Você está na página 1de 16

c 

2 de Abril de 2010


 
 

 

 

 






Recordando o imenso amor de Cristo, vamos percorrer fervorosamente a Via Sacra, de


modo que, dando graças ao Senhor que por nós morreu numa cruz, tambémnós morramos
para o pecado e vivamos uma vida nova.
Num primeiro momento, iremos escutar a Palavra de Deus referente a cada estação.
No comentário que se segue, evoca-se em poucas palavras a dor dos nossos irmãos.
Esta evocação não pretende chamar ao sentimento mas à acção. O que faz falta é que
haja pessoas empenhadas em amar e servir os mais pobres e necessitados. No entardecer da
vida seremos julgados pelo amor.

 
-
 

 

 
 

Ô    



 
  

Ô 


    
    

P 

Evangelho Segundo S. Marcos (15, 1-15)


De manhã, muito cedo, os chefes dos sacerdotes reuniram-se com os anciãos, os doutores da
Lei e todos os outros membros do tribunal para decidirem a sorte de Jesus. Levaram-no a
Pilatos, que o interrogou͙ no final dos interrogatórios, mandou chicotear Jesus e entregou-o
para ser crucificado.


$ % 
& &
 
& 
#
` latos está sentado num trono, a mult dão está presente, entram os soldados com Jesus,
d  o soldado 1:

 
'() !
 
 *

(+
 
 ,
 (+
   -
. 
/$ 012*. *+
*###

(3
 4   ,c5 ) 
+ *
. 
(2
*2
*

(6  ) 7

 
 
 ,
. 
(
18!*18!*

( 
) )  ) 2
 
 ,
. 
(2"*2"*
Os soldados levam Jesus e saem.

 !


Como é fácil condenar uma pessoa porque a sua presença nos incomoda ou nos leva à
reflexão e à mudança de vida! Foi o que fizeram, há dois mil anos, as autoridades judaicas:
religiosas e civis.
Como é fácil condenarmos os outros por tantas razões: filhos a condenar os pais,
adultos a condenar os jovens, cidadãos a condenar os governantes͙ Demasiadas críticas
condenatórias.
Vejamos se não seremos demasiado severos com os outros, sabendo nós que até
temos razões para recebermos o perdão de Deus e dos irmãos. Deixemos de condenar, pois
ninguém nos constitui juiz dos nossos irmãos.

"


Senhor Jesus, enchei o coração dos homens de sentimentos de justiça e de


misericórdia, para que saiba construir uma sociedade justa e fraterna.
Vós que viveis com o Pai na unidade do Espírito Santo.

# Ámen

"
ʹ Glória

 
ʹ
 $ 

  $4   

7!


Ô    



 
  

Ô 


    
    

P 

Evangelho segundo S. Marcos (16, 16-20)Os soldados levaram Jesus para o pátio do
governador. Puseram sobre Jesus uma capa vermelha e colocaram-lhe na cabeça uma coroa
de espinhos. E começaram a saudá-lo: «Viva o rei dos judeus!» ͙ E troçavam dele͙
Em seguida levaram Jesus dali para o crucificarem.


$ %  


 
#
Os soldados batem-lhe com uma cana, depo s faendo vén as vão escarnecendo dele, d endo:

 
' 9(7: 
 !
Pevantam-se e colocam-lhe a coroa de esp nhos, r ndo e goando. No f m pegam na cru, levantam Jesus
brutalmente e colocam-lha nos ombros, saem todos.
Ê


 !


 A violência humana não conhece limites. Somos pessoas mas somos capazes de fazer
maiores atrocidades que os próprios animais. Tudo vale quando se deixam os instintos à solta
e se agride quem devia ser tratado como irmão.
Vemos a violência fora de nós. A comunicação social encarrega-se de fazer a crónica
diária das violências dos outros: desde os familiares ou vizinhos que se agridem ou matam até
aos governantes violentos.
Mas dentro de nós não existirá também algum sentimento de violência? Nunca
troçamos de ninguém, como fizeram os soldados romanos a Jesus? Como tratamos os
deficientes mentais, os ciganos, os negros, os colegas menos dotados?

"

Senhor Jesus, desterrai das nossas comunidades e dos nossos corações todo o
sentimento de desprezo, para que todos se sintam livres e felizes.
Vós que viveis com o Pai na unidade do Espírito Santo.

