Você está na página 1de 16

Caderno de Medicina Forense I

Aula 1 (25/02/11)
Programa:
1. Apresentação do curso
2. Traumatologia Forense
3. Perícias e peritos/ Documentos médico-legais
4. Asfixias
Medicina Preventiva: Destinada à sociedade
Medicina Legal: Destinada à sociedade e ao indivíduo. Permeia o Direito necessariamente.
Medicina Curativa: Destinada ao indivíduo
Medicina Legal: É a parte da medicina que utiliza conhecimentos médicos e biológicos na execução e na
elaboração das leis que deles carecem.
04/03/11
O professor faltou
Aula 2 (11/03/11)
Traumatologia: Estuda os traumas, as lesões. As lesões são causadas por agentes, por instrumentos. Cada um
deixa marcas distintas.
Traumatologia Forense: É o estudo das lesões ou agravo da saúde da saúde da pessoa humana de origem violenta
(e não apenas fisiopatológica).
Lesão: Alteração da integridade anatômica
As lesões violentas são produzidas por agentes ou instrumentos:
1. Físicos: encontram-se normalmente na natureza
2. Químicos: é necessária uma reação com o organismo para lesar. Ex.: veneno
3. Biológicos: vírus, bactérias, protozoários, animais
4. Mistos: interferência de vários agentes. Ex.: asfixia
1. Físicos
1.1. Mecânicos: é preciso dotá-los de energia para produzir uma lesão. Ou dotar-se de energia e ir de
encontro a eles.
1.2. Não-mecânicos: são a própria energia. Ex.: a luz do sol pode cegar; música alta pode deixar surdo;
energia elétrica pode matar.
Agentes Físicos Mecânicos:
Classes dos agentes
Perfurantes: Atuam por pressão em um ponto. Produzem lesões cuja
gravidade depende do local atingido e da profundidade. Ex.: agulha, prego
Cortantes: Atuam por deslizamento na superfície corporal. O comprimento
da lesão é maior que a profundidade. Ex.: lâmina, faca
Pérfuro-cortantes: Atuam inicialmente por pressão em um ponto e, à medida
que vão penetrando por deslizamento, seccionam os tecidos. Ex.: peixeira,
baioneta.
C:\Documents and Settings\slb\Desktop\Caderno+de+Medicina+Forense.docx

Lesão
Perfurada ou punctória
Incisa
Perfuro-incisa

Vital ou post mortem Lesões especiais: . Lesões de pescoço: 1. . . Ex. . até o lado direito e ao fim puxa a lâmina para cima. pela liberação de Pérfuro-contusa energia cinética que o objeto traz consigo. Sede: local da lesão 3. Conteúdo: ex. Degola: Secção parcial posterior 3. Pérfuro-contundentes: Atuam inicialmente num ponto e. Lesão do drogado: lesões perfuradas.: lesão de gilete nos pulsos . luta. etc) das lesões para se chegar ao instrumento. produzem a seguir uma ação contundente. Ex. Funcionam num primeiro momento pelo choque do gume contra a pele seccionando-a. coágulo: ferida enquanto a pessoa estava viva sem sangue: ferida post mortem terra.: sangue.docx . Ex.: machado. É a lesão que denomina o agente.: bala. compatíveis com o uso de drogas .: lesão na mão. e num segundo momento atua o peso do objeto esmagando e destruindo os tecidos. . rodas de trem. profundidade 5. pára-choque de carro. Ex. Corto-contundentes: O instrumento tem um gume mais ou menos afiado e Corto-contusa um corpo com peso.1: Revólver: bala (perfuro-contundente). e para os canhotos. b) Esgorjamentos homicidas: Geralmente o criminoso vem por trás e o trajeto é ascendente (de baixo para cima). e corta então. coronhada (contundente). Ex. caneta. intenção. da direita para a esquerda. Se é destro. Lesão de defesa: Houve dolo. Espostejamento: Cortar em postas Lesão ocultatória de cadáver Aula 3 (18/03/11) C:\Documents and Settings\slb\Desktop\Caderno+de+Medicina+Forense. Ex. age da esquerda para a direita. da direita para a esquerda. Tamanho: comprimento.2: faca: gume (cortante). com deformação.Contundentes: Funcionam pelo choque (impacto) entre uma superfície e o Contusa corpo. Bordos 6. . madeira. no antebraço.: Mão. Lesão do suicida: Marcas de várias tentativas prévias. * As decapitações e as degolas são homicidas ou acidentais. Se ele é canhoto. foice. Auto-mutilação: Geralmente feita com o objetivo de conseguir seguro ou chamar a atenção Esquartejamento: Divisão do corpo com base em limites anatômicos. Lesão harakiri ou seppuku: O samurai enfia sua espada na barriga no lado esquerdo. dentes. Lesão deformante: Qualquer local. Um mesmo agente pode se comportar de várias maneiras. Decapitação: Secção total 2. . . da esquerda para a direita. cabo (contundente) A parte mais importante do laudo é a descrição ( com fotos. guilhotina. asfalto: o corpo foi arrastado 2. Número de lesões 4. Descrição da Lesão: 1. Esgorjamento: Secção parcial anterior a) Esgorjamentos suicidas: Geralmente têm mais de uma incisão e trajeto descendente. Ex. Para os destros. O legista descreve a lesão e a partir dela se chega ao agente.

