Você está na página 1de 62

PROJETO ACUSTICO

Profa. Arq. Suely Mangabeira

PROJETO ACUSTICO
Conforto acústico no projeto
Quando nos preocupamos com as
condições acústicas externas e internas do
edifício projetado.

Dependendo do uso que será dado à
edificação, esta poderá ser fonte de ruído
para o entorno ou ficar fragilizada por sua
interferência.

.

.

.O ruído pode ser definido com a “mistura de tons cujas freqüências diferem entre si por valor inferior à discriminação (em freqüência) do ouvido humano” [TB-143/ABNT].

a voz) .RUIDO Pode ser: • Aéreo quando propagado pelo ar (por exemplo.

o ruído de passos sobre uma laje). .• Impacto .quando o meio de propagação é sólido (por exemplo.

Iƒmpede a emissão de uma mensagem .• O ruído incomoda quando: Impede a recepção de uma informação desejada.

. do ponto de vista acústico.• Qualidade de vida. é a possibilidade de conviver com os ruídos significantes e desejados.

meio de propagação e receptor . três elementos: fonte sonora.• Qualquer situação acústica envolve. necessariamente.

quando entre a fonte sonora e o receptor não existe nenhum tipo de obstáculo que modifique o trajeto das ondas sonoras .• O Campo Sonoro pode ser Direto. ou Campo Livre.

ocorre quando a onda sonora encontra obstáculos. ou Campo Difuso. .• Campo Sonoro Reverberante. é refletida e permanece por algum tempo no ar.

Por exemplo. Quanto maior o coeficiente de absorção ( α) de um material menor será a energia refletida. superfícies “macias” mais absorventes. Superfícies “duras” são mais reflexivas. um muro coberto de vegetação refletirá menos energia que um muro concreto. .• A quantidade de energia refletida depende da natureza mais ou menos absorvente do obstáculo.

.

É o fenômeno que explica o funcionamento das barreiras acústicas. muito importantes para o controle de ruído urbano. vigas. pilares. o som é difratado. etc.Difração • Quando o som encontra frestas ou obstáculos menores que seu comprimento de onda as ondas tem sua direção e magnitude modificadas. • A difração pode ocorrer quando o som passa através de janelas. muros. .

. promovendo uma distribuição mais uniforme da pressão sonora e um ganho no conforto acústico.Difusão • Irregularidades na superfície refletora podem provocar a difusão – as ondas sonoras se espalham em diversas direções.

dimensão. focos) e que o ruído de fundo e o Tempo de Reverberação sejam adequados às atividades a que o espaço se destina. . volumetria. • O ambiente não apresente acidentes acústicos (ecos.Qualidade Acústica • As características do ambiente construído – interior e exterior – são responsáveis pela qualidade acústica do espaço resultante de fatores como forma. revestimento e material de vedação depende o som percebido pelo receptor. • O tratamento acústico de um ambiente deve conciliar o isolamento quanto aos ruídos externos com a inteligibilidade para os sons desejados.

.

.

Isolamento quanto à superfície Convexa .Difusão • Condições acústicas adequadas Criação de um forro móvel. proporcionado maior qualidade acústica por meio de difusão. . formado por 15 módulos.O teto forma diversas composições de acordo com o espetáculo.Refletora de som .

Isolamento quanto à superfície
Côncava - Concentração de Som

Isolamento Acústico
• O isolamento acústico consiste em dificultar a
transmissão sonora. Um bom isolante deve
ser rígido, compacto, pesado. A capacidade
que um elemento de vedação (parede,
divisória, esquadria,...) tem de se opor à
transmissão do ruído depende de seu Índice
de Redução Sonora.

Ref.: Souza, Léa et al. - BE-a-Bá da Acústica Arquitetônica:
ouvindo a Arquitetura

quanto mais “pesado” (ou denso) for o obstáculo. • No caso de paredes simples. .• Para obter um bom isolamento sonoro é conveniente verificar o índice de redução sonora (R) proporcionado pelo material . menor será a quantidade de energia sonora transmitida.

