Você está na página 1de 52

1

º

período

LETRAS ESPANHOL

Iniciação
Científica
José Normando Gonçalves Meira

José Normando Gonçalves Meira

iniciação Científica

Montes Claros/MG - 2013

Copyright ©: Universidade Estadual de Montes Claros
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS - UNIMONTES

REITOR
João dos Reis Canela

REVISÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA
Carla Roselma Athayde Moraes
Maria Cristina Ruas de Abreu Maia
Waneuza Soares Eulálio

VICE-REITORA
Maria Ivete Soares de Almeida

REVISÃO TÉCNICA
Gisléia de Cássia Oliveira
Karen Torres C. Lafetá de Almeida
Viviane Margareth Chaves Pereira Reis

DIRETOR DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÕES
Huagner Cardoso da Silva
EDITORA UNIMONTES
Conselho Editorial
Prof. Silvio Guimarães – Medicina. Unimontes.
Prof. Hercílio Mertelli – Odontologia. Unimontes.
Prof. Humberto Guido – Filosofia. UFU.
Profª Maria Geralda Almeida. UFG
Prof. Luis Jobim – UERJ.
Prof. Manuel Sarmento – Minho – Portugal.
Prof. Fernando Verdú Pascoal. Valencia – Espanha.
Prof. Antônio Alvimar Souza - Unimontes
Prof. Fernando Lolas Stepke. – Univ. Chile.
Prof. José Geraldo de Freitas Drumond – Unimontes.
Profª Rita de Cássia Silva Dionísio. Letras – Unimontes.
Profª Maisa Tavares de Souza Leite. Enfermagem – Unimontes.
Profª Siomara A. Silva – Educação Física. UFOP.

DESIGN EDITORIAL E CONTROLE DE PRODUÇÃO DE CONTEÚDO
Andréia Santos Dias
Camilla Maria Silva Rodrigues
Fernando Guilherme Veloso Queiroz
Magda Lima de Oliveira
Sanzio Mendonça Henriiques
Sônia Maria Oliveira
Wendell Brito Mineiro
Zilmar Santos Cardoso

Catalogação: Biblioteca Central Professor Antônio Jorge - Unimontes
Ficha Catalográfica:

2013
Proibida a reprodução total ou parcial.
Os infratores serão processados na forma da lei.
EDITORA UNIMONTES
Campus Universitário Professor Darcy Ribeiro
s/n - Vila Mauricéia - Montes Claros (MG)
Caixa Postal: 126 - CEP: 39.401-089
Correio eletrônico: editora@unimontes.br - Telefone: (38) 3229-8214

Ministro da Educação
Aloizio Mercadante Oliva

Coordenadora Adjunta da UAB/Unimontes
Betânia Maria Araújo Passos

Presidente Geral da CAPES
Jorge Almeida Guimarães

Diretora do Centro de Ciências Biológicas da Saúde - CCBS/
Unimontes
Maria das Mercês Borem Correa Machado

Diretor de Educação a Distância da CAPES
João Carlos Teatini de Souza Clímaco
Governador do Estado de Minas Gerais
Antônio Augusto Junho Anastasia
Vice-Governador do Estado de Minas Gerais
Alberto Pinto Coelho Júnior
Secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
Nárcio Rodrigues
Reitor da Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes
João dos Reis Canela

Diretor do Centro de Ciências Humanas - CCH/Unimontes
Antônio Wagner Veloso Rocha
Diretor do Centro de Ciências Sociais Aplicadas - CCSA/Unimontes
Paulo Cesar Mendes Barbosa
Chefe do Departamento de Comunicação e Letras/Unimontes
Sandra Ramos de Oliveira
Chefe do Departamento de Educação/Unimontes
Andréa Lafetá de Melo Franco
Chefe do Departamento de Educação Física/Unimontes
Rogério Othon Teixeira Alves

Vice-Reitora da Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes
Maria ivete Soares de Almeida

Chefe do Departamento de Filosofia/Unimontes
Angela Cristina Borges

Pró-Reitor de Ensino/Unimontes
João Felício Rodrigues Neto

Chefe do Departamento de Geociências/Unimontes
Antônio Maurílio Alencar Feitosa

Diretor do Centro de Educação a Distância/Unimontes
Jânio Marques dias

Chefe do Departamento de História/Unimontes
donizette Lima do Nascimento

Coordenadora da UAB/Unimontes
Maria Ângela Lopes dumont Macedo

Chefe do Departamento de Política e Ciências Sociais/Unimontes
isabel Cristina Barbosa de Brito

Licenciado em Pedagogia (Unimontes).Autor José Normando Gonçalves Meira Bacharel em Teologia (Seminário Presbiteriano do Sul). Mestre em História (UFMG) e Doutor em História da Educação (PUC-SP). Pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil. Professor do Departamento de Métodos e Técnicas da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) e das Faculdades Unidas do Norte de Minas (FUNORTE). .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 2. . . . . . . . . . . . 18 2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Resenhas bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 4. . . . . . . . . 11 1. . . . . . . . . . 25 3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Peculiaridades dos estudos na universidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Introdução . . . . . . . . .5 Delimitações e interdisciplinaridade . . . . . . . . . . 29 4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 Unidade 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 As diferentes formas de conhecer . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 2.3 A escrita de textos acadêmicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 Conhecimento e ciência . . 28 Unidade 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Introdução . . . . . .1 Introdução . . . . . .2 A leitura e a interpretação de textos . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Aproveitamento das aulas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 A administração do tempo . . . .5 Trabalhos em grupo . . . . . . 11 Iniciação científica . . . . . . . . . . 14 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Peculiaridades do conhecimento científico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 Unidade 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 Leitura e escrita de textos acadêmicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 1. . . . . . . . . .2 Conceito de ciência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Resumos de textos . . . . . . . 17 2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Sumário Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . 12 1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 Trabalhos acadêmicos em geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 Unidade 1 . . . . . . . . . . . . .1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 4. . . . . . . . . . . . . . . . . 29 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 3. . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5 Tipos de pesquisa e técnicas de coleta de dados . . . . . . . . . . . . . . . . 36 5. . . . 45 Referências básicas e complementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Conceito de pesquisa . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Fichamentos e documentação de estudos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7 A divulgação dos resultados de pesquisa . . . . 33 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 5. . . . . . .4 Pressupostos filosóficos e pesquisa científica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .6 O planejamento da pesquisa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 A relevância social da pesquisa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 A pesquisa científica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 . . . . . . . . . . . . . . .5 Pesquisas bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 5.4. . . . . . . . .1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 5. . . . 40 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 Atividades de aprendizagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 5. . . . . . . . . . . . . . .AA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42 Resumo . . . . . . .8 A ética na pesquisa . . . . . 40 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 Unidade 5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Inicia-se com ele uma relação muito especial com o conhecimento. Trabalharemos a disciplina em cinco unidades. sempre de forma analítica e produtiva. tanto aqueles que são pertinentes ao cotidiano dos cursos de graduação quanto àqueles que se referem à produção mais ampla nos cursos de pós-graduação e à carreira acadêmica. ao propor meios para que o estudante tenha um bom aproveitamento durante o curso universitário. não seja apenas um reprodutor ingênuo. apresentando as peculiaridades do conhecimento científico. de informações recebidas. A quarta abordará os trabalhos acadêmicos em geral. essencial à sua formação. seja dedicado à busca de novos conhecimentos.Iniciação Científica Apresentação Caro (a) acadêmico (a). acrítico. Espera-se do estudante universitário uma atitude analítica. A terceira unidade tratará das técnicas de leitura e interpretação de textos. políticos e ideológicos ainda que implícitos nas diversas situações. do curso que escolheu fazer. é oferecer ao estudante as ferramentas necessárias à aquisição dos saberes propostos para o Ensino Superior em geral e. Ao contrário. em geral.Letras Espanhol . Pretende-se desenvolver a autonomia intelectual necessária para que no exercício das tarefas acadêmicas e futuramente no seu campo profissional. A disciplina. sendo capaz de apresentar considerações fundamentadas e abertas ao diálogo respeitoso com outras percepções. seu alcance. Esperamos contribuir para que o estudante e futuro profissional. Bons estudos! O autor. A primeira discutirá as especificidades da construção do conhecimento no Ensino Superior. que seja capaz de analisá-las à luz do contexto e identificar os pressupostos teóricos. especificamente. pretende oferecer contribuição relevante para a formação desse espírito crítico. da autonomia esperada do estudante e os desafios dessa nova etapa. elaboração e publicação de resultados. as atividades propostas em um curso universitário são desafiadoras. O nosso objetivo para a disciplina Iniciação Científica. Esse objetivo será cumprido por meio das reflexões propostas sobre o próprio caráter da produção do conhecimento em seus diferentes níveis e dos procedimentos acadêmicos e as bases filosóficas adequadas para que a sua execução seja eficaz. Na segunda unidade será discutido o tema Conhecimento e Ciência. crítica. relevância social. diante dos conteúdos que lhes são propostos e das realidades observadas. 9 . métodos e limitações. A quinta unidade se ocupará da pesquisa científica e dos diversos aspectos relacionados à sua natureza.

.

Metodologia da Pesquisa Científica. por exemplo. tem objetivos de preparar o aluno para à realização do trabalho de pesquisa na sua área do conhecimento. normalmente são muito semelhantes. na elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). As ementas. na elaboração dos trabalhos do cotidiano acadêmico e daqueles que visam a divulgação de resultados parciais ou finais das pesquisas. na universidade que o acadêmico inicia-se em uma etapa especial da produção desse conhecimento. de forma específica. por um lado. o aproveitamento das aulas e a documentação dos seus conteúdos e algumas sugestões práticas para o aproveitamento adequado dos trabalhos elaborados em grupos. É.Iniciação Científica Unidade 1 Iniciação científica 1. no entanto. Nesse primeiro momento. com a consciência da necessidade de um preparo adequado para o exercício profissional relevante. apresentaremos algumas peculiaridades dos estudos na universidade. Relaciona-se. disciplinas tais como Métodos e Técnicas de Pesquisa. apontando as possibilidades de ação interdisciplinar e auxiliando. Propõe ainda discussões em torno da metodologia para a eficiência nos estudos. É na educação superior que o acadêmico aprofunda-se na leitura e interpretação dos símbolos próprios da comunidade cientifica.2 Peculiaridades dos estudos na universidade A pergunta chave que deve nortear a ação do estudante universitário é: “Como posso tirar o máximo proveito do cursor?” Esforçar-se para alcançar uma formação de qualidade é uma questão ética. Normalmente é oferecida no primeiro período para instrumentalizar o bom aproveitamento nas demais disciplinas e demais atividades do curso. Nesta unidade.1 Introdução Qual a diferença do conhecimento produzido na educação básica daquele que é produzido no Ensino Superior? Embora a educação escolar. Severino (2002) e Ruiz (2002). A proposta é que discussões em torno da natureza do conhecimento científico e os diálogos possíveis com outros tipos de conhecimento sejam conhecidos e refletidos sobre suas fronteiras e seus limites. 1. propedêutica. Ao final da leitura. a necessidade de uma boa administração do tempo e organização das atividades dos estudos. dentre outros. Ser um profissional 11 . é objetivo da Metodologia Científica demonstrar ao acadêmico os desafios próprios da sua nova etapa na produção do conhecimento e como tirar o máximo proveito do curso que escolheu fazer. instrumental. esteja vinculada ao conhecimento científico. por- tanto básica. Técnica de Comunicação Científica. A disciplina que se propõe a iniciar e orientar o estudante nessa comunidade aparece no projeto político pedagógico dos diferentes cursos com o nome de Metodologia Científica. em todos os seus níveis. comparando-os com as informações contidas neste texto. Nos períodos subsequentes.Letras Espanhol . da sua produção acadêmica ou da sua carreira profissional. Iniciação Científica. avalie os seus hábitos de estudos. preparando o estudante para outras etapas dos seus estudos. apresentam sugestões muito práticas para que o estudante se adapte de forma eficaz à nova metodologia de estudos. Importantes obras adotadas como referência no estudo da iniciação científica. tem dedicado seus primeiros capítulos para alertar o estudante quanto às diferenças da realidade universitária daquela que vivenciaram na educação básica.

não demorará a colher os frutos amargos da sua displicência. há uma alerta na página inicial do site da Universidade de Coimbra: . Se houver uma necessidade de se chegar mais tarde. É preciso disciplina para que isso não aconteça e os prejuízos para a sua boa formação sejam irreversíveis (não é possível recuperar tempo perdido). esforço e dinheiro sejam bem aproveitados. Além desse aspecto. quando a sua formação deficiente implicar em perda de espaço no seu campo profissional. 2007. Se esses frutos não forem colhidos durante o próprio curso. Segundo ele. ver Neves. Deve ser capaz de relacionar. o estudante tenha maturidade para fazer suas escolhas. 1. Por outro lado. além daquelas propostas pelo curso. sugiro a leitura de Gentili e Silva. é preciso cui- dado para não se fazer uso errôneo da liberdade que pressupõe autonomia. Aquele que faz mau uso dessa liberdade. quem tem a oportunidade de ingressar-se na universidade deve investir todos os seus esforços para que o curso seja bem feito. Sobre esse importante assunto. Essa competência ou a sua ausência terá impacto social que deve ser considerado desde o início do seu preparo para o exercício profissional. mantidos por recursos públicos. Assim. Não é pouco comum verificar-se maior dificuldade por parte do grupo da dedicação exclusiva. Enquanto na educação básica havia uma grande dependência do professor.2013 ▼ 12 qualificado. certamente o serão no futuro.UAB/Unimontes . autônomo. PARA SABER MAIS A “popularização” ou “democratização” do acesso ao ensino superior é tema que também suscita intenso debate. mas se será importante para o consistente domínio do tema em estudo. em contexto específico. Especialmente aqueles que estudam em universidades públicas. ampliando-as por meio de leituras que estejam além daquelas exigidas pelo professor. Não é necessário o controle na portaria da instituição para garantir a sua pontualidade. também precisam de criatividade e disciplina para cumprirem uma agenda que exigirá renúncia e superação.3 A administração do tempo Para dialogarmos a respeito da administração do tempo é importante iniciar lembrando que a administração do tempo é grande desafio tanto para os acadêmicos que se dedicam exclusivamente aos estudos como para aqueles que trabalham em outras atividades e dispõem de pouco tempo para os trabalhos escolares. Espera-se que nesse nível. articular informações. seja capaz de avaliar suas prioridades. devido à sua complexidade.com/ blog/sacrificar-o-sono-para-estudar-mais-piora-desempenho-academico/> Acesso em jun. é preciso considerar também que embora o ingresso na Educação Superior no Brasil hoje esteja massificado. 2001. destaca a autonomia do estudante universitário na produção do conhecimento. Severino (2002). os acadêmicos que se dedicam intensamente a outras atividades. o estudante agora deve ter a capacidade de fazer bom uso das informações recebidas e ir além dos conteúdos discutidos em sala de aula e dos textos fornecidos pelo professor. Embora diversas políticas venham sendo implementadas para popularizar o acesso ao ensino superior no Brasil. Que os recursos investidos. tem merecido amplas e aprofundas discussões. O tempo parece ser tão amplo que acaba sendo desperdiçado. por sua vez. essa democratização ainda pode ser considerada limitada. questões sociais diversas que. com habilidade para interpretar e articular os conhecimentos pertinentes à sua área de atuação é uma questão meramente individual. de sair mais cedo ou de até mesmo se ausentar das aulas.1º Período PARA SABER MAIS O termo “formação de qualidade” refere-se a obtenção daqueles saberes esperados por uma sociedade. espera-se que o sujeito consciente. devem ter consciência do papel social da sua formação. Para aprofundar os estudos desse tema. administrar o seu tempo. Destaca a necessidade de atenção para as diferenças da vida na universidade daquela em que o estudante estava acostumado na educação básica. entretanto. Raizer e Fachinetto. Como ampliar o acesso sem prejudicar a qualidade? Sobre essa discussão. Figura 1: Planejamento e estudos Fonte: Disponível em http://andremansur. A grande preocupação do estudante não deve ser se a atividade “vai valer nota”. tempo. para o exercício de uma determinada profissão. Ruiz (2002) ressalta que é preciso informar a quem acaba de ingressar na vida universitária a utilização de métodos eficientes para o bom aproveitamento nos estudos. uma Educação Superior de qualidade ainda é privilégio de poucos.