Do 1º ao 3º dia. torção. 2. permitindo-se fazer um cálculo aproximado do tempo em que ocorreu a lesão. Isso se deve à degradação da hemoglobina. Rodoviário 5. Espectro Equimótico de Legrand du Saulle: A equimose é muito importante em medicina legal.: calor. esverdeada. 3. Ex. As lesões contusas podem ser: 1. Ex. Ocorre quando há rompimento de um vaso de pequeno calibre. é preciso drenar o sangue. amarelada. o ideal é ir ao pronto-socorro logo após a lesão.2. em média.: motoqueiro cai no asfalto e é arrastado. Hematoma: É um aumento localizado de volume provocado pelo acúmulo de sangue em um local. Ex. 5. Ferroviário 5.1. eventualmente avermelhada. Do 4º ao 7º dia. Equimose: É uma mancha de coloração violácea. Por isso.2. Lesão de transporte: é um politraumatismo também 5.: hemotórax. pode haver inchaço permanente.: bofetão. Lesão por esmagamento (crush syndrome) C:\Documents and Settings\slb\Desktop\Caderno+de+Medicina+Forense. dependendo do local onde se forma. sol). Decorre de um impacto mais intenso que provoca ruptura de vasos de grande calibre e mais saída de sangue. 6. três semanas. Geralmente ocorre numa superfície dura (local com osso embaixo). formação de meio de cultura para bactérias ou perda excessiva de sangue.: escalpelar e bater na parede. Lesão lacero-contusa: Há laceração e contusão. Escoriação: Atinge apenas a epiderme e não há formação de cicatriz posteriormente.3. indireta. Bossa: Hematoma que faz saliência na pele. mas a melhor denominação é ferida contusa. Ex.: palmatória 3.: lutador de vale-tudo que tem a orelha inchada. porque sua cor varia com o passar do tempo. hematoma extradural (coleção sanguínea situada entre a dura-máter e o crânio). Em 90% das situações. Aéreo Importante: É preciso fazer uma necropsia completa para saber se a causa da morte foi realmente a lesão de transporte. Ex. Os bordos são irregulares. ocorre vasodilatação ou congestão. Tem duração fugaz. Ex. Ex. Dura. é lesão contusa.3. 2. 3. Do 8º ao 12º dia.1. por causa de compressão de órgão. Politraumatismo: o agente contundente cria mais de um trauma 5. Lesão de arraste: escoriação grande com linhas paralelas que sulcam a derme. azulada. São lesões especiais desse tipo: 1.: escalpelamento provocado por máquina que gira. Lesão Lacerada: (lacerar: rasgar. 4. O hematoma pode ter um nome próprio.Lesões contusas: Produzidas por agentes de bordos arredondados. Edema ou inchaço: Ocorre alteração da permeabilidade do vaso e saída de plasma. Eritema: Devido ao impacto. A lesão varia conforme a quantidade de energia despendida no impacto e a maneira que o instrumento atinge a superfície corporal: direta.docx . Do 13º ao 21º dia. Ex. 4. 3. Abrasivas: lesões resultantes de atrito 3.: galo *Se há rompimento da pele. Lesões corto-contusas: Esse tipo de lesão geralmente exige sutura para aproximar os bordos. Pode durar dias ou mesmo semanas. Tratamento: pomadas. Se a lesão for repetida. deslizamento etc.: o indivíduo pode levar um tiro e ser colocado na linha do trem. A vasodilatação pode ser prolongada por agente não-mecânico (ex. Ex. Lesão por explosão (blast injury) 7. O tratamento é o mesmo do eritema: gelo. sua cor é violácea/ avermelhada. hematoma subdural (coleção sanguínea situada entre a dura-máter e o cérebro). hemoperitônio. arrancar). Impressão cutânea: A superfície do agente fica impressa na pele. Não é tão fugaz quanto o eritema.

