Você está na página 1de 10

8.12.

98

A NOVA CENTRO-ESQUERDA

Luiz Carlos Bresser-Pereira


Revista Século XXI, 2, maio 1999: 46-52. Também
publicado em Idéias e Debates, 24, do Instituto
Teotônio Vilela, 1999.

Abstract. The concepts of left and right remain central in understanding modern
politics. To be left means to be ready to risk social order in behalf of social justice.
In order to fulfill this objective the left (as well as the right) changed. Today it is
possible to distinguish a new from an old left. The new left is social-liberal. It
remains committed to social justice, and ready to support the social movements
oriented in such direction; it recognizes market failures, particularly in terms of
income distribution, and defends a strong and active state, but also believes that
markets are supposed to play a major role in allocating resources. Meanwhile the
old left continues to confuse the interests of the poor, which they are supposed to
protect, from the interests of the bureaucrats – from whose ranks most of the left is
originated.

Desde a derrota do nazismo, não existe espaço para a extrema-direita, e desde a


queda do muro de Berlim, o socialismo de Estado e a extrema-esquerda que com ele
se associou, embora estivessem tão distantes, perderam razão de ser. Mas os
conceitos de esquerda e de direita, para definir governos mais progressistas ou mais
conservadores, de centro-esquerda ou de centro-direita, continuam essenciais para o
debate político. Podemos definir esquerda e direita de diversas formas: como dar ou
não dar prioridade à igualdade, nos termos de Bobbio; como o Estado estar aliado às
forças econômicas ou às forças sociais, segundo Touraine; ou como a disposição ou
1
não de arriscar a ordem em nome da igualdade, conforme minha proposta. Não vou
aqui discutir as três definições, que são abstratas e equivalentes. Vou partir delas
para discutir o que é a nova centro-esquerda, que vem também sendo chamada de
1
- Ver Bobbio (1994), Touraine (1998), Bresser-Pereira (1996). Na minha visão, dois dos
quatro objetivos políticos das sociedades contemporâneas são relevantes para distinguir a
esquerda da direita: a ordem e a justiça social. Liberdade e desenvolvimento, por mais que
os defensores de cada corrente os reclamem para a sua, não são determinantes do conceito.
______________
Luiz Carlos Bresser-Pereira ensina economia política na Fundação Getúlio Vargas,
São Paulo. bresserpereira@uol.com.br www.bresserpereira.org.br
nova esquerda, de centro-esquerda moderna, de terceira via, de social-liberalismo,
de social-democracia moderna, de social-democracia “dois e meio” (situada à
esquerda da terceira via inglesa, segundo os franceses), etc.. Pode-se falar em uma
nova centro-esquerda moderna? Como distingui-la da nova centro-direita? E da
nova direita ou direita neoliberal? E qual a diferença desses conceitos nos países
latino-americanos em relação aos países europeus?
Começo adiantando minha resposta à última questão. A diferença está no fato
de que o espectro deve deslocar-se um grau para o passado no nosso caso. A nova
social-democracia européia continua a ter como base política os trabalhadores
sindicalizados e a burocracia, e ainda caracteriza-se pela negociação corporativa
entre a classe capitalista e a trabalhadora, com a intermediação do Estado e pela
ação compensatória do Estado em relação à distribuição de renda, mas deixou de
pensar nele como produtor de bens e serviços e executor direto das políticas sociais,
enquanto a centro-esquerda no Brasil com freqüência confunde socialismo com
estatismo e adota um corporativismo burocrático militante. Na verdade, mesmo
dentro da Europa, desde que nos lembremos que os conceitos de esquerda e direita
são relativos a um centro que se move ora para a direita, ora para a esquerda, não é
possível avaliar os diversos regimes pelos mesmos parâmetros. Na Inglaterra, Blair e
o novo trabalhismo são esquerda em relação à direita tatcherista, mas o novo
trabalhismo está à direita da social-democracia francesa ou alemã atual, da mesma
forma que os conservadores ingleses estão claramente à direita dos seus
correspondentes na França e na Alemanha. Em outras palavras, se pensarmos em um
contínuo, o centro está mais à direita na Inglaterra do que na França ou na
2
Alemanha, e estas mais à direita do centro brasileiro ou latino-americano. Mas o
fato de o centro ter caminhado para a direita até recentemente (há indicações de que
o processo inverso está em curso, com o controle dos partidos de centro-esquerda
dos governos de treze dos quinze países da União Européia, e com as duas últimas
eleições nos Estados Unidos) não significa que os trabalhistas não sejam esquerda na
Inglaterra, como a esquerda continental européia com freqüência afirma, ou que a
esquerda na América Latina seja apenas constituída da esquerda corporativa e
estatista. É claro que para alguém de extrema-esquerda ou da esquerda arcaica todos
os demais partidos, inclusive os de oposição, estão na direita, enquanto a recíproca é
verdadeira para alguém de extrema-direita, mas não estou interessado em extremos.

