Você está na página 1de 32

Módulo VII

Plataformas Colaborativas e de
Aprendizagem

MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM

F ICHA T ÉCNICA

Título:
Autoria:
Coordenação:
Edição:
Composição Gráfica:
Direitos de Autor: este artigo não pode ser reproduzido, no todo ou em parte,
qualquer que seja o modo utilizado, sem prévia autorização dos autores.

CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING

2 de 32 | P á g i n a
Mod.DFRH.111/00

MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM

ÍNDICE:

1

PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM .................................................. 4
1.1 PLATAFORMAS: FINALIDADES E FUNCIONALIDADES ........................................................................................4
1.1.1 Internet e sua evolução ........................................................................................................... 4
1.1.2 Pesquisa e navegação na Internet ....................................................................................... 5
1.1.3 Aprendizagem cooperativa e colaborativa ........................................................................ 7
1.1.4 e-Learning ..................................................................................................................................... 8
1.1.5 Plataforma de gestão de aprendizagem Moodle ........................................................... 10
1.1.6 Criação de conteúdos .............................................................................................................. 13
1.1.7 Regras Net-etiqueta ................................................................................................................ 15
1.2 COMUNIDADES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM ................................................................................................. 17
1.2.1
1.2.2
1.2.3
1.2.4
1.2.5

Ferramentas virtuais utilizadas na aprendizagem ....................................................... 17
Redes Sociais e a Web 2.0 .................................................................................................... 22
Normas SCORM ......................................................................................................................... 24
Ferramentas de comunicação síncrona e assíncrona .................................................. 29
O papel do e-formador e e-moderador ............................................................................ 31

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .............................................................................................. 32

CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING

3 de 32 | P á g i n a
Mod.DFRH.111/00

entre outros. Nos dias de hoje a informação é disponibilizada de uma forma muito mais rápida.1 Internet e sua evolução No final dos anos 60 começou a ser desenvolvida a Internet. A Internet tem várias funções. para transmitir documentos formatados através da rede Acesso remoto A Internet permite que computadores se liguem a outros computadores. CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 4 de 32 | P á g i n a Mod. Neste contexto surgem os LMS – Learning Management System. transmissão de mensagens. Esse acesso remoto pode ser feito de forma segura. A ideia é criar um mundo de informações sem fronteiras. A World Wide Web.111/00 . permitindo novas formas de trabalho fora do ambiente comum de escritório. mesmo estando distantes geograficamente. que também pode ser chamada Web ou WWW é em termos gerais. presumindo as seguintes características seguindo de seus importantes complementos:  interface consistente  incorporação de um vasto conjunto de tecnologias e tipos de documentos  “leitura universal”  um protocolo de transmissão de dados – http  um sistema de endereçamento próprio – URL  uma linguagem de marcação. atrativa e interativa. o meio de comunicação mais utilizado atualmente que é adjetivada como a amplificadora da globalização.DFRH. a interface gráfica da Internet. desde a consulta de páginas.1. com autenticação e criptografia de dados. 1.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM 1 Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem 1. partilha de informação. ou sistemas de gestão da aprendizagem. Ela é um sistema de informações organizado com o intuito de englobar todos os outros sistemas de informação disponíveis na Internet. Com estas ferramentas ou plataformas é possível dotar os futuros formadores com competências que lhes permitam desenvolver as suas formações tanto em regime presencial como a distância.1 Plataformas: Finalidades e Funcionalidades Com a massificação da Internet foi possível alargar a forma de ensinar e aprender em termos educativos e formativos.

as wikis e as mensagens instantâneos (MSN. o arquivo pode ser transmitido através de um servidor Web porém o mais utilizado hoje em dia é o servidor FTP (Protocolo de Transferência de Arquivos) (FTP é mais conhecido como ficheiros) a forma mais usada. as redes socias. é necessário um navegador.111/00 . uma pessoa pode ligar à sua rede empresarial. qualquer um que tenha uma webcam pode oferecer esse conteúdo pela internet e em tempo real. Partilha de ficheiros A partilha de ficheiros pode ser feita por qualquer pessoas que tenha o acesso à internet. ou browser. Não são só os canais que podem oferecer transmissão de imagens em tempo real. Existem também mecanismos que permitem a comunicação via áudio. Além de ser fácil e bastante conveniente de ser usado. pois vários canais de televisão estão na internet oferecendo a transmissão de programas em tempo real. Skype) também facilitaram de forma inimaginável a colaboração em rede. esta nova tecnologia está rapidamente a substituir os telefones convencionais. Yahoo!Messenger. Quão vasta é? Ninguém sabe ao certo. Os principais são os seguintes:  Internet Explorer CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 5 de 32 | P á g i n a Mod.1.DFRH. não diferem uns dos outros. Como navegar em volumes tão desconcertantes de conteúdos fantásticos? Primeiro. vêm perdendo expressão para estas novas formas de comunicação via internet. consultando e-mails e outros dados. O e-mail também tornou-se uma ferramenta colaborativa mas. O chat.2 Pesquisa e navegação na Internet A Internet tem uma dimensão difícil de determinar.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM Seja em casa ou em uma viagem de negócios. As Transmissões multimédia A multimédia e a sua distribuição são cada vez mais importantes. 1. Existem vários browsers importantes mas que em termos de funcionalidades. A Colaboração A colaboração ou trabalho colaborativo tornou-se possível e mais fácil. Estimativas recentes colocam o número de páginas Web acima de um bilião e o crescimento é constante e quase exponencial.