# Ámen

"
ʹ Pai Nosso

 
ʹ
+  

   7 4
8
 
 4

Ô    



 
  

Ô 


    
    

P 
Salmo 6
Tende compaixão de mim, Senhor,
Porque me sinto sem forças,
Devolve-me a saúde,
Porque me sinto abalado.
A minha alma está perturbada, Senhor.
Até quando terei de esperar por ti?
Vem, Senhor, libertar-me;
Salva-me pelo teu amor.


$ % &
 
& 
#
Entram Jesus, os soldados e a mult dão. Jesus ca . Os soldados puxam por Ele levantando-O e d endo:

 
(P 7  *3

 $  ,*c
!*; *
Jesus levanta-se e cont nua a andar.
Ê


 !


Estes sentimentos de angústia do salmista foram certamente também os sentimentos


de Jesus. Também ele se sentiu sem forças e caiu sob o peso da cruz. Como o salmista, nos
seus lábios uma prece de súplica.
Também com frequência nós podemos sentir a cruz pesada e suspirar: como é dura a
tarefa de viver! Dúvidas, dificuldades, apuros económicos, angústias, desgostos, abandono e
solidão.
É nesses momentos que temos de ter os sentimentos de Jesus que, mesmo do
sofrimento, sempre confiou que Deus haveria de o libertar dos seus inimigos e lhe haveria de
dar a vida feliz.

"


Senhor Jesus, escutai as nossas súplicas e dai o vosso Espírito de fortaleza aos que,
caídos sob o peso da cruz, necessitam de se erguer e continuar a caminhar.
Vós que viveis com o Pai na unidade do Espírito Santo.

# Ámen

"
ʹ Avé Maria

 
ʹ
6

.
 
 2
  


Ô    



 
  

Ô 


    
    

P 

Livro das Lamentações (1 e 2)


Venham ver quanto eu sofri,
Todos os que por aqui passais!
Não há dor igual à minha.
Senhor, vê como estou angustiada
E consumida pelo desespero.
Na rua a espada matou-me os filhos,
Em casa, estou rodeada de morte.
Muitos me ouviram suspirar
Mas ninguém veio acudir-me.
Os inimigos souberam da minha desgraça
E alegraram-se pelo que me fizeste.
Faz agora raiar o dia que anunciaste.


$ % &
 
&.. & 
#
Jesus entra e sua Mãe também, ela ao vê-Po, corre para Ele e agarra-O.
Os soldados afastam-na, d endo:

 
(2 *; <"
 *
Jesus segue em frente e sa acompanhado pela mult dão e sua Mãe.
Ê

 !

 Este breve texto, tirado do Livro das Lamentações, pode aplicar-se a Maria neste
momento de sofrimento.
Maria, ao apresentar o Menino Jesus no tempo de Jerusalém, escutou de Simeão
palavras duras: «uma espada de dor trespassará o teu coração». E assim aconteceu. Maria vê o
seu filho condenado à morte, mas não o abandona. Está presente.
Na nossa comunidade há gente que sofre a sua paixão. Falamos por vezes do
sofrimento dos que vivem no Terceiro Mundo ou nos arredores das grandes cidades. Mas as
pessoas que sofrem por vários motivos estão bem perto de nós.
Necessitamos, como comunidade, de sermos como Maria. Estar presentes ao lado dos
que sofrem no corpo ou no espírito, dando assim testemunha do nosso Deus, que é Pai
misericordioso.

"


Senhor Jesus, que à semelhança de Maria permaneçamos junto dos nossos irmãos
necessitados, pois seremos julgados pelo amor.
Vós que viveis com o Pai na unidade do Espírito Santo.

# Ámen

"
ʹ Pai Nosso

 
ʹ
6 


  =   74

Ô    



 
  

Ô 


    
    

P 
Evangelho segundo S. Marcos (15, 21)
Os soldados levavam Jesus para o Calvário, a fim de aí o crucificarem.
No caminho encontraram um homem que vinha do campo e obrigaram-no a levar a cruz de
Jesus. Chamava-se Simão de Cirene e era pai de Alexandre e de Rufo.


$ % &
  / 0&
 
& 
#
Jesus entra acompanhado pelos soldados, quase a ca r. Os soldados ao verem a sua frag l dade puxam pelo
C reneu, e d em:

 
(= "*3
7!
    ! $*
O C reneu ajuda Jesus a carregar a cru e saem todos, segu ndo em frente.
Ê

 !