2
- Na Alemanha, por exemplo, conforme Streeck (1998: 238-241), o regime econômico e
político ali existente “reflete um complexo compromisso histórico entre o capitalismo
liberal, introduzido depois da Segunda Guerra Mundial, e duas forças contrabalançadoras
diferentes, a social-democracia e a democracia-cristã”. Disto resultou que “os mercados
sejam instituídos politicamente e regulados socialmente, e vistos como criação das políticas
públicas desenvolvidos para servir objetivos públicos”. Ora, nestas circunstâncias o centro
tem que estar mais à esquerda do que nos países anglo-saxões, onde esse compromisso
nunca foi logrado, nem o mercado é assim visto.
Por outro lado, é claro que se pode falar em uma nova esquerda. A esquerda
e a direita não são conceitos fixos nem em termos de país para país nem em termos
históricos. Sempre é possível falar em uma nova esquerda e em uma nova direita.
Porque a história muda, a economia capitalista passa por transformações aceleradas,
as ideologias assumem novas conotações. No início dos anos 70 falava-se de uma
nova esquerda, que criticava o comunismo, mas essa nova esquerda pouco tem a ver
com a atual.
Existe, na verdade, uma dificuldade enorme de ver o novo, tanto à esquerda
quanto à direita. O Novo Trabalhismo inglês tem sido especialmente vítima dessa
miopia. Não é apenas a esquerda continental que nega a Blair uma posição na
esquerda, também a direita representada pelo The Economist faz o mesmo. Há
alguns meses, quando o Novo Trabalhismo cumpriu um ano no governo, a notável
revista conservadora publicou um editorial com o título jocoso, em que afirmava que
3
o Novo Trabalhismo não passava de “thatcherismo aguado”. Publicou no mesmo
número uma reportagem no mesmo estilo descrevendo um seminário que o Partido
Trabalhista então realizou, conduzido por Anthony Giddens. Em compensação,
publicava um “special report” em que analisava seria e objetivamente o primeiro ano
de governo. Diante da contradição entre esta matéria e as duas anteriores, escrevi
uma carta à revista, publicada três semanas após, em que enumerava oito pontos
existentes no “special report” claramente progressistas, que contradiziam
diretamente o editorial. E concluí: “Isto não é nova direita thatcherista, nem velha
esquerda populista. Este é um governo que acredita no mercado antes do que no
Estado, mas não é dogmaticamente pró-mercado como a Sra. Thatcher. O que nós
estamos vendo na Grã-Bretanha é a esquerda moderna. Como Anthony Giddens
observou (no mesmo número do The Economist), trata-se de social-liberalismo
orientado para o mercado, que vai além do neoliberalismo da nova direita e da
social-democracia da velha esquerda”.
Nas democracias modernas a luta é sempre pelo centro. Por isso os partidos
tanto de esquerda quanto de direita tendem para o centro: aquele que consegue os
votos do centro, que está sempre se movendo para um lado ou para o outro, ganha o
governo. Por isso não existe uma grande diferença entre os partidos de centro-
esquerda e de centro-direita. Por isso as alternâncias de poder, essenciais para a
democracia, não são traumáticas. Mas isto não significa que não haja diferenças.
Posso ver hoje, além das duas extremas, uma esquerda, uma centro-esquerda, uma
centro-direita, e uma direita. Os partidos não se enquadram perfeitamente em apenas
uma destas categorias, mas no Brasil, por exemplo (deixando de lado, para
simplificar, a palavra “centro”, que fica subentendida), e distinguindo a nova da
velha esquerda e direita, é possível afirmar que: o PT é velha esquerda embora os
sinais de sua modernização sejam evidentes; o PSDB, nova esquerda, embora a
presença da nova direita seja inegável; o PFL, nova direita, ainda que com o ranço