Além da exposição do que ficou bem entendido da leitura prévia. Leituras durante deslocamentos. esforços extra para se acordar mais cedo. Desta forma vale mostrar que Ruiz (2002. 31). revisão cuidadosa dos conteúdos discutidos em sala e a documentação desses conteúdos são atitudes essenciais para o bom aproveitamento do curso. 1. O descanso planejado é investimento na qualidade do trabalho. Disponível em: http://www. Como destaca Ruiz (2002). Se não há tempo. dificuldades de concentração e retenção (. então o tempo necessário terá que ser planejado. Acesso em 10 jun.. das principais premissas do autor. p. como sugerido no tópico anterior é de fundamental importância. Mudanças de hábitos. são as aulas que oferecerão as diretrizes para a produção dos conhecimentos que vão muito além dela. Se houve uma decisão madura de se fazer o curso proposto. O estudo prévio dos textos indicados como referência para a próxima aula deve ser realizado com rigor. facilitando a participação em sala de aula. Desta forma. Adverte para a impertinência das justificativas de falta de tempo para o cumprimento das exigências dos estudos.pt/fctuc/ceip/metodos_estudo/gestao_tempo. portanto cuidados especiais. confusões. de síntese e de expressão verbal. Afinal. p. O planejamento adequado das actividades permite alcançar metas traçadas em menos tempo do que aquele que é fixado inicialmente Fonte: Universidade de Coimbra. São necessários.. daquele ponto de vista devem ser feitas de forma objetiva.”. a não realizarem tarefas escolares aos domingos. o acadêmico deve também observar as questões pendentes. A reconhecida importância da aula deve motivar as atividades pré-aula. portanto. beneficiar-se.4 Aproveitamento das aulas Na sequência do nosso diálogo é indispensável abordar a respeito do aproveitamento das aulas. receios. na mesma linha. ser considerado com especial atenção. falta muito tempo para o exame e até lá ainda recupero.) aconselha-se o planejamento das actividades de estudo e a elaboração de um horário.uc. A elaboração do cronograma de atividades diárias. dentre outras providências. o que não foi possível compreender no exercício feito. Sendo assim vale ressaltar que o termo aproveitar significa lucrar. Será uma boa oportunidade para que a discussão em sala de 13 . preparar-se para uma boa participação. As situações de estudo sob pressão apenas levam a um estado excessivo de fadiga.edu.. expondo as suas dúvidas. Proponho ◄ Figura 2: Hábito da leitura Fonte: Disponível em< http://www. esclarecemos que ser frequente e interessado. clara. Esse preparo prévio possibilitará ao acadêmico dar a sua contribuição para a construção coletiva do conhecimento a partir dos temas abordados e também contribuirá para o desenvolvimento da sua capacidade de compreensão. 2013. É pertinente também observar que Severino (2002.Letras Espanhol . o período de aula é o principal momento de um curso. 2013 aos acadêmicos por exemplo. aproveitamento de parte do horário de almoço. Anotações das observações gerais.uneal.. É necessário lembrar que um boa administração do tempo deve incluir também o necessário período de descanso.Iniciação Científica BOX 1 Alerta sobre a administração do tempo No Ensino Superior a matéria é mais extensa e é necessária uma maior autonomia na forma como nos organizamos. sugere rigor contínuo na administração das atividades.. 22) propõe a elaboração de uma agenda minuciosa e exequível. br/sala-de-imprensa/ noticias/estao-abertas-as-inscricoes-para-bolsas-de-iniciacao-cientifica> Acesso em jun. Deve. então não há condições para se estudar. resultando frequentemente este tipo de pensamento: “. do seu referencial e as conclusões permitidas pela leitura. evitando acúmulos.

elaboração de trabalhos agendados pelos diversos professores e que demandam mais tempo. Deixar de estudar os textos indicados para a aula seguinte dificultará o trabalho do professor e tornará a aula enfadonha. atenção. No primeiro caso. Pontualidade. Vejamos no próximo tópicos algumas orientações práticas no que concerne à importante e usual prática de trabalhos em grupos. Nem sempre haverá uma anotação sistemática por parte do professor. Severino (2002) sugere aqui a prática da documentação dos estudos realizados em sala. Oferecem a oportunidade para se desenvolver a capacidade de produção coletiva.UAB/Unimontes . sejam transcritos de forma organizada em um arquivo temático.pacc. aprimorar compreensões e construir conhecimentos? É inegável a importância dos trabalhos feitos em grupos. Se o preparo para a aula é importante. É o momento da revisão. Nessa perspectiva o Severino (2002) sugere que o estudante deve expor sem receios os segmentos da matéria por ele selecionados. é a revisão dos conteúdos estudados em sala. Optando-se pelos arquivos eletrônicos. No Ensino Superior. br/tag/aula/ >Acesso em jun. apenas uma citação desarticulada das palavras do autor. o discurso é descolado do referencial teórico adotado. não há uma compreensão do conteúdo lido. das técnicas de leitura e da elaboração de resumos e resenhas. envolvendo-se nas discussões e debates e. além da participação já mencionada. para facilitar o acesso no momento da revisão. deve-se tomar o cuidado para não cair nos extremos do senso comum ou da reprodução acrítica do conteúdo lido. trataremos mais adiante. O outro tópico desse cronograma de atividades diárias. da convivên- . das informações obtidas nos debates em sala. 2013 aula seja enriquecida e que as diversas percepções do conteúdo estudado sejam apresentadas. sobre os conteúdos. No segundo. em outra unidade. do diálogo. são fatores que farão toda a diferença na produção relevante do conhecimento. compreendido e que o acadêmico é capaz de expor as ideias do autor com espontaneidade e clareza. de forma seletiva. Para exercitar essa compreensão dos textos lidos. cuidados especiais devem ser tomados para que tais conteúdos não sejam perdidos em caso de problemas com o equipamento. O ideal é que se demonstre que o texto foi lido. podendo ser de grande relevância para utilização futura. Esse exercício de documentação além de preservar as anotações feitas durante o estudo da matéria. dos textos lidos.1º Período ▲ Figura 3: Aproveitamento das aulas Fonte: Disponível em <http://www. a participação efetiva no momento da aula não seria diferente. o que resultará em prejuízo geral. Em meio a estas nossas conversas é preciso ressaltar que não menos importante do que as atividades que antecedem as aulas e daquelas que fazem parte da própria aula. basta sugerir que aquelas anotações feitas no caderno em sala de aula. estabelecer novas tarefas para desenvolver novos aspectos percebidos durante a aula. 1.5 Trabalhos em grupo Os trabalhos em grupos são de fato proveitosos? Esse tipo de atividade não dá margem para que alguns acadêmicos se aproveitem dos mais dedicados e simplesmente tenham os seus nomes arrolados entre os autores do trabalho? É possível aproveitar os 14 trabalhos em grupos para promover o diálogo. Mais adiante veremos também os diversos tipos de documentação pessoal de conteúdos estudados. a reflexão. ao mesmo tempo. Por enquanto. assiduidade. Nos seus estudos diários devem ser reservados espaços para o preparo da aula seguinte. As fontes citadas e a data da aula não devem ser esquecidas nesse registro. Quanto à participação em sala de aula. Deve-se tomar o cuidado também de se fazer anotações. favorecendo a sua aprendizagem e desenvolvimento dos temas abordados.ufrj. permitirá ao acadêmico o reestudo. normalmente espera-se que o aluno seja capaz de selecionar os aspectos que deve registrar dos conteúdos estudados para reflexões posteriores. imprescindível ao bom aproveitamento do curso é a revisão dos conteúdos das aulas anteriores.universidadedasquebradas. Essas anotações devem ser feitas com segurança.

tarefas distribuídas: divisão de tópicos do texto. terá dado grande passo para uma formação de qualidade. portanto. Na segunda reunião o grupo verificará a necessidades de outros encontros antes daquele para aprovar o trabalho em sua forma definitiva. O secretário anotará todas as decisões do grupo para que não haja dúvidas quanto ás responsabilidades assumidas. pois são várias as possibilidades de prejuízo nesse tipo de atividade. Para que o trabalho em grupo seja bem sucedido. desde que haja encontros para que todo o grupo tenha acesso aquele conteúdo e aprove coletivamente o que foi elaborado pelo responsável pelo tópico. html> Acesso em jun. posteriormente. Deve se reunir sistematicamente para acompanhar e articular os resultados das ações propostas.Letras Espanhol . que todos os membros do grupo estejam atentos a esse conteúdo. no aproveitamento do seu tempo para estudos e dos recursos disponíveis. o respeito para com as ideias apresentadas.Iniciação Científica cia com ideias divergentes ou complementares. Os grupos não devem ser muito grandes. pronta para a entrega ou apresentação. bem como a objetividade da reunião. Sendo assim. para que haja o retorno referente as tarefas distribuídas nessa primeira reunião. á dedicação e seriedade do que propriamente no talento ou mesmo em formação privilegiada na educação básica. evitando digressões intermináveis e assuntos periféricos. na inserção no campo profissional está mais relacionado ao esforço. O conteúdo final do trabalho é da responsabilidade de todos que o subscreveram. deve-se reunir. Essa divisão em tópicos ou capítulos para estudo individual não é errado. responsabilidade de todo o grupo. Acaba se tornando um estudo individual dos tópicos. É necessário. Após a leitura desta unidade foi possível perceber que se o acadêmico for criterioso na administração das atividades acadêmicas.blogspot. Outra reunião já deve. Nessa primeira reunião deve-se tomar conhecimento do trabalho a ser realizado e estabelecidas as ações preliminares necessárias. porém. desse modo. Devem ser anotados telefones e endereços eletrônicos dos participantes para que a comunicação seja dinâmica. É preciso cuidado. Embora essas reuniões normalmente sejam menos formais. 2013 15 . nomear um coordenador e um secretário. desarticulado e que não representa a compreensão do grupo. dentre outros. levantamento bibliográficos. br/2013/04/dicas-para-se-tornar-mais-produtivo-e. garantindo o direito de participação de todos. Imediatamente após receber a tarefa (tema ou texto para estudo). é necessário que o coordenador do grupo atue como moderador. para que tais trabalhos sejam relevantes e cumpram seus objetivos. podendo assim assumir tal responsabilidade. A elaboração final passa a ser. Será o relatório inicial. Não devem ter no mais de cinco membros. São muitos os casos em que os acadêmicos simplesmente dividem o texto ou tema a ser estudado e apresentam um trabalho fragmentado. em prazo estabelecido segundo a necessidade e conveniência do grupo. é possível concluir que o sucesso nos estudos e.com. algumas sugestões básicas. É importante que compreendam que as dificuldades nor- ▲ Figura 4: Trabalhos em grupo Fonte: Disponível em <http://tiqx.

Referências GENTILI. Para discutir a iniciação do estudante na comunidade acadêmica. A. 10.1º Período DICA Assista ao filme “Um Sonho Possível” – Drama norte-americano baseado no livro “The Blind Side”: Evolution of a Game de Michael Lewis. Metodologia do trabalho científico. SEVERINO. malmente são superadas quando há interesse e responsabilidade. 16 .. Desta forma vale ponderar que a disciplina Metodologia Científica tem como objetivo geral habilitá-lo para que a sua participação na aquisição e produção de novos conhecimentos seja efetiva e eficaz. Sociologias. NEVES. qualidade total e educação: versões críticas. RAIZER. pp. 2007. São Paulo: Atlas. SILVA.UAB/Unimontes . n. 5. ed. São Paulo: Cortez. A obra trata sobre as possibilidades de superação das condições adversas em busca dos seus ideais. Antônio Joaquim. João Álvaro. Rochele Fellini. 2002. Tomaz Tadeu da (Orgs. Clarissa Eckert Baeta.). é necessário que ele seja informado dos desafios que terá que enfrentar e dos caminhos possí- veis para a superação. Neoliberalismo. ed.17. Petrópolis – RJ: Vozes. 124-157. RUIZ. 22. Metodologia científica: Guia para eficiência nos estudos. Leandro e FACHINETTO. Pablo A. expansão e equidade na educação superior: novos desafios para a política educacional brasileira”. 2002. ed. “Acesso. 2001.

devido ao próprio caráter da ciência.Letras Espanhol . capaz de ser submetido à verificação” (MARCONI e LAKATOS. um conjunto de conhecimentos logicamente correlacionados. p. mas também os demonstra pelas suas causas determinantes ou constitutivas”. que é a transformação consciente da natureza. sobre o comportamento de certos fenômenos que se deseja estudar”. Verificaremos ainda a relação entre o conhecimento científico. Mezzaroba e Monteiro ponderam: A ciência é concebida hoje como aquela forma de conhecimento que está constantemente perseguindo as explicações e as reavaliações dos seus próprios resultados. sujeitos à verificação dos fundamentos utilizados. São vários os conceitos de ciência que aparecem nas obras de metodologia científica. a ciência não é o único modo de conhecer a realidade e nem pode ser considerado superior. dirigidas ao sistemático conhecimento com objetivo limitado. Como não é nosso objetivo nesse texto introdutório empreender uma análise aprofundada da História da Ciência.1 Introdução Na continuidade das discussões propostas iniciamos um diálogo a respeito de questões referentes aos conceitos de conhecimento e ciência.80). dependendo da visão de mundo de que a analisa. Citam Trujillo Ferrari: “ A ciência é todo um conjunto de atitudes e atividades racionais. pois acabam deixando escapar aspectos necessários. Aquele tipo de conhecimento que busca compreender os fenômenos estudados em suas causas. produção de cultura. deixando o tema em aberto para novas considerações. exige determinada “ciência”. Não é simples emitir um conceito de ciência. Nossos objetivos aqui. tendo. São diversas as compreensões e pressupostos teóricos e filosóficos que interferem nessa conceituação. p 80). 29) reconhece a dificuldade de se “conceituar” a ciência:Não se pode. p. A ciência é compreendida de forma diferente. nesse sentido amplo.Iniciação Científica Unidade 2 Conhecimento e ciência 2. podemos afirmar isso? Nesta unidade discutiremos de forma introdutória o conceito de ciência no seu sentido amplo e no seu sentido estrito. e as diferentes formas de conhecer. Compreendemos. É apenas um dos tipos de conhecimento produzido pelo homem na tentativa de explicar a realidade em seus diversos aspectos. Requer conhecimento. na mesma linha teórica afirmam: “Entendemos por ciência uma sistematização de conhecimentos. Como veremos mais adiante. portanto. emitir um conceito tranquilo de ciência. No sentido amplo. Todo trabalho. Desta forma indaga-se O que é ciência afinal? Todo conhecimento é ciência? Em que sentido. ciência é conhecimento. Utilizaremos os conceitos que normalmente aparecem nos manuais de metodologia científica trabalhados nos cursos de graduação.. assim. Todos eles. entretanto. 128) “define”: (. p. relacionam-se ao sentido estrito.) ciência não significa um conhecimento qualquer e sim um conhecimento que não só apreende ou registra fatos. Ruiz (2002. contudo. apresentando os sentidos amplo e estrito do termo. que todo tipo de conhecimento humano é. ciência. Marconi e Lakatos (2009. 2. como se fos- 17 . Demo (1988. são questionáveis. apresentaremos uma síntese suficiente para este momento. utilizando-se de metodologia específica para o cumprimento dos seus objetivos. plena consciência de sua falibilidade e dos seus limites. 2009. no seu sentido específico.2 Conceito de ciência Consideremos o conceito de ciência.. pois.