O Evangelho recorda este homem que, apesar de obrigado, ajudou Jesus a levar a cruz.
E ficou na história o nome dos seus dois filhos. Não estava nos seus planos ajudar Jesus. Mas o
inesperado aconteceu. Não resistiu e carregou a cruz.
Muitas vezes na vida somos interpelados pelas circunstâncias ou pelos acontecimentos
a ajudar alguém a carregar a sua cruz. Ajudar os pais, os irmãos, os amigos, os desconhecidos
vítimas de alguma desgraça͙
Saibamos ver nessas situações um apelo do Senhor a convidar-nos a assumir com amor
o sofrimento dos outros. Esta atitude compassiva, feita com alegria, será fonte de uma grande
paz.

"


Senhor Jesus, dai-nos a audácia de que necessitamos para nos aproximarmos dos que
carregam a cruz e necessitam de alívio.
Vós que viveis com o Pai na unidade do Espírito Santo.

# Ámen

"
ʹ Avé Maria

 
-
 <

> 


  

Ô    



 
  

Ô 


    
    

P 

Salmo 69
Salvai-me, ó Deus, porque estou quase a afogar-me,
Estou a afundar-me num pântano profundo,
Não tenho onde apoiar os pés.
Vim parar as águas muito fundas
E a corrente está a arrastar-me.
Estou rouco de gritar, dói-me a garganta,
Os meus olhos cansaram-se de esperar, ó meu Deus!


$ % &
 
&c : & 
#
Entra Jesus segu do dos soldados e da mult dão. Verón ca avança para a frente e enxuga o rosto de Jesus. Os
soldados afastam-na:

 
(2 & <" $*c  8
*
Verón ca afasta-se e f ca a olhar para o lenço.
Ê


 !


 O salmista, para expressar a sua angústia, utiliza a imagem de alguém que está
mergulhado no lodo, prestes a ficar totalmente enterrado. Diz que lhe dói a garganta de tanto
gritar por socorro. É uma imagem de Jesus sofredor, a quem uma mulher limpa o rosto.
Olhemos para o rosto das pessoas que se cruzam connosco. Rostos cansados de
trabalhadores, rostos tristes de idosos a viver sós, rostos de pessoas com marcas de quem
muito sofre, rostos de doentes angustiados, rostos de presos envergonhados͙
Quem lhes limpará os rostos? Quem lhes devolverá a esperança e alegria? Talvez baste
uma palavra amiga para que nesses rostos desfigurados brilhe a beleza de um sorriso.

"

Senhor Jesus, que saibamos limpar o rosto dos nossos irmãos, a fim de que neles
resplandeça a imagem de Deus, que os criou para a felicidade.
Vós que viveis com o Pai na unidade do Espírito Santo.

# Ámen

"
ʹ Pai Nosso

 
ʹ


   $ 7 4

Ô    



 
  

Ô 


    
    

P 

Salmo 22
Meus Deus, meu Deus, por que me abandonaste?
Por que te manténs distante,
Quando eu grito por socorro?
Meu Deus, clamo por ti durante o dia e não me respondes;
Durante a noite e não te sossego.
Os nossos antepassados confiaram em ti;
Confiaram em ti e tu os livraste.


$ % & 
&
 
#
Jesus volta a ca r por terra. O C reneu segura na cru, os soldados levantam Jesus, e ajudam-no a colocar-se
deba xo da cru.

 
( 
7
!& 7  *+ 
) 24 *


 !

O salmista sente o silêncio de Deus e clama. Jesus, que conhecia bem este e outros
salmos, também recitou este salmo na sua Paixão. Estando pregado na cruz, exclama em
hebraico: «Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?».
Nós, nos momentos das nossas quedas, quando nos sentimos muito pequenos,
humilhados, abandonados por todos, rezamos a Deus. Fazemos a nossa oração de súplica e
gostaríamos imediatamente de sentir a mão de Deus a estender-se para nos levantar.
Tal não acontece, pois Deus é uma presença invisível. Mas podemos ter a certeza de
que ele está presente. E possamos ser nós a manifestar, com gestos de amor, esta
proximidade de um Deus Amor.

"

Senhor Jesus, que sentistes como os humanos a angústia, fazei que as pessoas se
revistam dos vossos sentimentos de confiança no Pai misericordioso e bom.
Vós que viveis com o Pai na unidade do Espírito Santo.