.

a cada vez que a espessura é dobrada o isolamento aumenta ± 4 dB. sendo maior para as altas freqüências (aumenta cerca de 4 dB a cada vez que a freqüência é dobrada). .• Segundo a “Lei da Massa”.

.• Paredes Compostas. quando colocados entre painéis rígidos. Materiais absorventes. funcionam como “mola” minimizando a transmissão do ruído. Este tipo de opção de vedação é conveniente quando se deseja (ou necessita) evitar o uso de paredes muito espessas e pesadas.

. A energia absorvida é parcialmente dissipada (como energia térmica) e parcialmente transmitida.Absorção Acústica • A absorção sonora consiste em reduzir ao máximo a reflexão da energia sonora que incide sobre uma superfície.

Dois são os principais tipos de materiais absorventes: • ƒ Materiais Fibrosos e Porosos – permitem que a onda sonora penetre e se propague em seu interior. . de modo geral. Após sucessivas reflexões sobre as paredes dos poros a energia sonora é dissipada sob a forma de calor (energia térmica).• O desempenho de um material como absorvente acústico varia segundo as diversas faixas de freqüência. mais eficientes nas altas freqüências. • ƒ Os materiais porosos (ex: espumas sintéticas) ou fibrosos (ex: lãs minerais) são.

a vibração provocada pela pressão exercida sobre o painel transforma parte da energia sonora em energia térmica. .Quando uma onda sonora atinge um painel flexível.• ƒPainéis Flexíveis .

. a eficiência será maior nas altas e médias freqüências.• ƒ Painéis flexíveis afastados da parede por uma camada de ar são excelentes para absorver as baixas freqüências. Se o painel estiver colado diretamente sobre a parede.

.

• É o tempo necessário. . depois que a fonte cessar”. O Tempo de Reverberação Ideal varia em função do volume da sala e do tipo de atividade a que ela se destina. para que o nível de pressão sonora diminua de 60 dB.

Tempo de Reverberação .

a partir de um problema real. definiu empiricamente a primeira fórmula para determinar o Tempo de Reverberação. Foi Wallace Sabine que.• O TR pode ser ajustado através da relação entre superfícies reflexivas e absorventes (via revestimentos de pisos. . paredes e tetos).

.

.. simples. prevenir entretanto não.O Ruído e o projeto • O projeto dos edifícios tem. frequentemente. relegado o conforto acústico a um plano posterior e secundário. durante o processo de concepção do edifício. . • Corrigir falhas de projeto é caro e difícil. estúdios.).teatros. O comportamento acústico dos espaços costuma ser estudado apenas em ambientes «especiais» (auditórios. Argumenta-se que tratamentos acústico s são muito caros. • A qualidade acústica do projeto pode depender do cumprimento de algumas etapas.

. equipamentos. prismas de ventilação). atividades de lazer) • Verificar as fontes que serão criadas pelo próprio projeto (casas de máquinas. salões de festa.Identificação e classificação das fontes de ruído • Identificar as fontes de ruído. • Localizar as fontes de ruído existentes no entorno do edifício (vias de tráfego. indústrias. • Classificar as fontes como de ruído aéreo ou de impacto. Barateamos o custo do tratamento acústico (caso este se faça necessário) quando adotamos uma implantação correta.

. um quarto é mais sensível ao ruído que a sala. que é mais sensível que o banheiro e assim por diante.Qualificação Acústica dos Espaços • Checar o nível de ruído • Setorização dos espaços. a partir da hierarquização dos mesmos • Estabelecer uma “escala” de sensibilidade ao ruído: por exemplo.

a proteção no ambiente receptor é muito pouco eficiente. .Tratamento das Fontes de Ruído de Impacto • O ruído de impacto deve ser tratado na fonte. As fontes devem ser “desacopladas” de paredes e piso para evitar que o ruído de impacto seja transmitido a toda estrutura.

Alguns exemplos e soluções: • Máquinas e equipamentos : apoios elásticos (molas. . sapatas de neoprene).