que se expandem e empurram o projétil para frente. porque o projétil se deformou.8 mm.docx . que explode por causa da espoleta ou escorva. A explosão libera gases. altera o trajeto do projétil. Lesões: Lesão primária: causada pelo projétil zona de escoriação (contundente. explodindo a pólvora. também saem junto com o projétil: fumaça. Classificação dos tiros quanto à distância 1.“Raspão”: se o tiro foi dado tangencialmente Trajeto ou túnel traumático: A passagem pelas estruturas do corpo. Encostado ou de contato ( boca da arma em contato com a pele) C:\Documents and Settings\slb\Desktop\Caderno+de+Medicina+Forense. Na alma do cano. epiderme é arrancada) . fogo e pólvora zona de esfumaçamento (fumaça). há a massa de mira e atrás. Lesão ou traumatismo oculto Aula 4 (25/03/11) Agentes pérfuro-contundentes/ Lesões pérfuro-contusas Agente mais típico: projétil de arma de fogo A arma de fogo possui cano de aço com uma extremidade aberta (boca) e uma fechada (cartucho). Há um cão na base da espoleta. O técnico dá um tiro com a arma e compara com o projétil do crime. Dentro do cartucho.8. Velocidade do projétil: Calibre . zona de chamuscamento (ou zona de queimadura) e zona de tatuagem (grãos de pólvora incrustados na pele) Orifício de entrada (aproximadamente 0. por exemplo). que é o caminho da boca do cano até o lugar onde o projétil se aloja (o corpo ou uma parede. Obs. fogo e grânulos de pólvora.Ovalar: se o tiro foi dado obliquamente .: não confundir com trajetória. Com a explosão. há raias fazendo o projétil girar. As raias deixam na bala estrias. que aumentam a efetividade. há pólvora.38 ≈ 400 m/s Fuzil ≈ 1200 m/s Na ponta da arma.Circular: se o tiro foi dado perpendicularmente . o que diminui o atrito.6 mm) : . Orifício de saída: é irregular e um pouco maior. que permitem identificar a arma do crime. Acionando a alavanca. Tem aproximadamente 0. que emite uma faísca. zona de enxugo e zona de contusão (equimose) Lesão secundária: causada por fumaça. de diferentes densidades. a alça de mira. que emite faísca. arma o cão.

Tiro encostado Sinal de Wekgartner: Reprodução na pele do formato da massa de mira e da boca da arma Sinal de Rojas: Sinal irregular Tiros na cabeça: Sinal da câmera de mina de Hoffmann: Cavidades enegrecidas pela pólvora. 1. acompanhada de exame em que. Média distância (de 45-50 cm a 2-3 metros): zonas de escoriação. A perícia não é consulta. contusão. Sinal da escarapela de Simonin: grãos de pólvora Sinal do funil de Bonnet: É muito importante nos tiros que transfixam o crânio para saber a direção do projétil. Perícia médica. esfumaçamento.2. Sinal do funil de Bonnet Aula 5 (01/04/2011) Perícias e peritos/ documentos médico-legais Com a inversão do ônus da prova trazida pelo CDC. contusão e enxugo. Longa distância ( acima de 2-3 metros): zonas de escoriação. fogo. chamuscamento. Tipos de perícia 1. Nela ficam vestígios de fumaça. com a finalidade de cooperar com as autoridades administrativas. os peritos são ou devem ser médicos. Queima-roupa (até 12 cm): tem todas as zonas (escoriação. policiais ou judiciárias na formação do juízo a que estão obrigadas. pólvora. enxugo e tatuagem 5. Sinal de Benassi: Halo formado pela deposição de pólvora na superfície óssea ao redor do orifício de entrada. principalmente quando só se dispõe dos ossos. contusão. tatuagem) 3. O orifício de entrada é regular e o orifício de saída é maior e com bordas irregulares. Curta distância (de 12 cm a 45-50 cm): zonas de escoriação. é todo e qualquer ato propedêutico ou exame feito por médico. em sentido amplo.docx . pela natureza do mesmo. Âmbito cível Perito do juiz (laudo) + assistente técnico (parecer) C:\Documents and Settings\slb\Desktop\Caderno+de+Medicina+Forense. enxugo. Perícia médica: Toda sindicância promovida por autoridade policial ou judiciária. Âmbito administrativo ou trabalhista: Comissão de Ética Médica 3. é investigação. aumentou o número de perícias. enxugo. contusão. Âmbito ético Conselho Federal ou Regional de Medicina (Câmara técnica) * 2. esfumaçamento e tatuagem 4. Nem sempre está presente. É fundamental o exame da roupa da vítima.