Podemos considerar que ele. As causas não . as formas humanas de produção dos saberes necessários à sua sobrevivência são marcados por sua capacidade de pensar a sua própria existência. novas leituras alteram continuamente as suas conclusões que. Para que se entenda melhor o conceito de ciência. sujeita às transformações nos diversos contextos. Iniciemos com algumas indagações: o homem é capaz de conhecer? Ele necessita sempre de ampliar os seus conhecimentos? Está sempre buscando explicações para o mundo e seus fenômenos? Diante das indagações apresentadas. de forma inteligente resolver os problemas da vida. discutiremos aqui especificamente o conhecimento humano. filosóficos em torno desses métodos é que tornam a leitura dos resultados sempre passíveis de discussão. Os pressupostos teóricos. 2009. porém. vale pensar no fato de que. 44). Apenas. Vejamos. de produzir cultura. de outro. desde que sejam empregados métodos adequados à sua produção. Novas teorias. na consciência de que uma entre outras.o camponês. Funcionou assim naqueles casos. Mesmo que a própria busca da felicidade seja empreendimento questionável sob diversos prismas. Muito antes do surgimento da ciência moderna. objeto do nosso enfoque nesse texto. a razão humana ao conhecimento científico que. o conhecimento popular.1º Período se possível partir de algo evidente e inquestionável e chegar a algo também evidente e inquestionável. entretanto. portanto histórica. objeto das nossas reflexões. p. que subjetivize tudo ao nível de veleidades particulares. que admite coisas indiscutíveis. aquele que. novas fontes. 2. Exemplos clássicos do senso comum ou conhecimento empírico é a observação do camponês que sabe discernir as estações e as condições climáticas para a semeadura. adquirido por meio da experiência cotidiana. comum também aos animais. por isso mesmo. separando e comparando o que é conhecimento científico de outros tipos de conhecimento. p. Consideremos primeiramente o conhecimento chamado de senso comum ou conhecimento empírico. portanto uma construção humana e. Esse seu caráter histórico. fontes reais devidamente analisadas. as soluções encontradas nas tradições. O conhecimento científico é um fenômeno da modernidade (Séculos XVI e XVII). Observa os fenômenos naturais e aprende a reagir de acordo com as suas ocorrências. tem buscado explicações para o mundo. o homem. não invalida a sua confiabilidade. comparando-os com o conhecimento científico. são sempre provisórias. podemos considerar que a ciência é. Esse tipo de conhecimento é também racional. Nesta parte do nosso diálogo voltaremos o nosso olhar. 2004. Os remédios caseiros. A diferença do senso comum para o conhecimento científico está na sua aplicação pragmática. da forma como é considerado hoje. atendendo o objetivo geral que é a promoção da felicidade. da apropriação do mundo por meio dos sentidos. devemos evitar dois extremos: de um lado o extremo do dogmatismo. (MEZZAROBA & MONTEIRO. para pensarmos que a racionalidade humana impulsiona a busca de novos saberes com diversos objetivos específicos. portanto. utilizando-se da sua capacidade racional.UAB/Unimontes . não fez pesquisas científicas. Antes mesmo do surgimento da Filosofia. pois procura. para a colheita e demais atividades necessárias pertinentes à sua realidade. 93).3 As diferentes formas de conhecer 18 Depois de refletir a respeito do conceito de ciência. o relativismo. nas práticas passadas de pais para filhos também são arrolados como produto desse conhecimento. alguns tipos de conhecimento. Não é possível reduzir o conhecimento. é preciso abordar o que Demo (1988) chama de “demarcação científica”. pois. Sendo assim. mas observou a natureza. Diante do exposto vejamos alguns tipos de conhecimentos e como podemos estabelecer um diálogo entre eles e o conhecimento científico. O que podemos fazer é apresentar uma proposta de definição da ciência. embora possamos afirmar que “qualquer conhecimento é uma espécie de apropriação do mundo objetivo por parte do sujeito cognoscente” (RUIZ. além do mero conhecimento sensorial. voltemos o nosso olhar para questões referentes às diferentes formas de conhecer. importante matriz para o estudo da História da Ciência. É dinâmica. é relativamente recente. então funcionará novamente.

utilizando-se . inteligente. O conhecimento filosófico. que significa “liderar” ou “guiar”. tratar o senso comum como se fosse um conhecimento inferior. por não ter sido considerada a particularidade do caso onde foi empregado. pois a sua metodologia não dá conta de pronunciar-se. pode ser entendida como elemento que parte do pressuposto que Deus se revela nas Escrituras e o seu desafio é apreender o conteúdo do texto sagrado. à divina inspiração desses textos. da arqueologia. tem sido afirmada do ponto de vista da arqueologia e da História. É necessário lembrar que todo conhecimento humano apresenta suas limitações. até o fato de concluir que determinados aspectos das suas elaborações estão além do alcance da razão são percebidos e explicados racionalmente. Desta forma. a ciência é uma extensão do senso comum. marcado pela presença do conhecimento científico. entrar no mérito desse tema. É utilizada com o sentido de extrair o significado de um determinado texto. levando-se em considerações os aspectos gramaticais. procura explicar o mundo.Letras Espanhol . a ciência simplesmente se cala. O conhecimento teológico também não pode ser considerado irracional. o homem e suas relações. O conhecimento teológico comunica-se com a ciência.htm> Acesso em jun. porém. O máximo que a ciência pode fazer é calar-se a respeito por não dispor de métodos que acompanhem a fé em toda a sua extensão. Alves (2002) afirma ser o conhecimento científico um desenvolvimento. apenas os resultados constatados. com GLOSSÁRIO Exegese: Palavra originada do grego “ex” que significa “fora” ou “para fora” e “agein”. porém. por sua vez. Não há. É possível que um resultado aparentemente positivo em determinada situação. seguem-se os princípios do senso comum mesmo em um ambiente moderno.Iniciação Científica ◄ Figura 5: Diferentes formas de conhecer Fonte: Disponível em < http://ipesca. por exemplo. e não poderia ser praticada por alguém que não tenha capacidade de utilizar-se da razão. Aqueles temas da teologia que extrapolam a esfera da investigação científica não são negados pela ciência. a teologia estuda os conhecimentos apresentados de uma denominada revelação divina. da exegese da hermenêutica para produzir os seus conhecimentos. Quanto. devem ser creditadas às convicções individuais (questão de fé) e não à ciência. Ultrapassa os limites do conhecimento científico por ser especulativo e não ter o propósito de verificar e demonstrar de forma concreta a realidade pensada. A autenticidade de textos bíblicos. 2013 são explicadas. Podemos considerar também que a limitação do senso comum reside no fato de não ter acesso às causas. portanto. ponderamos que enquanto a ciência lida com fenômenos observáveis. com métodos diferentes. A demarcação entre ciência e filosofia é relativamente recente. Afirmações relacionadas à teologia que extrapolam os limites do método científico quando são feitas por cientistas. porém. Deve-se. A revelação divina como aqui mencionada. As suas buscas e construções se sustentam sobre bases racionais. uma hipertrofia do senso comum. Argumenta que da mesma forma que o telescópio é uma extensão para a visão e que só é útil para quem vê. desfazer-se o mito de que a ciência nega a existência de Deus ou a fé. por ser racional. em outra provoque efeito colateral nocivo. Mais recente ainda é a constituição das Ciências Humanas e sociais como área específica da produção científica. Em muitos aspectos da vida. A autonomia da ciência em relação á filosofia é um processo que se inicia com a modernidade. portanto. irracional. 19 . Podemos apontar outro tipo de conhecimento normalmente discutido em contraponto com o conhecimento científico é o conhecimento teológico. Sem o senso comum não haveria ciência pois é a partir dele. Na verdade são conhecimentos diferentes.com/ pesca.por exemplo. conflito (necessariamente) entre teologia e ciência.tripod. tendo como instrumento único o raciocínio. Essa negação se chocaria com a própria natureza da ciência que só faz afirmações verificáveis por meio de métodos próprios. históricos. é que a ciência se desenvolve. Não se pode.

Sendo assim. Hoykaas (1988). entendem que. longe de representar uma ruptura do conhecimento científico com a fé. Buscavam conhecer as leis por ele estabelecidas para este fim. para as suas relações so- ciais e para resolver os seus problemas. Figura 6: Revista Palavra ► Viva Fonte: Disponível em http://www. é um das manifestações da imagem e semelhança de Deus no homem. Especificamente nesse tópico. fundamentam-se nas afirmações dos próprios cientistas supra citados em vasta documentação por eles analisadas. além da inquestionável influência da filosofia grega. estavam convictos de que o mundo era regido por Deus. considerando as origens da ciência moderna. a ordem divina para o homem “dominar. quanto ao tempo e quanto ao espaço. isto é. destaca principalmente as convicções teológicas cristãs. era fortemente marcado por uma cosmovisão cristã. especialmente as calvinistas. demonstram que é surpreendente relação entre as teorias de Galileu. nesta direção podemos indagar: qual a contribuição do pensamento cristão no surgimento da ciência moderna? A respeito da presente indagação encontramos o pensamento de Pearcey e Thaxton (2005). nega o mundo.27 e 2. na mesma direção. esses fundadores da ciência moderna. prestará contas da sua administração. seu criador e mantenedor. ou seja. Embora sejam tipos diferentes de conhecer. considerado como vice. o homem o administrador competente que. Na teologia cristã. Segundo esse estudo. na verdade um dever do homem. O desenvolvimento desse potencial. 2013 Após refletir em torno dos elementos referentes a ciência. Copérnico. Esses autores.15). cultivar e guardar” o mundo que pertence a Deus (Baseando-se em Gênesis 1. Hoykass (1988) tem como referência o conceito weberiano de “ascetismo intramundano”. detentor de todo o saber. a compreensão do mundo de Deus e das leis que o regem é. com os seus pressupostos cristãos. é inegável a contribuição fundamental da filosofia para o surgimento da Ciência Moderna. Weber (1996) afirma que o cristianismo em geral é asceta. é entender essa negação do mundo enfrentando-o procurando a glória de Deus.br> Acesso em jun.1º Período métodos próprios. num ambiente que. 2. para isso é a convicção de que Deus é onisciente. A “vocação para o saber”. podemos ressaltar que alguns autores tem levantado a seguinte questão: se a ciência moderna surgiu no ocidente.regente do mundo.4 Peculiaridades do conhecimento científico 20 Nas reflexões que realizamos observamos que são diversas as formas utilizadas pelo homem para buscar explicações para o mundo em que vive. vamos pensar um pouco a respeito da contribuição da filosofia grega para a construção das teorias científicas modernas que tem sido consenso entre os autores que discutem a História da Ciência. nessa perspectiva. especificamente de origem calvinista. O princípio reformado. Os referidos autores. Kepler. criou o homem á sua imagem e semelhança.UAB/Unimontes . Para continuarmos é preciso que consideremos a delimitação dos nossos objetivos em torno do conhecimento científico. calvinista. Deus é o dono. especialmente o calvinista. que por exemplo. Questionam assim. além das marcas oriundas da filosofia grega. sendo assim . não se pode ignorar esses aspectos fundadores. a generalização de que o cristianismo seria obscurantista e oposto ao avanço da ciência. é enfatizado o “mandado cultural”. protestantes.editoraculturacrista.26. Uma peculiaridade do protestantismo.com. Isac Newton e René Des- cartes. em tempo oportuno. como motivadoras dos avanços científicos.

