Você está na página 1de 57

Introdução às

Tecnologias da Informação e
da Comunicação

Conceitos Introdutórios

1
Aula 1

2
Conceitos Introdutórios

 Origem da palavra “INFORMÁTICA”

Informação + Automática

INFORMÁTICA

Informática significa, então, tratamento da informação por meios


automáticos

Dispositivos electrónicos ou, mais precisamente, computadores

3
Conceitos Introdutórios

 Tecnologias da Informação
 Este conceito surge quase como um sinónimo de informática
 São os processos de tratamento e controlo da informação, baseados
em meios electrónicos

 Tecnologias da Informação e Comunicação


 São os processos de tratamento e controlo da informação, articulados
com os processos de transmissão da informação

4
Conceitos Introdutórios

 Ao falar de Informática e Tecnologias da Informação, deve-se


começar por esclarecer o que se entende por Informação.

 Em Informática, os termos dados e informação são frequentemente


utilizados com o mesmo significado.

 Convém ter a noção da distinção entre estes dois termos

5
Conceitos Introdutórios

 Para se obter informação de qualidade é indispensável proceder à


recolha cuidadosa dos elementos ou dados

 Os dados são, então, a base da informação. Estes podem ser:


 Palavras
 Números
 Outros tipos de códigos ou símbolos

6
Conceitos Introdutórios

 A Informação diz respeito a um conjunto de dados articulados entre


si de modo a assumirem um certo significado e a poderem traduzir-
se em conhecimento

 A Informação é, então, um conjunto de dados que, quando


fornecido de forma e a tempo adequado melhora o conhecimento
da pessoa que o recebe, ficando ela mais habilitada a desenvolver
determinada actividade ou a tomar determinada decisão

7
Conceitos Introdutórios

 De uma forma simplificada:

 A informação é constituída por dados organizados com algum


significado para nós

 Os dados, por si só, podem não ter qualquer significado

8
Conceitos Introdutórios

Processamento
Dados Informação

 Exemplos:
 Dados: João; computador  Informação: O João comprou um
computador

 Dados: 1,85 ; 1,80 ; 1,90 ; 1,99  Informação: A média das alturas é


de 1,885

9
Conceitos Introdutórios

 Características da Informação
 Actualidade
 o valor da informação depende em grande parte da sua actualidade. Só
com base em informações actualizadas se podem tomar decisões
acertadas

 Correcção
 é necessário que a informação seja rigorosa, pois só com informação
correcta se pode decidir com confiança

 Relevância
 a informação deve ser devidamente filtrada para que apenas aquela
com relevância seja considerada

10
Conceitos Introdutórios

 Características da Informação

 Disponibilidade
 a informação tem de ser disponibilizada de forma imediata, no
momento em que é solicitada, caso contrário deixa de ser útil

 Legibilidade
 a informação só é informação se puder ser interpretada

11
Conceitos Introdutórios

 Informação Digital

 O computador é incapaz de entender os símbolos que utilizamos


na comunicação oral ou escrita

 todos os dados introduzidos e guardados num computador


precisam de ser traduzidos e codificados numa linguagem própria,
composta por dois símbolos: 0 e 1

12
Conceitos Introdutórios

 Informação Digital

 Como este código é formado apenas por dois dígitos, dá-se-lhe o


nome de código binário

 À informação armazenada num computador por este processo


chamamos Informação Digital

 A informação colocada à nossa disposição num computador é de


tipos muito diversificados:
 Textos, Imagens, Sons, …

13
Conceitos Introdutórios

 Unidades de Informação Digital

 A cada zero ou um, do código binário, chama-se bit.

 Um bit é, portanto, a mais pequena parte de informação que um


computador pode armazenar.

 Os bits viajam pelo computador em conjuntos de oito, a que se


chama bytes

14
Conceitos Introdutórios

 Unidades de Informação Digital

 Unidade mais pequena de informação: bit


 8 bits = 1 byte
 1024 bytes = 1quilobyte (Kb)
 1024 Kb = 1 megabyte (Mb)
 1024 Mb = 1 gigabyte (Gb)
 1024 Gb = 1 terabyte (Tb)

15
Conceitos Introdutórios

 Principais áreas das Tecnologias da Informação e Comunicação

 Para além da informática propriamente dita, as TIC expandem-se


para outras áreas, entre as quais se destacam as seguintes:
Burótica, Telemática, Controlo e Automação

 Burótica:
 Designa a aplicação de meios informáticos no tratamento e circulação
da informação num escritório ou parte administrativa de uma
organização

 Conceber, adaptar e utilizar meios informáticos para recolher, tratar e


fazer circular a informação que interessa a uma organização

16
Conceitos Introdutórios

 Telemática

 Conjuga os meios informáticos (computadores, modems, etc.) com


meios de comunicação à distância ou telecomunicações (linhas
telefónicas, satélites, etc.)