111/00 . Motor de busca Um motor de busca também designado de motor de pesquisa é um sistema implementado por software projetado para encontrar informações armazenadas na Internet. Desde que a Internet começou a ganhar dimensão. Junto aos mesmos. foi o primeiro diretório. oferecendo respostas aos utilizadores muito mais precisas.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM  Safari  Mozilla Firefox  Google Chrome O segundo elemento essencial é um motor de busca com o principal objetivo de ajudar a encontrar informação. existem muitos elementos em comum. rapidamente os motores de busca se tornaram numa ferramenta essencial. A pesquisa é efetuada a partir de palavras-chave indicadas pelo utilizador. uma "caixa de endereço" na qual pode introduzir localizações de Web sites (URLs). bem como uma "caixa de pesquisa" para localizar rapidamente algo através de um motor de busca. Na parte superior. uma empresa – Yahoo – começou a catalogar manualmente os sítios na Web. Em 1998 surge o Google. Há motores de busca que têm como objetivo criar um índice de toda a Web ou apenas áreas especializadas da mesma. uma linha principal com um conjunto de botões para que possa retroceder ou avançar ao longo de páginas que já visitou. Dentro da frame que o browser forma em torno de uma página Web. O browser O esquema da maioria dos browsers varia pouco.DFRH. continuando posteriormente com muitas inovações CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 6 de 32 | P á g i n a Mod. reduzindo o tempo necessário para encontrar informações. Em 1994.

A parte de resposta às questões é um programa que procura nos milhões de páginas indexadas para encontrar parecenças com a procura executada pelo utilizador e ordena-as da forma mais relevante.111/00 .DFRH. Time Warner. 1.3 Aprendizagem cooperativa e colaborativa CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 7 de 32 | P á g i n a Mod. MSN. Esta informação é recolhida e transmitida ao indexador. Ask Jeeves Figura 1Quota de mercado em Portugal (Dez 2011) Constituição de um motor de busca Um motor de busca como o Google é constituído por 3 componentes: Crawler ou spider.1. Um crawler ou spider é um software que percorre a Web e identifica sítios novos ou sítios com informação nova.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM Hoje verificam-se cinco grandes grupos de motores de busca: Google. Esses índices são gerados seguindo por um algoritmo de indexação que divide e cataloga as páginas. Indexador e a Resposta às consultas. Yahoo.

como modalidade de formação que assenta no recurso ao e-learning e à formação presencial com papéis complementares. insights e soluções dos outros.  Faz desaparecer custos e inconvenientes associados à deslocação ao centro de formação. Para facilitar. CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 8 de 32 | P á g i n a Mod. Aprendizagem cooperativa é um processo onde os membros do grupo ajudam e confiam uns nos outros para atingir um objetivo acordado.  Simplifica o acesso à formação para os cidadãos com necessidades especiais.  Viabiliza a formação a quem não tem possibilidade de se ausentar do local de trabalho. ou b-learning. No entanto a extensão dos termos é diferente: o termo colaborar tem maior amplitude do que o termo cooperar.4 e-Learning A aplicação das tecnologias da informação e da comunicação à área da formação levou à criação duma nova modalidade de aprendizagem à distância: o e-learning. Outra modalidade designada de blended-learning. o formando passa a ter tempo para aprender ao seu ritmo. colaborar e cooperar são considerados sinónimos.  cada membro permite ao outro falar e contribuir e considera outras contribuições  são responsáveis pelos outros  são dependentes dos outros 1. alguns autores assumem que se trata do mesmo termo. associar a teoria a múltiplas atividades práticas. O e-learning apresenta diversas vantagens:  Permite aprender a um ritmo próprio. Ao frequentar uma ação e-learning. e trabalha para compreender os questionamentos. A sala de aula é um excelente lugar para desenvolver as habilidades de criação de um grupo do qual se terá necessidade no futuro. mas dependendo das situações. o que faz da aprendizagem cooperativa um subtipo da aprendizagem colaborativa. esta pode ser uma abordagem errada. A aprendizagem cooperativa é interativa e um formando enquanto membro do grupo:  desenvolve e compartilha um objetivo comum  compartilha a sua compreensão do problema: questões. insights e soluções  responde aos. aprofundar os conteúdos.1.111/00 .MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM Podemos pensar que.DFRH. tem vindo a crescer em popularidade.

podemos abordar várias questões:  Tutoria ativa.  Favorece novos modelos de gestão da formação e dos recursos humanos. promovendo a participação de todos e motivando-os para o percurso formativo.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM  Desenvolve novas competências e formas de trabalhar fundamentais para o e-Government. Infelizmente este tipo de ensino não se adapta a todos os perfis de destinatários.  pretende desenvolver as suas capacidades de trabalho na internet.  Conteúdos. com a avaliação das necessidades de formação.  acredita que aprender é um processo que se desenvolve ao longo da vida.constitui um fator de motivação adicional.  Interação. com a avaliação de desempenho dos funcionários e das organizações e. do fórum e de audioconferência.  Duração das ações de formação-as ações de formação a distância têm uma duração variada que. do email. cada vez mais.disponíveis em vários formatos e disponibilizados. oscila entre uma e seis semanas no caso dos cursos de curta duração ou vários meses no caso de cursos aproximados do modelo de uma pós-graduação.  alguma experiência de uso de computadores e de utilização da internet.entre tutor e formando e entre os próprios formandos: ocorre através do chat.  se encontra longe dos centros de formação.  Contribui para articular a formação. por um lado. ao criar balizas para o processo de aprendizagem. O formando não está sozinho num espaço virtual: aprende em colaboração com os restantes colegas do grupo e com o tutor.111/00 .  Percurso de aprendizagem individual ou em grupo. pois requer:  maior nível de motivação e maior autonomia de aprendizagem que a formação presencial. através da Internet. com tempo e ao seu ritmo. por outro. Se pretendermos caracterizar um curso e-learning.  gosta de aprofundar os assuntos.DFRH.o formando trabalha autonomamente ou realiza tarefas com os outros colegas. CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 9 de 32 | P á g i n a Mod. geralmente.  alguma apetência pelo uso de tecnologias. apesar do e-learning permitir uma gestão do tempo mais flexível.  Calendarização das tarefas e atividades.dinamiza a aprendizagem de cada formando e do grupo. propondo várias situações de interação. Esta forma de aprender é especialmente adequada para quem:  tem pouca disponibilidade para horários fixos e/ou intensivos.

