Você está na página 1de 39

A Água na Terra e a sua

distribuição
Problemas de abundância e
escassez
Distribuição da Água na Terra

Visualizar filme
 Um dos grandes problemas da actualidade é a satisfação da crescente
necessidade de água doce por parte da Humanidade, tendo em conta:
- O aumento demográfico,
- A contaminação dos recursos hídricos,
- As alterações climáticas,
- A assimetria da sua distribuição.

A ONU aponta duas soluções básicas para diminuir a escassez de água:


- Aumento da sua disponibilidade;
- Utilização mais eficaz.

Esta preocupação levou o Conselho da Europa a proclamar,


em Estrasburgo, a 6 de Maio de 1968, a “Carta Europeia da
Água”.
Conferências Mundiais

• Conferência das Nações Unidas sobre Água (1977, Mar del Plata): 1981 a
1990 foram declarados pelas Nações Unidas como Década Internacional
da Água Potável e Saneamento.

• ECO92 (década de 90, Rio de Janeiro): aprovação da “Declaração do Rio” e


da “Agenda 21”.

• Conferência Internacional sobre a Água Doce (2001, Bona)


• Encontro Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável (2002, em
Joanesburgo): estabeleceu-se a “Declaração de Joanesburgo”.

• Fórum Mundial da Água (trienalmente e durante uma semana, englobando


o Dia Mundial da Água – 22 de Março).
Soluções mais óbvias que estão a ser
praticadas ou o serão em breve
 Dessalinização: A dessalinização das águas do mar e de
aquíferos subterrâneos com salinidade elevada será a
solução para países com o capital, a tecnologia e o acesso à
água salgada.

 Tratamento de águas canalizadas: Os países mais


desenvolvidos têm investido no processo de gestão de
águas.

 Captação das águas da chuva: Em países com estações


chuvosas é possível maximizar os reservatórios de água
pelo uso da água de precipitação.
Água Potável, águas de abastecimento
público e águas minerais
Atendendo ao modo como é obtida, a água pode ser classificada
em:
• Água de abastecimento – água canalizada que recebemos
nas nossas casas.
• Água purificada – água tratada por destilação, desionização e
outros processos.
• Água mineral – água proveniente de determinadas fontes
naturais.
• Água do poço – água subterrânea, extraída de poços.
• Água residual – água que já foi utilizada (a reutilização é uma
possibilidade).
A qualidade da água e a legislação
Para a manutenção de uma comunidade humana
saudável é absolutamente essencial que exista
um fornecimento de água de qualidade
adequada.

“Assegurar a qualidade da água para consumo


humano constitui um objectivo primordial nas
sociedades actuais, .....”- dec.lei 243/2001 de 5
de Setembro.
A qualidade da água e a legislação
No que diz respeito ao controlo da qualidade da
água para consumo humano encontra-se em
vigor o decreto-lei 306 /2007 de 27 de Agosto.

A legislação portuguesa (decreto-lei n.º 236/98


de 1 de Agosto) estabelece os critérios e
normas de qualidade da água em função dos
seus principais usos, nomeadamente, os
valores de VMR (valor máximo recomendável) e
VMA (valor máximo admissível).
Composição Química da Água da Chuva, Água Destilada
e Água Pura
Uma água natural pode conter:
• Aniões dissolvidos típicos
Hidrogenocarbonato (HCO3-), carbonato (CO32-), hidróxido (OH-),
sulfato (SO42-), cloreto (C-), fluoreto (F-), nitrato (NO3-), sulfureto
(S2-) e fosfato (PO43-).

• Catiões dissolvidos típicos


Cálcio (Ca2+), magnésio (Mg2+), sódio (Na+), potássio (K+), ferro
(Fe2+ ou Fe3+), manganês (Mn2+), alumínio (A3+), bário (Ba2+),
estrôncio (Sr2+), cobre (Cu2+) e zinco (Zn2+).