BAU (boletim de atendimento de urgência). Só é revelado se o paciente autoriza ou em caso de declaração de óbito. Informe: Comunicação de fato que o médico tomou ciência no exercício profissional. 5. Conclusões: deve ter linguagem fácil e acessível para o leigo em medicina 6. Em caso de crime. Ad hoc ou louvado: perito do juiz 3. Âmbito criminal Médico legista + assistente técnico * Processo ético-profissional: Cinco tipos de sanção: admoestação reservada. Auto: Relatório ditado pelo perito ao escrivão ou logo após 2. Respostas aos quesitos: respostas às dúvidas acerca do caso. cassação. Aula 6 (08/04/2011) Relatório: Narração escrita e minuciosa de todas as operações de uma perícia médica. Esse fato nem sempre é de natureza médica. Informes 4. Laudo: Relatório redigido pelo perito após o exame O laudo é constituído por: 1. discute o que pode ter acontecido e fundamenta as conclusões. formulário de prontosocorro Atestado ou declaração: Afirmação simples e por escrito de um fato médico e suas consequências. Descrição: narração escrita e minuciosa visum et repertum 4.4. Preâmbulo/ Introdução/ Apresentação: quem é e o que está fazendo 2. Histórico Direto: O periciando conta o que está sentindo. determinada por autoridade policial ou judiciária a um ou mais profissionais anteriormente nomeados ou compromissados na forma da lei. Pareceres Há também: . Assistente técnico: Qualquer médico de confiança da parte Documentos médico-legais 1. Os quesitos podem ser oficiais.Prontuários médicos . O diagnóstico é segredo médico-paciente. o que aconteceu Indireto: Perícia post mortem ou periciando não pode falar (por estar em coma. censura reservada. vistoria ou avaliação. Ex.docx . Discussão: é a parte em que o perito demonstra conhecimento. suspensão de até 30 dias. Formas: 1. avalia a cena do crime) 2. Tipos de perito: 1. Atestados ou declarações 2.: C:\Documents and Settings\slb\Desktop\Caderno+de+Medicina+Forense. Oficial: legista ou perito criminal (não é necessariamente médico. há quesitos oficiais. Perito: Técnico nomeado e compromissado judicialmente para proceder a um exame. censura pública. por exemplo) 3.BAE (boletim de atendimento de emergência). Relatórios 3. com a finalidade de esclarecer fatos que interessam no processo. das partes ou do Ministério Público.

No entanto. Doenças profissionais. Cessada a circulação. Suturas Cranianas Sutura Coronal: separa o osso frontal dos parietais C:\Documents and Settings\slb\Desktop\Caderno+de+Medicina+Forense. como LER. 15 pontos na escala de coma de Glasgow ( essa escala é um instrumento útil para identificar o nível de consciência de um paciente) . Reflexos fotomores presentes . Isocoria (igualdade de ambas a pupilas) . Crimes de ação penal pública. o sangue. se resultar ação penal contra um paciente seu. comissão de profissionais ou sociedade científica à consulta formulada com o intuito de esclarecer questões de interesse jurídico. O parecer é parecido com o laudo.docx . Doenças de notificação compulsória Doenças como dengue. tende a depositar-se nas partes mais baixas do corpo. porém é mais reduzido. Não havia fratura no crânio Conclusão: hematoma subdural Traumatologia Neurológica Os lobos cerebrais recebem o nome de acordo com a sua localização em relação aos ossos do crânio. em nome do sigilo profissional 2. 4. tuberculose. de acordo com a posição do cadáver. o médico pode não informar. pela ação da gravidade. Parecer: Resposta escrita de autoridade médica. Exemplo: . Toxicofilias o médico comunica o fato para que o indivíduo seja inserido em programas de recuperação. Aula 7 (15/04/2011) Laudo pericial Hipóstases: Manchas de acúmulo de sangue. que podem se tornar epidêmicas 3.1. meningite. As hipóstases têm grande importância na determinação da posição do cadáver no momento do óbito. Sem otorragia .