que permite aos formadores disponibilizarem conteúdos e aos alunos acederem a esses conteúdos. Em inglês a palavra Moodle é também um verbo que descreve a ação que com frequência conduz a resultados criativos. Cada utilizador terá de ter um acesso à plataforma composto por um "nome de utilizador" e uma "palavra-chave". Partilha de conteúdos entre instituições.permitem ao formando verificar se está a cumprir os objetivos fixados e fornecem "feedback" ao tutor sobre a progressão de cada participante e a adequação da orientação pedagógica adotada. abertas a toda a comunidade ou protegidas por palavra-chave.DFRH. entregas de trabalhos. wikis. como à forma como um aluno ou docente se envolve numa disciplina on-line. o nome Moodle aplica-se tanto à forma como foi feito. Assim. CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 10 de 32 | P á g i n a Mod. etc. O Moodle funciona recorrendo a disciplinas (cursos) on-line. A plataforma Moodle apresenta como pontos fortes. Controlo de acessos. Gestão total do ambiente virtual de aprendizagem. ficheiros de apoio. nas quais podem estar inscritos alunos. quando utilizado para o ensino:         Aumento da motivação dos alunos. fóruns de discussão. de deambular com preguiça. professores. Atribuição de notas.5 Momentos de avaliação diversos . funcionários e encarregados de educação.111/00 . Em cada disciplina o professor pode adicionar recursos/atividades que os alunos terão de analisar/realizar.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM  1. Plataforma de gestão de aprendizagem Moodle O Moodle é uma plataforma de suporte à aprendizagem via web. Maior facilidade na produção e distribuição de conteúdos. enquanto se faz com gosto o que for aparecendo para fazer. Realização de avaliações de alunos. Os conteúdos podem ser sumários das aulas. Suporte tecnológico para a disponibilização de conteúdos de acordo com um modelo pedagógico e design institucional.1. que é especialmente significativo para programadores e investigadores da área da educação. A palavra Moodle significa "Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment".

111/00 . com dezenas de milhar de alunos/utilizadores.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM Figura 2 Plataforma Moodle da Comunilog Esta plataforma é disponibilizada livremente na forma de software livre. Os principais tipos de perfil de utilizador são: Administrador  gerir utilizadores  definir modelos de autenticação  programar cópias de segurança automáticas  gerir disciplinas e as suas categorias  gerir idiomas  gerir módulos (atividades e blocos) CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 11 de 32 | P á g i n a Mod. que tanto pode dar origem a uma página de um único professor/formador.DFRH. como à página de uma Universidade. que reúne programadores de software livre. Constitui-se num software intuitivo e fácil de utilizar. Uma grande vantagem desta ferramenta é o facto de ser desenvolvida colaborativamente por uma comunidade virtual. administradores de sistemas. designers e pela comunidade de utilizadores distribuídos por todo o mundo. professores.

111/00 .MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM  gerir página inicial  gerir aparência do site  aceder a relatórios  instalar novos blocos de atividades  editar aparência dos temas  atualizar a versão do Moodle Professor  configuração da disciplina  gestão de alunos  gestão de grupos  gestão de cópias de segurança  análise de relatórios  gestão de escala de notas  análise de notas dos alunos  gestão de sistema de arquivos/ficheiros  acesso a fórum de professores  acesso a tarefas efetuadas pelos alunos Aluno  recursos  atividades  bloco administração Os cursos ou disciplinas no Moodle podem ser configurados em três formatos. CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 12 de 32 | P á g i n a Mod. de acordo com a atividade a ser desenvolvida:  Formato Social– em que o tema é articulado em torno de um fórum publicado na página principal.  Formato em Tópicos. sem limite de tempo pré-definido.  Formato Semanal.no qual o curso é organizado em semanas.DFRH.onde cada assunto a ser discutido representa um tópico. Este é o formato mais utilizado. com datas de início e fim.

dispostos em dois níveis diferentes. pelo facto de ser uma ferramenta que permite produzir cursos e páginas da Web. existem várias ferramentas que podemos utilizar.  SCORM  Tarefa .6 Criação de conteúdos Para a elaboração de conteúdos multimédia. ligados à disciplina. permitindo-lhes ver qual a sua classificação.permite disponibilizar um livro eletrônico criado pelo professor. CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 13 de 32 | P á g i n a Mod. páginas de texto Web.: páginas de texto.o professor/formador tem acesso a trabalhos enviados pelos alunos. e que pode ser constituído por vários capítulos. verdadeiro ou falso.  Lição  Pesquisa de Opinião (referendo)  Questionário .com questões de diversos tipos (escolha múltipla. facilita a comunicação (síncrona ou assíncrona).utilizado para descrever termos e respetivas definições. Este tipo de conteúdos favorecem a interação entre aluno e formador e devem ser utilizados sempre que se justificar. possibilitando contribuir para um padrão superior quer no ensino presencial.DFRH. comparação) pode ser respondido on-line pelos alunos.atividade proposta pelo professor/formador aos alunos  Trabalho com Revisão . pode avaliá-los e comentá-los. 1. resposta curta. quer no ensino a distância Os recursos disponíveis para o desenvolvimento das atividades são: a) Materiais estáticos (ex.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM Esta importante ferramenta de ensino/aprendizagem permite a transmissão e organização dos conteúdos de materiais de apoio às aulas. tornando-os mais atrativos e melhorando o processo de ensino.111/00 . conteúdos de pastas) b) Materiais dinâmicos (atividades):  Avaliação do Curso  Chat  Diálogo  Diário  Fórum  Glossário .1.  Wiki  Livro . apontadores para ficheiros ou páginas Web.