 É uma área das T.I.C. em grande desenvolvimento e com grandes


possibilidades e perspectivas

17
Conceitos Introdutórios

 Controlo e Automação

 As Tecnologias de Controlo e Automação dizem respeito a


sistemas e processos de controlo da produção industrial

 Exemplos:
 Sistemas de fabrico (normalmente de peças) controlado por
computador
 Sistemas que conjugam o desenho e o fabrico baseados em
computador
 Sistemas electromecânicos (robôs) em que intervêm meios
informáticos

18
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático
 Estrutura básica de um sistema informático:
 Os dados são introduzidos, através de um ou mais dispositivos de
entrada, para a unidade de processamento central ou para uma
unidade de memória e, após determinadas operações de
processamento, os resultados serão enviados para os dispositivos
de saída
Unidade Central
De Processamento
(CPU) Dispositivos
Dispositivos
De
De entrada
Saída
(input)
(output)
Memórias ou
Dispositivos de
armazenamento

19
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático
 Os sistemas informáticos, em geral, são constituídos por dois tipos
de componentes fundamentais:
 Hardware
 Software

 Hardware
 refere-se aos dispositivos físicos que constituem um sistema
informático (CPU, Memória, Teclado, Monitor, …)

 Software
 refere-se ao conjunto de programas responsáveis pelo seu
funcionamento e de vários outros programas de aplicação (Sistema
Operativo, Processador de Texto, …)

20
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático
 Ao nível do hardware distingue-se entre:
 Componentes centrais do computador
 Exemplo: Processador, memórias, …

 Periféricos ou dispositivos de I/O


 Dispositivos que podem ligar-se a um computador para entrada
e/ou saída de dados

 Periféricos de Entrada: permitem ao utilizador fornecer dados


para que estes possam ser processados pelo processador
 Teclado, Rato, Scanner

21
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático
 Ao nível do hardware distingue-se entre:

 Periféricos ou dispositivos de I/O

 Periféricos de Saída: responsáveis pela transferência da


informação para o meio externo
 Impressora, Monitor

 Periféricos Mistos: a informação é recebida e enviada


 Disquete, CDROM

22
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático
 Ao nível do software distingue-se entre:
 Software de Sistema
 Responsável pelo funcionamento do próprio computador e de todo
o hardware
 Exemplo: Sistemas Operativos (Windows, Linux, …)

 Software de Aplicação
 Variedade de programas que nos permitem realizar variadas
tarefas (trabalho ou lazer)
 Exemplos: Processadores de Texto, Folhas de Cálculo,
Programas de Desenho, Jogos, …

23
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático
 Interior de um Computador
Fonte de alimentação
Cabos
eléctricos

Unidades
(Drives)

Conectores
on board

Conectores Placa principal


das placas (Motherboard)
de expansão
Placas de
expansão

24
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático
 Placa Principal ou Motherboard
 É placa principal do computador

 Consiste numa placa de circuitos impressos onde são ligados todos


os componentes internos do PC

 É aqui que se conectam diferentes placas através de alvéolos


(frequentemente designados por slots), para desempenharem
funções específicas, como o tratamento da imagem e do som

25
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático
 Placa Principal ou Motherboard
 Tem ainda:
 conectores para ligar os sistemas de armazenamento do computador
(discos rígidos, unidades de CD, …)
 A memória
 O microprocessador

 Como toda esta electrónica aquece e liberta muito calor, há


pequenas ventoinhas localizadas sobre os componentes mais
sensíveis com o objectivo de os refrigerar

26
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático
 Placa Principal ou Motherboard
 Ao olhar para a placa-mãe, observa-se uma infinidade de linhas
(barramento), que “bombeiam” dados para todas as partes da
máquina
 Através de vários tipos de barramento, a informação entra e sai de
cada periférico em direcção ao microprocessador.