• Gases dissolvidos, onde se incluem o dioxigénio (O2) e o dióxido


de carbono (CO2).

• Outros constituintes, como a sílica, colóides e matéria orgânica.


Chuva “Normal”
Contém dissolvidos:
• CO2 atmosférico;
• Outros gases de origem antropogénica;
• Partículas que se encontram em suspensão na
atmosfera.

 A chuva “normal” é ácida devido à dissolução do


dióxido de carbono atmosférico na água.

 O seu pH é 5,6  pH 7,0 (25 ºC).


Água Destilada versus “Água Pura”
Na realidade, a água destilada é, entre as de mais fácil
acesso, aquela que se aproxima mais da definição de
“água quimicamente pura”.

• Define-se “água quimicamente pura” como uma água


exclusivamente constituída por moléculas de água,
sem qualquer substâncias dissolvidas e com um valor
de pH = 7 à temperatura de 25 ºC.
 Embora possa ser considerada como uma “água
pura”, a água destilada não o é efectivamente, pois é
impossível eliminar totalmente todos os solutos
dissolvidos. O seu pH varia numa gama de 5,5 - 6,0.
pH – Medida de Acidez,
de Basicidade e de Neutralidade

Sorensen

• O pH foi originalmente definido, em 1909, pelo bioquímico


dinamarquês Sorensen, como uma função logarítmica da
concentração do ião hidrogénio:

pH = - log [H+] e 1,0x10-pH = [H+]

em que log é o logaritmo de base 10 e [H+] é a concentração


molar dos iões hidrogénio, expressa em mol/dm3 de
solução.
 pH: sigla para potencial hidrogeniónico.
Escala de pH (25ºC)
Escala de pH (25ºC)
• A concentração do ião hidrogénio varia entre 1,0  100
e 1,0  10-14.

• O pH varia de zero (soluções muito ácidas) a 14


(soluções muito básicas).

 pH < 7 indica uma solução ácida


 pH = 7 indica uma solução neutra
 pH > 7 indica uma solução básica
Ácidos e Bases

Ácido
- Sabor azedo
- Reage com muitos metais

- Altera a cor de certos “indicadores”

- Reage com as bases

Álcali (base)
-Sabor amargo
Robert Boyle
- Escorregadia ao tacto (1627 – 1691)
- Altera a cor de certos “indicadores”

- Reage com os ácidos


Os ácidos eram caracterizados pela presença de oxigénio, depois
de ter estudado ácidos como o H2SO4 e HNO3.

•Em 1777 inventou a palavra oxigénio a


partir do grego (oxys = azedo), que
significava “gerador de ácido”.

•Em 1779, conclui que o oxigénio estava


presente no ácido muriático (HC) e que era
a sua presença que o tornava ácido. ideia
esta que se comprovou estar errada. Antoine Lavoisier
(1743 – 1794)

Foi a primeira tentativa para caracterizar quimicamente


os ácidos e as bases.
Ácido de Arrhenius
Qualquer substância que liberta iões
hidrogénio (H+) para a solução.
Svante Arrhenius
(1859 – 1927) Dissociação do ácido: HA  H+ + A-

Base de Arrhenius
Qualquer substância que liberta iões
hidróxido (HO-) para a solução.

Dissociação da base: XOH  X+ + OH-


Problemas com a teoria de Arrhenius:
• O solvente não tinha nenhuma influência: supunha que um
ácido fosse sempre ácido qualquer que fosse o solvente.
• Não explicava por que é que alguns compostos que continham
hidrogénio como o HC se dissolviam em água, originando
soluções ácidas, e outros como o CH4 não originavam tais
soluções.
• As soluções obtidas a partir de sais não eram ácidos nem
bases.
• A necessidade do hidróxido levou Arrhenius a propor a
fórmula NH4OH como a fórmula do amoníaco em água. Esta
situação conduziu ao erro de se considerar NH4OH como base
e não NH3.
Johann N. Bronsted Thomas M. Lowry
(1879 – 1947) (1874 – 1936)

Ácido Base
Substância dadora de protões (H+) Substância receptora de protões (H+).
Ácido de Qualquer substância que aceite
Lewis um par de electrões não ligantes
– aceitador do par electrónico.

