ft- !&t#! i.

- - -
$ %i&' (l  #iiti. !# ! ( %j !ti.  (l !&t! &.!#/!&t! & !i  ! ( l!&t!
- #  ( l!&t!  (l# -! !&ti - i&.!#. At(l!&t!  &tit(í- -!( l !&t!
i .! /!&t! !
 (l # ! -! (t# %j!ti. %!- & l(&!t t#&0i , &-!  (tili 1- 
 -  # 
t li i .

; <
23454 6tili789:3 i9 =6l3.

<=6
Bi9 l3

- - - - -
$ %i &' (l (& ## i & (  i  ! ! (!&t ! t#& ! !1 .!1!.

E ! !) i
( !&t  -!)(- # .i(li 1+, t!##!t#!, #íti !, ! l /(& ,
t#&0i . C  (tili 1-  .i , - -i l * ! i (lt>&!,  l*#?! # (
, - -- - - , - -
%i &' (l t!?! ( !# !+   #f (& i  !  !&, ( !j , .i   t#i i !&i &l:  !?
! &t#  l#/(#, lt(# ! #f(&-i--!. A l(&!t ! t!l ! 'i  &, t! !  i--!.
A qualidade da imagem de um binóculo depende de cinco fatores:

1. Alinhamento da ótica
2. Qualidade das lentes
3. Qualidade dos prismas
4. Tratamento dado às superfícies dos óticos
5. Estabilidade mecânica do corpo e do mecanismo de focalização.

Os binóculos possuem dois números impressos em seu corpo, do tipo: 7x50, 12x60, 20x70. O
primeiro número significa a magnificação (ou aumento) e o segundo, o tamanho (em
milímetros) da objetiva. Quanto maior a objetiva, mais luz entra e melhor será a visualização
das imagens.

Os modelos que possuem lentes coloridas (vermelhas) recebem esse acabamento apenas
para fins estéticos. No máximo, apenas ajudam a "quebrar" o excesso de luz em ambientes
como praia ou montanhas com neve.

Para visualização astronômica é necessário um tripé, para dar mais estabilidade.




A @ é um instrumento óptico munido de uma lente com capacidade de criar imagens virtuais
ampliadas. É utilizada para observar com mais detalhe pequenos objectos ou superfícies.

Para compreender como a utilizamos, precisamos analisar tanto como a lupa conjuga imagens,
como estas imagens (objetos virtuais para o nosso olho) acabam sendo projetadas na nossa
retina. (Só vemos imagens reais projetadas na nossa retina) A lupa é composta (normalmente)
por uma lente biconvexa - portanto convergente - de pequena distância focal. O sistema óptico
do nosso olho é similar a de uma lente convergente (córnea+cristalino+humor aquoso+humor
vítreo) e um anteparo (retina). Foi criada por Roger Bacon em 1250, por meio de sua primeira
invenção: os óculos.



Mi t l i
H H
ABiCDE: WikiFG iI, I DJKiKlLFG iI liMBD.

H H
NOPil M1 GIBIJ KLE EiBI tDlDQKRFiKI ELJtI I.
ST
(   U 
S Vi WXl YZ: 
‘ [ \] i^_t`\]a^tb cdtieb, df`aei gb eb] \]
c [
dah\a^b ]b^ e\l b, \tiliifgb a] f`]f_ ga fbjb. S\f d`i^ei dfl \tili ifklb df`f ti`b_ f lb^jf
o
gi _tm^eif. Al j\]f_ ga__f _ ]i `f_ n ] feb]df^pfgf_ gal f_a`_ a l f^ta`^f_ a/b\
db__\a] ni _lb ^bt\`^f.
c r
qb_ fb`]ftb_ ]fi _ dbd\l f`a_, f_ ]i `f_ tala_e dief_ _lb a^eb^t`fgf_ eb] ^\]a`fk a_ eb]b
v o
st×u s b\ sw×xus. E_ta_ ^y]a`b_ t ] b _aj\i ^ta _i j^ifiefgb:

z ˆ
+ {|}~€ {t~‚ ƒ€ „ׄ i{ƒi…  }†{it‡ƒ~ ‰€€}‘.
z }  Š Œ  ˆ 
+ {| ~ €  ‹‚ € „ׄ i {ƒi… € ƒi }~t€ ƒ € j ~tiŽ l~{t~ ‡~ Ši }~i € ~…~ ~  l ‡‰‘.