3
- The Economist (1998).
clientelista da velha direita; e no PPB domina a velha direita, embora a nova direita
esteja presente. Não existe no Brasil um partido que possa ser classificado na nova
direita neoliberal – ou seja, de nova direita radical –, nenhum partido brasileiro ousa
propor o Estado mínimo, como também não existe na França ou na Alemanha, mas
existe na Grã-Bretanha ou nos Estados Unidos.
Mas será possível definir essas tendências? Muito sumariamente, a velha
direita, além de priorizar a ordem estabelecida em qualquer circunstância, é
nacionalista e tradicionalista, enquanto a nova direita é inovadora e pró-mercado
(quando neoliberal, radicalmente pró-mercado). Já a velha esquerda é corporativista
e estatista, enquanto a nova esquerda é pró-mercado, mas quer reconstruir o Estado
para que este possa compensar as falhas do mercado.
Para ser mais específico, entretanto, proponho comparar apenas três
tendências ideológicas: a velha centro-esquerda, a nova centro-esquerda e a nova
4
centro-direita, conforme fez Anthony Giddens recentemente. Não terei, entretanto,
como referência a Grã-Bretanha ou a Europa, mas o Brasil ou a América Latina. E
os critérios que utilizarei serão diversos, na medida em que o centro está mais para a
direita e é menos clientelista nos países desenvolvidos.
Os critérios que utilizarei são: que classe controla o partido, qual o papel do
Estado, o que significa reformá-lo, a quem cabe realizar os serviços sociais do
Estado, qual a visão da previdência social, qual a política macroeconômica a ser
adotada, e qual a perspectiva internacional. As diferenças estão resumidas na tabela.
Vamos examiná-las uma a uma, de forma breve.

Critérios Velha Nova Nova


Centro-Esquerda Centro-Esquerda Centro-Direita
Controle de Classe Burocratas Burocr./Capitalist Capitalistas
Papel do Estado Principal Complementar Secundário
Reforma Estado Manter burocrático Tornar gerencial Reduzir
Execução Serviços Sociais Burocracia Terceiro Setor Privada
Previdência Social Estatal Estatal/Privada Privada
Política Econômica Populista Keynesiana Neoclássica
Globalização Ameaça Desafio Oportunidade