Assim. é necessário também identificar as possibilidades de articulação entre elas. 1988. uma determinada realidade. que embora os princípios gerais sejam os mesmos. com/2008/07/22/as-borboletas-poema-infantil-de-vinicius-de-moraes/> Acesso em jun. por sua vez. do conhe- cimento científico e que é preciso observar essas fronteiras. evitando assim uma especialização reducionista. Justifica: ▲ Figura 7: Borboletas Fonte: Disponível em http://peregrinacultural. algumas peculiaridades desse tipo de conhecimento. Salientamos ainda a concepção de que é inevitavelmente a pessoa do cientista estará presente na sua obra.. Fica claro. Devido ao seu propósito de explicar a realidade. 2013 (. limitadora do alcance dos aspectos mais amplos da realidade.wordpress.Letras Espanhol . Compreendemos que é impossível ao pesquisador. Ao conhecer. demonstrando as causas dos fenômenos observados. necessário à fidedignidade da coleta e da análise racional dos dados do seu trabalho. Com o desenvolvimento da ciência. Essa objetividade não quer dizer que o cientista é neutro nas suas realizações ou absoluto nas conclusões.Iniciação Científica convido-os para que vejamos. O cientista. 21 . portanto. mesmo reconhecendo a impossibilidade de ser neutro. deve esforçar-se para que haja o distanciamento possível. as suas convicções e inquietações pessoais ao debruçar-se sobre determinado objeto de pesquisa. No próximo tópico desta unidade. Embora haja diversidade de abordagens e pressupostos teóricos e metodológicos em torno das formulações do conhecimento científico.) em ciências sociais. Demo prefere usar o termo objetivação em vez de objetividade. medos e superstições perdem a razão de ser. (DEMO. mas a objetivação. A objetividade do conhecimento científico reside no fato de que foram utilizados métodos e fontes adequadas. as ciências sociais têm suas peculiaridades que devem ser consideradas. os mitos se desfazem. portanto limitada. o surgimento de diversos problemas a serem abordados. Sobre esse tema. as interpretações serão confiáveis. váli- dos. transmitíamos precisamente esta preocupação. Por isso não conseguimos produzir meras descrições. porque depende também de outros fatores. anular as suas experiências. o conhecimento científico tem sido considerado como uma das formas mais eficazes de “desencantamento do mundo”.. frias e neutras. verificaremos que embora haja especificidades nas diversas áreas do saber. de forma resumida. embora passíveis de críticas por parte do leitor que. mais do que retratos fidedignos. salientamos que o objetivo da ciência é a explicação da realidade. racionalmente analisadas. 2. Ao falarmos de objeto construído. a sua bagagem cultural. 71). analisará tais resultados de um determinado ponto de vista. tornou-se necessária a fragmentação da realidade na tentativa de compreendê-la melhor. podemos considerar que a objetividade é uma das marcas distintivas do conhecimento científico. que fossem a reprodução perfeita do objeto descrito. Concordamos com o ponto de vista que afirma que a neutralidade não existe por parte do sujeito. p. não é realizável a objetividade. explicar. Mesmo a imagem de retrato é errônea. Por ser uma pro- dução humana e. Sendo assim. entendida como o esforço e o processo interminável e necessário de atingir a realidade.5 Delimitações e interdisciplinaridade Conforme proposta. os resultados. podemos considerar que essa realidade é ampla e são diversos os aspectos que precisam ser explicados.

portanto. p. É preciso. portanto. que se insere na grande párea das Ciências Sociais Aplicadas ou a geografia que é considerada de duplo pertencimento: tem vínculo com as ciências naturais. vejamos. por exemplo. O Direito. o ponto de vista da investigação. mas considerando as contribuições das outras “disciplinas’. por exemplo. Ciências Biológicas. 1. Essa fragmentação não seria um obstáculo ao conhecimento? Não impede que o estudioso tenha uma visão mais ampla da realidade? Ao se dedicar a um fragmento tão limitado. Embora esse tema seja objeto de reflexão mais detalhada na Unidade V. Engenharias. logo de início. Esse tema também é motivador de amplas discussões. seja capaz de identificar as especificidades dos diversos campos do saber científico e as teorias que os fundamentam. cada área tem métodos próprios para a compreensão dos seus objetos. tais especificidades são reconhecidas e mantidas. por exemplo. conhecida. sempre que discutirmos determinadas metodologias. a de que o cientista. Assim. é muito menor a exatidão nas ciências humanas e sociais. leia: FAZENDA. . p. mas também com as ciências sociais a exemplo da psicologia que está ligada ás ciências humanas e às Ciências Bilógicas e da Saúde. Trata-se de um exercício complexo. mas necessário para que haja uma produção relevante. Considerando que o homem e suas relações na sociedade. como. são tidas como superadas. ao mesmo tempo. Um dos principais pontos dessa contestação é o entendimento de que os métodos das ciências naturais poderiam ser utilizados para a pesquisa nas ciências naturais.1º Período PARA SABER MAIS Para ampliar a discussão referente aos conceitos de interdisciplinaridade. capaz de descrever os “fatos” com imparcialidade. transdisciplinaridade e multidisciplinaridade. e reflita sobre a metodologia científica. além do tema específico. de se ter acesso a toda a realidade ou de uma grande parte dela e de todos os pontos de vistas ou pelo menos de diversos pontos de vistas. Como afirma Alves (2002). Questiona-se essa necessidade de especialização. o positivismo. 22 iniciou-se um processo de intensa especialização. Devido à dificuldade. Ensino e Pesquisa em Administração – Vol.UAB/Unimontes . pesquisador. as delimitações das áreas e das subáreas e dentro dessas subáreas dos temas específicos para que haja maior aprofundamento. estabelecendo diálogos. A partir dessa consideração. são muito menos previsíveis do que as mudanças observadas numa pedra ou numa árvore. limitando-os. 1.24-32. isso não o impossibilitaria de relacionar esse fragmento com a realidade na sua totalidade? Eis o dilema do pesquisador: ou ele conhece mais sobre menos ou admite conhecer menos numa extensão mais ampla. outras. A ciência foi sendo dividida em grandes áreas do conhecimento e as sub áreas que as constituem. existe a necessidade de delimitação. especialmente dos pontos de vistas das outras áreas da produção científica. IN: Revista Brasileira de Docência. ou áreas. Ao escolher a sub-área. há a necessidade de especializações dentro de cada curso. do ponto de vista jurídico. Ciências Humanas e outras. Pelo contrário. Delimitar a realidade a ser pesquisada. Maio/2009.CNPQ: Ciências Exatas e da Terra. considerando os diversos aspectos de um problema e possibilidades de respostas. é parte essencial do método cientifico. por exemplo. essa delimitação não deve prescindir do diálogo com outros campos do saber. especialmente no que concerne às ciências humanas e sociais. dela decorrentes. a necessidade de rigor na investigação e o perigo de conclusões apressadas. que mesmo com todo reconhecimento da comunidade científica devido à sua fundamental contribuição no surgimento das ciências sociais. Interdisciplinaridade e Transdisciplinaridade na Formação de Professores. JAPIASSU (1976. proporcionando profundidade e. se intensificam as discussões que resultam em propostas de abordagens interdisciplinares ou multidisciplinares.74) afirma: “A interdisciplinaridade caracteriza-se pela intensidade das trocas entre os especialistas e pelo grau de interação real das disciplinas no interior de um mesmo projeto de pesquisa” Consideremos. sem delimitar uma sub área foco da sua pesquisa. ou mesmo das subáreas para a visão da realidade que se procura explicitar. superando o isolamento que pode ser comprometedor dos resultados. Aprofundar-se e alargar-se surgem como opções excludentes. Ivani. Ciências Sociais Aplicadas. é imparcial na sua produção. Por outro lado. Dica Assista ao filme “O Corpo” (2001). Embora os princípios gerais do conhecimento científico sejam aplicáveis a todas as áreas do conhecimento. Aqui. “a exatidão de uma ciência é diretamente proporcional à previsibilidade do seu objeto”. como veremos mais adiante. Uma forma de superar o dilema supracitado. O mesmo ocorre com a geografia e a psicologia e demais áreas do conhecimento. é pertinente as identificarmos com as áreas do conhecimento que são mais adequadas. A interdisciplinaridade não ignora a especificidade da “disciplina” ou área do conhecimento. È impossível aprofundar-se no estudo da realidade. tem sido firmemente contestado por correntes epistemológicas mais recentes. do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico . Além das disciplinas próprias de cada grande área do conhecimento. Ciências da Saúde. é buscar possibilidades de articulação entre o ponto de vista da área do conhecimento a que pertence o pesquisador e de outras áreas. que o acadêmico. n. conforme delimitação. devido á própria limitação humana. que a delimitação é uma exigência fundamental para que os objetivos do conhecimento científico sejam cumpridos.

Charles B. . MONTEIRO. Cláudia Servilha. Hilton. Fundamentos de metodologia científica. 2009. THAXTON. ed.Letras Espanhol . Rio de Janeiro: Imago. Nancy R. Pedro. DEMO. Maio/2009. Marina de Andrade. Eva Maria. São Paulo: Atlas. São Paulo: Atlas 2002. R. LAKATOS. João Álvaro. São Paulo: Atlas. São Paulo/Brasília: Polis/Ed. MEZZAROBA. IN: Revista brasileira de docência. ed. Filosofia da ciência: Introdução ao Jogo e suas Regras. ensino e pesquisa em administração – Vol. 1988). São Paulo: Cultura Cristã. 1. MARCONI.24-32. p. HOYKAAS. Ivani. ed. 1988. 2. Interdisciplinaridade e Transdisciplinaridade na Formação de Professores. UnB. São Paulo: Saraiva. n. Metodologia científica: Guia para eficiência nos estudos. Manual de metodologia da pesquisa no direito. JAPIASSU. Interdisciplinaridade e patologia do saber. 5.Iniciação Científica Referências ALVES. 1976. ed. 1. 5. RUIZ. 23 . FAZENDA. Rubem. A alma da ciência: Fé Cristã e Filosofia Natural. PEARCEY. Introdução à metodologia da ciência. 6. 2009. A religião e o desenvolvimento da ciência moderna. Orides. 2005.

.

além do interesse. os demais textos da bibliografia da disciplina. Alguns desses autores chegam a sugerir a realização da leitura em sete fazes. devido ao conteúdo. En- contram dificuldades também por desconhecerem os pressupostos dos autores. ressaltam a importância da “leitura proveitosa” para o cumprimento dos objetivos da boa formação do estudante universitário. pois serão úteis para a ampliação do estudo do tema. para que um curso seja bem feito e para que os objetivos da formação acadêmica sejam cumpridos. discute o que lê com os colegas. compreendendo os conteúdos. é necessário ler muito e ler bem. A leitura das “orelhas” do livro. sempre de forma crítica. os autores que discutem esse tema ressaltam a importância de se ler muito. analítica. È difícil refutar a afirmação de que. Marconi e Lakatos (2009). 3. de reconhecimento. Considerando a realidade da maioria dos estudantes. Severino (2002). Ler. Ressaltam ainda mais a impor- tância de se ler bem. compreender e ter a autonomia para relacionar o pensamento dos diversos autores sobre os temas estudados.Letras Espanhol . dos textos indicados para cada disciplina e o interesse em leituras além das obrigatórias fará a diferença. cuida de formar uma biblioteca particular e lê diversos assuntos. inicialmente. ao estilo. cuidadoso.Iniciação Científica Unidade 3 Leitura e escrita de textos acadêmicos 3.5253): Lê com objetivo determinado.1 Introdução Vejamos nesta unidade algumas dicas práticas para a leitura proveitosa. Deve-se dedicar atenção às bibliografias dos livros e artigos estudados. mas. inclusive da bibliografia complementar devem ser estudados. é preferível sintetizá-las em três fases. É impossível exagerar a importância da leitura para o crescimento intelectual do acadêmico. mas tal orientação só cumprirá seus objetivos quando o próprio estudante realiza a sua leitura de forma adequada. A orientação do professor da disciplina é fundamental para esses esclarecimentos. à linguagem. com unidades de pensamento. adquirindo a condição de aplicar tais conhecimentos em situações diversas. do su- PARA SABER MAIS O bom leitor. 25 . Como veremos neste texto. as correntes teóricas e metodológicas que nortearam a sua produção. cuidadosa. É preciso planejamento para que haja tempo a ser investido na leitura que deve englobar diferentes fases para que haja uma boa compreensão do conteúdo lido. Mas. p. Não se deve realizar aquela leitura rápida. da dedicação. sabe selecionar as unidades de leitura e avaliar a pertinência de ler a obra por inteiro ou quais partes deve ler naquele momento. superficial. é preciso ler de forma proveitosa. Os alunos que acabam de ingressar no Ensino Superior normalmente afirmam ter dificuldade com os textos acadêmicos. do estudante com o texto lido. Como adquirir essa capacidade? Vejamos algumas informações que poderão ser úteis para que os acadêmicos desenvolvam essa habilidade indispensável. seja feita a leitura prévia. com a orientação do professor quanto ao conteúdos prioritários.2 A leitura e a interpretação de textos O êxito do estudante está diretamente vinculado á sua dedicação e eficiência na leitura. A leitura dedicada. Deve-se aplicar à leitura não apenas daqueles textos que serão discutidos em sala de aula. apenas para cumprir formalmente as exigências do professor. Sugere-se que. segundo Salomon (1999. para que tais orientações sejam praticáveis. Os textos indicados na Bibliografia das diversas disciplinas devem ser objetos de cuidadosa análise por parte dos estudante. Ruiz (2004). aquele contato geral com o texto. Ressaltam a necessidade de um contato relevante. avalia o que lê.

senhores. Na terceira fase o estudante perceberá o progresso da sua compreensão. considerando o número de disciplinas e de trabalhos a serem realizados. 1989 Figura 8: Leitura e escrita Fonte: Disponível em < http://noticias. 2013 ▼ 26 mário. Quando o texto foi escrito? A publicação se deu no mesmo período em que foi produzido? Se há uma distância temporal entre a produção do texto e a sua publicação. suas produções na área que o texto se insere ou em áreas afins. O grande desafio será a superação. teses. verificando se ao término da leitura tais questões ficaram esclarecidas. do seu trânsito. destacando termos desconhecidos e tópicos que sejam fundamentais para os objetivos imediatos da leitura proposta. A terceira fase da leitura. É compreensível que haja dificuldades para que sejam seguidos esses procedimentos em todas as leituras exigidas pelo curso. Paulo. O saber não está na ciência alheia. é o que fará toda a diferença na ação do profissional bem formado e em constante formação. a analítica. por que passam. Rui Barbosa ressaltando a importância da compreensão dos conteúdos lidos. A Importância do Ato de Ler. Além de testar o seu próprio entendimento do texto. das suas credenciais. o que diz o prefácio que justifica a sua publicação ou o que dizem os prefácios das diferentes edições? Quais os objetivos do autor na produção desse texto? Qual a sua fundamentação teórica? Qual a natureza do texto e qual a metodologia em- pregada na sua produção? Quais as principais afirmações do autor e em quais fontes e argumentos ele se fundamenta? Como esse texto pode se relacionar com outras abordagens? Ruiz (2002. é quando o leitor avalia as principais afirmações do autor e a base sobre a qual ele se apoia. as palavras chave. motivado pelo objetivo da produção do conhecimento. ed. no estabelecimento de diálogo com os diversos autores. Esses dados serão importantes na compreensão do conteúdo lido. História (referindo-se à interpretação das fontes) dentre outras DICA Para ampliar o conceito de leitura. Quem escreveu esse texto? Um conhecimento da trajetória do autor. o leitor deverá destacar as ideias principais do texto. A leitura do texto. Essas dificuldades não devem servir de justificativas para que as leituras sejam superficiais. que deve ir além da decodificação de símbolos. principalmente. 2008. além das atividades além da vida acadêmica. da apresentação. Um sabedor não é armário de sabedoria armazenada. bloco de notas e dicionário. nas ideias próprias. como veremos mais adiante. mediante a transmutação.UAB/Unimontes . convém madrugar-se também no pensar. “eu interpreto”. afirma: Mas. Deve procurar um lugar adequado. compreender o conteúdo dos textos lidos e ser capaz de aplicá-lo ás diferentes situações.br> Acesso em jun. que ocupa-se da interpretação dos textos bíblicos). Aplica-se a diversas áreas do conhecimento: filosofia (refletindo sobre a teoria da interpretação). Esse exercício consiste em fazer algumas perguntas básicas ao texto lido. Após a leitura cuidadosa e a busca dos dados sugeridos. (BARBOSA . que se absorve. a escrita de um resumo será um importante teste de compreensão. os que madrugam no ler. mas. conceitos.universia. que pode ser chamada de leitura seletiva. arejado. 23. s/p) O leitor que deseja uma compreensão adequada do texto lido deve praticar alguns exercícios elementares de hermenêutica. que se geram dos conhecimentos absorvidos. Essa capacidade de síntese das leituras realizadas será útil na escrita de textos acadêmicos. sugere-se a leitura de FREIRE. . raro o refletir. com. Deve ser cuidadoso também quanto ao “silêncio interior” para que dedique a sua atenção ao texto lido. no espírito que os assimila. mas transformador reflexivo de aquisições digeridas. que significa.1º Período GLOSSÁRIO Hermenêutica: Ciência da interpretação. Vulgar é o ler. será também um treinamento na escrita. do prefácio. interpretativa. Direito (Hermenêutica jurídica). crítica. iluminado e silencioso. Teologia (Hermenêutica sagrada. 52-53) sugere que o estudante seja criterioso também quanto ao ambiente de leitura. p. Ler. São Paulo: Autores Associados/ Cortez. Os termos desconhecidos devem ser consultados antes da próxima leitura. Terá se familiarizado com a abordagem do autor. Palavra que vem do grego hermenêuo. Deve ter em mãos lápis. A segunda leitura.