 Tudo isto é abastecido por uma fonte de energia, a fonte de


alimentação do computador

27
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático
 Motherboard
Encaixes para unidades (drives)
Chips de
Encaixe para alimentação controlo

Encaixes para
a memória
RAM

Encaixe para o
processador Encaixes
para placas
de expansão

Memória
ROM
Conectores
28
Aula 2

29
O PROCESSADOR OU UNIDADE

CENTRAL DE PROCESSAMENTO (CPU)

30
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático
 O Processador ou Unidade Central de Processamento (CPU)

 É considerado como o “cérebro do computador”

 É responsável pelo processamento dos dados e coordenação


de todas as instruções

 A sua estrutura é bastante complexa e variável consoante a marca


ou a versão

31
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático

 A velocidade a que funcionam os processadores:

 é “medida” em Número de Ciclos por segundo


 Megahertz (Milhões de Ciclos por Segundo)
 Gigahertz (Biliões de Ciclos por segundo)

 tem aumentado de forma surpreendente nos últimos anos


 Torna os computadores cada vez mais rápidos, mas também com maiores
capacidades

 O tipo de processador de um computador determina a rapidez com


que este recebe e trata os dados e transmite as informações

32
MEMÓRIAS PRIMÁRIAS:

RAM E ROM

33
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático
 Memórias do Tipo RAM (Random Access Memory)

 Consiste num espaço electrónico por onde passam


temporariamente os programas e os dados com que o processador
vai ter de trabalhar em cada sessão

 Esses programas podem estar armazenados em suportes de


armazenamento secundário (p.e. disco) mas, para poderem correr
no computador, precisam de passar à memória RAM e, daí, é que
são chamados ao processador

 De acesso aleatório porque o microprocessador consegue aceder


directamente a qualquer endereço (posição interna) da memória e
realiza esta operação de forma extremamente rápida

34
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático
 Memórias do Tipo RAM (Random Access Memory)

 A capacidade, ou quantidade de memória RAM, é um dos factores


mais importantes para a avaliação da capacidade de um sistema
informático

 Condiciona o tamanho dos programas que o sistema pode correr


 Condiciona a velocidade de funcionamento de um sistema

 A capacidade de memória principal de um computador avalia-se


pelo número de bytes que constituem a sua RAM

 Mede-se em múltiplos de bytes: kilobytes, megabytes, gigabytes

35
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático
 Memórias do Tipo RAM (Random Access Memory)

 Quando é preciso extrair informação dos dispositivos de


armazenamento secundário, como o disco rígido ou CD-ROM, a
velocidade de transferência e muitíssimo mais lenta

 Para ajudar nesta situação, existe a memória cache, que guarda


temporariamente a informação requerida com maior frequência,
de modo a facilitar o seu acesso rápido sem ser preciso ler o
conteúdo do disco rígido ou do CD-ROM

36
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático
 Memórias do Tipo RAM (Random Access Memory)

 Funcionamento de uma cache


 As instruções e dados que estão a ser processados pela CPU têm de
vir da memória principal - RAM

 De cada vez que a CPU solicita um bloco de dados à RAM é colocada


uma cópia na memória cache

 A memória cache vai, assim, guardando as instruções e os dados mais


recentemente utilizados pela CPU, ou que, com uma certa
probabilidade, a CPU irá utilizar proximamente

37
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático
 Memórias do Tipo RAM (Random Access Memory)

 Funcionamento de uma cache


 Quando a CPU requer uma determinada instrução, pode acontecer
uma de duas situações:

 A instrução está em cache (passa imediatamente ao processamento)

 A instrução não está em cache (tem de ser requerida à RAM)

38
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático
 Memórias do Tipo ROM (Read-Only Memory)

 São utilizadas, principalmente, para incluir instruções de rotina para


o funcionamento básico de um computador

 Exemplo: operações de arranque ou de interacção com dispositivos de


I/O

 ROM BIOS (Basic Input/Output System)– contém instruções básicas


para a CPU poder comunicar com os dispositivos de I/O

39
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático
 Memórias do Tipo ROM (Read-Only Memory)