Controle de Classe. A esquerda, no século vinte, sempre pretendeu falar em


nome dos trabalhadores. Em parte conseguiu. Mas sua base social mais importante,

4
- Giddens (1998a, 1998b). O autor usa três correntes – Social-democracy: a velha
esquerda; Neoliberalism: a nova direita; e Third Way: a centro-esquerda.
e praticamente todas as suas lideranças, vieram da classe média burocrática
emergente. A forma extrema desse fenômeno ocorreu na União Soviética, mas em
toda parte, tanto nos países centrais, onde se desenvolveu o Estado do Bem-Estar,
como nos países em desenvolvimento, onde tivemos o Estado Desenvolvimentista, o
modelo geral de Estado que engloba os três foi o Estado Social-Burocrático, que, de
fato, logrou alguma distribuição de renda, mas o fez principalmente para a própria
5
classe média que o controlava em associação com a burguesia. O corporativismo da
velha esquerda é intrínseco a uma ideologia que buscava abrir espaço político e
econômico para uma nova classe em emergência. Na verdade, a burocracia
expandiu-se de forma extraordinária neste século, tornou-se complexa e dividida, ao
mesmo tempo em que assumia crescentemente o comando das organizações públicas
e privadas. Este fato a tornou onipresente e diluiu as relações de classe, já que a
divisão que caracteriza internamente a burocracia é a das camadas e estratos.
Dificulta as identificações de classe, mas não as anula. A nova esquerda é também
constituída principalmente pela burocracia, mas tem ainda identidade suficiente para
reconhecer-se a si mesma como tal e para partilhar de forma mais explícita o poder
com a classe capitalista, ao mesmo tempo em que procura ver os trabalhadores como
parceiros e competidores, ao invés de afirmar que está falando em seu nome, como
pretende a velha esquerda. Os quadros da nova direita são também principalmente
originados da classe média burocrática, mas sua aliança e subordinação ideológica à
burguesia é seu traço característico.
Papel do Estado. Para a nova esquerda o Estado deixa de desempenhar o
papel principal na coordenação da economia – papel que a velha esquerda sempre
lhe atribuiu – e reconhece que essa função cabe ao mercado. Por isso afirma que um
dos papéis essenciais do Estado é assegurar a competição, que as empresas
professam como valor mas não praticam sempre que podem. Ao mesmo tempo,
afirma as limitações do mercado não apenas na distribuição de renda: também na
alocação de recursos, na garantia da estabilidade da economia, e na promoção do
desenvolvimento. Nesse sentido, o Estado não tem um papel secundário – o menor
possível – como quer a nova direita, mas um papel complementar e estratégico em
relação ao mercado no plano econômico, e um papel central na regulação mais geral
da sociedade e do próprio mercado.
Reforma Estado. Enquanto a reforma do Estado faz pouco sentido para a
velha esquerda, que vê nessa expressão apenas uma ameaça, e para a nova direita
tem o sentido de reduzir o tamanho do Estado, de downsizing, para a nova esquerda
reformar o Estado significa basicamente três coisas: (1) reconstruí-lo - já que ele foi
vítima de uma captura generalizada por capitalistas e burocratas - dotando-o de um
núcleo estratégico com capacidade de decisão, recuperando suas finanças, e

5
- Goodin e Le Grande (1987) demonstraram com clareza como a classe média burocrata
se apropria de uma parte considerável dos benefícios que o Estado do Bem-Estar
proporciona.
implantando uma administração pública gerencial ao invés de burocrática; (2)
delimitar seu papel, transferindo para o setor privado as empresas e para o setor
público não-estatal seus serviços sociais, de forma a aumentar a competição; e (3)
aprofundar a democracia, fortalecendo as instituições democráticas não apenas da
democracia representativa mas também as da democracia direta, como o referendo e
os mecanismo de controle social, ao mesmo tempo que se promove a
democratização da própria sociedade civil em que o regime democrático está
6
apoiado. Uma preocupação fundamental da nova esquerda é combater a captura do
Estado, sua privatização por interesses particulares, o rent-seeking, por parte da
burocracia, como ocorre com freqüência com a velha esquerda, ou por parte da
classe capitalista, como é facilitado quando a direita está no poder, especialmente a
velha esquerda. Na reforma do Estado o objetivo de garantir o direito do cidadão de
que os bens públicos não sejam capturados privadamente é tão importante quanto o
de tornar o Estado mais eficaz e eficiente, e mais democrático.
Execução dos Serviços Sociais. A velha esquerda, que, da mesma forma
que a nova, defende o direito universal à educação básica e à saúde, sempre supôs
que isto significava o fornecimento direto, pelo próprio Estado, desses serviços.
Montou, assim, um sistema de oferta de serviços sociais estatais, conduzidos por
médicos e enfermeiras, professores e pesquisadores que são servidores públicos, que
têm o mesmo estatuto jurídico daqueles que exercem funções exclusivas de Estado
em que o poder de Estado está envolvido. Isto amarrou os serviços sociais às normas
burocráticas rígidas, além de tornar inviável a competição entre os serviços,
resultando daí elevados custos e completa ineficiência. A nova esquerda, mantendo
a gratuidade dos serviços, faz duas modificações: primeiro, vai aos poucos os
transferindo para o setor público não-estatal; segundo, passa a controlá-los pelo lado
da demanda, dando a maior liberdade aos cidadãos para escolher o hospital ou a
escola, e, assim, os torna competitivos entre si. A nova direita adota a mesma
estratégia administrativa, mas apenas como segundo melhor (second best). Seu
primeiro melhor é privatizar esses serviços, e deixar por conta das famílias (que
teriam salários mais altos devido à diminuição dos impostos) seu pagamento. A
nova esquerda recusa essa alternativa porque sabe que o mercado não beneficia os
mais pobres, que o são exatamente porque sua oferta de mão-de-obra é maior do que
sua procura no mercado, resultando daí salários muito baixos. É isto que o Estado
deve compensar. E porque sabe que o desenvolvimento depende do capital humano:
e capital humano é principalmente educação e saúde. Gastar bem em saúde e
educação através de organizações públicas não-estatais competitivas é investir para
o futuro.