Por isso. as citações supra mencionadas tornam-se imprescindíveis. Peça a ajuda de professores e de colegas para avaliarem as suas produções. Essa tem sido dificuldade até mesmo para estudantes mais experientes. Esses textos podem ser avaliados por professores ou pelos próprios colegas. sugere-se a prática de resumos de textos. mas trabalham muitas vezes com a imaginação do leitor e os textos jornalístico que apresentam a realidade de uma forma acessível ao público em geral. é importante ter adquirido a habilidade da leitura e interpretação de textos. uma colcha de retalhos. procurando sempre oferecer as bases das afirmações feitas e dos conceitos apresentados. PARA SABER MAIS Citações diretas ou textuais são aquelas em que o texto é citado ipsis liters. Por outro. Além dos maus hábitos adquiridos durante a educação básica quando a tarefa de “pesquisar” era entendida como apenas “copiar” e “colar” de algumas fontes. O texto acadêmico. Por um lado o autor deve ter o cuidado de não apresentar citações desarticuladas. Lembrando que esse esforço. caracteriza-se pela clareza na exposição da ideias e principalmente a habilidade para dialogar com a bibliografia utilizada. independentemente da exigência dos professores das diversas disciplinas. excesso de citações diretas sem a devida interpretação.com. sem lidar com conceitos muito complexos. A compreensão dos textos consultados é fundamental para que. Haverá sempre uma base teórica sobre a qual o pensamento do autor deverá se apoiar. Especialmente no caso do texto acadêmico que requer do autor o diálogo pertinente. É necessário. autônomo com os diversos conceitos citados. resenhas. Em ambos os casos é obrigatório a citação minuciosa das fontes consultadas. É preciso lembrar que os textos acadêmicos diferem de outros textos. isto é. html> Acesso em jun. na escrita. sinopses. que essas citações cumpram o objetivo de reforçar a argumentação do próprio autor do texto e não apareçam apenas como fragmentos desarticulados. lembrando ao acadêmico que para se adquirir a capacidade de escrever bem. Quem tem o hábito de leitura. Figura 9: Produção de textos Fonte: Disponível em <http://mestrechassot. As citações livres ou indiretas são aquelas em que as ideias de determinado autor são comentadas. acrítica. Encerramos esta unidade. relacionadas à própria natureza do conhecimento científico. 2013 ▼ 27 . É muito comum em alguns textos. como ficou demonstrado acima.Iniciação Científica 3. deve evitar a exposição de ideias sem fun- damentos teóricos. Aplique-se. para a obtenção de notas. pois á leitura dos textos exigidos pelas diversas disciplinas do seu curso e procure escrever textos que testem a sua compreensão dos temas estudados e a sua habilidade para articular o pensamento dos diferentes autores que o discutem.Letras Espanhol . Para que o estudante adquira habilidade na produção de textos. com as fontes analisadas.3 A escrita de textos acadêmicos A escrita de textos acadêmicos tem sido um desafio não apenas para os iniciantes. além das exigências dos professores. haja uma discussão bem articulada do tema proposto. permanecendo no âmbito do senso comum. porém.br/2011/08/11-sobre-leituras-e-escritas. O texto acadêmico tem características próprias. pois revela a compreensão das ideias por parte de quem as interpeta. A abundância de citações diretas é positivo. mas sem a utilização literal das suas palavras. Como afirma Oliveira (2011): “Ora não se sabe o que escrever ou como utilizar corretamente a linguagem científica”. quem é um “bom ledor”. revelando falta de domínio do conteúdo. Citemos como exemplo os textos literários que não tem necessariamente um compromisso com a “verdade”. As citações livres tem um valor especial. por sua vez. citado no primeiro tópico. a partir dos autores por ele abordados. superficial.blogspot. a transcrição literal das palavras e dos conceitos. segundo o conceito de Barbosa (2008). Devem ser evitadas as ambiguidades e generalizações. terá maior facilidade de desenvolver a habilidade na escrita. revela profundidade no exame do assunto sob diversos pontos de vista. há também as dificuldades oriundas de uma leitura deficiente.

ed. Lavras MG: UFLA. RUIZ. Paulo. São Paulo: Cortez. Rui. OLIVEIRA. A importância do ato de ler. ed. SALOMON. 1989. Metodologia científica: Guia para eficiência nos estudos. 1999.1º Período Referências BARBOSA. Como fazer uma monografia. 22. Délcio Vieira. 22. 23. São Paulo: Martins Fontes. In: Folhetim de aprendizagem. 2008. N. 2001. Antônio Joaquim. ed. Dicas para Escrever textos Acadêmicos. Belo Horizonte: Del Rey. FREIRE. São Paulo: Atlas 2002. Oração aos moços. 28 . 9. ed. Metodologia do trabalho científico.UAB/Unimontes . SEVERINO. João Álvaro. 2002. Sérgio Wagner. São Paulo: Autores Associados/ Cortez. 5.

1 Introdução Na sequência de nossas reflexões. facilitando assim a sua utilização posterior. O objetivo é apenas reescrever o texto. normalmente solicitados pelos professores das diversas disciplinas com o objetivo de favorecer e avaliar a compreensão dos conteúdos estudados. As resenhas normalmente são trabalhos elaborados e publicados em periódicos especializados das diferentes áreas do conhecimento. são dispensadas expressões tais como: “segundo o autor”. como na própria participação dos debates em sala de aula. também são muito utilizadas nos cursos de graduação como exercício de leitura para os estudantes. Realizando-o a compreensão do conteúdo será reforçada. O estudante reescreve o texto “com suas próprias palavras”. que é utilizado nos artigos científicos. no cabeçalho do texto resumido a referência completa do texto. Espera-se. entretanto. Na unidade seguinte.2 Resumos de textos Os resumos são requeridos como exercícios de compreensão das leituras realizadas. mas de uma síntese das ideias do autor. utilizando-se das ideias do autor e não apresentá-lo e analisá-lo como ocorrerá nas resenhas. em outras produções acadêmicas onde for pertinente a sua citação. como veremos posteriormente. avaliada e o conteúdo poderá ainda ser aproveitado em outras situações. 2002. o que requer maturidade acadêmica. dissertações. As resenhas. p. não chegando a ser uma elaboração (cf.3 Resenhas bibliográficas A resenha é uma apresentação ou análise de uma obra. Deve-se ter o cuidado de registrar. entretanto.Iniciação Científica Unidade 4 Trabalhos acadêmicos em geral 4.graduação. mantendo-se. teses e anais de eventos. Além de realizar os resumos para atender eventuais solicitações dos professores. Considerando a natureza desse texto.131). fiel ás ideias do autor. A análise de uma obra deve ser feita por um especialista no tema abordado. dissertações. então. porém mais utilizada em cursos de pós. Por meio das resenhas é possível conhecer o conteúdo de obras que foram lançadas recentemente. mais elaborado.Letras Espanhol . as monografias. Não se trata de uma mera redução do texto. Iniciemos. com os trabalhos mais comuns no curso de graduação. Podem servir para orientar o estudante quanto á pertinência de se empreender ou não determinada leitura. o estudante deve adotar esse hábito para as suas leituras em geral. discutiremos a pesquisa científica e. é mais complexa e assim exige um conhecimento mais profundo do conteúdo resenhado. portanto. 4. vamos tratar nesta unidade os trabalhos didáticos que são considerados comuns no cotidiano dos cursos universitários. SEVERINO. 29 . “o autor afirma”. e demais trabalhos de divulgação de resultados parciais e finais das pesquisas. Poderá servir também como auxílio na leitura dessas obras. porque por sua natureza. abordaremos a respeito dos trabalhos mais elaborados que objetivam-se ao exercício da iniciação científica como . Trata-se de um trabalho simples. 4. monografias. contudo.por exemplo. Não se deve confundir esse tipo de resumo didático com o resumo técnico.

sua problematização.br/ blog/~anamarysa/1624> Acesso em jun.futuro. As resenhas podem ser informativas ou descritivas. seguindo as orientações de leitura apresentadas na unidade III. Qual a contribuição da obra para a ciência em geral e. Uma breve contextualização da obra em análise.4 Fichamentos e documentação de estudos O fichamento ou documentação de estudos também são pedidos como exercícios relacionados à leitura de textos. deveria fazer parte do cotidiano do estudante com o objetivo de registrar. A referida documentação. metodologia empregada pelo autor para responder as questões propostas. Os cadernos de anotações. independentemente da solicitação dos professores. Quando se está realizando leituras com objetivos específicos de escrever uma revisão de literatura. aulas. realizando também uma leitura crítica do trabalho do resenhista. A classificação dos tipos de fichas pode variar. os professores normalmente pedem fichamentos de textos com a finalidade de exercitar o estudante na leitura e no registro dos conteúdos lidos. porém. a documentação do conteúdo das leituras em fichas adequadas torna-se muito importante. A resenha deve conter o cabeçalho. A temática reúne dados gerais.usp. arquivar. 2013 que o leitor mantenha a sua autonomia em relação às conclusões. que discutimos no tópico anterior. especificamente. Tanto para a realização das resenhas que abordamos nesse tópico. informações sobre o autor. Uma síntese do conteúdo da obra. nem sempre resistem ao tempo. O estudante organizado que registra e arquiva criteriosamente às informações desejadas sempre os conteúdos estudados terá acesso fácil à informações desejadas quando estiver produzindo um trabalho (RUIZ. informações obtidas durante o curso. visando o acesso posterior aos conteúdos estudados. durante os cursos de graduação. onde deve-se registrar os dados bibliográficos da obra.1º Período ▲ Figura 10: Trabalhos acadêmicos Fonte: Disponível em < http://nexus. o estudante deveria manter arquivos temáticos onde os 30 registros dos diversos textos. Esse é o tema da nossa próxima abordagem. Depois de realizadas as leituras. uma análise é feita. inclusive afinidades teórico-metodológicas. Normalmente. os textos simplesmente sublinhados nem sempre são lembrados ou encontrados em um momento de necessidade e as informações guardadas na memória. possam ser organizados sistematicamente. palestras. suas credenciais acadêmicas. de forma seletiva. são requeridas resenhas críticas que além de expor o conteúdo. A documentação temática e a bibliográfica. das questões deixadas em aberto e que servirão para outras investigações. fundamentação teórica. Apresentar. na verdade. analisa-o. uma pesquisa. como para a elaboração dos resumos de textos. também chamada de “documentação pessoal”. 2002). facilitando a organização do conteúdo do texto que se pretende escrever. de forma sucinta. entretanto. suas principais formulações e os argumentos utilizados para sustentá-los. o que será útil a toda produção acadêmica. limitando-se à exposição do conteúdo da obra em estudo. Portanto. é necessária a prática da documentação das leituras realizadas. inclusive fichas de leituras. Além dos objetivos supramencionados. Apresentaremos aqui as formas mais comuns. Essa prática. 4. Avaliação (no caso das resenhas críticas) do cumprimento dos objetivos propostos pelo autor. é fundamental tanto para a organização dos estudos em geral. A documentação . guardar. para a área ou áreas do conhecimento que ela se refere.UAB/Unimontes .

iniciando-se com o cabeçalho contendo os dados bibliográficos completos do texto documentado. se for necessário. cujos dados bibliográficos já foram registrados no cabeçalho). As exigências das disciplinas dos cursos os utilizam. O modelo sugerido por Severino (2002. O tópico a seguir. Fica claro. realiza as leituras preliminares. Utiliza-se nesse modelo a folha A4. sobre tema específico indicado pelo professor para cumprir objetivos de avaliação durante o curso. As leituras devem ser documentadas para posterior análise. As fichas de citação. As fichas resumo seguem a metodologia das resenhas. Devem ser observadas as orientações para a escrita dos textos acadêmicos apresentadas na unidade 3. portanto.Letras Espanhol . as fichas bibliográficas podem apresentar apenas citações do texto lido para posterior análise e utilização no trabalho que se pretende realizar. Realizadas as leituras preliminares. que tratará das pesquisas bibliográficas. 2009). aprimorar-se na realização da pesquisa bibliográfica por ser uma pesquisa básica. blogspot. 43-46) é bastante adequado por sua praticidade. o vínculo necessário entre a prática de documentação pessoal dos conteúdos estudados com as demais atividades acadêmicas. também dependerá fundamentalmente desse trabalho de documentação das leituras. p. É importante para o estudante da graduação. indispensável a qualquer outro tipo de pesquisa. mas que terão uma aplicação mais ampla.5 Pesquisas bibliográficas A pesquisa bibliográfica tanto pode ser um trabalho simples. na verdade como exercícios que preparam o acadêmico para produções posteriores. como pode ser um trabalho mais elaborado com objetivos mais amplos no campo da produção científica. Essa prática amplia as possibilidades para a construção de uma mentalidade acadêmica produtiva. Sugere-se ainda o registro nas fichas de leitura. considerando os objetivos da pesquisa.com. selecionando tópicos relevantes à sua abordagem. Ambos os casos pressupõem um levantamento bibliográfico (MARCONI e LAKATOS. Uma forma de garantir a preservação sistemática das informações obtidas durante o período do curso e em atividades extracurriculares.html> Acesso em jun. Isto facilitará um retorno à obra. 4. São vários os modelos normalmente sugeridos pelos diversos autores que trabalham com o tema. Discutimos nesta unidade alguns trabalhos acadêmicos muito comuns nos cursos de graduação. como pesquisador. facilitando a organização da estrutura da pesquisa. Dependendo dos objetivos. quanto ao método de elaboração e apresentação não há diferença. A organização de um plano de escrita. ◄ Figura 11: Produção de trabalhos acadêmicos Fonte: Disponível em http://estagionaobra. da data da consulta e onde a obra está disponível. numeradas. uma revisão de literatura sobre determinado tema.br/2013/04/ metodologia-do-trabalho-academico. Inicialmente o estudante realiza o levantamento bibliográfico do tema a ser pesquisado. Não há um formato definido para essas fichas. contendo diante de cada citação feita o número da página (os demais dados são desnecessários. Para a elaboração de projetos de pesquisa. 2013 31 . Embora sejam diferentes quanto à densidade do trabalho. com objetivos mais amplos e autônomos. revisão de literatura pertinente ao trabalho de conclusão de curso e para futuros empreendimentos na carreira acadêmica.por porque a citação indicada pertence ao texto. haverá condições para a delimitação do tema.Iniciação Científica bibliográfica arquiva de forma sistemática resumos ou resenhas de textos. a pesquisa bibliográfica terá que ser realizada.