Sutura Sagital: separa os ossos parietais Sutura Lambdóide: separa o osso occipital dos parietais As suturas cranianas dão informações acerca da idade das pessoas. Memória de fixação: mais recente Memória de evocação: fatos mais antigos que já estavam fixados no cérebro. Fissura silviana: separa o lobo frontal do lobo temporal Lobo temporal: Tem centros importantes de memória e audição. que separa os lobos frontal e parietal. Nos idosos (70-80 anos) pode ocorrer ossificação do tecido interposto. as suturas não são fechadas. Nos adultos. O maior é o forame magno transição crânio-vertebral.hemorrágicas 3.docx . localiza-se o lobo frontal. pouco a pouco. que é muito importante para o Direito por ser o responsável por funções como controle de movimentos e de comportamentos necessários à vida social. Ventrículo lateral: cheio de líquido cefalorraquidiano. Fraturas de crânio 2. há orifícios de passagem (forames). A parte anterior ao sulco central relaciona-se com a motricidade e a parte posterior com a sensibilidade. desapareçam. fossa média e fossa posterior. Traumas do sistema nervoso: 1. Nas crianças. Lobo occipital: É o lobo da visão. Tumores no lobo frontal simulam doenças psiquiátricas. uma região sã pode assumir funções de regiões não sãs. No crânio. O principal sulco é o sulco central. fazendo com que as suturas. Lesões hemorrágicas 4. As pregas ou circunvoluções dos hemisférios cerebrais são denominadas giros e as depressões interpostas são chamadas sulcos. Contusão cerebral C:\Documents and Settings\slb\Desktop\Caderno+de+Medicina+Forense. Ideia da interação de todas as vias cerebrais plasticidade do cérebro. amortece os impactos. Corpo caloso: comunica o hemisfério direito e o esquerdo e tem a principal função de difundir informações entre ambos. Na fossa anterior. Lesões não. elas são totalmente fechadas. Craniotomia: abertura do crânio em uma cirurgia O crânio ainda divide-se em fossa anterior.

Lesões hemorrágicas ou vasculares a) Hematoma extradural b) Hematoma subdural Artérias meníngeas: . Otorréia (saída de líquido pela orelha) e rinorréia (saída de líquido pelo nariz) . sem alteração anatômica. Um trauma mais intenso pode romper artérias superficiais do cérebro. Com isso. Sinal de Battle (fratura da fossa média): Equimose atrás da orelha . c) Inchaço cerebral (brain swelling): Nos traumas de crânio. Sinais que chamam a atenção e apontam a necessidade de cirurgia: C:\Documents and Settings\slb\Desktop\Caderno+de+Medicina+Forense. O intervalo lúcido é de 10 a 12 horas. devido à rotação do encéfalo em seu próprio eixo. mas o intervalo lúcido é maior. Geralmente é mais grave. Ocorre perda transitória de consciência.Fraturas de Crânio a) Fratura com afundamento b) Fratura da base do crânio Sinais: . o que causa lesão permanente ou morte. Costuma-se tratar o inchaço cerebral com mecanismos terapêuticos. O rompimento dos axônios pode ser grave o suficiente para resultar em coma ou demência pós-traumática. as artérias podem ficar dilatadas. Posterior fica abaixo do osso temporal. Além de cisalhamento. Otorragia (saída de sangue pela orelha) Lesões não hemorrágicas a) Concussão cerebral: Lesão funcional. Contusão cerebral Ocorre sangramento. Anterior . O cérebro aumenta de volume e é comprimido contra o crânio.docx . b) Lesão axonal difusa (LAD): Ruptura de axônios. A maior quantidade de sangue no cérebro leva a um aumento da pressão intracraniana. que é muito fino e sensível Quando o osso temporal fratura. Média (maior) . formam-se fragmentos cortantes. Durante esse período. A pessoa morre devido à hipertensão craniana. que podem romper a artéria média. Olho em guaxinim (fratura da fossa anterior do crânio: Equimose em torno dos olhos . há extravasamento de sangue para o espaço extradural. forma-se o hematoma. ocorrem pontos hemorrágicos.

Há um índice de 30% de morte no primeiro sangramento. Herniação cerebral: Movimento do cérebro para regiões próximas pelo efeito de uma massa compressora. Há tempo de o médico fazer o diagnóstico. quase sempre associada a algum tipo de esforço. na maior parte das vezes. Alinhamento vertebral 4. porque o sangue irrita as meninges. Aneurisma Aneurismas são dilatações saculares que se formam geralmente em bifurcações de artérias. Ocorrem fora do parênquima (cérebro). Hemorragias meníngeas As duas principais causas são os aneurismas cerebrais e as malformações arteriovenosas. Emergência: circulação/ respiração/ imobilização 2. Tratamento: microcirurgia ou embolização endovascular C:\Documents and Settings\slb\Desktop\Caderno+de+Medicina+Forense. O quadro é dramático e é difícil manter a vida do paciente. O aneurisma pode romper e sangrar. A tomografia computadorizada pode ser normal até o 3º dia. Acidente vascular cerebral isquêmico (AVCI) Ocorre devido a uma obstrução de uma artéria que irriga o cérebro por placas de arteriosclerose ou êmbolos (fragmentos). Diagnóstico: arteriografia. Pode haver aneurismas múltiplos. mas não substituem a arteriografia. Ocorre rigidez na nuca. pode ocorrer um tipo especial de fratura com afundamento. Membros de um lado ficam mais fracos. são importantes para o Direito. um diagnóstico errado comum é a meningite. Pressão intracraniana normal: 15-20 mmHg.docx . b) Fratura do corpo vertebral Tratamento em cinco fases: 1. Problemas médicos gerais 3. Anisocoria (uma pupila normal e a outra dilatada) Saída de liquor do ouvido e do nariz Em crianças pequenas. Lesões cervicais a) Luxação: movimentação da vértebra em direção ao canal raquiano. Descompressão cirúrgica 5. Reabilitação Aula 8 ( 29/04/11) Doenças encefálicas: podem afetar o comportamento e a personalidade do indivíduo e por isso. a fratura de pingue-pongue. Acidente vascular cerebral hemorrágico (AVCH): É causado. Quadro clínico: Dor de cabeça muito intensa. Por isso. mas a ressonância magnética dá um bom diagnóstico. Cerca de 30% entram em óbito imediatamente. . por ruptura de vasos em decorrência de hipertensão descontrolada.. Tomografia computadorizada e ressonância magnética ajudam no diagnóstico.