P€ƒ~ …€{t~…~ ƒ~ ~i ‚ti ~
 } ƒ€i‚ {|}~€‚ {t~‚ ƒ€ „ׄ, …€}€ Š€ ~~}Šl€ „‘’9ב“„. ”~‚t~
Œ  “
…‚€, ‚i †{ifi… ‡~ € „‰€€}„ Ži ƒ~ ‘  9 Ž~‰~‚ Š ‡} ƒi }~t€ ƒ~ € j ~tiŽ ƒ~ ‘ }}.
[ ~ƒit ]
 i t i
 Š€ƒ‡‰i ‡  Ši }~i }i  t~l ~‚…‹Ši … Š ‚~ ‡tili ‰ƒ ~} ifl~‚, {€ …€}~•€ ƒ€
C l Z~i ‚‚
z — ˜ ˜
‚–…‡l€ Š‚‚ƒ€. …€{ ~…i }~{t€ t–…{i…€ Š …€{‚t‡• € ƒ~ l~{t~‚ €ti …‚ { € – …€}Šli …ƒ,
}‚ ~i†~ …l…‡l €‚ }t~}™ti …€‚, }‡i{‚ ƒ~ Š~…i ‚˜€ ~ t€l~{…i  }í{i }‚, li ƒ‚ € ‡‚€

ƒ~ …€}Š€{~{t~‚ ƒ~ lt ‡li ƒƒ~ ~ t~…{€l €†i t‡l ~}{t~ …€{‚~†‡~’‚~ Š€ƒ‡‰i
~‡iŠ}~{t€‚ €ti…€‚ ƒ~ lt ‡li ƒƒ~.
Œ}   ˜
L~{t~‚ ƒ~ ƒi ~t € † {ƒ~‚ ‚ € ‡tili ‰ƒ‚ Š …€}Š~{‚  Š~ƒ ƒ~ l‡‰. E} 19‘š € P€f. A.
} ™ } — Ž Š Š     ˜
S k‡l , { f i … ƒ Z~i ‚,{ Al ~ { , i { ~{t€‡ € €…~‚‚€   ~ƒ‡‰i  ~fl ~ € {
˜  ˜
‚‡Š~fi …i ~ ƒ l~{t~ ’ A. E‚‚ i{Ž~{• € Š€‚‚i ilit€‡ € ‡}~{t€ ƒ t{‚}i‚‚ € ƒ~ l ‡‰ {€‚
 Š } Š  } }  
i {€l ‡…€‚, t~l ~‚…‹ i €‚ ~ i ‚ t~l ~‚…‹ i …‚ { € ƒ~ ƒ~ 8›%. E 19œ› ƒ~‚…€ i ‡’‚~ ‡~
ˆ ˜
Šli …{ƒ€ …€ti {†‘ ‡} fi { …}ƒ ƒ~ l ‡€it€ ƒ~ Magnési €, ~ƒ‡‰ a ~fl~ € ~} 1 a 1,š% na
superfi …ie. Mas recentenmente € avanço ƒa aplicaçào ƒe várias camadas reduz-se a relfexão
“ —
em ›, š%. Atualmente os mel ores intrumentos ‹ticos conseguem a transmissão de 9š% da
luz. Mas ainda não se conseguiu a transmissão de 100% da luz.

[editar]Caracteristicas

Existem no mercado mundial vários fabricantes de mira telescópica, mas possuem duas
Œ
medida padrão para o di metro do tubo:
žŸ  ¡
+ 1" , mm‘ - Americano;
¢
+ 0 mm - Europeu.


Periscópio
£rigem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

¤
Soldado brit nico utilizando um periscópio numa trincheira durante a Batalha de Gallipoli.