São Paulo: Atlas. Metodologia científica: Guia para eficiência nos estudos. Fundamentos de metodologia científica.UAB/Unimontes . 2009. Eva Maria. ed. São Paulo: Atlas 2002.1º Período Referências MARCONI. LAKATOS. ed. 22. SEVERINO. 32 . 5. 6. Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 2002. João Álvaro. Marina de Andrade. Ed. RUIZ. São Paulo: Cortez.

utilizando métodos específicos da produção desse tipo de conhecimento. sistemático. portanto.1 Introdução O que é uma pesquisa científica? Qual a sua relevância social? O pesquisador é neutro. 2223) afirma que. controlado e crítico. A pesquisa é a atividade científica que.Iniciação Científica Unidade 5 A pesquisa científica 5. p. serão discutidas de forma introdutória nos tópicos seguintes. pode-se afirmar a amplitude do campo da pesquisa científica nas diversas áreas do conhecimento. filosóficos e até pessoais? Se tal influência existe. 157). inclusive as atividades relacionadas á docência. que demandam profunda reflexão. p. complexas. a seguir. p. Considerando a multiplicidade de aspectos da realidade que são passíveis de análise. devido ser o objetivo da ciência produzir conhecimentos. desenvolvida. Demo (1988. pesquisa científica é um “procedimento reflexivo. a pesquisa é sua atividade básica. como os seus resultados são divulgados na comunidade científica? E como tais resultados chegam à sociedade em geral? Quais os tipos de pesquisa pertinentes ás diversas áreas do conhecimento? Quais os procedimentos necessários para a sua realização? Qual a postura ética esperada de um pesquisador para que a credibilidade de sua pesquisa seja reconhecida? Essas questões. transmissão de conhecimentos. Esperamos que essa abordagem seja suficiente para cumprir o objetivo de motivar o acadêmico ao aprofundamento dessas considerações por meio de outras leituras. busquemos. Partindo desse breve conceito de ciência. nesses contextos. apresenta o seguinte conceito de pesquisa: Pesquisa científica é a realização concreta de uma investigação planejada. relações ou leis. É o método de abordagem de um problema em estudo que caracteriza o aspecto científico de uma pesquisa (RUIZ.2 Conceito de pesquisa Para Ander-Egg (Apud MARCONI e Lakatos. 5.Letras Espanhol . redigida de acordo com as normas da metodologia consagrada pela ciência. Ruiz por sua vez. até que ponto isso não influenciará na credibilidade da sua pesquisa? Se a pesquisa científica é relevante para a sociedade em geral. pode ser uma prioridade? 33 . responder questões tais como: qual a relevância social da pesquisa científica? São pertinentes tantos investimentos nessa área em uma sociedade carente de tantos serviços básicos? A pesquisa. 2009. em qualquer campo do conhecimento”. 2002. que permite descobrir novos fatos ou dados. permite ao homem o conhecimento de determinada realidade. precedendo. imparcial quando realiza uma pesquisa ou é influenciado por seus pressupostos teóricos. 48).

De qualquer forma. Vejamos. Alves (2002) adverte que embora esse seja. refletir sobre ela com o objetivo de transformá-la conscientemente em busca de soluções para os problemas enfrentados pelo homem na construção histórica. Essa tem sido uma das características das universidades. 105) enfatiza essa necessidade.3 A relevância social da pesquisa A busca do conhecimento sistemático. que lutam pela manutenção dos padrões de excelência. reflexivo. Toda ação social. torna-se necessário justificar para si mesmo e para a comunidade acadêmica por que tal empreendimento será relevante. o objetivo da ciência. Não seria impertinente a existências das universidades públicas. Em que ajudará no progresso da ciência e. Há sempre algo a fazer com o resultado da pesquisa que proporcione ou pelo menos procure proporcionar a melhoria da vida. numa elaboração simplista. especialmente das universidades públicas. A busca dos conhecimentos por meio da pesquisa científica inclui-se. no bem estar da humanidade ou de determinada população. Por isso mesmo as pesquisas específicas. em que contribuirão para o cumprimento dos objetivos gerais da ciência e especificamente para o contexto sobre o qual tratará. É possível concluir. Mais recursos são reivindicados para o incentivo á pesquisa. por meio dos seus programas de pós-graduação. é resultado de uma determinada visão de mundo. de aproveitamento do solo. Grande ênfase tem sido dada à necessidade de se investir na pesquisa. concordando com Max Weber. Novas visões relacionadas á economia. Conhecer a realidade. de acordo com as potencialidades de cada região. onde são requeridos tão alto investimento se ainda não temos uma educação básica de qualidade? Considerando a relevância da produção de conhecimentos e que as universidades públicas são espaços privilegiados dessa produção. explicitar a realidade nos aspectos que se apresentam como problema em determinados contextos. O desenvolvimento de novas técnicas de produção de alimentos. como esses pressupostos influen- 34 ciam na produção do conhecimento científico. Mezzaroba e Monteiro (2009. quando são disponibilizadas. bolsas de iniciação científicas. Sempre que se planeja uma pesquisa. Há quem questione. p. mesmo reconhecendo as suas limitações. inclusive durante os cursos de graduação. tem sido reconhecido pelo homem como uma necessidade. inclusive recursos humanos. à administração das empresas no emprego dos diversos recursos. é necessário considerar que a busca pela explicitação de uma determinada realidade é feita levando-se em consideração uma determinada visão de mundo. não tem como objetivo a mera satisfação de determinada curiosidade. de forma sucinta e introdutória. reconhecendo o seu papel social. portanto nessa premissa. a pesquisa científica é de grande relevância para o desenvolvimento de determinada sociedade. A descoberta de novos procedimentos e medicamentos nas ciências médicas. A promoção da felicidade.4 Pressupostos filosóficos e pesquisa científica Para prosseguirmos em nossas reflexões. para serem aprovadas no meio acadêmico.1º Período 5. 5. contribuem para a melhoria da qualidade da educação básica onde também se refletem os seus resultados.UAB/Unimontes . ela pode ser questionada quanto á sua eficácia no cumprimento desse propósito. que. consequentemente. Duarte e Furtado afirmam: . a pertinência de se investir recursos públicos nas instituições de ensino superior. levando-se em consideração os argumentos supramencionados. analítico sobre determinado aspecto da realidade. precisam demonstrar tal relevância. pelas instituições e agências parceiras. de fato. Essa é a motivação para a pesquisa.

Triviños (1987... “para a dialética. sugiro a leitura: RIBEIRO JÙNIOR. 1987. de forma resumida. 101). de apresentá-la tal como ela é. a compreensão e interpretação da experiência tal como ela é. p.Iniciação Científica (. toda a realidade é produzida por meio de um processo dinâmico a partir de uma visão de totalidade. O que é positivismo. Teoria do conhecimento. A abordagem do materialismo histórico dialético na pesquisa científica tem as suas bases no pensamento de Karl Marx (18181883). as fontes e a validade do conhecimento. A fenomenologia está também entre essas correntes epistemológicas mais consideradas em relação á pesquisa científica. p. “caracteriza-se pela capacidade em extrapolar os resultados do estudo qualitativo para universos mais amplos” (DUARTE e FURTADO 2002. segundo os críticos. PARA SABER MAIS Para ampliar o conceito de positivismo. 23). João. A busca da essência. uma redução.) a produção do conhecimento. o mesmo que o positivismo.php> Acesso em jun. na percepção dos ‘fatos”. 1987). São Paulo: Brasiliense. isto é.) as coisas não existem isoladas (. A ideia básica. sem o propósito de introduzir transformações substanciais a ela ( TRIVIÑOS. pode levar a pesquisa a conclusões reducionistas e simplistas. ao mesmo tempo. tendo passado por diversas transformações. eliminando o eu que vivencia e o mundo com seus valores (. Triviños acrescenta: (. uniforme. 2. coerente” (MARCONI e LAKATOS. porém. p. 42) expõe esse enfoque ressaltando a sua complexidade e as adaptações que justificam a afirmação por parte de alguns estudiosos de que tal abordagem pode ser denominada “fenomenologias”. Isto significa que o fenomenólogo estuda a realidade com o desejo de descrevê-la. depois de sofrer um isolamento total. permanece que é a da percepção e descrição da essência dos objetos. nessa perspectiva. O Positivismo que teve a sua origem com Augusto Comte (1798-1857). 22). em sua experiência pura.. entende o pesquisador como imparcial.. Outra característica do positivismo que tem suscitado críticas é o fato de utilizar os mesmos métodos das ciências naturais e biológicas para lidar com as ciências humanas e sociais.. além de Triviños (1987). a exemplo do positivismo (e com os paradigmas em geral). Fundada ◄ Figura 12: Pesquisa científica Fonte: Disponível em < http://embragea. é normalmente associado à prática experimental da pesquisa e à prioridade aos dados (cf. p..Letras Espanhol . 2002 e TRIIÑOS. por exemplo. porém. através da pesquisa científica. 2002. especialmente nas ciências sociais.) mas como um todo unido. Apresenta-se como “o estudo das essências”. 2013 pelo filósofo e matemático Edmund Husserl (1859-1938). algumas das correntes filosóficas que tem norteado a pesquisa científica. as coisas não são analisadas na quali- dade de objetos fixos.. o que o fenômeno verdadeiramente é. p. neutro. 2009. mas em movimento (. DUARTE e FURTADO. orientada por correntes do pensamento ou enfoques epistemológicos (. Assim. 1994 35 . em sua essência pura. A crítica que normalmente é feita á fenomenologia é a de exagero quanto ás suas pretensões e.. cuja escolha está relacionada à postura filosófica sobre a possibilidade de investigar a realidade.. a lentidão e os “saltos” na passagem da quan- GLOSSÁRIO Epistemologia: Ramo da filosofia que se ocupa com o problema do conhecimento. pode ser simplificado na atribuição das causas de tal fracasso ao desempenho de professores e alunos.) Esta visão a-histórica da fenomenologia tem originado outra crítica forte: a de ser ela conservadora. algumas críticas tem sido feitas a ele..com. Esse entendimento. 47). de um processo linear. Ao contrário da fenomenologia que separa o fenômeno a ser compreendido para observá-lo isoladamente. Uma delas é pelo fato de ser possível a compreensão de partes isoladas da sociedade. Investiga a natureza.) em nenhum momento esta corrente do pensamento está interessada em colocar em relevo a historicidade dos fenômenos. Não se trata.. isto é. o enfoque do materialismo histórico dialético tem como princípio básico o que chama de “ação recíproca”. Embora reconhecendo a grande contribuição do positivismo para o desenvolvimento das ciências sociais. Vejamos. apresenta variações quanto ao método. O fracasso escolar.. mas a mudança dialética varia entre a continuidade e a descontinuidade.) (DUARTE e FURTADO. br/servi%C3%A7os. deixando de considerar aspectos de uma realidade mais ampla. tem passado por transformações. Ed.

Esses tipos de pesquisa não são necessariamente excludentes.UAB/Unimontes . O Estrutural-funcionalismo de Talcott Parsons e Robert Merton. Triviños afirma: O pesquisador deve ter presente em seu estudo uma concepção dialética da realidade natural e social e do pensamento. se não é. O estruturalismo é uma abordagem científica que pretende descobrir a estrutura do fenômeno. o que significa para o marxismo a matéria é o princípio primeiro e a consciência é o aspecto secundário. Não se pode limitar. naturalmente. O estruturalismo nasceu nos primeiros anos do século XX. 24). O estruturalismo. a materialidade dos fenômenos e que estes são possíveis de conhecer (.) que existe uma realidade objetiva fora da consciência e que esta consciência é um produto resultado da evolução material. 5. é necessário ressaltar que a pesquisa bibliográfica. porém. Além das origens da ciência moderna em ambiente cristão. O tipo é escolhido pelo pesquisador tendo em vista o seu problema de pesquisa e os pressupostos teóricos que nortearão o seu trabalho. p. Shaeffer (1962) aponta para essa necessidade. A pergunta que ele terá que responder para fazer essa escolha é: qual o tipo de pesquisa é mais adequado para que os objetivos propostos sejam cumpridos? Para que a que o problema da pesquisa seja resolvido dentro dos limites aceitáveis? As técnicas de coleta de dados devem ser adequadas ao tipo de pesquisa. Como já foi dito na unidade 2. “os primórdios da ciência moderna” e o seu ambiente fortemente influenciado pela concepção cristã. Parte do pressuposto que “a existência se justifica enquanto matéria e que tudo o que existe. Sobre a aplicação desses princípios da dialética á pesquisa científica. Lévy-Strauss. a partir de um determinado ponto de vista. tem representantes importantes em diversos campos das ciências sociais. O motor dessas mudanças são as contradições internas dos próprios fenômenos em geral. oriundo dos primeiros anos do século XX. Representou uma rejeição dos postulados positivistas e evolucionistas (TRIVIÑOS. pesquisa científica a essas três visões de mundo. Antes de prosseguirmos na apresentação dos tipos de pesquisa. Outras abordagens também tem recebido a atenção de estudiosos do tema. por exemplo.. cita Francis Bacon.. Ambas essas perdas. 1987. o derivado (TRIVIÑOS. em primeiro lugar. mas é sua representação. podem ser como as correntes predominantes nas obras exposições referentes á epistemologia e a pesquisa científica. 2002. O materialismo histórico dialético é o enfoque dessa corrente na pesquisa nas ciências sociais. O próprio pensamento não se constitui independente da matéria.5 Tipos de pesquisa e técnicas de coleta de dados 36 Apresentaremos neste tópico alguns tipos de pesquisa e técnicas de coleta de dados a eles adequados. a primeira pela religião e pela fé.1º Período tidade para a qualidade. considerando. na obra Novum Organun Scientiarum (o Novo Órgão da Ciência): Quando ele afirma que o homem pela queda decaiu ao mesmo tempo do estado de inocência e do domínio sobre a natureza. Vigotsky. 49). a segunda pelas artes e pelas ciências. que é o estudo sistematizado a partir de trabalhos já elabora- . a fenomenologia e o materialismo histórico dialético são consideradas as matrizes filosóficas e epistemológicas que dão origem aos métodos de pesquisa científica. Sendo assim. O positivismo. 81). depende da matéria” (DUARTE e FURTADO. Além de Pearcey e Thaxton (2005) e Hoykaas (1988). podem ser mesmo nesta vida reparadas em parte. dentre outros podem ser citados. 1987. entretanto. penetrar a sua essência para determinar as suas ligações determinantes. p. p. alguns autores tem afirmado a necessidade de se considerar influência da cosmovisão cristã na pesquisa científica moderna. deve ser considerado o fato de que instituições confessionais cristãs e pesquisadores cristãos continuam contribuindo para a produção científica e o fazem. Para demonstrar a influência dessa visão de mundo cristã. Jean Piaget.