Gilbert N. Lewis
(1875 – 1946)
Base Qualquer substância que dá um
par de electrões não ligantes –
de Lewis dador do par electrónico.
Segundo a teoria protónica de Bronsted e Lowry:

Numa reacção ácido-base ocorre uma transferência de um


protão (protólise) de um ácido para uma base.

H+

HA + B  A- + BH+
Ácido Base

De acordo com esta teoria, um ácido e uma base só se


comportam como tal na presença um do outro.
Segundo a teoria protónica de Bronsted e Lowry:

Ácido – Espécie química que cede protões (H+)

H+

HC (aq) + H2O ()  C- (aq) + H3O+ (aq)


Ácido Base

Em solução aquosa, um ácido provoca o aumento da


concentração de iões oxónio (H3O+).
Segundo a teoria protónica de Bronsted e Lowry:

•Base – Espécie química que aceita protões (H+)

H+

NH3 (aq) + H2O () ⇌ NH4+ (aq) + OH- (aq)


Base Ácido

Em solução aquosa, uma base provoca o aumento da


concentração de iões hidróxido (OH-).
H+

HC (aq) + H2O ()  C- (aq) + H3O+ (aq)


 Nesta reacção, a água aceita um protão, logo comporta-se como base.

H+

NH3 (aq) + H2O () ⇌ NH4+ (aq) + OH- (aq)


 Nesta reacção, a água cede um protão, logo comporta-se como ácido.

A água é uma espécie anfotérica.


Vantagens do modelo de ácidos e bases segundo
Bronsted-Lowry:

• Os ácidos e as bases podem ser iões ou moléculas neutras.


• Os ácidos e as bases podem ser qualquer molécula que tenha pelo
menos um par de electrões não ligantes.
• É explicado o papel desempenhado pela água nas reacções de
ácido-base.
• Relaciona os ácidos e as bases com os respectivos pares
conjugados e explica as suas forças relativas.
• Compara as forças relativas de pares de ácidos e de pares de
bases.
Pares ácido-base conjugados
H+
Ácido 2 Base 1
HC(aq) + NH3(aq) ⇌ NH4+(aq) + C-(aq)
Ácido 1 Base 2
H+

HC cede um protão transformando-se em C -

C- é a base conjugada do ácido HC

NH3 aceita um protão originando o NH4+

NH4+ é o ácido conjugado da base NH3

Pares ácido-base conjugados: HC / C - (Ácido 1 / Base 1)


NH4+ / NH3 (Ácido 2 / Base 2)
Ácidos Fortes e Ácidos Fracos

HC (g) + H2O ()  H3O+ aq) + C - (aq)

O ácido clorídrico é um ácido forte.

CH3COOH (aq) + H2O () ⇌ CH3COO- (aq) + H3O+ (aq)

O ácido acético é um ácido fraco.

Um ácido é tanto mais forte quanto maior for a sua capacidade de


ceder protões por ionização e, portanto, quanto maior for a
concentração de iões H3O+ que origina em solução aquosa.
Bases Fortes e Bases Fracas

NaOH (s) + água  Na+ aq) + OH- (aq)

O hidróxido de sódio é uma base forte.

NH3 (g) + H2O () ⇌ NH4+ (aq) + OH- (aq)

O amoníaco é uma base fraca.

Uma base é tanto mais forte quanto maior for a sua capacidade de
aceitar protões. Em solução aquosa, quanto mais forte é a base,
maior é a concentração de iões OH- em solução.
Força relativa de pares ácido-base conjugados
Auto-ionização da Água
H2O() + H2O() ⇌ H3O+(aq) + OH-(aq)

Neste equilíbrio (dinâmico):


A água funciona simultaneamente como ácido e como base;
Cada ião H3O+ está “acompanhado” de um ião hidróxido, OH-, pelo
que a água pura é electricamente neutra;
A qualquer temperatura, [H3O+(aq)] = [OH-(aq)]
H3O+ ou H+ ?