Periscópio simples:
o da esquerda utiliza espelhos ¥a‘ o da direita utilizaprismas ¥b‘. £ observador em ¥c‘

¦ „ „  é um acessório fundamental dos submarinos, usados para captar imagens acima
§
da água. ambém teve largo uso em guerras, para observar movimento inimigo de dentro
de trincheiras.
¨
m periscópio básico utiliza dois espelhos paralelos, a certa dist ncia um do outro. ©s
¨
espelhos devem estar num ngulo de ª«°, pois, caso contrário, a imagem não ficará perfeita.
©s raios luminosos atingem o primeiro espelho, que os reflete para o segundo espelho; daí são
novamente refletidos para o visor.

© trajeto completo da luz possui a forma aproximada da letra "Z", onde por uma das
extremidades a luz refletida pelos corpos a serem observados entra, e pela outra ela atinge
os olhos do observador, possibilitando que este veja o que, a princípio, estaria fora do seu
alcance de visão.

Microscópio
¬rigem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

¯ ±
Microscópio óptico. 1-Ocular; ­-Revólver; ®-Objectiva; -Parafuso macrométrico; °-Parafuso micrométrico; -
Platina; ²-Espelho; 8-Condensador

O O  „  é um aparelho utilizado para visualizar estruturas minúsculas como ascélulas.

Acredita-se que o microscópio tenha sido inventado em 1590 por ³ans Janssen e seu filho
Zacharias, dois holandeses fabricantes de óculos. ´udo indica, porém, que o primeiro a fazer
observações microscópicas de materiais biológicos foi oneerlandês Antonie van
Leeuwenhoekµ1632 - 1723‘.

Os microscópios de Leeuwenhoek eram dotados de uma única lente, pequena e quase



esférica. esses aparelhos ele observou detalhadamente diversos tipos de material biológico,
como embriõesde plantas, os glóbulos vermelhos do sangue e os espermatozóides presentes
· ¸
no sêmen dosanimais. Foi também eeuwenhoe quem descobriu a existência dos micróbios,
como eram antigamente chamados os seres microscópicos, hoje conhecidos
como microorganismos.

Os microscópios dividem-se basicamente em duas categorias:

+  ¹º»
¹¼ » ¹» funciona com um conjunto de lentes (ocular e objetiva) que ampliam
a imagem transpassada por um feixe de luz que pode ser:
+ Microscópio de campo claro
+ Microscópio de fundo escuro
+ Microscópio de contraste de fase
+ Microscópio de interferencia

+
À
 ½¾¿
½ ¿  ¾ Á ½¿ amplia a imagem por meio de feixes de elétrons, estes dividem-
se em duas categorias: Microscópio de Varredura e de Transmissão.

Há ainda os microscópios de varredura de ponta que trabalham com um larga variedades de


efeitos físicos (mecânicos, ópticos, magnéticos, elétricos).

Um tipo especial de microscópio eletrônico de varredura é por tunelamento, capaz de oferecer


aumentos de até cem milhões de vezes, possibilintando até mesmo a observação da superfície
de algumas macromoléculas, como é o caso do DNA.
[editar]Importância

A citologia é dependente de equipamentos que permitem toda a visualização das células


humanas, pois a maioria delas são tão pequenas que não podem ser observadas sem o auxílio
de instrumentos ópticos de ampliação. O olho humano tem um limite de resolução de 0,2 mm.
Abaixo desse valor, não é possível enxergar os objetos sem o auxilio de instrumentos, como
lupas e, principalmente, o microscópio.

O crédito da invenção do microscópio é discutível, mas sabe-se que em 1590 os irmãos


neerlandeses Âranz, Johan e Zacarias Janssen compuseram um artefatorudimentar munido de
um sistema de lentes, que permitia a ampliação e a observação de pequenas estruturas e
objetos com razoável nitidez. O aparelho foi denominado de microscópio e se constituiu na
principal janela da ciência para o mundo além da capacidade de resolução do olho humano.