e há que afirme que seja mesmo necessário.27). quanto ao delineamento e quanto às formas de abordagens. apresentando as características específicas do objeto investigado. imprescindível a todos os tipos de pesquisa acadêmica. a pesquisa pode ser ater á essa análise bibliográfica. p. a pesquisa exploratória “enfatiza a descoberta das ideias. 37 . É possível. Esse tipo de pesquisa envolve. em livros. análise de informações e exemplos que favoreçam a compreensão do objeto proposto. na verdade.2013.Iniciação Científica dos. é a pesquisa explicativa que cumpre o objetivo final do trabalho científico. A análise de abordagens. que oferecem fundamentação teórica para a análise dos dados a pesquisa original que se pretende fazer. html> Acesso em jun.br/servico. questionários. proporciona a familiaridade com o problema de forma a torná-lo mais explícito ou a construir hipóteses”. os tipos de pesquisa tem sido normalmente considerados quanto aos objetivos. observações sistemáticas que. será analisado de forma reflexiva e crítica. se for apenas uma revisão de literatura. A pesquisa descritiva realiza o levantamento de dados. cumprindo o papel fundamental do conhecimento científico. artigos científicos. Quanto ao delineamento. são vários os ▲ Figura 13: Tipos de Pesquisa Fonte: Disponível em <http://www. De qualquer forma é pertinente considerar os três tipos separadamente. Consideram que. não se limitando á descrição. Dependendo dos objetivos. apresentando uma análise dos fenômenos estudados. além da pesquisa bibliográfica. Para Duarte e Furtado (2002. Quanto aos objetivos a pesquisa pode ser exploratória. Para facilitar o entendimento. Devido a esses objetivos é que alguns autores preferem tratar esses tipos de pesquisa “quanto aos objetivos” de estágios da pesquisa. Partindo da exploratória. entrevistas com pessoas envolvidas com o objeto de estudo. encarrega-se de aprofundar-se no objeto que além de conhecido e descrito. é básica. A pesquisa explicativa. á luz da bibliografia. por exemplo.com. em vez de tipos de pesquisa. Utilizam-se normalmente para realizá-la. que a pesquisa acadêmica/científica sempre se utilize desses três tipos ao mesmo tempo.qualifiquepesquisa. descritiva ou explicativa.Letras Espanhol . poderão ser objeto da apresentação proposta.

é buscada a solução para os problemas coletivos constatados. especialmente nas ciências sociais. A pesquisa-ação. as condições de análise e as formas de sua observação. entrevistas. Triviños (1987) apresenta orientação detalhada quanto ás vantagens e limitações dessas técnicas. qual será o tipo de pesquisa mais adequado para a busca de respostas ao problema levantado. as técnicas de coletas de dados consideradas pertinentes também serão escolhidas. Dois outros tipos de pesquisa podem ser associados à pesquisa de campo: a pesquisa participante que caracteriza-se pela interação entre os pesquisadores e as populações ou grupos investigados.pbworks. A pesquisa histórica é documental. com/regras-abnt/entrevista. no local onde ocorremos fenômenos que serão analisados. Quanto à abordagem do problema a pesquisa pode ser qualitativa ou quantitativa. p. ▲ Figura 15: Técnicas de coleta de dados. por exemplo. 38 A pesquisa documental que consiste na utilização de documentos “de primeira mão” (Cf. A pesquisa qualitativa privilegia a interpretação dos dados. Esse tipo de pesquisa é fundamental para a produção do conhecimento histórico. traduzindo em números os dados coletados. caracteriza-se pela intervenção do pesquisador ou pesquisadores nas realidades pesquisadas. 2013 .UAB/Unimontes . DUARTE e FURTADO. Fonte: Disponível em <:http://monografias. Esse é o tema da nossa próxima abordagem. A interpretação desses documentos da abordagem. observação. A pesquisa de campo apresenta uma variedade de possibilidades quanto ás técnicas de coletas de dados: questionários. Essa é uma discussão que deverá ser empreendida no planejamento de pesquisa. relacionados ao problema da pesquisa.com/w/ page/6860824/FrontPage> Acesso em jun. aplicáveis. além de reunir as características da pesquisa participante. A pesquisa de campo consiste na busca de informações diretamente com os grupos ou pessoas que fazem parte do objeto da pesquisa. bem como as limitações dos tipos de pesquisa e das técnicas de coletas de dados escolhidas. é necessário que se observe com clareza. Utiliza-se de técnicas estatísticas. Escolhido o tipo de pesquisa. Apresentaremos os que tem se destacado no meio acadêmico. Analisa os processos e seus significados. É preciso afirmar as razões de tais escolhas. A pesquisa quantitativa privilegia a quantificação dos dados.htm> Acesso em jun.brasilescola. Ao propor a realização de uma pesquisa. ▲ Figura 14: Coleta de dados Fonte: Disponível em <http://observacao5. em arquivos públicos e particulares. A partir dos dados coletados e analisados.1º Período tipos de pesquisa que podem ser mencionados. As técnicas de coletas de dados estão diretamente vinculados aos tipos de pesquisa. A pesquisa documental. 2013. sem a pretensão de esgotá-los. exige o levantamento de documentos diversos. 2002. portanto. fundamenta-se na análise de fontes primárias. 30) que ainda não foram objeto de análise ou publicação. A pesquisa experimental consiste na seleção do objeto de estudo e das variáveis que poderiam influenciá-lo.

Letras Espanhol . O tempo delimitado a ser estudado o objeto é o ano de 2013. Um projeto bem elaborado resultará em economia de tempo e esforços na realização da pesquisa. As hipóteses que são respostas provisórias. Delimitado o tema e elaborado o problema de pesquisa. deverá ser elaborada a justificativa. Aquela pergunta chave que a pesquisa pretende responder. deve ser apresentada a revisão de literatura ou referencial teórico. “conhecer. Os objetivos em um projeto de pesquisa podem aparecer em forma de texto. normalmente o pesquisador. para a sociedade. Como foi demonstrado acima. Após a delimitação do tema. As leituras preliminares sobre o tema geral auxiliarão o pesquisador a delimitar o seu tema. Como surge um tema de pesquisa? Normalmente decide-se pesquisar sobre um tema devido a uma inquietação pessoal. supõe um resultado. Se na justificativa a pergunta imaginária que o autor do projeto precisa responder é “por que a pesquisa é relevante?” ao elaborar os objetivos deverá ter em mente a questão: “para que servirá essa pesquisa?” Os objetivos devem são colocados no verbo infinitivo: “Compreender. Deve ser apresentada com clareza e objetividade de forma a expressar diretamente o objeto que será estudado delimitado no tempo e no espaço.”. toda pesquisa é limitada na sua extensão. Como uma casa construída sem um planejamento adequado poderá acarretar prejuízos. Essa resposta provisória será testada pela realização da pesquisa. Depois de arrolados os objetivos geral e específicos. os objetivos geral e específicos são arrolados. nem sempre aparecem no projeto. Definido o tema ou assunto da pesquisa.. exigindo posteriores demolições e ajustes dispendiosos e trabalhosos. podendo comprometer fundamentalmente a sua realização. problemas na distribuição dos cômodos. supostas para o caso específico pesquisado. a exemplo da justificativa ou em forma de tópicos. Como deve acontecer em quase todas as esferas das ações humanas. Essa é a razão pela qual os programas de pós-graduação stricto sensu normalmente estabelecem o projeto de pesquisa como uma das etapas iniciais para a avaliação dos candidatos a se ingressarem nos cursos de mestrado e doutorado. Em seguida. “discutir. é preciso que se tenha “a previsão do que se tem a intenção de fazer” (DUARTE e FURTADO..Iniciação Científica 5. 2002. Trata-se de um texto dissertativo demonstrado por que a pesquisa é relevante.. tendo que se ater a um aspecto de determinada realidade que dê conta de analisar. Exemplo de um problema: O lúdico utilizado para ensinar a língua inglesa as crianças dos 06 aos 10 anos na Escola de inglês X no ano de 2013 vem contribuindo com a aprendizagem deste idioma por parte dos alunos? Neste caso a delimitação pode ser visualizada da seguinte maneira: Objeto de estudo delimitado no problema apresentado acima como exemplo é: a contribuição do lúdico para com a aprendizagem da língua inglesa a alunos de 06 a 10 anos. O espaço onde o objeto delimitado será estudado é: Escola de Inglês X. inicia-se com um tema.”. organizadas. O diálogo com autores que já discutiram o tema de algum ponto de vista ou temas relacionados servirão para conceituação. Normalmente são apresentados em forma de tópicos. 39 . Toda pesquisa e. De qualquer forma antes de realizar uma pesquisa. Vejamos a estrutura do projeto e o que se requer em cada elemento constitutivo dessa estrutura. ventilação e áreas de circulação.. a pesquisa que não parte de um bom projeto também apresentará as suas dificuldades. p. por consequência o seu projeto. é necessário delimitá-lo.. As leituras preliminares que possibilitaram a delimitação do tema e outras já direcionadas para o tema delimitado possibilitarão a construção desse texto. uma dúvida relacionada á bagagem cultural do pesquisador. o desafio é elaborar o problema de pesquisa. podendo ser confirmada ou negada. é necessário que se faça um planejamento adequado.6 O planejamento da pesquisa Para que uma pesquisa seja realizada com sucesso. Todas as demais partes do projeto se sustentarão sobre o problema de pesquisa. na iluminação. Trata-se de um levantamento bibliográfico básico que fundamenta a discussão do objeto proposto.. Consideram necessário verificar se há uma promessa sólida para a pesquisa pretendida. Objetivo geral e objetivos específicos. No caso dos estudantes de graduação devem procurar ajuda com o orientador ou com um professor da área em que o seu tema se insere. baseado nos seus conhecimentos prévios. 35). mas reveste-se de relevância para o desenvolvimento da ciência e. consequentemente. Neste tópico o autor deve convencer os seus leitores de que a pesquisa não é somente viável.” O objetivo geral deve apontar para a contribuição da pesquisa para a ciência e para a área do conhecimento em geral e os específicos relacionados ao alcance específico do objeto de estudo.

O que o autor construir aqui poderá ser utilizado posteriormente quando for escrever o trabalho final. a dissertação. será apresentado o caminho a ser percorrido para a realização do trabalho. inclusive. em anais de eventos são meios de divulgação dos resultados parciais. o estudante que almeja preparar-se para seguir carreira acadêmica deve. apresentando dicas relevantes para a sua elaboração. Os procedimentos devem ser explicados. 5. Deve interessar-se na busca de orientação para desenvolver pesquisas. equipamentos. apresentação de trabalhos em eventos e publicação de artigos. das pesquisas concluídas. O cronograma é o tópico do projeto onde o pesquisador apresenta as atividades que serão realizadas durante a pesquisa e quando serão realizadas. Quais os valores e quais os princípios morais envolvidos no trabalho do pesquisador? Qual o comportamento ideal nes- 40 sa área do fazer humano e quais as questões envolvidas? Reconhecendo a complexidade do tema. seja a monografia. financiadas com dinheiro público. pense um assunto. a tese ou outra produção resultante da pesquisa. O orçamento. delimite um tema e procure elaborar um projeto. 5.8 A ética na pesquisa Ética é um campo da Filosofia que estuda os valores e os princípios morais considerados ideais para o comportamento humano em diversos conceitos. utilizando-se da literatura adequada. Pesquisadores e instituições são avaliados por produção científica. de que as pesquisas realizadas com o auxílio de bolsas. A CAPES – Coordenação de Aperfeiçoamento de pessoal de Ensino Superior. capítulos de livros. Ao final do projeto. Por ser relevante. esclarecimento de termos. a pesquisa científica deve ter os seus resultados amplamente divulgados. desde o início do seu curso. Os tipos de pesquisa que serão utilizados. uma introdução objetiva. Terminado o projeto. despesas de viagem. desenvolver a habilidade de pesquisador e na escrita dos seus resultados. . das pesquisas em andamento ou finais. refere-se aos programas de mestrado e doutorado. destacando a necessidade da divulgação dos seus resultados. Normalmente há exigência. sejam disponibilizadas ao público logo depois da sua conclusão. Esse orçamento só será necessário se o projeto for financiado por alguma instituição. Em forma de texto.UAB/Unimontes . contendo o planejamento do material.1º Período ATIVIDADE Você já pensou em pesquisar um determinado assunto a partir das suas leituras da área do conhecimento do curso que você está fazendo? Para exercitar. apresentando sucintamente o projeto poderá ser elaborada. caso o valor seja previamente estipulado. O mesmo deve ser feito com as técnicas de coleta de dados. justificando as escolhas e apresentando as vantagens e limitações do tipo de pesquisa escolhido. O texto será reforçado com as leituras realizadas durante o período de execução do projeto. Os relatórios de publicações e participações em eventos também são exigidos periodicamente. Gil (2002) discute detalhadamente cada elemento constitutivo do projeto de pesquisa. Deve-se observar o prazo estipulado para a realização da pesquisa e distribuir de forma equilibrada as atividades pertinentes às suas diversas fases. apresentaremos aqui algumas questões introdutórias para iniciar uma reflexão e despertar para a necessidade da sua consideração nas diversas etapas do trabalho acadêmico. artigos em periódicos especializados. seguindo a estrutura proposta nesta unidade. GLOSSÁRIO Stricto Sensu: Expressão em latim que significa “em sentido estrito”. Por essa razão. Deve-se levar em consideração a verba disponível.graduação stricto sensu e um dos critérios mais importantes é a realização de pesquisa e divulgação dos seus resultados por meio da participação em eventos e publicação em periódicos qualificados. situar a discussão já existente sobre o assunto para fundamentar a discussão proposta. realiza rigorosa avaliação dos programas de pós. seguindo as normas da ABNT.7 A divulgação dos resultados de pesquisa Vamos prosseguir nas nossas reflexões sobre a pesquisa científica. devem ser arrolados os dados bibliográficos completos de todas as obras citadas no texto do projeto. Além da revisão de literatura o projeto deve conter a metodologia. A publicação de livros. dentre outras necessárias á realização do trabalho.

o uso indevido dessas ferramentas eletrônicas e digitais promovem também a banalização do plágio. que é a anuência dos sujeitos que participarão do processo resguardam esses participantes de abusos por parte dos pesquisadores. As pessoas podem acessar jornais. há outros que devem ser considerados no âmbito do bom senso que se referem ao caráter do pesquisador. O consentimento e livre esclarecido.jpg> Acesso em jun. por lidar diretamente com seres humanos em situação de risco e com questões da bioética. livros e revistas sem. a resolução 196 de 10 de outubro de 1996 estabelece diversos cuidados quanto aos procedimentos na realização das pesquisas.pacoquinha. tem crescido também a busca de solução para questões importantes relacionadas à ética na pesquisa em todas as áreas do conhecimento. da pesquisa científica e dos mecanismos de divulgação de trabalho. passando a exigir tais revisões das pesquisas ainda na fase de projetos. principalmente com o advento dos microcomputadores e da internet. A partir de então. se é que assim se pode chamar. que afronta o direito de personalidade do autor do trabalho científico. até mesmo. p.. de trabalhos inteiros. Tagata comenta: A evolução técnico-científica presenciada na era moderna ocasionou uma verdadeira revolução nos meios de comunicação. No Brasil.) Contudo. 2003. ARAÙJO. sequer. sair de seus quartos (. 2013. 59). Atualmente tem sido reconhecida a necessidade de cuidados para com as pesquisas em geral que direta ou indiretamente lidam com seres humanos.Letras Espanhol . mecanismos de controle dessas atividades para evitar a “cobaização” de seres humanos têm sido desenvolvidos (cf.Iniciação Científica ◄ Figura 16: Ética na pesquisa Fonte: Disponível em < http://www. Por volta de 1960 intensificam-se os debates em torno da necessidade de revisão das pesquisas que envolvem seres humanos. com a cópia indiscriminada de textos.. disseminando a ocorrência cada vez mais frequente desses crimes virtuais. trechos e. Começam a surgir os comitês de ética nas instituições de produção do conhecimento científico. o código de Nuremberg. Além desses aspectos disciplinados em lei. O primeiro código para disciplinar abusos cometidos em nome do progresso da ciência e do estado foi elaborado em 1947. apesar das facilidades promovidas pelo “micro-boom”. É de se dizer que este ilícito civil. com/wp-content/uploads/2012/03/escreva-na-lousa-a-palavra-etica. que permite o acesso às informações de qualquer canto do mundo em fração de segundos. não é obra exclusivamente realizada 41 . surgiram facilidades impensáveis até poucos anos atrás. Com a rapidez com que se pode buscar informações em qualquer canto do mundo. Inicialmente a preocupação com o tema parecia ater-se à área da pesquisa em saúde. Devido ao avanço da ciência.