Diagnóstico: angiografia. devido ao seu efeito sobre o discernimento/ comportamento da pessoa. O cérebro é uma região alvo preferencial das metástases de tumores em outros lugares. proliferação vascular. contudo existem tumores considerados benignos que são inoperáveis. São considerados tumores benignos histopatologicamente (grau I/IV). geralmente aderidos à dura-máter.maligno): Apresenta necrose em paliçada. de forma arredondada e não tem ramificações. Infarto . Os tumores cerebrais malignos raramente se disseminam e têm metástase. A mais comum é a célula do tecido neuroepitelial. com células grandes. porque matam o paciente antes. Ocorre “síndrome do furto”: a malformação começa a roubar sangue de regiões próximas. Astrocitomas . Tumores metastáticos São malignos e representam de 25% a 30% dos tumores intracranianos. Astrocitoma Anaplásico . Astrocitoma Fibrilar ou Difuso . pele. hemorragia. Os tumores podem ser confundidos com doenças mentais. Efeitos dos tumores . Efeito de massa . é todo crescimento. Edema . formando um novelo. Compressão do parênquima adjacente dor de cabeça.Malformações vasculares Mistura de artérias e veias. Obstrução do sistema ventricular . Há tumores malignos e benignos. Tipos: . de um modo geral.Existem tipos de células diferentes que vão gerar o tumor. Comumente vem de locais como mama. Destruição de estruturas vizinhas . Desvio da linha média . A possibilidade de sangramento é inferior a de um aneurisma. rim. São nodulares e firmes. Glioblastoma Multiforme( tumor de grau IV/IV . O prognóstico é ruim e geralmente os tumores são múltiplos. Meniongiomas São tumores que acometem as meninges.docx . intestino. . porque é uma região terminal de circulação.São os tumores mais comuns entre os tumores cerebrais (80%). Hemorragia as paredes das artérias dos tumores são frágeis porque seu crescimento é rápido . fraqueza nos membros . Tumores ou neoplasias Tumor. Exceção: metástases podem ser arredondadas também. C:\Documents and Settings\slb\Desktop\Caderno+de+Medicina+Forense. mas a cirurgia é mais difícil.Os tumores benignos geralmente são definidos. Daí pode ocorrer déficits de inteligência etc.

Responsabilidade ética Código de Ética Médica 2. Responsabilidade Médica 1. Responsabilidade penal 5. Acima das costelas. (* A melhor prova é o exame pericial) 3. Dano : verificado por meio de exame pericial.docx . hoje. Existem situações em que há dano. pode-se ter resultados diferentes. temos um conjunto de músculos compactos.O médico deve conduzir o caso como se fosse o mais grave. Responsabilidade administrativa ou trabalhista 3. Responsabilidade social boa conduta na sociedade Aula 10 (13/05/11) Tórax/traumatismo Todo o tórax é delimitado pelas costelas (12 pares). imprudência ou imperícia). 4. São os acidentes (imprevisíveis) ou os maus resultados. Responsabilidade civil Há. Com a mesma técnica. Aula 9 (06/05/11) Erro Médico/ Responsabilidade Profissional Elementos da responsabilidade civil 1. porque não é possível imobilizar o tórax. neuronavegação. Presença de culpa (negligência. Com o CDC – que trouxe a inversão do ônus da prova – as ações contra médicos aumentaram muito. radioterapia cirúrgica. deve adotar a conduta mais cautelosa. Exame do tórax: C:\Documents and Settings\slb\Desktop\Caderno+de+Medicina+Forense. que protegem o tórax. . Exemplo de acidente: falta de luz Exemplo de mau resultado: mortalidade de 10% nas cirurgias cardíacas (índice aceitável pela sociedade). Uma característica do trauma torácico é uma dor muito tensa. prova documental . Imperícia: inobservância de regras técnicas. Ato médico lícito: aquele praticado dentro da lei a) Habilitação profissional (diploma) b) Habilitação legal (inscrição no CRM – ainda é automático. seguros de responsabilidade civil na área médica. Nexo causal: (ligar ação/omissão ao dano) 4. o exame é facultativo) O ato médico pode ser comissivo ou omissivo. ressonância magnética intraoperatória. Posteriormente está a coluna vertebral torácica – região de onde emergem as costelas.Técnicas de cirurgias de tumores: aspiradores ultrassônicos. testemunha. 2. mas não há erro médico. ultrassom transcraniano.