Regras para a criação e apresentação de diapositivos Um dos recursos mais utilizados nas ações de formação são a apresentação de diapositivos recorrendo a ferramentas como o Microsoft Powerpoint. Como na grande maioria das sessões é ministrada recorrendo a recursos elaborados em Powerpoint. e não ler o que está escrito no computador ou equipamento de projecção. é importante destacar algumas dicas essenciais.DFRH. CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 14 de 32 | P á g i n a Mod. torna-se ainda mais importante a utilização de diferentes recursos. Este formato já é universalmente aceite e apresenta a vantagem dos ficheiros não estarem num formato editável.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM Com o surgimento do ensino à distância. mas não um texto completo que precise ser lido.111/00 . de permitir ou não a impressão. Este ficheiros permitem ainda a introdução de mecanismos de segurança que possibilitam a proibição de copiar os conteúdos.  Manter o texto curto em cada slide: colocar alguns tópicos sobre o assunto. entre outros. O importante da apresentação é falar. Tipo de conteúdo Ferramenta gratuita Ferramenta comercial Criação de documentos OpenOffice Writer Microsoft Word Criação de PDF's PrimoPDF Adobe Acrobat Professional Criação de apresentações OpenOffice Impress Microsoft Powerpoint Edição de imagens Gimp Adobe Photoshop Folha de cálculo e gráficos OpenOffice Calc Microsoft Excel Equações matemáticas OpenOffice Math Microsoft Equation Para a disponibilização de conteúdos aos formandos. Na tabela seguinte é apresentada um resumo das principais ferramentas utilizadas para a criação e elaboração de alguns conteúdos. o formato de eleição é o pdf.

7 Regras Net-etiqueta Na utilização dos diversos serviços da Internet. Perante questões ou dúvidas para as quais tem conhecimento suficiente. de fácil leitura e compreensão.      CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 15 de 32 | P á g i n a Mod. tal como no mundo real existem regras de "Etiqueta" e "Boas Maneiras". Evite mensagens longas. no Slide-mestre. Cite todas as referências e fontes e respeite os direitos de autor (copyright). Para que as comunidades funcionem torna-se necessário estabelecer e respeitar um código de conduta. Se por acaso discorda de alguma coisa.1. . discorde educadamente. Uma dica é. dentro de uma rede social ou dentro de ferramentas de trabalho colaborativo. na aula. valores éticos e bom senso que são utilizados na vida real. colocar um “/xx” neste campo.  De preferência devem ser usadas as Fontes Helvetica ou Arial (Times New Roman pode ser interessante no monitor. nomeadamente na comunicação virtual. não um direito. 1. faça com que o seu autor saiba disso. Certifique-se de que o conteúdo da sua mensagem é correto. No caso das comunicações virtuais é fácil esquecer que se interage com pessoas reais e não apenas caracteres que aparecem no monitor do computador. Não abuse dele. devendo optar por cores para o texto e para o fundo com muito contraste. sempre superiores a 18. também.  Optar por tamanhos de letra grandes.  O Powerpoint pode apresentar a numeração do slide no canto inferior direito. Desse modo. devem ser usadas muito pouco e apenas se for estritamente necessário para entendimento do contexto!  Máximo de 6 palavras por linha.  Não usar somente maiúsculas. Se gostou de algo. onde “xx” é o número final de slides que compõem sua apresentação. o aluno verá no canto da tela “1/76” e em seguida “2/76” e sucessivamente. Em seguida são apresentados algumas orientações:  Nos meios virtuais devem ser utilizados os mesmos padrões de comportamento.111/00 . É um instrumento fundamental para o formador. mas numa projeção o efeito não é o mesmo. Estabeleça uma interação positiva. a comunidade responde e o conhecimento geral aumenta. O número de página serve essencialmente para visualização da progressão da apresentação.   O uso da rede é um privilégio.Evitar o uso de animações! Se muito. e por conseguinte.DFRH. Na Internet as pessoas são por natureza participativas. A escolha das cores deve ser muito cuidada.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM  O Powerpoint é um apoio da aula. A Net-etiqueta define todo o tipo de comportamento de um utilizador dentro da Internet. máximo de 6 linhas por slide  Fundo escuro com letras claras.