 A informação de uma memória ROM é incluída no momento do seu


fabrico

 As suas informações são inalteráveis (o utilizador não pode


armazenar informações, alterar ou apagar o seu conteúdo)

40
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático

 Memórias
 Memória RAM

 Memória ROM

41
O BUS OU BARRAMENTO DE UM

SISTEMA INFORMÁTICO

42
Introdução à Estrutura e Funcionamento
de um Sistema Informático
 O BUS ou barramento de um sistema informático

 Conjunto de fios condutores, situados na motherboard, pelos quais


circulam os dados entre a CPU, a memória RAM e as placas de
expansão dos periféricos

 Características mais importantes numa arquitectura de bus:


 A largura do BUS ou o número de canais para a circulação dos dados

 A velocidade a que os dados podem circular no BUS


Medida em hertz (impulsos por segundo) ou bps (bit por segundo)

43
DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO

SECUNDÁRIO

44
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático
 Dispositivos de Armazenamento Secundário
 Para além das memórias primárias (RAM e ROM), um sistema
informático necessita de outras memórias, ou meios de
armazenamento – dispositivos (ou meios) de armazenamento
secundário

 Destinam-se a guardar os programas e a informação que os


utilizadores necessitam de preservar para além dos momentos em que
decorrem as operações de processamento

 Permitem que os programas e os dados com que trabalhamos possam


ser guardados e recuperados sempre que se quiser

45
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático
 Dispositivos de Armazenamento Secundário

 Existem dois tipos distintos:


 Suportes de armazenamento: discos, disquetes, etc.

 Dispositivos que permitem ler, escrever e transmitir a informação entre


os suportes de armazenamento e a parte central do sistema – drives

 A maioria destes dispositivos (drives de disquetes, discos, etc.) são,


simultaneamente, de input e output, pois permitem a transferência
de dados nos dois sentidos (do exterior para a CPU e vice-versa)

46
LIGAÇÕES OU CONEXÕES DE

PERIFÉRICOS

47
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático
 Ligações ou conexões de periféricos

 Pontos de ligação ou conectores entre uma motherboard e os


periféricos

 Podem ser de tipos diferentes e situarem-se em locais distintos


 Alguns localizam-se na motherboard (o teclado e o rato)

 Outros localizam-se em placas de expansão, que encaixam na


motherboard (placas gráficas ou de vídeo, onde se ligam os monitores)
 Conector VGA: conector da placa gráfica ao monitor

48
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático
 Ligações ou conexões de periféricos
 Certos conectores são de uso genérico, como é o caso das
chamadas portas

 Existem dois tipos de portas: portas série e portas paralelas


 Porta série: a transmissão de dados é efectuada sob a forma de um
fluxo ou série única de bits
 Ex.: Modems externos ou ratos antigos

 Porta Paralela: a transmissão de dados é efectuada através de vários


fluxos simultâneos de bits
 Ex.: Impressoras

49
Introdução à Estrutura e Funcionamento
de um Sistema Informático
 Ligações ou conexões de periféricos

Porta Paralela
Portas Série

50
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático
 Ligações ou conexões de periféricos

 Ultimamente têm vindo a ganhar importância outros tipos de


conectores:

 Exemplo: USB, FireWire


 As transmissões são efectuadas com velocidades muito superiores às
das portas série e paralela

 São indicadas para os novos periféricos, incluindo unidades de CD e


DVD externos

51
PRINCIPAIS DISPOSITIVOS DE INPUT

52
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático

 Principais Dispositivos de Input (de entrada)

 Teclados (Keyboard)
 Ratos e outros dispositivos de apontar
 Ecrãs sensíveis ao toque
 Canetas ópticas
 Leitores de códigos de barras
 Scanners ou digitalizadores de imagens

53
PRINCIPAIS DISPOSITIVOS DE OUTPUT

54
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático
 Principais Dispositivos de Output (de saída)

 Subsistema gráfico (ou de vídeo) – monitores e placas gráficas


 Projectores de imagens de computador
 Impressoras e plotters

55
OUTROS DISPOSITIVOS DE
INPUT/OUTPUT

56
Introdução à Estrutura e Funcionamento de um
Sistema Informático
 Outros Dispositivos de Input/Output (de entrada e saída)

 Subsistema de som

 Dispositivos de conectividade a redes de computadores (placa de


rede, modem)

57