Em 1665, o inglês Robert Ãooke usou um microscópio para observar uma grande variedade de
pequenos objetos, além de animais e plantas que ele mesmo representava em fiéis ilustrações.
Ãooke percebeu alem que a casca do carvalho era formada por uma grande quantidade de
Ä
alvéolos vazios, semelhantes à estrutura dos favos de uma colmeia. aquela época, Ãooke
não tinha noção de que estava observando apenas contornos de células vegetais mortas.
Publicou as suas descrições e ilustrações em uma obra denominada Micrographia, em que usa
Å
a designação "little boxes or cells" pequenas caixas ou celas‘ para denominar os alvéolos
observados, dando origem assim ao termo célula. O termo acabou tornando-se definitivo e
oficial.

O aperfeiçoamento do microscópio determinou que teria um aumento no volume de obras


sobre investigações, usando os recursos da microscopia , gradativamente, o homem of i
desvendando os mistérios das células.

elescópio
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

ÆRedirecionado de K„ ‘

= 
     
  
    (desde dezembro de 2009)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do
texto ou em notas de rodapé. =    Google ² news, books, scholar, Scirus
È
Çelescópio refractor do Observatório de ice.

O „  é um instrumento que permite estender a capacidade dos olhos humanos de


observar e mensurar objetos longínquos. Pois, permite ampliar a capacidade de enxergar
É
longe, como seu nome indica [ o Grego "Tele" = Longe Ê Scopio = Observar], através da
coleta da luz dos objetos distantes ËCelestes ou não‘, da focalização dosraios de luz coletados
em uma imagem óptica real e suaampliação geométrica.

G 
[esconder]

] Categorias

2 Radiotelescopia

Ä História
Ì
Tipos de telescópio

Š Telescópios de investigação

ý Ver também

V Ligações externas

[editar]Categorias

Além dos telescópios ópticos convencionais, que são constituídos basicamente por
uma objectiva e uma ocular, existe uma gama de aparelhos que captam a radiação
electromagnética fora da faixa do visível, isto é, ao longo de diferentes regiõesdo espectro
electromagnético.
Telescópios para radiação infravermelha e raios-X tornaram-se comuns no final do século
XX com o desenvolvimento de sensores digitais que pudessem ser arrefecidos
a temperaturas muito baixas. Para a captação astronómica de microonda e radiofrequência,
existem os chamadosradiotelescópios.

Os telescópios contemporâneos podem operar isoladamente ou em conjunto para compor ou


combinar as imagens obtidas, aumentando assim o poder de resolução.

Nos instrumentos ópticos profissionais, além da ampliação da imagem, é possível captar


as radiações electromagnéticas e separá-las em diferentes comprimentos de onda, processo
denominado espectrografia, ou espectroscopia. Isso permite entender a composição e história
dos astros em estudo.

As técnicas actuais de construção de telescópios utilizam materiais mais leves e resistentes,


aumentando assim sua qualidade, resolução e fiabilidade. Exemplo claro são as observações e
recolha de imagens pelo Telescópio Espacial Hubble, que nos mostram um Universo mais
longínquo e mais belo do que o esperado.

A óptica geométrica dos instrumentos permite captar (e focalizar) a radiação


electromagnética aumentando o tamanho angular aparente dos objectos, assim como o
seu brilho aparente.

Os telescópios usados fora do contexto da Astronomia são referidos


como teodóto, monócuo, bnócuos, ou object .

A palavra "telescópio" refere-se geralmente aos ópticos, embora existam instrumentos para a
quase totalidade do espectro electromagnéticoda radiação electromagnética.

[editar]Radiotelescopia

Os radiotelescópios são sistemas de recepção onde existe um receptor de ondas


eletromagnéticas do espectro de radiofreqüência, ou radioreceptor, uma linha de transmissão
que pode ser uma guia de onda dependendo da freqüência
observada, antenas de rádio dirigidas ou direcionais.

As antenas podem ser com refletores parabólicos ou planos de grandes dimensões, em


caracol, em sistema Yagi-uda ou suas variantes, Também são muito utilizados sistemas de
recepção helicoidais, entre outros tipos.