apague o texto original para manter as mensagens curtas e simples de ler. pode ainda incluir nas suas mensagens o seu e-mail e/ou outros endereços. ESCREVER SOMENTE LETRAS MAIÚSCULAS FAZ SUPOR QUE O AUTOR ESTÁ A FALAR EM VOZ ALTA OU A GRITAR.DFRH.111/00 . cabelo. Deixe bem claro a origem da sua informação. Contudo. breve e objetivo nas suas mensagens. gestos e tom de voz para dar mais sentido a uma mensagem. alguns programas reproduzem a mensagem original. Subscreva sempre as suas mensagens. peça permissão primeiro. mensagens com muitos acrónimos podem ser confusas e aborrecidas para os leitores. peso ou pela roupa. Para além do nome. Seja claro. somos julgados pelo que escrevemos. No entanto. Ao responder a um e-mail. Caso contrário. Concentre-se num assunto por mensagem e inclua sempre um título/assunto pertinente. Se vai passar informações que não são suas. Respeite a privacidade dos outros. perdemos a oportunidade de utilizar expressões faciais. olhos. Os acrónimos podem ser utilizados para abreviar as mensagens. Para compensar esta falta de visualização.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM          Na Internet ninguém é julgado pela cor da pele. CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 16 de 32 | P á g i n a Mod. denominados smileys. o que nos obriga a dar mais atenção à escrita. Pode ser útil se quiser responder a um ponto específico. Nas comunicações virtuais. que podem ajudar a exprimir emoções e a reforçar o tom das mensagens. Use-os com moderação. a rede desenvolveu sinais.

que pela facilidade de acesso e gratuitidade. amplamente disseminadas na nova era da Web 2. estão neste momento na ponta dos dedos de cada indivíduo. gerir conflitos e aceitar que os projetos assumam vida própria. Wiki O termo wiki refere-se a um software colaborativo. Significa aprender novos conjuntos de aptidões que assentam sobretudo na criação de confiança. Se as empresas se tornam globais. adotar a transparência.2. O wiki cresce através dos links que vão sendo estabelecidos com outras páginas. o trabalho com os pares. no respeito pelos compromissos. mais do que a utilização de software aberto. as ferramentas necessárias para colaborar. os indivíduos também podem e devem fazê-lo! As ferramentas estão disponíveis. Mas estes princípios competitivos aplicam-se também aos indivíduos.2 Comunidades Virtuais de Aprendizagem 1. Estas práticas são apoiadas nas denominadas ferramentas de trabalho colaborativo. Os indivíduos ligados em rede podem participar ativamente na criação de riqueza e no desenvolvimento social de uma forma que antes nem sequer se imaginou possível. que permite a edição coletiva dos documentos usando um sistema que não necessita que o conteúdo tenha que ser revisto antes da sua publicação. criar valor e competir.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM 1. CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 17 de 32 | P á g i n a Mod. a partilha e a ação global. associadas à ideia de comunidades. De facto. partilhar responsabilidades. Apresentam-se seguidamente algumas. Esta nova “ciência da colaboração”. baseado na Web. podem ser mobilizadas por qualquer um de nós. novas ou já existentes.0. representa uma mudança profunda na estrutura e no modo de funcionamento das empresas e da economia.1 Ferramentas virtuais utilizadas na aprendizagem Os novos conceitos impulsionados pela internet apelam essencialmente a uma cultura e a práticas de colaboração e de participação. Envolver-se em comunidades de colaboração significa abdicar de algum controlo.DFRH. na mudança dinâmica e na partilha da tomada de decisão.111/00 . baseados em novos princípios competitivos como sejam a abertura. Mas significa acima de tudo a capacidade de criar valor em conjunto.

Verifica-se que os wikis estão a ser utilizados para tudo: trabalho.geralmente não existe qualquer revisão antes de as modificações serem aceitas. Cada membro pode produzir para a comunidade sem ter de esperar por outros. atividades como voluntariado e até contactos coma família. Pode usar-se para partilhar conhecimento.111/00 . para o trabalho de uma equipa no desenho de um projeto.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM Os principais benefícios dos wikis estão ligados à facilidade e eficiência com que a colaboração acontece. O que faz o wiki tão diferente das outras páginas da internet é certamente o facto de poder ser editado pelos utilizadores que por ele navegam. para discutir ideias. que não precisa de um “gestor”. vida social.DFRH. para criar guias de instruções. Estes permitem distribuir a responsabilidade da organização de um espaço on-line por uma rede de colaboração. para criar um repositório de documentos ou apenas para registar diariamente informação num formato simples e modificável. e a maioria dos wikis são abertos a todo o público ou pelo menos a todas as pessoas que têm acesso ao servidor wiki. A estrutura de armazenamento da informação é completamente definida pelo utilizador. CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 18 de 32 | P á g i n a Mod. o conteúdo de um artigo atualiza-se graças à colaboração coletiva. Nem o registo de utilizadores é obrigatório em todos os wikis. Uma das características definitivas da tecnologia wiki é a facilidade com que as páginas são criadas e alteradas . Um wiki é uma excelente ferramenta global de registo e partilha de conhecimentos. Assim.

conferência (chat e voz). permite combinar um conjunto de funcionalidades como: conversa (chat).http://www. chamada telefónica. CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 19 de 32 | P á g i n a Mod.111/00 .DFRH. como espaço colaborativo.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM Figura 3 WikiSpaces .wikispaces. envio de ficheiros e visualização do histórico das conversas e chamadas. assente em ligações de VoIP – Voz sobre Internet.com Skype O Skype é um software que permite a comunicação através da internet. Este software é gratuito e pode ser usado com outros utilizadores que o possuam instalado no seu computador. O Skype.

na Web.http://www.com/intl/pt/home/ Google Groups Um grupo é um espaço de trabalho colaborativo.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM Figura 4 Skype . que permite na generalidade as seguintes funcionalidades:  Disponibilizar ficheiros  Editar páginas de informação  Gerir calendários  Comunicar por email do grupo  Manter os membros informados automaticamente das atualizações ocorridas no espaço de trabalho CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 20 de 32 | P á g i n a Mod.DFRH.111/00 .skype.