# Ámen

"
ʹ Avé Maria

 
ʹ
"7

 

  ) 

  

Ô    



 
  

Ô 


    
    

P 

Evangelho segundo S. Lucas (23, 27-31)


Ia com Jesus, a caminho do Calvário, uma grande multidão, em que se viam algumas mulheres
que se lamentavam e choravam por ele. Jesus voltou-se para elas e disse: «Filhas de Jerusalém,
não choreis por mim, chorai antes pelos vossos filhos͙»


$ % &
 
&  & 
#
Jesus entra segu do dos soldados e mult dão. As mulheres choram ma s à frente, Jesus para e fala-lhes:
 (  *
) 

,
 
  
7: 
7

2
*###


 !


Jesus pede para não chorarem por ele. Não se pode chorar porque um homem decidiu
amar todas as pessoas, especialmente os pobres e os pecadores, até ao fim, arriscando a sua
própria vida.
Devemos é lamentar-nos porque há pessoas que são egoístas, que vivem satisfeitas
com o bem-estar, que não têm o sentido de egoísmo e do pecado. Essas pessoas é que são
dignas de lástima.
Necessitamos todos de ter o sentido do pecado e a humildade de os chorar,
arrependendo-nos e fazendo o esforço de crescer na santidade aos olhos de Deus e dos
homens.

"

Senhor Jesus, que todos nós saibamos confrontar a nossa maneira de sentir, pensar e
agir com os critérios do vosso Evangelho.
Vós que viveis com o Pai na unidade do Espírito Santo.

# Ámen

"
ʹ Pai Nosso

 
ʹ
3


 
    7 4

Ô    



 
  

Ô 


    
    

P 
Evangelho segundo S. Lucas (9, 23-24)
Jesus disse a todos: «Se alguém me quiser acompanhar tem de se esquecer de si próprio,
carregar com a sua cruz todos os dias, para vir comigo. Pois todo aquele que quiser salvar a sua
vida, perde-a, mas aquele que perder a vida por causa de mim, salva-a».


$ % &
 
& 
#
Jesus entra em palco acompanhado pelos soldados e mult dão. Volta a ca r por terra, C reneu segura na cru.
Os soldados em s lênc o e sens b l ados voltam a ajudar Jesus a levantar-se e a colocar-se deba xo da cru
novamente.
Ê

 !


Jesus tinha dito aos seus discípulos que era preciso que cada qual carregasse a sua cruz
e o seguisse. Neste momento da sua caminhada dolorosa, Jesus cai sob o peso da cruz,
enquanto os seus discípulos se encontram em lugar desconhecido.
Precisamos de escutar o que Jesus nos diz. Carregar a cruz, mesmo que seja pesada e
nos leva a algumas quedas. É normal para um humano cair. O que conta é que, quem cai,
tenha forças para se levantar.
A cruz a carregar é o peso que nos vem da dificuldade que sentimos em seguir os
passos de Jesus, vivendo ao seu jeito. É que vivemos numa sociedade adversa, onde é preciso
tantas vezes lutar contra a maré. Mas é no seguimento de Jesus que está a felicidade para
sempre.

"

Senhor Jesus, fazei que os cristãos assumam verdadeiramente as exigências da sua fé e
dai-lhes fortaleza para que carreguem com alegria a cruz do amor e do serviço aos irmãos.
Vós que viveis com o Pai na unidade do Espírito Santo.

# Ámen

"
ʹ Avé Maria

 
ʹ
;

  $
7!
   =

7  

Ô    



 
  

Ô 


    
    

P 
Evangelho segundo S. João (19, 23-24)
Os soldados, depois de terem crucificado Jesus, pegaram na roupa dele e dividiram-na em
quatro partes, ficando cada um com uma parte. E havia também uma túnica, feita de uma só
peça de pano, sem costura. Então os soldados disseram uns aos outros: «Não a vamos rasgar.
Tiremos à sorte para quem fica com ela».


$ % &
 
  
&

 ? #
Jesus volta a entrar, a mult dão f ca ma s atrás, os soldados ret ram a cru de Jesus, o C reneu va para junto
da mult dão, os do s ladrões já se encontram nas crues. Os soldados t ram as vestes e d v dem-nas entre eles,
rasgando o manto e r ndo. Jesus está de joelhos de cabeça ba xa, numa dor profunda.
Os soldados pregam Jesus na cru, Jesus d  ao mesmo tempo.
 ( & 
 &
 
8 
) 24 *


 !


