Você está na página 1de 4

Nome: Lessandra de Fátima Sitton - R.

A: 1052188
Curso: Pedagogia Licenciados - Turma:03
Pólo: São José do Rio Preto – SP
Preceptor: Tschermack Motta Frederico
Roteiro de Estudo: 2
POLÍTICAS EDUCACIONAIS BRASILEIRAS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA
E A FUNÇÃO DA ESCOLA NA ERA DA TECNOLOGIA E DA
GLOBALIZAÇÃO
Atividades: 2

A) Sim
Sabemos que as crianças e os jovens são desejosos do saber, da
descoberta de algo novo. Mas é necessário também que eles sejam
convidados e incentivados à realização dessa tarefa. O modo como as coisas
vão acontecer na sala de aula vai depender muito do professor, pois é ele que
inicia o processo pedagógico na classe. O trabalho do professor exige
relacionamento e troca constante com seus alunos, seja em relação ao ensino-
aprendizagem, seja em relação aos objetivos e conteúdos já definidos. Então, a
relação que o professor tem com seus alunos é muito importante para a
produção do conhecimento e para o processo da aprendizagem. É como se
fosse um jogo que acontece entre ele e seus alunos, e que vai organizando o
fazer escolar. Na sala, as aulas não acontecem todo dia da mesma forma. O
trabalho pedagógico é dinâmico e repleto de surpresas. O professor ao se
organizar com os alunos para executar as atividades escolares presumidas,
deverá aproveitar esse momento para estabelecer regras e normas que fixem
limites para todos e para ele inclusive: o que podem e o que não podem fazer.
É importante, que os alunos conheçam as normas que irão regular a relação
com eles, bem como as normas que eles mesmos ajudaram a estabelecer.
O professor não deve preocupar-se somente com o conhecimento
através da absorção de informações, mas também pelo processo de
construção da cidadania do aluno. Apesar de tal, para que isto ocorra, é
necessária à conscientização do professor de que seu papel é de facilitador de
aprendizagem, aberto às novas experiências, procurando compreender, numa
relação empática, também os sentimentos e os problemas de seus alunos e
tentar levá-los à auto-realização.
O professor, educador da era tecnológica com raras exceções, deve buscar
educar para as mudanças, para a autonomia, para a liberdade possível numa
abordagem global, trabalhando o lado positivo dos alunos e para a formação de
um cidadão consciente de seus deveres e de suas responsabilidades sociais.
Nome: Adalberto Vitor Raiol Pinheiro - R.A: 1052168
Curso: Pedagogia Licenciados - Turma:03
Pólo: São José do Rio Preto – SP
Preceptor: Tschermack Motta Frederico
Roteiro de Estudo: 2
POLÍTICAS EDUCACIONAIS BRASILEIRAS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA
E A FUNÇÃO DA ESCOLA NA ERA DA TECNOLOGIA E DA
GLOBALIZAÇÃO
Atividades: 2

A) Sim

As relações humanas, apesar de complicadas, são componentes


essenciais na concretização comportamental e profissional de um indivíduo.
Logo a análise dos relacionamentos entre professor/aluno engloba interesses e
finalidades, sendo esta interação o expoente das conseqüências, pois a
educação é uma das fontes mais importantes do desenvolvimento
comportamental e da agregação de valores nos membros da espécie humana.

É preciso não restringir este estudo em relação ao comportamento do


professor com resultados do aluno; devendo inserir os processos construtivos
como mediadores para superar as limitações do paradigma ensino-
aprendizagem ou processo-produto. O educador para pôr em prática o diálogo,
não deve colocar-se na posição de possuidor do saber completo, deve antes,
colocar-se na posição de quem não sabe tudo, reconhecendo que mesmo um
analfabeto é portador do conhecimento mais importante: o da vida. Desta
maneira, o aprender se torna mais interessante quando o aluno se sente
competente pelas atitudes e métodos de motivação em sala de aula, ou
quando o aluno sente-se autônomo. O prazer e o interesse pelo aprender não é
uma atividade que nasce espontaneamente nos alunos, pois, não é uma tarefa
que desempenham com total satisfação. Para que isto possa ser mais bem
cultivado, o professor deve despertar a curiosidade dos alunos, aguçá-la,
acompanhando suas ações no desenvolver das atividades.
O professor deve assumir uma nova postura frente ao trabalho com os
mesmos, uma postura que envolva o aluno em uma reflexão crítica da
realidade social brasileira, propiciando condições para que trabalhe em prol da
construção de uma sociedade emancipadora para todos. A preocupação com a
formação para a cidadania requer que seja feito em sala de aula com os alunos
estudos com questões que vão além dos conteúdos específicos que cada
disciplina de base nacional comum requer, desde os primeiros anos de
escolarização.
A aquisição do saber deve ser tratada em sala de aula aliada aos
conteúdos da vida dos alunos e sua comunidade, porém não deve ser feita
apenas uma ênfase aos conteúdos cotidianos momentâneos. Os indivíduos
necessitam da escola para a sua formação humanizadora, o que não pode ser
feito apenas com vista no saber cotidiano. É necessário que os indivíduos
tenham o acesso aos bens socialmente e culturalmente acumulados através
dos conteúdos científicos, sociais, tecnológicos e políticos.