.• Dutos e tubulações: quando embutidos nas paredes podem ser revestidos com materiais absorventes (lã de vidro. lã de rocha).

manta de material elástico ou absorvente entre a laje e o contrapiso atenuam o ruído de passos e arrastar de móveis. .• Atividades de impacto sobre lajes de piso: pisos flutuantes.

ser hierarquizados em função do ruído. •Os espaços interiores podem. a contigüidade entre espaços sensíveis das fontes de ruído. •A proteção do edifício contra o ruído emitido pelas fontes do entorno começa pela implantação. também. sempre que possível.Afastar Espaços Sensíveis das Fontes de Ruído • Evitar. .

escritórios). . circulações.• Na fachada voltada para a via de tráfego podem ser localizados os espaços menos sensíveis (acessos. escadas) reservando a fachada protegida para os ambientes sensíveis ao ruído (quartos.

evitar a passagem de tubulações de água e esgoto pela parede divisória e isolar contra ruídos aéreos. caso isto não seja possível. ser afastadas dos quartos de dormir. .• Áreas de serviço e cozinhas devem. de preferência.

. • Uma parede de alvenaria de tijolos cerâmicos (esp = 15 cm) isola cerca de 35 dB e uma laje de concreto cerca de 45dB (contra ruídos aéreos).Isolamento dos Ruídos Aéreos • Paredes simples vale a “Lei da Massa”.

Isolamento dos Ruídos Aéreos .

fabricadas em materiais leves (lei da massa). quase sempre possuírem elementos vazados (venezianas. .Esquadrias • Esquadrias são um dos pontos fracos da fachada por serem. grelhas) e pela dificuldade de “selar” as frestas entre a alvenaria e o caixilho e entre este e as folhas móveis. usualmente.

.Esquadrias • Janelas duplas. com folhas paralelas desconectadas entre si podem apresentar um desempenho bem superior ao de uma janela simples com o dobro da massa superficial.

• Compartimentos vazados (varandas. sacadas) podem funcionar como espaços de transição para a propagação sonora. importante em clima tropical-úmido. . protegendo o interior do edifício do ruído da rua principalmente se algumas de suas superfícies forem tratadas com materiais absorventes. • Alternativa interessante por não interferir na ventilação.

borrachas e carpetes nas frestas das janelas . Outro recuso é o uso de material absorvente de vibração como tecido.• Outra forma de garantia de isolamento acústico é a escolha da esquadria. com vidro duplo reduzem a passagem de vibração. Por exemplo. modelos de PVC.

necessariamente. auditórios. . • Mesmo em espaços menos “nobres” o arquiteto deve se preocupar com o condicionamento acústico: espaços muito reverberantes são desagradáveis e provocam desconforto por dificultar a inteligibilidade dos sons desejados.• Teatros. ter o tempo de reverberação calculado de modo a garantir sua qualidade acústica. estúdios. salas de aula ou qualquer outro espaço destinado à música ou a voz humana devem.

.

. pedras. cerâmica. asfalto possuem baixo coeficiente de absorção sonora vegetação pode ter um efeito significativo na ambiência sonora dos espaços ao ar livre pelos efeitos da absorção.• Concreto. difusão e do mascaramento.

.

.• Desempenham a mesma função de um revestimento absorvente aplicado sobre o solo ou as fachadas: deformam o espectro do ruído. atenuando os sons agudos e criando uma ambiência mais “surda”.

• Sob o efeito do vento. podem se tornar uma fonte sonora secundária. mascarando os ruídos indesejáveis .

• A vegetação não possui um efeito de barreira significativo. o que pode ser considerado insignificante . 1 dB(A) para cada 10 metros de vegetação. A atenuação provocada por uma faixa de cem metros de vegetação densa é de apenas 10dB(A). nas bordas das vias de tráfego. • O uso de vegetação sobre taludes de terra. • São os taludes e não a vegetação que se opõem à propagação do ruído. ou seja. .