O evangelista João vê na túnica feita de uma só peça que tiraram a Jesus o símbolo da
Igreja que deve permanecer unida. De facto na oração de despedida tinha rezado pela unidade
dos cristãos.
Actualmente existe o grande escândalo da divisão dos cristãos. Além dos cristãos
católicos, existem os cristãos evangelistas (ou protestantes), ou anglicanos e outras Igrejas
separadas. São um anti-testemunho, pois contradizem a vontade de Cristo.

"

Senhor Jesus, que se cumpra depressa o vosso desejo de todos nós, cristãos, sejamos
um só, vivendo em unidade, para que o mundo acredite mais facilmente em vós como
Salvador.
Vós que viveis com o Pai na unidade do Espírito Santo.

# Ámen

"
ʹ Pai Nosso

 
ʹ
;  

  $
 4

   



 
  




    
    

P 
Evangelho segundo S. Mateus (27, 37-38)
Os soldados crucificaram Jesus. Por cima da cabeça dele puseram um letreiro que dizia o
motivo da condenação: «Este é Jesus, o rei dos Judeus». Juntamente com ele crucificaram
também dois ladrões, um à direita e outro à esquerda.

Jesus já se encontra na cru, Mar a aprox ma-se da cru e d :


.(
*
 (. *
 2
*
 
*. *###
Depo s d sto Mar a e o d scípulo afastam-se.
Ê


 !

Pilatos tinha perguntado a Jesus se ele era rei. Jesus respondeu afirmativamente, mas
dizendo que o seu reino não era deste mundo. Agora escrevem que Jesus foi morto porque
afirmou ser rei dos judeus.
É verdade que Jesus veio para inaugurar um reino novo. Este reino novo constrói-se
nos corações que optam pela paz, pela amizade, pelo perdão, pela bondade. E, à maneira de
fermento, transformará este mundo, tornando-o mais justo e fraterno.
Precisamos de rejeitar os ídolos que nos são oferecidos pela sociedade materialista e
prestar culto apenas a Cristo, aquele que deve conquistar os nossos corações e cuja mensagem
deve ser fermento de um mundo melhor.

"

Senhor Jesus, que viestes para servir, ajudai-nos a perceber que no vosso reino o maior
será aquele que está disponível para servir até ao fim.
Vós que viveis com o Pai na unidade do Espírito Santo.

# Ámen

"
ʹ Avé Maria

 
ʹ
; $ 

 
  4

Ô    



 
  

Ô 


    
    

P 

Evangelho segundo S. Lucas (23, 44-46)


Era quase meio-dia quando o sol deixou de brilhar e toda a terra ficou às escuras até às três da
tarde. A cortina do templo rasgou-se ao meio. Então Jesus deu um grande grito e disse: «Pai,
nas tuas mãos entrego o meu espírito». Mal acabou de pronunciar estas palavras, morreu.


$ %  4&
 
& ? & 
#
Jesus pendurado sofre, o mau ladrão d :
P 
(+ 

. ,;   4 7  
 7
 :#
P 
8
( *+  )   ; ,+) 
2 
 

,
 
) 24 =&  
   2 4   
$
*
  *P 8  )
 $ 
  
*
 (37     $
*@
=  
 !
$

 

*
Após uma pausa, Jesus exclama!
 (+ 
 *
Um soldado pega numa esponja e dá-lhe a beber o v nagre. Jesus d :
 ( *3+
  $

  
*+
 !

*
Jesus morre, ouve-se um trovão, e o soldado 1 d :

 
'(     

 ; *


 !

Toda a terra ficou às escuras durante algumas horas. Isto parece simbolizar a vitória
das forças da maldade e da morte. Jesus está como que derrotado e nesse momento de
despedida deste mundo a sua oração vai para o Pai.
O Pai, embora parecesse ausente, estava ali. Não para fazer sofrer o seu Filho muito
amado, mas para lhe dar a mão e o arrancar às forças da morte e o constituir Senhor, Salvador
da humanidade. Saibamos nós voltar-nos para Jesus crucificado como Salvador. Ele salva-nos
de tudo o que nos impede de ser felizes, pois tem um projecto de felicidade para nós. Salva-
nos a escravidão da morte.

"

Senhor Jesus, que a vossa cruz nos recorde continuamente que, para se chegar à
ressurreição, é preciso passar pelo túnel escuro da morte.
Vós que viveis com o Pai na unidade do Espírito Santo.