O ião H+, por ser uma partícula tão pequena e electricamente


carregada, apresenta uma interacção bastante forte com as
moléculas de água da solução, originando um ião hidrogénio
hidratado: o ião oxónio, H3O+.

A estrutura correspondente é:
H

O
H H

Ao escrever H+, isso não significa que o ião esteja livre em


solução. Significa é que não se assinala a hidratação.
AUTO-IONIZAÇÃO da ÁGUA
H+

H O() + H O() ⇌ H O+(aq) + HO-(aq)


2 2 3

Ácido 1 Base 2 Ácido 2 Base 1


Constante de equilíbrio da auto-ionização da água

 
[ H 3O ][OH ]
Kc 
[ H 2O ]  [ H 2O]

Na “água pura”, a [H2O]não ionizada = 55,5 mol/dm3 é uma


constante.
A expressão pode reescrever-se como:
Kc . [H2O] . [H2O] = [H3O+] . [OH-]
O termo Kc . [H2O] . [H2O] é uma constante que se representa por
Kw.
Constante de Auto-ionização da Água
ou Constante de Ionização da Água.

K w   H 3O  . OH  
e e

Kw = 1,00x10-14 à temperatura de 25 ºC

Embora Kw seja definido em termos da ionização da água, a


constante de equilíbrio é igualmente válida para soluções de
ácidos e de bases dissolvidos em água. Qualquer que seja a
fonte dos iões H3O+ e OH- na água, o produto das
concentrações, no equilíbrio e à temperatura de 25 ºC, é
sempre 1,00x10-14.
pH = - log [H3O+] pKw = - log Kw
pOH = - log [OH-] pKw = pH + pOH

A 25 ºC, pKw = - log (1,00x10-14) = 14


Temperatura (ºC) Kw pH
0 0,1140x10-14 7,47

10 0,2930x10-14 7,27
20 0,6810x10-14 7,08
25 0,1008x10-14 7,00
30 1,471x10-14 6,92
40 2,916x10-14 6,77
50 5,476x10-14 6,63
100 51,30x10-14 6,14

À medida que a temperatura aumenta, o valor de Kw aumenta,


porque a autoprotólise da água é endotérmica.

O valor de Kw é da ordem de 10-14, valor esse muito baixo, o que


mostra que a auto-protólise da água ocorre em pequena extensão.
Soluções neutras, ácidas e alcalinas

A uma determinada temperatura, Kw =constante, e

 Na água pura ou em soluções aquosas neutras (a),


[H3O+] = [OH-] pH = pOH

 Em soluções aquosas ácidas (b),


[H3O+]  [OH-] pH  pOH

 Em soluções aquosas alcalinas (c),


[H3O+]  [OH-] pH  pOH
Soluções neutras, ácidas e alcalinas

À temperatura de 25 ºC, Kw = 1,0x10-14, e

 Na água pura ou em soluções aquosas neutras,


[H3O+] = [OH-] = 1,0x10-7 mol/dm3 pH = 7,0 e pOH = 7,0

 Em soluções aquosas ácidas,


[H3O+]  1,0x10-7 mol/dm3  [OH-] pH  7,0

 Em soluções aquosas alcalinas,


[H3O+]  1,0x10-7 mol/dm3  [OH-] pH  7,0
O controlo de pH pode servir para conseguir variantes de
cor num jardim:

Hortenses cor-de-rosa – Para se Hortenses azuis – Para se


obterem flores cor-de-rosa é obterem flores azuis é necessário
necessário que o solo seja que o solo seja ácido, com um pH
alcalino, com um pH entre 7 e 8. entre 5 e 5,5.