a fratura se afasta . Percussão: o médico golpeia a superfície do corpo com os dedos ou com instrumentos. se há pneumonia. Decorre de fraturas múltiplas em costelas adjacentes. Afeta a estabilidade da parede torácica e pode causar hipoventilação pulmonar. é possível saber. 3. Tórax flutuante O tórax flutuante é diagnosticado pela presença de movimento paradoxal em alguma porção da parede torácica. porque há veias e artérias de grande calibre na região 3.Tomografia -Ressonância Problemas da fratura de costela .Por causa da dor. por exemplo. o paciente diminui a amplitude de respiração.1. Diagnóstico . . Auscultação de pulmão e coração 2.Crianças agredidas costumam ter fraturas múltiplas de costela Tratamento . Palpação análise da amplitude da movimentação torácica.docx . Mortalidade de trauma do tórax 1.Uso de antiinflamatório . Hemotórax 4. Fratura de clavícula C:\Documents and Settings\slb\Desktop\Caderno+de+Medicina+Forense. Hipóxia: Diminuição da oxigenação dos órgãos 2. Laceração e contusão pulmonar Fratura de costela a) Trauma direto: a caixa torácica é golpeada por um objeto em movimento ou ela vai de encontro a uma estrutura fixa. Fratura de costela 2. c) Tosse patológica problemas respiratórios podem causar fratura de costela . Lesão cardíaca Pode levar a uma parada cardíaca Tipos de lesões traumáticas 1. para verificar se existe simetria entre os dois lados. é possível identificar se a fratura foi aguda ou não. Pneumotórax 3. b) Trauma de tórax: é um trauma mais extenso. Sangramento é um grande risco. Há lesões musculares e várias costelas lesionadas.Se houver a radiografia da lesão. produzindo uma vibração e um som. o que favorece o acúmulo de secreções. De acordo com o som.Raio-X simples .Repouso . as fraturas de costela ajudam a identificar o cadáver. Rotura e tamponamento cardíaco 5.A partir da análise do calo ósseo (consolidação da fratura).Quando respiramos.

Costuma-se imobilizar o braço com uma tipóia. Radiografia mostra alargamento do mediastino.Veias do pescoço distendidas .O tratamento é conservador. No hemotórax. o ar na cavidade pleural aparece como área escura.docx . já que a fratura se consolida sozinha. comprimindo as câmaras cardíacas. Tratamento: Drenagem do tórax Contusões Pulmonares O pulmão que sofre contusão não está colapsado (tem tamanho normal). mas não funciona bem. Ocorre quando um grupo de alvéolos estoura ou em decorrência de uma tuberculose. o que não significa erro médico. Fraturas de clavícula podem resultar em calo ósseo aparente. OBS.Hipotensão . quando a fratura não se consolida de maneira correta. Tríade de Beck: . Aula 11 ( 20/05/11) Traumatismo abdominal C:\Documents and Settings\slb\Desktop\Caderno+de+Medicina+Forense.Bulhas abafadas (batimento cardíaco abafado) . o que leva à compressão do parênquima pulmonar Diagnóstico: Ausência ou diminuição do murmúrio vesicular Na radiografia do tórax.Pode ocorrer enfisema subcutâneo Tratamento: Drenagem do tórax Hemotórax É a presença de sangue na cavidade pleural. Sintoma: falta de ar o ar preenche a cavidade pleural. Eletrocardiograma com complexos de baixa voltagem . Diagnóstico: Tomografia computadorizada Radiografia de tórax: o sangue é radiopaco. Tamponamento cardíaco Presença de líquido na cavidade pericárdica. isto é. Tratamento: Drenagem ou cirurgia. Diagnóstico: . o pulmão também é colapsado. devido ao aumento da área cardíaca.: Existe pneumotórax espontâneo também. Utiliza-se cirurgia apenas quando se forma a pseudoartrose. . dependendo da gravidade e das especificidades do caso. Pneumotórax É a presença de ar no espaço pleural. É comum em aviões.