construir blogs. portfólio.DFRH. jornais. temas e programação PHP.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM Figura 5 Google Groups .111/00 . revistas. seu tipo de licença (de código aberto). pode auxiliar o processo de ensino/aprendizagem e enriquecer a qualidade de um curso ou disciplina. A correta exploração desta plataforma. CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 21 de 32 | P á g i n a Mod.google.http://groups. Esta ferramenta é utilizada também como plataforma de desenvolvimento de sites de comércio eletrônico.com Wordpress O WordPress é uma ferramenta de gestão de conteúdos em que é possível de uma forma simples e rápida. O WordPress foi criado a partir do já desaparecido b2/cafelog e é hoje o mais popular na criação de weblogs. a sua facilidade de uso e suas características como gestor de conteúdos. diretório de eventos e outros conteúdos devido a sua capacidade de extensão através de plugins. As causas do seu rápido crescimento são. gestor de projetos. entre outras.

2.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM Figura 6 Wordpress .0. CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 22 de 32 | P á g i n a Mod.wordpress. Os alunos apresentam opiniões muito favoráveis sobre as redes sociais. a quantidade e variedade de recursos disponíveis e o desenvolvimento de contatos pessoais. representa a segunda geração de comunidade e serviços que visa centrar a Web como uma plataforma que aproveita o efeito de rede. As principais motivações que levam os alunos a utilizarem as redes sociais são os contactos com amigos e o entretenimento. segundo Tim O’Reilly (2005).DFRH. Esta. de modo que quanto mais as aplicações sejam utilizadas mais ricas se tornam. salientando como principais potencialidades a facilidade de utilização. representando um papel cada vez mais influente na vida social e cultural das pessoas.0 As redes sociais têm tido um forte incremento de utilização por uma grande diversidade de utilizadores.http://www.pt 1.2 Redes Sociais e a Web 2.111/00 . As redes sociais têm vindo a assumir um papel cada vez mais central na Web 2.

Com as redes sociais não é diferente. principalmente para quem está ou quer ingressar no mercado de trabalho.0. combinando o perfil individual com ferramentas interativas de grupo. Cuidados a ter com as redes sociais É preciso ter muito cuidado com o que coloca na internet. aumentar a capacidade crítica e de revisão por pares e a capacidade criativa. Tenha muito cuidado com o que lá escreve ou insere.Fornecimento de dados CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 23 de 32 | P á g i n a Mod. Os conteúdos guardados numa rede social podem ser recolhidos por outras entidades e armazenados em formato digital. Se bem que o contrário também pode acontecer. blogues e fóruns de discussão. o Facebook. considerando a possibilidade de contratá-los. que vai além da informação e da ligação entre pessoas. Agências de recrutamento e contratação. acabaram por rejeitá-los. Sempre que pensar que determinada informação não está visível para todos os utilizadores. atividades em mundos virtuais e wikis. redes sociais. As redes sociais como.0. 2.Privacidade e segurança As tecnologias tanto dão para o bem. A comunidade educativa está interessada em permitir que os alunos possam demonstrar os seus resultados de aprendizagem através da criação de conteúdos nestas novas plataformas. Muitas empresas já entrevistaram candidatos. explorando novas formas de ensino e aprendizagem. pense duas vezes. cada vez mais utilizam estas redes para obter informação privilegiada. como chat. blogues. mas assim que procuraram o trabalhador na rede social.DFRH. As redes sociais apresentam-se assim como uma alternativa às plataformas tradicionais de aprendizagem. bookmarks sociais. como podcasts. devido à informação que recolheram no seu perfil. por exemplo. Todo o cuidado é pouco.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM Os alunos têm agora à sua disposição uma grande variedade de formas de criação de conteúdos da Web 2. tornaram-se mais frequentes em ambientes de aprendizagem. Com a adoção de blogues. como para o mal.111/00 . wikis e redes sociais. tendo simultaneamente o objetivo de melhorar as capacidades de expressão escrita. uma vez que focam o espírito colaborativo e de comunidade. nomeadamente para envolver os alunos e desenvolver as suas competências. a longo prazo. a Internet entrou na era da Web 2. 1.

Mantenha alguma privacidade! 5. 6. Estes dados podem ser utilizado em publicidade.Content Based Image Retrieval ( CIBR) O CIBR é um programa que permite descobrir onde determinada fotografia foi tirada. A norma SCORM é um modelo desenvolvido pela Advanced Distributed Learning (ADL) e define comunicações entre o conteúdo do lado do cliente e um host/anfitrião chamado de ambiente de execução.DFRH.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM As redes sociais têm grande capacidade de armazenamento. e nunca se sabe por onde passa. anteriormente designado por LMS. ou para venda de outras entidades. Mesmo que crie uma rede para cada campo.2. como local de estudo. tanto uma como outra estão sempre associadas. CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 24 de 32 | P á g i n a Mod. Sharable Content Object Reference Model (SCORM) é uma coleção de padrões e especificações destinadas ao e-learning. Uma boa forma de verificarmos esta situação é colocar o nome no Google. não será fácil. seja pessoal ou profissional. 3. relações familiares. certifique-se de que não está a ir contra a política empresarial. Isto pode gerar situações de perseguição.Reconhecimento facial Para quem tem mais do que uma rede social. está duplamente exposto. agrupando e disponibilizando de diferentes formas. Isto porque a informação na internet fica armazenada durante muito tempo. 1.Eliminação do perfil Mesmo que um dia queira apagar o seu perfil. acabando por prejudicá-lo. data de nascimento. Tenha muita atenção às fotografias que agrega ao seu perfil. Cada formador apresenta as suas próprias formas de construção de conteúdos. O principal risco desta nova tecnologia é a identificação de lugares onde a pessoa esteve e a localização da própria pessoa. 4.Referências ao local de trabalho Algumas empresas não gostam de estar expostas nas redes sócias. Se coloca no seu perfil a empresa onde trabalha. Com as normas SCORM pretende-se padronizar os conteúdos permitindo a sua reutilização. que no local de trabalho. quer no local onda mora.3 Normas SCORM Uma das problemáticas da construção e disponibilização dos conteúdos online é a sua heterogeneidade. etc. não só de informação mas de outros dados secundários.111/00 .

