Você está na página 1de 3

ANÁLISE DE COLIFORMES TOTAIS E FECAIS: Através do uso do sistema

Petrifilm.

1. Introdução
O presente trabalho teve como objetivo avaliar a qualidade microbiológica da água
destinada ao consumo humano distribuída nos bebedouros do Centro universitário de
Dourados – Unigran, empregando o método de análise através do uso do sistema Petrifilm que
determina o Número Mais Provável (NMP) de bactérias coliformes/1 ml.
O sistema Petrifilm é uma alternativa mais rápida ao método de plaqueamento
convencional. O sistema utiliza uma mistura desidratada de nutrientes (ágar vermelho violeta
bile) e agente geleificante (solúvel em água fria) e um indicador de atividade glicuronidásica
(5-bromo-4cloro-3-indolil-β-Dglicuronideo) e um indicador tetrazólico para facilitar a
enumeração das colônias sobre um filme.
2. Objetivo
Este relatório tem como finalidade, mostrar as características de uma determinada
amostra, através de um novo processo analítico, onde é observada a quantidade de coliformes
totais e coliformes fecais.
3. Justificativas
Ao se analisar a quantidade de coliformes totais e fecais em uma amostra, pode-se
comprovar se ela está ou não apta para o consumo humano, como também os malefícios e
benefícios que podem trazer ao indivíduo consumidor deste produto.
4. Referencial Teórico
A classificação dos coliformes segundo SILVA (1997), apresenta o grupo de
Coliformes totais que incluem as bactérias na forma de bastonetes Gram-negativos, não
esporogênicos, aeróbios ou aeróbios facultativos, capazes de fermentar a lactose com
produção de gás, em 24 a 48 horas a 35º C. Apresenta-se cerca de 20 espécies, dentre as quais

ou seja. Após isso. Para os demais usos. 1 pipeta micro volumétrica. Método Para amostragem foi retirado do bebedouro a quantidade de água potável suficiente para não encher totalmente o pote de coleta fornecido pelo laboratório multidisciplinar do centro universitário da grande Dourados – Unigran. águas destinadas ao abastecimento doméstico. 1 unidade de petrifilm estéril. de 5 de junho de 1984. do Decreto 88. inciso lX. no caso de não haver.. Materiais       1 Ponteira azul de 1 unidade estéril. após tratamento convencional: “Coliformes: para uso de recreação de contato primário deverá ser obedecido o Art. logo em seguida foi acoplado na pipeta micro volumétrica a ponteira azul de 1 (uma) unidade e colhido deste pote CIT a quantidade de 1(um)Ml desta água e despejado na parte estéril do Petrifilm.encontram-se tanto bactérias originárias do trato intestinal de humanos e outros animais de sangue quente.000 coliformes totais por 100 mililitros em 80% ou mais de pelo menos 5 amostras mensais colhidas em qualquer mês”. 1 pote estéril pequeno de amostras. 5. de 1º de junho de 1983.000 coliformes fecais por 100 mililitros em 80% ou mais de pelo menos 5 amostras mensais colhidas em qualquer mês. na RESOLUÇÃO CONAMA Nº 20. não deverá ser excedido uma limite de 1. 6. a amostra da água foi removida para o pote CIT onde foi agitada com o intuito de incorporá-la ao composto responsável pela inativação do cloro contido no mesmo. 1 pote CIT estéril pequeno. 7º. de 18 de junho de 1986 resolve estabelecer a seguinte classificação para a quantidade considerada aceitável para a presença de coliformes em água doce de Classe 2. na região. 1 amostra de água do bebedouro da Unigran com água potável. o índice limite será de até 5.351. que em seguida foi fechado com o cuidado de . Feito a coleta da amostra. meios disponíveis para o exame de coliformes fecais.CONAMA. o Petrifilm foi identificado reservado. O Conselho Nacional de Meio Ambiente . e o que estabelece a RESOLUÇÃO CONAMA Nº 003. no uso das atribuições que lhe confere o art. 26 desta Resolução.

de 18 de junho de 1986. salobras e salinas do Território Nacional.cfm? codlegi=43>.pdf>. 146 p. 1ª ed. 2015. Manual prático de análise de água. 7. .mma. Disponível em: <http://www.evitar a formação de bolhas de ar e espalhado o conteúdo para sua distribuição por igual em todo o Petrifilm. RESOLUÇÃO Nº 20. Saneamento. Referência Bibliográfica BRASIL.br/port/conama/legiabre.br/bvs/publicacoes/analise_agua_bolso. Resultados e Discussão 8. Disponível em: <http://bvsms.saude. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA. Dispõe sobre a classificação das águas doces. acesso em: 04 nov. 2004. 1. – Brasília: Fundação Nacional de Saúde. Fundação Nacional de Saúde.gov.gov. acesso em: 04 nov. 2015.

Interesses relacionados