# Ámen

"
ʹ Pai Nosso

 
ʹ

 
;+  

  
 4

Ô    



 
  

Ô 


    
    

P 

Evangelho segundo S. Lucas (23, 50-53)


Havia um homem chamado José, da cidade de Arimateia. Fazia parte do tribunal judaico, mas
não tinha concordado com o que se fez. Foi ter com Pilatos e pediu-lhe o corpo de Jesus.
Depois tirou-o da cruz, envolveu-o num lençol e foi sepultá-lo num túmulo aberto na rocha.


$ % &
 
&
  &.& 
& ? #
José de Ar mate a e os do s homens da mult dão descem Jesus da cru, Mar a aprox ma-se e coloca-se de
joelhos. José de Ar mate a coloca-lhe Jesus nos braços.
Ê


 !


Amar de verdade é estar disposto a abraçar a tristeza. Amar a Deus de todo o coração,
com toda a alma, toda a força, é expor o coração à maior tristeza que o ser humano pode
sentir. A vida do cristão é vida de amor por Jesus. Não há nunca amor sem tristeza,
compromisso sem dor, envolvimento sem perda, doação sem sofrimento. Sempre que
procuramos evitar a tristeza, somos incapazes de amar. Sempre que escolhermos amar, haverá
muitas lágrimas.
Quando o silêncio caiu ao redor da cruz e tudo se consumou, a tristeza de Maria
alcançou os confins da terra.

"


Senhor Jesus, ajuda-nos a compreender a tristeza que tantas vezes se abate sobre nós,
e a amar cada vez mais, Tu que és o Deus de Amor que se entregou por nós.
Vós que viveis com o Pai na unidade do Espírito Santo.

# Ámen

"
ʹ Pai Nosso

 
ʹ
;6

  


Ô    



 
  

Ô 


    
    

P 

«Descendo-O da cruz, envolveu-O num lençol e depositou-O num sepulcro talhado na rocha,
onde ainda ninguém tinha sido sepultado. Era o dia da preparação e já amanhecia o sábado. As
mulheres que o tinham acompanhado desde a galileia seguiram José; elas olharam o túmulo e
como o corpo fora posto. Depois voltaram e prepararam perfumes.»



$ % &.&
  &
 
&

   
& ? #
A cena começa gual como acabou a ult ma. José de Ar mate a e os do s homens da mult dão voltam a pegar
em Jesus. Enrolam-lhe lençó s e carregam-nO para o sepulcro.
A mult dão afasta-se.
Ê
Ê 

 !


A sepultura de Jesus, não é o fim, o nada, o ponto final na sua vida. O seu cadáver
lançado à terra assemelha-se ao grão de trigo que precisa de ser enterrado na terra fria para
daí brotar uma vida nova.
Jesus tinha dito aos seus discípulos que assim como Jonas estivera três dias e três
noites no ventre da baleia, também o Filho do Homem teria de estar três dias no seio da terra.
Seria bom que todos aceitássemos a realidade da morte como uma passagem
necessária para uma vida nova e feliz, como um novo nascimento no qual se surge com um
corpo espiritual, novo e todo de luz.

"


Senhor Jesus, fazei que todos nós, pela nossa maneira de agir, saibamos dar as razões
da nossa esperança a quem as procura de verdade.
Vós que viveis com o Pai na unidade do Espírito Santo.

# Ámen

"
- Glória

 
ʹ





Senhor Jesus Cristo,
não sei se admiro mais
os Teus grandes e atrozes sofrimentos
se o imenso amor que tens pelos homens.
Seria ridículo dizer-Te,
neste momento, um obrigado.
Eu não sei o que dizer-Te.
Tu sabes bem o que vai dentro de mim!
Não leves em conta as palavras
que digo, olha antes, para aquilo que sou.
Tu conheces bem o caminho
que eu tenho trilhado.
Viste o meu esforço para o bem
e as minhas fraquezas.
Senhor chego ao fim
de uma trajectória misteriosa.
Só Te digo uma coisa:
na minha Via Sacra quero contar conTigo.
Quero ser fiel à vontade do Pai sobre mim.
Aceito as alegrias que a vida me oferece,
mas quero aceitar igualmente,
e levar com amor, a minha cruz até ao fim.
Cristo, conta comigo!
Eu também quero contar contigo!

Amen.



 
ʹ