As montagens das antenas de radiotelescópios podem ser simples no caso de uma antena ou
em baterias, quando se usam muitas antenas com a finalidade de aumentar o ganho, a área de
observação ou para executar a triangulação dos sinais recebidos para determinar a distância
do objeto estelar observado.
No caso de antena parabólica, esta é por vezes construída como uma estrutura de fio condutor
cujos intervalos são menores que umcomprimento de onda daquele irradiado pelo objeto
pesquisado.

Os radiotelescópios são por vezes operados aos pares, ou em grandes grupos, para sintetizar
uma cobertura "virtual", idêntica em tamanho à distância entre telescópios (ver síntese de
cobertura), além do uso em triangulação para determinar distância do objeto observado. O
recorde actual encontra-se próximo à largura da Terra. Actualmente também se aplica esta
técnica aos instrumentos ópticos.

Os telescópios de raios-x e de raios gama têm um problema, já que estes raios


atravessam metal e vidro. Superfícies coletoras feitas de metal pesado e em forma de anéis
concêntricos são utilizadas para focalizar a radiação proveniente do espaço profundo. As
Í
superfícies desses espelhos apresentam a forma de r erboódesdere oução.

[editar]História

Ï
Îostuma-se dizer que Hans ippershey, um fabricante de lentes neerlandês,construiu
em 160Ð o primeiro instrumento para a observação de objetos à distância: o telescópio. O
conceito que desenvolveu era a utilização desse tubo com lentes para fins bélicos e não para
observações do céu.
Ï
A notícia da construção do tubo com lentes por ippershey espalhou-se rapidamente e chegou
Ò
até o astrónomo italiano Ñalileu Ñalilei, que, em160 , apresentou várias versões do aparelho
feitas por ele mesmo a partir de experimentações e polimento de vidro. Ñalileu logo apontou o
telescópio para o céu noturno, sendo considerado o primeiro homem a usar o telescópio para
investigações astronómicas. O telescópio de Ñalileu também é conhecido por luneta.

Ñalileu, utilizando seu instrumento óptico, descobriu diversos fenômenos celestes, entre os
quais as manchas solares, as crateras e o relevolunar, as fases de Vênus, os
Ó Ï
principais satélites de úpiter, e a natureza da Via áctea como a concentração de
incontáveis estrelas, iniciando assim uma nova fase da observação astronômica na qual o
telescópio passou a ser o principal instrumento, relegando ao esquecimento os melhores
instrumentos astronômicos da antiguidade (astrolábios, quadrantes, sextantes, esferas
armilares, etc.). As descobertas de Ñalileu forneceram evidências muito fortes aos defensores
do sistema heliocêntrico de Îopérnico.
Ó
Pouco tempo depois de Ñalileu, ohannes Kepler descrevia a óptica das lentes (ver
"Astronomiae Pars Optica" e "Dioptrice"), incluindo um novo tipo de telescópio astronómico com
duas lentes convexas (um princípio muitas vezes referido como telescópio de Kepler). O
telescópio foi inventado no mesmo dia do Dia do Estudante.

[editar]Tipos de telescópio
Ô Ô
Ú t 
 

t 
 

Õá vários tipos de telescópios: azimutais, ópticos, raio-x, raios-y e de radiação


infravermelha. m tipo simples de telescópio é o de montagem altazimute chamada
também de montagem azimutal. É idêntico aos usados na supervisão de trânsito. ma
forquilha opera no plano horizontal Öazimute, e marcas na forquilha permitem ao
telescópio variar em altitude Öplano vertical‘.

O maior problema de um telescópio de altazimute na astronomia é que ambos os eixos


têm que ser continuamente ajustados para compensar a rotação da Terra. Ainda que este
processo seja controlado por computador, a imagem roda a uma velocidade variável,
dependendo do ângulo da estrela desde o pólo celestial. Este último efeito torna um
telescópio de altazimute pouco prático para fotografia de longa exposição com telescópios
pequenos, pois causa algumas aberrações na imagem fotografada.