Lesão do ureter C:\Documents and Settings\slb\Desktop\Caderno+de+Medicina+Forense. Ocorre principalmente no rim.Lesão que atinge as vias urinárias .Trauma global: atinge todo o rim. Tem o formato de feijão. 4. O sangue se acumula na cápsula. Quando há ferimento nesses órgãos. rim e baço. B) Fígado: É o grande órgão do metabolismo.Lesão que não atinge as vias urinárias . No trauma: É necessário averiguar se houve lesão de região com artérias e veias ou de vias urinárias. É comum haver laceração do fígado. porque suas funções de imunidade podem ser assumidas por outros órgãos.1.Quadrante superior direito. G) Desvascularização: Destruição ou interrupção de vasos sangüíneos. 3. Com isso. há Intestino.) Tipos de lesão A) Laceração: Lesão que leva à secção do órgão.docx . A esplenectomia – remoção cirúrgica do baço – normalmente é bem tolerada. sem laceração C) Hemorragia: Órgão atingido tem artérias lesadas D) Pneumoperitônio: Pode ser causado por lesão no estômago. É mais fácil retirar um lobo (lobectomia). etc. é preciso retirar o órgão. O baço produz hemácias antes do nascimento e é um órgão de imunidade muito importante no início da vida. Todo ferimento penetrante no abdômen é cirúrgico. E) Hemoperitônio: Presença de sangue no peritônio. Há grande risco de infecção. tiro. que são órgãos maciços. O trauma de abdômen é o terceiro que mais mata. A maior parte das mortes é por trauma fechado (contusões) e não por traumas penetrantes (faca. É possível o transplante de fígado intervivos. dada a capacidade de regeneração do órgão e a sua divisão em lobos. .Quadrante inferior direito. difícil de operar. 2. considerado o seu tamanho. Possui um suprimento sanguíneo grande. Quatro tipos de lesões de rim: . É um órgão friável. C) Rim: Também faz metabolismo de drogas. F) Hematoma subcapsular: Geralmente ocorre no baço. Quadrante inferior fígado. B) Contusão: Lesão em que só existe o trauma. O ar que está no estômago vai para a cavidade peritoneal. Órgãos A) Baço: Apresenta uma cápsula.Quadrante superior esquerdo. O rim também apresenta cápsula e pode haver hematoma subcapsular. poroso. que é revestido por uma cápsula.Quadrante inferior esquerdo Quadrante superior hemorragia. Também é um órgão difícil de operar.

ausculta O aumento dos ruídos hidroaéreos pode indicar má digestão.Aneurisma de aorta: Dilatação da aorta. imunidepressão e intoxicação.Diverticulite Abdômen agudo hemorrágico Algumas causas . Vascular: Pode ocorrer infarto mesentérico. o que pode causar abdômen agudo. comum em hipertensos e pessoas acima de 60 anos. o paciente sente muita dor) . abdômen rígido.Algumas pessoas possuem “rim em ferradura”. 3. Hemorrágico: Trauma ou úlcera gástrica 2.Gravidez ectópica: Fertilização do óvulo fora do útero. Diverculite. Essas pessoas são mais suscetíveis a traumas. A pedra pode “caminhar” e entrar no pâncreas.Apendicite: É necessário retirar o apêndice.Endometriose: Sangue extravasa pro abdômen. isto é. Inflamatório: Infecções que atingem um órgão abdominal. A aorta pode se romper e sangrar. .palpação ( dimensionamento da dor abdômen e solta de uma vez só: se é abdômen agudo. porque os sintomas podem ser mascarados nesses casos. . os dois rins se comunicam. A diminuição ou ausência dos ruídos hidroaéreos é sinal de abdômen agudo. O trauma de rim pode ser associado a trauma de bexiga. Sinais e sintomas: dor súbita e intensa. 5. 4. Abdômen agudo inflamatório Três grandes causas: .docx . apendicite e colecistite aguda podem levar a esse quadro. o que é causa de hemorragia . C:\Documents and Settings\slb\Desktop\Caderno+de+Medicina+Forense.Colecistite aguda: pedra na vesícula. vermes causam obstrução em algum órgão abdominal. Perfurativo: Decorre de trauma ou lesão por úlcera. Tipos: 1. . D) Pâncreas: A laceração do pâncreas é muito rara. O diagnóstico físico é muito difícil nos casos de trauma de crânio. Obstrutivo: Tumores.percussão verifica-se se o órgão está maciço . Abdômen agudo: dor intensa no abdômen sinal da descompressão brusca : o médico aperta o Exame físico: . porém muito perigosa.