6
- Sobre a reforma do Estado e sobre o tema seguinte, relativo à execução dos serviços
sociais para o setor público não-estatal ver Bresser-Pereira (1998a). Sobre o papel crescente
da sociedade civil, que deixa de ser objeto para ser sujeito da reforma do Estado, ver
Bresser-Pereira (199b).
Previdência Social. A velha esquerda pensa sempre em uma previdência
social estatal, administrada e garantida pelo Estado. Senão para todos, pelo menos
para os servidores públicos. A nova direita quer privatizar todo o sistema, como
ocorreu no Chile. A nova esquerda recusa o modelo chileno, que estabelece um risco
inaceitável para os mais pobres e para o Estado, que poderá ser obrigado a socorrer a
previdência privada, e defende uma previdência básica estatal, que funciona como
um tipo de renda mínima, e uma previdência complementar estatal. Já que a
previdência básica deve permanecer estatal, já que representa uma garantia ou um
último recurso para impedir a miséria dos idosos, deve continuar a ser financiada por
um sistema de repartição: o Estado não é competente para gerir um sistema de
capitalização nem seus contribuintes estão dispostos (ou têm condições mínimas)
para aceitar uma redução das pensões no caso de o fundo ser mal gerido. Quando a
nova direita se dá conta de que o modelo chileno é muito perigoso, aceita a idéia de
uma previdência básica estatal, mas quer reduzir o seu nível (medido geralmente em
termos de salários mínimos), ao mínimo possível.
Política Econômica. A velha esquerda, quando desiste da revolução e passa
a se preocupar com a política econômica, pretende-se sempre keynesiana, mas na
prática tende a comprometer-se, em diversos graus, com o populismo econômico.
Imagina que ser keynesiana significa incorrer em déficits públicos crônicos. Cede
com facilidade às pressões sociais. Em conseqüência, os fantasmas da crise fiscal, da
inflação e da crise de balanço de pagamentos estão sempre rondando. O populismo
econômico, entretanto, está longe de ser exclusividade da esquerda. Os episódios de
populismo econômico por parte de uma direita tradicional são incontáveis. Já a nova
direita é neoclássica, a favor da total abertura dos mercados, e de uma política
macroeconômica monetarista, que geralmente descamba em juros altos. Em
oposição, a nova esquerda é keynesiana. Como a nova esquerda, quer uma política
fiscal ortodoxa, porque sabe que não há melhor forma de enfraquecer o Estado do
que levando-o ao déficit e ao endividamento. Mas não tem a mesma fé que a nova
direita no mercado, que é especulativo e imperfeito por natureza. Assim a nova
esquerda propõe duas coisas fundamentais: regular os mercados, reduzindo suas
distorções, e realizar uma política macroeconômica flexível, que saiba quando é a
hora de diminuir e a de aumentar as despesas (ou diminuir os impostos), de
desvalorizar ou de permitir a valorização do câmbio, de elevar os juros ou
preferivelmente baixá-los. A inflação é para a nova esquerda um mal maior, mas
quando a inflação está em nível muito baixo pode ser considerada uma trade-off
entre maior inflação e uma diminuição do desemprego, devendo essa permuta ser
considerada caso a caso, ao invés de recusada com dogmatismo.
Globalização. Para a velha esquerda a globalização é uma ameaça. É quase
uma conspiração das empresas multinacionais ou dos países desenvolvidos. É a
ideologia do mercado mundial e da perda inevitável de autonomia dos Estados
nacionais. Ora, conforme observou recentemente D’Alema, “encarar a globalização
apenas como ameaça conduz à idéia de que não existem opções exceto reforçar
7
nossas defesas e simplesmente resistir ao avanço da realidade.” Para nova direita a
globalização é uma oportunidade de inserção no mercado internacional e de contar
com a poupança internacional para financiar o desenvolvimento interno. Para a nova
esquerda a globalização é um fato e um desafio, que a leva: não a recusar a
competição e fechar-se dentro de suas fronteiras, como quer a velha esquerda, mas
buscar tornar sua economia nacional competitiva internacionalmente; não a
considerar a perda de autonomia do Estado inevitável, mas a fortalecê-lo fiscal,
administrativa e politicamente, para que ele possa compensar as distorções
provocadas por um mercado mundial e por uma volatilidade extraordinária dos
fluxos financeiros e a procurar controlar e taxar os fluxos especulativos de capital
(imposto Tobin, cuja adoção o presidente Fernando Henrique Cardoso propôs
recentemente de maneira formal), ao invés de dirigir invectivas contra o fenômeno,
como faz a velha esquerda, ou considerá-lo benfazejo, como quer a nova direita.
Em conclusão, existe portanto uma centro-esquerda moderna, uma nova
esquerda, que não se confunde com a velha esquerda burocrática e corporativista
nem com a nova direita radical e subordinada ao capital. Uma centro-esquerda que
sabe que o único sistema econômico possível hoje é o capitalista. Portanto, precisa
administrar o capitalismo melhor do que os capitalistas. Precisa administrá-lo de
forma não apenas mais justa: também mais eficiente. Para isto não conta com
fórmulas mágicas, sequer óbvias. E sua diferença com a centro-direita não é muito
grande, já que os partidos de uma e outra tendência têm sempre que disputar o
centro, e, para isto, caminhar respectivamente para a direita se estiverem à esquerda,
e para a esquerda se à direita. Além disso, ainda que possamos adotar uma definição
abstrata e geral de esquerda e direita, não podemos, nos casos concretos, adotar um
padrão de centro-esquerda (ou de centro-direita) único com o qual medir todos os
casos. Na verdade o centro é móvel e varia de país para país: secularmente tem
caminhado para a esquerda, mas muitas vezes oscila para a direita como aconteceu
com a onda neoliberal, que só recentemente perdeu força.
A mudança do pêndulo ideológico vem ocorrendo no transcorrer desta
década. Ela abre perspectivas extraordinárias para a nova esquerda, especialmente se
ela for capaz de unir forças, organizar melhor seu discurso, demonstrar que é capaz
de governar com responsabilidade, garantindo o investimento privado, o
financiamento externo quando necessário, e o investimento do Estado em capital
humano para que haja desenvolvimento, ao mesmo tempo em que se preocupa com
a eliminação da fome e da exclusão social, que são realidades muito presentes na
periferia do centro capitalista, e combate com todas as forças a apropriação privada
do Estado por capitalistas e burocratas.