Simone Viana. 2008. de suma importância é o papel dos professores e orientadores educacionais. desenvolver uma postura ética em todos os aspectos da vida. Independentemente das exigências formais dos comitês de ética das instituições de pesquisa. GIL. portanto. por definição. Laís Záu Serpa de. São Paulo: Atlas. RUIZ. MEZZAROBA. 2002. Manual de metodologia da pesquisa no direito. Afirma: Portanto. 2008. Aspectos éticos da pesquisa científica. ou simples ladrões de ideias? (TAGATA. O discurso contra a corrupção presente entre os detentores do poder político e econômico deve ser coerente com toda a prática social. sendo apenas mais difícil sua comprovação (TAGATA. 2009. MARCONI. DUARTE. se permitirem ou se fizerem “vista grossa” para o problema. 5. sabendo dar os devidos créditos a quem de direito. melhorar as suas condições. 4. ed. que tipo de profissionais ou cidadãos estará formando? Pensadores hábeis comprometidos com a justiça e a ética. Metodologia científica: Guia para eficiência nos estudos. pois que também deles é o papel de “construir” um aluno revestido de indefectível postura ética e que entenda e respeite as ideias e os pontos de vista alheios. Se isso não acontecer imediatamente. São Paulo: Atlas. Como Elaborar Projetos de pesquisa. espera-se que aquele que se propõe a ser um agende de produção do saber científico. envolve responsabilidade e ética. desmitificar fenômenos. portanto. 2002. 2009. enciclopédias e até compêndios acadêmicos são alvo de roubo intelectual. são incompatíveis com a falsidade.UAB/Unimontes . Essa postura ética deve manifestar-se nas citações das fontes tanto nas citações textuais como nas livres. A beleza e a relevância da pesquisa como forma de explicitar a realidade. a sociedade sofrerá as consequência de um profissional de mentira atuando em áreas importantes da sua construção. importante aspecto a ser considerado aqui para sermos coerentes com a natureza do conhecimento que se pretende produzir. 17 (Supl 1): 57-63. p 123 ). 3. Montes Claros-MG. ed. São Paulo: Saraiva. Muitos trechos ou ideias contidas em jornais. FURTADO. O estudante que é capaz de comprar trabalhos acadêmicos mais simples durante o seu curso. revistas. será capaz também de plagiar ou comprar o trabalho de conclusão de curso e depois a dissertação de mestrado e a tese de doutorado. São Paulo: Atlas 2002. inclusive aquelas relacionadas à vida acadêmica. pois em determinado momento a sua incompetência será manifesta e as portas se fecharão para ele. esse tema deve ocupar lugar central nas discussões relacionadas á realização de pesquisas. Tagata ressalta aqui o papel dos orientadores em despertar no estudante tal consciência. Manual para elaboração de monografias e projetos de pesquisas. O conhecimento. Antônio Carlos. Marina de Andrade. apontar para meios de se buscar a felicidade. tenha também a consciência da necessidade de realizar o seu trabalho com dignidade e repeito aos méritos intelectuais dos seus pares. Cláudia Servilha. inclusive na educação escolar. ed. e os educadores têm em suas mãos a possibilidade de despertar nos alunos uma postura ética e crítica também em relação à vida. LAKATOS. pois. o plágio e com o desrespeito e a injustiça. João Álvaro. 6. promover a vida. ed. Maria Sueli Viana. IN: Pes qui Odon tol Bras 2003. Fundamentos de metodologia científica. ed. 42 . Eva Maria. MONTEIRO. Palavras ideias devem ser creditadas aos seus autores.1º Período através da internet. Orides. Particularmente no lidar com o conhecimento científico. A ética na pesquisa é. A sua titulação será fundamentada na mentira e as consequências da sua corrupção serão sofridas por ele mesmo. a mentira. 5. p 118 ). Referências ARAÚJO. É preciso.

1. 115-125. Rev. São Paulo. Ética na pesquisa científica . Disponível: http://www. C. Ciên. n. com/textos/apologetica/schaeffer_ciencia_moderna. Umuarama. Jur. p.Iniciação Científica SHAEFFER. A ciência moderna nos primórdios. Introdução á pesquisa em ciências sociais: A pesquisa qualitativa em educação. e Soc. 2008 TRIVIÑOS. 43 . Atlas 1987. 11.05. jan. Francis.o papel do professor na construção de um cidadão ético.2013 TAGATA./jun. Augusto N. S.pdf Data da consulta: 14. da Unipar.Letras Espanhol . v.monergismo. M.

.

Pensa-se a ciência e o seu caráter histórico. Unidade 3 Esta unidade procura oferecer orientações para a leitura e escrita de textos acadêmicos. demonstrando a racionalidade humana na busca de soluções para os problemas enfrentados. São apresentados a natureza. A necessidade de uma boa administração do tempo. Os tipos de pesquisa e sua relação com as correntes epistemológicas que norteiam a pesquisa científica. respeitando-se os objetivos propostos para cada nível de ensino. bem como às áreas do conhecimento. As técnicas de coleta de dados. a presente unidade apresenta os diversos trabalhos acadêmicos. relacionando-as aos tipos de pesquisa a que são pertinentes. os objetivos desses trabalhos. O conceito de pesquisa e sua relação com o conceito de ciência e de metodologia. dinâmico. Unidade 5 Nesta unidade a pesquisa científica é discutida em seus diversos aspectos. consequentemente. Unidade 4 Considerando o caráter instrumental da disciplina e a necessidade que os acadêmicos terão para atender ás exigências das diversas disciplinas do curso. bem como as suas limitações por tratar-se de uma produção humana. 45 . A autonomia exigida do acadêmico e das formas de realização do seu trabalho. Práticas consideradas essenciais ao bom aproveitamento dos estudos na universidade. de maturidade no estabelecimento das suas prioridades para que haja um aproveitamento adequado e uma valorização coerente da oportunidade de se obter um título acadêmico que corresponda à esperada qualificação. Salienta-se as suas aplicações nos cursos de graduação. é privilegiado aqui o conhecimento científico com suas especificidades. principalmente os que se inserirem na carreira docente ou outras que exigem a realização de pesquisas e divulgação dos seus resultados. Sua relevância para a humanidade. a necessidade da divulgação dos seus resultados e os espaços e os meios pelos quais essa divulgação acontece. de estabelecimentos de áreas e subáreas do conhecimento científico. visões de mundo e aos contextos nos quais é produzida. Ressalta-se ainda a necessidade de um planejamento adequado para a realização da pesquisa. Ressaltando as diferenças entre a produção/ reprodução do conhecimento na educação básica e na universidade. sujeita a pressupostos.Iniciação Científica Resumo Unidade 1 Discute-se nesta unidade os desafios de inserir-se numa nova realidade quanto aos estudos. A relevância social da pesquisa e. mas são apresentadas também a sua aplicação em trabalhos que tenham objetivos mais amplos e que terão lugar em outros momentos da produção científica. Dentre as limitações discutidas. apresentando cada tópico que a compõem e a sua necessidade e objetivos. Devido aos objetivos do textos. as características. serão também de grande relevância para o exercício profissional e demais atividades relacionadas à produção do conhecimento científico empreendidas pelo acadêmico. Finalmente discute-se a relação necessária entre ética e pesquisa. Apresenta ainda a necessidade de uma tentativa de se superar a fragmentação do conhecimento por meio de ações interdisciplinares. refere-se á necessidade de delimitações. As diferentes formas de conhecer e como os tipos de conhecimento se articulam e dialogam.Letras Espanhol . Unidade 2 Esta unidade aborda a maravilhosa capacidade de conhecer por parte do ser humano e a produção cultural decorrente dessa capacidade. a estrutura geral para um projeto de pesquisa.

.

Iniciação Científica Referências Básicas BARROS.). Clarissa Eckert Baeta. 17 (Supl 1): 57-63. RAIZER. 8. N. 2002. Neoliberalismo. GIL. MARCONI. Complementares ALVES. n. São Paulo: Hucitec. 1986.. Interdisciplinaridade e Transdisciplinaridade na Formação de Professores. 10. UnB. A religião e o desenvolvimento da ciência moderna. Projeto de Pesquisa: Propostas Metodológicas. 2009. GALLIANO. Aspectos éticos da pesquisa científica. OLIVEIRA. 2002. Eva Maria. 1976. ed.ed. Pedro. Antônio Carlos. Cláudia Servilha. ed. FREIRE. IN: Revista Brasileira de Docência. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Maio/2009. São Paulo: Saraiva. São Paulo: Atlas.Petrópolis: Vozes. ed. Introdução à metodologia da ciência. 1988. 1993. 2001. Marina de Andrade. Sociologias. DUARTE. Oração aos Moços. A importância do ato de ler. 2001. São Paulo/Brasília: Polis/Ed. Dicas para Escrever textos Acadêmicos. ARAÚJO. Ivani. Rio de Janeiro: Imago. Rubem. NEVES. 4.Letras Espanhol . 124-157. MEZZAROBA. DEMO. Leandro e FACHINETTO. Maria Sueli Viana. 2008. Aidil de Jesus Paes e LEHFELD. n. A. R. MONTEIRO. Orides. São Paulo: Atlas. MINAYO. “Acesso. Hilton. 22.24-32. 1. Rochele Fellini. 1. São Paulo: Autores Associados/ Cortez. IN: Pesqui Odon tol Bras 2003. JAPIASSU. Como elaborar projetos de pesquisa. Manual de metodologia da pesquisa no direito. São Paulo: Atlas. A Prática da Pesquisa. Belo Horizonte: Del Rey. Rui. 23.17. 2007. expansão e equidade na educação superior: novos desafios para a política educacional brasileira”.2006. 3. Filosofia da Ciência: Introdução ao Jogo e suas Regras. HOYKAAS. 2. 6. 47 . FURTADO. Lavras MG: UFLA. Cláudio de Moura. Fundamentos de metodologia científica. G. ed. 1988). Tomaz Tadeu da (Orgs. São Paulo: Harbra. A. ed. qualidade total e educação: versões críticas. CASTRO. In: Folhetim de aprendizagem. Petrópolis – RJ: Vozes. ed. 2. 1989 GENTILI. Simone Viana. Neide Aparecida de Souza. 2009. O Desafio do Conhecimento. ed. pp. Laís Záu Serpa de. BARBOSA. Ensino e Pesquisa em Administração – Vol. São Paulo:Prentice-Hall. Pablo A. p. Montes Claros-MG. O Método Científico: Teoria e Prática. Manual para elaboração de monografias e projetos de pesquisas. SILVA. 5.1999. Sérgio Wagner. LAKATOS.ed. FAZENDA. Maria Cecília de Souza. Paulo.

2002. Disponível: http://www. 9. THAXTON. 2005. 1999.UAB/Unimontes . com/textos/apologetica/schaeffer_ciencia_moderna. 2002. Ética na pesquisa científica . Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Atlas. Como fazer uma monografia. João Álvaro. Ciên.05. jan. TAGATA. Introdução á pesquisa em ciências sociais: A Pesquisa Qualitativa em Educação.o papel do professor na construção de um cidadão ético. SHAEFFER. ed. Antônio Joaquim. p.monergismo. RUIZ. Augusto N. Jur. Umuarama. S. M. Atlas 1987. São Paulo: Martins Fontes. ed. v. São Paulo: Cortez. 115-125.1º Período PEARCEY. A alma da ciência: Fé Cristã e Filosofia Natural. Délcio Vieira. A ciência moderna nos primórdios. n.2013.. 22. e Soc./jun. Metodologia científica: Guia para eficiência nos estudos. 48 . da Unipar. Rev. São Paulo: Cultura Cristã. SALOMON. C. 1. 5. ed. Charles B. Nancy R. São Paulo. SEVERINO. 2008. TRIVIÑOS.pdf Data da consulta: 14. Francis. 11.

estabelecer critérios de ação. Quais devem ser os cuidados para que o estudante não se perca nesse discurso de autonomia? 3) Quais os procedimentos indicados para que haja maior aproveitamento das aulas? 4) Discuta as peculiaridades do conhecimento humano. as diversas formas de conhecer e as especificidades do conhecimento científico. quanto aos objetivos e quanto ao delineamento e relacione as técnicas de coleta de dados mais adequadas aos diferentes tipos de pesquisa.Letras Espanhol . discutindo a importância das questões éticas para as atividades acadêmica e científica. comentando o conteúdo que se espera de cada elemento que o constitui. 49 . 7) Apresente a estrutura de um projeto de pesquisa.AA 1) Produza um pequeno texto dissertativo. metodologia e pesquisa. 8) Comente os tipos de pesquisa quanto á abordagem. 5) Quais os procedimentos indicados para que se tenha uma compreensão adequada dos textos lidos? 6) Relacione os conceitos de ciência. 2) No ensino há maior liberdade para fazer escolhas .Iniciação Científica Atividades de aprendizagem . 9) Qual a relação entre filosofia e pesquisa? Discuta os pressupostos filosóficos que norteiam o trabalho do pesquisador 10) Elabore um texto dissertativo. discutindo a importância dos trabalhos em grupos e os procedimentos que favorecem o cumprimento dos seus objetivos.