que ali pode adicionar e remover conteúdos interactivamente.111/00 .  Flexibilizar a aprendizagem uma vez que podem ser construídos vários percursos de aprendizagem e estes disponibilizados a diferentes alunos.  Portabilidade/migração ao permitir que sejam independentes da plataforma de e-learning.  Reutilizar os objetos de aprendizagem. Estas ferramentas podem dar uma ajuda importante para que professores ou outros profissionais criem os seus próprios conteúdos em e-learning.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM O SCORM tem como objetivos:  Padronizar o modo como os conteúdos se relacionam com os sistemas que os suportam. Pela importância deste formato. Os objetos de aprendizagem podem assim ser transportados entre ambientes de e-learning de diferentes instituições. CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 25 de 32 | P á g i n a Mod. eXe – eLearning XHTML editor O eXe é uma aplicação open-source para criar conteúdos SCORM em formato XHTML que pode ser utilizada facilmente por utilizadores sem grandes conhecimentos de informática. o mesmo conteúdo pode ser incorporado em vários contextos e ter várias utilizações (em diferentes disciplinas/módulos). Isto é. permitindo ao autor do conteúdo utilizá-lo em contextos diferentes.DFRH. independentemente da plataforma. existem várias ferramentas que podem ser utilizadas para a criação de conteúdos no formato SCORM. Possui um painel principal que mostra uma reprodução fiel dos conteúdos e-learning a criar e que serve também de interface com o utilizador.

tornando assim possível o desenvolvimento mais rápido e padronizado de conteúdos em e-learning. Outra das vantagens do Xerte é que gera automaticamente uma interface que permite uma navegação fácil nos conteúdos criados. vídeo. sons. CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 26 de 32 | P á g i n a Mod. O Xerte permite também a criação de templates ou modelos. questionários ou outros objetos. imagens.DFRH.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM Figura 7 Aplicação eXe Xerte O Xerte é uma aplicação open-source desenvolvida pela Universidade de Nottingham que permite criar cursos e-learning com texto. criando no final um ficheiro SCORM em formato flash. Os utilizadores avançados podem ainda desenvolver scripts para criar templates dinâmicos e conteúdos em e-learning com grande interatividade.111/00 .

tendo ainda um ficheiro de manifesto que além dos metadados.111/00 . como os seus recursos e metadados. nível de dificuldade ou assunto. guarda a sequência de apresentação e a hierarquia dos vários OA que o constituem. língua.DFRH. CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 27 de 32 | P á g i n a Mod. que guardam informação sobre os vários objetos de aprendizagem. Um pacote SCORM é um ficheiro zip onde estão todos os Objetos de Aprendizagem dum curso. nomeadamente autor.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM Figura 8 Aplicação Xerte Reload Editor A aplicação Reload Editor (Reusable eLearning Object Authoring & Delivery) permite criar ou explorar o conteúdo dum curso e-learning em formato SCORM.

111/00 . Figura 9 Aplicação Reload Editor CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 28 de 32 | P á g i n a Mod. sendo direcionada para os utilizadores com algum conhecimento sobre o padrão SCORM.DFRH. o Reload Editor serve apenas para agrupar objetos de aprendizagem num pacote SCORM e associar-lhes metadados. O Reload serve também para editar um pacote SCORM tornando assim possível criar novas organizações (uma sequenciação diferente dos OA) e novos cursos em e-learning a partir doutros cursos já existentes.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM Ao contrário do Exe e do Xerte que permitem criar conteúdos e-learning. que permite verificar se o ficheiro gerado pela aplicação está em conformidade com o formato SCORM. Uma das funcionalidades bastante úteis do Reload Editor é a validação.

 A aprendizagem torna-se menos sequencial contudo mais global e significativa.2.  Utilizam-se novas abordagens construtivistas que envolvem os alunos em tarefas e atividades mais autênticas e contextualizadas.DFRH.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM 1. clips de áudio e vídeo. Na comunicação de um-para-um os participantes podem conversar entre si em privado através de email.  As interações entre alunos deixam de depender do espaço. diagramas. etc. do tempo e do contexto em que ocorrem. em listas de discussão ou até mesmo em sessões de chat com a presença de todos. chats on-line ou ainda pela utilização da vídeo-conferência.  Torna-se mais fácil a ilustração de problemas reais.4 Ferramentas de comunicação síncrona e assíncrona As principais vantagens apontadas pelas ferramentas de comunicação com suporte on-line.111/00 .  As aprendizagens revelam uma maior dependência dos alunos de fatores sensitivos e intuitivos.  Modificam-se as relações entre alunos e entre o professor e os alunos.  Surge uma melhor convergência entre as informações trocadas e o trabalho de campo. Na comunicação de um-para-muitos os participantes podem comunicar em quadros de aviso na Web. mas também de um-para-muitos ou ainda de muitos-para-muitos. é a possibilidade da comunicação poder ser feita não só no sentido de um-para-um. Existem diversas vantagens no desenvolvimento e estimulação deste tipo de interação que tem em conta os diferentes estilos de aprendizagem:  Estimula-se a aprendizagem mais ativa e refletida.  Dada a ausência de reações visuais e verbais orais.  Dá-se uma maior promoção da motivação intrínseca dos alunos.  A aprendizagem torna-se independente dos objetivos pedagógicos propostos. gráficos. dentro ou fora de um LMS. estimulam-se outras formas de comunicação mais ricas baseadas na troca de fotografias. imagens. CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 29 de 32 | P á g i n a Mod.  O professor passa a assumir um papel de facilitador das interações e é visto pelos alunos como um especialista na matéria abordada e que está sempre disponível para ser consultado ou atendido nas suas sugestões. pelo realce de questões geradas pelos próprios alunos.