A solução preferencial para telescópios astronómicos éadaptar este tipo de montagem


Öaltazimute‘ de maneira que o eixo de azimute fique paralelo com o eixo de rotação da
Terra; isto é designado como montagem equatorial.

Os grandes telescópios recentemente construídos usam uma montagem em altazimute


controlada por computador, e, para exposições prolongadas, dispõem de primas de
rotação de velocidade variável na objectiva.

Existem montagens ainda mais simples que a de altazimute, usadas geralmente em


instrumentos especializados. Alguns são o trânsitomeridiano Öapenas altitude‘ e espelho
de plano amovível de largura constante para observação solar.

[editar]Telescópios de investigação

O  × 
  × ×× × ×

A maioria dos telescópios de grandes dimensões podem operar tanto como


Ô Ô Ô
um     Ömaiordistância focal, e maior nitidez no campo de visão com maior
magnificação‘‘ ou como um telescópio newtoniano Öcampo mais brilhante‘. Estes têm um
primário blindado, um foco newtoniano, e um tripé para montagem de secundários
amovíveis.
Uma nova era na construção de telescópios foi iniciada pelo MMT, uma abertura sintética
composta de seis segmentos que sintetizam um espelho de 4,5 metros de diâmetro. Um
seguidor deste tipo foi otelescópio KecØ, de abertura sintética de 10 metros.

Os telescópios da actual geração em construção comportam um espelho primário entre 6


e Ù metros de diâmetro (para telescópios terrestres). Nesta geração, o espelho é
tipicamente muito fino, e mantido em óptima forma por um grupo de actuadores
(ver óptica activa). Esta tecnologia levou a uma remodelação na concepção dos
telescópios do futuro, com diâmetros de 30, 50 e mesmo 100 metros.

Inicialmente o detector utilizado nos telescópios era o olho humano. Posteriormente,


a placa fotográfica sintetizada tomou-lhe o lugar, e oespectrógrafo foi introduzido, o que
possibilitou a captação de informação espectral. Depois da placa fotográfica, sucessivas
ÚÚ
gerações dedetectores electrónicos, como os Ds, têm sido aperfeiçoadas, cada vez
com maior sensibilidade e resolução.

Os telescópios de investigação actuais dispõem de vários instrumentos: cameras, de


diferentes respostas; espectrógrafos, úteis nas diferentes regiões do espectro;
polarímetros, que detectam luz, etc.

Nos últimos anos, foram desenvolvidas algumas tecnologias para superar o efeito
da atmosfera da Terra em telescópios terrestres, com resultados promissores.
Ver espelho tip-tilt e óptica adaptativa.

O fenómeno da difracção óptica estabelece um limite para a resolução e qualidade de


imagem atingível por um telescópio, o que consiste na área efectiva do disco Airy, que
limita a proximidade com que se podem instalar dois desses discos. Este limite absoluto é
designado de limite de resolução de Sparrow, e depende do comprimento de onda da luz
em observação (uma vez que o limite da luz vermelha é atingido mais rapidamente que o
da luz azul) e no diâmetro do espelho do telescópio. Por tudo isto, um telescópio dotado
de um determinado diâmetro pode resolver apenas até um determinado limite num
determinado comprimento de onda, de maneira que, para se obter mais resolução no
mesmo comprimento de onda, será necessário um espelho maior.

[editar]Ver também

+ Telescópio Hubble
+ Telescópio amador
+ síntese de cobertura
+ F-number
+ História dos telescópios
Û
+ ista dos maiores telescópios ópticos reflectores
Ü
+ ista dos maiores telescópios ópticos refractores
Ü
+ ista de tipos de telescópio
+ Radiotelescópio
+ Telescópio reflector
+ Telescópio refractor
+ Telescópio robotizado
Ý
+ ronologia dos telescópios, observatórios, e tecnologia de observação
[editar] igações externas

+ ESO 100-m telescope


+ Resolução de um Telescópio
Ü Ü
+ Southern African arge Telescope (SA T)
+ Telescópio Digges dos anos 1570s
+ Manual do Telescópio Amador