7
- D’Alema (1998). Nesse mesmo texto o primeiro-ministro italiano afirma que a
globalização é uma oportunidade a ser aproveitada. Que a globalização econômica precisa
se fazer acompanhada da globalização dos direitos. E que “pela primeira vez é concebível
uma esquerda mundial”. Uma esquerda social-democrática moderna, naturalmente.
Essa nova centro-esquerda pode receber diversos nomes. Eu tenho preferido
chamá-la de nova centro-esquerda, de social-democracia moderna ou de esquerda
social-liberal, ainda que esta última expressão também agrade a representantes da
nova direita, a qual, no entanto, é mais liberal do que social. Nova centro-esquerda
porque a velha centro-esquerda era estatista e paternalista, enquanto a nova centro-
esquerda, ainda que queira reconstruir o Estado, atribui ao mercado e ao indivíduo
papéis mais relevantes; social-democracia moderna, porque a social-democracia
clássica era burocrática, enquanto que a moderna faz a crítica da burocracia;
esquerda social-liberal porque, ao contrário da tese da velha esquerda estatista, o
liberalismo não é o inimigo: representa um avanço na história da humanidade que
precisa ser preservado. Foi através dele que os direitos civis e os direitos políticos
foram conquistados. Como também o socialismo não pode ser descartado, nem
identificado com o estatismo, mas visto como a ideologia e o movimento político
democrático que garantiram os direitos sociais. Por isso, como aos direitos civis e
políticos foi preciso adicionar os direitos sociais, ao liberalismo é necessário
adicionar o socialismo, e propor que a ideologia da nova centro-esquerda seja a do
social-liberalismo ou de uma social-democracia moderna. Por isso a nova esquerda
não pode ser apenas social mas deve ser social-liberal: comprometida com a
igualdade econômica possível – que é muito maior do que geralmente se admite na
América Latina –, consciente da necessidade de reconstruir o Estado para compensar
as distorções do mercado, mas decidida a proteger e promover a competição no
mercado, uma competição que, se for combinada com a busca da solidariedade,
estimula a iniciativa e a eficiência das ações econômicas sem prejuízo de uma maior
justiça social.