as suas intervenções nas interações que decorrem durante um curso em regime de e-learning.111/00 . existe simultaneidade na interação entre os seus participantes. redigir ponderadamente. Comunicação assíncrona As formas de comunicação assíncrona. procurar informação. na comunicação assíncrona os participantes têm oportunidade de estudar. Contrariamente ao que se passa na comunicação síncrona. Face às formas de comunicação síncrona. refletir. Dependendo dos objetivos que temos para uma determinada sessão. como o próprio nome indica. são as mais antigas formas de comunicação no ensino a distância e no e-learning. ou também na utilização de áudio e vídeo. a utilização de uma ou de outra forma deve ser devidamente ponderada.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM Tendo em conta as atividades e plataformas apresentadas nos tópicos anteriores. ou seja que decorrem de forma intermitente e com diferença temporal entre os participantes. que são os objetivos da formação. CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 30 de 32 | P á g i n a Mod. podem basear-se apenas na utilização de texto. As formas de comunicação síncrona. Mas as possibilidades acrescidas de reflexão e integração com outras fontes de informação facilita a aprendizagem e a construção de conhecimento.DFRH. sendo geralmente designadas por chat. e corrigir quantas vezes forem necessárias. caso em que serão designadas por audioconferência ou videoconferência. elas podem perder no que diz respeito ao imediatismo e espontaneidade. Existem várias ferramentas das quais se destacam as seguintes:  Correio eletrónico  Fóruns  Wikis e glossários  Weblog  Outros Comunicação síncrona No caso da comunicação síncrona. podemos desde já dividir de forma síncrona e assíncrona. também conhecidas por conferência.

ou às palavras virtual ou online. os termos professor.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM 1. Tal como no ensino presencial. No âmbito do e-learning. moderador. que são geralmente utilizadas de forma indiscriminada. etc. O que é um e-formador? A primeira dificuldade na resposta a esta questão resulta do ruído provocado pela multiplicidade de termos e significados que se foram usando nos últimos anos. As funções formativas no contexto do e-learning são múltiplas: desde a conceção das ações. tutor online. etc. usando o conjunto de estratégias pedagógicas necessárias para lhes assegurar uma experiência de aprendizagem enriquecedora. CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 31 de 32 | P á g i n a Mod.5 O papel do e-formador e e-moderador Sempre que se aborda a temática do e-learning. formador virtual.DFRH. passando pela criação de conteúdos.  interação entre formando e conteúdos  interação entre formandos No contexto do e-learning. e-formador. eprofessor.. estimular. O e-formador tem de promover. dando a origem a designações como e-moderador.2. tem três dimensões:  interação entre formando e formador. formador. de acordo com Mason (1998). temos obrigatoriamente de falar em e-formador. orientar e apoiar as interações que ocorrem no processo de formação e que. até à sua implementação e condução. são associados ao prefixo e. alguns autores acrescentam um quarto tipo de interação:  interação entre o formando e a interface ou plataforma.111/00 . tutor. o formador num curso em e-learning tem de atuar como organizador e facilitador da participação dos estudantes/formandos.

London: Continuum RICHARDSON. 1 (1). B. Da e-moderação à mediação colaborativa nas comunidades de aprendizagem. M. London and New York: Routledge Falmer STEFANI. Z.educom. G. Lisboa: INOFOR DIAS.MÓDULO: PLATAFORMAS COLABORATIVAS E DE APRENDIZAGEM Referências Bibliográficas CAÇÃO. CURSO: : FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE FORMADORES B-LEARNING 32 de 32 | P á g i n a Mod. Will (2006). (2009). e GOMES. Ensino Online e Aprendizagem Multimédia. A evolução do e-learning em Portugal: Contextos e Perspetivas. ALLAN. (2008). R. Thousand Oaks.111/00 . Podcast and other powerful Web tools for classrooms. Pfeiffer edition. E-moderating.DFRH. pp.pt LEWIS. (2000).) (2003). D. CA: Corwin Press SALMON. The discourse of blogs and wikis. 75 e-learning activities: Making Online learning interactive. Routledge: London WATKINS. J. P. G. E-learning e E-conteúdos.The Educational Potential of e-Portfolios. In Educação. Lisboa: Centro Atlântico MIRANDA. Porto: Sociedade Portuguesa de Inovação CARNEIRO. Guimarães: TecMinho DIAS. Virtual Learning Communities: a guide for practitioners. Open University Press e McGraw-Hill Education LIMA. CAPITÃO. Roberto (coord. (Coord. 4-10. vol.)(2004). Blogs. Lisboa: Relógio d’Água MYERS. (2003). Formação & Tecnologias. Wikis.. Greg (2011). Disponível em http://eft. E-learning para E-formadores. A. DIAS P. Introdução ao E-learning. (2003).. L. (2005). et al (2007). Ryan (2005).