Referências
Bobbio, Norberto (1994) Destra e Sinistra. Roma: Donzelli Editore. Existe tradução
para o português.
Bresser-Pereira, Luiz Carlos (1996) “Social-Democracia e Esquerda no Fim de
Século”. Idéias e Debates n.1, Instituto Teotônio Vilela, PSDB, 1996. Publicado
em Lua Nova - Revista de Cultura e Política, no.39, 1997, com o título “Por um
Partido Democrático, de Esquerda e Contemporâneo”.
Bresser-Pereira, Luiz Carlos (1998a) Reforma do Estado para a Cidadania. São
Paulo: Editora 34.
Bresser-Pereira, Luiz Carlos (1898b) “Sociedade Civil: Sua Democratização para a
Reforma do Estado”. Texto apresentado no III Congresso do CLAD, Madri,
outubro 1998. Caderno MARE, sem número, novembro 1998. A ser publicado in
Wilheim, Sola e Bresser-Pereira, orgs. (1999).
D’Alema, Massimo (1998) “A Globalização está Criando uma Esquerda Global”. O
Estado de S.Paulo, 8 de novembro, 1998.
Economist, The (1998) “The strangest Tory ever sold”. The Economist, 2 de maio,
1998.
Giddens, Anthony (1998a) “After the Left Paralysis”. The New Statesman, 1o. de
maio, 1998.
Giddens, Anthony (1998b) The Third Way. Oxford: Polity Press.
Goodin, Robert E. e Julian Le Grand (1987) “Introduction”. In Goodin, Robert E. e
Julian Le Grand, orgs. (1987).
Goodin, Robert E. e Julian Le Grand, orgs. (1987) Not Only the Poor: The Middle
Classes and the Welfare State. Londres: Allen & Unwin.
Streeck, Wolfang (1997) “German Capitalism: Does It Exist? Can It Survive?”. New
Political Economomy, 2(2) julho 1997.
Touraine, Alain (1998) “A Política do ‘Dois e Meio’”. O Estado de S.Paulo, 7 de
novembro, 1998.
Wilheim, Jorge, Lourdes Sola e Luiz Carlos Bresser-Pereira, orgs. (1999) Reforma
do Estado e Sociedade. São Paulo: Editora da UNESP, a ser publicado em 1999.